Você está na página 1de 33

por Robin Groody (robingroody@hotmail.

com)

COLEÇÃO:

Segredos
dos Testes
Psicológicos

NESSE VOLUME:

Testes de Personalidade tipo questionário


[Comrey (CPS), IFP(-R), ICFP(-R),
IHS, RAS, etc.]

Versão 3.0 - incompleta e não revisada. – Novembro de 2004 – livre reprodução e distribuição
Elaborada em regime de urgência especialmente para os desesperados candidatos do concurso da
Polícia Federal.
SUMÁRIO

1 CARACTERÍSTICAS COMUNS A TODOS OS TESTES ....................................................... 4


1.1 DESCRIÇÃO DOS ITENS ...............................................................................................................4
1.2 DESCRIÇÃO DAS ALTERNATIVAS ..................................................................................................4
1.3 PARTICIPANTES ..........................................................................................................................5
1.4 M ATERIAIS .................................................................................................................................5
1.5 DURAÇÃO ..................................................................................................................................5
1.6 A AVALIAÇÃO DO CANDIDATO .....................................................................................................5
1.6.1 A NOTA DO CANDIDATO EM VALORES ABSOLUTOS ...................................................................... 5
1.6.2 A CONVERSÃO DA NOTA DO CANDIDATO EM VALORES RELATIVOS ................................................ 6
1.6.3 COMPARAÇÃO DA NOTA RELATIVA COM O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO DO CARGO. ........................ 7
1.7 COMENTÁRIOS SOBRE COMO SE PREPARAR PARA OS TESTES....................................................... 8
1.7.1 ETAPAS PARA SE PREPARAR PARA OS TESTES ........................................................................... 8
1.7.2 DIFICULDADES PARA SE PREPARAR PARA OS TESTES ................................................................. 8
1.7.3 ARGUMENTOS CONTRA A DIFICULDADE EM SABER QUAIS SERÃO OS TESTES APLICADOS ............... 9
1.7.4 ARGUMENTOS CONTRA A DIFICULDADE EM SABER OS SEGREDOS DOS TESTES ............................. 9
1.7.5 ARGUMENTOS CONTRA A DIFICULDADE EM CONHECER O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO ................... 9
1.7.6 ARGUMENTOS CONTRA A DIFICULDADE DE SE CALCULAR E DECORAR AS RESPOSTAS ................... 9
1.7.7 UM EXEMPLO PESSOAL ...........................................................................................................10
1.8 ESTRATÉGIAS PARA RESOLUÇÃO DOS TESTES ........................................................................... 11
1.8.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS .......................................................................................................11
1.8.2 ESTRATÉGIA SIMPLES – PARA PESSOAS DESESPERADAS .......................................................... 11
1.8.3 ESTRATÉGIA MÉDIA – PARA PESSOAS LIGEIRAMENTE INTERESSADAS ........................................ 12
1.8.4 ESTRATÉGIA PERFEITA – PARA PESSOAS OBSTINADAS ............................................................. 12
2 TESTE DE COMREY (CPS) ..................................................................................................13
2.1 INFORMAÇÕES GERAIS ..............................................................................................................13
2.1.1 QUANTIDADE DE ITENS ...........................................................................................................13
2.1.2 ALTERNATIVAS DISPONÍVEIS ...................................................................................................13
2.1.3 PONTUAÇÃO DAS RESPOSTAS .................................................................................................13
2.1.4 CARACTERÍSTICAS AVALIADAS E SEUS CONCEITOS ................................................................... 13
2.1.5 DISTRIBUIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS NOS ITENS..................................................................... 14
2.1.6 PADRÃO NAS RESPOSTAS .......................................................................................................14
2.1.7 ESTRATÉGIA PARA RESOLVER O TESTE .................................................................................... 14
2.1.8 TABELAS DE CONVERSÃO EM PERCENTIS ................................................................................. 14
2.2 O TESTE ..................................................................................................................................15
2.3 OS ITENS ORGANIZADOS POR ESCALA .......................................................................................17
3 TESTE DE IFP-R ...................................................................................................................19
3.1 INFORMAÇÕES GERAIS ..............................................................................................................19
3.1.1 QUANTIDADE DE ITENS ...........................................................................................................19
3.1.2 ALTERNATIVAS DISPONÍVEIS ...................................................................................................19
3.1.3 PONTUAÇÃO DAS RESPOSTAS .................................................................................................19
3.1.4 CARACTERÍSTICAS AVALIADAS E SEUS CONCEITOS ................................................................... 19
3.1.5 DISTRIBUIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS NOS ITENS..................................................................... 20
3.1.6 PADRÃO NAS RESPOSTAS .......................................................................................................20
3.1.7 ESTRATÉGIA PARA RESOLVER O TESTE .................................................................................... 20
3.1.8 TABELAS DE CONVERSÃO EM PERCENTIS ................................................................................. 20
3.2 O TESTE ..................................................................................................................................21
3.3 TABELAS DE CONVERSÃO DOS PERCENTIS................................................................................. 24
3.4 OS ITENS ORGANIZADOS POR ESCALA .......................................................................................27
4 TESTE IHS (INVENTÁRIO DE HABILIDADES SOCIAIS) ................................................... 29
4.1 INFORMAÇÕES GERAIS ..............................................................................................................29
4.1.1 QUANTIDADE DE ITENS ...........................................................................................................29
4.1.2 ALTERNATIVAS DISPONÍVEIS ...................................................................................................29
4.2 O TESTE ..................................................................................................................................30
PREFÁCIO

Antes de iniciar a leitura desse documento, por favor leia e aceite os itens abaixo:
• Esse trabalho é o resultado do esforço individual de uma pessoa que não tem nenhuma formação
acadêmica ou experiência profissional em psicologia. Portanto, apesar do meu esforço, há grande
possibilidade de que haja erros.
• Existem diversas razões que me levam a divulgar esse material. Essas razões serão apresentadas
em um documento específico, assim que eu tiver condições de fazê-lo. Não perca seu
tempo tentando argumentar isso comigo. O que eu tinha para perder, já perdi. Não tenho
mais o que temer.
• Apesar desse material tratar de um assunto de uso restrito de psicólogos, essa restrição é
da esfera administrativa das entidades de classe dos psicólogos, portanto, o seu
conhecimento e divulgação não constituem crime nem contravenção e quaisquer punições da
esfera administrativa
só poderão incidir sobre profissionais em psicologia que ajudarem a divulgar esse material.
• Esse material também não viola nenhuma patente registrada nem qualquer direito autoral.
• Caso eu esteja enganado, ou seja, caso esse material seja proibido ou viola algum direito
de terceiros, lamento informar que o endereço eletrônico que distribui esse documento se
encontra num servidor nos Estados Unidos da América, não podendo ser afetado por quaisquer
disposições legais brasileiras. E ainda assim, há uma centena de outros países nos quais
poderei abrigar e distribuir essas informações livremente, sem nenhum controle governamental,
caso venha a ser importunado onde estou atualmente. Portanto, não perca seu tempo me
ameaçando. Aja e desperdice tempo e dinheiro inutilmente.
• Ao tomar conhecimento da mecânica dos testes aqui apresentados, tenha consciência que
a interpretação das suas respostas será, eternamente, adulterada (se você chegou até
esse documento, suponho que seja essa a sua intenção). Você nunca mais poderá se submeter
de boa
fé a esses testes. Eles não revelarão mais a verdade sobre você (na minha teoria eles também
não revelavam a verdade antes).
• Não perca seu tempo acreditando em lendas do tipo “os psicólogos têm como saber se você está
mentido”, “os psicólogos ficarão desconfiados com respostas muito perfeitas”, “não
existe respostas certas ou erradas; seja autêntico”. Se isso fosse verdade, eles
simplesmente não as falariam; mas ficariam quietos para identificar facilmente os que agem de
má fé.
• Por fim, faça me o maior de todos os favores: Divulgue esse material, sem alterá-lo e sem exigir
qualquer coisa em troca.
1 CARACTERÍSTICAS COMUNS A TODOS OS TESTES
Os testes de personalidade baseados em questionários possuem diversas características em comum,
que serão mostradas nessa seção e que não serão repetidas quando se abordar, separadamente,
cada um deles. Salvo menções explícitas em contrário, todas as afirmações prestadas nessa seção
valem igualmente para os todos os testes. Aliás, as afirmações dessa seção muito
provavelmente também valham para quaisquer outros testes similares ao testes aqui mencionados.

1.1 Descrição dos itens


Os testes consistem em diversos itens (eu prefiro chamá-los de “itens” ao invés de
“perguntas”, porque então todos deveriam terminar com um “?”) em que cada item é uma frase
simples, direta é clara, sem nenhum truque, sentido oculto, duplo sentido ou palavra difícil.

EXEMPLOS DE ITENS
Comrey – CPS IFP-R ICFP-R
• A maioria das pessoas é • Costumo analisar minhas • Eu sou a amimação da festa.
honesta. intenções e sentimentos.
• Eu ofendo as pessoas.
• Viveria em locais de pouca • Gosto que meus amigos me
higiene. apóiem quando fracasso. • Eu sempre estou preparado.

• A sociedade fornece proteção • Não admito que meu ponto • Eu estresso-me facilmente.
demasiada aos criminosos. de vista seja atacado pelos • Eu tenho um vocabulário rico.
outros.
• Ser um grande sucesso na
vida requer um esforço maior • Gosto de dar o melhor de
do que estou disposto a mim em tudo que faço.
fazer.
• Minto se for conveniente para
• Neste momento estou vivo. mim.

1.2 Descrição das alternativas


Para cada item, o candidato tem que escolher uma alternativa que mais se assemelha ao que
ele pensa ou é. As alternativas disponíveis variam do SIM ao NÃO, passando por algumas
respostas intermediárias (PROVÁVEL QUE SIM, MEIO-TERMO, PROVÁVEL QUE NÃO, etc.). Essa
graduação
é chamada de escala Likert e a contagem de pontos é a fração entre a diferença de pontuação dada
do SIM ao NÃO.

ALTERNATIVAS DISPONÍVEIS
Comrey – CPS IFP-R IHS
1. Nunca / certamente não 7. Totalmente característico A Nunca ou raramente
2. Muito raramente / muito 6. Muito característico B Com pouca freqüência
provavelmente não
5. Característico C Com regular freqüência
3. Raramente / provavelmente
4. Indiferente D Muito freqüentemente
não
3. Pouco característico E Sempre ou quase sempre
4. Ocasionalmente /
possivelmente 2. Muito pouco característico
5. Freqüentemente / 1. Nada característico
provavelmente sim
6. Muito freqüentemente / muito
provavelmente sim
7. Sempre / certamente sim
A literatura não costuma explicar o que acontece com quem anula um item (não responde-o ou dá-lhe
mais de uma resposta), mas, é óbvio que, pelo menos, desperdiça-se a oportunidade de ganhar os
pontos referentes a aquele item.
Além disso, no caso de a quantidade de itens anulados ser alta, poderá ser dada uma das seguintes
interpretações, dentre outras:
• O candidato está boicotando o teste;
• O candidato não entendeu o teste ou não tem capacidade de entender o teste;
• O candidato está tão ansioso que não é capaz de raciocinar;

1.3 Participantes
Os testes podem ser aplicados individualmente ou em grupo de desde alguns poucos até uma sala
cheia.

1.4 Materiais
Um caderno de questões, uma grade de respostas e caneta. Em princípio, o candidato não
pode fazer qualquer anotação na folha ou caderno de questões; as respostas devem ser
marcadas diretamente na grade. Aliás nem há tempo suficiente para se fazer uma marcação de
rascunho para depois se passar a limpo.

1.5 Duração
Cada teste teu o seu tempo, mas que pode ser reduzido se for aplicado apenas uma parte do teste,
nesse caso, respeitando a proporção de tempo para cada questão. O tempo é suficiente para se ler
todas as questões, escolher uma resposta e marcar a grade com uma velocidade normal de leitura e
de raciocínio. Até sobra um tempo para revisar uma algumas questões mais difíceis que podem ter
ficado ser resposta na primeira passada, porém, não há tempo para pensar muito, ficar analisando o
teste ou fazer um gabarito preliminar. É ler e marcar.

1.6 A avaliação do candidato


A avaliação das respostas dos candidatos passa por 3 etapas, na seguinte ordem:
• Cálculo da nota do candidato, em valores absolutos.
• Conversão da nota do candidato (de valor absoluto) em valor relativo (em comparação a uma
população amostral);
• Comparação da nota relativa do candidato com o perfil psicológico desejado para o cargo.

1.6.1 A nota do candidato em valores absolutos


Cada item do teste tem por finalidade medir uma, e somente uma, característica do candidato. Uma
mesma característica é medida sempre por vários itens, distribuídos (aleatoriamente ou
ordenadamente) dentro do teste, mais ou menos na mesma quantidade de itens para cada
característica. Por exemplo: O teste CPS constitui-se de 100 itens, sendo 10 itens para cada uma das
10 características (10 para “altruísmo”, 10 para “autoconfiança”, etc.).
Quando os psicólogos não se interessam em avaliar uma determinada característica, simplesmente
se exclui do teste aqueles itens referentes a ela e reduz-se o tempo de duração do teste na devida
proporção. Aproveitando o exemplo do CPS, se os psicólogos não se interessassem por medir
o “altruísmo” do candidato, bastaria eliminar os 10 itens correspondentes a ele. Assim, o teste
ficaria com 90 itens (10% a menos que o original) e o tempo dado para os candidatos responderem
todo o teste também teria 10% de redução.
A pontuação de cada característica do candidato é dada pela soma da pontuação de todos os itens
referentes aquela característica, independentemente, das parcelas que a compõem. Por exemplo: Um
candidato que obteve nota 5 em altruísmo pode tê-la obtido porque fez 0,5 ponto em todos os itens,
ou porque fez 1 ponto em 5 itens e 0 pontos nos outros 5 itens. Sendo assim, podemos concluir que:
• Não é preciso se preocupar em dar respostas parecidas para itens parecidos, por medo de ser
contraditório ou por haver cruzamento de respostas. O que vale é a soma das respostas.
• É possível ficar sem responder um item, errar a marcação na grade ou mudar de idéia
depois bastando para isso compensar essa falha em um outro item relacionado com a
mesma característica.
• É relativamente verdadeira aquela afirmação dos psicólogos que “não é por 1 ou 2 questões que
se aprova ou não um candidato”, pois, quem fica abaixo ou acima de um limite desejado muito
provavelmente deu respostas inadequadas em diversos itens e não apenas em 1 ou 2.
No final, cada candidato terá uma nota para cada item avaliado no teste. Se o teste media 10 itens da
personalidade, o candidato terá 10 notas, uma para cada item.

