Você está na página 1de 5477

Caderno Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA DO TRABALHO


PODER JUDICIÁRIO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Nº2589/2018 Data da disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018. DEJT Nacional

Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região PROC. Nº TRT - 0000003-58.2018.5.06.0251 (ED ref. RO)

Ivan de Souza Valença Alves


Órgão Julgador: 4ª Turma
Desembargador Presidente do TRT da 6ª Região

Valdir José Silva de Carvalho Relatora: Desembargadora Gisane Barbosa de Araújo

Desembargador Vice-presidente do TRT da 6ª Região


Embargante: JADEÍLDA MARIA ARRUDA DA SILVA
Dione Nunes Furtado da Silva
Desembargadora Corregedora do TRT da 6ª Região
Embargado: MUNICÍPIO DE SURUBIM

Cais do Apolo, 739


Bairro do Recife Advogados: JOSIVAL RAMOS DA SILVA; OSMAR HENRIQUE
Recife/PE FERREIRA E SILVA DE AZEVEDO UMBELINO e RAFAEL GOMES
CEP: 50030902 PIMENTEL.

Telefone(s) : (81) 32253200


Procedência: Vara Única do Trabalho de Limoeiro - PE

Vice-Presidência
Acórdão
Acórdão
Processo Nº Reenec/RO-0000003-58.2018.5.06.0251
Relator GISANE BARBOSA DE ARAUJO
JUÍZO RECORRENTE MUNICIPIO DE SURUBIM
ADVOGADO rafael gomes pimentel(OAB: 30989-
D/PE)
ADVOGADO OSMAR HENRIQUE FERREIRA E
SILVA DE AZEVEDO EMENTA: EMBARGOS DECLARATÓRIOS. HIPÓTESES DE
UMBELINO(OAB: 33203/PE)
RECORRIDO JADEILDA MARIA ARRUDA DA SILVA CABIMENTO. O cabimento dos embargos declaratórios restringe-
ADVOGADO JOSIVAL RAMOS DA SILVA(OAB: se aos casos em que há omissão, contradição ou obscuridade do
39908/PE)
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO julgado. Inviável seu manejo para reapreciação da matéria decidida.
TRABALHO
Embargos rejeitados.

Intimado(s)/Citado(s):
- MUNICIPIO DE SURUBIM

PODER

JUDICIÁRIO

Vistos etc.

Embargos declaratórios opostos por JADEÍLDA MARIA ARRUDA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 2
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

DA SILVA(fls. 362/383) em face do acórdão proferido por esta Municipal nº 007/2006 não teriam sido comprovados nos autos, tal

Egrégia Turma (fls. 322/334), quando do julgamento do recurso argumento não restou suscitado em nenhum momento anterior aos

ordinário interposto pelo ora embargado nos autos da reclamação presentes embargos, residindo a controvérsia acerca da

trabalhista em epígrafe. possibilidade ou não de Lei municipal transmudar a natureza de

Regime Jurídico, situação expressamente consignada na CTPS da

Em suas razões, o embargante alega que a decisão embargada reclamante às fls. 21.

merece reforma para sanar erro material, pois teria considerado

válida a transmudação de regime jurídico sem verificar a eficácia da As razões da embargante, nesse aspecto, não se amoldam às

Lei regulamentadora. Alega que não foi verificado o preenchimento hipóteses previstas no art. 1.022, do NCPC, mas de eventual má

dos requisitos legais para aferir a validade da Lei transmudadora. apreciação do conjunto probatório existente nos autos, sendo certo

Insurge-se contra a decisão colacionando uma série de ementas que o Juízo deve apenas apontar os motivos que fundamentaram

jurisprudenciais e pugnando pela necessidade de esclarecimento seu convencimento, como ocorreu, na hipótese.

quanto à possíveis violações a precedentes do TST, TRT6, e STF.

Ora, se a embargante entende que houve erro de julgamento, por

É o relatório. certo, não é por meio da via estreita dos embargos declaratórios

que poderá obter a modificação do julgado nem, muito menos, a

alteração do convencimento do Juízo.

Nem mesmo a título de prequestionamento, nos termos da Súmula

297, do C. TST, há o que ser declarado, sobretudo porque constou

do acórdão embargado que, "pelos motivos expostos na

fundamentação desta decisão, não houve violação aos dispositivos

constitucionais e infraconstitucionais mencionados nas razões e nas

contrarrazões, sendo desnecessária a menção expressa a cada um

deles, a teor da Orientação Jurisprudencial 118, da SDI-I, do C.

TST", registrando-se, outrossim, que "foram enfrentadas todas as

teses trazidas pelas partes que, porventura, pudessem influenciar

na formação da convicção deste órgão julgador colegiado e/ou

alterar a conclusão adotada, não se amoldando o presente decisum

a qualquer das hipóteses previstas no art. 489, §1º, do NCPC,

considerados os termos do art. 15, da Instrução Normativa n.º

39/2016, do C. TST".

VOTO:

A simples leitura da peça dos embargos em apreço demonstra, por

si só, que os aclaratórios não foram opostos para sanar omissão,

contradição ou obscuridade.

No acórdão revisando constou expressamente as razões pelas

quais não foi reconhecido o pleito autoral, inclusive com exposição

de arestos jurisprudenciais lavrados pelo C.TST - dentre os quais

incluiu-se ementa referente ao julgamento da ArgInc - 105100-

93.1996.5.04.0018 - e pelas Turmas deste E.TRT.

Quanto à alegação de que os requisitos de validade da Lei Diante do exposto, voto no sentido de rejeitar os embargos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 3
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

declaratórios opostos.

Paulo César Martins Rabêlo

Secretário da 4ª Turma

(igsl)

Acórdão
Processo Nº Reenec/RO-0000003-58.2018.5.06.0251
ACORDAM os membros da 4ª Turma do Tribunal Regional do Relator GISANE BARBOSA DE ARAUJO
Trabalho da 6ª Região, por unanimidade, rejeitar os embargos JUÍZO RECORRENTE MUNICIPIO DE SURUBIM
ADVOGADO rafael gomes pimentel(OAB: 30989-
declaratórios opostos. D/PE)
ADVOGADO OSMAR HENRIQUE FERREIRA E
SILVA DE AZEVEDO
UMBELINO(OAB: 33203/PE)
RECORRIDO JADEILDA MARIA ARRUDA DA SILVA
ADVOGADO JOSIVAL RAMOS DA SILVA(OAB:
39908/PE)
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO
CERTIDÃO DE JULGAMENTO
Intimado(s)/Citado(s):
- JADEILDA MARIA ARRUDA DA SILVA

Certifico que, em sessão ordinária hoje realizada, sob a presidência

da Exmª. Srª. Desembargadora GISANE BARBOSA DE ARAÚJO PODER

(Relatora), com a presença do Ministério Público do Trabalho da 6ª JUDICIÁRIO

Região, representado pela Exmª. Srª. Procuradora Elizabeth Veiga

Chaves, e dos Exmº(s). Sr(s). Desembargadores Nise Pedroso Lins

de Sousa e José Luciano Alexo da Silva, foi julgado o processo em

epígrafe nos termos do dispositivo supramencionado.

PROC. Nº TRT - 0000003-58.2018.5.06.0251 (ED ref. RO)

Certifico e dou fé.


Órgão Julgador: 4ª Turma

Relatora: Desembargadora Gisane Barbosa de Araújo

Sala de Sessões, 23 de agosto de 2018.


Embargante: JADEÍLDA MARIA ARRUDA DA SILVA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 4
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

É o relatório.

Embargado: MUNICÍPIO DE SURUBIM

Advogados: JOSIVAL RAMOS DA SILVA; OSMAR HENRIQUE

FERREIRA E SILVA DE AZEVEDO UMBELINO e RAFAEL GOMES

PIMENTEL.

Procedência: Vara Única do Trabalho de Limoeiro - PE

EMENTA: EMBARGOS DECLARATÓRIOS. HIPÓTESES DE

CABIMENTO. O cabimento dos embargos declaratórios restringe-

se aos casos em que há omissão, contradição ou obscuridade do

julgado. Inviável seu manejo para reapreciação da matéria decidida. VOTO:

Embargos rejeitados.

A simples leitura da peça dos embargos em apreço demonstra, por

si só, que os aclaratórios não foram opostos para sanar omissão,

contradição ou obscuridade.

No acórdão revisando constou expressamente as razões pelas

quais não foi reconhecido o pleito autoral, inclusive com exposição

de arestos jurisprudenciais lavrados pelo C.TST - dentre os quais

incluiu-se ementa referente ao julgamento da ArgInc - 105100-

Vistos etc. 93.1996.5.04.0018 - e pelas Turmas deste E.TRT.

Embargos declaratórios opostos por JADEÍLDA MARIA ARRUDA Quanto à alegação de que os requisitos de validade da Lei

DA SILVA(fls. 362/383) em face do acórdão proferido por esta Municipal nº 007/2006 não teriam sido comprovados nos autos, tal

Egrégia Turma (fls. 322/334), quando do julgamento do recurso argumento não restou suscitado em nenhum momento anterior aos

ordinário interposto pelo ora embargado nos autos da reclamação presentes embargos, residindo a controvérsia acerca da

trabalhista em epígrafe. possibilidade ou não de Lei municipal transmudar a natureza de

Regime Jurídico, situação expressamente consignada na CTPS da

Em suas razões, o embargante alega que a decisão embargada reclamante às fls. 21.

merece reforma para sanar erro material, pois teria considerado

válida a transmudação de regime jurídico sem verificar a eficácia da As razões da embargante, nesse aspecto, não se amoldam às

Lei regulamentadora. Alega que não foi verificado o preenchimento hipóteses previstas no art. 1.022, do NCPC, mas de eventual má

dos requisitos legais para aferir a validade da Lei transmudadora. apreciação do conjunto probatório existente nos autos, sendo certo

Insurge-se contra a decisão colacionando uma série de ementas que o Juízo deve apenas apontar os motivos que fundamentaram

jurisprudenciais e pugnando pela necessidade de esclarecimento seu convencimento, como ocorreu, na hipótese.

quanto à possíveis violações a precedentes do TST, TRT6, e STF.

Ora, se a embargante entende que houve erro de julgamento, por

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 5
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

certo, não é por meio da via estreita dos embargos declaratórios

que poderá obter a modificação do julgado nem, muito menos, a

alteração do convencimento do Juízo.

Nem mesmo a título de prequestionamento, nos termos da Súmula

297, do C. TST, há o que ser declarado, sobretudo porque constou ACORDAM os membros da 4ª Turma do Tribunal Regional do

do acórdão embargado que, "pelos motivos expostos na Trabalho da 6ª Região, por unanimidade, rejeitar os embargos

fundamentação desta decisão, não houve violação aos dispositivos declaratórios opostos.

constitucionais e infraconstitucionais mencionados nas razões e nas

contrarrazões, sendo desnecessária a menção expressa a cada um

deles, a teor da Orientação Jurisprudencial 118, da SDI-I, do C.

TST", registrando-se, outrossim, que "foram enfrentadas todas as

teses trazidas pelas partes que, porventura, pudessem influenciar

na formação da convicção deste órgão julgador colegiado e/ou CERTIDÃO DE JULGAMENTO

alterar a conclusão adotada, não se amoldando o presente decisum

a qualquer das hipóteses previstas no art. 489, §1º, do NCPC,

considerados os termos do art. 15, da Instrução Normativa n.º

39/2016, do C. TST". Certifico que, em sessão ordinária hoje realizada, sob a presidência

da Exmª. Srª. Desembargadora GISANE BARBOSA DE ARAÚJO

(Relatora), com a presença do Ministério Público do Trabalho da 6ª

Região, representado pela Exmª. Srª. Procuradora Elizabeth Veiga

Chaves, e dos Exmº(s). Sr(s). Desembargadores Nise Pedroso Lins

de Sousa e José Luciano Alexo da Silva, foi julgado o processo em

epígrafe nos termos do dispositivo supramencionado.

Certifico e dou fé.

Diante do exposto, voto no sentido de rejeitar os embargos Sala de Sessões, 23 de agosto de 2018.

declaratórios opostos.

Paulo César Martins Rabêlo

Secretário da 4ª Turma

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 6
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

(igsl)

PROCEDÊNCIA : VARA ÚNICA DO TRABALHO DE GARANHUNS

Acórdão
Processo Nº RO-0001417-53.2016.5.06.0351
Relator RUY SALATHIEL DE ALBUQUERQUE
E MELLO VENTURA
RECORRENTE INSTITUTO NACIONAL DE
COLONIZACAO E REFORMA
AGRARIA
RECORRIDO AGEMTE - ASSESSORIA DE GRUPO
ESPECIALIZADA MULTIDISCIPLINAR
EM TECNOLOGIA E EXTENSAO
ADVOGADO MARCUS AURELIO DE HOLANDA
TORQUATO(OAB: 32427/PE)
RECORRIDO JOSIVALDO ALVES SANTOS EMENTA
ADVOGADO ROSSANA KARLA DE
ALBUQUERQUE BION(OAB:
28478/PE)
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO
TERCEIRO UNIÃO FEDERAL (PGF)
INTERESSADO

Intimado(s)/Citado(s):
- AGEMTE - ASSESSORIA DE GRUPO ESPECIALIZADA
MULTIDISCIPLINAR EM TECNOLOGIA E EXTENSAO

RECURSO ORDINÁRIO E REMESSA NECESSÁRIA.

RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA. ADMINISTRAÇÃO


PODER
INDIRETA FEDERAL. NÃO CONFIGURAÇÃO. A jurisprudência do
JUDICIÁRIO
TST ajustou-se à interpretação definitiva que deu o C. STF aos

dispositivos da Lei nº 8.666/93, ao chancelar a sua compatibilidade

com a Constituição Federal. Nesse quadro, impossível concluir,

apenas com os elementos carreados aos autos, pela atuação

culposa do ente reclamado, mormente porque os atos da

Administração gozam de presunção de legitimidade e de legalidade.

PROCESSO Nº TRT 0001417-53.2016.5.06.0351 (RO) Não prospera, assim, a responsabilidade subsidiária reconhecida na

sentença. Recurso ordinário e remessa de ofício providos.

ÓRGÃO JULGADOR : 3ª TURMA

RELATOR : DES. RUY SALATHIEL DE A. M. VENTURA

RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E

REFORMA AGRÁRIA - INCRA

RECORRIDOS : JOSIVALDO ALVES SANTOS E AGEMTE -

ASSESSORIA DE GRUPO ESPECIALIZADA MULTIDISCIPLINAR

EM TECNOLOGIA E EXTENSÃO RELATÓRIO

ADVOGADOS : MARINA DOS ANJOS PONTUAL MACIEL

(PROCURADORA FEDERAL), ROSSANA KARLA DE

ALBUQUERQUE BION E MARCUS AURELIO DE HOLANDA

TORQUATO

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 7
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Parecer do Ministério Público do Trabalho, mediante o ID e550cce,

opinando pelo não conhecimento da remessa necessária e não

Vistos etc. provimento do apelo.

Recurso ordinário interposto pelo INSTITUTO NACIONAL DE Necessária a conversão do feito em diligência com o fito de adequar

COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA em face da sentença a classe processual, fazendo-se autuar a remessa necessária, na

proferida pelo MM. Juízo da Vara Única do Trabalho do Garanhuns, forma da determinação contida no despacho de ID e6f08d9.

de ID 02d80a0, que julgou parcialmente procedentes os pleitos

formulados na reclamação trabalhista ajuizada por JOSIVALDO É o relatório.

ALVES SANTOS em face da AGEMTE - ASSESSORIA DE

GRUPO ESPECIALIZADA MULTIDISCIPLINAR EM

TECNOLOGIA E EXTENSÃO e do recorrente.

Recurso ordinário interposto pelo INCRA, mediante ID 67c43f1.

Pretende, em síntese, que seja excluída da condenação a sua

responsabilização subsidiária que lhe foi imputada, a teor do

previsto na Súmula nº. 331, itens IV e VI. Afirma que comprovou a

efetiva fiscalização do contrato de prestação de serviços, haja vista

o Instituto ter recusado o pagamento das faturas apresentadas,

desde outubro/2015, porque a empresa reclamada deixou de

apresentar comprovantes de pagamento dos salários dos FUNDAMENTAÇÃO

empregados, das contribuições sociais, das obrigações fiscais e do

FGTS, conforme demonstrou documentalmente (Ofício INCRA nº

555/2016), ressalvando que houve suspensão das atividades desde

maio de 2016. Destaca ainda não haver culpa in eligendo, pois não

tem liberdade para contratar, de modo que as contratações ocorrem

por meio de processo licitatório. Sustenta que a mera inadimplência

da empresa terceirizada com as verbas trabalhistas não é fato

suficiente para embasar a condenação. Menciona o julgamento da

ADC nº 16 do STF. Acrescenta que não é possível a sua Considerando a identidade de matérias, passo a apreciar o recurso

responsabilização para pagamento de penalidades, quais sejam: o voluntário e a remessa necessária conjuntamente, tudo em

FGTS, a multa fundiária e as multas dos arts. 467 e 477 da CLT, homenagem ao princípio da celeridade e economia processual

bem como as convencionais. Requer a exclusão dos cálculos dos

valores referentes às custas e às contribuições previdenciárias,

requerendo também o benefício de ordem. Pede a manifestação

acerca de todos os dispositivos legais e constitucionais suscitados

na peça recursal, para fins de prequestionamento. Por cautela,

pretende que a sua condenação seja limitada ao pagamento de

salários, se houver, observando os dias efetivamente laborados e

que eventuais juros de moras sejam fixados em consonância com o

art. 1º-F da Lei nº. 9.494/97. Pede o provimento.

Embora os recorridos tenham sido devidamente notificados, apenas

a primeira demandada apresentou contrarrazões recursais (ID

50821d6).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 8
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

inadimplemento, mas apenas quando suficientemente demonstrada

a ocorrência da culpa. Essa, aliás, é a nova redação do item V da

Súmula nº 331.

"Os entes integrantes da Administração Pública direta e indireta

respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV,

Da responsabilidade da Administração Pública caso evidenciada a sua conduta culposa no cumprimento das

obrigações da Lei n.º 8.666, de 21.06.1993, especialmente na

fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da

prestadora de serviço como empregadora. A aludida

responsabilidade não decorre de mero inadimplemento das

obrigações trabalhistas assumidas pela empresa regularmente

contratada".

Ajustou-se a jurisprudência do TST à interpretação definitiva que

Consoante relatado, o segundo reclamado recorre da sentença de deu o C. STF aos dispositivos da Lei 8.666/93 ao chancelar a sua

mérito com o fito de ver afastada a responsabilidade solidária que compatibilidade com a Constituição Federal.

lhe foi imposta, entendendo incabível inclusive a subsidiária.

Aliado a isso, consoante o IUJ nº 000362-87.2015.5.06.0000 deste

Com razão. Regional, transitado em julgado em 17/11/16, ficou sedimentado o

entendimento de que apenas é possível reconhecer a

O ente recorrente é uma pessoa jurídica de direito público interno responsabilidade subsidiária da Administração Pública direta e

que corresponde à Administração Pública Federal. Atribuir-lhe indireta pelas obrigações trabalhistas não cumpridas por empresa

responsabilidade pelo pagamento do crédito trabalhista reconhecido prestadora de serviços, quando evidenciado culpa in eligendo e/ou

ao autor é medida que encontra óbice no Estatuto das Licitações e in vigilando do ente público o que, no caso, como visto em linhas

Contratos - Lei nº 8.666/93 - que em seu art. 71, §1º, dispõe: anteriores, não restou comprovado. Vejamos o teor da sua ementa:

A inadimplência do contratado com referência aos encargos INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA.

trabalhistas, fiscais e comerciais não transfere à Administração TERCEIRIZAÇÃO. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA. ENTE

Pública a responsabilidade por seu pagamento, nem poderá onerar PÚBLICO. CULPA "IN ELIGENDO" e/ou CULPA "IN VIGILANDO"

o objeto do contrato ou restringir a regularização e o uso das obras CARACTERIZADA (S). SÚMULA 331, V, DO TST.Os Entes da

e edificações, inclusive perante o Registro de Imóveis. Administração Pública Direta e Indireta respondem subsidiariamente

pelo inadimplemento das obrigações trabalhistas ocorridas no

É certo que durante longo período, o C. TST, com o intuito de contrato de terceirização de serviços, caso evidenciada a culpa in

assegurar o adimplemento de créditos alimentares, admitia a eligendo e/ou in vigilando no cumprimento das obrigações, sendo

possibilidade de se responsabilizar a Administração Pública quando encargo da Administração Pública a prova do comportamento de

frustrada a obrigação da prestadora de serviços contratada. conformidade com a Constituição da República e a legislação

Sustentava a Corte superior que a vedação da Lei nº 8.666/93 só infraconstitucional. A solidariedade social, um dos objetivos

encontrava aplicação quando o ente público agia "dentro das regras fundamentais da Constituição da República impõe a

e procedimentos normais de desenvolvimento de suas atividades" e responsabilidade subsidiária da Administração Pública (tomadora de

quando a pessoa da administração contratada pautava-se "nos serviços) exigindo que realize processo de licitação, na forma da

estritos limites padrões da normatividade pertinente". legislação ordinária, e a indispensável vigilância sobre o

cumprimento das obrigações trabalhistas dos empregados da

No entanto, a partir do julgamento da ADC nº 16 pelo Supremo contratada no curso e ao término da relação de emprego desses

Tribunal Federal, a perspectiva da Corte Superior inverteu-se: não trabalhadores. É sempre importante lembrar que o trabalho atende

pode mais haver responsabilização do ente estatal pelo mero à dignidade do homem e representa um elemento de coesão social,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 9
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

na medida em que afasta a violência, a pobreza, a miséria, a aptidão para a prova, em face do qual o encargo de elucidar a

insatisfação na sociedade. (Relatora: Desembargadora Eneida Melo controvérsia deve ser atribuído à parte que tenha melhores

Correia de Araújo, Data de Julgamento: 26/04/2016, Tribunal Pleno, condições para tanto.

Data de Publicação: DEJT 10/06/2016).

Tal entendimento decorre da intelecção do art. 818, da

Feito tal esclarecimento, data vênia do posicionamento a quo, Consolidação das Leis do Trabalho, que, colhendo a realidade e

verifico que o INCRA se desincumbiu do ônus probatório que lhe trazendo-a para o processo, procurou conferir justiça e equilíbrio ao

cabia. princípio da distribuição do ônus da prova.

Consta no feito o contrato celebrado entre as reclamadas (ID Na hipótese, tenho que o tomador dos serviços se desvencilhou a

4dff051), com observância da Lei 8.666/93. Há, também, contento desse mister.

documentos pertinentes a todo o procedimento de rescisão

contratual antecipada decorrente do não cumprimento, pela Neste caso, o INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E

prestadora, das cláusulas avençadas, demonstrando a adoção de REFORMA AGRÁRIA- INCRA comprovou nos autos haver exercido

atos por parte da Administração Pública que revelam a sua efetiva fiscalização, atuando diretamente para que a Prestadora de

vigilância na execução contratual. Ressalte-se, que o órgão Serviços cumprisse as suas obrigações contratuais para com os

reclamado inclusive envidou esforços para promover o pagamento seus Empregados, como se pode conferir, por exemplo, nos

diretamente aos funcionários da primeira ré, a fim de evitar maiores documentos, notadamente os pagamentos realizados após consulta

prejuízos. Vejamos. ao SICAF, Simples Nacional e Certidão Negativa Trabalhista.

O contrato foi firmado em 07/07/2014, com a homologação de Não há como se cogitar, portanto, em culpa in vigilando e, muito

Chamada Pública nº. 01/2014, em consonância com processo de menos, de culpa in eligendo. Neste caso, presumem-se cumpridas

dispensa de licitação, na forma prevista no inciso XXX do art. 24 da as diligências administrativas cabíveis para contratação da

Lei nº. 8.666/93 e diversos outros dispositivos legais, conforme se reclamada por meio de regular processo licitatório, não havendo

verifica no referido contrato. elementos ou mínimo indício nestes autos de irregularidade.

O Ofício do INCRA nº. 555/2016, constante no ID 0437595, Sendo assim, dou provimento ao recurso do Instituto Nacional de

comprova a tese da autarquia de que parou de pagar à primeira Colonização e Reforma Agrária, bem como a remessa necessária,

reclamada, a partir de outubro/2015, visto que a empresa reclamada para julgar improcedente o pedido de sua condenação de qualquer

deixou de apresentar os seguintes comprovantes: declaração de responsabilidade formulado pelo reclamante, tudo em conformidade

isenção de impostos e contribuições, comprovantes de pagamento com a Lei nº 8.666/93 (art. 71, §1º); com a decisão proferida pelo

dos profissionais, certidões negativas municipais e estaduais, STF, intérprete legítimo da Constituição, no julgamento da ADC nº

certidão de regularidade do FGTS e receita federal, guias 16; com a Súmula nº 331, V, do TST; e com o novel entendimento

GPS/GFIP e DAM com data de vencimento válida. desta corte declarado em sede de incidente de uniformização.

Verifico que a suspensão do pagamento pela ausência de Prejudicada a apreciação dos demais pedidos recursais.

comprovação do pagamento dos salários dos empregados e do

recolhimento das contribuições sociais (FGTS e Previdência Social)

encontra-se albergada na cláusula 12ª do contrato firmado.

Dessa forma, constato que as dispensas ocorreram em razão da

inadimplência contratual da tomadora, ora recorrente, que não

repassou as verbas contratuais, ocasionando um dano coletivo.

Destaco que, na verificação da existência de culpa in vigilando, se

faz necessário homenagear uma solução que respeite o princípio da Considerações finais

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 10
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Acrescento, enfim, que os motivos expostos na presente

fundamentação não violam nenhum dos dispositivos da Constituição

Federal, tampouco preceitos legais, sendo desnecessária a menção

expressa a cada um deles, a teor do disposto na OJ nº. 118 da

SBDI-1 do C. TST. ACORDAM os Desembargadores da 3ª Turma do Tribunal Regional

do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, dar provimento ao

recurso do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária e à

remessa necessária para julgar improcedente a reclamatória,

excluindo-o da lide. Mantém-se inalterado o valor arbitrado à

condenação, eis que não houve modificação no tocante ao quantum

condenatório, que, in casu, passa a ser devido apenas pela

reclamada remanescente. Tudo, nos termos da fundamentação.

Conclusão

RUY SALATHIEL DE ALBUQUERQUE E MELLO VENTURA

Desembargador Relator

Ante ao exposto, dou provimento ao recurso do Instituto Nacional de

Colonização e Reforma Agrária e à remessa necessária para julgar

improcedente a reclamatória, excluindo-o da lide. Mantenho

inalterado o valor arbitrado à condenação, eis que não houve

modificação no tocante ao quantum condenatório, que, in casu,

passa a ser devido apenas pela reclamada remanescente. Tudo,

nos termos da fundamentação.

CERTIDÃO DE JULGAMENTO

Certifico que, em sessão ordinária realizada em 19 de março de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 11
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO


2018, na sala de sessões das Turmas, sob a presidência do Exmo. TRABALHO
TERCEIRO UNIÃO FEDERAL (PGF)
Sr. Desembargador RUY SALATHIEL DE ALBUQUERQUE E INTERESSADO
MELLO VENTURA (Relator), com a presença do Ministério Público
Intimado(s)/Citado(s):
do Trabalho da 6ª Região, representado pela Exma. Sra.
- JOSIVALDO ALVES SANTOS
Procuradora, Dra. Maria Ângela Lobo Gomes, e das Exmas. Sras.

Desembargadoras Maria Clara Saboya Albuquerque Bernardino e

Maria das Graças de Arruda França, resolveu a 3ª Turma do

Tribunal, por unanimidade, dar provimento ao recurso do Instituto PODER

Nacional de Colonização e Reforma Agrária e à remessa necessária JUDICIÁRIO

para julgar improcedente a reclamatória, excluindo-o da lide.

Mantém-se inalterado o valor arbitrado à condenação, eis que não

houve modificação no tocante ao quantum condenatório, que, in

casu, passa a ser devido apenas pela reclamada remanescente.

Tudo, nos termos da fundamentação.

PROCESSO Nº TRT 0001417-53.2016.5.06.0351 (RO)

ÓRGÃO JULGADOR : 3ª TURMA


Cláudia Christina A. Corrêa de O. Andrade

RELATOR : DES. RUY SALATHIEL DE A. M. VENTURA


Secretária da 3ª Turma

RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E

REFORMA AGRÁRIA - INCRA

RECORRIDOS : JOSIVALDO ALVES SANTOS E AGEMTE -

ASSESSORIA DE GRUPO ESPECIALIZADA MULTIDISCIPLINAR

EM TECNOLOGIA E EXTENSÃO

ADVOGADOS : MARINA DOS ANJOS PONTUAL MACIEL

(PROCURADORA FEDERAL), ROSSANA KARLA DE

ALBUQUERQUE BION E MARCUS AURELIO DE HOLANDA

TORQUATO

MDL
PROCEDÊNCIA : VARA ÚNICA DO TRABALHO DE GARANHUNS

Acórdão
Processo Nº RO-0001417-53.2016.5.06.0351
Relator RUY SALATHIEL DE ALBUQUERQUE
E MELLO VENTURA
RECORRENTE INSTITUTO NACIONAL DE
COLONIZACAO E REFORMA
AGRARIA
RECORRIDO AGEMTE - ASSESSORIA DE GRUPO
ESPECIALIZADA MULTIDISCIPLINAR
EM TECNOLOGIA E EXTENSAO
ADVOGADO MARCUS AURELIO DE HOLANDA
TORQUATO(OAB: 32427/PE) EMENTA
RECORRIDO JOSIVALDO ALVES SANTOS
ADVOGADO ROSSANA KARLA DE
ALBUQUERQUE BION(OAB:
28478/PE)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 12
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Pretende, em síntese, que seja excluída da condenação a sua

responsabilização subsidiária que lhe foi imputada, a teor do

previsto na Súmula nº. 331, itens IV e VI. Afirma que comprovou a

efetiva fiscalização do contrato de prestação de serviços, haja vista

o Instituto ter recusado o pagamento das faturas apresentadas,

RECURSO ORDINÁRIO E REMESSA NECESSÁRIA. desde outubro/2015, porque a empresa reclamada deixou de

RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA. ADMINISTRAÇÃO apresentar comprovantes de pagamento dos salários dos

INDIRETA FEDERAL. NÃO CONFIGURAÇÃO. A jurisprudência do empregados, das contribuições sociais, das obrigações fiscais e do

TST ajustou-se à interpretação definitiva que deu o C. STF aos FGTS, conforme demonstrou documentalmente (Ofício INCRA nº

dispositivos da Lei nº 8.666/93, ao chancelar a sua compatibilidade 555/2016), ressalvando que houve suspensão das atividades desde

com a Constituição Federal. Nesse quadro, impossível concluir, maio de 2016. Destaca ainda não haver culpa in eligendo, pois não

apenas com os elementos carreados aos autos, pela atuação tem liberdade para contratar, de modo que as contratações ocorrem

culposa do ente reclamado, mormente porque os atos da por meio de processo licitatório. Sustenta que a mera inadimplência

Administração gozam de presunção de legitimidade e de legalidade. da empresa terceirizada com as verbas trabalhistas não é fato

Não prospera, assim, a responsabilidade subsidiária reconhecida na suficiente para embasar a condenação. Menciona o julgamento da

sentença. Recurso ordinário e remessa de ofício providos. ADC nº 16 do STF. Acrescenta que não é possível a sua

responsabilização para pagamento de penalidades, quais sejam: o

FGTS, a multa fundiária e as multas dos arts. 467 e 477 da CLT,

bem como as convencionais. Requer a exclusão dos cálculos dos

valores referentes às custas e às contribuições previdenciárias,

requerendo também o benefício de ordem. Pede a manifestação

acerca de todos os dispositivos legais e constitucionais suscitados

na peça recursal, para fins de prequestionamento. Por cautela,

pretende que a sua condenação seja limitada ao pagamento de

salários, se houver, observando os dias efetivamente laborados e

RELATÓRIO que eventuais juros de moras sejam fixados em consonância com o

art. 1º-F da Lei nº. 9.494/97. Pede o provimento.

Embora os recorridos tenham sido devidamente notificados, apenas

a primeira demandada apresentou contrarrazões recursais (ID

50821d6).

Parecer do Ministério Público do Trabalho, mediante o ID e550cce,

opinando pelo não conhecimento da remessa necessária e não

Vistos etc. provimento do apelo.

Recurso ordinário interposto pelo INSTITUTO NACIONAL DE Necessária a conversão do feito em diligência com o fito de adequar

COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA em face da sentença a classe processual, fazendo-se autuar a remessa necessária, na

proferida pelo MM. Juízo da Vara Única do Trabalho do Garanhuns, forma da determinação contida no despacho de ID e6f08d9.

de ID 02d80a0, que julgou parcialmente procedentes os pleitos

formulados na reclamação trabalhista ajuizada por JOSIVALDO É o relatório.

ALVES SANTOS em face da AGEMTE - ASSESSORIA DE

GRUPO ESPECIALIZADA MULTIDISCIPLINAR EM

TECNOLOGIA E EXTENSÃO e do recorrente.

Recurso ordinário interposto pelo INCRA, mediante ID 67c43f1.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 13
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Consoante relatado, o segundo reclamado recorre da sentença de

mérito com o fito de ver afastada a responsabilidade solidária que

lhe foi imposta, entendendo incabível inclusive a subsidiária.

Com razão.

FUNDAMENTAÇÃO O ente recorrente é uma pessoa jurídica de direito público interno

que corresponde à Administração Pública Federal. Atribuir-lhe

responsabilidade pelo pagamento do crédito trabalhista reconhecido

ao autor é medida que encontra óbice no Estatuto das Licitações e

Contratos - Lei nº 8.666/93 - que em seu art. 71, §1º, dispõe:

A inadimplência do contratado com referência aos encargos

trabalhistas, fiscais e comerciais não transfere à Administração

Pública a responsabilidade por seu pagamento, nem poderá onerar

Considerando a identidade de matérias, passo a apreciar o recurso o objeto do contrato ou restringir a regularização e o uso das obras

voluntário e a remessa necessária conjuntamente, tudo em e edificações, inclusive perante o Registro de Imóveis.

homenagem ao princípio da celeridade e economia processual

É certo que durante longo período, o C. TST, com o intuito de

assegurar o adimplemento de créditos alimentares, admitia a

possibilidade de se responsabilizar a Administração Pública quando

frustrada a obrigação da prestadora de serviços contratada.

Sustentava a Corte superior que a vedação da Lei nº 8.666/93 só

encontrava aplicação quando o ente público agia "dentro das regras

e procedimentos normais de desenvolvimento de suas atividades" e

quando a pessoa da administração contratada pautava-se "nos

estritos limites padrões da normatividade pertinente".

No entanto, a partir do julgamento da ADC nº 16 pelo Supremo

Tribunal Federal, a perspectiva da Corte Superior inverteu-se: não

pode mais haver responsabilização do ente estatal pelo mero

inadimplemento, mas apenas quando suficientemente demonstrada

a ocorrência da culpa. Essa, aliás, é a nova redação do item V da

Súmula nº 331.

"Os entes integrantes da Administração Pública direta e indireta

respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV,

Da responsabilidade da Administração Pública caso evidenciada a sua conduta culposa no cumprimento das

obrigações da Lei n.º 8.666, de 21.06.1993, especialmente na

fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da

prestadora de serviço como empregadora. A aludida

responsabilidade não decorre de mero inadimplemento das

obrigações trabalhistas assumidas pela empresa regularmente

contratada".

Ajustou-se a jurisprudência do TST à interpretação definitiva que

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 14
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

deu o C. STF aos dispositivos da Lei 8.666/93 ao chancelar a sua vigilância na execução contratual. Ressalte-se, que o órgão

compatibilidade com a Constituição Federal. reclamado inclusive envidou esforços para promover o pagamento

diretamente aos funcionários da primeira ré, a fim de evitar maiores

Aliado a isso, consoante o IUJ nº 000362-87.2015.5.06.0000 deste prejuízos. Vejamos.

Regional, transitado em julgado em 17/11/16, ficou sedimentado o

entendimento de que apenas é possível reconhecer a O contrato foi firmado em 07/07/2014, com a homologação de

responsabilidade subsidiária da Administração Pública direta e Chamada Pública nº. 01/2014, em consonância com processo de

indireta pelas obrigações trabalhistas não cumpridas por empresa dispensa de licitação, na forma prevista no inciso XXX do art. 24 da

prestadora de serviços, quando evidenciado culpa in eligendo e/ou Lei nº. 8.666/93 e diversos outros dispositivos legais, conforme se

in vigilando do ente público o que, no caso, como visto em linhas verifica no referido contrato.

anteriores, não restou comprovado. Vejamos o teor da sua ementa:

O Ofício do INCRA nº. 555/2016, constante no ID 0437595,

INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA. comprova a tese da autarquia de que parou de pagar à primeira

TERCEIRIZAÇÃO. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA. ENTE reclamada, a partir de outubro/2015, visto que a empresa reclamada

PÚBLICO. CULPA "IN ELIGENDO" e/ou CULPA "IN VIGILANDO" deixou de apresentar os seguintes comprovantes: declaração de

CARACTERIZADA (S). SÚMULA 331, V, DO TST.Os Entes da isenção de impostos e contribuições, comprovantes de pagamento

Administração Pública Direta e Indireta respondem subsidiariamente dos profissionais, certidões negativas municipais e estaduais,

pelo inadimplemento das obrigações trabalhistas ocorridas no certidão de regularidade do FGTS e receita federal, guias

contrato de terceirização de serviços, caso evidenciada a culpa in GPS/GFIP e DAM com data de vencimento válida.

eligendo e/ou in vigilando no cumprimento das obrigações, sendo

encargo da Administração Pública a prova do comportamento de Verifico que a suspensão do pagamento pela ausência de

conformidade com a Constituição da República e a legislação comprovação do pagamento dos salários dos empregados e do

infraconstitucional. A solidariedade social, um dos objetivos recolhimento das contribuições sociais (FGTS e Previdência Social)

fundamentais da Constituição da República impõe a encontra-se albergada na cláusula 12ª do contrato firmado.

responsabilidade subsidiária da Administração Pública (tomadora de

serviços) exigindo que realize processo de licitação, na forma da Dessa forma, constato que as dispensas ocorreram em razão da

legislação ordinária, e a indispensável vigilância sobre o inadimplência contratual da tomadora, ora recorrente, que não

cumprimento das obrigações trabalhistas dos empregados da repassou as verbas contratuais, ocasionando um dano coletivo.

contratada no curso e ao término da relação de emprego desses

trabalhadores. É sempre importante lembrar que o trabalho atende Destaco que, na verificação da existência de culpa in vigilando, se

à dignidade do homem e representa um elemento de coesão social, faz necessário homenagear uma solução que respeite o princípio da

na medida em que afasta a violência, a pobreza, a miséria, a aptidão para a prova, em face do qual o encargo de elucidar a

insatisfação na sociedade. (Relatora: Desembargadora Eneida Melo controvérsia deve ser atribuído à parte que tenha melhores

Correia de Araújo, Data de Julgamento: 26/04/2016, Tribunal Pleno, condições para tanto.

Data de Publicação: DEJT 10/06/2016).

Tal entendimento decorre da intelecção do art. 818, da

Feito tal esclarecimento, data vênia do posicionamento a quo, Consolidação das Leis do Trabalho, que, colhendo a realidade e

verifico que o INCRA se desincumbiu do ônus probatório que lhe trazendo-a para o processo, procurou conferir justiça e equilíbrio ao

cabia. princípio da distribuição do ônus da prova.

Consta no feito o contrato celebrado entre as reclamadas (ID Na hipótese, tenho que o tomador dos serviços se desvencilhou a

4dff051), com observância da Lei 8.666/93. Há, também, contento desse mister.

documentos pertinentes a todo o procedimento de rescisão

contratual antecipada decorrente do não cumprimento, pela Neste caso, o INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E

prestadora, das cláusulas avençadas, demonstrando a adoção de REFORMA AGRÁRIA- INCRA comprovou nos autos haver exercido

atos por parte da Administração Pública que revelam a sua efetiva fiscalização, atuando diretamente para que a Prestadora de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 15
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Serviços cumprisse as suas obrigações contratuais para com os

seus Empregados, como se pode conferir, por exemplo, nos

documentos, notadamente os pagamentos realizados após consulta

ao SICAF, Simples Nacional e Certidão Negativa Trabalhista.

Não há como se cogitar, portanto, em culpa in vigilando e, muito

menos, de culpa in eligendo. Neste caso, presumem-se cumpridas

as diligências administrativas cabíveis para contratação da Conclusão

reclamada por meio de regular processo licitatório, não havendo

elementos ou mínimo indício nestes autos de irregularidade.

Sendo assim, dou provimento ao recurso do Instituto Nacional de

Colonização e Reforma Agrária, bem como a remessa necessária,

para julgar improcedente o pedido de sua condenação de qualquer

responsabilidade formulado pelo reclamante, tudo em conformidade

com a Lei nº 8.666/93 (art. 71, §1º); com a decisão proferida pelo

STF, intérprete legítimo da Constituição, no julgamento da ADC nº Ante ao exposto, dou provimento ao recurso do Instituto Nacional de

16; com a Súmula nº 331, V, do TST; e com o novel entendimento Colonização e Reforma Agrária e à remessa necessária para julgar

desta corte declarado em sede de incidente de uniformização. improcedente a reclamatória, excluindo-o da lide. Mantenho

inalterado o valor arbitrado à condenação, eis que não houve

Prejudicada a apreciação dos demais pedidos recursais. modificação no tocante ao quantum condenatório, que, in casu,

passa a ser devido apenas pela reclamada remanescente. Tudo,

nos termos da fundamentação.

Considerações finais

Acrescento, enfim, que os motivos expostos na presente

fundamentação não violam nenhum dos dispositivos da Constituição

Federal, tampouco preceitos legais, sendo desnecessária a menção

expressa a cada um deles, a teor do disposto na OJ nº. 118 da

SBDI-1 do C. TST. ACORDAM os Desembargadores da 3ª Turma do Tribunal Regional

do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, dar provimento ao

recurso do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária e à

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 16
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

remessa necessária para julgar improcedente a reclamatória,

excluindo-o da lide. Mantém-se inalterado o valor arbitrado à

condenação, eis que não houve modificação no tocante ao quantum Cláudia Christina A. Corrêa de O. Andrade

condenatório, que, in casu, passa a ser devido apenas pela

reclamada remanescente. Tudo, nos termos da fundamentação. Secretária da 3ª Turma

RUY SALATHIEL DE ALBUQUERQUE E MELLO VENTURA

Desembargador Relator

MDL

Acórdão
Processo Nº RO-0000011-83.2017.5.06.0311
Relator FABIO ANDRE DE FARIAS
RECORRENTE CARLOS ALEXANDRE DA SILVA
ADVOGADO JESSICA CAROLINA GONCALVES
DIAS(OAB: 37219/PE)
ADVOGADO RAFAEL PYRRHO CORREIA DE
MELO(OAB: 35791/PE)
CERTIDÃO DE JULGAMENTO RECORRENTE NORSA REFRIGERANTES S.A
ADVOGADO ANTONIO HENRIQUE
NEUENSCHWANDER(OAB:
11839/PE)
ADVOGADO PETERSON CAPUCHO
PARPINELLI(OAB: 18614/PE)
Certifico que, em sessão ordinária realizada em 19 de março de RECORRIDO CARLOS ALEXANDRE DA SILVA
ADVOGADO JESSICA CAROLINA GONCALVES
2018, na sala de sessões das Turmas, sob a presidência do Exmo. DIAS(OAB: 37219/PE)
Sr. Desembargador RUY SALATHIEL DE ALBUQUERQUE E ADVOGADO RAFAEL PYRRHO CORREIA DE
MELO(OAB: 35791/PE)
MELLO VENTURA (Relator), com a presença do Ministério Público RECORRIDO NORSA REFRIGERANTES S.A
do Trabalho da 6ª Região, representado pela Exma. Sra. ADVOGADO ANTONIO HENRIQUE
NEUENSCHWANDER(OAB:
Procuradora, Dra. Maria Ângela Lobo Gomes, e das Exmas. Sras. 11839/PE)
ADVOGADO PETERSON CAPUCHO
Desembargadoras Maria Clara Saboya Albuquerque Bernardino e PARPINELLI(OAB: 18614/PE)
Maria das Graças de Arruda França, resolveu a 3ª Turma do RECORRIDO UNIÃO FEDERAL (PGF)
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
Tribunal, por unanimidade, dar provimento ao recurso do Instituto TRABALHO
Nacional de Colonização e Reforma Agrária e à remessa necessária
Intimado(s)/Citado(s):
para julgar improcedente a reclamatória, excluindo-o da lide.
- CARLOS ALEXANDRE DA SILVA
Mantém-se inalterado o valor arbitrado à condenação, eis que não - NORSA REFRIGERANTES S.A
houve modificação no tocante ao quantum condenatório, que, in

casu, passa a ser devido apenas pela reclamada remanescente.

Tudo, nos termos da fundamentação.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 17
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

violação ao intervalo interjornada, indenização pela ausência de


PODER
fornecimento de refeição, danos morais por transporte de numerário
JUDICIÁRIO
(com tese sucessiva de redução do valor fixado), honorários
Identificação advocatícios e multa convencional. Pede deferimento.
PROCESSO Nº TRT - 0000011-83.2017.5.06.0311 (RO). O reclamante, por sua vez, nas razões de fls. 1222/1237, não se
ÓRGÃO JULGADOR : SEGUNDA TURMA. conforma com o indeferimento do pedido de horas extras, inclusive
RELATOR : DESEMBARGADOR FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS as decorrentes da supressão do intervalo intrajornada, dano
RECORRENTES : NORSA REFRIGERANTES LTDA., CARLOS existencial, adicional de periculosidade com reflexos, dano moral
ALEXANDRE DA SILVA. E UNIAO FEDERAL por desempenhar atividade de risco, e honorários advocatícios.
RECORRIDOS : OS MESMOS. Pede deferimento.
ADVOGADOS : ANTÔNIO HENRIQUE NEUENSCHWANDER, Em seu arrazoado de fls. 1288/1293, a União requer o provimento
PETERSON CAPUCHO PARPINELLI, JESSICA CAROLINA do apelo para determinar o recolhimento da contribuição
GONCALVES DIAS, RAFAEL PYRRHO CORREIA DE MELO previdenciária com incidência de juros e multa pelo regime de
PROCEDÊNCIA : 1ª VARA DO TRABALHO DE CARUARU (PE). competência, nos termos da legislação previdenciária (art. 43, §§2º
EMENTA e 3º, da Lei n. 8.212/1991).
RECURSO ORDINÁRIO OBREIRO. HORAS EXTRAS. CARTÃO Contrarrazões pela reclamada às fls. 1243/1283 e 1299/1308.
DE PONTO BIOMÉTRICO. EMISSÃO DE COMPROVANTES.A Parecer do Ministério Público do Trabalho às fls. 1311/1316.
prova hábil a fazer prevalecer a alegação de adulteração dos É o relatório.
horários no sistema de ponto biométrico seria, precisamente, os VOTO
comprovantes emitidos pela máquina, a cada jornada. Apenas um PRELIMINARES
deles bastaria para que se pudesse realizar um cotejo com os Da preliminar de não conhecimento do recurso ordinário da
registros exibidos pela empresa e constatar a eventual ocorrência UNIÃO, por intempestividade, suscitada de ofício por este
de adulterações indevidas, mas tal documento não veio aos autos, relator.
evidenciando a fragilidade da prova deponencial, que perde força Entendo que o recurso ordinário da União não merece ser
diante da prova documental robusta. Somado a isso, tem-se as conhecido, porquanto intempestivo.
declarações das testemunhas das provas emprestadas autorizadas Vejamos.
que fazem referência à emissão de comprovante pelo sistema de A União tomou ciência da sentença, via sistema, em 23/03/2018.
ponto adotado pela empresa, bem como de que havia registro de Por conseguinte, a contagem do prazo para interposição do recurso
horário na entrada e na saída. O reclamante, então, não se teve início em 26/03/2018, findando o prazo em 19/04/2018, tendo
desincumbiu do ônus processual de invalidar os registros de em vista o feriado da semana santa nos dias 28 a 30/03/2018.
freqüência. Recurso ordinário não provido, no aspecto. Ocorre que a União somente apresenta recurso ordinário em
RELATÓRIO 11/05/2018, extrapolando o prazo recursal, resultando na
Vistos, etc. intempestividade do apelo.
Trata-se de recursos ordinários interpostos pela empresa NORSA Cabe registrar que as intimações/citações nos processos
REFRIGENRANTES LTDA. - atual denominação da empresa eletrônicos não necessitam de expedições de mandados físicos,
REFRESCOS GUARARAPES LTDA., CARLOS ALEXANDRE DA sendo considerada pessoal sua notificação via sistema.
SILVA E UNIÃO FEDERAL, contra a sentença proferida pelo MM Com estas considerações, preliminarmente e de ofício, não conheço
Juízo da 1ª VARA DO TRABALHO DE CARUARU (PE), que julgou do recurso ordinário por intempestividade.
PARCIALMENTE PROCEDENTES os pedidos formulados na Da preliminar de não conhecimento do apelo da reclamada,
reclamação trabalhista ajuizada pelo segundo recorrente em face da quanto ao tópico "inexistência de descumprimento de norma
primeira, nos termos da fundamentação documentada às fls. coletiva", por ausência de interesse jurídico-processual.
1143/1155. Atuação de ofício.
Embargos de declaração opostos pela reclamada, os quais foram Preliminarmente e atuando "ex officio", não conheço do recurso
acolhidos, nos termos da decisão de fls. 1179/1180. ordinário da reclamada, por ausência de interesse jurídico-
Nas razões documentadas às fls. 1184/1217, a reclamada não se processual, quanto ao pleito de exclusão da multa estipulada em
conforma com a sua condenação ao pagamento de horas extras por convenção coletiva, uma vez que não foi sucumbente quanto a essa

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 18
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

matéria, tendo o magistrado de origem assim se manifestado: A reclamada aduz que não há prova nos autos quanto ao labor

"Portanto, sendo a multa em tela estabelecida em favor do sindicato extraordinário e pede a exclusão da condenação em horas por

obreiro, indefiro o pleito formulado pelo autor para pagamento de suposta violação ao intervalo interjornada.

multa." O reclamante, por sua vez, não se conforma com o indeferimento

do pedido de horas extras, aduzindo que o Juízo a quo levou em

Da preliminar de não conhecimento do recurso obreiro por consideração provas documentais, facilmente manipuláveis pela ré

ofensa ao princípio da dialeticidade, suscitada pela reclamada e apenas parte do depoimento testemunhal, deixando de considerar

em sede de contrarrazões a parte relevante relativa à ausência de registros da real jornada.

Em sede de contrarrazões, a reclamada suscita preliminar de não Assim, pelo princípio da primazia da realidade, pede a condenação

conhecimento do recurso ordinário obreiro, por violação do princípio da reclamada ao pagamento de horas extraordinárias e respectivos

da dialeticidade. Sustenta que o reclamante não faz impugnação reflexos. Sucessivamente, requer que sejam deferidas as diferenças

específica sobre os pontos mencionados na sentença, limitando-se de horas extras com base nos registros, uma vez que existem horas

a uma fundamentação genérica. extras registradas que não foram quitadas.

Sem razão. Quanto ao intervalo, aduz que também não gozava integralmente

A pretensão do obreiro direciona-se a aspectos surgidos quando da do intervalo, em razão do volume das entregas e da cobrança

prolação da sentença, atacando a fundamentação ali exposta. excessiva da recorrida.

Ademais, com a nova redação da Súmula 422 o não conhecimento O juízo de primeiro grau concluiu pela validade dos espelhos de

de recurso por ausência de dialeticidade teve seu espectro ponto e deferiu apenas o intervalo interjornada:

sensivelmente reduzido, vejamos: "Sustenta o autor que começou a laborar para a reclamada em 14

"Súmula nº 422 do TST de agosto de 2012, para exercer a função de ajudante de entregas,

RECURSO. FUNDAMENTO AUSENTE OU DEFICIENTE. NÃO e foi dispensado, sem justa causa, em 10/03/2016, tendo percebido

CONHECIMENTO (redação alterada, com inserção dos itens I, II como último salário o valor de R$ 1.064,00. Diz que sua jornada se

e III) - Res. 199/2015, DEJT divulgado em 24, 25 e 26.06.2015. iniciava às 06h45, laborando até 20h, de segunda a sábado, com

Com errata publicado no DEJT divulgado em 01.07.2015 intervalo para almoço de 20/30 minutos, sem o recebimento das

I - Não se conhece de recurso para o Tribunal Superior do horas extras laboradas ou compensação da jornada alongada.

Trabalhose as razões do recorrente não impugnam os fundamentos Afirma, ainda, que sua jornada sempre era estendida até às 24h,

da decisão recorrida, nos termos em que proferida. em épocas festivas, como Carnaval, São João, Natal e Ano Novo.

II - O entendimento referido no item anterior não se aplica em Sustenta, ainda, que o horário de trabalho bastante alongado o

relação à motivação secundária e impertinente, consubstanciada impedia de usufruir o mínimo de 11 horas do intervalo interjornada.

em despacho de admissibilidade de recurso ou em decisão A demandada, por sua vez, sustenta a regularidade das anotações

monocrática. nos cartões de ponto, afirmando que o obreiro sempre laborou em

III - Inaplicável a exigência do item I relativamente ao recurso regime de 44 horas semanais, com folga semanal aos domingos e

ordinário da competência de Tribunal Regional do Trabalho, exceto uma hora de intervalo intrajornada, com jornada das 7h30 às 15h50.

em caso de recurso cuja motivação é inteiramente dissociada dos Diz que todas as horas extras foram anotadas e pagas, mediante

fundamentos da sentença. (sublinhamos) registro em cartão de ponto. Sustenta que, a partir de maio de 2013,

Sendo assim, tenho por presente a contrariedade aos fundamentos passou a registrar a sua jornada de trabalho no Sistema de Registro

da decisão vergastada, razão pela qual não merece acolhimento a Eletrônico de Ponto - SREP, de modo que sempre que o autor

preliminar suscitada. registrava sua entrada ou saída, a máquina de ponto emitia

comprovante, demonstrando que todo o registro é feito de forma

Conclusão das preliminares correta, não havendo trabalho em domingos e feriados. Tratando a

MÉRITO controvérsia em tela da jornada de trabalho, cabia à reclamada a

Recurso da parte apresentação dos controles de jornada, a teor do disposto no § 2º,

Em razão da existência de matérias comuns a ambos os recursos, do art. 74, da CLT, os quais foram integralmente colacionados aos

passo a apreciar os apelos em conjunto, e não necessariamente de autos, tendo o autor impugnado. Ao impugnar os controles de

forma sequenciada. frequência, o reclamante atraiu para si o ônus de provar que os

Dos pleitos relativos à jornada de trabalho. (análise conjunta) horários dispostos nos referidos documentos não correspondem à

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 19
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

realidade, a teor do disposto no art. 818, da CLT, c/c art. 373, do no relógio de ponto; que, porém, os horários registrados pelo

CPC. depoente não correspondiam ao espelho de ponto mensal que era

Quanto ao intervalo intrajornada, cabia ao autor demonstrar a não enviado para que o depoente assinasse; que já reclamou no RH

fruição do intervalo mínimo. É que o art. 74, § 2º, da CLT, apenas sobre a divergência, mas não houve correção; que a partir de 2011

estabelece a obrigação da jornada de trabalho quanto ao início e começava a trabalhar às 06h, retornando por volta das 18h30/19h,

final, inexistindo determinação para registro diário do intervalo já largando nesse horário, isso nos 2/3 primeiros meses; que depois

intrajornada, que pode ser pré-assinado, sendo inaplicável a do depoente largar, o reclamante permanecia por mais 40/50

inversão do ônus da prova estabelecida na Súmula 338, I, do C. minutos porque teria que conferir o veículo, numerário e prestar

TST. Extrai-se da prova emprestada e prova oral produzida: "(...) conta; que mesmo nesse período de 2 a 3 meses a partir de 2011, 1

que a orientação da demandada é para que os empregados a 2 vezes por semana largava depois das 19h30min até 21:30/22h,

usufruam uma hora de intervalo intrajornada, mas o depoente não que trabalhavam de segunda a sábado, com folga somente aos

sabe dizer se efetivamente houve a fruição de tal intervalo; que a domingos; que era comum que o supervisor pedisse ao motorista

partir de 2011, o registro da jornada dos empregados passou a ser para registrar a saída antes de largar efetivamente; que depois

feito de forma biométrica, mediante expedição de recibo; que não desses primeiros 2/3 meses a partir de 2011, o horário de início

sabe onde o reclamante trabalhava, razão pela qual não sabe permaneceu o mesmo, porém o horário de saída ficou por volta

informar se lhe era emitido recibo; que apenas na sede da 21:30/22h; que só tiravam um intervalo de 30/40 minutos para o

reclamada era emitido recibo; que os espelhos de ponto são almoço; que antes de 2011 a jornada era das 6h, sendo que a saída

entregues aos motoristas e ajudantes para assinatura durante a passava das 22h, com intervalo de 30/40 minutos; que a

própria rota; que o horário de intervalo 'é livre', não sofrendo determinação da empresa era que o horário fosse de 30/40 minutos,

ingerência da reclamada; que todos os motoristas e ajudantes que a fim de que dessem conta das entregas (...)" - TIAGO JOSÉ

trabalham na sede registram o encerramento de suas jornadas no ALVES Observa-se, portanto, divergência quanto às afirmativas das

encerramento das mesmas; que não sabe se o mesmo ocorre para testemunhas do reclamante, pois Ednaldo Cândido diz que havia a

quem trabalha na sede; que não sabe em que local o reclamante orientação da empresa para a fruição de uma hora de intervalo

atuava; (...)"- HENRIQUE CESAR DUQUE DA COSTA "(...) que até intrajornada e a jornada disposta no recibo estava em dissonância

2013 a máquina não liberava comprovante; que a partir de 2013, o com o relógio, enquanto a testemunha Tiago José mencionou que a

relógio de ponto liberava o comprovante, porém o horário do determinação da ré era para que o horário de intervalo intrajornada

comprovante era menor do que o que havia no relógio; que havia fosse de 30/40 minutos e que o horário registrado no comprovante

reclamações, mas nada era feito; que trabalhava no mesmo horário estava de acordo com o relógio de ponto.

do reclamante; que a partir de 2011 começava a trabalhar às 07h15, Assim, diante da fragilidade dos depoimentos das testemunhas,

retornando por volta das 18h30, isso nos 03 primeiros meses, entendo que o reclamante não conseguiu se desvencilhar do ônus

porque depois passaram a retornar às 19h, cerca de 1 a 2 dias por da prova quanto à alegação de que os horários registrados nos

semana e nos demais dias retornava às 21/21h30/22h, de segunda cartões de ponto não correspondem à realidade, bem como que não

a sábado, com folga somente aos domingos; que após retornar à gozava do intervalo intrajornada de uma hora. Passando para a

empresa, passava cerca de 40 minutos a 1 hora para fazer análise dos cartões de ponto em confronto com as fichas financeiras

conferência do carro, abrir o cofre, pegar o dinheiro e prestar do empregado, extrai-se que as horas extras foram integralmente

contas; que de 2 a 3 vezes por semana o supervisor pedia para quitadas, não sendo devidos hora extra e intervalo intrajornada. Em

registrar a saída antes de fazer esse procedimento de conferência; relação ao intervalo interjornada, observo nos espelhos de ponto

que de 2 a 3 vezes por semana o comprovante emitido pelo relógio que, em algumas oportunidades, não foi respeitado o tempo mínimo

de ponto vinha com o horário correto; que só tiravam um intervalo de 11 horas, a exemplo dos dias 29/04/2015 e 28/02/2014. Desse

de 30 minutos para o almoço; que antes de 2011 a jornada era das modo, julgo procedente o pedido de pagamento, como extra, das

6h às 21/21:30/22h, com intervalo de 10 a 20 minutos; que a horas reduzidas do intervalo interjornada (OJ nº 355 da SDI-1 do C.

determinação da empresa era de que o intervalo seria de 1 hora, TST). Para fins de cálculo do intervalo interjornada, deverá ser

mas na prática não dava tempo; (...)" - EDNALDO CANDIDO considerado que em relação ao salário fixo é devido o pagamento

ALVES "(...) que até 2013 a máquina não liberava comprovante; que das horas acrescidas do adicional e em relação ao salário variável

a partir de 2013, o relógio de ponto liberava o comprovante; que o (prêmios) apenas o adicional, pois o autor era comissionista misto,

horário do comprovante emitido correspondia ao horário constante com adicional de 70%. Como não havia habitualidade, improcede o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 20
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

pedido de reflexos." não sendo permitida qualquer ação que desvirtue os fins legais a

Pois bem. que se destina, tais como:

Inicialmente no tocante à validade do sistema de ponto adotado I - restrições de horário à marcação do ponto;

pela empresa, analisando os autos, verifico que os cartões de ponto II - marcação automática do ponto, utilizando-se horários

colacionados (fls.695/736) apresentam horários variáveis, com a predeterminados ou o horário contratual;

consignação de folga e horários extraordinário. Compondo também III - exigência, por parte do sistema, de autorização prévia para

o acervo as fichas financeiras, as quais consignam a rubrica horas marcação de sobrejornada; e

extras (fls.760/779). IV - existência de qualquer dispositivo que permita a alteração dos

Com efeito, dada a segurança do sistema biométrico e as variações dados registrados pelo empregado.

de horários encontradas, entendo que o ônus da prova da Art. 10. O REP deverá atender aos seguintes requisitos:

invalidade dos registros recai sobre o reclamante. I - não permitir alterações ou apagamento dos dados armazenados

Por sua vez, a prova hábil a fazer prevalecer a alegação de na Memória de Registro de Ponto;

adulteração dos horários no sistema de ponto biométrico seria, II - ser inviolável de forma a atender aos requisitos do art. 2º;

precisamente, os comprovantes emitidos pela máquina, a cada III - não possuir funcionalidades que permitam restringir as

jornada. Apenas um deles bastaria para que se pudesse realizar um marcações de ponto;

cotejo com os registros exibidos pela empresa e constatar a IV - não possuir funcionalidades que permitam registros automáticos

eventual ocorrência de adulterações indevidas, mas tal documento de ponto; e

não veio aos autos, evidenciando a fragilidade da prova V - possuir identificação do REP gravada de forma indelével na sua

deponencial, que perde força diante da prova documental robusta. estrutura externa, contendo CNPJ e nome do fabricante, marca,

Somado a isso, tem-se as declarações das testemunhas das provas modelo e número de fabricação do REP.

emprestadas autorizadas que fazem referência à emissão de Parágrafo único. O número de fabricação do REP é o número

comprovante pelo sistema de ponto adotado pela empresa: exclusivo de cada equipamento e consistirá na junção seqüencial do

O Sr. EDNALDO CANDIDO ALVES, cujo depoimento foi colhido número de cadastro do fabricante no MTE, número de registro do

como prova emprestada pelo reclamante, nos autos do processo de modelo no MTE e número série único do equipamento.

nº 0001491-27.2016.5.06.0313, asseverou "que a partir de 2011, a Art. 11. Comprovante de Registro de Ponto do Trabalhador é um

reclamada passou a adotar o ponto eletrônico; que até 2013 a documento impresso para o empregado acompanhar, a cada

máquina não liberava comprovante; que a partir de 2013, o relógio marcação, o controle de sua jornada de trabalho, contendo as

de ponto liberava o comprovante." (fl.1138). seguintes informações:

O Sr. TIAGO JOSÉ ALVES, declarou que "a partir de 2011, a I - cabeçalho contendo o título 'Comprovante de Registro de Ponto

reclamada passou a adotar o ponto eletrônico; que até 2013 a do Trabalhador';

máquina não liberava comprovante; que a partir de 2013, o relógio II - identificação do empregador contendo nome, CNPJ/CPF e CEI,

de ponto liberava o comprovante; que o horário do comprovante caso exista;

emitido correspondia ao horário constante no relógio de ponto". III - local da prestação do serviço;

(fls.1139) IV - número de fabricação do REP;

O depoimento da testemunha da reclamada, HENRIQUE CESAR V - identificação do trabalhador contendo nome e número do PIS;

DUQUE DA COSTA, também faz referencia ao sistema de ponto, VI - data e horário do respectivo registro; e

afirmando que "a partir de 2011, o registro da jornada dos VII - NSR.

empregados passou a ser feito de forma biométrica, mediante § 1o A impressão deverá ser feita em cor contrastante com o papel,

expedição de recibo". em caracteres legíveis com a densidade horizontal máxima de oito

Contudo, nenhum comprovante foi juntado pelo autor, de modo a caracteres por centímetro e o caractere não poderá ter altura inferior

permitir o confronto, donde resulta inviável afastar a presunção de a três milímetros. (redação dada pela Portaria 2233, de 17/11/2009)

inviolabilidade do sistema nos termos da Portaria nº. 1.510/2009 do § 2º O empregador deverá disponibilizar meios para a emissão

MTE, que disciplina o registro eletrônico de ponto e a utilização do obrigatória do Comprovante de Registro de Ponto do Trabalhador

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP. no momento de qualquer marcação de ponto."

Por oportuno, transcrevo alguns artigos do diploma em comento: Não bastasse isso, friso que, embora o autor insista que tenha

"Art. 2º. O SREP deve registrar fielmente as marcações efetuadas, comprovado a fragilidade dos registros, há flagrante contradição

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 21
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

entre os depoimentos colhidos, de modo que se instala uma semanal de 24 horas, com prejuízo do intervalo mínimo de 11 horas

situação de dúvida, a qual, no meu sentir, não permitiria concluir consecutivas para descanso entre jornadas, devem ser

que quem detinha o ônus (o autor) se desincumbiu remuneradas como extraordinárias, inclusive com o respectivo

satisfatoriamente. adicional."

Ademais, saliento que o simples fato de haver a possibilidade de "INTERVALO INTERJORNADAS. INOBSERVÂNCIA. HORAS

correções não permite concluir que a empresa utilizava disso para EXTRAS. PERÍODO PAGO COMO SOBREJORNADA. ART. 66 DA

manipular a jornada dos empregados. Reitero que não há prova CLT. APLICAÇÃO ANALÓGICA DO § 4º DO ART. 71 DA CLT (DJ

robusta nesse sentido. 14.03.2008) O desrespeito ao intervalo mínimo interjornadas

Logo, à míngua de provas robustas em sentido contrário, tenho previsto no art. 66 da CLT acarreta, por analogia, os mesmos

como não desconstituída a veracidade dos cartões de ponto. Por efeitos previstos no § 4º do art. 71 da CLT e na Súmula nº 110 do

oportuno, saliento que os cartões de ponto detém a devida TST, devendo-se pagar a integralidade das horas que forem

assinatura do reclamante, e ainda que não houvesse, tranquila a subtraídas do intervalo, acrescidas do respectivo adicional."

jurisprudência do C. TST no sentido de que isso não enseja vício Mantenho o julgado, no particular.

apto a desconstituí-lo. Ante o exposto, nego provimento a ambos os recursos.

Assim, reputo corretos os horários contidos nos registros de ponto, Do dano moral - transportes de valores. Do quantum

razão pela qual mantenho a sentença nesse aspecto. indenizatório (análise conjunta)

Também não deve prosperar o pedido de pagamento das Insurge-se a reclamada contra a condenação ao pagamento de

diferenças das horas extras, umas vez que as fichas financeiras indenização por dano moral decorrente do suposto transporte de

comprovam o pagamentos das horas extras e o reclamante não valores e, sucessivamente, pretende a redução do quantum

apontou tais diferenças. indenizatório.

No mesmo sentir quanto ao intervalo intrajornada, vez que competia De outra parte, o reclamante não se conforma com o valor da

ao próprio empregado decidir o melhor horário para pausa, sem que indenização por dano moral arbitrada pelo juízo de primeiro grau.

houvesse a ingerência da empresa no aspecto. Sustenta que transportava grandes quantias de valores sem o

A despeito, verifico o depoimento do Sr. HENRIQUE CESAR devido treinamento. Narra aspectos relacionados ao risco suportado

DUQUE DA COSTA, o qual asseverou que "que o horário de e a sua rotina de trabalho, cita jurisprudência, e pede a majoração

intervalo 'é livre', não sofrendo ingerência da reclamada." (fl.1141) da indenização para o valor de R$280.000,00.

Ademais, observo que nos cartões de ponto constam a pré- O magistrado sentenciante entendeu configurado o dano moral, vez

assinalação do intervalo de 1hora, assim o ônus de demonstrar a que a empresa exigiu de trabalhadores não treinados o exercício de

concessão parcial do intervalo é do reclamante e desse ônus não se atividade que gera substancial risco, o transporte de valores.

desincumbiu a contento, diante da situação de dúvida instalada. Condenou a reclamada no pagamento de indenização ao

Pois, embora a testemunha do reclamante tenha informado que o reclamante no importe de R$ 10.000,00.

intervalo não eram cumpridos, a da reclamada afirmam que o Pois bem, ao postular o pagamento de indenização por dano moral,

intervalo era de 1 hora. o autor assume o ônus probatório relativo à prática de ato ilícito por

No que concerne ao intervalo interjornada, observa-se que nem parte do empregador, além do dano suportado e do respectivo nexo

sempre era cumprido integralmente o intervalo interjornada, causal entre esses elementos. E, no caso dos autos, verifica-se que

conforme aponta o juízo a quo, portanto, não havendo o gozo o conjunto probatório demonstra cabalmente a ocorrência de ato

integral das 11 horas de descanso entre duas jornadas de trabalho, ilícito do empregador passível de reparação.

nos termos do art. 66 Consolidado, é devido o pagamento, como Em princípio há de se firmar que o reclamante era ajudante de

extraordinárias, das horas subtraídas do mencionado intervalo. entregas de bebidas e que a reclamada é pessoa jurídica ligada a

Afastando a consideração de que a infração é de ordem meramente tal atividade. Também é inegável que a reclamada impunha que o

administrativa, dadas as repercussões de ordem pessoal, social e reclamante tinha que fazer entregas de bens e receber valores

na saúde do trabalhador, aplico ao caso o entendimento da Corte monetários em troca de tais produtos. O que se há de perguntar é

Superior Trabalhista substanciado na Súmula 110 e na Orientação se existe a real necessidade de que alguém, numa sociedade

Jurisprudencial 355 da SDI-1, ora transcritas, respectivamente: violenta como a nossa, seja obrigada a entregar bebidas em grande

"JORNADA DE TRABALHO. INTERVALO. No regime de quantidade e receber o dinheiro relativo a tais entregas ou se o

revezamento, as horas trabalhadas em seguida ao repouso pagamento poderia ser realizado por outros meios, boleto bancário

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 22
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

por exemplo. Creio que não se afigura razoável a metodologia executados:

utilizada pela reclamada e, saliento, à guisa de contribuir para o I - por empresa especializada contratada; ou

debate que o caso aqui é completamente diferente do caso de II - pelo próprio estabelecimento financeiro, desde que organizado e

cobradores e motoristas de coletivos onde o serviço é remunerado preparado para tal fim, com pessoal próprio, aprovado em curso de

no momento do pagamento. formação de vigilante autorizado pelo Ministério da Justiça e cujo

O depoimento da testemunha, na prova emprestada colacionada sistema de segurança tenha parecer favorável à sua aprovação

aos autos pelo reclamante, processo nº 0001439- emitido pelo Ministério da Justiça.

