Você está na página 1de 39

Manual de Orientação das

Atividades da Disciplina
Prática de Ensino: Observação e Projeto
Sumário
1. INTRODUÇÃO............................................................................................................................. 3

2. POSTAGENS................................................................................................................................ 3

3. F ORMATAÇÃO........................................................................................................................... 5

4. Chat............................................................................................................................................... 5

5. atividades solicitadas................................................................................................................... 5

6. sugestões de fontes de pesquisa.................................................................................................. 15

7. PROFESSORES ORIENTADORES DAS ATIVIDADES.......................................................... 16


Serviço Social

1. INTRODUÇÃO

Este manual foi elaborado pela equipe da Coordenadoria de Estágios em Educação (CEE)
para fornecer orientações referentes às atividades avaliativas da disciplina “Prática de
Ensino: Observação e Projeto”.
Antes de ler este manual, é essencial que você já tenha estudado com empenho
o livro-texto e a videoaula da disciplina.

2. POSTAGENS

Para fins de avaliação desta disciplina, serão solicitadas duas atividades, que devem ser
elaboradas em grupo com, no máximo, 10 estudantes do mesmo curso e turma (e mesma
habilitação, no caso do curso de Letras).
Siga as orientações e respeite a ordem das postagens. No período da postagem 1 deve
ser postada a atividade 1 e no período da postagem 2 deve ser postada a atividade 2.
Postar no AVA Blackboard > TRABALHOS ACADÊMICOS > Prática de Ensino:
Observações e Projeto
ƒƒ ƒPOSTAGEM 1 – Atividade 1: Relato de Observação.
ƒƒ ƒPOSTAGEM 2 – Atividade 2: Projeto de Trabalho – Aproveitamento Pedagógico de
um Ambiente Não Escolar.
Após essas duas postagens mencionadas, caso a média não seja atingida ou caso você
perca algum prazo de postagem, poste as duas atividades em um único arquivo (atividade
1 e atividade 2), no período de exame (postagem 3).
O estudante, que por algum motivo não conseguir efetuar a postagem 1, não deve
deixar de efetuar a postagem 2, pois essa última tem peso maior e fará diferença mesmo

3
Manual de Estágio

no caso de ser necessário realizar o exame.


No período do exame, poste as duas atividades em um único arquivo.
ƒƒ POSTAGEM 3 (EXAME): Atividade 1 + Atividade 2
O período de postagem de cada atividade será divulgado por meio de AVISO disponibilizado
na pasta da disciplina, em seu AVA. Acesse os avisos frequentemente para não perder
nenhum prazo!
Poste o arquivo em .doc, .docx ou pdf. Preferencialmente em pdf, pois a formatação
permanece inalterada.
Caso seja postado um arquivo corrompido (que não abra ou não apresente conteúdo
nenhum) ou um arquivo com o trabalho de outra disciplina, os integrantes do grupo
receberão nota ZERO. Portanto, verifique com atenção os arquivos antes de postá-los.
É importante que o nome e o RA dos integrantes do grupo estejam relacionados na
capa do trabalho (modelo apresentado a seguir) e no sistema da UNIP EaD no momento da
postagem. O estudante que não tiver o nome registrado no sistema ficará com nota
ZERO!
ƒ A pesquisa é extremamente importante para sua formação profissional e acadêmica. No
entanto, ao utilizar um conteúdo pesquisado é importante transcrevê-lo com suas próprias
palavras e citá-lo nas referências. Trabalhos considerados plágio obterão nota ZERO!
ƒ Não serão aceitos trabalhos preexistentes, mesmo que o trabalho seja de autoria do
estudante, ou seja, o trabalho precisa ser inédito! Trabalhos encontrados em sites que
disponibilizam trabalhos prontos na internet serão considerados plágio e obterão
nota ZERO!
Seja ético(a) e comprometido(a) com sua formação acadêmica; estude e elabore seus
próprios textos para construir seu conhecimento e adquirir aprendizagem significativa.

4
Serviço Social

3. F ORMATAÇÃO

Os trabalhos devem ser redigidos de acordo com as regras da norma padrão da Língua
Portuguesa, devem apresentar coerência e coesão textual. Além disso, é necessário seguir
as seguintes normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT):
ƒƒ Letra: fonte Arial ou Times New Roman, tamanho 12
ƒƒ Espaçamento entrelinhas: 1,5 cm
ƒƒ Alinhamento do texto: justificado

4. CHAT

Além de elaborar e postar as atividades, será necessário participar de um dos chats que
ocorrerão ao longo do semestre letivo. Não deixe de participar, pois será atribuída nota
referente a esta participação!
Antes de participar do chat, estude todo o material pedagógico da disciplina; assim, será
possível aproveitar ao máximo o momento do chat para sanar suas dúvidas!
As datas dos chats serão divulgadas por meio de aviso no Ambiente Virtual de
Aprendizagem (AVA) Blackboard.

5. ATIVIDADES SOLICITADAS

Neste capítulo, serão apresentados os detalhes referentes a cada uma das atividades
avaliadas da disciplina Prática de Ensino: Observação e Projeto.

5.1 Atividade 1: Relato de Observação


Para o exercício educativo não existe fronteira, ou seja, a educação pode estar presente

5
Manual de Estágio

nos mais diferente ambientes. É nessa perspectiva que, a partir daqui, será dada ênfase
aos espaços não escolares, os quais podem ser utilizados para fins educativos de diversas
maneiras.
Para iniciar o desenvolvimento da atividade 1, o grupo deverá escolher um determinado
local como “ponto de partida“, por exemplo, a residência, a escola, o trabalho de um dos
integrantes do grupo ou o próprio polo da UNIP EaD.
Em seguida, deverá observar o entorno (em um raio de, aproximadamente, 500 metros)
e registrar os diversos ambientes existentes - escolares e não escolares. Caso você esteja em
uma área rural, pode considerar um raio um pouco maior.

Ambiente escolar: escolas regulares de Educação Básica e Instituições de Ensino


Superior – escolas de idiomas ou de informática não terão validade para essa atividade.
Ambiente não escolar: diversos ambientes podem ser aproveitados para promover
a educação, portanto, no geral, qualquer espaço pode ser considerado, porém pense
no cunho pedagógico da atividade e foque sua atenção nos ambientes que podem ser
aproveitados para fins pedagógicos – exemplos: parques, praças, museus, ginásio de
esportes, biblioteca, teatro, clube etc.

