Você está na página 1de 45

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ

SECRETARIA ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO


SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

RELATÓRIO TÉCNICO DE DESMATAMENTO NO ESTADO DO


AMAPÁ REFERENTE AO PERÍODO DE 2007 A 2008.

MACAPÁ
2010
RELATÓRIO TÉCNICO DE DESMATAMENTO NO ESTADO DO
AMAPÁ REFERENTE AO PERÍODO DE 2007 A 2008.
Copyright© Governo do Estado do Amapá. Secretaria de Estado do Meio Ambiente

Pedro Paulo Dias de Carvalho


Governador do Estado do Amapá
Benedito Dias de Carvalho
Governadoria Coord. Política e Institucional do Amapá

Antonio Carlos da Silva Farias


Secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico - SEDE

Wagner José Pinheiro Costa


Secretário de Estado do Meio Ambiente - SEMA

Luiz Fernando de Freitas Freire


Coordenadora de Geoprocessamento e Tecnologia da Informação - CGTIA

Catalogação na Fonte: Comissão Técnica e Editorial da SEMA.

A479r Amapá. Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

Relatório Técnico do Desmatamento no Estado do Amapá, referente aos


anos de 2007 a 2008 / Secretaria de Estado do Meio Ambiente. – Macapá:
SEMA, 2010.

45f.: 21 X 29,7 cm

1. Desmatamento - Amapá. 2. Meio Ambiente - Amapá. 3. Política Pública


Ambiental – Amapá. I. Secretaria de Estado de Meio Ambiente - Amapá.
III. Título.

CDU (3.ed.): 504.03 (811.6)

Índice para Catálogo Sistemático


1 - Desmatamento – Amapá: 504.03 (811.6)
2 - Meio Ambiente – Amapá: 504 (811.6)
3 - Política Publica Ambiental – Amapá: 32:504 (811.6)
SUMÁRIO

ÍNDICE DE FIGURAS .............................................................................................5

ÍNDICE DE QUADROS ........................................................................................... 6

1 INTRODUÇÃO..............................................................................................7

2 METODOLOGIA .........................................................................................10

3 RESULTADOS ...........................................................................................16

3.1 Desmatamento até 2006 ........................................................................... 16

3.2 Desmatamento biênio 2007-2008 ............................................................. 17

3.2.1 Desmatamento no Sistema Viário .............................................................. 17

3.2.2 Desmatamento nos municípios .................................................................. 19

3.2.3 Desmatamento nos Projetos de Assentamentos........................................ 22

3.2.4 Desmatamento nas Unidades Conservação .............................................. 25

3.2.5 Desmatamento nas Terras Indígenas ........................................................ 27

3.2.6 Desmatamento nas Bacias Hidrográficas................................................... 28

3.2.7 Desmatamento na Floresta de Produção ................................................... 30

3.2.8 Desmatamento quanto ao Tamanho do Polígono biênio 2007-2008 ......... 32

3.2.9 Desmatamento nos Domínios Florísticos biênio 2007-2008 ..................... 33

3.3 Focos de calor............................................................................................ 35

3.3.1 Ocorrência dos focos de calor por municípios............................................ 35

3.3.2 Ocorrência de focos de calor por Domínios Florísticos .............................. 38

3.2.3 Análise espacial dos focos de calor nas estações de inverno e verão ...... 40

4. CONCLUSÕES...........................................................................................42

5. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ................................................................43

6. QUADRO DE ATIVIDADES........................................................................45
ÍNDICE DE FIGURAS

Figura 1 - Localização do estado do Amapá ------------------------------------------------------ 7


Figura 2 - Exemplo de áreas desmatadas no estado do Amapá. --------------------------- 9
Figura 3 - Configuração espacial do padrão nebuloso associado a um episódio da
ZCIT sobre o Atlântico equatorial, durante o mês de março.------------------------- 11
Figura 4 - Índice de órbita-ponto do satélite LANDSAT--------------------------------------- 12
Figura 5 - Desmatamentos validados em campo. --------------------------------------------- 15
Figura 6 - Mapa demonstrativo de áreas desmatadas em relação ao sistema viário 18
Figura 7 - Desmatamentos contidos em um buffer de 15 km em torno das vias de
acesso----------------------------------------------------------------------------------------------- 19
Figura 8 - Mapa demonstrativo de áreas desmatadas em relação aos Municípios--- 20
Figura 9 - Imagens do ano de 2006 recoberta de nuvens e do ano de 2008 sem a
presença de nuvens ----------------------------------------------------------------------------- 22
Figura 10 - Áreas desmatadas em projetos de assentamentos ---------------------------- 23
Figura 11 - Áreas desmatadas nas Unidades de Conservação --------------------------- 25
Figura 12 - Áreas desmatadas nas Terras Indígenas ----------------------------------------- 27
Figura 13 - Áreas desmatadas nas Bacias Hidrográficas ------------------------------------ 29
Figura 14 - Áreas desmatadas na Floresta de produção. ----------------------------------- 31
Figura 15 - Quantificação dos polígonos de desmatamento identificados no biênio
2007-2008, tomando como referência o tamanho das áreas (ha). ------------------ 33
Figura 16 - Áreas desmatadas nos Domínios Florísticos ------------------------------------ 34
Figura 17 - Ocorrências de foco de calor nos anos de 2007 e 2008 por município.- 36
Figura 18 - Espacialização dos focos de calor nos anos de 2007 e 2008 por município
-------------------------------------------------------------------------------------------------------- 37
Figura 19 - Ocorrências de foco de calor nos anos de 2007 e 2008 por Domínios
Florísticos.------------------------------------------------------------------------------------------ 39
Figura 20 - Espacialização dos focos de calor nos anos de 2007 e 2008 por Domínios
Florísticos.------------------------------------------------------------------------------------------ 40
Figura 21 -Concentração espacial de focos de calor nos anos de 2007 e 2008. ------ 41
ÍNDICE DE QUADROS

Quadro 1 - Acervo de imagens LANDSAT disponíveis na SEMA.------------------------- 13


Quadro 2 - Distribuição da área de cobertura de nuvem no ano 2007 ------------------- 16
Quadro 3 - Distribuição da área de cobertura de nuvem no ano de 2008 -------------- 17
Quadro 4 - Desmatamento em buffer de 15 km ----------------------------------------------- 19
Quadro 5 - Áreas desmatadas por municípios. ------------------------------------------------- 21
Quadro 6 - Quantificação de áreas desmatadas em projetos de assentamentos ----- 24
Quadro 7 - Desmatamentos ocorridos no biênio 2007-2008 em áreas de unidades de
conservação --------------------------------------------------------------------------------------- 26
Quadro 8 - Desmatamentos ocorridos no biênio 2007-2008 em terras indígenas. ---- 28
Quadro 9 - Desmatamentos ocorridos no biênio 2007-2008 nas bacias hidrográficas.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------- 30
Quadro 10 - Desmatamentos ocorridos no biênio 2007-2008 na Floresta Estadual do
Amapá----------------------------------------------------------------------------------------------- 32
Quadro 11 - Distribuição dos polígonos de desmatamento por tamanho de área,
detectados no biênio 2007-2008. ------------------------------------------------------------ 32
Quadro 12 - Distribuição dos polígonos de desmatamento detectados no biênio 2007-
2008 por domínios Florísticos. ---------------------------------------------------------------- 34
Quadro 13 - Distribuição dos focos de calor nos municípios -------------------------------- 38
Quadro 14 - Distribuição dos polígonos de desmatamento por Domínios Florísticos 39
7

1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho retrata as análises que definiram o mapeamento da


quantificação e a distribuição espacial dos polígonos de desmatamento no estado
do Amapá.
Este Relatório norteará ações de fiscalização e controle, assim como
também, fornecerá subsídios para as análises e avaliações de impactos
ambientais, e ainda, será um importante instrumento de suporte e orientação às
ações gerenciais e a tomada de decisão, nas diversas instâncias governamentais.

