Você está na página 1de 9

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA MM.

VARA DO TRABALHO
DE POSSE – GO

Processo n° :RTSum 0000518-0.2010.5.18.0231


Reclamação trabalhista

ENERGÉTICA TRIJUNÇÃO E REFLORESTAMENTO LTDA,


por seu advogado que esta subscreve, conforme instrumento de mandato junto, já
qualificada nos autos da Reclamação Trabalhista que lhe move NINA SOFIA DE
JESUS, vem, mui respeitosamente, apresentar

CONTESTAÇÃO

à peça exordial, pelos motivos de fato e de direito a seguir expostos;

Da Inicial

Alegou o Reclamante que teria sido


admitido aos serviços da Reclamada em 02 / 02/ 2009 para exercer a
função de cozinheira e serviços gerais nas carvoeira desta, localizada
na Fazenda Jatobá, Zona Rural do Município de Jaborandi -BA,
percebendo remuneração salarial de 01(Salário Mínimo) mensal, hoje
equivalente a R$ 510,00.

Afirma ainda que a autora cumpria as


seguintes jornadas de trabalho: de segunda a domingo e feriados das
06:00 h às 18:00h com 30(trinta) minutos para refeição e repouso,
ressaltando que a cada mês trabalhado a Reclamante usufruía de um
sábado e um domingo de folga.

A Reclamante disse ainda que teria laborado em horário extraordinário


sem ter sido devidamente remunerado. Que em 04/08/2009 teria
comunicada da sua dispensa sem justa causa e com aviso prévio e
contudo sem perceber as verbas rescisórias que lhe são de direito.

DETALHE EXA: PERÍODO RECLAMADO—02/02/2009 a 04/08/2009

Diante disso pleiteou:

a) Correção na anotação da CTPS do Reclamante fazendo constar a


data de admissão em 02/02/2009;

b) Pagamento do adicional de insalubridade de acordo com o item 03


da presente reclamatória, com reflexos em 13º salários, férias + 1/3,
FGTS, aviso prévio , horas extras , domingos e feriados trabalhados
pelo trabalho exercido na produção de carvão vegetal em carvoarias de
propriedade da reclamada .....................R$1.225,00;

c) Pagamento em dobro de todos os domingos e feriados trabalhados


na vigência do pacto laboral conforme afirmação
supra....................R$780,00

d) Pagamento da quantia referente a incorporação das horas


extraordinárias no RSR..................R$ 290,00;

e) Pagamento das horas extras devidas as que excederem a 44 horas


semanais , compreendidas na jornada de trabalho de segunda a
sábado das 06:00h ás 18:00h com 30(trinta) minutos de intervalo para
refeição sem prejuízo de sua incorporação às demais verbas
rescisórias..............................R$ 2.810,00;
f) Pagamento de 06/12 de 13º salários proporcionais , os quais obteve
por laborar no período de 02/02/2009 a 04/08/2009 já computado o
prazo do aviso prévio, acrescidos dos reflexos de horas, domingos e
feriados trabalhados...........R$370,00

g) Pagamento de 06/12 de férias proporcionais com mais 1/3


constitucional as quais obteve por laborar no período de 05/01/2008 a
31/01/2009 já computado o prazo do aviso prévio com reflexos das
horas extras , domingos e feriados trabalhados.......................R$
480,00

h) Pagamento da quantia pertinente ao aviso prévio pela dispensa


imotivada a Reclamante faz jus receber o aviso prévio, bem como a
sua projeção no período trabalhado para efeito de cálculos das verbas
rescisórias .............................R$ 510,00;

i) Liberação do FGTS depositado e pagamento do FGTS não depositado


pela Reclamada desde a admissão da Reclamante em 02/02/2009
até o final da contratualidade em 04/08/2009, já computado o prazo de
aviso prévio , incluídos todas as parcelas passíveis de incidência do
FGTS, bem como a multa de 40%, acrescido do reflexos das horas
extras, domingos, e feriados trabalhados ..............R$ 730,00;

