Você está na página 1de 9

Introdução sobre como funciona a reciclagem de plástico

Não é mais mistério para ninguém que praticar reciclagem, seja em casa ou no
trabalho, é fundamental para a preservação do meio ambiente, além de um ato
de cidadania e respeito com as próximas gerações que habitarão o planeta. Ao
reciclar, estamos dando vida nova a materiais que acabariam inutilizados em
lixões ou aterros sanitários, quando não poluindo rios e córregos.
O baixo custo de produção e a alta maleabilidade fazem deste material um
insumo largamente consumido em todo o mundo o plástico, do ponto de vista
ambiental se torna é um grande problema mundial.

Os plásticos estão presentes (e muitas vezes são essenciais) em diversos


setores da economia. A construção civil, embalagens, têxtil, telecomunicações
e eletroeletrônicos, por exemplo, são grandes “consumidores” deste material.
São produtos que vão desde “inofensivas” sacolinhas de plástico a chassis de
tratores e caminhões.

O descarte de plásticos é dividido em dois grupos distintos: pós-industriais


(descarte feito por indústrias) e pós-consumo (embalagens e outros produtos
que vão para o lixo dos consumidores). Para se ter uma idéia, em 2005 foram
descartados 767.503 mil toneladas de plásticos no Brasil, de acordo com
levantamento do Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos (Plastivida).

O problema é que o plástico é produzido do petróleo, um combustível fóssil


não-renovável (ou seja, um dia acaba), altamente poluente quando queimado
ou derramado, e tóxico, quando inalado ou ingerido. Como agravante, a
biodegradabilidade da maioria dos plásticos é muito lenta. Uma garrafa PET,
por exemplo, leva cerca de 500 anos para se desintegrar na natureza. Por isso,
enquanto não inventam um material para substituí-lo, é muito importante
reciclá-lo.

Esta alternativa, no entanto, está longe de ser efetiva. Em 2006, reciclou-se


19,8% do plástico pós-consumo em território nacional. A média européia foi de
16,94. A Alemanha, neste sentido, é um exemplo a ser seguido por outras
nações: reciclou 32% do seu plástico pós-consumo.

Processo de reciclagem
Qual é o papel do consumidor na reciclagem do plástico? Como as pessoas
podem contribuir para melhorar o índice brasileiro?

Ao consumidor cabe separá-lo em casa e entregá-lo para a coleta seletiva da


prefeitura ou às cooperativas de catadores. Pode também depositá-lo nos lixos
vermelhos de reciclagem, disponibilizados por diversas lojas e supermercados.
O material será recolhido, separado e vendido (ou doado, depende do caso)
para indústrias de reciclagem que, por sua vez, executarão a reciclagem
propriamente dita.
O que entra no "lixinho vermelho"?

O plástico é um material muito versátil, é comum o


observarmos em diversos níveis de rigidez, gramatura
e cores. Eles podem ser divididos em dois grupos:

- Rígidos: aparelhos telefônicos, eletrodomésticos,


garrafas PET, carros e lapiseiras;

- Filmes: sacolinhas plásticas, embalagem de cigarro


e papel filme.

Em ambos os grupos, (quase) todos os componentes


são recicláveis e, portanto, devem ser encaminhados
para a reciclagem. A exceção (o que não é reciclado)
fica por conta de cabos de panela, botões de rádio,
pratos, canetas, bijuterias e espuma, entre outros
produtos.

Lembre-se de que não se recicla dois ou mais tipos de


plástico ao mesmo tempo, antes de entrar no sistema
eles são separados. Portanto, antes de descartar a
garrafa PET, separe a tampinha e o rótulo da
embalagem. O mesmo vale para o tubo e a tampa da
pasta de dentes, do shampoo, e por aí vai. Não custa
nada dar uma mãozinha aos “empresários verdes”,
não é mesmo? Afinal de contas, eles estão fazendo
um bem ao nosso planeta.

Existem, atualmente, três sistemas de reciclagem de plásticos: mecânica,


química e energética. Cada um deles possui suas vantagens e desvantagens.
O mais utilizado, em nível mundial, é o sistema mecânico, pela facilidade de
implementação e pelo custo da operação.
Empresário verde
Empolgou-se com a reciclagem do plástico e quer montar seu próprio negócio?
Vá com calma.

O investimento inicial para montar a sua própria recicladora de plástico gira em


torno de R$ 300 mil. Sem contarmos, é claro, com o terreno para instalar as
máquinas, que deve ser de pelo menos 1,5 mil metros quadrados. E para que o
negócio seja rentável, o ideal é reciclar mensalmente cerca de 50 toneladas de
material.

