Você está na página 1de 47

EA052EA052 -- EngenhariaEngenharia EconômicaEconômica

AvaliaAvaliaççãoão dede ProjetosProjetos PPúúblicosblicos

ão ão de de Projetos Projetos P P ú ú blicos blicos Faculdade Faculdade de de

FaculdadeFaculdade dede EngenhariaEngenharia ElEléétricatrica ee dede ComputaComputaççãoão Prof.Prof. RaulRaul VinhasVinhas RibeiroRibeiro

JosJoséé RenatoRenato SantoroSantoro

Campinas, 10 e 12 de novembro de 2008

IntroduIntroduççãoão

• Os padrões de avaliação dos empreendimentos públicos são diferentes dos privados.

Privados: Lucro

Públicos: Bem-estar do coletivo, determinado por um sistema de representação

• Abordaremos os conceitos e métodos de análise aplicáveis às atividades públicas

As As fun fun ç ç ões ões e e objetivos objetivos de de um

AsAs funfunççõesões ee objetivosobjetivos dede umum governogoverno

ões ões e e objetivos objetivos de de um um governo governo Avaliação de Projetos Públicos
ões ões e e objetivos objetivos de de um um governo governo Avaliação de Projetos Públicos

ObjetivosObjetivos dodo GovernoGoverno

• Cada cidadão expressa sua voz no momento da eleição

• A avaliação econômica dos projetos públicos é baseada na finalidade do governo: servir os cidadãos

• Foco na questão social

• Estados Unidos Objetivo principal do estado é a defesa nacional e o bem-estar geral dos cidadãos.

• Instituição Privada Balanço de entradas e saídas

OO BemBem--EstarEstar nono olharolhar dada populapopulaççãoão

• As decisões do governo devem expressar os objetivos para atingir o bem-estar dos cidadãos

Necessidade de autoridade superior para decisão Guerra: presume-se que esta ação é em benefício do bem-estar geral

• Senso de coletividade

• As decisões primeiramente devem beneficiar o fator social

• As atividades são propostas, implementadas e julgadas por um mesmo grupo

• Pessoas são escolhidas para serem representantes

OO BemBem--EstarEstar nono olharolhar dodo indivindivííduoduo

• Cada indivíduo tem sua única hereditariedade

Seu lar

Padrões culturais

Educação

Aspirações diferentes de seus vizinhos

• Fator chave: equilíbrio das necessidades e das forças

• Incorreto somente apoiar atividades que trazem ganho econômico

A A natureza natureza de de projetos projetos p p ú ú blicos blicos Avaliação

AA naturezanatureza dede projetosprojetos ppúúblicosblicos

natureza de de projetos projetos p p ú ú blicos blicos Avaliação de Projetos Públicos |
natureza de de projetos projetos p p ú ú blicos blicos Avaliação de Projetos Públicos |

AA naturezanatureza dede projetosprojetos ppúúblicosblicos

Proteção

Estrutura militar

Polícia

Sistema judiciário

Controle de enchentes

Saúde

Desenvolvimento cultural

Sistema educacional público

Bibliotecas (do Congresso inclusive)

Publicações

Pesquisa

Recreação

Benefícios econômicos

Portos e canais

Pesquisa

Serviços de informação – TI

Controle de enchentes

EmpecilhosEmpecilhos àà eficiênciaeficiência dede atividadesatividades ppúúblicasblicas

• Cidadãos inconscientes dos benefícios dos impostos

Referência para:

Avaliar o que recebemos em troca do pagamento dos impostos

Avaliar o custo dos projetos

• Falta de forças competitivas para exigir o bom uso dos recursos

Corrupção

EmpecilhosEmpecilhos àà eficiênciaeficiência dede atividadesatividades ppúúblicasblicas

eficiência de de atividades atividades p p ú ú blicas blicas Avaliação de Projetos Públicos |
eficiência de de atividades atividades p p ú ú blicas blicas Avaliação de Projetos Públicos |
eficiência de de atividades atividades p p ú ú blicas blicas Avaliação de Projetos Públicos |
eficiência de de atividades atividades p p ú ú blicas blicas Avaliação de Projetos Públicos |
Financiamento Financiamento de de Projetos Projetos P P ú ú blicos blicos Avaliação de Projetos

FinanciamentoFinanciamento dede ProjetosProjetos PPúúblicosblicos

Financiamento de de Projetos Projetos P P ú ú blicos blicos Avaliação de Projetos Públicos |
Financiamento de de Projetos Projetos P P ú ú blicos blicos Avaliação de Projetos Públicos |