31.2016.5.06.0313, confirma a prática, pelas empresas de bebidas, Parágrafo único. Nos estabelecimentos financeiros estaduais, o

do transporte de valores pelos Ajudantes de Entrega, pessoal não serviço de vigilância ostensiva poderá ser desempenhado pelas

especializado. Ademais, o depoimento demonstra o risco a assaltos Polícias Militares, a critério do Governo da respectiva Unidade da

a que estão submetidos. Vejamos: Federação.

SR. RENATO MENDES DA SILVA - Testemunha do reclamante:" Art. 4º O transporte de numerário em montante superior a vinte mil

que normalmente os pagamentos feitos pelos clientes são feitos à Ufir, para suprimento ou recolhimento do movimento diário dos

vista, em espécie; que raramente a reclamada aceita cheques e estabelecimentos financeiros, será obrigatoriamente efetuado em

também é muito difícil que os clientes façam pagamento através de veículo especial da própria instituição ou de empresa especializada.

boletos; que tanto os ajudantes de entrega como o motorista podem Art. 5º O transporte de numerário entre sete mil e vinte mil Ufirs

receber os valores de clientes; que o cofre do carro é pequeno e já poderá ser efetuado em veículo comum, com a presença de dois

ocorreu de receberem R$ 23.000,00 de um cliente em Xucuru, vigilantes.

distrito de Belo Jardim, e o numerário não caber no cofre; que esse Com efeito, foge às atribuições de ajudante de entregas, que não é

cliente sempre fazia uma compra grande e sempre pagava em contratado como segurança, com todas as condicionantes que a lei

dinheiro; que já recebeu R$ 300,00 em moedas e não havia espaço exige, fazer o transporte de valores, que exige profissionais

para guardar o numerário; que todos ficavam preocupados com especializados a fim de resguardar não só o patrimônio da empresa,

assaltos e corriam para o veículo para tentar guardar logo o mas a própria integridade física dos que operam nessa função.

dinheiro, quando era possível; que não era da mesma equipe do Pratica ato ilícito a ré ao submeter o reclamante esse tipo de tarefa,

reclamante, mas já trabalhou com ele algumas vezes; que os além de suas responsabilidades e de alto grau de risco, o que, por

problemas relatados são comuns às demais equipes; que já certo, causa abalos psicológicos em face do temor que se instalava

conversaram com os superiores, a fim de que acabasse com a diante da possibilidade de assaltos, e a exposição à situação que

possibilidade de pagamento em espécie, por causa da falta de podia desaguar em risco real de morte ou debilidade física

segurança; que já sofreu um assalto, no qual havia 4 criminosos em permanente.

2 motos, os quais mandaram o depoente e os demais ficarem atrás Nesse sentido:

do caminhão e eles arrombaram o cofre; que o depoente chegou a RECURSO DE REVISTA. DANO MORAL. INDENIZAÇAO.

levar uma coronhada de um dos criminosos; que os criminosos TRANSPORTE DE VALORES. CONFIGURAÇÃO. A conduta do

levaram o dinheiro; que outras equipes já sofreram assaltos, tendo empregador, ao exigir do empregado o transporte de valores,

uma equipe em 1 semana sofrido 3 assaltos; que não recebeu atividade para a qual não fora contratado, com exposição indevida a

treinamento sobre o recebimento de valores; que não havia escolta situação de risco, enseja o pagamento de indenização.

para os veículos. Precedentes. Recurso de revista conhecido e desprovido. (TST -

Ademais, mesmo que a empresa oferecesse alguma escolta, a RR: 14030920125040014, Relator: Alberto Luiz Bresciani de Fontan

ilicitude continuaria presente, uma vez que para o transporte de Pereira, Data de Julgamento: 03/09/2014, 3ª Turma, Data de

valores, a lei exige pessoal especializado, com treinamento Publicação: DEJT 05/09/2014).

adequado, com aprovação em curso de formação de vigilante, para DANO MORAL CARACTERIZADO. TRANSPORTE DE VALORES

o desempenho da referida atividade, o que não condiz com a EFETUADO POR EMPREGADO COMUM. O reclamado poderia

hipótese em análise. utilizar-se de seus próprios empregados para transportar valores,

Nesse passo, o transporte de valores exige habilitação profissional, desde que cumprisse os requisitos das regras previstas no inciso II

de acordo com a disposição contida na Lei nº 7.102/83, conforme do art. 3º da Lei 7.102/83, que permite o transporte de valores

transcrição a seguir: diretamente pela instituição financeira, "desde que o funcionário

Art. 3º A vigilância ostensiva e o transporte de valores serão seja aprovado em curso de formação de vigilante autorizado pelo

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 23
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Ministério da Justiça e cujo sistema de segurança tenha parecer descumprimento apenas acarretaria a incidência de multa em favor

favorável à sua aprovação emitido pelo Ministério da Justiça". Não do sindicato, e não do empregado. Acaso mantida a condenação,

cumprindo o ordenamento legal, resta caracterizado o dano moral pugna pela redução do valor atribuído ao pleito para R$ 6,00 (seis

pelo qual o reclamado deve ser condenado a pagar a indenização reais) por dia.

requerida. (TRT-5 - RecOrd: 00003478320135050011 BA 0000347- Ressalta que o acordo coletivo dispõe o seguinte:

83.2013.5.05.0011, Relator: RENATO MÁRIO BORGES SIMÕES, "CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - REFEIÇÃO DA JORNADA

2ª. TURMA, Data de Publicação: DJ 16/12/2013) EXCEDENTE Será assegurado ao empregado, que no mesmo dia

DIREITO DO TRABALHO. DANO MORAL. CONFIGURADO. Para a exceda a sua jornada de trabalho em 02 (duas) horas diárias, sem

configuração da responsabilidade civil, três fatores devem coexistir, nenhum ônus para o mesmo, refeição compatível com as suas

quais sejam: a prática de ato ilícito; a comprovação induvidosa do necessidades.

dano provocado e o nexo de causalidade entre eles. Na hipótese, o Parágrafo Primeiro - Sempre que o refeitório da empresa estiver

dano moral perpetrado ao reclamante é induvidoso, na medida em aberto, referida refeição deverá ser obrigatoriamente feita naquele

que a prática irregular de imposição de transporte de valores - entre local.

outras - sem o oferecimento de qualquer tipo de segurança, Parágrafo Segundo - Se o refeitório da empresa estiver fechado por

expondo a risco o trabalhador, é suficiente ao deferimento da ocasião da hora, o empregado fará jus a ressarcimento do valor

reparação vindicada. Recurso improvido no aspecto. (TRT-6 - RO: dispendido para realizar a refeição no prazo máximo de 24 (vinte e

44572010506 PE 0000044-57.2010.5.06.0331, Relator: Dinah quatro) horas, mediante apresentação de recibo comprobatório da

Figueirêdo Bernardo, Data de Publicação: 21/07/2011) despesa e limitado a R$ 14,50 (quatorze reais e cinquenta

Relativamente ao valor arbitrado a título de dano moral, registro centavos).

que, embora a Lei 13.467/2017 em seu art. 223-A, venha O magistrado sentenciante julgou procedente o pleito:

apresentar um novo regramento ao instituto do dano moral ou "Assim, à luz da jornada de trabalho disposta nos controles de

extrapatrimonial, trazendo critérios para determinação do valor da jornada, defiro o pedido, em conformidade com os Acordos

reparação, saliento que aplica-se ao caso a legislação vigente à Coletivos de Trabalho correspondentes, observando-se os

época contratual, uma vez que para que a mencionada lei afete os respectivos períodos de vigência, bem como o valor do ticket-

contratos anteriores a sua vigência seria necessário nova refeição do período."

pactuação. De fato, verifica-se a presença dessa cláusula nos acordos coletivos

Destarte, o valor arbitrado deve constituir-se em compensação ao de 2013/2014, com vigência de 01º de setembro de 2013 a 31 de

lesado e desestímulo ao lesante, de modo proporcional ao dano agosto de 2014 (fl. 97); 2014/2015, com vigência de 01º de

causado e à capacidade econômica do ofensor e do ofendido, sob setembro de 2014 a 31 de agosto de 2015; 2015/2016, com

pena de não punir corretamente a prática da ofensa. Por outro lado, vigencia de 1º de setembro de 2015 a 31 de agosto de 2016. Dessa

tampouco pode ser mais vantajosa - do ponto de vista financeiro - à forma, como se observa do seu teor, o ressarcimento está

ocorrência do dano, ficando sobre o poder discricionário do Juiz. condicionado à "apresentação de recibo comprobatório da despesa

Considerando essas balizas, ainda, em consonância com a e limitado a R$ 14,50 (quatorze reais e cinquenta centavos)". Assim,

jurisprudência deste Egrégio e, considerando que o reclamante não não tendo o autor apresentado o respectivo comprovante, não há

foi vítima direta de assaltos, mantenho o valor arbitrado pelo juízo a que se falar em ressarcimento nos períodos.

quo, no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais), posto que além de Por outro lado, nas normas coletivas de 2010/2011 (com vigência

ser de acordo com a jurisprudência desta Turma, atende aos de 1º de setembro de 2010 a 31 de agosto de 2011) - fl.50;

critérios da razoabilidade e proporcionalidade. 2011/2012 (com vigência de 1º de setembro de 2011 a 30 de agosto

Com efeito, nego provimento a ambos os recursos. de 2012) - fl.65; 2012/2013 (com vigência de 1º de setembro de

Indenização por não fornecimento de refeição (recurso da 2012 a 31 de agosto de 2013 - fl. 81 -, consta:

reclamada) "CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - REFEIÇÃO DA JORNADA

A reclamada não se conforma com a condenação da verba em EXCEDENTE Será assegurado ao empregado, que no mesmo dia

comento por dois aspectos: primeiro porque alega que o reclamante exceda a sua jornada normal de trabalho em 02 (duas) horas extras,

não laborou em sobrejornada, não fazendo jus ao seu pagamento. sem nenhum ônus para o mesmo, refeição compatível com as suas

Segundo porque a norma coletiva não prevê a conversão da necessidades".

obrigação de pagar em obrigação de fazer. Sustenta que o Assim, deve ser excluída da condenação a indenização por não

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 24
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

fornecimento de refeição relativa apenas ao período de vigência das PERSONALIDADE QUE IMPLICA PREJUÍZO AO PROJETO DE

normas coletivas 2013/2014, 2014/2015 e 2015/2016. VIDA OU À VIDA DE RELAÇÕES - NECESSIDADE DE

Quanto ao valor arbitrado, considerando o valor previsto nos COMPROVAÇÃO DE LESÃO OBJETIVA - NÃO DECORRÊNCIA

acordos coletivos, entendo razoável considerar o valor do ticket IMEDIATA DA PRESTAÇÃO DE SOBREJORNADA - NÃO

refeição do período, portanto, mantenho a sentença nesse aspecto. CARACTERIZAÇÃO. O dano existencial é um conceito jurídico

Já quanto ao argumento empresarial de que a norma coletiva não oriundo do Direito civil italiano e relativamente recente, que se

prevê a conversão da obrigação de pagar em obrigação de fazer e apresenta como aprimoramento da teoria da responsabilidade civil,

que o descumprimento da norma apenas acarretaria a incidência de vislumbrando uma forma de proteção à pessoa que transcende os

multa em favor do sindicato, não merece prosperar. Isso porque a limites classicamente colocados para a noção de dano moral. Nesse

norma foi editada para ser cumprida em sua integralidade. sentido, o conceito de projeto de vida e a concepção de lesões que

Oportunizar à empresa a escolha entre o cumprimento de uma atingem o projeto de vida passam a fazer parte da noção de dano

cláusula ou o pagamento da multa vai de encontro ao propósito de existencial, na esteira da jurisprudência da Corte Interamericana de

sua existência. Direitos Humanos. No âmbito da doutrina justrabalhista, o conceito

Com essas considerações, dou provimento parcial ao recurso para tem sido absorvido e ressignificado para o contexto das relações de

excluir da condenação o pagamento do vale refeição nos períodos trabalho como representativo das violações de direitos e limites

que correspondem a vigência das normas coletivas 2013/2014, inerentes ao contrato de trabalho que implicam, além de danos

2014/2015 e 2015/2016. materiais ou porventura danos morais ao trabalhador, igualmente,

Do dano existencial (recurso do reclamante) danos ao seu projeto de vida ou à chamada "vida de relações".

Pleiteia indenização por dano existencial, sob o argumento de que Embora exista no âmbito doutrinário razoável divergência a respeito

sempre foi submetido a jornada excessiva, e, em razão disso, da classificação do dano existencial como espécie de dano moral ou

restou impossibilitado do convívio social com familiares e amigos. como dano de natureza extrapatrimonial estranho aos contornos

O juízo a quoindeferiu os pleitos sob os seguintes argumentos: gerais da ofensa à personalidade, o que se tem é que dano moral e

"Embora tenha realizado o autor sobrejornada em alguns dias da dano existencial não se confundem, seja quanto aos seus

semana, como observado nos documentos de controle de jornada, pressupostos, seja quanto à sua comprovação. Isto é, embora uma

não houve comprovação de que tal horário de labor tenha mesma situação de fato possa ter por consequência as duas formas

comprometido as relações sociais do trabalhador ou seu projeto de de lesão, seus pressupostos e demonstração probatória se fazem

vida, fato constitutivo do direito do reclamante. Não há a de forma peculiar e independente. No caso concreto, a Corte

possibilidade de presumir que esse dano efetivamente aconteceu regional entendeu que não restou demonstrado o dano existencial,

no caso concreto. Embora a possibilidade abstratamente exista, é não podendo haver um corolário lógico de que a jornada prolongada

necessário que ela seja constatada no caso concreto para que o em alguns dias causou efetivo prejuízo às relações sociais ou ao

indivíduo faça jus à reparação almejada. É que para surgimento do projeto de vida do trabalhador. Logo, conforme decidido pelo

dever de indenizar é necessário, além dos pressupostos de Tribunal Regional, o dano existencial não pode ser reconhecido à

responsabilidade civil previstos no art. 186 do CC, provar que o ato míngua de prova específica do efetivo prejuízo pessoal, social ou

ilícito, de fato, tenha causado prejuízos ao empregado em sua familiar. Nessa situação, vale ressaltar, é inviável a presunção de

esfera social, o que não restou demonstrado." que, no caso dos autos, o dano existencial efetivamente aconteceu,

Ressalvado entendimento pessoal já expresso em outros em face da ausência de provas neste sentido. Embora a

processos, adoto a posição da Turma de que a sentença não possibilidade, abstratamente, exista, é necessário que ela seja

merece reforma. constatada no caso concreto para que sobre o indivíduo recaia a

Cabia à parte autora demonstrar, de forma concreta, o prejuízo reparação almejada. Demonstrado concretamente o prejuízo às

causado às suas relações sociais e a ruína de seu projeto de vida relações sociais e a ruína do projeto de vida do trabalhador, tem-se

(arts. 818 da CLT e 373, I, do CPC), eis que não se pode concluir, como comprovados, in re ipsa, a dor e o dano à sua personalidade.

uma vez comprovada a prestação de horas extraordinárias, apenas O que não se pode admitir é que, comprovada a prestação de horas

por isso, tenha havido dano às relações sociais do trabalhador ou extraordinárias, extraia-se daí automaticamente a consequência de

que ele se viu obrigado a alijar seu projeto de vida. que as relações sociais do trabalhador foram rompidas ou que seu

Nesse sentido, colaciono vasta jurisprudência do TST: projeto de vida foi suprimido do seu horizonte. Recurso de revista

RECURSO DE REVISTA - DANO EXISTENCIAL - DANO À não conhecido. (RR - 1392-42.2014.5.12.0028, Rel. Min. Vieira de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 25
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Mello Filho, 7ª Turma, DEJT de 18/3/2016) somente do tempo livre que possui. É possível reconhecer o direito

DANOS MORAIS. JORNADA DE TRABALHO CONSIDERADA à reparação, quando houver prova de que as condições de trabalho

EXCESSIVA PELO TRT. Esta Corte, analisando casos como o dos efetivamente prejudicaram as relações pessoais do empregado ou

autos, em que se postula indenização decorrente de jornada laboral seu projeto de vida. E mais: reconhecido esse prejuízo, é preciso

excessiva, tem entendido tratar-se do denominado "dano sopesar todos os elementos outrora citados, como componentes da

existencial", que, por seu turno, não é presumível - in re ipsa. De existência humana, para então definir em que extensão aquele fato

fato, para além da ilicitude resultante da superação do limite legal isolado - condições de trabalho - interferiu negativamente na

de prorrogação da jornada, cujos efeitos se resolvem com o equação. Na hipótese dos autos, o Tribunal Regional considerou

pagamento correspondente (CLT, art. 59) e com a sanção aplicável que a longa jornada de trabalho do autor - 11 horas, durante 3 anos

pelos órgãos de fiscalização administrativa (CLT, art. 75), o prejuízo e 9 meses -, causou-lhe dano existencial, presumindo que a

causado para o desenvolvimento de outras dimensões existenciais conduta ilícita do empregador violou "direitos fundamentais e

relevantes deve ser demonstrado, não decorrendo, ipso facto, da sociais, notadamente os direitos sociais a uma existência digna, ao

mera exigência de horas extras excessivas. Na hipótese dos autos, lazer, à segurança etc", além de lhe ter ocasionado "restrições de

ao concluir pelo direito à indenização por danos morais, o TRT ordem pessoal e social", igualmente presumidas. Decisão que

fundamentou a decisão na tese jurídica de que a jornada excessiva merece reforma. Precedentes. Recurso de revista de que se

põe em risco a saúde e a segurança do trabalhador, obstando, conhece e a que se dá provimento. (RR - 1263-90.2013.5.04.0029,

ainda, o direito ao lazer. Não há, todavia, registro no acórdão Rel. Min. Cláudio Mascarenhas Brandão, 7ª Turma, DEJT de

regional quanto à existência de elementos que indiquem ter havido 4/11/2016)

a privação de dimensões existenciais relevantes (lazer, cultura, PRETENSÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS EXISTENCIAIS COM

esporte e promoção da saúde, convívio familiar e social etc.), FUNDAMENTO NO MERO INADIMPLEMENTO DAS HORAS DE

capazes de causar sofrimento ou abalo à incolumidade moral do PERCURSO, TEMPO À DISPOSIÇÃO E INTERVALO DO ARTIGO

Reclamante. Nesse contexto, impõe-se a reforma da decisão 384 DA CLT. IMPROCEDÊNCIA. O dano existencial consiste em

regional. Recurso de revista conhecido e provido. (RR - 85400- espécie de dano extrapatrimonial e tem como principal

25.2013.5.13.0006, Rel. Min. Douglas Alencar Rodrigues, 7ª Turma, característica a frustração do projeto de vida ou da vida de relação

DEJT de 19/12/2016) do trabalhador, impedindo a sua efetiva integração à sociedade e o

RECURSO DE REVISTA EM FACE DE DECISÃO PUBLICADA seu pleno desenvolvimento enquanto ser humano, em decorrência

APÓS A VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. RESPONSABILIDADE de ato ilícito do empregador. Na hipótese dos autos, entretanto, a

CIVIL DO EMPREGADOR. DANOS EXTRAPATRIMONIAIS. reclamante associa o dano existencial ao fato de que, em

DANOEXISTENCIAL. CARACTERIZAÇÃO. JORNADA DE decorrência do descumprimento das obrigações trabalhistas pela

TRABALHO EXCESSIVAMENTE LONGA E DESGASTANTE. reclamada, deixou de auferir aproximadamente R$ 150,00 (cento e

HORAS EXTRAS HABITUAIS. Ao pretender se apropriar do cinquenta reais) por mês, valor que, conforme alegado pela autora,

conceito de existência, para envolvê-lo no universo do dever de poderia ter sido utilizado para aquisição de casa própria, veículo,

reparação, o jurista não pode desconsiderar os aspectos móveis, vestuário, curso de capacitação e até aquisição de

psicológicos, sociológicos e filosóficos a ele inerentes. A existência alimentos, o que melhoraria as suas condições de vida e de

tem início a partir do nascimento com vida - para alguns, até antes, existência e de seus dependentes. A conduta da empregadora, em

desde a concepção -, e, desse momento em diante, tudo lhe afeta: que pese reprovável, não configurou, por si só, óbice à execução,

a criação, os estímulos, as oportunidades, as opções, as ao prosseguimento ou ao recomeço dos projetos de vida da autora.

contingências, as frustrações, as relações interpessoais. Por isso, Com efeito, o mero inadimplemento das obrigações trabalhistas por

não pode ser encarada simplesmente como consequência direta e parte da empregadora, relativamente ao período contratual de

exclusiva das condições de trabalho. Responsabilizar o 1º/11/2012 até 20/3/2013, não é suficiente, por si só, para ensejar a

empregador, apenas em decorrência do excesso de jornada, pela reparação por danos existenciais, visto que esta espécie de dano

frustração existencial do empregado, demandaria isolar todos os não se caracteriza apenas pela frustração decorrente da perda de

demais elementos que moldaram e continuam moldando sua vida, acréscimo patrimonial, pois depende também da efetiva indicação

para considerar que ela decorre exclusivamente do trabalho e do do dano concreto à realização do projeto de vida ou do prejuízo à

tempo que este lhe toma. Significaria passar por cima de sua vida de relações do empregado, o que não ocorreu no caso dos

história, para, então, compreender que sua existência depende tão autos. Recurso de revista não conhecido. (RR-11628-

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 26
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

88.2013.5.18.0103, Rel. Min. José Roberto Freire Pimenta, 2ª RECLAMADA, PROTECTOR SERVIÇOS DE SEGURANÇA LTDA.

Turma, DEJT de 8/5/2015) INDENIZAÇÃO POR DANO EXISTENCIAL. JORNADA

RECURSO DE REVISTA. DANO MORAL. DANO EXISTENCIAL. EXTENUANTE. O cumprimento de jornada de trabalho extensa pela

SUBMISSÃO A JORNADA EXTENUANTE. PREJUÍZO NÃO prestação de horas extras, por si só, não enseja a indenização

COMPROVADO. O dano existencial é espécie de dano imaterial. perseguida quando não demonstrada a efetiva impossibilidade de

No caso das relações de trabalho, o dano existencial ocorre quando convívio familiar e social, hipótese dos autos. Com efeito, embora o

o trabalhador sofre dano/limitações em relação à sua vida fora do quadro fático descrito pelo Tribunal a quo demonstre ter havido

ambiente de trabalho em razão de condutas ilícitas praticadas pelo sobrejornada além do permissivo legal, não consigna, por outro

empregador, impossibilitando-o de estabelecer a prática de um lado, prova de que tal jornada tenha de fato comprometido as

conjunto de atividades culturais, sociais, recreativas, esportivas, relações sociais do reclamante ou seu projeto de vida, fato

afetivas, familiares, etc., ou de desenvolver seus projetos de vida constitutivo do direito ao dano existencial perseguido. Recurso de

nos âmbitos profissional, social e pessoal. Não é qualquer conduta revista conhecido e provido. (ARR - 20532-29.2014.5.04.0305, Rel.

isolada e de curta duração, por parte do empregador, que pode ser Min. Dora Maria da Costa, 8ª Turma, DEJT de 12/12/2016)

considerada como dano existencial. Para isso, a conduta deve RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI Nº

perdurar no tempo, sendo capaz de alterar o objetivo de vida do 13.015 /2 0 14 - INDENIZAÇÃO POR DANO EXISTENCIAL.

trabalhador, trazendo-lhe um prejuízo no âmbito de suas relações JORNADA EXCESSIVA. Esta Corte firmou o entendimento no

sociais. Na hipótese dos autos, embora conste que o Autor se sentido de que a imposição ao empregado de jornada excessiva,

submetia frequentemente a uma jornada de mais de 15 horas por si só, não implica ato ilícito que enseje o pagamento de

diárias, não ficou demonstrado que o Autor tenha deixado de indenização a título de dano existencial, especialmente quando não

realizar atividades em seu meio social ou tenha sido afastado do comprovado o prejuízo que lhe tenha advindo, ônus que cabe ao

seu convívio familiar para estar à disposição do Empregador, de trabalhador por se tratar de fato constitutivo do seu direito. Recurso

modo a caracterizar a ofensa aos seus direitos fundamentais. de Revista conhecido e provido. (...). (TST Processo: RR

Diferentemente do entendimento do Regional, a ofensa não pode 1291520135040001. Relator(a): Márcio Eurico Vitral Amaro.

ser presumida, pois o dano existencial, ao contrário do dano moral, Julgamento: 02/12/2015. Órgão Julgador: 8ª Turma. Publicação:

não é "in re ipsa", de forma a se dispensar o Autor do ônus DEJT 04/12/2015).

probatório da ofensa sofrida. Não houve demonstração cabal do Ressalte-se ainda que, segundo Correia de Araújo, os meros

prejuízo, logo o Regional não observou o disposto no art. 818 da dissabores da vida, tal como não cear o empregado com sua

CLT, na medida em que o Reclamante não comprovou o fato família, são problemas inerentes à sociedade moderna capitalista,

constitutivo do seu direito. Recurso de Revista conhecido e provido. cuja grande maioria da classe trabalhadora desse país é afetada,

(RR-1443-94.2012.5.15.0010, Rel. Min. Maria de Assis Calsing, 4ª seja porque encontram problemas de mobilidade, seja porque

Turma, DEJT de 17/4/2015) buscam se qualificar para alcançar novos postos de emprego.

RECURSO DE REVISTA. LEI 13.015/2014.DANO MORAL. Conforme disposições desta decisão, os espelhos de ponto foram

JORNADA DE TRABALHO EXAUSTIVA. A submissão do reputados válidos como meio para se aferir a verdadeira jornada

empregado a jornada de trabalho extensa pela prestação de horas prestada pelo demandante. Dos horários ali consignados, não se

extras, não justifica, por si só, o reconhecimento do dano existencial verifica trabalho prestado em jornadas exaustivas.

a ensejar indenização por ordem moral. No caso em apreciação, No mais, não consta dos autos outro elemento de prova a

assinalou o Tribunal Regional do Trabalho, instância soberana no supedanear o título em estudo.

exame da prova, que "a extensa jornada de trabalho declinada na Diante desse cenário, à míngua de comprovação de conduta ilícita

petição inicial (trabalho ininterrupto, por todo o contrato laboral, ' em patronal a justificar sua responsabilização por eventual dano à 'vida

uma média absurda de 18/20 horas por dia' - Id 1758471 - páginas 6 de relações' do autor, revela-se injustificável a indenização

e 7) não restou demonstrada," (fls. 683). Ora, se a exaustiva jornada postulada, motivo pelo qual mantenho a sentença de piso.

de trabalho indicada pelo reclamante, na qual se funda o pedido de Do adicional de periculosidade. (recurso do reclamante)

indenização pordano moral, sequer restou demonstrada, não há Nao se conforma com o indeferimento do pedido de pagamento de

como prosperar sua pretensão. (ARR - 12009-30.2013.5.03.0163, adicional de periculosidade e repercussões. Alega que comprovou a

Rel. Min. João Batista Brito Pereira, 5ª Turma, DEJT de 23/9/2016) imposição de coleta de vultosas quantias de dinheiro. Sustenta,

RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO PELA PRIMEIRA ainda, que ficou exposto ao risco de assaltos, agressão física e

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 27
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

risco de morte, situação que reputa análoga à dos vigilantes. não realizando atividades de transporte de valores e/ou de

Requer, portanto, o deferimento do adicional de periculosidade e segurança pessoal, sendo responsável apenas pela entrega dos

reflexos. produtos da empresa (carregamento e descarregamento das

De fato, a Lei nº 12.740/2012 alterou o art. 193 da CLT e revogou a mercadorias do caminhão), sendo o transporte de valores realizado

Lei nº 7.369/85, redefinindo os critérios para caracterização das por empresa especializada. Diz que o autor não ficava

atividades ou operações perigosas. habitualmente exposto a perigo, requerendo, caso se manter a

O art. 193 da CLT passou a ter a seguinte redação: existência do labor em tais condições, que o adicional em questão

"São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da deva ser aplicado sobre o salário mínimo. Pois bem. O artigo 193 da

regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, Consolidação das Leis do Trabalho, conferida pela Lei n.º

aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem 12.740/2012, dispões, textual:

risco acentuado em virtude de exposição permanente do Art. 193 - São consideradas atividades ou operações perigosas, na

trabalhador a: forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e

I - inflamáveis, explosivos ou energia elétrica; Emprego (MTE), aquelas que, por sua natureza ou métodos de

II - roubos ou outras espécies de violência física nas atividades trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição

profissionais de segurança pessoal ou patrimonial." permanente do trabalhador a:

Consta expressamente do referido dispositivo que as atividades de I - inflamáveis, explosivos ou energia elétrica;

segurança pessoal ou patrimonial são consideradas perigosas na II - roubos ou outras espécies de violência física nas atividades

forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e profissionais de segurança pessoal ou patrimonial.

Emprego. § 1º - O trabalho em condições de periculosidade assegura ao

Por sua vez, a Portaria nº 1.885/2013 do MTE, que aprovou o empregado um adicional de 30% (trinta por cento) sobre o salário

Anexo 3 da NR 16, estabelece, em seus itens 2 e 3: sem os acréscimos resultantes de

" 2. São considerados profissionais de segurança pessoal ou gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa.

patrimonial os trabalhadores que atendam a uma das seguintes § 2º - O empregado poderá optar pelo adicional de insalubridade

condições: que porventura lhe seja devido."

a) empregados das empresas prestadoras de serviço nas atividades É de se observar que somente a exposição permanente do

de segurança privada ou que integrem serviço orgânico de trabalhador a roubos e outras espécies de violência física nas

segurança privada, devidamente registradas e autorizadas pelo atividades profissionais de segurança pessoal e patrimonial - em

Ministério da Justiça, conforme Lei 7102/1983 e suas alterações risco acentuado- enseja o pagamento do adicional.

posteriores. Sobre a questão o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), por

b) empregados que exercem a atividade de segurança patrimonial sua vez, editou a Portaria 1.885, de 02/12/2013, aprovando o Anexo

ou pessoal em instalações metroviárias, ferroviárias, portuárias, 3 da "Norma Regulamentadora

rodoviárias, aeroportuárias e de bens públicos, contratados 16 - Atividades e Operações Perigosas", que trata das atividades ou

diretamente pela administração pública direta ou indireta. operações descritas no inciso II do artigo 193, da CLT, supra

3. As atividades ou operações que expõem os empregados a transcrito, atendendo a exigência do "caput" do dispositivo legal

roubos ou outras espécies de violência física, desde que atendida supra transcrito e art. 196, do mesmo diploma jurídico, dispondo:

uma das condições do item 2, são as constantes do quadro abaixo: São considerados profissionais de segurança pessoal ou

(...) patrimonial os trabalhadores que atendam a uma das seguintes

Transporte de valores Segurança na execução do serviço de condições:

transporte de valores." a) empregados das empresas prestadoras de serviço nas atividades

Logo, sendo o reclamante AJUDANTE DE ENTREGAS, as referidas de segurança privada ou que integrem serviço orgânico de

normas não se aplicam a ele. Nesse sentido é o voto da relatora segurança privada, devidamente registradas e autorizadas pelo

Exma. Dra. Desembargadora Dione Nunes Furtado da Silva, no Ministério da Justiça, conforme lei 7102/1983 e suas alterações

processo de nº 0001576-09.2014.5.06.0143 (RO), in verbis: posteriores.

"Do adicional de periculosidade b) empregados que exercem a atividade de segurança patrimonial

Pugna a reclamada pela reforma do julgado originário,na matéria, ou pessoal em instalações metroviárias, ferroviárias, portuárias,

alegando que o autor jamais trabalhou em condições periculosas, rodoviárias, aeroportuárias e de bens públicos, contratados

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 28
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

diretamente pela administração pública direta ou indireta." Frise-se que a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça já se

No caso em análise, no entanto, o autor exercia a função de manifestou a respeito do tema, ao cristalizar a tese de que o

ajudante de entrega, logo, os dispositivos supracitados não se arbitramento dos honorários não configura questão meramente

aplicam a função por ele exercida. Nego, pois, provimento ao apelo, processual, máxime ante os reflexos imediatos no direito

quanto ao aspecto. substantivo da parte e do advogado.

Dos honorários advocatícios (análise conjunta) Nesse sentido:

No âmbito desta Justiça Especializada, a hipótese de condenação PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL REPRESENTATIVO

em verba honorária restringia-se à assistência jurídica prestada DE CONTROVÉRSIA. ART. 543-C DO CPC E RESOLUÇÃO STJ

pelos sindicatos ao hipossuficiente, nos termos dos artigos 14 a 16 N.º 08/2008. EMBARGOS INFRINGENTES. ART. 530 DO CPC.

da Lei nº. 5.584/70, normas que expressamente apenas admitem DISCUSSÃO SOBRE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS.

cabível tal condenação quando presentes as condições CABIMENTO.

mencionadas nas Súmulas nº. 219 e nº. 329 do Colendo Tribunal 1. O art. 530 do CPC condiciona o cabimento dos embargos

Superior do Trabalho. infringentes a que exista sentença de mérito reformada por acórdão

No caso em exame, contudo, entendo que não cabe a condenação não unânime, e não que o objeto da divergência seja o próprio

da reclamada ao pagamento de honorários advocatícios, uma vez mérito tratado na sentença reformada.

que a parte autora está assistida por advogado particular, conforme 2. Se o dispositivo não restringiu o cabimento do recurso apenas à

instrumento de mandato anexado aos autos (fl. 38). questão de fundo ou à matéria central da lide, não pode o aplicador

Cumpre frisar que as inovações trazidas pela Lei nº. 13.467, de 13 do direito interpretar a norma a ponto de criar uma restrição nela

de julho de 2017 não são aplicáveis de imediato, tendo, por não prevista. Precedentes.

analogia, a aplicação do entendimento já sedimentado no âmbito do 3. Ademais, o arbitramento dos honorários não é questão

Superior Tribunal de Justiça, proferido no julgamento do REsp meramente processual, porque tem reflexos imediatos no direito

1.465.535/SP. Na referida decisão, adotou-se o posicionamento de substantivo da parte e de seu advogado. Doutrina de CHIOVENDA.

que os honorários de sucumbência detêm natureza híbrida, 4. Os honorários advocatícios, não obstante disciplinados pelo

processual-material, de modo que não ocorre a aplicação imediata direito processual, decorrem de pedido expresso, ou implícito, de

da nova regra. A esse respeito, cito trecho do acórdão: uma parte contra o seu oponente no processo e, portanto, formam

"7. No que tange à fixação de honorários advocatícios um capítulo de mérito da sentença, embora acessório e

sucumbenciais, ressalte- se que o novo Código de Processo Civil dependente.

previu regras específicas quanto ao instituto, situação que pode 5. No direito brasileiro, os honorários de qualquer espécie, inclusive

ocasionar, eventualmente, dúvida acerca da incidência das normas os de sucumbência, pertencem ao advogado. O contrato, a decisão

hodiernas nas relações jurídicas cristalizadas no âmbito do vetusto e a sentença que os estabelecem são títulos executivos. Nesse

código. sentido, a Corte Especial do STJ fez editar a Súmula 306, com o

De início, deve-se perquirir acerca da natureza jurídica dos seguinte enunciado: "Os honorários advocatícios devem ser

honorários sucumbenciais. Com efeito, não é possível assentar qual compensados quando houver sucumbência recíproca, assegurado o

a norma processual adequada a incidir na hipótese vertente - o direito autônomo do advogado à execução do saldo sem excluir a

CPC/1973 ou o CPC/2015 -, sem o prévio exame da índole jurígena legitimidade da própria parte". Portanto, os honorários constituem

do instituto. direito autônomo do causídico, que inclusive poderá executá-los nos

Não se pode olvidar que a lei processual tem efeito imediato e geral, próprios autos ou em ação distinta.

aplicando-se aos processos pendentes, respeitados o direito 6. O capítulo da sentença que trata dos honorários, ao disciplinar

adquirido, ato jurídico perfeito e coisa julgada. Portanto, no que uma relação autônoma, titularizada pelo causídico, é de mérito,

tange às regras processuais, as novas normas do Código de embora dependente e acessório, de modo que poderá ser discutido

Processo Civil começam a ser aplicadas a partir da revogação do por meio de embargos infringentes se a sentença vier a ser

CPC/1973. reformada, por maioria de votos, no julgamento da apelação.

Todavia, impõe-se indagar se a real natureza jurídica dos 7. Assim, seja porque o art. 530 do CPC não faz restrição quanto à

honorários advocatícios é processual, isto é, se as regras previstas natureza da matéria objeto dos embargos infringentes - apenas

pelo novo CPC incidem imediatamente nos processos em exige que a sentença de mérito tenha sido reformada em grau de

andamento. apelação por maioria de votos -, seja porque o capítulo da sentença

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 29
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

que trata dos honorários é de mérito, embora acessório e o preceito da citada Súmula n.º 219. IV - Ainda no mesmo sentido,

dependente, devem ser admitidos os embargos infringentes para adveio a Orientação Jurisprudencial n.º 305 da SBDI-1, segundo a

discutir verba de sucumbência. qual o deferimento de honorários advocatícios na Justiça do

8. A ausência de interposição dos embargos infringentes na origem Trabalho pressupõe a constatação da ocorrência, concomitante, de

sobre a condenação em honorários advocatícios não veda a dois requisitos: o benefício da justiça gratuita e a assistência por

admissão do recurso especial, a menos que o apelo verse sindicato. V - A incidência, portanto, de norma específica que rege a

exclusivamente sobre a verba de sucumbência, caso em que não matéria na Justiça do Trabalho afasta a aplicação dos artigos 389 e

será conhecido por preclusão e falta de exaurimento de instância. 404 do Código Civil/2002, que disciplinam o inadimplemento das

9. Recurso especial provido. Acórdão sujeito ao art. 543-C do CPC obrigações, sendo inaplicável, in casu, o preceito do artigo 8.º da

e à Resolução STJ n.º 08/2008. (REsp 1113175/DF, Rel. Ministro CLT (precedente da SBDI-1 do TST). VI - Recurso desprovido."

CASTRO MEIRA, CORTE ESPECIAL, julgado em 24/05/2012, DJe (TST-RR-247/2006-252-02-00.4, Rel. Min. Antônio José de Barros

07/08/2012) Levenhagen, 4.ª Turma, DEJT 5/6/2009.)

(...) AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA . HORAS

Observa-se, portanto, que, não obstante a taxionomia atinente aos EXTRAS. JORNADA 12X36 CONSIDERADA INVÁLIDA POR

honorários advocatícios estar prevista em norma de direito FALTA DE PREVISÃO EM NORMA COLETIVA.

processual, o instituto enverga verdadeira natureza híbrida, INAPLICABILIDADE DA SÚMULA Nº 85 DO TST. Demonstrada

notadamente ante os reflexos materiais que o permeiam. provável má-aplicação da Súmula nº 85, III, do TST. Agravo de

Com efeito, a doutrina reconhece que os honorários advocatícios instrumento a que se dá provimento. RECURSO DE REVISTA.

são instituto de direito processual material, pois, apesar da previsão HORAS EXTRAS. JORNADA 12X36 CONSIDERADA INVÁLIDA

em diploma processual, confere direito subjetivo de crédito ao POR FALTA DE PREVISÃO EM NORMA COLETIVA.

advogado em face da parte que deu causa à instauração do INAPLICABILIDADE DA SÚMULA Nº 85 DO TST. A Subseção I

processo. (...)" Especializada em Dissídios Individuais tem decidido que não se

Apenas para que não restem dúvidas entendo que não cabe a aplica a Súmula 85 desta Corte, quando se trata de escala 12x36

indenização por perdas e danos em face da contratação de declarada inválida, por falta de previsão em norma coletiva, porque

advogado. Nesse sentido citamos: a adoção dessa jornada não configura um regime de compensação

"HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS - INDENIZAÇÃO POR DANOS de horários. Trata-se de situação excepcional, uma vez que, nessa

MATERIAIS - INAPLICABILIDADE DOS ARTIGOS 389 E 404 DO circunstância, se ultrapassa até mesmo a prorrogação das duas

CÓDIGO CIVIL AO PROCESSO DO TRABALHO. I - A assistência horas admitidas por lei (art. 59 da CLT) e em relação às quais o

judiciária no âmbito da Justiça do Trabalho rege-se pelas legislador constituinte apenas admitiu a extrapolação mediante

disposições contidas na Lei n.º 5.584/70, nos termos do seu artigo ajuste coletivo (art. 7º, XIII, da Constituição Federal). Precedentes.

14, que condiciona o direito à verba honorária ao preenchimento Recurso de revista a que se dá provimento. HONORÁRIOS

dos seguintes requisitos: estar a parte assistida por sindicato da ADVOCATÍCIOS. CONTRATAÇÃO DE ADVOGADO

categoria profissional e comprovar a percepção de salário inferior ao PARTICULAR. INDENIZAÇÃO POR PERDAS E DANOS. No

dobro do mínimo legal ou encontrar-se em situação econômica que processo do trabalho não tem aplicação subsidiária a

não permita demandar sem prejuízo do próprio sustento ou de sua legislação civil quanto a honorários advocatícios (art. 389 e 404

família. II - Esta Corte, por meio da Súmula n.º 219, item I, do CCB), pois não há lacuna na legislação trabalhista sobre a

corroborou esse entendimento, in verbis: 'Na Justiça do Trabalho, a matéria, e deve ser observada a Lei nº 5.584/70, cujos

condenação ao pagamento de honorários advocatícios, nunca requisitos não foram preenchidos no caso dos autos. Recurso

superiores a 15% (quinze por cento), não decorre pura e de revista de que não se conhece." (TST - RR:

simplesmente da sucumbência, devendo a parte estar assistida por 290001920125130008 29000-19.2012.5.13.0008, Relator: Kátia

sindicato da categoria profissional e comprovar a percepção de Magalhães Arruda, Data de Julgamento: 13/11/2013, 6ª Turma,

salário inferior ao dobro do salário mínimo ou encontrar-se em Data de Publicação: DEJT 22/11/2013). (NEGRITOS NOSSOS)

situação econômica que não lhe permita demandar sem prejuízo do Assim, dou provimento ao recurso da reclamada para excluir da

próprio sustento ou da respectiva família'. III - O TST editou, ainda, condenação o pagamento dos honorários advocatícios e nego

a Súmula n.º 329, consagrando o entendimento de que, mesmo provimento ao recurso do reclamante.

com o advento da Constituição Federal de 1988, permanece válido Conclusão do recurso

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 30
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Ante o exposto, preliminarmente e de ofício, não conheço do Certifico e dou fé.

recurso ordinário interposto pela União Federal, por

intempestividade; não conheço parcialmente do apelo da reclamada Darlei dos Santos Miranda

quanto ao pleito de exclusão da multa estipulada em convenção

coletiva, por ausência de interesse jurídico-processual; rejeito a Assistente-Secretário da 2ª Turma

preliminar de não conhecimento do recurso obreiro por ofensa ao

princípio da dialeticidade, suscitada em contrarrazões pela

reclamada. No mérito, nego provimento ao recurso obreiro e dou Assinatura

parcial provimento ao apelo patronal para: 1) excluir da condenação Acórdão


Processo Nº RO-0000458-48.2017.5.06.0351
o pagamento do vale refeição nos períodos que correspondem a Relator FABIO ANDRE DE FARIAS
vigência das normas coletivas 2013/2014, 2014/2015 e 2015/2016; RECORRENTE JOSEMILTON PEREIRA DE PONTES
ADVOGADO ADRIANA FRANCA DA SILVA(OAB:
2) para excluir da condenação o pagamento dos honorários 45454/PE)
advocatícios. Não há o que se discriminar para fins do disposto no RECORRIDO FINSOL SOCIEDADE DE CREDITO
AO MICROEMPREENDEDOR E A
art. 832, § 3º, da CLT. Ao decréscimo condenatório, arbitro o valor EMPRESA DE PEQUENO PORTE S/A
ADVOGADO RODRIGO SABINO SOARES(OAB:
de R$ 5.000,00. Custas minoradas em R$ 100,00. 26463-D/PE)
ACÓRDÃO ADVOGADO APARICIO DE MOURA DA CUNHA
RABELO(OAB: 18360/PE)
Cabeçalho do acórdão RECORRIDO UNIÃO FEDERAL (PGF)
Acórdão CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO
ACORDAM os Desembargadores da 2ª Turma do Tribunal Regional

do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, preliminarmente, Intimado(s)/Citado(s):


- FINSOL SOCIEDADE DE CREDITO AO
atuando de ofício, não conhecer parcialmente do apelo da MICROEMPREENDEDOR E A EMPRESA DE PEQUENO PORTE
S/A
reclamada quanto ao pleito de exclusão da multa estipulada em
- JOSEMILTON PEREIRA DE PONTES
convenção coletiva, por ausência de interesse jurídico processual;

rejeitar a preliminar de não conhecimento do recurso obreiro por

ofensa ao princípio da dialeticidade, suscitada em contrarrazões. No

mérito, negar provimento ao recurso obreiro e dar parcial PODER

provimento ao apelo patronal para: 1) excluir da condenação o JUDICIÁRIO

pagamento do vale refeição nos períodos que correspondem a


Identificação
vigência das normas coletivas 2013/2014, 2014/2015 e 2015/2016;
PROC. Nº TRT 0000458-48.2017.5.06.0351(ED)
2) para excluir da condenação o pagamento dos honorários
ÓRGÃO JULGADOR : SEGUNDA TURMA
advocatícios. Não há o que se discriminar para fins do disposto no
RELATOR : DESEMBARGADOR FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS
art. 832, § 3º, da CLT. Ao decréscimo condenatório, arbitra-se o
EMBARGANTE : FINSOL SOCIEDADE DE CREDITO AO
valor de R$ 5.000,00. Custas minoradas em R$ 100,00.
MICROEMPREENDEDOR E A EMPRESA DE PEQUENO PORTE

S/A.
CERTIDÃO DE JULGAMENTO
EMBARGADO:JOSEMILTON PEREIRA DE PONTES

ADVOGADOS : ADRIANA FRANCA DA SILVA, APARICIO DE


Certifico que na 23ª Sessão Ordinária realizada no décimo primeiro
MOURA DA CUNHA RABELO, RODRIGO SABINO SOARES
dia do mês de julho do ano de 2018, sob a Presidência do
PROCEDÊNCIA : VARA ÚNICA DO TRABALHO DE GARANHUNS-
Excelentíssimo Senhor Desembargador do Trabalho FÁBIO
PE
ANDRÉ DE FARIAS, com a presença dos Excelentíssimos
EMENTA
Senhores DesembargadoresPAULO ALCÂNTARA e ANA
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. VIA RESTRITA. HIPÓTESES
CLÁUDIA PETRUCCELLI DE LIMA, bem como da representante
LEGAIS. INOCORRÊNCIA. - Os embargos declaratórios constituem
do Ministério Público do Trabalho, Procuradora ELIZABETH VEIGA
remédio jurídico próprio para tornar plenas as decisões judiciais
CHAVES, foi julgado o processo em epígrafe, nos termos do
omissas, contraditórias ou que abriguem manifesto equívoco no
dispositivo supra.
exame dos pressupostos extrínsecos do recurso, vícios

procedimentais não existentes no caso em apreciação. Embargos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 31
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

de declaração rejeitados. observa na Guia de ID 594ac12, não se trata dos autos de caso de

RELATÓRIO ausência de comprovação de pagamento ou insuficiência de valor,

Trata-se de Embargos de Declaração interposto porFINSOL mas sim, a mera formalidade da Guia de Depósito Judicial. Requer

SOCIEDADE DE CREDITO AO MICROEMPREENDEDOR E A que essa Preclara Turma digne em atribuir efeito modificativo ao

EMPRESA DE PEQUENO PORTE S/A.contra o acórdão desta julgado, para, reformando a decisão, seja determinado a intimação

Segunda Turma (fls. 1106/1127), proferido nos autos da reclamação do Embargante para que, em 05 (cinco) dias, possa suprir o

trabalhista proposta porJOSEMILTON PEREIRA DE PONTES em equívoco quanto a guia GFIP, sob pena de afronta ao citado

face do embargante. dispositivo acima transcrito (§ 2º, art. 1.007 do NCPC e OJ 140 da

Nas razões documentadas às fls. 1172/1185, a SDBI-1). Colaciona jurisprudência. Pugna que seja sanada a

reclamada/embargante sustenta que houve, no acórdão Obscuridade apontada e seja atribuído efeito modificativo ao

embargado, obscuridade em razão da negativa ao Princípio da julgado, consoante dispõe o Enunciado nº 278 do C. TST.

Instrumentalidade das Formas, Negativa de Prestação Jurisdicional, Carece de razão a embargante.

Cerceamento do Direito de Defesa, inobservância ao Princípio da A CLT diz que:

Inafastabilidade Jurisdicional e inobservância dos critérios de Art. 897-A Caberão embargos de declaração da sentença ou

razoabilidade e proporcionalidade, incorrendo-se em violação acórdão, no prazo de cinco dias, devendo seu julgamento ocorrer

expressa à CLT, art. 899, artigos 76, 188 e 277 e § 2º do artigo na primeira audiência ou sessão subseqüente a sua apresentação,

1.007 do NCPC, art. 5º, incisos II e XXXV, da Constituição registrado na certidão, admitido efeito modificativo da decisão nos

Federal/88, Instrução Normativa nº 39/2016 e OJ 140 da SDBI-1 do casos de omissão e contradição no julgado e manifesto equívoco no

C. TS, em razão da deserção aplicada. Sustenta que conforme se exame dos pressupostos extrínsecos do recurso.

observa na Guia de ID 594ac12, não se trata dos autos de caso de Portanto, inexiste a possibilidade do manuseio do ED para

ausência de comprovação de pagamento ou insuficiência de valor, esclarecer obscuridade. Esta existe quando não é possível às

mas sim, a mera formalidade da Guia de Depósito Judicial. Requer partes compreenderem o conteúdo da decisão. No entanto, sequer

que essa Preclara Turma digne em atribuir efeito modificativo ao obscura é a decisão quando se observa o que está escrito na peça

julgado, para, reformando a decisão, seja determinado a intimação do ED. O EMBARGANTE disserta longamente sobre aspectos

do Embargante para que, em 05 (cinco) dias, possa suprir o doutrinários para concluir que o acórdão se apegou a uma mera

equívoco quanto a guia GFIP, sob pena de afronta ao citado formalidade. Observando este, vemos que a decisão está assim

dispositivo acima transcrito (§ 2º, art. 1.007 do NCPC e OJ 140 da escrita:

SDBI-1). Colaciona jurisprudência. Pugna que seja sanada a "... o recolhimento do depósito judicial, em virtude da Lei

Obscuridade apontada e seja atribuído efeito modificativo ao nº.13.467/2017, que alterou a redação do art. 899 da CLT, passou,

julgado, consoante dispõe o Enunciado nº 278 do C. TST. a partir de 11 de novembro de 2017, a ser realizado mediante Guia

Sem contrarrazões ou parecer. de Depósito Judicial.

É o relatório. Com efeito, o artigo 71, caput, da Consolidação dos Provimentos da

VOTO Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho passou a vigorar com o

MÉRITO seguinte texto:

Recurso da parte reclamada Art. 71. As guias de depósito judicial para pagamentos, garantia de

Da alegada obscuridade execução, encargos processuais, levantamento de valores e

Conforme relatado,a reclamada/embargante sustenta que houve, depósitos recursais seguirão o modelo único ,padrão estabelecido

no acórdão embargado, obscuridade em razão da negativa ao na Instrução Normativa nº 36 do Tribunal Superior do Trabalho ou

Princípio da Instrumentalidade das Formas, Negativa de Prestação outra que venha a substituí-la. (alterado pelo ATO N° 13/GCGJT,

Jurisdicional, Cerceamento do Direito de Defesa, inobservância ao DE 13 DE NOVEMBRO DE 2017) - grifei.

Princípio da Inafastabilidade Jurisdicional e inobservância dos Na hipótese dos autos, tanto a decisão que julgou os embargos de

critérios de razoabilidade e proporcionalidade, incorrendo-se em declaração, quanto o recurso ordinário, foram interpostos sob a

violação expressa à CLT, art. 899, artigos 76, 188 e 277 e § 2º do égide da Lei nº. 13.467/2017. Todavia, a reclamada não seguiu o

artigo 1.007 do NCPC, art. 5º, incisos II e XXXV, da Constituição modelo padrão estabelecido na IN nº36 do TST para o depósito

Federal/88, Instrução Normativa nº 39/2016 e OJ 140 da SDBI-1 do recursal, tendo juntado aos autos a GFIP - Guia de Recolhimento do

C. TS, em razão da deserção aplicada. Sustenta que conforme se FGTS de fls. 1041.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 32
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Desse modo, não é valido o depósito recursal efetuado mediante da embargada, da multa prevista no §2° do art. 1.026 do CPC/16,

GFIP." no valor de 2% sobre o montante atualizado da causa.

E ainda, houve esclarecimento para ausência de abertura de prazo Conclusão do recurso

para a reclamada regularizar o feito, nos seguintes termos: Diante do exposto, rejeito os embargos de declaração e condeno a

"Por fim, insta salientar que não há que se falar em dilação de prazo embargante no pagamento, em favor da embargada, da multa

para efetivação do preparo ou de pagamento ao final, sendo certo prevista no §2° do art. 1.026 do CPC/16, no valor de 2% sobre o

que o preparo deve ser realizado no prazo recursal. montante atualizado da causa. Custas complementares pela

Nesse sentido, é o art. 789, §1º, da CLT c/c art. 7º da Lei nº. 5.584 embargante no importe de R$ 16,00.

/70 e Súmula nº. 245 do TST. Atente-se a secretaria ao pedido de notificação exclusiva.

Por oportuno, destaco que o Pleno do Tribunal Superior do Trabalho ACÓRDÃO

alterou, recentemente, a OJ nº. 140 da SDI-I, que passou a vigorar Cabeçalho do acórdão

com a seguinte redação: Acórdão

"OJ-SBDI1-140 ACORDAM os Desembargadores da 2ª Turma do Tribunal Regional

DEPÓSITO RECURSAL E CUSTAS PROCESSUAIS. do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, rejeitar os

RECOLHIMENTO INSUFICIENTE. DESERÇÃO (nova redação em embargos de declaração e condenar a embargante no pagamento,

decorrência do CPC de 2015) em favor da embargada, da multa prevista no §2° do art. 1.026 do

Em caso de recolhimento insuficiente das custas processuais ou do CPC/16, no valor de 2% sobre o montante atualizado da causa.

depósito recursal, somente haverá deserção do recurso se, Custas complementares pela embargante no importe de R$ 16,00.

concedido o prazo de 5 (cinco) dias previsto no § 2º do art. 1.007 do Atente-se a secretaria ao pedido de notificação exclusiva.

CPC de 2015, o recorrente não complementar e comprovar o valor

devido" CERTIDÃO DE JULGAMENTO

No entanto, a Orientação Jurisprudencial é clara no sentido de que

só cabe a intimação com o objetivo de regularizar o preparo em Certifico que na 25ª Sessão Ordinária realizada no vigésimo quinto

caso de insuficiência do valor pago." diado mês de julho do ano de 2018, sob a Presidência do

Ora, conforme se constata, a reclamada não observou a Excelentíssimo Senhor Desembargador do Trabalho FÁBIO

regularidade do preparo recursal apta a transpor o juízo de ANDRÉ DE FARIAS, com a presença dos Excelentíssimos

admissibilidade. Senhores Desembargadores PAULO ALCÂNTARA e ANA

Ou seja, todos os aspectos da peça de EMBARGOS já se CLÁUDIA PETRUCCELLI DE LIMA, bem como do representante

encontram previamente solucionados, inclusive a possibilidade ou do Ministério Público do Trabalho, Procurador GUSTAVO LUÍS

não de intimação para suprir os defeitos encontrados. No acórdão TEIXEIRA CHAGAS, foi julgado o processo em epígrafe, nos

está dito que o depósito recursal foi feito em documento impróprio e termos do dispositivo supra.

que não cabia conferir prazo para sanar o defeito.

Os argumentos lançados pelo EMBARGANTE são defensáveis, no Certifico e dou fé.

entanto, com eles a TURMA não concordou quando decidiu por não

conhecer o RECURSO ORDINÁRIO. Martha Mathilde F. de Aguiar

Assim, efetivamente nada mais existe a ser declarado, além daquilo

que consta do julgado, ressaltando que, a teor do Precedente Secretária 2ª Turma

Jurisprudencial nº 118, do Colendo Tribunal Superior do Trabalho,

para os fins de prequestionamento a que alude a Súmula nº 297,

também do TST, basta haver tese explícita sobre a matéria, o que Assinatura

efetivamente ocorreu na hipótese sub judice. FABIO ANDRE DE FARIAS

Desse modo, rejeito os Embargos de Declaração, por nada haver a Relator

declarar. Acórdão
Processo Nº RO-0001432-96.2016.5.06.0391
Os embargos de declaração da reclamada têm finalidade Relator Eduardo Pugliesi
unicamente procrastinatória, razão por que os rejeito, por nada RECORRENTE RACHEL TORRES MARQUES
VASCONCELOS
haver a declarar, e condeno a embargante ao pagamento, em favor

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 33
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ADVOGADO WAGNER DA SILVA BISPO(OAB:


32808/PE)
ADVOGADO MARCUS TADEU VIDAL ALVES DE
SA(OAB: 26056-D/PE)
RECORRIDO TERCEIRO SETOR LTDA
ADVOGADO SELMA MARIA GOMES DA
COSTA(OAB: 12629/PE)
RECORRIDO ESTADO DE PERNAMBUCO
TERCEIRO ANTONIO EPAMINONDAS LEAL
INTERESSADO LUCAS
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO

Intimado(s)/Citado(s): RECURSO ORDINÁRIO. ACÚMULO DE FUNÇÕES.


- RACHEL TORRES MARQUES VASCONCELOS INOCORRÊNCIA. ART. 456, PARÁGRAFO ÚNICO, DA CLT. O

acúmulo de função se caracteriza pelo exercício de atribuições

diversas daquelas para a quais o trabalhador foi contratado, com

PODER evidente sobrecarga de trabalho, de demandas e responsabilidades,

JUDICIÁRIO sem a paga correspondente, encerrando a ideia de alteração

prejudicial das condições de trabalho. Tal fato deve restar

devidamente comprovado, com ônus processual do postulante (art.

818, I, da CLT). O exercício simultâneo de tarefas diferentes,

executadas na jornada de trabalho, sem exigir maior capacitação

técnica ou pessoal do empregado, compatíveis com a sua condição

pessoal, não gera ao trabalhador o direito ao percebimento de


PROCESSO Nº TRT 0001432-96.2016.5.06.0391 (RO)
acréscimo salarial. O poder diretivo assegura ao empregador a

possibilidade de conduzir a realização das atividades contratuais


ÓRGÃO JULGADOR : PRIMEIRA TURMA
dos empregados para adequar a prestação do labor às

necessidades do empreendimento, conforme dispõe o art. 456,


RELATOR : DESEMBARGADOR EDUARDO PUGLIESI
parágrafo único, da CLT. Inexistente prova em contrário, presume-

se que o reclamante obrigou-se a todas as atividades compatíveis


RECORRENTE : RACHEL TORRES MARQUES VASCONCELOS
com a sua condição pessoal. Esta a hipótese dos autos. Recurso

ordinário a que se nega provimento.


RECORRIDOS : TERCEIRO SETOR LTDA. E ESTADO DE

PERNAMBUCO

ADVOGADOS : MARCUS TADEU VIDAL ALVES DE SÁ, SELMA

MARIA GOMES DA COSTA E KÁTIA GOMES DE ARAÚJO

PROCEDÊNCIA : VARA DO TRABALHO DE SALGUEIRO/PE

Recurso Ordinário interposto por RACHEL TORRES MARQUES

VASCONCELOS, de decisão proferida pelo MM. Juízo da Vara do

trabalho de Salgueiro/PE, conforme ID dddb611, que julgou

improcedente a Reclamação Trabalhista por ela ajuizada em face

de TERCEIRO SETOR LTDA. e do ESTADO DE PERNAMBUCO.

EMENTA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 34
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Em suas razões recursais (ID 9958e27), a reclamante investe Do acúmulo de funções.

contra a sentença que indeferiu o pedido de pagamento de um plus

salarial em decorrência de acúmulo de funções.

Reitera a reclamante o pedido de pagamento de um acréscimo

salarial pela acumulação de várias funções, além daquela para a

Contrarrazões apresentadas pela primeira reclamada, ID c66aee1. qual fora contratada, pugnando pela reforma da sentença que não

lhe foi favorável.

Parecer do MPT, da lavra da Procuradora Elizabeth Veiga,

opinando pelo desprovimento do apelo (ID a1338d2). A decisão recorrida se posicionou pela improcedência da demanda,

com suporte em vários fundamentos, assim expostos:

"Pedido de pagamento de diferenças salariais

A reclamante requer o pagamento de diferenças salariais sob o

fundamento de que restou configurado o desvio de função, com

base nos seguintes fundamentos:

'Esclarece a Reclamante que foi contratada para exercer a função

de RECEPCIONISTA, contudo, exercia a referida função apenas de

forma eventual, digo, quando substituía a Sra. Paula Fernanda,

recepcionista contratada pela empresa reclamada.

VOTO:

Esclarece ainda que a empresa Reclamada em 01 de fevereiro de

2013, promoveu de forma unilateral a alteração de função da

reclamante para a função de ATENDENTE DE PROTOCOLO,

contudo, não exercia exclusivamente a referida função, já que

cotidianamente tinha que desempenhar atividades inerentes aos

servidores públicos (auditores, bibliotecários, inspetores e de

assistente técnico de informática).

Com dito alhures, a parte Reclamante, desde o início do pacto

laboral, exercia a função de recepcionista apenas de forma

eventual, pois, sempre desempenhou atividades inerentes à função

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 35
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

de atendente de protocolo, e, atividades desempenhadas pelos

servidores públicos do TCE.

No caso em tela, apenas da análise da petição inicial é possível

concluir pela não caracterização do desvio de função. Explico.

As atividades desempenhadas pela Reclamante consistiam em:

Conforme acima mencionado, o desvio de função ocorre quando o

trabalhador exerce função distinta daquela para a qual foi

ATENDENTE DE PROTOCOLO - receber documentos em geral e contratado, fazendo jus ao pagamento da contraprestação

encaminhar os referidos documentos para o setor competente. correspondente à função realmente exercida.

BIBLIOTECÁRIA - ficava responsável pelo acervo dos livros, bem Contudo, na petição inicial, a reclamante não alega o exercício de

como da entrega e recebimento dos mesmos. uma função determinada, mas sim a realização de diversas

atividades inerentes a distintas funções. Não bastasse isso, informa

que também trabalhava como atendente de protocolo, função esta

que se encontra anotada na sua CTPS.

AUDITOR E INSPETOR - confeccionava certidões de regularidade

fiscal, alerta de gestão fiscal, ofícios destinados à prefeitura

solicitando documentos atinentes às prestações de contas, e ainda,

alimentação do sistema do banco de horas. Ora, do exame das alegações da reclamante constato que a

reclamante não deixou de trabalhar como atendente de protocolo

para exercer outra função específica. Na verdade, ao lado daquela

atividade, também passou a realizar outras atividades ligadas a

SECRETÁRIO DE INSPETORIA - fiscalizava os horários dos distintas funções. Desse modo, não se trata de desvio de função,

trabalhadores terceirizados, requisitava ao TCE o pagamento das mas sim de acúmulo de funções.

diárias dos empregados terceirizados, arquivava documentos e

realizava a expedição de malotes (apenas quando substituía a Sra.

Maria Bezerra Freire de Aquino)'.

Ainda que assim não fosse, o presente pedido de diferenças

salariais por desvio de função também é vedado pelo ordenamento

jurídico.

De acordo com doutrina autorizada, o desvio de função ocorre

quando o empregado, embora exerça as atribuições de outra função

ou cargo, está formalmente enquadrado num nível mais baixo ou

em outra função ou cargo distinto do que efetivamente exerce e Com base na Constituição Federal de 1988, não cabe o pedido de

para o qual foi contratado. diferenças salariais entre níveis, cargos ou funções diferentes para

empregados públicos da Administração direta ou indireta, quando

estes foram providos por concursos públicos distintos, isto é,

quando o cargo, nível ou função contratual do trabalhador for

Configurado o desvio de função, o empregado tem direito à distinto daquele que ele efetivamente exerce - art. 37, II. A diferença

retificação da função na CTPS para que conste a real função, cargo salarial somente será possível dentro da mesma carreira e para

ou nível, bem como as respectivas diferenças salariais. nível que não exige investidura por concurso público distinto

daquele que o empregado foi admitido.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 36
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Pelo exposto, julgo improcedente o pedido de diferenças salariais

Nessa esteira, se não é possível o pagamento de diferenças decorrente do desvio de função. Passo ao exame do pleito

salariais por desvio de função entre empregados públicos subsidiário de pagamento de diferenças salariais em virtude do

pertencentes ao mesmo órgão público, quanto mais entre acúmulo de funções.

empregado terceirizado, sem concurso público, e servidor público,

sob pena de violação do princípio do concurso público previsto na

Carta Magna.

Para o exame dessa pretensão não se fará necessário a análise

das provas orais produzidas, nos mesmos moldes do exame do

pedido de diferenças salariais por desvio de função.

Ademais, o pleito sob exame encontra óbice no art. 606, in verbis:

De acordo com a inicial, a reclamante afirma que acumulava as

'Art. 606. Se o serviço for prestado por quem não possua título de atividades de atendente de protocolo, auditor, bibliotecário, inspetor

habilitação, ou não satisfaça requisitos outros estabelecidos em lei, e assistente técnico de informática.

não poderá quem os prestou cobrar a retribuição normalmente

correspondente ao trabalho executado. Mas se deste resultar

benefício para a outra parte, o juiz atribuirá a quem o prestou uma

compensação razoável, desde que tenha agido com boa-fé. É certo que o 'plus' salarial pleiteado encontra respaldo no artigo 13

da Lei nº 6.615/78, que regula a profissão de radialista, e no artigo

22 da Lei 6533/78, que prevê o adicional de acúmulo de função

para artistas e técnicos em espetáculos de diversões. No mesmo

Parágrafo único. Não se aplica a segunda parte deste artigo, sentido é o artigo 8º, da Lei nº 3.207/57, segundo o qual o vendedor

quando a proibição da prestação de serviço resultar de lei de ordem que presta serviços de inspeção e fiscalização tem direito a receber

pública'. do empregador um adicional de 1/10 sobre a remuneração.

As funções que a reclamante informa que exercia Porém, somente em se tratando de condições similares de trabalho

concomitantemente com a de atendente de protocolo, a saber, a jurisprudência tem admitido a aplicação analógica de dispositivos

auditor, bibliotecário, inspetor e assistente técnico de informática, legais relativos a outras profissões ou funções, considerando

exigem o preenchimento de dois requisitos, conforme Lei relevante a função do empregado e não a natureza da atividade

12.595/2004, do Estado de Pernambuco (págs. 592/606): a prévia desenvolvida pelo empregador.

aprovação em concurso público e a conclusão de curso superior de

graduação.

No presente caso, não há qualquer semelhança entre as funções da

reclamante e as profissões de radialista, artista ou técnico em

Como a reclamante não preencheu os requisitos legais e espetáculos de diversões, e nem mesmo em relação ao vendedor

constitucionais acima, não faz jus ao pagamento de qualquer que presta serviços de inspeção e fiscalização.

diferença salarial, com espeque no art. 606, caput e parágrafo

único, do CC.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 37
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Assim, não há cabimento para aplicação analógica, porque as tácita entre as partes, não é devido o pagamento de acréscimo

atividades de atendente de protocolo, auditor, bibliotecário, inspetor salarial, sob pena de ofensa direta e literal ao art. 5º, II, da

e assistente técnico de informática não podem ser equiparadas às Constituição Federal.

hipóteses previstas nos dispositivos apontados, porquanto a

analogia requer situações paralelas, condições de trabalho

similares.

Julgo improcedente o pagamento de diferenças salariais decorrente

de acúmulo de funções e reflexos em outras parcelas salariais.

Ademais, não se cogita, pois, de acréscimo salarial, máxime se

observado que o exercício das mencionadas funções se dava na

mesma jornada de trabalho. O fato não envolve ocupação de outro Diante do julgamento improcedente das pretensões condenatórias

cargo, cumulativamente, mas simples deslocamento de atribuições. formuladas, restaram prejudicados o exame dos pedidos de

declaração da responsabilidade solidária/subsidiária do 2º

reclamado e de aplicação da multa prevista no art. 523, § 1º, do

CPC".

A execução de múltiplas tarefas em uma mesma jornada não

autoriza o reconhecimento automático de um plus salarial para cada

uma, mostrando-se compatíveis com a função para a qual foi

contratado. Inteligência do art. 456, parágrafo único, da CLT, que Visando a modificação do julgado, a demandante alega que o

traduz a intenção do legislador em remunerar o trabalhador por sentenciante julgou de forma contrária à prova dos autos, sendo

unidade de tempo e não por tarefa desenvolvida. certo que a prova testemunhal confirmou o desempenho efetivo de

tarefas mais complexas do que aquelas para as quais foi

contratada, sem percepção da remuneração superior aplicáveis a

tais ofícios, destacando ser irrelevante à extrapolação da jornada

O cometimento ao trabalhador de tarefas estranhas ao ajuste inicial como requisito para deferimento do plus salarial. Reproduz

autoriza o exercício do chamado jus resistentiae, ou enseja, se decisórios convergentes com sua tese.

determinante de excesso de jornada, o pagamento de horas extras,

não gerando por si só direito a salário específico ou mesmo a um

plussalarial.

Nada a modificar.

O simples acúmulo de funções dentro da mesma jornada de

trabalho não é, pura e simplesmente, causa bastante para justificar Em sua exordial, a demandante asseverou que, contratada como

um suposto direito ao salário de todas as funções, sendo necessário Recepcionista, teve sua carteira de trabalho alterada para a função

que haja previsão legal, convencional ou contratual para tanto, o de Atendente de Protocolo, acumulando-a, ainda, com as funções

que não ocorre no caso dos autos. Desse modo, não existe próprias de Bibliotecário, Auditor, Inspetor e Secretário de

fundamento jurídico para o referido plus. Inspetoria.

