Você está na página 1de 5
4618, DIARIO DA REPUBLICA Ministério da Geologia e Minas e da Industria Decret execution.” 1S¥H12 -Aproraoregulamento interno da Dine Nacional da Insta deste Minit. Decret execution 184/12 Aprota oregulamento itera da Diogo Nacional do Licenciamet ‘ Cadasro Mino deve Minit Deceeto execution? ‘Apes o rgulamento itera da Diego Nacional de Minas deste ‘Minin. PRESIDENTE DA REPUBLICA Decreto Presidencial n 257/11 {de 30de Setembro or conveniéncia de servigo; © Presidente da Repablica decreta, nos ermos da alinea d) do artigo 121. e do n* 1 do artigo 125.*, ambos da Consti twig da Repiblica de Angola, o seguinte: Nomeio Luts José de Almeida, para o cargo de Embai- xador Extraordinétio e Plenipotencisrio da Repablica de Angola, acreditado no Reino dos Pafses Baixos. Publique se. Luanda, aos 27 de Setembro de 2011. © Presidente da Repaiblica, Fox: EpuaRDo pos Saxtos. Decreto Presidencial n 258/11 {de M de Setembro Por conveniéncia de servigo; O Presidente da Repsilica decreta,nos termes da alinea d) do artigo 121 € don? 1 do artigo 125.°, ambos da Consti- twigdo da Repablica de Angola, 0 seguinte: Nomeio Jozo Manuel Bernardo, para o cargo de Embai- xador Extraordinétio e Plenipotencidrio da Repaiblica de Angola, acreditado na Repablica Socialista do Vietname. Publique se. Luanda, 308 27 de Setembro de 2011. 0 Presidente da Repiiblica, Jost EpuaRbo pos Saxtos, Decreto Presidencial n.? 259/11 ‘de M de Setembro Tendo em conta que a aquisigio de habitagio prépria permanente condigna constitui uma aspiragio dos cidadios angolanos, sobretudo dos mais jovens, cuja realizagio ‘compete a0 Estado promover e fomentar no quadvo dos seus deveres constitucionais. Havendo necessidade de se estabelecer um quadro legal, m que os cidadios, de uma maneira goral possam aceder ao exédito bancétio para a compra ou ‘construc de hahitagdo prépria permanente, para arealizagaov ‘de obras de conservacio e beneficlagao ou ainda para a aqui sigo de terreno destinado & construgio de habitagdo propria permanente e, particularmente, os cidaelaos com idade nio superior a 40 (quarenta) anos possam beneficiar do apoio do Estado na obtengio de condigées favoraveis de Financia ‘mento, nomeadamente, por via da bonificagio da taxa de juro, O Presidente da Repiblica decreta, nos termos daalinea J) do artigo 120° ¢ do n.? 3 do artigo 125.°, ambos da Consti tuigd0 da Reptblica de Angola, o seguinte: CAPITULO 1 Disposigies Gerais agnigo 1 ‘Ambitoy (O presente diploma regula a concessiio de crédito para os seguintes fins: 4) AquisigZo de habitagdo jé construfda ou em cons. tugio; +) Construgio e realizagio de obras de conservagio e beneficiagio de habitagio propria permanente ou secundria; ©) Aquisigio de terreno para construgio de habitagio ‘propria permanente aRTIGO (Detinigies) Para efeitos deste diploma, entende-se por: 4a) Inveressado, toda a pessoa que pretenda comprar, construir ¢ realizar obras de beneficiagio para habitagao permanente ou secundéria, ou ainda adquirir terreno para construgio de habitagio propria permanente: +) Agregado familiar, 0 conjunto de pessoas consti- tuido pelos cénjuges ou por duas pessoas que vvivam em condigdes anslogas as dos cOnjuges, nos termos do artigo 112.° do Cédigo da Familia, € seus descendentes em primeiro grau ou afins, desde que com eles vivam em comunhio dde mesa e habitacdo: ©) Fogo, todo 0 imével que, obedecendo aos requisi- tos legais exigidos, se destina a habitagdo propria permanente, segundo os condicionalismos {expressos no presente Diploma; 1 SERIE _— N° 189 — DE 30 DE SETEMBRO DE 2011 4619 4) Habitagao prépria permanente, aquela onde 0 ‘mutuétio ou este e o seu agregado familiar ito ‘manter,estailizado, o seu centro de vida familiar; ©) Partes conuns dos edificios habitacionais,2s enun- ciadas no artigo 1421.° do Cédigo Civil: J) Rendimento anual bruto do agregado familiar, 0 somatério do rendimento auferido, pelos mem- bros do agregado familiar sem dedugio de quais- quer encargos, durante o ano civil anterior, até 3 data da apresentagio da proposta pelo agregado familiar; 2) Rendimento anual bruto corrigido do agregado ‘familiar, o valor que resulta da relagio que se cestabelece entre rendimento anual bruto © & ddimensao do agregado familiar: 1) Taxa de esforco, a proporcdo do rendimento do agregado Familiar afecto a0 pagamento do crédito habitagio que permite ao beneficiério conhecer f percentagem do seu rendimento mensal que serd utilizada para fazer face a0 compromisso financeiro em causa; 1) Valor total do imével, © menor de entre, 0s seguin- tes valores: 1. Valor da habitagdo a comprar ou construir, ou do custo das obras de conservacio, conforme avaliago Feta pela instituigSo financeira ban- ceria mutuante; ii. Valor da transacezo. J) Habitacdo secundéria, imével objecto de financia- ‘mento que se destina a habitago propria nfo per- ‘manente do agregado familia. agriGO 35 nstitulgesfinanceiras bancirias competent) ‘Sto competentes para efectuar operagdes de crédito, 20 abrigo do presente Diploma, as instituigées financeiras ban- ‘cirias autorizadas pelo Banco Nacional de Angola,de acordo aLein? 