MMéétodostodos dede financiamentofinanciamento

• Tributação

• Empréstimos

• Despesas de serviços

MMéétodostodos dede financiamentofinanciamento

Bond – Obrigações de pagamento

Projetos de melhoria ou sustentáveis ao estado/município

Empréstimos municipais isentos de taxas federais, mais atrativos

General Obligation Bond – Obrigação Geral de Pagamento

Obrigação do município pagar a dívida

Pagamento é feito pela receita de imposto

Risco é minimizado pelo poder de tributação do governo

Requer aceitação da população das taxas por meio de voto

Revenue Bond – Obrigação para projetos de receita

Limitado a projetos geradores de receita

Rodovias, pontes, habitação, sistemas de água e esgoto

Maior risco: possibilidade de não gerar a receita esperada

RelaRelaççãoão Lucro/CustoLucro/Custo dodo ProjetoProjeto

• Taxas cobradas dos usuários são derivadas do benefício trazido pela estrutura/projeto e seu custo

Rodovias/pedágios

• Pedágio

recuperação dos custos diretos

gera receita

Despesas operacionais proporcionam uma precisa avaliação dos serviços

Quanto mais você dirige, maior é o uso das rodovias No pedágio são considerados os custos diretos, aqueles identificados com o usuário da rodovia

DespesasDespesas operacionaisoperacionais -- RodoviaRodovia

Características de uma Rodovia de Mil Milhas

Densidade da Superfície do asfalto Custo por Milha (superfície) Custo Incremental Veículo Passeio 5,5 2.200.000
Densidade da Superfície
do asfalto
Custo por Milha
(superfície)
Custo Incremental
Veículo Passeio
5,5
2.200.000
2.200.000.000
Caminhões
6,0
2.400.000
200.000.000
Pequenos
Caminhões
6,5
2.580.000
180.000.000
médios
Caminhões
7,0
2.740.000
160.000.000
grandes

UsoUso dada RodoviaRodovia

Veículos por mês Veículo Passeio 2.000.000 Caminhões 200.000 Pequenos Caminhões 50.000 médios Caminhões
Veículos por mês
Veículo Passeio
2.000.000
Caminhões
200.000
Pequenos
Caminhões
50.000
médios
Caminhões
20.000
grandes

AlocaAlocaççãoão dosdos custoscustos incrementaisincrementais aoao tipotipo dede veveíículoculo

Alocação do incremento por _veículo Veículos de passeio Caminhões Caminhões Caminhões pequenos médios
Alocação do incremento por
_veículo
Veículos de
passeio
Caminhões
Caminhões
Caminhões
pequenos
médios
grandes
2.200.000.000/2.270.00
$ 969
$ 969
$ 969
$ 969
200.000.000/270.000
$ 741
$ 741
$ 741
180.000.000/70.000
$ 2.571
$ 2.571
160.000.000/20.000
$ 8.000
$ 969
$ 1.710
$ 4.281
$ 12.281
TOTAL

ProjetosProjetos PPúúblicosblicos ee aa EngenhariaEngenharia EconômicaEconômica

• A Engenharia aproxima-se dos projetos públicos devido a complexidade tecnológica

• Alguns projetos

Controle de poluição

Construção de Rodovias

Defesa Nacional

Programas espaciais

ProjetosProjetos PPúúblicosblicos ee aa EngenhariaEngenharia EconômicaEconômica

Alteração dos processos de Engenharia em Projetos Públicos

Substituição do fator lucro pelo bem-estar geral

Verba para apenas um projeto: Biblioteca ou Piscina

Ambos não geram receita

Não considerar retorno financeiro

Qual melhor contribui para atender as necessidades da população?