Portanto, em face da inexistência de previsão legal, instrumento Sobre as tarefas desempenhadas, assim relacionou-as:

normativo, ou regulamento de empresa, em que se disponha ou se

estipule sobre o pagamento do adicional por acúmulo de funções e,

tampouco evidenciada a existência de ajuste ainda que de forma

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 38
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

"ATENDENTE DE PROTOCOLO - receber documentos em geral e serviço compatível com a sua condição pessoal".

encaminhar os referidos documentos para o setor competente.

BIBLIOTECÁRIA - ficava responsável pelo acervo dos livros, bem

como da entrega e recebimento dos mesmos. Da simples descrição de tarefas, concluo que elas não detêm a

complexidade alegada pela autora e são compatíveis com as que se

AUDITOR E INSPETOR - confeccionava certidões de regularidade espera de uma atendente de protocolo. Não houve comprovação de

fiscal, alerta de gestão fiscal, ofícios destinados à prefeitura exercício efetivo das funções mais complexas que demandam curso

solicitando documentos atinentes às prestações de contas, e ainda, superior, a exemplo da profissão de bibliotecária, que atua também

alimentação do sistema do banco de horas. na catalogação de livros, e não apenas em sua guarda, entrega e

recebimento. Do mesmo modo, a emissão de simples certidões e

SECRETÁRIO DE INSPETORIA - fiscalizava os horários dos ofícios, controle de ponto e solicitação de documentos não

trabalhadores terceirizados, requisitava ao TCE o pagamento das compreendem todas as tarefas de um auditor ou inspetor, que

diárias dos empregados terceirizados, arquivava documentos e envolve um feixe de tarefas muito mais amplo e complexo.

realizava a expedição de malotes (apenas quando substituía a Sra.

Maria Bezerra Freire de Aquino)" (ID 691804f).

A única testemunha, indicada pela reclamada, relata as tarefas

desempenhadas, não se extraindo elementos capazes de favorecer

A situação fática capaz de ensejar o deferimento do acréscimo a obreira. Veja-se:

salarial por acúmulo de função decorre de alteração contratual

lesiva ao empregado, de quem se passa a exigir, no curso do

contrato, o desempenho de atividades distintas daquelas que

integram o conteúdo ocupacional da função até então exercida, e ""(...) fazia numeração dos processos, fazia controle de ponto dos

que demandem maior grau de qualificação ou maior servidores do Tribunal de Contas, fazia ligações telefônicas a

responsabilidade, exigindo, por consequência, melhor remuneração. órgãos públicos cobrando o envio de informações acerca do

cumprimento de determinações do Tribunal, fazia protocolo de

documentos, expedia ofícios para os órgãos públicos que eram

fiscalizados pelo Tribunal, fazia planilhas de controle acerca dos

Não se nega, entretanto, que, nos limites do "jus variandi", é órgãos que estavam cumprindo as resoluções do TCE, fazia

facultado ao empregador exigir do empregado o cumprimento de também o arquivamento de documentos (planilhas e relatórios

tarefas diversificadas, desde que compatíveis com a natureza da acerca do cumprimento das resoluções); que havia uma

função para a qual foi admitido, com vistas a adequar a prestação recepcionista responsável por receber ligações, protocolar

do serviço ao desenvolvimento da atividade empresarial, sem que documentos e receber documentos dos correios, e quando essa

isso implique o reconhecimento da multiplicidade de funções ou pessoa faltava, cabia à reclamante substituí-la; que o depoente era

contratos apta a gerar cumulação de salários. secretário do inspetor e apenas exercia as mesmas atividades da

reclamante quando havia necessidade; que no setor em que

trabalhavam havia 5 pessoas, um secretário da inspetoria, dois

funcionários cedidos, uma secretária, uma recepcionista e a

Nesse sentido, faz-se imperioso transcrever o teor do parágrafo reclamante; que os dois cedidos e o efetivo faziam a mesma

único do art. 456 da CLT: atividade que a reclamante; que a recepcionista apenas exercia as

mesmas atividades que a reclamante quando havia necessidade;

que haviam planilhas que apenas eram alimentadas pela

reclamante, e outras que eram criadas e alimentadas pela

"À falta de prova ou inexistindo cláusula expressa a tal respeito, reclamante; que o inspetor regional era quem definia as atividades a

entender-se-á que o empregado se obrigou a todo e qualquer serem exercidas pela reclamante; que apenas havia um setor

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 39
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

administrativo; que trabalahvam no TCE em Salgueiro de 21 a 23

pessoas; que o setor administrativo ficava em local distinto da

recepção; que havia controle de jornada biométrico, e competia à

reclamante controlar as anotações do ponto, inclusive lhe cabendo

realizar alterações no ponto, como justificar uma falta, a pedido do

inspetor; que de 2010 a 2016 foram inspetores, do TCE em

Salgueiro, os senhores Ladislau, Lari, Ivan e outro que não se

recorda; que havia na inspetoria 1 recepcionista, a Sra. Paula, e na

ausência desta a reclamante exercia suas funções; que a

reclamante também confeccionava certidões de regularidade fiscal

e alerta de gestão fiscal; que a reclamante também era responsável

pela solicitação de diárias para os terceirizados" (ID e7458f3).

Ademais, as atribuições foram executadas no mesmo local e dentro

da jornada de trabalho.

Assim como o sentenciante, destaco ainda a impossibilidade de

deferimento da pretensão, uma vez que a acionante quer obter a

remuneração paga a servidores ocupantes de cargos públicos

submetidos a concurso público, o que não é a ela extensível, na

condição de terceirizada laborando no Tribunal de Consta do

Estado de Pernambuco.

Nessa hipótese, o plus salarial encontra óbice na determinação

constitucional expressa em seu art. 37, II, da CF. ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Tribunal Regional

do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, negar provimento

ao apelo.

Desse modo, entendo que as atividades comprovadamente Recife (PE), 29 de agosto de 2018.

desempenhadas pela autora não podem ser avaliadas como de

maior complexidade ou de cunho diferenciado, enquadrando-se no

feixe de atribuições licitamente exigíveis.

EDUARDO PUGLIESI

Desembargador Relator

CONCLUSÃO

CERTIDÃO DE JULGAMENTO

Ante o exposto, nego provimento ao apelo.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 40
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Certifico que, em sessão ordinária hoje realizada, cuja pauta foi

publicada no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho - DEJT de

22.08.2018, sob a presidência da Exma. Sra. Desembargadora

MARIA DO SOCORRO SILVA EMERENCIANO, com a presença do

Ministério Público do Trabalho da 6ª Região, representado pelo

Exmo. Sr. Procurador Waldir Bitu e dos Exmos. Srs. PROCESSO Nº TRT 0001432-96.2016.5.06.0391 (RO)

Desembargador Eduardo Pugliesi (Relator) e Maria de Betania

Silveira Villela (Juíza Titular da 1ª Vara do Trabalho de Jaboatão ÓRGÃO JULGADOR : PRIMEIRA TURMA

dos Guararapes, convocada para o gabinete Vago), resolveu a 1ª

Turma do Tribunal, por unanimidade, negar provimento ao apelo. RELATOR : DESEMBARGADOR EDUARDO PUGLIESI

Certifico e dou fé. RECORRENTE : RACHEL TORRES MARQUES VASCONCELOS

Sala de Sessões, em 29 de agosto 2018. RECORRIDOS : TERCEIRO SETOR LTDA. E ESTADO DE

PERNAMBUCO

ADVOGADOS : MARCUS TADEU VIDAL ALVES DE SÁ, SELMA

Vera Neuma de Moraes Leite MARIA GOMES DA COSTA E KÁTIA GOMES DE ARAÚJO

Secretária da 1ª Turma PROCEDÊNCIA : VARA DO TRABALHO DE SALGUEIRO/PE

Acórdão
Processo Nº RO-0001432-96.2016.5.06.0391
Relator Eduardo Pugliesi
RECORRENTE RACHEL TORRES MARQUES
VASCONCELOS
ADVOGADO WAGNER DA SILVA BISPO(OAB: EMENTA
32808/PE)
ADVOGADO MARCUS TADEU VIDAL ALVES DE
SA(OAB: 26056-D/PE)
RECORRIDO TERCEIRO SETOR LTDA
ADVOGADO SELMA MARIA GOMES DA
COSTA(OAB: 12629/PE)
RECORRIDO ESTADO DE PERNAMBUCO
TERCEIRO ANTONIO EPAMINONDAS LEAL
INTERESSADO LUCAS
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO

Intimado(s)/Citado(s):
RECURSO ORDINÁRIO. ACÚMULO DE FUNÇÕES.
- TERCEIRO SETOR LTDA
INOCORRÊNCIA. ART. 456, PARÁGRAFO ÚNICO, DA CLT. O

acúmulo de função se caracteriza pelo exercício de atribuições

diversas daquelas para a quais o trabalhador foi contratado, com


PODER evidente sobrecarga de trabalho, de demandas e responsabilidades,
JUDICIÁRIO sem a paga correspondente, encerrando a ideia de alteração

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 41
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

prejudicial das condições de trabalho. Tal fato deve restar

devidamente comprovado, com ônus processual do postulante (art.

818, I, da CLT). O exercício simultâneo de tarefas diferentes,

executadas na jornada de trabalho, sem exigir maior capacitação

técnica ou pessoal do empregado, compatíveis com a sua condição

pessoal, não gera ao trabalhador o direito ao percebimento de

acréscimo salarial. O poder diretivo assegura ao empregador a

possibilidade de conduzir a realização das atividades contratuais

dos empregados para adequar a prestação do labor às

necessidades do empreendimento, conforme dispõe o art. 456,

parágrafo único, da CLT. Inexistente prova em contrário, presume-

se que o reclamante obrigou-se a todas as atividades compatíveis

com a sua condição pessoal. Esta a hipótese dos autos. Recurso

ordinário a que se nega provimento.

VOTO:

Recurso Ordinário interposto por RACHEL TORRES MARQUES

VASCONCELOS, de decisão proferida pelo MM. Juízo da Vara do

trabalho de Salgueiro/PE, conforme ID dddb611, que julgou

improcedente a Reclamação Trabalhista por ela ajuizada em face

de TERCEIRO SETOR LTDA. e do ESTADO DE PERNAMBUCO.

Em suas razões recursais (ID 9958e27), a reclamante investe Do acúmulo de funções.

contra a sentença que indeferiu o pedido de pagamento de um plus

salarial em decorrência de acúmulo de funções.

Reitera a reclamante o pedido de pagamento de um acréscimo

salarial pela acumulação de várias funções, além daquela para a

Contrarrazões apresentadas pela primeira reclamada, ID c66aee1. qual fora contratada, pugnando pela reforma da sentença que não

lhe foi favorável.

Parecer do MPT, da lavra da Procuradora Elizabeth Veiga,

opinando pelo desprovimento do apelo (ID a1338d2). A decisão recorrida se posicionou pela improcedência da demanda,

com suporte em vários fundamentos, assim expostos:

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 42
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

BIBLIOTECÁRIA - ficava responsável pelo acervo dos livros, bem

como da entrega e recebimento dos mesmos.

"Pedido de pagamento de diferenças salariais

AUDITOR E INSPETOR - confeccionava certidões de regularidade

A reclamante requer o pagamento de diferenças salariais sob o fiscal, alerta de gestão fiscal, ofícios destinados à prefeitura

fundamento de que restou configurado o desvio de função, com solicitando documentos atinentes às prestações de contas, e ainda,

base nos seguintes fundamentos: alimentação do sistema do banco de horas.

'Esclarece a Reclamante que foi contratada para exercer a função SECRETÁRIO DE INSPETORIA - fiscalizava os horários dos

de RECEPCIONISTA, contudo, exercia a referida função apenas de trabalhadores terceirizados, requisitava ao TCE o pagamento das

forma eventual, digo, quando substituía a Sra. Paula Fernanda, diárias dos empregados terceirizados, arquivava documentos e

recepcionista contratada pela empresa reclamada. realizava a expedição de malotes (apenas quando substituía a Sra.

Maria Bezerra Freire de Aquino)'.

Esclarece ainda que a empresa Reclamada em 01 de fevereiro de

2013, promoveu de forma unilateral a alteração de função da De acordo com doutrina autorizada, o desvio de função ocorre

reclamante para a função de ATENDENTE DE PROTOCOLO, quando o empregado, embora exerça as atribuições de outra função

contudo, não exercia exclusivamente a referida função, já que ou cargo, está formalmente enquadrado num nível mais baixo ou

cotidianamente tinha que desempenhar atividades inerentes aos em outra função ou cargo distinto do que efetivamente exerce e

servidores públicos (auditores, bibliotecários, inspetores e de para o qual foi contratado.

assistente técnico de informática).

Configurado o desvio de função, o empregado tem direito à

Com dito alhures, a parte Reclamante, desde o início do pacto retificação da função na CTPS para que conste a real função, cargo

laboral, exercia a função de recepcionista apenas de forma ou nível, bem como as respectivas diferenças salariais.

eventual, pois, sempre desempenhou atividades inerentes à função

de atendente de protocolo, e, atividades desempenhadas pelos

servidores públicos do TCE.

No caso em tela, apenas da análise da petição inicial é possível

concluir pela não caracterização do desvio de função. Explico.

As atividades desempenhadas pela Reclamante consistiam em:

Conforme acima mencionado, o desvio de função ocorre quando o

trabalhador exerce função distinta daquela para a qual foi

ATENDENTE DE PROTOCOLO - receber documentos em geral e contratado, fazendo jus ao pagamento da contraprestação

encaminhar os referidos documentos para o setor competente. correspondente à função realmente exercida.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 43
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Contudo, na petição inicial, a reclamante não alega o exercício de

uma função determinada, mas sim a realização de diversas

atividades inerentes a distintas funções. Não bastasse isso, informa 'Art. 606. Se o serviço for prestado por quem não possua título de

que também trabalhava como atendente de protocolo, função esta habilitação, ou não satisfaça requisitos outros estabelecidos em lei,

que se encontra anotada na sua CTPS. não poderá quem os prestou cobrar a retribuição normalmente

correspondente ao trabalho executado. Mas se deste resultar

benefício para a outra parte, o juiz atribuirá a quem o prestou uma

compensação razoável, desde que tenha agido com boa-fé.

Ora, do exame das alegações da reclamante constato que a

reclamante não deixou de trabalhar como atendente de protocolo

para exercer outra função específica. Na verdade, ao lado daquela

atividade, também passou a realizar outras atividades ligadas a Parágrafo único. Não se aplica a segunda parte deste artigo,

distintas funções. Desse modo, não se trata de desvio de função, quando a proibição da prestação de serviço resultar de lei de ordem

mas sim de acúmulo de funções. pública'.

Ainda que assim não fosse, o presente pedido de diferenças As funções que a reclamante informa que exercia

salariais por desvio de função também é vedado pelo ordenamento concomitantemente com a de atendente de protocolo, a saber,

jurídico. auditor, bibliotecário, inspetor e assistente técnico de informática,

exigem o preenchimento de dois requisitos, conforme Lei

12.595/2004, do Estado de Pernambuco (págs. 592/606): a prévia

aprovação em concurso público e a conclusão de curso superior de

Com base na Constituição Federal de 1988, não cabe o pedido de graduação.

diferenças salariais entre níveis, cargos ou funções diferentes para

empregados públicos da Administração direta ou indireta, quando

estes foram providos por concursos públicos distintos, isto é,

quando o cargo, nível ou função contratual do trabalhador for Como a reclamante não preencheu os requisitos legais e

distinto daquele que ele efetivamente exerce - art. 37, II. A diferença constitucionais acima, não faz jus ao pagamento de qualquer

salarial somente será possível dentro da mesma carreira e para diferença salarial, com espeque no art. 606, caput e parágrafo

nível que não exige investidura por concurso público distinto único, do CC.

daquele que o empregado foi admitido.

Pelo exposto, julgo improcedente o pedido de diferenças salariais

Nessa esteira, se não é possível o pagamento de diferenças decorrente do desvio de função. Passo ao exame do pleito

salariais por desvio de função entre empregados públicos subsidiário de pagamento de diferenças salariais em virtude do

pertencentes ao mesmo órgão público, quanto mais entre acúmulo de funções.

empregado terceirizado, sem concurso público, e servidor público,

sob pena de violação do princípio do concurso público previsto na

Carta Magna.

Para o exame dessa pretensão não se fará necessário a análise

das provas orais produzidas, nos mesmos moldes do exame do

pedido de diferenças salariais por desvio de função.

Ademais, o pleito sob exame encontra óbice no art. 606, in verbis:

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 44
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

De acordo com a inicial, a reclamante afirma que acumulava as

atividades de atendente de protocolo, auditor, bibliotecário, inspetor A execução de múltiplas tarefas em uma mesma jornada não

e assistente técnico de informática. autoriza o reconhecimento automático de um plus salarial para cada

uma, mostrando-se compatíveis com a função para a qual foi

contratado. Inteligência do art. 456, parágrafo único, da CLT, que

traduz a intenção do legislador em remunerar o trabalhador por

É certo que o 'plus' salarial pleiteado encontra respaldo no artigo 13 unidade de tempo e não por tarefa desenvolvida.

da Lei nº 6.615/78, que regula a profissão de radialista, e no artigo

22 da Lei 6533/78, que prevê o adicional de acúmulo de função

para artistas e técnicos em espetáculos de diversões. No mesmo

sentido é o artigo 8º, da Lei nº 3.207/57, segundo o qual o vendedor O cometimento ao trabalhador de tarefas estranhas ao ajuste inicial

que presta serviços de inspeção e fiscalização tem direito a receber autoriza o exercício do chamado jus resistentiae, ou enseja, se

do empregador um adicional de 1/10 sobre a remuneração. determinante de excesso de jornada, o pagamento de horas extras,

não gerando por si só direito a salário específico ou mesmo a um

plussalarial.

Porém, somente em se tratando de condições similares de trabalho

a jurisprudência tem admitido a aplicação analógica de dispositivos

legais relativos a outras profissões ou funções, considerando O simples acúmulo de funções dentro da mesma jornada de

relevante a função do empregado e não a natureza da atividade trabalho não é, pura e simplesmente, causa bastante para justificar

desenvolvida pelo empregador. um suposto direito ao salário de todas as funções, sendo necessário

que haja previsão legal, convencional ou contratual para tanto, o

que não ocorre no caso dos autos. Desse modo, não existe

fundamento jurídico para o referido plus.

No presente caso, não há qualquer semelhança entre as funções da

reclamante e as profissões de radialista, artista ou técnico em

espetáculos de diversões, e nem mesmo em relação ao vendedor

que presta serviços de inspeção e fiscalização. Portanto, em face da inexistência de previsão legal, instrumento

normativo, ou regulamento de empresa, em que se disponha ou se

estipule sobre o pagamento do adicional por acúmulo de funções e,

tampouco evidenciada a existência de ajuste ainda que de forma

Assim, não há cabimento para aplicação analógica, porque as tácita entre as partes, não é devido o pagamento de acréscimo

atividades de atendente de protocolo, auditor, bibliotecário, inspetor salarial, sob pena de ofensa direta e literal ao art. 5º, II, da

e assistente técnico de informática não podem ser equiparadas às Constituição Federal.

hipóteses previstas nos dispositivos apontados, porquanto a

analogia requer situações paralelas, condições de trabalho

similares.

Julgo improcedente o pagamento de diferenças salariais decorrente

de acúmulo de funções e reflexos em outras parcelas salariais.

Ademais, não se cogita, pois, de acréscimo salarial, máxime se

observado que o exercício das mencionadas funções se dava na

mesma jornada de trabalho. O fato não envolve ocupação de outro Diante do julgamento improcedente das pretensões condenatórias

cargo, cumulativamente, mas simples deslocamento de atribuições. formuladas, restaram prejudicados o exame dos pedidos de

declaração da responsabilidade solidária/subsidiária do 2º

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 45
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

reclamado e de aplicação da multa prevista no art. 523, § 1º, do realizava a expedição de malotes (apenas quando substituía a Sra.

CPC". Maria Bezerra Freire de Aquino)" (ID 691804f).

Visando a modificação do julgado, a demandante alega que o A situação fática capaz de ensejar o deferimento do acréscimo

sentenciante julgou de forma contrária à prova dos autos, sendo salarial por acúmulo de função decorre de alteração contratual

certo que a prova testemunhal confirmou o desempenho efetivo de lesiva ao empregado, de quem se passa a exigir, no curso do

tarefas mais complexas do que aquelas para as quais foi contrato, o desempenho de atividades distintas daquelas que

contratada, sem percepção da remuneração superior aplicáveis a integram o conteúdo ocupacional da função até então exercida, e

tais ofícios, destacando ser irrelevante à extrapolação da jornada que demandem maior grau de qualificação ou maior

como requisito para deferimento do plus salarial. Reproduz responsabilidade, exigindo, por consequência, melhor remuneração.

decisórios convergentes com sua tese.

Não se nega, entretanto, que, nos limites do "jus variandi", é

Nada a modificar. facultado ao empregador exigir do empregado o cumprimento de

tarefas diversificadas, desde que compatíveis com a natureza da

função para a qual foi admitido, com vistas a adequar a prestação

do serviço ao desenvolvimento da atividade empresarial, sem que

Em sua exordial, a demandante asseverou que, contratada como isso implique o reconhecimento da multiplicidade de funções ou

Recepcionista, teve sua carteira de trabalho alterada para a função contratos apta a gerar cumulação de salários.

de Atendente de Protocolo, acumulando-a, ainda, com as funções

próprias de Bibliotecário, Auditor, Inspetor e Secretário de

Inspetoria.

Nesse sentido, faz-se imperioso transcrever o teor do parágrafo

único do art. 456 da CLT:

Sobre as tarefas desempenhadas, assim relacionou-as:

"À falta de prova ou inexistindo cláusula expressa a tal respeito,

entender-se-á que o empregado se obrigou a todo e qualquer

"ATENDENTE DE PROTOCOLO - receber documentos em geral e serviço compatível com a sua condição pessoal".

encaminhar os referidos documentos para o setor competente.

BIBLIOTECÁRIA - ficava responsável pelo acervo dos livros, bem

como da entrega e recebimento dos mesmos. Da simples descrição de tarefas, concluo que elas não detêm a

complexidade alegada pela autora e são compatíveis com as que se

AUDITOR E INSPETOR - confeccionava certidões de regularidade espera de uma atendente de protocolo. Não houve comprovação de

fiscal, alerta de gestão fiscal, ofícios destinados à prefeitura exercício efetivo das funções mais complexas que demandam curso

solicitando documentos atinentes às prestações de contas, e ainda, superior, a exemplo da profissão de bibliotecária, que atua também

alimentação do sistema do banco de horas. na catalogação de livros, e não apenas em sua guarda, entrega e

recebimento. Do mesmo modo, a emissão de simples certidões e

SECRETÁRIO DE INSPETORIA - fiscalizava os horários dos ofícios, controle de ponto e solicitação de documentos não

trabalhadores terceirizados, requisitava ao TCE o pagamento das compreendem todas as tarefas de um auditor ou inspetor, que

diárias dos empregados terceirizados, arquivava documentos e envolve um feixe de tarefas muito mais amplo e complexo.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 46
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Ademais, as atribuições foram executadas no mesmo local e dentro

da jornada de trabalho.

A única testemunha, indicada pela reclamada, relata as tarefas

desempenhadas, não se extraindo elementos capazes de favorecer

a obreira. Veja-se:

Assim como o sentenciante, destaco ainda a impossibilidade de

deferimento da pretensão, uma vez que a acionante quer obter a

remuneração paga a servidores ocupantes de cargos públicos

""(...) fazia numeração dos processos, fazia controle de ponto dos submetidos a concurso público, o que não é a ela extensível, na

servidores do Tribunal de Contas, fazia ligações telefônicas a condição de terceirizada laborando no Tribunal de Consta do

órgãos públicos cobrando o envio de informações acerca do Estado de Pernambuco.

cumprimento de determinações do Tribunal, fazia protocolo de

documentos, expedia ofícios para os órgãos públicos que eram

fiscalizados pelo Tribunal, fazia planilhas de controle acerca dos

órgãos que estavam cumprindo as resoluções do TCE, fazia Nessa hipótese, o plus salarial encontra óbice na determinação

também o arquivamento de documentos (planilhas e relatórios constitucional expressa em seu art. 37, II, da CF.

acerca do cumprimento das resoluções); que havia uma

recepcionista responsável por receber ligações, protocolar

documentos e receber documentos dos correios, e quando essa

pessoa faltava, cabia à reclamante substituí-la; que o depoente era Desse modo, entendo que as atividades comprovadamente

secretário do inspetor e apenas exercia as mesmas atividades da desempenhadas pela autora não podem ser avaliadas como de

reclamante quando havia necessidade; que no setor em que maior complexidade ou de cunho diferenciado, enquadrando-se no

trabalhavam havia 5 pessoas, um secretário da inspetoria, dois feixe de atribuições licitamente exigíveis.

funcionários cedidos, uma secretária, uma recepcionista e a

reclamante; que os dois cedidos e o efetivo faziam a mesma

atividade que a reclamante; que a recepcionista apenas exercia as

mesmas atividades que a reclamante quando havia necessidade; CONCLUSÃO

que haviam planilhas que apenas eram alimentadas pela

reclamante, e outras que eram criadas e alimentadas pela

reclamante; que o inspetor regional era quem definia as atividades a

serem exercidas pela reclamante; que apenas havia um setor Ante o exposto, nego provimento ao apelo.

administrativo; que trabalahvam no TCE em Salgueiro de 21 a 23

pessoas; que o setor administrativo ficava em local distinto da

recepção; que havia controle de jornada biométrico, e competia à

reclamante controlar as anotações do ponto, inclusive lhe cabendo

realizar alterações no ponto, como justificar uma falta, a pedido do

inspetor; que de 2010 a 2016 foram inspetores, do TCE em

Salgueiro, os senhores Ladislau, Lari, Ivan e outro que não se

recorda; que havia na inspetoria 1 recepcionista, a Sra. Paula, e na

ausência desta a reclamante exercia suas funções; que a

reclamante também confeccionava certidões de regularidade fiscal

e alerta de gestão fiscal; que a reclamante também era responsável

pela solicitação de diárias para os terceirizados" (ID e7458f3).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 47
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Vera Neuma de Moraes Leite

Secretária da 1ª Turma

Acórdão
Processo Nº RO-0001432-96.2016.5.06.0391
Relator Eduardo Pugliesi
ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Tribunal Regional RECORRENTE RACHEL TORRES MARQUES
VASCONCELOS
do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, negar provimento ADVOGADO WAGNER DA SILVA BISPO(OAB:
32808/PE)
ao apelo.
ADVOGADO MARCUS TADEU VIDAL ALVES DE
SA(OAB: 26056-D/PE)
RECORRIDO TERCEIRO SETOR LTDA
Recife (PE), 29 de agosto de 2018.
ADVOGADO SELMA MARIA GOMES DA
COSTA(OAB: 12629/PE)
RECORRIDO ESTADO DE PERNAMBUCO
TERCEIRO ANTONIO EPAMINONDAS LEAL
INTERESSADO LUCAS
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
EDUARDO PUGLIESI TRABALHO

Intimado(s)/Citado(s):
Desembargador Relator
- ANTONIO EPAMINONDAS LEAL LUCAS

CERTIDÃO DE JULGAMENTO PODER

JUDICIÁRIO

Certifico que, em sessão ordinária hoje realizada, cuja pauta foi

publicada no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho - DEJT de

22.08.2018, sob a presidência da Exma. Sra. Desembargadora

MARIA DO SOCORRO SILVA EMERENCIANO, com a presença do

Ministério Público do Trabalho da 6ª Região, representado pelo

Exmo. Sr. Procurador Waldir Bitu e dos Exmos. Srs.


PROCESSO Nº TRT 0001432-96.2016.5.06.0391 (RO)
Desembargador Eduardo Pugliesi (Relator) e Maria de Betania

Silveira Villela (Juíza Titular da 1ª Vara do Trabalho de Jaboatão


ÓRGÃO JULGADOR : PRIMEIRA TURMA
dos Guararapes, convocada para o gabinete Vago), resolveu a 1ª

Turma do Tribunal, por unanimidade, negar provimento ao apelo.


RELATOR : DESEMBARGADOR EDUARDO PUGLIESI

Certifico e dou fé.


RECORRENTE : RACHEL TORRES MARQUES VASCONCELOS

Sala de Sessões, em 29 de agosto 2018.


RECORRIDOS : TERCEIRO SETOR LTDA. E ESTADO DE

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 48
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

PERNAMBUCO

ADVOGADOS : MARCUS TADEU VIDAL ALVES DE SÁ, SELMA

MARIA GOMES DA COSTA E KÁTIA GOMES DE ARAÚJO

PROCEDÊNCIA : VARA DO TRABALHO DE SALGUEIRO/PE

Recurso Ordinário interposto por RACHEL TORRES MARQUES

VASCONCELOS, de decisão proferida pelo MM. Juízo da Vara do

trabalho de Salgueiro/PE, conforme ID dddb611, que julgou

improcedente a Reclamação Trabalhista por ela ajuizada em face

de TERCEIRO SETOR LTDA. e do ESTADO DE PERNAMBUCO.

EMENTA

Em suas razões recursais (ID 9958e27), a reclamante investe

contra a sentença que indeferiu o pedido de pagamento de um plus

salarial em decorrência de acúmulo de funções.

Contrarrazões apresentadas pela primeira reclamada, ID c66aee1.

RECURSO ORDINÁRIO. ACÚMULO DE FUNÇÕES.

INOCORRÊNCIA. ART. 456, PARÁGRAFO ÚNICO, DA CLT. O

acúmulo de função se caracteriza pelo exercício de atribuições Parecer do MPT, da lavra da Procuradora Elizabeth Veiga,

diversas daquelas para a quais o trabalhador foi contratado, com opinando pelo desprovimento do apelo (ID a1338d2).

evidente sobrecarga de trabalho, de demandas e responsabilidades,

sem a paga correspondente, encerrando a ideia de alteração

prejudicial das condições de trabalho. Tal fato deve restar

devidamente comprovado, com ônus processual do postulante (art.

818, I, da CLT). O exercício simultâneo de tarefas diferentes,

executadas na jornada de trabalho, sem exigir maior capacitação

técnica ou pessoal do empregado, compatíveis com a sua condição

pessoal, não gera ao trabalhador o direito ao percebimento de

acréscimo salarial. O poder diretivo assegura ao empregador a

possibilidade de conduzir a realização das atividades contratuais

dos empregados para adequar a prestação do labor às

necessidades do empreendimento, conforme dispõe o art. 456,

parágrafo único, da CLT. Inexistente prova em contrário, presume-

se que o reclamante obrigou-se a todas as atividades compatíveis

com a sua condição pessoal. Esta a hipótese dos autos. Recurso

ordinário a que se nega provimento.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 49
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

forma eventual, digo, quando substituía a Sra. Paula Fernanda,

recepcionista contratada pela empresa reclamada.

VOTO:

Esclarece ainda que a empresa Reclamada em 01 de fevereiro de

2013, promoveu de forma unilateral a alteração de função da

reclamante para a função de ATENDENTE DE PROTOCOLO,

contudo, não exercia exclusivamente a referida função, já que

cotidianamente tinha que desempenhar atividades inerentes aos

servidores públicos (auditores, bibliotecários, inspetores e de

assistente técnico de informática).

Com dito alhures, a parte Reclamante, desde o início do pacto

laboral, exercia a função de recepcionista apenas de forma

eventual, pois, sempre desempenhou atividades inerentes à função

Do acúmulo de funções. de atendente de protocolo, e, atividades desempenhadas pelos

servidores públicos do TCE.

Reitera a reclamante o pedido de pagamento de um acréscimo

salarial pela acumulação de várias funções, além daquela para a As atividades desempenhadas pela Reclamante consistiam em:

qual fora contratada, pugnando pela reforma da sentença que não

lhe foi favorável.

ATENDENTE DE PROTOCOLO - receber documentos em geral e

encaminhar os referidos documentos para o setor competente.

A decisão recorrida se posicionou pela improcedência da demanda,

com suporte em vários fundamentos, assim expostos:

BIBLIOTECÁRIA - ficava responsável pelo acervo dos livros, bem

como da entrega e recebimento dos mesmos.

"Pedido de pagamento de diferenças salariais

AUDITOR E INSPETOR - confeccionava certidões de regularidade

A reclamante requer o pagamento de diferenças salariais sob o fiscal, alerta de gestão fiscal, ofícios destinados à prefeitura

fundamento de que restou configurado o desvio de função, com solicitando documentos atinentes às prestações de contas, e ainda,

base nos seguintes fundamentos: alimentação do sistema do banco de horas.

'Esclarece a Reclamante que foi contratada para exercer a função SECRETÁRIO DE INSPETORIA - fiscalizava os horários dos

de RECEPCIONISTA, contudo, exercia a referida função apenas de trabalhadores terceirizados, requisitava ao TCE o pagamento das

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 50
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

diárias dos empregados terceirizados, arquivava documentos e

realizava a expedição de malotes (apenas quando substituía a Sra.

Maria Bezerra Freire de Aquino)'.

Ainda que assim não fosse, o presente pedido de diferenças

salariais por desvio de função também é vedado pelo ordenamento

jurídico.

De acordo com doutrina autorizada, o desvio de função ocorre

quando o empregado, embora exerça as atribuições de outra função

ou cargo, está formalmente enquadrado num nível mais baixo ou

em outra função ou cargo distinto do que efetivamente exerce e Com base na Constituição Federal de 1988, não cabe o pedido de

para o qual foi contratado. diferenças salariais entre níveis, cargos ou funções diferentes para

empregados públicos da Administração direta ou indireta, quando

estes foram providos por concursos públicos distintos, isto é,

quando o cargo, nível ou função contratual do trabalhador for

Configurado o desvio de função, o empregado tem direito à distinto daquele que ele efetivamente exerce - art. 37, II. A diferença

retificação da função na CTPS para que conste a real função, cargo salarial somente será possível dentro da mesma carreira e para

ou nível, bem como as respectivas diferenças salariais. nível que não exige investidura por concurso público distinto

daquele que o empregado foi admitido.

No caso em tela, apenas da análise da petição inicial é possível

concluir pela não caracterização do desvio de função. Explico. Nessa esteira, se não é possível o pagamento de diferenças

salariais por desvio de função entre empregados públicos

pertencentes ao mesmo órgão público, quanto mais entre

empregado terceirizado, sem concurso público, e servidor público,

Conforme acima mencionado, o desvio de função ocorre quando o sob pena de violação do princípio do concurso público previsto na

trabalhador exerce função distinta daquela para a qual foi Carta Magna.

contratado, fazendo jus ao pagamento da contraprestação

correspondente à função realmente exercida.

Ademais, o pleito sob exame encontra óbice no art. 606, in verbis:

Contudo, na petição inicial, a reclamante não alega o exercício de

uma função determinada, mas sim a realização de diversas

atividades inerentes a distintas funções. Não bastasse isso, informa 'Art. 606. Se o serviço for prestado por quem não possua título de

que também trabalhava como atendente de protocolo, função esta habilitação, ou não satisfaça requisitos outros estabelecidos em lei,

que se encontra anotada na sua CTPS. não poderá quem os prestou cobrar a retribuição normalmente

correspondente ao trabalho executado. Mas se deste resultar

benefício para a outra parte, o juiz atribuirá a quem o prestou uma

compensação razoável, desde que tenha agido com boa-fé.

Ora, do exame das alegações da reclamante constato que a

reclamante não deixou de trabalhar como atendente de protocolo

para exercer outra função específica. Na verdade, ao lado daquela

atividade, também passou a realizar outras atividades ligadas a Parágrafo único. Não se aplica a segunda parte deste artigo,

distintas funções. Desse modo, não se trata de desvio de função, quando a proibição da prestação de serviço resultar de lei de ordem

mas sim de acúmulo de funções. pública'.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 51
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

As funções que a reclamante informa que exercia Porém, somente em se tratando de condições similares de trabalho

concomitantemente com a de atendente de protocolo, a saber, a jurisprudência tem admitido a aplicação analógica de dispositivos

auditor, bibliotecário, inspetor e assistente técnico de informática, legais relativos a outras profissões ou funções, considerando

exigem o preenchimento de dois requisitos, conforme Lei relevante a função do empregado e não a natureza da atividade

12.595/2004, do Estado de Pernambuco (págs. 592/606): a prévia desenvolvida pelo empregador.

aprovação em concurso público e a conclusão de curso superior de

graduação.

No presente caso, não há qualquer semelhança entre as funções da

reclamante e as profissões de radialista, artista ou técnico em

Como a reclamante não preencheu os requisitos legais e espetáculos de diversões, e nem mesmo em relação ao vendedor

constitucionais acima, não faz jus ao pagamento de qualquer que presta serviços de inspeção e fiscalização.

diferença salarial, com espeque no art. 606, caput e parágrafo

único, do CC.

Assim, não há cabimento para aplicação analógica, porque as

atividades de atendente de protocolo, auditor, bibliotecário, inspetor

Pelo exposto, julgo improcedente o pedido de diferenças salariais e assistente técnico de informática não podem ser equiparadas às

decorrente do desvio de função. Passo ao exame do pleito hipóteses previstas nos dispositivos apontados, porquanto a

subsidiário de pagamento de diferenças salariais em virtude do analogia requer situações paralelas, condições de trabalho

acúmulo de funções. similares.

Para o exame dessa pretensão não se fará necessário a análise Ademais, não se cogita, pois, de acréscimo salarial, máxime se

das provas orais produzidas, nos mesmos moldes do exame do observado que o exercício das mencionadas funções se dava na

pedido de diferenças salariais por desvio de função. mesma jornada de trabalho. O fato não envolve ocupação de outro

cargo, cumulativamente, mas simples deslocamento de atribuições.

De acordo com a inicial, a reclamante afirma que acumulava as

atividades de atendente de protocolo, auditor, bibliotecário, inspetor A execução de múltiplas tarefas em uma mesma jornada não

e assistente técnico de informática. autoriza o reconhecimento automático de um plus salarial para cada

uma, mostrando-se compatíveis com a função para a qual foi

contratado. Inteligência do art. 456, parágrafo único, da CLT, que

traduz a intenção do legislador em remunerar o trabalhador por

É certo que o 'plus' salarial pleiteado encontra respaldo no artigo 13 unidade de tempo e não por tarefa desenvolvida.

da Lei nº 6.615/78, que regula a profissão de radialista, e no artigo

22 da Lei 6533/78, que prevê o adicional de acúmulo de função

para artistas e técnicos em espetáculos de diversões. No mesmo

sentido é o artigo 8º, da Lei nº 3.207/57, segundo o qual o vendedor O cometimento ao trabalhador de tarefas estranhas ao ajuste inicial

que presta serviços de inspeção e fiscalização tem direito a receber autoriza o exercício do chamado jus resistentiae, ou enseja, se

do empregador um adicional de 1/10 sobre a remuneração. determinante de excesso de jornada, o pagamento de horas extras,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 52
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

não gerando por si só direito a salário específico ou mesmo a um

plussalarial.

Nada a modificar.

O simples acúmulo de funções dentro da mesma jornada de

trabalho não é, pura e simplesmente, causa bastante para justificar Em sua exordial, a demandante asseverou que, contratada como

um suposto direito ao salário de todas as funções, sendo necessário Recepcionista, teve sua carteira de trabalho alterada para a função

que haja previsão legal, convencional ou contratual para tanto, o de Atendente de Protocolo, acumulando-a, ainda, com as funções

que não ocorre no caso dos autos. Desse modo, não existe próprias de Bibliotecário, Auditor, Inspetor e Secretário de

fundamento jurídico para o referido plus. Inspetoria.

Portanto, em face da inexistência de previsão legal, instrumento Sobre as tarefas desempenhadas, assim relacionou-as:

normativo, ou regulamento de empresa, em que se disponha ou se

estipule sobre o pagamento do adicional por acúmulo de funções e,

tampouco evidenciada a existência de ajuste ainda que de forma

tácita entre as partes, não é devido o pagamento de acréscimo "ATENDENTE DE PROTOCOLO - receber documentos em geral e

salarial, sob pena de ofensa direta e literal ao art. 5º, II, da encaminhar os referidos documentos para o setor competente.

Constituição Federal.

BIBLIOTECÁRIA - ficava responsável pelo acervo dos livros, bem

como da entrega e recebimento dos mesmos.

Julgo improcedente o pagamento de diferenças salariais decorrente AUDITOR E INSPETOR - confeccionava certidões de regularidade

de acúmulo de funções e reflexos em outras parcelas salariais. fiscal, alerta de gestão fiscal, ofícios destinados à prefeitura

solicitando documentos atinentes às prestações de contas, e ainda,

alimentação do sistema do banco de horas.

Diante do julgamento improcedente das pretensões condenatórias SECRETÁRIO DE INSPETORIA - fiscalizava os horários dos

formuladas, restaram prejudicados o exame dos pedidos de trabalhadores terceirizados, requisitava ao TCE o pagamento das

declaração da responsabilidade solidária/subsidiária do 2º diárias dos empregados terceirizados, arquivava documentos e

reclamado e de aplicação da multa prevista no art. 523, § 1º, do realizava a expedição de malotes (apenas quando substituía a Sra.

CPC". Maria Bezerra Freire de Aquino)" (ID 691804f).

Visando a modificação do julgado, a demandante alega que o A situação fática capaz de ensejar o deferimento do acréscimo

sentenciante julgou de forma contrária à prova dos autos, sendo salarial por acúmulo de função decorre de alteração contratual

certo que a prova testemunhal confirmou o desempenho efetivo de lesiva ao empregado, de quem se passa a exigir, no curso do

tarefas mais complexas do que aquelas para as quais foi contrato, o desempenho de atividades distintas daquelas que

contratada, sem percepção da remuneração superior aplicáveis a integram o conteúdo ocupacional da função até então exercida, e

tais ofícios, destacando ser irrelevante à extrapolação da jornada que demandem maior grau de qualificação ou maior

como requisito para deferimento do plus salarial. Reproduz responsabilidade, exigindo, por consequência, melhor remuneração.

decisórios convergentes com sua tese.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 53
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

fiscalizados pelo Tribunal, fazia planilhas de controle acerca dos

Não se nega, entretanto, que, nos limites do "jus variandi", é órgãos que estavam cumprindo as resoluções do TCE, fazia

facultado ao empregador exigir do empregado o cumprimento de também o arquivamento de documentos (planilhas e relatórios

tarefas diversificadas, desde que compatíveis com a natureza da acerca do cumprimento das resoluções); que havia uma

função para a qual foi admitido, com vistas a adequar a prestação recepcionista responsável por receber ligações, protocolar

do serviço ao desenvolvimento da atividade empresarial, sem que documentos e receber documentos dos correios, e quando essa

isso implique o reconhecimento da multiplicidade de funções ou pessoa faltava, cabia à reclamante substituí-la; que o depoente era

contratos apta a gerar cumulação de salários. secretário do inspetor e apenas exercia as mesmas atividades da

reclamante quando havia necessidade; que no setor em que

trabalhavam havia 5 pessoas, um secretário da inspetoria, dois

funcionários cedidos, uma secretária, uma recepcionista e a

Nesse sentido, faz-se imperioso transcrever o teor do parágrafo reclamante; que os dois cedidos e o efetivo faziam a mesma

único do art. 456 da CLT: atividade que a reclamante; que a recepcionista apenas exercia as

mesmas atividades que a reclamante quando havia necessidade;

que haviam planilhas que apenas eram alimentadas pela

reclamante, e outras que eram criadas e alimentadas pela

"À falta de prova ou inexistindo cláusula expressa a tal respeito, reclamante; que o inspetor regional era quem definia as atividades a

entender-se-á que o empregado se obrigou a todo e qualquer serem exercidas pela reclamante; que apenas havia um setor

serviço compatível com a sua condição pessoal". administrativo; que trabalahvam no TCE em Salgueiro de 21 a 23

pessoas; que o setor administrativo ficava em local distinto da

recepção; que havia controle de jornada biométrico, e competia à

reclamante controlar as anotações do ponto, inclusive lhe cabendo

Da simples descrição de tarefas, concluo que elas não detêm a realizar alterações no ponto, como justificar uma falta, a pedido do

complexidade alegada pela autora e são compatíveis com as que se inspetor; que de 2010 a 2016 foram inspetores, do TCE em

espera de uma atendente de protocolo. Não houve comprovação de Salgueiro, os senhores Ladislau, Lari, Ivan e outro que não se

exercício efetivo das funções mais complexas que demandam curso recorda; que havia na inspetoria 1 recepcionista, a Sra. Paula, e na

superior, a exemplo da profissão de bibliotecária, que atua também ausência desta a reclamante exercia suas funções; que a

na catalogação de livros, e não apenas em sua guarda, entrega e reclamante também confeccionava certidões de regularidade fiscal

recebimento. Do mesmo modo, a emissão de simples certidões e e alerta de gestão fiscal; que a reclamante também era responsável

ofícios, controle de ponto e solicitação de documentos não pela solicitação de diárias para os terceirizados" (ID e7458f3).

compreendem todas as tarefas de um auditor ou inspetor, que

envolve um feixe de tarefas muito mais amplo e complexo.

Ademais, as atribuições foram executadas no mesmo local e dentro

da jornada de trabalho.

A única testemunha, indicada pela reclamada, relata as tarefas

desempenhadas, não se extraindo elementos capazes de favorecer

a obreira. Veja-se:

Assim como o sentenciante, destaco ainda a impossibilidade de

deferimento da pretensão, uma vez que a acionante quer obter a

remuneração paga a servidores ocupantes de cargos públicos

""(...) fazia numeração dos processos, fazia controle de ponto dos submetidos a concurso público, o que não é a ela extensível, na

servidores do Tribunal de Contas, fazia ligações telefônicas a condição de terceirizada laborando no Tribunal de Consta do

órgãos públicos cobrando o envio de informações acerca do Estado de Pernambuco.

cumprimento de determinações do Tribunal, fazia protocolo de

documentos, expedia ofícios para os órgãos públicos que eram

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 54
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Nessa hipótese, o plus salarial encontra óbice na determinação

constitucional expressa em seu art. 37, II, da CF. ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Tribunal Regional

do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, negar provimento

ao apelo.

Desse modo, entendo que as atividades comprovadamente Recife (PE), 29 de agosto de 2018.

desempenhadas pela autora não podem ser avaliadas como de

maior complexidade ou de cunho diferenciado, enquadrando-se no

feixe de atribuições licitamente exigíveis.

EDUARDO PUGLIESI

Desembargador Relator

CONCLUSÃO

CERTIDÃO DE JULGAMENTO

Ante o exposto, nego provimento ao apelo.

Certifico que, em sessão ordinária hoje realizada, cuja pauta foi

publicada no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho - DEJT de

22.08.2018, sob a presidência da Exma. Sra. Desembargadora

MARIA DO SOCORRO SILVA EMERENCIANO, com a presença do

Ministério Público do Trabalho da 6ª Região, representado pelo

Exmo. Sr. Procurador Waldir Bitu e dos Exmos. Srs.

Desembargador Eduardo Pugliesi (Relator) e Maria de Betania

Silveira Villela (Juíza Titular da 1ª Vara do Trabalho de Jaboatão

dos Guararapes, convocada para o gabinete Vago), resolveu a 1ª

Turma do Tribunal, por unanimidade, negar provimento ao apelo.

Certifico e dou fé.

Sala de Sessões, em 29 de agosto 2018.

Vera Neuma de Moraes Leite

Secretária da 1ª Turma

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 55
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Acórdão
Processo Nº RO-0001426-44.2016.5.06.0018
Relator ANDREA KEUST BANDEIRA DE
MELO
RECORRENTE ALBERTO CAETANO COSTA
ADVOGADO MARIA CRISTINA HORTA BARBOSA EMENTA:
LA CORTE(OAB: 32432/PE)
ADVOGADO ANDRE LUIS ALCOFORADO
MENDES(OAB: 24818/PE)
RECORRENTE ALBERTO DE LIMA GONCALVES
ADVOGADO MARIA CRISTINA HORTA BARBOSA
LA CORTE(OAB: 32432/PE)
ADVOGADO ANDRE LUIS ALCOFORADO
MENDES(OAB: 24818/PE)
RECORRIDO EMPRESA BRASILEIRA DE
CORREIOS E TELEGRAFOS
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO

Intimado(s)/Citado(s): RECURSO ORDINÁRIO. DIREITO DO TRABALHO. AUXÍLIO-

- ALBERTO CAETANO COSTA ALIMENTAÇÃO. NATUREZA JURÍDICA INDENIZATÓRIA.

Comprovado nos autos que desde a implantação o auxílio-

alimentação concedido pela reclamada teve caráter oneroso,

arcando os empregados com uma parte do custeio da parcela,


PODER
forçoso concluir que tem natureza indenizatória o benefício
JUDICIÁRIO
concedido. Recurso ordinário improvido.

PROC. Nº TRT - (RO) - 0001426-44.2016.5.06.0018.

ÓRGÃO JULGADOR : PRIMEIRA TURMA.

Vistos etc.
RELATORA : JUÍZA CONVOCADA ANDRÉA KEUST BANDEIRA

DE MELO. Trata-se de Recurso Ordinário interposto por ALBERTO CAETANO

COSTA e ALBERTO DE LIMA GONÇALVES contra a decisão


RECORRENTES : ALBERTO CAETANO COSTA e ALBERTO DE proferida pelo MM. Juízo da 18ª Vara do Trabalho do Recife/PE,
LIMA GONÇALVES. que julgou IMPROCEDENTES os pedidos formulados na

reclamação trabalhista proposta pelos recorrentes em face de


RECORRIDA : EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS, ora
TELÉGRAFOS -ECT. recorrida, conforme fundamentação da sentença de ID. 2cd9f59.

ADVOGADOS : ANDRÉ LUIS ALCOFORADO MENDES. No arrazoado de ID. daa7557, insistem os recorrentes na alegação

de que deve ser reconhecida a natureza salarial das parcelas pagas


PROCEDÊNCIA : 18ª VARA DO TRABALHO DO RECIFE/PE. a título de vale-refeição, do vale-alimentação e da cesta-básica,

determinando a incorporação dos referidos títulos para todos os fins

de direito. Afirmam que desde a data de admissão a recorrida não

efetuava qualquer desconto salarial em razão dos benefícios

concedidos, até porque não havia qualquer previsão nas normas

coletivas da categoria da participação/compartilhamento dos

obreiros no programa de custeio do vale alimentação. Destacam

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 56
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

que a adesão da empresa a PAT-Programa de Alimentação do

Trabalhador, ocorreu após a admissão, e somente a partir do ano

de 1994 tais benefícios passaram a ser compartilhados, conforme

ACT 1995/1996, o que atrai a aplicação do entendimento esposado

na Orientação Jurisprudencial nº 413, do C. TST, tendo nítida DO MÉRITO:

natureza salarial. Aduzem que a alteração da natureza jurídica das

parcelas de alimentação, transmudando-as de salarial para Da natureza jurídica do vale alimentação.

indenizatória, não alcança eles, recorrentes, porquanto já percebiam

os títulos em caráter remuneratório, atraindo assim a aplicação da Insistem os reclamantes, ora recorrentes, na alegação de que deve

Súmula 241 do C. TST. Invocam o princípio da inalterabilidade ser reconhecida a natureza salarial das parcelas pagas a título de

contratual lesiva, insculpido nos artigos 9 e 468 da CLT e vale-refeição, vale-alimentação e cesta-básica, sob o argumento,

sedimentado na Súmula 51 do C. TST, além do princípio da adesão em síntese, que desde a data de admissão a recorrida não efetuava

e o princípio da irredutibilidade salarial. Citam jurisprudência em qualquer desconto salarial em razão dos benefícios concedidos,

defesa de seus argumentos e requerem provimento do recurso. sendo que a adesão da empresa a PAT-Programa de Alimentação

do Trabalhador não teve o condão de transmudar a natureza

As contrarrazões foram apresentadas pela reclamada, conforme ID. salarial das parcelas postuladas.

aabce1d.

Pois bem.

O Ministério Público do Trabalho, em sua manifestação de ID.

83d5d61, de lavra do Dr. Pedro Luiz Gonçalves Serafim da Silva, O MM. juízo de primeiro grau reconheceu que as parcelas de

esclareceu não existir interesse público a demandar intervenção do alimentação sempre tiveram natureza indenizatória, mesmo antes

Parquet, ressalvando, no entanto, a faculdade de se pronunciar da adesão da empresa ao PAT, razão pela qual julgou

verbalmente ou pedir vista regimental na sessão de julgamento, improcedentes os pedidos da exordial, pelos seguintes

caso entenda necessário (artigo 83, VII, da Lei Complementar fundamentos:

75/93).

"A tese patronal é de que a parcela sempre guardou natureza

É o relatório. indenizatória, na medida em que sempre houve o desconto

respectivo, mesmo antes da adesão ao PAT em 1989 e a

gratuidade restou afastada, de fato, quando se observa das folhas

de pagamento juntadas os descontos respectivos, desde a

implantação de tal benefício, tudo, aliás, nos termos da normativa

interna respectiva.

É que o primeiro regramento (DEL 073/1986) estabeleceu no item

04 a forma de custeio do benefício por cota parte do trabalhador e o

VOTO: remanescente pelo empregador, de modo que desde a origem

houve a determinação de que se realizasse o devido desconto em

DA ADMISSIBILIDADE: folha de pagamento. Da mesma forma, a norma substitutiva (DEL

076/1986), manteve a forma de custeio e, por conseguinte, a

Conheço do recurso ordinário interposto, por observadas as onerosidade ao empregado, que arcaria com parte desse custo.

formalidades legais, bem como das contrarrazões, que

regularmente apresentadas. Entendo, pois, que a parcela cuja natureza salarial os autores

pretendem seja restaurada, não poderá ser objeto de tal

restauração, uma vez que nunca possuiu tal natureza. Ao revés,

mesmo antes de qualquer adesão ao PAT, guardou caráter

oneroso, motivo pelo qual não há que se falar em alteração

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 57
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

contratual lesiva. empregado por dia de trabalho, sendo fornecido mensalmente, em

quantia fixa, mediante solicitação específica.

Com tais considerações, julgo improcedentes todos os pedidos

deduzidos pelos reclamantes." (...)

Decidiu com acerto o MM. juízo a quo. 4. CUSTEIO DO VALE-ALIMENTAÇÃO.

Com efeito, os reclamantes informaram na exordial que desde a (...)

data de admissão a reclamada fornece vale-refeição, vale

alimentação e cesta básica, sem efetuar qualquer desconto em 4.2 Indenização. O valor mensal da indenização à Empresa, pelo

seus salários, tendo tais benefícios nítida natureza salarial, razão empregado, será igual ao resultado da diferença entre o valor facial

pela qual postulam a incorporação dos referidos títulos para todos do Vale-Alimentação fornecido e o valor subsidiado, descontado na

os fins de direito. folha de pagamento referente ao mês para o qual for solicitado."

A reclamada, por seu turno, em sua contestação (ID. a22ad54), Como se observa, os documentos acima mencionados (DEL -

afirmou que o benefício auxílio-alimentação/cesta básica foi 073/86 e DEL - 076/86) comprovam que desde a implantação do

implantado por norma interna (DEL 073/1986), de 10/09/1986, Vale-Alimentação, no âmbito da reclamada, tiveram natureza

sendo substituída por outra norma interna (DEL 076/1986), de indenizatória, arcando os empregados com uma parte do custeio da

18/09/1986, por apresentar incorreções, e o empregado participa de parcela.

seu custeio, mediante desconto em folha de pagamento de parcela

de indenização, sendo, portanto um benefício oneroso (não A demandada ainda trouxe aos autos os documentos de ID.

gratuito), o que afasta a natureza salarial alegada pelos 7ccc044 e ID. 166c5a7, comprovando sua adesão ao PAT -

reclamantes, tudo conforme normas da ECT. Programa de Alimentação do Trabalhador, de modo que o benefício

concedido através deste programa não tem natureza salarial, como

A ré juntou aos autos os documentos de ID. 2d960c8 e ID. adc9ec6 dispõe expressamente o art. 6º do Decreto 5, de 14 de janeiro de

(DEL - 073/86 e DEL - 076/86, respectivamente), consistentes em 1991:

normas internas que tratam da implantação do "Vale-Alimentação

subsidiado no âmbito da ECT", e cuja vigência se iniciou em "Art. 6º. Nos Programas de Alimentação do Trabalhador (PAT),

10/09/1986. previamente aprovados pelo Ministério do Trabalho e da

Previdência Social, a parcela paga in-natura pela empresa não tem

Observe-se o que consta na norma interna DEL 076/1986 (ID. natureza salarial, não se incorpora à remuneração para quaisquer

adc9ec6): efeitos, não constitui base de incidência de contribuição

previdenciária ou do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e

"ASSUNTO: Vale-Alimentação Subsidiado. nem se configura como rendimento tributável do trabalhador."

VIGÊNCIA: a partir de 01 de outubro de 1986. Embora a inscrição da reclamada no Programa de Alimentação do

Trabalhador tenha ocorrido somente em 1988, o conjunto probatório

(...) dos autos revela que desde a implantação do benefício havia

participação dos empregados no custeio do vale-alimentação, o que

2. CONCEITUAÇÃO. desnatura o caráter salarial do benefício, pois ausente o requisito da

graciosidade.

Vale-Alimentação é o instrumento que possibilita a refeição do

empregado nos estabelecimentos associados as empresas Trata-se de matéria já conhecida por esta egrégia 1ª Turma do

contratadas pela ECT. Sexto Regional, em que constatado a natureza indenizatória do vale

-alimentação dos empregados da Empresa Brasileira de Correios e

2.1. O Vale-Alimentação destina-se exclusivamente à refeição do Telégrafos, conforme seguintes julgados, in verbis:

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 58
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

benefício (...)", nos termos das OJ n. 413 da SBDI-II. II - Assim,

"RECURSO ORDINÁRIO. AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO. essa regra se aplica ao empregado que comprovar que já recebia o

PARTICIPAÇÃO DO EMPREGADO NO CUSTEIO ANTES DA auxílio-alimentação, de forma habitual, antes da adesão da ré ao

ADESÃO AO PAT. NATUREZA INDENIZATÓRIA. Conquanto a OJ PAT. III - No caos dos autos, a autora deveria ter demonstrado, de

nº 413, da SDI-1, do TST estabeleça que, mesmo com a adesão do forma inequívoca, que percebia tal auxílio antes de 1986 (data em

empregador ao Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), o que fora autorizado o desconto) ou do ano de 1988 (data de adesão

auxílio-alimentação conserva sua natureza salarial em relação aos da empresa ao PAT), ônus que lhe pertencia, a teor dos artigos 373,

empregados que já recebiam o benefício habitualmente, tal inciso I, do CPC e 818 da CLT, o que não aconteceu na hipótese

premissa não se aplica aos casos em que, antes do ingresso no dos autos. IV - Recurso Ordinário provido." (TRT da 6ª Região.

Programa, a empresa efetuava desconto na remuneração do Processo: RO - 0001293-39.2015.5.06.0017, Redator: Sergio Torres

trabalhador, como forma de participação no custeio da parcela, Teixeira, Data de julgamento: 10/09/2017, Primeira Turma, Data da

situação verificada nos autos, impondo-se, assim, o reconhecimento assinatura: 13/09/2017)

da sua natureza indenizatória. Recurso ordinário provido." (TRT da

6ª Região. Processo: RO - 0000332-15.2017.5.06.0022, Redator: O Colendo Tribunal Superior do Trabalho também já firmou

Eduardo Pugliesi, Data de julgamento: 06/12/2017, Primeira Turma, entendimento no mesmo sentido, em que discutida a natureza do

Data da assinatura: 07/12/2017) vale-alimentação fornecida pela Empresa Brasileira de Correios e

Telégrafos - ECT, conforme precedentes, in verbis:

"REMESSA NECESSÁRIA. EMPRESA BRASILEIRA DE

CORREIOS E TELÉGRAFOS - EBCT. VALE- "I - RECURSO DE REVISTA DA RECLAMADA INTERPOSTO

REFEIÇÃO/ALIMENTAÇÃO E CESTA BÁSICA. NATUREZA SOB A ÉGIDE DA LEI N° 13.015/2014 E DO NCPC - AUXÍLIO-

JURÍDICA INDENIZATÓRIA. CUSTEIO RECÍPROCO. PREVISÃO ALIMENTAÇÃO - ONEROSIDADE - NATUREZA

EM NORMA INTERNA DA EMPRESA. ADESÃO AO PAT. INDENIZATÓRIA. Nos termos da jurisprudência desta Corte, possui

PRECEDENTES DESTA E. CORTE. Evidenciada, à luz do conjunto natureza indenizatória o auxílio-alimentação fornecido a título

probatório, que a percepção, pelo trabalhador, de vale- oneroso, ou seja, com a coparticipação do empregado no custeio da

refeição/alimentação e cesta básica ocorreu somente a partir de parcela mediante desconto parcial no salário. Julgados. Recurso de

outubro de 1986, e que tais benefícios eram custeados de forma Revista conhecido e provido. (...)". (TST-ARR - 20638-

recíproca entre empregado e empregador, conforme disposto nos 19.2016.5.04.0661 , Relatora Ministra: Maria Cristina Irigoyen

itens 4.1 e 4.2 das Normas Internas da Diretoria da empresa (DEL Peduzzi, Data de Julgamento: 09/05/2018, 8ª Turma, Data de

073/86 e DEL 076/86), bem assim que a partir do ano de 1988 Publicação: DEJT 11/05/2018)

houve adesão da empresa ao Programa de Alimentação do

Trabalhador - PAT, inquestionável revela-se a natureza "AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA.

indenizatória das parcelas em comento." (TRT da 6ª Região. AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO. NATUREZA JURÍDICA.

Processo: Reenec/RO - 0001833-95.2016.5.06.0391, Redator: PARTICIPAÇÃO DO EMPREGADO NO CUSTEIO DO

Valéria Gondim Sampaio, Data de julgamento: 05/10/2017, Primeira BENEFÍCIO. A jurisprudência desta Corte Superior consolidou-se

Turma, Data da assinatura: 11/10/2017) no sentido de que a não gratuidade do benefício auxílio-alimentação

fornecido pelo empregador afasta a natureza salarial da parcela.

"DIREITO DO TRABALHO. DIREITO PROCESSUAL DO Portanto, decisão regional no mesmo sentido inviabiliza o

TRABALHO. RECURSO ORDINÁRIO. AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO. seguimento do Recurso de Revista pela aplicação da Súmula n.º

NATUREZA JURÍDICA. ADESÃO DA EMPRESA RÉ AO 333 desta Corte. Agravo de Instrumento conhecido e não provido."

PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR - PAT. I - A (TST-AIRR - 1072-17.2016.5.21.0013 , Relatora Ministra: Maria de

Corte Superior da Justiça do Trabalho já unificou entendimento de Assis Calsing, Data de Julgamento: 09/05/2018, 4ª Turma, Data de

que "(...) A pactuação em norma coletiva conferindo caráter Publicação: DEJT 11/05/2018).

indenizatório à verba 'auxílio-alimentação' ou a adesão posterior do

empregador ao Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT - "RECURSO DE REVISTA. ACÓRDÃO PUBLICADO NA VIGÊNCIA

não altera a natureza salarial da parcela, instituída anteriormente, DA LEI 13.015/2014. AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO. PARTICIPAÇÃO

para aqueles empregados que, habitualmente, já percebiam o DO EMPREGADO NO CUSTEIO DO BENEFÍCIO. NATUREZA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 59
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

INDENIZATÓRIA. Fixado pelo TRT que havia participação do DA CONCLUSÃO:

empregado no custeio do auxílio-alimentação desde a sua

implantação, ao contrário do que entendera o Regional, a parcela Diante do exposto, conheço do recurso ordinário, bem como das

sempre foi indenizatória, de modo que a adesão da recorrente ao contrarrazões. No mérito, nego-lhe provimento.

PAT não promoveu qualquer alteração no contrato de trabalho

celebrado com o recorrido. Frise-se, ademais, que o entendimento

desta Corte, em casos análogos envolvendo a ECT, é no sentido da

natureza indenizatória do auxílio-alimentação quando custeado,

ainda que em valor ínfimo, por parte do empregado. Precedentes.

Recurso de revista conhecido e provido." (TST-RR - 21058-

86.2016.5.04.0511 , Relator Ministro: Breno Medeiros, Data de

Julgamento: 02/05/2018, 5ª Turma, Data de Publicação: DEJT

11/05/2018).

Assim, nego provimento ao recurso.

Do prequestionamento. Das violações legais e constitucionais.

Os fundamentos acima lançados demonstram o posicionamento do

Juízo, que não vulnera qualquer dispositivo da ordem legal ou

constitucional, estando, ainda, as matérias devidamente

prequestionadas.

ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Tribunal Regional

Registro, por oportuno, que o prequestionamento de que cuida a do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, CONHECER do

Súmula n.º 297 do C. TST prescinde da referência expressa a todos recurso ordinário, bem como das contrarrazões. No mérito, por

os dispositivos tidos por violados, conforme a interpretação unanimidade, NEGAR-LHE PROVIMENTO.

conferida pelo próprio C. Tribunal Superior do Trabalho, in verbis:

Recife (PE), 07 de junho 2018.

"PREQUESTIONAMENTO. TESE EXPLÍCITA. INTELIGÊNCIA DA

SÚMULA N.º 297. Havendo tese explícita sobre a matéria, na ANDRÉA KEUST BANDEIRA DE MELO

decisão recorrida, desnecessário contenha nela referência expressa

do dispositivo legal para ter-se como prequestionado este. (OJ nº. Juíza Convocada Relatora

118 da SDI-I)."

Destaco, desde logo, que eventual oferecimento de embargos de

declaração reputados manifestamente protelatórios, atrai a CERTIDÃO DE JULGAMENTO

penalidade prevista no art. 1.026, § 2º, do CPC/2015, o que ficam

desde logo advertidas as partes litigantes. Certifico que, em sessão ordinária hoje realizada, cuja pauta foi

publicada no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho - DEJT de

30/05/2018, sob a presidência do Exmo. Sr. Desembargador

SERGIO TORRES TEIXEIRA, com a presença do Ministério Público

do Trabalho da 6ª Região, representado pela Exma. Sra.

Procuradora Ângela Lobo e dos Exmos. Srs. Andréa Keust Bandeira

de Melo (Relatora - Juíza Titular da 8ª Vara do Trabalho do Recife

convocada, em substituição a Exma. Desembargadora Maria do

Socorro Silva Emerenciano) e Eduardo Pugliesi (Desembargador),

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 60
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

resolveu a 1ª Turma do Tribunal, por unanimidade, CONHECER


PODER
do recurso ordinário, bem como das contrarrazões. No mérito, por
JUDICIÁRIO
unanimidade, NEGAR-LHE PROVIMENTO.

Certifico e dou fé.

Sala de Sessões, 07 de junho de 2018.

PROC. Nº TRT - (RO) - 0001426-44.2016.5.06.0018.

Vera Neuma de Moraes Leite ÓRGÃO JULGADOR : PRIMEIRA TURMA.

Secretária da 1ª Turma RELATORA : JUÍZA CONVOCADA ANDRÉA KEUST BANDEIRA

DE MELO.

RECORRENTES : ALBERTO CAETANO COSTA e ALBERTO DE

LIMA GONÇALVES.

RECORRIDA : EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E

TELÉGRAFOS -ECT.

ADVOGADOS : ANDRÉ LUIS ALCOFORADO MENDES.

PROCEDÊNCIA : 18ª VARA DO TRABALHO DO RECIFE/PE.

Acórdão
Processo Nº RO-0001426-44.2016.5.06.0018
Relator ANDREA KEUST BANDEIRA DE
MELO
RECORRENTE ALBERTO CAETANO COSTA
ADVOGADO MARIA CRISTINA HORTA BARBOSA
LA CORTE(OAB: 32432/PE) EMENTA:
ADVOGADO ANDRE LUIS ALCOFORADO
MENDES(OAB: 24818/PE)
RECORRENTE ALBERTO DE LIMA GONCALVES
ADVOGADO MARIA CRISTINA HORTA BARBOSA
LA CORTE(OAB: 32432/PE)
ADVOGADO ANDRE LUIS ALCOFORADO
MENDES(OAB: 24818/PE)
RECORRIDO EMPRESA BRASILEIRA DE
CORREIOS E TELEGRAFOS
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO

Intimado(s)/Citado(s):
- ALBERTO DE LIMA GONCALVES RECURSO ORDINÁRIO. DIREITO DO TRABALHO. AUXÍLIO-

ALIMENTAÇÃO. NATUREZA JURÍDICA INDENIZATÓRIA.

Comprovado nos autos que desde a implantação o auxílio-

alimentação concedido pela reclamada teve caráter oneroso,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 61
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

arcando os empregados com uma parte do custeio da parcela, aabce1d.

forçoso concluir que tem natureza indenizatória o benefício

concedido. Recurso ordinário improvido. O Ministério Público do Trabalho, em sua manifestação de ID.

83d5d61, de lavra do Dr. Pedro Luiz Gonçalves Serafim da Silva,

esclareceu não existir interesse público a demandar intervenção do

Parquet, ressalvando, no entanto, a faculdade de se pronunciar

verbalmente ou pedir vista regimental na sessão de julgamento,

caso entenda necessário (artigo 83, VII, da Lei Complementar

75/93).

É o relatório.

Vistos etc.

