Você está na página 1de 3

c

c
<   
     
6 

 
 
  

  

c
No início do séc. XX as grandes preocupações da educação focalizavam -se na aquisição
de competências de literacia, tais como ler escrever e calcular. As finalidades dos sistemas
educativos não eram de forma generalizada ensinar pessoas a pensar e ler criticamente,
expressar-se de forma clara e persuasiva. Hoje, estes aspectos de literacia de nível
superior são exigidos a todos a fim de gerir c om sucesso a complexidade da vida
contemporânea (Bransford, 2000).
A alteração do paradigma civilizacional tem evidentemente reflexos sobre a escola.
Actualmente, exige-se à escola e consequentemente à Biblioteca, um esforço acrescido no
sentido de conseguir satisfazer todas as necessidades de formação dos alunos. Esta, para
ser constante e eficaz, terá de garantir um processo educativo e formativo cuja duração se
confunde com o tempo de vida dos indivíduos ( ² processo educativo permanente).
Herbert Simon afirmou que o significado de ³conhecer´ deslocou -se de ser capaz de
recordar e repetir informação para ser capaz de a usar (Bransford, 2000). A Biblioteca
deverá ter sempre presente que a oferta de informação e de serviços de informação tem
um impacto directo na vida dos indivíduos bem como no seu processo de ensino ±
aprendizagem.
Diferentes estudos referem a relevância da intervenção pedagógica da biblioteca escolar e
consequente impacto na qualidade das aprendizagens através da interacção dos alunos
com a informação. Tendo por base estes estudos foi criado um modelo de auto -avaliação
da BE, de forma a que a escola conheça o impacto das suas actividades no processo de
ensino e aprendizagem dos alunos; este instrumento permitirá à BE a construção de um
plano de desenvolvimento mais eficaz e também maior articulação com escola, afirmando
assim o seu papel no contexto escolar. Importante, é que a escola entenda que a auto -
avaliação da BE deva ser incorporada no processo de avaliação da escola em geral, dado
que a missão e os objectivos da BE devem fazer parte do Projecto Educativo da instituição
escolar.

A Biblioteca dos nossos dias ganhou amplitude e passou a assumir responsabilidades


mais alargadas, ligando-se em especial à informação e aos conhecimentos, abrangendo
todas as áreas e ramos do saber.
O grande desafio, tal como preconizou a UNESCO (1986:4) é levar os professores a tomar
³ («) Consciência do facto de que o mundo na sua totalidade é uma fonte potencial de
informação e que é essencial para que os alunos possam viver num mundo cada vez mais
complexo, iniciá-los na pesquisa de informação, ensiná -los a encontrar e interpretar a
informação de que precisam.´

Procura-se assim uma permanente actualização de conhecimentos e competências, tal


como preconiza o apelo da União Europeia em 1996 para a ³Aprendizagem ao Longo da
Vida´, a par do desenvolviment o de competências.
Ëc c  c
c   c c   c
c 
cc c   c 
c c
 c     c   
c  c  
c  c   c c c c c !c
    c 
c  c   
c c c  
c c    c "c c

 # c
c 
 $c Ëc
c  cc  cc
 c c cc c c
 
ccc c
  c
cc c
c%   c c
&c  'c () c    c  
c  c  c  c c  c   c
&c
c   c  c   cc c (* c c  c
c c
c
 +
c c
c   c c

c c c 
c ' c  c  c c  c
c

, cc
para mim foi muito desmotivante não só pelo facto de se tratarem de conteúdos com os
quais me sentia pouco à vontade bem como pelo facto de se tratar de uma situação de
aprendizagem solitária. O facto dos fóruns de discussão permitirem interacção com os/ as
colegas e formadoras revelou-se positivo e mais animador. Foi muito salutar a colaboração
entre colegas ao longo da formação.
-c c!c c  c c ! c
c
, c c c cc c  
c

. c  c c  c /c  


c  c c
c c 
c  c c ,c
! cc c
c0c1c2cc3c& .c
c  c c c c c
c!c ccc c4
 c
c& &  c
c c5  c
c6c  c  . c c 
c c  c  c  
c   c c
    c c  ( c 7 c  c  c   c
c   , c
 
c  ,c c  0c c  '   c 8 c  
c c

 c
c ) c
c c c
c   c (,
cc
c
 c $c9!c:' c;;3c< c
(
c
c
cc
c.  
cc
 *c c c   c  c
c 
 c c
c c
c  c c
c
=  c ! c
c  c
 c
%ccc
! c 
c c c 0c c
 c
,
 cc
 c
c 
c
c
c
c
  c ) c
c c cc
 'c!c   c=  c !c
c c c  cc
c
' c c !c  
c % c c  
c c  *c c  c   8 c
 
 c  c c c 
 c c c  ,  c  c c  c >c
  c  c   c c
     c
c  

c c "c c
  cc  c
c
, >c ) c c c c  c
c
 c c  c 
  c  c    c    c  c '  c c
  c ! $c ;;1c 
c&
cc

Congratulo-me com as aprendizagens realizadas através da construção deste portfólio,


não só pelo valor acrescentado que me trouxe cada reflexão mas também pelo facto do
suporte ser um blogue. A sua construção é inédita para mim enquanto Professora titular de
turma, mas era um projecto que pretendia realizar a curto prazo enquanto Bibliotecária e o
primeiro passo já foi dado. De referir porém que em face da minha inexperiência neste
novo mundo da Biblioteca, acrescido a inúmeras solicitações e ao cansaço que se foi
acumulando, revelou-se uma tarefa de difícil conclusão. Senti-me um pouco sem rede« e
gostaria de ter recebido feedback dos trabalhos realizados mais cedo pois penso que
desta forma teria sido mais construtivo. Desta forma não poderei deixar de o f inalizar sem
citar Charlot (2002, p. 91) de acordo com este autor ³o aprender´ ± exige tempo e não está
completo nunca pois se o prazo de entrega o permitisse este seria um ³álbum´ mais rico e
completo!
c
c
c
  c
c
VIANNA, C. R.; CURY, H. N. Ângulos: uma ³história´ escolar. Revista História &
Educação Matemática. Sociedade Brasileira de História da Matemática. V. 1, n. 1, jan/jun.
2001.

Bernardes C., Miranda, Filipa Bizarro: (2003) Portefólio uma Escola de


Competências, Porto Editora

Bransford, J. D., Brown, A., Cocking, R. (2000). How People Learn: Bain, Mind,
Experience and School. Washington, D. C.: National Academy Press.

Charlot. B. (2002 [1997]). [   


    
 . Paris :
Anthropos. p. 91
c
c
c
c
g 
, Professora Bibliotecária,
E.B.1/ J.I de Sesimbra
c
c