Você está na página 1de 20

[

SISTEMA DE ENSINO A DISTÂNCIA


PEDAGOGIA 5º SEMESTRE

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II -


ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

2020
RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II -
ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Trabalho apresentado ao curso de graduação em


pedagogia da UNOPAR – Universidade Norte do Paraná.
Disciplina: Estágio Curricular Obrigatório I: Educação
Infantil
Prof.ª Natalia Gomes dos Santos
Tutor à Distância: Patrícia Luciana Pereira Sanches
Tutor Presencial: Marisa

2020
SUMÁRIO

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO I - EDUCAÇÃO INFANTIL.....................4

INTRODUÇÃO............................................................................................................6

1 RELATO DAS LEITURAS OBRIGATÓRIAS .......................................................7\9

2 RELATO DA ANÁLISE DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP).........9\12

3 CONHECER A ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A


EQUIPE PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA, ASSIM COMO A
ATUAÇÃO..................................................................................................................12

4 CONHECER A ABORDAGEM DOS TEMAS CONTEMPORÂNEOS


TRANSVERSAIS DA BNCC (MEIO AMBIENTE, ECONOMIA, SAÚDE, CIDADANIA
E CIVISMO, MULTICULTURALISMO E CIÊNCIA E
TECNOLOGIA) .............................................................................................................
..................12\14

5 CONHECER METODOLOGIAS ATIVAS COM USO DE TECNOLOGIAS


DIGITAIS, CONFORME RESPECTIVO ESTÁGIO...............................................14\15

6 PLANOS DE AULA............................................................................................16\20

CONSIDERAÇÕES FINAIS.......................................................................................20

REFERÊNCIAS.....................................................................................................21\22
6

INTRODUÇÃO

O presente relatório de estagio curricular II Anos Iniciais do ensino


fundamental trás um resumo da realidade da escola mesmo que virtualmente,
referente ao quinto semestre do curso de pedagogia (UNOPAR), sendo este
adaptado devido a Pandemia de COVID 19, teve também como finalidade promover
a reflexão sobre a práxis educativa e oferecer ao aluno estagiário a oportunidade de
vivenciar a teoria e a prática mesmo que adaptada através de vídeos e textos
devido ao covid-19.
A educação é um processo historicamente construído, e o educador deve
estimular o educando a buscar sua identidade e a atuar de forma critica e reflexiva
na sociedade. Com esse estagio pode-se ter uma melhor compreensão da docência
pois coloca-se em pratica tudo aquilo que foi aprendido em sala de aula com a teoria
,o que se observou com pratica do professor regente e suas experiências e o mais
importante viver a pratica do dia–a-dia da sala de aula (sempre lembrando que
virtualmente devido a Pandemia do COVID-19 em tudo o mundo) que e um eterno
ensinar e ao mesmo tempo um eterno aprender. Por isso que o profissional deve
sempre estar atento a desenvolver atividades que promova o desenvolvimento de
valores e ética no âmbito escolar obtendo uma troca de experiência.
É importante ter conhecimento sobre o trabalho pedagógico nos Anos
Iniciais do ensino fundamental, observando e planejando as ações a ser
desenvolvido com as crianças para uma formação ser qualificada, o profissional
deve desenvolver seu trabalho com eficiência e responsabilidade. Abordaremos
temas como realidade escolar alcançando os mais altos níveis de aprendizados,
falaremos sobre o P.P.P. a atuação do professor e sua inter-relação com a equipe
pedagógica e administrativa, abordaremos temas contemporâneos transversais da
BNCC e também e investigaremos acerca das metodologias ativas com uso de
tecnologias digitais.
O estágio proporciona ao acadêmico uma aproximação do campo de
atuação do profissional pedagogo e levou-me a adquirir muitas experiências mesmo
que de forma virtual através dos vídeos e textos disponibilizados.
7

