Você está na página 1de 16

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

ENGENHARIA CIVIL

ALESSANDRO MIRANDA DE MOURA


ALEX PEREIRA DA SILVA CARNEIRO
JOSÉ AUGUSTO CUSTODIO OLIVEIRA
LEANDRO BRINGEL DE SOUSA
PEDRO MONTEIRO PALITOT
RUI VAZ SOUSA JUNIOR

PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO:


A CONSTRUÇÃO DE UMA BARRAGEM DE CONCRETO
PARA UMA USINA HIDROELÉTRICA

Araguaína
2019
1

ALESSANDRO MIRANDA DE MOURA


ALEX PEREIRA DA SILVA CARNEIRO
JOSÉ AUGUSTO CUSTODIO OLIVEIRA
LEANDRO BRINGEL DE SOUSA
PEDRO MONTEIRO PALITOT
RUI VAZ SOUSA JUNIOR

PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO:


A CONSTRUÇÃO DE UMA BARRAGEM DE CONCRETO
PARA UMA USINA HIDROELÉTRICA

Trabalho textual interdisciplinar em grupo apresentado à


Universidade Pitágoras Unopar, como requisito parcial
para a obtenção de média semestral nas disciplinas de
Geologia e Paleontologia; Fenômenos de transporte;
Materiais de Construção Civil I; Resistência dos
Materiais; Topografia e Georreferenciamento.

Professores: Adriano e Mariana Rolim Guerra.

Araguaína
2019
2

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 3
2 DESENVOLVIMENTO ......................................................................................... 4
2.1Passo 1-Estudo Topográfico .................................................................................. 4
2.2 Passo 2-Estudo Geológico .................................................................................... 7
2.3 Passo 3- Estudo do Concreto Massa .................................................................. 10
2.4 Passo 4-Especificações Mecânica dos Materiais ................................................ 11
2.5 Passo 5- Estudo Hidrológico ............................................................................... 13
3 CONCLUSÃO .............................................................................................................. 14
4 REFERENCIA.............................................................................................................. 15
3

1 INTRODUÇÃO

Esse trabalho tem como desafio elaborar uma produção textual


interdisciplinar em grupo que terá como temática a “A construção de uma barragem
de concreto para uma usina hidroelétrica”.
E assim compreender, analisar e interpretar cartas topográficas e
desenvolver os cálculos de um levantamento planialtimétrico e identificaraspectos
importantes da geologia e paleontologia nos conceitos de rochas. Iremos
compreender todo processo para construir uma barragem de concreto de uma usina
hidroelétrica, desde a análise do local até o estudo hidrológico da área a ser
implantada a barragem.
Exercitarmos nossos conhecimentos acerca da equação da
conservação da energia e perda de carga em um escoamento interno.
O trabalho será desenvolvido através da metodologia de revisão
bibliográfica‚ o que irá nos proporcionar uma exemplificação do cotidiano de um
Engenheiro Civil.
4

2 DESENVOLVIMENTO

A partir daqui abordaremos a construção de um Parque Industrial e


para isso precisa-se que seja expandida a geração de energia elétrica nesta cidade.
Pensando nisso, teremos que avaliar a viabilidade técnica da construção de uma
usina hidroelétrica para o necessário abastecimento de energia elétrica da cidade.

2.1 PASSO 1 - ESTUDO TOPOGRÁFICO

Em estudo para levantamento da topografia do local indicado para construção


da barragem, está localizado no Rio Bandeira, local que apresenta acidente
topográfico relativamente acentuado, como se ver na imagem abaixo.

Figura 1:Carta topográfica da implantação da Barragem.

Foi levantado toda a zona a ser impactada pela barragem, levando em


consideração as áreas que serão alagadas, a fauna e flora e número de pessoas
afetadas pela possível construção da barragem, considerando a topografia do local
indicado para construção da barragem.
5

Onde após o levantamento em campo foi coletada as informações


Planimétricas e altimétricas conforme tabela e demonstrativos abaixo:

Tabela 01: Levantamento Planimétrico.