Figura 1 - Localização do estado do Amapá

O Amapá é uma das 27 unidades da República Federativa do Brasil. Sua


capital é Macapá, uma das cinco cidades no Globo terrestre cortada pela Linha

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


8

Imaginária do Equador, que divide o mundo em dois hemisférios: norte e sul. Está
situado a nordeste da região norte e limita-se ao norte com a Guiana Francesa, a
leste com o oceano Atlântico, a noroeste com o Suriname e com o estado do Pará
ao sul e oeste. É banhado pelas águas do Rio Amazonas estando na sua margem
esquerda.

Sua área é de 142.814,585 km2, que corresponde a 3,9 % da Região norte e


1,67% do Território Nacional Brasileiro. Possui uma área de 72% de seu território
preservado sendo que boa parte dessa área encontra-se em forma de unidades de
conservação, reservas indígenas e florestas de produção.

O uso inadequado e inconseqüente dos recursos ambientais ameaça a vida


humana. Cabe a nós unirmos esforços no sentido de encontrar soluções que
contemplem a questão da compatibilidade da produção capitalista com a
preservação ao meio ambiente. Como explica Luiz Honorato, em seu artigo
Crescimento Econômico versus Preservação Ambiental.

A teoria econômica nos ensina que existem duas maneiras efetivas de se


expandir a fronteira de possibilidade de produção, a saber: incremento no
uso dos fatores de produção e o avanço tecnológico. A primeira, tem uma
conseqüência clara e imediata nos recursos ambientais. Incremento nos
insumos significaria, em primeira análise, maior atividade exploratória e
maior susceptibilidade de degradação ambiental. A outra alternativa,
sugere não somente a descoberta de novas tecnologias, mas também e,
principalmente, a sua viabilidade econômica para substituição da primeira.

Em 2002, com a consolidação da base cartográfica na escala de 1:100.000,


iniciou-se o processo de realizar a estimativa da quantificação do desmatamento no
Estado do Amapá através da Secretaria de Estado do Meio Ambiente – SEMA.
Para efeito conceitual deste relatório entende-se como desmatamento a retirada
total da cobertura vegetal. Conforme o INPE (2008), este é o estágio extremo de
desmatamento e é conhecido como corte raso, geralmente, o solo pode estar

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


9

coberto por resto de madeira morta ou por vegetação rasteira. A figura 02


exemplifica bem o termo “corte raso”.

No caso de corte raso os órgãos ambientais devem realizar a fiscalização e


proceder à responsabilização para ações ilegais e no caso das áreas de
degradação progressiva, além da responsabilização, a federação e os estados
podem atuar para reverter o processo, quando possível.

Figura 2 - Exemplo de áreas desmatadas no estado do Amapá.

As ferramentas de Geoprocessamento utilizadas pela SEMA contribuem no


aprimoramento dos trabalhos, pois a escassez de recursos humanos e a
problemática de acessibilidades, comum na região amapaense muitas vezes
dificultam o trabalho de monitoramento dos recursos naturais em campo. No caso
da Secretaria de Meio Ambiente, a prática de uso das imagens de sensoriamento
remoto em tais atividades proporcionam produtividade, otimização do tempo,
confiabilidade e informações mais atualizadas. O uso de ferramentas tecnológicas
torna-se necessário e contribuem para maior eficiência na garantia de um ambiente
com qualidade.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


10

2 METODOLOGIA

Para realizar a avaliação do levantamento quantitativo do processo de


desmatamento no estado do Amapá, selecionaram-se um conjunto de imagens
LANDSAT 5 sensor TM (Thematic Mapper) de forma a cobrir grande parte do
estado. A escolha resultou nas imagens com menor cobertura de nuvens possível,
para observar feições globais, como por exemplo, a distribuição da cobertura
vegetal na região amazônica, sendo o seu uso já consagrado, pois vem
propiciando dados a mais de 30 anos sobre a mudança da cobertura da terra na
Amazônia. (BARBOSA, 2006).

O LANDSAT 5 é um satélite de observação de recursos terrestres (Earth


Resourses Sattelite) com resolução temporal de média freqüência e recobre uma
determinada área a cada 16 dias. Tendo em vista que o estado apresenta
extensões significativas de florestas e que parcelas desse território permanecem
com dificuldade de acesso, estas não poderiam ser monitoradas facilmente sem o
uso das tecnologias de sensoriamento remoto.

A ausência de determinadas imagens no banco de imagnes especificamente


as ponto órbita, 227-059, 227-060, 228-059 e 228-058, deveu-se à alta incidência
de nuvens que impossibilitou que esta análise fosse realizada cobrindo todo o
estado do Amapá. Isso se deve ao fato do Amapá estar localizado na Zona de
Convergência Intertropical (ZCIT), que apresenta uma estrutura de nebulosidade
convectiva zonalmente alongada sobre o equador.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


11

Figura 3 - Configuração espacial do padrão nebuloso associado a um episódio da ZCIT


sobre o Atlântico equatorial, durante o mês de março1.

A ZCIT se deve a dinâmica geral da atmosfera, causadas pelo choque dos


ventos alísios, na região do equador, onde se observa zona de baixa pressão,
caracterizados pelos ventos ascendentes que transportam a unidade para altitudes
e desencadeiam a condensação e a ocorrência de chuvas.

O Estado do Amapá ocupa uma área que apresenta um regime


pluviométrico variável. De junho a novembro são registrados os menores índices de
chuva. Considera-se este, o período ideal para se obter imagens de sensores
ópticos com menor porcentagem de nuvens, já os meses de dezembro a maio, na

1
Fonte : CPTEC/INPE em 30/03/2007

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


12

época de chuva, observam-se imagens com nuvens em demasia, sendo


geralmente desconsideradas. Portanto, as imagens utilizadas se restringem a
época de seca, permitindo a coleta de informações para avaliação da dinâmica de
desmatamento do estado referentes a esta época do ano. As datas de aquisição
das imagens estão compreendidas entre 23 de julho de 2007 a 7 de novembro de
2008, sendo que a figura 04 juntamente com o quadro 01 representam as imagens
utilizadas no processo de análise da quantificação de desmatamento no Amapá no
período 2007 a 2008, referenciadas pelo ponto/órbita com a respectiva data de
aquisição.