RELATO DAS LEITURAS OBRIGATÓRIAS

A INTERDISCIPLINARIDADE COMO UM MOVIMENTO ARTICULADOR NO


PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

Conceitos de interdisciplinaridade a interdisciplinaridade parte da palavra


"interdisciplinar", que tem, como conceito, o que é um comum a duas ou a mais
disciplinas. Diz respeito ao processo de ligação entre as disciplinas. Sendo assim,
interdisciplinaridade é uma proposta onde a forma de ensinar leva em consideração
a construção do conhecimento pelo aluno. Ela é uma prática que não dilui as
disciplinas no contexto escolar, mas que amplia o trabalho disciplinar na medida em
que promove a aproximação e a articulação das atividades docentes numa ação
coordenada e orientada para objetivos bem definidos.
Voltada para a formação do indivíduo, a interdisciplinaridade propõe a
capacidade de dialogar com as diversas ciências, fazendo entender o saber como
um todo, e não como partes ou fragmentações. Trata-se de um movimento, um
conceito e uma prática que está em processo de construção e desenvolvimento
dentro das ciências e do ensino das ciências, sendo, estes, dois campos distintos
nos quais a interdisciplinaridade se faz presente. Assim, interdisciplinaridade é parte
de um movimento que busca a superação da disciplinaridade.
Definir um objeto que está em construção, coexistindo com aquele que o
estuda, é uma tarefa difícil e até certo ponto parcial, uma vez que este objeto está se
transformando e se alterando. Assim, toda discussão sobre interdisciplinaridade é
passível de análise comparativa com o material contemporâneo sobre o tema até
que este esteja mais bem desenvolvido e articulado, muito mais pela prática do que
pela teoria, uma vez que a interdisciplinariedade esta acontecendo, e a partir disso,
uma teoria tem sido desenvolvida.

Epistemologia, ciência e interdisciplinaridade a superação dos limites que


encontramos na produção do conhecimento e nos processos pedagógicos e de
socialização exige que sejam rompidas as relações sociais que estão na base
desses limites. No plano epistemológico (das relações sujeito/objeto), mediadas pela
teoria científica que dá sustentação lógica a essa relação, Frigotto (1995) diz que a
8

interdisciplinaridade precisa, acima de tudo, de uma discussão de paradigma,


situando o problema no plano teórico-metodológico. Precisamos, segundo ele,
perceber que a interdisciplinaridade não se efetiva se não transcendermos a visão
fragmentada e o plano fenomênico, ambos marcados pelo paradigma empirista e
positivista.
A especialização do conhecimento científico é uma tendência que nada
tem de acidental ao contrário, é condição de possibilidade do próprio progresso do
conhecimento, expressão das exigências analíticas que caracterizam o programa de
desenvolvimento da ciência que vem dos gregos e que foi reforçado no século XVII,
principalmente com Galileu e Descartes. A superação dos limites que encontramos
na produção do conhecimento e nos processos pedagógicos e de socialização exige
que sejam rompidas as relações sociais que estão na base desses limites. No plano
epistemológico (das relações sujeito/objeto), mediadas pela teoria científica que dá
sustentação lógica a essa relação, Frigotto (1995) diz que a interdisciplinaridade
precisa, acima de tudo, de uma discussão de paradigma, situando o problema no.
Plano teórico-metodológico.
A especialização é uma tendência da ciência moderna, exponencial a partir
do século XIX. Segundo ela a ciência moderna se constitui pela adopção da
metodologia analítica proposta por Galileu e Descartes isto é, se constituiu
justamente no momento em que adoptou uma metodologia que lhe permitia
“esquartejar” cada totalidade, o esforço da ciência para superar o caráter disciplinar
que marcou boa parte da modernidade. Ainda é incipiente, no contexto educacional,
o desenvolvimento de experiências verdadeiramente interdisciplinares, embora haja
um esforço institucional nessa direção. Não é difícil identificar as razões
dessas limitações; basta que verifiquemos o modelo disciplinar e desconectado de
formação presente nas universidades, lembrar-se da forma fragmentária como estão
estruturados os currículos escolares, a lógica funcional e racionalista que o poder
público e a iniciativa privada utilizam para organizar seus quadros de pessoal técnico
e docente, a resistência dos educadores quando questionados sobre os limites, a
importância e a relevância de sua disciplina e, finalmente, as exigências de alguns
setores da sociedade que insistem num saber cada vez mais utilitário. Embora a
temática da interdisciplinaridade esteja em debate tanto nas agências formadoras
quanto nas escolas, sobretudo nas discussões sobre projeto político-pedagógico, os
desafios para a superação do referencial dicotomizador e parcelado na reconstrução
9

e socialização do conhecimento que orienta a prática dos educadores ainda são


enormes.

Implicações da interdisciplinaridade no processo de ensino e aprendizagem a


escola, como lugar legítimo de aprendizagem, produção e reconstrução de
conhecimento, cada vez mais precisará acompanhar as transformações da ciência
contemporânea, adotar e apoiar as exigências interdisciplinares que fazem parte da
construção de novos conhecimentos, a escola precisará acompanhar o ritmo das
mudanças que se operam em todos os segmentos que compõem a sociedade. O
mundo está cada vez mais interconectado, interdisciplinarizado e complexo.
A abordagem interdisciplinar, como proposta de revisão do pensamento
positivista na educação, está fortemente presente nas atuais correntes, tendências e
concepções teóricas que tratam do fenômeno da aprendizagem. Maria Cândida
Moraes (2002), ao discutir as implicações do paradigma educacional emergente,
destaca a presença desse enfoque no construtivismo piagetiano, na pedagogia
libertadora de Freire, na teoria das inteligências múltiplas de Gardner, na abordagem
histórico-cultural de Vygotsky, na teoria da complexidade de Morin, nas formulações
de Capra, Papert, Prigogine, Bohm, Boaventura Sousa Santos e vários outros.

