Você está na página 1de 84

O INSTITUTO SUPERIOR DE

AGRONOMIA, A TAPADA DA AJUDA


E O JARDIM BOTÂNICO

Maria Filomena Frazão Caetano


Raul Bruno de Sousa
As origens do
Instituto Superior de Agronomia
remontam a 1852,
no reinado
de D. Maria II,
durante a Regeneração dirigida
por
Fontes Pereira de Melo
1852 Criação do Instituto Agrícola de Lisboa
e Escola Regional de Lisboa

Dr. José Maria Grande


Primeiro Director
do
Instituto Agrícola de
Lisboa

Notável médico que leccionava


a disiciplina de Botânica e
Princípios de Agricultura da
Escola Politécnica.

Pintado por J. Santa Barbara,


Barbara, em 1862.
1852
O Instituto Agrícola de Lisboa funcionava no Palácio
da Cruz do Taboado (actual PJ e ex-
ex-FMV)
FMV)

As práticas funcionavam na Quinta da Bemposta


situada a cerca de 1Km
Km.. (actual Academia Militar)
Militar)..
1864
Junção do Instituto Agrícola de Lisboa com a Escola de
Veterinária Militar criando-se o
Instituto Geral de Agricultura
As práticas do curso de Agronomia passaram a efectuar-se na
Granja do Marquês, em Sintra (actual Base Aérea nº1) (quinta
arrendada à Família do Marquês de Pombal para nela ser
estabelecida a Quinta Regional de Cintra, primeira em Portugal
dedicada a uma agricultura e zootecnia cientificamente elaboradas.
1886

Na reforma de Emídio Navarro, o


Instituto Geral de Agricultura
passou a denominar-se
Instituto de Agronomia e Veterinária
1906

Criação do

“Ensino Agronómico Colonial”


12 de Dezembro de 1910

Após a implantação da República, todo o sistema


educativo do País entra em transformação.

O Instituto de Agronomia e Veterinária foi

substituído por duas instituições:

Escola Superior de Medicina Veterinária

e o
12 de Dezembro de 1910
Instituto Superior de
Agronomia

O Ministro do Fomento
Manuel de Brito Camacho
instituiu os títulos de

Engenheiro Agrónomo

e de

Engenheiro Silvicultor

para os licenciados pelo novo


Instituto
SIMBOLOGIA DO LOGOTIPO

O logótipo é representado por uma águia estilizada


cujas asas se assemelham a ramos de uma árvore
carregada de frutos, suportada no lema
Inc patriam sustinet
(os que a pátria sustentam),
12 de Abril de 1911
Publicação do D.G. 88 - Organização do Ensino Superior Agronómico
1910
O primeiro Director do
Instituto Superior de Agronomia foi o
Prof. José Veríssimo de Almeida
1910 – A Real Tapada d’Ajuda, de caça e recreio, é
cedida ao Instituto Superior de Agronomia
DIMENSÃO: cerca de 100 Ha

Edifício Principal

Pavilhão de Exposições Portão


Rua Jau

Biblioteca

Campos de Rugby

Tapada da Ajuda: Parque


Botânico, Agrícola e Florestal
1914 - 1917 Instituto Superior de Agronomia

Sete anos depois da criação do ISA, foi inaugurado, na


Tapada da Ajuda, o actual Edifício Principal.
1914 - 1917 Instituto Superior de Agronomia

Sete anos depois da criação do ISA, foi inaugurado, na


Tapada da Ajuda, o actual Edifício Principal.
1914 - 1917 Instituto Superior de Agronomia

Sete anos depois da criação do ISA, foi inaugurado, na


Tapada da Ajuda, o actual Edifício Principal.
1917
O ensino florestal surge diferenciado em relação ao
curso de Agronomia, no qual havia apenas uma única
disciplina, a de Silvicultura, alargando-se o plano de
estudos com a criação de 8 novas disciplinas

1918

O ensino da Agronomia Colonial é enriquecido com


o curso complementar de

Química e Tecnologia Açucareira


e dos Óleos Coloniais.
1918

O Jardim Botânico da Ajuda passou a pertencer ao ISA


1923
Criado o Laboratório de
Patologia Vegetal “Veríssimo de Almeida”,
onde se realizavam estudos ligados às doenças e pragas
das plantas.