Trata-se de Recurso Ordinário interposto por ALBERTO CAETANO

COSTA e ALBERTO DE LIMA GONÇALVES contra a decisão

proferida pelo MM. Juízo da 18ª Vara do Trabalho do Recife/PE,

que julgou IMPROCEDENTES os pedidos formulados na

reclamação trabalhista proposta pelos recorrentes em face de

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS, ora

recorrida, conforme fundamentação da sentença de ID. 2cd9f59. VOTO:

No arrazoado de ID. daa7557, insistem os recorrentes na alegação DA ADMISSIBILIDADE:

de que deve ser reconhecida a natureza salarial das parcelas pagas

a título de vale-refeição, do vale-alimentação e da cesta-básica, Conheço do recurso ordinário interposto, por observadas as

determinando a incorporação dos referidos títulos para todos os fins formalidades legais, bem como das contrarrazões, que

de direito. Afirmam que desde a data de admissão a recorrida não regularmente apresentadas.

efetuava qualquer desconto salarial em razão dos benefícios

concedidos, até porque não havia qualquer previsão nas normas

coletivas da categoria da participação/compartilhamento dos

obreiros no programa de custeio do vale alimentação. Destacam

que a adesão da empresa a PAT-Programa de Alimentação do

Trabalhador, ocorreu após a admissão, e somente a partir do ano

de 1994 tais benefícios passaram a ser compartilhados, conforme

ACT 1995/1996, o que atrai a aplicação do entendimento esposado

na Orientação Jurisprudencial nº 413, do C. TST, tendo nítida DO MÉRITO:

natureza salarial. Aduzem que a alteração da natureza jurídica das

parcelas de alimentação, transmudando-as de salarial para Da natureza jurídica do vale alimentação.

indenizatória, não alcança eles, recorrentes, porquanto já percebiam

os títulos em caráter remuneratório, atraindo assim a aplicação da Insistem os reclamantes, ora recorrentes, na alegação de que deve

Súmula 241 do C. TST. Invocam o princípio da inalterabilidade ser reconhecida a natureza salarial das parcelas pagas a título de

contratual lesiva, insculpido nos artigos 9 e 468 da CLT e vale-refeição, vale-alimentação e cesta-básica, sob o argumento,

sedimentado na Súmula 51 do C. TST, além do princípio da adesão em síntese, que desde a data de admissão a recorrida não efetuava

e o princípio da irredutibilidade salarial. Citam jurisprudência em qualquer desconto salarial em razão dos benefícios concedidos,

defesa de seus argumentos e requerem provimento do recurso. sendo que a adesão da empresa a PAT-Programa de Alimentação

do Trabalhador não teve o condão de transmudar a natureza

As contrarrazões foram apresentadas pela reclamada, conforme ID. salarial das parcelas postuladas.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 62
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

implantado por norma interna (DEL 073/1986), de 10/09/1986,

Pois bem. sendo substituída por outra norma interna (DEL 076/1986), de

18/09/1986, por apresentar incorreções, e o empregado participa de

O MM. juízo de primeiro grau reconheceu que as parcelas de seu custeio, mediante desconto em folha de pagamento de parcela

alimentação sempre tiveram natureza indenizatória, mesmo antes de indenização, sendo, portanto um benefício oneroso (não

da adesão da empresa ao PAT, razão pela qual julgou gratuito), o que afasta a natureza salarial alegada pelos

improcedentes os pedidos da exordial, pelos seguintes reclamantes, tudo conforme normas da ECT.

fundamentos:

A ré juntou aos autos os documentos de ID. 2d960c8 e ID. adc9ec6

"A tese patronal é de que a parcela sempre guardou natureza (DEL - 073/86 e DEL - 076/86, respectivamente), consistentes em

indenizatória, na medida em que sempre houve o desconto normas internas que tratam da implantação do "Vale-Alimentação

respectivo, mesmo antes da adesão ao PAT em 1989 e a subsidiado no âmbito da ECT", e cuja vigência se iniciou em

gratuidade restou afastada, de fato, quando se observa das folhas 10/09/1986.

de pagamento juntadas os descontos respectivos, desde a

implantação de tal benefício, tudo, aliás, nos termos da normativa Observe-se o que consta na norma interna DEL 076/1986 (ID.

interna respectiva. adc9ec6):

É que o primeiro regramento (DEL 073/1986) estabeleceu no item "ASSUNTO: Vale-Alimentação Subsidiado.

04 a forma de custeio do benefício por cota parte do trabalhador e o

remanescente pelo empregador, de modo que desde a origem VIGÊNCIA: a partir de 01 de outubro de 1986.

houve a determinação de que se realizasse o devido desconto em

folha de pagamento. Da mesma forma, a norma substitutiva (DEL (...)

076/1986), manteve a forma de custeio e, por conseguinte, a

onerosidade ao empregado, que arcaria com parte desse custo. 2. CONCEITUAÇÃO.

Entendo, pois, que a parcela cuja natureza salarial os autores Vale-Alimentação é o instrumento que possibilita a refeição do

pretendem seja restaurada, não poderá ser objeto de tal empregado nos estabelecimentos associados as empresas

restauração, uma vez que nunca possuiu tal natureza. Ao revés, contratadas pela ECT.

mesmo antes de qualquer adesão ao PAT, guardou caráter

oneroso, motivo pelo qual não há que se falar em alteração 2.1. O Vale-Alimentação destina-se exclusivamente à refeição do

contratual lesiva. empregado por dia de trabalho, sendo fornecido mensalmente, em

quantia fixa, mediante solicitação específica.

Com tais considerações, julgo improcedentes todos os pedidos

deduzidos pelos reclamantes." (...)

Decidiu com acerto o MM. juízo a quo. 4. CUSTEIO DO VALE-ALIMENTAÇÃO.

Com efeito, os reclamantes informaram na exordial que desde a (...)

data de admissão a reclamada fornece vale-refeição, vale

alimentação e cesta básica, sem efetuar qualquer desconto em 4.2 Indenização. O valor mensal da indenização à Empresa, pelo

seus salários, tendo tais benefícios nítida natureza salarial, razão empregado, será igual ao resultado da diferença entre o valor facial

pela qual postulam a incorporação dos referidos títulos para todos do Vale-Alimentação fornecido e o valor subsidiado, descontado na

os fins de direito. folha de pagamento referente ao mês para o qual for solicitado."

A reclamada, por seu turno, em sua contestação (ID. a22ad54), Como se observa, os documentos acima mencionados (DEL -

afirmou que o benefício auxílio-alimentação/cesta básica foi 073/86 e DEL - 076/86) comprovam que desde a implantação do

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 63
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Vale-Alimentação, no âmbito da reclamada, tiveram natureza

indenizatória, arcando os empregados com uma parte do custeio da "REMESSA NECESSÁRIA. EMPRESA BRASILEIRA DE

parcela. CORREIOS E TELÉGRAFOS - EBCT. VALE-

REFEIÇÃO/ALIMENTAÇÃO E CESTA BÁSICA. NATUREZA

A demandada ainda trouxe aos autos os documentos de ID. JURÍDICA INDENIZATÓRIA. CUSTEIO RECÍPROCO. PREVISÃO

7ccc044 e ID. 166c5a7, comprovando sua adesão ao PAT - EM NORMA INTERNA DA EMPRESA. ADESÃO AO PAT.

Programa de Alimentação do Trabalhador, de modo que o benefício PRECEDENTES DESTA E. CORTE. Evidenciada, à luz do conjunto

concedido através deste programa não tem natureza salarial, como probatório, que a percepção, pelo trabalhador, de vale-

dispõe expressamente o art. 6º do Decreto 5, de 14 de janeiro de refeição/alimentação e cesta básica ocorreu somente a partir de

1991: outubro de 1986, e que tais benefícios eram custeados de forma

recíproca entre empregado e empregador, conforme disposto nos

"Art. 6º. Nos Programas de Alimentação do Trabalhador (PAT), itens 4.1 e 4.2 das Normas Internas da Diretoria da empresa (DEL

previamente aprovados pelo Ministério do Trabalho e da 073/86 e DEL 076/86), bem assim que a partir do ano de 1988

Previdência Social, a parcela paga in-natura pela empresa não tem houve adesão da empresa ao Programa de Alimentação do

natureza salarial, não se incorpora à remuneração para quaisquer Trabalhador - PAT, inquestionável revela-se a natureza

efeitos, não constitui base de incidência de contribuição indenizatória das parcelas em comento." (TRT da 6ª Região.

previdenciária ou do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Processo: Reenec/RO - 0001833-95.2016.5.06.0391, Redator:

nem se configura como rendimento tributável do trabalhador." Valéria Gondim Sampaio, Data de julgamento: 05/10/2017, Primeira

Turma, Data da assinatura: 11/10/2017)

Embora a inscrição da reclamada no Programa de Alimentação do

Trabalhador tenha ocorrido somente em 1988, o conjunto probatório "DIREITO DO TRABALHO. DIREITO PROCESSUAL DO

dos autos revela que desde a implantação do benefício havia TRABALHO. RECURSO ORDINÁRIO. AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO.

participação dos empregados no custeio do vale-alimentação, o que NATUREZA JURÍDICA. ADESÃO DA EMPRESA RÉ AO

desnatura o caráter salarial do benefício, pois ausente o requisito da PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR - PAT. I - A

graciosidade. Corte Superior da Justiça do Trabalho já unificou entendimento de

que "(...) A pactuação em norma coletiva conferindo caráter

Trata-se de matéria já conhecida por esta egrégia 1ª Turma do indenizatório à verba 'auxílio-alimentação' ou a adesão posterior do

Sexto Regional, em que constatado a natureza indenizatória do vale empregador ao Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT -

-alimentação dos empregados da Empresa Brasileira de Correios e não altera a natureza salarial da parcela, instituída anteriormente,

Telégrafos, conforme seguintes julgados, in verbis: para aqueles empregados que, habitualmente, já percebiam o

benefício (...)", nos termos das OJ n. 413 da SBDI-II. II - Assim,

"RECURSO ORDINÁRIO. AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO. essa regra se aplica ao empregado que comprovar que já recebia o

PARTICIPAÇÃO DO EMPREGADO NO CUSTEIO ANTES DA auxílio-alimentação, de forma habitual, antes da adesão da ré ao

ADESÃO AO PAT. NATUREZA INDENIZATÓRIA. Conquanto a OJ PAT. III - No caos dos autos, a autora deveria ter demonstrado, de

nº 413, da SDI-1, do TST estabeleça que, mesmo com a adesão do forma inequívoca, que percebia tal auxílio antes de 1986 (data em

empregador ao Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), o que fora autorizado o desconto) ou do ano de 1988 (data de adesão

auxílio-alimentação conserva sua natureza salarial em relação aos da empresa ao PAT), ônus que lhe pertencia, a teor dos artigos 373,

empregados que já recebiam o benefício habitualmente, tal inciso I, do CPC e 818 da CLT, o que não aconteceu na hipótese

premissa não se aplica aos casos em que, antes do ingresso no dos autos. IV - Recurso Ordinário provido." (TRT da 6ª Região.

Programa, a empresa efetuava desconto na remuneração do Processo: RO - 0001293-39.2015.5.06.0017, Redator: Sergio Torres

trabalhador, como forma de participação no custeio da parcela, Teixeira, Data de julgamento: 10/09/2017, Primeira Turma, Data da

situação verificada nos autos, impondo-se, assim, o reconhecimento assinatura: 13/09/2017)

da sua natureza indenizatória. Recurso ordinário provido." (TRT da

6ª Região. Processo: RO - 0000332-15.2017.5.06.0022, Redator: O Colendo Tribunal Superior do Trabalho também já firmou

Eduardo Pugliesi, Data de julgamento: 06/12/2017, Primeira Turma, entendimento no mesmo sentido, em que discutida a natureza do

Data da assinatura: 07/12/2017) vale-alimentação fornecida pela Empresa Brasileira de Correios e

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 64
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Telégrafos - ECT, conforme precedentes, in verbis: Do prequestionamento. Das violações legais e constitucionais.

"I - RECURSO DE REVISTA DA RECLAMADA INTERPOSTO Os fundamentos acima lançados demonstram o posicionamento do

SOB A ÉGIDE DA LEI N° 13.015/2014 E DO NCPC - AUXÍLIO- Juízo, que não vulnera qualquer dispositivo da ordem legal ou

ALIMENTAÇÃO - ONEROSIDADE - NATUREZA constitucional, estando, ainda, as matérias devidamente

INDENIZATÓRIA. Nos termos da jurisprudência desta Corte, possui prequestionadas.

natureza indenizatória o auxílio-alimentação fornecido a título

oneroso, ou seja, com a coparticipação do empregado no custeio da Registro, por oportuno, que o prequestionamento de que cuida a

parcela mediante desconto parcial no salário. Julgados. Recurso de Súmula n.º 297 do C. TST prescinde da referência expressa a todos

Revista conhecido e provido. (...)". (TST-ARR - 20638- os dispositivos tidos por violados, conforme a interpretação

19.2016.5.04.0661 , Relatora Ministra: Maria Cristina Irigoyen conferida pelo próprio C. Tribunal Superior do Trabalho, in verbis:

Peduzzi, Data de Julgamento: 09/05/2018, 8ª Turma, Data de

Publicação: DEJT 11/05/2018) "PREQUESTIONAMENTO. TESE EXPLÍCITA. INTELIGÊNCIA DA

SÚMULA N.º 297. Havendo tese explícita sobre a matéria, na

"AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. decisão recorrida, desnecessário contenha nela referência expressa

AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO. NATUREZA JURÍDICA. do dispositivo legal para ter-se como prequestionado este. (OJ nº.

PARTICIPAÇÃO DO EMPREGADO NO CUSTEIO DO 118 da SDI-I)."

BENEFÍCIO. A jurisprudência desta Corte Superior consolidou-se

no sentido de que a não gratuidade do benefício auxílio-alimentação Destaco, desde logo, que eventual oferecimento de embargos de

fornecido pelo empregador afasta a natureza salarial da parcela. declaração reputados manifestamente protelatórios, atrai a

Portanto, decisão regional no mesmo sentido inviabiliza o penalidade prevista no art. 1.026, § 2º, do CPC/2015, o que ficam

seguimento do Recurso de Revista pela aplicação da Súmula n.º desde logo advertidas as partes litigantes.

333 desta Corte. Agravo de Instrumento conhecido e não provido."

(TST-AIRR - 1072-17.2016.5.21.0013 , Relatora Ministra: Maria de

Assis Calsing, Data de Julgamento: 09/05/2018, 4ª Turma, Data de

Publicação: DEJT 11/05/2018).

"RECURSO DE REVISTA. ACÓRDÃO PUBLICADO NA VIGÊNCIA

DA LEI 13.015/2014. AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO. PARTICIPAÇÃO

DO EMPREGADO NO CUSTEIO DO BENEFÍCIO. NATUREZA

INDENIZATÓRIA. Fixado pelo TRT que havia participação do DA CONCLUSÃO:

empregado no custeio do auxílio-alimentação desde a sua

implantação, ao contrário do que entendera o Regional, a parcela Diante do exposto, conheço do recurso ordinário, bem como das

sempre foi indenizatória, de modo que a adesão da recorrente ao contrarrazões. No mérito, nego-lhe provimento.

PAT não promoveu qualquer alteração no contrato de trabalho

celebrado com o recorrido. Frise-se, ademais, que o entendimento

desta Corte, em casos análogos envolvendo a ECT, é no sentido da

natureza indenizatória do auxílio-alimentação quando custeado,

ainda que em valor ínfimo, por parte do empregado. Precedentes.

Recurso de revista conhecido e provido." (TST-RR - 21058-

86.2016.5.04.0511 , Relator Ministro: Breno Medeiros, Data de

Julgamento: 02/05/2018, 5ª Turma, Data de Publicação: DEJT

11/05/2018).

Assim, nego provimento ao recurso.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 65
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Tribunal Regional

do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, CONHECER do

recurso ordinário, bem como das contrarrazões. No mérito, por

unanimidade, NEGAR-LHE PROVIMENTO.

Recife (PE), 07 de junho 2018.

ANDRÉA KEUST BANDEIRA DE MELO Acórdão


Processo Nº RO-0001838-88.2015.5.06.0121
Relator SERGIO TORRES TEIXEIRA
Juíza Convocada Relatora RECORRENTE CAIXA ECONOMICA FEDERAL
ADVOGADO MARCELO PIRES RIBEIRO(OAB:
29298/PE)
RECORRIDO GENILSON MARQUES DE
VASCONCELOS
ADVOGADO PACELLI DA ROCHA MARTINS(OAB:
11047/PB)
CERTIDÃO DE JULGAMENTO
ADVOGADO NIVEA PECORELLI DA CUNHA
MARTINS(OAB: 17195/PB)
ADVOGADO JANAINA ANTUNES DOS
Certifico que, em sessão ordinária hoje realizada, cuja pauta foi SANTOS(OAB: 18800/PB)
publicada no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho - DEJT de ADVOGADO VITO LEAL PETRUCCI(OAB:
18041/PB)
30/05/2018, sob a presidência do Exmo. Sr. Desembargador

SERGIO TORRES TEIXEIRA, com a presença do Ministério Público Intimado(s)/Citado(s):


- GENILSON MARQUES DE VASCONCELOS
do Trabalho da 6ª Região, representado pela Exma. Sra.

Procuradora Ângela Lobo e dos Exmos. Srs. Andréa Keust Bandeira

de Melo (Relatora - Juíza Titular da 8ª Vara do Trabalho do Recife

convocada, em substituição a Exma. Desembargadora Maria do PODER


Socorro Silva Emerenciano) e Eduardo Pugliesi (Desembargador), JUDICIÁRIO
resolveu a 1ª Turma do Tribunal, por unanimidade, CONHECER
Identificação
do recurso ordinário, bem como das contrarrazões. No mérito, por
PROC. Nº TRT - ED - 0001838-88.2015.5.06.0121
unanimidade, NEGAR-LHE PROVIMENTO.
Órgão Julgador : PRIMEIRA TURMA

Relator : Desembargador SERGIO TORRES TEIXEIRA


Certifico e dou fé.
Embargante : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA

Embargado : GENILSON MARQUES DE VASCONCELOS


Sala de Sessões, 07 de junho de 2018.
Advogados : MARCELO PIRES RIBEIRO e PACELLI DA ROCHA

MARTINS E VITO LEAL PETRUCCI

PROCEDÊNCIA : 1ª VARA DO TRABALHO DE PAULISTA/PE

Vera Neuma de Moraes Leite


EMENTA

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO E DIREITO


Secretária da 1ª Turma
PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DECLARATÓRIOS.

REQUISITOS AUTORIZADORES. NÃO OCORRÊNCIA. I - Os

embargos de declaração não se prestam a discutir o acerto ou

desacerto da decisão objurgada, não se podendo haver por

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 66
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ingênua, ou simplesmente combativa, a postura da parte que, a por uma vertente que não atendeu aos seus anseios. Ademais, foi a

pretexto de suprimir omissão manifestamente inexistente, busca própria embargante quem admitiu o exercício da funções de caixa.

mesmo é reformar o acórdão. II - Para que sejam acolhidos, devem Por todos estes fundamentos, ainda que, por hipótese, tenha-se

os embargos de declaração estar jungidos aos lindes da omissão, aplicado erroneamente o direito à espécie vertida, mesmo assim o

contradição ou equívoco no exame dos pressupostos extrínsecos acórdão não estaria eivado de quaisquer vícios de intelecção;

de admissibilidade recursal (art. 897-A da CLT e 1.022 do CPC). III - haveria, quiçá, erro de julgamento, o que é bem diferente,

No caso concreto, não constatada a existência de algum desses comportando a protocolização de recurso diverso dos declaratórios,

vícios, a rejeição dos embargos é medida que se impõe. IV - que tem finalidade estritamente disciplinada pelos artigos 897-A da

Embargos declaratórios não acolhidos. CLT e 1.022 do CPC.

RELATÓRIO Dessarte, não padece de qualquer vício o acórdão atacado, na

Vistos etc. medida em que esta Corte, certa ou erradamente, solucionou

Embargos declaratórios opostos por CAIXA ECONÔMICA fundamentadamente a controvérsia que lhe foi submetida (art. 93,

FEDERAL - CAIXA contra acórdão proferido pela Primeira Turma inciso IX, da CF/88). Logo, o inconformismo da parte é contra a

deste Regional,sendo embargado, GENILSON MARQUES DE solução a que chegou o julgador e que não atendeu aos seus

VASCONCELOS. desígnios, não havendo que se falar em omissão ou contradição.

Nas razões dos embargos pede seja esclarecido se o autor cumpria Prequestionamento

ou não atividades de exclusiva digitação, para que se possa Quanto ao prequestionamento, é importante ressaltar previamente

apresentar recurso de revista. Invoca ainda o disposto na Súmula que se trata de uma criação jurisprudencial, inclusive já sumulada

297 do TST, no sentido de prequestionar a matéria. (Súmulas nos. 282 e 356, STF, 184 e 297, TST) e, sabidamente, o

É o que tinha de importante a relatar. prequestionamento do tema sobre o qual versa um recurso é o seu

VOTO: inconformismo com as questões debatidas pela decisão recorrida e

Conheço dos presentes embargos, eis que subscritos a pretensa violação de normas legais.

tempestivamente e por advogado regularmente habilitado, razão FUNDAMENTAÇÃO

pela qual passo a apreciar o mérito deles para rejeitá-los, de acordo MÉRITO

com os fundamentos seguintes. Recurso da parte

Pede seja esclarecido se o autor cumpria ou não atividades de Item de recurso

exclusiva digitação, para que se possa apresentar recurso de Conclusão

revista. Diante do exposto, rejeito os embargos declaratórios.

Sem razão. ACÓRDÃO

Apenas para que não pairem dúvidas, vejamos o que dispôs o Cabeçalho do acórdão

acórdão quanto a tais matérias: Acórdão

Dessa forma, considerando que a própria ré admitiu que o obreiro ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Tribunal Regional

se ativou na função de caixa, bem como diante da pactuação em do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, rejeitar os

norma coletiva de que os empregados que desempenham tal embargos declaratórios.

função possui direito ao intervalo de 10 minutos a cada 50 de

trabalho, os quais eram computados na jornada de trabalho, nos Recife (PE), 26 de setembro de 2017.

termos da norma coletiva e da RH 035, caberia à empregadora

provar a concessão do aludido tempo de descanso. SERGIO TORRES TEIXEIRA

Não houve qualquer prova demonstrando a concessão do intervalo Desembargador Relator

de 10 minutos. EMMT

Considerando que todo o arcabouço probatório (normas coletivas e

internas da CEF), a todos aqueles trabalhadores que exercem

atividades de dados, aí incluídos os caixas, sujeitos, portanto, a

movimentos ou esforços repetitivos dos membros superiores, CERTIDÃO DE JULGAMENTO

deverão gozar de intervalo em discussão.

Como visto, não há omissão, eis que o julgado apenas enveredou Certifico que, em sessão extraordinária hoje realizada, sob a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 67
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

presidência da Exma. Sra. Desembargadora VALÉRIA GONDIM embargos de declaração não se prestam a discutir o acerto ou

SAMPAIO, com a presença do Ministério Público do Trabalho da 6ª desacerto da decisão objurgada, não se podendo haver por

Região, representado pelo Exmo. Sr. Procurador Raulino Maracajá ingênua, ou simplesmente combativa, a postura da parte que, a

e dos Exmos. Srs. Desembargadores e Sergio Torres Teixeira pretexto de suprimir omissão manifestamente inexistente, busca

(Relator) e Eduardo Pugliesi, resolveu a 1ª Turma do Tribunal, por mesmo é reformar o acórdão. II - Para que sejam acolhidos, devem

unanimidade, rejeitar os embargos declaratórios. os embargos de declaração estar jungidos aos lindes da omissão,

contradição ou equívoco no exame dos pressupostos extrínsecos

Certifico e dou fé. de admissibilidade recursal (art. 897-A da CLT e 1.022 do CPC). III -

Sala de Sessões, em 26 de setembro de 2017. No caso concreto, não constatada a existência de algum desses

vícios, a rejeição dos embargos é medida que se impõe. IV -

Embargos declaratórios não acolhidos.

RELATÓRIO

Vera Neuma de Moraes Leite Vistos etc.

Secretária da 1ª Turma Embargos declaratórios opostos por CAIXA ECONÔMICA

Assinatura FEDERAL - CAIXA contra acórdão proferido pela Primeira Turma


Acórdão deste Regional,sendo embargado, GENILSON MARQUES DE
Processo Nº RO-0001838-88.2015.5.06.0121
Relator SERGIO TORRES TEIXEIRA VASCONCELOS.
RECORRENTE CAIXA ECONOMICA FEDERAL Nas razões dos embargos pede seja esclarecido se o autor cumpria
ADVOGADO MARCELO PIRES RIBEIRO(OAB:
29298/PE) ou não atividades de exclusiva digitação, para que se possa
RECORRIDO GENILSON MARQUES DE apresentar recurso de revista. Invoca ainda o disposto na Súmula
VASCONCELOS
ADVOGADO PACELLI DA ROCHA MARTINS(OAB: 297 do TST, no sentido de prequestionar a matéria.
11047/PB)
É o que tinha de importante a relatar.
ADVOGADO NIVEA PECORELLI DA CUNHA
MARTINS(OAB: 17195/PB) VOTO:
ADVOGADO JANAINA ANTUNES DOS
SANTOS(OAB: 18800/PB) Conheço dos presentes embargos, eis que subscritos
ADVOGADO VITO LEAL PETRUCCI(OAB: tempestivamente e por advogado regularmente habilitado, razão
18041/PB)
pela qual passo a apreciar o mérito deles para rejeitá-los, de acordo
Intimado(s)/Citado(s): com os fundamentos seguintes.
- CAIXA ECONOMICA FEDERAL Pede seja esclarecido se o autor cumpria ou não atividades de

exclusiva digitação, para que se possa apresentar recurso de

revista.

PODER Sem razão.

JUDICIÁRIO Apenas para que não pairem dúvidas, vejamos o que dispôs o

acórdão quanto a tais matérias:


Identificação
Dessa forma, considerando que a própria ré admitiu que o obreiro
PROC. Nº TRT - ED - 0001838-88.2015.5.06.0121
se ativou na função de caixa, bem como diante da pactuação em
Órgão Julgador : PRIMEIRA TURMA
norma coletiva de que os empregados que desempenham tal
Relator : Desembargador SERGIO TORRES TEIXEIRA
função possui direito ao intervalo de 10 minutos a cada 50 de
Embargante : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA
trabalho, os quais eram computados na jornada de trabalho, nos
Embargado : GENILSON MARQUES DE VASCONCELOS
termos da norma coletiva e da RH 035, caberia à empregadora
Advogados : MARCELO PIRES RIBEIRO e PACELLI DA ROCHA
provar a concessão do aludido tempo de descanso.
MARTINS E VITO LEAL PETRUCCI
Não houve qualquer prova demonstrando a concessão do intervalo
PROCEDÊNCIA : 1ª VARA DO TRABALHO DE PAULISTA/PE
de 10 minutos.

Considerando que todo o arcabouço probatório (normas coletivas e


EMENTA
internas da CEF), a todos aqueles trabalhadores que exercem
DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO E DIREITO
atividades de dados, aí incluídos os caixas, sujeitos, portanto, a
PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DECLARATÓRIOS.
movimentos ou esforços repetitivos dos membros superiores,
REQUISITOS AUTORIZADORES. NÃO OCORRÊNCIA. I - Os

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 68
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

deverão gozar de intervalo em discussão.

Como visto, não há omissão, eis que o julgado apenas enveredou Certifico que, em sessão extraordinária hoje realizada, sob a

por uma vertente que não atendeu aos seus anseios. Ademais, foi a presidência da Exma. Sra. Desembargadora VALÉRIA GONDIM

própria embargante quem admitiu o exercício da funções de caixa. SAMPAIO, com a presença do Ministério Público do Trabalho da 6ª

Por todos estes fundamentos, ainda que, por hipótese, tenha-se Região, representado pelo Exmo. Sr. Procurador Raulino Maracajá

aplicado erroneamente o direito à espécie vertida, mesmo assim o e dos Exmos. Srs. Desembargadores e Sergio Torres Teixeira

acórdão não estaria eivado de quaisquer vícios de intelecção; (Relator) e Eduardo Pugliesi, resolveu a 1ª Turma do Tribunal, por

haveria, quiçá, erro de julgamento, o que é bem diferente, unanimidade, rejeitar os embargos declaratórios.

comportando a protocolização de recurso diverso dos declaratórios,

que tem finalidade estritamente disciplinada pelos artigos 897-A da Certifico e dou fé.

CLT e 1.022 do CPC. Sala de Sessões, em 26 de setembro de 2017.

Dessarte, não padece de qualquer vício o acórdão atacado, na

medida em que esta Corte, certa ou erradamente, solucionou

fundamentadamente a controvérsia que lhe foi submetida (art. 93,

inciso IX, da CF/88). Logo, o inconformismo da parte é contra a Vera Neuma de Moraes Leite

solução a que chegou o julgador e que não atendeu aos seus Secretária da 1ª Turma

desígnios, não havendo que se falar em omissão ou contradição. Assinatura

Prequestionamento Decisão Monocrática


Quanto ao prequestionamento, é importante ressaltar previamente Decisão
Processo Nº RO-0001077-37.2016.5.06.0181
que se trata de uma criação jurisprudencial, inclusive já sumulada Relator MARIA CLARA SABOYA
ALBUQUERQUE BERNARDINO
(Súmulas nos. 282 e 356, STF, 184 e 297, TST) e, sabidamente, o
RECORRENTE CENTRAIS ELETRICAS DE
prequestionamento do tema sobre o qual versa um recurso é o seu PERNAMBUCO S.A. - EPESA
ADVOGADO RAYANA DE FATIMA FARIAS
inconformismo com as questões debatidas pela decisão recorrida e GOMES DE LIMA(OAB: 38381/PE)
a pretensa violação de normas legais. ADVOGADO ANTONIO MÁRIO DE ABREU
PINTO(OAB: 7687/PE)
FUNDAMENTAÇÃO RECORRIDO EURIDES ALMEIDA BEZERRA
MÉRITO ADVOGADO ADRIANO JOSE GOMES DA
SILVA(OAB: 16944-D/PE)
Recurso da parte PERITO LEONARDO SILVA BARBOZA DOS
SANTOS
Item de recurso

Conclusão Intimado(s)/Citado(s):
Diante do exposto, rejeito os embargos declaratórios. - CENTRAIS ELETRICAS DE PERNAMBUCO S.A. - EPESA
- EURIDES ALMEIDA BEZERRA
ACÓRDÃO

Cabeçalho do acórdão

Acórdão

ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Tribunal Regional PODER


do Trabalho da Sexta Região, por unanimidade, rejeitar os JUDICIÁRIO
embargos declaratórios.
Fundamentação

RECURSO DE REVISTA
Recife (PE), 26 de setembro de 2017.
Trata-se de Recurso de Revista interposto por CENTRAIS

ELÉTRICAS DE PERNAMBUCO S.A - EPESA nos autos da


SERGIO TORRES TEIXEIRA
Reclamação Trabalhista 0001077-37.2016.5.06.0181, figurando
Desembargador Relator
EURIDES ALMEIDA BEZERRA como recorrido.
EMMT
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação do acórdão

recorrido se deu em 10.09.2018 e a apresentação das razões

recursais em 20.06.2018, conforme se pode ver dos documentos de


CERTIDÃO DE JULGAMENTO
Ids. 59f56c0 e c9ff79d.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 69
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id. horas in itinere e pelo tempo à disposição. Sustenta que fica

1f4788c). "situada em local de fácil acesso e bem servida por transporte

Preparo satisfeito (Ids. 979b859, abe60c3, dbf0bbf, 894464b, regular público, fato público e notório, não tendo sequer o

73389dc, 3c47924, c72c73c e 69e9e8b). Recorrido comprovado não haver transportes públicos que

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS realizassem o transporte à porta da empresa ora Recorrente, ônus

DOS DESCONTOS POR ATRASO que lhe competia". Destaca que fornecia transporte "por mera

DAS HORAS IN ITINERE liberalidade". Em sucessivo, protesta pela redução do condeno,

DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE fixando-se 22min/dia a título de tempo de trajeto.

DOS HONORÁRIOS PERICIAIS A controvérsia foi decidida pelo Magistrado, mediante os seguintes

Alegações: fundamentos:

- contrariedade à Súmula 90 do TST; "Horas extras, horas "in itinere" e tempo à disposição

- violação aos artigos 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal; 58, Na linha do entendimento consolidado na Súmula 338 do C. TST,

§ 2º, 818 da CLT; 373 do CPC. diante do dever legal de anotação da jornada de trabalho pelas

Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do seu apelo, empresas com mais de 10 empregados (art. 74, § 2º da CLT), a não

previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a parte recorrente apresentação dos cartões de ponto pela reclamada gera a

insurge-se contra o posicionamento do Colegiado regional de presunção relativa de veracidade da jornada alegada na petição

manter a condenação no pagamento de horas in itinere, adicional inicial.

de insalubridade e honorários periciais. Argumenta, inicialmente, A reclamada trouxe aos autos os cartões de ponto relativos ao labor

que a sigla "atraso da rota" significa justamente o abono, pois o do reclamante.

reclamante registrou o ponto com atraso, e ela, de boa-fé, procedeu Esclareço que a prova documental possui maior segurança do que

ao abono, utilizando a sigla "atraso na rota". Assim, tal expressão a memória humana, pois essa é falível e está sujeita a

não se refere a descontos, mas sim a um abono no registro pelo esquecimentos, erros de percepção, além de não possuir precisão,

atraso que ocorreu por culpa dela, recorrente. Em sucessivo, no devendo prevalecer os horários registrados nos cartões de ponto,

tocante às horas in itinere, alega que, consoante verificado durante sendo que a reclamante confessou que realizava corretamente os

a instrução processual, sua sede está situada em local de fácil registros.

acesso e bem servido por transporte regular publico, fato público e Ademais, nos moldes do art. 408 do NCPC, referida prova é dotada

notório, não tendo o recorrido comprovado não haver transportes de presunção de veracidade.

públicos que realizassem o transporte até a porta da empresa ora Além disso, a testemunha ouvida a rogo do reclamante não merece

Recorrente, ônus que a ele competia. Quanto ao adicional de credibilidade nesse aspecto específico, uma vez que depôs de

insalubridade, alega restar evidenciado que todo abastecimento de forma contraditória ao depoimento do reclamante, na medida em

óleo diesel é feito automaticamente por tubulações em todas as que esse segundo confirmou a anotação correta no momento da

máquinas, e que existe um sistema de exaustão nos galpões da entrada, e o primeiro disse que havia equívoco na anotação da

Usina, evitando formações de vapores e névoas, ou seja, não entrada.

podendo a atividade ser classificada como insalubre, pois foi visto in Portanto, reputo que os horários e os dias anotados nos cartões de

loco tanto o uso de EPI, como sistema de exaustão e também ponto refletem a efetiva jornada de trabalho do reclamante, ainda

existência de um sistema de ventilação natural. Com relação aos mais porque não impugnados tais documentos.

honorários periciais, afirma que o valor fixado afronta o principio da A parte reclamante não apontou diferenças entre as horas extras

equivalência das obrigações, eis que se refere a pericia, cujo registradas nos cartões de ponto e as efetivamente pagas pela

trabalho, hoje facilitado pela modernização dos programas e reclamada, prevalecendo as horas efetivas de labor ali registradas.

equipamentos, é de simples verificação, tomando poucos minutos, o O art. 58, §2º da CLT elenca dois requisitos para a percepção das

que torna o valor pretendido por demais oneroso, para qualquer das horas in itinere, quais sejam: local de difícil acesso ou não servido

partes. por transporte público e fornecimento da condução pelo

Do acórdão impugnado, exsurgem os seguintes fundamentos (Id empregador.

3c47924): No caso em tela, é incontroverso que o reclamante trabalhava na

"Das horas in itinere e do tempo à disposição. zona rural, presumindo-se, portanto, o requisito do local de difícil

A reclamada não se conforma com a condenação ao pagamento de acesso.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 70
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Frisa-se que a reclamada não comprovou suas alegações de que trabalhava, em regra, nos exatos limites da jornada de trabalho,

havia transporte público, devidamente regulamentado, até o local motivo pelo qual o tempo acima deve ser considerado como

específico de labor, no trecho específico entre a Usina São José e extraordinário.

suas dependências, cujo ônus lhe pertencia (art. 818 da CLT), muito Ainda, sendo certo que não havia transporte público entre o local de

menos a compatibilidade de horários. trabalho e a Usina São José, reputo que o tempo que o trabalhador

A testemunha indicada pelo reclamante aduziu que o ônibus da tinha que esperar o ônibus da empresa, na saída, é à disposição da

empresa levava de 20 a 30 minutos por trajeto, entre a Usina São empresa.

José e a empresa, sendo que a testemunha da reclamada indicou o A testemunha ouvida a pedido do reclamante mencionou o tempo

tempo de 10 a 15 minutos. de espera de 25 minutos pela noite e de 20 a 40 minutos no outro

Portanto, reputo que deverá ser somado à jornada de trabalho do turno, sendo que a testemunha ouvida a pedido da reclamada

reclamante o tempo médio de 17,5 minutos por trecho, ou seja, 35 mencionou o tempo de 5 a 7 minutos.

minutos por dia (tempo somado de trajeto na ida e na volta). Cotejando a prova oral acima, fixo o tempo médio de espera de 15

Ainda, conforme art. 58, § 3º da CLT, as empresas de pequeno minutos por dia.

porte e microempresas poderão, por negociação coletiva, fixar o Por tais motivos, com base nas horas "in itinere" e no tempo à

tempo médio, a forma e a natureza das horas "in itinere". disposição acima, julgo procedente o pedido de pagamento de 50

Em atenção ao escopo constitucional de fomentar a negociação minutos (35 minutos de horas "in itinere" e 15 minutos à disposição),

coletiva, conforme arts. 7º, XXVI e 8º da CF, e, em atenção ao por dia efetivo de trabalho, conforme cartões de ponto, com o

princípio da adequação setorial negociada de modo a possibilitar a adicional de 50%, já que não indicada cláusula com adicional

segurança jurídica e previsibilidade quanto ao lapso temporal diverso, observando-se o divisor 220, a globalidade e a evolução

efetivamente gasto, a jurisprudência pátria passou a interpretar, salarial (Súmula 264 do C. TST).

extensivamente, o dispositivo legal acima para admitir, também, Pela habitualidade, os reflexos em RSR, aviso prévio indenizado,13º

para as demais empresas a negociação das horas "in itinere". salário, procedem férias com 1/3 e FGTS mais 40%.

Não se pode deixar de dizer que somente é admissível a transação Com o cancelamento da Súmula 3 deste Eg. TRT e de acordo com

de direitos, via negociação coletiva, com a concessão recíproca de a nova Súmula Regional de nº 28, esse magistrado ressalva seu

direitos e deveres entre as partes, não se admitindo a renúncia entendimento pessoal, por medida de segurança jurídica, para jugar

unilateral de direitos pelo reclamante em seu prejuízo exclusivo. improcedentes as repercussões dos RSRs majorados pelos

Ademais, conforme teoria do conglobamento por matéria, esculpida reflexos acima em outras parcelas, por se configurar "bis in idem"."

no art. 3º, II da Lei nº 7064/82 e aplicável, por analogia, às demais Pois bem.

esferas normativas do direito laboral, inclusive no que tange às Segundo leciona o Ministro Maurício Godinho Delgado (Curso de

normas coletivas, faz-se necessário verificar se houve prejuízo direito do trabalho, 8ª ed., São Paulo: LTr., 2009, p. 783), são dois

unicamente ao reclamante, em específico, quanto ao tema das os requisitos para que surja o direito à remuneração das horas in

horas "in itinere". itinere. O primeiro, é que o trabalhador seja transportado por veículo

Além disso, há um patamar mínimo civilizatório de direitos, fornecido pelo empregador. O segundo, que pode se consumar de

conforme leciona o Exmo. Ministro Maurício Godinho Delgado, modo alternativo, exige que o local de trabalho seja de difícil acesso

infenso à negociação coletiva, constituído pelas normas de saúde e ou que não esteja servido por transporte público regular. Essa é a

segurança no trabalho, às normas de direitos fundamentais leitura que se faz do conteúdo do artigo 58, § 2º, inserido na CLT,

previstas em diplomas internacionais e as normas mínimas por força da Lei nº 10.234/01, e da Súmula nº 90 do C. TST, in

previstas na nossa Constituição Federal. verbis:

Pautado nisso, concluo que não assiste razão à reclamada ao Art. 58. A duração normal do trabalho, para os empregados em

sustentar que não seriam devidas horas in itinere porque o ACT qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas diárias,

vedaria tal direito. Isso porque é possível negociar o tempo e a desde que não seja fixado expressamente outro limite.

natureza da parcela e não a eliminar o direito em prejuízo exclusivo §1º omissis.

do trabalhador, sendo que o fornecimento de transporte pela § 2º O tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e

empresa era feito o desconto de até 6% do salário do trabalhador, o para o seu retorno, por qualquer meio de transporte, não será

que reforça o prejuízo exclusivo ao reclamante. computado na jornada do trabalho, salvo quando, tratando-se de

Analisando os cartões de ponto, verifico que a parte reclamante local de difícil acesso ou não servido por transporte público, o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 71
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

empregador fornecer a condução. aguardo de autorização para a realização dos serviços, razão pela

SUM-90 HORAS "IN ITINERE". TEMPO DE SERVIÇO qual a hipótese não enseja o elastecimento da jornada, para efeito

I - O tempo despendido pelo empregado, em condução fornecida de possível percepção de horas suplementares.

pelo empregador, até o local de trabalho de difícil acesso, ou não Ora, não se pode considerar que, no tempo em que ficava

servido por transporte público regular, e para o seu retorno é esperando pelo transporte (condução) fornecido pela empresa,

computável na jornada de trabalho. embora nas dependências da mesma, o obreiro permanecia jungido

II - A incompatibilidade entre os horários de início e término da ao poder diretivo do empregador. Não é razoável supor que, depois

jornada do empregado e os do transporte público regular é de encerrar suas atividades, poderia o trabalhador ser instado a

circunstância que também gera o direito às horas "in itinere". ativar-se em favor do empreendimento. Não se cuidando, portanto,

III - A mera insuficiência de transporte público não enseja o de período laborado.

pagamento de horas "in itinere". Nesse sentido, recentíssimo julgado desta Turma, sob idêntica

IV - Se houver transporte público regular em parte do trajeto Relatoria:

percorrido em condução da empresa, as horas "in itinere" EMENTA: RECURSO ORDINÁRIO. TEMPO DE ESPERA PELO

remuneradas limitam-se ao trecho não alcançado pelo transporte TRANSPORTE FORNECIDO PELA EMPRESA. NÃO

público. INTEGRAÇÃO À JORNADA DE TRABALHO. Para a

V - Considerando que as horas "in itinere" são computáveis na caracterização do "tempo à disposição" do empregador, é

jornada de trabalho, o tempo que extrapola a jornada legal é necessária a execução de ordens pelo empregado ou, no mínimo, o

considerado como extraordinário e sobre ele deve incidir o adicional aguardo de autorização para a realização dos serviços, razão pela

respectivo. qual a hipótese não enseja o elastecimento da jornada, para efeito

Ante os termos da inicial e da defesa, resultou incontroverso nos de possível percepção de horas suplementares. Não se pode

autos o fornecimento de transporte aos empregados, pela considerar que, nos tempos em que ficava esperando pelo

reclamada, até o local de efetivo labor, bem como que as horas de transporte (condução) fornecido pela empresa, embora nas

trajeto não eram computadas nos controles de frequência. dependências da mesma, o obreiro permanecia jungido ao poder

Quanto ao segundo pressuposto, cabia à demandada, nos termos diretivo do empregador. Não é razoável supor que, depois de

dos arts. 818 da CLT e 373, II, do CPC/2015, o ônus da prova sobre encerrar suas atividades, poderia o trabalhador ser instado a ativar-

a existência de transporte público regular na região, compatível com se em favor do empreendimento. Não se cuidando, portanto, de

os horários de trabalho (Súmula nº 90, II, do TST), já que suscitou período laborado. Apelo improvido. (Processo: RO - 0000819-

tal fato impeditivo do direito perseguido pelo demandante. 31.2015.5.06.0191, Redator: Maria Clara Saboya Albuquerque

Isto posto, observo que foi considerada, na sentença, a inexistência Bernardino, Data de julgamento: 23/02/2018, Terceira Turma, Data

de transporte público regular tão somente no trecho entre a Usina da assinatura: 27/02/2018)

São José e a sede da demandada, o que, de fato, restou Dessa forma, dou provimento parcial ao apelo, para excluir a

demonstrado por meio do depoimento da testemunha do autor ("que condenação ao pagamento de 15 minutos, como hora extra, pelo

existe ônibus de linha da sua casa ate a Usina são José, mas não tempo à disposição/espera.

até a sede da reclamada"), sem que a reclamada tenha produzido Do adicional de insalubridade. Dos honorários periciais.

prova em sentido diverso. A demandada rebate o deferimento de adicional de insalubridade.

Assim, em que pese à afirmação da reclamada de que o local da Impugna o teor do laudo pericial e enfatiza o fato do obreiro já

prestação de serviço é de fácil acesso e servido em sua inteireza receber adicional de periculosidade, pelo que seria vedada a

por transporte público regular, o conjunto probatório não a percepção das duas parcelas cumulativamente. Ad cautelam, pugna

favoreceu totalmente, razão pela qual justo se mostra o pela redução dos honorários periciais.

arbitramento realizado pelo Douto Magistrado sentenciante (35 Quanto à matéria em foco, decidiu o Juízo a quo:

minutos de horas "in itinere"). Mantenho, assim, a condenação ao Adicional de insalubridade

pagamento de horas in itinere. Em sua peça de defesa, a reclamada aduziu a impossibilidade do

Por outro lado, a decisão revisanda merece reforma com relação ao pagamento cumulativo dos adicionais de insalubridade e de

tempo de espera pelo transporte. periculosidade, pautando-se no conteúdo do art. 193, § 2º, da CLT.

Para a caracterização do "tempo à disposição" do empregador, é Sobre o tema, as Convenções 148 (art. 8º) e 155 (art. 11) da OIT

necessária a execução de ordens pelo empregado ou, no mínimo, o dispõem que todos os fatores de riscos devem ser levados em

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 72
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

conta em matéria de saúde e segurança no trabalho, nos seguintes caso específico do reclamante, assim concluiu:

termos: "(...) Pelo exposto, observado o nexo causal entre o

Art. 8º, 3. Os critérios e limites de exposição deverão ser fixados, descumprimento da norma e as condições laborais do reclamante,

completados e revisados a intervalos regulares, de conformidade fica evidenciado o labor em condições insalubres de grau máximo

com os novos conhecimentos e dados nacionais e internacionais, e (40%), durante todo o pacto laboral, pelos agentes ruído e agentes

tendo em conta, na medida do possível, qualquer aumento dos químicos, nos termos da Norma Regulamentadora nº 15 da Portaria

riscos profissionais resultante da exposição simultânea a vários nº 3.214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego, conforme

fatores nocivos no local de trabalho. observações e dados coletados na diligência pericial.

Art. 11. Com a finalidade de tornar efetiva a política referida no Oportunamente, observo que nas fichas financeiras acostadas aos

artigo 4 da presente Convenção, a autoridade ou as autoridades autos (Id. bb9008d, 1cf8eae) havia pagamento do adicional de

competentes deverão garantir a realização progressiva das periculosidade, no percentual de 30% sobre o salário do obreiro,

seguintes tarefas: (...) b) a determinação das operações e durante todo pacto laboral. (...)"

processos que serão proibidos, limitados ou sujeitos à autorização Destaco que o laudo pericial deve prevalecer sobre as demais

ou ao controle da autoridade ou autoridades competentes, assim provas produzidas pelas partes. Primeiro porque foi analisado o

como a determinação das substâncias e agentes aos quais estará labor específico do reclamante, com suas atividades desenvolvidas

proibida a exposição no trabalho, ou bem limitada ou sujeita à e, segundo, porque foram analisadas as entregas de EPIs para o

autorização ou ao controle da autoridade ou autoridades reclamante, sendo certo que é possível que cada trabalhador tenha

competentes; deverão ser levados em consideração os riscos para recebido EPIs em épocas e periodicidades diversas.

a saúde decorrentes da exposição simultâneas a diversas Ainda, o ilustre perito foi até o local de trabalho e fez as devidas

substâncias ou agentes; medições e constatações "in loco".

O STF já se manifestou no sentido do acolhimento da técnica do Por esses motivos, julgo o pedido de pagamento de adicional de

controle de convencionalidade, como, por exemplo, nas decisões insalubridade procedente no importe de 40% sobre o salário

proferidas no julgamento conjunto do RE 349.703, RE 466.343 e mínimo.

dos HC's nº 87.585 e nº 92.566 acerca da prisão civil do depositário Pela natureza de salário condicional, procedemos reflexos em

infiel. aviso prévio, férias com 1/3, 13º salários e FGTS mais 40%."

Destaco que, em referidas decisões, o STF firmou o entendimento Conforme se vislumbra da decisão acima, o Juiz de Primeiro Grau,

de que os tratados internacionais de direitos humanos possuem com base em perícia técnica e esclarecimentos, que conclui pela

natureza constitucional, caso aprovados segundos os requisitos existência de insalubridade no labor desempenhado pelo obreiro,

para aprovação de emenda constitucional, ou natureza supralegal, deferiu o adicional postulado, registrando, ainda, o seu

na hipótese de aprovação sem os requisitos das emendas entendimento acerca da possibilidade de acumulação com o

constitucionais. adicional de periculosidade já pago ao obreiro.

Desse modo, em atenção a hierarquia das normas, o art. 193, §2º, Pois bem.

da CLT não deve prevalecer no que tange a impossibilidade de Com relação ao laudo pericial, registro, de logo, que o mesmo se

cumulação dos adicionais de insalubridade e periculosidade, uma encontra devidamente fundamentado, tendo o Perito procedido a

vez que as mencionadas Convenções da OIT, cuja natureza é uma visita técnica no local de trabalho do autor e analisado as

supralegal, preveem que todos os fatores de risco devem ser atividades por ele exercidas, bem como a legislação pertinente,

levados em conta em matéria de saúde e segurança no trabalho. concluindo pela ocorrência de insalubridade, não havendo

Nesse sentido, o TST já se prenunciou ao julgar o processo de nº elementos de prova aptos a infirmar as conclusões ofertadas.

TST-RR-1072-72.2011.5.02.0384. Por outro lado, na exegese do art. 193, §2º, da CLT, não é possível

Por essas razões, por meio do controle difuso de a percepção acumulada dos adicionais de periculosidade (o obreiro

convencionalidade, reconheço a invalidade do art. 193, §2º, da CLT, o recebeu) e insalubridade (pleito sob debruço), posto que dada ao

por ser incompatível com os dispositivos acima mencionados das empregado a faculdade de escolha pelo que lhe seja mais benéfico.

normas de natureza supralegal das Convenções 148 e 155 da OIT. É o que giza a jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho:

Consequentemente, reconheço a possibilidade de cumulação dos AGRAVO DE INSTRUMENTO DA RECLAMANTE. (...) 2.

adicionais de insalubridade e de periculosidade. ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. ADICIONAL DE

No laudo pericial produzido nos autos, o ilustre perito ao analisar o PERICULOSIDADE. CUMULAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. ARTIGO

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 73
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

193, § 2º, DA CLT. PROVIMENTO. Cinge-se a presente Por essa razão, dou provimento parcial ao apelo, para limitar a

controvérsia em estabelecer se existe a possibilidade de condenação às diferenças existentes entre os adicionais de

acumulação dos adicionais de insalubridade e periculosidade, periculosidade e de insalubridade, presumindo-se mais benéfico o

quando as funções desempenhadas sejam insalubres e perigosas. de insalubridade, o que deverá ser observado, a rigor, em sede

O artigo 193, § 2º, da CLT assegura ao empregado a possibilidade liquidatória.

de optar, caso as funções desempenhadas sejam Com relação aos honorários periciais, em que pese inexistam

concomitantemente insalubres e perigosas, pelo adicional que lhe critérios objetivos para o seu arbitramento, o mesmo deve ser fixado

seja mais vantajoso, a saber: o de periculosidade ou insalubridade. tendo como espelho o princípio da equidade, e guardar proporções

Precedentes. Recurso de revista conhecido e provido. (ARR - 195- com o trabalho técnico executado, observando, ainda, a natureza da

23.2011.5.12.0007 , Relator Ministro: Guilherme Augusto Caputo perícia, equipamentos e materiais utilizados, tempo despendido na

Bastos, Data de Julgamento: 26/10/2016, 5ª Turma, Data de inspeção, confecção do laudo e esclarecimentos em audiência,

Publicação: DEJT 04.11.2016) dificuldades para elaboração da perícia, decorrentes de entraves

AGRAVO DE INSTRUMENTO DA RECLAMANTE. (...) RECURSO criados pelas partes, ou do próprio trabalho, e despesas.

DE REVISTA DO RECLAMANTE. ADICIONAL DE E, assim, consoante análise do laudo pericial, o grau de dificuldade

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE. CONTROVÉRSIA técnica para sua elaboração, o tempo despendido nos trabalhos

SOBRE O DIREITO À CUMULAÇÃO DOS ADICIONAIS. Cinge-se (laudo e esclarecimento), a razoabilidade e proporcionalidade e de

a controvérsia sobre a possibilidade de recebimento cumulado dos acordo com a média adotada por este Regional, reputo razoável o

adicionais de periculosidade e insalubridade. No julgamento do montante arbitrado na sentença, qual seja, R$ 1.800,00.

Processo TST-E-RR-1072-72.2011.5.02.0384, Rel. Min. Renato de Apelo parcialmente provido, no aspecto.Dos descontos.

Lacerda Paiva, julgado em 13.10.2016, prevaleceu o entendimento Com relação aos descontos a título de atraso, sustenta que os

de não ser possível a cumulação dos adicionais de insalubridade e mesmos se referiam, apenas, aos casos em que a culpa pelo atraso

periculosidade, nos termos do disposto no art. 193, § 2º, da CLT, era, exclusivamente do obreiro, uma vez que, quando se dava pelo

mesmo havendo exposição do empregado a dois agentes diversos, atraso do transporte, os mesmos eram abonados ("abono da

a um perigo e a uma lesão à saúde, quer por causa de pedir gerência").

distinta, quer por causa de pedir única, sendo assegurado ao Eis os termos da sentença, no particular:

empregado o direito de opção pelo recebimento de um desses "Descontos

adicionais que melhor lhe favoreça. Em atenção ao mais recente O art. 462 da CLT é claro ao prever a intangibilidade salarial de

entendimento que prevaleceu no âmbito da SBDI-1, não é possível modo de que somente poderá incidir descontos quando decorrer de

a cumulação dos adicionais de insalubridade e periculosidade. lei, negociação coletiva ou, excepcionalmente, por concordância

Recurso de revista conhecido e não provido. (...) (RR - 20529- expressa do trabalhador.

74.2014.5.04.0014 , Relator Ministro: Augusto César Leite de O reclamante requereu a devolução de descontos a título de atraso.

Carvalho, Data de Julgamento: 19/10/2016, 6ª Turma, Data de Incontroverso que o reclamante ia para a empresa em veículo

Publicação: DEJT 11.11.2016) fornecido por ela, ou seja, eventuais atrasos eram,

In casu, as fichas financeiras anexadas aos fólios (ID bb9008d e necessariamente, decorrentes da chegada do veículo, já que não há

1cf8eae) noticiam que o reclamante recebeu, durante todo o provas de que o reclamante atrasou no emprego por culpa sua.

período de vigência do contrato de trabalho, adicional de Nessa toada, julgo procedente o pedido de devolução dos

periculosidade à razão de 30% sobre o salário básico, superior ao descontos efetuados a título de "atrasos", observando-se os

mínimo legal. De outra parte, foi reconhecida, na sentença contracheques nos autos."

(embasada em laudo pericial), a existência de insalubridade em Nada a alterar.

grau médio a ensejar a percepção de adicional de 40% sobre o Em primeiro lugar, quanto aos atrasos abonados pela empresa, de

salário mínimo. fato, estes não eram descontados pela empresa, como se verifica

Assim, constatado que as funções desempenhadas pelo obreiro dos contracheques, mas a condenação se restringiu aos valores

são, concomitantemente, insalubres e perigosas, o artigo 193, § 2º, efetivamente descontados nos comprovantes de pagamento. Assim,

da CLT, assegura ao empregado a possibilidade de optar pelo inócuo o apelo, no ponto.

adicional que lhe seja mais vantajoso, mas não o recebimento de Em relação aos demais descontos, ou seja, àquelas quantias

ambos, como já pontuado. efetivamente descontadas do empregado, que se encontram

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 74
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

consignadas nas respectivas fichas financeiras, o ônus da prova


PODER
cabia à empresa, que alegou terem sido efetuados em virtude de o
JUDICIÁRIO
obreiro ter dado razão aos descontos. Aplica-se à hipótese o art.

373, II, do NCPC. E de tal encargo não se desincumbiu a contento. Fundamentação

Nego provimento." RECURSO DE REVISTA

Confrontando os argumentos da parte recorrente com os Trata-se de Recurso de Revista interposto por GILBERTO JOSÉ

fundamentos do acórdão regional, tenho que a revista não comporta DIONÍZIO EVANGELISTA, nos autos da Reclamação Trabalhista

processamento, pois, além de não vislumbrar as violações 0000583-76.2016.5.06.0019, figurando COMÉRCIO NACIONAL DE

apontadas, verifico que o Regional decidiu as questões veiculadas CARTÕES TELEFÔNICOS LTDA. e TIM CELULAR S.A como

no presente apelo com base no conjunto probatório contido nos recorridos.

autos, na legislação pertinente à matéria e em sintonia com as PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Súmulas nº 90 e 289 do TST. Ademais, a apreciação das alegações O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão

da parte recorrente, como expostas, diante do que restou recorrida se deu em 11.09.2018 e a apresentação das razões

consignado no acórdão impugnado, implicaria, necessariamente, o recursais em 21.09.2018, conforme se pode ver dos documentos

reexame de fatos e provas, o que não é possível por meio desta via Ids 7b5280a e e2bf84b.

recursal (Súmula nº 126 do TST). A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id

CONCLUSÃO 5d6c8de).

Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista. Preparo inexigível (Id 14fdd80).

Cumpram-se as formalidades legais. PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Intimem-se. DO INTERVALO INTRAJORNADA

Alegações:

vo/ae - contrariedade à Súmula 338, item I, do TST;

- violação ao artigo 62, inciso I, da CLT; e

- divergência jurisprudencial.

Assinatura Atendendo aos requisitos previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III,

RECIFE, 25 de Outubro de 2018 da CLT, a parte recorrente insurge-se contra a decisão do

Colegiado Regional de manter o indeferimento das horas extras

VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO referentes ao intervalo intrajornada perseguidas. Argumenta que,

Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região sendo a jornada passível de fiscalização, restam devidas as horas

Decisão do intervalo intrajornada, diante da invalidade dos registros de


Processo Nº RO-0000583-76.2016.5.06.0019
horário, nos termos da Súmula 338, item I, do TST. Ressalta que a
Relator PAULO ALCANTARA
RECORRENTE GILBERTO JOSE DIONIZIO jurisprudência colacionada reconhece que, afastada a aplicação do
EVANGELISTA
artigo 62, inciso I, da CLT, o trabalhador tem direito ao pagamento
ADVOGADO ISADORA COELHO DE AMORIM
OLIVEIRA(OAB: 16455-D/PE) das horas extraordinárias, inclusive aquelas referentes ao intervalo
ADVOGADO CLAUDIO GONCALVES
GUERRA(OAB: 29252-A/PB) intrajornada. Alega que incumbia à reclamada demonstrar que ele
RECORRIDO COMERCIO NACIONAL DE gozava regularmente do tempo destinado à refeição, o que não
CARTOES TELEFONICOS LTDA
ADVOGADO Aurélio Cézar Tavares Filho(OAB: ocorreu. Diz que deverá ser observado o adicional devido para as
12865-D/PE)
horas extras, nos moldes da Súmula 437 do TST.
RECORRIDO TIM CELULAR S.A.
ADVOGADO MARCOS VINICIUS GOMES DOS Do acórdão impugnado, extraio os seguintes fundamentos (Id
SANTOS(OAB: 29182/PE)
47a470f):
ADVOGADO PRISCYLLA ARLEGO TAVARES
DIAS(OAB: 38632/PE) "(...)

Intervalo intrajornada
Intimado(s)/Citado(s):
- COMERCIO NACIONAL DE CARTOES TELEFONICOS LTDA Quanto ao intervalo intrajornada, não me parece razoável supor que
- GILBERTO JOSE DIONIZIO EVANGELISTA o reclamante, cumprindo jornada de trabalho em sua maior parte
- TIM CELULAR S.A.
fora das dependências da empresa ré, gozasse de apenas 30

(trinta) minutos para refeição e descanso.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 75
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Ademais, como o reclamante era responsável pela fruição deste, Fundamentação

dadas as peculiaridades dos serviços realizados, tenho que usufruía RECURSO DE REVISTA

01 hora de intervalo intrajornada. Trata-se de Recurso de Revista interposto por POSTO MODELO

Assim, não houve prova convincente acerca da impossibilidade de LTDA., em face de acórdão proferido em sede de recurso ordinário,

fruição de uma hora para refeição e descanso. De se ressaltar que nos autos da Reclamação Trabalhista nº 0000846-

a Súmula 338 do C. TST tampouco se aplica no caso, na medida 42.2015.5.06.0020, figurando, como recorrida, CIRLENE GOMES

em que a exigência legal está restrita à pré-assinalação da pausa. FREIRE SINÍCIO.

Destarte, amparado no princípio da razoabilidade para concluir que PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

o reclamante, diariamente, gozava de 01h00 de intervalo O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão

intrajornada para descanso e refeição, razão pela qual nego recorrida se deu em 14.09.2018 e a apresentação das razões

provimento ao apelo." recursais em 26.09.2018 (Ids 45aa822 e 370f1a2).

Confrontando os argumentos da parte recorrente com a A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Ids

fundamentação da decisão recorrida, mostra-se inviável o cf7da87).

seguimento do recurso, tendo em vista que a Turma decidiu a Preparo satisfeito (Ids 6ee3de8, 2a459b0, 967f8ce, d58d64e e

questão com base nas normas pertinentes à matéria, consistindo o d94b03d).

insurgimento do recorrente, quando muito, em interpretação diversa PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

daquela conferida pelo Regional. Ademais, a pretensão da HORAS EXTRAS

recorrente cinge-se ao reexame de fatos e provas, o que impede o INTERVALO INTRAJORNADA

seguimento do recurso de revista, a teor da Súmula 126 do TST. COMPENSAÇÃO

CONCLUSÃO Alegações:

Diante do exposto, DENEGO seguimento ao Recurso de Revista. - violação aos artigos 62, II, 467, 477 e 818 da CLT; 373 do CPC; e

Cumpram-se as formalidades legais. - divergência jurisprudencial.

Intimem-se. Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do apelo,

vo/AE previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, o recorrente

insurge-se contra o reconhecimento da Segunda Turma que deferiu

Assinatura o pagamento de horas extras, intervalo intrajornada e repercussões.

RECIFE, 25 de Outubro de 2018 Argumenta que a função exercida pela reclamante é incompatível

com o direito à remuneração de horas extras por desempenhar

VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO cargo de gerente, enquadrando-se na hipótese do art. 62, II, da

Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região CLT. Requer a exclusão das horas extras, do intervalo intrajornada
Decisão e repercussões. Alega que, na função de gerente, a autora
Processo Nº RO-0000846-42.2015.5.06.0020
Relator PAULO ALCANTARA fiscalizava os demais funcionários, punindo, promovendo, admitindo
RECORRENTE POSTO MODELO LTDA e dispensando os mesmos. Diz, ainda, que a reclamante era
ADVOGADO BRUNO PIRES MALAQUIAS(OAB:
21844-D/PE) responsável pela gestão administrativa e financeira do posto,
ADVOGADO ANDRESSA LUCENA COSTA(OAB: respondendo pelo estabelecimento comercial na ausência do
26104-D/PE)
ADVOGADO BRUNO BUARQUE DE proprietário e pelo recebimento de combustíveis. Ressalta que não
GUSMAO(OAB: 24456-D/PE)
havia obrigatoriedade da assinatura de cartões de ponto, em virtude
RECORRIDO CIRLENE GOMES FREIRE SINICIO
ADVOGADO CEZAR AUGUSTO FERNANDES da liberdade de horário da reclamante. Por fim, observa que a
SILVA(OAB: 26579-D/PE)
funcionária recebia gratificação de função nos termos previstos no

Intimado(s)/Citado(s): parágrafo único do referido dispositivo legal. Alternativamente, pede

- CIRLENE GOMES FREIRE SINICIO a compensação da gratificação de função já paga, na fase de


- POSTO MODELO LTDA liquidação.

Do acórdão impugnado, transcrevo os seguintes trechos:

Das horas extras, do intervalo intrajornada e repercussões

PODER A tese recursal é da impossibilidade da condenação no pagamento

JUDICIÁRIO de horas extras, ao argumento de que a função exercida pela

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 76
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

reclamante é incompatível com o direito à remuneração de horas advertência e suspensão, e quanto à dispensa, quem realiza é o

extras por desempenhar cargo de gerente, enquadrando-se na pessoal de RH por indicação do gerente, que informa ao RH os

hipótese do art. 62, II, da CLT. Requerendo a exclusão das horas motivos para aplicação da dispensa; QUE na função de gerente,

extras, do intervalo intrajornada e repercussões, afirma que, na exercia as seguintes funções: recebimento de combustível vindo

função de gerente, a autora fiscalizava os demais funcionários, dos caminhões, fechamento do caixa, organização do posto,

punindo, promovendo, admitindo e dispensando os mesmos. Diz, depósitos, definir a escala de trabalho e folga dos frentistas, verificar

ainda, que a reclamante era responsável pela gestão administrativa se os trabalhadores estão no padrão exigido pela reclamada

e financeira do posto, respondendo pelo estabelecimento comercial (fardamento); QUE não exerce a atividade de limpeza, nem ao

na ausência do proprietário e pelo recebimento de combustíveis. menos a do seu escritório; QUE é possível o gerente abastecer

Ressalta que não havia obrigatoriedade da assinatura de cartões de veículos, limpar parabrisa, verificação do motor do carro, em virtude

ponto, em virtude da liberdade de horário da reclamante. E, por fim, do movimento do posto, mas não era responsável pelo pagamento

observa que a funcionária recebia gratificação de função nos termos do combustível pelos clientes; QUE a função de gerente não exige a

previstos no parágrafo único do referido dispositivo legal. digitação constante, mas apenas em poucas oportunidades, para o

Ao exame. desempenho das seguintes atividades: preenchimento de duas

O Juízo de origem, não reconhecendo o exercício de cargo de planilhas diárias, fazer pedido de produtos, emissão de notas e

confiança com remuneração diferenciada, entendeu que a envio de e-mails, atividades estas que eram diárias; QUE, na função

reclamante não estava enquadrada na exceção prevista na regra de gerente, tem contato com os donos da reclamada, Sr. José

legal e deferiu o pleito relacionado à jornada de trabalho. Bartolomeu, conhecido como Júnior, e a Sra. Tarsila; QUE o

Com efeito, sustentando o enquadramento da obreira no art. 62, II, tratamento dispensado pelo Sr. Bartolomeu ao depoente é normal;

da CLT, a reclamada atraiu para si o ônus da prova quanto ao fato QUE nunca presenciou, nem ouviu falar, o Sr. Bartolomeu xingando

obstativo ao direito perseguido pela autora (art. 818 da CLT), ou tratando de forma abusiva outros empregados; QUE não há a

encargo que, a meu ver, ela não se desincumbiu a contento. determinação para o gerente abastecer veículos, e o depoente o faz

Dispõe o referido dispositivo, textual: de livre espontânea vontade, quando não está ocupado com as

Art. 62 - Não são abrangidos pelo regime previsto neste capítulo: funções da gerência; QUE não tem autonomia para realizar

(...) diligências externas, como em órgãos públicos, representando o

II - os gerentes, assim considerados os exercentes de cargos de empregador; QUE pode almoçar tanto no posto como em qualquer

gestão, aos quais se equiparam, para efeito do disposto neste outro local, a exemplo de restaurantes; QUE, no exercício da função

artigo, os diretores e chefes de departamento ou filial. de supervisor, realizava a supervisão de todos os postos, inclusive

Aquele que exerce cargo de confiança, estando inserido na hipótese do M4; QUE não há hierarquia entre o supervisor e os gerentes,

prevista no artigo 62, II, da CLT, tem por atuação a tomada de pois estes se reportavam ao proprietário da reclamada, mas afirma

decisões que trazem em si o potencial de direcionar os destinos da que havia subordinação entre os frentistas e o supervisor; QUE na

unidade empresarial, atuando como verdadeiro representante do função de supervisor, não poderia aplicar sanções aos frentistas, e

empregador, desempenhando encargos de mando e gestão, caso verificasse alguma irregularidade, reportava ao gerente;"

exercendo funções de comando, distribuindo tarefas e cobrando sua (destaquei)

execução, pressupondo o recebimento de salário diferenciado, A partir do depoimento da testemunha da reclamada, colhido nos

próprio à espécie. autos, demonstrado está que a reclamante, como gerente de loja,

Em análise ao conjunto probatório existente no caderno processual, não tinha autoridade para decidir sobre as questões relevantes de

observa-se do depoimento da única testemunha apresentada pela sua atuação, não ficando comprovado que pudesse demitir ou

reclamada que a autora, embora exercendo a função de gerente de admitir empregado, assim como não tinha autonomia para realizar

loja, não detinha poder de mando e gestão capaz de ser inserido na diligências externas, como em órgãos públicos, representando a

regra contida naquele dispositivo. empregadora.

À ilustração, trago o trecho do depoimento da testemunha, Sr. Friso que o fato de receber gratificação por cargo de confiança, por

JOSÉ OTÁVIO ANDRADE DA SILVA (ID. f53a8cd - Pág. 3/4): si só, não tem o condão de provar que a demandante de fato

"QUE quem realiza a contratação de frentistas é o RH; QUE cabe exercia essa função.

ao gerente solicitar funcionários, mas a contratação é feita pelo RH; Dessa forma, a reclamada nada trouxe aos autos que comprovasse

QUE o gerente tem liberdade para aplicar as sanções de sua tese, aplicável à reclamante o regime geral de duração de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 77
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

trabalho, previsto no Capítulo II do Título II da CLT. considerou a prova testemunhal para efeito de arbitramento da

Ante a alegação da reclamada de estar a demandante dispensada jornada de trabalho da reclamante, ao fixar como sendo das 07h às

de qualquer anotação, não vieram aos autos nenhum registro de 18:30h, de segunda a sexta, e das 07h às 12h aos sábados, com 1h

jornada, devendo ser averiguada a jornada efetivamente cumprida de intervalo intrajornada às segundas, quartas e sextas.

pelo reclamante. Portanto, mantenho o julgado que determinou a apuração das horas

Sabe-se que a não apresentação injustificada desses controles de extras, considerando o sobrelabor que ultrapassar a 8ª hora diária e

frequência enseja a inversão específica do onus probandi, a 44ª hora semanal. Permanecem também como já determinadas

presumindo-se verídica a jornada de trabalho apontada na exordial, na sentença vergastada as repercussões das horas extras e as

caso não elidida por prova em contrário. Inteligência do artigo 359, I, deduções dos valores que se encontram comprovados nos autos, já

do CPC, e da Súmula nº 338, I, do C. TST, in litteris: pagos quanto a esse título.