2 RELATOS DA ANÁLISE DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP)

2.1- O que é o PPP e qual a importância desse documento para o ambiente


escolar?

Em termos gerais, trata-se de um documento que norteia as bases de ações


da instituição. Ele assumirá as diretrizes da instituição como compromisso de gestão
escolar participativa. Esse documento tem uma longa história. Simultaneamente,
tem comprovada importância para o bom desenvolvimento das diretrizes de
educação.
A partir da década de 1980 o Fórum Nacional em Defesa da Escola Pública
iniciou um processo que pudesse instituir uma gestão democrática no ensino. Isto
proporcionou uma autonomia escolar. Além de ter gerado diversas consequências
positivas, como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), em 1996.
De acordo com os artigos 12 a 14 da LDB, a escola tem autonomia para
10

determinar qual serão o seu PPP e a estrutura que será seguida. O documento é
encaminhado posteriormente para a secretaria de ensino e deverá ser revisado pela
instituição de ano em ano.
O nome se refere aos planos de ações futuros que a escola pretende
executar quanto às situações apresentadas, seja em curto, médio ou longo prazo.
Outro ponto são as diretrizes políticas, partindo do princípio que a ambiente forma
cidadãos conscientes de suas responsabilidades. E por fim com a parte acadêmica,
mostrando quais serão os recursos necessários para suprir essa demanda.
O Projeto Político Pedagógico deve ser realizado a partir de um diagnóstico interno
da instituição, levando em consideração os dados de matrícula, inadimplência e
outras informações específicas da escola.
O PPP vai contemplar todo o trabalho desenvolvido na instituição ao
longo do ano letivo. Ele é o norte, a direção a seguir, e, por isso, deve ser elaborada
de acordo com a realidade da escola. Posteriormente é necessário ver a realidade
da comunidade na qual ela está inserida. O objetivo é garantir que ele seja útil e
possa servir a seu propósito.

2.2 A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento normativo


que define as aprendizagens essenciais que todos os alunos devem se
apropriar na educação básica. Sendo assim, todas as escolas devem organizar
seu currículo a partir desse documento. Com base na leitura que você realizou
como as competências gerais da Educação Básica se inter-relacionam com o
PPP?
Conforme definido na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
(LDB, Lei nº 9.394/1996), a Base deve nortear os currículos dos sistemas e redes de
ensino das Unidades Federativas, como também as propostas pedagógicas de
todas as escolas públicas e privadas de Educação Infantil, Ensino Fundamental e
Ensino Médio, em todo o Brasil.
A Base estabelece conhecimentos, competências e habilidades que se
espera que todos os estudantes desenvolvam ao longo da escolaridade básica.
Orientada pelos princípios éticos, políticos e estéticos traçados pelas Diretrizes
Curriculares Nacionais da Educação Básica, a Base soma-se aos propósitos que
direcionam a educação brasileira para a formação humana integral e para a
construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.
11

A BNCC por si só não alterará o quadro de desigualdade ainda presente na


Educação Básica do Brasil, mas é essencial para que a mudança tenha início
porque, além dos currículos, influenciará a formação inicial e continuada dos
educadores, a produção de materiais didáticos, as matrizes de avaliações e os
exames nacionais que serão revistos à luz do texto homologado da Base. Temos um
documento relevante, pautado em altas expectativas de aprendizagem, que deve ser
acompanhado pela sociedade para que, em regime de colaboração, faça o país
avançar.
Assim como aconteceu na etapa já homologada, a BNCC passa agora às
redes de ensino, às escolas e aos educadores. Cabe ao MEC ser um grande
parceiro neste processo, de modo que, em regime de colaboração, as mudanças
esperadas alcancem cada sala de aula das escolas brasileiras. Somente aí teremos
cumprido o compromisso da equidade que a sociedade brasileira espera daqueles
que juntos atuam na educação.

2.3 A avaliação da aprendizagem é um elemento crucial no processo de ensino


e de aprendizagem, visto que oportuniza indícios dos avanços escolares e dos
pontos que precisam ser aperfeiçoados. Com base na leitura que você realizou
do PPP, de que modo à escola apresenta o processo de avaliação?