1926
Criado o Laboratório de
Microbiologia “Ferreira Lapa”,
onde se realizavam estudos de produtos e de
tecnologias ligados à Microbiologia.
1930
2 de Dezembro Decreto-Lei - 19031
Criação da Universidade Técnica de Lisboa

Para que cresçam as rendas e as abastanças


1930
O Instituto Superior de Agronomia alcança o estatuto
universitário, com a criação da Universidade Técnica
de Lisboa onde ficou integrado, com a
- Escola Superior de Medicina Veterinária
- Instituto Superior de Ciências Económicas
e Financeiras
- Instituto Superior Técnico

Posteriormente a UTL foi enriquecida com:

- Instituto Superior de Estudos Ultramarinos,(1961)


- Instituto Superior de Educação Física,(1976)
- Faculdade de Arquitectura,(1979)
1942
Francisco Caldeira Cabral, diplomado
em Arquitectura Paisagista pela
Universidade de Berlim,iniciou no ISA
o curso livre de
Arquitectura Paisagista,
profissão praticamente desconhecida em
Portugal até então.
1952

Os planos curriculares do ISA foram objecto


de alterações profundas.
O curso de Agronomia passa a ter 4 ramos:
 Agro-Pecuária
 Sanidade Vegetal
 Economia Rural
 Indústrias Agrícolas
1979 e 1981

Criadas quatro novas licenciaturas:

Engenharia Agronómica

Engenharia Florestal

Engenharia Agro-Industrial

(em 2003 - Eng.ª Alimentar)

Arquitectura Paisagista

mantendo-se os cursos superiores de Agronomia


Tropical e de Silvicultura Tropical.
1986 D.L. 387/86 de 29 de Setembro
São extintos os cursos de Agronomia, de Silvicultura e de
Agronomia Tropical, sendo substituídos pelo curso de
Engenharia Agronómica, desdobrado em seis ramos:
- Fitotecnia
- Produção Animal
- Engenharia Rural
- Economia Agrária e Sociologia Rural
- Protecção das Plantas
- Agronomia Tropical e Sub-tropical

O curso de Silvicultura é substituído pelo curso de


Engenharia Florestal desdobrado em três ramos:
- Produção Florestal
- Gestão dos Recursos Naturais
- Tecnologia dos Produtos Florestais

Mantém-se os cursos de Engenharia Agro-Industrial e de


Arquitectura Paisagista.
1987
2002
Despacho Reitoral nº 85 de 11/4

Criação do Curso em Engenharia do Ambiente

2004
Despacho Reitoral nº160 de 9/7

Criação do Curso de Biologia


2006
Processo de Bolonha

Os cursos foram adaptados à


Declaração de Bolonha, constituindo-se
em 3 ciclos:
1º ciclo (Licenciatura) – 3 anos
2º ciclo (Mestrado) – 2 anos
3º ciclo (Doutoramento) – 3 anos
Cursos de 1º Ciclo - (3 anos) – 180 ECTS

Licenciaturas em:

Engenharia Agronómica – (173)

Engenharia Alimentar – (190)

Engenharia do Ambiente – (106)

Engenharia Florestal e dos Recursos


Naturais – (91)

Engenharia Zootécnica – (116)

Arquitectura Paisagista – (153)

Biologia – (147)
Total – 976 Estudantes
Cursos de 2º Ciclo (2 anos) – 120 ECTS
Mestrados em:
Engenharia Agronómica – (99)
Engenharia Alimentar – (137)
Engenharia do Ambiente – (62)
Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais – (43)
Eng. Zootécnica – Produção Animal (com a FMV) – (40)
Arquitectura Paisagista – (136)
Gestão e Conservação de Recursos Naturais (com a U. Évora) – (16)
Matemática Aplicada às Ciências Biológicas – (2)
Viticultura e Enologia (com a U. Porto) – (63)
Engenharia de Sistemas Bionergéticos (com a FCUL e a colaboração do
IST/UTL) – (4)
Agronomia Tropical e Desenvolvimento Sustentável – (4)
Biologia Funcional – (7)
Ciências Gastronómicas – (4)
Vinifera EuroMaster (European Master of Sciences of Viticulture and
Enology) – Aprovado recentemente
Total – 617 Estudantes
3º Ciclo - Doutoramento (3 anos) - 180 ECTS

Engenharia Agronómica – (42)


Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais – (40)
Engenharia Alimentar – (20)
Engenharia Rural
Engenharia do Ambiente – (8)
Engenharia Zootécnica
Arquitectura Paisagista – (7)
Matemática e Estatística – (1)
Biologia – (12)
Engenharia dos Biossistemas – (10)
Restauro e Gestão Fluviais - (7)
Alterações Climát. e Polít. de Des. Sustentável – (1)
Total -148 Estudantes

Total de estudantes em 2010-2011 - 1741


Cursos de Pós-Graduação, Cursos de Especialização e
Diplomas de Formação Avançada

- Gestão de Recursos Naturais


- Sistemas de Informação Geográfica – Produção, Gestão e Análise de
Dados Espaciais
- Tecnologia Pós-colheita e Processamento Mínimo de Produtos
Hortofrutícolas
- Melhoramento Genético Florestal
- Gestão e Recuperação de Áreas Ardidas
- Ecologia e Utilização das Plantas Ornamentais – Árvores, Arbustos e
Plantas Herbáceas Vivazes
- Determinação de Textura em Alimentos e Cosméticos
- Introdução à Análise Estatística com R
- Planeamento Regional e Urbano
- Prova de Azeites Virgens
- Ciências Gastronómicas
- Wine Business
- Gastronomia Molecular: do Laboratório para a Cozinha
2011