Faça o registro do que foi observado, distinguindo os ambientes em escolares e


não escolares.
Em seguida, relate as características dos ambientes observados, tais como: o público
que frequenta, as atividades realizadas (educativas ou não), as condições das instalações
físicas, os serviços oferecidos (se forem oferecidos serviços, registrar se são gratuitos) etc.

6
Serviço Social

Resumindo:
ƒƒ Localização ou ponto de partida: informar a área escolhida para a observação,
ou seja, o local (casa, escola, trabalho, polo) com o endereço completo (bairro, mu-
nicípio e estado).
ƒƒ Ambientes escolares encontrados: informar as instituições de ensino encontra-
das (escolas, faculdades, universidades) na região escolhida, apresentando um comen-
tário descritivo sobre cada uma delas.
ƒƒ Ambientes não escolares encontrados: informar os diversos ambientes presen-
tes na região escolhida, apresentando um comentário descritivo sobre cada um deles.

Portanto, o trabalho deverá apresentar o conteúdo da seguinte forma:

Capa
A) Ponto de partida – endereço completo.
B) Ambientes escolares observados - relato das características.
C) Ambientes não escolares observados - relato das características.

No total, o trabalho deve conter, no máximo, 5 (cinco) páginas – postar em um único


arquivo (.doc, .docx ou .pdf).
É optativo ao grupo inserir fotos e anexos, desde que não ultrapasse o limite de páginas
e nem substitua o conteúdo escrito.

*Atenção! Sugere-se que você salve o arquivo com o seguinte nome antes de
postá-lo: POSTAGEM_1_PEOP.

7
Manual de Estágio

Com o nome do arquivo padronizado, evita-se que você poste o trabalho errado (de
outra disciplina, por exemplo), o que acarretaria a obtenção de nota ZERO.
Veja a seguir o modelo de capa que você deverá utilizar:

8
Serviço Social

LICENCIATURA EM ________________ (nome do curso)

PRÁTICA DE ENSINO: OBSERVAÇÃO E PROJETO (PE:OP)

POSTAGEM 1: ATIVIDADE 1
RELATO DE OBSERVAÇÃO

Nomes e RAs dos integrantes do grupo

Polo de matrícula
Ano de postagem

9
Manual de Estágio

5.2 Atividade 2: Projeto de Trabalho – Aproveitamento Pedagógico de um


Ambiente Não Escolar

Antes de iniciar o desenvolvimento da atividade 2, é importante que o grupo se reúna para


discutir e refletir sobre as informações coletadas durante o desenvolvimento da atividade
1, pois uma atividade é sequência da outra e elas devem estar diretamente relacionadas.
Nesse sentido, amplie seus horizontes e atente-se às diversas características dos
ambientes não escolares que você registrou que poderiam ser úteis para o desenvolvimento
de atividades pedagógicas. Após esse momento de reflexão, siga as instruções abaixo:

1) Escolha um ambiente não escolar, descrito na atividade 1;

2) Identifique os aspectos desse ambiente que podem contribuir para a promoção de


uma aprendizagem mais significativa aos estudantes de uma escola de educação básica da
região (relatada na atividade 1);

3) Com base nessa identificação, elabore um projeto com propostas de ação que visem
ao aproveitamento pedagógico desse ambiente no sentido de proporcionar aos estudantes
situações de aprendizagem relacionadas a três disciplinas.

Dessa forma, antes de elaborar o projeto, você deve selecionar:

a) o público-alvo (estudantes do Ensino Fundamental II ou do Ensino Médio);


b) três disciplinas do currículo escolar;

10
Serviço Social

c) ao menos um conteúdo de cada disciplina.

ATENÇÃO!
ƒƒ ƒ Uma das disciplinas deve ser referente ao curso que você está matriculado na UNIP.
ƒƒ O projeto pode abranger também os temas transversais – questões importantes,
urgentes e presentes sob várias formas, na vida cotidiana (ética, meio ambiente,
pluralidade cultural, saúde, orientação sexual, trabalho e consumo) – definidos
pelo Mini stério da Educação (1998) nos Parâmetros Curriculares Nacionais.
ƒƒ No capítulo 6 deste manual constam diversas indicações de fontes de pesquisa.
ƒƒ Lembre-se de que um projeto não deve apresentar as informações como se já tivesse
desenvolvido o projeto; o planejamento é para o futuro.
ƒƒ A redação do projeto deve ser na forma impessoal, abolindo-se os pronomes pes-
soais e evitando-se verbos que indiquem subjetividade, como: acha-se que, acredita-se
que etc.; abreviações no texto também devem ser evitadas.
ƒƒ É necessário elaborar o projeto apenas “no papel”, SEM A OBRIGATORIEDADE DE
APLICAÇÃO.
ƒƒ O grupo deve elaborar uma nova proposta. Não será aceito um projeto já existente!

Assim sendo, você deverá elaborar um Projeto de Trabalho, tendo em vista o


aproveitamento pedagógico de um ambiente não escolar, por meio do desenvolvimento
de atividades que envolvam três disciplinas constituintes do currículo escolar.

Lembre-se: para elaborar um projeto é necessário conhecer a realidade, pois a realidade


ensina, orienta, questiona, apontando prioridades.

11
Manual de Estágio

O Projeto de Trabalho deverá apresentar o conteúdo da seguinte forma:


CAPA
FOLHA DE ROSTO
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO (O quê? Por quê? Para quê? Visão geral do tema, delimitação da área,
delimitação do tema, delimitação do problema, justificativa(s))

2. OBJETIVOS

2.1 Objetivos Gerais

2.2 Objetivos Específicos

3. DESENVOLVIMENTO

3.1 Revisão Bibliográfica (apresentar um embasamento teórico com alguns autores


da área, buscando um diálogo entre eles e subsídios para sua proposta de ação)

3.2 Procedimentos Metodológicos (Como? Sujeitos e ambientes envolvidos,


público-alvo, conteúdos, disciplinas envolvidas, proposta de ação e estratégias didáticas,
cronograma da(s) atividade(s))
4. AVALIAÇÃO (produto final, resultados esperados)

12
Serviço Social

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS

No total, o trabalho deve conter, no máximo, 20 páginas – postar em um único


arquivo (.doc, .docx ou .pdf). É optativo ao grupo inserir fotos e anexos, desde que não
ultrapasse o limite de páginas e nem substitua o conteúdo escrito.