A avaliação da aprendizagem escolar apresenta-se como um tema que


provoca reflexões constantes na área educacional constituindo-se como fonte
inesgotável de angústias entre o coletivo escolar. Sendo assim, a prática avaliativa
apresenta-se como um desafio que exige, principalmente por parte do professor em
sua prática pedagógica, verificar continuamente, se as atividades por ele planejadas,
oportunizaram ao aluno construir realmente um conhecimento significativo. Portanto,
a avaliação da aprendizagem é um recurso pedagógico plenamente capaz e
necessário para subsidiar o professor a conduzir o processo pedagógico com
segurança e ao aluno a demonstração do que aprendeu nas situações sociais
concretas.
Avaliar exige do professor o domínio de conhecimentos de técnicas
adequadas, a utilização de critérios claros e objetivos explicitados entre os sujeitos
envolvidos no processo ensino e aprendizagem. Dessa forma, construir uma nova
cultura avaliativa como compromisso do coletivo da escola com a construção e a
12

socialização de um conhecimento emancipatório, consequentemente permitirá uma


melhoria na qualidade da Educação e formação ofertada pela instituição escolar.

3 CONHECER A ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A


EQUIPE PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA, ASSIM COMO A ATUAÇÃO DA
EQUIPE PEDAGÓGICA NO ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA
DISCIPLINA.

3.1 A BNCC é um documento que regulamenta as aprendizagens essenciais a


serem trabalhadas nas escolas públicas e privadas para garantir os direitos de
aprendizagem e desenvolvimento aos alunos. Quais os principais desafios da
atuação do professor nos anos iniciais do Ensino Fundamental a partir das
regulamentações apresentadas na BNCC?

"A BNCC do Ensino Fundamental – Anos Iniciais, ao valorizar as


situações lúdicas de aprendizagem, aponta para a necessária articulação com as
experiências vivenciadas na Educação Infantil. Tal articulação precisa prever tanto a
progressiva sistematização dessas experiências quanto o desenvolvimento, pelos
alunos, de novas formas de relação com o mundo, novas possibilidades de ler e
formular hipóteses sobre os fenômenos, de testá-las, de refutá-las, de elaborar
conclusões, em uma atitude ativa na construção de conhecimentos. Nesse período
da vida, as crianças estão vivendo mudanças importantes em seu processo de
desenvolvimento que repercutem em suas relações consigo mesmas, com os outros
e com o mundo." (BNCC, 2018, p. 58).
Diferente da Educação Infantil, a proposta da BNCC Ensino Fundamental
as dos Anos Iniciais é a progressão das múltiplas aprendizagens, articulando o
trabalho com as experiências anteriores e valorizando as situações lúdicas de
aprendizagem. Tal articulação precisa prever tanto a progressiva sistematização
dessas experiências quanto o desenvolvimento, pelos alunos, de novas formas de
relação com o mundo, novas possibilidades de ler e formular hipóteses sobre os
fenômenos, de testá-las, de refutá-las, de elaborar conclusões, em uma atitude ativa
na construção de conhecimentos.
A Base propõe a maior inserção da tecnologia na BNCC, o papel do
professor 2.0 não se limita a utilizar a tecnologia educacional. Ele também envolve
uma compreensão das novas linguagens digitais que emergiram das novas
tecnologias. Tweet, whatsap, meme, stories, gif.
13

3.2 Exemplifiquem de que maneira a equipe pedagógica poderá orientar o


professor tendo como referência a utilização do Projeto Político Pedagógico e
da Proposta Curricular.

Compreende-se que o professor deve se encontrar em articulação com


toda a equipe pedagógica para alcançar os objetivos de aprendizagem do aluno.
Utiliza-se a proposta curricular para estabelecer como se ensina e quais a
maneira de avaliação, bem como a organização do tempo e espaço na sala de aula.
A equipe pedagógica deve propor formação continuada aos professores
para compreender a maneira de como irá se organizar visando o cumprimento das
intenções da escola. Nesse sentido, a gestão deve estar presente para viabilizar o
que for necessário para o funcionamento da instituição escolar. Por esse
motivo, a gestão administrativa escolar se faz tão necessária, uma vez que cabe a
ela observar como os professores estão realizando suas aulas, seus planejamento e
avaliação. No entanto, é importante que isso aconteça em um processo de abertura
democrática e de diálogo, para que ambas as partes possam se entender e par que
o professor possa de fato, vestir a camisa do Projeto Político Pedagógico da escola.

3.3 No que se refere às atribuições da equipe administrativa descreva a


importância da relação da direção com a equipe pedagógica para a qualidade
dos processos educativos no contexto escolar.

