Você está na página 1de 64

REDES GSM, GPRS, EDGE E UMTS Resumo Esse estudo tem por objetivo abordar as características principais das tecnologias de sistemas de telefonia móvel GSM, GPRS, EDGE e UMTS. Para tanto, há a devida introdução teórica e histórica, visando preparar o leitor para que possa entender aspectos mais profundos sobre os temas. Os tópicos considerados mais importantes, como certas interfaces, modelos de arquitetura, entre outros, têm um nível maior de detalhamento, através de uma abordagem mais técnica. Os sistemas celulares possuem uma cadeia de evolução, na qual tecnologias mais recentes incrementam as já implantadas. Todas as tecnologias têm, portanto, aspectos em comum, que foram implementados nas tecnologias mais antigas e são usadas até hoje. Cada nova tecnologia, porém, suas novidades, adaptadas para serem agregadas à rede, ou, em alguns casos, que exigem adaptações da própria rede.

em alguns casos, que exigem adaptações da própria rede. 1 – Sistemas celulares Com o avanço

1 – Sistemas celulares Com o avanço da tecnologia, a globalização e a necessidade cada vez maior de comunicação com rapidez e mobilidade, foi necessária a criação de um sistema capaz de transmitir informações entre usuários móveis. Diversos setores da sociedade necessitam desse artifício, desde o exército até as próprias empresas. As necessidades de cada setor instigam a evolução da tecnologia, cada qual na sua direção. O

resultado disso é que avanços em um sentido, estimulados pela necessidade de um setor específico, acabam por auxiliar outros setores. Em outra abordagem, alguns serviços são adaptados para que a implementação existente – inicialmente idealizada para outra finalidade - possa oferecê-los. Para que um formato de tecnologia seja amplamente utilizado, é necessário que haja um padrão, maleável o suficiente para que tecnologias mais baratas ou mais eficientes possam ser encaixadas em sua estrutura. Pode-se perceber, portanto, a importância de uma organização dessa tecnologia, no sentido de oferecer o serviço de comunicação móvel à maior parcela possível da sociedade.

móvel à maior parcela possível da sociedade. 1.1 - Princípios básicos dos sistemas celulares Os

1.1 - Princípios básicos dos sistemas celulares Os sistemas de comunicação sem fio são formados basicamente por dois usuários – transmissor e receptor, dependendo do sentido em que viaja a informação -, cada um com os

seguintes componentes:

- Microfone: converte o sinal de voz (de quem quer transmitir a informação) em sinais elétricos;

- Alto-falante: converte o sinal elétrico (vindo de quem transmite a informação) em sinal de voz (para o receptor ouvir a mensagem);

- Transmissor: envia os sinais gerados pelo microfone para o receptor

- Receptor: recebe e entende os sinais enviados pelo transmissor e os envia ao alto-falante.

- Antena: Converte sinais elétricos em ondas de rádio, para enviar a informação pela atmosfera, ou faz a operação contrária para receber essas informações. É a alma da comunicação sem fio, por ser o aparelho capaz de se comunicar sem a necessidade de um contato físico.

Ondas de rádio são sinais eletromagnéticos capazes de levar dados de um ponto a outro de forma confiável e rápida.

1.1.1 - Modulação

Para enviar um sinal de um ponto a outro é necessária a modulação do sinal. Modular o sinal consiste em agregar um sinal conhecido (onda portadora) ao sinal da informação. O receptor pode, então, analisar a onda recebida, e, como conhece a onda portadora, pode entender a informação como a alteração do sinal recebido em relação à portadora. Esse processo chama- se demodulação. Existem diversos tipos de modulação, pois pode-se alterar diversas características da portadora, separadamente. Pode-se alterar a freqüência da portadora de acordo com o sinal, na modulação FM; alterar a amplitude da portadora em relação ao sinal, na modulação AM;

alterar a fase da portadora, na modulação PM, entre outros diversos tipos de modulação. Cada tipo de modulação possui suas vantagens e desvantagens, e por isso cada serviço pode ter peculiaridades que façam esse ou aquele tipo de modulação ser mais interessante.

1.1.2 - Estações móveis (MS)

As estações móveis são os próprios aparelhos de telefonia celular. Possuem uma antena, capaz de modular ou demodular o sinal. Precisa também de osciladores, que posam gerar os sinais nas freqüências determinadas.

1.1.3 - Estações Rádio Base (ERB ou BTS)

Para a implementação do serviço de telefonia celular, utiliza-se Estações Rádio Base, que consistem em uma antena e um sistema capaz de atender as necessidades de comunicação de uma certa região com o restante da rede de telefonia.

O termo “estação Rádio base” é mais usado em sistemas celulares analógicos. Para sistemas

digitais, usa-se o nome “Estação Transceptora Base”, em inglês, BTS.

1.1.4 - Enlaces

A comunicação entre MS e ERB acontece quando a onda portadora da informação, ou seja, a

informação modulada, é gerada em um ponto, viaja pela atmosfera e é recebida no outro. Cada

portadora tem uma freqüência definida, em uma mesma região da atmosfera, cada freqüência corresponde a uma conhecida portadora. Sendo assim, o transmissor deve modular seu sinal naquela freqüência, e o receptor deve ajustar seu sensor para essa mesma freqüência. Porém, cada portadora não consegue levar toda a informação em exatamente um valor de

freqüência. Na verdade, cada canal possui uma faixa de freqüências, cuja freqüência central é a da portadora. A informação é incluída principalmente nessa freqüência principal, mas pode estar em freqüências um pouco maiores ou um pouco menores. Para incluir essas variações da freqüência, o canal tem uma largura de freqüências, ou seja, o transmissor emite naquela freqüência e em freqüências um pouco maiores ou menores, e o receptor deve se preparar para “sentir” aquela freqüência, mas também um pouco mais e um pouco menos.

O tamanho desse erro, ou seja, a largura do canal, limita o número de canais na célula, pois

eles devem “caber” na banda passante da célula (faixa total de freqüências que uma célula

suporta).

Ao canal físico que interliga a Estação Rádio Base e a Estação Móvel se dá o nome de enlace. Quando a informação viaja da ERB para a MS, chama-se enlace direto; quando a informação parte da MS chama-se enlace reverso. Os modos de transmissão de informação para comunicações móveis podem ser feitos de três maneiras:

- Simplex: opera com uma única freqüência e apenas a ERB pode transmiti-la. Tem-se,

portanto, apenas enlaces diretos. Exemplos de aplicações desse modo de transmissão são os serviços de rádio AM e FM, ou a televisão convencional.

- Semi Duplex: Opera em uma única freqüência, mas suporta comunicação bidirecional, sendo

cada sentido de comunicação operado em um momento. Ou seja, o usuário pode escutar ou falar, mas não os dois ao mesmo tempo. Como exemplos, os aparelhos de walkie-talkie, e o sistema de comunicação da polícia.

- Duplex completo (ou full duplex): cada usuário tem um canal de recepção (enlace direto) e

outro canal de transmissão (enlace reverso). É possível, portanto, realizar comunicação em dois sentidos ao mesmo tempo. E importante lembrar que cada canal opera em uma freqüência diferente, necessitando-se, portanto, de duas larguras de freqüência (uma para cada enlace). Esse modo é o utilizado pelos serviços de telefonia móvel. 1.1.5 - Célula Cada Estação Rádio Base (ERB) atende a uma certa região, limitada de acordo com as capacidades físicas da Estação. A essa região dá-se o nome de Célula. As células podem ser omnidirecionais ou setorizadas.

As células podem ser omnidirecionais ou setorizadas. No primeiro caso, a ERB é equipada de forma

No primeiro caso, a ERB é equipada de forma a irradiar suas ondas uniformemente em todas as direções. São mais utilizadas em regiões onde há pouca necessidade de tráfego, como regiões rurais. Em compensação, por ser distribuída uniformemente, abrange uma área de cobertura mais extensa, o que significa ter menos ERBs para atender a certa região. Nas células setorizadas as antenas da ERB são projetadas para irradiar em direções estabelecidas, chamadas setores. Cada setor geralmente é formado por um ângulo de 120º, o

que significa 3 setores por ERB, ou por célula. Essa setorização permite um tráfego mais denso que as células omnidirecionais, apesar de não conseguir cobrir uma região tão extensa. O padrão de irradiação de uma célula se aproxima da forma circular, mas totalmente irregular.

Isso se dá pela formação de áreas de sobreposição (mais de uma célula atuando na região) e áreas de sombra (áreas onde interferências destrutivas causam falta de sinal). Por causa disso,

o padrão escolhido para representar uma célula foi o de um hexágono regular. Essa escolha

simplifica cálculos essenciais, como a distância mínima entre canais, ou seja, distância mínima

entre centros de duas células adjacentes.

1.1.6 - Espectro de freqüências

Os sistemas celulares utilizam o domínio da freqüência para dividir seus canais de comunicação. Cada canal de comunicação exige uma quantidade de valores de freqüência para realizar a comunicação, a largura de faixa: um canal com largura de faixa de 30 Hz pode ser implementado da freqüência 340 Hz até 370 Hz, por exemplo.

da freqüência 340 Hz até 370 Hz, por exemplo. Cada ERB tem uma faixa de valores

Cada ERB tem uma faixa de valores de freqüência nos quais consegue se comunicar. A ANATEL regulamenta o uso das freqüências, a fim de evitar o mau uso do espectro de freqüências. A largura da faixa de freqüências de uma ERB é chamada Largura de Banda, e é uma medida da capacidade de tráfego da ERB.

1.1.7 - Acesso múltiplo

Um dos sérios problemas enfrentados pela ERB ocorre quando mais de um usuário deseja acessá-la, ou seja, requerer e chamado múltiplo acesso. Para resolver esse problema, existem basicamente três tecnologias: FDMA (que divide a freqüência), TDMA (que divide o tempo) e CDMA (que usa um código para cada acesso).

A tecnologia FDMA libera uma faixa de freqüência para cada acesso. Dessa forma, o usuário

tem uma largura de banda fixa, sempre disponível.

A tecnologia TDMA libera uma faixa de freqüência para alguns usuários. Esses usuários só

podem acessar de forma intercalada, ou seja, eles dividem entre si o tempo.

A tecnologia CDMA insere um código para cada usuário. Assim, eles podem acessar a mesma

freqüência durante todo o tempo.

1.1.8 - Cluster

Um cluster é uma região que abrange algumas células, onde:

- há todas as freqüências disponíveis;

- nenhuma freqüência pode ser reusada.

Fora do cluster, é possível reusar as mesmas freqüências. Assim, quanto mais células dentro

de um cluster, maior será a distância mínima entre portadoras de mesma freqüência. Programar o reuso de freqüências faz aumentar o tráfego da rede.

Para calcular o número Nf de freqüências por célula, basta dividir a largura de banda Bs do sistema pela largura de banda Bc de cada célula.

1.1.9 - Fator de reúso e Razão de reúso

O fator de reúso é o número de células dentro do cluster: um fator de reúso 9 usa cluster com 9

células, o de 12 usa cluster com 12 células, etc.

A razão de reúso é dada por d/r, onde d é a distância entre os centros de duas células

adjacentes e r é o raio da célula.

O fator de reúso N está relacionado com a razão de reúso d/r segundo a fórmula: (d/r)²=3N.

Quanto maior o fator, maior o reúso, quanto menor o reúso, menor o fator. Aumentando-se o fator de reúso, dividem-se as freqüências de um cluster em um número maior de células, diminuindo assim o tráfego oferecido em cada célula. Por outro lado, aumentar o razão de reúso significa dificultar a interferência entre duas células que irradiem a mesma freqüência. Isso melhora a qualidade do sinal. Como o fator e a razão de reúso aumentam juntos ou diminuem juntos, ao projetar um sistema celular deve-se escolher entre aumentar o tráfego em cada célula (diminuindo o número de células por cluster) ou melhorar a qualidade do sinal (aumentando o número de células por cluster). No sistema GSM usa-se fator de reúso 9 ou 12.

1.1.10 - Capacidade de sistemas celulares

A capacidade de tratamento de tráfego em sistemas celulares depende dos seguintes fatores:

- Número de canais físicos disponíveis na célula;

- Setorização das antenas transmissoras;

- Fator de reúso escolhido.

A capacidade de tratamento de tráfego é medida pelo número máximo de usuários que podem

acessar uma célula em um determinado instante (Umáx). Para realizar esse cálculo, considera-

se que todos os canais físicos – canal de usuário, necessário para efetuar uma chamada – serão ocupados, e todos com a mesma potência.

A relação usada para o cálculo é: Umáx=(Bs.Uc)/(Sc.N.Fs), onde:

Bs é a banda de RF alocada para o sistema, Sc é o espaçamento de freqüência entre portadoras de RF – análogo à largura de freqüência usada pelo canal -, e essas duas variáveis

mostram quantas portadoras de RF há por célula. Uc é o número de usuários na mesma

portadora (depende do tipo de modulação), e, junto às variáveis anteriores, calcula o número de canais físicos disponíveis na célula. N é o fator de reúso e fs o fator de setorização. Para aumentar a capacidade do sistema GSM já implantado, pode-se alterar os seguintes

fatores:

- Aumentar a banda passante do sistema, adquirindo mais espectro. E importante lembrar que

o espectro de freqüências da interface aérea é regulamentado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações);

- Aumentar o número de usuários por cada portadora de RF, aumentando o número de janelas

de tempo em TDMA ou o número de códigos em CDMA, por exemplo;

- Diminuir o espaçamento entre portadoras, ou seja, estreitar a largura que um canal necessita

para comunicação. Essa alternativa é problemática, pois altera a estrutura da interface aérea;

- Diminuir o fator de reúso, ou seja, considerar cluster com menos células.