*Atenção! Sugere-se que você salve o arquivo com o seguinte nome antes de
postá-lo: POSTAGEM_2_PEOP.

Com o nome do arquivo padronizado, evita-se que você poste o trabalho errado (de
outra disciplina, por exemplo), o que acarretaria a obtenção de nota ZERO.

Veja a seguir o modelo de capa que você deverá utilizar.

13
Manual de Estágio

LICENCIATURA EM ________________ (nome do curso)


PRÁTICA DE ENSINO: OBSERVAÇÃO E PROJETO (PE:OP)

POSTAGEM 2: ATIVIDADE 2

PROJETO DE TRABALHO – APROVEITAMENTO PEDAGÓGICO DE UM AMBIENTE


NÃO ESCOLAR

Nomes e RAs dos integrantes do grupo

Polo de matrícula
Ano de postagem

14
Serviço Social

6. SUGESTÕES DE FONTES DE PESQUISA

Seguem abaixo algumas fontes de pesquisa que foram utilizadas na elaboração deste
manual e que poderão fornecer subsídio para sua pesquisa sobre as atividades propostas:
- Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) – 1ª a 5ª séries (EF I): portal.mec.gov.
br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf
- Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) – 6ª a 8ª séries (EF II): http://goo.gl/
gGz3CK
- Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: http://portal.mec.gov.br/
component/content/article?id=12598:publicacoes
- (PCN) – Temas Transversais: portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro081.pdfportal.
mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pdf
- Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental II e Médio – Rede de Ensino
do Estado de São Paulo: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais
- Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental II e Médio – Rede de Ensino
do Estado do Paraná: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/
caderno_expectativas.pdf
- Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental e Médio – Rede de Ensino do
Estado o Rio de Janeiro: http://www.rj.gov.br/web/seeduc/exibeconteudo?articleid=759820
- Planejamento Escolar 2012 – Centro de Ensino Fundamental Anos Finais, Ensino
Médio e Educação Profissional. Governo do Estado de São Paulo – Secretaria de
Estado da Educação – Coordenadoria de Gestão da Educação Básica.
www.educacao.sp.gov.br/docs/CGEB_PlanejEscolar2012_DEGEB_CEFAF.pdf
- MACHADO, BARRO, 2010 – Revista Ciências & Letras. Porto Alegre, nº 36, juldez
2004. http://www.agb.org.br/evento/download.php?idTrabalho=2401

15
Manual de Estágio

- Governo do Estado de Minas Gerais – Secretaria de Estado de Educação –


Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica.
https://www.educacao.mg.gov.br/images/stories/noticias/2015/10Outubro/
cartaaasescolas.pdf
- SARAIVA, 2004 – Revista Ciências e Letras – Faculdade Porto-Alegrense.
http://www1.fapa.com.br/cienciaseletras/pdf/revista36/art12.pdf?origin=publication_detail
- HERNÀNDEZ, Fernando. A organização do currículo por projetos de trabalho – o
conhecimento é um caleidoscópio. Porto Alegre: Artmed, 1998.
- ZABALA, Antoni. A prática educativa – como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
- PERRENOUD, Philippe. Pedagogia diferenciada: das intenções à ação. Porto Alegre:
Artmed, 2000.
- REVISTA NOVA ESCOLA
http://novaescola.org.br/planejamento-e-avaliacao/planejamento/sao-
objetivoconteudo-conceito-428234.shtml

7. PROFESSORES ORIENTADORES DAS ATIVIDADES

CURSO PROFESSOR(A)
Letras Maria Celeste de Souza
Matemática Francisco de Moura e Silva Junior
História Magali Fernandes
Física Reginaldo Botelho Ferreira
Ciências Biológicas Davi Roncoletta Nascimento
Artes Visuais Nancely Huminhick Vieira
Sociologia Sirlei Pires Terra
Geografia Heitor Antônio Paladim Júnior
Filosofia Rodnei Pereira
Química Henrique Gomes Visciano

16
Serviço Social

Contato

Para contatar seu(sua) professor(a) orientador(a) das atividades desta disciplina,


você pode utilizar a central de atendimento acessando o AVA Blackboard e clicando em
ATENDIMENTO.

Em seguida, selecione o assunto COORDENADORIA DE ESTÁGIOS EM EDUCAÇÃO e o


nome do(a) respectivo(a) professor(a) – resposta dentro do prazo de 48 horas (dias úteis).

Lembre-se de que antes de encaminhar seus questionamentos para o(a) professor(a), é


essencial que você tenha estudado todo o material pedagógico da disciplina.

A seguir, é apresentado um exemplo do Projeto (atividade 2). Mas, atenção! Não


será aceito nenhum trabalho que apresente cópia deste exemplo disponibilizado!

17
LICENCIATURA EM _________________________________ (nome do curso)
PRÁTICA DE ENSINO: OBSERVAÇÃO E PROJETO

POSTAGEM 2: ATIVIDADE 2
PROJETO DE TRABALHO - APROVEITAMENTO PEDAGÓGICO DE UM
AMBIENTE NÃO ESCOLAR

Nome e RA dos integrantes do grupo

Polo de matrícula
Ano de postagem
PROJETO DE TRABALHO - APROVEITAMENTO PEDAGÓGICO DE UM
AMBIENTE NÃO ESCOLAR

Trabalho apresentado à Universidade


Paulista – UNIP EaD, referente ao curso
de graduação em ________________,
como um dos requisitos para a
avaliação na disciplina Prática de
Ensino: Observação e Projeto.