O diretor estabelece estratégias junto com a equipe pedagógica e junto


com os professores auxiliando nessa implementação, pois não adianta somente a
equipe pedagógica e os professores tentarem realizar essas ações, o diretor é o
condutor de todas essas ações pedagógicas também e ele deve dar além de todo o
suporte administrativo da estrutura pedagógica, materiais didáticos, valorização da
biblioteca, a possibilidade de organizar essa escola dentro das metodologias da
tecnologia da informação e da comunicação para que dentro da sua função
enquanto diretor do escopo pedagógico possa direcionar os recursos e os
encaminhamentos pedagógicos junto com a equipe pedagógica e com os
professores.
14

4 Conhecer a abordagem dos temas contemporâneos transversais da BNCC


(meio ambiente, economia, saúde, cidadania e civismo, multiculturalismo e
ciência e tecnologia).

4.1 Como podemos entender o termo Transversalidade?

Transversalidade é um princípio que desencadeia metodologias


modificadoras da prática pedagógica, integrando diversos conhecimentos e
ultrapassando uma concepção fragmentada, em direção a uma visão sistêmica.
Essa metodologia contribuiu para a aplicação do conhecimento teórico adquirido
pelos alunos, contribuindo para que assimilem o conteúdo de forma prática em seus
estudos. Portanto é um método de caráter avaliativo, que visa garantir a eficácia do
aluno, criando uma visão crítica e ampla da área de atuação escolhida.

4.2 Qual a importância de se trabalhar com os TCTs na escola?

Discutir o papel da escola na sociedade e na vida das pessoas não é uma


tarefa das mais simples. É inegável que as instituições de ensino têm, como
responsabilidade primordial, a formação intelectual dos indivíduos, a partir da
socialização do conhecimento adquirido e acumulado ao longo dos anos pela
humanidade em campos do saber como matemática, física, história, geografia,
biologia, línguas, dentre outras. Este processo é fundamental para que os jovens se
sintam preparados para, no futuro, serem capazes de realizar seus sonhos e
projetos de vida.
Nos últimos anos, no entanto, boa parte das reflexões indica que as
instituições de ensino precisam fazer mais. A elas, cabe também o papel de
construir as bases para um aprendizado ético e moral, fundamentais na formação de
cidadãos com censo crítico, valores consistentes e uma clara consciência de seu
papel na sociedade.
Denominados temas transversais, cada um destes tópicos tem como
objetivo estimular nos jovens a reflexão sobre a realidade na qual eles estão
inseridos, para que eles sejam capazes de compreendê-la e transformá-la para
melhor.
15

4.3 Dos TCTs listados, quais podem ser trabalhados de forma transversal no
seu curso de graduação?
Ética, Meio Ambiente.

4.4 O Guia apresenta uma metodologia de trabalho para o desenvolvimento


dos TCTs, baseado em quatro pilares. Quais são estes pilares? Comente sua
perspectiva sobre essa metodologia.

1 Problematizarão da realidade e das situações de aprendizagem;


2 Superações da concepção fragmentada do conhecimento para uma visão
sistêmica;
3 Integrações da habilidade e competências curriculares à resolução de problemas;
4 Promoções de um processo educativo continuado e do conhecimento como uma
construção coletiva.
Essa metodologia contribuiu para a aplicação do conhecimento teórico adquirido
pelos alunos, contribuindo para que assimilem o conteúdo de forma prática em seus
estudos. Portanto é um método de caráter avaliativo, que visa garantir a eficácia do
aluno, criando uma visão crítica e ampla da área de atuação escolhida.
As propostas visam ainda contribuir para que os estudantes sejam conscientes de
seu processo de aprendizagem e para que o professor possa estabelecer uma
estruturação mais aberta e flexível dos conteúdos escolares. As propostas estão
vinculadas à perspectiva do conhecimento globalizado e relacional e buscam
articular os conhecimentos escolares, organizar as atividades de ensino,

5 Conhecer metodologias ativas com uso de tecnologias digitais, conforme


respectivo estágio.

O atual contexto sociocultural exige o desenvolvimento da competência


digital de ensino, em um ambiente em que o professor deve contribuir para gerar
uma atmosfera de colaboração sustentável para a implementação urgente de
metodologias ativas emergentes com o uso de tecnologias digitais adaptadas ao
contexto do centro educacional.
WEBQUEST - A WebQuest é uma metodologia de ensino e aprendizagem que
utiliza diferentes recursos, além da web, por meio do desenvolvimento de uma tarefa
16