Figura 4 - Índice de órbita-ponto do satélite LANDSAT

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


13

DATA DE AQUISIÇÃO DAS CENAS


ÓRBITA-PONTO
2007/2008
225-058 08/05/2008
225-059 29/09/2008
24/05/2008
225-060
11/07/2008
226-057 19/08/2008
02/09/2007
226-058
19/08/2008
02/09/2007
226-059
07/11/2008

16/07/2007
226-060 02/09/2007
19/08/2008

16/07/2007
226-061
07/11/2008
227-058 23/07/2007

Quadro 1 - Acervo de imagens LANDSAT disponíveis na SEMA.

A imagem colorida resulta de combinações de três cores básicas (vermelho,


azul e verde), neste caso, estas cores foram associadas formando a composição
das bandas espectrais 5R, 4B e 3G gerando imagens que possibilitaram a
interpretação visual das feições de desmatamento, discerníveis nestas faixas do
espectro eletromagnético. As faixas são indicadas conforme a estrutura do alvo,
por exemplo, a vegetação, que por refletir muita energia na faixa do infravermelho
próximo, é visualizada em tonalidade clara na banda 4, destacando em contraste,
as áreas desmatadas, pela ausência de vegetação.

Outra característica importante de imagens orbitais é a resolução espacial,


em que se determina o nível de detalhamento que permite perceber os objetos da
superfície terrestre. Indica a capacidade que o sensor possui para distinguir objetos
dependendo do seu tamanho. As imagens do Landsat-TM com resolução espacial

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


14

de 30 metros, não permitem identificar objetos com tamanho abaixo de 30x30 m


(INPE, 2007), mas, feições de desmatamentos representados espacialmente acima
destas dimensões são detectadas, e posteriormente analisados, delimitados e por
final quantificados.

A correção geométrica trata da remoção das distorções sistemáticas


inerentes à plataforma, instrumento e ao modelo da Terra introduzidas durante a
aquisição das imagens. Sendo que para possibilitar integração em dados SIG, foi
realizado o registro de imagens, para que estas adquiram a mesma qualidade
geométrica de um mapa. As coordenadas da imagem são transformadas
geometricamente ou seja as coordenadas da imagem bruta (C,L) são relacionadas
às coordenadas de referência (X,Y) de uma imagem referência que servem de
base. (MELO, 2002)

As imagens GEOCOVER 2000 adquiridas através do site da NASA,


serviram de referência para o conjunto de imagens LANDSAT 5TM selecionadas.

Para melhorar a qualidade visual do alvo de interesse na imagem composta,


foi utilizado o realce de contraste, de forma que estas auxiliassem na distinção dos
contornos de desmatamentos conforme o sistema visual humano em que se baseia
nos elementos que caracterizam os alvos, como padrão, tonalidade, cor, forma e
tamanho, textura e sombra, que o técnico utilizou conjuntamente com seu
conhecimento sobre características do ecossistema amapaense.

As etapas de processamento digital de imagens foram realizadas por meio


dos programas ENVI (versão 4.3) e no ArcGis (versão 8.3), sendo este último
utilizado na fase de delimitação de polígonos de desmatamento, sobre as imagens
já mencionadas, sendo que esta vetorização foi executada de forma manual
conforme interpretação do técnico. Apesar do grande potencial das imagens de
satélites para o estudo e monitoramento, foi imprescindível a validação in loco, para
esclarecer dúvidas quanto a resposta espectral de determinados alvos, dar
subsídios aos técnicos e maiores conhecimentos no que concerne aos diversos

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


15

ecossistemas existentes no estado do Amapá, bem como, conceituar o


procedimento da ação observada na imagem. (Figura 05)

Figura 5 - Desmatamentos validados em campo.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


16

3 RESULTADOS

3.1 Desmatamento até 2006

A estimativa da quantificação de desmatamento no estado Amapá iniciou-se


a partir de 2002. Idealizou-se a apresentação de um relatório anual, entretanto,
este vem sendo apresentado em período bienal devido à dificuldade em se obter
imagens de satélites com pouca cobertura de nuvens cobrindo o estado do Amapá
em sua totalidade. A forte presença de nuvens prejudica a observação dos
fenômenos e assim, nem todos os desmatamentos são possíveis de serem
identificados. Ao analisar o dado de um determinado mês é necessário fazê-lo em
conjunto com a área de cobertura de nuvens. A cobertura de nuvens pode variar
enormemente de um mês para outro, assim como de um local para outro, conforme
pode ser observado nos quadro 02 e 03. É preciso distinguir entre o tempo de
ocorrência e a oportunidade de detecção do desmatamento, que é quando a fração
de exposição de solo permite a sua interpretação e mapeamento.

AMAPÁ (km2) JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.

142930 0% 0% 0% 99 % 99 % 95 % 92 % 70 % 99 % 79% 98% 78%

2
Quadro 2 - Distribuição da área de cobertura de nuvem no ano 2007

2
Fonte: Obt/Deter/INPE_ dados sobre os percentuais de nuvens dos meses de janeiro, fevereiro e
março, não informados ou produzidos pela instituição responsável.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


17

AMAPÁ (km2) JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.

142930 97 % 99 % 99 % 94 % 99 % 97 % 87 % 99 % 92 % 87% 92% 98%


Quadro 3 - Distribuição da área de cobertura de nuvem no ano de 2008

Em muitas áreas do Amapá, é praticamente impossível obter imagens sem


cobertura de nuvens. Nestes casos, a equipe responsável por selecionar as
imagens na CGTI/SEMA procura fazê-lo levando em conta a imagem com menor
cobertura de nuvens no período da estação seca.

3.2 Desmatamento biênio 2007-2008

No biênio 2007-2008 foram contabilizados cerca de 27.549,04 ha,


ressaltando que não foram computadas as áreas destinadas à silvicultura. Em
relação ao quantitativo total até 2006, o percentual de acréscimo foi de 11,98%.

O modelo tradicional da ocupação da Amazônia tem levado a níveis


significativos de desmatamento, resultante de múltiplos fatores, tais como a
abertura de estradas, o crescimento das cidades, a ampliação da pecuária
extensiva, a acelerada exploração madeireira e a crescente agricultura intensiva de
monoculturas e mais recentemente a agricultura mecanizada. No Amapá a
realidade não é diferente do resto da Amazônia, sendo assim, foram realizadas
análises espaciais para o conhecimento mais detalhado do desmatamento e sua
relação com o sistema viário, unidades de conservação, terras indígenas,
assentamentos, fitoecologia, municípios, bacias hidrográficas, dentre outros.