Docentes e de Investigadores
131 Professores
e
27 Investigadores

Professores Catedráticos – 24
Professores Associados – 38
Professores Auxiliares - 55

Assistentes – 2
Docentes Convidados – 12
Não Docentes - 122

Dirigentes - 1

Técnicos Superiores – 34

Assistentes Técnicos – 63

Técnico de Informática – 3

Assistentes Operacionais - 21
Órgãos de gestão do ISA
Conselho de Escola
Presidente
Conselho de Gestão
Conselho Científico
Conselho Pedagógico

Órgãos consultivos
Assembleia de Escola
Conselho de Coordenadores
Serviços
Divisão Académica

Divisão Apoio à Gestão

Divisão Recursos Humanos

Divisão Financeira

Divisão Patrimonial e de Serviços Gerais

Divisão Gabinete de Estudos e Planeamento


UNIDADES CONSTITUINTES
Departamentos
“Ciências e Engenharia de Biosistemas”
“Ambiente, Território e Recursos Naturais”
Comissões de Curso
Pós-Graduação
Mestrado
Licenciatura
Unidades de Apoio Tecnológico
ADISA
INOVISA
CENTROP
Lab. de Patologia Vegetal Veríssimo de Almeida
Lab. de Estudos Tecnológicos
Jardim Botânico da Ajuda
Unidades de Investigação

C. de Botânica Aplicada à Agricultura (CBAA)

C.de Ecologia Aplicada Prof. Baeta Neves (CEABN)

C. de Estudos de Engenharia Rural (CEER)

C. de Estudos Florestais (CEF)

Unid. de Investigação de Química Ambiental (UIQA)

C. Est. Arquit. Paisag.– Prof. Caldeira Cabral (CEAP - PCC)


Actualmente estão em desenvolvimento 64
projectos de I&D, 14 dos quais internacionais,
e muitos outros envolvendo transferência de
tecnologia.

O ISA é líder em 8 projectos internacionais e


em 40 projectos nacionais, a maioria financiado
por fundos da UE e por fundos nacionais para
I&D.

A maioria dos parceiros internacionais


pertencem à UE envolvendo outras
Universidades, Institutos de Investigação e
Empresas Privadas.
1990

Os 1os Estatutos do ISA foram promulgados em


4 de Julho de 1990, constituindo um importante
marco e um valioso meio para promover o
progresso desta Escola.

2009

Promulgados os actuais Estatutos do ISA


Inaugurado a 18 de Novembro de 1917, foi projectado pelo Arquitecto
Adães Bermudes.
Apresenta uma estrutura quadrática com claustro e
arcadas incompletas.
Anfiteatros para Aulas Laboratórios

Salas de Informática Salas de Aula


Edifício da Biblioteca
Sala de Actos
Escadarias
Tapada
da
Ajuda
Tem origem no reinado
de D. João IV (1645).
Foi-lhe então atribuído
o nome de Tapada
Real de Alcântara
e assim se chamou até
ao tempo de D. João V.
Após o terremoto de
1755, passou então a
denominar-se de
Tapada da Ajuda.
Parque Botânico
Reserva Natural “D. António Xavier Pereira Coutinho”
Miradouro
Engenharia Florestal
Pavilhão Agro-Indústrias e Agronomia Tropical
Auditório da Lagoa Branca
Jardim da Rainha
Auditório de Pedra
Banco do Junot
Ainda na

Chalé, onde terá vivido a rainha D. Amélia I


Antiga casa do Director, actual Secção de Agricultura
Geradora
VACARIA
MINAS
“Rampa da Asneira”
Acesso ao edifício principal pelo portão da “Ponte”
1861

Observatório Astronómico de Lisboa

Goza duma autonomia territorial, actualmente na


dependência da Faculdade de Ciências da
Universidade de Lisboa
1884 Terceira Exposição Agrícola de Lisboa.

Edifício da “arquitectura do ferro e vidro”, inaugurado a


4/10/
10/1884
1884,, foi sujeito a uma recuperação em 1984,
1984, por
ocasião da comemoração do Centenário da Exposição
Exposição..
Concebido na época das grandes Exposições foi
projectado pelo arquitecto Luís Caetano de Ávila.
Vinha da meia encosta
Campo de Rugby

AGRONOMIA FOI CAMPEÃ NACIONAL DE RUGBY EM 2007


Venceu a Taça de Portugal em 2011
Campeões Nacionais de Sub 18
Também vivemos na Tapada
Jardim Botânico da Ajuda
Tem cerca de 4
hectares é o
primeiro jardim
botânico de
Portugal.

Fundado em 1768,
foi projectado pelo
botânico italiano,
Domingos Vandelli,
vindo de Pádua,
chamado pelo rei
D. José
Jardim Botânico da Ajuda
Jardim Botânico da Ajuda