de investigação estruturada. Um dos aspectos marcantes de modelo WebQuest é


seu formato de organização da informação.
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETO – ABP -É uma metodologia ativa
desenvolvida por meio de intenso processo de investigação e elaboração de
produtos de modo colaborativo e interdisciplinar. A metodologia ABP é organizada a
partir de uma pergunta complexa organizada, e estruturada.
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - É uma metodologia de ensino e aprendizagem composta
por um conjunto de atividades planejadas para ensinar um conteúdo, constituído de
passos e etapas ligadas entre si e organizadas de acordo com os objetivos
propostos pelo professor para tornar o aprendizado mais significativo e eficiente.
AULA GAMIFICADA- No contexto do uso escolar das tecnologias digitais, a
Gamificação surge como uma alternativa para auxiliar no processo de ensino e
aprendizagem, superando a abordagem tradicional. Os recursos digitais
(computadores, tablets e smartphones) são um meio de aproximação do cotidiano
do estudante com o ambiente escolar.
ENSINO HÍBRIDO - Ensino Híbrido, ou blended learning, é um modelo de educação
formal que se caracteriza por combinar tempos, espaços, atividades, metodologias e
públicos diversos, misturando ensino presencial e propostas de ensino online por
meio da tecnologia.

A partir da leitura do texto, disponível no link abaixo, e da situação-problema


nele apresentada, você deverá redigir a solução em forma de relato, que
conduzirá a elaboração de seus planos de aula.

Na matemática, cuja finalidade é desenvolver capacidades de ler,


interpretar, produzir textos, calcular, analisar, criar e resolver problemas. Espera-se
com esse trabalho amenizar os problemas, favorecendo uma aprendizagem
significativa. As atividades na área da Matemática que visam desenvolver o
raciocínio lógico acerca da resolução de problemas matemáticos, instigando o aluno
a pensar de modo diferente, analisando e percebendo novas possibilidades de
raciocínio. Na área de Língua Portuguesa propõe atividades diferenciadas que
tendem a prática de leitura e produção de textos, favorecendo o desenvolvimento
dos alunos no que se refere ao domínio da linguagem oral e escrita. Partindo da
observação realizada, percebeu-se a dificuldade de um percentual considerável de
17

alunos com dificuldades de ler, interpretar, escrever e compreender as quatro


operações, os quais são requisitos fundamentais exigidos de um aluno que se
encontra nessa série. E também desenvolver habilidades relacionadas à leitura,
interpretação e produção de texto, e praticidade em todas as áreas, especificamente
em matemática e português, estimulando para uma aprendizagem segura sendo o
aluno, capaz de construir caminhos que facilite a resolução das mais diversas
situações-problema na sua vida. Português despertar o prazer da leitura e aguçar o
potencial cognitivo e criativo do aluno promover o desenvolvimento do vocabulário,
favorecendo a estabilização de formas ortográficas. Abordar os diferentes tipos de
gêneros textuais utilizando-os no cotidiano, desenvolver as habilidades linguísticas:
falar, escutar, ler e escrever. Auxiliar o aluno no processo de sua constituição da sua
identidade e na formação de valores próprios.

6 PLANOS DE AULA
TEMA: Trocando saberes entre Português e Matemática
Plano de Trabalho.
Plano de Aula: 1
Disciplina: interdisciplinaridade
Série: 3
Turma: 3c
Período: vespertino
Tema da aula: Trocando saberes entre Português e Matemática
Conteúdo:
- estimulando para uma aprendizagem segura, sendo o aluno, capaz de construir
caminhos que facilite a resolução das mais diversas situações, proporcionar o
trabalho em equipe e fazer com que os alunos desenvolvam suas próprias
estratégias analisar, interpretar, formular e compreendendo diferentes significados,
ler escrever.
Objetivos
Objetivo geral: - Desenvolver habilidades relacionadas à leitura.
Objetivos específicos:
- interpretação e produção de texto, analisar, interpretar, formular e compreendendo
diferentes significados, ler escrever.
Metodologia:
18

Procedimentos de Desenvolvimento do Trabalho


Com ajuda da família disponibilize a Leitura a ser realizada por todos, com
ajuda de um celular gravem as leituras e as reações das crianças com a leitura
participativa com ajuda de familiares.

A leitura é um espetáculo que todos os estudantes podem apreciar: é


prazerosa e estimula a aquisição de conhecimentos sobre o mundo e sobre si
mesmo. Nesta dinâmica, há a proposta de comparar o circo enquanto expressão
artística e cultural de diversão, de vislumbra mento e participação, com a prática de
leitura individual e coletiva. Desta maneira, crie expectativas de leitura comentando
sobre como a leitura pode ser interessante e divertida quando há a leitura em voz
alta e expressiva e a interação entre todos: assim como no circo, ler é uma atividade
de entretenimento.

- indique obra a ser lida individualmente; Realiza perguntas concernentes a obra;


Quem é o autor do texto/obra?; Qual o título do texto/livro?; Do que o texto/livro
fala?; Gostei (não gostei) da parte em que…; Achei engraçado quando…; Não
sabia que…; A ilustração que mais gostei foi…; Indico o texto ao meu colega
porque.

