Você está na página 1de 4

O PROBLEMA DO MAL: DOS PRIMORDIOS DA CIVILIZAÇÃO À

CONTEMPORANEIDADE

Aula 1- O mal nos mitos da Antiguidade


- Apresentação dos professores
- Introdução: a condição humana e o sofrimento nas tradições espirituais.
- Notícias da tradição: hinduísmo, taoísmo, as religiões abraâmicas, a religião políade.
- Prometeu, Pandora e o mito das raças em Hesíodo: o estabelecimento da condição humana.
- A expulsão do Éden: mortalidade, trabalho, envelhecimento, as dores do parto. Análise
comparada dos dois mitos: a consciência como dádiva e como fardo.
- Algumas notícias extraviadas: o Zoroastrismo, o Culto de Orfeu.
Aula 2- O mal na filosofia antiga
- O mal cosmológico: a República e o Timeu de Platão. A bondade constitutiva do mundo, e o
elemento de resistência ao Bem.
- O mal na vida humana: a eudaimonía (felicidade) e a eutykhía (boa fortuna) em vários
momentos.
- A sabedoria trágica e o Homem como joguete dos deuses (Édipo tirano, Édipo em
Colono, Medeia, o Livro I das Histórias de Heródoto)
- O Eutidemo de Platão e o sábio que forja a própria fortuna; a Apologia, e a impossibilidade
de que o mal incida sobre os bons.
- Os estoicos e a bondade essencial na pura imanência – a inexistência do mal no cosmos, o mal
humano como ágnoia.
- Os estoicos e a bondade essencial na pura imanência – a inexistência do mal no cosmos, o mal
humano como ágnoia.
AULA 3- Os estertores da Grécia e o mal como privação
- Os elementos trazidos pela revelação Cristã.
- Plotino e o neoplatonismo pagão – as gradações do Bem e a matéria como princípio ontológico
do mal.
- O neoplatonismo cristão e a teologia negativa. Dionísio Pseudo-Areopagita e a inefabilidade
do Bem.
- Agostinho de Hipona – a insubstancialidade do mal. “Toda natureza é boa”; a matéria informe
não é um mal.
- Tomás de Aquino – o De malo e o paradoxo da liberdade humana. A possibilidade da opção
pelo mal é, em si mesma, um bem.
AULA 4- A gnose antiga e o niilismo moderno
- As religiões gnósticas e o mal constitutivo do mundo. A vida como cárcere, a morte como
libertação.
- Correntes, origens e escolas gnósticas da Antiguidade: Síria, Egito, Pérsia. Mazdeísmo e
Maniqueísmo.
- O Nag Hammadi: uma antiga notícia escavada.
- Conexões: Hans Jonas e a relação entro e gnosticismo antigo e o niilismo
moderno/contemporâneo. Hans Jonas e os pressupostos gnósticos da ciência moderna.
- Conexões: Eric Voegelin e os pressupostos gnósticos das utopias políticas totalitárias.
Aula 5- Schopenhauer: o mundo como expressão da vontade
- O conceito de “vontade” a partir dos conceitos de “ideia” e “coisa-em-si”, de Platão e Kant.
- O véu de Maya: a ilusão do princípio de individuação gerada a partir da manifestação da
vontade no espaço e tempo
- O mundo como palco da tragédia do desejo e do sofrimento. Relação com o conceito budista
de “samsara”.
- A metafísica do pessimismo.
- Possibilidades de fuga ao domínio da vontade: estado estético e ascético.
Aula 6- Dostoiévski: o mal sob a máscara do humanitarismo
- A condição trágica do ser humano e a queda no abismo polifônico.
- A utopia da síntese como prefiguração da desgraça.
- O novo Anticristo: de inimigo a “salvador” da humanidade
- O dilema do homem moderno: liberdade x felicidade mundana.
- A experiência do mal como parte do caminho trágico do ser humano.
Aula 7- Jung: o dilema de Jó e a sombra de Deus
- Crítica ao conceito agostiniano do Summum Bonum.
- Sombra Individual e sombra coletiva: o problema da projeção.
- Etapas do Processo de Individuação: o caminho em direção ao centro da psique (Self).
Relações com a experiência mística.
- A necessidade da aceitação do mal para a experiência da totalidade.
- Os Sete Sermões aos Mortos: hermetismo e gnose na obra de Jung.
Aula 8 - Kafka: a mística da desgraça
- Crítica à tradição judaica: o exílio permanente de Deus.
- Utopia negativa: o mundo como paraíso do desencanto e a impossibilidade de redenção.
- O Processo e O Castelo: o mal sob a forma da autoridade e a dissipação do indivíduo frente a
engrenagem monstruosa e cega da burocracia.
- Na Colônia Penal: a máquina como a expressão da instrumentalização e da ausência da
organicidade da vida.
- A Metamorfose: a animalidade como retrato do absurdo da existência.
Aula 9- O melhor e o pior dos mundos
- O princípio da razão suficiente e o princípio do melhor em Leibniz.
- O melhor dos mundos possíveis de Leibniz. Considerações sobre o problema do mal
nos Ensaios da Teodiceia.
- A repercussão do Grande Terremoto de Lisboa em 1755 e a sátira no Cândido de Voltaire.
- O fim da Idade Média como lição sobre a evolução da humanidade face às grandes tragédias.
- As duas Grandes Guerras do Século XX e a capacidade de evolução moral do ser humano.
Aula 10- O Iluminismo, a natureza humana e suas relações com Deus
- O Iluminismo e a natureza humana.
- O Iluminismo e Deus.
- Hume e as refutações das “provas” tradicionais da existência de Deus.
- O Iluminismo como fonte moral. Ideias e instituições que trouxeram progresso à humanidade.
- A fragilidade dos ganhos trazidos pelo Iluminismo e a tragédia da condição humana.
Aula 11- O Holocausto e a crise do Iluminismo
- A concepção de Holocausto como uma “tempestade perfeita” na qual convergiram as mais
diversas formas de injustiça.
- O caráter único do Holocausto.
- Como seres humanos comuns se tornam capazes de cometer atrocidades quase impensáveis.
- Novas considerações sobre a instabilidade das instituições e valores construídos pelo
Iluminismo
- Novos e potentes ataques ao progresso iluminista, cujo impacto é ampliado por um cenário de
apatia e cinismo no Ocidente.
Aula 12- A realidade incontestável do mal e suas articulações com a moral
- Argumentos morais para a existência de Deus.
- A redundância de fontes morais metafísicas: uma analogia com a filosofia da matemática e
com a estética.
- Como assumir a existência do mal como verdade incontestável e absoluta num mundo
totalmente material? Uma perspectiva naturalista sobre como os valores emergem da evolução
biológica.
- Uma alternativa ao naturalismo: a tradição e o sagrado como fontes morais na filosofia de
Roger Scruton.
- Iluminismo e conservadorismo.
Aula 13 - A literatura como lugar da experiência do Mal