1.2 – Evolução histórica

A evolução dos sistemas celulares é sempre puxada pela necessidade ou vontade de se

agregar novos serviços ao serviço de telefonia móvel – identificação de chamadas, envio e recebimento de imagens, acesso à internet, entre outros. Para implementar esses novos

serviços, cria-se novos padrões, arquiteturas, ou simplesmente otimiza-se o que já existe.

A história dos sistemas celulares é separada em gerações. A primeira geração (1G) usava

celulares analógicos, e a segunda geração (2G) digitalizou a comunicação. Estamos na terceira geração de celulares (3G), que provê acesso a internet banda larga pelo telefone celular. Essas são apenas algumas características importantes de cada geração. Cada geração é dividida em padrões e em “sub-gerações”, que nada mais são do que os padrões existentes, mas melhorados, no sentido de alcançar a geração seguinte. O padrão GSM pertence à segunda geração de celulares e, portanto, realiza comunicação digital. 1.2.1 – Primeira geração – 1G

Até então, toda a comunicação móvel era centralizada, tendo assim baixa capacidade de tráfego e alto custo. Seu sucesso deveu-se à novidade que surgia: realizar chamadas telefônicas longe de casa, em um aparelho sem fio, e em movimento. Por ser um sistema novo, pouco se conhecia sobre seu potencial e sua aceitação no mercado. Vale lembrar que, no momento de desenvolvimento dessa tecnologia, tudo que a humanidade realizava era feito sem a utilização desse sistema, o que poderia levar muita gente a pensar que isso talvez não fosse tão importante, ou que não valesse o custo de investimento. Até por isso, na primeira geração foram feitos poucos esforços no sentido de padronizar o uso em todos os países. De fato, vários padrões foram propostos e implementados, de forma isolada, em apenas um país. Após a consolidação dessa geração, constatou-se que a Europa havia se dividido em padrões:

- Padrão TACS : Reino Unido, Áustria, Espanha, Irlanda, Itália;

- NMT450 : Suécia, Noruega, Finlândia, Dinamarca;

- Radiocom2000 : França.

1.2.1.1 - Padrão AMPS

O Brasil seguiu a linha dos EUA e adotou o padrão AMPS, que opera na faixa dos 800 MHz.

São destinados 25 MHz de banda passante para o enlace direto, e mais 25 MHz para o enlace reverso. Esse padrão utiliza a tecnologia de acesso múltiplo por FDMA (que reserva uma banda de freqüência para cada canal, para ser usada por todo o tempo), tendo cada canal 30 kHz de largura. Como cada canal precisa ter uma largura pertencente à banda passante dos enlaces diretos e outra igual pertencente à banda dos enlaces reversos, divide-se 25 MHz por 30 kHz para se calcular o número de canais. Na verdade, portanto, cada canal de usuário consiste em dois canais, um direto e um reverso. Isso implica em 833 canais. Nessa conta, não foram levados em consideração o padrão de reúso de freqüências nem a setorização das células. Há ainda de se considerar um canal de controle, o canal 0. Assim, há 832 canais disponíveis aos usuários. 1.2.2 – Segunda geração (2G) Como já foi comentada, uma nova geração cresce sempre no sentido de oferecer o que a primeira geração deixava a desejar. Os EUA necessitavam de maior capacidade, enquanto o problema na Europa era uniformizar os sistemas para o Mercado Comum Europeu (MCE). Uma característica marcante da segunda geração é o uso da tecnologia digital, em vez da analógica. Isso permite a integração com circuitos digitais, como computadores, em geral. Para conseguir o aumento de capacidade de tráfego os americanos implementaram três padrões: IS-54 (AMPS digital), IS-136 (TDMA digital) e IS-95 (CDMA digital). Na Europa, o esforço de uniformização fez surgir o GSM (Global System for Mobile Communications). Esse esforço em busca de um padrão tornou o GSM o principal representante da segunda geração. Ao conseguir atingir uma larga parcela da sociedade, diversos investimentos voltaram-se para esse sistema, ampliando a escala de produção, o que

atrai mais investimentos, e assim por diante, ate que o mundo todo pudesse ter acesso a essa tecnologia. A competição pelo mercado fez os preços caírem, tornando-o ainda mais acessível.

O foco principal dos sistemas de segunda geração era oferecer telefonia digital móvel para os

usuários. Por isso, os protocolos de transmissão de dados se esforçam em adaptar o canal de voz para a transferência de bits de dados. O resultado é que o tráfego máximo de bits obtido

pelo GSM foi inicialmente projetado para atender ao tráfego de bits gerado por conversações telefônicas. Para fazer um celular acessar a internet, por exemplo, seria necessária uma taxa bem maior de tráfego, e os projetistas do GSM inicialmente não se preparam para isso.

1.2.2.1 - Padrão IS-136

Bastaram cerca de dez anos para o padrão AMPS ser totalmente substituído por um sistema

digital. O Brasil adotou o padrão IS-136, que usava a mesma largura de canal que o padrão já implantado (30kHz), e aumentava a capacidade e desempenho do sistema. Esse padrão permite que até seis unidades móveis possam ser suportadas em apenas uma portadora de RF. Utilizando a tecnologia TDMA (Acesso múltiplo que divide o tempo em slots para acesso de vários usuários de forma revezada), divide-se o quadro TDMA (duração de 40 ms) em seis slots de tempo, um para cada usuário. Um quadro TDMA carrega 1944 bits, logo, cada canal carrega 1944/6=324 bits. Canais podem

ser do tipo full-rate ou half-rate. Os canais full-rate (taxa máxima) reservam dois slots, um para

o enlace direto e outro para o enlace reverso. Sendo assim, em vez de 6 usuários por

portadora, apenas 3 podem ser suportados. Nos canais half-rate (taxa média), cada slot é ora enlace direto, ora enlace reverso. Assim, cai pela metade a taxa de transmissão de bits, mas dobra o número de usuários por portadora.

1.2.2.2 - Padrão IS-95

Esse padrão utiliza o acesso múltiplo por divisão de código (CDMA). Cada usuário é identificado por um código, e podem usar a mesma freqüência. Sua principal característica é a

técnica de espalhamento espectral, onde a freqüência da portadora do sinal a ser transmitido é variada aleatoriamente, espalhando-a dentro da largura de banda. Um código é usado para enviar uma seqüência a um sintetizador que gera as freqüências da portadora.

O padrão opera na faixa dos 800 MHz. A largura de cada canal é de 1,25 MHZ, com uma

largura de banda de 25 MHz disponível. A distância entre os canais dos enlaces direto e seu respectivo reverso é de 45 MHz. O número de usuários por canal é projetado segundo a relação Sinal/Ruído adotada na rede.

A modulação do sinal de voz é a QPSK, modulação digital que transmite 32 mil símbolos por

segundo, cada símbolo formado por 2 bits.

1.2.2.3 - Padrão GSM

Antes de 1980, o mercado celular europeu era constituído por vários padrões analógicos incompatíveis entre si. Isso restringia os serviço muitas vezes a seu próprio país.

O padrão GSM foi criado no intuito de oferecer tecnologia digital de telefonia celular a toda a

Europa. Sua alta capacidade tornou-o rapidamente o padrão mais utilizado no mundo. Em

dezembro de 2004, 74,9% dos celulares eram do padrão GSM. No Brasil, o sistema foi implantado em 2002.

A modulação usada é a 0,3GMSK, variante da FSK. Cada canal possui 200 KHz de largura de

faixa, e é possível a utilização de 8 usuários em cada canal, ampliando-se para 8 usuários no

caso da implementação da transmissão de voz em meia taxa. A faixa de operação depende do padrão GSM implantado. Os padrões mais usados serão estudados abaixo. 1.2.2.3.1 – Variações Padrão P-GSM Também conhecido como GSM 900 Primário, é o sistema GSM original. Usa freqüências na banda de 900 MHz, de 890 a 960 MHz, com uma distância de 20 MHz entre os enlaces direto e reverso. Isso dá uma largura de 25 MHz, o que sustenta 25MHz/200KHz = 125 canais de RF.

Padrão E-GSM Também conhecido como GSM 900 Estendido, começa a usar o espectro de freqüências em 880 MHz, portanto 10 Mhz antes do padrão P-GSM, mas termina em 960 MHz, tal como seu antecessor. Além disso, a distância entre enlaces direto e reverso é de apenas 10 MHz, o que gera 20 MHZ de largura a mais que o padrão anterior. Dividindo-se essa largura a mais entre enlaces direto e reverso, obtém-se um acréscimo de 10 MHz de largura de banda. Isso implica em 50 canais extras de RF. Esse padrão suporta, portanto, 175 canais de RF. É importante ressaltar que o padrão E-GSM inclui o P-GSM, pois a banda utilizada no P-GSM também é disponível no E-GSM. A recíproca não é verdadeira.

é disponível no E-GSM. A recíproca não é verdadeira. Padrão R-GSM Também conhecido como GSM 900

Padrão R-GSM Também conhecido como GSM 900 ampliado, foi desenvolvido para se ampliar a capacidade de canais de RF. Começa a utilizar o espectro em 876 MHz, usando-o até 960 MHz, o que lhe disponibiliza mais 4 MHz em relação ao E-GSM. Diminui também a distância entre os enlaces, passando a 6 MHz. A banda passante tem 39 MHz de largura, portanto, e sustenta 195 canais de RF.

39 MHz de largura, portanto, e sustenta 195 canais de RF. Padrão GSM 1800 Também é

Padrão GSM 1800 Também é conhecido como DCS 1800, implantado no Brasil. Adaptação do sistema GSM 900, ampliou suas bandas para 75 MHz de largura, e passou a utilizar a faixa de 1,8 GHz. Trabalha de 1710 a 1880 MHz. Para a identificação dos padrões utilizados, os canais desse padrão são identificados de 512 a 885 ( 375 canais de RF), enquanto o P-GSM numera os seus de 1 a 124.

Esse padrão foi criado a fim de se implementar Redes de Comunicações pessoais (Personal Communication Networks – PCN).

Padrão PCS 1900 Desenvolvido para dar uma gama maior de serviços aos usuários, opera na faixa de 1,9 GHZ. De 1850 a 1990 MHz, com 20 MHz separando os seus enlaces. Isso gera 300 canais de RF. 1.2.2.3.2 – Serviços GSM

À medida em que cresce a demanda por novas aplicações, os serviços GSM vão sendo desenvolvidos. A tecnologia GSM é dividia em 3 fases, onde os novos serviços acabam por criar a próxima geração.

os novos serviços acabam por criar a próxima geração. Fase 1 Fase inicial, oferecia : -

Fase 1 Fase inicial, oferecia :

- Telefonia (voz);

- Chamadas de emergência;

- SMS (mensagens curtas) ponto a ponto e ponto multiponto;

- Dados síncronos e assíncronos (0.3 a 9.6 kbps);

- Transmissão de pacotes assíncronos.

Fase 2

- Serviços de e-mail;

- Voz a meia taxa (half rate). Esse serviço permite ampliar o número de usuários, abrindo mão de certa parcela da qualidade da voz;

- Melhoras no SMS;

- Serviços de dados, como informações sobre tempo, clima, esportes, entre outros;

- Transmissão síncrona e dedicada de pacotes;

- Serviços adicionais como identificador de chamadas, chamada restrita, teleconferência.

Fase 2+ Introduziu o serviço de dados por pacotes em altas taxas de transmissão (GPRS- General Packet Radio Service) na rede GSM. Mais detalhes serão abordados à frente.

1.2.3 – Terceira geração (3G) Com o advento e a estúpida evolução da Internet, essa demanda atingiu os telefones celulares. Enquanto na década de 80 realizar chamadas em telefones portáteis era o que se sonhava, há pouco tempo o que se espera é acessar a Internet através do celular.

É interessante perceber a dificuldade de se acessar a Internet em um lugar qualquer, sem um

canal de Internet disponível. Mesmo com um computador portátil, é necessário um ponto de

acesso à rede. Com a criação do acesso banda larga à Internet através do telefone celular, esse serviço pode ser adaptado para ser usado por um computador. A terceira geração evoluiu no sentido de oferecer tráfego em alta velocidade para que o acesso a Internet com boa velocidade fosse alcançado. Com o sistema de alta velocidade viabilizado, diversos outros serviços passam a ter alta qualidade, como envio de imagens, vídeo-conferência, etc.

A segunda geração de celulares evoluiu para a chamada 2.5G, que incluía o serviço GPRS

(para o padrão GSM) e a revisão do sistema CDMA IS-95. Na evolução seguinte, para a chamada 2.75G, o GPRS evoluiu para o sistema EDGE, que estudaremos mais a frente. Na terceira geração, o CDMA IS-95, ainda da geração 2.5G, evoluiu para CDMA 2000, e depois para EVDO e EVDV em seguida. O sistema EDGE evoluiu, num sentido para EDGE fase 2, e, em outro, para WCDMA.

