Você está na página 1de 68

Teoria do Futsal

Futebol de Salão

Futebol de salão (também referido pelo acrônimo futsal) é o futebol adaptado


para prática em uma quadra esportiva por times de 5 jogadores. As equipes, tal
como no futebol, têm como objetivo colocar a bola na meta adversária, definida
por dois postes verticais limitados pela altura por uma trave horizontal. Quando
tal objetivo é alcançado, diz-se que um gol foi marcado, e um ponto é
adicionado à equipe que o atingiu. O goleiro, último jogador responsável por
evitar o gol, é o único autorizado a segurar a bola com as mãos. A partida é
ganha pela equipe que marcar o maior número de gols em 40 minutos divididos
em dois tempos.

Devido às proporções da área de jogo, o menor número de jogadores e a


facilidade em que se pode jogar uma partida, o futsal já é considerado por
muitos como o esporte mais praticado do Brasil, superando o futebol que ainda
assim é o mais popular.

Desde a sua criação até à atualidade existiram diversas variantes da


modalidade assim como diversas designações, cujas regras divergem em
alguns pontos. Sensivelmente desde a década de 1990 que a variante da
modalidade com maior dimensão e mediatismo é designada de Futsal e é
disputada segundo as leis e égide da FIFA, enquanto que a modalidade
disputada segundo as leis da Associação Mundial de Futsal (AMF) é designada
de Futebol de salão. Existe ainda uma terceira variante da modalidade
designada de Showbol (também conhecida como Futebol Indoor (português
europeu)) sendo das 3, a que tem menor divulgação mundial.

O futebol de salão teria sido inventado por volta de 1934, pelo professor Juan
Carlos Ceriani Gravier, da ACM (Associação Cristã de Moços),
de Montevidéu (Uruguai), dando-lhe o nome de Indoor Football. O Uruguai, nos
anos de 1930, era a grande referência no futebol, sua seleção foi bicampeã
olímpica e sede da primeira Copa do Mundo de Futebol, promovida pela FIFA,
sendo também a primeira seleção campeã. O futebol estava em alta nos dois
países e o intercâmbio dentro da ACM's era constante.

Em 1935, os professores João Lotufo e Asdrubal Monteiro, após se graduarem


no Instituto Técnico da Federação Sulamericana das ACM como secretários
diretores de educação física da ACM, voltaram ao Brasil e introduziram o
"Indoor Football" que passou a ser chamado futebol de salão. Por possuir
características do regulamento, ainda a iniciar, o pequeno tamanho da quadra
e o peso da bola, causavam muitos acidentes pela potência dos chutes.

Já no ano de 1948, passado João Lotufo para Secretário Geral da ACM São
Paulo, transferiu Asdrubal Monteiro para o cargo de Diretor de Educação
Física, com a proposta de que os dois resolvessem os problemas negativos da
prática desse esporte, elaborando assim, um novo regulamento com elementos
do futebol, hockey de grama, basquete e waterpolo.

Durante dois anos, Lotufo e Monteiro, estudaram, observaram e ampliaram as


novas regras, chegando ao protótipo do esporte que encontramos hoje, ou
seja, o limite de cinco jogadores e as marcações da quadra. Ao chegar a um
resultado satisfatório, que justificou na publicação dessa regra em 1950, o
esporte foi intensamente praticado nas ACM de São Paulo e Rio de Janeiro.

Alterando ao curto prazo. Antes das regras serem estabelecidas, praticava-se


futebol de salão com times de cinco a sete jogadores. A bola foi sendo deixada
mais pesada numa tentativa de reduzir sua capacidade de saltar e
consequentemente suas frequentes saídas de quadra. A "bola pesada" acabou
por se tornar uma das mais interessantes características originais do futebol de
salão.

Em 1957 surgiu a primeira iniciativa de se uniformizar as regras do esporte,


através da criação do Conselho Técnico de Assessores de Futebol de Salão,
por Sylvio Pacheco, então presidente da Confederação Brasileira de Desportos
(CBD).

Devido a sua praticidade, tanto no reduzido número de jogadores necessários


em uma partida, quanto no espaço menor que exigia, o esporte rapidamente
adquiriu crescente popularidade, atingindo outras localidades, gerando novos
torneios e conquistando adeptos em todas as capitais do país. Em 28 de Julho
de 1954 foi fundada a primeira federação de desporto no Brasil, a Federação
Metropolitana de futebol de salão, atual Federação de Futebol de Salão do
Estado do Rio de Janeiro, tendo Ammy de Moraes como seu primeiro
presidente. A Federação Mineira de Futebol de Salão seria fundada nesse
mesmo ano, seguida da Federação Paulista, em 1955, e das Federações
Cearense, Paranaense, Gaúcha e Baiana, em 1956, a Catarinense e a Norte
Rio Grandense, em 1957, a Sergipana em 1959. Nas décadas seguintes
seriam gradualmente estabelecidas federações em todos os estados da União.

Futebol de salão e futsal

A respeito das divergências históricas, futebol de salão e futsal são


tecnicamente o mesmo esporte, especialmente quando se leva em conta que
as diferenças, nem sempre tão evidentes a primeira vista, acabam sendo ainda
mais embaralhadas pelo emaranhado processo histórico que envolveu o cisma
no esporte e pela prática comum nos círculos do esporte.
São 5 jogadores para cada lado incluindo o goleiro. Em relação aos tempos
são 2 tempos de 20 minutos, fazendo uma partida inteira ser de 40 minutos.

O termo fut-sal foi originalmente cunhado pela FIFUSA em reação à proibição


da FIFA de se usar o nome futebol por entidades que não ela própria. No
entanto, acabou sendo adotado posteriormente sem o hífen pela própria FIFA,
tornando-se assim associado à forma que o esporte adquiriu sob a autoridade
desta entidade.

O Futebol de Salão tem como federação nacional a Confederação Nacional de


Futebol de Salão, filiada a Associação Mundial de Futsal (AMF), cuja sede
situa-se no Paraguai. O Futsal, por sua vez, em sua forma mais difundida hoje
é administrado no Brasil pela Confederação Brasileira de Futsal, através
da CBF filiada a FIFA.

Embora mantenham em comum sua essência, a criação de algumas regras


diferenciadas criou peculiaridades em cada uma das modalidades: o futsal,
com uma bola mais leve e com a valorização do uso dos pés adquiriu maior
semelhança com o futebol de campo e ganhou maior dinâmica com novas
regras que o tornaram mais ágil, como por exemplo, permitir que o goleiro atue
como um jogador de linha quando ele está fora da sua área; o futebol de salão,
buscando sempre preservar as regras originais, manteve mais as
características de um esporte indoor, com um jogo mais no chão, reduzindo o
jogo aéreo, devido ao peso da bola, com laterais e escanteios cobrados com as
mãos. Dessa forma, a dinâmica do jogo em uma e outra modalidade tornou-se
sensivelmente diferenciada. O fato de pertencerem a entidades diferentes, por
certo deverá, com o passar do tempo, demarcar modalidades diferenciadas.

No modo dos agrupamentos políticos em torno do esporte, até o final da


década de 90 o futebol de salão era administrado por uma entidade chamada
Federação Internacional de Futebol de Salão ou simplesmente FIFUSA, com
sede no Brasil; quando foi proposto um acordo oficialmente em 2000, pelo qual
a FIFUSA se tornaria um departamento da FIFA e esta passaria a comandar o
futebol de salão. No entanto, por motivos diversos a parceria não vingou, e
cada entidade seguiu seu caminho. A FIFA, contudo, manteve seu projeto
criando uma comissão própria da modalidade, mudando o nome do esporte
para futsal, e atraindo para sua tutela federações nacionais, com a promessa
de padronizar as regras e difundir o esporte pelo mundo. À FIFUSA congregou
as entidades continentais relacionadas ao futebol de salão e apoiou a criação
de novas. Por divergências de seus membros em 2002 a FIFUSA foi sucedida
pela AMF, e acabou paralisando suas atividades em 2004. Com a AMF estão
as confederações: CSFS – Confederação Sul-Americana de Futebol de Salão,
FIFUSA - Federação Internacional de Futebol de Salão, UEFS - União
Europeia de Futsal, CPFS - Confederação Pan-Americana de Futebol de
Salão, CONCACFUTSAL – Confederação do Norte, América Central e Caribe
de Futebol de Salão, CAFUSA - Confederação Africana de Futebol de Salão,
CAFS – Confederação Asiática de Futebol de Salão e CFSO – Confederação
de Futebol de Salão da Oceania.

Fundamentos

Os principais fundamentos do futsal são:

Passe: É quando o jogador passa a bola para um companheiro da sua equipe.

Drible: É o ato em que o jogador utiliza-se da bola para enganar o adversário.

Finta: É o ato de enganar o adversário sem tocar na bola.

Cabeceio: É a ação de cabecear a bola que tem como objetivo defender ou


marcar um gol.

Chute: É a ação de chutar a bola,quando a bola estiver parada ou em


movimento, visando dar a ela uma trajetória em direção a um objetivo, seja
este o gol, outro jogador ou tirá-la de jogo (existem varias formas de chute).

Recepção: É a ação de interromper a trajetória da bola vinda de passes ou


arremessos.

Condução: É a ação de progredir com a bola por todos os espaços possíveis


de jogo.

Domínio de bola: Como no futebol, usa-se os pés para dominar a bola.

Chute no gol: Com um dos pés, chute a bola no gol.

Categorias

Em função da idade o futsal costuma ser dividido nas seguintes categorias:

Sub-7 para atletas de 5 a 7 anos.

Sub-8 para atletas de 7 a 8 anos.

Sub-9 para atletas de 8 a 9 anos.

Sub-11 para atletas de 10 a 11 anos.

Sub-13 para atletas de 12 a 13 anos.

Sub-15 para atletas de 14 a 15 anos.

Sub-17 para atletas de 16 a 17 anos.


Sub-20 para atletas de 18 a 20 anos.

Adulto para atletas de 20 anos em diante.

Veterano para atletas a partir dos 35 anos.

Posições dos jogadores

Goleiro/Guarda-Redes - Defende o gol de todos os ataques do adversário e


também pode atacar, não podendo tocar na bola no campo de defesa do
adversário.

Fixo - Defensor, semelhante ao zagueiro.

Ala (esquerdo e direito) - Trabalham a bola na lateral da quadra.

Pivô - Atacante, o que fica mais próximo do gol adversário.

Quadra esportiva

Quadra esportiva (português brasileiro) ou campo desportivo (português


europeu) é uma área de terreno demarcada e preparada para a realização de
determinadas práticas esportivas, como por exemplo, jogos
de basquete, tênis, vôlei, futsal entre outros.

Uma quadra esportiva consiste basicamente de uma superfície plana,


geralmente retangular, delimitada por marcações ou elementos que
estabeleçam seus limites e dos demais componentes para a prática dos
esportes a que se destina. Tais componentes incluem linhas demarcatórias,
tabelas, traves, postes, redes, além de sistemas de iluminação, caso a quadra
seja instalada em um ambiente fechado ou tenha uso noturno.

A superfície de uma quadra pode ser recoberta por uma enorme variedade de
materiais, sendo os mais frequentes o cimento, madeira, grama, saibro, areia e
ainda uma gama crescente de opções em materiais sintéticos. A escolha do
material depende do esporte a que se destina a quadra, e também dos
recursos disponíveis para a construção.

Quando uma quadra é construída para a prática de mais de um esporte, ela


recebe o nome de poliesportiva. Quadras poliesportivas têm sido um
importante equipamento arquitetônico em instalações educacionais ou
residenciais, cuja relevância na área social, de saúde e cidadania tem sido
cada vez mais reconhecida.
Showbol

Show ball, também conhecido como Indoor Soccer na América do Norte, tem
semelhanças com o futebol society. É jogado numa quadra de,
aproximadamente, 42 x 22 metros com gramado sintético, com dois tempos de
25 minutos. Durante o jogo as substituições são ilimitadas, e tem a
particularidade que a bola se mantém em jogo de forma quase permanente,
devido à parede de acrílico transparente que cerca o campo.

O esporte possui ligas profissionais no Canadá, na Espanha, no Brasil,


nos Estados Unidos

Foi criado em 1969 pelo ex-jogador de campo húngaro Joe Martin, que atuou
pelo Ferencváros e pela seleção húngara.

No final de sua carreira, Joe foi jogar em Toronto, Canadá e devido às baixas
temperaturas do inverno canadense, Martin criou um esporte com as regras do
futebol, mas jogado em quadras de futebol de salão. E mais, acrescentou um
elemento que dá mais dinâmica às partidas: a tabela.

Na década de 1970 o showbol foi para o Brasil, levado por Francisco Monteiro,
e também para a Europa, com amistosos de exibição.

É o esporte mais praticado nas Plataformas de Vermelho 1, Vermelho 2 e


Vermelho 3 da Petrobras na Bacia de Campos desde sua fundação aos dias
atuais, dada ao limites impostos a quadra dessas plataformas, o showbol
acaba sendo uma das poucas opções de lazer a bordo sendo praticado de
maneira empírica desde a fundação das plataformas, só mais tarde com a
popularização e divulgação do esporte via TV no Brasil é que se constatou que
o que se praticava ali naquelas plataformas era o Showbol.

Regras
Campo: Retangular com comprimento mínimo de 42 m e máximo de 44 m,
largura mínima de 22 m e máxima de 24 m. A quadra é feita obrigatoriamente
com grama sintética, e deve ter linhas que definam a área, o meio da quadra e
a marca de pênalti.

Bola: deve ter entre 68 e 79 cm de circunferência e entre 410 e 450 gramas. É


a mesma bola do futebol de campo.

Jogadores: Os dois times devem contar em campo com 6 jogadores, sendo 5


na linha e 1 goleiro. As substituições entre os jogadores são ilimitadas. E
podem acontecer a qualquer momento, sem consulta ao árbitro.

Uniformes: Os jogadores devem jogar com tênis de futebol society (pequenas


travas de borracha), ou tênis de futsal. O uniforme tem calção e camisa.

O Árbitro: O jogo é controlado por um único árbitro. Cabe ao árbitro apitar o


início e fim do jogo, assim como o início e fim do intervalo. Cabe ao árbitro
punir o atleta com cartão azul ou vermelho. O cartão azul é mostrado ao atleta
que cometer uma falta grave. Este cartão pune o atleta com dois minutos de
suspensão, ficando sua equipe com um atleta a menos durante este período. O
vermelho é a expulsão da quadra, ficando a equipe com um atleta a menos até
o fim da partida.

Duração de Jogo: O tempo da partida é de duas etapas de 25 minutos cada,


com intervalo de 10 minutos. O tempo é corrido e visível no placar. O tempo só
é interrompido, quando o árbitro determinar para atendimento médico.

Reinício de Jogo: O início do jogo é determinado por um sorteio entre os


capitães das duas equipes. A equipe escolhe se inicia o jogo ou se escolhe o
lado da quadra. No segundo tempo inverte o lado da quadra.

Bola dentro e fora de jogo: A bola não sai pelas laterais, pois há uma tabela, a
não ser quando passar por cima da tabela. Se a bola sair na defesa do time
que a colocou para fora, é marcado pênalti (regra 12). Se a bola sair no ataque
do time que a colocou para fora, a bola é reposta em jogo através do goleiro.

O Gol: Será marcado gol quando a bola ultrapassar totalmente a linha da trave.
Quem marcar mais gols, vence a partida.

Falta: É marcado falta quando um atleta chutar, golpear, empurrar ou fizer


carga excessiva no adversário. A falta será cobrada no ponto exato em que
ocorreu a infração. Também será marcada falta quando o atleta colocar a mão
na bola intencionalmente.

