Você está na página 1de 4

Principio de Funcionamento

O funcionamento de um sistema de aquecimento central é, em termos gerais, muito simples:


a água é aquecida na caldeira e conduzida a todos os radiadores distribuídos pela instalação
e, que através de troca energética com a água aquecem o ar circudante por convecção.

Constituição do Sistema

Um sistema de Aquecimento Central é constituído por:

1. Caldeira destinada ao aquecimento de águas;


2. Depósito acumulador de água sanitária (opcional);
3. Tubagem;
4. Radiadores;
5. Regulação e programação.

1. Caldeira

Caldeiras murais

A caldeira é um aparelho, tecnicamente semelhante a um esquentador, onde é efectuado o


aquecimento da água através da queima de um combustível.

Caldeira mural a gás

Tipo de Serviço

a) Caldeiras mistas instantâneas

Permitem fazer o aquecimento central e simultaneamente o aquecimento de águas sanitárias


de forma instantânea

RUA JOSÉ DIAS COELHO, Nº 36 B 1300-329 LISBOA


TELFS. +351 21 362 85 25/68 FAX. +351 21 362 85 69
geral@euroventil.pt
www.euroventil.pt
b) Caldeiras mistas de acumulação

Permitem fazer o aquecimento central e simultaneamente o aquecimento de águas sanitárias


por acumulação. É a solução ideal para fazer face a grandes necessidades de caudal de águas
sanitárias;

c) Caldeiras de aquecimento

Permitem fazer apenas o aquecimento central ou o aquecimento de águas sanitárias por


acumulação.

Tipo de Extracção:

a) Tiragem natural
Caldeiras que consomem o ar do local onde se encontram. A evacuação dos gases da
combustão efectua-se mediante a depressão exercida na conduta de evacuação individual ou
colectiva.

b) Tiragem forçada

As caldeiras de tiragem forçada consomem o ar do local onde se encontram e evacuam os


produtos da combustão através de conduta própria para o exterior, por acção de um extractor
electromecânico.

c) Câmara estanque

Nas caldeiras estanques o ar para a combustão é aspirado do exterior através da depressão


criada pelo extractor electromecânico, quando expulsa os gases da combustão para o
exterior, através de condutas concêntricas ou separadas.

Caldeiras de Chão

Têm em geral potências e dimensões superiores às caldeiras murais, adaptando-se por isso a
utilizações mais exigentes em termos de necessidades térmicas.
Podem funcionar a lenha, carvão, gás, gasóleo ou policombustíveis.

Caldeira de chão Caldeira de chão com depósito de


acumulação de águas quentes sanitárias incorporado

2. Depósito Acumulador

RUA JOSÉ DIAS COELHO, Nº 36 B 1300-329 LISBOA


TELFS. +351 21 362 85 25/68 FAX. +351 21 362 85 69
geral@euroventil.pt
www.euroventil.pt
O depósito acumulador armazena água para fins sanitários. A água sanitária contida no
acumulador é aquecida a uma temperatura estipulada e guardada no seu interior até ser
necessária.

Disponível em diversas capacidades, é a solução ideal para fazer face a grandes necessidades
de caudal de águas sanitárias.

Depósitos de acumulação de águas quentes sanitárias

3. Tubagem

A rede geral de tubagens de uma instalação tem por missão conduzir a água aquecida desde a
caldeira, até aos diferentes emissores.

Vários são os materiais a que podemos recorrer para construir as redes de água. Os mais
utilizados são:
a) Cobre
b) Pex
c) Multicamadas
d) PPR (polipropileno)
e) Aço

4. Radiadores
Os radiadores são os elementos que efectuam a troca de calor entre a água quente e o meio
ambiente.
Os radiadores utilizados no aquecimento por água quente podem ser:

a) Radiadores de alumínio
b) Radiadores de ferro fundido
c) Radiadores de chapa de aço
d) Toalheiros ou seca-toalhas

Os radiadores de alumínio e os toalheiros de casa de banho ou, seca-toalhas, são os mais


utilizados. De concepção modular, possibilitam a escolha da configuração que mais convém às

RUA JOSÉ DIAS COELHO, Nº 36 B 1300-329 LISBOA


TELFS. +351 21 362 85 25/68 FAX. +351 21 362 85 69
geral@euroventil.pt
www.euroventil.pt
características do espaço a aquecer, de modo a garantir o maior conforto possível ao
utilizador.

5. Regulação e Programação

Toda a instalação de aquecimento deve possuir um sistema de regulação automática da


temperatura com o fim de evitar desperdícios de energia, mantendo o conforto desejado.

Torneiras Termostáticas

São instaladas directamente nos radiadores e conforme a variação da temperatura ambiente


ajustam o caudal de água que passa através do radiador. Permitem regular cada divisão de
forma independente.

Termóstato ambiente programável

É independente dos radiadores e é colocado num lugar que servirá de referência. Efectua a
medição da temperatura do local onde está instalado e comanda o accionamento do
queimador da caldeira ou do circulador. Estes termóstatos permitem programar a
temperatura de conforto pretendida em diferentes horas do dia (termóstato diário) ou em
diferentes horas do dia durante toda a semana (termóstato semanal).

Centrais de regulação

São equipamentos idênticos ao termóstato ambiente, no entanto, o comando da caldeira é


efectuado tendo em conta a temperatura ambiente e exterior. São equipamentos mais
dispendiosos que proporcionam um grande aumento de poupança de combustível e utilizam-se
normalmente em instalações com mais de 50.000 kcal/h.

% redução
Sistema
consumo
Válvulas termostáticas 8 – 20

Termóstato ambiente
10 – 18
programável

Central de regulação 24 – 30

Poupança de combustível utilizando os diferentes sistemas de regulação

RUA JOSÉ DIAS COELHO, Nº 36 B 1300-329 LISBOA


TELFS. +351 21 362 85 25/68 FAX. +351 21 362 85 69
geral@euroventil.pt
www.euroventil.pt