j) Emissão e entrega das guias CD/SD, TRCT, o número de chave de


conectividade e os contra cheques para que a Reclamante perceba o
Seguro-Desemprego , nas parcelas que for de direito, sob pena de
indenização (art. 297 do CPC) caso a Reclamada se negue a entregar
tais guias, ou as entregando por qualquer motivo de responsabilidade
patronal, deixe a Reclamante de perceber o referido
seguro.........................R$ 1530,00;

k) Pagamento da multa do art. 477, § 6º e 8º da CLT................R$ 510,00;


e 467 da CLT;
l) Pagamento de honorários de sucumbências no percentual de 20% da
condenação ou acordo, ou sucessivamente de honorários de
assistência judiciária cujo valor a apurar;

m) Concessão do benefício da gratuidade judiciária conforme pedido


preliminar, tudo a apurar em liquidação de sentença com correção
monetária e juros legais;

n) Comunicação a DRT , INSS e CEF, sobre as irregularidades


apontadas;

Dá a causa, o valor de R$9.235,00( nove mil e duzentos e trinta e cinco


reais)

Do Mérito

Não há como prosperar as pretensões do Reclamante, por serem


totalmente infundadas e não condizerem com a realidade dos fatos, como se
demonstrará a seguir:

. Do Contrato de trabalho

A Reclamante laborou para a Reclamada de 01/07/2009 a 04/08/2010


percebendo como última remuneração o montante de R$ 550,00 de forma
mensal, sendo inverídica a alegação no tocante a ter percebido R$ 510,00,
conforme alegou na preambular.

Veja Exa que a Reclamante pleiteia o reconhecimento de vínculo


02/02/2009 a 04/08/2009. Veja Exa. que o vínculo pretendido é contraditório com
a cópia da carteira de trabalho juntada pela Reclamante aos autos, cópia essa
que prova que a mesma trabalhou no período de 01/07/2009 a 04/08/2010. Se
não bastasse, verifica-se que a irresponsabilidade em pedir é tanta que no tópico
DEMISSÃO IMOTIVADA a Reclamante afirma que foi demitida em 04/08/2008,
data essa totalmente incoerente com o período pleiteado pela Reclamante que é
de 02/02/2009 a 04/08/2009.

Também é inverídico que a Reclamante teria trabalhado em função diversa


(serviços gerais) que não seja a de cozinheira sendo esta uma história criada
para tentar lograr algum proveito a título de adicional de insalubridade.

. Da Jornada de Trabalho .
A Reclamante durante o período que prestou serviços à Reclamada,
cumpriu sua jornada de trabalho de segunda às sextas feiras das 07:00 h às
11:00 h e de 12:00 h às 16:00 h e no sábado das 07:00 às 11:00 h sempre
observando o intervalo de 1(uma) hora para refeição e descanso, perfazendo
assim uma carga horária de 44 (quarenta e quatro) horas semanais, jornada esta
que está em consonância com os limites constitucionais.

.Da correção da CTPS.

Conforme anteriormente exposto, a Reclamante laborou para a Reclamada


de 01/07/2009 a 04/08/2010. A Reclamada nega terminantemente qualquer
contrato de trabalho que não o firmado no período acima exposto (01/07/2009 a
04/08/2010), sendo fantasiosa afirmação de que a mesma teria sido admitida na
data 02/02/2009.

Em virtude de tal fato, não há que se falar em qualquer correção da


anotação da CTPS.

.Do pedido de adicional de insalubridade.

O pedido de adicional de insalubridade deve ser julgado totalmente


improcedente, pois ao contrário do que diz a peça inicial, a Reclamante não
laborou em ambiente insalutífero. Analisando o PPRA /LTCAT verifica-se que o
setor cozinha onde a Reclamante trabalhou não é considerado ambiente insalubre
uma vez que não estão presentes agentes químicos ou biológicos que
caracterizam o ambiente como sendo insalubre.