1.6.2 A conversão da nota do candidato em valores relativos


A nota de cada candidato em cada característica é inicialmente dada em valores absolutos,
mas nessa segunda etapa ela é convertida em valores percentílicos em comparação com uma ou
mais tabelas base.
A(s) tabela(s) base serve(m) em converter a nota de valor absoluto em nota de valor relativo
(percentil) para cada característica avaliada. Para converter a nota, basta ir até a
coluna correspondente à característica avaliada, descer até a linha da pontuação absoluta obtida e
deslizar,
na mesma linha, até a coluna da pontuação relativa (percentil) para ver o valor percentil equivalente.
Da mesma forma que numa equação matemática, para cada X há um Y; no teste, para cada valor
absoluto há um valor percentil. Alguns testes possuem mais de uma tabela base. Pode haver
uma tabela para homens, outra para mulheres. Uma para idosos outra para jovens, etc.
Alguns testes, como o Rorschach, há uma infinidade de tabelas, uma para cada faixa etária, país,
profissão, etc. e qualquer psicólogo pode fazer uma pesquisa com um grupo qualquer (Ex.: índios
da Amazônia) e a partir de então criar uma tabela específica para aquele grupo. Mas,
independentemente da quantidade de tabelas, o fato é que, para cada candidato, aplica-se uma
única tabela.
A fim de tornar mais claro esse processo de conversão de nota absoluta em percentil, vamos dar um
exemplo bem didático: Na escola, se você fizesse 5 pontos na prova de matemática, sua nota final
seria esses mesmos 5 e você seria aprovado ou não apenas com a comparação da sua nota com o
limite mínimo admissível (supomos que fosse 7). Não importava a nota dos demais colegas,
ou a média nos anos anteriores. A avaliação do aluno dependia unicamente de sua nota absoluta.
Já os testes psicotécnicos que aqui estão sendo explicados o que importa não é a sua nota absoluta,
mas sim a sua nota em relação às notas de uma população amostral. Transferindo esse
princípio para o exemplo da escola, se você fizer 5 pontos na prova de matemática, sua nota seria
convertida, com base em uma tabela, em um percentil, digamos 80%, o que significaria que sua
nota 5 é maior
do que a nota de 80% dos alunos ou, em outras palavras, que você estaria entre os 20% dos
melhores alunos em matemática, ou ainda, que o seu conhecimento de matemática é superior ao de
80% da população amostral. Sua nota então não é mais 5, mas sim 80%. Esses 80% é que importam,
e não mais os 5 pontos.
Para tornar a avaliação mais precisa, talvez a escola utilizasse mais de uma tabela, por exemplo, uma
para os meninos e outra para as meninas. Assim, quem sabe uma nota 5 estaria acima da
média para os meninos e abaixo dela para as meninas. Se a prova de matemática fosse a
mesma para todas as séries teria que haver uma tabela para cada série. Assim, quem sabem uma
nota 2 para um aluno da 1ª série fosse excelente e uma nota 8 para um aluno da 8ª série fosse
péssima.
Da mesma forma que ocorria com a nota em valor absoluto, cada candidato terá uma nota em valor
percentil para cada característica da personalidade avaliada. Se a finalidade do teste é medir
10 características da personalidade, cada candidato terá 10 valores percentis, um para
cada característica.
E que população amostral é essa? É a população usada como “cobaia” do teste numa época definida
como base de comparação. Ou seja, as respostas dos candidatos serão comparadas com as
respostas dadas por um determinado grupo de pessoas que se submeteu ao teste em uma
determinada época e/ou circunstância, muito provavelmente, na época em que se
estava desenvolvendo ou adaptando o teste.
Eu não sei definir exatamente todas as razões que levaram os psicólogos a utilizar os percentis ao
invés das notas absolutas, mas posso citar algumas óbvias:
• É difícil, senão impossível, estabelecer uma interpretação para cada nota absoluta de cada
característica. Por exemplo: O que significa uma pessoa com agressividade 5? Já uma
pessoa com percentil de agressividade de 70% pode facilmente ser entendido como uma pessoa
com um
nível de agressividade a tal ponto que de cada 10 pessoas, 7 teriam um nível de agressividade
menor do que ela e 3 teriam um nível igual ou maior.
• A utilização de tabelas base permite aplicar o mesmo teste em grupos completamente diferentes e
comparar o desempenho do indivíduo com o grupo do qual ele faz parte. Por exemplo certamente
há diferenças culturais entre os povos da Noruega e da Colômbia, entre jovens e velhos,
entre ricos e pobres. O que pode ser considerado um nível saudável de uma característica
para um grupo, no outro pode ser patológico. O importante é que o indivíduo esteja na média
dentro do seu grupo. Havendo uma tabela de conversão para cada comunidade, sexo, idade,
faixa etária, etc., a análise fica mais coerente com a realidade daquele meio e não há
necessidade de se criar um
teste específico para cada ele.
Sendo assim, quando um laudo psicológico atribui determinada característica a uma pessoa, não está
se afirmando isso com base em um valor absoluto que foi desvendado das profundezas da mente da
pessoa, mas simplesmente que, pelos padrões médios da população amostral, aquela pessoa possui
esta característica com mais ou menos intensidade. Por exemplo: Se um psicólogo afirmar que você
é agressivo, não significa que você é agressivo em sentido absoluto, mas simplesmente que você tem
um nível de agressividade maior que o da média da população amostral usada para compará-lo. Se
seu percentil for comparado com o de uma sociedade mais agressiva, provavelmente você passaria
para o intervalo de normalidade ou ainda, passaria a ser considerado pouco agressivo.
Uma das principais críticas aos testes psicológicos está justamente nos erros grosseiros dessa
população amostral. Entre esses erros podemos destacar a utilização de tabelas de
outras populações (Europa e Estados Unidos), de outras épocas (anos 30, 50, 70, etc.)
e/ou sem representatividade estatística (Por exemplo, alguns testes usam como população
amostral os universitários de psicologia. E será que os estudantes de psicologia tem
representatividade para toda
a população brasileira?)

1.6.3 Comparação da nota relativa com o perfil profissiográfico do cargo.


Uma vez obtidas as notas percentis do candidato, basta agora compará-las com o
perfil profissiográfico do cargo, que nada mais é do que os limites percentis (mínimos e/ou
máximos) que são considerados satisfatórios e os que são considerados insatisfatórios (limites de
corte). Os limites desses percentis podem ser de 3 tipos:
• Apenas um limite mínimo: O perfil profissiográfico exige um limite mínimo, mas não exige um
limite máximo. Por exemplo:
• Perfil desejado: Extroversão ≥ 30%.
• Limite de corte: Extroversão < 30% (significa a mesma coisa da linha anterior, apenas escrita
de forma diferente).
• Apenas um limite máximo: O perfil profissiográfico exige um limite máximo, mas não exige um
limite mínimo. Por exemplo:
• Perfil desejado: Instabilidade emocional < 60
• Limite de corte: Instabilidade emocional ≥ 60% (significa a mesma coisa da linha anterior,
apenas escrita de forma diferente)
• Um limite mínimo e um limite máximo: O perfil profissiográfico exige tanto um limite mínimo e
um limite máximo. Por exemplo:
• Perfil desejado: Agressividade ≥ 20% e < 70%.
• Limite de corte: Agressividade < 20% ou agressividade ≥ 70% (significa a mesma coisa da linha
anterior, apenas escrita de forma diferente)
A fim de demonstrar melhor esses percentis, vamos a um exemplo prático do teste de Comrey (CPS)
utilizado no concurso público para a Polícia Rodoviária Federal, em 2003/2004, realizado pelo
CESPE/UnB. O teste foi aplicado no modo completo (100 questões, 10 escalas, sendo 8 escalas de
personalidade e 2 de controle - mais adiante será explicado o que é isso). O perfil
profissiográfico exigia os seguintes percentis.
Característica Mínimo aceitável Máximo aceitável
Confiança (não havia) (não havia)
Ordem (não havia) (não havia)
Conformidade ≥ 50% (não havia)
Atividade ≥ 40% (não havia)
Auto-confiança ≥ 50% (não havia)
Expansão ≥ 30% ≤ 90%
Enfrentamento ≥ 50% (não havia)
Altruísmo >30% <90%

Teoricamente todas as características de personalidade avaliadas no teste deveriam ter seus limites
percentis. Entretanto, na prática ocorre que nem todas as características tem limites estabelecidos,
como foi o caso, no exemplo acima, das características “confiança” e “conformidade”. Fica a dúvida
porque então os psicólogos as mantém nos testes, já que elas não aprovam nem desaprovam.
O fato de o candidato ter uma ou outra nota percentil fora do perfil profissiográfico,
não necessariamente significa que ele será reprovado no teste. Em geral, os testes têm uma
margem de tolerância que permite que o candidato fique fora dos padrões desejados em algumas
características, desde que obtenha resultado satisfatórios em outras. No caso específico desse
teste, para ser aprovado, bastava se enquadrar em 4 intervalos. Ou seja, das 8 características
avaliadas no teste, 6 haviam intervalos de exigência e 2 não serviam para nada. Destas 6
características, o candidato poderia ficar fora dos parâmetros em 2 delas. Ou seja, para ser
aprovado nesse teste, bastava que ficasse dentro dos parâmetros em 4 quaisquer características
daquelas 6 com limites de corte.

1.7 Comentários sobre como se preparar para os testes

1.7.1 Etapas para se preparar para os testes


Em resumo, os passos a serem seguidos por alguém que deseja se preparar para uma bateria de
testes psicológicos são:
• Saber quais serão os testes aplicados;
• Conhecer o funcionamento desses testes;
• Conhecer o perfil profissiográfico do cargo;
• Escolher, calcular e memorizar as respostas adequadas a serem dadas.

1.7.2 Dificuldades para se preparar para os testes


Para uma prova escolar, por meios de cálculos simples, o aluno pode prever quantas questões ele
precisa acertar para ser aprovado, além de saber previamente que tipo de assunto será abordado. Já
nos testes psicológicos, o candidato se depara com 3 grandes problemas que não existem na escola:
• 1º : O candidato não sabe a matéria (não sabe que teste será aplicado nem como ele funciona);
• 2º : Mesmo que saiba da matéria (o teste), o candidato não sabe qual é a nota desejada
(não conhece o perfil profissiográfico do cargo).
• 3º : Mesmo que saiba da matéria (o teste) e da nota desejada (perfil profissiográfico), o candidato
tem que fazer uma série de cálculos e decorar quase uma centena de itens e suas
respectivas respostas que, segundo seus cálculos, o enquadrarão no perfil desejado.
Como você já deve ter percebido, além da dificuldade em ter acesso a essas informações há também
a dificuldade de calculá-las e decorá-las. O sistema de conversão da nota absoluta em
valores relativos e o subsequente enquadramento no intervalo do perfil desejado, traz grandes
dificuldades para quem está tentando se preparar para os testes. Em princípio, isso pode parecer
impossível de
se fazer, especialmente se levarmos em conta o desgaste emocional, a necessidade de
estudar outras matérias e outros problemas que ocorrem na vida das pessoas a todo o tempo.
Entretanto, a missão não é tão difícil quanto parece a primeira vista. Veja a seguir o porquê disso.
1.7.3 Argumentos contra a dificuldade em saber quais serão os testes aplicados
Realmente há uma infinidade de testes existentes e é humanamente impossível estar em um
processo de recrutamento preparado para responder qualquer um deles. Porém cada
organização (empresa, agência de recrutamento, empresa organizadora de concurso público) tem
seus favoritos (em torno de 10) que os aplica sempre. Basta se informar com alguém que já passou
por isso antes.
Além disso, há muita semelhança entre os testes. Os principais segredos de um teste valem para
todos seus similares. Por exemplo: Os testes de desenho têm, essencialmente, os mesmos truques.
Os testes de atenção também. Os testes tipo questionário têm todos perguntas muito parecidas – por
isso que optei por abordá-los todos juntos nesse documento. Ou seja, uma vez conhecido os
segredos de alguns testes, automaticamente o candidato passa a ter habilidade para todos os demais
testes similares, pois os truques são praticamente os mesmos.

1.7.4 Argumentos contra a dificuldade em saber os segredos dos testes


A mecânica dos testes sempre foi um segredo bem guardado. Os poucos que conseguiam desvendar
algum segredo não tinham meios de divulgá-los em grande escala. Porém, com a chegada
da internet, esse problema foi resolvido. Há cada vez mais pessoas com ódio desses testes e
com disposição de desvendá-los. Quem se interessar pelo assunto, acha fácil algum site ou
grupo de discussão que aborde o assunto. Se não achar nada pela internet ou não tiver acesso à ela,
vá a uma biblioteca de universidade, entre e faça consulta local sem nenhum problema. Se tiver
intimidade com um psicólogo, use-o como “laranja” para comprar o manual do teste nas livrarias
especializadas.

1.7.5 Argumentos contra a dificuldade em conhecer o perfil profissiográfico


O perfil profissiográfico, em linhas gerais, é igual para todos os tipos de cargos. Isso ocorre porque
boas características da personalidade servem para qualquer emprego; características ruins não
servem para emprego algum. O perfil profissional apenas define qual é o mínimo aceitável de cada
característica, sem jamais recusar uma característica boa e sem jamais aceitar uma
característica ruim. Quem passa “folgado” em um teste, passa em todos; quem passa “de
raspão” em um teste, corre o risco de rodar em algum outro teste, mas já está no caminho certo;
quem roda “feio” em um teste, provavelmente rodará nos outros. Apenas para ilustrar, veja os
exemplos do quadro abaixo:

PERFIS EXIGIDOS NO TESTE ICFP-R NOS CONCURSOS DA POLÍCIA FEDERAL E DA POLÍCIA RODOVIÁRIA
FEDERAL, AMBOS DE 2002 E AMBOS ORGANIZADOS PELO CESPE/UNB.
Delegado da PF Perito criminal da PF Policial da PRF
Característica
Mínimo Máximo Mínimo Máximo Mínimo Máximo
Instabilidade emocional (não havia) ≤ 60% (não havia) ≤ 60% (não havia) ≤ 60%
Conscienciosidade ≥ 70% (não havia) ≥ 60% (não havia) ≥ 50% (não havia)
Abertura ≥ 70% (não havia) ≥ 70% (não havia) ≥ 70% (não havia)
Agradabilidade ≥ 70% (não havia) ≥ 50% (não havia) ≥ 60% (não havia)
Extroversão ≥ 30% ≤8 ≥ 15% ≤7 ≥ 20% ≤ 70
5 5

1.7.6 Argumentos contra a dificuldade de se calcular e decorar as respostas


O candidato não precisa decorar todos os itens nem todos os percentis máximos e mínimos.
Em geral, as características boas têm apenas um limite mínimo de corte (Ex.: inteligência,
iniciativa). Ninguém será eliminado por ser muito inteligente ou pró-ativo e, portanto, para esses itens
basta dar aquela resposta que maximiza a pontuação, sem se preocupar qual é o mínimo
aceitável. Para as características ruins, que têm apenas um limite máximo de corte (instabilidade
emocional, carência afetiva) faz-se o contrário, ou seja, dá-se a resposta que minimiza a
pontuação, sem se preocupar que há uma margem de tolerância. Agindo assim, o resultado do
teste apresentará desempenho próximo a 100% nos itens positivos e próximos a 0% nos itens
negativos. Após estudar um pouco os testes, o candidato deduzirá que característica aquele item
está medindo e as respostas adequadas serão óbvias.
E para saber qual característica cada item mede você não precisa decorar todos os itens e
sua respectiva característica, mas apenas perceber, em linhas gerais, que tipo de frases e palavras
são comuns a cada característica. Dessa forma, você evita respostas completamente erradas
apenas porque achou que o item media uma característica, quando na verdade ele media outra.
Tomamos como exemplo 2 itens do Comrey:
• Item 48: Gosto de filmes que contam a história de duas pessoas apaixonadas.
• Item 98: Pegaria uma cobra não-venenosa com as mãos desprotegidas.
Esses itens deixariam um candidato leigo bastante confuso. O que será que estão querendo saber
com esse tipo de coisa? Se você é homossexual? Se você tem sentimentos ou é frio e calculista? Se
você é medroso ou se maltrata os animais? Já um candidato com certo conhecimento sobre testes
psicotécnicos sabe que não existe medição específica para “sentimentalismo”, “delicadeza” ou “apego
à natureza”. Um candidato que estudou especificamente o Comrey muito provavelmente conseguirá
enquadrar, senão ambos, pelo menos um deles na característica correta “enfrentamento”, e
assim saberia a melhor resposta a ser dada.