1.2.1 Desmatamento no Sistema Viário

Na análise espacial feita pelo cruzamento das feições de desmatamento


com o sistema viário (figura 06) observou-se que grande proporção, fica dentro da
faixa de largura ao longo das rodovias, principalmente na BR 156 e BR 210.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


18

Figura 6 - Mapa demonstrativo de áreas desmatadas em relação ao sistema viário

As análises demonstraram que 95,31% dos desmatamentos de 2007 e 2008


ocorreram dentro de uma faixa de 15 km de largura ao longo das margens rodovias
(figura 07), o que corresponde a uma área total de 26.257,06 ha.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


19

Figura 7 - Desmatamentos contidos em um buffer de 15 km em torno das vias de acesso

O quadro abaixo demonstra que a faixa do buffer de até 5 km da margem de


entorno das rodovias é a mais afetada com 73,04% do total desse desmatamento.
Os percentuais vão decrescendo conforme o seu afastamento.

DISTÂNCIA /BUFFER ÁREA (HA) %

0 a 5km 20121,06 73,04

5 a 10km 4748,21 17,24

10 a 15km 1387,79 5,04

Quadro 4 - Desmatamento em buffer de 15 km

1.2.2 Desmatamento por municípios

O desmatamento no Amapá não é distribuído homogeneamente, ele está


concentrado ao longo das rodovias, cujos limites se estendem de norte a sul e

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


20

abrange todos os municípios do Estado (figura 08). Ressalta-se que não foram
contabilizadas as áreas utilizadas para silvicultura.

Figura 8 - Mapa demonstrativo de áreas desmatadas em relação aos Municípios

O Quadro 05 mostra a distribuição quantitativa Acumulada do desmatamento


por município até 2006, assim como também o desmate no biênio de 2007 e 2008
e seus percentuais em relação a cada área municipal. Nessa análise demonstrou-
se que os municípios de Vitória do Jarí, Porto Grande, Tartarugalzinho e Oiapoque
foram os que apresentaram maior extensão de áreas desmatadas respectivamente,
juntos, corresponderam a 15.946,34 ha, o que corresponde a 58% dos
desmatamentos observado nesse período. Em contrapartida, os municípios que
menos desmataram foram Serra do Navio, Laranjal do Jarí e Amapá.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


21

PERCENTUAL EM
ACUMULADO DESMATE
RELAÇÃO À ÁREA
MUNICÍPIO ÁREA (HA) ATÉ 2006 BIÊNIO 2007-
DO MUNICÍPIO
(HA) 2008 (HA)
(BIÊNIO 2007-2008)
AMAPÁ 916.878,70 3.338,52 547,18 0,06
CALÇOENE 1.426.825,80 15.714,22 1.069,36 0,07
CUTIAS DO ARAGUARI 211.473,20 5.580,03 482,21 0,23
FERREIRA GOMES 504.669,60 5.417,84 1.263,55 0,25
ITAUBAL DO PIRIRIM 170.379,30 1.849,09 129,63 0,08
LARANJAL DO JARI 3.096.617,70 18.359,96 1.497,53 0,05
MACAPÁ 640.712,30 17.564,35 1.922,37 0,30
MAZAGÃO 1.313.089,20 24.741,52 1.293,03 0,10
OIAPOQUE 2.262.501,80 16.205,62 8.459,76 0,37
PEDRA BRANCA DO AMAPARI 949.503,20 21.690,78 1.270,26 0,13
PORTO GRANDE 440.176,30 40.966,41 2.447,66 0,56
PRACUÚBA 495.673,90 3.328,78 1.330,51 0,27
SANTANA 157.751,70 5.774,03 595,23 0,38
SERRA DO NAVIO 775.650,60 6.170,78 201,83 0,03
TARTARUGALZINHO 671.195,00 12.904,11 2.981,13 0,44
VITÓRIA DO JARI 248.260,20 1205,3181 2.057,79 0,83
Quadro 5 - Áreas desmatadas por municípios.

Em relação ao Biênio 2005-2006, o acentuado acréscimo na quantificação


de desmatamento do período 2007-2008, inerente a região do município de
Oiapoque credita-se ao fato de que a imagem do ano de 2006 utilizada para
quantificar o desmate (biênio 2005-2006) estava comprometida com uma alta
incidência de nuvens. No entanto, a imagem do ano de 2008 apresentava-se
límpida (poucas nuvens) e, dessa forma foi possível quantificar polígonos de
desmatamento, que possivelmente são desmatamentos anteriores a essa época. É
válido ressaltar que isso foi comprovado na validação em campo, principalmente na
região da Aldeia do Manga e em alguns trechos ao longo BR-156 (figura 09).

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


22

IMAGEM DO ANO DE 2006 IMAGEM DO ANO DE 2008

Figura 9 - Imagens do ano de 2006 recoberta de nuvens e do ano de 2008 sem a presença de
nuvens

1.2.3 Desmatamento por Projetos de Assentamentos

Na Amazônia, 1.354 assentamentos rurais foram criados até 2002,


ocupando mais de 231 mil quilômetros quadrados. Esses assentamentos são
fundamentais para a distribuição de terras e já beneficiaram cerca de 230 mil
famílias. O Amapá possui 31 assentamentos, sendo que 07 são estaduais sob a
jurisdição do Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial do Estado do
Amapá - IMAP e os demais são federais gerenciados pelo Instituto Nacional de
Colonização e Reforma Agrária – INCRA. Como no restante da Amazônia, os
assentamentos no Amapá estão concentrados ao longo das principais rodovias
(figura 10). Entretanto, as atividades desenvolvidas pelas famílias, tal como
agricultura e exploração madeireira, têm grande potencial para gerar
desmatamento e degradação florestal.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


23

Figura 10 - Áreas desmatadas em projetos de assentamentos

No P.A do Cedro foi detectado 855,57 ha de desmatamento, para uma área


de 59.222,87ha, sendo que seu percentual de desmate foi de 1,44% Porém no
P.A. Cujubim o desmatamento foi de 379,80, em números absolutos, menor que o
do P.A do Cedro mas, por possuir uma área de apenas 17,56 % em relação a este
último o percentual de desmatamento foi maior que o dobro.
O maior percentual de desmate está no P.A. Igarapé Grande com 18,50% e
que desmatou no ano de 2007 e 2008 o dobro do acumulado de desmate ate 2006.
(Quadro 06). Por outro lado não foram detectados desmatamentos nos P.A. do
Governador Janary, Padre Jósimo, São Antônio da Pedreira e São Benedito do
Aporema.