Polo de matrícula
Ano de postagem
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO.............................................................................................................03
2. OBJETIVOS.................................................................................................................05
2.1 OBJETIVO GERAL....................................................................................................................05
2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS......................................................................................................05
3. DESENVOLVIMENTO.................................................................................................06
3.1 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA....................................................................................................06
3.2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS...............................................................................07
3.2.1 Ambientes e público-alvo.........................................................................................07
3.2.2 Disciplinas, conteúdos e conceitos envolvidos..................................................08
3.2.3 Propostas de ação e estratégias didáticas..........................................................08
3.2.4 Tempo de duração do projeto e cronograma....................................................14
4. AVALIAÇÃO................................................................................................................16
4.1 RESULTADOS ESPERADOS...................................................................................................16
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS.........................................................................................17
REFERÊNCIAS.................................................................................................................18
1 INTRODUÇÃO

Atualmente, as questões ambientais têm sido alvo de preocupação de diversos setores


e atores sociais. O acelerado e desordenado crescimento das cidades brasileiras trouxe
um cenário de crescente degradação ambiental, impondo a necessidade de uma reflexão
profunda e do enfrentamento de desafios para alterar as formas de pensar e atuar em
relação aos problemas emergentes.
O fato de os ecossistemas nativos do Estado de São Paulo estarem fragmentados faz com
que as Unidades de Conservação Públicas desempenhem papel primordial na conservação
da biodiversidade. O Parque Estadual do Itapetinga (PEI), localizado no município de Atibaia
(a aproximadamente 60 Km da capital paulista), compõe um Mosaico de Unidades de
Conservação de Proteção Integral (UCPI), juntamente com o Monumento Natural Estadual
da Pedra Grande e os Parques Estaduais da Cantareira e do Itaberaba (DECRETO Nº 55.662,
DE 30 DE MARÇO DE 2010). Essas Unidades de Conservação (UCs) de proteção integral
abrigam alta diversidade de espécies da fauna e da flora silvestres, sendo consideradas
áreas estratégicas tendo em vista a sustentabilidade ambiental.
Os fragmentos remanescentes de mata atlântica situados no município de Atibaia
compõem o Corredor Cantareira-Mantiqueira, considerado um importante corredor de
vegetação que proporciona a conectividade entre fragmentos florestais maiores, essenciais
para a sustentação da biodiversidade da Mata Atlântica, e para a proteção dos seus recursos
hídricos (SCHUTZER, 2012). No entanto, a região vem sofrendo constante pressão antrópica
e degradação ambiental, o que demonstra a urgente necessidade de implementação de
projetos que estimulem o desenvolvimento da conscientização ambiental da população
local.
Em todo o território nacional as UCs sofrem pressões das comunidades que ocupam o seu
entorno, através de invasões, caça, pesca, extração de produtos naturais, desmatamentos,
expansão agrícola, e outros, comprometendo a conservação dos recursos das áreas naturais
protegidas (MILANO, 2000). Tais transgressões ocorrem pela falta de informação da
comunidade do entorno das UCs e pela carência de participação do Estado no manejo dos
recursos naturais (WELLS, BRANDON e HANNAH, 1992). A forma mais efetiva de proteger
uma área natural é promover a conscientização crítica dos grupos sociais do entorno,
processo vital para que a preservação desses ambientes ocorra (TABANEZ, PÁDUA e SOUZA,
1997; MAROTI, 2002).
Nesse contexto, torna-se evidente a necessidade de promover aos estudantes do
ensino formal do município de Atibaia, o desenvolvimento do pensamento crítico e da
conscientização ambiental (local e planetária), buscando alcançar comportamentos
ecologicamente adequados.
Assim sendo, propõe-se um questionamento para guiar este projeto de trabalho: de que
forma seria possível aproveitar um parque, localizado nas proximidades de uma unidade
escolar, para promover aos estudantes uma aprendizagem significativa dos conteúdos das
diversas disciplinas, além dos temas “Sustentabilidade Ambiental”, “Ética”, “Meio Ambiente”
e “Saúde”?
Nesse intuito, buscou-se elaborar um Projeto de Aproveitamento Pedagógico do
Parque Edmundo Zanoni, tendo em vista articular alguns temas do currículo escolar de
diversas disciplinas (Ciências Naturais, Artes e Educação Física) e os temas transversais
(Ética, Meio Ambiente e Saúde), de forma a facilitar a compreensão da realidade e unir
saberes acadêmicos aoconhecimento experimental, pretendendo, assim, desenvolver nos
estudantes uma visão crítica e global (holística). Consequentemente, pretende-se também
possibilitar que os estudantes tornem-se protagonistas ativos que colaborem nas tomadas
de decisões pessoais e coletivas, almejando a justiça, o respeito, a solidariedade, a tolerância
e a igualdade social.
Este projeto tem como foco os estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental da
Escola Terra Brasil, situada no entorno do parque (estudantes do 6º e 7º ano).
Optou-se pela utilização do Parque Edmundo Zanoni para o desenvolvimento do projeto,
principalmente por se tratar de parque urbano que permite aos estudantes o contato com a
natureza, com uma área de recreação e o desenvolvimento de diversos tipos de atividades.
Portanto, seria um local ideal para a promoção do ensino, não só de temas do conteúdo
escolar de diversas disciplinas, como também de valores e conceitos relacionados à ética,
meio ambiente e saúde.

2 OBJETIVOS

2.1 OBJETIVO GERAL


Promover a sensibilização e a conscientização dos estudantes da Escola Terra Brasil
em relação às questões ambientais e à saúde, a partir do desenvolvimento de atividades
pedagógicas em um ambiente não escolar – Parque Edmundo Zanoni – envolvendo
especialmente as disciplinas Ciências Naturais, Artes e Educação Física e os temas
transversais (Ética, Meio Ambiente e Saúde). Para tal, pretende-se mostrar que pequenas
atitudes cotidianas podem contribuir para a promoção da sustentabilidade do Planeta Terra
e do bem-estar individual e coletivo, transformando os estudantes em multiplicadores dos
conhecimentos e valores sustentáveis em sua comunidade.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

- Compreender a vida como manifestação de sistemas organizados e integrados;


- Interpretar os processos de degradação e recuperação no ambiente de estudo, apoiando-
se nos conhecimentos sobre exploração de recursos naturais e interferência humana, como
a poluição e o desmatamento;
- Associar propostas de desenvolvimento sustentável a alternativas que integram a
melhoria da qualidade de vida à proteção de recursos naturais para as gerações futuras;
- Valorizar medidas de recuperação e manutenção de ambientes naturais, saneamento
e controle de poluição em geral, e particularmente, do espaço em que vivem;
- Desenvolver habilidades motoras, consciência corporal e o apreço à arte;
- Perceber a importância em cuidar do corpo e da saúde;
- Compreender a interdisciplinaridade inerente ao projeto com relação às disciplinas e
aos temas transversais abordados.