1.7.7 Um exemplo pessoal


Nessa seção, vou demonstrar, através do meu exemplo pessoal, como o conhecimento dos segredos
dos testes psicológicos, por menor que seja, altera significativamente para melhor o desempenho do
candidato, apesar de todas as dificuldades existentes em se preparar para eles.

MEU DESEMPENHO NO TESTE RAS (ESCALA DE ASSERTIVIDADE DE RATHUS), EM 2 MOMENTOS DISTINTOS


1ª vez 2ª vez
• Não sabia o significado da palavra • Sabia que assertividade significava
“assertividade”; “capacidade de defender suas ações e
pensamentos” (antônimo de “inibição”).
• Não conhecia o perfil do cargo;
• Sabia que o perfil do cargo exigia um percentil
• Não sabia nada a respeito do teste, não sabia mínimo de 60% e que não havia um máximo.
o que era bom e o que era ruim responder.
• Respondi sem ver o teste antes, apenas
avaliando os itens com base no conceito de
assertividade.

100 100
90 90
80 80
70 70
60 60
50 50
40 40
30 30
20 20
10 10
0 0
Minha nota Minha nota

Passei “de raspão”. Passei folgado, fiz quase o máximo.

MEU DESEMPENHO NO TESTE COMREY (CPS), EM 2 MOMENTOS DISTINTOS


1ª vez 2ª vez
• Não conhecia o perfil do cargo; • Conhecia o perfil do cargo.
• Não sabia nada a respeito do teste, não sabia • Não tinha o teste para estudá-lo. Apenas 5
o que era bom e o que era ruim responder; cinco minutos antes de ser submetido ao teste,
um amigo me mostrou ele com as
• Quase todas minhas respostas foram respostas que davam os 100%. Mal tive
intermediárias (3 a 5, sendo as tempo de ler alguns itens.
respostas possíveis eram de 1 a 7), porque
acreditava que as pessoas com • Todas minhas respostas foram 1 ou 7.
características extremas não eram desejadas Sabia que respondendo assim, poderia
(o raciocínio estava certo, mas não sabia que rodar em algumas características
respostas intermediárias dificilmente dariam por ter escore
um percentil intermediário). extremamente alto ou baixo, mas que no geral
iria bem.
100 100
90 90
80 80
70 70
60 60
50 50
40 40
30 30
20 20
10 10
0 0

Conformidade

Autoconfiança
Ativiade

Expansão

Enfrentamento
Ordem
Confiança

Altruísmo

Ativiade

Altruísmo
Ordem
Confiança

Expansão

Enfrentamento
Conformidade

Autoconfiança
Rodei no teste porque fiquei fora do perfil em Passei, apesar de ter ficado fora do perfil em
todas as características. expansão e altruísmo (ambas por excesso). A
pontuação intermediária no item “ordem” foi
proposital. Nas demais, tentei fazer a máxima.

1.8 Estratégias para resolução dos testes


Vamos abordar a forma de responder aos itens dos testes em 3 diferentes níveis de detalhamento. A
escolha por um desses 3 níveis depende das condições de cada um em estudá-los.

1.8.1 Considerações iniciais


Responder corretamente um teste não necessariamente significa dar sempre a resposta
afirmativa para os itens bons e a negativa para os itens ruins. Em alguns testes, uma parte
dos itens têm a pontuação invertida (ganha pontos se responder a de menor número ou a que
seja negativa). A fim
de ilustrar vamos a um exemplo concreto no testes de Comrey.
• Item 01: A maioria das pessoas é honesta.
• Item 91: A maioria das pessoas é desprezível.
Ambos itens medem a mesma característica da personalidade: confiança. Não há fórmula matemática
para responder, é necessário apenas interpretar o texto. Analisando-se o item 01 facilmente
se percebe que a afirmação é característica de alguém que costuma confiar nas pessoas; então, para
se ganhar o máximo de pontos na característica “confiança”, deve-se responder “7.
Sempre / Certamente sim”. Obviamente, o significado do item 91 é exatamente o oposto do item 01
e portanto, para novamente ganhar o máximo de pontos na característica “confiança”, deve-se
responder “1. Nunca / Certamente não”.

1.8.2 Estratégia simples – para pessoas desesperadas


Essa estratégia é a melhor opção para quem não tem condições ou informações suficientes para se
dedicar ao estudo dos testes.
Essa estratégia tem uma única regra, bem simples: Salvo onde houver conhecimento de causa em
contrário, as respostas devem ser sempre as extremas.
Não seja tolo de achar que, marcando todos os itens com respostas meio termo, você será aprovado
em todas, ou em quase todas, características, por acreditar que “quem está na média é normal”. O
conceito até está certo, mas o método não. Marcando respostas intermediárias ocorrerá exatamente
o contrário, ou seja, você será reprovado em quase todas as características (por excesso nas ruins e
falta nas boas) e talvez passe apenas em uma ou outra que exige um percentil intermediário.
Isso ocorrerá porque sua nota absoluta será convertida em percentil e o percentil médio da população
nas características boas é acima de 50% e o percentil médio da população nas características
ruins é abaixo de 50%.
Vamos explicar melhor isso. Todas as características físicas e psicológicas das pessoas distribuem-
se entre a população de uma forma que os estatísticos chamam de curva normal de distribuição (a
grosso modo, o gráfico dessa curva se parece como uma onda). Vamos usar o exemplo fictício da
inteligência e vamos supor que pudéssemos dar nota de 0 a 10 para ela. Ao medir a inteligência de
todas as pessoas veríamos que a grande maioria da população encontra-se próximo a nota 5
(no gráfico seria a crista da onda) e que a medida que se afasta desse valor médio (tanto
para mais
quanto para menos) menor é o número de pessoas que se possuem tal nível de inteligência. Nos
níveis de inteligência extremos (quase 0 e quase 10) haverá muito poucas pessoas.
Ocorre que a nota absoluta média de uma prova (5 ou 50%) não necessariamente determina
que aquela pessoa teve um desempenho médio. Se a prova for muito fácil, acertar 50% das
questões significa inferioridade; já numa prova difícil, significa superioridade. Lembre-se que a
pontuação absoluta é convertida em pontuação percentil e, portanto, o fato de um candidato ter
feito uma alta pontuação absoluta não necessariamente indica que o percentil será alto. Se a
característica é muito forte na população amostral, uma pontuação absoluta de 50% da
máxima possível nessa característica será convertida em um percentil baixo; se a
característica for muito fraca, será convertida em um percentil alto.
Além disso, como para a maioria dos empregos privados não se deseja uma pessoa média, mas sim
uma pessoa melhor que a média (já nos concursos públicos, a média é aceita), obviamente
os processos seletivos exigirão pessoas que tenham características positivas (como inteligência)
acima
da média e características negativas (como instabilidade emocional) abaixo da média. Uma vez que o
candidato fique “na média”, provavelmente ele desagradará tanto nos requisitos bons quanto
nos ruins.
Em resumo, respostas intermediárias, quase sempre não são boas porque não se sabe qual
é a média de desempenho da população amostral e, mesmo que se soubesse, ainda assim
precisaria obter um desempenho melhor do que o da média. Portanto, dê sempre respostas extremas.

1.8.3 Estratégia média – para pessoas ligeiramente interessadas


Essa opção é para quem não quer ou não pode fazer cálculos matemáticos ou ainda que não tem
informações completas sobre o perfil profissiográfico do cargo e que precisa de alguns
conselhos úteis para responder os testes.
A primeira regra é aquela citada logo acima, ou seja, salvo onde houver conhecimento de causa em
contrário, as respostas devem ser sempre as extremas.
A segunda regra é supor que as características positivas são sempre desejadas e que
a características negativas não são. Essa dedução é obtida por duas maneiras. A primeira é
porque essa é uma conclusão óbvia; a segunda é porque os perfis são todos muito parecidos e,
em geral, seguem o óbvio.
Portanto, ao responder o teste, faça o seguinte:
• Naqueles itens que medem características que o candidato acha ou tem certeza que há apenas
um limite mínimo de corte (em geral características positivas, como auto-confiança,
iniciativa, dinamismo, flexibilidade, desempenho, agradabilidade, assistência, ordem,
inteligência): Dar sempre a resposta com pontuação máxima em todos os itens relacionados a
elas (lembrando que alguns itens tem a pontuação invertida).
• Naqueles itens que medem características que o candidato acha ou tem certeza que há apenas
um limite máximo de corte (em geral características negativas, como instabilidade emocional): Dar
sempre a resposta com a pontuação mínima em todos os itens relacionados a elas
(lembrando que alguns itens tem a pontuação invertida).
• Naqueles itens que medem características que o candidato acha ou tem certeza que há um limite
mínimo e um máximo de corte (em geral características consideradas ruins para os
padrões morais e religiosos, mas admiradas e necessárias no mundo ocidental capitalista, como
ambição, agressividade, competitividade, ou o contrário, ou seja, características admiradas
pelos padrões morais, mas aceitas com certa reserva no mundo ocidental, como
altruísmo): Dar sempre respostas próximas a 3/4 (ou 75%) da pontuação máxima possível. Ou
seja, se há opções de 1 a
5, responda-as com 3 e 4; se há opções de 1 a 7, responda-as com 5 e 6, mas não se esqueça
que algumas questões tem a contagem de pontuação invertida e, portanto, para essas, responda
2 e 3, ao invés de 3 e 4; e 2 e 3, ao invés de 5 e 6).
Essa estratégia não produzirá resultados perfeitos. Provavelmente o candidato será reprovado
em algumas características. Mas, como os testes sempre toleram umas 2, 3 ou 4 escalas fora do
perfil, é provável que essa estratégica ajude a obter, pelo menos, uma aprovação “de raspão”.

1.8.4 Estratégia perfeita – para pessoas obstinadas


Essa opção é para quem atender, simultaneamente, os seguintes requisitos:
• Ter condições de se debruçar sobre o problema, perder várias horas, fazer uma série de cálculos,
tentativas e erros.
• Ter dados sobre o perfil profissiográfico (não adianta ter disposição se não tem os dados);
• Ter condições de memorizar ou decorar as respostas que descobriu serem as mais adequadas.
Para aquelas características em que há apenas um limite máximo e mínimo, nada muda em relação à
estratégias mostradas acima. Ou seja:
• Para as características apenas com limite de corte mínimo, escolha a resposta extrema que dê
pontos;
• Para as características apenas com limite de corte máximo, escolha a resposta extrema que não
dê pontos.
A mudança de procedimento dessa estratégia em relação à anterior ocorre somente na forma
de responder aquelas características que exigem intervalos percentis intermediários. Na
estratégia simples, aconselhei a dar respostas “chutadas” num valor aproximado de 75% da
pontuação máxima para aquelas características que não aceitam nem os escores muito altos
nem os muito baixos. Ocorre que esse procedimento, nem sempre produzirá resultados
satisfatórios, porque tais características exigem percentis dos mais variados. Ou seja, a resposta
certa para uma característica provavelmente não sirva para outra. Dentre as características que
geralmente estão nessa situação, podemos citar:
• Agressividade (muita agressividade obviamente é um problema, mas pouca também é);
• Extroversão (uma pessoa muito fechada é tão ruim quanto uma muito “palhaça”);
• Autonomia (as empresas não gostam de pessoas muito independentes nem muito dependentes).
• Altruísmo (tente ficar entre os percentis 60 e 90%);
• Persistência (tente ficar entre os percentis 60 e 90%).
Para saber o intervalo adequado, é necessário calcular cada característica isoladamente em função
do perfil profissiográfico. Mais adiante, nas tabelas de conversão dos testes, há alguns exemplos
desses cálculos.

2 TESTE DE COMREY (CPS)

2.1 Informações gerais

2.1.1 Quantidade de itens


100 itens no modo completo.

2.1.2 Alternativas disponíveis


1. Nunca / certamente não
2. Muito raramente / muito provavelmente não
3. Raramente / provavelmente não
4. Ocasionalmente / possivelmente
5. Freqüentemente / provavelmente sim
6. Muito freqüentemente / muito provavelmente sim
7. Sempre / certamente sim
2.1.3 Pontuação das respostas
Metade dos itens na ordem direta (tal qual a resposta do candidato) e metade na ordem
inversa (aplica-se a fórmula 8 menos “a resposta”). Assim, uma nota 7 fica como 1; 6 como 2; 5 como
3 e a 4 não muda nada.

2.1.4 Características avaliadas e seus conceitos


• Escalas de personalidade:
• Confiança: (não tenho o conceito)
• Ordem: (não tenho o conceito)
• Conformidade: Capacidade de conformar-se e respeitar regras e normas sociais.
• Atividade: Ser ativo, despender energia nas atividades que realiza, procurando padrões de
excelência nos resultados.
• Autoconfiança: Diz respeito a pessoa otimista, tranqüila, confiante e de humor estável.
• Expansão: Refere-se a pessoas que interagem facilmente com os outros, sentem-se à vontade
com pessoas estranhas.
• Enfrentamento: Diz respeito à capacidade de não se impressionar com cenas violentas,
vulgares e hostis.
• Altruísmo: Característica de pessoas prestativas, generosas e simpáticas.
• Escalas de controle:
• Validação: Consiste em frases óbvias, beirando a idiotice, que servem para testar se o
candidato entendeu o teste, se está lendo-o ou se esta respondendo-o às cegas
(chutando tudo). Uma pontuação alta nessa característica pode anular o teste do
candidato e, conseqüentemente, eliminá-lo, além de por em dúvida sua inteligência.
• Desejabilidade social: Consiste em frases sobre coisas erradas que todos fazem ou já fizerem
pelo menos uma vez na vida, mas que não são agradáveis de se confessar (especialmente na
hora de lutar por um emprego). Servem para ver se o candidato está tentando se passar por
“bom moço”. A pontuação desse item é repassada (por um método que desconheço) para os
demais itens de forma a piorar a nota do candidato. A solução é respondê-los com sinceridade.

2.1.5 Distribuição das características nos itens


Perfeitamente ordenada, de acordo com o último dígito da questão.
Quantidade
Característica Nº dos itens
de itens
Confiança 10 Todos com final 1 (01, 11, 21, 31, 41, 51, 61, 71, 81, 91)
Ordem 10 Todos com final 2
Conformidade 10 Todos com final 3
Atividade 10 Todos com final 4
Validação 8 Todos com final 5, menos o 45 e o 55.
Auto-confiança 10 Todos com final 6
Expansão 10 Todos com final 7
Enfrentamento 10 Todos com final 8
Altruísmo 10 Todos com final 9
Desejabilidade social 12 Todos com final 0, mais o 45 e o 55.

2.1.6 Padrão nas respostas


As respostas invertem intercaladamente de acordo com a característica avaliada. Ou seja, se a sua
intenção é fazer 0 ou 100% da pontuação, intercale um SIM com ou NÃO em cada questão relativa à
característica. Por exemplo: Se você quer fazer 100% dos pontos em “confiança” responda “7,
sempre” nas questões 01, 21, 41, 61 e 81 e “1, nunca” nas questões 11, 31, 51, 71 e 91. Se você
quer fazer 0% dos pontos em “confiança”, responda o contrário. A única exceção ocorre nas questões
45 e 55. Fazendo isso, você irá perceber que a grade de respostas ficará cheias se 1 e 7, parecendo
que você estava brincando ao preenchê-la.