2 – Arquitetura da rede GSM A rede GSM é formada por interfaces abertas e

2 – Arquitetura da rede GSM

A rede GSM é formada por interfaces abertas e padronizadas, seguindo sua principal intenção,

montar uma arquitetura mais abrangente possível. Ela é estruturada para que seja possível a

integração entre componentes de diferentes fabricantes, o que aquece a concorrência e diminui

o preço para o usuário. Além do fato, é claro, de torná-la extremamente flexível, logo, mais viável. Os componentes dessa arquitetura são divididos em 4 grupos O conjunto desses grupos é chamado rede móvel pública terrestre (Public Land Mobile Network – PLMN), e é implementado por uma operadora. Veja a figura abaixo.

Arquitetura da rede GSM. - MS – Mobile Station – Estação móvel : formada pelo

Arquitetura da rede GSM.

- MS – Mobile Station – Estação móvel : formada pelo próprio aparelho celular, computador ou qualquer outro sistema de comunicação de voz ou dados (Equipamento Móvel). Necessita de um cartão SIM, que guarda seu registro na rede.

- BSS – Base Transceiver System – Sistema de estação base : é capaz de se comunicar com as estações móveis e enviar informações para o sistema de comutação de rede, o NSS.

- NSS – Network Switching System – Sistema de comutação de rede : processa informações

através de interfaces e protocolos e gerencia o banco de dados. Assim, consegue interconectar a rede GSM com a rede pública (RTPC).

- OMS – Operations and Maintenance System – Sistema de Operação e Manutenção :

comanda os grupos de componentes.

2.1 – Componentes

Componentes GSM. 2 .1.1 – Estação móvel(MS) A estação móvel é constituída de um equipamento

Componentes GSM.

2.1.1 – Estação móvel(MS)

A estação móvel é constituída de um equipamento móvel (Mobile Equipment- ME), e um módulo de identidade do assinante, (Subscriber Identity Module - SIM), geralmente um chip. 2.1.1.1 - Equipamento Móvel - ME Cada equipamento móvel tem um número de identificação chamado identidade internacional do equipamento móvel (International Mobile Equipment Identity - IMEI). Esses números são armazenados no registro de identidade e equipamento (Equipment Identity Register - EIR), estudado mais a frente.É o próprio aparelho celular. São três tipos :

- Veicular : geralmente uma antena na parte externa do veículo;

- Estação Móvel Portátil : Composto por uma maleta.

- Estação Móvel (handset) : Composto por um telefone de pequeno porte.

Esses três tipos possuem características diferentes que fazem a comunicação da MS com a

BSS depender do tipo de aparelho. A BSS, portanto, precisa saber qual é o tipo de aparelho para implementar a comunicação. Para resolver esse problema, a MS envia uma mensagem inicial que carrega as seguintes informações :

- Revisão : identifica a fase do padrão GSM adotada. As fases mais recentes conseguem

realizar todos os serviços das anteriores, mas o contrário não acontece. Logo, quando duas fases distintas se comunicam, os serviços implantados são os da fase mais antiga;

- Algoritmo de Criptografia : diz qual é o algoritmo de criptografia usado na MS. Na fase 1 há somente o algoritmo A5, enquanto na fase 2 existem os algoritmos A5/0 e A5/7;

- Capacitação de Freqüências : dependendo do padrão GSM adotado pela MS, o aparelho

utiliza uma das faixas de freqüência - 850 MHz, 900 MHz, 1.800 MHz ou 1.900 MHz - , como

citado no tópico “Padrão GSM”. A mensagem inicial deve, portanto, indicar em que faixa de

freqüências será feita a comunicação. Existem celulares que operam nas 4 faixas, num modo conhecido como modo quatro (quadri-mode);

- Capacitação do Serviço de Mensagens Curtas (Short Message Service – SMS) : informa se a MS está preparada para receber ou enviar mensagens curtas;

2.1.1.2 - Módulo de Identidade do Assinante – SIM

Esse módulo consiste em um cartão inteligente (smart card) que carrega informações

essenciais para a identificação do assinante. Geralmente é um chip que se conecta ao telefone celular. O processamento dos serviços e suas tarifações são realizados a partir das informações contidas nesse chip, e não no aparelho celular. Sendo assim, o assinante pode retirar seu chip, encaixar em outro aparelho e realizar uma chamada com seu próprio número,

o

que será tarifado em nome do dono do chip.

O

SIM carrega as seguintes informações, cuja utilização será estudada mais adiante :

- Identidade internacional do assinante (International Mobile Subscriber Identity – IMSI);

- Identidade temporária do assinante (Temporary Mobile Subscriber Identity – TMSI);

- Identidade da área de localização (Location Área Identity – LAI);

- Chave de autenticação do assinante (Subscriber Authentication Key – Ki);

- Número internacional ISDN (Integrated Service Digital Network) da estação móvel (Mobile Station Integrated Servicer Digital Network – MSISDN). 2.1.2 – Sistema de estação base (BSS)

O sistema de estação base é responsável por conectar a MS com o sistema de comutação de

rede (NSS). A MS envia um sinal à BSS, que o capta e dele extrai as informações. Essas informações são enviadas à rede. No outro sentido, a BSS recebe os dados vindos da rede, e constrói um sinal cujas informações a MS é capaz de extrair.

A BSS é formado por três elementos. Um para captar sinais da MS e enviar outros para a

mesma, outro para comandar o primeiro e se comunicar com a rede. O terceiro auxilia o segundo na comunicação com a MSC. Os três estão detalhados abaixo :

2.1.2.1 – Estação transceptora base (BTS)

A BTS (Base Transceiver Station) implementa conexões com as MSs através da interface

aérea. É formada por Hardware de radiofreqüência e antenas, basicamente. Essas estações ficam sempre ligadas ao BSC, e ambos controlam gerenciam os canais de tráfego.

2.1.2.2 – Controlador de estação base (BSC)

O BSC (Base Station Controller) é responsável por controlar um grupo de estações

transceptoras base (BTSs). Todas as operações de uma BTS são comandadas pelo respectivo BSC. Através de uma matriz de comutação digital, as BSCs conectam os canais de RF com os circuitos terrestres provenientes da central de comutação celular (MSC), um componente do sistema de comutação de rede. Com essa técnica, o BSC é capaz de realizar handovers entre

os canais de RF independente da MSC, o que otimiza o tráfego na interface aérea e reduz o trabalho da MSC.

2.1.2.3 – Transcodificador (XCDR)

A MSC envia sinais de voz a uma taxa de 64 Kbits/s. Se os canais de voz PCM a essa taxa

fossem trasmitidos direto na interface aérea, sem modificação, iriam ocupar uma faixa muito

extensa da banda de RF, o que diminuiria o número de possíveis canais de voz na interface aérea.

O XCDR é responsável por converter esses sinais de voz de 64 Kbits/s em sinais de 16 Kbits/s

que podem ser enviados na interface aérea. A transmissão de dados não passa pelo processo

de transcodificação, é apenas adaptada de 9,6 kbits/s para 16 Kbits/s, com 3 Kbits/s de controle.

Para isso, utiliza algoritmos de codificação, padronizados no GSM :

- Algoritmo de taxa plena : codifica o canal de voz de 64 Kbits/s em 13 Kbits/s, adicionando 3 Kbits/s para dados de controle (chamado TRAU - Transcoder Rate Adaption Unit).

- Algoritmo de taxa plena melhorado : presente apenas na fase 2 do GSM, codifica 64 Kbits/s em 12,2 Kbits/s, e usa 3,8 Kbits/s para controle. 2.1.3 – Sistema de comutação de rede (NSS)

O sistema de comutação de rede é reponsável por :

- Comutar os canais de comunicação entre duas BSSs;

- Controlar e gerenciar a mobilidade dos usuários;

- Armazenar e consultar a base de dados dos assinantes. Os elementos desse sistema são estudados a seguir.

2.1.3.1 – Central de comutação celular (MSC)

A MSC (Mobile services Switching Center) é o “coração” do sistema de comutação de rede.

Possui as seguintes funções :

- Processar chamadas, ou seja, conectar e desconectar chamadas, promover handover entre

BSSs e MSCs;

- Supervisionar, manter e operar as bases de dados.

- Gerenciar as interfaces entre a rede GSM e outras redes, como a RTCP (rede pública) e a

Rede Digital de Serviços Integrados – RDSI;

- Tarifar os serviços.

Para realizar todas essas funções, a MSC precisa estar conectada aos bancos de dados de todas essas informações. Dois componentes contém grande parte dessas informações : o HLR

e o VLR.

2.1.3.2 – Registro de localização local (HLR)

O registro de localização local administra, altera e atualiza a base de dados dos assinantes

locais. Esses dados são acessados remotamente pelo MSC e pelo VLR. Os principais dados guardados pelo HLR são:

- Identidade internacional do assinante (International Mobile Subscriber Identity - IMSI);

- Localização corrente do assinante no VLR;

- Serviços suplementares aos quais o assinante tem direito, bem como informações adicionais sobre esses serviços;

- Estado do assinante (registrado ou não registrado);

- Chave de autenticação, que mencionaremos mais à frente.

2.1.3.3 – Registro de localização do visitante (VLR)

Pode acontecer de um assinante passar para outra PLMN que não a sua de origem, o que é óbvio em se tratando de sistemas de comunicação móveis. Para se realizar a comunicação com esse usuário “de fora”, ou seja, visitante, existe o VLR. Ele guarda uma cópia dos principais dados do assinante, contidos no seu HLR de origem. Essas informações são :

- Estado da estação móvel (livre / ocupado/ não responde);

- Identidade de área de localização (Location Area Identity - LAI);

- Identidade temporária do assinante móvel (Temporary Mobile Subscriber Identity – TMSI);

- Número da estação móvel visitante (Mobile Station Roaming Number – MSRN).

A cópia desses dados é mantida no VLR por um tempo determinado pelo operador de rede

(especificado em minutos ou horas).

A seguir discutiremos os papéis dessas identidades associadas ao assinante e à estação

móvel.

2.1.3.4

– Identidades de um usuário em um sistema GSM

Para identificar um usuário em um sistema GSM usa-se algumas identidades, cujas estruturas

e funções serão apresentadas agora:

2.1.3.4.1 – Identidade internacional do assinante móvel

A identidade internacional do assinante móvel (International Mobile Subscriber Identity)

identifica a MS internamente à rede GSM. É transmitido apenas na fase inicial da chamada. Não consiste no número que discamos para realizar uma chamada, e sim um número que identifica o assinante dentro da rede GSM. Para que a implementação seja mais fácil, esse número é parecido com o número que discamos (MSISDN, mencionado mais à frente). O IMSI é formado por três campos :

- Código móvel do país (Mobile Country Code – MCC) : três dígitos (12 bits) que identificam a operadora de telefonia móvel em um certo país.

- Código da rede móvel (Mobile Network Code – MNC) : dois (8 bits) dígitos que identificam a rede PLMN local do assinante móvel (por exemplo, Rio de Janeiro = 21);

- Número de identificação do assinante móvel (Mobile Subscriber Identification Number

MSIN) : com até dez dígitos (40 bits), esse número identifica o assinante dentro de uma PLMN

(por exemplo, 98876550). Veja que pode haver o mesmo MSIN em outra PLMN, associado a outro assinante.

2.1.3.4.2 – Identidade de área de localização (LAI)

A LAI (Location Area Identity) é o nome dado a um conjunto de células da PLMN. Tipicamente,

uma LAI contém 30 células. Quando o assinante passa de sua LAI para outra, o VLR identifica sua presença e percebe que não há dados do perfil desse assinante. Utilizando a rede de sinalização, solicita esses dados do HLR (1, na figura abaixo).

O HLR então retorna esses dados para o VLR, que os armazena em uma memória RAM/flash, por um período determinado pelo operador da rede. Enquanto guarda essa cópia, o VLR não consulta o HLR (2, na figura abaixo).

cópia, o VLR não consulta o HLR (2, na figura abaixo). 2.1.3.4.3 – Identidade temporária do

2.1.3.4.3 – Identidade temporária do assinante móvel (TMSI) A identidade temporária do assinante é usada para prover confidencialidade ao usuário. Quando o assinante passa de uma LAI para outra, um número é alocado para ele, aleatoriamente. A VLR então associa esse número a seu IMSI, mas como a alocação é aleatória, apenas a VLR sabe qual é o TMSI.

A VLR então associa esse número a seu IMSI, mas como a alocação é aleatória, apenas

O usuário pode ou não exigir esse serviço. Caso ele exija, a implementação é feita da seguinte

forma :

ele exija, a implementação é feita da seguinte forma : 1) Após o VLR adquirir os

1) Após o VLR adquirir os dados do HLR, começa a troca de informações entre a BSS e a MS. Caso a confidencialidade esteja prevista, o VLR aloca o TMSI, de quatro octetos; 2) Após alocar um TMSI, o VLR associa-o ao respectivo IMSI e guarda em uma tabela, em memória RAM ou flash; 3) As informações transmitidas pela BSS passam a ser direcionadas a esse número TMSI em vez do IMSI, o que evita o monitoramento pela interface aérea; 4) A MS passa a usar o TMSI também. O número TMSI com 32 bits iguais a 1 é usado como inválido pelo cartão SIM.

