Você está na página 1de 49

Sistemas Polifásicos Desequilibrados

1. Introdução
Até agora na engenharia elétrica vocês estudaram concepções e termologias para o
sistema CA monofásico, ou seja, toda a concepção de como a carga se comporta,
seja no seu regime transitório ou nominal, era sempre em função de uma fonte
monofásica. A partir de agora, discutiremos com detalhes o sistema trifásico, pois
é o mais usado para transmissão de energia elétrica.
Em geral, existe uma preferência por sistemas trifásicos em vez de monofásicos para
transmissão de energia por diversão razões, nas quais se incluem as seguintes:
-> Condutores de menor diâmetro podem ser usados para transmitir a mesma
potência à mesma tensão, o que reduz a quantidade de cobre necessário ( 25% a
menos ) e consequentemente reduz os custos e manutenção das linhas.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados

Fonte: Unicamp
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo circuito em Y a quatro fios.

Qual seria o valor da tensão medida por um voltímetro conectado aos terminais A
e B da fonte?. (Em função das tensões de fase)
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo circuito em Y a quatro fios.

Qual seria o valor da tensão medida por um voltímetro conectado aos terminais A
e B da fonte?.

Tensão de linha
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
Sistemas Polifásicos Desequilibrados

-> Carga desequilibrada em Y a quatro fios. (Livro do Boylestad)


Z1≠Z2 ≠Z3

VØ=EØ

Pela Lei de Ohm

V1 E1
I 1   , e assim por diante.
Z1 Z1

A corrente de neutro para qualquer corrente


Desequilibrada pode ser calculada usando LCK
No ponto n.

IN  I1  I 2  I3  IL1  IL1  IL1


Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Carga desequilibrada em Y a quatro fios.

No projeto e construção, a legislação exige m que as cargas sejam equilibradas ou bem


próximas disto.
Na operação, contudo, devido a aleatoriedade das cargas isso não ocorre.
As tensões dos sistemas geradores podem ser consideradas sempre, como sendo
equilibradas. Sendo assim, o desequilíbrio é devido às cargas.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-Carga desequilibrada em Y a três fios.

Podem ser analisados por dois métodos:

a) Método das equações das malhas


b) Método do deslocamento do neutro
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Carga desequilibrada em Y a três fios.
a) Método das equações das malhas

Utilizando as LTK às malhas do circuito,


Tem-se:

Utilizando as LCK no nó n:

I an  I bn  I cn  0, e
I bn   I an  I cn
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Carga desequilibrada em Y a três fios.
a) Método das equações das malhas (cont.)
Substituindo Ibn, nas expressões de EAB e EBC:
E AB  I an Z1  ( I an  I cn ) Z 2
EBC  ( I an  I cn ) Z 2  I cn Z 3
Que pode ser escrita:
E AB  I an ( Z1  Z 2 )  I cn Z 2
EBC  I an ( Z 2 )  I cn ( Z 2  Z 3 )

Usando determinantes:
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Carga desequilibrada em Y a três fios.
a) Método das equações das malhas (cont.)

Utilizando as LTK para as tensões de linha:


E AB  ECA  E BC  0, ou
E AB  E BC   ECA

Substituindo EAB+EBC na equação anterior:

Da mesma forma, para as outras duas correntes, tem-se:


Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo carga em Y a três fios.

Um indicador de sequência de fase é um instrumento que indica a sequencia de fase


de um sistema polifásico. O circuito que realiza esse papel esta mostrado na figura ao
lado.
Caso a sequência de fase seja ABC (direta ou positiva), a lâmpada correspondente
apresentará maior brilho.
Caso contrário, será sequência ACB (negativa ou inversa), neste caso brilhando mais a
outra lâmpada.

Comprovar se isso é verdade (calculando as


Correntes de fase).
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo em Y a três fios.

Um indicador de sequência de fase é um instrumento que indica a sequencia de fase


Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo em Y a três fios.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Carga conectada em Y a três fios.
b) Método do deslocamento do neutro

Devido à carga ser desequilibrada, e não havendo conexão do neutro da


fonte com o neutro da carga, ocorre o deslocamento do neutro da carga, em
relação ao neutro da fonte.