2.1.7 Estratégia para resolver o teste


Se você teve acesso ao perfil do cargo e tiver a tabela de conversão de percentis (já eu
não a consegui para colocar aqui) responda de acordo com o que você calculou como sendo
adequado. Caso contrário, marque tudo 1 ou 7. Você ficará de fora em algumas
características, mas muito provavelmente passará no teste.

2.1.8 Tabelas de conversão em percentis


Vou ficar devendo essa. Não tenho ela(s) e nem sei quantas são. Porém, tenho o teste e a
experiência de ter feio ele duas vezes e posso afirmar que essa tabela não fundamental.
2.2 O Teste

1- Nunca / certamente não


2- Muito raramente / muito provavelmente não
3- Raramente / provavelmente não
4- Ocasionalmente /possivelmente
5- Freqüentemente / provavelmente sim
6- Muito freqüentemente / muito provavelmente sim
7- Sempre / certamente sim

O T ES T E OS S E GR E D OS
Item Resp osta Pontos Esc ala
1 A m aioria das pesso as é hon esta ➀ ➆ Confiança
2 Viveria em locais de po uca higiene ➆ ➀ Ordem
3 A sociedade forn ece proteção demasiada aos crimin osos ➀ ➆ Conformidade
4 S er um grande sucesso na vida requer um esforço maior do que es tou disposto a fazer ➆ Ativid ade
5 N este momento estou vivo ➀ ➆ V alidação
6 Sinto-me inferior às pesso as que conheço ➆ A utoco nfia nça
7 Tenho facilidade em co nversar com as pesso as ➀ ➆ Expansão
8 Tenho a impressão de que vou d esmaiar quando vejo muito sangu e ➆ E nfrentamento
9 G ostaria de dedicar minha vida a serviço do próximo. ➀ ➆ Altruísmo
10 Já me apoderei de algo que p ertencia à o utra pesso a. ➀ ➆ D eseja bilidade social
11 As p essoas querem mais do que estão dispostas a oferecer ➆ Confiança
12 Procuro manter limp os os locais que utilizo ➀ ➆ Ordem
13 Se as leis da sociedade são injus tas, elas devem ser d esobedecidas. ➆ Conformidade
14 P osso trab alh ar muito tempo sem me sentir ca nsado ➀ ➆ Ativid ade
15 L evantaria, com as mã os, um peso de 100 toneladas. ➆ V alidação
16 Meu humor é es tável, sem altos e b aixos. ➀ ➆ A utoco nfia nça
17 Evito co ntato com p essoas es tranhas ➆ Expansão
18 Assistiria a um tra nspla nte de coração sem desm aiar ➀ ➆ E nfrentamento
19 C uido prim eiro de mim, antes de pe nsar n as n ecessidades dos o utros. ➆ Altruísmo
20 Minha moral está acima de qu alquer crítica ➀
➆ D eseja bilidade social
21 É desn ecessário ser agressivo ou competitivo para conseg uir aq uilo que n os é de direito ➀ ➆ Confiança
22 Procuro evitar viver de acordo com h orários e pro gramas rígid os ➆ Ordem
23 Obedeço às leis, mesmo achando n ecessário mudá-las. ➀ ➆ Conformidade
24 Tenho menos en ergia que a maioria das p essoas ➆ Ativid ade
25 Os dias têm 24 h oras ➀ ➆ V alidação
26 Tenho dificuldade em me acalmar ➆ A utoco nfia nça
27 G osto de falar ➀ ➆ Expansão
28 Insetos grand es e répteis me perturbam ➆ E nfrentamento
29 Sou uma p essoa m uito simpática ➀ ➆ Altruísmo
30 Já menti ao men os uma vez ➀ ➆ D eseja bilidade social
31 P ara progredir é preciso que se esteja disposto a enfre ntar a competiçã o ➆ Confiança
32 Sou uma p essoa ca utelosa ➀ ➆ Ordem
33 As p essoas que desobedecem às leis, q uando protestam contra condições sociais injustas, d evem ➆ Conformidade
ficar sem puniçã o. ➀
34 G osto de fazer as coisas que envolvem b asta nte exercício físico ➀ ➆ Ativid ade
35 Conseg uiria d ar a volta ao mundo a pé ➆ V alidação
36 Sou otimista ➀ ➆ A utoco nfia nça
37 Tenho pavor de falar diante de um grande pú blico ➆ Expansão
38 P osso sup ortar vulg aridad es ➀ ➆ E nfrentamento
39 Sou insensível às dificuldades d os outros. ➆ Altruísmo
40 Minh as maneiras em casa ou em festa de luxo são exatamente as mesmas ➀
➆ D eseja bilidade social
41 M uitas pesso as fazem esforço p ara serem prestativas ➀ ➆ Confiança
42 Sou desordeiro ➆ Ordem
43 É importante para mim ser aceito em minha comu nidad e ➀ ➆ Conformidade
44 Sinto-me d esmotivado para trabalhar ➆ Ativid ade
45 D eixo de guardar dinheiro para doá-lo aos outros ➀
➆ D eseja bilidade social
46 C ostumo ach ar que as coisas darão errad as. ➀
➆ A utoco nfia nça
47 G osto de conhecer pesso as ➀ ➆ Expansão
48 G osto de film es que co ntam a história de duas p essoas apaixonadas ➆ E nfrentamento
49 G osto de ajud ar as pesso as, mesmo que seja anonimame nte. ➀ ➆ Altruísmo
50 Houve mome ntos em minha vida em que senti medo ➀ ➆ D eseja bilidade social
51 As p essoas querem me preju dicar ➆ Confiança
52 Sou perfeccio nista em meu trabalho ➀ ➆ Ordem
53 Tendo a ignorar o que os outros possam pensar de mim ➆ Conformidade
54 Tenho muito vigor e en ergia ➀ ➆ Ativid ade
55 Quando estou sozinho, faço coisas que me e nvergonho de fazer em público. ➀ ➆ D eseja bilidade social
O T ES T E OS S E GR E D OS
Item Resp osta Pontos Esc ala
56 Acho que sou tão bom quanto as p essoas que conheço ➀ ➆ A utoco nfia nça
57 F alo m uito po uco durante uma conversa ➆ Expansão
58 É tolice perder tempo pensando em am or e roma nce ➀ ➆ E nfrentamento
59 Evitaria um trabalho em que tivesse de ajudar as pesso as a resolverem se us pro ble m as ➆ Altruísmo
60 Se a ficha de um telefone pú blico é devolvida ap ós eu ter falado, reponho-a no telefon e. ➀
➆ D eseja bilidade social
61 Se alguém faz algo que me fere, procuro pensar que foi sem qu erer. ➀ ➆ Confiança
62 G osto de viver p erig osame nte. ➆ Ordem
63 A sociedade em que vivem os deve ficar como es tá. ➀ ➆ Conformidade
64 Canso-me rapidame nte. ➆ Ativid ade
65 Vivo no planeta Terra ➀ ➆ V alidação
66 Sinto-me tão deprimido que nada pode me anim ar ➆ A utoco nfia nça
67 P ara mim, é fácil fazer um discurso. ➀ ➆ Expansão
68 Situ açõ es grosseiras e vulgares me desa gradam. ➆ E nfrentamento
69 Estou disp osto a dividir tudo que puder com os care ntes. ➀ ➆ Altruísmo
70 Já me esqueci de re alizar alguma tarefa. ➀ ➆ D eseja bilidade social
71 A m aioria das pesso as é cap az de engan ar os o utros. ➆ Confiança
72 G osto de manter uma rotina fixa de atividades. ➀ ➆ Ordem
73 Se eu pud esse, faria m uitas mudanças nas leis d este p aís. ➆ Conformidade
74 G osto de trab alh ar. ➀ ➆ Ativid ade
75 Tenho o poder de controlar as condiçõ es do tempo. ➆ V alidação
76 Acho que a vida tem sido boa co mig o. ➀ ➆ A utoco nfia nça
77 Acho difícil co nversar com pesso as que não conheço. ➆ Expansão
78 É difícil me fazer ch orar. ➀ ➆ E nfrentamento
79 Tento evitar p essoas que estão precisando de ajud a. ➆ Altruísmo
80 Sou perfeito em tudo o que faço. ➀
➆ D eseja bilidade social
81 A m aioria das pesso as tem m ais qu alidad es que defeitos. ➀ ➆ Confiança
82 Esqueço os pequen os erros que cometo no meu trabalho. ➆ Ordem
83 Sou co ntrário a greves. ➀ ➆ Conformidade
84 D etes to atividades físicas q ue me cansam. ➆ Ativid ade
85 Existem algumas pesso as no mundo que, pesso almente, desconheço. ➀ ➆ V alidação
86 Mudo de hum or fácil e rapidame nte. ➆ A utoco nfia nça
87 Sinto-me à vo ntade com p essoas que acabei de conhecer. ➀ ➆ Expansão
88 Choro à to a. ➆ E nfrentamento
89 Preocupo-me mais com o bem-es tar dos o utros do que com a minha própria felicidade. ➀ ➆ Altruísmo
90 D esconheço leis brasileiras. ➀ ➆ D eseja bilidade social
91 A m aioria das pesso as é d esprezível. ➆ Confiança
92 Mantenho em ordem as coisas que me pertence m. ➀ ➆ Ordem
93 O p ovo deveria orga nizar mais form as de protes to social. ➆ Conformidade
94 Tenho um en orme d esejo de vencer. ➀ ➆ Ativid ade
95 Sou a p essoa m ais fam osa do mundo. ➆ V alidação
96 Sou calmo e livre de te nsõ es. ➀ ➆ A utoco nfia nça
97 Num grupo de pesso as, acho difícil e ncontrar palavras para me expressar. ➆ Expansão
98 Peg aria uma cobra não-venenosa com as mã os desprotegidas. ➀ ➆ E nfrentamento
99 Só faço empréstimo com a garantia de receb er de volta. ➆ Altruísmo
100 1 Minha memória é infalível. ➀
➆ D eseja bilidade social

2.3 Os itens organizados por escala
Item
Esc ala Pontos
Nº Des crição
Altruísmo 9 G ostaria de dedicar minha vida a serviço do próximo. ➀ ➆
19 C uido prim eiro de mim, antes de pe nsar n as n ecessidades dos o utros. ➆ ➀
29 Sou uma p essoa m uito simpática ➀ ➆
39 Sou insensível às dificuldades d os outros. ➆ ➀
49 G osto de ajud ar as pesso as, mesmo que seja anonimame nte. ➀ ➆
59 Evitaria um trabalho em que tivesse de ajudar as pesso as a resolverem se us pro blemas ➆ ➀
69 Estou disp os to a dividir tudo que puder com os care ntes. ➀ ➆
79 Tento evitar p essoas que estão precisando de ajud a. ➆ ➀
89 Preocupo-me mais com o bem-estar dos o utros do que com a minha própria felicidade. ➀ ➆
99 Só faço empréstimo com a garantia de receb er de volta. ➆ ➀
Ativid ade 4 S er um grande sucesso na vida requer um esforço maior do que estou disposto a fazer ➆ ➀
14 P osso trab alh ar muito tempo sem me sentir ca nsado ➀ ➆
24 Tenho menos en ergia que a maioria das p essoas ➆ ➀
34 G osto de fazer as coisas que envolvem b asta nte exercício físico ➀ ➆
44 Sinto-me d esmotivado para trabalhar ➆ ➀
54 Tenho muito vigor e en ergia ➀ ➆
64 Canso-me rapidame nte. ➆ ➀
74 G osto de trab alh ar. ➀ ➆
84 D etesto atividades físicas q ue me cansam. ➆ ➀
94 Tenho um en orme d esejo de vencer. ➀ ➆
A utoco nfia nça 6 Sinto-me inferior às pesso as que conheço ➆ ➀
16 Meu humor é estável, sem altos e b aixos. ➀ ➆
26 Tenho dificuldade em me acalmar ➆ ➀
36 Sou otimista ➀ ➆
46 C ostumo ach ar que as coisas darão errad as. ➆ ➀
56 Acho que sou tão bom quanto as p essoas que conheço ➀ ➆
66 Sinto-me tão deprimido que nada pode me anim ar ➆ ➀
76 Acho que a vida tem sido boa co mig o. ➀ ➆
86 Mudo de hum or fácil e rapidame nte. ➆ ➀
96 Sou calmo e livre de te nsõ es. ➀ ➆
Confiança 1 A m aioria das pesso as é hon esta ➀ ➆
11 As p essoas querem mais do que estão dispostas a oferecer ➆ ➀
21 É desn ecessário ser agressivo ou competitivo para conseg uir aq uilo que n os é de direito ➀ ➆
31 P ara progredir é preciso que se es teja disposto a enfre ntar a competiçã o ➆ ➀
41 M uitas pesso as fazem es forço p ara serem prestativas ➀ ➆
51 As p essoas querem me preju dicar ➆ ➀
61 Se alguém faz algo que me fere, procuro pensar que foi sem qu erer. ➀ ➆
71 A m aioria das pesso as é cap az de engan ar os o utros. ➆ ➀
81 A m aioria das pesso as tem m ais qu alidad es que defeitos. ➀ ➆
91 A m aioria das pesso as é d esprez ível. ➆ ➀
Conformidade 3 A sociedade forn ece proteção demasiada aos crimin osos ➀ ➆
13 Se as leis da sociedade são injustas, elas devem ser d esobedecidas. ➆ ➀
23 Obedeço às leis, mesmo achando n ecessário mudá-las. ➀ ➆
33 As p essoas que desobedecem às leis, q uando protestam contra condições sociais injustas, d evem ficar sem➆ ➀
puniçã o.
43 É importante para mim ser aceito em minha comu nidad e ➀ ➆
53 Tendo a ignorar o que os outros possam pensar de mim ➆ ➀
63 A sociedade em que vivem os deve ficar como está. ➀ ➆
73 Se eu pud esse, faria m uitas mudanças nas leis d este p aís. ➆ ➀
83 Sou co ntrário a greves. ➀ ➆
93 O p ovo deveria orga nizar mais form as de protesto social. ➆ ➀
E nfrentamento 8 Tenho a impressão de que vou d esmaiar quando vejo muito sangu e ➆ ➀
18 Assistiria a um tra nspla nte de coração sem desm aiar ➀ ➆
28 Insetos grand es e répteis me perturbam ➆ ➀
38 P osso sup ortar vulg aridad es ➀ ➆
48 G osto de film es que co ntam a his tória de duas p essoas apaixonadas ➆ ➀
58 É tolice perder tempo pensando em am or e roma nce ➀ ➆
68 Situ açõ es grosseiras e vulgares me desa gradam. ➆ ➀
78 É difícil me fazer ch orar. ➀ ➆
88 Choro à to a. ➆ ➀
98 Peg aria uma cobra não-venenosa com as mã os desprotegidas. ➀ ➆
Expansão 7 Tenho facilidade em co nversar com as pesso as ➀ ➆
17 Evito co ntato com p essoas estranhas ➆ ➀
27 G osto de falar ➀ ➆
37 Tenho pavor de falar diante de um grande pú blico ➆ ➀
47 G osto de conhecer pesso as ➀ ➆
57 F alo m uito po uco durante uma conversa ➆ ➀
67 P ara mim, é fácil fazer um discurso. ➀ ➆
Item
Esc ala
Nº Des crição
77 Acho difícil co nversar com pesso as que não conheço. P➆o n
87 Sinto-me à vo ntade com p essoas que acabei de conhecer. to➀s
➀ ➆
97 Num grupo de pesso as, acho difícil e ncontrar palavras para me expressar. ➆ ➀
Ordem 2 Viveria em locais de po uca higiene ➆ ➀
12 Procuro manter limp os os locais que utilizo ➀ ➆
22 Procuro evitar viver de acordo com h orários e pro gramas rígid os ➆ ➀
32 Sou uma p essoa ca utelosa ➀ ➆
42 Sou desordeiro ➆ ➀
52 Sou perfeccio nista em meu trabalho ➀ ➆
62 G osto de viver p erig osame nte. ➆ ➀
72 G osto de manter uma rotina fixa de atividades. ➀ ➆
82 Esqueço os pequen os erros que cometo no meu trabalho. ➆ ➀
92 Mantenho em ordem as coisas que me pertence m. ➀ ➆
D eseja bilidad e 10 Já me apoderei de algo que p ertencia à o utra pesso a. ➀ ➆
social 20 Minha moral está acima de qu alquer crítica ➆ ➀
30 Já menti ao men os uma vez ➀ ➆
40 Minh as maneiras em casa ou em festa de luxo são exatamente as mesmas ➆ ➀
45 D eixo de guardar dinheiro para doá-lo aos outros ➆ ➀
50 Houve mome ntos em minha vida em que senti medo ➀ ➆
55 Quando estou sozinho, faço coisas que me e nvergonho de fazer em público. ➀ ➆
60 Se a ficha de um telefone pú blico é devolvida ap ós eu ter falado, reponho-a no telefon e. ➆ ➀
70 Já me esqueci de re alizar alguma tarefa. ➀ ➆
80 Sou perfeito em tudo o que faço. ➆ ➀
90 D esconheço leis brasileiras. ➀ ➆
100 1 Minha memória é infalível. ➆ ➀
V alidação 5 N este momento estou vivo ➀ ➆
15 L evantaria, com as mã os, um peso de 100 tonelad as. ➆ ➀
25 Os dias têm 24 h oras ➀ ➆
35 Conseg uiria d ar a volta ao mundo a pé ➆ ➀
65 Vivo no planeta Terra ➀ ➆
75 Tenho o poder de controlar as condiçõ es do tempo. ➆ ➀
85 Existem algumas pesso as no mundo que, pesso almente, desconheço. ➀ ➆
95 Sou a p essoa m ais fam osa do mundo. ➆ ➀
3 TESTE DE IFP-R