O número TMSI é registrado no cartão SIM da MS.

2.1.3.4.4 – Número Internacional ISDN da estação móvel (MSISDN)

O MSISDN (Mobile Station International Integrated Service Digital Network) é usado para

integrar a rede GSM à rede pública. Formado por três campos, é o número que os usuários mais conhecem. Um campo informa o país de origem, outro a PLMN e outro o número do móvel. O MSISDN 552199988887, por exemplo, é do Brasil (código 55), da PLMN do Rio de Janeiro (21), com o número 99988887. Em diferentes PLMNs pode-se usar o mesmo número. É por isso que quando estamos viajando (ou seja, em outra PLMN) e discamos um número esquecendo de fazer uma ligação DDD – na qual informamos o código da PLMN - , a ligação cai em um número existente, mas dentro da PLMN em que somos visitantes.

Enquanto a ligação DDD (Discagem Direta à Distância) exige que informemos o código da PLMN

Enquanto a ligação DDD (Discagem Direta à Distância) exige que informemos o código da PLMN (NDC – National Destination Code), a DDI (Discagem Direta Internacional) exige o NDC e o código do país (CC – Country Code). Quando um usuário da RTCP chama um usuário móvel, disca seu MSISDN, dentro do formato da ligação. A MSC converte o MSISDN para um IMSI, pois a rede GSM usa o IMSI internamente. Para isso, usa uma tabela de encaminhamento. O móvel é acessado, então, pelo seu IMSI.

encaminhamento. O móvel é acessado, então, pelo seu IMSI. 2.1.3.4.5 – Número da estação móvel do

2.1.3.4.5 – Número da estação móvel do visitante (MSRN) O número de estação móvel do visitante é usado para estabelecer o canal de voz entre o assinante e a rede quando esse passa a outra PLMN, que não a sua de origem. Essa nova PLMN é comandada por outra MSC. Quando o assinante entra em outra PLMN, o VLR da MSC dessa PLMN aloca um número de uma lista feita para prover esse serviço, chamadoroaming automático. O usuário não precisa, portanto, avisar manualmente que mudou de PLMN. Esse serviço necessita da troca de várias informações entre o MSC de origem e o novo MSC. Para tanto foi criado um protocolo chamado Mobile Application Part (MAP).

Os passos a seguir mostram como o serviço é feito : A) Ao chegar em

Os passos a seguir mostram como o serviço é feito :

A) Ao chegar em outra PLMN, devido à sinalização da MS o MSC identifica um novo usuário e

verifica se há um registro para esse aparelho no VLR. O VLR, então, consulta sua base de

dados e não acha.

B) O VLR envia uma mensagem de sinalização para o MSC de origem. Ao perceber a nova MS

na sua PLMN, o MSC sabe qual é o MSC de origem através das informações contidas no cartão SIM do aparelho.

C) A MSC de origem envia os dados, e atualiza seu próprio banco de dados informando a

localidade na qual o móvel se encontra.

D) Um assinante da RTCP (rede pública) origina uma chamada para o móvel. Quando a

chamada chega na MSC do local de origem, esse consulta seu HLR, que diz onde está o

móvel.

E) A MSC de origem solicita ao VLR do local visitado um número MSRN, para que a chamada

possa ser estabelecida.

F) O VLR do local visitado consulta a lista de MSRNs e aloca um disponível e envia para a

MSC de origem. G) Com o MSRN, a MSC de origem estabelece uma conexão de voz com a MSC do local visitado. 2.1.3.5 – Centro de Autenticação (AuC) Normalmente instalado no mesmo hardware do HLR, o Authentication Center (AuC) tem as

funções de autenticar e criptografar as mensagens, para impedir ataques à rede, como MSs clonadas, por exemplo. Esses processos são executados simultaneamente no AuC e na MS. Ao tentar acessar o sistema, a MS é obrigada a apresentar uma chave de autenticação (Ki), que fica registrada no cartão SIM e no AuC. Os processos de autenticação e de criptografia dependem dessa chave, e estão descritos a seguir:

dependem dessa chave, e estão descritos a seguir: A) Ao receber informações sobre a MS, no

A) Ao receber informações sobre a MS, no início de uma chamada ou na atualização de um

registro, o AuC gera um número aleatório chamado RAND.

B) Através do algoritmo A3, de autenticação, e usando o número RAND e a chave secreta Ki, o

AuC gera a resposta cifrada SRES (Signed RESponse).

Através do algoritmo A8, de criptografia, gera a chave de criptografia Kc, usando RAND e Ki.

C) O AuC envia SRES, Kc e RAND para o HLR.

D) O HLR envia esses 3 dados para o VLR, que os guarda temporariamente.

E) O VLR envia RAND para a MS, através da MSS e da BSS.

F) A MS calcula o SRES, separadamente, usando o algoritmo A3 e a chave Ki, contidos no

cartão SIM.

G) A MS envia o SRES para o VLR.

H) A VLR compara os SRES enviados pela MS e pelo AuC. Se forem diferentes, o processo

termina com falha; se forem iguais, a autenticação é terminada com sucesso.

I) Se a criptografia estiver sendo executada, o VLR envia a seqüência Kc para a BTS. J) A MS calcula Kc e armazena no cartão SIM, usando A8, Ki e RAND. A partir de então, todas as informações transmitidas pela MS serão criptografadas pela chave Kc.

K) Usando o algoritmo de criptografia A5 e o número do hiperquadro GSM, a BTS passa

também a só enviar mensagens criptografadas.

J e K consistem nos passos de criptografia.

2.1.3.6 – Registro de identidade do equipamento (EIR)

O EIR (Equipment Identity Register) possui a base de dados centralizada dos números de

identidade internacional do equipamento móvel (IMEI), os quais são únicos por EIR.

O formato do IMEI está representado na figura abaixo.

EIR. O formato do IMEI está representado na figura abaixo. A base de dados do EIR

A base de dados do EIR é organizada em listas de IMEIs, de acordo com os critérios abaixo :

- Lista Branca : todos os IMEIs de MSs habilitadas a usar a rede GSM;

- Lista negra : IMEIs de MSs não habilitadas, como MSs roubadas ou clonadas;

- Lista Cinza : IMEIs de MSs com algum problema temporário, como defeito do hardware ou em

manutenção na rede autorizada, mas que, enfim, não justificam a presença na lista negra.

2.1.3.7 – Função de Interfuncionamento (IWF)

O IWF (InternetWorking Function) é responsável por interfacear a rede GSM com outras redes

de dados, como a internet, por exemplo. É sua função adaptar a taxa de dados e converter os

protocolos quando necessário.

2.1.3.8 – Supressor de Eco (EC)

O EC (Echo Canceler) é responsável por eliminar o efeito de eco presente nas conexões entre

a MSC e a RTPC. Esse efeito acontece quando um sinal de voz chega em um tempo errado,

superposto a outro sinal no tempo certo. Atrasos de propagação na interface aérea, ou provocado pelo processo de transcodificação podem gerar esse problema.

2.1.3.9 – Sistema de Operação e Manutenção (OMS)

O OMS (Operations and Maintence System) administra, opera, mantém e supervisiona os

elementos da rede GSM. Faz isso ora de forma centralizada, ora de forma remota.

É subdividido em dois subsistemas, como mostra a figura abaixo.

2.1.3.9.1 – Centro de gerenciamento de rede (NMC)

O NMC (Network Management Center) é o de mais alta hierarquia em uma rede GSM, pois é o

de mais alto nível no OMS, que controla a rede. Só existe um NMC por rede.

Suas principais funções são de monitoramento:

- Dos nós da rede;

- Dos dados estatísticos da rede GSM;

- Dos OMCs.

2.1.3.9.2 – Centro de Operação e Manutenção (OMC)

O OMC (Operation and Maintence Center) é o elemento que controla os outros elementos da

rede GSM (BTS, MSC, HLR, EIR, etc.) Um OMC controla uma determinada região, e uma rede GSM é composta por vários OMCs. Existem dois tipos de OMCs :

é composta por vários OMCs. Existem dois tipos de OMCs : - OMC (R): controla o

- OMC (R): controla o Subsistema de estação base (BSS)

- OMC (S) : controla o subsistema de comutação de rede (NSS). A função do OMC é gerenciar as seguintes funções :

- Eventos e alarmes;

- Performance do sistema;

- Configuração do sistema.

Em suma, o OMC define os principais parâmetros, para atuar em protocolos já implementados.

2.2 – Interfaces Como já foi comentado anteriormente, o principal foco do sistema GSM foi o de permitir que o maior número possível de usuários pudessem ser integrados. As interfaces e protocolos dele devem ser, portanto, padronizados e flexíveis, de forma a poder incorporar elementos de diferentes fabricantes. Uma interface precisa prover os aspectos físicos dos meios de transmissão, o interfuncionamento e a implementação dos serviços e aplicações móveis entre os elementos da rede GSM. Abaixo segue uma visão genérica das principais interfaces do GSM.

segue uma visão genérica das principais interfaces do GSM. Interface aérea (Um) : Interliga a MS

Interface aérea (Um) : Interliga a MS e a BTS. É responsável por disponibilizar os canais físicos

e lógicos aos assinantes móveis, para viabilizar o processamento de chamadas.

Interface Abis : Conecta a BTS ao BSC. Permite controlar os equipamentos e a alocação de recursos na BTS. Interface A : Conecta a BSC e a MSC. Transporta os seguintes dados:

- Gerenciamento do BSS;

- Tratamento de chamadas;

- Alocação de circuitos terrestres (canais de voz entre os elementos conectados);

- Gerenciamento de mobilidade.

Interface B : Conecta MSC e VLR. Gerencia a base de dados dos assinantes que estão usando

a área controlada pelo MSC associado ao VLR. É responsável pela localização dentro da área

da MSC, por atualizar o registro quando a MS visita outra área e por atualizar dados sobre os

serviços suplementares (como ativação ou desativação de chamada em espera, número escolhido para transferência temporária de chamadas, etc.) Interface C : Conecta MSC e HLR. É usado quando a MSC precisa de informações necessárias

ao roteamento de chamadas ou ao envio de mensagens curtas (SMS). Interface D : Conecta HLR e VLR. É usada na troca de dados sobre a localização da MS. Provê

a capacidade de um assinante realizar chamadas dentro de uma determinada área de serviço. Interface E : Interliga duas MSCs. Quando uma MS move-se da área de uma MSC para outra de outra MSC, durante uma chamada, um processo chamado handover permite que chamada não seja interrompida. A interface E executa esse procedimento.

Interface F : Conecta MSC e EIR. Verifica se a MS está ou não habilitada para usar os serviços da rede GSM, através do estado do IMEI da MS (guardado no EIR). Interface G : Interliga duas VLRs. É usado quando uma MS move-se de um VLR para outro, recuperando o IMEI e os parâmetros de autenticação guardados no VLR de origem. Interface R : Conecta a MS ao equipamento terminal de dados (Data Terminal Equipment – DTE), usada para conectar o computador pessoal à MS, com o objetivo de transmitir dados por pacotes. Assim pode-se integrar o sistema GSM a uma comunicação que use o protocolo TCP/IP, da Internet, por exemplo. 2.2.1 – Interface Aérea (Um)

A interface aérea, também conhecida como interface Um, é responsável por conectar a estação

móvel (MS) e a estação transceptora base (BTS). Utiliza as ondas portadoras de radiofreqüência para levar informação. Uma única portadora de radiofreqüência possui 200 kHz de largura de banda e pode suportar até 8 estações móveis. Esse acesso de 8 estações ao mesmo tempo é implementado pela

técnica de acesso múltiplo por divisão de tempo (TDMA), na qual a portadora divide seu tempo em 8 intervalos, chamados Intervalo de Tempo de Canal (ITC), e disponibiliza um para cada móvel. Os ITCs são identificados de 0 a 7, e cada conjunto de 8 ITCs corresponde a um quadro TDMA.

A informação levada pelo ITC é chamada rajada de dados (burst). O Burst representa o tipo de

informação que está sendo transportada. O sincronismo é um fator crítico para a comunicação. Para isso, as informações devem ser transmitidas no momento exato. Esse momento exato é implementado com um atraso no início do quadro TDMA. A BTS atrasa em 3 ITCs o envio do seu quadro TDMA, de forma que o enlace direto e o reverso tem 3 ITCs de diferença. Já a MS tem um problema maior a resolver. Como se desloca, o atraso devido à distância varia. Dessa forma, o atraso que a MS deve empregar entre o enlace direto e o reverso depende de sua distância. A rede GSM conhece a localização do móvel, e resolve o problema informando constantemente à MS como ajustar seu atraso a fim de sincronizar a comunicação.