PERCENTUAL
DESMAT
EM RELAÇÃO À
E BIÊNIO
ACUMULADO QUANTIDAD ÁREA DO
ASSENTAMENTO ÁREA (HA) 2007-
ATÉ 2006 E ASSENTAMENT
2008
O (BIÊNIO 2007-
(HA)
2008)
P. A. BOM JESUS
DOS FERNANDES 33.067,07 2.179,98 56 428,2028 1,29
P. A. CARNOT 39.290,49 5.426,00 6 32,4876 0,08
P. A. CEDRO 59.222,87 4.550,84 127 855,6782 1,44
P. A. CORRE ÁGUA 6.136,70 1.686,65 4 29,0404 0,47

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


24

P. A. CRUZEIRO 5.951,30 1.348,15 13 119,1437 2,00


P. A. CUJUBIM 10.401,92 725,02 29 379,8488 3,65
P. A. DRª MÉRCIA 571,43 69,14 - - -
P. A.
EXTRATIVISTA
ANAUERAPUCU 37.452,73 886,37 5 46,65 0,12
P. A.
EXTRATIVISTA DO
MARACÁ 571.772,43 10.419,49 - - -
P. A. FELIPE E
IRINEU 10.681,28 120,59 39 202,3901 1,89
P. A. FERREIRINHA 5.389,70 23,24 17 235,1325 4,36
P. A.
GOVERNADOR
JANARY 11.295,26 185,59 - -
P. A. IGARAPÉ
GRANDE 1.207,62 111,17 16 223,8411 -
P. A. ITAUBAL 13.634,68 231,98 1 8,2551 0,06
P. A. LOURENÇO 27.386,84 1.732,54 4 32,4299 0,12
P. A. MANOEL
JACINTO 16.418,57 1.234,46 19 88,9391 0,54
P.A. MARACÁ - - 86 417,6051
P. A. MATÃO DO
PIAÇACÁ 42.893,44 4.617,50 30 208,9208 0,49
P. A. MUNGUBA 34.467,19 3.113,20 30 134,4228 0,39
P. A. NOVA CANAÃ 20.393,12 1.804,17 73 367,9775 1,80
P. A. NOVA COLINA 22.172,54 3.226,19 65 291,9414 1,32
P. A. NOVA VIDA 9.511,38 1.814,33 35 227,4750 2,39
P. A. PADRE
JÓSIMO 385,36 0,00 - -
P. A. PANCADA DO
CAMAIPI 24.276,87 2.153,14 7 39,8109 0,16
P. A. PEDRA
BRANCA 29.841,72 3.369,01 43 175,0707 0,59
P. A. PERIMETRAL 39.603,70 4.422,34 62 339,9419 -
P. A. PIQUIÁ DO
AMAPÁ 4.332,59 686,85 15 237,0344 -
P. A. PIQUIAZAL 5.619,57 1.795,62 10 117,0532 2,08
P. A. SANTO
ANTÔNIO DA
PEDREIRA 744,93 0,00 - - -
P. A. SÃO
BENEDITO DO
APOREMA 2.316,97 323,47 - - -
P. A. SERRA DO
NAVIO 24.046,19 1.207,94 16 88,1619 0,37
P. A. VILA VELHA 28.748,69 1.790,27 11 67,9727 0,24

Quadro 6 - Quantificação de áreas desmatadas em projetos de assentamentos

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


25

1.2.4 Desmatamento por Unidades Conservação

O Amapá possui 19 unidades de conservação, sendo 12 unidades de


conservação federais, 5 unidades estaduais e duas municipais, ocupam 61,6 % do
território estadual, totalizando cerca de 8.847.135.56 hectares. As UC’s estão
espacialmente distribuídas em 15 dos 16 municípios amapaenses (figura 11).

Figura 11 - Áreas desmatadas nas Unidades de Conservação

Em relação a análise espacial das unidades de conservação os valores de


desmatamentos ficaram em torno de 4.397.47 há, o que representa 1.39% da área
total, (Quadro 07). Existe uma grande diferença na proporção desse desmatamento
dentro ou fora das áreas protegidas, comparados ao índice total (27.549.04) do
desmatamento no Estado do Amapá, enquanto dentro delas o desmatamento foi de

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


26

4.397.47, fora foi de 23.151,57 ha. Dos 61,6 % de áreas protegidas que o estado
possui apenas 1.39% foram desmatadas, enquanto que os restantes (84.03%) do
desmatamento observado no estado do Amapá encontram-se localizados em áreas
que não são protegidas. Esse resultado demonstra claramente a importância das
áreas protegidas.

A área de Proteção do Rio Curiaú foi a que apresentou o maior índice de


desmatamento nesse biênio (44 76 ha).

DESMATE % DA ÁREA
ÁREA DESMATAMENT
BIÊNIO DA UC
UC JURISDIÇÃO DECLARAD O ACUMULADO
2007-2008 (BIÊNIO 2007-
A (HA) ATÉ 2006
(HA) 2008)
A.P.A. DA
FAZENDINHA Estadual 193,53 - - -
A.P.A. DO RIO
CURIAU Estadual 21.676,00 477,77 44,76 0,2065
ESEC JARI Federal 207.370,00 249,93 - -
ESEC MARACÁ-
JIPIÓCA Federal 72.000,00 - - -
2.320.304,
FLOES DO AMAPÁ Estadual 75 1670,13 4.091,84 0,1763
FLONA DO AMAPÁ Federal 412.000,00 536,51 30,02 0,0073
PARMU DO CANCAO Municipal 370,26 - - -
PARNA DO CABO
ORANGE Federal 619.000,00 426,59 54,07 0,0087
PARNA MONTANHAS 3.867.000,
DO TUMUCUMAQUE Federal 00 746,69 14,48 0,0004
R.P.P.N ALDEIA
EKINOX Federal 10,87 - - -
R.P.P.N BOA
ESPERANÇA Federal 43,01 - - -
R.P.P.N RETIRO
PARAÍSO Federal 46,75 - - -
R.P.P.N REVECOM Federal 17,18 - - -
R.P.P.N SERINGAL
TRIUNFO Federal 9.996,16 1.025,11 98,62 0,9865
RDS DO RIO
IRATAPURU Estadual 806.184,00 1.073,37 63,68 0,0079
REBES DO
PARAZINHO Estadual 11.132,20 - - -
REBIO DO LAGO
PIRATUBA Federal 395.000,00 - - -
RESEX BEIJA-FLOR
BRILHO DE FOGO Municipal 68.524,20 4,92 13,02 0,0190
RESEX DO RIO
CAJARI Federal 481.650,00 9.195,17 926,38 0,1923
Quadro 7 - Desmatamentos ocorridos no biênio 2007-2008 em áreas de unidades de
conservação

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


27

1.2.5 Desmatamento por Terras Indígenas

As terras indígenas ocupam 8,3% da área do estado estando todas


homologadas pelo governo federal. Essas terras abrangem uma área total de
1.185.503,05 ha (figura 12).

Os desmatamentos detectados em terras indígenas no biênio 2007-2008


totalizaram 2.457,67 ha, sendo que a T.I. Uaçá foi responsável por 2.278,11 ha.
(Quadro 08). Novamente não foram detectados desmatamentos no P.I.
Tumucumaque e na T.I. Galibi.

Figura 12 - Áreas desmatadas nas Terras Indígenas

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


28

PERCENTUAL
DESMATE
TERRA INDÍGENA ACUMULADO EM RELAÇÃO
ÁREA (HA) BIÊNIO 2007-
ATÉ 2005 A T.I. (BIÊNIO
2008 (HA)
2007-2008)
P.I. TUMUCUMAQUE 58.027,07 - - -
T.I. UAÇÁ 470.816,01 4171,34 2.278,11 0,4839
T.I. GALIBI 6.311,84 - - -
T.I. JUMINA 46.434,08 172,71 33,10 0,0713
T.I. WAIÃPI 603.914,05 52,24 146,46 0,0243
Quadro 8 - Desmatamentos ocorridos no biênio 2007-2008 em terras indígenas.