3.1 Informações gerais

3.1.1 Quantidade de itens


155 itens no modo completo

3.1.2 Alternativas disponíveis


7. Totalmente característico
6. Muito característico
5. Característico
4. Indiferente
3. Pouco característico
2. Muito pouco característico
1. Nada característico
Note que a ordem dos números é inversa em relação ao teste de Comrey (CPS)

3.1.3 Pontuação das respostas


Nos itens sobre as característica da personalidade a pontuação é na ordem direta (tal qual a resposta
do candidato).
Nas escalas de controle, metade dos itens na ordem direta e metade na ordem inversa. (aplica-se a
fórmula 8 menos “a resposta”). Assim, uma nota 7 fica como 1; 6 como 2; 5 como 3 e a 4 não muda
nada. Os itens que invertem são: 24, 61 99 e 138 na escala de validade; 23, 47, 59, 96,123, 150 na
escala de desejabilidade social.

3.1.4 Características avaliadas e seus conceitos


• Escalas de personalidade:
• Assistência: Prestar auxílio e proteção às pessoas.
• Intracepção: Capacidade de analisar, especular, formular, generalizar / refere-se ao indivíduo
que racionaliza excessivamente suas emoções.
• Afago: necessidade de proteção, carinho e mimo.
• Deferência: Acatar e respeitar decisões de superiores.
• Afiliação: Capacidade de associar-se a outra pessoa e permanecer leal a ela.
• Dominância: Capacidade de controlar o ambiente e influenciar o comportamento alheio,
através de persuasão.
• Denegação:
• Desempenho: Capacidade de superar obstáculos e as próprias fraquezas.
• Exibição:
• Agressão: Usar a força para se opor.
• Ordem: Capacidade de organização, equilíbrio, precisão.
• Persistência: Perseverança ao realizar algo difícil, superando a si mesmo.
• Mudança:
• Autonomia: Capacidade de se governar por leis próprias; ser independente e agir segundo o
impulso.
• Heterossexualidade:
• Escalas de controle:
• Validação: Consiste em frases óbvias, beirando a idiotice, que servem para testar se o
candidato entendeu o teste, se está lendo-o ou se esta respondendo-o às cegas
(chutando tudo). Uma pontuação alta nessa característica pode anular o teste do
candidato e, conseqüentemente, eliminá-lo, além de por em dúvida sua inteligência.
• Desejabilidade social: Consiste em frases sobre coisas erradas que todos fazem ou já fizerem
pelo menos uma vez na vida, mas que não são agradáveis de se confessar (especialmente na
hora de lutar por um emprego). A finalidade dessa escala é verificar se o candidato
está respondendo o que ele acha ser a melhor resposta, ao invés de responder o que ele
realmente pensa ou é. Em outras palavras, ela serve para ver se o candidato está tentando se
passar por “bom moço”. Uma pontuação elevada é nessa escala é repassada (por
critérios que desconheço) para as demais características de forma a piorar a avaliação do
candidato e, em casos extremos, pode anular o teste do candidato. A solução é respondê-los
com sinceridade (aliás, é o único caso onde o candidato sempre se beneficia se for sincero).

3.1.5 Distribuição das características nos itens


É desordenada e, se o teste for incompleto, variável. Ou seja, no teste completo os itens
estão distribuídos sem um padrão lógico, porém que não muda nunca. Assim, toda vez que se
aplicar o teste completo, essa organização será mantida. Mas, no caso de retirarem alguma
característica do teste (e seus respectivos itens), obviamente os itens que permanecerem terão que
ser renumerados. Portanto, é recomendável que não se tente decorar respostas pela numeração do
item:
Quantidade
Característica Nº dos itens
de itens
Assistência 9
Intracepção 9
Afago 9
Deferência 9
Afiliação 9
Dominância 9
Denegação 9
Desempenho 9
Exibição 9
Agressão 9
Ordem 9
Persistência 9
Mudança 9
Autonomia 9
Heterossexualidade 9
Validade 8
Desejabilidade social 12

3.1.6 Padrão nas respostas


As respostas não possuem um padrão ordenado.

3.1.7 Estratégia para resolver o teste


Se você teve acesso ao perfil do cargo, responda de acordo com o que você calculou como sendo
adequado. Caso contrário, marque tudo 1 ou 7. Você ficará de fora em algumas características, mas
muito provavelmente passará no teste.

3.1.8 Tabelas de conversão em percentis


São duas tabela, uma para candidatos do sexo masculino e outra para o feminino.
3.2 O teste
Este questionário constitui-se de 155 afirmações sobre coisas que você pode gostar ou não, sobre
sentimentos que você pode experimentar ou não e jeitos de ser que você pode ter ou não.
Você deve ler atentamente cada afirmação e dizer quanto do que ela afirma caracteriza você. Para
tanto, escreva na FOLHA DE RESPOSTAS um número de 1 a 7 para cada afirmação
identificada pelo número de ordem correspondente, conforme a seguinte escala.
7. Totalmente característico
6. Muito característico
5. Característico
4. Indiferente
3. Pouco característico
2. Muito pouco característico
1. Nada característico

O T ES T E OS S E GR E D OS
Item Resp osta Pontos Esc ala
1 G os to que me us amigos me apoiem quando fracasso. ➆ Afag o
2 G os to de fazer coisas que outras pesso as co nsideram fora do comu m. ➀
➆ A utono mia
3 G os taria de re alizar um grande feito ou grande o bra na minha vid a. ➀
➆ D esempenho
5 G os to de sair com p essoas atrae ntes do sexo opos to. ➀
➆ H eterossexualidade
6 Se me pedissem para leva ntar um p eso de 10 toneladas, eu faria. ➀
➆ V alidad e
7 P arece-me m ais imp ortante avaliar as p essoas p or suas intenções que por su as ações. ➀
➆ Intrace pçã o
8 Não gosto de situ ações em que se exige que eu me comp orte de d eterminada man eira. ➀
➆ A utono mia
10 Se eu tiver que viajar, g osto de ter as coisas planejadas com antecedê ncia. ➀
➆ Ordem
11 Minha moral es tá acima de qu alquer crítica. ➀
➆ D eseja bilidade social
13 G os to de dizer o que eu penso a respeito das coisas. ➀
➆ A utono mia
14 G os to de sab er o que grandes p ersonalidades disseram sobre os problem as pelos quais eu me ➀
➆ D eferência
interesso. ➀
15 G os to de ser cap az de fazer as coisas melhor do que as o utras pesso as. ➆ D esempenho
16 G os to de concluir qualquer trabalho ou tarefa que tenha com eçado. ➀
➆ P ersistê ncia
17 G os to de ajud ar me us amigos quando eles estão com pro blemas. ➀
➆ Assistê ncia
18 Não costumo abandon ar um que bra-cabeça ou pro blema antes que co nsiga resolvê-lo. ➀
➆ P ersistê ncia
19 G os to de dizer a os outros com o fazer se us trab alh os. ➀
➆ Dominâ ncia
20 G os taria de ser considerado uma autoridade em algum trabalho, profissão ou campo d e ➀
➆ D esempenho
esp ecializaçã o. ➀
21 G os to que me us amigos sintam pena de mim quando estou doe nte. ➆ Afag o
23 Já fiz coisas de n atureza sexual que a sociedade não aprova. ➀ ➆ D eseja bilidade social
24 Quando acordo de manhã meu coração está batendo. ➀ ➆ V alidad e
25 Quando tenho alguma tarefa para fazer, g osto de com eçar logo e p erman ecer trabalhando até ➆ P ersistê ncia
co m pletá-la. ➀
26 Aceito com prazer a lid era nça das p essoas que ad miro. ➆ D eferência
28 G os to de ficar sexu almente excita d o. ➀
➆ H eterossexualidade
29 G os to de ficar acordado até tarde p ara termin ar um trabalh o. ➀
➆ P ersistê ncia
30 G os to que me us amigos me dêem muita atenção quando estou sofrendo ou doente. ➀
➆ Afag o
31 C ostumo analisar minh as inte nçõ es e sentime ntos. ➀
➆ Intrace pçã o
33 G os to de fazer com carinho pequen os favores a me us amigos. ➀
➆ Afiliaçã o
35 Minh as maneiras à mesa quando es tou em casa são exatamente as m esmas quan do so ➀
➆ D eseja bilidade social
co nvidado para jantar fora. ➀
36 G os to de trab alh ar horas a fio sem ser interrompido. ➆ P ersistê ncia
37 Não tenho medo de dizer as pessoas que não g osto d elas. ➀
➆ A gressivid ade
39 G os to de analisar os se ntime ntos e intenções dos o utros. ➀
➆ Intrace pçã o
40 G os to de atacar po ntos de vista co ntrários aos meus. ➀
➆ A gressivid ade
41 G os to de fazer g ozação com pesso as que fazem coisas que eu consid ero estúpidas. ➀
➆ A gressivid ade
42 Se o mundo fosse acabar amanh ã, continuaria vivendo como vivi até agora. ➀
➆ V alidad e
43 Tenho vontade de me ving ar quando alguém me insulta. ➀
➆ A gressivid ade
44 G os to de pensar so bre o caráter dos meus a mig os e te ntar d escobrir o que os faz serem como ➀
➆ Intrace pçã o
sã o. ➀
45 Sou leal a os meus a migos. ➆ Afiliaçã o
46 G os to de levar trabalho ou tarefa até o fim antes de começar outro. ➀
➆ P ersistê ncia
47 Como dem ais. ➀ ➆ D eseja bilidade social
48 G os to de dizer a os me us sup eriores que eles fizeram um bom trabalho, quando acredito nisso. ➆ D eferência
49 G os to de me colocar no lugar de alguém e imaginar como eu me se ntiria na mesma situ ação. ➀
➆ Intrace pçã o
50 G os to que me us amigos sejam solid ários comigo e me animem quando estou de primid o. ➀
➆ Afag o
51 A ntes de com eça um trabalho, g osto de orga nizá-lo e plan ejá-lo. ➀
➆ Ordem
52 Não gosto de ser interrom pido enquanto trab alho. ➀
➆ P ersistê ncia
53 G os to que me us amigos demons trem muito afeto pó mim. ➀
➆ Afag o
54 G os to de realizar tarefas que, na opinião dos outros, exigem ha bilidade e esforço. ➀
➆ D esempenho
55 G os to de ser chamado para resolver brig as e disputas entre o utras pesso as. ➀
➆ Dominâ ncia
56 G os to de ser bem suce dido n as coisas que faço. ➀
➆ D esempenho