2.2.1.1 – Canais de tráfego ( Trafic CHannel – TCH) Os canais de tráfego transportam

2.2.1.1 – Canais de tráfego (Trafic CHannel– TCH) Os canais de tráfego transportam voz e dados no modo de comutação de circuitos. São implementados na interface aérea através de multiquadros, um conjunto de 26 quadros TDMA. Cada quadro possui 8 ITCs, cada ITC possui 577 µs, em um multiquadro há 26 quadros. Pode- se calcular a duração de um multiquadro de tráfego : 26 quadros x 8 ITCs x 577 µs por ITC = 120 ms.

tráfego : 26 quadros x 8 ITCs x 577 µs por ITC = 120 ms. A

A figura a seguir mostra os diferentes tipos de canais de tráfego.

Canais usados para o transporte de voz: - Canal de voz com taxa plena (

Canais usados para o transporte de voz:

- Canal de voz com taxa plena (Full Rate Speech Chanel – TCH/FS) : taxa de 13 kbits/s;

- Canal de voz com taxa plena melhorada (Enhanced Full Rate Speech Channel – TCH/EFS) :

taxa de 12,2 kbits/s;

- Canal de voz com meia taxa (Half Rate Speech Channel – TCH/HS) : taxa de 5,6 kbits/s.

Canais usados para o transporte de dados no modo de comutação de circuitos :

- Canal de dados com taxa plena (Data Channel Full Rate – TCH/F9.6) : taxa de 9,6 kbits/s;

- Canal de dados com taxa plena (TCH-F4.8) : taxa de 4.8 kbits/s;

- Canal de dados com taxa plena (TCH/F2.4) : taxa de até 2,4 kbits/s;

- Canal de dados com meia taxa (Data Channel Half Rate – TCH/H4.8) : taxa de 4,8 kbits/s;

- Canal de dados com meia taxa (TCH/H2.4) : taxa de 2,4 kbits/s.

A arquitetura GPRS, implantada na geração 2.5G provê tráfego de dados por pacotes. Foram disponibilizados, para tanto, canais de transporte de dados no modo de comutação de pacotes, que serão estudados na sessão GPRS.

2.2.1.2 – Canais de controle (Control CHannel – CCH) Os canais de controle transportam informações de sinalização e controle entre a MS e a BTS. Tal como os canais de tráfego, são organizados em multiquadros, mas com 51 quadros TDMA. Da mesma forma que para os canais de tráfego, pode-se calcular a duração de um multiquadro de controle : 51 quadros x 8 ITCs x 577 µs por ITC = 235,4 ms.

Os canais de controle são divididos em três gupos : canal de controle dedicado, canal de controle comum e canal de controle por difusão. Grupo canal de controle dedicado (Dedicated Control CHannel – DCCH): Formado por canais associados a uma única MS, é responsável por validar a MS e estabelecer as chamadas. Os canais que o compõem são :

- Canal de controle dedicado independente (Stand-alone Dedicated Control CHannel

SDCCH) : transfere dados de/para uma única MS durante o estabelecimento da chamada e a validação do móvel;

- Canal de controle associado (Associated Control CHannel – ACCH) : É dividido em dois canais, o Slow ACCH (SACCH) e o Fast ACCH (FACCH). O primeiro transporta informações

de medidas do enlace e controle de potência, enquanto o segundo é usado para mensagens de eventos, como informações sobre handover e autenticação, por exemplo. Esses canais “roubam” um intervalo do canal TCH e inserem suas informações. Trabalham nos enlaces direto e reverso. Grupo canal de controle comum (Common Control CHannel – CCCH) : Formado por canaisa que trabalham nos enlaces direto e reverso no estabelecimento de chamadas. Os canais que o compõem são :

- Canal de busca (Paging CHannel – PCH): usado pela BTS para procurar uma determinada

MS.

- Canal de acesso aleatório (Random Acces CHannel – RACH) : usado pela MS para acessar a

rede, o que pode acontecer a qualquer instante, originando uma chamada ou respondendo a um processo de busca;

- Canal de acesso permitido (Access Granted CHannel – AGCH) : Quando a MS envia um

pedido de acesso (pelo canal RACH), a BTS usa esse canal para associar os canais de

controle dedicado (SDCCH ou SACCH) necessários;

- Canal de notificação (Notification Channel – NCH) : Usado quando a BTS envia uma

mensagem de notificação para um grupo de MSs ou em chamadas de voz por difusão. Grupo canal de controle por difusão (Broadcast Control CHannel – BCCH) : Formado por

canais que operam apenas no enlace direto, ou seja, servem para difundir mensagens sobre a rede para as MSs. Os canais que o sompõem são :

- Canal de controle por difusão (Broadcast Control CHannel – BCCH) : leva informações como

identidade da célula, lista de células vizinhas, LAI, lista de freqüências usadas pela célula e

indicador de controle de potência;

- Canal de difusão para as células (Cell Broadcast CHannel – CBCH) : Usa o serviço de

mensagens curtas (Short Message Services – SMS) para enviar a todas as MSs na área de cobertura de uma BTS informações como resultados de jogos, condições do trânsito, etc;

- Canal de sincronismo (Synchronizing CHannel – SCH) : leva dados necessários ao

sincronismo da comunicação, como o número do quadro TDMA e o código da BTS;

- Canal de correção de freqüência (Frequency Correction CHannel – FCCH) : Usado pela MS

para sintonizar-se na portadora de RF. 2.2.1.2.1 – Tipos de multiquadro de controle Como já mencionado, multiquadros são conjuntos de quadros. A organização dos quadros em um multiquadro implementa a ordem das mensagens de controle, sendo assim a espinha dorsal da interface, em relação ao controle.

Existem dois tipos de multiquadros de controle : um para os canais de controle dedicado (DCCH/8), e outro para canais de controle comum e por difusão (BCCH/CCCH). Multiquadro BCCH/CCCH Uma portadora de RF, como já visto, suporta 8 usuários, que se dividem nos 8 intervalos (slots) de um quadro TDMA. No slot 0 de cada quadro, na verdade, é empregado o multiquadro BCCH/CCCH. Sua estrutura está descrita abaixo. O enlace direto é dividido em ciclos, enquanto o reverso é exclusivamente destinado ao canal RACH, que provê o pedido de acesso da MS à BTS, em qualquer instante.

o pedido de acesso da MS à BTS, em qualquer instante. Multiquadro DCCH /8 Esse multiquadro

Multiquadro DCCH/8

Esse multiquadro comporta 8 canais dedicados cada um a um usuário. Cada canal SDCCH

(D0, D1,

permitir que a MS receba a mensagem e produza a resposta.

)

está associado a um SACCH (A0, A1,

).

A diferença entre os enlaces é feita para

2.2.1.2 – Protocolos da interface aérea Os protocolos da interface aérea são divididos em três

2.2.1.2 – Protocolos da interface aérea Os protocolos da interface aérea são divididos em três camadas, obedecendo ao modelo de referência OSI.

2.2.1.2.1 – Camada 3 (camada de rede) A camada de protocolos nível 3 implementa as

2.2.1.2.1 – Camada 3 (camada de rede)

A camada de protocolos nível 3 implementa as seguintes funções :

- Gerenciamento da radiofreqüência;

- Gerenciamento da mobilidade;

- Gerenciamento das conexões;

- Comutação dos circuitos entre a rede GSM e as demais redes;

- Controle dos serviços suplementares;

- Controle dos serviços de localização.

Três subcamadas compõem essa camada : gerenciamento dos recursos de rádio ;

gerenciamento da mobilidade e gerenciamento de conexões. Gerenciamento de recursos de rádio (Radio Resource Management – RR) :

- Aloca e libera o canal de RF;

- Habilita a criptografia;

- Controla potência;

- Realiza handover de uma célula para outra.

Gerenciamento de mobilidade (Mobility Management – MM) :

- Registra a MS;

- Verifica o usuário e a identidade do equipamento;

- Verifica quais serviços estão associados ao usuário;

- Autentica o usuário;

- Realoca a identidade temporária do assinante (TMSI).

Gerenciamento de conexões (Connection Management – CM) - formado por três entidades :

- Controle de chamadas (Call Center – CC) : Estabelece, mantém e desconecta a chamada,

além de controlar os serviços suplementares.

- Serviços suplementares (Supplementary Services – SS) : Provê os serviços suplementares,

como transferência de chamadas, chamada em espera, etc.

- Serviço de mensagens curtas (Short Message Service – SMS) : Controla o serviço de SMS. 2.2.1.2.1.1 – Estrutura das mensagens da camada 3

A estrutura das mensagens é definida pela Especificação GSM 04.08.

- Campo discriminador de protocolo (Protocol Discrminator – PD) : identifica o protocolo que a

mensagem da camada 3 está transportando.

- Campo identificador de transação (Transaction Identifier – TI) : usado para determinar

múltiplas conexões ou transações que ocorrem ao mesmo tempo. Define se a mensagem é de gerenciamento de rádio (RR), ou de mobilidade, seja sem a tecnologia GPRS (MM) ou para o serviço GPRS.

- Campo tipo de mensagem (Message Type) : identifica o tipo da mensagem, RR, MM ou CM,

como estudado anteriormente.

- Campo outros elementos de informação (other Information Elementes – IE) : pode indicar o tipo de elemento de informação, o comprimento e um valor, se necessário. Abaixo estão descritos os tipos de elemento de informação. 2.2.1.2.2 – Camada 2 (camada de enlace)

O

protocolo da camada 2 da interface aérea usa procedimentos de acesso ao enlace do canal

D

modificado (Link Access Procedures on Dm-channel – LAPDm) para prover sinalização entre

entidades da camada 3. Todos os canais de controle utilizam o LPDm, exceto o canal RACH.

para prover sinalização entre entidades da camada 3. Todos os canais de controle utilizam o LPDm,

Esse protocolo é totalmente baseado no protocolo LAPD, da Rede Digital de Serviços

Integrados (RDSI), incluído na interface Abis. O LAPDm tem como principais funções :

- Prover conexões de enlace no canal Dm. Essas conexões são identificadas pelo identificador de conexão do enlace de dados (Data Link Connection Identifier – DLCI);

- Organizar as informações vindas da camada 3 nos quadros;

- Reconhecer e transmitir os quadros, controlando a seqüência;

- Detectar os erros operacionais no enlace de dados.

2.2.1.2.2.1 – identificador de conexão do enlace de dados (DLCI)

O DLCI é formado pelo identificador do ponto de acesso ao serviço (Service Access Point

Identifier – SAPI) e pelo tipo de canal de controle.

O SAPI é transportado no campo de endereço de cada quadro, e é definido na camada 3. A

camada 1 indica o tipo de canal em que a mensagem foi recebida. Combinando essas duas informações, a camada 2 define a qual a camada de enlace de dados deve ser entregue a mensagem.

O SAPI pode assumir apenas dois valores : 0 ou 3.

SAPI=0 :

- Controle de chamada (CC);

- Gerenciamento de mobilidade (MM);

- Serviços suplementares (SS);

- Gerenciamento de recursos de rádio (RR).

SAPI=3

- Serviço de mensagens curtas (SMS)

2.2.1.2.3 – Camada 1 (camada física)

Representa o enlace físico entre MS e BTS, responsável por estabelecer, liberar e controlar as conexões. As principais funções são :

- Controle de potência;

- Definição dos canais físicos dedicados, ou seja, exclusivos;

- Monitoramento da qualidade do sinal durante as chamadas;

- Sintonização das freqüências;

- Sincronização dos quadros TDMA;

- Frequency hopping, processo no qual a freqüência é reajustada para outro valor;

- Criptografia;

- Associação entre canais lógicos e físicos;

- Codificação para detecção e correção de erros;

- Modulação. A figura abaixo mostra a representação esquemática em blocos da camada 1.

Note que durante a transmissão pela interface aérea é muito exposta. Perder bits no processo

Note que durante a transmissão pela interface aérea é muito exposta. Perder bits no processo de transmissão seria então algo muito comum, e isso inviabilizaria o sistema GSM. No entanto, alguns processos foram criados de forma a detectar e corrigir essas perdas. Dois processos são os maiores responsáveis pela robustez da interface aérea GSM : a codificação convolucional e o interleaving.

A codificação convolucional é um método que duplica o número de bits, a fim de se evitar a

perda de bits simples.

O interleaving é um processo semelhante à transposição de mensagens, em criptografia. Com

uma mensagem seminterleaving, ao se perder uma faixa de dados (processo chamado desvanecimento ou fading), fica difícil remontar a mensagem, pois a faixa de bits seria consecutiva. Com o interlaving a mensagem só é enviada após a transposição. Assim, se acontecer o desvanecimento, quando o processo inverso à transposição for executado, os bits

perdidos não serão consecutivos, facilitando a correção da mensagem. A figura abaixo ilustra

o interleaving.

Existe ainda outra técnica que aumenta a eficiência do interleaving e da codificação : o

Existe ainda outra técnica que aumenta a eficiência do interleaving e da codificação : o salto em freqüência (Frequency Hopping - FH). O FH consiste na mudança da freqüência usada. A MS transmite o ITC em um quadro TDMA, numa freqüência fixa, e no próximo quadro, envia o ITC em outra freqüência. A variação da freqüência segue um algoritmo. O salto em freqüência ocorre, então, no intervalo de tempo entre um ITC e outro.