Pênalti: É marcado pênalti em duas situações. Quando a falta for marcada


dentro da área, ou quando a equipe colocar a bola para fora da quadra, por
cima da tabela, ainda na sua quadra (defesa).
Show ball no Brasil

Francisco Monteiro, ex-jogador de futebol conhecido também como Todé, que


atuou em alguns clubes do Rio de Janeiro, também foi encerrar sua carreira
no Canadá. Lá conheceu Joe Martin e o show ball. Percebendo o potencial do
esporte, Todé trouxe o esporte para o Brasil.

A primeira partida disputada no país foi realizada em 1972 no


ginásio Maracanãzinho, entre a seleção brasileira e a seleção do resto do
mundo.

Depois de quase 30 anos no esquecimento o esporte voltou a ser praticado no


país. E voltou com estilo, com a seleção brasileira campeã no
primeiro Mundialito de Showbol, realizado na Espanha, em 2006.
Em 2007 o Showbol Brasil realizou o Torneio Rio-São Paulo de Showbol, cujo
campeão foi o Corinthians.

Vários ex-jogadores brasileiros já tiveram a oportunidade de servir a seleção,


dentre eles, Djalminha, Dunga, Mauro Silva, Aldair, Zetti, Müller, Careca,Rick
Gorni, Lucas Cachoni e Paulo Victor. Maradona, ex
jogador argentino jogou showbol. Garrincha também jogou na partida da
seleção brasileira em 1975.

O Show ball é disputado nos mais variados locais deste planeta, até mesmo no
meio do Oceânico Atlântico, mais precisamente nas Vermelhos I, II e III, as
mesmas são Plataformas Continentais da Petrobras no ativo de Produção
Nordeste, localizadas cerca de 100 km da costa de Campos dos Goytacazes,
no distrito de Farol de São Tomé - RJ. Por volta do ano 2000, o mesmo já
estava presente na vida dos trabalhadores destas unidades, garantindo o lazer
dos mesmos e a continuação do movimento em busca da saúde. As disputas
seguem firme e forte até os tempos atuais...

Seleções

Conmebol

Brasil

Argentina

Colômbia

Peru

Chile

Uruguai
CONCACAF

Guatemala

Estados Unidos

México

UEFA

Holanda

Espanha

Rússia

Itália

Portugal

França

Campeonatos oficiais

Clubes

Nacionais

Campeonato Brasileiro de Show ball

Torneio Brasileiro de Seleções de Show ball

Regionais

/ Torneio Rio-São Paulo de Show ball

/ Torneio Rio-Manaus de Showbol

Estaduais

Campeonato Carioca de Show ball

Campeonato Paulista de Show ball


Seleções

Mundiais

Copa do Mundo WMF

Mundialito de Show ball

Continentais

Copa América de Show ball

EMF miniEURO

Eurocopa de Show ball

O futsal é um esporte coletivo, disputado em quadra, no qual cada time tem 5


jogadores.

O Futsal começou a ser jogado aproximadamente em 1940, por jovens da


Associação Cristã de Moços, em São Paulo. Eles não encontravam campos de
futebol para jogar, então improvisaram partidas nas quadras de basquete. Na
época os times, tinham cinco, seis e até sete jogadores.

Em pouco tempo havia times disputando torneios. Entre 1955 e 1956, no Rio
de Janeiro, organizou-se o primeiro campeonato oficial com 42 competidores.
Até 1959 havia diferença nas regras entre Rio de Janeiro e São Paulo. A
Confederação Brasileira de Desportos oficializou o jogo impondo o uso de
uniformes e instituindo as regras.

A principal característica do futsal é o dinamismo e a velocidade maior do que a


observada no futebol em campo de grama.

Apesar da grande semelhança, futsal e futebol de salão não são o mesmo


esporte, sendo a principal diferença entre eles, algumas regras, sobretudo no
que diz respeito às medidas da quadra e as condições no piso. Além disso, a
questão política os diferencia já que o Futsal é de responsabilidade da FIFA
(Fédération Internationale de Football Association), enquanto o futebol de salão
é regido pela FIFUSA (Federação Internacional de Futebol de Salão).

Uma partida de futsal dura 40 minutos (2 tempos de 20 minutos com intervalo


de 10 minutos).

O futsal é dividido em categorias por idade sendo: de 5 a 9 anos, de 9 a 10


anos, de 11 a 12 anos, de 13 a 14 anos, de 15 a 16 anos, 17 a 19 anos, 33 a
50 anos e acima de 50 anos.

Por motivos mais políticos do que lógicos, o futsal não é um esporte olímpico.

Atualmente, o futsal é um dos três esportes mais populares no Brasil. Entende-


se que o principal motivo para essa ascenção é a dificuldade cada vez maior
de se encontrar campos de várzea para jogar o futebol de campo, sobretudo
em grandes cidades. Inclusive para as escolas que não tem espaço físico para
um campo de futebol, o futsal aparece como ótima opção por ser trabalhado
em quadra.

O Futsal, também conhecido como Futebol de Salão, é uma modalidade


esportiva que foi adaptada do futebol de campo para as quadras, na década de
1930. O futsal é muito praticado no Brasil, fazendo parte de uma das principais
atividades esportivas das aulas de Educação Física nas escolas de todo país.

O Futsal foi criado na cidade de Montevidéu (Uruguai) no ano de 1933. O


criador foi o professor de Educação Física da Associação Cristã de Moços de
Montevidéu, Juan Carlos Ceriani Gravier. Este professor batizou o esporte
como Indoor-Foot-Ball.

Características e regras do Futsal

- As equipes são formadas por 5 jogadores de linha (sendo um goleiro) e 7


jogadores, no máximo, como reservas.

- O Futsal é praticado em quadra retangular de piso rígido, com medidas que


variam de acordo com a categoria. Na Liga de Futsal Masculina, por exemplo,
a quadra deve ter entre 38 e 42 metros de comprimento por 18 a 25 de
largura.

- A bola de futsal (categoria adulto masculino) deve ter entre 62 e 64 cm de


circunferência e peso entre 400 e 440 gramas pelas regras FIFA. Pelas regras
da AMF (Associação Mundial de Futsal), a bola deve ter entre 60 e 62 cm de
circunferência e peso entre 430 e 450 gramas.

- O árbitro pode usar dois cartões para punir as faltas. O amarelo (advertência)
e o vermelho (expulsão por 2 minutos ou pode ser substituído ao tomar um gol)
nas regras FIFA. Já nas regras da AMF, ele pode usar três cartões: amarelo,
vermelho e azul.

- As substituições podem ocorrer a qualquer momento e em número


indeterminado, nas regras estabelecidas pela FIFA. Já pelas regras da AMF, as
substituições só podem ocorrer com a partida parada.

- Os jogos da categoria adulto ocorrem em 40 minutos (2 tempos de 20


minutos).

- O posicionamento de uma equipe de futsal segue o seguinte esquema:


goleiro (defende o gol com mãos e pés e também pode atacar), fixo (jogador de
defesa), ala (joga mais pelas laterais), pivô (movimenta-se no ataque e arma
jogadas).

- Os laterais e escanteios são cobrados pelos pés, de acordo com as regras


FIFA. Já nas regras da AMF, eles são cobrados com as mãos.

Confederações

- Os campeonatos internacionais são organizados pela AMF (Associação


Mundial de Futsal) com sede na cidade de Assunção (Paraguai). A FIFA
também organiza campeonatos de futsal.

Campeonatos mais importantes:


- Organizados pela AMF: Campeonato Mundial AMF Masculino e Feminino,
Copa do Mundo de Seleções Nacionais, Eurofutsal e Campeonato Mundial de
Clubes.

- Organizados pela FIFA: Mundial de Futsal da FIFA e Eurocopa.

Potências do futsal mundial:

- O Brasil é uma das seleções mais fortes da atualidade. O Brasil já foi cinco
vezes campeão da Copa do Mundo de Futsal da FIFA. O último título foi
conquistado em 2012, quando a seleção brasileira venceu na final a seleção
espanhola.

- Além do Brasil, merecem destaque no futsal mundial as seleções da


Espanha, Itália e Rússia.

- No futsal AMF a seleção colombiana é a maior força. Foi tri-campeã do


mundo, 2000, 2011 e 2015. Conquistou os Jogos Mundiais IWGA em 2013 e o
mundial feminino de 2013.

- Em 2016, a Copa Mundial de Futsal da FIFA ocorreu na Colômbia, entre os


dias 10 de setembro e 01 de outubro. A seleção argentina tornou-se campeã
ao derrotar, na final, a equipe russa pelo placar de 5 a 4.

- A próxima Copa do Mundo de Futsal ocorrerá em 2020 (ainda sem país


definido).

- O próximo Mundial AMF de Futsal será realizado na Argentina em 2019.

O futebol é um desporto conhecido sob esta designação nos países lusófonos


e por “soccer” nos Estados Unidos da América, em que duas equipas
compostas por onze jogadores (dez jogadores de campo e um guarda-redes)
se defrontam com vista a fazer entrar a bola na baliza adversária e marcar
golo.

O regulamento do futebol impõe certas restrições e obrigações. Os jogadores


de campo, por exemplo, não podem tocar na bola com os braços ou as mãos,
mas o guarda-redes (aquele que defende a baliza da sua equipa) pode fazê-lo.

O futsal é uma adaptação ou variação do futebol, que combina elementos de


outros desportos (como o handebol e o basquetebol). Existem várias versões
desta modalidade, como o futebol de cinco e o showbol.

No futsal, confrontam-se duas equipas de cinco jogadores cada num terreno


rectangular de 40 X 20 metros. As equipas podem optar por diversos sistemas
de jogo que implicam uma distribuição diferente dos jogadores no campo (1-2-
2, 1-3-1, etc.).

O futsal tem a sua própria Copa do Mundo organizada pela FIFA, cuja primeira
edição foi em 1989. A selecção do Brasil consagrou-se campeã em quatro
ocasiões. O próximo Mundial terá lugar na Colômbia, em 2016.

Nas suas diversas variantes, o futsal é um dos desportos mais praticados a


nível amador, uma vez que a sua essência é semelhante à do futebol embora
não requeira tanta capacidade física e possa ser jogado com menos jogadores.

O futsal é um dos esportes que mais crescem no mundo, é praticado em uma


quadra retangular onde duas equipes compostas por cinco jogadores disputam
a bola com o objetivo de acertar o gol do oponente, somente o goleiro pode
usar as mãos para tocar a bola e Se caso a bola sair do campo de jogo, a
posse de bola passará ser da outra equipe.

O jogo é bem rápido, com os jogadores criando jogadas com passes e chutes
de curta distância. Vence quem marcar o maior número de gols ao final da
partida. Os primeiros passos para aprender jogar futsal.

1 – Você já deve ter visto uma partida de futebol, nem que seja pela tv, então
vamos começar por aqui. O futsal tem algumas semelhanças com o futebol,
mas saiba que existem diferenças importantes entre os dois. Compreenda
essas diferenças antes de jogar futsal ou você ficará completamente perdido.
2 – Procure um jogo para assistir, faça uma busca pela internet de algum jogo
oficial, de preferência da liga nacional e preste atenção na dinâmica do jogo.

3 – Use os equipamentos corretos, Use tênis atléticos de sola macia como os


próprios para futsal, caneleiras, meia de cano longo, shorts e blusa com
manga.

4 – Comece a ter intimidade com a bola de futsal, que afinal é menor e mais
pesada que a bola de futebol.

5 – Comece a praticar os fundamentos básicos do futsal, como o passe,


recepção, domínio, condução e o chute.

6 – Tente entender a função de cada posição no futsal – Lógico, definir sua


posição vai levar algum tempo, mas procure saber qual a posição você se
adaptaria melhor.

7 – Entenda como funciona as principais regras – Não vou dizer para você ler
todo o livro de regras, mas é importante saber pelo menos como é realizada a
saída de bola, a cobrança de lateral, escanteio, arremesso de meta, a
substituição, o que pode e o que não pode fazer no futsal.

8 – Entenda o papel do árbitro, ele que é responsável por supervisionar a


partida, garantindo que os jogadores cumpram as regras.

9 – Neste primeiro momento não se preocupe com o sistema tático – só


entenda que o futsal é um jogo de movimentos rápidos, então não fique
parado. Não tem como descansar enquanto o seu companheiro está com a
bola. Concentre-se em fazer passes rápidos e curtos até que se adapte
naturalmente ao ritmo do jogo.

O importante é sempre buscar um espaço onde você possa receber a bola de


seu companheiro, e se você estiver com a posse da bola é importante tentar
manter sob seu domínio até que realize o passe para um companheiro, sem
esquecer do objetivo do jogo que é realizar o gol.
10 – Você também precisa saber – Jogadores experientes irão dominar a bola
sob os pés enquanto os companheiros preparam uma jogada. Você pode
roubar a bola dele, mas não chute o jogador adversário, foque no desarme da
bola para não cometer uma falta.

O futebol de salão ou futsal começou a ser praticado em 1930 por jovens


frequentadores da Associação Cristã de Moços (ACM) de São Paulo e em
Montevidéu, no Uruguai. Devido à dificuldade para encontrar campos de
futebol, improvisaram “peladas” nas quadras de basquete e hóquei
aproveitando as traves usadas na prática desse último esporte.

O Uruguai, nos anos 30, era a grande referência no futebol, sua seleção foi
bicampeã olímpica e sede da primeira Copa do Mundo de Futebol, promovida
pela FIFA, sendo também a primeira seleção campeã. O futebol estava em alta
nos dois países e o intercâmbio dentro da ACMs era constante.

Para os uruguaios, o criador do futsal foi o professor Juan Carlos Ceriani


Gravier, da ACM de Montevidéo. Nesta associação, um grupo de jovens
alunos, empolgados com o sucesso do futebol uruguaio, praticavam-no como
recreação em quadras de basquete.

Assim, o professor Ceriani preparou algumas regras do futsal em 1933,


tomando como base quatro esportes: basquete, handebol, futebol e polo-
aquático. Do basquete, além da quadra, adaptou a falta pessoal, a troca de
jogadores e o tempo total de jogo; do handebol, o fato de não poder marcar
gols de qualquer distância; do futebol, sua condição e do polo-aquático, quase
todas as regras sobre o goleiro.

Entretanto, os brasileiros, argumentam que o jogo praticado no Uruguai não


estava ainda organizado e poderia ser praticado por cinco, seis e até sete
jogadores. Nas décadas de 30 e 40, este “protótipo” do que viria a ser o futebol
de salão era intensamente praticado nas ACMs dos dois países.

Com isso concluísse que de fato, a pratica de um tipo de futebol dentro de


quadras começou na Associação Cristã de Moços, seja ela no Brasil ou no
Uruguai.

O futsal difundiu-se rapidamente por outros estados e na década de 50


começaram a ser fundadas as federações estaduais de futebol de salão. Até
1958, São Paulo e Rio de Janeiro disputavam a primazia do jogo, havendo
divergências entre as regras locais. Tudo se resolveu com a oficialização da
prática pela Confederação Brasileira de Desportos nesse ano, que padronizou
as regras e aceitou as federações estaduais como filiadas.
Alcançando grande notoriedade, o futsal foi introduzido em Clubes Sociais com
E.C. Sírio (pela pessoa de Habib Mahfuz), Sociedade Esportiva Palmeiras (por
Vinícius Fanucchi), São Paulo Futebol Clube (Raul Leite), A. A. São Paulo
(Orlavro Donice), Clube Atlético Ipiranga (Nílton Freire), Banco do Brasil (Ciro
Fontão de Sousa), S.C. Corinthians (Pedro Ortiz Filho), Associação Portuguesa
de Desportos (Osvaldo Navega de Almeida e Artur Sarges Guerra).