Sendo assim, veja que não é verdade que a Reclamante teria trabalhado exposta
a temperaturas altíssimas, chuvas e fumaça. Impugna-se, por ausentes, os
agentes e o grau pretendido.
Assim, dada a inexistência de agentes insalubres na atividade exercida
este pedido deve ser julgado improcedente, bem assim, seus reflexos .

. Das Horas Extras

A Reclamada não possui os livros de pontos referentes ao período


reclamado(02/02/2009 a 04/08/2009) uma vez que a Reclamante somente iniciou
seus préstimos para a Reclamada em 01/07/2009, com excessão dos meses de
julho/2009 a agosto/2009 que estão juntados a esta defesa.

Conforme se denota do registro de ponto (juntados), verifica-se que


sempre foi respeitado o limite constitucional de 44 horas semanais, não sendo
procedimento da Empresa permitir a seus funcionários que laborem além do
horário normal de serviço. Veja que a Reclamante nunca laborou além das 16:00
horas, sendo, portanto, inverídico o horário alegado pela mesma na vestibular.
Sendo assim, diante da análise da prova juntada a esta defesa,
confirmado está que a Reclamante não laborava em horas extraordinárias, pelo
que nenhuma diferença é devida a ela sob este título.

. Dos domingos e feriados pleiteados

A Reclamada não possui os livros de pontos referentes ao período


reclamado(02/02/2009 a 04/08/2009) uma vez que a Reclamante somente iniciou
seus préstimos para a Reclamada em 01/07/2009, com excessão dos meses de
julho/2009 a agosto/2009 que estão juntados a esta defesa.

Conforme se verifica os registros de ponto anexados à peça de


contestação, cumpre ressaltar que a Reclamante nunca laborou aos domingos e
feriados, não fazendo jus ao pagamento desses dias alegados na preambular.

. Integrações das Horas Extras

Diante do exposto nos tópicos anteriores, verifica-se que não há que se


falar no pagamento de integrações das horas extras nas verbas pleiteadas na
preambular, uma vez que não houve labor além do horário normal de serviço,
nada mais sendo devido a Reclamante com relação a este item.

. Do Aviso Prévio.

Exa. não há que se falar em pagamento do aviso prévio uma vez que a
Reclamante não foi demitida na data de 04/08/2009, conforme se verifica no
TRCT anexo. Além do mais Exa., observando-se a documentação apresentada
verifica-se que a Reclamante foi comunicada da dispensa em 06/07/2010, com
afastamento em 04/08/2010, pelo que nenhum pagamento é devido a ela sob este
título.

. Quitação das Rescisórias (13° salário proporcional, férias vencidas e


proporcionais acrescidas do terço legal e restante do aviso prévio
trabalhado)

Como bem se vê no Termo de Rescisão Contratual que segue junto, no


momento da homologação, a Reclamada pagou a Reclamante todos os seus
direitos referentes ao período laborado, dentre os quais, 13° salário proporcional,
férias vencidas e proporcionais acrescidas do terço legal, e restante do aviso
prévio, ou seja, a Reclamante percebeu todas as verbas rescisórias que fazia jus,
não sendo devida nenhuma diferença sob este título.

.Reflexos.
Impugnados todas as pretensões, os reflexos devem ser julgados
totalmente improcedentes, pois os acessórios seguem a sorte do principal.

.Liberação do FGTS +40% e pagamento do FGTS não depositado.

Exa. o FGTS depositado referente ao período laborado (01/07/2009 a


04/08/2010) já foi liberado para a Reclamante com a multa de 40% conforme
documentação anexa. Quanto ao FGTS do período pretendido pela Reclamante
que é de 02/02/2009 a 04/08/2009, foi depositado o FGTS do mês de julho de
2009 (mês de admissão) e agosto de 2009, não havendo o que se falar em
qualquer pagamento de FGTS em período anterior a 01/07/2009 uma vez que a
Reclamada nega terminantemente a existência de contrato de trabalho anterior a
01/07/2009.