Art. 359. Ao decidir o pedido, o juiz admitirá como verdadeiros os No que diz respeito ao intervalo intrajornada e reflexos, entendo

fatos que, por meio do documento ou da coisa, a parte pretendia também não merecer reforma a decisão impugnada, porquanto

provar: desconstituída a tese da reclamada de que a autora exercera

I - se o requerido não efetuar a exibição, nem fizer qualquer função de confiança.

declaração no prazo do art. 357; Aliás, o que se percebe é que a reclamante, no período em que

JORNADA DE TRABALHO. REGISTRO. ÔNUS DA PROVA laborou como gerente de loja não usufruía o intervalo intrajornada, o

(incorporadas as Orientações Jurisprudenciais nºs 234 e 306 da que não encontra respaldo em nosso arcabouço jurídico,

SBDI-1) - Res. 129/2005, DJ 20, 22 e 25.04.2005 principalmente considerando tratar-se de matéria de ordem pública,

I - É ônus do empregador que conta com mais de 10 (dez) destinada a preservação da saúde física e mental do trabalhador.

empregados o registro da jornada de trabalho na forma do art. 74, § Diante da ausência de cartões de ponto, os dias de vigência

2º, da CLT. A não apresentação injustificada dos controles de contratual devem ser considerados de efetivo labor, excluindo-se do

frequência gera presunção relativa de veracidade da jornada de cômputo os períodos de férias, de licença e demais afastamentos

trabalho, a qual pode ser elidida por prova em contrário. (ex-Súmula da obreira devidamente comprovados. Esclareço que não há

nº 338 - alterada pela Res. 121/2003, DJ 21.11.2003) [...] valores a serem deduzidos, visto que não há demonstração nos

Com efeito, não obstante se presumir verídicas as alegações autos de qualquer pagamento a título de horas extras.

lançadas na inicial quanto à jornada laboral, ante a ausência dos Nego provimento ao recurso patronal.

controles de jornada válidos, impõe-se analisar a pretensão da Do confronto entre os fundamentos expendidos e as razões

reclamante, no caso concreto, inclusive pelas suas peculiaridades, recursais apresentadas pela parte recorrente, não vislumbro as

de acordo as provas colacionadas nos autos, pois, tal presunção violações apontadas. O Regional decidiu as questões veiculadas no

não afasta o dever do órgão judicante de analisar cada pedido, presente apelo com base na legislação pertinente à espécie, nos

observando a prova dos autos e a lei, aplicando-a ao caso concreto. elementos contidos nos autos e na diretriz traçada na Súmula 338,

Assim sendo, a devolução meritória perpassa pela análise da I, do TST; sendo certo que, estando a decisão impugnada em

extensão dos efeitos da presunção de veracidade da jornada consonância com a jurisprudência atual, iterativa e notória do Órgão

declinada na peça de ingresso, na aplicação do artigo 818 da CLT e de Cúpula da Justiça do Trabalho, não há falar em divergência

Súmula 338, I, do C. TST. jurisprudencial apta ao confronto de teses, tendo vista o que prevê a

De logo, tenho que a presunção de veracidade da jornada declinada Súmula nº 333 daquela mesma Corte Superior Trabalhista.

na inicial tem alcance relativo quanto a seus efeitos, promovendo De qualquer forma, as alegações lançadas pela parte no apelo, em

um acentuado valor das provas existentes nos autos com o fito de sentido contrário à decisão recorrida, somente seriam aferíveis por

elucidar a matéria fática, consoante princípio da primazia da meio de reexame fático, o que não é possível por meio desta via

realidade. Deve ser a presunção valorada, sopesada e cotejada ao recursal, restando inviabilizado, igualmente, o exame pertinente à

ponto de se harmonizar com os demais elementos de convicção. divergência jurisprudencial específica (Súmulas 126 e 296, I, do

Porquanto, não está a reclamante desobrigado de provas suas TST).

alegações, em especial quanto à realização de trabalho

extraordinário, não sobressaindo, a presunção, de modo absoluto Por fim, defiro o pedido de notificação exclusiva no nome dos

sobre as demais provas nos autos. advogados, BRUNO BUARQUE DE GUSMÃO, inscrito na OAB/PE

Nesse aspecto também bem andou a autoridade sentenciante que sob o n.º 24.456 e Dr. BRUNO PIRES MALAQUIAS, inscrito na

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 78
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

OAB/PE sob o n.º 21.844 Registre-se, inicialmente, que foi instaurado Incidente de

CONCLUSÃO Uniformização de Jurisprudência neste Egrégio Sexto Regional

Diante do exposto, DENEGO seguimento ao Recurso de Revista. sobre a seguinte questão jurídica: "O transporte de valores

Cumpram-se as formalidades legais. (numerários e cheques) realizado por motoristas e ajudantes de

entrega, atividade estranha ao contrato de emprego, caracteriza

ilicitude capaz de ensejar a reparação por danos

acmm/vmm extrapatrimoniais?", o que motivou o sobrestamento de todos os

processos que tratavam da matéria.

Ocorre, porém, que, na sessão do dia 29.05.2018, o Plenário deste

Tribunal, por maioria, resolveu extinguir o referido IUJ, sem

resolução do mérito, nos termos do artigo 485, VI, do Código de

Assinatura Processo Civil.

RECIFE, 25 de Outubro de 2018 Assim, passo ao exame.

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação do acórdão

Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região se deu em 09.04.2018 e a apresentação das razões recursais em


Decisão 19.04.2018, conforme se pode ver dos documentos Ids 5000888 e
Processo Nº RO-0000214-42.2017.5.06.0312
Relator GISANE BARBOSA DE ARAUJO a0b85d1.
RECORRENTE NORSA REFRIGERANTES S.A A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id
ADVOGADO ANTONIO HENRIQUE
NEUENSCHWANDER(OAB: 2504f7d).
11839/PE)
Preparo em ordem (Ids 5b98013, 5a837fd e d73b2ac).
ADVOGADO PETERSON CAPUCHO
PARPINELLI(OAB: 18614/PE) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
RECORRENTE REFRESCOS GUARARAPES LTDA
DA INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS
ADVOGADO ANTONIO HENRIQUE
NEUENSCHWANDER(OAB: DO QUANTUM INDENIZATÓRIO
11839/PE)
ADVOGADO PETERSON CAPUCHO Alegações:
PARPINELLI(OAB: 18614/PE)
- violação aos artigos 223-G da CLT; 186, 944, 954 e 927 do CC; 43
RECORRIDO EDILSON HONORATO DA SILVA
ADVOGADO RAFAEL PYRRHO CORREIA DE do Decreto-Lei
MELO(OAB: 35791/PE)
Nº 3.688/1941; e
ADVOGADO JESSICA CAROLINA GONCALVES
DIAS(OAB: 37219/PE) - divergência jurisprudencial.

Atendendo os requisitos formais para conhecimento do seu apelo,


Intimado(s)/Citado(s):
previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a parte recorrente
- EDILSON HONORATO DA SILVA
- NORSA REFRIGERANTES S.A insurge-se contra o posicionamento do Colegiado regional sob o
- REFRESCOS GUARARAPES LTDA argumento de que "É inexistente o dano moral que enseje direito à

reparação indenizatória, posto que não houve conduta ilícita, danos

e, menos ainda, foi demonstrada extensão ou nexo de causalidade

PODER entre os dois primeiros"; acrescentando que o valor arbitrado foi

JUDICIÁRIO excessivo, requerendo sua redução, em obediência aos princípios

da razoabilidade e proporcionalidade.
Fundamentação
Quanto aos temas epigrafados, segue transcrição do trecho do
RECURSOS DE REVISTA
acórdão impugnado (Id d9a3244):
Trata-se de Recurso de Revista interposto por NORSA
1. Indenização por danos morais em razão do transporte de
REFRIGERANTES LTDA (atual denominação da REFRESCOS
valores e quantum indenizatório (análise conjunta dos recursos
GUARARAPES LTDA.), em face de acórdão proferido em sede de
patronal e obreiro)
Recurso Ordinário, nos autos da Reclamação Trabalhista nº
(...)
0000214-42.2017.5.06.0312, figurando, como recorrido, EDILSON
O Juízo de primeiro grau deferiu indenização por danos morais
HONORATO DA SILVA.
postulada na peça vestibular, no importe de R$ 5.000,00 (cinco mil
CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 79
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

reais), em face da equipe de entrega ser exposta a riscos No caso em exame, é fato incontroverso que o reclamante laborava

desnecessários devido ao recebimento de quantia dos clientes, o como ajudante de entregas, recebendo os numerários de cada

que acabava por gerar-lhes danos imateriais. cliente da demandada, quando efetuava a entrega de produtos,

Vejamos. colocando-os no cofre que fica instalado no caminhão. O

De acordo com o art. 186, do Código Civil em vigor, "aquele que, reclamante também alegou que "não há que se falar que o risco é

por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar apenas do motorista ou dos ajudantes de entregas, pois, todos

direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, trabalham no mesmo veículo e o cofre de dinheiro é alocado no

comete ato ilícito". caminhão, podo em risco toda a equipe de entregas".

Todo ato praticado por terceiro que traga repercussão, de forma A prova emprestada contida nos autos confirma a prática do

danosa, ao patrimônio moral ou material da vítima, é ilícito. O dano transporte de valores, em quantia expressiva, chegando até o

material é aquele suscetível de apreciação econômica e o dano patamar de R$23.000,00 por dia de trabalho (fl. 858), pelos

moral é aquele que não possui natureza econômica, porém, causa, motoristas e ajudantes de entrega da reclamada. Também ficou

ao ofendido, desânimo, desconforto e, em muitas vezes, situações constatado que os empregados da ré não foram treinados para

vexatórias, humilhantes e constrangedoras, posto que este ocorre manusear numerário, bem como não havia escolta armada

na esfera subjetiva e alcança aspectos mais íntimos da fornecida pela empresa para garantir a segurança destes.

personalidade humana, trazendo, ainda, sérios problemas à vítima A análise da prova documental trazida pelo obreiro comprova a

no meio em que vive ou atua, bem como em relação a sua ocorrência de diversos assaltos envolvendo empregados da

reputação junto à comunidade. reclamada, conforme os boletins de ocorrência colacionados

(...) (fls.775/800).

É sabido que o dano moral pode ter origem em qualquer uma das A testemunha Renato Mendes da Silva em depoimento prestado

formas de relacionamento humano, tais como: político, familiar, nos autos do processo nº 0001439-31.2016.5.06.0313, cuja ata foi

negocial, individual etc. e, embora o conceito doutrinário seja um acostada como prova emprestada pela reclamada, disse que:

tanto variável, posto que, para alguns, dano moral é o "normalmente os pagamentos feitos pelos clientes são feitos à vista,

constrangimento experimentado em decorrência de uma lesão de em espécie; que raramente a reclamada aceita cheques e também

direito personalíssimo, enquanto para outros, consiste em dano é muito difícil que os clientes façam pagamento através de boletos;

extrapatrimonial, tenho que a mais acertada definição é aquela que tanto os ajudantes de entrega como o motorista podem receber

resultante da reunião de ambos os conceitos. os valores de clientes; que o cofre do carro é pequeno e já ocorreu

(...) de receberem R$ 23.000,00 de um cliente em Xucuru, distrito de

O respeito à honra, à vida privada, assim como à intimidade, ou Belo Jardim, e o numerário não caber no cofre; que esse cliente

seja, à integridade moral, por não se mostrar de forma visível e sempre fazia uma compra grande e sempre pagava em dinheiro;

palpável, assume a feição de direito fundamental, consagrado pelo que já recebeu R$ 300,00 em moedas e não havia espaço para

inciso X, do art. 5º, da Carta Magna vigente, gerando o direito à guardar o numerário; que todos ficavam preocupados com assaltos

indenização previsto nos incisos V e X, do artigo citado. e corriam para o veículo para tentar guardar logo o dinheiro, quando

No curso do contrato de trabalho, e até mesmo após o deslinde era possível; que não era da mesma equipe do reclamante, mas já

contratual, ocorrem inúmeras práticas suscetíveis de ofensa à trabalhou com ele algumas vezes; que os problemas relatados são

honra, à vida privada, à intimidade e à imagem, uma vez que a comuns às demais equipes; que já conversaram com os superiores,

posição de dependência econômica e subordinação faz com que o a fim de que acabasse com a possibilidade de pagamento em

obreiro, muitas vezes, não disponha de seus direitos trabalhistas espécie, por causa da falta de segurança; que já sofreu um assalto,

mais elementares, quanto mais de bens pessoais igualmente no qual havia 4 criminosos em 2 motos, os quais mandaram o

essenciais. depoente e os demais ficarem atrás do caminhão e eles

Salienta o reclamante que não há como assegurar que o mesmo arrombaram o cofre; que o depoente chegou a levar uma coronhada

não seria surpreendido por uma agressão física ou risco de vida, de um dos criminosos; que os criminosos levaram o dinheiro; que

sem contar com a tensão suportada diariamente em função dos outras equipes já sofreram assaltos, tendo uma equipe em 1

diversos assaltos que aconteceram diversas vezes durante o semana sofrido 3 assaltos; que não recebeu treinamento sobre o

transporte de mercadorias, comprovados mediante vários Boletins recebimento de valores; que não havia escolta para os veículos;

de Ocorrência anexados às fls. 775/800. que alguns clientes na rota do reclamante pagavam em boleto, mas

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 80
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

era em pequenas quantias, por exemplo, R$ 200 a 300". (fls. de assalto, em situação de constante intranquilidade e insegurança,

858/859) decorrente da conduta ilícita da ré de por em risco a integridade

O conjunto probatório dos autos deixa claro que os motoristas física e psíquica do trabalhador, faz presumir o dano moral, e, por

transportavam montantes consideráveis de numerário, aptos a consequência, o dever de reparação da lesão.

atrair a atenção de meliantes; e que os roubos ocorriam com Nessa circunstância, é induvidoso o abalo emocional do

certa frequência, inclusive, com o uso de armas de fogo. trabalhador incumbido dessa tarefa, caracterizando-se o dano

Nos termos do art. 3º, da Lei 7.102/83, o transporte de valores é moral in re ipsa, e restando inafastável o nexo de causalidade

atividade que deve ser desenvolvida por empresa especializada, ou, com a ilicitude perpetrada pela empregadora.

se realizada pela própria empresa, o empregado deve ser aprovado Presentes, portanto, os elementos configuradores do dever de

em curso de formação de vigilante autorizado pelo Ministério da indenizar.

Justiça e cujo sistema de segurança tenha parecer favorável à sua (...)

aprovação emitido pelo Ministério da Justiça. Mantenho a condenação imposta à reclamada.

Importante esclarecer que a exigência contida na referida lei de No que diz respeito à fixação do valor da indenização por danos

empresa especializada para o transporte de valores não se dá em morais, ensina REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA, em matéria

razão apenas da deficiente segurança pública, mas pelo fato de que publicada na obra "Novo Código Civil - Questões Controvertidas",

o transporte de numerário é uma atividade periculosa, uma vez que Editora Método, ano 2003, página 262/267:

atrai a ação de grupos organizados para a prática de roubos e "Os critérios que devem ser utilizados na fixação do quantum

furtos. indenizatório, para avaliar a extensão do dano moral, são a

Diferentemente do que alega a reclamada, não se trata do compensação ao lesado e o desestímulo ao lesante.

reconhecimento desta, como empresa de transporte de valores. (...)

Não obstante ser dever do Estado promover a segurança pública, Nesse contexto, tendo em vista o quadro traçado nos presentes

nos termos do art. 144, caput, da Constituição Federal, não se pode autos, e considerando a conduta do ofensor, sua capacidade

isentar o empregador de adotar todas as medidas necessárias a fim econômica, o caráter pedagógico da indenização imposta (visando

de assegurar um meio ambiente de trabalho seguro. a inibir novo comportamento lesivo), a gravidade e extensão do

O que se questiona é o fato de a acionada não contratar serviço de dano, sua repercussão no meio social onde vivia e laborava a

transporte de valores por empresa especializada, ou, ainda, não vítima, a razoabilidade e o bom senso, considero justo e reparador

utilizar outros meios de recebimento das vendas efetuadas, como do dano causado à parte autora o montante de R$ 5.000,00 (cinco

por exemplo, o sistema bancário (transferências eletrônicas, mil reais), mormente em se verificando que, neste caso concreto, o

cobrança por meio de boletos, cartões de crédito) evitando que seus trabalhador não foi efetivamente assaltado em serviço.

empregados transportem valores monetários e estejam expostos a (...)

riscos superiores aos existentes na atividade para a qual foram Com essas considerações, nego provimento a ambos os recursos,

contratados. quanto ao tema em questão." (g.n)

Com efeito, o fato de a demanda exigir que o autor transportasse Quanto ao dano moral, o entendimento do órgão fracionário está em

numerário, sem o devido treinamento ou proteção, ou adoção dos consonância com a recente e iterativa interpretação dada à matéria

meios de segurança próprios das empresas especializadas em pela SBDI-1 dessa mesma Corte Superior. É o que se extrai do

transporte de valores, por óbvio que o expôs ao risco acentuado, seguinte precedente:

muito acima do que ocorre com o cidadão comum. "RECURSO DE EMBARGOS. REGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014.

Ademais, as medidas de segurança adotadas pela reclamada não TRANSPORTE DE VALORES. EMPRESA DISTRIBUIDORA DE

têm surtido o efeito desejado, tendo em vista a ocorrência de BEBIDAS. EMPREGADO NÃO HABILITADO. DANO MORAL.

assaltos frequentes com seus empregados, que laboram INDENIZAÇÃO. 1. A eg. Quinta Turma deu provimento ao recurso

transportando valores. Prova disso, são os diversos boletins de de revista interposto pelo reclamante, sob o fundamento de que,

ocorrência acostados aos autos. Logo, não há que se cogitar de fato tratando-se de empresa de outro setor econômico, que não o de

de terceiro a fim de se eximir do dever de indenizar. segurança e transporte de valores, a realização habitual dessa

Outrossim, é cediço que a caracterização do dano moral, nestes atividade pelo empregado, sem a necessária habilitação técnico-

casos, prescinde da ocorrência de um fato criminoso. Isso porque o profissional, enseja o pagamento de indenização por dano moral,

simples fato de o empregado estar frequentemente sujeito ao risco em razão do descumprimento, pela empregadora, da exigência

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 81
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

expressa no art. 10, § 4º, da Lei nº 7.102/1983. 2. Demonstrado o não se cuida de valor irrisório, tampouco exorbitante. 5. Agravo de

dissenso pretoriano válido e específico, no tocante à hipótese de instrumento de que se conhece e a que se nega provimento" (AIRR

motorista de empresa distribuidora de bebidas, o recurso não logra - 1447-93.2011.5.06.0018 , Relator Ministro: João Oreste Dalazen,

êxito quanto ao mérito. A jurisprudência iterativa, notória e atual Data de Julgamento: 07/05/2014, 4ª Turma, Data de Publicação:

desta Corte é firme no sentido de que o direito à redução dos riscos DEJT 16/05/2014) - sem grifos no original.

inerentes ao trabalho, assegurado no art. 7º, XXII, da Constituição "EMENTA: RECURSO DE REVISTA - RESPONSABILIDADE CIVIL

Federal e disciplinado na legislação específica dos serviços de - ACIDENTE DO TRABALHO - DANOS MORAIS, MATERIAIS E

transporte de valores, impõe reconhecer a ilicitude da conduta da ESTÉTICOS O Eg. Tribunal Regional assinalou que, 'ao contrário

empresa que atribui essa atividade a empregado sem o devido dos argumentos da ré, o autor comprovou a existência do nexo de

treinamento, o que autoriza a manutenção da condenação ao causalidade entre o acidente tipo ocorrido em 16-01-12 e a cirurgia

pagamento da indenização por dano moral, configurado "in re ipsa". realizada em 11-05-2012, a qual foi realizada com a finalidade de

3. O transporte de valores em veículos da empresa, contendo cofre, tratar lesões originárias daquele sinistro', restando caracterizados os

evidencia o risco potencial a que estava submetido o empregado danos materiais, morais e estéticos. Entendimento diverso

responsável pela guarda do dinheiro recebido pelas vendas, sem o demandaria o revolvimento de matéria fático-probatória,

necessário treinamento para a função, não tendo relevância, para procedimento vedado pela Súmula nº 126 do TST. DANOS

esse fim, a discussão em torno do montante do numerário existente MORAIS E ESTÉTICOS - VALOR DA INDENIZAÇÃO O Eg. TRT,

no cofre. Recurso de embargos de que se conhece e a que se nega ao fixar o quantum indenizatório, pautou-se pelo princípio da

provimento.(E-RR - 514-11.2013.5.23.0008 , Relator Ministro: razoabilidade, com observância dos critérios de justiça e equidade,

Walmir Oliveira da Costa, Data de Julgamento: 23/06/2016, não se justificando a excepcional intervenção desta Corte Superior.

Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, Data de (...)" (RR - 1646-34.2012.5.12.0012 , Relatora Ministra: Maria

Publicação: DEJT 01/07/2016) Cristina Irigoyen Peduzzi, Data de Julgamento: 14/10/2015, 8ª

Por outro lado, a reavaliação dos critérios de arbitramento da Turma, Data de Publicação: DEJT 16/10/2015) - sem grifos no

indenização por danos morais é matéria que demanda revolvimento original.

dos elementos probatórios dos autos, sendo certo que, consoante CONCLUSÃO

jurisprudência pacificada do TST, a sua análise em sede de Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Recurso de Revista somente poderá ser feita em casos em que seja Cumpram-se as formalidades legais.

grosseira a afronta à proporcionalidade: Intimem-se.

"AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. DANO

MORAL. INDENIZAÇÃO. FIXAÇÃO DO VALOR. RAZOABILIDADE jrb/vmm

1. Na fixação do valor da indenização por dano moral, o órgão

jurisdicional deve valer-se dos critérios da razoabilidade e da Assinatura

proporcionalidade. 2. Há que atentar também para a gravidade RECIFE, 24 de Outubro de 2018

objetiva da lesão, a intensidade do sofrimento da vítima, o maior ou

menor poder econômico do ofensor, o caráter compensatório em VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

relação à vítima e repressivo em relação ao agente causador do Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

dano. 3. A excepcional intervenção do Tribunal Superior do Decisão


Processo Nº RO-0000192-72.2017.5.06.0121
Trabalho sobre o valor arbitrado, conforme jurisprudência Relator MARIA CLARA SABOYA
ALBUQUERQUE BERNARDINO
sedimentada, somente é concebível nas hipóteses de arbitramento
RECORRENTE MARIA ROSILDA SILVA DOURADO
de valor manifestamente irrisório, ou de valor manifestamente ADVOGADO CARLOS ROOSEVELT DINIZ
GOMES(OAB: 38816/PE)
exorbitante. Unicamente em tais casos extremos impulsiona-se o
RECORRIDO BOMBRIL S/A
recurso de revista ao conhecimento, por violação dos princípios da ADVOGADO EDUARDO PEREIRA TOMITAO(OAB:
166854/SP)
razoabilidade e da proporcionalidade insculpidos no art. 5º, V e/ou

X, da Constituição da República. 4. Caso em que o valor arbitrado Intimado(s)/Citado(s):


pelo Tribunal Regional do Trabalho, no importe de R$ 11.000,00 - BOMBRIL S/A
- MARIA ROSILDA SILVA DOURADO
(onze mil reais), não impulsiona o conhecimento do recurso de

revista por violação de lei ou da Constituição Federal, porquanto

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 82
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

analisá-la, realçando que se trata de matéria de ordem pública,

passível de conhecimento inclusive mediante atuação de ofício,


PODER
em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não ocorrer
JUDICIÁRIO
o trânsito em julgado, nos termos do art. 485, V e § 3º, do

Fundamentação CPC/2015.

RECURSO DE REVISTA Isto posto, observo que, ao ajuizar a ação relativa ao Processo

Trata-se de Recurso de Revista interposto por BOMBRIL S/A, n.º 0001167-28.2016.5.06.0122 (ID e81b761), o SINDICATO DOS

em face de acórdão proferido em sede de Recurso Ordinário, TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DO ESTADO

nos autos da Reclamação Trabalhista n.º 0000192- DE PERNAMBUCO atuou na defesa dos direitos individuais

72.2017.5.06.0121, figurando MARIA ROSILDA SILVA homogêneos de empregados e ex-empregados da empresa

DOURADO como recorrida. reclamada. Ao fazê-lo, deu concretude ao disposto no artigo 8º,

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS III, da Constituição Federal; no artigo 82, IV, da Lei n. 8.078/90;

O apelo é tempestivo, haja vista que a publicação da decisão e no artigo 1º, IV, da Lei 7.347/85. É preciso ter-se sempre

impugnada ocorreu em 20/08/2018 e a apresentação das razões diante dos olhos que "direitos coletivos" são o gênero do qual

recursais em 30/08/2018, conforme se pode ver dos direitos difusos coletivos em sentido estrito e individuais

documentos Ids e64f5e6 e 527b327. homogêneos são espécies.

A representação advocatícia está regularmente demonstrada Tratou-se, portanto, de uma ação de natureza coletiva, que atrai

(Ids 6363f68 e 6955a9b). a aplicação do microssistema do processo coletivo (Lei

Preparo regularmente efetuado, como se pode ver dos Ids 7.347/85 e Lei 8.078/90) e não as regras do Código de Processo

b98c145, efd048c, 064c693 e f87848b. Civil, em um primeiro momento. Isso quer dizer que, para que

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS se possa analisar litispendência ou coisa julgada entre uma

INTERVALO INTRAJORNADA - COISA JULGADA ação coletiva e uma ação individual, é preciso considerar os

MULTA POR EMBARGOS DE DECLARAÇÃO artigos 103 e 104 do Código de Defesa do Consumidor.

Alegação: O legislador, com as previsões normativas mencionadas,

- contrariedade à Súmula nº 437 do TST; ponderou devidamente o fato de que o autor da ação coletiva

- contrariedade à OJ nº 342 e 415 da SDI-1 do TST; age como legitimado extraordinário - isto é, age em nome

- violação dos artigos 5º, XXXVI, 7º, XIII, XXVI, 8º, III, da CF/88; próprio na defesa de direito alheio. De outro lado, embora não

71, §§§, 3°, 4º, 5º, 611-A, III, 831, parágrafo único, da CLT; 104 induza litispendência, por decorrência, coisa julgada, o

do Código de Defesa do Consumidor; 485, V, 1.022 e 1.026, §2º, eventual resultado positivo da ação coletiva apenas beneficiará

do CPC; 884 do Código Civil; 3º, da Lei nº 8.073/1990; e o indivíduo se este houver desistido de sua própria ação.

- divergência jurisprudencial. Subtrair do mesmo o direito de acionar o judiciário seria, de

Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do seu algum modo, fazer do sujeito coletivo - no caso, o sindicato - o

apelo, previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a parte próprio titular do direito.

recorrente argui a preliminar de extinção do processo sem Sobre a existência concomitante de ação coletiva e individual,

resolução do mérito, pela existência de coisa julgada material, esclarece Ronaldo Lima dos Santos (in Sindicatos e Ações

no que tange ao intervalo intrajornada. Alega que houve a Coletivas. 2 ed. LTr: São Paulo, pp. 429/430):

celebração de acordo judicial firmado com o sindicato Com mais razão, na esfera das ações coletivas para a defesa de

representante da categoria da demandante, homologado nos direitos individuais homogêneos dos trabalhadores, aplica-se o

autos do Processo nº 0001167-28.2016.5.06.0122, no que disposto no art. 104 da Lei n. 8.078/90. Assim, a existência

concerne aos valores relativos ao intervalo intrajornada. concomitante de ação individual e coletiva, como o mesmo

Acerca da coisa julgada, assim restou consignado no julgado: objeto e causa de pedir, não induz litispendência. Se os autores

"Observo, de início, que, nada obstante não tenha sido das ações individuais não requererem a suspensão destas no

apreciada, pelo Juízo a quo, a questão, anteriormente prazo de trinta dias a contar da ciência nos autos do

suscitada, por meio da petição adunada sob o ID e81b761, após ajuizamento da ação coletiva, não serão beneficiados por

já haver a parte reclamante se manifestado sobre a prova eventual decisão favorável na ação coletiva. Trata-se de

documental produzida pela demandada (ID 4b8bf3c), passo a exceção à coisa julgada secundum eventum litis e à extensão

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 83
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

subjetiva do julgado in utilibus. significará a exclusão do indivíduo-autor dos efeitos da

Como assinalado alhures, ao estudarmos o fenômeno da sentença coletiva. Para tanto, é preciso que o indivíduo tenha

litispendência entre ação de cumprimento e as ações optado pela continuação de seu processo individual, a despeito

individualmente propostas com o mesmo objeto, o Código de da existência do processo coletivo. Essa opção, porém,

Defesa do Consumidor preservou as esferas individual e somente pode ser válida, se lhe for garantida a ciência

coletiva, assegurando assim duas dimensões da tutela: a inequívoca da existência do processo coletivo. A ciência pode

individual e a coletiva. O exercício do direito de ação coletiva ser verificada de forma inequívoca quando ocorrer nos autos

pelo autor ideológico substituto não prepondera sobre o direito do processo. Trata-se de pressuposto para o exercício regular,

de ação individual, nas hipóteses em que o próprio substituto o pelo indivíduo, daquilo que, no regime da class action norte-

exercite, com renúncia à tutela coletiva. Tal conduta incorreria america, é chamado de right to opt out, ou direito de optar por

no equívoco de transformar o substituto processual em ser excluído da abrangência da decisão coletiva.

detentor da titularidade do direito, em detrimento de seu Diante desse quadro, vê-se que não há prosperar a pretensão

verdadeiro titular. de extinção deste processo sem resolução do mérito com

Perfilhando o mesmo entendimento que, ademais, ampara-se fundamento em suposta coisa julgada. A exceção da coisa

na literalidade do artigo 104, do CDC, Fredie Didier Jr. e Hermes julgada, para ser acolhida, exige a tríplice identidade - mesmas

Zaneti Jr. (in Curso de Direito Processual Civil - Processo partes, mesmo pedido e mesma causa de pedir -, o que não se

Coletivo. Vol. 4. 6 ed. Juspodivum: Salvador, pp. 183/184): verifica no caso. Aplicação do §2º, do artigo 337, do NCPC; e

O art. 104 do Código Brasileiro de Defesa do Consumidor cuida dos artigos 103 e 104, da Lei n. 8.078/90 (Código de Defesa do

de regra a relação entre a ação coletiva e a ação individual: a Consumidor)."

ação coletiva não induz litispendência para as ações A revista comporta processamento, pois a hipótese versada no

individuais. presente recurso enquadra-se naquela prevista na alínea "a" do

A opção é correta. artigo 896 da CLT porquanto - como a parte recorrente

Isso porque, realmente, não se está diante de ações idênticas. demonstrou em seu apelo (vide Id - Pág. 11) - o TRT da 1ª

Nas ações coletivas, pleiteia-se o direito coletivo lato Região adotou posicionamento diverso quanto à questão, ao

sensu(difusos, coletivos e individuais homogêneos). Já nas decidir que "Há coisa julgada, a obstar o prosseguimento da

ações individuais, busca-se a tutela de direito individual. As ação individual, quando o acordo homologado em ação

demandas veiculam afirmação de situações jurídicas ativas coletiva envolvendo o sindicato da categoria e o empregador, é

distintas; não podem ser consideradas idênticas. anterior à data do ajuizamento da ação individual, não sendo

[...] aplicado, à hipótese, o disposto no ar. 104, do Código de

Muito embora a coisa julgada coletiva não possa prejudicar os Defesa do Consumidor. (TRT-01ª R. - RO 0100243-

indivíduos, ela poderá beneficiá-los. O indivíduo pode valer-se 81.2016.5.01.0019 - 7ª T. - Relª Giselle Bondim Lopes Ribeiro -

da coisa julgada para o ajuizamento de ação de liquidação dos DOERJ 13.02.2017) .

seus respectivos prejuízos (cf. a respeito os capítulos sobre Quanto à aplicação da multa por oposição de embargos

coisa julgada e liquidação, neste volume do Curso). É o que se declaratórios, conforme se pode ver da ementa, foram os

chama de transporte in utilibusda coisa julgada coletiva para o mesmos rejeitados "por não configurar nenhuma das hipóteses

plano individual. de embargabilidade previstas pelos artigos 897-A da

Sucede que a extensão in utilibusda coisa julgada coletiva não Consolidação das Leis do Trabalho e 1.022 do Novo Código de

ocorrerá "se não for requerida a sua suspensão no prazo de Processo Civil. Trata-se, na verdade, de medida

trinta dias, a contar da ciência nos autos do ajuizamento da manifestamente protelatória, cujo manejo deve ser coibido pelo

ação coletiva" (art. 104 do CDC). Isso significa que se o Estado-juiz, mediante aplicação, à embargante, da multa de 1%

indivíduo se beneficie da coisa julgada coletiva, é preciso que sobre o valor atualizado da causa, nos termos do §2º do art.

ele peça a suspensão do seu processo individual, no prazo de 1.026 do CPC/2015." pelo que, não vislumbro violação direta e

trinta dias contados do conhecimento efetivo da existência do literal das norma apontada, nem divergência jurisprudencial

processo coletivo. específica, porque constato que a rejeição dos embargos de

O prosseguimento do processo individual (iniciado antes ou declaração opostos e a condenação da parte recorrente ao seu

depois da propositura da ação coletiva, pouco importa) pagamento estão devidamente fundamentadas.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 84
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Consequentemente, em lugar de infração às normas jurídicas e 9cfebcd.

indicadas, concluo que a decisão desta Corte Regional está em PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

sintonia com o artigo 1.026, § 2º, do CPC/2015 e as normas NEGATIVA DE PRESTAÇÃO JURISDICIONAL

pertinentes à matéria, inexistindo violação que permita a MULTA DO ARTIGO 477, §8º, DA CLT

admissibilidade do apelo nos termos do art. 896 da CLT. Alegações:

- contrariedade às OJs nºs 5, 41 e 115 da SDI-1 do TST;

CONCLUSÃO - violação aos artigos 5º, LIV e LV, 93, IX, da Constituição Federal;

Diante do exposto, RECEBOparcialmente o recurso de revista. 477, 832, 852, 897-A da CLT; 458, II, 459, 494, 994, IV, 1.022 a

Intimem-se, ficando ciente a parte recorrida para, querendo, 1.026 do CPC.

apresentar suas contrarrazões. - divergência jurisprudencial.

Cumpridas as formalidades legais, remeta-se o processo ao Atendendo os requisitos formais para conhecimento do seu apelo,

TST. previstos no artigo 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a parte

snl/ra recorrente tece, inicialmente, considerações acerca de nulidade por

Assinatura negativa de prestação jurisdicional, em virtude da rejeição dos

RECIFE, 25 de Outubro de 2018 embargos declaratórios opostos para sanar os vícios de omissão,

contradição e obscuridade da sentença do Juízo singular. Insurge-

VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO se contra o acórdão regional, pugnando pelo expurgo do condeno

Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região na multa prevista no artigo 477, § 8º, Consolidado. Alega que
Decisão efetuou o pagamento das verbas rescisórias no prazo legal, sendo
Processo Nº RO-0010750-86.2013.5.06.0172
Relator JOSE LUCIANO ALEXO DA SILVA indevida a multa do art. 477 da CLT.
RECORRENTE HYPERMARCAS S/A Do acórdão impugnado exsurgem os seguintes fundamentos:
ADVOGADO RINALDO FERREIRA DA SILVA(OAB:
28983/PE) "Pugna a empresa recorrente pela exclusão da condenação na
RECORRIDO EDSON RICARDO TAVARES JUNIOR multa sob epígrafe, ao argumento de que o pagamento das verbas
ADVOGADO Jefferson Lemos Calaça(OAB:
12873/PE) rescisórias foi realizado em estrita observância ao prazo legal.

A multa em questão, somente é devida em caso de pagamento fora


Intimado(s)/Citado(s):
do prazo legal e não em razão de diferenças de verba rescisórias
- EDSON RICARDO TAVARES JUNIOR
reconhecidas em juízo, de acordo com o entendimento uniformizado
- HYPERMARCAS S/A
por meio do IUJ 0000124-68.2015.5.06.0000 deste Regional, que

resultou na edição da Súmula 23.

Conforme analisado pelo Juízo a quo, a reclamada recolheu grande


PODER
parte da indenização de 40% do FGTS em 14.06.2013, fora do
JUDICIÁRIO
prazo legal (22.05.2013).

Fundamentação Desrespeitado, pois, o decêndio legal para pagamento dos haveres

RECURSO DE REVISTA rescisórios, de acordo com o art. 477, da CLT (na redação anterior à

Trata-se de Recurso de Revista interposto por HYPERMARCAS entrada em vigor da Lei nº 13.467, de 2017), devida a multa do art.

S.A., em face de acórdão proferido em sede de Recurso Ordinário, 477, §8º, da CLT."

nos autos da reclamação trabalhista n. 0010750-86.2013.5.06.0172, Analisando os fundamentos expostos no acórdão, verifica-se que as

figurando como recorrido EDSON RICARDO TAVARES JUNIOR. questões pertinentes à negativa de prestação jurisdicional, não

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS foram abordadas no julgado, pelo que o presente apelo encontra

O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão óbice na Súmula 297 do TST.

recorrida se deu em 11.09.2018e a apresentação das razões No que tange à multa do art. 477 da CLT, confrontando os

recursais em 21/09/2018, conforme se pode ver dos documentos argumentos da parte recorrente com os fundamentos do acórdão

Ids. 25a2090 e 7c1f277. regional, entendo que a recorrente não demonstrou que a decisão

A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id impugnada viola literal disposição de lei. Desse modo, tenho que a

738361). revista não comporta processamento, pois o Regional decidiu a

Preparo regularmente efetuado, como se pode ver dos Ids. f87b755 questão veiculada no presente apelo com base no conjunto

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 85
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

probatório contido nos autos e na legislação pertinente à matéria. CERAMICOS - EPP como recorrida.

Dessa forma, as alegações lançadas pela parte nas razões PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

recursais, em sentido contrário, somente seriam aferíveis através de O apelo é tempestivo, haja vista que a publicação da decisão

reexame fático, o que não é possível por meio desta via recursal impugnada ocorreu em 10.09.2018 e a apresentação das razões

(Súmula nº 126 do TST). Por consequência, fica inviabilizado o recursais em 20.09.2018, conforme se pode ver dos documentos

exame do recurso inclusive por dissensão jurisprudencial (Súmula Ids 3a952ab e e362195.

nº 296 desse mesmo órgão superior). A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id

Ademais, os arestos colacionados não se mostram aptos a 0004502).

comprovar a divergência jurisprudencial, pois inespecíficos (Súmula Custas recolhidas (Id. cccf3f e 6264aad)

296, I, do TST). PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

CONCLUSÃO DA EXTINÇÃO DO FEITO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO

Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista. DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

Cumpram-se as formalidades legais. Alegações:

Intimem-se. - violação aos artigos 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal; 545,

snl/AE 605 da CLT; 84, § 2º, do CPC; 142, 145 do CTN; Decretos 925/69 e

Assinatura 1.166/71; e

RECIFE, 24 de Outubro de 2018 - divergência jurisprudencial.

Cumprindo as exigências do art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a

VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO parte recorrente insurge-se contra o posicionamento do Colegiado

Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região regional de confirmar a extinção sem julgamento do mérito


Decisão delineada pelo Juízo singular, por não ter ele individualizado os
Processo Nº RO-0000587-33.2017.5.06.0002
Relator MARIA CLARA SABOYA devedores. Argumenta que o artigo 605 da CLT não determina que
ALBUQUERQUE BERNARDINO
se proceda a publicação dessa forma, ainda mais tratando-se de
RECORRENTE SINDICATO DOS TECNICOS DE
SEGURANCA DO TRABALHO DE PE entidade sindical de categoria diferenciada, cujas cobranças
ADVOGADO DAYSE PERLA LEMOS DE
PAIVA(OAB: 37141/PE) referem-se a cerca de 2.000 (duas mil) empresas em Pernambuco,
ADVOGADO PAULO SEBASTIAO PESSOA(OAB: para cobrar as citadas contribuições. Alega que o artigo 545,
28610/PE)
RECORRIDO M A DE MORAES-ARTEFATOS também da CLT, dispensa a notificação quando se trata das
CERAMICOS - EPP
contribuições sindicais urbanas. Diz que, na caso corrente, não se
ADVOGADO DANILO NUNES MELO(OAB:
43384/PE) aplica as disposições do artigo 145 do CTN, visto tratar-se de uma
ADVOGADO KILMA GALINDO DO
NASCIMENTO(OAB: 24214/PE) ação de conhecimento para cobrança de contribuições sindicais,
ADVOGADO BERTONNY WASLEY SILVA estando o rito escolhido amparado na jurisprudência. Salienta que o
VASCONCELOS(OAB: 37777/PE)
CTN é de aplicação exclusiva dos entes fiscais da União dos
Intimado(s)/Citado(s): estados e municípios, estando as cobranças dos entes sindicais
- M A DE MORAES-ARTEFATOS CERAMICOS - EPP atreladas à CLT e ao Decreto Lei 1.166/71. No tocante aos
- SINDICATO DOS TECNICOS DE SEGURANCA DO
TRABALHO DE PE honorários advocatícios, afirma que, não havendo condenação, não

há se falar em imputação de pagamento de honorários advocatícios.

A fundamentação do acórdão recorrido restou assim vazada (Id

515e929):
PODER
Da extinção do processo, sem resolução do mérito.
JUDICIÁRIO
O Sindicato autor "requer o pedido da Reforma da ou anulação da
Fundamentação sentença". Alega que houve o devido cumprimento do art. 605 da
RECURSO DE REVISTA CLT, no que se refere às publicações nos jornais de grande
Trata-se de Recurso de Revista interposto por SINDICATO DOS circulação, conforme ID's f1b2e62, 7fe5f6b c1fc5b8 e 3089856.
TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO DE Acrescenta que o art. 606 da CLT não se aplica ao caso dos autos,
PERNAMBUCO, nos autos da Reclamação Trabalhista 0000587- vez que trata de ação executiva e não serve para fundamentar ação
33.2017.5.06.0002, figurando M A DE MORAES-ARTEFATOS de conhecimento; bem como o artigo 145 do CTN tendo em vista

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 86
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

que se aplica apenas aos Municípios, Estados e União. Destaca síntese, que a contribuição sindical sempre foi devidamente paga ao

que o artigo 145 do CTN regula a alteração do sujeito passivo, não "SIND INDI OLEIROS CERÂMICA EST DE PE" (Sindicato dos

podendo servir de fundamento para determinar a notificação do Trabalhadores nas Indústrias de Olaria Cimento e Seus Produtos),

devedor, razão pela qual deve ser revista a decisão de piso. sendo este o sindicato dominante vez que a empresa possui

Acrescenta que "as próprias publicações servem de notificação em predominantemente empregados para o exercício de fabricação de

todo os Estado de PE, e não há legislação que obrigue o autor material sanitário de cerâmica. Alega também que não foi notificada

notificar, até porque o CTN, se aplica a União aos Estados e da cobrança da taxa sindical, pelo sindicato requerente,

Municípios, logo, não pode prevalecer o argumento de extinção do pessoalmente, restando assim ausente um dos pressupostos

processo por falta de notificação reformar a sentença de primeiro processuais desta ação, pugnando pela extinção do processo sem

grau, é se fazer justiça". Ressalta que "a decisão supra, prolatada resolução do mérito. Pois bem. A contribuição sindical, prevista na

pelo Juízo de primeiro grau diverge da Jurisprudência 186 do C.TST Constituição Federal e instituída por lei (arts. 8º, IV, da CRFB e 578

da SBDI-1, logo, a fundamentação da sentença, contraria o artigo da CLT), constitui uma das fontes de receita do sistema sindical

545 da CLT, quando alega o artigo 605 do mesmo diploma, o brasileiro e é devida por todos aqueles que participam de uma

argumento do artigo 606 da CLT, contraria a Constituição Federal determinada categoria econômica, profissional ou de uma profissão

de 1988 por não ter recepcionado o citado artigo, bem como as liberal, em favor do sindicato representativo da categoria ou

jurisprudências, sobre o artigo 606 da CLT do C.TST, de dos profissão (artigos 578 a 591 da CLT). Consoante o disposto no

Tribunais Regionais do Trabalho, logo se faz necessário a reforma artigo 149 da Constituição Federal, tal contribuição tem caráter

para se fazer Justiça". Salienta que nos últimos anos, a empresa tributário, sendo, portanto, de recolhimento compulsório pelos

não recolheu as contribuições sindicais dos seus "Técnicos de integrantes das categorias profissionais e econômicas

Segurança do Trabalho" em favor do Sindicato autor. representadas, independentemente de filiação ao sindicato. A

Não prosperam os argumentos recursais. empresa requerida afirma que procedeu ao repasse dos referidos

Tratando-se de cobrança de contribuição sindical, cuja natureza é valores para o sindicato da categoria profissional vinculado à

tributária, exige-se a comprovação do requisito indicado no artigo atividade preponderante por ela explorada, denominado "SIND

605 da CLT concernente a realizar "publicação de editais INDIOLEIROS CERÂMICA EST DE PE", acosta aos autos os

concernentes ao recolhimento da contribuição sindical, durante 3 comprovantes de fls. 92/102. Destarte, possuindo natureza

(três) dias, nos jornais de maior circulação local e até dez dias da estritamente tributária, a instituição, aumento e cobrança devem

data fixada para depósito bancário" e o comprovante da notificação sujeitar-se necessariamente às regras e princípios aplicáveis ao

pessoal do sujeito passivo, nos termos do artigo 145 do CTN, o que, direito tributário, entre os quais o princípio da estrita legalidade, nos

como bem pontuou o Magistrado de piso, não há como se termos do artigo 97 do Código Tributário Nacional. Por sua vez, a

considerar satisfeito. Dessa forma, mantenho a decisão impugnada, contribuição sindical é tributo, como já mencionado, e, como tal, sua

por seus próprios fundamentos, os quais adoto como razões de cobrança pressupõe o lançamento, nos termos dispostos nos

decidir, com a devida venia, in verbis: artigos 605 e 606 da CLT, bem como o título da dívida. Uma das

"2.4. DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL - AUSÊNCIA DE fases do lançamento, conforme artigo 145 do Código Tributário

NOTIFICAÇÃO PESSOAL. Pleiteia o Sindicato requerente a Nacional, é a notificação do sujeito passivo, para que o devedor

condenação da empresa requerida aos pagamentos das seja cientificado da necessidade de recolher a contribuição sindical.

contribuições sindicais patronais dos anos de 2012, 2013, 2014, No caso dos autos, entendo não estarem presentes todos os

2015 e 2016, acrescidos de multas, juros e correção monetária. pressupostos necessários ao desenvolvimento regular do processo,

Acrescenta que "A contribuição anual compulsória devida aos o que acaba por obstar a análise do mérito propriamente dito.

Sindicatos, prevista em Lei (artigos 578 e 580, da CLT), e Embora seja incontroversa a questão do enquadramento dos

denominada "contribuição sindical", é devida por todos os técnicos em segurança do trabalho em categoria diferenciada (lei n.

integrantes da categoria, independentemente de manifestação de 7.410/85 e ao Dec. 92.530/86, ambos os diplomas voltados à

vontade, associados ou não, sendo dos empregadores obrigação de regulamentação desta profissão), observo que o autor não

descontar o valor correspondente a um dia de trabalho em folha de demonstrou o atendimento aos requisitos necessários à regular

pagamento, conforme previsão expressa do artigo 545, da CLT, e constituição do débito tributário. Da análise dos documentos

recolher ao respectivo Sindicato da categoria". A empresa requerida acostados nesta ação, verifico que houve apenas a mera publicação

arguiu inicialmente que inexiste inadimplência, afirmando, em de editais em jornais de grande circulação (fls. 45/56), o que não

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 87
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

supre a necessidade de notificação pessoal do devedor, uma vez Negativa de prestação jurisdicional. O regional, ao extinguir o feito

que se tratam de comunicações genéricas, dirigidas ao público, sem sem resolução do mérito, porquanto ausente pressuposto de

indicação específica do nome do contribuinte e do valor devido, o constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo,

que dificulta verificar, no caso concreto, se o ato atingiu ou não a exarou as razões do seu convencimento, de forma motivada e

sua finalidade de notificação dos devedores da contribuição sindical, fundamentada, não havendo falar em hipótese de prestação

únicos interessados. Ocorre que, ante a natureza tributária da jurisdicional incompleta. Ileso o art. 93, IX, da CF. 2. Contribuição

contribuição em apreço, era imprescindível a notificação pessoal do sindical. Ação de cobrança. Publicação de editais. Notificação

sujeito passivo, nos termos do art. 145 do CTN. No mesmo sentido, pessoal do devedor. O regional concluiu pela extinção da ação sem

posiciona-se a jurisprudência deste E. TRT, a exemplo dos julgados resolução do mérito, em face da inexistência de comprovação da

a seguir transcritos: "AÇÃO DE COBRANÇA JUDICIAL DE publicação válida de editais e de notificação pessoal do devedor. O

CONTRIBUIÇÕES SINDICAIS. INOBSERVÂNCIA DOS acórdão regional mostra consonância com a jurisprudência reiterada

REQUISITOS PREVISTOS NO ART. 605 DA CLT. EXTINÇÃO SEM desta corte, segundo a qual deve ser demonstrado o cumprimento

RESOLUÇÃO DO MÉRITO. Não observando o sindicato autor a do disposto no art. 605 da CLT como requisito essencial para a

exigência prevista no art. 605 da CLT, no sentido de dar ampla constituição do crédito tributário, sendo necessária, outrossim, a

ciência ao devedor da cobrança da contribuição sindical notificação pessoal do sujeito passivo (art. 145 do ctn). Agravo de

compulsória, impõe-se a extinção da ação de cobrança, sem instrumento conhecido e não provido. (TST; AIRR 0010896-

resolução do mérito, nos moldes do artigo 485, IV, do Código de 98.2015.5.15.0078; Oitava Turma; Relª Min. Dora Maria da Costa;

Processo Civil. Recurso ordinário a que se nega provimento. DEJT 24/03/2017; Pág. 3531)"Dito isto, reputo a ausência de

(Processo: RO - 0000337-37.2017.5.06.0022, Redator: Eduardo pressuposto de constituição e de desenvolvimentoválido e regular

Pugliesi, Data de julgamento: 22/11/2017, Primeira Turma, Data da do processo (art. 485, IV do CPC), razão pela qual, nesse sentir,

assinatura: 28/11/2017); RECURSO ORDINÁRIO. AÇÃO DE acolho a preliminar de carência de ação suscitada pela empresa

COBRANÇA. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. ARTIGO 605, DA CLT. requerida. Nesse contexto, a notificação pessoal do sujeito passivo

ARTIGO 145, DO CTN. EXIGÊNCIAS LEGAIS. O artigo 605, da (art. 145 do CTN), com a indicação do débito faz-se necessária para

CLT, impõe às entidades sindicais a obrigatoriedade de publicação salvaguardar o empregador de situações em que ocorre conflito de

de editais concernentes ao recolhimento do imposto sindical, representação sindical, além de cientificá-lo quanto à própria

durante três dias, nos jornais de maior circulação local e até dez existência da entidade sindical, principalmente quando se trata de

dias da data fixada para depósito bancário; o artigo 145, do CTN, categoria diferenciada, como é o caso destes autos. Nesse sentir,

notificação pessoal do sujeito passivo da obrigação. O objeto do uma vez que não foi juntada a prova da notificação especificamente

pedido - recolhimento de contribuições sociais devidas de dirigida ao réu, notificando-o quanto ao dever de recolher a

conformidade com o disposto no Título V, Capítulo III, Seção I, da contribuição sindical em benefício do autor, configura-se a ausência

CLT - ostenta natureza tributária. E, segundo o artigo 142, do CTN, dos pressupostos processuais, o que impõe a extinção do feito sem

a constituição do tributo apenas se opera pelo lançamento, resolução do mérito, nos termos do art. 485, IV, do CPC."

entendido como "o procedimento administrativo tendente a verificar No mesmo sentido, colaciono os seguintes julgados:

a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente, AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA.

determinar a matéria tributável, calcular o montante do tributo CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL.O Regional decidiu pela

devido, identificar o sujeito passivo e, sendo caso, propor a ausência dos pressupostos de constituição e de desenvolvimento

aplicação da penalidade cabível". A notificação pessoal do sujeito válido e regular do processo, uma vez que, para a cobrança das

passivo, portanto, constitui o último ato do procedimento de contribuições sindicais rurais que a autora entendia serem devidas,

constituição formal do crédito. Sendo assim, impossível considerar não houve a publicação válida dos editais e a notificação pessoal do

atendidas as exigências legais com as publicações demonstradas devedor. O acórdão regional mostra consonância com a

nos autos. Recurso improvido.(Processo: RO - 0000997- jurisprudência reiterada desta Corte, segundo a qual deve ser

33.2014.5.06.0023, Redator: Ruy Salathiel de Albuquerque e Mello demonstrado o cumprimento do disposto no art. 605 da CLT como

Ventura, Data de julgamento: 08/05/2017, Terceira Turma, Data da requisito essencial para a constituição do crédito tributário, sendo

assinatura: 08/05/2017)". Entendimentos em consonância, inclusive, necessária, outrossim, a notificação pessoal do sujeito passivo (art.

com a jurisprudência do C. TST: "AGRAVO DE INSTRUMENTO EM 145 do CTN). Agravo de instrumento conhecido e não provido.

RECURSO DE REVISTA. PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO. 1. (AIRR - 962-69.2014.5.02.0028 , Relatora Ministra: Dora Maria da

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 88
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Costa, Data de Julgamento: 29/03/2017, 8ª Turma, Data de Sendo assim, diante da não demonstração pelo recorrente do

Publicação: DEJT 31/03/2017). preenchimento de requisito essencial à constituição de crédito, ou

AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA seja, a regular notificação do sujeito passivo do débito, (artigos 142

REGIDO PELA LEI 13.015/2014. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL e 145, do CTN), correto o Juízo de origem que extinguiu o processo,

RURAL. LANÇAMENTO. AUSÊNCIA DE NOTIFICAÇÃO sem resolução do mérito, nos moldes do artigo 485, IV, do

PESSOAL DO CONTRIBUINTE. PUBLICAÇÃO DE EDITAIS. CPC/2015.

AUSÊNCIA DE VIOLAÇÕES CONSTITUCIONAIS.Hipótese em Logo, nego provimento.

que o Tribunal Regional, soberano na análise do conjunto fático- Dos honorários advocatícios.

probatório (Súmula 126/TST), determinou a extinção do processo O recorrente pugna pela exclusão da condenação em honorários

sem resolução do mérito, considerando que o ente confederado não advocatícios, alegando não possuir recursos para o pagamento.

notificou pessoalmente a Ré, uma vez que a publicação de editais é Sem razão.

genérica e não indica expressamente o nome da Recorrida. Nesse Além do sindicato autor não ter se desvencilhado do ônus

cenário, tem-se que a decisão regional foi proferida em consonância probatório que lhe competia de provar sua condição de insuficiência

com o entendimento pacífico deste Tribunal Superior, segundo o financeira para arcar com as despesas processuais, o que levou o

qual é indispensável a notificação pessoal do sujeito passivo da Julgador de piso, de forma correta, a indeferir os benefícios da

cobrança e que o cumprimento do artigo 605 da CLT é requisito justiça gratuita, a condenação Na verba honorária decorreu da

essencial para constituição do crédito da ação de cobrança da aplicação do Princípio da Causalidade, e à luz do art. 85, § 6º, do

contribuição sindical rural. Incólumes os artigos da Constituição CPC. Dessa forma, tendo o sindicato dado causa à extinção do

Federal apontados. Precedentes. Agravo de instrumento a que se processo, são cabíveis os honorários advocatícios.

nega provimento. ( AIRR - 1970-19.2012.5.15.0116 , Relator Nego provimento."

Ministro: Douglas Alencar Rodrigues, Data de Julgamento: Confrontando os argumentos da parte recorrente e a

22/03/2017, 7ª Turma, Data de Publicação: DEJT 31/03/2017). fundamentação da decisão recorrida, tenho que o recurso não

AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. comporta processamento, tendo em vista que a Turma decidiu as

INTERPOSIÇÃO SOB A ÉGIDE DA LEI 13.015/2014. questões com base nas normas pertinentes às matérias, consistindo

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. AÇÃO DE COBRANÇA. o insurgimento, quando muito, em interpretação diversa da

NOTIFICAÇÃO PESSOAL DO SUJEITO PASSIVO. conferida pelo Regional. Por outro lado, o recurso de revista é

NECESSIDADE. Foram preenchidos os requisitos do art. 896, § 1º- igualmente inadmissível por divergência jurisprudencial, ora por

A, da CLT, introduzidos pela Lei nº 13.015/2014. O Tribunal serem os arestos colacionados oriundos de órgãos não elencados

Regional ratificou a sentença, quanto à extinção do processo, sem na alínea "a" do artigo 896 da CLT, ora por não citarem a fonte ou

resolução do mérito, nos termos do art. 267, IV, do CPC/1973, ao repositório autorizado em que foram publicados (Súmula 337 do

consignar a invalidade dos editais para a cobrança das TST).

contribuições sindicais rurais, porque foram publicados de maneira CONCLUSÃO

genérica, sem a indicação expressa do devedor. O entendimento Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista.

desta Corte é no sentido de que o cumprimento do que dispõe o art. Cumpram-se as formalidades legais.

605 da CLT (obrigatoriedade da publicação de editais concernentes Intimem-se.

ao recolhimento da contribuição sindical com notificação pessoal) é vo/AE

requisito essencial para constituição do crédito da ação de cobrança Assinatura

da contribuição sindical rural. Precedentes. Agravo de instrumento RECIFE, 25 de Outubro de 2018

conhecido e desprovido. (AIRR - 11688-04.2014.5.15.0073, Relator

Ministro: Alexandre de Souza Agra Belmonte, Data de Julgamento: VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

22/03/2017, 3ª Turma, Data de Publicação: DEJT 24/03/2017). Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

Acrescento que, acerca da matéria, foi proferido recente julgamento Decisão


Processo Nº RO-0001689-41.2014.5.06.0020
por esta Turma, de relatoria do Exmo. Sr. Desembargador Ruy Relator NISE PEDROSO LINS DE SOUSA
Salathiel de A. M. Ventura, nos autos do Processo Nº 0001107- RECORRENTE MONTARTE INDUSTRIAL E
LOCADORA S.A.
12.2016.5.06.0007, publicado em 08.05.2018, do mesmo sindicato ADVOGADO SARA DEBORA DE FREITAS
RIBEIRO PILEGGI(OAB: 224470/SP)
autor.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 89
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ADVOGADO FABIOLA COBIANCHI NUNES(OAB:


149834/SP) É que a Lei nº 13.015/2014, de 22/09/2014, acrescentou o §1º-A ao
ADVOGADO JOSE MANUEL FREITAS DA art. 896 da CLT, introduzindo novos requisitos formais ao
SILVA(OAB: 22582/SC)
RECORRENTE MONTARTE LOCADORA LTDA. processamento dos recursos de revista, que impuseram à parte,
ADVOGADO SARA DEBORA DE FREITAS sob pena de não conhecimento do seu apelo, o dever de: 1) indicar,
RIBEIRO PILEGGI(OAB: 224470/SP)
ADVOGADO FABIOLA COBIANCHI NUNES(OAB: para cada tema trazido ao reexame, o trecho da decisão recorrida
149834/SP)
que consubstancia o prequestionamento da controvérsia; 2)
ADVOGADO JOSE MANUEL FREITAS DA
SILVA(OAB: 22582/SC) apresentar tese explícita e fundamentada de violação legal, de
RECORRIDO FILIPE ANDRE ANDRADE DO
CARMO contrariedade à Súmula de jurisprudência da C. Corte Revisora e à
ADVOGADO PAULO HENRIQUE DE SOUSA Súmula vinculante do E. STF ou de dissenso pretoriano que
CARNEIRO(OAB: 32485-D/PE)
entenda existir; 3) impugnar todos os fundamentos jurídicos da
Intimado(s)/Citado(s):
decisão recorrida; e 4) transcrever na peça recursal, no caso de
- FILIPE ANDRE ANDRADE DO CARMO
suscitar preliminar de nulidade de julgado por negativa de prestação
- MONTARTE INDUSTRIAL E LOCADORA S.A.
- MONTARTE LOCADORA LTDA. jurisdicional, o trecho dos embargos declaratórios em que foi pedido

o pronunciamento do tribunal sobre questão veiculada no recurso

ordinário e o trecho da decisão regional que rejeitou os embargos

quanto ao pedido, para cotejo e verificação, de plano, da ocorrência


PODER
da omissão. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 13.7.2017).
JUDICIÁRIO
Interpretando o dispositivo legal mencionado, vale citar os seguintes
Fundamentação precedentes da Corte Superior Trabalhista:
RECURSO DE REVISTA "AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA.
Trata-se de recurso de revista interposto por FILIPE ANDRÉ ADMISSIBILIDADE. LEI 13.015/2014. PREQUESTIONAMENTO.
ANDRADE DO CARMO, em face de acórdão proferido em sede de TRANSCRIÇÃO DO TRECHO DO ACÓRDÃO. ART. 896, § 1º-A, I,
Recurso Ordinário, nos autos da reclamação trabalhista nº 0001689- DA CLT 1. A Lei nº 13.015/2014 exacerbou os pressupostos
41.2014.5.06.0020, figurando, como recorridas, MONTARTE intrínsecos de admissibilidade do recurso de revista, como se extrai
LOCADORA LTDA. e MONTARTE INDUSTRIAL E LOCADORA do novel art. 896, § 1º-A, da CLT. 2. O novo pressuposto e ônus do
S/A. recorrente consistente em 'indicar o trecho da decisão recorrida que
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS consubstancia o prequestionamento' não se atende meramente por
O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão meio de menção ou referência à folha do acórdão em que se situa,
recorrida se deu em 13.09.2018 e a apresentação das razões tampouco mediante sinopse do acórdão, no particular. A exigência
recursais em 25.09.2018 (Ids d7af01d e 249645d). em apreço traduz-se em apontar a presença do prequestionamento
A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id (salvo vício nascido no próprio julgamento) e comprová-lo mediante
6ee8c7c). transcrição textual do tópico nas razões recursais. Somente assim
Preparo dispensado (Id 996366b). se atinge a patente finalidade da lei: propiciar ao relator do recurso
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS de revista no TST maior presteza na preparação do voto ao ensejar
ADICIONAL DE PERICULOSIDADE que, desde logo, confronte o trecho transcrito com o aresto acaso
Alegações: apontado como divergente, ou com a súmula cuja contrariedade
- contrariedade à Súmula nº 364 do TST; acaso é alegada, ou a violação sustentada de forma analítica pelo
- violação do artigo 193 da CLT ; e recorrente. 3. Inadmissível recurso de revista interposto sob a égide
- divergência jurisprudencial. da Lei nº 13.015/2014 (decisões publicadas a partir de 22/9/2014)
A parte recorrente insurge-se contra o indeferimento do adicional de em que a parte não cuida de transcrever o trecho do acórdão
periculosidade. Alega que, conforme consignado na sentença de 1º regional em que repousa o prequestionamento da controvérsia
grau, a aplicação da parcela em questão não se dá pela transferida à cognição do TST. 4. Agravo de instrumento da
qualificação da função, mas sim pela exposição do empregado a Reclamada de que se conhece e a que se nega provimento."
condição periculosa. (TSTAIRR-767-73.2014.5.08.0107, 4ª Turma, Rel. Min. João Oreste
Não obstante o inconformismo apresentado, o apelo não ultrapassa Dalazen, DEJT 18/12/2015.
o crivo da admissibilidade recursal. "AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 90
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI N° 13.015/2014 (...) que configuram o prequestionamento da controvérsia, inviabilizado

ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA - HONORÁRIOS está o conhecimento de seu apelo, nos termos da norma

ADVOCATÍCIOS - RECURSO DE REVISTA QUE NÃO ATENDE consolidada acima mencionada.

OS REQUISITOS DO ARTIGO 896, § 1º-A, I, DA CLT. Não CONCLUSÃO

obstante as alegações da Agravante, o Recurso de Revista não Diante do exposto, DENEGO seguimento ao Recurso de Revista.

comporta processamento, uma vez que a parte deixou de 'indicar o Cumpram-se as formalidades legais.

trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento Intimem-se.

da controvérsia objeto do recurso de revista', desatendendo, assim, snl/vmm

aos requisitos impostos pelo art. 896, § 1°-A, I, da CLT, inserido Assinatura

pela Lei n° 13.015/2014. Agravo de Instrumento a que se nega RECIFE, 23 de Outubro de 2018

provimento." (AIRR-10608-34.2014.5.18.0004, Relator

Desembargador Convocado: João Pedro Silvestrin, 8ª Turma, DEJT VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

de 24/4/2015). Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

"AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA REGIDO Decisão


Processo Nº RO-0000996-40.2016.5.06.0003
PELA LEI Nº 13.015/14. PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO. Relator MAYARD DE FRANCA SABOYA
ALBUQUERQUE
INOBSERVÂNCIA DE PRESSUPOSTO FORMAL DE
RECORRENTE CREFISA SA CREDITO
ADMISSIBILIDADE PREVISTO NO ART. 896,§ 1º-A, I, DA CLT. FINANCIAMENTO E
INVESTIMENTOS
Nos termos do art. 896, § 1º-A, I, da CLT, com a redação dada pela ADVOGADO LEONARDO HENRIQUE DE MELO
SILVA FERREIRA(OAB: 24570/PE)
Lei nº 13.015/2014: 'Sob pena de não conhecimento, é ônus da
ADVOGADO JOSENILTON FERREIRA DOS
parte: I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o SANTOS JUNIOR(OAB: 24563-D/PE)
ADVOGADO CONSUELO MARIA DOS
prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista'. Na SANTOS(OAB: 13318/PE)
hipótese vertente, o recurso de revista não observou o referido ADVOGADO CAMILA MARIZ GONCALVES(OAB:
39159/PE)
pressuposto formal. Agravo de instrumento a que se nega RECORRENTE ADOBE ASSESSORIA DE SERVICOS
CADASTRAIS LTDA
provimento." (AIRR-11347-06.2013.5.11.0014, Relator Ministro
ADVOGADO Ana Claudia Costa Moraes(OAB:
Walmir Oliveira da Costa, 1ª Turma, DEJT de 8/5/2015). 14992-D/PE)
ADVOGADO DELMIRO BORGES CABRAL(OAB:
"AGRAVO DE INSTRUMENTO. RITO SUMARÍSSIMO. RECURSO 17934/PE)
DE REVISTA QUE NÃO APRESENTA A TRANSCRIÇÃO DO ADVOGADO ERICK RICARDO GOMES DE
LIRA(OAB: 28255/PE)
TRECHO DO ACÓRDÃO REGIONAL QUE IDENTIFICA O ADVOGADO PEDRO HENRIQUE TENORIO E
SILVA(OAB: 31886/PE)
PREQUESTIONAMENTO DA MATÉRIA OBJETO DO APELO. LEI
RECORRIDO ANA CAROLINA COSTA DA SILVA
13.015/2014. Com o advento da Lei 13.015/2014 o novel § lº-A do ADVOGADO PEDRO PAULO PORPINO
PEDROSA(OAB: 18544-D/PE)
artigo 896 da CLT exige em seu inciso I, como ônus da parte e sob
ADVOGADO FABIOLA PORPINO PEDROSA(OAB:
pena de não conhecimento, a indicação do trecho da decisão 34543/PE)
RECORRIDO ADOBE ASSESSORIA DE SERVICOS
recorrida que consubstancia o prequestionamento da controvérsia CADASTRAIS LTDA
objeto do recurso de revista. No caso concreto, o acórdão regional ADVOGADO Ana Claudia Costa Moraes(OAB:
14992-D/PE)
foi publicado em 27/10/2014, na vigência da referida lei, e o recurso ADVOGADO DELMIRO BORGES CABRAL(OAB:
17934/PE)
de revista não apresenta a transcrição do trecho da decisão regional
ADVOGADO ERICK RICARDO GOMES DE
que consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do LIRA(OAB: 28255/PE)
ADVOGADO PEDRO HENRIQUE TENORIO E
apelo. As alterações legislativas no aspecto constituem pressuposto SILVA(OAB: 31886/PE)
extrínseco de admissibilidade do recurso de revista. A ausência RECORRIDO CREFISA SA CREDITO
FINANCIAMENTO E
desses requisitos formais torna inexequível o apelo e insuscetível INVESTIMENTOS
ADVOGADO LEONARDO HENRIQUE DE MELO
de provimento o agravo de instrumento. Agravo de instrumento SILVA FERREIRA(OAB: 24570/PE)
conhecido e desprovido." (AIRR-350-47.2014.5.03.0047, Relator ADVOGADO JOSENILTON FERREIRA DOS
SANTOS JUNIOR(OAB: 24563-D/PE)
Ministro Alexandre de Souza Agra Belmonte, 3ª Turma, DEJT de ADVOGADO CONSUELO MARIA DOS
SANTOS(OAB: 13318/PE)
8/5/2015).
ADVOGADO CAMILA MARIZ GONCALVES(OAB:
Na hipótese dos autos, considerando que o recorrente não cuidou 39159/PE)
TESTEMUNHA ANA FLORIZE MELO CARNEIRO DA
de indicar, nas razões do recurso, os trechos da decisão recorrida SILVA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 91
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Intimado(s)/Citado(s): pelo Supremo Tribunal Federal para o julgamento de mérito da

- ADOBE ASSESSORIA DE SERVICOS CADASTRAIS LTDA questão a ele apresentada, há mesmo vinculação jurídica, em
- ANA CAROLINA COSTA DA SILVA sentido vertical (grifo meu) dos Tribunais de origem, à decisão do
- CREFISA SA CREDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS
Supremo. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é, aliás, de

há muito nesse sentido.