- As angústias de Santo Agostinho e a origem do Mal


- Paul Ricoeur e a fenomenologia do Mal
- Emily Brontë: o duplo entre erotismo e morte
- Proust: a contrapartida do Bem para o Mal
- Bernanos: a literatura e o diabólico
Bibliografia
AGOSTINHO. A Natureza do Bem. Rio de Janeiro: Sétimo Selo, 2005.
AGOSTINHO. Confissões. Trad. Lorenzo Mammì. São Paulo: Penguin Classics Companhia das
Letras, 2017.
ARANHA, A. O Livro Grego de Jó. Petrópolis: Vozes, 2012.
AQUINO, T. de. De Malo. Rio de Janeiro: Sétimo Selo.
BENJAMIN, W.; SCHOLEM, G. Correspondência. São Paulo: Perspectiva, 1993.
BERDIAEV, N. O Espírito de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Panamericana, s/d.
BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica
Editora, 2017.
BERNANOS, Georges. Sob o sol de Satã. Trad. Jorge de Lima. São Paulo: É Realizações, 2010.
BRONTË, Emily. Wuthering Heights. New York: Barnes and Noble Classics, 2009.
CAMUS, A. A Recusa da Salvação. In. O Homem Revoltado. Rio de Janeiro: Record, 2005.
_____. A Criação Absurda. In. O Mito de Sísifo. Rio de Janeiro: Record, 2005.
DENNETT, D. C. A Perigosa Ideia de Darwin: a evolução e os significados da vida. São Paulo:
Rocco, 1998.
DOSTOIÉVSKI, F. M. Crime e Castigo. São Paulo: 34, 2001.
_____. Os Demônios. São Paulo: 34, 2004.
_____. Os Irmãos Karamázov, São Paulo: 34, 2008.
ELIADE, M. História das crenças e das ideias religiosas. Zahar.
EURÍPEDES. Medeia.

FERGUSON, N. A Guerra do Mundo. São Paulo: Planeta, 2015.