Recursos: Folhas de papel sulfite (A3 ou A4), celular com acesso à internet.

Avaliação: A avaliação será feita através da observação dos vídeos disponibilizados


pelos alunos durante a realização das atividades propostas enfocando os seguintes
requisitos: participação, concentração, e elaboração de forma correta sobre o uso das
letras.

Referencias:
COSSON, R; SOUZA, R. J. Letramento literário: uma proposta para a sala de aula.
Caderno de Formação: formação de professores, didática de conteúdos. São Paulo:
Cultura Acadêmica, 2011, v. 2, p. 101-108. (disponível em:
http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/40149/1/Caderno_Formacao
_bloco2_vol2.pdf).

BRAUN, Patricia; VIANNA, Márcia Marin. Rodas de Leitura como Estratégias de


Ensino e Aprendizagem PLETSCH, M. D. & RIZO, G.(Org.). Cultura e formação:
contribuições para a prática docente. Seropédica (RJ): Editora da UFFRJ, 2010 (p.
59 -66).

Plano de Trabalho.
Plano de Aula: 2
19

Disciplina: interdisciplinaridade
Série: 3
Turma: 3c
Período: vespertino
Tema da aula: Trocando saberes entre Português e Matemática
Conteúdo: Linguagem e escrita; Artes; Geometria, cores e formas; Identidade;
Cooperação e sociabilidade
Objetivos
Objetivo geral: ensinar a compartilhar objetos e brinquedos com outras crianças, e
o respeito mutuo.
Objetivos específicos:
Trabalhar formas geométricas; Identificar cores e formas; Trabalhar raciocínio lógico;
Nomear as formas geométricas; Trabalhar habilidade de recorte e colagem;
Trabalhar a linguagem oral, atenção, confiança e a criatividade;
Metodologia:
Procedimentos de Desenvolvimento do Trabalho
- Discutir com os alunos a criação do que é o quebra cabeça através de vídeo
explicativo disponibilizado no grupo de whatsap da sala de aula.
- Trabalhar no primeiro momento, o que as crianças conhecem a respeito do jogo
quebra cabeça.
- Questionar com os alunos quantos já brincaram de quebra cabeça;
- Pedir aos alunos que confeccionem um quebra cabeça matemático.
Recursos: quebra cabeça, e peças de montar.
Avaliação: Observação desenvolvimento dos alunos.
https://www.monografias.com/pt/docs/Plano-de-aula-QUebra-cabe%C3%A7a-
P3GMCTRX75
20

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Estágio foi de grande relevância para minha formação acadêmica,


uma vez que proporcionou a articulação teoria à prática, me colocou em contato com
a realidade da educação mesmo que de forma adaptada devido ao COVID-19, foi
muito gratificante, detalhado bem elaborado pela equipe pedagógica com vídeos e
textos que me ajudaram muito.
A realização do Estágio permitiu o contato com outra realidade escolar,
possibilitando conhecer os elementos presentes na rotina das instituições que
oferecem esse trabalho pedagógico, bem como, conhecer a prática pedagógica do
pedagogo envolvido neste processo sempre lembrando que por meio de vídeos,
todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, que buscam atingir da
melhor maneira possível os objetivos que contemplem a formação do individuo e o
papel social da escola.
Pode-se dizer que o estágio é um dos momentos mais importantes da vida
do aluno, afinal ele é inserido exatamente no mundo profissional em que vai atuar
mesmo que neste estagio tenha sido adaptado devido ao Covid-19. O estágio deve
ser visto como um elo entre o conhecimento e a prática, onde se pode vivenciar e
adquirir novas experiências, a ver a educação com um novo olhar, adquirir uma
visão critica da profissão que se pretende exercer, a refletir sobre o diagnóstico e
vivencias experimentada no contexto educacional durante o período de estágio
sempre lembrando que esse de forma virtual.
Essa experiência nos permitiu analisar os conhecimentos adquiridos no
decorrer do curso de Pedagogia, refletindo sobre como e em que devemos melhorar
nossa atuação profissional. Foi importante, pois nos proporcionou chances de refletir
sobre a realidade do sistema educacional, onde podemos ter uma base para uma
formação profissional, possibilitando um desempenho melhor para um papel como
educadora, aprendi novas técnicas com ajuda do relato das leituras obrigatórias a
análise do projeto político pedagógico (ppp), conheci a atuação do professor e sua
inter-relação com a equipe pedagógica e administrativa, a abordagem dos temas
contemporâneos transversais da bncc meio ambiente, economia, saúde, cidadania e
civismo, multiculturalismo e ciência e tecnologia, metodologias ativas com uso de
tecnologias digitais tudo isso me capacitou ainda mais para ser uma pedagoga
atualizada e informada.
21

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Eloise Werle de A447e Ensino de educação fisica escolar e


psicomotricidade/Anísio Calcoilari Júnior.-Londrina:Editora e Distribuidora
Educacional S.A, 2018

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do estado. Lisboa, Portugal:


Editorial Presença, s.d. In: SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: teorias da e
educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 32.ª ed.
Campinas, SP.: Autores Associados. 1999.