Apenas em 1952, o professor Habib Mahfuz criou a primeira Liga de Futebol de


Salão dentro da Associação Cristã de Moços, em São Paulo e implantou a
ideia de criar a Federação Paulista de Futebol de Salão, o que aconteceu em
14 de junho de 1955. Um ano antes, havia sido fundada a Federação
Metropolitana de Futebol de Salão, atual Federação de Futebol de Salão do
Estado do Rio de Janeiro, mais antiga do Brasil.

A criação de torneios projetou o esporte para a imprensa através de grandes


nomes da comunicação na época, como Raul Tabajara e José Antônio Inglêz
(Gazeta Esportiva).

Em 1956, Luiz Gonzaga de Oliveira, da Federação Paulista de Futebol de


Salão criou o primeiro Livro de Regras, posteriormente adotadas pela FIFUFA
(Federação Internacional de Futebol de Salão).

Outro fato que dá ao Brasil a paternidade do futebol de salão é o fato da


Federação Uruguaia de Futebol de Salão ser fundada em 1965, onze anos
depois da brasileira.

Para se ter uma ideia da importância que este tema tem, tanto para o Brasil,
como para o Uruguai, basta dizer que em 1967, com a finalidade de esclarecer
o mesmo, Luiz Gonzaga, com o apoio de João Havelange ( então presidente
da Confederação Brasileira de Deporto) organizaram no Rio de Janeiro o I
Congresso das Federações de Futebol de Salão. Assistiram ao congresso
catedráticos de educação física ligados às ACMs (do Brasil e do Uruguai).
Tudo indica que a primeira das conclusões a que chegaram foi que o futebol de
salão é um esporte genuinamente brasileiro.

Como se joga

Futsal, ou futebol de salão, é uma adaptação do futebol de campo para quadra.


Joga-se em espaços chamados “quadras polivalentes”, demarcados também
para outros esportes, como vôlei e basquete. Participam duas equipes de cinco
jogadores cada, com bola menor, mais pesada e menos flexível que a do
futebol tradicional.
O futsal é disputado em quadras de 24 a 42m de comprimento por 14 a 22m de
largura. A bola pesa entre 410 e 500g e tem de 53 a 62cm de circunferência.
As metas medem três metros de largura por dois de altura, à frente das quais
demarcam-se áreas cujas linhas são equidistantes quatro metros da linha de
gol.

O objetivo do jogo é marcar tentos, como no futebol association, mas algumas


regras são exclusivas do futsal. O arremesso lateral e o arremesso de canto
são cobrados com os pés; após a quinta falta coletiva, a equipe infratora é
punida com a cobrança de um tiro livre direto, sem barreira, do local onde foi
cometida a falta; o atleta que cometer cinco faltas será desclassificado e o
goleiro deve sempre repor a bola em jogo, com a mão ou com os pés, quatro
segundos após defendê-la e de modo que não atravesse a linha central sem
que primeiro toque o piso, ou um jogador. A partida tem a duração de quarenta
minutos (dois tempos de vinte) para adultos e de trinta minutos (dois tempos de
15) para juvenis.

Regras básicas do jogo de futsal

1- O atleta quando expulso da partida não deverá ficar no banco de reservas e


nem retornar a mesma. O seu time ficará 2 minutos com 4 jogadores ou até
que sofra um gol; então assim será permitido entrar um outro jogador para
recompor a sua equipe.

2- A bola estará fora de jogo quando sair completamente quer pelo solo ou pelo
alto das linhas laterais ou de fundo.

3- Quando o atleta da mesma equipe ao cobrar uma falta atrasa a bola para o
goleiro e ela entra diretamente no gol, o tento não será válido e deverá ser
marcado um arremesso de canto a favor da equipe adversária.

4- Na hora do pênalti o goleiro deverá ficar sobre a linha do gol, podendo


movimentar-se exclusivamente sobre ela.

5- No lateral ou no escanteio se um atleta do futsal arremessar a bola contra a


sua própria meta e a bola penetrar na mesma, tocando ou não no goleiro, o
tento não será válido.

6- No lateral se um atleta arremessar a bola contra a meta adversária e a bola


penetrar na mesma, tocando ou não no goleiro, o tento não será válido.

7- No escanteio se um atleta arremessar a bola contra a meta adversária e a


bola penetrar na mesma, tocando ou não no goleiro o tento será válido.
8- No arremesso lateral é suficiente que a bola esteja apoiada no solo colocada
sobre ou junto a linha demarcatória da lateral, do lado de fora da quadra de
jogo, podendo mover-se levemente.

9- Se o goleiro do futsal demora mais que 4 segundos para executar o


arremesso de meta, um tiro livre indireto (dois lances), será concedido em favor
da equipe adversária, colocando-se a bola sobre a linha da área de meta e no
ponto mais próximo onde ocorreu a infração.

O futsal é um esporte genuinamente brasileiro que se espalhou pelo mundo e


encontra cada vez mais adeptos entre homens e mulheres. Esse artigo
apresenta os benefícios do futsal e os produtos que podem ser considerados
grandes aliados dos jogadores. Praticantes de outras modalidades, como o
basquete e o handebol, também podem aproveitar estas indicações. Elas são
boas para todos os jogadores que necessitam de uma boa arrancada, uma boa
impulsão, velocidade, força física e resistência muscular.

Torne-se um craque:

O futsal está crescendo pelo mundo, e não é à toa. Ele é similar ao futebol de
campo (um sucesso mundial), mas não depende do clima (já que é realizado
em quadras fechadas), precisa de menos espaço e de menos jogadores. Estas
são algumas das vantagens que fazem com que seja bem mais fácil montar um
time e manter uma regularidade de treinamento.

Além disso é um esporte que fortalece a saúde, propicia o ganho de força


física, resistência cardiovascular e muscular, e ainda desenvolve panturrilhas,
coxas, glúteos, costas e abdômen.

No futsal, o jogador precisa de muita habilidade porque o espaço reduzido da


quadra exige dribles curtos e rápidos e, conseqüentemente, o perfeito domínio
da bola. Nessas condições, o futsal se torna um excelente formador de
estrelas: Zico, Rivelino, Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Robinho e Diego são
alguns exemplos.

Outra distinção fundamental: o futsal exige passadas curtas que dependem de


maior explosão muscular, enquanto as passadas longas típicas do futebol de
campo precisam de mais resistência. Portanto o treinamento destes atletas são
diferenciados.

Percebe-se que embora o objetivo do futsal e do futebol de campo seja o


mesmo, existe algumas diferenças.

Em comum, atletas das duas modalidades, profissionais ou amadores,


precisam de treinamento aeróbio e anaeróbio, uma boa alimentação
e suplementação.

Alguns suplementos podem ser importantes para a prática do futsal, entre eles
destacam-se:

Sports Drinks: por serem os suplementos mais ricos em carboidratos, são o


combustível mais eficiente para o corpo em esportes de longa duração e
extremamente disputados. Outro benefício é o poder de hidratação dos Sports
Drinks, o que é de extrema importância, porque durante uma partida de futsal
se perde muito líquido.

Whey Protein: é a fonte ideal de proteínas para o jogador, pois é absorvida


rapidamente pelo organismo e pode ser usada como fonte de energia para o
pré-jogo, durante o jogo e para o pós-jogo.

Multivitamínicos: os jogadores usam vitaminas e minerais em um nível alto,


pois eles estão constantemente em movimento. A falta de vitaminas e minerais
pode prejudicar a função imunológica, deixando o jogador mais vulnerável a
lesões, doenças e enfermidades. Além disso, pode resultar em um mau
desempenho durante a partida, uma má recuperação depois e um maior risco
de contusões.

Glutamina: ajuda a manter o sistema imunológico fortalecido. Com essas


características, a glutamina ajuda na recuperação pós-jogo. A glutamina ajuda
também no crescimento muscular, aumentando o nível de resistência e
também é eficiente no combate ao envelhecimento.
Packs: são ricos em nutrientes para complementar a dieta e aumentar o ganho
de massa muscular, energia, força e performance. Elevam a quantidade de
nutrientes que vão para o tecido muscular, aumentando a performance durante
o jogo e acelerando a velocidade de recuperação.

O futsal pode ajudar na busca por um condicionamento físico melhor e um


corpo sempre em forma. Porém, se você não faz nenhuma atividade física há
algum tempo, consulte um médico. Também é aconselhável manter uma
regularidade nos treinos. Caso você só possa praticar futsal uma vez por
semana, aproveite os outros dias para os treinos de força e atividades
aeróbicas.

Regras do Futsal

Apesar da semelhança em vários pontos com o futebol de campo, as regras do


futsal são diferentes. Regras básicas foram mantidas e outras como a
dimensão da quadra, as marcações, número de jogadores e formas de punição
são específicas do futsal. O número de participantes no futsal, por exemplo, é
de 5 jogadores, sendo que um é o goleiro. O número de reservas permitido são
de no máximo 9.

É importante lembrar que, devido a aspectos históricos, as primeiras regras do


futebol de salão foram criadas pela Fifusa, que organizava as competições da
modalidade inicialmente. Mas com o surgimento do futsal pela Fifa, alterações
foram realizadas.

Confira as principais regras do futsal de acordo com Livro Nacional de Regras


da CBFS, aprovado pela Fifa:

1 - Quadra de Jogo

Dimensões da Quadra

Um retângulo de 25 à 42 metros de comprimento e 16 à 25 metros de largura;

Nos jogos nacionais das categorias adultas e Sub-20, a quadra deverá ter no
mínimo 38 metros de comprimento por 18 de largura;

Nas partidas internacionais o mínimo são 20 metros de largura e máximo 25


metros de largura. E deve ter no mínimo 38 metros de comprimento e máximo
de 42 metros.
Metas: Os chamados “gols” ficam localizados sobre a linha de meta com altura
de 2 metros e 3 metros de largura. É obrigatório o uso de uma rede presa às
traves e ao solo. Essa rede deve ser de material resistente (para não furar
durante o jogo) e com malhas pequenas (para impedir que a bola passe por
ela). Os postes e travessões podem ser feitos com plástico, madeira e ferro e
pintados em cores diferentes da quadra de jogo.

Marcação da Quadra

As linhas demarcatórias devem ser visíveis e com 8 centímetros de largura,


pertencendo as zonas que demarcam. Existem várias marcações numa quadra
de futsal.

As linhas limítrofes de maior comprimento são chamadas de linhas laterais e as


de menor de linhas de meta;

Uma linha deve passar pelo centro da quadra e ter um pequeno círculo no meio
da quadra de 10 centímetros (onde a bola é colocada para que se dê inicio ao
jogo);

Outro círculo também é marcado no centro da quadra, esse maior que o


anterior, com 3 metros de diâmetro;

Nos quatro cantos da quadra, no encontro entre linhas laterais e de meta serão
demarcados ¼ de círculo com 25 centímetros de raio, local onde serão
cobrados os arremessos de canto;

As linhas demarcatórias fazem parte da quadra do jogo.

Área de Substituição

É uma área por onde os jogadores substituídos devem sair da quadra e os


substitutos entram no jogo. É um retângulo que fica à 5 metros de comprimento
da linha divisória do meio da quadra e possui 5 metros de comprimento e 80
centímetros de largura, sendo que 40 cm são dentro da quadra e 40 fora. São
duas áreas de substituições: uma para cada time, estando na frente do banco
de reservas do mesmo.

Área Penal

É a área em que o goleiro pode defender com as mãos. É uma em cada


extremidade da quadra e fica na frente dos gols. É um semicírculo de raio de 6
metros, tendo seus limites na linha de fundo. É diferente da área da cobrança
da penalidade máxima porque o ponto de penalidade máxima fica, também à 6
metros da linha de fundo, mas na posição frontal ao gol, enquanto essa área é
marcada por um semicírculo.

Tiro de Canto
A marcação de quadra dessa penalidade (saída de bola sendo que o último
toque na bola tenha sido do time que esteja defendendo a meta de tal linha)
está nos cantos da quadra. É marcada por ¼ de círculo (90 graus), tendo um
diâmetro de 25 cm (o centro desse ¼ de círculo é o vértice da quadra).

Tiro Livre Sem Barreira

É uma penalidade, sem que haja jogadores do outro time, exceto o goleiro, da
bola até a meta adversária. A marcação para a cobrança dessa penalidade é
de 10 metros do ponto central da meta. Outra marcação referente a essa
penalidade é uma linha traçada 5 metros depois da linha de fundo que
corresponde ao local onde o goleiro pode se adiantar nessas cobranças de tiro
livre sem barreira.

2 - Bola de Futsal

A bola deve ser esférica, feita de couro macio ou outro material previamente
aprovado;

A circunferência da bola tem o mínimo de 62 centímetros e máximo 64


centímetros nas categorias adultas, Sub-20, Sub-17 e Sub-15;

O peso não pode ter menos de 400 gramas e ultrapassar 440 gramas.

3 - Número de Jogadores

Um jogo possui duas equipes com 5 jogadores cada, sendo que um deles é o
goleiro;

Se uma das equipes ficar com menos de três jogadores, a partida deverá ser
cancelada;

Uma equipe pode ter no máximo 9 jogadores reservas;

As substituições podem ser feitas em qualquer momento do jogo e não


possuem uma quantidade específica.

4 - Equipamentos dos Jogadores

O jogador não pode usar nenhum objeto considerado perigoso pelo árbitro.
Exemplo: pulseiras, colares, anéis, alianças e brincos;

Os jogadores devem usar: camisa de manga curta ou comprida, calção curto,


caneleiras, tênis feitos de lona, pelica ou couro macio, meias de cano longo e
caneleiras;

Na entrada das equipes, os candidatos devem ficar com a camisa dentro dos
calções;

O uniforme do goleiro deve ser em uma cor diferente dos outros;


5 - Árbitro Principal e Auxiliar

O jogo terá um árbitro auxiliar e um árbitro principal.

6 - Cronometrista e Anotador

Eles trabalham em uma mesa que fica fora da quadra. O cronometrista


acompanha e controla o tempo de jogo. Já o anotador trabalha examinando as
fichas de identificação dos jogadores e comissão, registra as faltas cometidas
pelas equipes, controla infrações, anota na súmula as ocorrências do jogo, etc.

7 - Duração da Partida

Uma partida oficial de futsal tem duração de 40 minutos. São dois tempos de
20 minutos e 10 minutos para descanso (intervalo). O tempo de jogo é marcado
com um cronômetro e isso deixa a partida mais dinâmica. As punições
possuem algumas semelhanças com o futebol de campo, pelo menos no
quesito dos cartões. Assim como no futebol, o futsal tem o cartão amarelo
(para a advertir do jogador) e o cartão vermelho para a expulsão. O cartão
vermelho causa a suspensão automática do jogador expulso para o próximo
jogo. O mesmo acontece com o integrante do time que receber três cartões
amarelos em partidas diferentes.

8 - Bola de Saída

O árbitro principal será o responsável por fazer um sorteio, a fim de decidir, no


início da partida, a escolha de lado ou saída da bola. A equipe vencedora
começará na meia quadra, onde iniciará jogando. Já a equipe perdedora terá o
direito à bola de saída do jogo. Caso ocorra tempo suplementar, deve-se
adotar o mesmo método.

9 - Bola em Jogo e Fora de Jogo

A bola estará fora do jogo quando atravessar completamente as linhas laterais


ou de meta, quer seja pelo solo ou pelo alto; quando a partida for interrompida
pelo árbitro; e quando a bola bater no teto (partidas em quadra coberta) ou em
qualquer equipamento esportivo inseridos nos limites da quadra.