.Multa do artigo 477 da CLT.


Pleiteia o reclamante a aplicação da multa do artigo 477 da CLT.
Totalmente, descabida, data vênia, tal pretensão, vez que o pagamento
das parcelas provenientes ao acerto rescisório foi efetuado no dia 05/08/2010
com homologação perante o ARTE/POSSE ,ou seja, um dia após o afastamento
do reclamante.
A Reclamada nega terminantemente que tenha havido qualquer outro
acerto rescisório que não seja o referente ao período trabalhado que foi de
01/07/2009 a 04/08/2010, não sendo devido nada a este título para a Reclamante.
. Multa do artigo 467 da CLT.
Pleiteia a reclamante a aplicação da multa do artigo 467 da CLT.
Contudo, o pedido retro deve ser considerado improcedente, tendo em
vista que não há parcela incontroversa e reconhecida pela reclamada.

.Emissão e liberação da guia CD/SD, TRCT, Chave conectividade.

Exa. as guias CD/SD, TRCT, Chave de conectividade são documentos


indispensáveis para a homologação junto ao órgão competente, sendo que o
pedido da Reclamante não faz o menor sentido uma vez que tais documentos já
foram entregues a ela no ato da homologação do período de trabalho para a
reclamada(01/07/2009 a 04/08/2010) conforme cópias anexas.
Em relação ao período reclamado(02/02/2009 a 04/08/2009) não há que se
falar em emissão e entrega de CD/SD, TRCT, Chave de conectividade uma vez
que a Reclamante não foi demitida em 04/08/2009.
. Honorários Assistenciais.

Indevidos os honorários advocatícios no processo do trabalho. O


princípio da sucumbência não é previsto na Consolidação das Leis do
Trabalho, e nem resultou implementado com o advento da Lei n.º
8.906/94, ressalvando-se que normas específicas garantem a
assistência judiciária. Interpelação sistemática do ordenamento jurídico
afasta sua aplicabilidade, uma vez que a atual Carta Magna garante o
livre acesso dos cidadãos ao judiciário, consoante se verifica no artigo
5º, Inciso XXXIV, letra "a". O artigo 133 da Constituição Federal de
1.988 não tem natureza de norma auto aplicável, pois continuam em vigor
as normas ordinárias especiais. Assim, não revogado o artigo 791 da
Consolidação das leis do Trabalho, permanece o "jus postulandi",
garantindo-se o direito de ação, valendo integralmente o princípio
segundo o qual, "narra mihi factum, dabo tibi ius". Desta forma,
inacolhível a pretensão de receber verba honorária, pleiteada na
exordial, por não atenderem os requisitos da Lei 5.584/70, em especial
os artigos 14 e 15, em consonância com os Enunciados 11, 219 e 329 do
Colendo Tribunal Superior do Trabalho.

. Expedição de Ofícios.

Pelo supra exposto, fácil constatar que a Reclamada sempre adotou para
com o obreiro procedimentos consonantes tanto com a legislação trabalhista
como com a previdenciária vigentes, razão pela qual torna-se desnecessária a
expedição de ofícios aos órgãos competentes.

. Conclusão

Diante do exposto, requer a esta MM. Vara do Trabalho que julgue


totalmente IMPROCEDENTE a presente Reclamação Trabalhista, condenando o
Reclamante nas cominações de estilo.

. Provas

Protesta e requer provar o alegado por todos os meios em direito existentes,


especialmente o depoimento pessoal do Reclamante, a oitiva das testemunhas a
serem oportunamente arroladas e a juntada ulterior dos documentos que se fize-
rem necessários.
Termos em que,
Pede deferimento.

Posse, 10 de janeiro de 2011

pp. __________ - Advogado


Inscr. ____ -OAB/SP