1.2.6 Desmatamento por Bacias Hidrográficas.

O Amapá possui 13 bacias hidrográficas. Cerca de 39% dessas bacias,


pertencem a bacia Amazônica. O estado do Amapá se destaca pela presença de
rios caudalosos e perenes, merecem destaque os rios Amapari, Araguari,
Calçoene, Jarí e o Oiapoque, que marca a divisa entre Brasil e Guiana Francesa. A
bacia do rio Araguari merece destaque por sua extensão de aproximadamente
42.710 km2 de área e seu potencial energético devido seu nível médio de vazão de
1.200m3/s.

Conforme demonstrado na figura 13 e no quadro 08, a bacia do Rio Araguari


apresentou um desmate de 6.785,60 ha, em valores absolutos, o que significa
0,16% da sua extensão total. Também chamaram atenção a Ilha de Santana que
desmatou 293, 41 ha com relação a 2006, assim como também, as bacias do Rio
Oiapoque com 5.821,03 ha, e o Rio Jarí (2.567,54 ha) respectivamente de áreas
desmatadas. No que se concerne à extensão de áreas desmatadas, destacam-se
ainda, as bacias do rio Mazagão (0,52 %) e a do Rio Matapi (0,49%).

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


29

Figura 13 - Áreas desmatadas nas Bacias Hidrográficas

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


30
DESMATE PERCENTUAL EM
BACIA ACUMULADO BIÊNIO RELAÇÃO À ÁREA
ÁREA (HA)
HIDROGRÁFICA ATÉ 2006 (HA) 2007-2008 DAS BACIAS (BIÊNIO
(HA) 2007-2008)
IGARAPÉ FORTALEZA 19.082,50 1,45 - -
IGARAPÉ GRANDE
CRIQUE 52.162,34 - - -
IGARAPÉ MARECAL 81.118,80 - - -
IGARAPÉ MATAUAÚ 28.338,20 - - -
IGARAPÉ TAMBAQUI 25.408,69 66,92 - -
ILHA AÇOUGUE 2.512,40 - - -
ILHA BRIGUE 2.396,51 - - -
ILHA CAJARI 780,30 28,92 - -
ILHA CURUÁ 34.526,28 30,25 - -
ILHA DE SANTANA 2.028,97 - 293,41 14,46
ILHA DO BAILIQUE 23.132,03 3,84 - -
ILHA DO FAUSTINO 3.539,08 0,69 - -
ILHA DO MARACÁ 52.069,98 - - -
ILHA PEDREIRA 1.653,29 - - -
RIO AJURUXI 125.705,61 1394,47 220,25 0,18
RIO ARAGUARI 4.189.606,56 69311,31 6.785,60 0,16
RIO ARIRAMBA 10.177,03 - - -
RIO CAJARI 492.554,43 9163,11 1.082,42 0,22
RIO CALÇOENE 346.398,12 4285,03 505,32 0,15
RIO CASSIPORÉ 546.421,18 8268,60 253,19 0,05
RIO CUNANI 174.946,22 4634,08 59,23 0,03
RIO CURIAÚ 30.093,39 636,20 44,70 0,15
RIO FLECHAL 461.601,42 7008,87 1.961,99 0,43
RIO GURIJUBA 336.593,35 13415,08 1.079,83 0,32
RIO IPIXUNA GRANDE 13.982,42 - - -
RIO JARI 3.045.994,98 11639,63 2.567,54 0,08
RIO LAMUTE 44.243,23 - 143,77 0,32
RIO MACACOARI 62.964,23 1866,83 18,26 0,03
RIO MACARRI 116.398,75 - - -
RIO MARACÁ-PUCU 339.529,07 6102,75 138,35 0,04
RIO MATAPI 253.967,76 15749,37 1.246,20 0,49
RIO MAZAGÃO 39.982,31 1973,06 207,90 0,52
RIO NOVO 58.665,55 - 171,95 0,29
RIO OIAPOQUE 1.248.875,13 6780,03 5.821,03 0,47
RIO PEDREIRA 221.653,54 3494,90 827,34 0,37
RIO PRETO 138.494,83 6481,74 298,46 0,22
RIO SUCURIJU 216.230,31 - - -
RIO UAÇÁ 649.623,25 6083,72 2.461,69 0,38
RIO VILA NOVA 506.268,72 21466,93 1.360,61 0,27

Quadro 9 - Desmatamentos ocorridos no biênio 2007-2008 nas bacias hidrográficas.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


31

1.2.7 Desmatamento na Floresta de Produção

A Floresta de Produção do Amapá formada por 04 módulos, espacializados


na região centro/norte do estado (Figura 14), que juntos possuem área de
2.369.027,80 ha. No biênio 2007 –2008 foram detectados na Floresta de Produção
4.091,84 ha de desmatamentos o que equivale a 14,85% do desmatamento total
estimado no Estado para o período em referência.

O desmatamento dentro da Floresta de Produção concentrou-se no módulo


3 que possui área de 742.576,10 ha onde se identificou 2.574,32 ha de
desmatamento que corresponde a 0,347% (Quadro 10).

Figura 14 - Áreas desmatadas na Floresta de produção.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


32

PERCENTUAL EM
ÁREA (HA) RELAÇÃO À ÁREA DA
ÁREA (HA)
MÓDULOS BLOCO
DESMATAMENTO FLORESTA DE
2007/2008 PRODUÇÃO
(BIÊNIO 2007-2008)

Módulos 1 310483,90 333,58 0,107


Módulos 2 342001,48 188,85 0,055
Módulos 3 742576,32 2.574,32 0,347
Módulos 4 973966,10 995,09 0,102
Quadro 10 - Desmatamentos ocorridos no biênio 2007-2008 na Floresta Estadual do Amapá

1.2.8 Desmatamento quanto ao Tamanho do Polígono biênio 2007-2008

Observa-se que nos anos anteriores, até 2006, a maioria dos polígonos
quantificados de desmatamento possuía área de até 10 ha, o que não foge a regra
neste biênio de 2007-2008, pois foram detectadas 1.906 unidades ate 10 ha e por
outro lado na faixa de 10 a 50 ha foram contabilizados ¼ dos polígonos da faixa
citada anteriormente, mas com um total de área desmatada ligeiramente maior
(quadro 11), (Figura 15).

INTERVALO Nº DE POLÍGONO TOTAL DO DESMATE

0 -10 1906 7114,67

10,01 - 50 513 10105,22

50,01 - 100 42 2873,10

100,01 - 500 25 5018,46

500,01 - 1000 - 0,00

Maior 1000 2 1287,86


Quadro 11 - Distribuição dos polígonos de desmatamento por tamanho de área, detectados no biênio 2007-
2008.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


33

01287,86
5018,46 7114,67

2873,10

10105,22

Figura 15 - Quantificação dos polígonos de desmatamento identificados no biênio 2007-


2008, tomando como referência o tamanho das áreas (ha).