2.2.1.2.1.3.1 – Modulação GMSK A modulação GMSK, a mais usada no sistema GSM, é derivada

2.2.1.2.1.3.1 – Modulação GMSK

A modulação GMSK, a mais usada no sistema GSM, é derivada da modulação MSK. A MSK

consiste basicamente em variar a fase do sinal de acordo com o próximo bit da seqüência : se for 1, varia +90º, se for 0, varia -90º.

A figura abaixo mostra a seqüência 111010000 transmitida na modulação MSK.

A GMSK suaviza o sinal MSK através de um filtro de pré-modulação gaussiano. Cada bit

implica na variação da freqüência do sinal, em +67,708 kHz (bit=1) ou -67,708 kHz (bit=0). A sequência 1110000 após a modulação GMSK está mostrada na figura abaixo, no diagrama I/Q.

2.2.2 – Interface Abis A interface Abis é responsável por interconectar BTS e BSC. Deve

2.2.2 – Interface Abis

A interface Abis é responsável por interconectar BTS e BSC. Deve possibilitar o uso de BTSs e

BSCs de diferentes fabricantes, lembrando que cada BSC controla várias BTSs. É definida como um enlace digital terrestre de 2,048 Mbits/s, com as seguintes características padronizados :

- Parâmetros físicos e elétricos;

- Estruturas dos canais;

- Processos de transferência de sinalização, configuração e controle;

- Informações sobre operação e manutenção.

É importante saber que a TS é formada por dois componentes físicos, o TRX (Transceiver) e

BCF (Base Control Function, função de controle da BTS). O primeiro consiste em um quadro TDMA de uma portadora de RF, enquanto o segundo controla funções internas da BTS como os saltos em freqüência, a alocação de canais físico e lógico, etc.

A interface Abis pode suportar três configurações internas das BTS distintas, conforme figura

abaixo :

- Um TRX;

- Um conjunto de TRX, todas servidas pela mesma conexão;

- Um conjunto de TRX, cada TRX com sua própria conexão física.

A interface Abis é formada por um canal de tráfego (8, 16 ou 64 kbits/s), para transportar voz ou

dados em um canal de RF, e um canal de sinalização (16, 32 ou 64 kbits/s), para transportar a

sinalização entre BSC-MS e BSC-BTS.

2.2.2.1

– Canais lógicos do enlace de sinalização

Os enlaces de sinalização transportam informação entre BTS e BSC, de/para os componentes TRX e BCF (ver figura anterior). O endereçamento desses componentes é feito pelo identificador de terminal (Terminal Endpoint Identifier – TEI), para separar informações entre TRXe BCF, como mostrado na figura abaixo.

entre TRXe BCF, como mostrado na figura abaixo. - Enlace de sinalização de RF ( Radio

- Enlace de sinalização de RF (Radio Signaling Link – RSL) : suporta os procedimentos de gerenciamento de tráfego, entre a MS e a rede. É único por TRX;

- Enlace de operação e manutenção (Operations and Maintence Link – OML) : suporta o

gerenciamento de rede, sendo único por TRX e BCF;

- Enlace de gerenciamento da camada 2 (Layer 2 Management Link – L2ML) : usado para o gerenciamento da camada 2, também único por TRX e BCF.

2.2.2.2 – Modelo de sinalização

Formado por três camadas, referentes ao modelo OSI :

- Camada 3 : gera as mensagens de sinalização;

- Camada 2 - LAPD : garante as informações transmitidas, detectando e corrigindo erros, executando o alinhamento do enlace, etc;

- Camada 1 : prove um meio de transmissão entre BSC e BTS.

A figura abaixo mostra o modelo de sinalização. Algumas mensagens passam da MS para a

BSC sem que a BTS realize algum tipo de processamento. Essas mensagens, como CM e MM,

são ditas transparentes. Um flag de transparência indica se a mensagem é ou não transparente (T-flag). A figura abaixo mostra esquematicamente o modelo de sinalização da camada 3 da interface Abis.

o modelo de sinalização da camada 3 da interface Abis. 2.2.2.3 – Camada 3 (camada de

2.2.2.3 – Camada 3 (camada de rede)

Os procedimentos da camada 3 geram as mensagens de sinalização entre BSC e BTS. São eles :

- Procedimentos de gerenciamento de tráfego : geram mensagens de sinalização sobre o

tráfego de dados ou voz. Essas mensagens podem ser transparentes (no caso da BTS não

alterar o campo da mensagem enviado pela MS) ou não transparente (campo formado entre a BTS e a BSC, resultado de alguma operação na BTS de uma informação vinda da MS);

- Procedimentos de gerenciamento de rede : geram mensagens para gerenciar a rede;

- Procedimentos de gerenciamento da camada 2 : geram mensagens para gerenciar a camada

de enlace de dados (LAPD);

- Distribuição do canal no enlace de sinalização : distribui as mensagens para o canal físico correto, de acordo com o identificador de enlace.

2.2.2.3.1 – Formato da mensagem na camada 3 O quadro da interface Abis é formado

2.2.2.3.1 – Formato da mensagem na camada 3

O quadro da interface Abis é formado pelos seguintes campos :

- Discriminador de mensagem : indica a transparência ou não da mensagem, bem como o seu

tipo. Define se a mensagem é de gerenciamento de recursos de rádio, de canais dedicados, de

canal comum ou de TRX.

- Tipo de mensagem : indica a função da mensagem enviada. A tabela abaixo mostra os tipos de mensagem;

- Elementos de Informação (Information Elements – IE) : informa outros parâmetros quando

necessário, sendo assim de comprimento variável. Um campo chamado Identificador de Elemento de Informação (IEI), que vem no início do campo IE, indica que tipo de elemento de informação está sendo passado. 2.2.2.4 – Camada 2 (LAPD)

A camada 2 da interface Abis deve garantir a integridade das informações de sinalização

transmitidas pelo canal D. Utiliza o protocolo LAPD, formado por procedimentos de camada de

enlace de dados, que se baseiam no protocolo de enlace de dados de alto nível (High level Data Link Control – HDLC) padronizado pela norma ISO3309. Os procedimentos adotados pela camada 2 são :

- Sinalização, inclusive as relativas ao serviço SMS;

- Operação e manutenção;

- Gerenciamento da camada 2.

Suas principais funções são :

- Supervisionar enlaces ininterruptamente, mesmo sem tráfego de mensagens;

- Prover enlaces dedicados;

- prover enlaces transparentes;

- Manter o enlace ativo quando não há mensagens de sinalização, incluindo informações de

preenchimento;

- Controlar a seqüência de mensagens;

- Controlar erros, inclusive os não recuperáveis por retransmissão da mensagem. 2.2.2.4.1 – Formato da mensagem da camada 2

A estrutura da mensagem da camada está representada abaixo.

A estrutura da mensagem da camada está representada abaixo. - Flag : sempre fixo em 01111110,

- Flag : sempre fixo em 01111110, é usado para delinear as mensagens;

- Campo de endereço (address field) : indica o receptor de um quadro de comando, e o

transmissor da resposta;

- Campo de controle (control field) : indica o tipo de quadro transmitido, podendo ser quadro de informação, quadro de supervisão ou quadro não numerado. O primeiro transmite informações de forma seqüenciada, através de números de seqüência em cada mensagem; o segundo controla a transmissão do primeiro tipo, levando o número desequencia dos quadros de resposta; o terceiro prove outras funções adicionais aos enlaces, que não necessitem de uma seqüência.

- Campo de informação (information) : transporta a mensagem de sinalização gerada pela

camada 3.

- Seqüência de verificação de quadro (Frame Check Sequence – FCS) : verifica os campos de endereço, de controle e de informação, a fim de detectar e corrigir erros. 2.2.2.5 – Camada 1

A camada 1 da interface Abis usa o enlace digital modulado por PCM (Pulse Code Modulation)

à 2.048 kbits/s, com uma estrutura de quadros de 32 canais. O intervalo de tempo de cada

canal (ITC) é de 64 kbits/s, como mostra a figura.

2.2.3 – Interface A A interface A conecta a BSC à MSC. Deve permitir a

2.2.3 – Interface A

A interface A conecta a BSC à MSC. Deve permitir a integração de BSCs e MSCs de diferentes

fabricantes, sendo uma MSC ligada a várias BSCs. É implementada em um enlace PCM de 2.048 kbits/s.

A camada 3 oferece procedimentos adicionais para controlar recursos de RF, que utilizam o

nível 4 da Sinalização por Canal Comum Número 7 (SCC#7, ver tópico “Protocolos GSM”). É

usado, nesse nível, o subsistema de controle de conexão de sinalização (Signaling Connection Control Part – SCCP) para transportar mensagens.

A camada 2 é baseada nos níveis 2 e 3 da SCC#7 (ver “protocolos GSM”), usando o

subsistema de transferência de mensagens (Message Transfer Part - MTP).

A camada 1 tem a mesma padronização do nível 1 do MTP.

As funções da interface A são:

- Gerenciar o circuitos;

- Gerenciar o BSS, alocando, liberando e controlando os canais de RF;

- Gerenciar a mobilidade, localizando o assinante, executando o handover, etc;

- Controlar as chamadas;

- Oferecer os serviços suplementares, como chamada em espera, transferência de chamadas, etc.

O modelo de sinalização da interface A está representado abaixo.

O subsistema de aplicação do sistema de estação base ( Base Station System Application Part

O subsistema de aplicação do sistema de estação base (Base Station System Application

Part – BSSAP) é uma aplicação do SCCP usado para transferir mensagens da camada 3 relacionadas a transação de dados. É dividido em duas aplicações, o subsistema de

gerenciamento de aplicações do BSS (BSS Management Application Part – BSSMAP) e subsistema de transferência direta de aplicações (Direct Transfer Application Part - DTAP).

O BSSAP realiza os seguintes procedimentos :

- Mensagem inicial da MS;

- Atualização da classe de potência;

- Busca da MS;

- Desconexão;

- Controle de fluxo;

- Indicação de recursos;

- Indicação, alocação e execução do handover;

- Controle do modo de criptografia;

- Bloqueio de circuitos;

- Alocação de canais.

A aplicação DTAP transfere mensagens direto da MSC para a MS. A BSS, portanto, não

interpreta essas mensagens (são ditas transparentes). São mensagens de controle de chamadas (CC) e gerenciamento de mobilidade (MM).

A aplicação BSSMAP transfere mensagens da MSC para a BSS que precisam de interpretação

da SS.

2.2.3.1 –Camada 3

O formato das mensagens depende da aplicação que processa a informação, como mostrado

na figura abaixo.

2.2.3.1.1 – Formato das mensagens BSSMAP

A figura abaixo mostra o formato dessa mensagem .

BSSMAP A figura abaixo mostra o formato dessa mensagem . - Campo de discriminação ( discrimination

- Campo de discriminação (discrimination) : Um octeto de valor 0, indicando que as mensagens não são transparentes;

- Campo indicador de comprimento (LI) : Indica o tamanho do campo elemento de informação

(IE), medido em octetos;

- Campo elemento de informação (Information Elements – IE) : formado por dois campos, onde

o primeiro indica o tipo de mensagem (Message Type), e o segundo é a própria mensagem (Message Contents).

2.2.3.1.2 – Formato das mensagens DTAP

Os campos das mensagens DTAP são :

- Campo de discriminação (discrimination) : Um octeto de valor 1, indica que a mensagem é

transparente;

- Campo identificador de conexão do enlace de dados (Data Link Connection Identifier – DLCI) :

um octeto que indica o tipo de conexão de enlace de dados a ser usado na interface de RF.

- Campo indicador de comprimento (Lenght Indicator – LI) : Um octeto que indica o

comprimento do campo elemento de informação (Information Element), medido em octetos;

- L3 Message : mensagens de sinalização CM, MM ou SMS (ver “Protocolos da interface aérea”)

2.2.3.1.2 – Formato das mensagens SCCP

O SCCP provê conexão à aplicação BSSAP, orientada ou não à conexão.

No serviço orientado à conexão, em um primeiro momento a conexão é alocada, entre origem e destino (representado por “a” na figura), para que os dados possam ser transmitidos. Logo após a transmissão terminar, é feita a desconexão (“b”).

No serviço não orientado à conexão, o pacote leva o endereço completo do destino.

O formato das mensagens SCCP está descrito abaixo :

O formato das mensagens SCCP está descrito abaixo : - Endereço do roteamento do subsistema MTP

- Endereço do roteamento do subsistema MTP (MTP routing label) : carrega informações

necessárias ao roteamento das mensagens pelo subsistema MTP. É formada pelos campos SIO e SIF, que contém informações sobre o serviço e sobre os locais de origem e destino,

respectivamente;

- Parte fixa obrigatória (Mandatory fixed part) : é um campo obrigatório, relacionado a cada tipo

de mensagem particular. Constituído por vários parâmetros, cada parâmetro tem um nome, representado por um octeto, e o conteúdo, de comprimento fixo;

- Parte variável obrigatória (Mandatory variable part) : análogo à parte fixa obrigatória, com a diferença que o conteúdo tem comprimento variável;

- Parte opcional (Optional part) : indica parâmetros para certos tipos de mensagens. Essa parte

é opcional, pois nem todos os tipos de mensagem exigem-na. Consiste no nome do parâmetro opcional, o comprimento dele e o próprio conteúdo do parâmetro;

- Campo código do tipo de mensagem (Message type code) : um octeto que define a função e o formato década origem. 2.2.3.2 – Camada 2 Formada pelas camadas 2 e 3 do subsistema MTP.