Observação:
Este método (do deslocamento de neutro) apresenta uma quantidade
menor de cálculos.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Carga conectada em Y a três fios.
b) Método do deslocamento do neutro

Devido à carga ser desequilibrada, e não havendo conexão do neutro da


fonte com o neutro da carga, ocorre o deslocamento do neutro da carga em
relação ao neutro da fonte.

Observação:
Este método (do deslocamento de neutro) apresenta uma quantidade
menor de cálculos.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo carga conectada em Y a três fios.

Detalhes:
* A fonte trifásica é equilibrada e portanto, os valores definidos para as
tensões de fase e de linha fornecidas pela fonte continuam os
mesmos já definidos anteriormente.

• As tensões de linha aplicadas sobre a carga são iguais às tensões de linha


fornecidas pela fonte, portanto, equilibradas.

• No entanto, devido ao fato de que o neutro da carga n e o da fonte N


não estão conectados, há uma diferença de potencial entre esses dois
pontos, devido ao desequilíbrio da carga trifásica, levando à conclusão de que
as tensões de fase aplicadas à carga não são iguais às tensões de fase
fornecidas pela fonte.
• Devido À NÃO conexão dos neutros, a corrente no neutro é nula.
• Aplicando a lei dos nós de Kirchoff para o ponto neutro da carga, tem-se:
  
I A  I B  IC  0
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
b) Método do deslocamento do neutro
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
b) Método do deslocamento do neutro
Sistemas Polifásicos
Sistemas trifásicos assimétricos e desequilibrados.
Serão tratados circuitos assimétricos alimentando cargas desequilibradas

a) Carga em estrela sem condutor de neutro (estrela não aterrada).


Método do Deslocamento do Neutro.
Para a o circuito mostrado tem-se:

Ou:
    
V AN '  V AN  V NN '  I A Z A
    
V BN '  V BN  V NN '  I B Z B
    
V CN '  V CN  V NN '  I C Z C
Sistemas Polifásicos
    

Isto é: V AN '  V AN  V NN '  I A Z A


    
  V BN '  V BN  V NN '  I B Z B
 VAN VNN '  
IA  
 
 YA VAN  YA VNN '     
V CN '  V CN  V NN '  I C Z C
ZA ZA
 
 VBN VNN '  
IB  
 
 YB VBN  YB VNN ' Sendo: YA, YB e YC as admitâncias da carga.
ZB ZB
 
 VCN VNN '  
IC  
 
 YC VCN  YC VNN '
ZC ZC
     
 Y A VAN  Y B VBN  Y C VCN
Lembrando que IA+ IB + IC = 0, resulta: VNN '  +
   
Y AY BYC
De posse do valor de VNN’ pode-se determinar as tensões e correntes de fase na
carga.
As tensões de linha são dadas por:

VAB= VAN - VBN VBC = VBN - VCN e VCA = VCN -VAN


Sistemas Polifásicos
b) Carga em estrela com condutor de neutro (estrela aterrada.)

São conhecidas: as tensões de fase do gerador, as impedâncias da carga e da linha

Podem ser consideradas duas situações:


Sistemas Polifásicos
b.1) A impedância ZN do condutor de neutro é nula:
Sistemas Polifásicos
b.2) A impedância ZN do condutor de neutro é ≠ 0.

Neste caso, pela aplicação da lei de ohm:


Sistemas Polifásicos
c) Carga em Triângulo

c1) Carga em Triângulo com tensão de linha da carga conhecida. Considerando a


carga em triângulo desequilibrada.
Sistemas Polifásicos

c2) Carga em Triângulo conhecendo-se a tensão no início da linha


Para uma carga desequilibrada, conectada em triângulo, alimentada por uma
linha de impedância conhecida.

Conhecendo-se a tensão no início da linha, a solução deste circuito é transformar


a carga em triângulo por uma carga equivalente conectada em estrela e resolver
Como uma carga em estrela sem o condutor de neutro.
Sistemas Polifásicos
Exercício:

Um sistema com sequência CBA trifásico, conectado em Y a três fios, 208V


volts, tem carga ZA = 60o , ZB = 6 30o  e ZC = 5 45o .. a) Determinar
as correntes de linha, o fasor de tensão em cada impedância e a tensão de
deslocamento de neutro de neutro VON. b) Refazer os cálculos para VoN de
valor finito, neste caso Rn =30  e c) Rn =1  .
Sistemas Polifásicos
Exercício. Cont.
Sistemas Polifásicos
Exercício. Cont.
Sistemas Polifásicos
Exercício. Cont.