A bola estará em jogo em todas as demais ocasiões, incluindo quando o tocar


nos árbitros dentro da quadra de jogo; quando não for tomada nenhuma
decisão com relação a infrações das regras do jogo; e quando bater nas traves
ou travessão e permanecer dentro da quadra.

10 - Contagem de Gols

Os gols serão válidos quando ultrapassarem completamente a linha de meta


entre os postes e sob o travessão, desde que ela não tenha sido carregada,
arremessada ou impulsionada de forma intencional (mão ou braço de jogador
atacante ou goleiro adversário). A equipe vencedora será aquela que tiver
maior número de gols. Caso haja o mesmo número de gols ou nenhuma equipe
tiver marcado será considerado empate. Além dessas especificações, existem
outras relacionadas que impedem ou permitem a marcação do gol.

11 - Impedimento

Não existe a regra de impedimento no futsal.

12 - Faltas e Incorreções

Para que uma atitude seja considerada falta, deve-se considerar os seguintes
aspectos:

Ter sido cometida por um jogador em quadra ou reserva;

Precisa ter sido realizada na superfície do jogo e enquanto a bola estiver em


jogo.

As faltas são penalizadas com o Tiro Livre Direto e Tiro Livre Indireto:

Tiro Livre Direto

O tiro livre são os chutes cobrados após a paralisação do jogo depois de


alguma infração cometida na partida. O tiro livro direto é concedido a uma
equipe quando o jogador adversário apresentar as seguintes atitudes:

Dar pontapé, derrubar o jogador do outro time;

Bater, cuspir, tentar segurar o adversário;

Empurrar o adversário;

Oferecer perigo a outro jogador de maneira imprudente;

Praticar uma jogada que atinja de forma perigosa qualquer jogador, etc.

A falta é anotada para a equipe e caso ela ocorra na área penal de quem
cometeu, a equipe adversária executará uma cobrança de uma penalidade
máxima.

Tiro Livre Indireto

Será cobrado quando o jogador adversário apresentar as seguintes atitudes:

Ficar com a bola por mais de 4 segundos na área penal;

Se o goleiro tocar ou controlar a bola que venha de um tiro lateral ou de canto


cobrado por um companheiro;
Tentar retirar a bola das mãos do goleiro;

Prender a bola;

Tentar enganar o adversário se passado por um companheiro de time;

Tentar retardar o tempo da partida;

Impedir que o goleiro lance a bola com as mãos, etc.

Sanções Disciplinares

Os cartões amarelos são apresentados aos jogadores caso ocorram algumas


das seguintes infrações:

Caso o jogador entre na quadra antes dos dois minutos de expulsão


temporária;

Quebrar constantemente as regras do jogo;

Discordar por meio de gestos e palavras das decisões do árbitro;

Ter conduta antidesportiva;

Se dirigir aos árbitros, anotador ou cronometrista para reclamar ou discutir


sobre alguma decisão;

Impedir ou dificultar o reinício da partida;

Simular durante o jogo com a tentativa de enganar os árbitros;

Abandonar a partida sem autorização do árbitro;

Um jogador, que não seja o goleiro, tentar defender a bola com as mãos para
que sua equipe não sofra o gol, etc.

Os cartões vermelhos são apresentados aos jogadores caso ocorram algumas


das seguintes infrações:

Apresentar uma conduta violenta;

Fizer jogo brusco grave;

Realizar gestos obscenos, grosseiros e ofensivos;

Ter duas vezes na mesma partida uma atitude punível com cartão amarelo;

Impedir com a mão a marcação de um gol contra sua equipe, caso você não
seja o goleiro;

Cuspir em alguma pessoa durante a partida;


Dar uma entrada que possa comprometer a integridade física de um jogador;

Impedir de forma ilegal a tentativa de concluir um tento;

Um jogador reserva invadir o campo para reclamar ou atrapalhar a partida.

13 - Tiros Livres

Os tiros livres são chutes desferidos, quando acontece a reposição da bola no


jogo, devido a paralisação da partida provocada por alguma infração. São
classificados em tiro livre direto e indireto.

14 - Penalidade Máxima

Um tiro direto que deve ser cobrado da marca, propriamente feita para a
execução desse lance, em que todos os jogadores, exceto o executor do lance
e o goleiro adversário, estão atrás da linha da bola. O jogador que executa a
penalidade máxima, depois da execução, não pode encostar novamente na
bola antes que outro jogador tenha encostado na mesma. Só pode ser cobrado
para frente e a cobrança deve ser feita em 4 segundos.

15 - Tiro Lateral

Ocorre quando a bola passa, em sua totalidade, pela linha lateral. A cobrança é
feita com os pés do exato local onde a ela tenha saído. O jogador que está
cobrando o arremesso lateral deve estar de frente para a quadra, com um pé
no solo, sendo que esse pé deve estar sobre qualquer parte da linha ou fora
dela. A distância que deve ser respeitada pelos adversário na cobrança desse
tiro é de 3 metros para a bola. Se o arremesso for diretamente para o gol, só
será validado se houver desvio de outro jogador (incluindo o goleiro). Caso o
arremesso lateral seja cobrado de forma incorreta, ocorrerá a reversão, ou
seja, a equipe adversária ganha um arremesso lateral.

16 - Arremesso de Meta

É considerado arremesso de meta sempre que a bola ultrapassar


completamente a linha de meta pelo alto ou solo, excluída a área entre os
postes e sob o travessão de meta, após ter sido tocada ou jogada pela última
vez por jogador da equipe atacante. O goleiro é o responsável por executar o
arremesso de meta, usando as mãos e de qualquer parte do ponto da área
penal.

17 - Tiro de Canto

Ocorre quando a bola sai totalmente pela linha de fundo e o último a tocar seja
do time que está defendendo a meta dessa linha de fundo. Deve ser executado
com um pé fixado no solo em cima da linha ou fora da quadra. O lado a ser
escolhido para a cobrança será o mais próximo de onde a bola tenha saído. Se
a bola for em direção à meta adversária e entrar, mesmo sem desviar em
nenhum jogador, o gol será validado. Uma curiosidade é que se o arremesso
for feito contra própria meta, com ou sem desvios de outros jogadores, o gol
não será validado. O tempo limite para execução desse arremesso é de 4
segundos.

Lei da Vantagem

Os árbitros devem priorizar a disputa de um futsal atrativo e de qualidade com


a obediência às regras. Eles devem evitar as interrupções do jogo e o excesso
de uso de apito que retiram o dinamismo do espetáculo. A Lei da Vantagem
funciona como uma garantia de que os infratores não sejam beneficiados pela
paralisação do jogo.

Diferenças entre as Regras do Futebol de Salão da AMF e Futsal da Fifa

Apesar de possuírem a mesma essência, há diferenças nas regras do Futsal


da AMF e o Futsal da Fifa. O primeiro é considerado um tipo de futebol à moda
antiga, realizado com uma bola mais pesada, em que é necessário ter certas
habilidades para prosseguir com o jogo. Já o proposto pela Fifa é mais
dinâmico e um pouco parecido com o futebol de campo.

Dentre as diferenças está a de que o goleiro não pode tocar com a bola dentro
da quadra de defesa do adversário. De acordo com as regras da Fifa, ele tem
liberdade para atuar até como jogador de linha. Confira as principais diferenças
entre os esportes.

Obs.: A Confederação Nacional de Futebol de Salão (CNFS) é a responsável


pela difusão do tradicional futsal no Brasil.

Futsal Fifa

Em quadra
Substituições

Cartões

Lateral e Escanteio

Tiro de Meta

Goleiro
Pênalti

Gol

Futsal AMF

Em quadra

Substituições
Cartões

Lateral e escanteio

Tiro de Meta

Goleiro

Pênalti

Gol
Como se joga

Futsal, ou futebol de salão, é uma adaptação do futebol de campo para quadra.


Joga-se em espaços chamados "quadras polivalentes", demarcados também
para outros esportes, como vôlei e basquete. Participam duas equipes de cinco
jogadores cada, com bola menor, mais pesada e menos flexível que a do
futebol tradicional.

O futsal é disputado em quadras de 24 a 42m de comprimento por 14 a 22m de


largura. A bola pesa entre 410 e 500g e tem de 53 a 62cm de circunferência.
As metas medem três metros de largura por dois de altura, à frente das quais
demarcam-se áreas cujas linhas são eqüidistantes quatro metros da linha de
gol. O objetivo do jogo é marcar tentos, como no futebol association, mas
algumas regras são exclusivas do futsal. O arremesso lateral e o arremesso de
canto são cobrados com os pés; após a quinta falta coletiva, a equipe infratora
é punida com a cobrança de um tiro livre direto, sem barreira, do local onde foi
cometida a falta; o atleta que cometer cinco faltas será desclassificado e o
goleiro deve sempre repor a bola em jogo, com a mão ou com os pés, quatro
segundos após defendê-la e de modo que não atravesse a linha central sem
que primeiro toque o piso, ou um jogador. A partida tem a duração de quarenta
minutos (dois tempos de vinte) para adultos e de trinta minutos (dois tempos de
15) para juvenis.

O futsal, também chamado de futebol de salão, é um esporte coletivo


semelhante ao futebol de campo, porém possui suas peculiaridades.

Ainda que sejam semelhantes, o futsal possui regras específicas e diferencia-


se, por exemplo, pelo número de jogadores e as dimensões do espaço de jogo.

No Brasil, o futsal tem tido grande representatividade nas últimas décadas. Ao


lado do futebol, é o esporte mais praticado no país por homens e mulheres.

Origem do Futsal

O futsal surgiu nos anos 30 no Uruguai. O responsável foi o professor de


educação física Juan Carlos Ceriani Gravier da ACM (Associação Cristã de
Moços).

Juan Carlos Ceriani Gravier, criador do futsal

No início era chamado de Indoor Football (na tradução literal significa “futebol
no interior”).
História do Futsal no Brasil

Logo depois de ser inventado, o futsal chegou ao Brasil em 1935. Aqui, ele
passou a ser chamado de futebol de salão.

Ainda no início poderíamos encontrar 7 jogadores em cada equipe (14 no total).


Mais tarde e com as novas formulações, esse número foi reduzido para 10 no
total.

Também devemos ressaltar o peso da bola, que a princípio, era mais leve.
Com os chutes, por exemplo, era muito fácil ela sair da quadra. Portanto,
mediante observações, o seu peso foi sendo aumentado.

Atualmente, a bola de futsal é mais pesada do que do futebol de campo.

Sua circunferência está entre 62 e 64 centímetros e um peso que varia de 400


a 440 gramas.

Após a consolidação das regras desse esporte em fins dos anos 50, ele
disseminou-se rapidamente por todo o país.

Em 1954 foi fundada a primeira federação desse esporte no Brasil chamada de


“Federação Metropolitana de Futebol de Salão”. Atualmente, ela chama-se
“Federação de Futebol de Salão do Estado do Rio de Janeiro”.

Nos anos seguintes, outros estados do Brasil também seguiram os passos e


fundaram suas federações relacionadas ao futsal.

Só na década de 50 foram fundadas as federações em São Paulo, Minas


Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia, Ceará, Sergipe e
Rio Grande do Norte.

Com o passar do tempo, todos os estados do país contavam com uma


federação e equipe de futsal.

Em 1971 foi fundada em São Paulo a “Federação Internacional de Futebol de


Salão” (Fifusa). Na ocasião, estavam presentes representantes do Brasil,
Argentina, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Peru e Portugal.

A Confederação Brasileira de Futsal atua através da CBF sendo filiada a FIFA.


Além da FIFA, os campeonatos internacionais de futsal são organizados pela
Associação Mundial de Futsal (AMF) com sede na cidade de Assunção, no
Paraguai.
Atualmente existem diversos campeonatos de futsal no Brasil e no mundo.
Merecem destaques a Copa Mundial de Futsal da FIFA e o Campeonato
Mundial de Futebol de Salão da AMF.

O Brasil possui uma das seleções mais fortes de futsal e já foi campeã algumas
vezes. Na Europa, destacam-se as seleções da Itália, Espanha e Rússia.

Embora seja relativamente novo, o futsal é considerado um dos esportes com


maior crescimento no mundo.

Fundamentos do Futsal

Os objetivos desse esporte, tal qual no futebol, é fazer gols. Assim, a equipe
vencedora é aquela que conseguir fazer o maior número de gols durante a
partida.

O tempo total de jogo é de 40 minutos. Ou seja, são dois tempos de 20 minutos


com um intervalo de 10 minutos entre eles.

O futsal reúne diversos movimentos desde chutes, passes de bola, dribles,


cabeceios, etc.

Além dos jogadores presentes na quadra e na reserva, cada equipe possui um


treinador. Além disso, há dois árbitros: o auxiliar e o principal. O cronometrista
é responsável por controlar o tempo de jogo.

Regras do Futsal

No futsal nunca se deve colocar a mão na bola. O único jogador que pode é o
goleiro que usa uma luva para defender a marcação de gol pela equipe
adversária.

Como o futebol de campo, se um jogador cometer falta ele pode levar o cartão
amarelo (advertência) ou vermelho (expulsão). Três cartões amarelos
equivalem a um vermelho.

As faltas podem ser cometidas quando o jogador encosta a mão na bola,


quando há desavenças entre jogadores e árbitros, ou ainda, quando há
violência física ou verbal. O juiz que irá decidir a gravidade da falta e o cartão
que será dado.
Vale ressaltar que no futsal não há o conceito de impedimento, como no futebol
de campo. Por sua vez, as cobranças de falta são semelhantes ao futebol de
campo: escanteio, tiro de meta, arremesso lateral e de canto.

As cobranças são realizadas em até 4 segundos e devem ser cobradas com o


pé.

Jogadores

O futsal possui dois times de 5 jogadores cada. Vale notar que desses 5 cada
equipe possui um goleiro, responsável por defender as entradas de bolas.

Além do goleiro, os jogadores chamados de fixos são responsáveis pela


defesa. Esse equivale ao zagueiro no futebol de campo. Já o pivô ou atacante
tem o objetivo de marcar gols.

No futsal não há um limite para substituição de jogadores e elas podem ocorrer


em qualquer momento do jogo.

Quadra

O futsal é praticado numa quadra retangular. Ela possui entre 24 e 42 metros


de comprimento, por 15 a 22 de largura, variando de acordo com a categoria.
Note que as quadras podem ser cobertas ou descobertas.

Futsal Olímpico

Movimento Olímpico ou Futsal Olímpico é um movimento que teve início em


meados de 2002 e inicio de 2003, campanha criada pela Federação Paulista de
Futsal em prol da inclusão do futsal nos Jogos Olímpicos. O movimento teve
inicialmente os nomes de “Eu Quero Futsal Olímpico” e "Futsal! Um Sonho
Olímpico".

Em 2003, no Brasil, a Confederação Brasileira de Futsal nomeou o presidente


da Federação Paulista de Futsal, Ciro Fontão de Souza,[2] coordenador
mundial da campanha. Existe também a AIFS – Associação Internacional de
Futsal, em Montevidéu, no Uruguaipara conduzir a campanha, mesmo não
sendo uma campanha oficial da FIFA.

Futsal ou futebol de salão

Passados dez anos, o Movimento Olímpico ganhou força novamente, só que


desta vez o movimento foi abraçado oficialmente pelo seu idealizador Marcos
Diniz, que luta pela inclusão do futsal (AMF) ou futebol de salão (AMF) nos
jogos olímpicos, ou seja, modalidade esportiva regida pelas regras
da Associação Mundial de Futsal.