Comprador é o que não falta, já que seu preço é menor do que a metade do
plástico virgem. O setor têxtil, que produz fibras de poliester a partir do PET
reciclado, é um grande cliente.

E por que não agregar valor ao seu produto final? Uma alternativa à simples
venda de plástico reciclado para outras indústrias é a criação de produtos à
base de materiais recicláveis, como por exemplo, bijuterias e objetos
decorativos. Várias cooperativas de catadores no Brasil já estão fazendo isso.
As garrafas PET, por exemplo, podem servir para fazer cadeiras e mesas,
graças a sua resistência mecânica (dá para passar um carro em cima de uma
garrafa Pet fechado que ela resiste). Há quem faça bonecas com o plástico e
inclusive, bijuterias como as da Camapet (Cooperativa de Coleta Seletiva,
Processamento de Plástico e Proteção Ambiental) de Salvador, usadas no
carnaval baiano.
Em 2005, a indústria brasileira de reciclagem de plástico contava com 512
empresas, reciclava 767,5 mil toneladas de plástico por ano – 60,9% de sua
capacidade instalada – e gerava 17.548 empregos diretos.

De onde vem e para onde vai

De onde vêm os diferentes tipos de plásticos que utilizamos, e no que eles se


transformam após o processo de reciclagem. Veja abaixo:

O que pode ser produzido com plástico reciclado

Quem apostar no mercado de reciclagem de plástico


não precisa somente vender a matéria-prima reciclada
para outras indústrias, pode também pode produzir seu
próprio produtos. Veja abaixo uma lista do que pode
ser produzido:

- Armários, mesas e cadeiras;


- Vassouras, baldes, cabides, escovas e cerdas;
- Garrafas e frascos (exceto para contato direto com
alimentos e fármacos), sacolas e outros tipos de
filmes;
- Bonecas, carrinhos e outros brinquedos;
- Bijuterias e objetivos decorativos;
- Telhas e painéis de fachada para construção civil; e
- “Madeira de plástico”.

TERMOPLÁSTICOS
PET - (polietileno tereftalado)

Frascos de refrigerantes, produtos


farmacêuticos, produtos de limpeza, mantas
de impermeabilização e fibras têxteis, etc;

PEAD - (polietileno de alta densidade)

Embalagens para cosméticos, frascos de


produtos químicos e de limpeza, tubos para
líquidos e gás, tanques de combustível para
veículos automotivos, etc;

PVC - (policloreto de vinila)

Frascos de água mineral, tubos e conexões


de encanamento, calçados, encapamentos
de cabos elétricos, equipamentos médico-
cirúrgicos, esquadrias e revestimentos, etc.

PEBD - (polietileno de baixa densidade)

Embalagens de alimentos, sacos industriais,


sacos para lixo, lonas agrícolas, filmes
flexíveis para embalagens e rótulos de
brinquedos, etc;

PP - (poliproprileno)

Embalagens de massas e biscoitos, potes


de margarina, seringas descartáveis,
equipamentos médico-cirúrgicos, fibras e
fios têxteis, utilidades domésticas,
autopeças (pára-choques de carro);
PS – (poliestireno)

Copos descartáveis, placas isolantes,


aparelhos de som e tv, embalagens de
alimentos, revestimento de geladeiras,
material escolar;

OUTROS

Plásticos especiais e de engenharia, CDs,


eletrodomésticos, corpos de computadores;

TERMORRÍGIDOS
PU - Poliuretanos, EVA - Poliacetato de Etileno Vinil etc
Solados de calçados, interruptores, peças industriais elétricas,
peças para banheiro, pratos, travessas, cinzeiros, telefones e
etc.

Sustentabilidade
A atividade humana desequilibra o ambiente, mas há o que fazer para
minimizar os danos - e evitar o esgotamento dos recursos naturais.

Especial - Reciclagem
A reciclagem de materiais é uma prática antiga que
ganhou força nos últimos anos. Veja tudo o que o
ComoTudoFunciona publicou sobre reciclagem.

Você sabe separar seu lixo para reciclagem?


Muita gente já separa o lixo de sua casa para reciclá-
lo, mas as dúvidas são grandes. Veja o que é e o que
não é reciclável do seu lixo diário.

Como funciona a reciclagem de vidros


A reciclagem de vidro tem crescido nos últimos anos
na baila das outras reciclagens. Veja o que acontece
com 3% do lixo nosso de cada dia.