0‚923 92‚0231
0‚761 76‚0239
0‚508 50‚789
0‚85 83‚385
6

Cálculos:

Dh (A.B)= Dh= (Fs-FI). K.(100). sen² (87‚432)


Dh (A.B)= (1‚957-1‚025). K.(100). sen² (87‚432)
Dh (A.B)= 0‚923.100. sen² (87‚432) → sen² (87‚432)= 0‚997
Dh (A.B)= 92‚0231

Dh (B.C)= Dh= (Fs-FI). K.(100). sen² (91‚324)


Dh (A.B)= (3‚487-2‚726). K.(100). sen² (91‚324)
Dh (A.B)= 0‚761.100. sen² (91‚324) → sen² (91‚324)= 0‚999
Dh (A.B)= 76‚0239

Dh (A.B)= Dh= (Fs-FI). K.(100). sen² (89‚312)


Dh (A.B)= (2‚342-1‚834). K.(100). sen² (89‚312)
Dh (A.B)= 0‚508.100. sen² (89‚312) → sen² (89‚312)= 0‚9998
Dh (A.B)= 50‚789

Dh (A.B)= Dh= (Fs-FI). K.(100). sen² (82‚13)


Dh (A.B)= (1‚873-1‚023). K.(100). sen² (82‚13)
Dh (A.B)= 0‚85.100. sen² (82‚13) → sen² (82‚13)= 0‚981
Dh (A.B)= 83‚385
7

2.2 PASSO 2- ESTUDO GEOLÓGICO

O filito é uma rocha metassedimentar que é basicamente constituída de


Sericita, caulinita e quartzo, é muito utilizado para compor cerâmicas. Encontra-se
na natureza com diversas colorações, como branco, roxo, creme, cinza, rosado e
preto, tem a granulação fina, e origina-se em geral de material argiloso, por
dinamometamorfismo e recristalização.

O quartzito é uma rocha metamórfica, tendo como maior parte da sua


formação o quartzo, mas contendo também outros materiais como moscovita, biotita,
Sericita, turmalina e dumortierita , a sua origem se dá com vários processos
metamórficas que dão desenvolvidos pelas rochas sedimentares. Tendo como
característica alta resistência mecânica, o quartzito resistem á fortes pressões, e tem
alta resistência a produtos químicos.
8

O arenito são rochas sedimentares que produz a matriz fina e é formado por
pequenas partículas que tem o tamanho de uma areia, o tamanho da areia pode
mudar o nome do arenito, denominando como arenito grosso, arenito médio ou fino.
Com o passar do tempo fragmentos ou sedimentos vão se acumulando, onde a
camada de cima vai dando pressão na camada de baixo, e essa pressão acaba por
cimentar e endurecer os fragmentos, formando assim o arenito, geralmente as
rochas de granito se desintegram aos poucos e as partículas de areias vão ficando
debaixo da água, de rios, mares ou lagos, e com a pressão acaba sendo
sedimentada e formando o arenito.

Existem as rochas foliadas e não foliadas, as rochas foliadas como por


exemplo o Filito, são rochas formadas a partir de vários minerais que são
submetidos a uma tensão no processo de recristalização, alterando a alteração dos
9

cristais alongados e lamelares, ficando perpendiculares a orientação da tensão.


Formando assim uma lâmina da rocha com as cores dos minerais que a formam. Já
as rochas não foliadas são formadas a partir de apenas um mineral, não apresentam
deformações visíveis como as rochas foliadas e tem aparências cristalinas, um
exemplo de rocha não filiada é o quartzito.

Em algumas rochas é possível encontrar fósseis presentes na sua formação a


maioria dos fósseis são encontrados em rochas sedimentares, por questão da
temperatura mais baixa e da pressão mais suave que permite a preservação de
formas de vidas passadas. Geralmente essa preservação acontece por questão da
lama, e de sedimentos que misturados com água acabam envolvendo os animais ou
plantas, e misturando com alguns minerais e outras partículas ao longo do tempo
vão endurecendo, as partículas pequenas de barro e argilas conseguem preservar
pequenos detalhes dos organismos encontrados.

No arenito é possível encontrar fósseis, mas como ele é arenoso e não tão
fino quanto o custo as formas de vidas encontradas neles não são delicados,
podendo encontrar fósseis de animais maiores, como dinossauros e algumas
plantas. Existem rochas em que não são encontrados fósseis, isso ocorre porque
sofrem muita pressão e calor, impossibilitando a preservação dos fósseis nessas
rochas.
10

2.3 PASSO 3 - ESTUDO DO CONCRETO MASSA

A preparação do concreto para uma barragem não é tão simples, é


fundamental que se estude quais são os cuidados que devem ser tomados nessa
construção e também na escolha dos materiais.

