Você está na página 1de 3

1) Em razão da observância do princípio da publicidade, conforme previsão expressa

na Lei nº 8.666/93, os contratos administrativos devem ser publicados


a) integralmente, no órgão da imprensa oficial.
b) integralmente, no Boletim Interno do órgão
respectivo.
c) resumidamente, na imprensa oficial e em
jornal de circulação local.
d) resumidamente, no órgão da imprensa oficial.
e) resumidamente, na imprensa oficial e,
integralmente, no Boletim Interno do órgão
respectivo.

2) Suponha que a Administração pretenda realizar três contratações:


(i) de prestação de serviços de engenharia no valor de R$ 1.600.000,00, mediante
licitação;
(ii) de compra, com entrega imediata dos bens, da qual não resultam obrigações futuras,
no valor de R$ 800.000,00, mediante licitação;
(iii) de prestação de serviços técnicos especializados, não considerados de engenharia,
no valor de R$ 700.000,00, mediante inexigibilidade de licitação.
A substituição do instrumento de contrato por outros instrumentos hábeis, tais como
carta- contrato, nota de empenho de despesa, autorização de compra ou ordem de
execução de serviço, é possível apenas
(A) no caso (ii).
(B) no caso (iii).
(C) nos casos (i) e (ii).
(D) nos casos (i) e (iii).
(E) nos casos (ii) e (iii).

3) “No caso de anulação de um contrato administrativo, por ilegalidade não imputável


ao contratado, o contratado receberá valor relativo à parcela do objeto que já tenha sido
executada até a data da anulação.” Essa afirmação é

(A) incompatível com o Direito brasileiro, pois a anulação de um contrato desconstitui


os efeitos já produzidos, afastando qualquer recebimento de valor pelo contratado.
(B) incompatível com o Direito brasileiro, em que não é admitida a anulação de um
contrato já em execução, na hipótese de boa-fé do contratado.
(C) compatível com o Direito brasileiro e o recebimento do valor em questão tem
natureza de indenização, pois a anulação dos contratos administrativos opera efeitos ex
tunc.
(D) compatível com o Direito brasileiro e o recebimento do valor em questão tem
natureza de pagamento de obrigação contratual, pois a anulação de um contrato já em
execução opera efeitos ex nunc.
(E) compatível com o Direito brasileiro e o recebimento do valor em questão tem
natureza de pagamento de obrigação contratual, pois a anulação de um contrato já em
execução opera efeitos ex tunc.

4) Constituem motivo para a rescisão unilateral do contrato administrativo por parte do


Poder Público, exceto:

a) atraso injustificado do início da obra, serviço ou fornecimento.


b) razões de interesse público, de alta relevância e amplo conhecimento.
c) subcontração total ou parcial do seu objeto, não prevista no edital e no contrato.
d) dissolução da sociedade ou falecimento do contratado.
e) decretação da concordata do contrato.

5) Os contratos administrativos, regidos pela Lei n° 8.666/93, poderão ser alterados


unilateralmente pela Administração contratante, com as devidas justificativas,
quando
a) houver modificação do projeto ou das especificações, para melhor adequação técnica
aos seus objetivos.
b) por ser conveniente a substituição da garantia de sua execução.
c) necessária a modificação do regime de execução da obra ou do serviço, bem como ao
modo de fornecimento, em face da verificação técnica da inaplicabilidade dos termos
contratuais originários.
d) necessária a modificação da forma de pagamento, por imposição de circunstâncias
supervenientes.
e) para restabelecer a relação que as partes pactuaram inicialmente entre os encargos do
contrato e a retribuição da Administração, objetivando manter o equilíbrio econômico-
financeiro inicial do contrato.

6) A característica de mutabilidade do contrato administrativo pode ser encontrada nos


seguintes institutos, exceto:
a) observância da forma prescrita em lei
b) teoria da imprevisão
c) alteração unilateral do contrato
d) equilíbrio econômico-financeiro
e) fato do príncipe

7) Nos contratos administrativos regidos pela Lei nº 8.666/93, a Administração dispõe


de certas prerrogativas especiais, mas mesmo assim, não pode ela
a) aplicar sanções.
b) descumprir condições do edital.
c) modificá-los.
d) ocupar bens do contratado.
e) rescindi-los.

8) Nos contratos administrativos de compras, obras e serviços públicos em geral, não


constitui cláusula necessária a que estabeleça:
a) a possibilidade de prorrogar.
b) as condições de pagamento.
c) o seu objeto.
d) o seu preço.
e) os casos de rescisão.

9) As normas gerais, relativas a contratos administrativos, contidas na Lei nº 8.666/93,


assim como as prerrogativas conferidas à Administração, em razão do seu regime
jurídico, aplicam-se aos de seguro, de financiamento e de locação (em que o Poder
Público seja locatário), no que couber.
a) Correta a assertiva.
b) Incorreta a assertiva, porque esses contratos, desde que a Administração seja parte,
são todos e por inteiro regidos pela Lei nº 8.666/93.
c) Incorreta a assertiva, porque esses contratos, mesmo tendo a Administração como
parte, são todos regidos, exclusivamente, pelas normas de direito privado.
d) incorreta a assertiva, porque desses contratos só os de locação são regidos pela Lei nº
8.666/93, pois os de seguro e financiamento subordinam-se, inteiramente, às normas de
direito civil.
e) Incorreta a assertiva, porque o regime jurídico da Lei nº 8.666/93 só se aplica aos
contratos em que a Administração for parte contratante, e não nesses casos indicados.

GABARITO
1- d 2-a 3-c 4-e 5-a 6-a 7-b 8-a 9-a