O T ES T E OS S E GR E D OS
Item Resp osta Pontos Esc ala
57 G os to de fazer a mizad es. ➆ Afiliaçã o
58 G os to de ser consid erado um líd er p elos o utros. ➀
➆ Dominâ ncia
59 Dou todo o dinheiro que p osso p ara a caridad e. ➀ ➆ D eseja bilidade social
60 G os to de realizar com afinco (sem d esca nso) qu alquer trabalho que faço. ➆ P ersistê ncia
61 V ez por outra em minha vida, eu se nti medo. ➀ ➆ V alidad e
62 G os to de particip ar de grupos cujos me m bros se tratem com afeto e amizade. ➆ Afiliaçã o
63 Sinto-me satisfeito quando re alizo bem um trabalho difícil. ➀
➆ D esempenho
64 Tenho vontade de mandar os outros calarem a b oca quando discordo deles. ➀
➆ A gressivid ade
65 G os to de fazer coisas do meu jeito sem me importar com o que os o utros possam pensar. ➀
➆ A utono mia
66 G os to de ser consid erado(a) fisica mente atraente p elas pesso as do sexo oposto. ➀
➆ H eterossexualidade
68 Não ad mito que meu ponto de vis ta seja atacado p elos outros. ➀
➆ Dominâ ncia
69 G os to de me fixar em um trab alho ou problema mesmo quando a solução pareça extremame nte ➀
➆ P ersistê ncia
difícil. ➀
70 G os to de particip ar de discussões so bre sexo e atividades sexu ais. ➆ H eterossexualidade
71 Uma vez ou o utra em minha vida, roub ei alguma coisa. ➀
➆ D eseja bilidade social
72 G os to de ouvir ou contar piad as em que o sexo é o assunto princip al. ➀
➆ H eterossexualidade
74 G os to de dividir coisas com os o utros. ➀
➆ Assistê ncia
75 Sinto-me satisfeito quando co nsigo conve ncer e influenciar os o utros. ➀
➆ Dominâ ncia
76 G os to de demons trar m uita afeição por meus amigos. ➀
➆ Afiliaçã o
77 G os to de prestar favores a os outros. ➀
➆ Assistê ncia
78 G os to de elogiar alguém que ad miro. ➀
➆ D eferência
79 Acre dito que meu corpo viverá p ara sempre. ➀
➆ V alidad e
80 Quando plan ejo alguma coisa, procuro sugestões de p essoas que respeito. ➀
➆ D eferência
81 G os to de seg uir instruções e fazer o que é esperado de mim. ➀
➆ D eferência
82 G os to de manter minhas coisas lim p as e ordenadas em minha esc riva ninha ou em meu local de ➀
➆ Ordem
tra b alh o. ➀
83 Se a ficha de um telefone pú blico é devolvida depois de eu ter falado, eu a reponho no telefone. ➆ D eseja bilidade social
85 G os to de manter fortes laços de amizade. ➀
➆ Afiliaçã o
86 G os to que me us amigos me ajudem quando es tou com problem a. ➀
➆ Afag o
87 G os to que me us amigos m ostrem boa vo ntade em me prestar pe quenos favores. ➀
➆ Afag o
89 G os to de estar apaixonado p or alguém do sexo oposto. ➀
➆ H eterossexualidade
90 G os to de manter minhas cartas, co ntas e outros papéis bem arrumados e arq uivados de acordo ➀
➆ Ordem
com algum siste m a. ➀
91 G os to que me us amigos sejam solid ários e compree nsivos quando tenho pro blemas. ➆ Afag o
92 G os to de particip ar de atividades sociais com pesso as do sexo oposto. ➀
➆ H eterossexualidade
93 Prefiro fazer coisas com meus a migos a fazer sozinh o. ➀
➆ Afiliaçã o
94 G os to de tratar o utras pessoas com bondade e compaixã o. ➀
➆ Assistê ncia
96 Minto se for co nveniente p ara mim. ➀ ➆ D eseja bilidade social
97 Procuro entender como meus amigos se se ntem a resp eito de problem as que eles enfrentam. ➆ Intrace pçã o
98 G os to de ser o centro d as ate nções em um grup o. ➀
➆ Exibiçã o
99 Existem coisas que eu não e ntendo ➀ ➆ V alidad e
100 G os to de ser um dos líd eres nas organizações e grupos a os quais p ertenço. ➆ Dominâ ncia
101 G os to de ser independente d os outros para d ecidir o que qu ero fazer. ➀
➆ A utono mia
102 G os to de me ma nter em contato com m e us a mig os. ➀
➆ Afiliaçã o
104 Quando p articipo de uma co missão (reunião), gosto de ser in dicado ou eleito presidente. ➀
➆ Dominâ ncia
105 G os to de fazer ta ntos a migos quanto p ossível. ➀
➆ Afiliaçã o
106 G os to de observar como uma pessoa se sente numa d eterminada situ açã o. ➀
➆ Intrace pçã o
108 Quando estou em um grup o, aceito com prazer a lid era nça de o utra pessoa p ara d ecidir o que o ➀
➆ D eferência
grupo fará. ➀
109 Não gosto de me se ntir pressionado por responsabilidades e deveres. ➆ A utono mia
110 Na escolha de meus a mig os, ign oro coisas como raça, religião e co nvicçõ es políticas. ➀
➆ D eseja bilidade social
111 Às vezes, fico tão irrita do que sinto vontade de jogar e quebrar coisas. ➀
➆ A gressivid ade
112 G os to de fazer p erguntas que ninguém será cap az de responder. ➀
➆ Exibiçã o
113 G os to de plan ejar minha vida arrumada de tal modo que ela passe tranqüilamente sem m uitas ➀
➆ Ordem
mudanças em meus planos. ➀
114 Às vezes, g osto de fazer coisas sim plesmente p ara ver o efeito que terão sobre os outros. ➆ Exibiçã o
115 Sou solidário com meus a mig os quando mach ucados ou doe ntes. ➀
➆ Assistê ncia
116 Não tenho medo de criticar p esso as que ocupam posiçõ es de a utoridade. ➀
➆ A utono mia
117 G os to de fiscalizar e dirigir os atos d os outros sempre que posso. ➀
➆ Dominâ ncia
118 Acre dito ser a única pessoa da terra com quem Deus falou pesso alme nte. ➀
➆ V alidad e
119 C ulpo os o utros quando as coisas dão errado co mig o. ➀
➆ A gressivid ade
120 G os to que as pesso as me façam co nfidências e me co ntem seus problem as. ➀
➆ Assistê ncia
121 G os to de ajud ar pesso as que têm men os sorte do que eu. ➀
➆ Assistê ncia
122 G os to de plan ejar e organizar, em todos os d etalhes, qualqu er trab alho que eu faço. ➀
➆ Ordem
123 Na escola colei algumas vezes. ➀ ➆ D eseja bilidade social
125 G os to de ler livros e assistir a p eças em que o sexo seja o tema princip al. ➆ H eterossexualidade
126 G os taria de re alizar com sucesso alguma coisa de grande importância. ➀
➆ D esempenho
127 Quando estou com um grupo de pesso as, gosto de decidir so bre o que vamos fazer. ➀
➆ Dominâ ncia
128 Interesso-me em conhecer a vida de grandes personalidades. ➀
➆ D eferência
129 Procuro me adaptar ao modo de ser das p essoas que ad miro. ➀
➆ D eferência
131 G os to de resolver quebra-cab eças e problem as com os qu ais outras pesso as têm dificuldades. ➀
➆ D esempenho
132 G os to de falar so bre os meus sucessos. ➀
➆ Exibiçã o
133 G os to de beijar p essoas atraentes do sexo oposto. ➀
➆ H eterossexualidade

O T ES T E OS S E GR E D OS
Item Resp osta Pontos Esc ala
134 G os to de dar o m elh or de mim em tudo que faço. ➆ D esempenho
135 G os to de estudar e an alisar o comp orta mento dos o utros. ➀
➆ Intrace pçã o
136 Em tudo que faço, tento re almente fazer o melhor p ossível. ➀
➆ D eseja bilidade social
137 G os to de contar aos outros aventuras e coisas estranh as que acontecem co mig o. ➀
➆ Exibiçã o
138 Existem algumas pesso as no mundo que não conh eço pesso almente. ➀ ➆ V alidad e
140 P erdôo as pesso as que às vezes p ossam me mago ar. ➆ Assistê ncia
141 G os to de prever (entender) como meus a migos irão agir em diferentes situ açõ es. ➀
➆ Intrace pçã o
142 Não tenho medo de criticar alguém em pú blico quan do ele m erece. ➀
➆ A gressivid ade
143 G os to de me sentir livre p ara fazer o que quero. ➀
➆ A utono mia
144 G os to de me sentir livre p ara ir e vir q uando q uiser. ➀
➆ A utono mia
145 G os to de usar palavras cujo significado as outras p essoas desconh ece m. ➀
➆ Exibiçã o
146 G os to de plan ejar a ntes de iniciar algo difícil. ➀
➆ Ordem
147 Qualqu er trab alho escrito que faço, gosto que seja preciso, lim po e bem orga nizado. ➀
➆ Ordem
148 G os to que as pesso as notem e comentem a minha ap arê ncia quando estou em pú blico. ➀
➆ Exibiçã o
149 G os to de ler ou assistir m a nch etes sobre assassinatos ou outras formas de violê ncia. ➀
➆ A gressivid ade
150 A gi covardemente em certos momentos da minha vida. ➀ ➆ D eseja bilidade social
151 G os to que me us amigos me tratem com d elicadeza. ➆ Afag o
152 G os to de ser gen eroso com os o utros. ➀
➆ Assistê ncia
153 G os to de ter minhas refeições organizadas e um horário d efinido para com er. ➀
➆ Ordem
154 g osto de contar es tórias e piadas engraçadas em festas. ➀
➆ Exibiçã o
155 g osto de dizer coisas que os outros co nsideram engraçad as e inteligentes. ➀
➆ Exibiçã o

3.3 Tabelas de conversão dos percentis

Percentil resultante
Heterosse- xualidade
PONTUAÇÃO TOTAL X PERCENTIL PARA CANDIDATOS DO SEXO MASCULINO

Desejabilidade

Ordem
Assitência

Intracepção

Deferência

Afiliação

Dominância

Denegação

Desempenho

Agressão

Mudança

Autonomia
Afago

Exibição

Persistência
Social

Ds Ass I Af D ef Afl Do Den D es Ex Ag O P ers M A ut H et %


38 30 26 23 30 31 19 23 32 19 20 27 27 28 30 29 5
40 34 30 27 33 35 23 25 36 23 23 32 31 32 33 33 10
42 37 33 30 34 38 25 27 38 26 24 34 33 34 36 36 15
43 39 35 32 36 40 27 28 40 28 26 37 35 36 37 38 20
45 41 37 34 38 41 29 30 41 29 28 38 36 38 38 40 25
46 42 39 36 39 43 30 31 42 31 29 40 38 39 39 42 30
47 43 40 37 40 44 31 32 44 32 31 42 39 41 40 43 35
48 44 41 38 41 45 33 33 45 34 32 43 40 42 41 45 40
49 45 43 40 42 46 34 34 46 35 33 44 41 44 42 46 45
50 46 44 41 43 47 35 35 47 36 34 46 43 45 43 47 50
50 47 45 42 44 48 36 36 48 37 35 47 43 46 44 48 55
51 48 46 43 45 49 37 37 49 38 36 48 44 47 45 50 60
52 49 48 44 46 50 38 38 50 39 37 50 46 48 46 51 65
53 50 49 46 47 51 40 39 51 41 39 51 47 49 47 52 70
54 51 50 47 49 52 41 40 52 42 40 52 49 51 49 53 75
56 53 51 49 50 53 42 41 54 44 41 54 50 52 50 54 80
57 54 53 51 52 55 44 43 55 47 43 55 52 54 51 55 85
59 56 55 53 53 56 47 45 56 49 46 57 54 56 53 57 90
61 59 57 56 55 59 51 48 58 53 49 60 57 58 56 59 95
64 61 61 59 58 61 55 52 60 57 53 62 59 61 57 61 100

Percentil resultante
Heterosse- xualidade
PONTUAÇÃO MÉDIA POR ITEM X PERCENTIL PARA CANDIDATOS DO SEXO MASCULINO
Desejabilidade

Ordem
Assitência

Intracepção

Deferência

Afiliação

Dominância

Denegação

Desempenho

Agressão

Mudança

Autonomia
Afago

Exibição

Persistência
Social

Ds Ass I Af D ef Afl Do Den D es Ex Ag O P ers M A ut H et %


3,2 3,3 2,9 2,6 3,3 3,4 2,1 2,6 3,6 2,1 2,2 3,0 3,0 3,1 3,3 3,2 5
3,3 3,8 3,3 3,0 3,7 3,9 2,6 2,8 4,0 2,6 2,6 3,6 3,4 3,6 3,7 3,7 10
3,5 4,1 3,7 3,3 3,8 4,2 2,8 3,0 4,2 2,9 2,7 3,8 3,7 3,8 4,0 4,0 15
3,6 4,3 3,9 3,6 4,0 4,4 3,0 3,1 4,4 3,1 2,9 4,1 3,9 4,0 4,1 4,2 20
3,8 4,6 4,1 3,8 4,2 4,6 3,2 3,3 4,6 3,2 3,1 4,2 4,0 4,2 4,2 4,4 25
3,8 4,7 4,3 4,0 4,3 4,8 3,3 3,4 4,7 3,4 3,2 4,4 4,2 4,3 4,3 4,7 30
3,9 4,8 4,4 4,1 4,4 4,9 3,4 3,6 4,9 3,6 3,4 4,7 4,3 4,6 4,4 4,8 35
4,0 4,9 4,6 4,2 4,6 5,0 3,7 3,7 5,0 3,8 3,6 4,8 4,4 4,7 4,6 5,0 40
4,1 5,0 4,8 4,4 4,7 5,1 3,8 3,8 5,1 3,9 3,7 4,9 4,6 4,9 4,7 5,1 45
4,2 5,1 4,9 4,6 4,8 5,2 3,9 3,9 5,2 4,0 3,8 5,1 4,8 5,0 4,8 5,2 50
4,2 5,2 5,0 4,7 4,9 5,3 4,0 4,0 5,3 4,1 3,9 5,2 4,8 5,1 4,9 5,3 55
4,3 5,3 5,1 4,8 5,0 5,4 4,1 4,1 5,4 4,2 4,0 5,3 4,9 5,2 5,0 5,6 60
4,3 5,4 5,3 4,9 5,1 5,6 4,2 4,2 5,6 4,3 4,1 5,6 5,1 5,3 5,1 5,7 65
4,4 5,6 5,4 5,1 5,2 5,7 4,4 4,3 5,7 4,6 4,3 5,7 5,2 5,4 5,2 5,8 70
4,5 5,7 5,6 5,2 5,4 5,8 4,6 4,4 5,8 4,7 4,4 5,8 5,4 5,7 5,4 5,9 75
4,7 5,9 5,7 5,4 5,6 5,9 4,7 4,6 6,0 4,9 4,6 6,0 5,6 5,8 5,6 6,0 80
4,8 6,0 5,9 5,7 5,8 6,1 4,9 4,8 6,1 5,2 4,8 6,1 5,8 6,0 5,7 6,1 85
4,9 6,2 6,1 5,9 5,9 6,2 5,2 5,0 6,2 5,4 5,1 6,3 6,0 6,2 5,9 6,3 90
5,1 6,6 6,3 6,2 6,1 6,6 5,7 5,3 6,4 5,9 5,4 6,7 6,3 6,4 6,2 6,6 95
5,3 6,8 6,8 6,6 6,4 6,8 6,1 5,8 6,7 6,3 5,9 6,9 6,6 6,8 6,3 6,8 100
Percentil resultante
Heterosse- xualidade
PONTUAÇÃO TOTAL X PERCENTIL PARA CANDIDATOS DO SEXO FEMININO

Desejabilidade

Ordem
Assitência

Intracepção

Deferência

Afiliação

Dominância

Denegação

Desempenho

Agressão

Mudança

Autonomia
Afago

Exibição

Persistência
Social
Ds Ass I Af D ef Afl Do Den D es Ex Ag O P ers M A ut H et %
38 35 30 29 31 36 17 23 32 17 19 29 27 31 30 27 5
41 39 34 33 34 41 20 25 36 21 22 33 30 36 33 32 10
42 41 37 36 37 43 23 27 38 23 24 36 33 38 35 35 15
44 43 39 38 38 45 24 29 40 25 25 38 35 41 36 37 20
45 44 41 39 39 46 26 30 41 27 27 40 36 42 38 39 25
46 45 42 41 40 47 27 31 42 28 28 41 38 44 39 40 30
47 46 43 42 41 48 29 32 43 30 29 43 39 45 40 42 35
48 47 44 43 43 50 30 33 45 31 30 44 40 46 41 43 40
48 48 45 44 43 51 31 34 45 32 31 45 41 47 42 44 45
49 49 46 45 44 51 32 35 46 34 32 46 42 49 43 45 50
50 50 47 46 45 52 34 36 48 35 34 48 43 50 44 46 55
51 50 49 47 46 53 35 37 48 36 35 49 45 51 45 47 60
52 51 50 49 47 54 36 38 50 38 36 50 46 52 46 48 65
53 53 51 50 48 55 38 39 51 39 37 51 47 53 47 49 70
54 54 52 51 49 56 39 41 52 40 39 52 48 54 48 51 75
55 55 53 53 50 57 41 42 53 42 40 53 50 56 49 52 80
56 56 55 55 51 58 43 43 54 44 42 55 51 57 50 53 85
58 58 56 56 53 59 46 45 56 47 45 57 53 58 52 55 90
60 60 58 58 55 61 50 49 58 51 48 59 56 60 55 59 95
63 62 60 61 58 62 54 52 61 55 52 61 59 62 57 60 100