A figura abaixo ilustra a interface A, destacando a camada 2.

Camada 2 da interface A. As funções do MTP são divididas em : - MTP

Camada 2 da interface A. As funções do MTP são divididas em :

- MTP nível 1 : enlace de dados de sinalização;

- MTP nível 2 : enlace de sinalização;

- MTP nível 3 : rede de sinalização.

Através do nível 3 do MTP, a interface A:

- Trata as mensagens de sinalização : para uma transferência de mensagens, endereçam a

mensagem ao enlace de sinalização;

- Gerencia a rede de sinalização : tendo uma base de dados preestabelecidos e informações sobre o estado da rede, controla o caminho das mensagens e a configuração da rede. Caso haja mudança no estado da rede, também reconfigura o que for necessário. Através do nível 2 do MTP, a interface A:

- Delimita as mensagens;

- Detecta e corrige erros;

- Executa o alinhamento inicial das mensagens;

- Supervisiona erros no enlace de sinalização;

- Controla o estado do enlace;

- Controla o fluxo de informação. 2.2.3.3 – Camada 1

É formada pelo nível 1 do MTP que define as características físicas e funcionais do enlace de

dados de sinalização e o meio pelo qual pode-se acessá-lo.

A função do nível 1 do MTP é permitir o acesso ao enlace de dados de sinalização. É composto

por canais de transmissão, que carregam informações, e blocos de comutação digital, que fazem a interface com o nível 2. 2.3 – Protocolos GSM O sistema GSM utiliza a idéia de camadas de protocolos, no qual um processo é tratado por uma seqüência de protocolos, cada um em um nível hierárquico. A figura abaixo ilustra os protocolos do modelo de sinalização da rede GSM.

os protocolos do modelo de sinalização da rede GSM. 2.3.1 – Sinalização por canal comum número

2.3.1 – Sinalização por canal comum número 7 (SCC#7) Com a evolução tecnológica dos sistemas de telefonia, as redes telefônicas passaram a implementar processamento distribuído, usando as centrais controladas por programa armazenado (CPA), e meios digitais de transmissão. Esse processamento exigiu sinalização de maior eficiência, que pudesse ampliar a comunicação entre os nós e acrescentar novos serviços, como integrar às outras redes, principalmente a Rede Digital de Serviços Integrados (RDSI) e à rede telefônica pública. Surgiu a técnica, então, de se criar um novo canal exclusivo para a sinalização, para executar processos de sinalização em um canal, e de transmissão de voz e dados por outro canal. Esse canal de sinalização é chamado número 7, e é padronizado internacionalmente de forma que:

- Otimize operações em redes digitais, suportando aplicações com diversas outras redes (RDSI, redes de bancos de dados, etc);

- Satisfaça as necessidades atuais e futuras de transferência de informação ligadas à sinalização de vários processos;

- Seja robusto, protegido de distúrbios de transmissão e falhas na rede.

Com a criação desse canal, a rede foi dividida em duas redes :

- Rede de sinalização, para toda a movimentação de sinalização, necessária para implementar as conexões;

- Rede de conexão de circuitos, para transportar dados e voz. A figura abaixo esquematiza essas redes:

dados e voz. A figura abaixo esquematiza essas redes: A fim de se obter um sistema

A fim de se obter um sistema flexível, o sistema de sinalização por canal foi dividido em dois subsistemas : o subsistema de transferência de mensagem (Message Transfer Part – MTP) e o subsistema de usuários (User Part – UP). 2.3.1.1 – MTP

O MTP tem a função de estabelecer um caminho de comunicação de sinalização que

interligasse os diversos subsistemas de usuários que necessitam de sinalizações uns dos outros. É, portanto, comum a todos os subsistemas de usuários.

O MTP é dividida em três níveis :

- Nível 1 : Camada física, responsável pela padronização das características físicas e

funcionais do enlace de dados de sinalização, e o meio para acessá-lo. O meio de transmissão digital tem taxa de transmissão de 64 kbits/s;

- Nível 2 : Camada de enlace, que garante a integridade do enlace usado na comunicação.

Corrige e detecta erros, delimita as mensagens, controla a seqüência das mensagens enviadas, entre outros;

- Nível 3 : Camada de rede, que trata as mensagens de sinalização, encaminhando-as para o

destino certo, e gerencia a rede, garantindo que os caminhos possam ser traçados da origem ao destino.

2.3.1.2 – UP (nível 4)

Define funções específicas para cada tipo de usuário, como telefonia, dados, RDSI, ou outros. Cada tipo de usuário tem suas particularidades, tendo que ser tratado por protocolos diferentes ao integrarem-se à rede. Abaixo a figura ilustra os subsistemas de usuários.

- Subsistema de usuário para a rede digital de serviços (Integrated Service Digital Network User Part – ISUP) : Integra a rede RDSI à rede GSM;

- Subsistema de aplicação do sistema de estação base (Base Station System Application Part – BSSAP) : conecta a BSS à MSC;

- Subsistema de aplicação da capacitação de transações (Transaction Cpabilities Application Part – TCAP) : oferece serviços não orientados à conexão;

- Subsistema de controle de conexão de sinalização (Signaling Connection Control Part

SCCP) : fornece funções adicionais ao MTP para serviços orientados ou não à conexão (veja o

tópico “Camada 3 “ da interface A).

2.3.2 – Protocolo de gerenciamento da estação transceptora base (Base Transceiver

Station Management – BTSM) Responsável pelo tratamento de mensagens de recursos de rádio (Radio Resources – RR), que podem ser transparentes à BTS.

2.3.3 – Procedimentos de acesso a enlaces no canal D (LAPD)

O procedimento de acesso a enlaces no canal D (Link Access Procedures on the D-channel

LAPD) é o protocolo usado na camada 2 para transportar mensagens Abis. É usado na rede

RDSI. Mais detalhes no tópico “Interface Abis”.

2.3.4 – Procedimentos de acesso a enlaces no canal D modificado (LAPDm)

O LAPDm (Link Access Procedures on the D-channel modified) é usado para transportar

mensagens da interface aérea. É uma variação do LAPD adaptada para transportar sinais de

RF pelos canais da interface aérea (Um).

3 – Tecnologia GPRS Com a evolução da internet, os usuários de telefones móveis não ficariam satisfeitos apenas com a telefonia celular. Querem também passar e-mails, receber informações, e outros serviços oferecidos pela internet. Querem, em suma, acessar a internet através do celular.

O problema é que a segunda geração de celulares preparou-se para oferecer telefonia digital,

mas não para acessar à internet. A internet transporta dados por pacotes, através do protocolo

IP e para que a rede móvel seja adaptada à internet, é preciso que os dados sejam

organizados também em pacotes. Foi criada então a tecnologia GPRS (General Packet Radio Services), cuja essência é possibilitar o tráfego de dados por pacotes para que a rede de telefonia celular possa ser

integrada à internet. O sistema GSM com o GPRS integrado recebeu o nome de geração 2.5G, que foi uma evolução essencial nas telecomuniucações.

3.1 – Comutação de circuitos X comutação de pacotes A comunicação através de comutação de

3.1 – Comutação de circuitos X comutação de pacotes

A comunicação através de comutação de circuitos é feita basicamente da seguinte forma : uma

conexão entre as duas entidades comunicantes é alocada, de forma a estar sempre disponível;

a comunicação é feita, então, de forma ininterrupta.

A comunicação por comutação de pacotes é diferente : a origem envia uma informação para a

rede dentro de um pacote, que leva o endereço de destino no seu cabeçalho. O pacote é então

transmitido pela rede, que é responsável por escolher o melhor caminho até o destino.

A internet é baseada na comutação de pacotes, enquanto o sistema GSM foi inicialmente

estruturado na forma de comutação de circuitos. A rede GPRS tem o objetivo de se comunicar por comutação de pacotes com a rede GSM. Os outros componentes da rede GSM, implementados na geração 2G, continuaram utilizando a comutação de circuitos.

A figura abaixo representa a comutação de circuitos e de pacotes na rede GSM:

3.2 – Arquitetura GPRS A arquitetura GPRS utiliza toda a estrutura já montada na rede

3.2 – Arquitetura GPRS A arquitetura GPRS utiliza toda a estrutura já montada na rede GSM, incluindo-se novos elementos de rede e interfaces, além de modificar alguns já existentes, como mostra a figura a seguir.

novos elementos de rede e interfaces, além de modificar alguns já existentes, como mostra a figura

As principais modificações foram :

- MS : as MSs da geração 2G não conseguem acessar o sistema de comutação por pacotes.

As novas MSs são totalmente compatíveis com o sistema de comutação de circuitos;

- BTS : Atualização de software nas BTSs existentes;

- BSC : Atualização de software e instalação de hardware novo, chamado PCU (Packet Control

Unit – unidade de controle de pacote), que direciona o tráfego de dados para a rede GPRS;

- SGSN e GGSN : novos elementos de rede, chamados servidor do nó de suporte GPRS

(Serving GPRS Support Node – SGSN) e Gateway do nó de suporte GPRS (Gateway GPRS Support Node - GGSN);

- VLR, HLR, AuC, EIR e demais bases de dados : atualização do software que forneça as funções do GPRS. 3.2.1 – Novos elementos e serviços

3.2.1.1 – Unidade de controle de pacote (Packet Control Unit - PCU)

Todos os BSCs exigem a instalação de um PCU para se integrarem à rede GPRS. Os PCUs organizam os dados vindos da BSC em pacotes e transportam-no até o servidor do nó de

suporte GPRS (SGSN). O tráfego de voz continua sendo tratado como na geração 2G, ou seja, do BSS até a MSC.

3.2.1.2 – Servidor do nó de suporte GPRS (Serving GPRS Support Node – SGSN)

Tal como a MSC era o coração de uma rede GSM, o SGSN é o coração da rede GPRS. Em

última análise, o advento do GPRS dividiu o tráfego de voz e dados (que era junto, no sistema GSM) em tráfego de voz, que continua sendo tratado como antes, e tráfego de dados, tratado pela nova arquitetura GPRS. As funções do SGSN são :

- Detecção de novos usuários GPRS na área de serviço;

- Registros de novos usuários;

- Criptografia, com os mesmo algoritmos da rede GSM 2G;

- Manutenção dos registros de localização dos usuários na área de serviço;

- gerenciamento de mobilidade;

- Compressão dos dados de acordo com a RFC 1144, para comprimir o cabeçalho das unidades de dados TCP/IP;

- Tarifação das transações na rede local;

- Comunicação com o HLR, para obter dados dos usuários GPRS (da mesma forma que a MSC, na geração 2G).

3.2.1.3 – Gateway do nó de suporte GPRS (Gateway GPRS Support Node – GGSN)

Provê a conexão com as redes de pacotes externas. As principais funções são :

- Manter informações de roteamento para entregar as unidades de protocolo de dados

(Protocol Data Unit – PDU) ao SGSN que serve uma determinada MS;

- Associar endereços de rede aos assinantes, o que é feito através do protocolo DHCP

(Dynamic Host Configuration Protocol – protocolo de configuração dinâmica de host);

- Tarifar as transações feitas na rede externa.

Quando um usuário tenta acessar a rede, o servidor DHCP aloca um IP por um intervalo de tempo determinado, o que é chamado atribuição dinâmica de endereço IP. 3.2.1.4 – Serviço “Nome do ponto de acesso” (Access Point Name - APN) Basicamente, APNs são endereços IP associados a cada interface externa que conecta a rede ao GGSN. São usados para definir quais serviço podem ser acessados por um certo usuário.

Consiste de:

- Identificador de rede APN (Network ID) : identifica o GGSN e o nó externo ou serviço ao qual o usuário deseja se conectar; - Identificador da operadora APN (Operator ID) : campo opcional que identifica em qual rede backbone GPRS o GGSN está localizado. Inclui o código da rede móvel (Mobile Network Code – MNC) e o código móvel do país (Mobile Country Code – MCC), derivados do IMSI (ver tópico “Identidades de um usuário em um sistema GSM”).

3.2.2 – Interfaces

As interfaces do sistema GPRS estão esquematizadas na figura que mostra a arquitetura GPRS, e descritas na tabela abaixo.

3.2.3 – Redes backbone GPRS

As redes backbone GPRS transportam dados por pacotes entre os elementos GPRS. Uma rede backbone intra-PLMN transporta dados entre elementos de uma mesma PLMN, enquanto as redes inter-PLMN transportam pacotes entre PLMNs distintas. Sua principal utilidade é eliminar a necessidade de usar alguma PDN para realizar a comunicação entre elementos de uma PLMN (intra PLMN) ou entre PLMNs distintas (inter PLMN).

alguma PDN para realizar a comunicação entre elementos de uma PLMN (intra PLMN) ou entre PLMNs

3.2.4 – Protocolos Abaixo serão descritos, de forma simplificada, os protocolos principais da rede GPRS. É importante lembrar que, no nível de rede, a rede GPRS usa os protocolos da internet, TCP, UDP, IP, PPP, entre outros de interface com o computador. Abaixo a figura ilustra as camadas de protocolos na rede GPRS.

a figura ilustra as camadas de protocolos na rede GPRS. 3.2.4.1 – Camada SNDCP O protocolo

3.2.4.1 – Camada SNDCP O protocolo de convergência dependente da sub-rede (SubNetwork Dependent Convergence Protocol – SNDCP) é responsável por interfacear MS e SGSN, e visa o suporte aos protocolos de dados por pacotes. Recebe o N-PDU vindo da camada de rede, e transforma em SN-PDU, para passá-lo ao protocolo LLC. Nas figuras abaixo estão descritos os formatos da unidade SN-PDU.