Em obras de grandes portes‚ como nas barragens utiliza-se o que


chamamos de concreto massa, isso quer dizer que, grandes volumes de concreto
são aplicados. Junto com esses grandes volumes pode-se surgir inúmeros
problemas, caso não seja levando em consideração aspectos relevantes na escolha
dos materiais‚ como os cuidados com o calor de hidratação e as variações
volumétricas podem causar inúmeros danos.

Para a construção de barragens e hidrelétricas, o concreto deve ser


demonstrando de maneira que torne mínimo o impacto térmico (o que possibilita
fissuras); permitindo a capacidade executiva e garantindo a resistência adequada. A
solução tem que atender requisitos como permeabilidade e reduzido consumo de
clínquer.
O cimento que deve ser utilizado na construção da barragem é o
cimento Portland de alto-forno (Cimento CP III) que contém maior quantidade de
escória, o que lhe confere propriedades como: menor liberação de calor ao reagir
com a água e alta resistência a ambientes mais agressivos‚ onde há presença de
ataque de sais e outros produtos químicos (CIMENTO MONTES CLARO, 2016).

Assim o Cimento Pozolânico (Cimento CP IV) também pode ser


utilizado, conhecido por que tem mais adição desse tipo de material pozolânico na
sua formulação. Trata-se de um concreto menos permeável, com maior durabilidade
costuma ser aplicadas na concretagem de grandes peças, na construção de
barragens, estruturas em contato com o mar, como pontes e em ambientes com
muita umidade, como galerias de esgoto e tubulações por baixo da terra (PUGLIESI,
2019).
11

2.4 PASSO 4 - ESPECIFICAÇÕES MECÂNICA DOS MATERIAIS

O concreto é a mistura adequada de cimento, agregados e agua cuja


características diferem substancialmente daquelas apresentadas pelos
elementos que o constituem.

Sua massa especifica para efeito de cálculo, pode-se adotar para o


concreto simples o valor 2400kg/m3 e para concreto armado 2500kg/m3.

Alguns fatores influenciam nas propriedades do concreto:


 Tipo de cimento e quantidade
 Qualidade da agua e relação agua-cimento
 Tipos de agregados, granulometria e relação agregado-cimento
 Presença de aditivos e adições
 Procedimento e duração de mistura
 Condições e duração de transporte e lançamento
 Condições de adensamento e de cura
 Forma e dimensões dos corpos-de-prova
 Tipo e duração do carregamento
 Idade do concreto; umidade; temperatura e etc.

As propriedades mecânicas do concreto são resistência à compressão,


resistência a tração e modulo de elasticidade. Essas propriedades são
determinadas a partir de ensaios, executados e condições especificas.
Geralmente os ensaios são realizados para controle da qualidade e
atendimento as especificações.

Levando em consideração que para a construção da barragem será


utilizado concreto, é fundamental avaliar mecanicamente este material. Para isso,
torna-se necessário conhecer as características e propriedades deste material.

É importante relembrar que a mistura em proporção adequada de


12

cimento, agregados e água resultam num material de construção, ‘o concreto’, cujas


características diferem substancialmente daquelas apresentadas pelos elementos
que o constituem.

Assim podemos classificar o concreto como sendo materiais


compósitos ou conjugados por se tratar de uma combinação de dois ou mais
materiais (NEVILE‚ 2016).A resistência do concreto pode ser aumentada através de
um reforço adicional com vergalhões, arames, barras ou malhas de aço
(CARAM‚2019).

A resistência está alistada com tensão máxima necessária para


originar a ruptura. Mesmo sem sinais aparentes de fratura externa, o corpo de prova
é considerado rompido quando não aguenta uma carga maior, isso devido ao estado
adiantado da fissuração interna atingida (MEHTA; MONTEIRO, 2014).Tem como
valor referencial de fck de 30 Mpa.

De acordo com Isaia (2011) a resistência do concreto à tração é uma


importante característica desse material,porque os esforços solicitantes aplicam
tensões e deformações de tração nos elementos estruturais deconcreto armado.
Esse conhecimento é importante na determinação da fissuração(momento fletor de
primeira fissura e verificação da abertura da fissura), no dimensionamento das vigas
àforça cortante e na resistência de aderência entre o concreto e a barra de
aço.Possui um valor nominal de 30 Mpa.