Os passos do movimento

O Movimento luta para que o Comitê Olímpico Internacional (COI) reconheça a


modalidade futebol de salão (AMF) e suas confederações, para que seja
incluída como esporte olímpico; já que a modalidade não pertence a nenhuma
ramificação de outra modalidade/entidade. Alguns comitês olímpicos nacionais
não seguem a determinação do COI e reconhecem o futebol de salão (AMF) e
suas federações nacionais, tais como o Comitê Olímpico Mexicano, Comitê
Olímpico Canadense, Comitê Olímpico Colombiano, Comitê Olímpico Francês
entre outros.

Desde 2000, o Comitê Olímpico Internacional (COI), reconhece apenas o futsal


FIFA como gestora da modalidade, caso seja aceito, o futsal FIFA não será
considerado um esporte olímpico, apenas um evento dentro do futebol de
campo.

Comparação entre futebol de salão e futsal

Apesar da grande semelhança, Futebol de Salão e Futsal não são o mesmo


esporte. As diferenças entre os esportes limitam-se a algumas poucas regras,
mas que acabam influenciando sensivelmente a dinâmica de jogo de ambas
modalidades. Além disso, a questão política os diferencia, já que o Futsal é de
responsabilidade da FIFA, enquanto o Futebol de Salão foi regido até a década
de 90 pela FIFUSA, e desde 2002 é regido pela Associação Mundial de Futsal
(AMF), com sede no Paraguai. O fato de pertencerem a entidades diferentes,
por certo deverá, com o passar do tempo, demarcar modalidades
diferenciadas.

Embora mantenham em comum sua essência, a criação de algumas regras


pela FIFA em 1989, que objetivou deixar o Futsal mais atrativo ao público, criou
peculiaridades em cada uma das modalidades: o Futsal, com uma bola mais
leve e com a valorização do uso dos pés adquiriu maior semelhança com
o Futebol de Campo e ganhou outra dinâmica com novas regras, como permitir
que o guarda-redes atue como um jogador de linha quando ele está fora da sua
área; já o Futebol de Salão, buscando sempre preservar as regras originais,
manteve mais as características de um desporto indoor, com um jogo mais no
chão, reduzindo o jogo aéreo, devido ao peso da bola, com laterais e
escanteios cobrados com as mãos. Dessa forma, a dinâmica do jogo em uma e
outra modalidade tornou-se sensivelmente diferenciada.
No modo dos agrupamentos políticos em torno do esporte, até o final da
década de 90 o futebol de salão era administrado por uma entidade
chamada Federação Internacional de Futebol de Salão, ou
simplesmente FIFUSA, com sede no Brasil; quando foi proposto um acordo
oficialmente em 2000, pelo qual a FIFUSA se tornaria um departamento
da FIFA e esta passaria a comandar o futebol de salão. No entanto, por
motivos diversos, a parceria não vingou, e cada entidade seguiu seu caminho.
A FIFA, contudo, manteve seu projeto criando uma comissão própria da
modalidade, mudando o nome do esporte para futsal, e atraindo para sua tutela
federações nacionais, com a promessa de padronizar as regras e difundir o
esporte pelo mundo. A FIFUSA congregou as entidades continentais
relacionadas ao futebol de salão e apoiou a criação de novas.

No Brasil, a CBF, por ser filiada a FIFA, reconhece a CBFS como a gestora
do Futsal no país. As entidades que não concordam com este reconhecimento;
vincularam-se à CNFS e se filiaram a AMF, praticando, portanto, o Futebol de
Salão.

O Esporte

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

O Futebol de Salão surgiu na década de 30 sob a direção da FIFUSA,


praticado atualmente em muitos países. No Brasil, todas as associações
filiadas à Confederação Nacional de Futebol de Salão praticam-no. O último
campeonato realizado em 2013, nos Jogos Mundiais na Colômbia, teve a
própria Colômbia, atual campeã mundial de 2011 com a medalha de ouro, a
Venezuela com a medalha de prata e o Brasil com a medalha de bronze . Em
linhas gerais, suas regras são as mesmas que surgiram na década de 50, e
que foram adotadas pela FIFUSA, na década de 70. No ano de 2002, a
modalidade passou a ser regida pela AMF.

Quadra

A quadra deve medir entre 28x16m (mínimo) e 40x20m (máximo). Em caso de


jogos internacionais, deve medir entre 36x18m (mínimo) e 40x20m (máximo).

Futsal FIFA

O Futsal, surgiu no início da década de 90. É resultado de uma fusão entre o


futebol de salão, praticado pela FIFUSA e o futebol de cinco, implantado
pela FIFA. No Brasil, todas as associações filiadas à Confederação Brasileira
de Futsal praticam-no. O último campeonato realizado em 2012, o Mundial de
Futsal disputado na Tailândia, organizado pela FIFA teve a equipe
do Brasil como campeã, Espanha como vice-campeã e Itália em terceiro lugar.
Por extensão, é a modalidade que se pratica nos clubes e escolas brasileiras.
Em linhas gerais, suas regras atuais são o resultado de várias modificações
ocorridas do início da década de 90 para cá, a fim de tornar o jogo mais
dinâmico.

Quadra

A quadra deve medir entre 25x15m (mínimo) e 42x22m (máximo). Para jogos
oficiais o mínimo de comprimento é 30 metros e o mínimo de largura é 17
metros. Já para partidas oficiais internacionais o mínimo é de 18 metros de
largura e de 38 metros de comprimento.

Substituições

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

No decorrer da partida cada equipe poderá efetuar substituições ilimitadas.

As substituições só ocorrem estando o jogo interrompido, com aviso prévio ao


anotador, sem qualquer outra hipótese.

Futsal FIFA

No decorrer da partida cada equipe poderá efetuar substituições ilimitadas.

As substituições podem ocorrer a qualquer momento, mesmo com a bola


rolando.

Cartões

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

Amarelo: Advertência

Azul: Desclassificação - (desclassificação do atleta e recomposição imediata da


equipe).

Vermelho: Expulsão - (expulsão do atleta e recomposição imediata da equipe;


devendo o atleta expulso cumprir no mínimo uma partida de suspensão).
Futsal FIFA

Amarelo: Advertência

Vermelho: Expulsão - (a equipe só poderá ser recomposta após dois minutos,


ou a qualquer momento desde que aconteça um gol na partida)

Tiro de Canto e Lateral

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

Todas as cobranças de lateral e escanteio são realizadas com as mãos.

Futsal FIFA

Todas as cobranças de lateral e escanteio são realizadas com os pés.

Tiro de Meta

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

O tiro de meta é cobrado com a mão, e o goleiro tem que fazer a bola tocar ao
solo no seu campo defensivo.

Futsal FIFA

O tiro de meta é cobrado com a mão, e o goleiro pode repor a bola em


qualquer parte da quadra.

Goleiro

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

O goleiro pode atuar na linha (mas não pode em hipótese alguma tocar na bola
no campo de defesa adversário; caso o goleiro toque na bola no campo de
ataque será marcada falta, tiro livre direto e o mesmo será advertido com
cartão amarelo);
Pode trocar de posição com outro jogador (este caso não é considerado como
uma substituição), devendo a partida estar paralisada e o árbitro notificado.

O goleiro não pode cobrar pênalti e nem bater faltas após o meio da quadra na
regra FIFUSA/AMF.

Futsal FIFA

O goleiro pode atuar na linha (mas não pode sair de sua área com a bola. Para
atuar fora de sua área, algum jogador de linha tem que tocar a bola pra ele, e
ele a receber fora da área).

Pode trocar de posição com outro jogador sem a necessidade da partida ser
paralisada e sem a necessidade do árbitro ser notificado.

O goleiro pode cobrar pênalti e bater faltas de qualquer parte da quadra na


regra FIFA.

Gol

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

Os gols podem ser marcados em qualquer parte da quadra, inclusive dentro da


grande área.

Futsal FIFA

Os gols podem ser marcados em qualquer parte da quadra, inclusive dentro da


grande área.

O Pênalti

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

A área de meta é demarcada por um semi círculo com raio de base a seis
metros do centro da linha do gol . O Tiro penal ou o pênalti é cobrado de uma
distância de seis metros do gol. O tiro de castigo ou Doble penal é cobrado de
um ponto a uma distância de nove metros do gol.

O goleiro deverá permanecer sobre a sua própria linha de meta entre os


postes, de frente para o executor e só poderá se movimentar quando o
executor tocar na bola.
Futsal FIFA

A área de meta é demarcada por um semi círculo com raio de base a seis
metros do centro da linha do gol . O Tiro penal ou o pênalti é cobrado de uma
distância de seis metros do gol. O tiro de castigo é cobrado de um ponto a uma
distância de nove metros do gol.

É permitido ao goleiro movimentar, desde que esteja com os dois pés na linha
de gol.

Outras Regras

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

Utilização de árbitros assistentes, popularmente conhecidos como


bandeirinhas.

Área é menor que no Futsal FIFA

Futsal FIFA

Não utiliza árbitros assistentes

A FIFA aumentou o tamanho da área

Campeonatos Mundiais

Os torneios mais importantes de cada variante são:

Futebol de Salão FIFUSA/AMF

Campeonato Mundial de Futebol de Salão

Futsal FIFA

Copa do Mundo de Futsal


Fundamentos e regras do Futsal

Apesar de muito semelhante ao futebol, a modalidade tem variações


importantes, tanto em relação aos fundamentos, quanto em relação às regras.

Uma partida de futsal tem duração de dois tempos de 20 minutos, com um


intervalo de 10 minutos entre eles. Ou seja, são 40 minutos de jogo;

O futsal pode ser praticado em quadras cobertas ou descobertas, com largura


variável entre 15 e 22 metros, e comprimento entre 24 e 42 metros, podendo
variar de acordo com a competição;

A quadra possui as seguintes marcações:

– Linha central
– Linhas laterais e linha de meta
– Área de penalidade
– Área de substituição

Cada jogo é disputado por duas equipes, cada um delas com cinco jogadores,
incluindo o goleiro. Assim, são 10 atletas em quadra. Eles podem jogar nas
posições:

– Goleiro
– Ala (laterais)
– Fixo (defesa)
– Pivô (ataque e criação de jogadas)

A bola tem circunferência entre 62 e 64 centímetros e pode pesar entre 400 e


440 gramas;

A partidas são supervisionadas por dois árbitros, sendo um principal e um


auxiliar. Há também um cronometrista e um anotador;

O objetivo é marcar gols, portanto, vence a equipe que ao final do jogo


computar o maior número de pontos;

Para fazer gols, os jogadores podem usar dribles, passes de bola, cabeceios e
outros. Mas assim como no futebol, é proibido tocar a bola com as mãos;
Cada time pode ter até 9 reservas e não há limites para substituições e elas
poderão ser feitas a qualquer momento do jogo;

Não existe impedimento no futsal;

Quando algum jogador comete alguma falta, dependendo da infração, ela


poderá ser cobrada como tiro direto ou tiro indireto;

Os jogadores podem ser sancionados também com cartões vermelhos e


amarelos;

Há, ainda, as cobranças de tiros livres, tiro lateral, penalidade máxima,


arremesso de meta, tiro e canto.

No Brasil, o futsal está entre os esportes mais praticados, seja de forma


profissional, por lazer ou nas escolas. Aqui, o futebol é a grande paixão
nacional. A semelhanças entre os dois esportes é um dos fatores que justificam
a boa adesão do futebol de salão.

O Brasil, atualmente, tem uma das melhores seleções masculinas de futsal,


sendo pentacampeã na Cola do Mundo de Futsal da Federação Internacional
de Futebol (FIFA).

Por ter sido criado em um país vizinho, rapidamente ele chegou ao nosso país.
Cerca de dois anos depois de ter sido criado do no Uruguai, em 1935, ele já
estava sendo praticado em território brasileiro.

Apesar disso, foram necessários quase 20 anos até a criação da “Federação


Metropolitana de Futebol de Salão”, que foi fundada em 1954, no Rio de
Janeiro. Depois dela, rapidamente o esporte de disseminou por outros estados,
ao ponto de que todos tinham um time e uma federação.

Em 1971, foi fundada em São Paulo a Federação Internacional de Futebol de


Salão (Fifusa). Ela funcionou até 2004, entretanto, desde 2002 a Associação
Mundial de Futsal (AMF) é a responsável por gerenciar o esporte ao redor do
mundo.

Hoje, a Confederação Brasileira de Futsal atua junto a Confederação Brasileira


de Futebol, a CBF, sendo filiada à FIFA.

Tanto a AMF quanto a FIFA possuem competições próprias, com destaque


para o Campeonato Mundial de Futebol de Salão e Eurofutsal da AMF e a
Eurocopa e Copa do Mundo de Futsal da FIFA.
O futebol de salão, esporte também conhecido apenas como ‘futsal’, foi
desenvolvido entre o final da década de 30 e meados dos anos 40.

Basicamente, o esporte foi criado na Associação Cristã de Moços do estado de


São Paulo. Tudo o que os garotos da instituição queriam era uma quadra para
jogar futebol. Com a impossibilidade disso, passaram a improvisar alguns jogos
em quadras de basquete. Nesta época não haviam muitas regras e cada
equipe era composta por 5, 6 ou até mesmo 7 integrantes.

Não tardou até que a nova modalidade esportiva fosse disseminada por todo o
Brasil. Só para ter uma ideia, entre o final de 1955 e começo de 1956 foi
organizado no Rio de Janeiro o 1º campeonato oficial do esporte, com 42
equipes na disputa.

Até o ano de 1959 as regras para o jogo eram diferentes no estado de São
Paulo e no Rio de Janeiro. Foi nesta data que a CBD (Confederação Brasileira
de Desportos) tornou o jogo oficial, definindo as regras e impondo a
obrigatoriedade na utilização de uniformes.

Certamente a característica mais marcante do esporte diz respeito ao


dinamismo. Diferentemente do futebol praticado em campos de grama,
no futsal a rapidez com que a bola é passada de um jogador para o outro até
pontuar no gol é muito maior.

E apesar de serem muito similares, é certo afirmar que futebol de salão e futsal
possuem algumas diferenças – começando pelas federações responsáveis
pelos mesmos. Enquanto o futebol de salão é de responsabilidade da
Federação Internacional de Futebol de Salão (FIFUSA), o futsal é organizado e
regido pela FIFA (sigla francesa para Fédération Internationale de Football
Association).

A seguir, confira quais são as principais características e regras do futsal:

Um jogo de futsal possui tempo determinado: 40 minutos. São dois diferentes


tempos de 20 minutos com 10 minutos de intervalo entre um e outro;

O futsal é uma das únicas modalidades esportivas que conta com divisão de
categoria por faixa etária. São elas: entre 5 a 9 anos; entre 9 e 10 anos; entre
11 e 12 anos; entre 13 a 14 anos;

entre 15 a 16 anos; entre 17 a 19 anos; entre 20 a 32 anos; 33 a 50 anos e a


partir dos 50 anos;

Apesar de ser um esporte bem disseminado em todo o Brasil e América do Sul,


o futsal não é uma modalidade olímpica;

As equipes de futsal são compostas por 5 jogadores (incluindo o goleiro). Já as


equipes reserva podem ter até sete integrantes;
A quadra de futsal deve ser retangular e de piso resistente. Já as medidas
variam com base na categoria. Para a categoria profissional masculina, por
exemplo, a quadra deve ter entre 18 a 25m de largura e entre 38 a 42m
de comprimento;

A bola da modalidade esportiva também conta com algumas especificações.