Percentil resultante
Heterosse- xualidade
PONTUAÇÃO MÉDIA POR ITEM X PERCENTIL PARA CANDIDATOS DO SEXO FEMININO
Desejabilidade

Deferência

Ordem
Assitência

Intracepção

Afiliação

Dominância

Denegação

Desempenho

Agressão

Persistência

Mudança

Autonomia
Afago

Exibição
Social

Ds Ass I Af D ef Afl Do Den D es Ex Ag O P ers M A ut H et %


3,2 3,9 3,3 3,2 3,4 4,0 1,9 2,6 3,6 1,9 2,1 3,2 3,0 3,4 3,3 3,0 5
3,4 4,3 3,8 3,7 3,8 4,6 2,2 2,8 4,0 2,3 2,4 3,7 3,3 4,0 3,7 3,6 10
3,5 4,6 4,1 4,0 4,1 4,8 2,6 3,0 4,2 2,6 2,7 4,0 3,7 4,2 3,9 3,9 15
3,7 4,8 4,3 4,2 4,2 5,0 2,7 3,2 4,4 2,8 2,8 4,2 3,9 4,6 4,0 4,1 20
3,8 4,9 4,6 4,3 4,3 5,1 2,9 3,3 4,6 3,0 3,0 4,4 4,0 4,7 4,2 4,3 25
3,8 5,0 4,7 4,6 4,4 5,2 3,0 3,4 4,7 3,1 3,1 4,6 4,2 4,9 4,3 4,4 30
3,9 5,1 4,8 4,7 4,6 5,3 3,2 3,6 4,8 3,3 3,2 4,8 4,3 5,0 4,4 4,7 35
4,0 5,2 4,9 4,8 4,8 5,6 3,3 3,7 5,0 3,4 3,3 4,9 4,4 5,1 4,6 4,8 40
4,0 5,3 5,0 4,9 4,8 5,7 3,4 3,8 5,0 3,6 3,4 5,0 4,6 5,2 4,7 4,9 45
4,1 5,4 5,1 5,0 4,9 5,7 3,6 3,9 5,1 3,8 3,6 5,1 4,7 5,4 4,8 5,0 50
4,2 5,6 5,2 5,1 5,0 5,8 3,8 4,0 5,3 3,9 3,8 5,3 4,8 5,6 4,9 5,1 55
4,3 5,6 5,4 5,2 5,1 5,9 3,9 4,1 5,3 4,0 3,9 5,4 5,0 5,7 5,0 5,2 60
4,3 5,7 5,6 5,4 5,2 6,0 4,0 4,2 5,6 4,2 4,0 5,6 5,1 5,8 5,1 5,3 65
4,4 5,9 5,7 5,6 5,3 6,1 4,2 4,3 5,7 4,3 4,1 5,7 5,2 5,9 5,2 5,4 70
4,5 6,0 5,8 5,7 5,4 6,2 4,3 4,6 5,8 4,4 4,3 5,8 5,3 6,0 5,3 5,7 75
4,6 6,1 5,9 5,9 5,6 6,3 4,6 4,7 5,9 4,7 4,4 5,9 5,6 6,2 5,4 5,8 80
4,7 6,2 6,1 6,1 5,7 6,4 4,8 4,8 6,0 4,9 4,7 6,1 5,7 6,3 5,6 5,9 85
4,8 6,4 6,2 6,2 5,9 6,6 5,1 5,0 6,2 5,2 5,0 6,3 5,9 6,4 5,8 6,1 90
5,0 6,7 6,4 6,4 6,1 6,8 5,6 5,4 6,4 5,7 5,3 6,6 6,2 6,7 6,1 6,6 95
5,3 6,9 6,7 6,8 6,4 6,9 6,0 5,8 6,8 6,1 5,8 6,8 6,6 6,9 6,3 6,7 100
Exemplos de utilização das tabelas
• Exemplo 1:
• Pergunta: Qual é o percentil de “afiliação” de um candidato do sexo masculino que fez 49
pontos nessa característica?
• Procedimento: Na primeira tabela, basta ir até a coluna “afiliação”, descer até a linha com 49,
correr lateralmente para a direita até a coluna “percentil” (última), e anotar o valor que
ali aparece.
• Resposta: Percentil de 60%.
• Exemplo 2:
• Pergunta: Qual é o percentil de “afiliação” de um candidato do sexo masculino que fez 37
pontos nessa característica?
• Procedimento: Na primeira tabela, basta ir até a coluna “afiliação” e descer até a linha com 41.
Como essa linha não existe, o percentil não será exato, mas sim um intervalo entre os valores
imediatamente menor e maior. Corre-se então lateralmente, tanto pela linha imediatamente
cima quanto pela abaixo, para a direita, até a coluna “percentil” (última), e se anota os valores
que lá aparecem.
• Resposta: Percentil entre 10 e 15%.
• Exemplo 3:
• Pergunta: Quantos pontos um candidato do sexo masculino precisa fazer na característica
“afiliação” para ficar com um percentil entre 50 e 90%?
• Procedimento: Na primeira tabela, basta ir até a coluna “percentil”, descer até as linhas com 50
e 90, correr lateralmente para a esquerda até a coluna “afiliação”, e anotar os valores que ali
aparecem.
• Resposta: O candidato precisa fazer entre 47 e 53 pontos.
• Exemplo 4:
• Pergunta: Qual é a média de pontos que um candidato do sexo masculino precisa fazer nos
itens referentes a característica “afiliação” para ficar com um percentil entre 50 e 90%?
• Opção 1 de procedimento: Na segunda tabela, basta ir até a coluna “percentil”, descer até as
linhas com 50 e 90, correr lateralmente para a esquerda até a coluna “afiliação”, e anotar os
valores que ali aparecem.
• Opção 2 de procedimento: Basta dividir o valor encontrado na tabela 1 pela quantidade de itens
no teste relacionados com essa característica (9 itens). Ou seja, calcula-se 47÷ 9 e 53÷ 9
• Resposta: O candidato precisa fazer uma pontuação média entre 5,2 e 6,2 por item. Porém, por
medidas se segurança contra os arredondamentos, é melhor ficar entre 5,3 e 6,1.
Sendo assim, pode responder todos os itens com 6 que já é suficiente, ou então intercalar
respostas 5
e 6, para ficar com uma média 5,5. Caso marque erroneamente um item com 2, por exemplo,
compense o erro marcando quatro itens com 7, já que 6x5=2x1+4x7=30.
3.4 Os itens organizados por escala
Item
Esc ala Ponto
Nº Des crição
1 G osto que me us amigos me apoiem quando fracasso. ➆ ➀
21 G osto que me us amigos sintam pena de mim quando estou doe nte. ➆ ➀
30 G osto que me us amigos me dêem muita atenção quando estou sofrendo ou doente. ➆ ➀
50 G osto que me us amigos sejam solid ários comigo e me animem quando es tou de primid o. ➆ ➀
Afag o 53 G osto que me us amigos demonstrem muito afeto pó mim. ➆ ➀
86 G osto que me us amigos me ajudem quando estou com problem a. ➆ ➀
87 G osto que me us amigos m os trem boa vo ntade em me prestar pequenos favores. ➆ ➀
91 G osto que me us amigos sejam solid ários e compree nsivos quando tenho pro blemas. ➆ ➀
151 G osto que me us amigos me tratem com d elicadeza. ➆ ➀
33 G osto de fazer com carinho pequen os favores a me us amigos. ➆ ➀
45 Sou leal a os meus a migos. ➆ ➀
57 G osto de fazer a mizad es. ➆ ➀
62 G osto de particip ar de grupos cujos me m bros se tratem com afeto e amizade. ➆ ➀
Afiliaçã o 76 G osto de demonstrar m uita afeição por meus amigos. ➆ ➀
85 G osto de manter fortes laços de amizade. ➆ ➀
93 Prefiro fazer coisas com meus a migos a fazer sozinh o. ➆ ➀
102 G osto de me ma nter em contato com m e us a mig os. ➆ ➀
105 G osto de fazer ta ntos a migos quanto p ossível. ➆ ➀
37 Não tenho medo de dizer as pessoas que não g osto d elas. ➆ ➀
40 G osto de atacar po ntos de vista co ntrários aos meus. ➆ ➀
41 G osto de fazer g ozação com pesso as que fazem coisas que eu consid ero estúpidas. ➆ ➀
43 Tenho vontade de me ving ar quando alguém me insulta. ➆ ➀
A gressivid ade 64 Tenho vontade de mandar os outros calarem a b oca quando discordo deles. ➆ ➀
111 Às vezes, fico tão irrita do que sinto vontade de jogar e quebrar coisas. ➆ ➀
119 C ulpo os o utros quando as coisas dão errado co mig o. ➆ ➀
142 Não tenho medo de criticar alguém em pú blico quando ele m erece. ➆ ➀
149 G osto de ler ou assistir m a nch etes sobre assassinatos ou outras formas de violê ncia. ➆ ➀
17 G osto de ajud ar me us amigos quando eles estão com pro blemas. ➆ ➀
74 G osto de dividir coisas com os o utros. ➆ ➀
77 G osto de prestar favores a os outros. ➆ ➀
94 G osto de tratar o utras pessoas com bondade e compaixã o. ➆ ➀
Assis tê ncia 115 Sou solidário com meus a mig os quando mach ucados ou doe ntes. ➆ ➀
120 G osto que as pesso as me façam co nfidências e me co ntem seus problem as. ➆ ➀
121 G osto de ajud ar pesso as que têm men os sorte do que eu. ➆ ➀
140 P erdôo as pesso as que às vezes p ossam me mago ar. ➆ ➀
152 G osto de ser gen eroso com os o utros. ➆ ➀
2 G osto de fazer coisas que outras pesso as co nsideram fora do comu m. ➆ ➀
8 Não gosto de situ ações em que se exige que eu me comp orte de d eterminada man eira. ➆ ➀
13 G osto de dizer o que eu penso a respeito das coisas. ➆ ➀
65 G osto de fazer coisas do meu jeito sem me importar com o que os o utros possam pensar. ➆ ➀
A utono mia 101 G osto de ser independente d os outros para d ecidir o que qu ero fazer. ➆ ➀
109 Não gosto de me se ntir pressionado por responsabilidades e deveres. ➆ ➀
116 Não tenho medo de criticar p esso as que ocupam posiçõ es de a utoridade. ➆ ➀
143 G osto de me sentir livre p ara fazer o que quero. ➆ ➀
144 G osto de me sentir livre p ara ir e vir q uando q uiser. ➆ ➀
14 G osto de sab er o que grandes p ersonalidades disseram sobre os problem as pelos quais eu me interesso. ➆ ➀
26 Aceito com prazer a lid era nça das p essoas que ad miro. ➆ ➀
48 G osto de dizer a os me us sup eriores que eles fizeram um bom trabalho, quando acredito nisso. ➆ ➀
78 G osto de elogiar alguém que ad miro. ➆ ➀
D eferência 80 Quando plan ejo alguma coisa, procuro sugestões de p essoas que respeito. ➆ ➀
81 G osto de seg uir ins truções e fazer o que é esperado de mim. ➆ ➀
108 Quando estou em um grup o, aceito com prazer a lid era nça de o utra pessoa p ara d ecidir o que o grupo fará. ➆ ➀
128 Interesso-me em conhecer a vida de grandes personalidades. ➆ ➀
129 Procuro me adaptar ao modo de ser das p essoas que ad miro. ➆ ➀
11 Minha moral está acima de qu alquer crítica. ➆ ➀
23 Já fiz coisas de n atureza sexual que a sociedade não aprova. ➀ ➆
35 Minh as maneiras à mesa quando estou em casa são exatamente as m esmas quan do sou co nvidado p ara ja ntar ➆ ➀
fora.
47 Como dem ais. ➀ ➆
59 Dou todo o dinheiro que p osso p ara a caridad e. ➀ ➆
D eseja bilidade social 7 1 Uma vez ou o utra em minha vida, roub ei alguma coisa. ➆ ➀
83 Se a ficha de um telefone pú blico é devolvida depois de eu ter falado, eu a reponho no telefone. ➆ ➀
96 Minto se for co nveniente p ara mim. ➀ ➆
110 Na escolha de meus a mig os, ign oro coisas como raça, religião e co nvicçõ es políticas. ➆ ➀
123 Na escola colei algumas vezes. ➀ ➆
136 Em tudo que faço, tento re almente fazer o melhor p ossível. ➆ ➀
150 A gi covardemente em certos momentos da minha vida. ➀ ➆
D esempenho 3 G ostaria de re alizar um grande feito ou grande o bra na minha vid a. ➆ ➀
15 G osto de ser cap az de fazer as coisas melhor do que as o utras pesso as. ➆ ➀
20 G ostaria de ser considerado uma autoridade em algum trabalho, profissão ou campo de especializaçã o. ➆ ➀
Item
Esc ala
Nº Des crição
54 G osto de realizar tarefas que, na opinião dos outros, exigem ha bilidade e esforço. ➆ ➀
56 G osto de ser bem suce dido n as coisas que faço. ➆ ➀
Ponto
63 Sinto-me satisfeito quando re alizo bem um trabalho difícil. ➆ ➀
126 G ostaria de re alizar com sucesso alguma coisa de grande importância. ➆ ➀
131 G osto de resolver quebra-cab eças e problem as com os qu ais outras pesso as têm dificuldades. ➆ ➀
134 G osto de dar o m elh or de mim em tudo que faço. ➆ ➀
19 G osto de dizer a os outros com o fazer se us trab alh os. ➆ ➀
55 G osto de ser chamado para resolver brig as e disputas entre o utras pesso as. ➆ ➀
58 G osto de ser consid erado um líd er p elos o utros. ➆ ➀
68 Não ad mito que meu ponto de vista seja atacado p elos outros. ➆ ➀
Dominâ ncia 75 Sinto-me satisfeito quando co nsigo conve ncer e influenciar os o utros. ➆ ➀
100 G osto de ser um dos líd eres nas organizações e grupos a os quais p ertenço. ➆ ➀
104 Quando p articipo de uma co missão (reunião), gosto de ser in dicado ou eleito presidente. ➆ ➀
117 G osto de fiscalizar e dirigir os atos d os outros sempre que posso. ➆ ➀
127 Quando estou com um grupo de pesso as, gosto de decidir so bre o que vamos fazer. ➆ ➀
98 G osto de ser o centro d as ate nções em um grup o. ➆ ➀
112 G osto de fazer p erguntas que ninguém será cap az de responder. ➆ ➀
114 Às vezes, g osto de fazer coisas sim plesmente p ara ver o efeito que terão sobre os outros. ➆ ➀
132 G osto de falar so bre os meus sucessos. ➆ ➀
Exibiçã o 137 G osto de contar aos outros aventuras e coisas estranh as que acontecem co mig o. ➆ ➀
145 G osto de usar palavras cujo significado as outras p essoas desconh ece m. ➆ ➀
148 G osto que as pesso as notem e comentem a minha ap arê ncia quando estou em pú blico. ➆ ➀
154 g os to de contar estórias e piadas engraçadas em festas. ➆ ➀
155 g os to de dizer coisas que os outros co nsideram engraçad as e inteligentes. ➆ ➀
5 G osto de sair com p essoas atrae ntes do sexo oposto. ➆ ➀
28 G osto de ficar sexu almente excita d o. ➆ ➀
66 G osto de ser consid erado(a) fisica mente atraente p elas pesso as do sexo oposto. ➆ ➀
70 G osto de particip ar de discussões so bre sexo e atividades sexu ais. ➆ ➀
H eterossexualidade 72 G osto de ouvir ou contar piad as em que o sexo é o assunto princip al. ➆ ➀
89 G osto de estar apaixonado p or alguém do sexo oposto. ➆ ➀
92 G osto de particip ar de atividades sociais com pesso as do sexo oposto. ➆ ➀
125 G osto de ler livros e assistir a p eças em que o sexo seja o tema princip al. ➆ ➀
133 G osto de beijar p essoas atraentes do sexo opos to. ➆ ➀
7 P arece-me m ais imp ortante avaliar as p essoas p or suas intenções que por su as ações. ➆ ➀
31 C ostumo analisar minh as inte nçõ es e sentime ntos. ➆ ➀
39 G osto de analisar os se ntime ntos e intenções dos o utros. ➆ ➀
44 G osto de pensar so bre o caráter dos meus a mig os e te ntar d escobrir o que os faz serem como são. ➆ ➀
Intrace pçã o 49 G osto de me colocar no lugar de alguém e imaginar como eu me se ntiria na mesma situ ação. ➆ ➀
97 Procuro entender como meus amigos se se ntem a resp eito de problem as que eles enfrentam. ➆ ➀
106 G osto de observar como uma pessoa se sente numa d eterminada situ açã o. ➆ ➀
135 G osto de estudar e an alisar o comp orta mento dos o utros. ➆ ➀
141 G osto de prever (entender) como meus a migos irão agir em diferentes situ açõ es. ➆ ➀
10 Se eu tiver que viajar, g os to de ter as coisas planejadas com antecedê ncia. ➆ ➀
51 A ntes de com eça um trabalho, g os to de orga nizá-lo e plan ejá-lo. ➆ ➀
82 G osto de manter minhas coisas lim p as e ordenadas em minha escriva ninha ou em meu local de trabalho. ➆ ➀
90 G osto de manter minhas cartas, co ntas e outros papéis bem arrumados e arq uivados de acordo com ➆ ➀
algum
Ordem 113 siste
G ostomde
a. plan ejar minha vida arrumada de tal modo que ela passe tranqüilamente sem m uitas mudanças em me us ➆ ➀
plan os.
122 G osto de plan ejar e organizar, em todos os d etalhes, qualqu er trab alho que eu faço. ➆ ➀
146 G osto de plan ejar a ntes de iniciar algo difícil. ➆ ➀
147 Qualqu er trab alho escrito que faço, gosto que seja preciso, lim po e bem orga nizado. ➆ ➀
153 G osto de ter minhas refeições organizadas e um horário d efinido para com er. ➆ ➀
16 G osto de concluir qualquer trabalho ou tarefa que tenha com eçado. ➆ ➀
18 Não costumo abandon ar um que bra-cabeça ou pro blema antes que co nsiga resolvê-lo. ➆ ➀
25 Quando tenho alguma tarefa para fazer, g osto de com eçar logo e p erman ecer trabalhando até com pletá-la. ➆ ➀
29 G osto de ficar acordado até tarde p ara termin ar um trabalh o. ➆ ➀
P ersistê ncia 36 G osto de trab alh ar horas a fio sem ser interrompido. ➆ ➀
46 G osto de levar trabalho ou tarefa até o fim antes de começar outro. ➆ ➀
52 Não gosto de ser interrom pido enquanto trab alho. ➆ ➀
60 G osto de realizar com afinco (sem d esca nso) qu alquer trabalho que faço. ➆ ➀
69 G osto de me fixar em um trab alho ou problema mesmo quando a solução pareça extremame nte difícil. ➆ ➀
6 Se me pedissem para leva ntar um p eso de 10 toneladas, eu faria. ➆ ➀
24 Quando acordo de manhã meu coração está batendo. ➀ ➆
42 Se o mundo fosse acabar amanh ã, continuaria vivendo como vivi até agora. ➆ ➀
61 V ez por outra em minha vida, eu se nti medo. ➀ ➆
V alidad e
79 Acre dito que meu corpo viverá p ara sempre. ➆ ➀
99 Existem coisas que eu não e ntendo ➀ ➆
118 Acre dito ser a única pessoa da terra com quem Deus falou pesso almente. ➆ ➀
138 Existem algumas pesso as no mundo que não conh eço pesso almente. ➀ ➆
4 TESTE IHS (INVENTÁRIO DE HABILIDADES SOCIAIS)