O efeito vinculante das decisões do Supremo Tribunal Federal, no


PODER exercício de jurisdição constitucional, é fenômeno contemporâneo
JUDICIÁRIO ao enriquecimento do sistema brasileiro de controle da

constitucionalidade, com o notório ganho de importância do controle


Fundamentação
concentrado e abstrato. O efeito vinculante foi consagrado pela

Emenda Constitucional 3, de 1993, que introduziu a ação

declaratória de constitucionalidade. É nítida a inspiração no modelo


RECURSO DE REVISTA
germânico. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal evoluiu
Trata-se de Recurso de Revista interposto por ADOBE
no sentido de também conferir efeito vinculante às decisões
ASSESSORIA DE SERVIÇOS CADASTRAIS S/A e CREFISA S/A
proferidas em ação direta de inconstitucionalidade. Completou-se o
CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS, nos autos da
sistema do controle pela via da ação com a regulamentação da
Reclamação Trabalhista 0000996-40.2016.5.06.0003, figurando,
argüição de descumprimento de preceito fundamental. Todas estas
como recorrida ANA CAROLINA COSTA DA SILVA.
ações, bem como suas liminares, são dotadas de efeito vinculante.
CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
Não é esta a sede, evidentemente, para a discussão acerca da
Em sessão realizada em 30/08/2018, apreciando o tema 725 da
necessidade/utilidade do efeito vinculante das decisões do
repercussão geral - Terceirização de serviços para consecução da
Supremo. Porém, já em uma análise preliminar, o rico debate
atividade-fim da empresa - o Supremo Tribunal Federal fixou tese
travado pelos Ministros quando do julgamento da ADC 1 demonstra
jurídica, no sentido de que "É lícita a terceirização ou qualquer outra
que os argumentos em sentido contrário são insubsistentes. Sobre
forma de divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas,
a sustentada retirada da independência da magistratura, assim se
independentemente do objeto social das empresas envolvidas,
manifestou o Ministro Moreira Alves: 'Mesmo nos países em que só
mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante".
se admite o controle concentrado de constitucionalidade exercido
Registre-se, e é importante, o caráter obrigatório de observância,
por Corte Constitucional, nunca se sustentou que, com ele, se
pelas instâncias inferiores do Poder Judiciário, das decisões
retirou a independência da magistratura. Essa crítica - que não
proferidas pelo Supremo Tribunal Federal em recurso
decorreria da criação da ação declaratória de constitucionalidade,
extraordinário, com repercussão geral, contextualizando que, em
mas que poderia ser feita quanto à ação direta de
sede da mais abalizada doutrina nacional, é prevalente o
inconstitucionalidade - é tanto mais improcedente quanto é certo
entendimento em torno do efeito vinculante. A exemplo, o
que, no Brasil, o órgão que exercita esse controle concentrado, em
magistério de Luiz Guilherme Marinoni e Daniel Mitidiero, na obra
face da Constituição Federal, é, por força dela mesma, o Supremo
"REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO" (3ª
Tribunal Federal, que não apenas integra o Poder Judiciário, mas se
edição, Editora Revista dos Tribunais, págs. 74/76:
encontra no ápice de sua hierarquia".
"Tendo sido reconhecida a repercussão geral da questão debatida e
E, ao abordar o tema, o eminente José Carlos Barbosa Moreira
julgado o mérito recursal, os recursos sobrestados poderão ser
elucida que, quando o Supremo Tribunal Federal reconhecer a
apreciados imediatamente pelo Tribunal de origem, pelas Turmas
existência de repercussão geral "e julgar o mérito dos recursos
de Uniformização ou pelas Turmas Recursais. Nesse caso, poderão
extraordinários paradigmas, não serão admitidos os recursos
retratar-se de suas decisões, adequando-se à orientação firmada
extraordinários contra acórdãos que estejam em consonância com a
pelo Supremo Tribunal Federal, sendo-lhes facultado, ainda, declará
decisão superior; mas se o acórdão do Tribunal de origem estiver
-los 'prejudicados', porque manejados em sentido contrário à
em descompasso com a decisão paradigma, o órgão de origem
decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal (art. 543-B § 3º, do
poderá retratar-se, adaptando a sua decisão àquela (CPC, art. 543-
CPC). Trata-se, nessa última hipótese, de verdadeira negativa de
B, § 3º). Se não houver retratação e a decisão for mantida, o
provimento ao recurso. Existe aqui, no mínimo, vinculação
recurso extraordinário será admitido, podendo o STF cassar ou
persuasiva.
reformar a decisão liminarmente na forma do art. 557 do CPC"
A rigor, se houver clara identificação da ratio decidendi utilizada

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 92
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

(grifei) (in "O Novo Processo Civil Brasileiro" - "Exposição dissentir de posição externada pelo Supremo Tribunal Federal nos

sistemática do procedimento", 25ª edição, Editora Forense, Rio de recursos extraordinários paradigmas, nas hipóteses em que se

Janeiro, 2007). declare a existência de repercussão geral, reafirmando-se, assim,

Destarte, continuar julgando e/ou uniformizar jurisprudência em sua força vinculante.

sentido contrário à tese jurídica prevalecente assentada pelo Tudo isto considerado, passo à análise do apelo.

Plenário do Supremo Tribunal Federal, em Recurso Extraordinário, PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

com repercussão geral, ainda que desprovida, formalmente, de O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão

caráter vinculante, agride os princípios da segurança jurídica e da recorrida se deu em 11.06.2018 e a apresentação das razões

celeridade processual, consagrados no artigo 5º, inciso XXXVI e recursais em 11.06.2018, conforme se pode ver dos documentos

LXXVIII, da Constituição da República. "A interpretação Ids 353ac40 e 268025e.

constitucional derivada das decisões proferidas pelo STF - a quem A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Ids

se atribuiu a função eminente de "guarda da constituição" (CF, art. 7a75f2e e b952417).

102, caput) - assume papel de essencial importância na Preparo regularmente efetuado, como se pode ver dos Ids 5e371da,

organização institucional do Estado brasileiro, a justificar o e0cbb72, 432844a, dc28f1c, d72b0a5 e beb57c8)

reconhecimento de que o modelo político-jurídico vigente no nosso PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

País confere, à Suprema Corte, a singular prerrogativa de dispor do DA ILICITUDE DA TERCEIRIZAÇÃO

monopólio da última palavra em tema de exegese das normas ENQUADRAMENTO SINDICAL

inscritas no texto da Lei Fundamental. (ADI 3.345, rel. min. Celso de RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA / GRUPO ECONÔMICO

Mello, julgamento em 25-8-2005, Plenário DJE de 20-8-2010). No Alegações:

mesmo sentido: AI 733.387, rel. min. Celso de Mello, julgamento em - contrariedade às Súmulas 55, 117, 119, 239 e 331 do TST;

16-12-2003, Segunda Turma, DJE de 1º.2.2013. Vide HC 91.361, - violação aos artigos 5º, inciso II, 170 da Constituição Federal; Lei

rel. min. Celso de Mello, julgamento em 23-9-2008, Segunda Turma, nº 13.429/2017; 4-A, §2º, da Lei nº 6.019/74; 2º, § 2º, 224, 2º, 511,

DJE de 6-2-2009; RE 227.001-ED, rel. min. Gilmar Mendes, 570 caput, da CLT; e

julgamento em 18-9-2007, Segunda Turma, DJ de 5-10-2007." - divergência jurisprudencial.

Comentando o artigo 543-B, do CPC, que trata da questão, ensinam Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do apelo,

os jurisconsultos Nélson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, as recorrentes

que: "A norma comentada permite ao tribunal a quo, em nome da insurgem-se contra o posicionamento do Colegiado regional de

economia e celeridade processual (CF 5º, LXXVIII), pelo órgão que manter a decisão do Juízo singular que reputou ilícita a

proferiu a decisão impugnada por RE, retratar-se e modificar o terceirização, deferindo os pleitos formulados na exordial.

acórdão recorrido, quando o STF tiver conhecido e provido o RE Argumentam que o artigo 4º-A, §2º, da Lei nº 6.019/74 admite a

representativo da tese jurídica por ele acolhida. Ao invés de remeter terceirização na atividade-fim sem a existência de vínculo

os autos de todos os REs que se encontravam sobrestados, empregatício diretamente com o tomador de serviços. Afirmam que

aguardando a decisão do STF sobre a tese jurídica, o tribunal de a decisão combatida apresenta entendimento diverso do que dispõe

origem pode voltar atrás e modificar as decisões impugnadas, a súmula 331 do TST, visto que a terceirização havida não é ilegal,

aplicando o entendimento do STF aos processos pendentes, então pelo que não caberia o reconhecimento do vínculo empregatício

sobrestados. A retratação do tribunal de origem, quando o STF tiver com a tomadora dos serviços. Citam decisão em Ação Civil Pública,

acolhido o RE representativo e cassado a decisão impugnada, com efeito erga omnes, no sentido de afastar a ilicitude da

embora seja faculdade dada pela norma comentada ao órgão do terceirização havida. Sustentam que a reclamante jamais exerceu

tribunal a quo que proferiu o acórdão impugnado, deverá, sempre atividade fim da CREFISA, de maneira que não cabe o seu

que possível, ser regra geral, evitando, assim, o envio enquadramento à categoria dos financiários. Salientam que sequer

desnecessário dos autos ao STF, em perda de tempo inadmissível há autorização por parte do Banco Central em terceirizar atividades

em face da garantia constitucional da celeridade. Em virtude da financeiras. Aduzem que é incabível o reconhecimento da atividade

retratação do tribunal de origem, os RE ficarão prejudicados e não da recorrida como profissional integrante da categoria profissional

poderão seguir para o STF." (in Código de Processo Civil dos financiários, com aplicação da jornada laboral diferenciada.

Comentado, Editora Revista dos Tribunais, 12ª edição, pag. 1.121). Invocam a OJ nº 379 da SDBI-1 do TST e aduzem não haver como

Conclui-se, portanto, que não está ao alvedrio do magistrado equiparar os empregados prestadores de serviços de assessoria de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 93
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

serviços cadastrais aos bancários, para aplicação da jornada de 'que, nas lojas, havia o analista de atendimento junior ou pleno; que

trabalho diferenciada, com esteio na Súmula 55, do TST. Impugnam o analista de atendimento junior não pode conceder empréstimos;

a responsabilidade solidária que lhes foi imposta. que, como analista, o depoente recepciona os clientes, solicita a

O acórdão vergastado encontra-se fundamentado na seguinte documentação necessária para fazer o cadastro; que todos os

direção (Id. 805fc09): funcionários da loja são contratados pela 1ª ré; que o depoente

"1. Da licitude da terceirização - Recursos das reclamadas. também faz telemarketing e cobrança; que, quando recebia as

A reclamante afirmou, em sua petição inicial, que foi contratada pela propostas e a documentação, fazia o lançamento no sistema

Adobe Assessoria de Serviços Cadastrais Ltda, para exercer a chamado Fidelity'. (fl. 866)

função de Analista de Atendimento Júnior na sede da CREFISA S/A As testemunhas confirmaram que todos os trabalhadores

Crédito, Financiamento e Investimentos, no período de 03/02/2014 vinculados à Adobe prestavam serviços relacionados à

a 19/05/2016, desempenhando atividades relacionadas ao fim social concessão de empréstimos, finalidade social da tomadora de

da tomadora de serviços. serviços.

Em suas peças contestatórias, adunadas às fls. 264/295 e 377/447, Insta frisar, ainda, que o contrato de prestação de serviços firmado

as rés defenderam a licitude da terceirização. entre a CREFISA e a Adobe possui como objeto a prospecção,

Destaco, inicialmente, que não se discute a possibilidade de uma capacitação e credenciamento de corretores para comercialização

empresa terceirizar serviços, o que tem suporte na legislação, na de produtos da contratante, implantação e gerenciamento do

doutrina e na jurisprudência. Cuida-se apenas de aferir-se se, na serviço de atendimento aos clientes da contratante, gerenciamento

hipótese, a terceirização ocorreu regularmente. de arquivos e documentos, e de compras. (fl. 320) Ou seja, houve

Após longo período de debates no âmbito da jurisprudência e da terceirização de toda a cadeia produtiva da CREFISA, não

doutrina trabalhistas, que sempre procuraram fazer face à restando dúvidas de que a trabalhadora desempenhava

deficiência de normatização sobre a terceirização de serviços, fixou- atividade inerente ao fim social da tomadora de serviços.

se o entendimento de que apenas são legítimas as hipóteses Ressalto, por oportuno, que se encontram presentes todos os

enumeradas nos itens da Súmula 331 do C. TST, quais sejam: elementos necessários à caracterização do vínculo empregatício

aquelas que autorizam a contratação de trabalho temporário; as entre a autora e a CREFISA, consagrados nos arts. 2º e 3º, da CLT.

atividades de vigilância, conservação ou limpeza e os serviços Com efeito, não paira controvérsia nos autos acerca do fato de

ligados a atividade-meio da empresa tomadora. que a demandante prestava serviços de forma pessoal,

Sobre as atividades desenvolvidas pela reclamante, a testemunha onerosa e habitual, sendo irrelevante se quem efetuava seu

Ana Florize Melo Carneiro da Silva, disse que: 'desde a contratação pagamento era a prestadora de serviços para configuração do

a depoente achava que seria funcionária da Crefisa, mas só soube sinalagma contratual.

da existência da Adobe quando recebeu sua CTPS com o contrato No tocante à subordinação, não se fazia imperioso que a

registrado; que durante todo o período trabalhou na loja da Crefisa reclamante recebesse ordens diretamente de prepostos da

de São Lourenço; que trabalhou junto com a reclamante por cerca CREFISA para que restasse configurada o ajuste laboral. As

de um ano, em 2015; que a depoente era analista de crédito, assim relações trabalhistas firmadas nas recentes modalidades de

como a reclamante; que todos os funcionários lotados na loja contratação por empresa interposta, não mais se enquadram na

tinham CTPS assinada pela 1ª reclamada; que a depoente recebia tradicional subordinação subjetiva. Assim leciona Maurício Godinho

a proposta de empréstimo do cliente, recolhia os documentos, Delgado:

analisava e lançava os valores no sistema; que as propostas eram 'A subordinação corresponde ao polo antitético e combinado do

encaminhadas para a mesa de crédito em São Paulo, para eventual poder de direção existente no contexto da relação de emprego.

aprovação; que a depoente calculava o comprometimento de renda Consiste, assim, na situação jurídica derivada do contrato de

do cliente; que lançava o valor da parcela no sistema e fazia as trabalho, pela qual o empregado compromete-se a acolher o poder

simulações de acordo com o número de parcelas; que os juros eram de direção empresarial no modo de realização de sua prestação de

calculados diretamente no sistema; que a reclamante serviços.

desempenhava as mesmas atividades da depoente como analista (...)

de crédito;'. (fl. 865) Como se percebe, no Direito do Trabalho a subordinação é

Já a prova oral produzida pelo polo passivo, consistente no encarada sob o prisma objetivo: ela atua sob o modo de realização

depoimento de Maxymyler Vieira de Almeida, teve o seguinte teor: da prestação e não sobre a pessoa do trabalhador. É, portanto,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 94
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

incorreta, do ponto de vista jurídico, a visão subjetiva do fenômeno, 69.2016.5.06.0371, Redator: Fabio Andre de Farias, Data de

isto é, que se compreenda a subordinação como atuante sobre a julgamento: 21/02/2018, Segunda Turma, Data da assinatura:

pessoa do trabalhador, criando-lhe certo estado de sujeição (status 28/02/2018)

subjectiones)'. (DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do (...)

Trabalho, São Paulo, LTr, 2009, p. 281) Com vistas a evitar embargos declaratórios desnecessários,

Invoco ainda a lição de Vólia Bonfim Cassar, no tocante à esclareço desde logo, que o princípio da irretroatividade das leis

subordinação estrutural. Aduz o autor que 'toda vez que o está consagrado no art. 6º do Decreto-Lei nº 4.657/42 (Lei de

empregado executar serviços essenciais à atividade-fim da Introdução às normas do Direito Brasileiro) e art. 5º, XXXVI, da

empresa, isto é, que se inserem na sua atividade econômica, ele CF/88. Dessa maneira, não se pode cogitar em aplicação retroativa

terá uma subordinação estrutural ou integrativa, já que integra o da nova Lei de Terceirizações (Lei nº 13.429/2017) para momento

processo produtivo e a dinâmica estrutural de funcionamento da anterior à sua vigência. É que o contrato de trabalho da autora

empresa ou do tomador de serviços'(Direito do Trabalho, Rio de findou muito antes do início da vigência desta norma legal.

Janeiro, Impetus, 2011, p. 272). É exatamente o que se divisa na O contrato firmado pelas demandadas, quanto à responsabilidade

lide sob apreciação. exclusiva da Adobe pelo adimplemento dos encargos trabalhistas,

Na hipótese em epígrafe, aferiu-se que a trabalhadora estava não é oponível à reclamante, cujo contrato de trabalho é regido por

inserida na dinâmica empresarial da tomadora dos serviços, sendo normas cogentes.

inegável a sujeição laboral ao poder diretivo da CREFISA e, como Indevida a extensão dos efeitos de decisão proferida no âmbito do

corolário, a sua subordinação jurídica. TRT da 1ª Região, nos autos de ação civil pública, a esta 6ª Região.

Evidenciada, como corolário, a prestação do trabalho de forma Os julgados prolatados por aquela Corte, ou por qualquer outro

pessoal, não-eventual, onerosa e subordinada do reclamante em Regional, somente vinculam os órgãos trabalhistas no âmbito de

favor da CREFISA S/A - Crédito, Financiamento e Investimentos. sua jurisdição.

A despeito do esforço argumentativo das reclamadas para que se As súmulas 117, 119 e 239, do TST foram elaboradas para

reconheça a licitude da terceirização havida, não é possível aplicação em quadro fático diverso do desses autos, não havendo

considerar as atribuições da reclamante como estranhas ao núcleo que se falar em sua incidência, na espécie.

das atividades empresariais da CREFISA,restando caracterizada a De todo o exposto, comungo com o bem fundamentado

terceirização ilícita. É que o ordenamento jurídico pátrio coíbe a entendimento do Juízo a quo de que a demandante prestou

utilização de contrato de prestação de serviços para o desempenho serviços à CREFISA por meio da Adobe, realizando serviços

de atividades essenciais ao negócio do contratante, mascarando intrinsecamente relacionados à atividade fim daquela, donde se

autêntica relação de emprego. Trata-se de fraude ao arcabouço conclui, de forma inconteste, pela ilicitude da terceirização

normativo trabalhista que objetiva evitar o enquadramento do firmada entre referidas empresas. Aplica-se, in casu, o contido

trabalhador em categoria diversa, cujo rol de benefícios normativos no item I, da Súmula 331 do C. TST e no artigo 9º da CLT,

tornariam a sua contratação direta mais onerosa. A ilicitude da devendo-se reconhecer a nulidade do contrato firmado com a

terceirização atrai a incidência do art. 9º, da CLT, devendo-se prestadora de serviços e acolher a tese esgrimida pela

reconhecer o vínculo do empregado diretamente com o tomador de reclamante, reconhecendo o vínculo de emprego direto com a

serviços, na forma do item I da súmula 331 do TST, com tomadora dos serviços, e seu consequente enquadramento na

enquadramento na categoria dos empregados do real empregador. categoria dos financiários.

Por oportuno, invoco precedentes desta Corte no sentido da ilicitude Mantida a vinculação empregatícia direta com a tomadora de

da terceirização firmada entre a CREFISA e a Adobe: serviços, como corolário, deve permanecer inalterada a ordem para

RECURSOS ORDINÁRIOS DAS RECLAMADAS. a anotação da CTPS emanada pelo Juízo monocrático.

TERCEIRIZAÇÃO. ART. 9º DA CLT. FRAUDE. CONFIGURAÇÃO. Não se argumente que as normas coletivas adunadas aos autos

É ilícita a terceirização da atividade-fim de instituições financeiras, seriam inaplicáveis à espécie, visto que delas são signatárias a

com o objetivo de burlar a aplicação da legislação trabalhista, Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro -

incidindo na hipótese do art. 9º da CLT, que estabelece que o ajuste CONTRAF/CUT e a Federação Interestadual das Instituições de

entre empregadores com o intuito de impedir ou fraudar a aplicação Crédito, Financiamento e Investimento - FENACREFI, entidades

dos preceitos da Consolidação são nulos de pleno direito. Recursos que representam tanto a autora quanto a tomadora de serviços,

ordinários não providos. (Processo: RO - 0002272- com abrangência em todo território nacional.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 95
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Acerca do tema, peço vênia ao Exmo Desembargador José Luciano art. 8º, parágrafo único, da CLT. O mesmo caderno civilista, em seu

Alexo da Silva para transcrever trecho do acórdão prolatado nos art. 942, prevê a responsabilização solidária dos autores do agravo

autos do processo n.º 0010057-03.2013.5.06.0011 por esta 4ª pela sua reparação, de forma que a decisão recorrida não deve ser

Turma, de sua relatoria, adotando-o como razões de decidir, tendo reformada também no aspecto.

em vista que discorre sobre hipótese idêntica: Também deve-se ter em mente que os elementos dos autos

'Diante do reconhecimento do vínculo de emprego da autora com a apontam na direção de que as reclamadas integram o mesmo grupo

tomadora dos serviços (2ª reclamada), e tendo-se como econômico, embora neguem este fato.

inquestionável a atividade financeira desta (art. 17, da Lei nº Compulsando os documentos acostados aos autos, constata-se que

4.595/64), deve ser enquadrada a obreira na categoria dos a ADOBE tem como sócios a R.L. PARTICIPAÇÃO E

financiários. EMPREENDIMENTOS COMERCIAIS LTDA. e JOSÉ ROBERTO

Quanto à abrangência das Convenções Coletivas anexadas aos LAMACCHIA, sendo este o sócio-administrador da R.L. PART. E

autos, observe-se que o art. 611, § 2.°, da CLT, estabelece que as EMP. COM. LTDA.

Federações e, na ausência destas, as Confederações, A CREFISA, sociedade anônima de capital fechado, por sua vez,

representativas de categorias econômicas ou profissionais, poderão tem como Diretor Presidente JOSÉ ROBERTO LAMACCHIA, sendo

celebrar convenções coletivas de trabalho para reger as relações acionista a CREFIPAR PARTICIPAÇÕES E EMPREENDIMENTOS

das categorias a elas vinculadas, inorganizadas em Sindicatos, no LTDA., cujo sócio-administrador é o multicitado JOSÉ ROBERTO

âmbito de suas representações. LAMACCHIA.

E, no caso dos autos, as reclamadas não trouxeram ao caderno Evidente, pois, que as reclamadas compõem o mesmo grupo

processual a necessária prova de que a categoria profissional das econômico, para os efeitos do art. 2°, § 2°, da CLT, por estarem

empresas de instituição de crédito possuem representação sindical ambas sob o mesmo comando, devendo ser mantida a

própria no Estado de Pernambuco. responsabilização solidária.

Incensurável, portanto, a condenação das rés ao pagamento das Recursos improvidos." (destaques)

diferenças salariais e consectários, bem com dos benefícios Confrontando os argumentos suscitados pela parte recorrente com

regulados nas convenções coletivas dos financiários: jornada os fundamentos do acórdão, verifico que a revista comporta

especial (06 horas), auxílio refeição, auxílio cesta alimentação, 13ª processamento, pois o Regional decidiu as questões veiculadas no

cesta alimentação e anuênio.' presente apelo em desconformidade com a tese jurídica

Nestes termos, o reconhecimento do vínculo empregatício com a prevalecente do Supremo Tribunal Federal no sentido de que "É

CREFISA torna a autora, a toda evidência, beneficiária das normas lícita a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho

coletivas subscritas pela tomadora de serviços, de cujas entre pessoas jurídicas distintas, independentemente do objeto

negociações, portanto, participou, inexistindo qualquer afronta ao social das empresas envolvidas, mantida a responsabilidade

art. 611, da CLT, eis que aplicadas, no caso, no 'âmbito das subsidiária da empresa contratante".

respectivas representações', profissional e econômica. Resta prejudicada a análise dos demais títulos objeto de

Devido o pagamento de indenização pelo não fornecimento de irresignação no presente apelo.

auxílio-refeição e ajuda-alimentação, bem como diferenças salariais CONCLUSÃO

para o piso normativo da categoria, sendo o deferimento de Diante do exposto, RECEBO o recurso de revista.

diferenças de verbas rescisórias mero corolário lógico da majoração Intimem-se, ficando ciente a parte recorrida para, querendo,

salarial. apresentar suas contrarrazões.

Destaco que não houve condenação ao pagamento de aviso prévio

normativo, nem mesmo pedido correlato na petição inicial, de forma /jrb/illsg

que a Adobe sequer possui interesse jurídico em discutir o tema.

A condenação solidária das rés é medida que se impõe. De fato, a

intermediação de mão de obra perpetrada entre as empresas Assinatura

constitui burla à legislação trabalhista, que ocasionou dano à RECIFE, 25 de Outubro de 2018

trabalhadora. Enquadra-se, pois, na definição de ato ilícito

constante no art. 927 do Código civil pátrio, aplicável VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

subsidiariamente a esta Especializada, em virtude do que versa o Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 96
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Decisão incompatível com a nova legislação trabalhista. Aduz, além da clara


Processo Nº RO-0000642-18.2017.5.06.0411
Relator MARIA CLARA SABOYA inconstitucionalidade do artigo invocado pela parte reclamante, a
ALBUQUERQUE BERNARDINO
não concessão do intervalo de 15 minutos previsto no artigo 384 da
RECORRENTE ROSIMEIRE ARAUJO RODRIGUES
ADVOGADO WENDEL LOPES MENEZES DA CLT, não gerava pagamento pecuniário a título de hora extra por
SILVA(OAB: 27605-D/PE)
constituir mera infração administrativa para a Empresa, não
RECORRIDO RN COMERCIO VAREJISTA S.A
ADVOGADO CARLA ELISANGELA FERREIRA incorrendo em excesso de jornada.
ALVES TEIXEIRA(OAB: 18855/PE)
Destaco os seguintes fundamentos do acórdão:
ADVOGADO URBANO VITALINO DE MELO
NETO(OAB: 17700/PE) Por outro lado, observo que o Tribunal Superior do Trabalho

decidiu, no incidente de constitucionalidade TST-IIN-RR-


Intimado(s)/Citado(s):
11540/2005-046-12-005, em sessão plenária no dia 17/11/2008,
- RN COMERCIO VAREJISTA S.A
- ROSIMEIRE ARAUJO RODRIGUES que a norma do artigo 384 da CLT foi recepcionada pela

Constituição de 1988, razão pela qual não há se falar em violação

ao princípio da isonomia.

E tal dispositivo legal, incidente, na hipótese, posto que vigente à


PODER
época do contrato de trabalho em análise, estabelecia, em favor da
JUDICIÁRIO
mulher, o direito ao intervalo de quinze minutos antes do início da
Fundamentação jornada extraordinária, nos seguintes termos: "Em caso de
RECURSO DE REVISTA prorrogação do horário normal, será obrigatório um descanso de 15
Trata-se de Recurso de Revista interposto por RN COMERCIO (quinze) minutos, antes do início do período extraordinário de
VAREJISTA S.A., em face de acórdão proferido em sede de trabalho."
recurso ordinário nos autos da Reclamação Trabalhista nº 0000642- Assim, deixando o empregador de conceder o intervalo de 15
18.2017.5.06.0411, figurando, como recorrida, ROSIMEIRE minutos entre a jornada normal e a extraordinária, a teor do art. 384
ARAÚJO RODRIGUES. da CLT, impõe-se penalizá-lo com o pagamento do tempo
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS correspondente, com acréscimo de 50%, e repercussões sobre
O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão outras parcelas, consoante aplicação analógica do § 4º, do art. 71,
recorrida se deu em 31.08.2018 e a apresentação das razões Consolidado, e diretriz contida na Súmula nº 437, III, do TST, de
recursais em 13.09.2018 (Ids 9ef0449 e a85a111). modo que não há prosperar a tese no sentido de que a conduta
A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id empresarial, no caso, corresponderia apenas à infração
3c4a4d5). administrativa.
Preparo regularmente efetuado (Ids 8ca39d1, 2ac29f4, 8c1b20d e De outra parte, para fins de aperfeiçoamento da prestação
fb70e0e). jurisdicional, impõe-se definir que o condeno, no aspecto, deve ser
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS apurado considerando-se os dias em que houve labor em
INTERVALO PREVISTO NO ARTIGO 384 DA CLT sobrejornada, de acordo com os cartões de ponto adunados.
Alegações: Por essas razões, dou parcial provimento ao recurso, no particular,
- violação aos artigos 5º, incisos I, II, LIV, X e XXXVI e LV, 93, IX, da para excluir do condeno o pagamento a título de horas extras
CF; propriamente ditas e respectivos reflexos. Determino, outrossim,
- violação aos artigos 384 e 879, 'caput' e §1º, da CLT; e que o condeno pertinente ao intervalo previsto no art. 384 da CLT
- divergência jurisprudencial. deve ser apurado considerando-se os dias em que houve labor em
Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do apelo, sobrejornada, de acordo com os cartões de ponto adunados.
previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, o Recorrente pede Quanto ao intervalo de 15 minutos para início da hora extra da
a exclusão do pagamento das horas extras pelo intervalo do art. 384 mulher previsto no art. 384 da CLT, a decisão se encontra em
da CLT, alegando que não há qualquer amparo legal que nutra o sintonia com o que restou decidido no incidente de
pedido de horas extras da parte reclamante, de modo que este constitucionalidade TST-IIN-RR-11540/2005-046-12-005, que
deverá ser julgado improcedente. Explica que, além de revogar o reconheceu a recepção do referido artigo pela Constituição de 1988.
art. 384 da CLT, a Lei 13.467/2017 também sucedeu a decadência Ademais, o recurso encontra óbice no art. 896, § 7º, da CLT e na
conjunta do item 5.1.3.1 do anexo II da NR 17, já que tal norma é Súmula nº 333 do TST, uma vez que a decisão recorrida encontra-

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 97
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ADVOGADO JESSICA CAROLINA GONCALVES


se alinhada com a iterativa, notória e atual jurisprudência do TST, DIAS(OAB: 37219/PE)
ADVOGADO RAFAEL PYRRHO CORREIA DE
inclusive quanto a não configuração de mera infração administrativa MELO(OAB: 35791/PE)
quando inobservado o intervalo em questão, como se demonstra RECORRIDO REFRESCOS GUARARAPES LTDA
ADVOGADO Thiago de Lima e França(OAB:
nas decisões proferidas pela SDI-1 daquela Corte: 32834/PE)
EMBARGOS. INTERVALO PARA A MULHER. ARTIGO 384 DA ADVOGADO ANTONIO HENRIQUE
NEUENSCHWANDER(OAB:
CLT. RECEPÇÃO PELA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. NÃO 11839/PE)
ADVOGADO PETERSON CAPUCHO
PROVIMENTO. 1. Por disciplina judiciária, curvo-me ao PARPINELLI(OAB: 18614/PE)
entendimento do Tribunal Pleno desta Corte Superior que,
Intimado(s)/Citado(s):
reconhecendo a constitucionalidade do artigo 384 da CLT, que trata
- CARLOS ALBERTO DE OLIVEIRA
do intervalo de 15 (quinze) minutos garantido às mulheres
- REFRESCOS GUARARAPES LTDA
trabalhadoras antes da prestação de horas extraordinárias, concluiu

que a concessão de condições especiais à trabalhadora do sexo

feminino não fere o princípio da igualdade entre homens e


PODER
mulheres, tal como assegurado no artigo 5º, I, da Constituição
JUDICIÁRIO
Federal. 2. Irretocável, pois, o acórdão ora embargado, no que

reconheceu a ocorrência de afronta ao artigo 384 da CLT e, com Fundamentação


base nela, acresceu à condenação da reclamada o pagamento de RECURSO DE REVISTA.
horas extraordinárias em função da não concessão à reclamante do Trata-se de Recurso de Revista interposto por NORSA
intervalo para descanso nele assegurado, com os reflexos daí REFRIGERANTES S.A. (atual denominação de REFRESCOS
decorrentes. 3. Recurso de embargos conhecido e não provido, no GUARARAPES LTDA.), em face de acórdão proferido em sede de
particular. (E-RR - 107300-38.2008.5.04.0023 , Relator Ministro: Recurso Ordinário, nos autos da Reclamação Trabalhista nº
Guilherme Augusto Caputo Bastos, Data de Julgamento: 0001188-76.2017.5.06.0313, figurando, como recorrido, CARLOS
14/08/2014, Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, ALBERTO DE OLIVEIRA.
Data de Publicação: DEJT 22/08/2014) CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
CONCLUSÃO Registre-se, inicialmente, que foi instaurado Incidente de
Diante do exposto, DENEGO seguimento aos Recursos de Revista. Uniformização de Jurisprudência neste Egrégio Sexto Regional
Cumpram-se as formalidades legais. sobre a seguinte questão jurídica: "O transporte de valores
Intime-se a recorrente. (numerários e cheques) realizado por motoristas e ajudantes de
/mscs/AE entrega, atividade estranha ao contrato de emprego, caracteriza

ilicitude capaz de ensejar a reparação por danos


Assinatura extrapatrimoniais?", o que motivou o sobrestamento de todos os
RECIFE, 24 de Outubro de 2018 processos que tratavam da matéria.

Ocorre, porém, que, na sessão do dia 29.05.2018, o Plenário deste


VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO Tribunal, por maioria, resolveu extinguir o referido IUJ, sem
Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região resolução do mérito, nos termos do artigo 485, VI, do Código de
Decisão Processo Civil.
Processo Nº RO-0001188-76.2017.5.06.0313
Relator FABIO ANDRE DE FARIAS Assim, passo ao exame dos pressupostos de admissibilidade.
RECORRENTE CARLOS ALBERTO DE OLIVEIRA PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
ADVOGADO JESSICA CAROLINA GONCALVES
DIAS(OAB: 37219/PE) O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação do acórdão
ADVOGADO RAFAEL PYRRHO CORREIA DE se deu em 06/09/2018 e a apresentação das razões recursais em
MELO(OAB: 35791/PE)
RECORRENTE REFRESCOS GUARARAPES LTDA 19/09/2018, conforme se pode ver dos documentos Ids 9557b2a e
ADVOGADO Thiago de Lima e França(OAB: 6b43094.
32834/PE)
ADVOGADO ANTONIO HENRIQUE A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id
NEUENSCHWANDER(OAB:
11839/PE) 2aecdef).
ADVOGADO PETERSON CAPUCHO Preparo efetuado corretamente (Id d40ebf1, f854803, 6fbf830,
PARPINELLI(OAB: 18614/PE)
RECORRIDO CARLOS ALBERTO DE OLIVEIRA bb8b43a, f5a6124 e 0fad45b).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 98
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS ocorrência do dano, ficando sobre o poder discricionário do Juiz.

DA INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS EM RAZÃO DO Considerando essas balizas, ainda, em consonância com a

TRANSPORTE IRREGULAR DE VALORES / DO VALOR jurisprudência deste Egrégio e, considerando que o reclamante não

ARBITRADO foi vítima direta de assaltos, dou parcial provimento ao recurso do

Alegações: autor para majorar o valor arbitrado pelo juízo a quo ao patamar de

- violação aos arts. 186, 187, 927, 944/954, do CC; R$10.000,00, posto que além de ser de acordo com a jurisprudência

- divergência jurisprudencial desta Turma, atende aos critérios da razoabilidade e

Atendendo os requisitos formais para conhecimento do seu apelo, proporcionalidade, e nego provimento ao recurso da reclamada."

previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a parte recorrente Quanto ao dano moral, o entendimento do órgão fracionário está em

insurge-se contra o posicionamento do Colegiado regional, quanto consonância com o art. Com a recente e iterativa interpretação dada

ao dano moral em face do trabalho com entregas, movimentando à matéria pela SBDI-1 dessa mesma Corte Superior. É o que se

numerários e seu quantum. Alega, em resumo, que "sequer houve extrai do seguinte precedente:

prova dos indispensáveis pré-requisitos para condená-la em "RECURSO DE EMBARGOS. REGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014.

indenização por danos morais" e, acrescenta que o valor arbitrado TRANSPORTE DE VALORES. EMPRESA DISTRIBUIDORA DE

foi excessivo, requerendo, alternativamente, sua redução. BEBIDAS. EMPREGADO NÃO HABILITADO. DANO MORAL.

Do acórdão impugnado extrai-se que (Id bb8b43): INDENIZAÇÃO. 1. A eg. Quinta Turma deu provimento ao recurso

"RECURSO ORDINÁRIO PATRONAL. TRANSPORTE de revista interposto pelo reclamante, sob o fundamento de que,

IRREGULAR DE VALORES. DANO À MORAL. INDENIZAÇÃO tratando-se de empresa de outro setor econômico, que não o de

DEVIDA. - O transporte de valores exige habilitação profissional, de segurança e transporte de valores, a realização habitual dessa

acordo com a disposição contida na Lei nº. 7.102/83. Foge às atividade pelo empregado, sem a necessária habilitação técnico-

atribuições de um ajudante ou motorista de entregas, que não é profissional, enseja o pagamento de indenização por dano moral,

contratado como segurança, com todas as condicionantes que a lei em razão do descumprimento, pela empregadora, da exigência

exige, fazer o transporte de valores, que exige profissionais expressa no art. 10, § 4º, da Lei nº 7.102/1983. 2. Demonstrado o

especializados a fim de resguardar não só o patrimônio da empresa, dissenso pretoriano válido e específico, no tocante à hipótese de

mas a própria integridade física dos que operam nessa função. motorista de empresa distribuidora de bebidas, o recurso não logra

Pratica ato ilícito a ré ao submeter o reclamante a esse tipo de êxito quanto ao mérito. A jurisprudência iterativa, notória e atual

tarefa, além de suas responsabilidades, considerado o alto grau de desta Corte é firme no sentido de que o direito à redução dos riscos

risco, o que, por certo, causa abalos psicológicos em face do temor inerentes ao trabalho, assegurado no art. 7º, XXII, da Constituição

que se instalava diante da possibilidade de assaltos, e a exposição Federal e disciplinado na legislação específica dos serviços de

a situação que podia desaguar em risco real de morte ou debilidade transporte de valores, impõe reconhecer a ilicitude da conduta da

física permanente. Devida a indenização por danos morais. empresa que atribui essa atividade a empregado sem o devido

Recurso patronal improvido. treinamento, o que autoriza a manutenção da condenação ao

(...) pagamento da indenização por dano moral, configurado "in re ipsa".

Relativamente ao valor arbitrado a título de dano moral, registro 3. O transporte de valores em veículos da empresa, contendo cofre,

que, embora a Lei 13.467/2017 em seu art. 223-A, venha evidencia o risco potencial a que estava submetido o empregado

apresentar um novo regramento ao instituto do dano moral ou responsável pela guarda do dinheiro recebido pelas vendas, sem o

extrapatrimonial, trazendo critérios para determinação do valor da necessário treinamento para a função, não tendo relevância, para

reparação, saliento que aplica-se ao caso a legislação vigente à esse fim, a discussão em torno do montante do numerário existente

época contratual, uma vez que para que a mencionada lei afete os no cofre. Recurso de embargos de que se conhece e a que se nega

contratos anteriores a sua vigência seria necessário nova provimento.(E-RR - 514-11.2013.5.23.0008 , Relator Ministro:

pactuação. Walmir Oliveira da Costa, Data de Julgamento: 23/06/2016,

Destarte, o valor arbitrado deve constituir-se em compensação ao Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, Data de

lesado e desestímulo ao lesante, de modo proporcional ao dano Publicação: DEJT 01/07/2016)

causado e à capacidade econômica do ofensor e do ofendido, sob Relativamente ao valor arbitrado ao dano moral, destaco que,

pena de não punir corretamente a prática da ofensa. Por outro lado, diversamente do que quer fazer crer o recorrente, a reavaliação dos

tampouco pode ser mais vantajosa - do ponto de vista financeiro - à critérios de arbitramento da indenização por danos morais é matéria

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 99
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

que demanda revolvimento dos elementos probatórios dos autos. Assim, incabível o processamento da Revista também nos termos

Consoante jurisprudência pacificada do TST, a sua análise em sede do art. 896, §7º, da CLT e da Súmula n.º 333 do TST.

de Recurso de Revista somente poderá ser feita em casos em que CONCLUSÃO

seja grosseira a afronta à proporcionalidade: Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista.

"AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. DANO Cumpram-se as formalidades legais.

MORAL. INDENIZAÇÃO. FIXAÇÃO DO VALOR. RAZOABILIDADE Intimem-se.

1. Na fixação do valor da indenização por dano moral, o órgão Je/AE

jurisdicional deve valer-se dos critérios da razoabilidade e da Assinatura

proporcionalidade. 2. Há que atentar também para a gravidade RECIFE, 25 de Outubro de 2018

objetiva da lesão, a intensidade do sofrimento da vítima, o maior ou

menor poder econômico do ofensor, o caráter compensatório em VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

relação à vítima e repressivo em relação ao agente causador do Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

dano. 3. A excepcional intervenção do Tribunal Superior do Decisão


Processo Nº RO-0001373-57.2015.5.06.0193
Trabalho sobre o valor arbitrado, conforme jurisprudência Relator ANDREA KEUST BANDEIRA DE
MELO
sedimentada, somente é concebível nas hipóteses de arbitramento
RECORRENTE PLURAL INDUSTRIA GRAFICA LTDA
de valor manifestamente irrisório, ou de valor manifestamente ADVOGADO BRUNO DE OLIVEIRA VELOSO
MAFRA(OAB: 18850-D/PE)
exorbitante. Unicamente em tais casos extremos impulsiona-se o
RECORRENTE DENISON OLIVEIRA DA CUNHA
recurso de revista ao conhecimento, por violação dos princípios da ADVOGADO JOSE GERALDO DE MENEZES LIRA
JUNIOR(OAB: 12328/PB)
razoabilidade e da proporcionalidade insculpidos no art. 5º, V e/ou
RECORRIDO DENISON OLIVEIRA DA CUNHA
X, da Constituição da República. 4. Caso em que o valor arbitrado ADVOGADO JOSE GERALDO DE MENEZES LIRA
JUNIOR(OAB: 12328/PB)
pelo Tribunal Regional do Trabalho, no importe de R$ 11.000,00
RECORRIDO PLURAL INDUSTRIA GRAFICA LTDA
(onze mil reais), não impulsiona o conhecimento do recurso de ADVOGADO BRUNO DE OLIVEIRA VELOSO
MAFRA(OAB: 18850-D/PE)
revista por violação de lei ou da Constituição Federal, porquanto
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
não se cuida de valor irrisório, tampouco exorbitante. 5. Agravo de TRABALHO

instrumento de que se conhece e a que se nega provimento" (AIRR


Intimado(s)/Citado(s):
- 1447-93.2011.5.06.0018 , Relator Ministro: João Oreste Dalazen, - DENISON OLIVEIRA DA CUNHA
Data de Julgamento: 07/05/2014, 4ª Turma, Data de Publicação: - PLURAL INDUSTRIA GRAFICA LTDA

DEJT 16/05/2014) - sem grifos no original.

"EMENTA: RECURSO DE REVISTA - RESPONSABILIDADE CIVIL

- ACIDENTE DO TRABALHO - DANOS MORAIS, MATERIAIS E


PODER
ESTÉTICOS O Eg. Tribunal Regional assinalou que, 'ao contrário
JUDICIÁRIO
dos argumentos da ré, o autor comprovou a existência do nexo de

causalidade entre o acidente tipo ocorrido em 16-01-12 e a cirurgia Fundamentação

realizada em 11-05-2012, a qual foi realizada com a finalidade de RECURSO DE REVISTA

tratar lesões originárias daquele sinistro', restando caracterizados os Trata-se de Recurso de Revista interposto por PLURAL

danos materiais, morais e estéticos. Entendimento diverso INDÚSTRIA GRÁFICA LTDA., em sede de Recurso Ordinário, nos

demandaria o revolvimento de matéria fático-probatória, autos da Reclamação Trabalhista nº 0001373-57.2015.5.06.0193,

procedimento vedado pela Súmula nº 126 do TST. DANOS figurando, como recorrido, DENISON OLIVEIRA DA CUNHA.

MORAIS E ESTÉTICOS - VALOR DA INDENIZAÇÃO O Eg. TRT, PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

ao fixar o quantum indenizatório, pautou-se pelo princípio da O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão

razoabilidade, com observância dos critérios de justiça e equidade, recorrida se deu em 06/09/2018 e a apresentação das razões

não se justificando a excepcional intervenção desta Corte Superior. recursais em 17/09/2017 (Ids e4e7412 e 2f0a84f).

(...)" (RR - 1646-34.2012.5.12.0012 , Relatora Ministra: Maria A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id

Cristina Irigoyen Peduzzi, Data de Julgamento: 14/10/2015, 8ª 2d85992).

Turma, Data de Publicação: DEJT 16/10/2015) - sem grifos no Regular o preparo (Ids 0a4f047, 37f2b9b, 30d5ecb, 4f7553c,

original. 6344cb3, fb7accc, e602bf0).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 100
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS terceiro, "in casu", a Secretaria da Vara.

DAS HORAS EXTRAS Esse o entendimento firmado pelo Colendo TST, de acordo com o

DA MULTA/ OBRIGAÇÃO DE FAZER/ ANOTAÇÃO DA CTPS julgado abaixo ementado:

DA MULTA POR OPOSIÇÃO DE EMBARGOS PROTELATÓRIOS "(...). MULTA RELATIVA À OBRIGAÇÃO DE FAZER. ANOTAÇÃO

Alegações: DA CTPS DO AUTOR. MULTA DIÁRIA. Decisão do Regional em

- contrariedade à Súmula 338 do TST; dissonância com a jurisprudência desta Corte, que entende que a

- violação aos artigos 5º, II, LV, da CF; 39, 897-A, da CLT; 442, faculdade dada a Secretaria da Vara do Trabalho para efetuar

1.026, § 2º, CPC; anotações na CTPS, artigo 39, §§ 1° e 2°, da CLT, impõe a

- divergência jurisprudencial. inadmissibilidade de aplicação de multa diária.(..)" (TST-RR-78800-

Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do seu apelo, 27.2006.5.06.0006, 5ª T., Rel. Min. Emmanoel Pereira, DEJT

previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a recorrente 11/3/2011) Improvejo.

insurge-se contra a condenação quanto à aplicação de multa diária, Nesse mesmo sentido:

no importe de R$ 50,00 (cinquenta reais) limitada à 30 dias, por falta "RECURSO ORDINÁRIO DA RECLAMADA. ASTREINTES.

de previsão legal ou convencional, vez que a própria secretaria da ANOTAÇÃO DA CTPS. Ainda que o art. 461, § 4º, do CPC, autorize

Vara pode proceder à retificação na CTPS do reclamante, sem o magistrado a impor multa diária em caso de descumprimento de

qualquer prejuízo. Indica o art. 39 da CLT como fundamento de sua obrigação de fazer, quando fixado prazo razoável para

tese. Busca a exclusão da condenação à multa pelo cumprimento, no caso do dever de retificar as anotações da CTPS,

descumprimento da obrigação de realizar anotações na CTPS. Em além de o prazo de 48h após o trânsito em julgado não observar a

seguida, mostra-se inconformada com o decisum que manteve a própria necessidade de o empregado depositar a CTPS em

sentença que deferiu o pagamento de horas extras, intervalo Secretaria, a própria Secretaria da Vara do Trabalho pode realizar

intrajornada, adicional noturno e suas repercussões, no interregno as anotações, o que garante o resultado pretendido (CLT, art. 39, §

compreendido de 22/10/2010 e 03/03/2013. Fundamenta que restou 1º). Recurso provido." (TRT4; 0112400-84.2009.5.04.0751 RO; Rel.

comprovada, mediante prova testemunhal, que as horas Ana Rosa Pereira Zago Sagrilo; Julgamento: 30/06/2011).

suplementares, intervalo intrajornada, adicional noturno e suas Contudo, por motivo de economia e celeridade processual e, ainda,

repercussões, foram devidamente quitadas pela empresa considerando a recente alteração introduzida na CLT, por meio da

recorrente. Pede sejam tais parcelas excluídas do condeno. Ao Lei nº 13.015, de 21 julho de 2014, que determina que os Tribunais

final, alega indevida a multa procrastinatória imputada a ora Regionais do Trabalho procederão, obrigatoriamente, à

recorrente. Justifica que a oposição dos aclaratórios observaram o uniformização de sua jurisprudência, passo a adotar o entendimento

artigo 897-A da CLT, ante a omissão e contradição da decisão de majoritário dessa Egrégia 1ª Turma no sentido da aplicabilidade da

piso acerca do pagamento das horas extras - prova testemunhal. multa a ser fixada pelo eventual descumprimento da obrigação de

Do acórdão impugnado, exsurgem os seguintes fundamentos: retificação da CTPS do autor.

"Da multa pelo descumprimento da obrigação de fazer. Nego provimento ao apelo, no particular.

O Juízo de origem determinou a aplicação de multa diária no valor (...)

de R$ 50,00 (cinquenta reais), limitada a 30 dias, se descumprida Dos pleitos relativos à jornada.

pelo empregador a obrigação de fazer relativa à retificação da A reclamada não se conforma com sua condenação no pagamento

CTPS do reclamante. de horas extras, intervalo intrajornada, adicional noturno e suas

Diz a recorrente que a retificação da CTPS pode ser procedida pela repercussões, no período compreendido de 22/10/2010 e

Secretaria da Vara, segundo as normas celetistas, sendo, portanto, 03/03/2013, ressaltando que a própria testemunha do reclamante foi

incabível multa pecuniária pelo descumprimento da obrigação de categórica em afirmar "que recebiam as horas extras de forma

fazer. correta", ou seja, ele depoente e o reclamante. Destacou também

Com efeito, o art. 39, §1º, da CLT, é no sentido de autorizar à que o Juízo "a quo" reconheceu a idoneidade dos controles de

Secretaria da unidade jurisdicional que efetue a anotação na CTPS jornada, de modo que não havia a necessidade de juntar

do laborista. contracheques ou fichas financeiras para demonstrar o pagamento

Em assim sendo, o não cumprimento da obrigação de fazer pelo das horas extras.

empregador não há de resultar na imposição de astreintes, Assevera a correção dos registros nos controles de jornada dos

porquanto o mesmo resultado pode ser alcançado por ato de horários trabalhados pelo autor, bem como chama a atenção para o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 101
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

fato de que o intervalo era pré-assinalado, sendo, portanto, prova emprestada, o que foi deferido pelo Juízo de primeiro grau,

observados os limites legais. sendo que de referida ata não consta depoimento de testemunha

À análise. apresentada pela empresa, mas apenas pela parte autora.

Inicialmente, há de ser registrado que, em se tratando de E do depoimento extraído da prova emprestada pinço o que se

controvérsia envolvendo jornada de trabalho, a sua apreciação segue:

depende de documento essencial, cuja juntada se faz a cargo do "que batia o cartão de ponto no início e no término da jornada; que a

empregador - registros de ponto -, sendo, pois, ônus deste trazê-los empresa entregava o espelho de ponto para conferência, e se

aos autos, sob pena de se presumir veraz a jornada declinada na houvesse alteração os empregados faziam e devolviam ao

inicial. Inteligência dos arts. 74, § 2º, da CLT c/c Súmula nº. 338 do supervisor, que realizava as correções; (...) que os dias trabalhados

C. TST. também encontram-se anotados nos cartões de ponto; que gozava

Merece registro ainda o fato de que os documentos de controle de de intervalo intrajornada de 1h nos 02 últimos anos do contrato; que

jornada, ainda que assinados pelo trabalhador, gozam de antes disso o intervalo era de apenas 30 min; que essa situação

presunção relativa de veracidade. E assim porque, no âmbito acontecia com todos os funcionários da empresa da área de

trabalhista, a realidade fática se sobrepõe à forma. produção; que registrava o intervalo no cartão de ponto apenas nos

Destarte, apresentando o empregador documentos de registro de 02 últimos anos do contrato;"

ponto idôneos, cumpre ao trabalhador desconstituir a veracidade Quanto ao intervalo intrajornada, certo é que a Portaria Ministerial

das informações neles registradas. Isso porque incumbe ao Nº. 3.632/91 (ainda Portaria. 3.082/84) dispensa a anotação de dita

reclamante a prova da existência dos fatos constitutivos do seu pausa. No entanto, determina que seja pré-assinalado no cabeçalho

direito (arts. 818 da CLT e 333, I, do CPC). Do contrário, ou seja, a do cartão/folha de ponto. E, portanto, desde que ali conste a pré-

não apresentação injustificada de ditos documentos, ou a assinalação, necessário se faz a prova da não concessão de dita

apresentação de documentos inidôneos, o ônus da prova recai pausa, e ou que era concedida de forma reduzida, o que a cargo do

sobre o empregador, haja vista que incumbe ao reclamado provar a empregado, para fazer jus à pretendida "hora extra".

existência dos fatos modificativos, impeditivos ou extintivos do A pré-assinalação desta pausa, que consiste na indicação do

direito do autor. horário destinado ao intervalo, e não apenas ao tempo destinado

No caso dos autos, a reclamada trouxe à colação os espelhos de para tanto, gera presunção de veracidade do gozo do intervalo para

ponto de Ids. 769b117 e 5b59946, bem como o documento de Id. refeição e repouso. E, desse modo, o ônus de prova passa a ser do

3fbf7e8, relativo a registros de passagem por catracas na empresa. empregado.

E registro, de logo, que estes últimos não se apresentam completos, Colho, por oportuno, o seguinte aresto:

mas, ao contrário, há vários períodos sem qualquer registro e ou "INTERVALO INTRAJORNADA: FOLHAS DE PONTO: PRÉ-

com apenas um horário registrado (veja-se, por exemplo, no mês de ASSINALAÇÃO X ASSINALAÇÃO DE JORNADA: FALTA: EFEITO:

junho de 2011 há registro apenas nos dias 07 e 21, e no mês de PRESUNÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE PERÍODO PARA

julho, apenas do dia 31, sendo que nestes dois últimos dias há DESCANSO. Assinalação e pré-assinalação de jornada são

apenas a anotação de 01 horário). conceitos que se distinguem. A assinalação corresponde à

No mais, os espelhos de ponto juntados aos autos (Ids. 769b117 e marcação ao início e ao término da jornada de trabalho, efetivada

5b59946) apresentam horários de entrada e saída variados, mas pelo obreiro. Por sua vez, a pré-assinalação consiste na mera

não abrangem todo o período contratual, que perdurou de indicação do horário destinado ao intervalo, no cabeçalho ou no

09/10/2009 a 28/07/2014, apenas o período de 16/06/2013 a corpo do cartão de ponto, resultando de obrigação legal (CLT, art.

28/07/2014. 74, § 2º, parte final). A falta de pré-assinalação do intervalo resulta

Era, pois, do reclamante o ônus de fazer prova da inidoneidade das na presunção de inexistência da concessão do período destinado a

folhas de ponto trazidas à colação, incumbindo à reclamada descanso. Não provada pela empresa a concessão do intervalo

comprovar a inexistência de sobrelabor no período imprescrito cujos para repouso e alimentação, é devida a indenização respectiva.

documentos de controle de jornada não vieram aos autos, mas, Precedentes. [...] Recurso patronal conhecido e desprovido." (TRT-

assim como o Juízo "a quo", entendo que as partes não se 10, 2ª Turma, Processo 0065000-75.2007.5.10.0008, Relator

desincumbiram do seu encargo processual. Desembargador Alexandre Nery de Oliveira, publicado em

As partes de comum acordo, requereram a utilização da ata de 22.02.2008). Sem grifos no original.

audiência do processo 0001352-81.2015.5.06.0193, a título de Impende seja ressaltado que se trata de uma presunção relativa. E

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 102
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

assim porque, no âmbito trabalhista, a realidade fática se sobrepõe No que se refere à multa por oposição de embargos de declaração

à forma. protelatórios, a condenação da parte recorrente ao pagamento da

No caso dos autos, observo que dos espelhos de ponto não consta mesma está devidamente fundamentada, repousando no manifesto

a marcação da pausa para repouso e alimentação. E, ao contrário intuito procrastinatório dos aclaratórios manejados. Inexistindo a

do que alega a demandada em seu apelo, tampouco deles é omissão apontada e tendo em vista o entendimento sedimentado na

possível observar a pré-assinalação do intervalo intrajornada, pois Orientação Jurisprudencial n.º 118, da SBDI-I do C. TST ("Havendo

ali apenas a indicação de "1h intervalo". tese explícita sobre a matéria, na decisão recorrida, desnecessário

Necessário se faz observar ainda que, excetuada a confissão, a contenha nela referência expressa do dispositivo legal para ter-se

prova do pagamento das horas extras é exclusivamente como prequestionado este."), entendo que a decisão desta Corte,

documental, sendo certo que a testemunha não pode confessar ao aplicar a aludida penalidade de cunho processual, está em

pelo reclamante. sintonia com o §2º do art. 1.026 do CPC/2015, inexistindo violação

Entendo, que, ante os elementos de prova existentes nos autos, que permita a admissibilidade do apelo nos termos do art. 896 da

não há o que mudar na r. sentença, no particular. Nego provimento CLT.

ao recurso no ponto. CONCLUSÃO

Da multa por embargos protelatórios. Diante do exposto, DENEGO seguimento ao apelo.

Insurge-se a reclamada contra a condenação no pagamento de Cumpram-se as formalidades legais.

multa de 2%, por embargos protelatórios, a favor da parte autora, ao Intimem-se.

argumento de que opôs os embargos declaratórios com o fim de cp/AE

sanar a omissão e a contradição lá apontadas.

Nenhuma reforma desafia o julgado, no particular. Assinatura

Com efeito, assim como o Juízo de primeiro grau, entendo que o RECIFE, 25 de Outubro de 2018

réu opôs embargos de declaração dissociados de seu real

fundamento jurídico, previsto nos artigos 897-A da CLT e 1.022 do VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

CPC, objetivando, na verdade, alongar o feito e comprometer a Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

celeridade processual. São, pois, manifestamente protelatórios. É a Decisão


Processo Nº ReeNec-0001082-87.2016.5.06.0010
conclusão que se impõe, ante a inexistência de qualquer hipótese Relator GISANE BARBOSA DE ARAUJO
que justifique sua oposição. JUÍZO RECORRENTE JOSE SOARES DE MARIA FILHO
ADVOGADO ALYNE ROBERTA ALEIXO DE
Em consequência, nos termos do parágrafo único do art. 1.026 do MELO(OAB: 28167/PE)
Código de Processo Civil de 2015, é devida a multa imposta. ADVOGADO JOAO CAMPIELLO VARELLA
NETO(OAB: 30341/PE)
Apelo improvido, no particular." ADVOGADO TATIANA FERREIRA LIMA(OAB:
41548/PE)
Confrontando os argumentos suscitados pelo recorrente com os
JUÍZO RECORRENTE WILSON PEREIRA DE LIMA
fundamentos da decisão guerreada não vislumbro contrariedade ADVOGADO ALYNE ROBERTA ALEIXO DE
MELO(OAB: 28167/PE)
aos dispositivos legais e aos entendimentos jurisprudenciais
ADVOGADO JOAO CAMPIELLO VARELLA
sumulados citados, porque a Turma decidiu as questões veiculadas NETO(OAB: 30341/PE)
ADVOGADO TATIANA FERREIRA LIMA(OAB:
no presente apelo com base no conjunto probatório contido nos 41548/PE)
autos, aplicando as normas jurídicas inerentes à espécie e a RECORRIDO AUTARQUIA DE TRANSITO E
TRANSPORTE URBANO DO RECIFE
Súmula 338 do TST. Destarte, a controvérsia diz respeito - CTTU
ADVOGADO ANA CARLA SETTE DA ROCHA(OAB:
largamente a matérias de natureza fática. 17478/PE)
O insurgimento da recorrente consiste, pois, apenas em ADVOGADO REBECA AMARAL DE
ANDRADE(OAB: 37344/PE)
interpretação dos fatos diversa daquela conferida pelo Regional. ADVOGADO MARIANA RAFAELA DE LIMA LEITE
RAPOSO(OAB: 40271/PE)
Deste modo, as alegações lançadas pela parte nas razões
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
recursais, em sentido contrário, somente são aferíveis por meio de TRABALHO

reexame fático, o que não é possível por meio desta nesta via
Intimado(s)/Citado(s):
recursal (Súmula nº. 126 do TST). Por consequência, fica - AUTARQUIA DE TRANSITO E TRANSPORTE URBANO DO
RECIFE - CTTU
inviabilizado o exame pertinente à divergência jurisprudencial
- JOSE SOARES DE MARIA FILHO
específica (Súmulas nºs 296, 333 desse mesmo órgão superior). - WILSON PEREIRA DE LIMA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 103
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

da reclamada, principalmente, a tese de que o salário do Sr. Carlos

Alberto da Silva Barbosa era maior em decorrência de

PODER "reenquadramento sindical para a categoria de motorista rodoviário"

JUDICIÁRIO e da "gratificação de incentivo de produção", ambos, determinados

por decisão judicial (fl. 62).


Fundamentação
De igual forma, ausente qualquer rechaço aos argumentos de que a
Trata-se de Recurso de Revista interposto por WILSON PEREIRA
partir da edição da Lei Municipal nº 16534/1999 que alterou o
DE LIMA E JOSÉ SOARES DE MARIA FILHO, em face de acórdão
estatuto social da CTU e sua estrutura jurídica, a gratificação de
proferido em sede de Recurso Ordinário, nos autos da Reclamação
incentivo de produção passou a ser paga somente aos motoristas
Trabalhista n. 0001082-87.2016.5.06.0010, figurando como
de ônibus da CTR (fl. 63).
recorrida, AUTARQUIA DE TRANSITO E TRANSPORTE URBANO
Por outro lado, procedendo-se a leitura do teor da sentença
DO RECIFE- CTTU.
proferida nos autos da reclamação trabalhista (845/06-0, da 7a.
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
Vara do Trabalho do Recife) ajuizada pelo paradigma em face da
O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão
CTTU, juntada às fls. 125/129, extrai-se que a majoração do salário
recorrida se deu em 17/08/2018 e a apresentação das razões
do paradigma decorre de reconhecimento de vantagem individual,
recursais em 05/07/2018, conforme se pode ver dos documentos
uma vez que reconheceu o direito ao recebimento de piso previsto
(Ids f23be4a e bfcd4b8).
na norma coletiva dos motoristas de transporte rodoviário e da
A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id
gratificação de incentivo de produção, após a alteração da estrutura
3ed5997).
jurídica promovida na empresa.
Preparo dispensado (Id 7c7fb29).
Ora, os efeitos da coisa julgada se restringem às partes litigantes
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
daquela relação processual, não se estendendo a terceiros. Por
EQUIPARAÇÃO SALARIAL
conseguinte, se os reclamantes pretendiam obter a diferença
Alegações:
salarial para o piso da categoria dos motoristas rodoviários,
- contrariedade à Súmula 6 do TST;
deveriam pleiteá-lo judicialmente e não pretender valer-se de
- violação aos artigos 7º, XXX, 461, §§ 1º a 6º, da CLT;
sentença transitada em julgado em outra ação, sob o argumento de
- divergência jurisprudencial.
equiparação salarial.
Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do seu apelo,
Nesses termos, o caso é de aplicação da exceção contida na alínea
previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, os recorrentes
"a" do item VI da Súmula 461 do TST:
insurgem-se contra o acórdão que excluiu o condeno referente às
EQUIPARAÇÃO SALARIAL. ART. 461 DA CLT (redação do item VI
diferenças salariais, em face de equiparação. Afirmam, em síntese,
alterada) - Res. 198/2015, republicada em razão de erro material -
que competia à reclamada o encargo de comprovar os fatos
DEJT divulgado em 12, 15 e 16.06.2015
modificativos, extintivos e impeditivos do direito à equiparação, do
I - Para os fins previstos no § 2º do art. 461 da CLT, só é válido o
qual não se desvencilhou. Argumentam que "a equiparação em
quadro de pessoal organizado em carreira quando homologado pelo
cadeia é configurada quando da ocorrência de um desnível salarial
Ministério do Trabalho, excluindo-se, apenas, dessa exigência o
resultante de uma decisão judicial, como na presente conjuntura,
quadro de carreira das entidades de direito público da administração
mas o empregado que pleiteia a equiparação apresenta todos os
direta, autárquica e fundacional aprovado por ato administrativo da
pressupostos do art . 461, da CLT. Com isso, observa-se que os
autoridade competente. (ex-Súmula nº 06 - alterada pela Res.
recorrentes possuem todas as hipóteses presentes do artigo
104/2000, DJ 20.12.2000)
mencionado, além de ter havido um desnível salarial decorrente de
(...)
decisão judicial beneficiando o paradigma, sem que tenha sido em
VI - Presentes os pressupostos do art. 461 da CLT, é irrelevante
decorrência de vantagem pessoal, e sim da função desempenhada,
a circunstância de que o desnível salarial tenha origem em
que é igual ao dos Recorrentes." Cita jurisprudência e pede
decisão judicial que beneficiou o paradigma, exceto: a) se
provimento.
decorrente de vantagem pessoal ou de tese jurídica superada
Acerca da questão, colho os seguintes fragmentos do acórdão:
pela jurisprudência de Corte Superior;b) na hipótese de
Em que pese os poucos documentos juntados aos autos, constato
equiparação salarial em cadeia, suscitada em defesa, se o
que os obreiros não impugnaram as alegações trazidas em defesa
empregador produzir prova do alegado fato modificativo, impeditivo

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 104
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ou extintivo do direito à equiparação salarial em relação ao argumentos utilizados como fundamentos do acórdão, sendo esse

paradigma remoto, considerada irrelevante, para esse efeito, a mais um fator a rechaçar a divergência jurisprudencial (Súmula 23

existência de diferença de tempo de serviço na função superior a do TST).

dois anos entre o reclamante e os empregados paradigmas CONCLUSÃO

componentes da cadeia equiparatória, à exceção do paradigma Diante do exposto, DENEGO seguimento ao Recurso de Revista.

imediato". Destaque nosso. Cumpram-se as formalidades legais.

No mesmo sentido, os seguintes julgados, extraídos do sítio Intimem-se.

eletrônico deste Tribunal do Trabalho: AE

"RECURSO ORDINÁRIO. EQUIPARAÇÃO SALARIAL. Assinatura

INDEVIDA. Tendo em vista que o desnível salarial entre o RECIFE, 25 de Outubro de 2018

reclamante e o paradigma é decorrente de vantagem pessoal

por este obtida em ação judicial, indevida a equiparação VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

salarial pretendida nos presentes autos. Aplicação de exceção Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

disciplinada no item VI da Súmula 06 do TST. Apelo improvido. Decisão


Processo Nº RO-0000182-80.2016.5.06.0018
(Processo: RO - 0000237-97.2017.5.06.0017, Redator: Nise Relator PAULO ALCANTARA
Pedroso Lins de Sousa, Data de julgamento: 26/04/2018, Quarta RECORRENTE DECIO FREIRE E ADVOGADOS
ASSOCIADOS
Turma, Data da assinatura: 27/04/2018) ADVOGADO NATHALIA DUTRA DA ROCHA JUCA
E MELLO(OAB: 130379/MG)
EMENTA: RECURSO ORDINÁRIO. EQUIPARAÇÃO SALARIAL.
ADVOGADO ALINE DE LIMA HORDONHO(OAB:
INDEVIDA. ÓBICE. VANTAGEM INDIVIDUAL DO PARADIGMA 37077/PE)
ADVOGADO DECIO FLAVIO GONCALVES
RECONHECIDA JUDICIALMENTE. Como bem salientado no TORRES FREIRE(OAB: 815-A/PE)
julgado de origem, não é cabível a equiparação em cadeia, não RECORRIDO ERICA FLORA DE LIMA
ADVOGADO LUCIANA LIMA CORDEIRO(OAB:
havendo que se falar em efeito propulsor erga omnes da decisão 26874-D/PE)
judicial aplicada inter partes em ação individual do paradigma. Ou ADVOGADO LILIAN LEMOS MANSUR(OAB: 1376-
B/PE)
seja, não se aplica, automaticamente, a tese vencedora de uma TESTEMUNHA RODRIGO ROMANIELLO VALLADAO
ação individual, que culminou com o reconhecimento de vantagem TESTEMUNHA FLAVIO NUNES CASSEMIRO

pessoal, a todos que dela queiram proveito. Nego provimento.


Intimado(s)/Citado(s):
(Processo: RO - 0001052-64.2016.5.06.0006, Redator: Maria Clara - DECIO FREIRE E ADVOGADOS ASSOCIADOS
Saboya Albuquerque Bernardino, Data de julgamento: 02/04/2018, - ERICA FLORA DE LIMA

Terceira Turma, Data da assinatura: 02/04/2018)

Diante desse contexto fático-probatório, dou provimento à remessa

necessária para julgar improcedente a reclamação trabalhista.


PODER
Confrontando os argumentos expostos nas razões recursais com os
JUDICIÁRIO
fundamentos do acórdão impugnado, tenho que a revista não

comporta processamento, pois o Regional decidiu a questão Fundamentação

veiculada no presente apelo, com base no conjunto probatório RECURSO DE REVISTA

contido nos autos, na legislação pertinente à matéria e com esteio Trata-se de Recurso de Revista interposto por DÉCIO FREIRE E

na Súmula 06, IV, do TST. Não vislumbro, portanto, as violações e ADVOGADOS ASSOCIADOS, nos autos da reclamação trabalhista

as contrariedades invocadas, restando inviabilizada a 0000182-80.2016.5.06.0018, figurando como recorrida ÉRICA

admissibilidade do recurso, inclusive por divergência jurisprudencial FLORA DE LIMA.

(Súmula nº 333 do TST). Consiste o insurgimento da recorrente, tão PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

somente, no inconformismo com a solução dada à lide ou, quando O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão

muito, interpretação diversa daquela conferida pelo Regional. Além recorrida se deu em 14.09.2018 e a apresentação das razões

disso, as alegações lançadas pela parte somente seriam aferíveis recursais em 25.09.2018, conforme se pode ver dos documentos

através de reexame das provas carreadas ao feito, o que não é Ids 3f6a8dd e 950df9d).

possível por meio desta via recursal (Súmula nº 126 do TST). Por A representação regularmente demonstrada (Id f7248b0).

fim, consigna-se que os arestos transcritos não trazem todos os Preparo devidamente efetuado (Ids 57bc30e, 2c2f7f9 e 07f0f3c).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 105
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS pronunciou indeferindo a pretensão obreira, cujos fundamentos

DO INTERVALO DO ARTIGO 384 DA CLT comungo parcialmente, pelo que; por economia e celeridade

Alegações: processual peço vênia para adotar como parte das razões de

- violação aos artigos 3º, inciso IV, 5º, caput e inciso I, 7º, incisos XX decidir:

e XXX, da Constituição Federal; 384, 387, 401 da CLT; e "De igual forma, a consignada-reconvinte interpôs essa medida

- divergência jurisprudencial. alegando que laborava das 08:00 às 18:00 horas, com 01h,15min

Atendendo às exigências do art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a de intervalo para refeição, de segunda a sexta-feira e que apesar de

parte contesta o posicionamento da Turma que, reformando a ter firmado um Acordo de Compensação de Horas, realizava horas

sentença de primeiro grau, determinou a concessão do descanso de extras habitualmente, eis que tinha que chegar ao Escritório por

15 minutos previstos no artigo 384 da CLT. Alega que, ao fazê-lo, o volta das 07:30 horas e que só largava por volta das 18h:40min,

Órgão julgador deixou de lado disposições constitucionais postulando, assim, horas extras e seus reflexos; ainda acrescentou,

supervenientes, que tornaram o artigo 384 da CLT incompatível ao depor, que registrava corretamente os horários de trabalho nas

com o ordenamento jurídico, mais precisamente com o conteúdo folhas de ponto, inclusive as variações de minutos/segundos

jurídico extraído do princípio da igualdade, no contexto atual, razão, realizados. A consignante-reconvinda colacionou aos autos as

inclusive, da sua revogação através da Lei nº 13.467/2017. Ressalta folhas de ponto da consignada-reconvinte, nos termos do art. 74,

que a matéria é nitidamente constitucional, não cabendo falar-se em par. 2º, da CLT, confirmando os corretos registros dos horários

suposta ofensa reflexa ou qualquer outro obstáculo do tipo, nem cumpridos.

que o tema não foi resolvido definitivamente pelo órgão de cúpula Ao analisarmos os horários ali consignados observamos que a

do Poder Judiciário, não se podendo falar em jurisprudência reconvinte cumpria, medianamente, as seguintes jornadas: chegava

consolidada neste ou naquele sentido. Ressalta a incompatibilidade ao Escritório, de fato, entre 07h:30min/08h:10min, ou seja, tanto

entre o referido artigo e o princípio da igualdade entre homens e poderia chegar antes das 08:00 horas, como também, após as

mulheres. Afirma que a sua condenação ao pagamento de horas 08:00 horas, havendo flexibilidade nessa chegada ao trabalho.

extras, acrescidas do adicional de 50% (cinqüenta por cento), em Quanto à largada, observamos que a reconvinte habitualmente

decorrência da não concessão do intervalo ora combatido, viola o largava por volta das 18:00 horas, no entanto, ocasionalmente,

artigo 401 da CLT, o qual prevê a aplicação de multa administrativa chegou a largar por volta das 18h:15min, 18h:30min, 19:00 horas, e

e, tratando-se de regra que impõe penalidade, deve ser interpretada eventualmente, até mesmo por volta das 20:00 horas; cumprindo

restritivamente. habitualmente o intervalo da refeição por uma a uma hora e meia,

Do acórdão contestado, exsurgem os seguintes fundamentos: sem haver pagamento de horas extras nos contracheques.