Basicamente, ela deve ter entre 400 a 440g e, em média, 63cm
de circunferência;

Para punição o árbitro pode utilizar dois diferentes cartões: o amarelo, para
advertência, e o vermelho para expulsão do jogador da quadra. Diferentemente
do futebol de campo de grama, no futsal existem dois diferentes tipos de
expulsar um jogador: deixando-o fora da quadra por dois minutos ou até que a
sua equipe tome um gol;

Não há número determinado de substituições e elas podem ocorrer em


qualquer minuto ou momento do jogo;

Os jogadores em quadra se dividem da seguinte maneira: jogadores fixos (que


ficam na defesa), jogadores pivô (que ficam no ataque), jogadores de ala (que
ficam nas laterais) e goleiro;

Tanto os escanteios como os laterais são cobrados com os pés.

Algumas curiosidades sobre a modalidade esportiva no Brasil e no mundo são


as seguintes:

A Associação Mundial do Futsal (AMF), por sua vez, é a confederação


responsável pelos jogos e campeonatos internacionais. Neste sentido, são
organizados por ela: Copa do Mundo de Seleções Nacionais, Campeonato
Mundial AMF (Feminino e Masculino), Campeonato Mundial de Clubes e
Eurofutsal.

Alguns campeonatos também são organizados pela FIFA, como é o caso da


Eurocopa e do Mundial de Futsal da FIFA.

Na Copa do Mundo de Futsal o Brasil já foi campeão 5x. A conquista do último


título neste campeonato foi em 2012, contra a fortíssima seleção da Espanha.

Já no Futsal organizado pela AMF o time mais forte do mundo é o colombiano,


sendo tri campeão mundial.

O próximo mundial da Associação Mundial de Futsal será em 2019, na


Argentina.

Nos dias de hoje o futsal está entre as mais comuns atividades esportivas em
aulas de educação física por todo o Brasil.
Fundamentos

Os principais fundamentos do futebol de Salão são:

· Passe: É quando o jogador passa a bola para um companheiro da sua


equipe.

· Drible: É o ato em que o jogador usa a bola para enganar o adversário,


deixando-o para trás.

· Finta: É o ato de enganar o adversário sem tocar na bola.

· Cabeceio: É a ação de cabecear a bola que tem como objetivo defender ou


marcar um gol.

· Chute: É a ação de chutar a bola,quando a bola estiver parada ou em


movimento, visando dar a ela uma trajetória em direção a um objetivo, seja
este o gol, outro jogador ou tirá-la de jogo (existem varias formas de chute).

· Recepção: É a ação de interromper a trajetória da bola vinda de passes ou


arremessos.

· Condução: É a ação de progredir com a bola por todos os espaços possíveis


de jogo.

· Domínio de bola: É a ação de dominar a bola com qualquer parte do corpo,


exceto as mãos (braços).

· Finalização: É o ato de chutar a bola, visando realizar o objetivo mais


esperado, que é marcar o gol.

Posições dos Jogadores

Muito parecido com o futebol, o futsal apresenta quatro posições principais, que
são:

· Goleiro - Defende o gol de todos os ataques do adversário e também pode


atacar.

· Fixo - Defensor, semelhante ao zagueiro.

· Ala (esquerdo e direito) – Joga pelas laterais da quadra.

· Pivô - Movimenta-se no ataque e arma jogadas.


Características e Regras do Futsal

- As equipes são formadas por 5 jogadores de linha (sendo um goleiro) e 7


jogadores, no máximo, como reservas.

- O Futsal é praticado em quadra retangular de piso rígido, com medidas que


variam de acordo com a categoria. Na Liga de Futsal Masculina, por exemplo,
a quadra deve ter entre 38 e 42 metros de comprimento por 18 a 25 de largura.

- A bola de futsal (categoria adulto masculino) deve ter entre 62 e 64 cm de


circunferência e peso entre 400 e 440 gramas.

- O árbitro pode usar dois cartões para punir as faltas. O amarelo (advertência)
e o vermelho (expulsão por 2 minutos ou pode ser substituído ao tomar um
gol).

- As substituições podem ocorrer a qualquer momento e em número


indeterminado.

- Os jogos da categoria adulto ocorrem em 40 minutos (2 tempos de 20


minutos).

- O posicionamento de uma equipe de futsal segue o seguinte esquema:


goleiro (defende o gol com mãos e pés e também pode atacar), fixo (jogador de
defesa), ala (joga mais pelas laterais), pivô (movimenta-se no ataque e arma
jogadas).

Posições e Funções

Ao formar uma equipe de futsal visando o trabalho de uma temporada, o


técnico deve se preocupar não só em preencher as posições em quadra ou
deficiências da equipe, mas também em atribuir funções de acordo com as
habilidades/qualidades de cada um dos atletas a sua disposição.

As funções a serem desempenhadas pelos atletas independem do esquema


tático adotado pela equipe, alem de nem sempre corresponder às posições em
quadra. As funções a serem desempenhadas e as características do jogador
para cada funções são as seguintes:

Marcador

É aquele jogador que reúne as melhores condições de antecipação e


marcação, às vezes coincide o fato de que seja o fixo da equipe. Possui bom
senso de cobertura, sabe utilizar bem o corpo e geralmente tem bom nível de
força física;

Passador

Geralmente é o jogador de melhor passe da equipe, dotado de uma boa visão


de jogo e precisão nos lançamentos de longa distância.

Muitas vezes é o segundo jogador mais habilidoso da equipe, mas por ter um
excelente senso de marcação, joga com segundo defensor cobrindo o fixo
(marcador);

Armador

A maioria das vezes é o jogador mais rápido e habilidoso da equipe;

Possuidor de uma boa velocidade de raciocínio, quando jovem geralmente tem


dificuldade de jogar para a equipe, sendo um jogador experiente tende a
buscar o jogo coletivo sem anular sua habilidade natural;

Finalizador

É jogador com o talento natural para finalizar em gol. Antevê como poucos os
lances que poderão resultar em gol.

Dotado de boa técnica e habilidade, tem na velocidade de reação e


antecipação sua principal virtude físico-tática.

Para que entendamos a afirmação anterior que as funções nem sempre


correspondem às posições em quadra, devemos conhecer as definições das
posições dos atletas em quadra. Diversos autores tentam definir as posições
no futsal, pessoalmente adotamos as definições de VOSER (2001) para as
mesmas:
Goleiro

"Este é o responsável por defender e impedir que a bola ultrapasse a linha de


gol. (...) As ultimas regras lhe dão a possibilidade de lançar a bola com as
mãos diretamente para o outro lado da quadra. (...) observa-se que o goleiro de
futsal deverá possuir também as mesmas qualidades técnicas dos demais
jogadores de linha".

Fixo

"Sua função básica é defensiva, porém deve saber o momento exato participar
de algumas manobras ofensivas, como organizador, abrindo espaços para os
companheiros e chegando como homem surpresa para o arremate a gol. Este
jogador devera também orientar os colegas durante a marcação e ter um bom
senso de cobertura".

Alas (direito e esquerdo)

"São os responsáveis pela construção das jogadas e tem a tarefa de marcar e


atacar".

Pivô

"Este é o responsável pela distribuição das jogadas e, quando acionado,


exerce as ações de finalização e de abrir espaços na área adversária para a
penetração de seus companheiros. A sua característica básica é saber jogar de
costas para o gol".

O técnico de futsal não deve se ater a estas conceituações, na hora de atribuir


as funções em quadra. Muitas vezes um jogador apesar de jogar numa
determinada posição, exerce como maior eficiência uma função em quadra que
aparentemente não seria a sua, podemos citar o exemplo de um ala ser o
marcador ao invés do fixo, que seria a escolha natural. Ou um dos alas exercer
a função de finalizador da equipe ao invés do pivô, que no caso em estudo
rende mais como armador das jogadas da equipe.

A função de passador geralmente é exercida por um dos alas ou pelo fixo,


quando este é detentor de um bom passe de media e longa distancia, alem de
bom nível de habilidade.

O trabalho de atribuição de funções é mais usual em equipes cujos jogadores


não são experientes, pouco experientes ou se tem pouco tempo para treinos
táticos antes da competição alvo da temporada. A atribuição de funções não
exime os jogadores de executar (e bem) qualquer uma das funções descritas
anteriormente, mesmo que esta não seja a que lhe foi atribuída pelo técnico.
Para que qualquer um da equipe possa desempenhar as funções de outro
jogador em quadra o trabalho de treinamento dos fundamentos do futsal
(passe, drible, condução, chute etc.) é primordial, mesmo para aqueles
jogadores mais experientes do elenco. Este treinamento parece fácil, mas
quando é realizado muitas vezes o numero de erros na sua execução são
tantos, que muitos poderão achar tratar-se de um jogador qualquer amador.

Sistemas Táticos de Jogo

Quanto aos sistemas a serem empregados, quer seja o 3-1, 2-2, 1-2-1, 4-0,
todos da mais alta importância desde que sejam bem aplicados, respeitando, é
claro a forma pela qual se apresenta o adversário no seu sistema defensivo e
as características individuais, tanto da nossa quanto da equipe adversária.

Porém existe um fundamento que tem sido motivo de muito comentário entre
os que militam no futsal, que é o drible.

Por várias vezes assistimos equipes saírem vitoriosas em quadra, com jogadas
de puro individualismo de seus jogadores.

Com a formação da equipe, seus aspectos iniciais, competirá ao técnico e/ou


treinador, idealizador de acordo com o material humano de que dispõe, a forma
tática que irá atuar em suas partidas, inclusive contando com todas as
alterações que poderão ocorrer mesmo durante o transcorrer desta. A
esquematização de jogo é fator preponderante em uma equipe, pois sem esta
atividade, não se terá uma equipe e sim um grupo de elementos que estarão
praticando um esporte sem um objetivo específico. Como já foi observada, a
tática de jogo pode e deve variar, normalmente durante o transcorrer da
partida, competindo ao profissional responsável as devidas orientações neste
sentido, no intuito de não fracassar em seu trabalho, mas, sempre tendo em
mente que uma derrota deve ser assimilada pelo grupo como um resultado
previsto dentro de uma competição, tendo sempre em mente que o importante
será anotar e observar as falhas para que, assim que corrigidas, venham a
surtir o efeito desejado em um próximo confronto. Tática nada mais é do que a
teoria (técnica) colocada em prática na quadra de jogo, com todas as suas
variações que poderão acontecer conforme o desenvolvido pelo adversário.

Esquema de Jogo

Os esquemas de jogo mais adotado pelas equipes são: 2-2, 1-3, 3-1, 1-2-1.
Estes esquemas são os comumente praticados durante o desenvolver de uma
partida, sendo que uma equipe varia constantemente tais esquemas, de acordo
com as necessidades e principalmente de acordo com o adversário.
Esquema 2-2: é um esquema defensivo, geralmente empregado por equipes
iniciantes ou de categorias menores, tendo como principal característica
dificultar a dilatação do placar no caso de inferioridade em relação ao
adversário. Ofensivamente apresenta pouca objetividade, pois sua
movimentação é restrita. Em relação ao grupo de atletas, restringe as
habilidades, pelo fato de não oferecer uma mobilidade durante o desenvolver
da partida, dificultando trabalho com bola, lançamentos. Deve-se ter em mente
que em determinados momentos, um esquema como este, o determinado
"caixote", quando bem aplicado, e muito bem treinado, realmente dificulta o
adversário a penetração no campo de ação da equipe, restando normalmente a
esta, os chutes de média e longa distância, que poderão resultar em algo, de
acordo com o tamanho da quadra de jogo.

Esquema 3-1, 1-3, 1-2-1: Estes esquemas são os mais empregados pelas
equipes, pois apresentam dupla objetividade: OFENSIVA E DEFENSIVA.
Favorece aos atletas uma maior mobilidade, criatividade e desenvolvimento de
suas características técnicas, dando uma movimentação maior no desenrolar
da partida. As posições de cada atleta são pré-determinadas durante os
treinamentos, onde cada qual, dentro de suas características, desenvolverá o
seu trabalho, mas nunca ficando restrito a um posicionamento fixo, cada
esquema destes, será aplicado conforme orientação do profissional
responsável pela equipe e principalmente de acordo com as características do
adversário.

Esquema 3-1: é um esquema mais defensivo, onde a equipe em determinados


momentos da partida, utilizará para evitar o crescimento do adversário e
conseqüentemente a marcação de gols por parte destes. Oferece no entanto a
possibilidade de um contra ataque, valendo -se de um pivô habilidoso para
surpreender o adversário;

Esquema 1-3: é o esquema utilizado com o objetivo de mudar o resultado de


uma partida, onde somente a vitória interessa, e neste caso, a equipe valendo-
se de um bom fixo, libera os demais, alas e pivô, para sob pressão objetivar a
mudança de resultado de acordo com o que importa para a equipe;

Esquema 1-2-1: é o esquema utilizado em uma partida tranquila, com o


desenvolvimento normal das jogadas, que propiciam o desenvolvimento do
jogo e principalmente a movimentação dos atletas, variando as jogadas e
alternando-se nos posicionamentos com o intuito de envolver o adversário.

Sistema de Marcação

Por Homem a Homem

Na marcação homem a homem ou individual, o defensor marca individualmente


o jogador que lhe indicado acompanhando-o por toda a quadra. Esse sistema
pode ser dividido em marcação sob pressão e meia pressão. Neste sistema
marca-se o jogador, não a bola. A marcação sob pressão exige que o marcador
exerça o combate direto ao oponente em qualquer setor da quadra, procurando
evitar que o oponente receba a bola. E entende-se por meia pressão o
combate no setor de ataque somente sobre o oponente que recebe ou que está
de posse da bola, não sendo necessário o combate sobre o jogador que está
sem bola, ficando o responsável por este jogador adversário mais retraído afim
de dar cobertura ao companheiro que efetua o combate direto sobre aquele
que está com a bola, além de guarnecer o setor central da quadra. No setor
defensivo a marcação é efetuada sob pressão.

Por Zona

O sistema de marcação por zona consiste em atribuir a cada jogador da equipe


uma zona definida de defesa com a incumbência de ocupá-la e defendê-la
integralmente. Neste sistema marca-se a bola, não o jogador. Na marcação por
zona o combate é exercido sobre o jogador contrário mais diretamente quando
ele penetra na zona confiada ao defensor, sem que, no entanto, este seja
obrigado a acompanhá-lo fora dela. O sistema de marcação por zona é muito
vantajoso pois favorece a cobertura de defesa, tornando a marcação altamente
eficaz, além de ser muito propício aos contra-ataques toda vez que a bola é
tomada do adversário.

1- DIMENSÕES

A quadra de jogo será um retângulo com o comprimento de 40 metros e largura


de 20 metros.

As linhas demarcatórias da quadra, na lateral e no fundo, deverão estar


afastadas 2 (dois) metros de qualquer obstáculo (rede de proteção, tela, grade
ou parede).

2- A MARCAÇÃO DA QUADRA
Todas as linhas demarcatórias da quadra deverão ser bem visíveis, com 8
(oito) centímetros de largura.

• As linhas limítrofes de maior comprimento denominam-se linhas laterais e as


de menor comprimento linhas de meta.

• Na metade da quadra será traçada uma linha divisória, de uma extremidade a


outra das linhas laterais, equidistantes às linhas de meta.

• O centro da quadra será demarcado por um pequeno círculo com 10 (dez)


centímetros de raio.

• Ao redor do pequeno círculo será fixado o círculo central da quadra com um


raio de 3 (três) metros.

• Nos quatro cantos da quadra, no encontro das linhas laterais com as linhas de
meta serão demarcados ¼ (um quarto) de círculo com 25 centímetros de raio
de onde serão cobrados os arremessos de canto. O raio de 25 centímetros
partirá do vértice externo do ângulo formado pelas linhas lateral e de meta até
o extremo externo da nova linha.