Tem-se, assim, o seguinte diagrama fasorial:

Itens b) e c): acrescentar à impedância equivalente o valor de RN e refazer os cálculos.


Sistemas Polifásicos
Exercício:

Considere 03 lâmpadas conectadas em Y, supridas por uma tensão de


linha de 220 V, de 100W, 60W e 40W, sequência ABC. Determine a tensão
de neutro e as tensões de fase nas cargas.
Sistemas Polifásicos
Exercício:
Um gerador trifásico alimenta uma carga por meio de um banco de transformadores
ideais e de uma linha de transmissão, conforme ilustra o diagrama unifilar a seguir.

O banco de transformadores é formado por três transformadores monofásicos de 20 MVA,


20/200 kV, conexão Δ – Y. O circuito equivalente por fase de linha de transmissão resume-se à
impedância série ZL=0+j100Ω. A tensão de linha da carga é de 340 kVe a carga demanda 30 MVA,
com fator de potência 0,8 atrasado.

Pede-se:
a. Desenhar o diagrama trifilar.
b. Determinar a potência complexa fornecida pelo gerador.
c. A tensão de linha na BT do transformador.
Sistemas Polifásicos
Exercício - Solução:
a. Diagrama trifilar.
Sistemas Polifásicos
b. Determinar a potência complexa fornecida pelo gerador.

340 0 Referência angular


- Tensão de fase na carga:. Va 'n '  0 kV
3 *
 10 *106 36,87 0 
- Potência complexa, por fase, na carga: I a   
 340 / 3 
 30
Sc   cos 1 0,8  10 cos 1 0,8  1036,87 0 MVA
3
*
 S 
- Corrente na linha de transmissão: I a   C   50,94  36,87 0 A
 Va 'n ' 
- Tensão de fase no lado de AT do transformador: Van  Va 'n '  Z L I a  199,41,1700 V


- Potência fornecida à carga e a Linha de Transmissão:S c ,3 f  3( SC  S Z )  3Van I a*  30,4738,04 MVA
L

c. A tensão de linha na BT do transformador.

Como o gerador e o transformador são considerados ideais, a potência fornecida pelo gerador é S.
Tensão de linha no lado de Baixa tensão do transformador:
VAB 20
  VAB  19,941,17 0 kV
Van 200
Sistemas Polifásicos
Tensão na carga:
Angulo
Va'n'= 196.299,09 0V
Potência complexa, por fase, na carga:
S= 10,00 36,86989765 MVA R jX
Corrente na linha de transmissão:
Ia= 50,94 -36,87 A 40,75 -30,56
Tensão de fase no lado de AT do transformador:
Van= Va'n'+ZL*Ia
Va'n'= ok
R jX
ZL*Ia= j100*(40,75-j30,56) Ang Ia+ 90 3.056,00 4.075,00
ZL*Ia= 5.093,60 53,13
Va'n'+ZL*Ia= =196299,6+j0 +3056+j4075= 199355,09+j4075
|V| angulo
Van=Va'n'+ZL*Ia= 199.396,60 1,17o

Potência fornecida à carga e linha de transmissão Ângulo


Sc=3(Sc+SL) = 3.Van.Ia* = 3*199.396,60*50,94= = 1,17o +36,87o= 38,04 o
Sc= 30,47 |__38,04o MVA

c) Tensão na linha de Baixa tensão

V AB 20
  VAB  19,941,17 0 kV
Van 200
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo carga em ∆.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo carga conectada em ∆.
Determinar as tensões de linha e fase, correntes de fase, linha e de neutro.
Para a sequência de fases ACB e assumindo a tensão de linha Uba como referência
Angular, as tensões de linha valem.
Sistemas Polifásicos
-> Exemplo carga conectada em ∆.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo carga conectada em Y a quatro fios.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo carga conectada em Y a quatro fios.
Sistemas Polifásicos Desequilibrados
-> Exemplo carga conectada em Y a quatro fios.
Sistemas Polifásicos
Sistemas Polifásicos
Sistemas Polifásicos
Sistemas Polifásicos