1.2.9 Desmatamento por Domínios Florísticos biênio 2007-2008

Na última análise espacial feita pelo cruzamento das feições de


desmatamento com relação aos domínios florísticos, o total desmatado foi de
27.488,45 ha, o que representa 0,2 % em relação à área total de todo o domínio. A
faixa de transição cerrado/floresta apresentou 1.841,43 ha de desmate, ou seja,
aproximadamente 0,6%, representando o maior percentual se comparado aos
demais domínios. Na seqüência, o domínio de transição cerrado/várzea
representou 0,4093%, ou seja, 500,59 ha em valores absolutos (Quadro 12). O
domínio da floresta de terra firme apontou a maior área desmatada em número
absoluto, ressalta-se, no entanto, que essa faixa florística é a mais extensa do
Amapá (figura 16).

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


34

Figura 16 - Áreas desmatadas nos Domínios Florísticos

PERCENTUAL EM
DESMATE RELAÇÃO À ÁREA
ACUMULADO
DOMÍNIOS FLORÍSTICOS ÁREA (HA) BIÊNIO 2007- DO DOMÍNIO
ATÉ 2006
2008 (HA) FLORÍSTICO
(BIÊNIO 2007-2008)

CAMPO 1584522,58 13854,20 1.998,28 0,1261


CERRADO 970951,81 14967,32 1.916,47 0,1974
FLORESTA DE TERRA
9920528,26 126162,45 0,1953
FIRME (DENSA) 19.375,22
FLORESTA DE VÁRZEA 624576,28 15578,06 1.848,38 0,2959
MANGUEZAL 347937,28 16,97 8,09 0,0023
TRANSIÇÃO
316374,43 0,5820
CERRADO/FLORESTA 26928,51 1.841,43
TRANSIÇÃO
122298,89 0,4093
CERRADO/VÁRZEA 2308,88 500,59
Quadro 12 - Distribuição dos polígonos de desmatamento detectados no biênio 2007-2008 por
domínios Florísticos.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


35

1.3 Focos de calor

Objetivando auxiliar a análise do desmatamento, proporcionando uma


discussão mais ampla do relatório foram extraídas informações do banco de dados
de queimadas do INPE sobre os focos de calor detectados no Amapá nos anos de
2007 e 2008. Os referidos dados são produzidos utilizando tecnologias avançadas
com imagens de satélites de baixa resolução como por exemplo: NOOA, TERRA,
AQUA, GOES, MODIS E METEOSAT.

Conforme o INPE nos anos de 2007 e 2008 foram detectados 1.591 e 2.389
focos de calor, respectivamente, no estado do Amapá.

1.3.1 Ocorrência dos focos de calor por municípios

Percebe-se que o maior número de focos de calor foi registrado em


2008(figura 17). Entretanto, os dois anos apontam o centro norte como a região
com maior incidência de focos, Tartarugalzinho e Oiapoque mais uma vez se
destacaram como os municípios que mais apresentaram focos de calor (figura 18).
Ao analisar a relação entre focos de calor e desmatamento, ressalta-se que os
municípios de Oiapoque e Tartarugalzinho em valores absolutos obtiveram os mais
elevados quantitativos de áreas desmatadas para o biênio de 2007-2008 (Quadro
13).

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


500

450

350
400
CU

300

200
250

150

50
100
AM

0
TI
AS CA AP
DO LÇ Á
FE AR O EN
IT RRE AG E
AU I UA
LA
BA RA
G R I
RA L DO O M
NJ P I ES
AL R
DO IRIM
MA J AR
CA I
PE MA PÁ
DR ZA
A O G ÃO
BR
AN IAPO
CA QU
PO
RT DO E
O ...
G
PR RAN
AC DE

SE SA BA
RR NT
TA AN
RT A D
O A
AR
UG N A
VI A L VIO
TÓ ZI
RI NH
A O
DO
JA
RI

Figura 17 - Ocorrências de foco de calor nos anos de 2007 e 2008 por município.
2008
2007

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


36
37

Figura 18 - Espacialização dos focos de calor nos anos de 2007 e 2008 por município

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


38

FOCOS DE FOCOS DE
MUNICÍPIO CALOR CALOR
2007 2008
AMAPÁ 121 280
CALÇOENE 198 222
CUTIAS DO ARAGUARI 39 58
FERREIRA GOMES 43 63
ITAUBAL DO PIRIRIM 45 153
LARANJAL DO JARI 78 91
MACAPÁ 162 311
MAZAGÃO 77 156
OIAPOQUE 262 304
PEDRA BRANCA DO AMAPARI 54 55
PORTO GRANDE 68 60
PRACUÚBA 55 65
SANTANA 61 31
SERRA DO NAVIO 9 5
TARTARUGALZINHO 286 495
VITÓRIA DO JARI 33 40
Quadro 13 - Distribuição dos focos de calor nos municípios

1.3.2 Ocorrência de focos de calor por Domínios Florísticos

Observando as ocorrências de focos de calor em áreas de domínios


florísticos no biênio de 2007 e 2008 verificou-se, conforme a figura 19, que o maior
índice foi na floresta de terra firme, seguido do domínio campos. Os manguezais
apresentam o menor número de ocorrências. Em 2008, as ocorrências de focos de
calor foram superiores a de 2007. Nota-se na figura 20 que os focos de calor
estendem-se por toda faixa das rodovias, onde ficam localizadas as terras
indígenas e projetos de assentamentos no estado.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


39

2500

2000

1500
2007
2008
1000

500

0
CAMPO CERRADO FLORESTA MANGUEZAL TRANSIÇÃO

Figura 19 - Ocorrências de foco de calor nos anos de 2007 e 2008 por Domínios Florísticos.

DOMÍNIOS FLORÍSTICOS FOCO DE CALOR FOCO DE CALOR


2007 2008
CAMPO 317 877
CERRADO 350 574
FLORESTA 1575 2320
MANGUEZAL 39 36
TRANSIÇÃO 123 125
Quadro 14 - Distribuição dos polígonos de desmatamento por Domínios Florísticos

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


40

Figura 20 - Espacialização dos focos de calor nos anos de 2007 e 2008 por Domínios
Florísticos.

3.2.3 Análise espacial dos focos de calor nas estações de inverno e verão

Importante também mostrar a densidade de focos de calor de acordo com a


sazonalidade. Para tal utilizou-se a ferramenta Spatial Analyst, extensão do
software ArcGIS 8.3 Analisando-se a distribuição espacial observa-se que no
verão de 2007 a maior concentração de focos ocorreu nos municípios de:
Tartarugalzinho, Oiapoque e Calçoene. No período invernoso os focos persistiram
em Vitória do Jarí, Laranjal do Jarí, Tartarugalzinho e afetou também Porto Grande,
Itaúbal do Piriri, Cutias e Pedra Branca do Amapari. . No verão de 2008 a maior
densidade de focos afetou principalmente os municípios de Itaúbal, Cutias,
Tartarugalzinho, Calçoene e Oiapoque. No inverno do mesmo ano, a densidade de
focos persistiu nos municípios de Cutias, Amapá e Tartarugalzinho (Figura 21).

