Você está na página 1de 14

COMO ORGANIZAR UMA CAMPANHA DE VACINAÇÃO COM O

MODELO DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA


Prof. Roberto Canquerini
JUSTIFICATIVA

Farmácias privadas: ampliação da capilaridade e distribuição geográfica


Farmacêutico: competência profissional e disponibilidade em horário integral

Frequentemente a primeira possibilidade


de acesso da população ao cuidado em saúde
JUSTIFICATIVA

• Evitar que a vacinação de pacientes que não estejam com suspeita de Covid-19
ocorra no mesmo ambiente que os pacientes sintomáticos ou suspeitos de
contaminação, uma vez que este grupo vai deixar de circular nas unidades de
saúde
• Colaboração das farmácias privadas com o restante do sistema de saúde,
reduzindo a sobrecarga das unidades de urgência e emergência, bem como o
risco de contaminação daqueles que as procuram

• Ampliação do acesso e aumento da cobertura vacinal no país


BENEFÍCIOS

• Farmácias privadas cumprem com rigorosos requisitos sanitários necessários para a


realização dos serviços farmacêuticos.

• A capilaridade faz com que estejam presentes especialmente em regiões descentralizadas


nas cidades, mais próximas das residências dos pacientes.

• Contam com acessibilidade e com horários alternativos de funcionamento, muito além


dos horários usuais dos postos de saúde, como à noite e em finais de semana.

• Diferentemente das Unidades Básicas de Saúde, não são a porta de entrada de casos
suspeitos de Covid-19 na organização da rede de serviços de saúde.
COMO FAZER

• A farmácia precisa estar legalmente habilitada nos termos da legislação vigente para o
serviço de vacinação, ou seja, ter autorizado este serviço no alvará sanitário.

• O farmacêutico deve formalizar, por meio de um ofício dirigido à secretaria de saúde do


município, a intenção da farmácia em participar da Campanha de Vacinação do SUS.

• Uma reunião presencial entre os farmacêuticos da farmácia privada e os representantes


do poder público pode ser importante para o estreitamento dos laços e o delineamento
da parceria.

• Assinatura de um termo de cooperação entre as partes, que estabeleça as regras e


condições da parceria proposta.
TERMO DE COOPERAÇÃO

• Definição do quantitativo de insumos que serão repassados para a farmácia.


• Obrigação das partes em relação ao descarte dos resíduos gerados na
Campanha de Vacinação.
• Definição sobre a responsabilidade do uso e da aquisição de EPIs.
• Definição sobre os grupos prioritários a serem imunizados e como será feita a
comprovação das doses aplicadas.
• Lançamento no sistema oficial do quantitativo de doses aplicadas.
• Definição de como serão realizadas as notificações dos Eventos Adversos
Pós-Vacinal.
DIA DA VACINAÇÃO

• Identificar a farmácia de forma adequada para que a população saiba qual vacina está
sendo disponibilizada e qual grupo está sendo vacinado.
• A distribuição prévia de senhas pode ajudar a não formar aglomeração dentro do
estabelecimento, assim como proporcionar maior comodidade ao público-alvo.
• Aproveitar o momento da vacinação para realizar educação em saúde, orientando as
pessoas sobre as informações técnicas relacionadas à vacina que está sendo aplicada,
como reações adversas mais comuns e informações sobre o esquema vacinal.
OBRIGADO!
Roberto Canquerini – (51) 98425.2584
emaildofarmaceutico@gmail.com