3 DESENVOLVIMENTO

3.1 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A fim de preservar e conservar as UCs é necessário implementar programas de Educação


Ambiental que transmitam conceitos ecológicos para as comunidades do entorno, sendo
importante, portanto, evidenciar as implicações ambientais das ações antrópicas e apresentar
as alternativas menos impactantes e mais sustentáveis (DIETZ e NAGAGATA, 1995).
Os educadores ambientais, que são o elo entre a ciência e conservação ambiental, são
mediadores no estímulo da percepção dos envolvidos no processo de conservação de áreas
naturais, de acordo com Silva e Junqueira (2007).
Nessa complexa mediação, o educador ambiental não
pode esquecer que seu trabalho deve estar embasado nos
princípios da Educação Ambiental: participação, pensamento
crítico-reflexivo, sustentabilidade, ecologia de saberes,
responsabilidade, continuidade, igualdade, conscientização,
coletividade, emancipação e transformação social, sem
esquecer o cunho político (GONZALES,TOZONI-REIS e DINIZ,
2007, p. 382).
A escola é um espaço indicado para a discussão e aprendizado de temas atuais e
urgentes, além disso, acolhe a realidade sociocultural de sua comunidade onde é possível
identificar seus sonhos, anseios, conflitos, desejos e esperança, incentivando, assim, ações,
reações e compromissos (CERATI e LAZARINI, 2009). O papel do professor perante a escola
e os estudantes supera a transmissão do conteúdo isolado, pois faz parte do processo
de aprendizagem do estudante, da transformação deste em um ser autônomo, crítico,
reflexivo, mediando toda forma de conhecimento (SAMPAIO, 2012).
A exploração de um espaço não escolar deve ser considerada prérequisito para a
educação científica no âmbito do respeito ao meio ambiente. Dessa forma, a utilização dos
ambientes não escolares é de extrema importância para a construção de uma aprendizagem
ecológica. Para tanto, é imprescindível que os educadores estejam familiarizados com as
características ao redor da escola, a fim de elaborar propostas de atividades extramuros
da escola que sirvam para a construção de uma educação científica. Assim, o estudante
pode vivenciar os conceitos teóricos apreendidos em sala de aula por meio de atividades
participativas em situações práticas (QUEIROS, et al., 2011). Dessa forma, o professor pode
propor projetos diversificados em sua prática pedagógica “capazes de mobilizar seus alunos
e que comportem, em sua própria execução, a possibilidade de esbarrar em obstáculos que
correspondam justamente aos objetivos programáticos” (MEIRIEU, 2005, p. 88).
Para o desenvolvimento de projetos que envolvam a Educação Ambiental ao ar livre é
imprescindível que sejam utilizados espaços propícios a vivências diretas com e na natureza,
pois essa imersão é fator mediador da transformação. O estímulo a esse procedimento
educativo está presente em diversas propostas, como o Programa Nacional de Educação
Ambiental (PNEA) e os planos específicos de gestão de Unidades de Conservação (UC) de uso
indireto (BRASIL, 1999, 2000). Tais vivências despertam emoções e motivações capazes de
impulsionar mudanças nas relações das pessoas com os ambientes, focando a preservação
e o cuidado ambiental (SOUZA JÚNIOR; ITO, 2005; TUAN, 1980). No entanto, o lugar não é
suficiente para que esse procedimento seja realmente transformador de comportamento,
pois a prática pedagógica e suas técnicas são essenciais para vivências educativas e devem
ser muito bem planejadas para a obtenção de sucesso.
3.2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

3.2.1 Ambientes e público-alvo

Para a elaboração deste projeto foi proposto o aproveitamento pedagógico do


Parque Edmundo Zanoni tendo em vista o desenvolvimento de um projeto de trabalho
multidisciplinar, envolvendo os estudantes do 6º e 7º ano do Ensino Fundamental da Escola
Terra Brasil (aproximadamente 40 estudantes).
- Escola Terra Brasil: Rua Praça José Carlos Ribeiro, 41 Bairro Loanda, Atibaia - São Paulo.
- Parque Edmundo Zanoni: situado no entorno da escola, na Avenida Horácio Neto,
1030 - Jardim Samambaia, Atibaia – SP.
O parque encontra-se na área urbana do município de Atibaia, localizado a cerca de
60 km da capital do Estado de São Paulo e ocupa uma área de 40.000 m2 contendo um
playground; um lago com pedalinhos; um viveiro de plantas e de pássaros; um Museu de
História Natural, com mais de mil animais empalhados; e o Salão do Artesão, com venda
de produtos artesanais. O parque é totalmente cercado proporcionando segurança aos
participantes do projeto, possui uma vasta área verde, com gramado, árvores nativas e uma
infraestrutura com casa, varanda e galpão coberto, espaços que serão aproveitados para o
desenvolvimento das atividades pedagógicas.

3.2.2 Disciplinas, conteúdos e conceitos envolvidos


- Ciências Naturais: ecologia e sustentabilidade;
- Artes: artes visuais (produção artística visual) e música (construção de instrumentos
musicais);
- Educação Física: conhecimentos sobre o corpo (anatômicos e fisiológicos).
Além das disciplinas e dos conteúdos relatados acima, serão trabalhados de forma
interdisciplinar, em todas as etapas do projeto, os Temas Transversais - “Ética”, “Meio
Ambiente” e “Saúde” (BRASIL, 1998).

3.2.3 Propostas de ação e estratégias didáticas

1a etapa – Desenvolvimento na Escola Terra Brasil

Inicialmente, no período da aula de cada disciplina, serão apresentados aos estudantes


os assuntos que serão abordados no projeto:

Ciências Naturais: ecossistemas, níveis tróficos (produção, consumo e decomposição),


relações entre seres vivos, cadeia e teia alimentar, biodiversidade, alimentação saudável
(agrotóxicos e alimentos orgânicos), compostagem, impacto ambiental, poluição,
sustentabilidade, reciclagem, pegada ecológica e ecologia acústica.

Artes: observação, criação, experimentação, produção artística, comunicação visual,


decoração sustentável e musicalidade.

Educação Física: saúde, fisiologia e consciência corporal.

Os estudantes serão estimulados pelas seguintes propostas e questionamentos:


A) Verificar se os estudantes têm conhecimento da existência de três Unidades de
Conservação na região (Mosaico de Unidades de Conservação do Contínuo da Cantareira)
e quais são seus saberes a respeito.
B) Dialogar sobre o assunto por meio das seguintes questões:

ƒƒ Qual a importância dos pequenos fragmentos de vegetação presentes na área ur-


bana para os seres vivos que habitam a região?
ƒƒ Que formas de vida são observadas em casa, na escola, no bairro etc.?
ƒƒ De que forma a poluição pode interferir na qualidade de vida dos habitantes da
região (fauna, flora, seres humanos)?
ƒƒ  Vocês conhecem a “política” dos 3Rs/ 5Rs/ 7Rs / 8Rs?