• As linhas demarcatórias integram e pertencem à quadra de jogo.

3- ÁREA DE META

Nas quadras, em cada extremidade da quadra, a 6 (seis) metros de distância


de cada poste de meta haverá um semicírculo perpendicular à linha de meta
que se estenderá ao interior da quadra com um raio de 6 (seis) metros. A parte
superior deste semicírculo será uma linha reta de 3,16 (três metros e dezesseis
centímetros), paralela a linha de meta, entre os postes. A superfície dentro
deste semicírculo denomina-se área de meta. As linhas demarcatórias fazem
parte da área de meta.

4- PENALIDADE MÁXIMA

A distância de 6 (seis) metros do ponto central da meta, medida por uma linha
imaginária em ângulo reto com a linha de meta e assinalada por um pequeno
círculo de 10 (dez) centímetros de raio, serão marcados os respectivos sinais
de penalidade máxima.

5- TIRO LIVRE SEM BARREIRA

A distância de 10 (dez) metros do ponto central da meta, medida por uma linha
imaginária em ângulo reto com a linha de meta, serão marcados o respectivos
sinais, de onde serão cobrados os tiros livres sem barreira, nas hipóteses
previstas nestas regras. A distância de 5 (cinco) metros do ponto central da
meta em ângulo reto com a linha de meta, deverá ser marcado com uma linha
tracejada de 60 (sessenta) centímetros, paralela a linha de meta, para
demarcar a distância mínima em que o goleiro poderá ficar na cobrança dos
tiros livres sem barreira.

6- ZONA DE SUBSTITUIÇÕES

É o espaço determinado na linha lateral, do lado onde se encontra a mesa de


anotações e cronometragem, iniciando-se a uma distância de 5 (cinco) metros
para cada lado partindo da linha divisória do meio da quadra. Para cada zona
haverá um espaço de 5 (cinco) metros identificados com linhas de 80 (oitenta)
centímetros, ficando 40 (quarenta) centímetros no interior da quadra e 40
(quarenta) centímetros para fora da quadra. Por entre estas linhas de 80
(oitenta) centímetros os atletas deverão entrar e sair da quadra por ocasião das
substituições. O espaço a frente da mesa do anotador e cronometrista com 5
(cinco) metros de cada lado da linha divisória do meio da quadra deverá
permanecer livre.

7- METAS

No meio de cada área e sobre a linha de meta serão colocadas as metas,


formadas por dois postes verticais separados em 3 (três) metros entre eles
(medida interior) e ligados por um travessão horizontal cuja medida livre interior
estará a 2 (dois) metros do solo.

• A largura e espessura dos postes e do travessão serão de 8 (oito) centímetros


e quando roliços terão o diâmetro de 8 (oito) centímetros.

• Os postes e travessão, poderão ser confeccionados em madeira, plástico,


ferro ou material similar e pintados de cor contrastante com o fundo da quadra,
de preferência que não sejam fixados ao solo. Os postes e travessão deverão
ter a mesma largura e espessura.

• Serão colocadas redes por trás das metas e obrigatoriamente presas aos
postes, travessão e ao solo. Deverão estar convenientemente sustentadas e
colocadas de modo a não perturbar ou dificultar a ação do goleiro. As redes
serão de corda, em material resistente e malhas de pequena abertura para não
permitir a passagem da bola. As metas não devem possuir ferro ligando o
travessão ao suporte de sustentação.

8- CONSTRUÇÃO

O seu piso deverá ser construído de madeira, material sintético ou cimento,


rigorosamente nivelado, sem declives, nem depressões, prevenindo
escorregões e acidentes.

9- LOCAL PARA O REPRESENTANTE

As quadras deverão dispor, obrigatoriamente, em lugar central e inteiramente


inacessível aos assistentes, de mesa e cadeiras para que o representante da
entidade, o anotador e o cronometrista possam exercer com segurança e
tranqüilidade suas funções.

10- LOCAL PARA OS ATLETAS RESERVAS E COMISSÃO TÉCNICA

As quadras deverão dispor de dois locais privativos e adequados, situados a


margem das linhas laterais ou de meta, inacessível aos assistentes, onde
ficarão sentados os atletas reservas que não estejam em aquecimento, técnico
ou treinador, massagista ou atendente, médico ou fisioterapeuta e preparador
físico das equipes disputantes. A localização dos bancos de reservas deverá
ser do mesmo lado da mesa de anotações e da zona de substituições e cada
equipe ficará ocupando o banco colocado ao lado da meia quadra onde a
equipe está defendendo e guardará, obrigatoriamente uma distância nunca
inferior a 5 (cinco) metros de cada lado da mesa. Quando colocados junto a
linha de meta, não deverão permanecer entre os postes e a marcação dos 5
(cinco) metros da linha lateral.

11- PLACAR OU MOSTRADOR E CRONÔMETRO ELETRÔNICO

As quadras possuirão, obrigatoriamente, em perfeitas condições de uso e


visibilidade para o público, atletas, membros da comissão técnica e para a
equipe da arbitragem, placar ou mostrador onde serão afixados ou indicados os
tentos da partida e o cronômetro eletrônico para controle do tempo de jogo.

Regras do Futsal

REGRA 01 - QUADRA DE JOGO

Dimensões: a quadra de jogo será um retângulo de comprimento máximo de 42


m e o mínimo de 25 m e a largura de máximo de 22 m e mínimo de 15 m.

As linhas demarcatórias da quadra, na lateral e no fundo, deverão estar


afastadas 1 (um) metro de qualquer obstáculo (rede de proteção, tela, grade
ou parede)

Para partidas oficiais nacionais a quadra deverá ter um comprimento mínimo


de 30 metros e uma largura mínima de 17 metros.

Para partidas oficiais internacionais a quadra deverá ter um comprimento entre


38 e 42 metros e uma largura entre 18 e 22 metros.

Marcação da quadra: Todas as linhas deverão ser bem visíveis, com 08 cm de


espessura; o centro da quadra será marcado com pequeno círculo de 10 cm de
diâmetro e ao redor dele um outro círculo de 03 m de raio.
Área de meta: em quadra de 17 m de largura a área de meta será de 06 m e
menor de 17 m será de 04 m.

Penalidade máxima: A uma distância de 06 m do ponto central da meta será


marcado um pequeno círculo de 10 cm de raio.

Nos quatro cantos da quadra, no encontro das linhas laterais com as linhas de
meta serão demarcadas ¼ (um quarto) de círculo com 25 centímetros de raio
de onde serão cobrados os arremessos de canto. O raio de 25 centímetros
partirá do vértice externo do ângulo formado pelas linhas lateral e de meta até
o extremo externo da nova linha. A distância de 5 (cinco) metros do ponto
central da meta em ângulo reto com a linha de meta, deverá ser marcado uma
linha tracejada de 60 (sessenta) centímetros, paralela a linha de meta, para
demarcar a distância mínima em que o goleiro poderá ficar na cobrança dos
tiros livres sem barreira.

Tiro livre sem barreiras: À distância de 10 m do ponto central da meta será


marcado um sinal de onde serão cobrados os tiros livres sem barreiras.

Zona de substituições: É o espaço determinado na linha lateral, do lado onde


se encontra a mesa de anotações e cronometragem iniciando a uma distância
de 05 m para cada lado partindo da linha divisória do meio da quadra. Para
cada zona haverá um espaço de 05 m. Por entre as linhas de 80 cm os atletas
deverão entrar e sair da quadra por motivo das substituições.

Meta: As metas formadas por dois postes verticais separados em 03 metros


entre eles e ligados por um travessão horizontal cuja medida livre interior
estará a 02 m do solo. A largura e espessura dos postes serão de 8 cm e
quando roliços terão o diâmetro de 8 cm. Sua confecção poderá ser de
madeira, plástico, ferro ou material similar.

Perpendiculares as linhas de meta e para fora da superfície de jogo, deverá ser


marcada uma linha de 40 cm, a uma distância de 5 (cinco) metros da união da
parte externa das linhas laterais com as linhas de meta, para regular a
distância que os atletas devem permanecer por ocasião da cobrança dos tiros
de canto e laterais.

Construção: Seu piso será de madeira, material sintético ou cimento sem


declives ou depressões.

Local para representantes:

10. Local para atletas reservas e comissão técnica:

11. Placar ou mostrador e cronômetro eletrônico.


REGRA 02 - A BOLA

A bola será esférica. O invólucro será de couro macio ou de outro material


aprovado sendo separados de acordo com a circunferência da bola; principal,
juvenil e infanto-juvenil; infantil e feminino; mirim; iniciantes.

Nas categorias Adulto, Sub 20 e Sub 17, as bolas em sua circunferência terão
no mínimo 62 cm e no máximo de 64 centímetros. Seu peso será de mínimo
400 gramas e no máximo 440 gramas

Nas categorias Sub 15 e feminino, as bola em sua circunferência terão no


máximo 59 centímetros e no mínimo 55 centímetros. Seu peso será de mínimo
350 gramas e no máximo 380 gramas

Nas categorias Sub 13, Sub 11 e Sub 9, as bola em sua circunferência terão no
máximo 55 centímetros e no mínimo 50 centímetros. Seu peso será de mínimo
300 gramas e no máximo 330 gramas

Nas categorias com faixa de idade inferior ao Sub 9, as bola em sua


circunferência terão no máximo 43 centímetros e no mínimo 40 centímetros.
Seu peso será de mínimo 250 gramas e no máximo 280 gramas

A bola deverá estar calibrada de acordo com as especificações do fabricante.


Quando largada de uma altura de 2 metros deverá subir a uma altura de 50 a
65 cm. A bola só poderá ser trocada, durante a partida, com a autorização dos
árbitros.

Se durante a partida uma outra bola cair dentro da quadra, deve-se ser
considerada como um elemento estranho e a partida só deve ser paralisada se
interferir no jogo.

REGRA 03 – NÚMERO E SUBSTITUIÇÕES DE ATLETAS

A partida será disputada entre duas equipes compostas, cada uma, por um
máximo de cinco atletas, um dos quais, obrigatoriamente o goleiro, sendo
vetado o início de uma partida a equipe com menos de 05 atletas ou
prosseguimento com uma ou ambas as equipes ficar reduzida a menos de 03
atletas.

O Número máximo de reservas é de 07 atletas.

O jogador só poderá executar o tiro lateral ou tiro de canto, após ter entrado na
quadra, pela zona de substituição

Será permitido um número ilimitado de substituições a qualquer tempo de jogo


sem a paralisação do jogo, dentro da zona de substituição.

O atleta desclassificado da partida por praticar faltas poderá ser substituído


imediatamente devendo abandonar a quadra de jogo.
O atleta expulso pelo árbitro antes ou durante a partida poderá ser substituído
sendo-lhe vetado a permanecer na quadra de jogo

A um dos atletas, de cada equipe, será atribuída a função de capitão.

No banco de reservas podem ficar: 07 atletas substitutos em condições de


participar da partida, 01 técnico, 01 massagista, 01 médico, 01 preparador
físico.

Os jogadores e membros da comissão técnica, que forem relacionados em


súmula, antes do início da partida, podem chegar a qualquer momento e
participar da mesma.

Se em uma substituição o jogador substituto entra em quadra de jogo antes


que o jogador substituído saia, um dos árbitros paralisará a partida e
determinará a saída do jogador substituto e, após adverti-lo obrigatoriamente
com cartão amarelo, fará com que ele cumpra os procedimentos corretamente
e reiniciará o jogo com tiro livre indireto contra sua equipe no local onde se
encontrava a bola quando da interrupção. (o cartão amarelo é sempre
apresentado para o atleta que cometeu o erro).

O jogador que estiver lesionado poderá deixar a quadra por qualquer lugar,
desde que autorizado por um dos árbitros, mas o seu substituto deverá entrar
pela zona de substituição.

Jogadores com ferimentos que esteja sangrando, não poderão permanecer na


quadra de jogo. Devem obrigatoriamente deixar a quadra para serem
medicados, podendo retornar após o atendimento e o estancamento do
sangramento.

Os oficiais de Arbitragem devem permitir que os técnicos ou treinadores


possam orientar as suas equipes em pé e em frente a zona de substituição,
desde que não atrapalhem o deslocamento de árbitros e jogadores.

REGRA 04 – EQUIPAMENTOS ATLETAS:

O equipamento dos atletas compõe de camisa de manga curta ou manga


comprida, calção curto, meias de cano longo, caneleiras e tênis (não podem
conter travas).

Os atletas não poderão usar piercing, brincos, pulseiras, cordões, colares,


anéis etc... Será permitido somente apenas o uso da aliança.

Nas costas e na frente das camisas obrigatoriamente serão colocadas


numerações de 01 a 15, vedada à repetição de nº da mesma equipe.

O goleiro usará uniforme com camisa de cor diferente dos demais atletas,
sendo-lhe permitido o uso de calça de agasalho.
Árbitros, cronometristas e anotadores:

Os árbitros usarão obrigatoriamente, camisas de manga curta ou comprida nas


cores determinadas e aprovadas por sua entidade, além de calça, cinto, meias
e tênis ou sapatos de cor brancas, sempre diferentes dos atletas.

Os cronometristas e anotadores camisas de manga curta ou comprida nas


cores determinadas e aprovadas por sua entidade, além de calça, cinto, meias
e tênis ou sapatos de cor preta.

REGRA 05- ÁRBITRO PRINCIPAL:

Um árbitro principal deverá ser designado para dirigir uma partida. Sua função
é o exercício dos poderes que a regra lhe outorga, aplicando as regras do
futsal e decidir sobre qualquer divergência oriunda de sua prática.

Suas funções começam no momento de sua entrada no local onde se encontra


a quadra de jogo, onde a partida será realizada e terminam com a entrega do
seu relatório na entidade a que estiver vinculado a serviço.

Terá poder irrestrito para interromper a partida em virtude de qualquer infração


às regras, suspender ou terminar a partida por motivo de más condições
atmosféricas, interferência de espectadores ou qualquer outro fato que
imponha tal medida, relatando o ocorrido em relatório.

Paralisar a partida se julgar que algum jogador tenha sofrido uma lesão mais
séria, determinando sua retirada do mesmo da quadra. Se um atleta estiver
sangrando deverá solicitar a substituição ou retirada do mesmo para que seja
atendido e medicado.

Discordar e não aplicar propostas para alterar as regras oficiais durante o


transcorrer da partida.

Os árbitros, se julgarem necessário, podem modificar uma decisão quando se


dão conta de que tomaram uma decisão incorreta, desde que não tenha
reiniciado ou dependendo do caso terminado a partida.

REGRA 06 – ÁRBITRO AUXILIAR:

Um árbitro auxiliar designado para arbitragem de uma partida, devendo


desempenhar suas funções do lado da linha lateral oposta a do árbitro
principal.

Aceitar que a decisão final do árbitro principal é a que prevalece.

REGRA 07 – CRONOMETRISTA E ANOTADOR


O cronometrista e anotador exercerão suas funções do lado de fora da quadra
de jogo, próximo a linha divisória do meio da quadra, junto a zona de
substituição.

Cronometrista: controlar o tempo de jogo; controlar os 2 minutos de expulsão


temporária, fiscalizando a entrada do atleta substituto; comunicar a solicitação
de tempo técnico; controlar 1 minuto de tempo técnico; conferir a calibragem
das bolas de jogo.