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


41

Figura 21 -Concentração espacial de focos de calor nos anos de 2007 e 2008.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


42

2. CONCLUSÕES

O Relatório do Desmatamento possui uma infinidade de informações,


principalmente quantitativas, no que se concerne à cobertura florística do Estado
do Amapá.

As informações contidas nesse trabalho oferecem subsídios para


complementar Políticas públicas de prevenção, controle e fiscalização do desmate
no Amapá.

Observou-se que no biênio de 2007/2008 ocorreu um desmatamento de


cerca de 27.549,04 ha numero bastante significativo, pois, em uma analise
comparativa, essa área equivale aproximadamente a área do P. A. Lourenço, que
possui uma área de 27.386,84 ha, ou ainda, ultrapassa o total da área de Proteção
Ambiental do Rio Curiaú que mede 21.676,00 há. E importante ressaltar que o fato
ocorrido no biênio de 2005/2006, conforme item 3.1.2 desse relatório, onde a
cobertura de nuvem comprometeu a quantificação do desmatamento na região do
município de Oiapoque.

Com base nos dados é possível concluir que a degradação ambiental é


resultante de um processo social, determinado pelo modo como a sociedade
apropria-se e utiliza os recursos naturais. A degradação ou destruição de um
ecossistema compromete a qualidade de vida da humanidade. A relação do
homem com o meio ambiente deve ser harmoniosa.

Desta forma, os instrumentos de planejamento e uso do solo são um aliado


para orientar e implementar medidas de adaptação, permitindo identificar as
vulnerabilidades existentes. As queimadas contribuem de forma significativa. A
fiscalização deve ser ostensiva e as normas de proteção florestal devem ser
cumpridas.

Assim, Ferramentas de Geoprocessamento são imprescindíveis no auxilio


desse monitoramento e aliadas na sua prevenção.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


43

3. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

HONORATO, Luiz - Artigo: Crescimento Econômico versus Preservação


Ambiental - Por: -
http://www.sectma.pe.gov.br/artigos_detalhe.asp?artigo=38&secao_artigo=2&menu
_sub=3 - acesso em 24/03/2010.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – Relatório do


monitoramento da cobertura florestal por satélites – Coordenação Geral de
Observação da Terra – São José dos Campos/SP.2008.

BARBOSA, Keillah Mara do Nascimento – Monitoramento Espacial de


Biomassa e Carbono Orgânico da Vegetação Herbácea de Várzea na
Amazônia Central,Tese de doutorado em Ciências Florestais na Área de
Concentração Manejo Florestal, UFPR, CURITIBA - 2006.

MELO, D.H.C.T.B. , Uso de dados Ikonos II na analise Urbana: Teste


operacionais na zona leste de São Paulo/ D.H.C.T.B. Melo.- São José dos
Campos, 2002.

Atlas das Unidades de Conservação do Estado do Amapá / texto de José


Augusto Dumond; Tereza Cristina Albuquerque de Castro Dias e Daguinete Maria
Chaves Brito – Macapá: MMA/IBAMA-AP; GEA/SEMA, 2008

AMAPÀ, Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Relatório Técnico de


Desmatamento no estado do Amapá, referente ao período 2005 a 2006/
Secretaria de estado do Meio Ambiente. – Macapá: SEMA, 2009.

INPE, Emissões de CO2 diminuíram em 2008, mas são as maiores em 2


milhões de anos, publicado em 18/11/2009,
http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=2027 – acesso 19/11/2009.

INPE, Sistema DETER - Relatórios Técnico científico contendo


avaliação detalhada do DETER, http://www.obt.inpe.br/deter/nuvens.php - acesso
27/11/2009.

INPE, Sistema DETER – Resumo Deter, distribuição da área de cobertura


de nuvens, http://www.obt.inpe.br/deter/nuvens.php - acesso 27/11/2009.

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


44

INPE, Monitoramento de Focos,


http://www.dpi.inpe.br/proarco/bdqueimadas/ - acesso em 01/12/2009
INPE, Projeto PORDES - Coordenação Geral de Observação da Terra,
http://www.obt.inpe.br/prodes/prodes_1988_2008.htm – acesso em 10/12/2009

IBGE, Área Territorial Oficial - Consulta por Unidade da Federação


http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/areaterritorial/principal.shtm - acesso em
15/12/2009
IBGE, Síntese do estado do AMAPÁ,
http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=ap - acesso 27/11/2009 .

IBGE, Área Territorial Oficial Consulta por Unidade da Federação,

http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/areaterritorial/principal.shtm - acesso em

15/12/2009.

EMBRAPA, Desmatamento de florestas e aquecimento global é tema de

palestra (noticias), http://www.cpafap.embrapa.br/embrapa/?p=571 – acesso em


28/05/2010

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA,


Projeto Levantamento e Classificação do Uso da Terra – Diretoria de Ciências –
2004
M. P. de Souza Echer, F.R. Martins e E.B. Pereira. A importância dos
dados de cobertura de nuvens e de sua variabilidade: Metodologias para
aquisição de dados, Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 28, n. 3, p. 341-
352, (2006).
www.sbfisica.org.br - http://sbfisica.org.br/rbef/pdf/060306.pdf - acesso em
22/02/2010
http://www.ufpa.br/ppgca/dissertacoes/Dissertacao_Douglas.pdf - acesso em
03/04/2010
http://www.imazon.org.br/novo2008/arquivosdb/ea_7p.pdf - acesso em
28/05/2010
USP, A ZONA DE CONVERGÊNCIA DO ATLÂNTICO SUL,
http://www.master.iag.usp.br/ensino/sinotica/aula11/AULA11.htm - site18jun10

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008


45

4. QUADRO DE ATIVIDADES

ATIVIDADES EXECUTOR(ES)

Ana Corina Maia Palheta

Tratamento e registro de Leonardo Fernandes Vale


imagens Sara Heloiza Alberto Neri

Manuel Tiago da Silva

Ana Corina Maia Palheta

Vetorização e validação Leonardo Fernandes Vale


topológica Sara Heloiza Alberto Neri

Manuel Tiago da Silva

Agostinho da Silva Pureza

Leonardo Fernandes Vale

Luciana de Amorim Cardoso


Validação em campo
Maria do Carmo M.Brito

Sara Heloiza Alberto Neri

Manuel Tiago da Silva

Ana Corina Maia Palheta


Análise espacial
Leonardo Fernandes Vale

Ana Corina Maia Palheta


Elaboração do relatório
Maria do Carmo M. Brito

Editoração Ana Corina Maia Palheta

RELATÓRIO DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO AMAPÁ – 2007-2008