GESSEN, M. The Future is History: how totalitarianism regained Russia. Nova York:
Riverhead, 2017.
GILSON, É. A Filosofia na Idade Média. São Paulo: Martins Fontes.
_____. História da Filosofia Cristã. São Paulo: Martins Fontes.
HARRIS, S. The Moral Landscape: how science can determine human values. Nova York: Free
Press, 2011.
HERÓDOTO. Histórias.
HESÍODO. Teogonia.
_____. Os Trabalhos e os Dias.
HOELLER, S.A. A Gnose de Jung. São Paulo: Cultrix, 1995.
HOUELLEBECQ, M. O Mapa e o Território. Rio de Janeiro: Record, 2012.
HUIZINGA, J. O Outono da Idade Média. São Paulo: Cosac & Naify, 2010.
HUME, D. Diálogos sobre a Religião Natural. Lisboa: Edições 70, 2005.
_____. Tratado da Natureza Humana. São Paulo: UNESP, 2009.
INWOOD. Os Estoicos. Ideias e letras.
INWOOD & GERSON. Hellenistic Philosophy. Hackett.
JONAS, H. The Gnostic Religion.
_____. Matéria, Espírito, Criação.
JUNG, C. G. Aion, Estudos sobre o simbolismo do si-mesmo. In. Obras Completas: vol. IX/2.
Petrópolis: Vozes, 2000.
_____. Resposta a Jó. In. Obras Completas: vol. XI/5. Petrópolis: Vozes, 2010.
_____. Septem Sermones ad Mortuos. In. Memórias, Sonhos, Reflexões. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 2005.
KAFKA, F. O Castelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
_____. Na Colônia Penal. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
_____. A Metamorfose. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
_____. O Processo. São Paulo: Folha, 2003.
LAÉRCIO, D. Vida e Doutrinas dos Filósofos Ilustres.
LAYTON, B. Org. As Escrituras Gnósticas. São Paulo: Loyola, 2002
LEIBNIZ, G. W. Ensaios de Teodiceia. São Paulo: Estação Liberdade, 2010.
MANN, T. Schopenhauer. In. Pensadores Modernos. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
MOTTA, C.E.V.P. Do Orgulho à Queda. In. Os Caminhos da Liberdade: Polifonia, Sofrimento e
Redenção n’Os Irmãos Karamázov. Tese de Doutorado, PUC-Rio, 2013.
MURRAY, D. The Strange Death of Europe: immigration, identity, Islam. Londres: Bloomsbury
Continuum, 2017.
PLATÃO. Timeu.
_____. A República.
_____. Apologia de Sócrates.
_____. Eutidemo.
PINKER, S. Os Anjos Bons da Nossa Natureza: por que a violência diminuiu? São Paulo:
Companhia das Letras, 2013.
PLOTINO. Enéadas.
_____. Enlightenment Now: the case for reason, science, humanism and progress. Nova
York: Viking, 2018.
PUTNAM, H. Ethics Without Ontology. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2009.
PREVOST, Jean-Laurent. Satan et le romancier. Paris: Tequi, 1954.
PROUST, Marcel. Em busca do tempo perdido: no caminho de Swann. Trad. Mario Quintana. 4.
ed. São Paulo: Biblioteca Azul, 2016.
___. Jean Santeuil. Trad. Fernando Py. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.
RICOUER, Paul. O si mesmo como outro. Trad. Ivone C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes,
2014.
___. Tempo e Narrativa: a configuração do tempo na narrativa de ficção. (vol. 2). Trad. Marina
Appenzeller. Campinas, SP: Papirus, 1995.
___. Percurso do reconhecimento. Trad. Nicolás Nyimi Campanário. São Paulo: Loyola, 2006.
___. El mal: un desafío a la filosofia e la teologia. Trad. Irene Agoff. Buenos Aires: Amorrortu,
2007.
SCHOPENHAUER, A. O Mundo como Vontade e Representação. Rio de Janeiro: Contraponto,
2001.
SOFÓCLES. Édipo em Colono.
_____. Édipo Rei.
SOLOVIEV, V. Breve História sobre o Anticristo. São Paulo: Santa Cruz, 2016.
SCRUTON, R. A Alma do Mundo. Rio de Janeiro: Record, 2017.
_____. As Vantagens do Pessimismo: e o perigo da falsa esperança. São Paulo: É Realizações,
2016.
TUCHMAN, B. A Distant Mirror: the calamitous 14th century. Nova York: Random House,
2014.
VOEGELIN, E. A Nova Ciência da Política. UNB.
VOLTAIRE. Cândido ou o Otimismo. São Paulo: Editora 34, 2013.
VON ARNIN. Stoicorum vetera fragmenta. De Gruyter.
WEISS, M.; HASSAN, H. Estado Islâmico: desvendando o exército do terror. São Paulo: Editora
Seoman, 2015.
WISTRICH, R. S. A Lethal Obsession: anti-semitism from antiquity to the global jihad. Nova
York: Random House, 2010.
WITHALL, P. A Treasury of Traditional Wisdom. Fons Vitae.