1) Reduzir; 2) Reutilizar; 3) Reciclar; 4) Repensar; 5) Recusar; 6) Reparar;


7) Reintegrar; 8) Reeducar.
A partir das respostas dos estudantes, o professor irá realizar comentários, citar exemplos
e situações de forma a melhor ilustrar/contextualizar o assunto e esclarecer dúvidas.
C) Solicitar aos estudantes que coletem embalagens recicláveis para a reutilização na
Oficina Sustent’Art, que será realizada na próxima etapa do projeto. Em seguida, propor as
seguintes questões:

ƒƒ De que forma é possível utilizar materiais naturais (sementes, folhas, flores etc.) e
materiais recicláveis tendo em vista a produção artística e a comunicação?
ƒƒ Que instrumentos musicais podem ser produzidos a partir desses materiais?
ƒƒ  Quais podem ser os benefícios dessas práticas (para a saúde e para o ambiente)?
ƒƒ  Que mensagens podem ser transmitidas pela arte?
D) Propor aos estudantes que procurem em materiais impressos e na internet imagens
de pessoas praticando atividades físicas em áreas verdes, em academias e espaços urbanos,
como ciclovia e praças. Solicitar que organizem e fixem as imagens num painel deixando
espaço para anotarem as suas reflexões a partir das seguintes perguntas:

ƒƒ Como nosso organismo pode ser influenciado pelo ambiente?


ƒƒ Quais os efeitos da atividade física para o organismo e para a saúde?
ƒƒ Qual a importância da prática de atividade física? Como essa prática influencia o
meio socioambiental?

2ª etapa – Desenvolvimento no Parque Edmundo Zanoni

Serão propostas as seguintes atividades a serem desenvolvidas na área externa do


parque, em um amplo campo gramado com árvores em volta:

- Agenda 21
Para realizar o diagnóstico da percepção que os estudantes têm em relação ao ambiente
em que vivem e como suas vidas são afetadas direta ou indiretamente, propõe-se a realização
da Oficina do Futuro1. Os resultados da Oficina do Futuro1 serão a base do diagnóstico de
percepção ambiental.

Árvore dos Sonhos: uma árvore grande pode ser representada no solo, com galhos
secos e barbante. Os estudantes deverão escrever e/ou desenhar seus sonhos para o futuro,
1Atividade baseada na proposta do projeto educacional do Governo Federal, Com-Vida, em
http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/com-vida.pdf
respondendo a pergunta:
ƒƒ Como é o meio ambiente dos nossos sonhos?
ƒƒ Como é a comunidade dos nossos sonhos?
Cada grupo deve escrever os seus sonhos e pregar na Árvore dos Sonhos.

As Pedras no Caminho: falar das pedras no caminho serve para a turma desabafar e
identificar as dificuldades existentes para alcançar os sonhos. Um caminho de pedras será
desenhado no chão.
Os estudantes devem responder:
ƒƒ Que dificuldades podem encontrar para alcançar os sonhos?
Desenvolver um debate para escolher um problema para ser colocado sobre cada pedra
no caminho.

As Soluções: Depois de identificados os anseios e as dificuldades, os estudantes devem


discutir quais são as mudanças de atitudes pessoais e da comunidade que podem contribuir
para a solução desses problemas.
Após a realização do diagnóstico inicial sobre sonhos, dificuldades e soluções, serão
desenvolvidas as atividades de sensibilização, apresentadas a seguir:

- Dinâmica do encadeamento2
A compreensão dos conceitos ecológicos de um ecossistema pode ocorrer de uma forma
divertida. Assim, propõe-se uma atividade que demonstre como acontece a formação de
cadeias e teias alimentares e como elas podem ser alteradas pela ação humana. Propõe-se
que a atividade seja realizada no gramado do parque e aborde o assunto no contexto do
2 Atividade extraída do site:
http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=49697
ecossistema da Mata Atlântica, considerado um dos hotspots mundiais para preservação
ambiental.
O professor de Ciências deverá:
1) Providenciar os seguintes materiais: rolo de barbante ou novelo de lã.
2) Organizar os estudantes em um círculo.
3) Escolher 4 estudantes para representarem os produtores. Cada um receberá um rolo
de barbante ou um novelo de lã.
4) Escolher uma pessoa do círculo e entregar o barbante ou novelo de lã. O estudante
selecionado escolherá um componente da natureza que se relaciona com o anterior.
5) Isso se procederá com todos os estudantes e no final se formará uma teia com o
barbante ou novelo de lã, simulando uma teia alimentar e um ecossistema.
6) Escolher um componente a ser retirado que deverá arrastar o barbante.
7) Iniciar uma discussão sobre a interdependência dos componentes da natureza.
Mencionar o efeito negativo da interferência humana no ecossistema, enfatizando o
desequilíbrio ambiental.

- Oficina Musical
Produção de instrumentos musicais a partir de sucata3. Na primeira etapa, os estudantes
devem ser orientados a coletar embalagens recicláveis para a reutilização para a elaboração
dos instrumentos musicais.
Essa oficina deverá acontecer na área verde do Parque Edmundo Zanoni.

- Oficina Sustent’Art
Os estudantes serão convidados a coletar material natural (folhas, sementes, flores,
33 http://www.lataco.com.br/zipzapzup/downloads/instrumentosmusicais.pdf
gravetos) na área do Parque Edmundo Zanoni (nada deve ser arrancado das árvores e
canteiros, utilizar apenas o que estiver caído no chão). Durante a oficina, o professor de
Ciências deverá promover um debate acerca da importância da biodiversidade característica
da Mata Atlântica.
Serão disponibilizados diversos materiais artísticos (cartolina, tinta, giz, etc.) e, além
disso, serão utilizados também os materiais recicláveis coletados na semana anterior.
Propor a realização de colagens, desenhos, pinturas, etc., tendo em vista a produção de
uma História em Quadrinhos com o tema “Vida e Ambiente”, transmitindo uma mensagem
ecológica. Também podem ser produzidos artesanatos, mandalas, artigos de decoração, etc.
Além de permitir o desenvolvimento de habilidades motoras e manuais, permite também
a transmissão de mensagem ecológica e sustentável.
A produção artística será exposta no fechamento do projeto.