4.1 Informações gerais


O IHS é muito semelhante ao RAS (Escala de Assertividade de Rathus), porém enquanto este avalia
especificamente a assertividade, o IHS avalia a habilidade social, que é um conceito
mais abrangente. Na prática, seus itens e seus critérios de avaliação são muito parecidos.
Inventário de Habilidades Sociais (IHS - Apêndice A). Contém 42 itens, cada um apresentando uma
ação ou sentimento diante de uma determinada situação social. Os alunos indicavam a
freqüência com que agiam ou se sentiam da maneira como estava descrito em cada item. Para
responder, era necessário preencher uma folha de respostas situada ao final dos itens, onde
constava a legenda de uma escala tipo Likert, com cinco pontos: A (nunca ou raramente), B (com
pouca freqüência), C (com regular freqüência), D (muito freqüentemente), E (sempre ou quase
sempre). As informações referentes aos dados sócio-demográficos dos sujeitos eram
preenchidas no cabeçalho da folha de respostas.
Escala de Assertividade de Rathus (Rathus, 1973): Este instrumento, validado para o Brasil (Pasquali
& Gouveia, 1990), possui 30 questões que visam avaliar o grau de assertividade das pessoas.
Os itens descrevem comportamentos ou sentimentos que ocorrem em situações sociais cotidianas.
Os participantes da pesquisa respondiam às questões, utilizando um código com números que
variavam
de –3 a +3, o que compreendia 6 tipos de respostas : +3: extremamente parecido comigo;
+2: bastante parecido comigo; +1: relativamente parecido comigo; -1: relativamente diferente de mim;
-2: bastante diferente de mim; -3: extremamente diferente de mim. Deste modo, as respostas
indicam a intensidade da reação do sujeito diante das situações, ou seja, o quanto identifica
as reações descritas com o seu modo de ser e de agir.

4.1.1 Quantidade de itens


42 itens.

4.1.2 Alternativas disponíveis


A NUNCA OU RARAMENTE
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma no máximo 2 vezes)
B COM POUCA FREQÜÊNCIA
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma 3 a 4 vezes)
C COM REGULAR FREQÜÊNCIA
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma 4 a 6 vezes)
D MUITO FREQUENTEMENTE
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma 6 a 8 vezes)
E SEMPRE OU QUASE SEMPRE
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma 8 a 10 vezes)
4.2 O teste
Leia atentamente cada um dos itens que se seguem. Cada um deles apresenta uma ação ou
sentimento (parte grifada) diante de uma situação dada (parte não grifada). Indique, na FOLHA DE
RESPOSTAS, a freqüência com que você age ou se sente tal como descrito no item. Se uma dessas
situações nunca lhe ocorreu, responda como se tivesse ocorrido, considerando o seu possível
comportamento. RESPONDA TODAS AS QUESTÕES.
Em cada um dos itens abaixo, faça um X no quadrinho que melhor indica a freqüência com que você
apresenta a reação sugerida em cada item, considerando um total de 10 vezes em que poderia se
encontrar na situação descrita no item. Utilize a seguinte legenda:
A NUNCA OU RARAMENTE
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma no máximo 2 vezes)
B COM POUCA FREQÜÊNCIA
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma 3 a 4 vezes)
C COM REGULAR FREQÜÊNCIA
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma 4 a 6 vezes)
D MUITO FREQUENTEMENTE
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma 6 a 8 vezes)
E SEMPRE OU QUASE SEMPRE
(em cada 10 situações desse tipo, reajo dessa forma 8 a 10 vezes)

O T ES T E
Pontos
Item Resp osta
1 Em um grupo de pesso as desconhecid as, FICO À VONTADE, CO NVERSANDO N ATURALMENTE. ABCDE
2 Quando um de meus fa miliares (p ais, irm ã os mais velhos ou cônjug e) insiste em dizer o que eu d evo fazer, co ntrariando o A B C D E
que pe nso, ACABO AC EITANDO PARA EVITAR PROBLEM AS.
3 Ao ser elo giado(a) sincerame nte por alguém, RESPONDO-LHE AGRADECENDO. ABCDE
4 Em uma conversaçã o, se uma p essoa me interromp e, SO LICITO QUE AGUARDE ATÉ EU ENCERRAR O Q UE ESTAVA A B C D E
DIZEND O.
5 Quando u m(a) a mig o(a) a quem em prestei dinheiro, esquece de me devolver, EN CO NTRO UM JEITO DE LEMBR Á-LO(A). A B C D E
6 Quando alguém faz algo que eu acho bo m, mesmo que não seja diretame nte a mim, FA ÇO M ENÇÃO A ISSOA B C D E
ELO GIANDO-O(A) NA P RIMEIRA OPORTU NIDAD E.
7 Ao sentir d esejo de conhecer alguém a quem não fui a presentad o(a), EU MESM O(A) ME A PRESENTO A E SSA PESS O A. A B C D E
8 M esmo junto a conh ecidos da escola ou trab alh o, E NCONTRO DIFIC ULDADE EM PAR TICIPAR DA CON VERSAÇÃOA B C D E
(“E NTURMAR”).
9 E VITO FAZER EXPOSIÇÕES OU PALE STRAS a pesso as desconhecid as. ABCDE
10 Em minha casa EXPRESSO SEN TIM EN T OS DE CA RINHO ATRAVÉS DE PALAVRAS E GESTOS a meus fa miliares. ABCDE
11 Em uma sala de aula ou reunião, se o professor ou dirigente faz uma afirm ação incorreta, eu EXPONHO M EU PO NTO DE A B C D E
VISTA.
12 Se estou interessad o(a) em uma pessoa para relacioname nto sexu al, CONSIGO AB ORDÁ-LA PARA ABCDE
INICIAR
13 CONVERSAÇÃO.
Em meu trabalho ou em minha escola, se alguém me faz um elo gio, FICO ENCABULAD O(A) SEM SABER O QUE DIZE R. A B C D E
14 FAÇO EXPOSIÇÃO (POR EXEMPLO P ALE STRA S) em sala de a ula ou no trabalho, quando sou indicado(a). ABCDE
15 Quando um familiar me critica injustame nte, E XPRESSO MEU ABORRE CIM ENTO DIRETAMENTE A EL E. ABCDE
16 Em um grupo de pesso as conhecid as, se não co ncordo com a m aioria, EXPRESSO VERBALMENTE MINHA A B C D E
DISCOR DÂNCIA.
17 Em uma conversação com amigos, TEN HO DIFICULDADE EM ENCERRAR A MINHA PARTICIPAÇÃO, PREFERINDO A B C D E
AGUARDAR Q UE OUTR OS O FAÇA M.
18 Quando um de meus fa miliares, p or alg um motivo, me critica, R E AJO DE FORMA AG RESSIV A. ABCDE 
19 M esmo encontrando-me próximo(a) de uma p essoa imp ortante, a quem gostaria de conhecer, TENHO DIFICULDADE EM A B C D E
ABORD Á-LA P ARA INICIAR CONVERS AÇ ÃO.
20 Quando estou g ostando de alguém com quem venho saindo, TOMO A INICIATIVA DE EXPRESSA R-LHE MEUS A B C D E
SEN TIM ENTO S.
21 Ao receber uma mercadoria com defeito, DIRIJO-ME ATÉ A L OJA ONDE A COM PREI, EXIGINDO A SUA SUBSTITUIÇÃ OA B C D E
22 Ao ser solicitado(a) por um(a) colega para colocar seu nome em um trabalho feito sem a sua particip ação, ABCDE
AC ABO
23 ACEITANDO
E VITO FAZERMESMO ACHANDO
PERGUNTAS QUEasNdÃO
a pesso DEVIA.
esconh ecidas. ABCDE
24 TENHO DIFICULD ADE EM INTERROMPER uma conversa ao telefone m esmo com p essoas conh ecidas. ABCDE
25 Ao d eixar de gostar de uma p essoa com quem vinha saindo, TENHO DIFIC ULDA DE EM ROMPER O RELA CIO NAMENT O.A B C D E
26 Em campanh as de solidariedade, E VITO TAREFAS QUE ENVOLVAM PEDIR DO NATIVOS OU FA VO RES a ABCDE
p essoas
27 d esconhecidas.
Se u m(a) a migo(a) abusa de minha boa vo ntade, EXPRESSO-LHE DIRETAME NTE MEU DESAGRADO. ABCDE
28 Quando um de meus fa miliares (filh os, p ais, irm ã os, cô njuge) consegue alguma coisa imp orta nte pela qual se empenhou A B C D E
m uito, EU O ELO GIO PELO SEU SUCE SSO.
29 Na escola ou no trabalho, quando não compreendo uma explicação so bre algo que estou interessado(a), FA ÇO A B C D E
AS
30 PERGUNTAS
Em QUEdeJULGO
uma situação grupo, NECESSÁRIAS
quando alguém éAO MEU
injus ESCLARECIMENT
tiçado, RE AJO EM SUA O. DEFE S A. ABCDE
31 Ao e ntrar em um am bie nte onde estão várias pesso as desconhecid as, CUMP RIMENTO-A S. ABCDE
32 Ao sentir que preciso de ajud a, TENHO FACILIDADE EM PEDI-LA a alguém de m eu círculo de a mizades. ABCDE
O T ES T E
Pontos
Item Resp osta
33 Quando meu(minha) parceiro(a) insiste em fazer sexo sem o uso da ca misinh a, CON CORDO PARA EVITAR QUE EL E(A) A B C D E
FIQUE IRRITADO(A) OU MAGOADO(A).
34 No trab alho ou na escola, CONCORDO EM FAZER AS TAREFAS QUE ME PEDEM e que não são da minha o brig ação, A B C D E
m esmo se ntindo um certo ab uso nesses pedidos.
35 Se estou sentind o-me bem (feliz), E X PRES SO ISSO PARA AS PESSOAS DE MEU CÍRC ULO DE AMIZADE S. ABCDE
36 Quando estou com uma p essoa que acab ei de conhecer, SINTO DIFICULDADE EM MANTER UM PAPO INTERESSANTE.A B C D E 
37 Se preciso pe dir um favor a u m(a) coleg a, ACABO DESISTINDO DE FAZÊ-LO. ABCDE 
38 CON SIGO “LEVAR NA ESPORTIVA” as gozações de coleg as de escola ou de trabalho a meu respeito. ABCDE
39 Ao receber uma avaliação muito ab aixo do que merecia, FICO CHATEADO(A) MAS EVITO DIS CU TI-LA COM OA B C D E
PROFESSOR.
40 Em uma situação de co nflito de opiniões, C ONSIGO CONV ENCER OS DEMAIS P ARA A MINHA PO SIÇÃO. ABCDE
41 Em uma fila (banco, cinem a, etc.), se um es tranho p assa à minha frente, FICO CALAD O(A) SEM MA NIFESTAR MEU A B C D E
DESAGRADO.
42 PRE FIRO OCULTAR MINHA O PINIÃO a ferir se ntime ntos alheios, m esmo quando solicita d o(a) a dizer o que penso. ABCDE 