A escolha pode ser feita por eleição

An An á á lise lise de de Custo Custo - - Benef Benef í

AnAnááliselise dede CustoCusto--BenefBenefííciocio

á á lise lise de de Custo Custo - - Benef Benef í í cio cio
á á lise lise de de Custo Custo - - Benef Benef í í cio cio

AnAnááliselise CustoCusto--BenefBenefííciocio

Objetivo: maximizar o bem-estar dos cidadãos

• Considerar o ponto de vista apropriado

Deve incluir as consequências importantes do projeto considerado

Identificar: quem paga e quem recebe o benefício

PontoPonto dede vista/Interessesvista/Interesses

PONTO DE VISTA

PROJETO

Nacional Rodovias Inter Estaduais Sistemas de trânsito Regional Controle de Qualidade do Ar Estadual Programas
Nacional
Rodovias Inter Estaduais
Sistemas de trânsito
Regional
Controle de Qualidade do Ar
Estadual
Programas Educacionais
Municipal
Serviços de Saúde para
comunidade
Agências do governo
Compra de equipamentos
de TI e Telecom

AnAnááliselise CustoCusto--BenefBenefííciocio

• Desenvolver um Baseline (referência)

• Identificar o impacto na sociedade

Foto com o projeto e sem ele

• Importante é justificar novos custos não orçados

Benefícios destes

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefííciocio

ç ç ão ão Custo Custo - - Benef Benef í í cio cio BC=Benefit-Cost Ratio

BC=Benefit-Cost Ratio

• Reflete os benefícios em moeda e o custo equivalente ao patrocinador

• Se BC = 1, os benefícios equivalentes e os custos equivalentes são iguais

Se BC > 1, os benefícios são maiores que os custos

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefííciocio

ç ç ão ão Custo Custo - - Benef Benef í í cio cio BC=Benefit-Cost Ratio

BC=Benefit-Cost Ratio

Benefícios são definidos como vantagens menos as desvantagens aos usuários

Custos são definidos como todos os custos menos as economias

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefííciocio

ç ç ão ão Custo Custo - - Benef Benef í í cio cio Convenção: •

Convenção:

Benefícios = (+) Vantagens, recebimentos, economias (-) Desvantagens, despesas, perdas

Custos = (+) Despesas, perdas (-) Economias, receitas

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefííciocio

• Custos equivalentes são divididos em 2 componentes:

Capital Inicial investido pelo patrocinador

Custos Equivalentes (anuais) de operação e manutenção menos as receitas do projeto

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefííciocio

ç ç ão ão Custo Custo - - Benef Benef í í cio cio BC i

BC i

( ) =

B

I

+

C

I = Capital equivalente investido pelo patrocinador do projeto

C = Custo equivalente líquido do patrocinador

B = Benefício equivalente líquido ao usuário

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefííciocio

BC(i) deve ser maior que um, para qualquer projeto em consideração

ser maior que um, para qualquer projeto em consideração BC ( i ) > 1 ⇒

BC(i) > 1

B

>1

I + C

B (I +C) > 0

RodoviasRodovias EstaduaisEstaduais

35 acidentes não fatais para cada acidente fatal

240 danos para cada acidente fatal

• Os Custos calculáveis são

Custo salarial direto

Despesas médicas

Danos de propriedade

RodoviasRodovias EstaduaisEstaduais

Custos médios das 3 classes de acidentes

$ 900.000 Fatalidade por Pessoa Prejuízos de acidentes não fatais $ 10.000 Danos de Propriedade
$ 900.000
Fatalidade por Pessoa
Prejuízos de acidentes não fatais
$
10.000
Danos de Propriedade
$
1.800

RodoviasRodovias EstaduaisEstaduais

Cálculo do custo de acidentes causados por veículos motorizados por morte

Fatalidade por Pessoa

Prejuízos de acidentes não fatais ($ 10.000 x 35)

Danos de Propriedade ($ 1.800 x 240)

$ 900.000

$ 350.000

$ 432.000

Danos de Propriedade ($ 1.800 x 240) $ 900.000 $ 350.000 $ 432.000 Avaliação de Projetos

RodoviasRodovias EstaduaisEstaduais

• Taxa de mortalidade: 8 para cara 100.000 milhas rodadas

Melhoria: $ 1.500.00 por milha de custo com duração de 30 anos

Manutenção anual de 3% do investimento

Tráfego de 10.000 veículos por dia, interest rate = 7%

• Estima-se redução de 4 mortes por 100.000 milhas rodadas

RodoviasRodovias EstaduaisEstaduais

Benefício Equivalente Anual por milha

AE(i)

Redução da mortalidade

Custos das 3 classes de acidentes

Veículos por dia 1 ano (8 4) (10.000) (365) ($1.682.000) 100.000.000
Veículos por dia
1 ano
(8
4)
(10.000)
(365)
($1.682.000)
100.000.000

= $245.572

RodoviasRodovias EstaduaisEstaduais

Custo Equivalente Anual por milha

AE(i)

Custo associado por milha

(A/P, 7, 30)