3.2.4.2 – Camada LLC O protocolo de controle de enlace lógico ( Logical Link Control

3.2.4.2 – Camada LLC

O

protocolo de controle de enlace lógico (Logical Link Control – LLC) opera na interfaces aérea

e

Gb, para prover o enlace entre MS e SGSN. Suas funções são :

-

Encapsular dados da camada SNDCP em unidades tratadas pelo LLC;

-

Entregar os dados da camada RLC à SNDCP na ordem certa;

-

Criptografar;

-

Controlar o fluxo de dados e a seqüência de pacotes;

-

Detectar e corrigir erros.

3.2.4.3 – Camadas RLC/MAC

A camada de protocolo de controle de rádio (Radio Link Control – RLC) segmenta os quadros

LLC em blocos RLC, associando um número de seqüência por bloco (Block Sequence

Number – BSN).

A camada de protocolo de acesso ao meio (Medium Access Control – MAC) trata os diferentes

canais lógicos a serem compartilhados por várias MSs. Sua principal função é definir como deve ser feito o acesso ao meio, o que corresponde à função da camada de enlace do modelo OSI. Provê também mecanismos que evitam colisões de dados por pacotes no enlace reverso,

o que acontece quando várias MSs enviam pacotes para uma mesma BTS. 3.2.5 – Canais lógicos

O canal físico dedicado ao serviço GPRS, portanto, destinado ao transporte de dados por

pacotes, é o canal de dados por pacotes (Packet Data CHannel – PDCH). Os canais lógicos são divididos em três grupos :

- Canais de controle comum de pacote (Packet Common Control CHannel – PCCCH);

- Canais de tráfego de pacote (Packet Traffic CHannel –PTCH);

- Canais dedicados de controle de pacote (Packet Dedicated Control CHannels – PDCCH). A figura abaixo ilustra os canais lógicos da arquitetura GPRS.

abaixo ilustra os canais lógicos da arquitetura GPRS. Grupo de canais de controle comum de pacote

Grupo de canais de controle comum de pacote (Packet Common Control CHannel

PCCCH) : formado por canais lógicos de sinalização, usados por todos os usuários, e não de forma dedicada. Os canais são :

- Canal de acesso randômico de pacote (Packet Random Access CHannel – PRACH) : atua no enlace reverso para que a MS sinalize o início do envio da informação;

- Canal de busca de pacote (Packet Paging CHannel – PPCH) : atua no enlace direto, para buscar uma MS e pedir dela um pacote;

- Canal de permissão de acesso de pacote (Packet Access Grant CHannel – PAGCH) : atua no enlace direto, para estabelecer a transferência de um pacote para a MS;

- Canal de notificação do pacote (Packet Notification CHannel – PNCH) : atua no enlace direto, para enviar uma informação em multicast para um conjunto de MSs;

- Canal de controle broadcast de pacote (Packet Broadcast Control CHannel – PBCCH) : atua

no enlace direto, para enviar em broadcast informações específicas sobre o sistema. Grupo de canais de tráfego de pacotes (Packet Traffic CHannel – PTCH) : formado por canais de tráfego. O canal de tráfego é chamado canal de tráfego de dados por pacote (Packet Data Traffic CHannel – PDTCH), que é dividido em dois canais unidirecionais, o PDTCH/U (Uplink), que envia pacotes no enlace reverso, e o PDTCH/D (Downlink), que envia pacotes no enlace direto. Grupo de canais dedicados de controle de pacotes (Packet Dedicated Control CHannels – PDCCH) : formado por canais lógicos que transportam informação de sinalização para uma MS específica. Os canais são :

- Canal associado de controle de pacote (Packet Associated Control CHannel – PACCH) : leva

informação de sinalização relacionada a uma determinada MS, como controle de potência, por exemplo;

- Canal de controle de avanço de tempo de pacote do enlace reverso (Packet Timing advance

Control CHannel/Uplink – PTCCH/U) : canal do enlace reverso, usado para estimar o avanço

de tempo de uma MS específica, para transferência de pacotes. Esse avanço varia com a variação da distância da MS à BTS;

- Canal de controle de avanço de tempo de pacote do enlace direto (Packet Timing advance

Control CHannel/Downlink – PTCCH/D) : leva informações sobre avanço de tempo, da BTS para várias MSs. Cada PTCCHD/D está, portanto, relacionado a vários PTCCH/Us. Note que alguns canais lógicos GPRS possuem a mesma funções de outros canais da rede GSM, mas adaptados para a transferência de dados por pacotes. A seguir, alguns canais GPRS e os GSM correspondentes: PRACH e RACH, PPCH e PCH, PAGCH e AGCH, PNCH e NCH, PBCCH e BCCH. Dependendo da configuração da rede, os canais de controle GPRS podem ser substituídos pelo seu equivalente GSM. 3.2.5.1 – Mapeamento dos canais lógicos nos canais físicos Os canais lógicos PDCH são implementados no canal físico através da estrutura de multiquadro, de 52 quadros. A estrutura de um multiquadro está representada abaixo, onde os blocos de rádio carregam o canal lógico. A operadora pode especificar quais canais lógicos serão transportados em cada bloco.

de rádio carregam o canal lógico. A operadora pode especificar quais canais lógicos serão transportados em

4 – Tecnologia EDGE

A tecnologia EDGE (Enhanced Data Rates for GSM Evolution) caracteriza a geração 2.75G,

posterior à 2G ou à 2.5G.

Sua principal função é aumentar a eficiência do sistema GPRS, motivo pelo qual também é conhecida como GPRS Melhorado (Enhanced General Packet Radio Services – EGPRS). As principais diferenças em relação à rede GPRS são :

- Protocolos de acesso à interface Um com novas facilidades;

- Modulação 8-PSK (8-state Phase Shift Keying);

- Novos procedimentos de codificação de canal.

4.1 – Arquitetura EDGE

A rede EDGE é idêntica à GPRS, exceto pela interface aérea. Apenas a MS e a BTS sofrem

mudanças com o sistema EDGE, portanto. Essas mudanças visam suportar, principalmente, a modulação 8-PSK e os novos tipos de codificação.

A interface aérea EDGE suporta as interfaces GSM e GPRS.

4.2 – Modulação 8-PSK

A tecnologia EDGE utiliza as modulações GMSK, parte da GSM, e 8-PSK. A última é um novo

esquema de modulação que usa 8 símbolos, definidos por 3 bits. A GMSK utiliza 1 bit, podendo

gerar 2 símbolos diferentes.

A importância dessa modulação é transmitir dados três vezes mais rápido que na GMSK, que

transmitia a 270,833 kbits/s. A 8-PSK transmite, portanto, a 812,45 kbits/s.

4.3 – Codificação do canal

O sistema EDGE utiliza nove esquemas de codificação do canal de voz. Cinco deles usam a

modulação 8-PSK e os outros, a modulação GMSK. Os diferentes modos de se codificar os canais são, a verdade, otimizações visando a diminuição de erros e o aumento da taxa de transmissão de dados. Com esses esquemas novos, a mesma tecnologia GPRS teve seu desempenho melhorada em larga escala. A figura abaixo compara alguns parâmetros entre GPRS e EDGE.

figura abaixo compara alguns parâmetros entre GPRS e EDGE. 4.4 – Principais diferenças entre as tecnologias

4.4 – Principais diferenças entre as tecnologias GSM, GPRS e EDGE

As principais diferenças entre essas fases da segunda geração de celulares está no transporte de dados e nas taxas de transmissão requeridas por cada um. A figura abaixo compara, resumidamente, GSM, GPRS e EDGE.

5 – UMTS ( Universal Mobile Telecommunication System ) Em 1989, a União Internacional de

5 – UMTS (Universal Mobile Telecommunication System) Em 1989, a União Internacional de Telecomunicações (ITU, em inglês) divulgou através de um documento a visão para os sistemas de celulares futuros, chamados de terceira geração, 3G. Essa visão chamou-se IMT-2000 (International Mobile Telephony 2000) e, após ser divulgada, deu início a uma corrida para que fosse projetado um sistema que atingisse às suas necessidades. Um aspecto interessante do IMT-2000 é a divisão de ambientes para a operação do sistema, de forma hierárquica. A figura abaixo mostra essa divisão.

de forma hierárquica. A figura abaixo mostra essa divisão. O IMT-2000 exigiu uma nova alocação do

O IMT-2000 exigiu uma nova alocação do espectro de freqüências. No Brasil, a ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações) reservou a faixa de 1,9 GHz para os sistemas 3G.

Diversas propostas foram então desenvolvidas para atender aos requisitos do IMT-2000. As propostas UTRA (Universal Terrestrial Radio Access) e WCDMA (Wideband CDMA) foram as selecionadas, junto com a CDMA2000. As propostas UTRA e WCDMA estão unificadas na mesma especificação, chamada UMTS (Universal Mobile Telecommunications System).

O objetivo era migrar os sistemas de celulares de segunda geração para os de terceira

geração. O sistema GSM tem a evolução natural para UMTS, enquanto o sistema CDMA IS-95 evolui naturalmente para o CDMA 2000. A figura abaixo mostra a evolução histórica resumida dos sistemas de celulares.

a evolução histórica resumida dos sistemas de celulares. 5.1 – Arquitetura da rede UMTS A Arquitetura

5.1 – Arquitetura da rede UMTS

A Arquitetura UMTS é formada pelos seguintes elementos :

- Equipamento de usuário – (User Equipment – UE);

- Rede de suporte (Core Network – CN);

- Rede universal de acesso de RF terrestre (Universal Terrestrial Radio Access Network – UTRAN).

A arquitetura UMTS utiliza a mesma rede de suporte dos sistemas GPRS e EDGE, o que

consiste numa estratégia de migração muito interessante, de fácil implementação.

A principal diferença entre esses sistemas está nos protocolos e interfaces da interface aérea.

5.2 – Arquitetura UTRAN

A arquitetura UTRAN é formada por subsistemas de rede de RF (Radio Network Subsystem

RNS), conectados à rede de suporte (CN). Essa conexão é feita pela interface Iu.

Os subsistemas RNS integram os canais de RF UMTS à rede. Para implementar isso, existe a rede de suporte (CN). O subsistema RNS é formado por dois elementos :

- Controlador da rede de RF (Radio Network Controller – RNC) : responsável por gerenciar

recursos de radiofreqüência, controlar os nós B, localizar o equipamento de usuário (EU) e gerenciar a mobilidade do usuário;

- Nó B (Node B) : Conecta a interface aérea com a infra-estrutura celular. É responsável por

controlar os sinais de RF, realizar o espalhamento espectral dos códigos WCDMA, controlar os canais físicos e mapeá-los na portadora de RF. O RNC se conecta com a rede de suporte (CN) através da interface Iu, com outro RNC através da interface Iur e possivelmente com outras BSCs da rede GERAN pela interface Iur-g. A rede GERAN (GSM EDGE Radio Access Network) é a rede até a geração 2.75, que inclui, portanto, GSM, GPRS e EDGE. 5.2.1 – Interface Iu Conecta CN e UTRAN. Suas principais funções são :

- Interconectar o subsistema RNS com os pontos de acesso à rede CN dentro de uma PLMN, independente do fabricantes desses componentes;

- Suportar todos os serviços UMTS;

- Permitir o interfuncionamento com o sistema GSM.

5.2.2 – Interface Iur Permite a troca de informação de sinalização entre RNCs dentro de uma mesma UTRAN. Seus objetivos são :

- Suportar interconexões de RNCs de diferentes fabricantes;

- Separar as funcionalidades entre redes de RF e de transporte, para que novas tecnologias possam implementar mudanças nos dois aspectos de forma específica;

- Realizar o interfuncionamento entre as redes UTRAN e GERAN.

mudanças nos dois aspectos de forma específica; - Realizar o interfuncionamento entre as redes UTRAN e

Referências

- SVERZUT, J.R. - “Redes GSM, GPRS, EDGE e UMTS – Uma evolução a caminho da

terceira geração (3G)”, Ed Érica, 2005;

- M Rahnema - Overview of the GSM system and protocol architecture- Communications Magazine, IEEE, 1993 - ieeexplore.ieee.org;

generalpacket radio service- Communications Magazine, IEEE, 1997 - ieeexplore.ieee.org;

- J Cai, DJ Goodman - General packet radio service in GSM- Communications Magazine, IEEE, 1997 - ieeexplore.ieee.org;

- T Ojanpera, R Prasad – An overview of air interface multiple access for IMT-2000/UMTS- Communications Magazine, IEEE, 1998 - ieeexplore.ieee.org;

- http://images.google.com.br.