Já o módulo de elasticidade do concreto pode ser descrito como a


relação entre a tensão aplicada e a deformação instantânea dentro de um limite
proporcional adotado, e é dado pela declividade da curva tensão-deformação sob
carregamento uniaxial (MEHTA; MONTEIRO, 2014).

2.5 PASSO 5 - ESTUDO HIDROLÓGICO

Assim no projeto de uma usina hidroelétrica deve-se aplica o


13

Princípio de Conservação de Energia nas etapas que ocorrem desde o


represamento de água, que impulsiona o funcionamento das pás de turbinas,
levando à transformação de energia mecânica à energia elétrica, nas unidades
geradoras,

a)
Re=P.v.d
M
P= Massa especifica
M= Viscosidade
V= Velocidade
D= Diâmetro da tubulação
Re= 1000×0‚53 m/s× 0‚01m
1000×10˙³
Re= 5300
Re› 2000→ O ESCOAMENTO SERÁ TURBULENTO.

b) Ph= ᵞ QH= PgQH


ᵞ= Peso específico em (N/m³)
Q= Vazão em volume (m³/ s)
H= Altura de queda
Ph=Potência hidráulica
G= Gravidade= 9‚81 m/s
S= Massa específica
Ph=104 N/m³ × 120m
Ph=12000000 W
Sabendo que tem uma eficiência de 85% subtende que:
12000000--›100%
x ------›85%
1020000000=100x
x=1020000000
100
x= 1020×10³
Então a Ph da turbina será de 1020×10³ W.
14

3 CONCLUSÃO

Com consequência almejamos os nossos objetivos, analisamos a


área em que nos foi dado para a implantação da usina hidroelétrica.
A partir da análise topográfica, seguimos para a análise de geológica
do terreno onde conseguimos descobrir os tipos de rochas naquela área, depois
dessa analise vimos que alguma rochas poderíamos encontrar fosseis, por este
motivo fizemos analises profundas de como preservar estes fosseis e assim
tornarem patrimônio municipal, após estudamos o melhor concreto a ser usado na
concretagem da nossa barragem, depois fizemos um estudo da resistência dos
matérias que utilizamos, para sabermos a durabilidade e consistência da nossa
barragem e por fim fizemos o estudo hidrológico para entendermos qual o tipo de
escoamento da barragem.
15

REFERÊNCIAS

CIMENTO MONTES CLARO (Brasil) (Emp.). Os tipos de cimento corretos para


cada obra. 2016. Disponível em: <https://cimentomontesclaros.com.br/tipos-de-
cimento-para-cada-obra/>. Acesso em: 17 fev. 2019.

ISAIA, G.C. (ed.). Concreto: Ciência e Tecnologia. São Paulo, Instituto Brasileiro do
Concreto (IBRACON), 2v, 2011.

MEHTA, P. Kumar; MONTEIRO, J. M. Paulo. Concreto: microestrutura,


propriedades e materiais. 2 ed. São Paulo: IBRACON, 2014.

NEVILLE, A. M. Propriedades do concreto. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2016.

PORTAL SÃO FRANCISCO (Comp.). Rochas. Disponível em:


<https://www.portalsaofrancisco.com.br/geografia/rochas>. Acesso em: 08 mar.
2019.

PUGLIESI, Nataly. Cimento: diferentes tipos e aplicações. Disponível em:


<https://www.aecweb.com.br/cont/m/rev/cimento-diferentes-tipos-e-
aplicacoes_11959_0_1>. Acesso em: 26 fev. 2019.

SO BIOLOGIA (Comp.). Rochas sedimentares. 2008. Disponível em:


<https://www.sobiologia.com.br/conteudos/Solo/Solo5.php>. Acesso em: 8 fev. 2019.

<https://cristaiseminerais.com/tipos-de-rochas-que-podemos-encontrar-fosseis/>

<https://www.sobiologia.com.br/conteudos/Solo/Solo5.php>

<http://dcmg.com.br/produtos/quartzito/>

<https://www.conhecimentogeral.inf.br/filitos/>

Bibliografia. Estrutura de Concreto, Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo,


Sandro p. Santos, 2004:

Introdução à engenharia metalúrgica, Nestor Cezar Heck / UFRS - DEMET