"Na reconvenção, alegou a reconvinte/recorrente que laborava em Contudo, observamos que a consignante-reconvinda concedia à

regime de compensação e prorrogação de jornada no horário das consignada-reconvinte um dia inteiro de folga para compensar

08h às 18h com 1h de intervalo para refeição, salientando ser nulo o essas horas extras, havendo esse procedimento numa média de

acordo de compensação pois labora em jornada extraordinária uma a duas vezes por mês, compensando, assim, as horas extras

habitual, visto que com frequência saia de 30 a 40 minutos a mais realizadas no início e/ou final do expediente. Vale ressaltar que a

que o expediente bem como entrava, pois abria a empresa todos os reconvinte, ocasionalmente, também chegava alguns minutos após

dias, iniciando assim sua jornada as 07:30 horas, ou seja, em clara às 08:00 horas e saía antes das 18:00 horas, havendo considerável

jornada extraordinária, superior a 10:00 horas diárias e 44:00 horas variação em sua jornada de trabalho e as compensações devidas

semanais. Busca assim a reforma da sentença para condenar a com as folgas em alguns dias do mês; tudo isso estampado em

reclamada nas horas extras com o adicional convencional de 100% seus controles de frequência, justificando a ausência de pagamento

sobre as horas laboradas além das 08:00 horas diárias. Pugnou, de horas extras em seus contracheques. Nesses aspectos, entende

ainda, pela condenação de horas extras pela não concessão do este Juízo que as ocasionais horas extras realizadas foram, de

intervalo previsto no artigo 384 da CLT. forma equivalente, devidamente compensadas com as folgas em

Inconformada com o indeferimento de sua pretensão, nas razões alguns dias da semana, conforme ali demonstrado; resultando na

recursais afirma que os controles de ponto colacionados aos autos inexistência de horas extras a serem devidas à inclusive relativa à

comprovam à saciedade o labor em jornada extraordinária de forma intrajornada e seus respectivos reflexos.

habitual rompendo a jornada compensatória. No que tange ao pleito da reconvinte acerca da auferição de 15

Sobre a questão trazida na reconvenção; o MM. Juízo a quo se minutos extras diários, por se tratar de uma garantia dada às

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 106
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

mulheres, nos termos do art. 384, da CLT, esse direito encontra Cumpram-se as formalidades legais.

óbice no disposto do art. 5º, I, c/c com o art. 7º, XXX, ambos da Intimem-se.

Carta Magna/88, que vedam a discriminação sexual no trabalho, snl/AE

evitando a violação ao princípio da igualdade de sexo - seja em prol,

seja contra - do conhecido "sexo frágil", no caso, a mulher. Assinatura

Improsperando, igualmente, esse pleito e seus consequentes RECIFE, 24 de Outubro de 2018

reflexos."

Entendo merecer pequena reforma a decisão. Isto no que diz VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

respeito ao intervalo de 15 minutos previsto no artigo 384 da CLT, Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

porquanto, não há mais discussão acerca da constitucionalidade da Decisão


Processo Nº RO-0001704-60.2016.5.06.0013
norma. Relator ANA CLAUDIA PETRUCCELLI DE
LIMA
O Tribunal Superior do Trabalho decidiu, no incidente de
RECORRENTE NICOLLAS SALIM DA SILVA COSMO
constitucionalidade TST-IIN-RR-11540/2005-046-12-005, em ADVOGADO MAYKOM WILLAMES BARROS DE
CARVALHO(OAB: 26380-D/PE)
sessão plenária realizada no dia 17/11/2008, que a norma do artigo
RECORRIDO C&A MODAS LTDA.
384 da CLT foi recepcionada pela Constituição de 1988, razão pela ADVOGADO ANA IRIS COSTA DA SILVA(OAB:
7492/RN)
qual não se há de falar em violação ao princípio da isonomia. A
ADVOGADO ROBERTO TRIGUEIRO
finalidade do intervalo da mulher é a de lhe recompor, em 15 FONTES(OAB: 453-A/PE)
ADVOGADO POLLYANNA STELITANO
minutos de pausa para descanso, antes do início de nova jornada ESTRELA(OAB: 21582/PE)
no mesmo dia. ADVOGADO NILTON DA SILVA CORREIA(OAB:
1291/DF)
Para fazer jus ao intervalo previsto na norma acima, é preciso que RECORRIDO BANCO BRADESCARD S.A.
tenha havido prorrogação do horário normal diário. E, in casu, ADVOGADO ANA CLARISSA CARNEIRO DE
ALMEIDA MARTINS DE SOUZA(OAB:
constata-se que a reclamante extrapolava a jornada diária, 37086/PE)
ADVOGADO NELSON WILIANS FRATONI
excedendo a jornada legal das 08 horas diárias, pelo que resta RODRIGUES(OAB: 128341/SP)
patente o direito pretendido pela autora. ADVOGADO FERNANDA NUNES CARNEIRO DE
ALBUQUERQUE(OAB: 39897/PE)
Considerando-se os judiciosos argumentos para o reconhecimento

do direito ao intervalo e que sobrelevam o maior desgaste a que as Intimado(s)/Citado(s):


- BANCO BRADESCARD S.A.
mulheres estão submetidas diariamente, resta, portanto, devido o
- C&A MODAS LTDA.
intervalo previsto no artigo 384 da Consolidação das Leis do - NICOLLAS SALIM DA SILVA COSMO
Trabalho; nos dias em que houve alongamento da jornada diária,

Assim, dou provimento ao apelo para deferir o pagamento, como

horas extras, o intervalo não concedido de 15 (quinze) minutos,


PODER
previsto no art. 384 da CLT, acrescido do adicional de 50%, com
JUDICIÁRIO
repercussões no aviso prévio, férias + 1/3, RSR, 13º salário e FGTS

+ 40%." Fundamentação
Do confronto entre os fundamentos expendidos e as razões

recursais apresentadas pela parte recorrente, concluo que a RECURSO DE REVISTA


decisão desta Corte regional está em sintonia com aquela tomada Trata-se de Recurso de Revista interposto por C & A MODAS
pelo TST, no incidente de constitucionalidade TST-IIN-RR- LTDA em face de acórdão em sede de Recurso Ordinário nos autos
11540/2005-046-12-005, em sessão plenária realizada no dia da Reclamação Trabalhista nº 0001704-60.2016.5.06.0013,
17/11/2008, no sentido de que a norma do artigo 384 da CLT foi figurando, como recorridos, BANCO BRADESCARD S. A e
recepcionada pela Constituição de 1988, razão pela qual não se há NICOLLAS SALIM DA SILVA COSMO.
de falar em violação ao princípio da isonomia, fato que inviabiliza o CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES
processamento do recurso de revista por divergência jurisprudencial Em sessão realizada em 30/08/2018, apreciando o tema 725 da
(Súmula nº 333 desse órgão de cúpula da Justiça do Trabalho). repercussão geral - Terceirização de serviços para consecução da
CONCLUSÃO atividade-fim da empresa - o Supremo Tribunal Federal fixou tese
Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista. jurídica, no sentido de que "É lícita a terceirização ou qualquer outra

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 107
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

forma de divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas, que os argumentos em sentido contrário são insubsistentes. Sobre

independentemente do objeto social das empresas envolvidas, a sustentada retirada da independência da magistratura, assim se

mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante". manifestou o Ministro Moreira Alves: 'Mesmo nos países em que só

Registre-se, e é importante, o caráter obrigatório de observância, se admite o controle concentrado de constitucionalidade exercido

pelas instâncias inferiores do Poder Judiciário, das decisões por Corte Constitucional, nunca se sustentou que, com ele, se

proferidas pelo Supremo Tribunal Federal em recurso retirou a independência da magistratura. Essa crítica - que não

extraordinário, com repercussão geral, contextualizando que, em decorreria da criação da ação declaratória de constitucionalidade,

sede da mais abalizada doutrina nacional, é prevalente o mas que poderia ser feita quanto à ação direta de

entendimento em torno do efeito vinculante. A exemplo, o inconstitucionalidade - é tanto mais improcedente quanto é certo

magistério de Luiz Guilherme Marinoni e Daniel Mitidiero, na obra que, no Brasil, o órgão que exercita esse controle concentrado, em

"REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO" (3ª face da Constituição Federal, é, por força dela mesma, o Supremo

edição, Editora Revista dos Tribunais, págs. 74/76: Tribunal Federal, que não apenas integra o Poder Judiciário, mas se

"Tendo sido reconhecida a repercussão geral da questão debatida e encontra no ápice de sua hierarquia".

julgado o mérito recursal, os recursos sobrestados poderão ser E, ao abordar o tema, o eminente José Carlos Barbosa Moreira

apreciados imediatamente pelo Tribunal de origem, pelas Turmas elucida que, quando o Supremo Tribunal Federal reconhecer a

de Uniformização ou pelas Turmas Recursais. Nesse caso, poderão existência de repercussão geral "e julgar o mérito dos recursos

retratar-se de suas decisões, adequando-se à orientação firmada extraordinários paradigmas, não serão admitidos os recursos

pelo Supremo Tribunal Federal, sendo-lhes facultado, ainda, declará extraordinários contra acórdãos que estejam em consonância com a

-los 'prejudicados', porque manejados em sentido contrário à decisão superior; mas se o acórdão do Tribunal de origem estiver

decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal (art. 543-B § 3º, do em descompasso com a decisão paradigma, o órgão de origem

CPC). Trata-se, nessa última hipótese, de verdadeira negativa de poderá retratar-se, adaptando a sua decisão àquela (CPC, art. 543-

provimento ao recurso. Existe aqui, no mínimo, vinculação B, § 3º). Se não houver retratação e a decisão for mantida, o

persuasiva. recurso extraordinário será admitido, podendo o STF cassar ou

A rigor, se houver clara identificação da ratio decidendi utilizada reformar a decisão liminarmente na forma do art. 557 do CPC"

pelo Supremo Tribunal Federal para o julgamento de mérito da (grifei) (in "O Novo Processo Civil Brasileiro" - "Exposição

questão a ele apresentada, há mesmo vinculação jurídica, em sistemática do procedimento", 25ª edição, Editora Forense, Rio de

sentido vertical (grifo meu) dos Tribunais de origem, à decisão do Janeiro, 2007).

Supremo. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é, aliás, de Destarte, continuar julgando e/ou uniformizar jurisprudência em

há muito nesse sentido. sentido contrário à tese jurídica prevalecente assentada pelo

O efeito vinculante das decisões do Supremo Tribunal Federal, no Plenário do Supremo Tribunal Federal, em Recurso Extraordinário,

exercício de jurisdição constitucional, é fenômeno contemporâneo com repercussão geral, ainda que desprovida, formalmente, de

ao enriquecimento do sistema brasileiro de controle da caráter vinculante, agride os princípios da segurança jurídica e da

constitucionalidade, com o notório ganho de importância do controle celeridade processual, consagrados no artigo 5º, inciso XXXVI e

concentrado e abstrato. O efeito vinculante foi consagrado pela LXXVIII, da Constituição da República. "A interpretação

Emenda Constitucional 3, de 1993, que introduziu a ação constitucional derivada das decisões proferidas pelo STF - a quem

declaratória de constitucionalidade. É nítida a inspiração no modelo se atribuiu a função eminente de "guarda da constituição" (CF, art.

germânico. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal evoluiu 102, caput) - assume papel de essencial importância na

no sentido de também conferir efeito vinculante às decisões organização institucional do Estado brasileiro, a justificar o

proferidas em ação direta de inconstitucionalidade. Completou-se o reconhecimento de que o modelo político-jurídico vigente no nosso

sistema do controle pela via da ação com a regulamentação da País confere, à Suprema Corte, a singular prerrogativa de dispor do

argüição de descumprimento de preceito fundamental. Todas estas monopólio da última palavra em tema de exegese das normas

ações, bem como suas liminares, são dotadas de efeito vinculante. inscritas no texto da Lei Fundamental. (ADI 3.345, rel. min. Celso de

Não é esta a sede, evidentemente, para a discussão acerca da Mello, julgamento em 25-8-2005, Plenário DJE de 20-8-2010). No

necessidade/utilidade do efeito vinculante das decisões do mesmo sentido: AI 733.387, rel. min. Celso de Mello, julgamento em

Supremo. Porém, já em uma análise preliminar, o rico debate 16-12-2003, Segunda Turma, DJE de 1º.2.2013. Vide HC 91.361,

travado pelos Ministros quando do julgamento da ADC 1 demonstra rel. min. Celso de Mello, julgamento em 23-9-2008, Segunda Turma,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 108
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

DJE de 6-2-2009; RE 227.001-ED, rel. min. Gilmar Mendes, - violação aos artigos 5º, II e XXXVI, 8º, II, e 93, IX, da CF; 2º, 3º,

julgamento em 18-9-2007, Segunda Turma, DJ de 5-10-2007." 224, 511, §1º, 570, 577, 581,§2º, 818 e 832 da CLT; 11, 373, I, 489

Comentando o artigo 543-B, do CPC, que trata da questão, ensinam do CPC; 9º da lei 4.595/64; lei 13.467/2017; e

os jurisconsultos Nélson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery - divergência jurisprudencial.

que: "A norma comentada permite ao tribunal a quo, em nome da Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do seu apelo,

economia e celeridade processual (CF 5º, LXXVIII), pelo órgão que previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a recorrente, de

proferiu a decisão impugnada por RE, retratar-se e modificar o início, alega que negativa de prestação jurisdicional, alegando que

acórdão recorrido, quando o STF tiver conhecido e provido o RE apesar de haver oposto embargos de declaração, o Colegiado

representativo da tese jurídica por ele acolhida. Ao invés de remeter deixou de sanar os vícios existentes no acórdão, imprescindíveis ao

os autos de todos os REs que se encontravam sobrestados, deslinde da controvérsia. Destaca que não foram transcritos para o

aguardando a decisão do STF sobre a tese jurídica, o tribunal de corpo do julgado os depoimentos das testemunhas, o que se fazia

origem pode voltar atrás e modificar as decisões impugnadas, necessário para a constatação dos requisitos inerentes à relação de

aplicando o entendimento do STF aos processos pendentes, então emprego. Obtempera que também não foi objeto de análise a

sobrestados. A retratação do tribunal de origem, quando o STF tiver aplicação das Resoluções do Banco Central do Brasil relativas aos

acolhido o RE representativo e cassado a decisão impugnada, correspondentes, indispensáveis demonstração do exercício de

embora seja faculdade dada pela norma comentada ao órgão do atividade bancária. Entende que o acórdão, cometeu equívoco na

tribunal a quo que proferiu o acórdão impugnado, deverá, sempre análise das matérias ventiladas e, quando instado a se manifestar,

que possível, ser regra geral, evitando, assim, o envio limitou-se a negar a existência de omissões, sem trazer para a

desnecessário dos autos ao STF, em perda de tempo inadmissível decisão recorrida questões importantes ao debate de mérito. Assim,

em face da garantia constitucional da celeridade. Em virtude da roga que seja reconhecida a nulidade do julgado, determinando-se

retratação do tribunal de origem, os RE ficarão prejudicados e não o retorno dos autos ao egrégio TRT da 6ª Região. No mérito,

poderão seguir para o STF." (in Código de Processo Civil insurge-se contra o posicionamento do Colegiado regional que,

Comentado, Editora Revista dos Tribunais, 12ª edição, pag. 1.121). reformando a sentença, reconheceu o vínculo de emprego direto

Conclui-se, portanto, que não está ao alvedrio do magistrado com a entidade bancária, deferindo as benesses inerentes as CCT

dissentir de posição externada pelo Supremo Tribunal Federal nos da categoria. Argumenta que o simples fato de um empregado do

recursos extraordinários paradigmas, nas hipóteses em que se correspondente bancário exercer algumas atividades que se

declare a existência de repercussão geral, reafirmando-se, assim, assemelhem àquelas tipicamente bancárias não conduz,

sua força vinculante. necessariamente, à ilicitude da terceirização dos serviços. Ressalta

Tudo isto considerado, passo à análise do apelo. que as demandadas não integram o mesmo grupo econômico, eis

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS que se trata de empresas distintas, com objetos sociais

O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão absolutamente dissonantes, sem qualquer similitude na composição

dos embargos declaratórios se deu em 20/08/2018, apresentação societária e, ainda, sem qualquer relação de coordenação ou

das razões recursais em 30/08/2018 conforme se pode ver dos gestão. Argumenta que não restou configurado os elementos

documentos Ids 9a915b6 e c903de1. caracterizadores da relação empregatícia. Salienta que a sua

A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Ids atividade preponderante é o comércio varejista de roupas e artigos

da1e787, d6477fe e a90b950). de confecção em geral, conforme reza seu contrato social. Insiste

Preparo regularmente efetuado, como se pode ver dos Ids a672753, que exerce serviços de correspondente bancário, e sua equiparação

621668d, 0893139 e 07e35d5. à instituição financeira viola diretamente os termos do artigo 18 da

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS lei 4.595/64. Afirma não haver que se falar na aplicabilidade de

NULIDADE / NEGATIVA DA PRESTAÇÃO JURISDICIONAL instrumentos normativos pretendidos pelo autor, devendo a

GRUPO ECONÔMICO demanda ser julgada improcedente no que tange aos pedidos

RECONHECIMENTO VÍNCULO consubstanciados nos instrumentos normativos relativos aos

TOMADOR DE SERVIÇOS / TERCEIRIZAÇÃO bancários ou financiários, que foram juntados com a exordial. Por

ENQUADRAMENTO BANCÁRIO cautela, aduz que a Súmula nº 55 do TST expõe expressamente

Alegações: que eventual equiparação bancária ou financiária restringe seus

- contrariedade às Súmulas nºs 55, 311 e 374 do TST; efeitos à jornada disposta no artigo 224 da CLT, não abrangendo as

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 109
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

normas coletivas daquelas categorias. Pede provimento do apelo, atacar o posicionamento adotado pelo órgão julgador, porque a

para que sejam julgados improcedentes os pedidos previstos nas solução encontrada não se harmoniza com os seus interesses, nem

convenções coletivas dos bancários. Cita jurisprudência. com as teses que esgrimiu. Isto não significa, em absoluto, que

Instada por embargos declaratórios, assim decidiu a Turma (Id alguma questão referente às matérias tenha deixado de ser

d6477fe): analisada, muito menos que tenha havido contradição ou

O teor dos artigos 1.022 do CPC e 897-A, da CLT, os embargos obscuridade a comprometer a integridade do julgado.

declaratórios constituem remédio processual posto à disposição das Por conseguinte, rejeito os embargos de declaração.

partes apenas para sanar eventuais obscuridades, contradições e Exsurgem da decisão recorrida os seguintes fundamentos (Id

omissões do provimento jurisdicional. 621668d)

Ressalto, de logo, que em razão da finalidade específica prevista 1. Das alegações relativas ao reconhecimento do vínculo de

em lei, os embargos de declaração não se prestam ao emprego:

prequestionamento de matéria, nas hipóteses em que o órgão Ressalto, de logo, ser inaplicável a lei 13.429/17 no regramento do

judicial, ao entregar a prestação jurisdicional, pronuncia-se sobre os contrato de trabalho da autora. É que a alteração legislativa haverá

pontos relevantes tratados no recurso. de ser aplicada em relação aos vínculos trabalhistas ocorridos a

E, em consonância com a Orientação Jurisprudencial 118 da Seção partir de sua vigência e não àqueles ocorridos antes de sua

de Dissídios Individuais do TST, "havendo tese explícita sobre a publicação, como é a hipótese vertente. Incide, à espécie, a regra

matéria, na decisão recorrida, desnecessário contenha nela de direito intertemporal segundo a qual tempus regit actum.

referência expressa do dispositivo legal para ter-se como Ora, no caso concreto, se o contrato de trabalho perdurou em

prequestionado este. Inteligência do En. 297 do TST". período anterior a entrada em vigor da Lei 13.467/2017, tem-se que

Como se vê da fundamentação do acórdão embargado, todas as as disposições desta norma não se aplicam ao caso concreto, vez

questões relevantes ao deslinde da controvérsia foram apreciadas, que o direito material aplicável era o que estava vigente durante o

não apresentando qualquer defeito a ensejar essa medida. Em interregno do pacto laboral.

verdade, o acórdão analisou de forma clara as teses recursais e Ultrapassada a questão, tem-se que foi alegado na inicial que o

decidiu, mediante exposição fundamentada, com base no conjunto reclamante alegou que foi admitido no quadro da primeira

probatório, a respeito da ilicitude da terceirização promovida entre reclamada, em 2.1.2002, para prestar serviços exclusivamente a

os Reclamados e, consequentemente, reconhecendo a existência segunda reclamada na função de BANCÁRIO, embora contratado

de relação jurídica de emprego entre a Reclamante e o BANCO formalmente para a função de OPERADORA DE CAIXA MONITOR,

BRADESCARD, tendo em vista o desenvolvimento de atividades sendo injustamente demitido em 7.11.2016.Diz ainda que trabalhou

tipicamente bancárias. Confira-se, fls. 2720/2714, em PDF: exclusivamente para a segunda reclamada realizando os mesmos

(...) tipos de atividades que os trabalhadores contratados por esta, com

Ultrapassadas essas considerações, observo que os Embargos inequívoca subordinação estrutural, sempre em benefício exclusivo

Declaratórios representam via processual estreita, cujo cabimento da demandada (BANCO IBI S/A- BANCO MÚLTIPLO), hoje,

está restrito às hipóteses previstas nos artigos 897-A da CLT, e Bradescard.

1.022 do CPC, quais sejam: existência de omissão, contradição no A primeira reclamada, em sua defesa, assegura que o reclamante

julgado, manifesto equívoco no exame dos pressupostos foi contratado para exercer a função e "Assessor de Clientes Júnior"

extrínsecos do recurso, bem como para esclarecer obscuridade e e que posteriormente, foi reclassificado sucessivamente para as

corrigir erro material na decisão. funções de "Digitador", "Analista", "Monitor", "Operador de Vendas e

De tudo, o que se tem, efetivamente, notadamente das alegações Serviços Monitor" e, finalmente, "Operador de Vendas e Serviços

descritas , é que a embargante não demonstrou qualquer vício Monitor". Esclarece, ainda que após 04.6.2009, a C&A firmou com o

passível de correção no relatório mediante a oposição de embargos. BRADESCARD contrato de parceria para fomentar a venda de seus

Em verdade, tenta atribuir a esta medida manifesto prolongamento produtos com o cartão C&A administrado pelo Bradescard. E, ainda,

de seu recurso ordinário. que desde então, a C&A passou a atuar como correspondente

Tem-se, pois, que eventual insurgência deverá ser consignada na bancária.

medida processual apropriada. O Banco Bradescard, por sua vez, contesta o pleito obreiro

Fica claro, portanto, que a sua intenção não é a de apontar, asseverando que a C&A vende mercadorias em sua loja através de

verdadeiramente, a existência de defeito no acórdão, mas sim, a de financiamentos concedidos por ele com a finalidade de facilitar as

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 110
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

operações de vendas das mercadorias. capitalização, seguro de vida, empréstimos, cartões de credito,

São estes, em síntese, os contornos da matéria controvertida. empréstimo consignado; solicitavam aumento de limite de cartão de

Resulta dos termos da inicial e das defesas que cabia às crédito, o que ocorria enviando os documentos do cliente por email;

reclamadas o ônus de provar os fatos alegados na defesa, em que tinham autorização para acrescentar e tirar dependentes; que o

consonância com o artigo 818, II, da CLT c/c o art. 373, II, do CPC. sistema do RFS não é o mesmo do restante da C que não era

Desse encargo, contudo, não se desvencilharam a contento. possível faturar mercadoria da C&A no sistema da RSF; que o

Com efeito, depreende-se do conjunto probatório que o autor foi supervisor ou coordenador do RFS faz prova de correspondente

admitido pela C&A MODAS LTDA. para atuar em prol da empresa bancário; quem treinava os supervisores era Carol Rosa, que se

BANCO BRADESCARD S.A., sendo certo que inexistem no identificava como funcionária do Bradescard, com crachá; que quem

processo elementos a comprovar que as suas atividades fossem treinava a depoente era o supervisor do RSF junto com Carol Rosa;

estranhas à finalidade do empreendimento. que a contratação do pessoal da C&A não é junto com o do pessoal

Inicialmente, verifico que o contrato de parceria firmado entre as do RFS; que a depoente trabalhava como Analista de credito

reclamadas prevê o oferecimento, por parte da C&A, dos seguintes responsável por pegar os cartões e colocar na máquina de

produtos e serviços do Banco Bradescard: cartões, operações de impressão; que a reclamante era analista de processos,

crédito pessoal, operações de crédito direto ao consumidor, responsável por digitar o cadastro dos clientes nos cartões,

distribuição de quaisquer outros produtos financeiros, solicitando cartões de credito Máster ou Visa; que que a sala de

previdenciários ou securitários, inclusive de perda e roubo dos analise de credito é restrita, quem tem acesso é o pessoal da

cartões, "bem como todos os outros negócios, serviços e produtos análise de credito, de processo, supervisores e lideres; que é

permitidos pela regulamentação do Conselho Monetário Nacional, possível ver as pessoas que estão do lado de fora, pela janelinha;

do Banco Central do Brasil e da Superintendência de Seguros que da pra ver quem vai pegar os cartões; que nunca trabalhou na

Privados."( fls. 581, em PDF - cláusula V). loja vendendo produtos da C&A."

Com efeito, a primeira testemunha ouvida de iniciativa do autor, Sr. Da leitura do depoimento acima transcrito, e dos termos do contrato

RODRIGO MIGUEL DE OLIVEIRA SILVA, disse às fls. 2442, em de parceria firmado entre os recorridos, infere-se que as atividades

PDF: desempenhadas pelo obreiro estavam intimamente relacionadas à

"...que no mais confirma em relação ao Reclamante as declarações atividade empresarial do Banco Bradescard.

prestadas na Reclamação Trabalhista 0001700-23.2016.5.06.0013; Destaco que nos casos típicos de terceirização, a figura da empresa

que tinham acesso às faturas dos clientes para estornar faturas prestadora de serviços serve de intermediária entre o trabalhador e

indevidas; que era possível fazer senha para o cartão de crédito na seu tomador de serviços, com vistas à prática laborativa que atenda

própria loja da C que a aprovação das operações se davam de a atividade-meio desse, não formando vínculo empregatício com

imediato, ; que então on line emitia o cartão e o cliente já ele, desde que ausentes a pessoalidade e a subordinação jurídica

cadastrava a senha; que no CREDPORTAL havia um ícone que direta.

deviam acessar quando havia suspeita de fraude; que então o Veja-se a Súmula nº 331 do Colendo TST:

cartão era bloqueado e nenhuma outra operação era permitida; que (...)

isso poderia ser feito mesmo após a concessão do empréstimo pelo Assim, infere-se do conjunto probatório que procedem as alegações

Banco; que se depois se verificasse que a suspeita não era do autor, na medida em que restou evidenciada a ilicitude da

procedente a liberação poderia ser feita no próprio sistema; que o terceirização, cujo objeto não é outro senão a prestação de serviços

contrato era impresso após a aprovação da proposta, no próprio essenciais ao empreendimento da reclamada.

sistema, pelo Analilsta; que apenas o cliente assinava esse Ora, indiscutivelmente, inserem-se na dinâmica da empresa

contrato." reclamada as atividades relacionadas às operações de vendas de

E ainda, MARIA RANIELLY DA SILVA, na ata de fls. 396/397, em cartões; venda de seguros; alteração de limites; empréstimos

PDF, alusiva à instrução do processo nº 0000279- pessoais.

53.2015.5.06.0006, juntada como prova emprestada, consta que a Ademais, mostra-se essencial à viabilização do próprio negócio da

testemunha oferecida ao Juízo pelo reclamante prestou as instituição bancária recorrida a atividade de atendimento a clientes,

seguintes declarações: com o fito de tirar suas dúvidas acerca do cartão que administra

"...que o contato com o banco ocorria através dos supervisores e (limites, dependentes, vendas, cobranças, etc.).

líderes do RFS e emails; que vendiam IBIODONTO, titulo de Ressalte-se, por outro lado, que a concepção moderna da

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 111
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

subordinação jurídica pressupõe, unicamente, que o trabalhador se 320 c/c 485, inc. IV, do CPC), consoante entendimento majoritário

submeta ao direcionamento objetivo do tomador de serviços, no que desta e. Turma.

tange à forma como o trabalho é prestado. Assim, pouco importa se, (...)

formalmente, a C&A MODAS LTDA é, ou não, empresa idônea; se Destaco que, observados os limites traçados na devolutividade do

registrou o contrato de trabalho do reclamante ou se lhe pagava os recurso nos termos que art. 1.013, §1º, do CPC/2015 e súmula 393

salários, eis que evidenciada a nulidade do ajuste, ante a fraude do TST, ela não alcança os títulos da sentença não impugnados.

perpetrada pelas mencionadas empresas, consubstanciada no Entendo, por conseguinte, somente ser devido o deferimento das

intento de sonegar direitos típicos da categoria dos bancários, verbas que constituem decorrência lógica do enquadramento da

incidindo, na espécie, portanto, o comando do artigo 9º da autora na categoria dos bancários.

Consolidação das Leis do Trabalho, em consonância com a diretriz (...)

traçada pela Súmula 331, I, do TST. Ultrapassada esta questão, resulta do reconhecimento do vínculo

À vista do exposto, conclui-se patente a fraude cometida pelas de emprego do demandante com a empresa BANCO

reclamadas, levada a efeito no intuito de desvirtuar a aplicação das BRADESCARD S.A. ser o autor beneficiário dos direitos previstos

leis trabalhistas e mascarar a verdadeira relação empregatícia que a nas normas coletivas da categoria dos bancários, quais sejam,

autora manteve com a empresa BANCO BRADESCARD S.A., em diferenças salariais (pessoal de escritório), auxílio refeição, auxílio

afronta direta aos princípios norteadores do Direito do Trabalho, cesta alimentação, participação nos lucros e jornada, com dedução

dentre eles o da primazia da realidade. do que ele recebeu no curso do contrato de trabalho a esses títulos,

A título de ilustração, transcrevem-se as ementas a seguir, in verbis: reduzida cujos valores estão expressos nas normas coletivas dos

(...) empregados da C&A, a fim de evitar o enriquecimento sem causa.

Nesse quadro, há de ser provido o apelo, para declarar a nulidade No cálculo das diferenças, deverão ser observados os reajustes

do contrato firmado com a C&A MODAS LTDA e acolher a tese salariais devidos à categoria dos bancários e sua integração para

sustentada pelo reclamante, reconhecendo, na linha da Súmula apuração das verbas rescisórias (férias + 1/3, 13º salário, aviso

331, I, do TST, o vínculo de emprego direto com o tomador dos prévio indenizado e FGTS + 40%).

serviços - BANCO BRADESCARD S.A, na função a que se Recurso provido, em parte.

equipara o escriturário (pessoal de escritório), período de No tocante à alegação de negativa de prestação jurisdicional, não

02.01.2002 a 07.11.2016, conforme TRCT, fls. 1050, em PDF. vislumbro violação direta e literal das normas supracitadas, pois,

Recurso provido neste item. diferentemente do que afirma o recorrente, a Turma se pronunciou

2. Dos direitos assegurados nas convenções coletivas da exaustivamente sobre todas as questões abordadas pelo mesmo à

categoria dos bancários - diferenças salariais - auxílio refeição luz do contexto probatório dos autos, atrelado aos fatos e

e auxílio cesta alimentação - participação nos lucros e fundamentos jurídicos trazidos pelas partes, mercê do disposto no

resultados e jornada reduzida: artigo 371 do CPC, estando as questões suscitadas compreendidas

Cumpre, de logo, destacar que o Juízo sentenciante já declarou a no próprio conteúdo da decisão proferida, sendo certo, ainda, que

prescrição a ser aplicada, fls. 2454, em in verbis: há transcrição do depoimento da testemunha indicada. Deste modo,

"Ajuizada esta Reclamação em 28.11.2016, se acham prescritas as sob a ótica da restrição imposta pela Súmula nº 459 do C. TST, a

pretensões relativas a créditos que se tornaram exigíveis prestação jurisdicional encontra-se completa, enquadrando-se a

anteriormente a 28.11.2011, em relação às quais o processo é irresignação da parte recorrente no inconformismo com a solução

extinto com resolução do mérito, na forma do art. 487, II, do CPC." dada à lide e, não, na hipótese de nulidade processual por ausência

Em relação à apreciação dos benefícios normativos, verifico que o de prestação jurisdicional.

demandante colacionou as convenções coletivas vigentes no Confrontando os argumentos suscitados pela parte recorrente com

período compreendido entre o dia 01/09/2010 a 31/08/2015 (fls. os fundamentos do acórdão, verifico que a revista comporta

228/326, em PDF). processamento, pois o Regional decidiu as questões veiculadas no

Nesta quadra, relativamente ao lapso contratual imprescrito não presente apelo em desconformidade com a tese jurídica

alcançado pelas normas coletivas, especificamente quanto aos prevalecente do Supremo Tribunal Federal no sentido de que "É

pedidos fundados nas convenções coletivas dos bancários, o lícita a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho

processo deve ser extinto, sem resolução do mérito, haja vista a entre pessoas jurídicas distintas, independentemente do objeto

inexistência de documento essencial à propositura da ação (arts. social das empresas envolvidas, mantida a responsabilidade

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 112
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

subsidiária da empresa contratante". recursais em 26.08.2018, conforme se pode ver dos documentos

Resta prejudicada a análise dos demais títulos objeto de Ids f3d687e e e6f3743.

irresignação no presente apelo. A representação advocatícia foi comprovada (Id 220aa70).

CONCLUSÃO Dispensadas as custas (Id eb5c15f).

Diante do exposto, RECEBO, parcialmente, o Recurso de Revista. PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Intimem-se, ficando ciente a parte recorrida para, querendo, DA NEGATIVA DE PRESTAÇÃO JURISDICIONAL

apresentar suas contrarrazões. DO ENQUADRAMENTO SINDICAL

Cumpridas as formalidades legais, remeta-se ao TST. Alegações:

- violação aos artigos 5º, inciso LV, 93, inciso IX, da Constituição

/mercp/illsg Federal; 511, §§ 1º, 2º e 3º, 581, § 2º, 832 da CLT; 489, § 1º, do

CPC; e

Assinatura - divergência jurisprudencial.

RECIFE, 25 de Outubro de 2018 A parte recorrente suscita a ocorrência de negativa de prestação

jurisdicional, sob o argumento de que o acórdão exarado pelo

VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO Colegiado regional deve ser anulado, por manter os termos da

Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região sentença de primeiro grau e por, tão somente, capitular os artigos,
Decisão sem que haja, efetivamente, fundamento para aplicação dos
Processo Nº RO-0000583-33.2016.5.06.0001
Relator Eduardo Pugliesi mesmos. Alega que a CCT que se aplica ao caso é a firmada entre
RECORRENTE ROMILDO BARBOSA DE MENEZES o SINTRANSTUR (SINDICATO DOS TRABALHADORES EM
ADVOGADO MAXIMIANO JOSE CORREIA MACIEL
NETO(OAB: 29555/PE) TRANSPORTES COLETIVOS INTERMUNICIPAIS E
ADVOGADO EDSON BEZERRA GOMES(OAB: INTERESTADUAIS RODOVIÁRIOS DE TURISMO, FRETAMENTO,
38012/PE)
ADVOGADO LEVI DE SIQUEIRA CAMPOS ESCOLARES, ALTERNATIVOS, HOSPITALAR E SIMILARES NO
MOURA(OAB: 25310-D/PE)
RECIFE METROPOLITANO E REGIÕES DA MATA SUL E NORTE
RECORRIDO ESTADO DE PERNAMBUCO
RECORRIDO HCP LOCACOES EIRELI - EPP DE PERNAMBUCO), e o SIND EMP DE ASSEIO E
ADVOGADO ALESSANDRA PATRICIA DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DE PERNAMBUCO (SEAC).
GUSMAO PEREIRA(OAB: 19751/PE)
ADVOGADO TACIANA DO CARMO GABRIEL Ressalta que o fato de a categoria econômica não ter sido suscitada
CORDEIRO(OAB: 38454/PE)
nos dissídios coletivos da real CCT de prestação de serviço
ADVOGADO BIANCA MARCELIA MARTINS DE
OLIVEIRA(OAB: 43018/PE) terceirizado não afasta o direito do trabalhador ao percebimento das
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO respectivas vantagens, ainda mais tendo ocorrido a efetiva

prestação do serviço, não havendo espaço para a aplicação da


Intimado(s)/Citado(s):
Súmula 374 do TST, por restar incontroverso que exercia a função
- HCP LOCACOES EIRELI - EPP
de motorista de ambulância para prestação de serviço de órgão
- ROMILDO BARBOSA DE MENEZES
público, não podendo tal atividade profissional ser vulnerada ou

agregada à atividade preponderante da empresa, em face de sua

especificidade, enquadrando-se na categoria diferenciada,


PODER
significando que o recorrido jamais poderia se eximir de conhecer
JUDICIÁRIO
as Convenções Coletivas da categoria diferenciada a que,

Fundamentação recorrente, está vinculado.

RECURSO DE REVISTA O Colegiado regional assim fundamentou sua decisão (Id 4eb2131):

Trata-se de Recurso de Revista interposto por ROMILDO "(...)

BARBOSA DE MENEZES, nos autos da reclamação trabalhista Das diferenças de salário e do enquadramento sindical.

0000583-33.2016.5.06.0001, figurando HCP LOCAÇÕES EIRELI - Renova o autor o pedido em epígrafe, defendendo que lhe são

EPP E ESTADO DE PERNAMBUCO como recorridos. aplicáveis as normas coletivas firmadas entre a SINTRANSTUR e o

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS SEAC - Sindicato das Empresas de Conservação e Asseio do

O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão Estado de Pernambuco, motivo pelo qual faria jus ao pagamento da

recorrida se deu em 20.08.2018 e a apresentação das razões parcela remuneratória suprimida pela empregadora, ante a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 113
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

inobservância do piso salarial correto. Dos depoimentos colhidos, verifica-se que os empregados da

Destaca, ainda, que a menção ao Sindicato dos Hospitais, Clínicas empresa trabalhavam no Hospital Otávio de Freitas e no Hospital da

de Saúde, Laboratórios de Pesquisa e Análises Clínicas do Estado Restauração, este último conforme narrado pela empregada

de Pernambuco presente em sua exordial se trata de um mero erro responsável pela limpeza do interior das ambulâncias locadas (ID

material, porquanto pretendia referir-se unicamente ao SEAC, o que 89f9881).

se deflui da transcrição da correta sigla ali aposta. O Estado de Pernambuco, em tese principal, nega a prestação de

Por fim, expressa que, como motorista, integra categoria serviços em seu favor, aduzindo que apenas celebrou contrato com

diferenciada, e deve ser-lhe aplicado os ajustes firmados por seu empresa denominada HIGIENE, acostando cópia do ajuste

sindicato, ainda que sua empresa tenha enquadramento diverso e negocial. Em prosseguimento, segue na defesa da impossibilidade

da negociação não tenha participado. de condenação subsidiária do ente público, por força de decisão do

A instância de origem, acolhendo a tese defensiva, entendeu que o STF.

reclamante, contratado para laborar como motorista, não se sujeita Sobre a contratação referenciada pelo ente da Administração

às normas coletivas pactuadas pelo SEAC, considerando que a Pública, constato que há elementos nos autos que permitem

atividade da empresa contratante é a locação de automóveis e a concluir que a empresa HIGIENE e a demandada são a mesma

prestação de serviços de transporte de passageiros, não tendo pessoa jurídica. Os cartões de ponto colacionados pela reclamada

correlação com a conservação e asseio. principal consignam por empregadora "HIGIENE SOLUÇÕES

O decisório não comporta reforma. AMBIENTAIS" (ID 7df390), assim como o contrato de limpeza dos

Conforme se extrai da exordial, o autor alega ter sido contratado veículos tem por contratante "HIGIENE EMPREENDIMENTOS E

pela HCP LOCAÇÕES EIRELLI - EPP para prestar serviços como SERVIÇOS EIRELI" (ID 81349ad).

motorista de ambulância da Secretaria de Saúde do Estado de Ultrapassada essa questão, destaco que a cláusula terceira das

Pernambuco, lotado em vários hospitais da região metropolitana do convenções coletivas de trabalho subscritas pelo SINDICATO

Recife. Em depoimento, testemunha por ele indicada atestou que HOSPITAS CLIN C SAÚDE LB PESQ NA CLIN EST PE, sindicato a

com ele laborou no hospital público Otávio de Freitas (ID 89f9881). que a demandada alega pertencer, estabelece que suas

Com efeito, o enquadramento sindical, via de regra, é estabelecido disposições se destinam "aos empregados da categoria profissional

com base na atividade preponderante do empregador, nos termos (motoristas) que trabalham em hospitais, clínicas com internamento,

do disposto no art. 570 e 581 da CLT, à exceção das categorias casas de saúde, rede particular (privada) de saúde e empresas

diferenciadas, que, consoante dispõe o art. 511, § 3º, da CLT, são similares", prevendo, ainda, o piso dos motoristas "de empresas que

aquelas que "(...) se forma dos empregados que exerçam profissões mantém contratos públicos de terceirização de ambulância",

ou funções diferenciadas por força de estatuto profissional especial definido em 03 (três) categorias de acordo com o quantitativo de

ou em consequência de condições de vida singulares", no que se motoristas e a região da prestação de serviços (ID baa7eba).

insere a profissão de motorista. Concluo que as normas coletivas de trabalho apresentadas pela

No caso, ambas as normas coletivas, tanto as trazidas pelo autor empresa são as que regem, de fato, a relação de trabalho discutida

quanto aquelas provenientes da empresa, foram firmadas pelo nesta demanda, pois é a que se amolda à situação jurídica aqui

sindicato profissional do empregado, qual seja, o SINTRANSTUR. delineada, qual seja, a prestação de serviços a ente público por

Por sua vez, a atividade econômica da reclamada é a "locação de empresa interposta que realiza, além da oferta de serviços de

automóveis sem condutor" e também "o serviço de transporte de motorista, o fornecimento de ambulâncias que serão por eles

passageiros - locação de automóveis com motorista", o que foi conduzidas.

comprovado pelo Contrato Social acostado aos autos e pela prova As normas coletivas firmadas pelo SEAC - Sindicato de Asseio e

testemunhal produzida nos autos(ID 57ec7ef). Conservação do Estado de Pernambuco, sindicato indicado pelo

Na hipótese, o demandante prestava serviços em favor do ente empregado, não expressam a mesma especificidade, consoante se

público, em decorrência de um contrato celebrado entre a afere de sua cláusula terceira, parágrafo primeiro:

demandada e o Estado de Pernambuco. Tal instrumento não foi O Piso Salarial estabelecido nesta cláusula atinge exclusivamente

anexado ao processo, mas é o que se evidencia da contestação da os motoristas empregados das empresas enquadradas na

HCP, em que esta informa que se comprometeu a fornecer ao ente representação patronal e que são lotados em contratos de

público ambulâncias com motoristas para remoção de pacientes, o prestação de serviços. (ID 8b783ed).

que se configura numa verdadeira terceirização de mão de obra. Ademais, importa destacar que a empregadora não se sujeita a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 114
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

normas coletivas de categoria diferenciada da qual não participou suscitar preliminar de nulidade de julgado por negativa de prestação

como signatária. É o entendimento expresso na Súmula nº 374 do jurisdicional, o trecho dos embargos declaratórios em que foi pedido

TST: o pronunciamento do tribunal sobre questão veiculada no recurso

NORMA COLETIVA. CATEGORIA DIFERENCIADA. ordinário e o trecho da decisão regional que rejeitou os embargos

ABRANGÊNCIA. Empregado integrante de categoria profissional quanto ao pedido, para cotejo e verificação, de plano, da ocorrência

diferenciada não tem o direito de haver de seu empregador da omissão. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 13.7.2017)

vantagens previstas em instrumento coletivo no qual a empresa não Vale citar os seguintes precedentes da Corte Superior Trabalhista:

foi representada por órgão de classe de sua categoria. (ex-OJ nº 55 EMBARGOS EM RECURSO DE REVISTA. DECISÃO

da SBDI-1 - inserida em 25.11.1996). EMBARGADA PUBLICADA NA VIGÊNCIA DA LEI Nº

Nessa mesma linha de raciocínio, decidiu esse Regional, em 13.015/2014. RECURSO DE REVISTA QUE NÃO APRESENTA A

decisão da lavra do Desembargador Paulo Alcântara, em processo TRANSCRIÇÃO DO TRECHO DO ACÓRDÃO REGIONAL QUE

envolvendo as mesmas rés desta demanda. Reproduzo sua ementa IDENTIFICA O PREQUESTIONAMENTO DA MATÉRIA OBJETO

abaixo: DO APELO. REQUISITO LEGAL INSCRITO NO ARTIGO 896, § 1º

RECURSO ORDINÁRIO. DIFERENÇAS SALARIAIS. -A, I, DA CLT. REDAÇÃO CONFERIDA PELA LEI 13.015/2014. 1 -

ENQUADRAMENTO SINDICAL. CATEGORIA PROFISSIONAL A e. 7ª Turma não conheceu do recurso de revista patronal, que

DIFERENCIADA. Ao empregado pertencente a categoria versava sobre os temas horas extras, intervalo intrajornada, hora in

diferenciada específica, mas que labora para empresa pertencente itinere e multa por embargos de declaração protelatórios,

a determinada categoria econômica, não se atribui direito às ressaltando o não preenchimento do requisito inscrito no artigo 896,

vantagens contidas em instrumento coletivo de outra categoria § 1º-A, I, da CLT, uma vez que interpôs recurso de revista sem

econômica, nem tampouco de sua categoria diferenciada, se dele transcrever o trecho da decisão recorrida que consubstancia o

não participou sua empregadora, nem foi nele representado pela prequestionamento da controvérsia (fl. 601); 2 - Efetivamente, não

entidade sindical representativa de sua categoria econômica. se sustenta a tese recursal de que, ainda que não transcritos

Inteligência e aplicação combinada dos arts. 511, 570 e 611 da literalmente, foram devidamente indicados e prequestionados no

CLT, e Súmula nº 374, do C. TST. Recurso do reclamante não recurso de revista todos trechos da decisão recorrida objeto da

provido. (Processo: RO - 0000576-29.2016.5.06.0005, Redator: controvérsia, os quais mereciam o devido enfrentamento na forma

Paulo Alcantara, Data de julgamento: 21/02/2018, Segunda Turma, do art. 896, § 1º-A, I, da CLT (fl. 617); 3 - Embora o dispositivo em

Data da assinatura: 28/02/2018). comento utilize o verbo indicar, referindo-se ao requisito formal ali

Considerando que a causa de pedir das diferenças de salário inscrito, esta Corte Superior tem exigido a transcrição do trecho da

pretendidas pelo autor se ampara unicamente na inobservância dos decisão regional que consubstancia o prequestionamento da

instrumentos convencionais pactuados pelo SEAC, nego provimento controvérsia objeto do apelo, firme no entendimento de que a

ao apelo." alteração legislativa empreendida pela Lei 13.015/2014, nesse

aspecto, constitui pressuposto de adequação formal de

No tocante à negativa de prestação jurisdicional, não obstante o admissibilidade do recurso de revista e se orienta no sentido de

inconformismo apresentado, o apelo não ultrapassa o crivo da propiciar a identificação precisa da contrariedade a dispositivo de

admissibilidade recursal. Lei e a Súmula e do dissenso de teses, afastando-se os recursos de

É que a Lei nº 13.015/2014, de 22/09/2014, acrescentou o §1º-A ao revista que impugnam de forma genérica a decisão regional e

art. 896 da CLT, introduzindo novos requisitos formais ao conduzem sua admissibilidade para um exercício exclusivamente

processamento dos recursos de revista, que impuseram à parte, subjetivo pelo julgador de verificação e adequação formal do apelo.

sob pena de não conhecimento do seu apelo, o dever de: 1) indicar, Assim, a necessidade da transcrição do trecho que consubstancia a

para cada tema trazido ao reexame, o trecho da decisão recorrida violação e as contrariedades indicadas, e da demonstração analítica

que consubstancia o prequestionamento da controvérsia; 2) da divergência jurisprudencial, visa a permitir a identificação precisa

apresentar tese explícita e fundamentada de violação legal, de e objetiva da tese supostamente ofensiva a lei, à segurança das

contrariedade à Súmula de jurisprudência da C. Corte Revisora e à relações jurídicas e à isonomia das decisões judiciais, de modo que

Súmula vinculante do E. STF ou de dissenso pretoriano que contribua para a celeridade da prestação jurisdicional, possibilite a

entenda existir; 3) impugnar todos os fundamentos jurídicos da formação de precedentes como elementos de estabilidade e a

decisão recorrida; e 4) transcrever na peça recursal, no caso de decisão do TST contribua para a formação da jurisprudência

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 115
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

nacionalmente unificada. Precedentes. 4 - Recurso de embargos de reexame fático, o que não é possível por meio desta via recursal

conhecido e desprovido. (Processo Nº E-ED- RR-0000552- (Súmula nº 126 do TST). Por consequência, fica inviabilizado o

07.2013.5.06.0231; Relator Min. Alexandre de Souza Agra exame pertinente à divergência jurisprudencial específica (Súmula

Belmonte; Subseção I Especializada em Dissídios Individuais; DEJT nº 296 desse mesmo órgão superior).

de 16/06/2016). CONCLUSÃO

AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista.

ADMISSIBILIDADE. LEI 13.015/2014. PREQUESTIONAMENTO. Cumpram-se as formalidades legais.

TRANSCRIÇÃO DO TRECHO DO ACÓRDÃO. ART. 896, § 1º-A, I, Intimem-se.

DA CLT. 1. A Lei nº 13.015/2014 exacerbou os pressupostos vo/AE

intrínsecos de admissibilidade do recurso de revista, como se extrai

do novel art. 896, § 1º-A, da CLT. 2. O novo pressuposto e ônus do Assinatura

recorrente consistente em 'indicar o trecho da decisão recorrida que RECIFE, 25 de Outubro de 2018

consubstancia o prequestionamento' não se atende meramente por

meio de menção ou referência à folha do acórdão em que se situa, VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

tampouco mediante sinopse do acórdão, no particular. A exigência Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

em apreço traduz-se em apontar a presença do prequestionamento Decisão


Processo Nº RO-0001246-75.2015.5.06.0143
(salvo vício nascido no próprio julgamento) e comprová-lo mediante Relator ENEIDA MELO CORREIA DE
ARAUJO
transcrição textual do tópico nas razões recursais. Somente assim
RECORRENTE FLAVIO AMARO DA SILVA
se atinge a patente finalidade da lei: propiciar ao relator do recurso ADVOGADO CLAUDIO GONCALVES
GUERRA(OAB: 29252-A/PB)
de revista no TST maior presteza na preparação do voto ao ensejar
ADVOGADO ISADORA COELHO DE AMORIM
que, desde logo, confronte o trecho transcrito com o aresto acaso OLIVEIRA(OAB: 16455-D/PE)
RECORRENTE METAFORTE DISTRIBUIDORA LTDA
apontado como divergente, ou com a súmula cuja contrariedade
ADVOGADO MARCOS VALERIO PROTA DE
acaso é alegada, ou a violação sustentada de forma analítica pelo ALENCAR BEZERRA(OAB: 14598/PE)
ADVOGADO JOAO REINALDO PROTA
recorrente. 3. Inadmissível recurso de revista interposto sob a égide FILHO(OAB: 16462/PE)
da Lei nº 13.015/2014 (decisões publicadas a partir de 22/9/2014) RECORRIDO FLAVIO AMARO DA SILVA
ADVOGADO CLAUDIO GONCALVES
em que a parte não cuida de transcrever o trecho do acórdão GUERRA(OAB: 29252-A/PB)
regional em que repousa o prequestionamento da controvérsia ADVOGADO ISADORA COELHO DE AMORIM
OLIVEIRA(OAB: 16455-D/PE)
transferida à cognição do TST. 4. Agravo de instrumento da RECORRIDO METAFORTE DISTRIBUIDORA LTDA
Reclamada de que se conhece e a que se nega provimento. (TST- ADVOGADO MARCOS VALERIO PROTA DE
ALENCAR BEZERRA(OAB: 14598/PE)
AIRR-767-73.2014.5.08.0107, 4ª Turma, Rel. Min. João Oreste ADVOGADO JOAO REINALDO PROTA
FILHO(OAB: 16462/PE)
Dalazen, DEJT 18/12/2015).

Na hipótese dos autos, considerando que o recorrente não cuidou Intimado(s)/Citado(s):


de transcrever, na peça recursal, no caso de suscitar preliminar de - FLAVIO AMARO DA SILVA
- METAFORTE DISTRIBUIDORA LTDA
nulidade de julgado por negativa de prestação jurisdicional, o trecho

dos embargos declaratórios em que foi pedido o pronunciamento do

tribunal sobre questão veiculada no recurso ordinário, para cotejo e

verificação, de plano, da ocorrência da omissão, inviabilizado está o PODER


conhecimento de seu apelo, nos termos do inciso IV do § 1º- A do JUDICIÁRIO
art. 896 da CLT, acrescentado pela Lei nº 13.467 de 2017.
Fundamentação
Com relação ao enquadramento sindical, sopesando as alegações
RECURSO DE REVISTA
da parte recorrente com o posicionamento do acórdão regional,
Trata-se de Recurso de Revista interposto por FLÁVIO AMARO DA
tenho que a revista não comporta processamento, pois o Regional
SILVA, nos autos da Reclamação Trabalhista 0001246-
decidiu as questões veiculadas no presente apelo com base no
75.2015.5.06.0143, figurando METAFORTE DISTRIBUIDORA
conjunto probatório contido nos autos e de acordo com a legislação
LTDA como recorrido.
pertinente à espécie. Com isso, os argumentos lançados pela parte
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
no recurso, em sentido contrário, somente seriam aferíveis através
O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 116
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

recorrida se deu em 10.09.2018 e a apresentação das razões trabalho fixado no primeiro grau de jurisdição para apuração de

recursais em 20.09.2018, conforme se pode ver dos documentos horas extras.

Ids 5118521 e 2d283fd. Defende que a testemunha ouvida nos autos do Proc. nº

A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id 0001509/2014-0141), identificado pelo nome de Rodrigo Fernandes

f4e1556). da Silva Camboim, confirmou o trabalho das 7h00 às

Preparo desnecessário (Id 4f9df39). 18h00/18h30min, de segunda à sexta e um sábado ao mês das

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS 8h00 às 13h00.

DO INTERVALO INTRAJORNADA Assim, pede que seja reconhecido o trabalho de segunda à sexta-

Alegações: feira com encerramento às 18h30min., ou, considerando a média

- contrariedade à Súmula 338, item I, do TST; laborada, o encerramento às 18h15min e, nos dias de sábado, às

- violação ao artigo 62, inciso I, 818 da CLT; 373, II, do CPC; e 13h00.

- divergência jurisprudencial. No que diz respeito ao intervalo para repouso e alimentação,

Atendendo aos requisitos previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, obtempera que não houve alteração das suas condições de trabalho

da CLT, a parte recorrente insurge-se contra a decisão do antes e depois que o ponto foi implantado, seja em relação aos

Colegiado Regional de manter o indeferimento das horas extras clientes atendidos ou por ocasião das reuniões ou quando em rota.

perseguidas. Argumenta que, sendo a jornada passível de Reporta-se às declarações extraídas da testemunha apresentada

fiscalização, restam devidas as horas do intervalo intrajornada, pelo nome de Rodrigo Fernandes da Silva Cambuim, no tocante ao

diante da invalidade dos registros de horário, nos termos da Súmula tempo usufruído para refeição e descanso de 20 (vinte) minutos e

338, item I, do TST. Ressalta que a jurisprudência colacionada afirma, em síntese, que a Reclamada tinha os meios de fiscalizar o

reconhece que, comprovada a fiscalização da jornada, o trabalhador tempo de intervalo, seja em razão da utilização, pelos Empregados,

tem direito ao pagamento das horas extraordinárias, inclusive de equipamentos de telemática, seja em face da visita do supervisor

aquelas referentes ao intervalo intrajornada. Alega que incumbia à ou Gerente aos locais de trabalho.

reclamada demonstrar que ele gozava regularmente do tempo Assim, insiste na condenação da Reclamada no valor

destinado à refeição, o que não ocorreu. Diz que deverá ser correspondente ao intervalo para repouso e alimentação de forma

observado o adicional devido para as horas extras, nos moldes da integral com o mesmo adicional utilizado para as horas extras e as

Súmula 437 do TST. repercussões nas verbas acessórias.

Do acórdão impugnado, extraio os seguintes fundamentos (Id Estes são, em síntese, os limites da controvérsia.

c1133ba): O Juízo do primeiro grau proferiu os seguintes fundamentos fático-

"(...) jurídicos (fls. 666/668):

Análise conjunta dos apelos "Sabido que a prova da jornada de trabalho cumprida pelo

Horas extras e intervalos intrajornada empregado é, em regra, documental. Sabido também que a

Argumenta a Demandada que o Demandante exercia função empresa que possui mais de dez empregados deverá apresentar os

externa incompatível com a fixação de horário de trabalho, inserindo controles de presença corretamente anotados pelo trabalhador, com

-se na hipótese disciplinada no art. 62, I da CLT. horários de início e término da jornada.

Alega que o Juízo do primeiro grau não esclareceu porque Assim sendo, a fim de corroborar com suas alegações, a primeira ré

considerara os controles de jornada imprestáveis, uma vez que carreou aos autos os controles de jornada (sob Id fa2b2de), os

apresentam franca variação, afirmando que não foram quais foram impugnados pela parte autora, ao argumento seguintes:

desconstituídos por prova contrária, motivo pelo qual requer a "Não indicam o horário correto de entrada e do término da jornada

exclusão da condenação em horas extras. do autor; Não indicam o tempo de pausa intervalar efetivamente

Caso ultrapassado esse argumento, vindica a apuração das horas usufruído; Não indicam os dias efetivamente trabalhados, a exemplo

extras à luz dos controles de ponto, mantendo-se a condenação dos sábados; Indicam horários britânicos, ou com pequenas

apenas das horas extras não pagas e não compensadas e, no mais, variações de minutos, que não fogem do caráter britânico, o que

que a média de horas extras apuradas dos controles de ponto, acena a aplicação da Súmula 338, III do TST; Indicam sempre saldo

sejam utilizadas no período que antecede a implantação do ponto, negativo de horas extras, muito embora o reclamante trabalhasse

ressalvada a prescrição em jornada muito mais alongada do que a que foi registrada; Alguns

O Reclamante, por sua vez, insiste na majoração do horário de estão apócrifos, a exemplo daquele juntado no ID fa2b2de".

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 117
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Atraiu para si o ônus de provar fato constitutivo de seu direito comparecia na rota sem avisar (...) QUE o depoente sempre

(inteligência do art. 818, da CLT, c/c o art. 373, I, do NCPC). trabalhou um sábado ao mês até o desligamento. QUE no

Entendo haver se desvencilhado de seu encargo. sábado o depoente fazia uma reunião para tratar do fechamento do

Senão, vejamos. mês, na primeira ré. QUE a reunião começava às 8h e poderia

O Sr. Rodrigo Fernandes da Silva Cambuim (testemunha indicada terminar a partir das 13h. QUE essa reunião não tinha registro em

pelo autor, referente ao processo nº 0001509-50.2014.5.06.0141 - cartão de ponto. QUE todos os Vendedores e Supervisores

recebido como prova emprestada sob Id aa2b3f3) informou, ipsis participavam da reunião. QUE os Vendedores não tinham acesso

litteris: aos dados do GPS, que apenas ouviam falar, por informações de

"Trabalhou de 10/11/2008 a 01/10/2013 como vendedor da primeira superiores, que esse monitoramento existia".

ré. Sempre trabalhou na jornada das 7h às 18h/18h30min, de Por sua vez, o Sr. Ronaldo Tavares da Silva (testemunha indicada

segunda a sexta, e um sábado ao mês das 8h às 13h. Que sempre pela reclamada, também referente ao processo nº 0001509-

iniciou a jornada na empresa, e depois da reunião saía para fazer 50.2014.5.06.0141 - recebido como prova emprestada sob Id

as vendas. Encerrado o último cliente o depoente fazia contato aa2b3f3) asseverou, in verbis:

com o supervisor por meio de telefone e depois estava "a partir de maio/2013 a empresa implantou o controle de pontos

liberado. Esse mesmo sistema era adotado depois do controle para Vendedores; determinou que os Vendedores levasse um

de ponto formal. Que os horários eram anotados manualmente, cartão/ponto durante as rotas e que fosse anotando os horários de

com jornada pré-determinada e no final do mês o vendedor chegada na empresa para reunião, a parada para o almoço, a volta

assinava todo o horário do período. Que todos os vendedores do almoço, e o encerramento da jornada. QUE este cartão/ponto no

cumpriam semelhante jornada e condições de trabalho. Depoente e final do expediente era fotografado pelo Vendedor, e a imagem

reclamante tinham condições de trabalho semelhantes à de enviada para a empresa (...) QUE não havia fiscalização da ré

Ednilson Fraga de Araújo, ex-vendedor da primeira ré que prestou quanto ao intervalo e a orientação era para que o depoente

depoimento testemunhal na ação movida pelo ora depoente em usufruísse não menos de 1h40. QUE não houve alteração na

face da ré. Exibido o documento de fl. 383, cartão de ponto de quantidade de pedidos/clientes diários da rota do depoente com a

outubro de 2013, a testemunha informa que não tinha acesso ao introdução do controle de ponto. QUE o depoente chegava na ré às

referido documento e que seu controle de jornada era feito 7h, fazia uma reunião, e saía por volta das 8h. QUE o depoente

manualmente, e que a única diferença basicamente é que não tinha trabalha num segmento de grandes clientes e, por isso, só costuma

a quinta coluna nem a sexta, respectivamente "exut1" e "faltas". visitar 03 ou 04 por dia. QUE a orientação da empresa era que

Esclarece que o horário entre 17h30min até 18h era o horário encerrado o atendimento de cada pedido, o Vendedor enviasse

fixado pela ré para o vendedor enviar a carga dos pedidos. Que para a ré, por meio do palm top a informação. Podia acontecer

depois da remessa dos dados ainda ficava uns quarenta do depoente só informar no final. QUE o reclamante atuava no

minutos encerrando as atividades dentro da loja. Que a segmento de grandes clientes, como o depoente. O depoente não

orientação da empresa era que o vendedor observasse o sabe informar a rota do reclamante porque variava muito. QUE o

intervalo de no mínimo uma hora. Mas na prática o depoente só depoente costuma encerrar o atendimento/expediente entre

tirava 20 minutos a meia-hora porque dependia de estar ou não 17h e 18h. Eventualmente chegou a passar desse horário, mas,

fazendo um pedido no momento. Que os pedidos só eram foi raro. QUE o depoente como Vendedor cumpre a jornada de

descarregados, ou seja, enviados para a reclamada no final do segunda a sexta. QUE na época do reclamante já aconteceu de

expediente, via internet. Que tratava do pedido nas lojas com haver reunião, uma vez por mês, ao sábado, mas, não passava de

pessoas variadas, gerente, comprador ou mesmo o dono. Que no meio dia. QUE as reuniões do sábado se encerraram há bastante

serviço externo o depoente também tinha o controle de ponto tempo e passaram a ser no sexta-feira a partir das 14h. QUE no dia

manual. Esclarece que era o mesmo documento de anotações da reunião da sexta-feira o Vendedor fazia o atendimento de

manuais do ponto já referido. Que neste documento colocava o clientes mais rápido para chegar a tempo da reunião. Desde que

intervalo de 1 hora. Que o GPS do palm top dava a informação implantou o cartão de ponto, a empresa apresenta no final do mês,

do local do Vendedor em tempo real. QUE o GPS era ao Vendedor, o espelho de ponto. QUE os horários de espelho de

gerenciado pelo setor de TI que podia ser acesso pelo Gerente ponto sempre estiveram de acordo com os horários da papeleta do

se ele quisesse. QUE o Supervisor acompanhava o Vendedor depoente".

da rota uma vez por semana. QUE às vezes o Supervisor Das provas testemunhais colhidas, tenho por imprestáveis os

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 118
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

controles de ponto juntados aos autos e firmo a convicção de que: Isto posto, julgo improcedente o pleito referente ao intervalo

i) O sistema de cartão de ponto apenas foi implantado a partir de intrajornada e procedente aquele concernente às horas extras e aos

maio de 2013: cf. informação prestada pela própria demandada (em reflexos correspondentes, nos termos abaixo delineados:

sua defesa) e trecho de depoimento "a partir de maio/2013 a a) Base de cálculo: utilize-se o divisor 220 sobre o salário base

empresa implantou o controle de pontos para Vendedores". (observada sua evolução, e, na impossibilidade, o maior salário

ii) Antes de maio de 2013, ainda que o sistema de cartão de ponto percebido pelo autor), acrescido das verbas de natureza salarial

ainda não tivesse sido implantado, havia o controle indireto de (inclusive aquelas reconhecidas neste decisum).

jornada, por meio de GPS e ligações telefônicas: "Encerrado o b) Percentuais: normativo (e, na ausência de outro mais benéfico,

último cliente o depoente fazia contato com o supervisor por meio 50%).

de telefone e depois estava liberado. Esse mesmo sistema era c) metodologia: apurar as horas extras pela 8ª diária e/ou 44ª

adotado depois do controle de ponto formal. Que os horários eram semanal (observando-se a metodologia mais benéfica para o

anotados manualmente, com jornada pré-determinada e no final do reclamante). Em qualquer caso, considerar a jornada retro

mês o vendedor assinava todo o horário do período (...) Que no reconhecida. Excluam-se as suspensões e interrupções do contrato

serviço externo o depoente também tinha o controle de ponto de trabalho, porventura comprovadas.

manual. Esclarece que era o mesmo documento de anotações d) dedução: dos títulos pagos sob idêntico fundamento jurídico.

manuais do ponto já referido. Que neste documento colocava o e) reflexos: em aviso prévio, férias acrescidas do terço

intervalo de 1 hora. Que o GPS do palm top dava a informação do constitucional, gratificações natalinas, RSR e FGTS+40%. O

local do Vendedor em tempo real. QUE o GPS era gerenciado pelo resultado dos reflexos das diferenças deferidas (em férias

setor de TI que podia ser acesso pelo Gerente se ele quisesse" e acrescidas do terço constitucional, RSR e gratificação natalina)

"determinou que os Vendedores levasse um cartão/ponto durante deve repercutir no FGTS+40%.

as rotas e que fosse anotando os horários de chegada na empresa f) Período: 31/07//2010 (imprescrito) a 21/08/2014 (sem contabilizar

para reunião, a parada para o almoço, a volta do almoço, e o o aviso prévio, sob pena de bis in idem) (g.n).

encerramento da jornada". É irreprochável o julgamento.

iii) A jornada de trabalho, antes e depois da implantação do sistema É cediço que para o enquadramento na jornada excepcional

de ponto, era equivalente: "QUE não houve alteração na quantidade prevista no artigo 62, I, da CLT, exige-se, além do labor externo,

de pedidos/clientes diários da rota do depoente com a introdução do que este seja incompatível com a fixação de horários, em

controle de ponto". decorrência da impossibilidade de fiscalizar o cumprimento.

iv) A jornada de trabalho, durante todo o contrato de trabalho, deu- No caso, restou demonstrada a implementação de instrumentos de

se nos seguintes termos: De segunda a sexta: das 07:00h às controle e fiscalização indiretos, no período compreendido entre a

18:00h: "Sempre trabalhou na jornada das 7h às 18h/18h30min, de admissão do Obreiro até a rescisão contratual.

segunda a sexta, e um sábado ao mês das 8h às 13h" e "QUE o Com efeito, a testemunha identificada pelo nome de Rodrigo

depoente chegava na ré às 7h, fazia uma reunião, e saía por volta Fernandes da Silva Cambuim, cujo depoimento foi utilizado como

das 8h (...) QUE o depoente costuma encerrar o prova emprestada, demonstrou a existência de sistema de controle

atendimento/expediente entre 17h e 18h". e fiscalização de jornada empreendido pela Ré por meio de contato

Um sábado por mês: das 08:00h às 12:00h:"QUE no sábado o telefônico. Evidenciado ainda que a Ré monitorava os vendedores

depoente fazia uma reunião para tratar do fechamento do mês, na por meio de rastreamento por GPS e do palm top, instrumentos

primeira ré. QUE a reunião começava às 8h e poderia terminar a esses que inequivocamente permitiam estimar a duração do

partir das 13h. trabalho.

QUE essa reunião não tinha registro em cartão de ponto" e "QUE Assim, os elementos de prova da existência de mecanismos de

na época do reclamante já aconteceu de haver reunião, uma vez controle de jornada antes da implantação do ponto são gritantes.

por mês, ao sábado, mas, não passava de meio dia" (grifei). Conclui-se, portanto, que a ausência de formalização do controle de

Sempre com 1h de intervalo para alimentação e repouso: "Que a jornada no período anterior a maio de 2013, ou seja, do registro dos

orientação da empresa era que o vendedor observasse o intervalo horários laborados, tinha por objetivo sonegar o pagamento de

de no mínimo uma hora" e "QUE não havia fiscalização da ré horas extras, em afronta ao artigo 58 da CLT e 7.º, XIII da Carta

quanto ao intervalo e a orientação era para que o depoente Política, incidindo a Reclamada na hipótese de que trata o artigo 9.º

usufruísse não menos de 1h40". da CLT, segundo o qual "Serão nulos de pleno direito os atos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 119
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

praticados com o objetivo de desvirtuar, impedir ou fraudar a fruição desse período de tempo legal destinado à alimentação e

aplicação dos preceitos contidos na presente Consolidação.". descanso.