13/05,de 30 de Setembro, Lei das Insttuigbes Financeiras. ARTIGO 4 Regimes de vito habitago) O sistema de erédito para aquisigio, construgio ¢ reali- ago de obras de conservago de habitagio propria e aqui sige de terreno para construgio de habitagio prépria permanente & constituido pelos seguintes regimes: 4a) Regime geral de crédito: 1b) Regime de erédito bonificado. ARTIGO 5° (afisagio epublicasao das congas) 1. As instituig6es financeiras bancérias devem afixar e tomar piblicas as condiges dos empréstimos @ conceder 20 abrigo do presente Diploma, mencionando os seguintes ele- rmentos: 4) Prazo dos empréstimos, formas oplativas de amor- tizagio © demais condigdes; 1) Prego dos servigos prestados, comissSes e outros cencargos a suportar pelos mutwatios. 2. As instituigdes financeiras bancérias deve comuni- cear ao Banco Nacional de Angola, nos termos a serem def: nidos por este, as condiges a que se refere © nimero anterior, bem como eventuais alteragdes que venham ocorrer. 3. instituigdes financeiras bancérias devem apresentar ‘a0 agregado familiar interessado uma simulagio do plano financeiro do empréstimo,a qual deve observar as condigies vvigontes & data da aprovagio do erédito. ARTIGO 6 equisitos de slictaa0 do financiamento) 1. 0 pedido de empréstimo para aquisigi de habitagio construida deve ser acompanhado da e6pia autenticada do contrato-promessa de compra ¢ venda, celebrado com 0 formalism previsto no artigo 410.° do Cédigo Civil, 2.0 financiamento para a aquisigio de habitagio em construgio deve ser acompanhado dos seguintes documentos: 4) Cépia autenticada do contrato-promessa de compra e venda: 1b) Croquis de localizagio; «) Declaragio passada pelo Govern da Provincia sobre a habitagdo a construir,indicando ter auto- rizado a construgao: 4) Projecto de arquitectura, projectos de execucdo de detalhe dos acabamentos; «¢) Declaragiio emitida pelo construtor imobilirio de compromisso de inicio de consirugio no prazo maximo de 12 meses, 3.0 pedido de empréstimo para aquisigto de terreno deve ser acompanhado dos seguintes documentos: 4) Cépia autenticada do contrato-promessa de compra ce venda; 1b) Croquis de localizagio; ¢) Declaragio, passada pelo Governo da Provincia, sobre a viabilidade da consteugto, com a indica (glo das caracteristicas fundamentais do imével a construir: 4) Declaragio de compromisso de inicio da construgio ‘no prazo méximo de um ano, 4.0 podido de empréstimo para a construgo ox realizagio de obras de conservagio e beneficiago de habitagao propria permanente devem ser acompanhados de uma proposta de construgiio preparada por uma empresa de construgio idénea e reconhecida no mercado. ARTIGO 7° (Apreciagiee decito dos pedidos de empréstnao) 1. Uma vez entregues os documentos necessiios, as ins. ‘ituigdes financeiras bancérias devem proceder & apreciagio e decisio sobre os mesmas em conformidade com as regras condigbes fixadas no presente Diploma. 4620 DIARIO DA REPUBLICA 2. Aaprovagio dos empréstimos deve obedecer, ainda, 3s indispensiveis regras de seguranga da operagao de crédito. 3. Ap6s celebragio do contrato de miétwo com a institu (fo de crédito, em 0 interessado 15 dias teis para solicitar 6 registo definitivo de aquisigdo e a constituig&o da garantia de hipotecéria. 4, 0s empréstimas devem ser garantidos por hipoteca da habitagdo adquitida, construida ou objecto das obras finan ciadas. 5. Bm reforgo da garantia prevista no mimero anterior, pode ser constituide seguro de vida do mututio ¢ cénjuge ‘ou outras garantias consideradas adequadas a0 riseo do cempréstimo pela insttuigdo financeira bancéria mutuante. ARTIGO 8 (Prare dos emprstines clea dos jure) 1.0 prazo dos empréstimos a que se rofere o artigo ante- rior nfo pode exceder 30 (trinta) anos. 2.0 mutuério pode antecipar, total ou parcialmente, a amortizagio do empréstimo, sem quaisquer encargos, com excepeio dos expressamente previstos em disposigao ccontratual. 3.As insttuigbes financeiras bancétias devem caleular os Jjuros pelo método das taxas equivalentes. 1. Do registo predial de imOveis que sejam adguiridos, construidos, conservados ou beneficiados com recurso a crédito & habitagdo concedido ao abrigo deste Diploma,