Você está na página 1de 1

Aristóteles - Metafísica - conceitos básicos

Aristóteles foi discípulo de Platão. Apesar disso, ele não concordava


com muitas teorias platônicas, como a teoria das ideias, por
exemplo. Desse modo, desenvolveu suas próprias teorias.
Diferentemente de Platão, que considerava o mundo sensível e
inteligível, Aristóteles via o mundo sensível como a própria
realidade. Para ele, tudo é constituído de matéria e forma - que faz
parte de uma das teorias chamada hilemorfismo - a matéria é o
substrato das coisas, pelo qual sempre pertencerá independente
das circunstâncias. Enquanto a forma é aquilo que vemos das
coisas, seu aspecto, que é suscetível a mudanças. Para
compreendermos de maneira mais clara, Aristóteles também
proferiu o conceito de: Substância - que pode ser essencial ou
acidental. A substância essencial é aquilo que permanentemente o
objeto é e sem a qual não existiria; a substância essencial de uma
rosa é ser uma flor, não pode ser um gato, pois deixaria de ser flor,
mas pode ser uma flor vermelha, amarela ou branca - porque isso
não deixaria que ela não fosse flor. Já a substância acidental
consiste naquilo que não é sua natureza, mas sim uma
característica acidental; a substância essencial de Aristóteles é
pertencer a humanidade, sua substância acidental é ele ser falante,
tímido, alto, etc. Por último, mas não menos importante, são os
conceitos de: Potência e ato. Cada qual feitos para resolver o
problema de Heráclito e Parmênides acerca do movimento.
Potência é a capacidade de um ser de tornar-se algo que ainda não
é, de vir a ser. Ato é o ser atual, que já passou do estado de vir a
ser para aquilo que é. Considerando que tudo está em movimento,
o ser em ato sempre estará em potência. Como a criança era
potência em relação ao jovem; o jovem é potência em relação ao
adulto, e este potência em relação ao idoso, que é ato de todos
eles. Contudo, mesmo com a morte, sempre continuaremos em vir
a ser, com a decomposição, por exemplo.

– Cauan Elias.