- Oficina de Ginástica Natural


Para essa oficina, o professor de Educação Física utilizará a área verde do parque para
a realização de uma ginástica natural, com o objetivo dos estudantes praticarem o que foi
pesquisado na primeira etapa em sala de aula com relação ao funcionamento do nosso
corpo e a importância da atividade física.
A Ginástica Natural fundamenta-se nos movimentos naturais do ser humano, nas
técnicas de alongamento, flexibilidade e respiração do Hata-Yoga, na movimentação do
Jiu-Jitsu e na imitação de gestos, posturas e movimentos dos animais (ROMANO, 1998).

- Oficina de Yoga
Nessa oficina, o professor de Educação Física utilizará a área verde (gramado plano e
sombreado) do parque para a realização da Yoga, a fim de desenvolver nos estudantes a
consciência corporal e a dinâmica de uma boa respiração.
Patanjali apud Chanchani (2006) descreveu a Yoga como o meio pelo qual nossa mente
pode tornar-se calma, tranquila e livre de todas as distrações.
Segundo Devi (1961), as posturas e os exercícios de respiração e relaxamento podem ser
usados por todos os que desejarem melhorar suas condições físicas e mentais e também
uma oportunidade de resgatar a essência do ser, buscando a harmonia e o equilíbrio da
estrutura psicofísica e o domínio emocional, inteiramente dedicada ao cuidado minucioso
do corpo humano e de todas as suas funções: da respiração à eliminação.
Assim, essas posturas corporais trazem saúde e bem-estar, permitindo a harmonização
energética e muscular, além de contribuir para administração do estresse físico e mental.

3ª etapa – Fechamento do projeto (produto final)

O material produzido na Oficina Sustent’Art será exposto no galpão do parque e os


estudantes deverão explicar aos demais participantes o propósito da exposição, apresentando
os conhecimentos e valores apreendidos. Haverá também a apresentação de slides com
fotos das atividades desenvolvidas.
Todos os envolvidos direta ou indiretamente no projeto serão convidados para a
exposição, ou seja, a comunidade escolar e do bairro (incluindo os pais ou responsáveis).
Essa etapa será utilizada para avaliação do projeto.
3.2.4 Tempo de duração do projeto e cronograma

Esse projeto terá a duração de 10 dias letivos divididos em três etapas.

1ª etapa: de 25 a 29/5 – Na escola: apresentação dos conceitos que serão abordados


no projeto.

2ª etapa: de 1 a 4/6 – No Parque Edmundo Zanoni: desenvolvimento das atividades.

HORÁRIO Dia 1 de junho


13:00 - 13:30 Apresentar aos estudantes toda a área do parque e a biodiversidade
presente
13:30 - 14:30 Agenda 21 (Muro das Lamentações e Árvore dos Sonhos)
14:30 - 15:00 Dinâmica do encadeamento
15:00 - 16:00 Lanche saudável - piquenique na área sombreada do parque (frutas,
pães integrais, água mineral e sucos naturais)
16:00 - 18:00 Oficina Musical - produção de instrumentos musicais a partir de
sucata
HORÁRIO Dia 2 de junho
13:00 - 15:00 Oficina Sustent’Art - produção artística
15:00 - 16:00 Lanche saudável - piquenique na área sombreada do parque (frutas,
pães integrais, água mineral e sucos naturais)
16:00 - 18:00 Oficina Musical - finalização da produção instrumental
HORÁRIO Dia 3 de junho
13:00 - 15:00 Oficina Sustent’Art - finalização da produção artística que será
exposta no fechamento do projeto
15:00 - 16:00 Lanche saudável - piquenique na área sombreada do parque (frutas,
pães integrais, água mineral e sucos naturais)
16:00 - 17:00 Consciência Corporal (alongamento e relaxamento)
17:00 - 18:00 Ensaio Musical (utilizando os instrumentos produzidos pelos
estudantes)
HORÁRIO Dia 4 de junho
13:00 - 14:00 Oficina de Ginástica Natural: professor de educação física especializado
14:00 - 15:00 Ensaio Musical (utilizando os instrumentos produzidos pelos
estudantes)
15:00 - 16:00 Lanche saudável - piquenique na área sombreada do parque (frutas,
pães integrais, água mineral e sucos naturais)
16:00 - 17:00 Oficina de Yoga: professor de educação física especializado (convidado)
- noções básicas/ relaxamento/ alongamento/ meditação
17:00 - 18:00 Acabamento Final (da produção artística e instrumental)

3º etapa: 5/6 - No Parque Edmundo Zanoni: fechamento e avaliação do projeto.

HORÁRIO Dia 5 de junho - Dia Mundial do Meio Ambiente


13:00 - 14:00 Palestra ministrada por um educador ambiental, sobre os temas “Vida
e Ambiente” e “Política dos 3Rs/Rs/7Rs/8Rs ?”
14:00 - 15:00 Consciência Corporal Interativa (propõe-se que pais e filhos interajam
por meio de exercícios e alongamentos em dupla)
15:00 - 16:00 Lanche saudável - piquenique na área sombreada do parque (frutas,
pães integrais, água mineral e sucos naturais)
16:00 - 17:00 Apresentação Musical (com os instrumentos elaborados pelos
estudantes)
17:00 - 18:00 Exposição Sustent’Art (produto final do projeto)

4 AVALIAÇÃO
A avaliação ocorrerá em dois formatos e em dois momentos distintos. No primeiro
formato, a avaliação será contínua, acompanhando cada estudante individualmente pela
sua postura, dúvidas e observações ao longo de todas as atividades do projeto. Os momentos
de lanche serão utilizados na busca do contato pessoal com cada estudante, especialmente
os que se manifestaram pouco ao longo das aulas. No segundo formato serão avaliados os
trabalhos finais produzidos e a apresentação desse material para o público (fechamento
do projeto), buscando identificar modificações no comportamento dos estudantes a partir
das informações disponibilizadas ao longo do projeto. Os dois processos, juntos, devem
disponibilizar aos professores um diagnóstico de incorporação dos conceitos apresentados
e definir se os objetivos propostos foram alcançados ou não.
Portanto, como produto final, para o fechamento do projeto, propõe-se uma exposição
no galpão do parque para os pais, professores, demais colegas e comunidade, explorando
especialmente as três disciplinas abordadas (Ciências, Artes e Educação Física) e os Temas
Transversais “Ética”, “Meio Ambiente” e “Saúde”. O material produzido na Oficina Sustent’Art
será exposto no galpão do parque e os estudantes deverão explicar aos demais participantes,
o propósito da exposição, apresentando os conhecimentos e valores apreendidos. Haverá
também a apresentação de slides com fotos das atividades sendo desenvolvidas.