Acertado, pois, o entendimento adotado pela MM. Vara do Trabalho, A informação da testemunha identificada pelo nome de Rodrigo

ao afastar a incidência do artigo 62, I da CLT, na espécie. Fernandes da Silva Cambuimno sentido de que apenas usufruiria

Saliente-se, ademais, que a Reclamada não comprovou haver de 20 (vinte) minutos à meia-hora porque dependia de estar ou não

promovido qualquer alteração nas condições de trabalho para fazendo um pedido naquele momento, é insuficiente para que se

transição de suposto regime incompatível de controle e fiscalização presuma que o Empregado não tivesse condições de utilizar o

de jornada para sistema inverso. tempo regulamentar destinado ao intervalo intrajornada. Isso porque

Com relação ao período posterior à implementação do controle o Autor detinha os meios e as condições de programar a visita ao

formal de jornada, entendo que a Sentença também não merece cliente em um horário que não conflitasse com o do período

reparos. destinado ao intervalo. Ou, no caso de estender a visita além do

Como se sabe, a apreciação da matéria depende, por imposição de esperado, programar a fruição do intervalo após o encerramento da

lei, de documentação essencial a cargo do empregador (cartões de venda ao cliente específico. Neste ponto, tenho que o Demandante

ponto), a teor do § 2.º do artigo 74 do Estatuto Consolidado. sucumbiu ao encargo processual que detinha, a teor dos artigos 818

Visando a se desvencilhar do encargo probatório, a Reclamada da CLT e 373, I do NCPC.

anexou os controles de jornada a partir de maio de 2013, os quais Desse modo, considerando as alegações articuladas pelas Partes e

foram invalidados pela prova oral emprestada, por iniciativa autoral o conteúdo probatório produzido nos autos, tenho como justos e

(Proc. n. 0001509-50.2014.5.06.0141). Esclarecedora no sentido de razoáveis os parâmetros fixados pela Julgadora de primeiro grau

que tais documentos eram anotados com jornadas pré- para a condenação da Parte Reclamada ao pagamento de horas

determinadas e assinados uma vez por mês (v. fl. 435). extras, não havendo o que ser reformado, no aspecto.

Por outro lado, o horário fixado pela Julgadora de primeiro grau para Nego provimento a ambos os recursos."

apuração das horas extras, qual seja, de segunda a sexta-feira, das Confrontando os argumentos da parte recorrente com a

7h às 18h, com uma hora de intervalo e um sábado por mês, das 8h fundamentação da decisão recorrida, mostra-se inviável o

às 12h, está em consonância com a média de horários extraídos da seguimento do recurso, tendo em vista que a Turma decidiu a

prova oral produzida e atende os princípios da primazia da realidade questão com base nas normas pertinentes à matéria, consistindo o

e da razoabilidade. insurgimento do recorrente, quando muito, em interpretação diversa

Observe-se, particularmente no que diz respeito ao encerramento daquela conferida pelo Regional. Ademais, a pretensão da

da jornada nos dias de sábado, que a testemunha de iniciativa do recorrente diz respeito ao reexame de fatos e provas, o que impede

Reclamante (prova emprestada) identificada pelo nome de Rodrigo o seguimento do recurso de revista, a teor da Súmula 126 do TST.

Fernandes da Silva Cambuim, declarou que poderia encerrar a CONCLUSÃO

partir das 13h00 o que sugere a idéia de que o encerramento neste Diante do exposto, DENEGO seguimento ao Recurso de Revista.

horário ocorria de forma eventual. Assim, confirmo o julgamento, no Cumpram-se as formalidades legais.

particular, fixando o encerramento da jornada no sábado (1 por Intimem-se.

mês) às 12h00. vo/AE

Além disso, nada acrescentaram, neste aspecto, as testemunhas

ouvidas na sessão de instrução, cuja ata se encontra acostada às Assinatura

fls. 629/631. RECIFE, 24 de Outubro de 2018

Da mesma forma no que diz respeito ao intervalo para repouso e

alimentação, uma vez que comprovada a concessão de forma VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

regular. Isto porque em se tratando de serviço externo a Empresa Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

não tinha os meios de compelir o Empregado a observá-lo mas não Decisão


Processo Nº RO-0001048-49.2015.5.06.0010
se absteve da obrigação de determinar que fosse efetivamente Relator GISANE BARBOSA DE ARAUJO
usufruído. RECORRENTE CHACIM ALIMENTOS LTDA - EPP
ADVOGADO GILKA BURIL WEBER(OAB: 7704/PE)
Ademais, o Reclamante não apresentou qualquer elemento de
ADVOGADO HENRIQUE BURIL WEBER(OAB:
prova concreto de onde se pudesse extrair que o número de 14900-D/PE)
RECORRIDO JACIANE BEATRIZ SARAIVA DO
clientes e de trabalho envolvidos, durante o dia, impossibilitariam a NASCIMENTO

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 120
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ADVOGADO FLAVIO DARUI(OAB: 1204-B/PE)


atendentes faziam as mesmas coisas que a Depoente; que a
Intimado(s)/Citado(s): Reclamante exercia as mesmas atividades que a Depoente; que a
- CHACIM ALIMENTOS LTDA - EPP Reclamante chegou a ir para o caixa; que os caixas também faziam
- JACIANE BEATRIZ SARAIVA DO NASCIMENTO
sanduíches e limpeza; que a Depoente trabalhou na filial da Rua da

Hora, sendo a mesma da Reclamante" (fl. 201).

Na mesma linha, a testemunha patronal asseverou que "há


PODER diferença entre atendente e caixa; que o caixa opera o caixa, mais
JUDICIÁRIO caixa, embora faça outras atividades; que o caixa também fazia

limpeza; que todos são cientificados que devem fazer a limpeza no


Fundamentação
momento da contratação" (fl. 202).
RECURSO DE REVISTA
No estudo técnico alhures mencionado, o perito indicado pelo Juízo
Trata-se de Recurso de Revista interposto por CHACIM
a quo ressaltou que "a Reclamada apresentou a ficha de EPI's da
ALIMENTOS LTDA - EPP em face de acórdão em sede de Recurso
Reclamante nos autos, desta forma não comprovando fornecimento
Ordinário nos autos da Reclamação Trabalhista nº 0001048-
regular de EPI's" (fl. 154), o que o levou a concluir, "após a análise
49.2015.5.06.0010, figurando como recorrida, JACIANE BEATRIZ
dos locais de trabalho e dos riscos associados á função da
SARAIVA DO NASCIMENTO.
Reclamante [...] que a mesmo trabalhou em ambiente insalubre de
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
grau médio 20% durante todo o período de trabalho na Reclamada,
O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão
conforme Lei 6.514, Portaria 3.214, NR 15 anexo 14 do Ministério
recorrida se deu em 10.09.2018 e a apresentação das razões
do Trabalho e Emprego por exposição a agentes biológicos
recursais em 20.09.2018 (Ids 1654070 e 313e233).
"Trabalhos e operações em contato permanente com pacientes,
A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id
animais ou material infectocontagiante, em: Hospitais, serviços de
4ffed87).
emergência, enfermarias, ambulatórios, postos de vacinação e
Preparo efetuado corretamente (Ids b929d30, 4039e4f e e39a748).
outros" (fls. 158/159 - grifos no original).
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
Diante de tais evidências, a Magistrada sentenciante adotou as
ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
conclusões inseridas no laudo pericial, firmando convencimento no
Alegações:
sentido de que a reclamante laborou em contato com agentes
- contrariedade à OJ 4 da SBDI-1 do TST;
biológicos insalutíferos, pelo que deferiu o pedido de pagamento de
- violação aos artigos 190 e 790-B da CLT; e
adicional de insalubridade, em grau médio (fls. 207/208).
- divergência jurisprudencial.
De início, cumpre frisar que, consoante se extrai da inteligência do
Atendendo aos requisitos para conhecimento de seu recurso, a
art. 479, do NCPC, o magistrado não se encontra adstrito às
recorrente insurge-se contra o pagamento de adicional de
conclusões do laudo pericial, incumbindo ao julgador sopesar todas
insalubridade em grau médio. Alega que a ausência de elementos
as provas produzidas e delas extrair seu livre convencimento,
probatórios que indiquem a exposição danosa do trabalhador. Aduz
expondo-o de forma fundamentada.
que inexiste previsão legal para a concessão de adicional de
Destarte, analisando o conjunto probatório carreado aos fólios,
insalubridade por agente equiparado a álcalis cáusticos, contrária é
pondero que não forma produzidos elementos capazes de infirmar
a decisão ao texto de lei do art. 190 da CLT e a redação da
as conclusões esposadas no laudo pericial e na sentença
Orientação Jurisprudencial nº 4, item I, da SBDI-1 do TST. Pede
revisanda.
também a improcedência do pagamento de honorários periciais,
Com efeito, restou incontroverso nos autos que a reclamante
conforme dispõe o artigo 790-B da CLT.
mourejava, de maneira habitual e intermitente, limpando e coletando
Extraio do acórdão os seguintes fundamentos:
lixo de banheiros do estabelecimento comercial demandado,
Do adicional de insalubridade.
lanchonete em que há uma considerável circulação diária de
(...)
pessoas, de modo que suas instalações sanitárias são de uso
A prova deponencial colhida durante a instrução do feito confirmou
coletivo, não se tratando, pois, de atividade de limpeza equiparada
os misteres atribuídos à obreira, tendo a testemunha por ela
àquela realizada em residências ou escritórios.
apresentada afirmado que "fazia tudo na empresa, embora na
(...)
CTPS esteja anotada a função de atendente; que varria, limpava
Dos honorários periciais.
banheiro, fazia sanduíche, só não ia ao caixa; que todas as

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 121
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ADVOGADO FILIPE ALVARES DA SILVA


A reclamada pugna pela redução do importe fixado a título de LIRA(OAB: 40862/PE)
RECORRIDO GALVÃO ENGENHARIA S/A
honorários periciais, adequando-o ao grau de complexidade e à
ADVOGADO LEONARDO NOVAES COELHO DE
extensão do trabalho realizado. CASTRO(OAB: 118694/RJ)
ADVOGADO RICARDO DE ALMEIDA(OAB:
In casu, por não existir uma tabela pré-fixada para os honorários 184200/SP)
periciais, exige-se que o magistrado arbitre o importe de tal verba, ADVOGADO DAYANA DOS ANJOS RODRIGUES
MATTOS MAGALHAES(OAB:
levando em consideração, em sua avaliação subjetiva, diversos 160135/RJ)
RECORRIDO CONSÓRCIO ALUSA - CBM
aspectos, dentre eles: a complexidade do trabalho, o desempenho
ADVOGADO LUCIANA ARDUIN FONSECA(OAB:
do expert, as despesas efetuadas, o grau de dificuldade na 143634/SP)
RECORRIDO PETROLEO BRASILEIRO S/A -
respectiva averiguação, dentre outros. Também não pode deixar de PETROBRAS
ter em conta a realidade salarial vigente na região. ADVOGADO RICARDO SANTANA BISPO(OAB:
2676/SE)
Sopesando tais questões concluo que, no particular, a fixação dos ADVOGADO NILTON ANTONIO DE ALMEIDA
MAIA(OAB: 67460/RJ)
honorários periciais, no valor de R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos
ADVOGADO THIAGO FRANCISCO DE MELO
reais), revelou-se demasiadamente excessiva, tendo em vista a CAVALCANTI(OAB: 23179-D/PE)

natureza do objeto em análise e o tempo demandado na produção


Intimado(s)/Citado(s):
do trabalho.
- BARBOSA ALVARES & CIA LTDA - ME
Provejo, por conseguinte, o recurso patronal para reduzir a R$ - CONSÓRCIO ALUSA - CBM
2.000,00 (dois mil reais) o montante fixado a título de honorários - EDYMAR DOS SANTOS SANDRES
- GALVÃO ENGENHARIA S/A
periciais.
- PETROLEO BRASILEIRO S/A - PETROBRAS
(...)

Confrontando os argumentos da parte recorrente com os

fundamentos do acórdão impugnado, tenho que a revista não


PODER
comporta processamento, pois o Regional decidiu as questões
JUDICIÁRIO
veiculadas no presente apelo com base na legislação pertinente e

no conjunto probatório contido nos autos. Não vislumbro, portanto, Fundamentação


as violações apontadas. Noutra senda, as alegações recursais em RECURSO DE REVISTA
sentido contrário implicaria, necessariamente, o reexame de fatos e Trata-se de Recurso de Revista interposto por EDYMAR DOS
provas - procedimento que encontra óbice na Súmula nº. 126 do SANTOS SANDRES, em face de acórdão proferido em sede de
TST e inviabiliza a divergência jurisprudencial específica (Súmula julgamento de Recurso Ordinário, nos autos da Reclamação
nº. 296, item I, TST). Trabalhista nº. 0000148-75.2015.5.06.0201, figurando como
CONCLUSÃO recorridas, BARBOSA ÁLVARES & CIA. LTDA. - ME, GALVÃO
Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista. ENGENHARIA S/A, ALUMINI ENGENHARIA S/A e PETRÓLEO
Cumpram-se as formalidades legais. BRASILEIRO S/A - PETROBRÁS.
Intimem-se. PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
/mscs/AE O apelo é tempestivo, tendo em vista a publicação da decisão

recorrida em 16/08/2018 e a apresentação das razões deste apelo


Assinatura em 17/08/2018, conforme se pode ver dos documentos de Ids
RECIFE, 24 de Outubro de 2018 927f64c e 6089c6b.

A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id


VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO 1a0d161).
Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região Preparo dispensado (Id 3ece2ac).
Decisão PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
Processo Nº RO-0000148-75.2015.5.06.0201
Relator MARIA DO SOCORRO SILVA LIDE SIMULADA
EMERENCIANO
RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DA PETROBRÁS
RECORRENTE EDYMAR DOS SANTOS SANDRES
ADVOGADO CARLOS EDUARDO PESSOA DE DA APRECIAÇÃO DA PROVA DOCUMENTAL
MIRANDA(OAB: 12489/PE)
DA OMISSÃO EXISTENTE NO ACÓRDÃO
RECORRIDO BARBOSA ALVARES & CIA LTDA -
ME Alegações:

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 122
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

- contrariedade à Súmula 331, IV, do TST; relação aos fatos descritos no comando sentencial - comprovação

- violação aos artigos 5º, XXXV, XXXVI, LV e LVII, da CF; 489, § 1º, de que laborou na obra de transposição do Rio São Francisco, bem

1.022 do CPC; como, que a empresa Barbosa Álvares & Cia. Ltda. é uma empresa

Atendendo aos requisitos formais para conhecimento do seu apelo, investigada na operação Lava-Jato.

previstos no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a parte recorrente Acerca das matérias transcrevo os seguintes trechos do acórdão

insurge-se contra o acórdão que manteve a sentença monocrática, recorrido:

quanto à extinção do processo, sem resolução do mérito, por "Consoante constou do relatório supra o recorrente se insurge

entender ter havido lide simulada. Diz que "O fato de não haver contra o indeferimento da responsabilidade subsidiária das

defesa expressa, é de ser considerada como tácita, já que quando empresas Galvão Engenharia S/A, Consórcio ALUSA-CBM

da reabertura da INSTRUÇÃO PROCESUAL, a primeira empresa (ALUMINI ENGENHARIA E BARBOSA MELO) bem como da

Reclamada, foi intimada através da sua PATRONA, e, mesmo, Petróleo Brasileiro S/A-PETROBRÁS nos terrmos da Súmula 331,

assim, quedou-se silente, diante dos fatos descrito na peça atrial em IV do C. TST, sob argumentos de serem tomadoras de serviços não

consonância com a PROVA DOCUMENTAL careada ao presentes fiscalizou o cumprimento da prestação de serviços, permitindo o

fólios, além da DEFESAS apresentados pelos demais Reclamado. descumprimento de direitos trabalhistas. Não se conforma, assim,

Assim, tornou-se incontroverso o fato de que o com a aplicação do disposto na OJ nº. 191 da SDI-I do TST.

Reclamante/Recorrente, laborou para o 1º Reclamado BARBOSA Aduz que o simples fato de omitir-se quanto ao nome fantasia não é

ÁLVARES & CIA. LTDA - ME, na função de ENCARRREGADO DE suficiente para que seja configurada lide simulada, como entendeu

OBRA, no período de NOVEMBRO à AGOSTO de 2014, isto em o Juízo de Primeiro Grau.

relação aos contratos, acostados aos presentes fólios." Assevera Argumenta ter sido contratado pelo primeiro reclamado para prestar

que os fatos afirmados na sentença, ratificados no acórdão, não serviços para a segunda e terceira empresas e em face disso incluiu

possuem relação com a narrativa fática da atrial. Ressalta que a no polo passivo da ação e requereu a responsabilidade delas.

empresa Barbosa Álvares & Cia Ltda. foi contratada pelas empresas Pontua que foi admitido pelo funcionário Clodoaldo, gerente da obra

Galvão Engenharia S/A e pelo Consórcio ALUSA-CBM, para prestar em que houve a prestação de serviços e que demonstrado nos

seu mister na obra da Refinaria Abreu e Lima - RNEST, como autos do processo 0000147-90.506.0201, ajuizado por aquele

demonstra a prova documental. Pondera que "Em nenhum último empregado.

momento à empresa PÉTROLEO BRASILEIRO S/A, veio aos autos Obtempera que pelos depoimentos do Sr. Clodoaldo no processo nº

para afirmar que à presente demanda é uma FRAUDE com a 0000774-21.2015.5.06.0193, bem como do Sr. Boaventura, nos

finalidade de 'obtenção de valores públicos', já que apontada como autos da nº 0000147- 90.2015.5.06.0193, comprovam que a

responsável de forma subsidiária. Ao contrário do que alega o empresa Barbosa Alvares & CIA Ltda - ME (cujo nome fantasia é

Douto Juízo Monocrático, e, mantido pelo Egrégio Regional, o MYLLER CONSTRUÇÕES), de fato, efetivou a contratação de

apontamento da responsabilidade da empresa PETRÓLEO Obreiros na Cidade de Vitória de Santo Antão, dentre eles o

BRASILEIRO S/A, decorre da sua culpa in vigilando, isto nos termos Reclamante, para laborar na Obra da Refinaria Abreu e Lima, na

do que dispõe a Súmula 331, IV, do Egrégio Tribunal Superior do qualidade de subempreiteira das empresas GALVÃO

Trabalho." Aduz que os documentos juntados com o recurso ENGENHARIA S/A e o CONSÓRCIO ALUSA CBM (CONSÓRCIO

ordinário foram entregues pelo Sr. Clodoaldo e outros obtidos nos composto pelas empresas ALUMINI ENGENHARIA S/A e

autos de Ações de Execução de Título Extrajudiciais movidas pela CONSTRUTORA BARBOSA MELLO S/A).

empresa Barbosa Álvares & Cia Ltda. - ME, contra as empresas Pois bem.

participantes do Consórcio Alusa-CBM, sendo certo que tais Em situação análoga a dos autos, envolvendo o mesmo patrono do

documentos tem a finalidade de contrapor os termos da sentença, recorrente e as mesmas reclamadas, esta E. Turma por

uma vez que o juízo a quo invocou e citou fatos totalmente distintos unanimidade manteve a decisão que, reconheceu a existência de

(que as empresas integrantes do pólo passivo estavam envolvidas lide simulada, com o intuito de obter um resultado que subverte a

na Lava Jato e fatos relacionados às obras da transposição do Rio competência constitucional da Justiça do Trabalho, invocando as

São Francisco). Indaga onde existe nos autos narrativa de que ela disposições do art. 142, c/c 485 do vigente Código de Processo Civil

recorrente laborou nas obras do Rio São Francisco, bem como, que e extinguiu o feito sem julgamento de mérito, nos autor do Processo

a ex-empregadora, Barbosa Álvares & Cia. Ltda. é investigada na RO-0000161-74.2015.5.06.0201, conforme fundamentação do

operação lava jato. Por fim, ressalta a omissão do acórdão em recente acórdão publicado em 07 de junho de 2018, de lavra do

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 123
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Excelentíssimo Desembargador Sergio Torres Teixeira, o que por contratos de trabalho.

economia e celeridade processuais, aqui peço vênia e utilizo como Além disso, registrou:

razões decidir: Considerando a ausência do reclamante, fica prejudicado seu

(...) depoimento, sendo dispensada a oitiva dos reclamados, bem como

Abstraindo-se da confusa redação das razões de recurso, com a a prova oral.

desnecessária transcrição integral de peças integrantes deste Trata-se de uma das dezenas de ações ajuizadas nesta Vara, cujas

processo e de outros, tem-se que se trata de demanda em que o petições iniciais são idênticas, com indicação de período contratual

autor pretende o recebimento de verbas tipicamente trabalhistas, de 04/11/2013 a 30/08/2014; com indicação de salário de R$ 820,60

requerendo a responsabilidade subsidiária das demais empresas por mês; com indicação de função de servente/sinaleiro/loneiro;

integrantes do polo passivo, a pretexto da existência de com indicação de uma extenuante jornada de trabalho, como sendo

terceirização. das 5h às 23h, de segunda a sexta, e das 5h às 16h aos sábados;

Apreciando a lide, o Juízo de Origem extinguiu, sem resolução do com indicação de que a dispensa se deu sem justa causa e sem

mérito, os pedidos formulados na presente ação, em virtude da pagamento de verbas rescisórias. Chegou ao conhecimento deste

existência de lide simulada. Juízo que as empresas integrantes do polo passivo se encontram

A magistrada convenceu-se de houve a repetição injustificada de todas envoolvidas na chamada Operação Lava Jato, e em especial

numerosas demandas em que houve a postulação de pedidos no que diz respeito às obras de transposição do Rio São Francisco.

idênticos, sempre com a ausência da empresa, indicada como Em alguns dos processos em curso nesta Vara já foram colhidos

empregadora, o que resultaria, em última instância, no depoimentos de alguns dos reclamantes, sendo certo ainda que

redirecionamento dos atos de execução, em caso de procedência, existem documentos juntados após a audiência anterior adiada pelo

contra as empresas supostamente tomadoras de serviço e que MM. Juiz Substituto. Chegou ainda ao conhecimento deste Juízo

usufruem de idoneidade financeira para tanto. que o advogado da parte autora adentrou com pedido de

As conclusões apresentadas na sentença foram extraídas após a providências junto ao E. Regional com o objetivo de desvincular

audiência realizada em 29/7/2015, oportunidade em que determinou esta Magistrada dos processos, pretensão que foi indeferida pelo

a reabertura da instrução, com base nos fundamentos abaixo (fl. Exmo. Desembargador Corregedor.

1118 - ID N° 48b06a6): Frente a tudo o que acima exposto, fica determinado o seguinte:

Na sessão anterior, o Juízo havia dispensado os depoimentos a) as partes e advogados aqui presentes ficam cientes de que

pessoais e a prova oral. No entanto, considerando elementos que nenhum outro documento deverá ser anexado aos autos, uma vez

chamaram a atenção do Juízo, em relação às reclamações 147, que há muito já decorreu o prazo para a prática do ato processual,

194, 195, 196 e 197/2015, entre outras, tais como local de conforme já estabelecido na primeira audiência já realizada;

prestação de serviços, não apresentação de defesa pela alegada b) fica concedido o prazo comum de 05 dias às partes para que se

empregadora, contrato clandestino, jornada de trabalho idêntica - pronunciem sobre os documentos que foram acostados aos autos e

independente da função - o Juízo, na forma do art. 765 da CLT, sobre os quais não havia sido concedido prazo para a

revogou a determinação anterior e resolveu reabrir a instrução para manifestação;

depoimentos pessoais e produção de prova oral. A parte autora e a c) juntada pela Secretaria do pedido de providência e da decisão

Petrobrás serão cientificadas através de seus advogados, via DEJT, proferido pelo Exmo. Corregedor nestes autos;

e a Barbosa Álvares via postal. A Alumini e a Galvão Engenharia d) juntada pela Secretaria das petições iniciais, bem como das atas

ficam cientes nesta oportunidade. nas quais foram colhidos os depoimentos dos reclamantes relativos

Para depoimentos pessoais (Súmula 74) e produção de prova oral, aos processos 246/2015, 247/2015, 548/2015, 549/2015 e

fica reservada a data abaixo. 550/2015;

Em 5/10/2016 em audiência realizada, em que presentes todas as e) em relação aos expedientes de itens C e D, não há necessidade

partes, acompanhadas de advogado, designou-se audiência de de concessão de prazo para manifestação às partes, tendo em vista

instrução para 1/2/2017, com a advertência de pena de confissão. que em relação ao do item C tratou-se de procedimento aditado

Na audiência realizada em 1/2/2017, o autor não compareceu e, pela parte autora, enquanto que em relação ao D as reclamadas já

conforme documento de fl. 1349 (ID n° 3fd20d2), a magistrada têm pleno conhecimento, tanto que já apresentaram defesa nos

consignou em ata a existência de diversas ações, com identidade respectivos autos.

de petições iniciais, inclusive relativa à data dos respectivos A fraude processual entre as partes que caracteriza a lide simulada

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 124
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

é combatida pelo sistema processual com a extinção do processo Com base nos fundamentos, mantenho a sentença que,

sem resolução do mérito pois, se lide não há, sequer provimento reconhecendo a existência de lide simulada, com propósito de obter

jurisdicional meritório deve haver. Esse é o teor do art. 142 do CPC: um resultado que subverte a competência constitucional da Justiça

Art. 142. Convencendo-se, pelas circunstâncias, de que autor e réu do Trabalho, invocando as disposições do art. 142, c/c 485 do

se serviram do processo para praticar ato simulado ou conseguir fim vigente Código de Processo Civil, extinguiu o feito sem julgamento

vedado por lei, o juiz proferirá decisão que impeça os objetivos das de mérito.

partes, aplicando, de ofício, as penalidades da litigância de má-fé. Recurso a que se nega provimento.

Não se ignora a dificuldade da prova da lide simulada, Este também foi o entendimento da 3ª Turma deste Sexto Regional,

normalmente, extraída de indícios e presunções e fatalmente quando do julgamento dos recursos ordinários interpostos nos autos

coibida com a extinção processual sem apreciação meritória pois, do processo nº 0000144-38.2015.5.06.0201por Cecílio Amâncio

ante à mácula ao sistema processual e a má-fé que a envolve, não Pereira Filho e Barbosa Àlvares & Cia. Ltda-ME, cuja relatoria ficou

deve sequer ter prosseguimento, como assim o fez a juíza. a cargo da Exma. Desembargadora Viriginia malta Canavarro.

As razões de recurso não são hábeis a infirmar os graves fatos De se concluir que o Juízo de Primeiro Grau apreciou de forma

apurados pela magistrada condutora do feito que, justamente pela escorreita as questões não restando dúvidas na caracterização da

proximidade com que mantém com as partes na Primeira Instância lide simulada, de modo que se mantém a sentença que extinguiu o

e, especialmente diante da circunstância de ser titular da respectiva processo sem resolução de mérito.

Vara do Trabalho, mantendo contato com inúmeras reclamações Diante do exposto, não conheçodos documentos apresentados com

idênticas, é quem melhor dispõe de meios para identificar a o recurso; e no mérito nego provimento ao recurso."

existência de lide simulada. Confrontando os argumentos expostos nas razões recursais com os

Chama atenção deste Juízo, o fato de a parte autora não ter fundamentos do acórdão impugnado, tenho que a revista não

comparecido à audiência em que deveria depor, muito embora comporta processamento, pois o Regional decidiu as questões

tenha pretendido juntar documentos na fase recursal, sem qualquer veiculadas no presente apelo, com base no conjunto probatório

fato a justificar o justo impedimento para juntada oportuna. contido nos autos e na legislação pertinente à matéria. Não

Observe-se que os argumentos trazidos em razões de recurso, vislumbro, portanto, as violações e as contrariedades invocadas,

como o fato não se ter negado o vínculo de emprego pela primeira consistindo o insurgimento da recorrente, tão somente, no

reclamada, bem como a existência incontroversa de contrato de inconformismo com a solução dada à lide ou, quando muito,

prestação de serviços mantido entre as outras empresas integrantes interpretação diversa daquela conferida pelo Regional.

do polo passivo, assim como a defesa delas circunscrita à ausência Ademais, as alegações lançadas pela parte, em sentido diverso,

de interveniência direta no modo de prestação de serviços, não somente seriam aferíveis através de reexame das provas carreadas

afastam, de modo absoluto, a conclusão constante da sentença, ao feito, o que não é possível por meio desta via recursal (Súmula

mesmo porque a simulação litigiosa foi delimitada entre o autor nº 126 do TST). Apenas para argumentar, ressalto que os julgados

desta reclamação (MARCOS ROBERTO ESTEVAO CALEO) e a apresentados não se prestariam a comprovar o confronto de teses,

empresa BARBOSA ALVARES & CIA LTDA - ME. posto que não advêm de qualquer dos órgãos elencados no artigo

Não foi a omissão quanto ao nome fantasia que justificou o 896, a, da CLT.

reconhecimento da fraude processual pelo Juízo de Origem, mas o CONCLUSÃO

fato de a juíza ter se deparado com instruções de processos Diante do exposto, DENEGO seguimento ao recurso de revista.

idênticos, sem qualquer particularidade a individualizar os contratos Cumpram-se as formalidades legais.

de trabalho. Intimem-se.

A essa altura, não releva as alegações de que fora contratado pelo AE/vmm

primeiro reclamado para prestar serviços para a segunda e terceira Assinatura

empresas, questões afetas á análise meritória e que sequer RECIFE, 24 de Outubro de 2018

chegaram a ser apreciadas.

Os fatos aqui relatados e objeto de irresignação da parte recorrente VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

já foram apreciados com o devido cuidado na sentença, em que Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região

consta remessa de ofícios aos órgãos competentes para Decisão


Processo Nº ROPS-0000081-52.2018.5.06.0251
investigação e apuração dos fatos, inclusive na esfera penal. Relator NISE PEDROSO LINS DE SOUSA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 125
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

RECORRENTE EMANOEL FRANCISCO BEZERRA


DA SILVA f7f3093).
ADVOGADO ADNA PATRICIA PESSOA Regular o preparo (Ids 745942d, 9626bf5, b21d009, 91c4f50 ,
RIBEIRO(OAB: 37833/PE)
ADVOGADO FABIO JOSE FERREIRA FILHO(OAB: 21efee0).
33669/PE)
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
ADVOGADO AGRON CORREA GONDIM
PEREIRA(OAB: 33648/PE) DA NULIDADE PROCESSUAL/CERCEAMENTO DO DIREITO DE
ADVOGADO THIAGO ALVIM MIRANDA DE
OLIVEIRA(OAB: 35096/PE) DEFESA
ADVOGADO LUIZ HENRIQUE DA SILVA DA REVERSÃO DA JUSTA CAUSA
REIS(OAB: 43161/PE)
RECORRENTE RODOVIARIA BORBOREMA LTDA DAS HORAS EXTRAS E REFLEXOS
ADVOGADO EDUARDO MACIEIRA RIBEIRO DE DO INTERVALO INTERJORNADAS
PAIVA(OAB: 38018-D/PE)
ADVOGADO BRUNA MARIA AMORIM DE Alegações:
AQUINO(OAB: 35656/PE)
- violação aos artigos 5º, II, LIV, LV, XXXIX, 7º, XII, XXVI, XXVII,
ADVOGADO Jairo Cavalcanti de Aquino(OAB: 1623-
D/PE) XXVIII, 8º, da CF; 59, 66, 71, 482, "e", 611, 612, ss, "A", 818, 820,
RECORRIDO RODOVIARIA BORBOREMA LTDA
848, 889, da CLT; 371, do CPC; e
ADVOGADO EDUARDO MACIEIRA RIBEIRO DE
PAIVA(OAB: 38018-D/PE) - divergência jurisprudencial.
ADVOGADO BRUNA MARIA AMORIM DE
AQUINO(OAB: 35656/PE) Cumprindo as exigências para conhecimento do seu apelo,
ADVOGADO Jairo Cavalcanti de Aquino(OAB: 1623- previstas no art. 896, § 1º-A, incs. I a III, da CLT, a recorrente pede
D/PE)
ADVOGADO CLAUDIO COUTINHO SALES(OAB: a nulidade do processo por cerceamento ao seu direito de defesa e
28069/PE)
ofensa ao contraditório. Irresigna-se contra o indeferimento do
RECORRIDO EMANOEL FRANCISCO BEZERRA
DA SILVA depoimento do reclamante por considerar que oitiva da parte
ADVOGADO ADNA PATRICIA PESSOA
RIBEIRO(OAB: 37833/PE) adversa é importante para o deslinde da questão e que objetiva a
ADVOGADO FABIO JOSE FERREIRA FILHO(OAB: confissão do recorrido. Mostra-se inconformada, também, com o
33669/PE)
ADVOGADO AGRON CORREA GONDIM acórdão que, mantendo a decisão de piso, reverteu a dispensa por
PEREIRA(OAB: 33648/PE)
justa causa aplicada ao reclamante. Assevera ter comprovado que o
ADVOGADO THIAGO ALVIM MIRANDA DE
OLIVEIRA(OAB: 35096/PE) autor foi demitido por justo motivo por desídia em virtude de faltas
ADVOGADO LUIZ HENRIQUE DA SILVA
REIS(OAB: 43161/PE) injustificadas.. Sustenta que a reclamada desincumbiu-se do ônus

da prova, eis que demonstrada a falta grave cometida pelo


Intimado(s)/Citado(s):
reclamante. Busca a reforma do julgado para que, seja reconhecida
- EMANOEL FRANCISCO BEZERRA DA SILVA
- RODOVIARIA BORBOREMA LTDA a dispensa por justa causa, e julgados improcedentes os pleitos de:

aviso prévio indenizado, 13º salário proporcional, férias

proporcionais acrescidas de 1/3, multa de 40% do FGTS e liberação

do saldo fundiário. Na sequência, alega ser indevida a condenação


PODER
ao pagamento de horas extras e repercussões, inclusive as
JUDICIÁRIO
referentes a não concessão integral do intervalo interjornadas.
Fundamentação Discorre que o reclamante não logrou desincumbir-se do ônus da

prova de invalidade das guias e de demonstrar diferenças


RECURSO DE REVISTA específicas de horas extras, mediante cotejo específico dos
Trata-se de Recurso de Revista interposto por RODOVIÁRIA documentos de controle de frequência e contracheques.
BORBOREMA LTDA., em sede de Recurso Ordinário em Alternativamente, pede a exclusão da hora extra deferida, para além
procedimento sumaríssimo, nos autos da Reclamação Trabalhista do condeno ao pagamento de adicional de 50% (cinquenta por
0000081-52.2018.5.06.0251, figurando, como recorrido, EMANOEL cento). Prossegue dizendo ser indevida a condenação no intervalo
FRANCISCO BEZERRA DA SILVA. interjornadas sob o argumento de que artigo 66, consolidado, não
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS prevê o pagamento de adicional. Segue dizendo, que a supressão
O apelo é tempestivo, tendo em vista que a publicação da decisão do intervalo em epígrafe, implica, no máximo, em autuação e multa
recorrida se deu em 20/08/2018 e a apresentação das razões pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego. Busca a
recursais em 30/08/2018 - Ids 7e61f15, c9a69a9. reforma do julgado para que seja declarada a improcedência das
A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id horas extras além da oitava diária. Irresigna-se contra a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 126
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

condenação ao pagamento dos dias de domingos e feriados as demais provas constantes dos autos foram suficientes para o

laborados. Defende que o reclamante não indicou os dias a serem deslinde das controvérsias ventiladas pelas partes. Registrou, para

adimplidos, isto, mediante impugnação aos documentos. Copia tanto, que "a persuasão racional justifica a atitude do MM. Juízo a

jurisprudência para confronto teses. quo que, não vislumbrando utilidade com a tomada dos

Transcrevo os fundamentos da decisão atacada: depoimentos das partes ao deslinde da controvérsia, dispensou-os".

"Da arguição de cerceio de defesa Nos termos do art. 765 da CLT, o Juízo tem ampla liberdade na

Tal arguição, invocada como preliminar, deve ser analisada como direção do processo, devendo velar pelo rápido andamento da

matéria de mérito, mesmo porque a decisão apresenta todos os causa. Por sua vez, o art. 130 do CPC/73 dispõe que cabe ao juiz,

requisitos estabelecidos pelos arts. 832 da CLT, 489 do CPC/15 e de ofício ou a requerimento da parte, determinar as provas

93, IX, da Constituição Federal, não podendo ser reputada como necessárias à instrução do processo, indeferindo as diligências

nula. inúteis ou meramente protelatórias. Nesse contexto, a dispensa do

Pois bem. Inconforma-se a reclamada com o procedimento adotado depoimento da reclamante, possibilidade conferida ao julgador, não

pelo juízo de origem, que dispensou o depoimento das partes. representa, no caso, prejuízo à defesa, uma vez que toda a matéria

Alega que houve o cerceamento do seu direito de defesa, uma vez fática dita controvertida foi resolvida pelo Juízo com amparo no

que pretendia provar fatos a partir da confissão do autor. acervo probatório, suficiente ao deslinde das questões.

Não procede o inconformismo, pois não constitui cerceamento do Precedentes. Recurso de revista de que não se conhece. (...)" (RR -

direito de defesa a dispensa, pelo magistrado, do depoimento 1659-62.2011.5.06.0003, Relator Ministro: Cláudio Mascarenhas

pessoal dos litigantes. É que, a teor do disposto no art. 848 da CLT, Brandão, Data de Julgamento: 10/05/2017, 7ª Turma, Data de

o interrogatório das partes constitui mera faculdade conferida ao juiz Publicação: DEJT 19/05/2017)

e não uma imposição, valendo destacar, ainda, que o magistrado Nego provimento.

tem ampla liberdade na direção do processo, cumprindo-lhe velar Da reversão da justa causa

pelo rápido andamento da causa (art. 765 da CLT), bem como é A reclamada não se conforma com a sentença que reverteu a justa

livre o seu convencimento motivado (artigo 371, CPC/2015), causa imputada ao reclamante. Afirma que o obreiro foi demitido em

podendo dispensar os depoimentos das partes, bem como a razão de mau procedimento, previsto na alínea "b" do art. 482 da

produção de qualquer outra prova, quando conclui que já existem CLT. Disse que o reclamante ""sujava" os cartões de bilhetes

nos autos elementos suficientes para a sua convicção. (conduta de utilizar um cartão que não pertence à viagem; o

Neste sentido, inclusive, o entendimento do C. TST, conforme se empregado abre a viagem com um bilhete comprado em valor

observa nos seguintes julgados: inferior ao efetivamente pago pelo usuário; para tanto, utilizava-se

"(...). AGRAVO DE INSTRUMENTO INTERPOSTO PELA de seu próprio cartão e reutilizava os das viagens dos usuários) e,

RECLAMADA. RECURSO DE REVISTA. DISPENSA DO em seguida, girava a catraca sem que nenhum passageiro

DEPOIMENTO PESSOAL DO RECLAMANTE. CERCEAMENTO passasse por ela, emitindo passagens locais, mais baratas."

DE DEFESA. INOCORRÊNCIA. A parte agravante não apresenta Acrescentou que o autor cometeu outras infrações, como, por

argumentos capazes de desconstituir a juridicidade da decisão de exemplo, deixar uma passageira viajar na parte dianteira do ônibus,

prelibação do recurso de revista, à míngua de demonstração de sem passar pela catraca, embora tivesse pago a viagem. Juntou

pressuposto intrínseco previsto no art. 896 da CLT. Não se cogita algumas penalidades que imputou ao obreiro, tais como

de cerceamento do direito de defesa, pelo indeferimento da oitiva da advertências e suspensões.

parte adversa, se o magistrado considera os elementos de prova Pois bem.

dos autos suficientes para formar seu convencimento, à luz da Inicialmente, impende esclarecer que o princípio da continuidade da

teoria da persuasão racional (art. 131 do CPC/1973) e da ampla relação de emprego milita em favor do empregado. Assim, a justa

liberdade do magistrado trabalhista na direção do processo (art. 765 causa, por se tratar da mais séria penalidade imputada ao

da CLT). Agravo de instrumento a que se nega provimento." (ARR - empregado e por acarretar indubitáveis repercussões na sua vida

208300-21.2009.5.06.0143, Relator Ministro: Walmir Oliveira da pessoal e profissional, deve ficar bastante clara e comprovada nos

Costa, Data de Julgamento: 14/06/2017, 1ª Turma, Data de autos.

Publicação: DEJT 19/06/2017) E, in casu, tenho que a empresa não se desincumbiu do seu ônus

"(...). CERCEAMENTO DE DEFESA. DISPENSA DA OITIVA DA de comprovar o alegado ato ilícito praticado pelo obreiro, que

PARTE ADVERSA. Na hipótese, a Corte de origem reconheceu que ensejou a aplicação da justa causa.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 127
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

Como se vê, a demandada juntou aos autos algumas fotos do Nesse contexto, comungo com o entendimento esposado pelo juízo

interior do veículo, bem como um CD com filmagem, em que tenta de primeiro grau, que com bastante zelo e acuidade analisou a

comprovar a irregularidade cometida. matéria, a cujos fundamentos me reporto como razões de decidir:

No caso em apreço, entendo que o conjunto probatório é frágil, não "(...)

sendo suficiente para a comprovação de falta grave a ensejar a Analisando as filmagens apresentadas através do DVD depositado,

ruptura do contrato laboral por justo motivo. Isso porque, da análise verifica-se que não são de boa qualidade. As imagens ficam

das fotos, bem como do vídeo apresentado, não se consegue travando durante a transmissão. Das imagens, não consegui

constatar qualquer irregularidade cometida pelo obreiro. perceber nenhuma atitude fraudatória, no sentido de ficar com o

A testemunha da reclamada, o Sr. Pedro Paulo Braz Viana, visando dinheiro das passagens de algum usuário. Não se vê o recebimento

comprovar a justa causa alegada, assim disse: de dinheiro algum de forma suspeita. O único fato diferente ocorre

"(...); que tem ciência de que está sendo filmado, seja trabalhando pelo fato de uma passageira permanecer na parte dianteira do

como motorista ou cobrador; que o motivo da demissão do autor foi ônibus durante toda a viagem, mas se percebe também que a

porque houve evasão de renda; que a filmagem indicou o autor mesma passa seu cartão no final, antes de desembarcar. Os vídeos

rodando a catraca sem passageiros, ou seja, validando cartões; (...); não são suficientes para se enquadrar o ato como mau

que o idoso não passa na catraca, fica antes; que pode o cobrador procedimento ou, como narrado pela empresa, de evasão de

ficar com os cartões dos passageiros, passando o cartão de divisas. Além disso, a explicação para essas atitudes será

pessoas doentes ou quando ingressa no veículo pessoas justificada mais à frente.

embriagadas, porque eles pedem; (...); que o cobrador pode utilizar Sobre as demais condutas que são normalmente praticadas pelos

o seu cartão durante o trajeto, desde que não esteja vinculado ao cobradores, disse Samuel, de forma bem elucidativa:

sistema de abertura da viagem, como por exemplo não estar "que diariamente acontece problema com os cartões, sejam danos

trabalhando; que o cartão do cobrador pode ser usado junto com o ou ausências; que poderia ficar com os cartões dos passageiros,

do motorista apenas para a abertura e fechamento do sistema; que passando o cartão de pessoas idosas ou quando ingressa no

se apenas o cartão do motorista for utilizado para abrir a viagem, é veículo pessoas embriagadas, porque eles pedem; que a empresa

possível fazer uso do cartão do cobrador para liberar o acesso de não obriga que o cobrador fique com o cartão dessas pessoas, mas

terceiros; que não é permitido ao cobrador colocar a mão na o cobrador fica com os mesmos, para evitar que o passageiro

catraca, mas algumas vezes quando ela fica em "x", e o passageiro danifique o cartão, ou quando também quando o passageiro vai

não consegue colocar na posição normal, ocorre a ajuda, o que é para um destino de maior distância e só vai pagar a passagem ao

permitido pela ré; (...); que há situações em que o passageiro passa final; que não é comum, mas acontece de o passageiro embarcar e

por baixo da catraca, quando há defeito no sistema e não houve ainda ter que procurar o dinheiro para pagar a passagem; que o

ainda uma ordem para liberação da catraca; que quando o chip cartão fica com o cobrador até que o passageiro pague em dinheiro

queima na coleta, sendo informado à fiscalização, há autorização a passagem;"

para liberar a catraca; (...); que há orientação para que o cobrador Prossegue afirmando que: "que não é permitido ao cobrador colocar

não ajude o passageiro para apresentar o cartão, mas que por a mão na catraca, mas algumas vezes quando ela fica em "x", e o

vezes o faz, em razão de alguns passageiros serem leigos; que é passageiro não consegue colocar na posição normal, ocorre a

possível em tais casos a ajuda do cobrador; (...)" (ID. c1cc938 - ajuda; que é possível o defeito da catraca, ficando na posição do

Págs. 3 e 4) Grifei. "x"; que é informado ao fiscal quando a catraca aparente defeito e aí

Como se observa desse depoimento, embora existissem regras o fiscal autoriza o giro com a mão por parte do cobrador; que se a

definidas pela empresa, sempre havia alguma situação em que o catraca ficar destravada, escuta-se um bip, com som muito

empregado podia não cumpri-las. Da análise do vídeo apresentado, incômodo; que nessas situações, o cobrador precisa rodar a catraca

bem como das fotos constantes do ID f3a9ced, não se consegue com as mãos, sendo informado à fiscalização; que há situações em

observar as ações concretas do reclamante conforme relatado na que o passageiro passa por baixo da catraca, normalmente quando

defesa. Temerário seria imputar ao autor qualquer falta grave em o chip queima, sendo informado à fiscalização; que como também

decorrência da filmagem apresentada pela reclamada, uma vez que pode ocorrer de o passageiro empurrar a catraca com a mão, sendo

não observo qualquer conduta que o desabone, ou, ainda, que por registrado o seu embarque, então mostra o cartão na câmera, e

outro motivo configurasse falta grave a ensejar a dispensa por justa passa por baixo, que teria que pagar outra passagem para rodar

causa. uma segunda vez a catraca; que o cartão "ponto x", "livre acesso",

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 128
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ocorre quando há uma desistência da viagem; que aí tem que girar semanal.

a catraca com a mão, para que o cartão seja validado; que isso só é Quanto ao tema, assim se posicionou o juízo de primeiro grau:

possível fazer quando se sai da rodoviária; que estando o cartão em "(...)

ponto x, pode o cobrador passar por debaixo da catraca, colocar o A reclamada juntou aos autos guias de viagem, referentes a um

cartão da coletora, para ser destravada a catraca e o cartão não pequeno período do contrato de trabalho. Inicialmente, cumpre

fique "sujo"; que quando está em um ponto da viagem em que não ressaltar que os documentos de controle de jornada trazidos aos

tem área de telefonia móvel, é feito posteriormente contato com o autos possuem presunção apenas relativa de veracidade, podendo

fiscal, com relação às autorizações do giro da catraca com as ser desmerecidas por prova em contrário.

mãos"A descrição feita pela testemunha supracitada está totalmente A testemunha Pedro Paulo, na ata utilizada como prova

de acordo com as afirmações feitas pelo reclamante, em emprestada, disse o seguinte: "que controla a jornada do cobrador

manifestação acerca do vídeo depositado. O depoente confirmou, por meio da guia de viagem; que são duas guias por dia de trabalho

inclusive, que se o cobrador utilizar o seu cartão para liberação, na na linha em que o reclamante trabalhou, sendo uma para a manhã e

abertura do sistema, não consegue mais utilizá-lo durante o trajeto, outra para a tarde; que na guia da manhã, são registradas as

o que impossibilitaria qualquer liberação da entrada de passageiros viagens de ida e retorno"

por esse meio. Ora, em vários dias de jornada a empresa juntou apenas uma guia

A descrição feita pela testemunha supracitada está totalmente de de viagem, estando ausente a outra. Qual a intenção da reclamada

acordo com as afirmações feitas pelo reclamante, em manifestação ao se omitir de apresentar todas as guias? Fica claro que seu intuito

acerca do vídeo depositado. O depoente confirmou, inclusive, que era de esconder a real jornada praticada. Inclusive houve

se o cobrador utilizar o seu cartão para liberação, na abertura do impugnação do reclamante, quanto ao ponto.

sistema, não consegue mais utilizá-lo durante o trajeto, o que Além disso, as guias apresentadas possuem contradições

impossibilitaria qualquer liberação da entrada de passageiros por flagrantes. Basta observar que em várias guias, se compararmos a

esse meio. do primeiro turno com a do segundo, o último começou antes

(...) ." (ID. 745942d) mesmo do término do primeiro, o que não é possível e mostra que,

Assim, tenho que as provas apresentadas pela reclamada não realmente, os controles foram preenchidos aleatoriamente, sem

foram suficientes a comprovar suas alegações, de forma que nem ter o cuidado de disfarçar, como mostra essa discrepância.

mantenho a sentença que não reconheceu a justa causa imputada Cito alguns exemplos. No dia 27/10/17, o primeiro turno terminou às

ao obreiro e deferiu-lhe as verbas rescisórias com base na dispensa 12:40h e o segundo iniciou às 12:30h. No dia 28/10/2017 o primeiro

injusta. turno terminou às 12:45h e o segundo iniciou às 12:30h.

Com essas considerações, nego provimento ao apelo, no particular. Outra contradição visível está na comparação da jornada indicada

Das horas extras(análise conjunta) pela testemunha trazida pela própria empresa e os controles de

Tendo em vista que ambos os recorrentes se inconformam quanto a ponto. A testemunha afirmou que "que a primeira viagem da Linha

este mesmo tema, passo a analisá-lo conjuntamente. Recife-Cumaru sai às 4h; que o trecho dura 3h30/4h, considerando

A demandada se insurge contra a sentença que não considerou somente o trecho de ida". Analisando as guias de viagem, verifica-

parte das guias juntadas. Afirma que as testemunhas ouvidas não se que em apenas 3 dias há indicação de que o reclamante iniciou a

comprovaram labor em jornada distinta daquela consignada nas jornada às 04:00h ou antes. Em todos os demais, começou depois e

guias. Postula a exclusão do intervalo interjornada ou, em vários bem depois desse horário.

sucessivamente, seja deferido apenas o adicional de 50%. Tais contradições mostram que os poucos controles de ponto

Já o reclamante não se conforma com a sentença que arbitrou sua apresentados não refletem a real jornada do reclamante, não

jornada de trabalho por uma média. Afirma que as suas merecendo ser acolhidos como meios de prova, ficando totalmente

testemunhas comprovaram o horário descrito na inicial. Postula desconsiderados. Sendo assim, a prova testemunhal servirá de

também a reforma do decisumque indeferiu o pagamento do base para que se fixe a jornada real do autor, posto que considero

intervalo intrajornada. que os horários indicados na inicial se mostram exacerbados.

Na exordial, afirmou o autor que, na linha Cumaru Recife via (...)" (ID. 745942d - Págs. 5 e 6)

Limoeiro, laborava das 04h10 às 20h30. Na linha Recife Ameixas Ora, a análise da jornada de trabalho está vinculada à apresentação

(Riacho) via Limoeiro, trabalhava das 04h00 às 20h30, sempre com dos controles de ponto pela empresa, que conta com mais de dez

15 minutos de intervalo, de segunda a domingo, com uma folga trabalhadores, pois, nos termos do art. 74, § 2º, da CLT, é sua

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 129
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

obrigação anotar o horário de trabalho dos seus empregados. no sentido de que o magistrado tem ampla liberdade na direção do

Assim, distribuindo-se o ônus da prova, incumbia à ré a processo, devendo contribuir para a rápida solução do litígio.

demonstração dos fatos impeditivos, modificativos ou extintivos do Existindo nos autos elementos de prova suficientes ao seu

direito do autor, a teor do disposto nos artigos 818 da CLT e 373, convencimento, pode indeferir diligências consideradas

inciso II, do CPC/2015, do qual não se desincumbiu, porquanto desnecessárias, como na hipótese dos autos, decidindo a questão

além de não juntar todas as guias de viagens, elas apresentavam segundo as normas aplicáveis ao caso. Portanto, nesse ponto, é

jornadas contraditórias, como visto acima. inviável a admissibilidade do recurso, inclusive por dissensão

Por esses motivos, mantenho a sentença que, com base na prova jurisprudencial (Súmula nº 333 do TST e artigo 896, §7º, da CLT).

oral, arbitrou, por uma média, a jornada de trabalho do reclamante Assim, não subsiste a alegação de cerceamento de defesa quando

como sendo das 03h55 às 20h30, em 3 dias na semana, e das a decisão impugnada está amparada em conjunto probatório.

03h55 às 12h00, em outros 3 dias. Apenas restaria configurada a ofensa se o magistrado indeferisse a

No que se refere ao intervalo interjornada, a condenação deve oitiva de testemunhas e concluísse pela improcedência do pleito por

permanecer, pois, em três dias na semana, verifica-se o desrespeito ausência de provas. Na verdade, a arguição de violação ao inciso

ao intervalo mínimo de 11 horas entre uma jornada e outra. LV do artigo 5º da Constituição Federal pode configurar, quando

Nesse contexto, como o intervalo interjornada mínimo não era muito, ofensa indireta à Constituição. A respeito do tema, a SBDI-1

observado em sua integralidade, o autor faz jus ao pagamento do do TST já externou o seguinte entendimento:

tempo suprimido, por dia efetivamente trabalhado, com "NULIDADE DO ACÓRDÃO REGIONAL POR CERCEAMENTO DE

repercussões, aplicando-se ao caso, por analogia, o disposto no art. DEFESA - INDEFERIMENTO DE FORMULAÇÃO DE PERGUNTAS

71, §4º, da CLT, conforme entendimento assente na jurisprudência, À PARTE E À TESTEMUNHA. RECURSO DE REVISTA NÃO

retratado na Orientação Jurisprudencial nº. 355 da SDI-1 do TST, de CONHECIDO. VIOLAÇÃO AO ARTIGO 896 DA CONSOLIDAÇÃO

seguinte teor: DAS LEIS DO TRABALHO NÃO CONFIGURADA. O TRT concluiu

INTERVALO INTERJORNADAS. INOBSERVÂNCIA. HORAS que o conjunto probatório dos autos se apresentou como elemento

EXTRAS. PERÍODO PAGO COMO SOBREJORNADA. ART. 66 DA capaz e eficaz para a formação do convencimento do Juízo, não

CLT. APLICAÇÃO ANALÓGICA DO § 4º DO ART. 71 DA CLT (DJ configurando cerceamento de defesa ou nulidade o indeferimento

14.03.2008) de questionamentos ao autor e à testemunha dos reclamados, pois

O desrespeito ao intervalo mínimo interjornadas previsto no art. 66 o juiz detém ampla liberdade na condução do processo, devendo

da CLT acarreta, por analogia, os mesmos efeitos previstos no § 4º velar pelo rápido andamento das causas (artigos 125, II, do Código

do art. 71 da CLT e na Súmula nº 110 do TST, devendo-se pagar a de Processo Civil e 765 da Consolidação das Leis do Trabalho),

integralidade das horas que foram subtraídas do intervalo, cabendo-lhe, de ofício ou a requerimento das partes, determinar as

acrescidas do respectivo adicional. provas necessárias à instrução, indeferindo as diligências inúteis ou

Esse entendimento, aliás, já se encontra sedimentado neste meramente protelatórias (art. 130 do CPC). Assim, se revela

Regional, através da Súmula nº 21. legítimo o indeferimento das provas requeridas, porquanto

No que se refere ao intervalo intrajornada, postulado no recurso do compreendido no poder de livre direção do processo, justificado

reclamante, tenho que deve ser mantida a sentença que o indeferiu, pela convicção do magistrado quanto à sua desnecessidade para a

tendo em vista que o autor não se desincumbiu do seu ônus de averiguação da verdade dos fatos. Assim, o recurso de revista não

comprovar a ausência de gozo do interregno. Assim como o juízo a alcançava conhecimento por ofensa ao artigo 5º, inciso LV, da

quo, tenho que a testemunha por ele apresentada, que laborou na Constituição Federal, restando intacto o artigo 896 consolidado.

empresa até 2015, não podia provar os fatos ocorridos no ano de Recurso de embargos não conhecido. (E-RR - 122400-

2017. 45.1997.5.04.0662, julgado em 07/11/2013, Ministro Renato de

Por essas razões, nego provimento a ambos os recursos." Lacerda Paiva, Subseção I especializada em Dissídios Individuais,

Confrontando os argumentos da parte recorrente com os publicado no DEJT de 14/11/2013)."

fundamentos do acórdão regional, com relação à nulidade Nesses termos, com suporte no contido no § 7º do artigo 896 da

suscitada, entendo que a recorrente não demonstrou que a decisão CLT e na Súmula nº 333 do TST, reputo inviável o processamento

impugnada viola literal disposição de lei, na forma disposta pelo do recurso de revista no item em apreço.

artigo 896 da CLT. A jurisprudência do C. Tribunal Superior do No que tange à dispensa por justa causa, não vislumbro

Trabalho, amparada nos artigos 765 da CLT, 370 e 371 do CPC, é contrariedade aos dispositivos legais e aos entendimentos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 130
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

jurisprudenciais sumulados citados, porque a Turma decidiu as

questões veiculadas no presente apelo com base no conjunto


PODER
probatório contido nos autos, aplicando as normas jurídicas
JUDICIÁRIO
inerentes à espécie. Destarte, a controvérsia diz respeito

largamente a matérias de natureza fática. Fundamentação

Especificamente quanto ao intervalo interjornadas, verifico que o

Colegiado decidiu em sintonia com a Orientação Jurisprudencial nº. AGRAVO DE INSTRUMENTO

355 da SDI-1 do TST. Agravo de instrumento interposto pelo ESTADO DE

O insurgimento da empresa/recorrente consiste, pois, apenas em PERNAMBUCO, em face do despacho que denegou o

interpretação dos fatos diversa daquela conferida pelo Regional. processamento de recurso de revista, nos autos da Reclamação

Deste modo, as alegações lançadas pela parte nas razões Trabalhista nº 0000936-37.2016.5.06.0013, figurando como

recursais, em sentido contrário, somente são aferíveis por meio de agravados ANDRÉ CESAR DE SOUZA LIMA e GRENIT

reexame fático, o que não é possível por meio desta nesta via SERVIÇOS E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES LTDA.

recursal (Súmula nº. 126 do TST). Por consequência, fica Notificado da decisão agravada, via sistema, em 06/09/2018 (quinta

inviabilizado o exame pertinente à divergência jurisprudencial -feira), e apresentadas as razões deste apelo em 01/09/2018 (sexta-

específica (Súmula nº 296 desse mesmo órgão superior). feira), em razão da Ordem de Serviço TRT-GP 172/2017, tem-se

Ademais, a revista não comporta processamento, eis que, em se por configurada a sua tempestividade, conforme se pode ver nos

tratando de causa sujeita ao procedimento sumaríssimo, apenas documentos 0c22409 e 3d99217. Registre-se que a agravante

seria admitido o recurso de revista por contrariedade à súmula de possui prazo em dobro para recorrer, nos termos do art. 12 do

jurisprudência uniforme do Tribunal Superior do Trabalho ou súmula Decreto Lei nº 509/69

vinculante do Supremo Tribunal Federal e por violação direta da A representação processual está regular nos termos da Súmula nº

Constituição Federal (art. 896, §9º, da CLT). 436 do TST.

CONCLUSÃO O preparo é inexigível (artigos 790-A da CLT e 1º, inciso IV, do

Desta forma, DENEGO seguimento ao recurso de revista. Decreto-Lei nº. 779/69).

Cumpram-se as formalidades legais. Mantenho o despacho agravado e, por via de consequência,

Intimem-se. determino o processamento do presente recurso.

Intimem-se as partes recorridas para, querendo, oferecerem

cp/Illsg contrarrazões ao agravo e respectivo recurso de revista.

Após o transcurso do prazo, determino o envio do processo ao

Tribunal Superior do Trabalho.

Assinatura mg

RECIFE, 25 de Outubro de 2018 Assinatura

RECIFE, 23 de Outubro de 2018

VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO

Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO


Decisão Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região
Processo Nº RO-0000936-37.2016.5.06.0013
Relator VALERIA GONDIM SAMPAIO Decisão
Processo Nº RO-0000936-37.2016.5.06.0013
RECORRENTE ANDRE CESAR DE SOUZA LIMA Relator VALERIA GONDIM SAMPAIO
ADVOGADO DANILO AUGUSTO SA BARRETO DE RECORRENTE ANDRE CESAR DE SOUZA LIMA
MIRANDA(OAB: 38827/PE)
ADVOGADO DANILO AUGUSTO SA BARRETO DE
RECORRIDO GRENIT SERVICOS E MIRANDA(OAB: 38827/PE)
DESENVOLVIMENTO DE
SOFTWARES LTDA RECORRIDO GRENIT SERVICOS E
DESENVOLVIMENTO DE
RECORRIDO ESTADO DE PERNAMBUCO SOFTWARES LTDA
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO RECORRIDO ESTADO DE PERNAMBUCO
TRABALHO
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO
Intimado(s)/Citado(s):
- ANDRE CESAR DE SOUZA LIMA Intimado(s)/Citado(s):
- ANDRE CESAR DE SOUZA LIMA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 131
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ADVOGADO URBANO VITALINO DE MELO


NETO(OAB: 17700/PE)
RECORRIDO UNIÃO FEDERAL (PGF)
RECORRIDO KATIA GISELLY PAIXAO ALVES
PODER ADVOGADO ERWIN HERBERT FRIEDHEIM
NETO(OAB: 17761/PB)
JUDICIÁRIO
RECORRIDO ITAU UNIBANCO S.A.
ADVOGADO ANTONIO BRAZ DA SILVA(OAB:
Fundamentação 12450/PE)
ADVOGADO CARLA ELISANGELA FERREIRA
ALVES TEIXEIRA(OAB: 18855/PE)
AGRAVO DE INSTRUMENTO RECORRIDO LIQ CORP S.A.
Agravo de instrumento interposto pelo ESTADO DE ADVOGADO JOAO ANDRE BORGES
MIRANDA(OAB: 29943/PE)
PERNAMBUCO, em face do despacho que denegou o ADVOGADO URBANO VITALINO DE MELO
NETO(OAB: 17700/PE)
processamento de recurso de revista, nos autos da Reclamação
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
Trabalhista nº 0000936-37.2016.5.06.0013, figurando como TRABALHO
TERCEIRO UNIÃO FEDERAL (PGF)
agravados ANDRÉ CESAR DE SOUZA LIMA e GRENIT INTERESSADO
SERVIÇOS E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES LTDA.
Intimado(s)/Citado(s):
Notificado da decisão agravada, via sistema, em 06/09/2018 (quinta
- ITAU UNIBANCO S.A.
-feira), e apresentadas as razões deste apelo em 01/09/2018 (sexta- - KATIA GISELLY PAIXAO ALVES
feira), em razão da Ordem de Serviço TRT-GP 172/2017, tem-se - LIQ CORP S.A.

por configurada a sua tempestividade, conforme se pode ver nos

documentos 0c22409 e 3d99217. Registre-se que a agravante

possui prazo em dobro para recorrer, nos termos do art. 12 do PODER


Decreto Lei nº 509/69 JUDICIÁRIO
A representação processual está regular nos termos da Súmula nº
Fundamentação
436 do TST.

O preparo é inexigível (artigos 790-A da CLT e 1º, inciso IV, do


AGRAVO DE INSTRUMENTO
Decreto-Lei nº. 779/69).
Agravo de instrumento interposto pela LIQ CORP S/A (atual
Mantenho o despacho agravado e, por via de consequência,
denominação da CONTAX-MOBITEL S/A), em face do despacho
determino o processamento do presente recurso.
que denegou o processamento de recurso de revista, nos autos da
Intimem-se as partes recorridas para, querendo, oferecerem
Reclamação Trabalhista nº 0001773-66.2014.5.06.0012, figurando
contrarrazões ao agravo e respectivo recurso de revista.
como agravados, KÁTIA GISELLY PAIXÃO ALVES e ITAÚ
Após o transcurso do prazo, determino o envio do processo ao
UNIBANCO S/A.
Tribunal Superior do Trabalho.
Publicada a decisão agravada no DEJT em 05/09/2018 (quarta-
mg
feira), e apresentadas as razões deste apelo em 17/09/2018
Assinatura
(segunda-feira), tem-se por configurada a sua tempestividade,
RECIFE, 23 de Outubro de 2018
conforme se pode ver dos documentos Ids f1eb3e5 e 2797997.

A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id


VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO
6818f05).
Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região
Desnecessário, na hipótese, o preparo, nos termos da Súmula 161
Decisão
Processo Nº RO-0001773-66.2014.5.06.0012 do TST (Id 23da366).
Relator JOSE LUCIANO ALEXO DA SILVA
Mantenho o despacho agravado e, por via de consequência,
RECORRENTE ITAU UNIBANCO S.A.
ADVOGADO ANTONIO BRAZ DA SILVA(OAB: determino o processamento do presente recurso.
12450/PE)
Intimem-se as partes recorridas para, querendo, oferecerem
ADVOGADO CARLA ELISANGELA FERREIRA
ALVES TEIXEIRA(OAB: 18855/PE) contrarrazões ao agravo e respectivo recurso de revista.
RECORRENTE KATIA GISELLY PAIXAO ALVES
Após o transcurso do prazo, determino o envio do processo ao
ADVOGADO ERWIN HERBERT FRIEDHEIM
NETO(OAB: 17761/PB) Tribunal Superior do Trabalho.
RECORRENTE LIQ CORP S.A.
mg
ADVOGADO JOAO ANDRE BORGES
MIRANDA(OAB: 29943/PE) Assinatura

Código para aferir autenticidade deste caderno: 125770


2589/2018 Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região 132
Data da Disponibilização: Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

ADVOGADO CARLA ELISANGELA FERREIRA


RECIFE, 23 de Outubro de 2018 ALVES TEIXEIRA(OAB: 18855/PE)
CUSTUS LEGIS ** Ministério Público do Trabalho da 6ª
Região **
VALDIR JOSE SILVA DE CARVALHO
Intimado(s)/Citado(s):
Desembargador(a) do Trabalho da 6ª Região
- BANCO ITAUCARD S.A.
Decisão
- CONTAX S.A.
Processo Nº RO-0000499-73.2014.5.06.0010
Relator DIONE NUNES FURTADO DA SILVA - ITAU UNIBANCO S.A.
RECORRENTE CONTAX S.A. - JESSICA BARBOSA DE SOUZA
ADVOGADO BRUNA LEMOS TURZA
FERREIRA(OAB: 33660/PE)
ADVOGADO ARTHUR MARINHO FALCAO
VALENCA(OAB: 33876/PE)
RECORRENTE UNIÃO FEDERAL (PGF) PODER
RECORRENTE JESSICA BARBOSA DE SOUZA JUDICIÁRIO
ADVOGADO ARTHUR COELHO SPERB(OAB:
30227/PE)
Fundamentação
ADVOGADO Márcio Moisés Sperb(OAB: 284-B/PE)
ADVOGADO FELIPE HENRIQUE DOS SANTOS
VASCONCELOS(OAB: 35898/PE)
AGRAVO DE INSTRUMENTO
RECORRENTE ITAU UNIBANCO S.A.
ADVOGADO NATHALIA MARIA GOMES DE Considerando que o agravo de instrumento com Id d1b8227, trata-
SOUZA(OAB: 30921/PE)
se de mera repetição daquele apresentado com Id d57b5b0, ambos
ADVOGADO ESPEDITO DE CASTRO
JUNIOR(OAB: 13270/PE) interpostos pela reclamada, limito o exame de admissibilidade ao
ADVOGADO ANTONIO BRAZ DA SILVA(OAB:
12450/PE) primeiro agravo interposto, restando prejudicado, por conseguinte, o
ADVOGADO PAULO JOSE COUTINHO DE segundo
ALBUQUERQUE(OAB: 7245-D/PE)
RECORRENTE BANCO ITAUCARD S.A. Agravo de instrumento interposto pela CONTAX-MOBITEL S/A, em
ADVOGADO NATHALIA MARIA GOMES DE face do despacho que denegou o processamento de recurso de
SOUZA(OAB: 30921/PE)
ADVOGADO ESPEDITO DE CASTRO revista, nos autos da Reclamação Trabalhista nº 0000499-
JUNIOR(OAB: 13270/PE)
73.2014.5.06.0010, figurando como agravados JÉSSICA
ADVOGADO ANTONIO BRAZ DA SILVA(OAB:
12450/PE) BARBOSA DE SOUZA, BANCO ITAUCARD S/A, ITAÚ
ADVOGADO PAULO JOSE COUTINHO DE
ALBUQUERQUE(OAB: 7245-D/PE) UNIBANCO S/A e UINÃO FEDERAL (PGF).
RECORRIDO UNIÃO FEDERAL (PGF) Publicada a decisão agravada no DEJT em 05/09/2018 (quarta-
RECORRIDO JESSICA BARBOSA DE SOUZA
feira), e apresentadas as razões deste apelo em 17/09/2018
ADVOGADO ARTHUR COELHO SPERB(OAB:
30227/PE) (segunda-feira), tem-se por configurada a sua tempestividade,
ADVOGADO Márcio Moisés Sperb(OAB: 284-B/PE)
conforme se pode ver dos documentos Ids 9dcc512 e d57b5b0.
ADVOGADO FELIPE HENRIQUE DOS SANTOS
VASCONCELOS(OAB: 35898/PE) A representação advocatícia está regularmente demonstrada (Id
RECORRIDO ITAU UNIBANCO S.A.
cc0b966).
ADVOGADO NATHALIA MARIA GOMES DE
SOUZA(OAB: 30921/PE) Atingido o valor da condenação (Ids 9aaef98, ffa4109, 908f316,
ADVOGADO ESPEDITO DE CASTRO
JUNIOR(OAB: 13270/PE) 58d8df6 e e45d861), afigura-se inexigível o recolhimento de
ADVOGADO ANTONIO BRAZ DA SILVA(OAB: depósito recursal (Súmula 128, I do C. TST).
12450/PE)
ADVOGADO PAULO JOSE COUTINHO DE Mantenho o despacho agravado e, por via de consequência,
ALBUQUERQUE(OAB: 7245-D/PE)
determino o processamento do presente recurso.
RECORRIDO BANCO ITAUCARD S.A.
ADVOGADO NATHALIA MARIA GOMES DE