O que é Sustentabilidade?
Sustentabilidade é um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos
aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana.
Propõe-se a ser um meio de configurar a civilização e atividade humanas, de
tal forma que a sociedade, os seus membros e as suas economias possam
preencher as suas necessidades e expressar o seu maior potencial no
presente, e ao mesmo tempo preservar a biodiversidade e os ecossistemas
naturais, planejando e agindo de forma a atingir pró-eficiência na manutenção
indefinida desses ideais.
A sustentabilidade abrange vários níveis de organização, desde a vizinhança
local até o planeta inteiro.
Para um empreendimento humano ser sustentável, tem de ter em vista 4
requisitos básicos. Esse empreendimento tem de ser:
• ecologicamente correcto;
• economicamente viável;
• socialmente justo; e
• culturalmente aceito.
Um exemplo real de comunidades humanas que praticam a sustentabilidade
em todos níveis são as eco vilas.
O que é Reciclagem?
A reciclagem é termo genericamente utilizado para designar o
reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo
produto. Muitos materiais podem ser reciclados e os exemplos mais comuns
são o papel, o vidro, o metal e o plástico. As maiores vantagens da reciclagem
são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não
renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita de
tratamento final, como aterramento, ou incineração.
O conceito de reciclagem serve apenas para os materiais que podem voltar ao
estado original e ser transformado novamente em um produto igual em todas
as suas características. O conceito de reciclagem é diferente do de reutilização.
O reaproveitamento ou reutilização consiste em transformar um determinado
material já beneficiado em outro. Um exemplo claro da diferença entre os dois
conceitos, é o reaproveitamento do papel.
O papel chamado de reciclado não é nada parecido com aquele que foi
beneficiado pela primeira vez. Este novo papel tem cor diferente, textura
diferente e gramatura diferente. Isto acontece devido a não possibilidade de
retornar o material utilizado ao seu estado original e sim transformá-lo em uma
massa que ao final do processo resulta em um novo material de características
diferentes.
Outro exemplo é o vidro. Mesmo que seja “derretido”, nunca irá ser feito um
outro com as mesmas características tais como cor e dureza, pois na primeira
vez em que foi feito, utilizou-se de uma mistura formulada a partir da areia.
Já uma lata de alumínio, por exemplo, pode ser derretida de voltar ao estado
em que estava antes de ser beneficiada e ser transformada em lata, podendo
novamente voltar a ser uma lata com as mesmas características.
A palavra reciclagem difundiu-se na mídia a partir do final da década de 1980,
quando foi constatado que as fontes de petróleo e de outras matérias-primas
não renováveis estavam se esgotando rapidamente, e que havia falta de
espaço para a disposição de lixo e de outros dejetos na natureza.
Como disposto acima sobre a diferença entre os conceitos de reciclagem e
reaproveitamento,em alguns casos, não é possível reciclar indefinidamente o
material. Isso acontece, por exemplo, com o papel, que tem algumas de suas
propriedades físicas minimizadas a cada processo de reciclagem, devido ao
inevitável encurtamento das fibras de celulose.

Curiosidades sobre a reciclagem de Plástico

Reciclagem de Plásticos
...Plásticos são materiais formados pela união de grandes
cadeias moleculares chamadas polímeros, sua reciclagem é
muito importante, pois nos traz muitos benefícios...
quinta-feira, 22 de março de 2007
CURIOSIDADES SOBRE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS
Em vista no site (http://www.proartecultural.org.br) o consumo anual de
plásticos no Brasil gira em torno de (19 kg/hab). O volume é relativamente
baixo se comparado aos índices de outros países, como Estados Unidos (100
kg/hab) e a média na Europa (80 kg/hab.). No campo da reciclagem, 15%
dos plásticos rígidos e filmes retornam à produção brasileira como matéria-
prima, o que equivale a 200 mil t/ano. Nos Estados Unidos, este número é
quase cinco vezes maior.

Conforme citado no site (http://www.cetsam.senai.br/bolsa), a presença dos


plásticos é de vital importância, pois aumenta o rendimento da incineração
de resíduos municipais. O calor pode ser recuperado em caldeira, utilizando
o vapor para geração de energia elétrica e/ou aquecimento.Testes em
escala real na Europa comprovaram os bons resultados da co-combustão
dos resíduos de plásticos com carvão, turfa e madeira, tanto técnica,
econômica, como ambientalmente. A queima de plásticos em processos de
reciclagem energética reduz o uso de combustíveis. A reciclagem
energética é realizada em diversos países da Europa, EUA e Japão e utiliza
equipamentos da mais alta tecnologia, cujos controles de emissão são
rigidamente seguros, anulando riscos à saúde ou ao meio ambiente.

Bibliografia

reciclagem-unisc.blogspot.com/.../curiosidades-sobre-reciclagem-de.htm
naturavendas.wordpress.com/.../reciclagem-sustentabilidade

ambiente.hsw.uol.com.br › ... › Sustentabilidade