Manutenção anual

Custo associado por milha (A/P, 7, 30) Manutenção anual $1.500.000 (0,0806) + $1.500.000 (0,03) = $165.900

$1.500.000 (0,0806) + $1.500.000 (0,03) = $165.900

RodoviasRodovias EstaduaisEstaduais

Relação Custo-Benefício

BC(7) =

$245.572

$165.900

= 1,48

Taxa de interesse: 7%

An An á á lise lise de de Custo Custo - - Benef Benef í

AnAnááliselise dede CustoCusto--BenefBenefííciocio parapara MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas

para para M M ú ú ltiplas ltiplas Alternativas Alternativas Avaliação de Projetos Públicos | Renato
para para M M ú ú ltiplas ltiplas Alternativas Alternativas Avaliação de Projetos Públicos | Renato

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas

Diferentes taxas de benefícios e de custos

• Diferentes AE(i) Benefício e AE(i) Custos

Incorreto escolher a alternativa cujo BC – Relação Custo- Benefício é máxima

• A Relação Custo-Benefício quando usada para comparação de múltiplas alternativas, deve ser aplicada incrementalmente

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas

Relação Custo-Benefício

(

BC i

)

A2

A1

>

1: aceitar A2

(

BC i

)

A2

A1

1: rejeitar A2 e aceitar A1

Considerar em ordem crescente de denominador (assegura que o denominador será sempre positivo)

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas

Alternativa AE(i) Benefícios AE(i) Custos BC(i) A1 182.000 91.500 1,99 A2 167.000 79.500 2,10 1,46
Alternativa
AE(i) Benefícios
AE(i) Custos
BC(i)
A1
182.000
91.500
1,99
A2
167.000
79.500
2,10
1,46
A3
115.000
78.500
A4
95.000
50.000
1,90
2,10 1,46 A3 115.000 78.500 A4 95.000 50.000 1,90 AE i ( )Benefícios AE i (

AE i

( )Benefícios

AE i

( )Custos

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas

Alternativa

Benefícios Anuais Incrementais

Custos Anuais Incrementais

BC(i) Incremental

Decisão

A4-A0

95.000

50.000

1,90

Aceitar A4

Alternativa 0: não realizar o projeto

• Alternativa A4 é mais atrativa pois BC(i) > 1

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas

Alternativa

Benefícios Anuais Incrementais

Custos Anuais Incrementais

BC(i) Incremental

Decisão

A4-A0

95.000

50.000

1,90

Aceitar A4

A3-A4

20.000

28.500

0,70

Rejeitar A3

Incremental Decisão A4-A0 95.000 50.000 1,90 Aceitar A4 A3-A4 20.000 28.500 0,70 Rejeitar A3

• Rejeitar A3 pois BC(i) < 1

• Manter A4

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas

Alternativa Benefícios Anuais Incrementais Custos Anuais Incrementais Decisão BC(i) Incremental A4-A0 95.000
Alternativa
Benefícios Anuais
Incrementais
Custos Anuais
Incrementais
Decisão
BC(i) Incremental
A4-A0
95.000
50.000
1,99
Aceitar A4
A3-A4
20.000
28.500
0,70
Rejeitar A3
A2-A4
72.000
29.500
2,44
Aceitar A2

• Aceitar A2 pois BC(i) > 1

• Até este ponto A2 é a mais atrativa

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas

Alternativa

Benefícios Anuais Incrementais

Custos Anuais Incrementais

BC(i) Incremental

Decisão

A4-A0

95.000

50.000

1,99

Aceitar A4

A3-A4

20.000

28.500

0,70

Rejeitar A3

A2-A4

72.000

29.500

2,44

Aceitar A2

A1-A2

15.000

12.000

1,25

Aceitar A1

RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas Alternativa
RelaRelaççãoão CustoCusto--BenefBenefíício:cio: MMúúltiplasltiplas AlternativasAlternativas
Alternativa
Benefícios Anuais
Incrementais
Custos Anuais
Incrementais
Decisão
BC(i) Incremental
A1-A2
15.000
12.000
1,25
Aceitar A1

• Aceitar A1 pois BC(i) > 1

• Portanto: A1 é a melhor opção

BibliografiaBibliografia

G.J. Thesen, W.J. Fabrycky Engeneering Economy, 9ª Edição, Editora Prentice Hall, 2001

AvaliaAvaliaççãoão dede projetosprojetos ppúúblicosblicos

Obrigado!