Anotador: Examinar as fichas de identificação dos atletas e da comissão


técnica, antes do início da partida; Anotar na súmula de jogo todos os registros
verificados na partida; controlar as faltas cometidas pelos atletas durante o
transcorrer da partida

REGRA 08 – DURAÇÃO DA PARTIDA

O tempo de duração de uma partida de Futsal será cronometrado dividido em


dois períodos iguais, tanto para o masculino como no feminino e com tempo de
até 15 minutos para descanso entre os períodos. (O anexo I da Regra Nacional
prevê 10 minutos de descanso).

Para as categorias Adulto, Sub-20 e Sub-17, terá 40 minutos, divididos em 2


tempos de 20 minutos com intervalo de 10/15 minutos.

Para as categorias Sub-15, será de 30 minutos, divididos em 2 tempos de 15


minutos e 10/15 minutos de intervalo.

Outras categorias a entidade máxima poderá determinar o tempo especial da


partida.

A duração de qualquer partida deverá ser prorrogada para permitir a execução


de uma penalidade máxima e um tiro livre sem direito a formação de barreira,
uma vez esgotado o tempo regulamentar.

Dois pedidos de tempo, sendo 1 tempo para cada período de jogo. Os pedidos
de tempo só serão concedidos quando a bola estiver fora de jogo e for a favo
da equipe solicitante.

Não será permitido aos atletas sair da quadra de jogo nos pedidos de tempo,
nem a comissão técnica entrar na quadra.

Quando em uma partida houver prorrogação, as equipes não terão direito a


solicitação de tempo técnico nessa prorrogação. Mesmo que não tenham
solicitado no segundo período de jogo.

REGRA 09 – BOLA DE SAÍDA

A equipe vencedora do sorteio escolherá a meia quadra onde irá iniciar a


partida e a equipe perdedora terá o direito de iniciar a partida.
Será válido o tento consignado de bola de saída, sendo que, não poderá
demorar mais de 4 segundos para fazê-lo.

Caso o executor da bola de saída toque na bola pela segunda vez antes que
outro atleta toque, será concedido um tiro livre indireto em favor da equipe
adversária, com a bola sendo colocada no local onde ocorreu o toque. Para
qualquer outra incorreção será repetido a bola de saída de posse da mesma
equipe.

REGRA 10 – BOLA EM JOGO E FORA DE JOGO

A bola estará fora de jogo quando:

Atravessar completamente quer pelo solo, quer pelo alto, as linhas laterais ou
de fundo;

A partida for interrompida pelo árbitro

Jogada em local coberto, a bola tocar no teto.

A bola estará em jogo em todas as outras ocasiões, desde o começo até o


término da partida não tendo nenhuma infração no jogo.

REGRA 11 – CONTAGEM DE TENTOS

O tento será válido quando ultrapassar inteiramente a linha de fundo por entre
os postes de metas e sob o travessão

Será válido o tento resultante de chute de bola de saída.

Quando do sinal de encerramento da partida, se a bola estiver na trajetória da


meta e a bola penetrar na mesma, sem tocar em qualquer jogador, com
exceção do goleiro defensor, o tento será válido.

Não será válido o tento de tiro livre indireto, a menos que toque, em sua
trajetória, em algum atleta inclusive o goleiro.

Será nulo o tento originado de qualquer arremesso do goleiro adversário ou de


arremesso de meta por ele executado com as mãos, salvo se a bola, em sua
trajetória, tocar ou for tocada por qualquer jogador que não seja o goleiro. Se a
bola penetrar diretamente ou tocar no goleiro, dentro oi fora da área de meta,
será executado arremesso de meta.

REGRA 12 – FALTAS E INCORREÇÕES

FALTAS TÉCNICAS – Aquela que o atleta comete, intencionalmente, uma das


infrações: dar ou tentar dar pontapé; calçar o adversário, trancar o adversário
de maneira violenta ou perigosa; bater ou tentar bater, lançar cusparada em
adversário. ou companheiro de equipe; trancar o adversário por trás; empurrar
o adversário com o auxílio das mãos segurar o adversário, projetar-se no solo e
tentar tirar a bola de posse do adversário, segurar ou desviar a bola
intencionalmente ... Punição: tiro livre direto no local onde ocorreu a infração.
Se dentro da área de meta será assinalada uma penalidade máxima.

FALTAS PESSOAIS – Aquela que o atleta comete, intencionalmente, uma das


infrações: jogar perigosamente, sem posse de bola obstruir o adversário,
trancar o goleiro, tocar na bola o atleta não equipado, usar expressão verbal ou
vocal para enganar o adversário, ficar parado na frente do goleiro obstruindo
sua visão, imobilizar a bola por mais de quatro segundos, tentar bicicleta e
sendo o goleiro: controla a bola com as mãos por mais de 4 segundos dentro
de sua área de meta; tocar ou controlar a bola com suas mãos, dentro da área
de penal, depois que um seu companheiro tenha passado deliberadamente
com o pé; fica de posse da bola por mais de 4 segundos, em sua meia quadra
de jogo; Após haver tocado a bola ou arremessando-a com as mãos ou
movimentando a mesma com os pés volta a recebê-la de um companheiro de
equipe, dentro ou fora de sua área penal, mesmo involuntariamente, sem que a
bola tenha antes ultrapassado a linha demarcatória do meio da quadra ou
tenha sido jogada ou tocada, pro um adversário ... Punição: tiro livre indireto no
local onde ocorreu a infração. Se dentro da área penal do infrator, o tiro livre
indireto deverá ser executado sobre a linha da área penal e o mais próxima do
local onde ocorreu a infração.

FALTAS DISCIPLINARES – Consideram-se faltas disciplinares, com a


cobrança dos jogadores titulares e reservas, qualquer das seguintes infrações:
entrar em quadra antes de decorridos 2 minutos (expulsão temporária) ou de
sua equipe ter sofrido um tento; demonstrar por palavras ou atos de
divergência do árbitro, trocar de número sem avisar o árbitro; entrar na quadra
de jogo para atrapalhar ou impedir a tentativa ou a marcação de um tento
contra sua equipe; toda simulação na superfície do jogo, que tenha a finalidade
de ludibriar os árbitros deverá ser penalizada como conduta anti-desportiva;
retira-se da quadra de jogo sem autorização dos árbitros; para comemorar um
gol, colocar a camisa na cabeça ou retirá-la do corpo ou ainda, faz gestos
provocadores aos adversários ou torcedores ... Punição: Se a partida for
interrompida para aplicação de pena disciplinar prevista nesta regra, o reinício
da mesma dar-se-á com a cobrança de um tiro livre indireto no local onde se
encontrava a bola no momento da paralisação, salvo se esta se encontrava
dentro da área de penal da equipe infratora, quando a bola deverá ser colocada
sobre a linha da área penal e no local mais próximo de onde ocorreu a
paralisação. A interrupção da partida em hipótese alguma poderá beneficiar a
equipe infratora, devendo o árbitro deixar prosseguir a jogada e, na conclusão
do lance, adotar as medidas disciplinares necessárias, salvo se a bola, quando
da infração, estiver de posse do jogador da equipe infratora. Se na ocorrência
da infração a partida estiver paralisada, o árbitro aplicará, ao infrator, a pena
disciplinar de advertência. O jogador que cometer alguma destas infrações
deverá ser punido com cartão amarelo.

DAS APENAÇÕES: Um jogador será expulso da quadra de jogo se, na opinião


do árbitro:

For culpado de conduta violenta;

For culpado de jogo brusco grave;

Empregar linguagem ofensiva, grosseira ou obscena, gesticular de maneira


ofensiva;

Praticar pela segunda vez infração punível com cartão amarelo de advertência
na mesma partida;

Impedir a marcação de um gol contra sua equipe com meios ilegais;

Lançar uma cusparada em qualquer pessoa;

REGRA 13 – TIROS LIVRES

São chutes deferidos, quando da posição de bola em jogo, em razão da


paralisação partida por assinalação de alguma infração.

Tiros livres divididos em duas categorias: (a) tiro livre direto e (b) tiro livre
indireto.

Antes da execução de um tiro livre nenhum jogador da equipe adversária


poderá aproximar-se a menos de 5 metros da bola até que a mesma esteja em
jogo.

Se um jogador que for executar o tiro livre demorar mais de 4 segundos para
movimentar a bola, sua equipe será punida com a marcação de um tiro indireto
contra a mesma.

REGRA 14 – FALTAS ACUMULATIVAS

Serão consideradas como Faltas Acumulativas todas as faltas sancionadas


com um tiro livre direto previsto na Regra 12.

As equipes poderão cometer até 5 faltas acumulativas em cada período de


jogo, com direito a formação de barreira.

A partir da sexta (6) falta acumulativa de cada equipe, em cada período de


jogo, é vedada a formação de barreira de jogadores.

Quando os árbitros derem a lei da vantagem, logo após a paralisação devem


mandar o anotador registrar uma falta individual e uma coletiva.
Quando ocorrer a quinta (5) falta acumulativa, de qualquer das equipes, o
anotador avisará um dos árbitros e colocará sobre a mesa, do lado da defesa
da equipe uma bandeirinha indicativa da situação.

Em caso de prorrogação, as faltas acumulativas das equipes, praticadas no


segundo período da partida, terão seqüência na prorrogação.

REGRA 15 – PENALIDADE MÁXIMA

Será concedido um tiro de penalidade máxima contra a equipe que comete


uma das infrações sancionadas com um tiro livre direto, dentro de sua área
penal quando a bola está em jogo.

A penalidade máxima é um tiro livre direto, do qual se pode marcar um gol


diretamente e cuja cobrança é feita na marca correspondente e, nesse
momento, todos os jogadores, com exceção do goleiro e do jogador indicado
para a cobrança, deverão estar dentro da quadra de jogo mas numa distância
de 5 metros da bola e atrás da linha imaginária da bola.

O goleiro deverá postar-se sobre a linha de meta e entre os postes de meta até
que o chute seja executado, podendo movimentar-se, exclusivamente sobre a
linha de fundo.

Se o jogador executante do tiro livre de penalidade máxima tocar na bola uma


segunda vez antes que outro jogador o faça ou demorar mais de 4 segundos
para executar o tiro, conceder-se-á um tiro livre indireto a favor da equipe
adversária. Se for cometido o bi-toque, a bola será colocada no lugar onde o
jogador tocou na bola e se for pela demora de mais de 4 segundos, a bola será
colocada na marca da penalidade máxima.

REGRA 16 – TIRO LATERAL

O arremesso lateral será cobrado sempre que a bola atravessar inteiramente


as linhas laterais, quer pelo solo, quer pelo alto.

O retorno da bola a quadra de jogo dar-se-á com a movimentação da mesma


com os pés no exato local onde saiu a bola.

O atleta que executa o arremesso deverá fazê-lo voltado de frente para a


quadra de jogo com uma parte do pé apoiada no solo, podendo pisar em parte
da linha ou do lado de fora da mesma.

A bola entrará em jogo assim que for movimentada.

Se um atleta executar o tiro lateral contra a sua própria meta ou a meta


adversária e a bola penetrar na mesma diretamente, o tento não será válido. O
árbitro determinará que a partida seja reiniciada com cobrança de tiro de canto
a favor da equipe adversária se o jogador cobrou contra sua própria meta e,
arremesso de meta se cobrou contra a meta adversária.

Se um jogador executar o tiro lateral contra a sua própria meta, e o goleiro


tentar agarrar a bola tocando com suas mãos, e a mesma penetrar no gol, o
tento será válido.

Se um jogador executar o tiro lateral contra a meta adversária a bola penetrar


na mesma, tocando no goleiro ou em qualquer outro atleta, o tento será válido.

Quando da realização de tiro lateral, os jogadores adversários deverão


respeitar a distância mínima de 5 metros da bola.

Na execução do arremesso lateral a bola deverá ser apoiada no solo sobre a


linha demarcatória da lateral, podendo mover-se levemente.

O jogador que for executar o tiro lateral deverá fazê-lo nos 4 segundos
posteriores ao recebimento da bola.

REGRA 17 – ARREMESSO DE META

Dar-se-á arremesso de meta sempre que a bola atravessar inteiramente a linha


de meta pelo alto ou pelo solo, excluída a parte compreendida entre as metas,
após ter sido tocada ou jogada pela última vez por atleta da equipe atacante,
executada exclusivamente pelo goleiro com ouso das mãos, podendo
ultrapassar a linha central de jogo.

A execução de um arremesso de meta será considerado efetivado quando a


bola ultrapassar a linha demarcatória da área penal

Quando da execução de um arremesso de meta os jogadores da equipe


adversária deverão estar colocados fora da área penal do goleiro executor.

Se o goleiro demora mais de 4 segundos para executar o arremesso de meta,


um tiro livre indireto será concedido em favor da equipe adversária, com a bola
colocada sobre a linha da área e no ponto mais próximo de onde ocorreu a
infração.

REGRA 18 – TIRO DE CANTO

O arremesso de canto dar-se-á sempre que a bola ultrapassar a linha de meta,


excluindo a meta de gol, quer pelo solo, quer pelo alto, após ter sido jogada
pela última vez por um atleta que estiver na defensiva. O tiro de canto deverá
ser executado sempre do canto mais próximo de onde saiu a bola pela linha de
meta.

Será executado com os pés exclusivamente e dele diretamente poderá ser


marcado um tento. Um erro na cobrança do arremesso de canto será cobrado
no mesmo local pela equipe adversária (no ângulo/vértice formado pela linha
lateral e de meta, no ponto em que se juntam).

Poderá ser feito um gol diretamente de um tiro de canto somente contra a meta
da equipe adversária.

Se um jogador chutar a bola contra sua própria meta e a bola penetrar na


mesma diretamente, ou tocar em seu goleiro, dentro ou fora de sua área penal,
o tento não será válido. O árbitro determinará que a partida seja reiniciada com
a cobrança de arremesso de canto a favor da equipe adversária.

Quando da cobrança de tiro de canto, os jogadores adversários deverão


respeitar a distância mínima de 5 metros da bola.

ANEXO I - ADAPTAÇÕES

ANEXO II – LEI DA VANTAGEM – Os árbitros têm por dever prioritário facilitar


às equipes disputantes a oportunidade de praticar um FUTSAL atrativo aos
espectadores, exigindo dos atletas a obediência às regras. Contudo devem
evitar interrupções da partida sob qualquer pretexto, apitando excessivamente,
aborrecendo os atletas e assistência, comprometendo o brilho do espetáculo. A
“Lei da Vantagem” assegura prerrogativas aos árbitros para deixar de assinalar
faltas em que os infratores se beneficiem, com exceção dos casos em que se
impõe a marcação para não malferir exigível disciplina ou observância das
regras.

ANEXO III – DECISÃO POR PENALIDADES MÁXIMAS – As condições abaixo


deverão ser observadas na cobrança de penalidades máximas para se
determinar, na decisão de competições por eliminatória e na qual tenha que ser
declarada vencedora de uma competição ou partida. Deverá ser observado o
seguinte:

Árbitro principal deverá escolher a meta na qual executará as penalidades


máximas.

Deverá sortear, através de uma moeda, qual das duas equipes executará a
cobrança da primeira penalidade máxima.

As equipes devem ser equilibradas com o mesmo número de jogadores antes


do início das cobranças. Se uma equipe possuí mais jogadores que a outra, o
capitão da equipe deve indicar o número de cada jogador que deve ser
excluído.

Alternadamente se executarão 5 (cinco) penalidades por jogadores diferentes


indicados antes do início das cobranças dentre os jogadores constantes na
súmula da partida antes de iniciada a mesma.
Permanecendo o empate entre as equipes, a execução das penalidades
máximas deverá continuar até o momento que uma das equipes, executando o
mesmo número de cobranças, obtenha vantagem de um tento a mais que a
outra e cobrados por atletas diferentes.