Você está na página 1de 2

A virtude de manter a mente aberta

Acontece com muita frequência em nosso dia a dia, encontrarmos pessoas que se mantêm firmes em seus
modelos de pensamento. Amigos próximos inclusive, relutantes para realizarem mudanças, para se
arriscarem a escutar, inclusive, opiniões diferentes da voz própria, por acreditarem que tudo o que se
distancia dos seus padrões de percepção é errado.

A nossa sociedade hospeda uma grande quantidade de mentes quadradas, que colocaram um “tapa-olho” em
seu cérebro, negando a abertura mental e usando o conhecido como escudo. São mentes inflexíveis que
sobrevivem à rotina e se negam a se abrir para novas opções.

Temos certeza de que você também conhece pessoas com esse perfil de pensamento e de personalidade. O
difícil é quando são familiares, amigos, colegas de trabalho com quem temos que nos relacionar a cada dia.
É complicado sermos conscientes da grande quantidade de muros que existem neles.

Não obstante, é preciso ter obviamente uma clara percepção e postura para que não se deixe se influenciar,
não se contagiando com o vírus da inflexibilidade, da rotina que se nega às mudanças por medo de
desestabilizar-se. Uma mente aberta é uma arma poderosa que devemos saber desenvolver.

Estratégias para manter uma mente aberta

Há algo que vale a pena levar em consideração. É possível que você mesmo seja o exemplo de uma pessoa
que saiba manter a abertura mental, que tenha se distanciado desse molde que esculpe esses cérebros
geométricos voltados para seus próprios interesses, tomados pelo medo de mudanças.

Entretanto, de certa forma, todos nós temos uma ou outra parte que não se curvou completamente para tal
abertura. Todos nós temos algum “pequeno” medo e dispomos de uma reduzida “zona de conforto” da qual
é muito difícil de sair. Você é capaz, por exemplo, de aceitar opiniões diferentes da sua? Você acha que os
seus princípios, as suas opiniões e crenças são sempre as verdadeiras?

Para se aprofundar um pouco mais nesses aspectos, convido-te para que leve em consideração todas essas
dimensões que nos ajudam a manter uma mente aberta.

1. Questione o que o rodeia


Não se trata de duvidar de tudo o que vemos ou fazemos. Trata-se de não dar as coisas sempre como certas,
aceitando que “tudo é como deve ser”. É muito possível, por exemplo, que no seu trabalho existam muitos
aspectos que devam ser melhorados e mais: pode ser que até você mesmo possa potencializar as suas
habilidades para crescer profissionalmente.

É possível, inclusive, que essa pessoa que tanto admira nem sempre tem razão, e que muitas das coisas que
você lê todos os dias tenham outros matizes a serem consideradas. Seja um pouco mais crítico em relação a
tudo o que o rodeia.

2. Aceite o desconhecido, admita o inesperado

O medo é o maior arquiteto de barreiras que você poderá encontrar na sua vida. É ele quem nos impede de
descobrir novas opções, novos caminhos que poderiam levar até uma satisfação pessoal mais elevada. Por
que não aceitar tudo aquilo que chega sem avisar? Por que não dar uma oportunidade ao imprevisto?

Poucas coisas envelhecem tanto quanto o medo e a covardia. As portas que


fechamos por medo do imprevisto são espelhos no qual amanhã deixaremos os
nossos lamentos e arrependimentos.

3. Obtenha inspiração de tudo que o rodeia, até dos seus inimigos

Acredite ou não, as pessoas podem obter uma grande aprendizagem até daquilo que nos causa dano. Uma
mente aberta é a que escuta todas as opiniões e a que não vira o rosto para fugir.

Pode ser que tenha na sua frente alguém acostumado a reclamar para os outros, a enganar e a submeter,
porém, conhecendo também esses padrões de comportamento, aprendemos mais com eles para saber o que
NÃO queremos ser, para compreender do que temos que nos distanciar e o que é o que queremos para nós
mesmos.

Tente tirar sempre algo bom de toda situação que experimentar a cada dia.
Uma mente aberta não joga a âncora só nas coisas negativas, na chuva de hoje,
no erro cometido ou nesse “não” que tivemos como resposta.
A vida não para nos fracassos e nas perdas se nos permitirmos à honra de reconhecer os erros para aprender
com eles. Estaremos colocando em prática as engrenagens para a mudança, para a melhora. É questão de ser
um pouco mais flexível e de modificar as nossas perspectivas para o positivismo e para a superação.

A vida é uma inspiração contínua que exige olhos abertos. Veja o seu exterior e conforte o seu
interior. É dessa forma que alcançará um verdadeiro conhecimento das coisas. Não tenha medo
de errar e, simplesmente, atreva-se a viver com uma mente aberta.