4.1 RESULTADOS ESPERADOS

Ao final do projeto espera-se que os estudantes tenham aprimorado o aprendizado


nos conteúdos teóricos e práticos das disciplinas desenvolvidas nesse projeto, participando
das atividades propostas com curiosidade e empenho. Além disso, espera-se que seja
desenvolvida a conscientização com relação à importância da preservação e recuperação
de áreas naturais; e com relação à necessidade de promover o consumo consciente, tendo
em vista a sustentabilidade ambiental. A preocupação com a saúde (alimentação e atividade
física) também é almejada.
Assim sendo, espera-se que os participantes do projeto atuem como multiplicadores,
propagando os conceitos e valores ecológicos e saudáveis ao seu redor. Além da exposição,
haverá também a apresentação de slides com fotos das atividades desenvolvidas.
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O desenvolvimento deste projeto, ao envolver a multidisciplinaridade entre as disciplinas


de Ciências, Artes e Educação Física e a transversalidade contemplando a ética, meio
ambiente e saúde, permitirá que o estudante compreenda os conceitos teóricos e valores
implícitos nas atividades propostas e construídas no ambiente escolar, promovendo uma
maior consciência ecológica. As atividades, o debate e a interiorização dos principais
conceitos envolvidos neste projeto, deverá promover uma atuação mais adequada à
preservação do meio ambiente, fruto da ampliação da sua própria consciência ecológica,
bem como a adoção de uma postura de respeito, verificável em seu comportamento. Dessa
forma, ocorrendo a sensibilização e conscientização em relação às questões ambientais,
assim como a compreensão da importância de suas ações com o meio ambiente e com
a qualidade de vida, os mesmos poderão vir a ser multiplicadores na promoção de uma
sociedade sustentável, o que demonstraria que os objetivos do projeto foram alcançados.
Diversos ambientes, inclusive os não escolares, podem contribuir para promover aos
estudantes uma aprendizagem significativa, por meio de atividades bem planejadas e integradas
com as diversas áreas de conhecimento, a fim de proporcionar uma educação de qualidade.
Entretanto, é importante salientar que sempre haverá a necessidade de planejar e desenvolver
novos projetos que envolvam ambientes não escolares, pois o conhecimento e as demandas
educacionais da atualidade são dinâmicos e exigem estratégias de ensino flexíveis e variadas.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação


Fundamental. Brasília: MEC, 1998. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/
pdf/ciencias.pdf> Acesso em: 17/junho/2015.
______. Decreto-Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Legislação federal. Brasília
- DF; Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/
lei9795.pdf>Acesso em: 17 junho. 2015.

______. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Legislação federal. Brasília, 2000.


Disponível em: <http://www.ibama.gov.br>. Acesso em: 17 junho. 2015.
CERATI, T. M.; LAZARINI, R. A. M. A pesquisa-ação em educação ambiental: uma
experiência no entorno de uma unidade de conservação urbana. Ciência & Educação
(Bauru), v. 15, n. 2, 2009 .
CHANCHANI, R.; CHANCHANI, S. Ioga para crianças: um guia completo e ilustrado
de ioga: incluindo manual para pais e professores. São Paulo: Madras Editora Ltda. 2006.
DEVI, I. Hatha ioga: paz e saúde. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A, 1961.
DIETZ, L. A.; NAGAGATA, E. Y. Golden lion tamarin conservation program: a community
educational effort for forest conservation in Rio de Janeiro State, Brazil. Conserving wildlife:
International education and communication approaches, p. 64-86, 1995.
GONZALES, L. T. V.; TOZONI-REIS, M. F. C.; DINIZ, R. E. S. Educação ambiental na
comunidade: uma proposta de pesquisa-ação. Revista Eletrônica Mestrado em Educação
Ambiental, Rio Grande, v. 18, 2007.
MEIRIEU, P. O cotidiano da escola e da sala de aula: o fazer e o compreender. Porto
Alegre: Artmed, 2005.
MILANO, M. S. Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro: Light, 2000.
MAROTI, P. S. Educação e interpretação ambiental junto à comunidade do entorno
de uma unidade de conservação. 2002. 145f. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos
Naturais) - Centro de Ciências Biológicas e Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São
Carlos, 2002.
QUEIROZ, R. M.; TEIXEIRA, H. B.; VELOSO, A. S.; TERÁN, A. F.; QUEIROZ, A. G. A caracterização
dos espaços não formais de educação científica para o ensino de Ciências. Revista
Amazônica de Ensino de Ciências, Manaus, v. 4, n. 7, p. 12-23, 2011.
ROMANO, A. Ginástica Natural. Rio de Janeiro: Ed. Press, 1998.
SAMPAIO, M.C.S. A importância de trabalhar com projetos no ensino fundamental.
Capivari: CNEC, 2012.
SCHUTZER, J.G. Análise estratégica do relevo e planejamento territorial urbano:
Compartimentos ambientais estruturantes na macrometrópole de São Paulo. Revista
Labverde, v. I, n. 5, p. 11-36, 2012.
SILVA, J. M. C.; JUNQUEIRA, V. Educação e conservação da biodiversidade: uma
escolha. In: JUNQUEIRA, V.; NEIMAN, Z. (Orgs.). Educação ambiental e conservação da
biodiversidade: reflexões e experiências brasileiras. Barueri: Manole, p. 35-48, 2007.
TABANEZ, M. F.; PÁDUA, S. M.; SOUZA, M. G. Avaliação de trilhas interpretativas para
educação ambiental. In: PÁDUA, S. M.; TABANEZ, M. F. Educação ambiental: caminhos
trilhados no Brasil. Brasília: IPE, 1997.
WELLS, M.; BRANDON, K.; HANNAH, L. People and parks. Linking Protected Area
Management with Local Communities. The World Bank, WWF, USAID. Washington, DC,
1992.