ARANHA, Maria Lucia de Arruda. Filosofia da educação. São Paulo: Moderna.


1989.

BARROS, Gilian C. Webquest: metodologia que ultrapassa os limites do


ciberespaço. Escola BR: Inclusão Digital nas Escolas Públicas. Paraná/Brasil.
Novembro, 2005. Disponível em: <
http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012622.pdf>. Acesso em:
11 mai. 2020.

ARCE, A. Pedagogia da infância ou fetichismo da infância? In: DUARTE, N.


(Org.) Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004.

BOZHÓVICH, L. Las etapas de formación de La personalidad en la ontogenesis.


In: DAVIDOV, V; SHUARE, M. (Org.). La psicología evolutiva y pedagógica en la
URSS (antologia). Moscou: Progresso, 1987. p. 250-273.

DEMO, Pedro. Educação & conhecimento – relação necessária, insuficiente e


controversa. Petrópolis: Vozes, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A interdisciplinaridade como necessidade e como


problema nas ciências sociais. In: JANTSCH, Ari Paulo;

GÓES, Maria Cecília, A natureza social do desenvolvimento psicológico. In:


Cadernos CEDES – Centro de Estudos Educação e Sociedade – Pensamento e
Linguagem: estudos na perspectiva da psicologia soviética. 2ª ed., São Paulo:
Papirus, 1991, p.17-24

LEONTIEV, A. N.; LURIA, A. R. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem.


São Paulo: Ícone, 2001b. VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do
comportamento: símios, homem primitivo e criança. Porto Alegre: Artes Médicas,
1996.

LORENZONI, Marcela. Aprendizagem Baseada em Projetos (PBL) em 7 passos.


InfoGeeks. 2016. Disponível em: < <https://www.geekie.com.br/blog/aprendizagem-
baseada-em-projetos/>. Acesso em: 11 mai. 2020.
22

MUKHINA, V. Psicologia da idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fontes, 1996.


PINO, A. O social e o cultural na obra de Lev S. Vigotski. Educação & Sociedade,
Campinas, ano XXI, n.71, p.45-78, out. 2000.

PANTOJA, A. S.; PEREIRA, L. M. Gamificação: como jogos e tecnologias podem


ajudar no ensino de idiomas. Estudo de caso: uma escola pública do Estado do
Amapá. Estação Científica (UNIFAP). Macapá, v. 8, n. 1, p. 111120, jan-abr. 2018.

PIMENTA, S. G.; GONÇALVES, C. L. Revendo o Ensino de 2º Grau: Propondo a


Formação de Professores. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1992.

ROCHA, E. A. C. A pesquisa em educação infantil no Brasil: trajetória recente e


perspectiva de consolidação de uma pedagogia da educação infantil.
Florianópolis: UFSC, Centro de Ciências da Educação, Núcleo de Publicações,
1999.

SILVA, Diego O.; CASTRO, Juscilene Braga C.; SALES, Gilvandenys Leite.
Aprendizagem baseada em projetos contribuições das tecnologias Digitais.
Revista de Educação, Ciência e Tecnologia. Canoas, vol. 7, n.º 1, p. 1-19. 2018.
Disponível em: <https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/tear/article/view/2763>.
Acesso em: 12 de mai. 2020.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Madrid: Visor, 1995. t.III. . Obras escogidas.


Madrid: Visor, 1996. t.IV. FORMAÇÃO DE PROFESSORES 191 A construção do
pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001a. . Aprendizagem e
desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKI, L. S.,

https://www.monografias.com/pt/docs/Plano-de-aula-QUebra-cabe%C3%A7a-
P3GMCTRX75

COSSON, R; SOUZA, R. J. Letramento literário: uma proposta para a sala de aula.


Caderno de Formação: formação de professores, didática de conteúdos. São Paulo:
Cultura Acadêmica, 2011, v. 2, p. 101-108. (disponível em:
http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/40149/1/Caderno_Formacao
_bloco2_vol2.pdf).

BRAUN, Patricia; VIANNA, Márcia Marin. Rodas de Leitura como Estratégias de


Ensino e Aprendizagem PLETSCH, M. D. & RIZO, G.(Org.). Cultura e formação:
contribuições para a prática docente. Seropédica (RJ): Editora da UFFRJ, 2010 (p.
59 -66).