Você está na página 1de 18

Escola Superior de Ciências

Empresariais
Instituto Politécnico de Viana do Castelo

Liderança e
Motivação no Grupo
Trabalho da Unidade Curricular de Relacionamento Interpessoal,
Liderança e Negociação

Docente: Luísa Pinheiro

Bruno Lima Simões – N.º 674

2010/2011
Escola Superior de Ciências Empresariais 2
Liderança e Motivação no Grupo

Índice
Índice..............................................................................................................2
INTRODUÇÃO..................................................................................................3
DEFINIÇÃO DE CONCEITOS.............................................................................4
Motivação......................................................................................................4
Liderança.......................................................................................................5
Grupos...........................................................................................................5
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO................................................................................6
Teoria dos dois factores de F. Herzberg.........................................................6
Teoria da equidade de Adams........................................................................7
Teoria das Expectativas de V. Vroom.............................................................8
LIDERANÇA...................................................................................................11
Tipos de liderança......................................................................................11
GRUPOS........................................................................................................13
Liderança e Motivação dos grupos...............................................................15
CONCLUSÃO.................................................................................................17
BIBLIOGRAFIA...............................................................................................18

2010/2011
Escola Superior de Ciências Empresariais 3
Liderança e Motivação no Grupo

INTRODUÇÃO
A motivação e liderança são temas que têm tido um destaque bastante grande
nos últimos tempos, e como a liderança está ligada aos grupos e equipas, decidi abordar
estes três temas sendo que os grupos, apenas abordo de uma forma muito suscita isto
pela ligação que tem com os outros dois temas.

No dia-a-dia fala-se muito bastante em desmotivação/motivação e liderança,


principalmente dada a conjuntura e a actual crise que estamos a viver, e também porque
se começa a associar a motivação á liderança, isto é, um bom líder tem de saber
motivar, todos nós ouvimos falar diariamente em liderança e motivação, foi nesse
contexto que quis abordar estes dois temas e profundar melhor cada um deles de
maneira a compreender as implicações e as interacções entre a liderança e a motivação.

Nos dias de hoje sabemos que a liderança não é só algo que nasce com alguns
homens mas também é algo que pode ser trabalhado, e todos nós nos podemos tornar
em líderes, preferencialmente eficazes e é aí que entra a motivação, porque um bom
líder depende de uma equipa motivada, e se numa equipa temos elementos que são por
si só motivados, temos outros que os temos de motivar.

No decorrer do trabalho exponho vários tipos de teorias de motivação assim


como os tipos de liderança.

2010/2011
Escola Superior de Ciências Empresariais 4
Liderança e Motivação no Grupo

DEFINIÇÃO DE CONCEITOS

Motivação
O que é a Motivação? Pode-se definir como algo que nos move para fazer
alguma coisa com vontade própria. Assim sendo é a causa com os factores que
influenciam as pessoas a tomarem determinados comportamentos em determinadas
maneiras.

Segundo Arnold, Robertson e Cooper (1991), existem três factores de


motivação que são eles:

• Direcção – o que uma pessoa tenta fazer;

• Esforço – como uma pessoa se aplica a tentar fazer algo;

• Persistência – tempo despendido a tentar fazer algo.

Pessoas motivadas são aquelas com objectivos bem definidos e que tomam medidas
para atingir esses mesmos objectivos, esse grupo de pessoas podem ser definidas como
auto motivadas o que significa que estão na direcção certa. Segundo Mc Gergor e a
teoria dos dois conjuntos de extremos opostos de suposições.

Mc Gregor define dois conjuntos denominados “X” e “Y”, isto é, se


aceitarmos a teoria “X”, e nos comportarmos em concordância com ela, as pessoas
mostram-se preguiçosas e desmotivadas, em contrapartida a teoria “Y” é o oposto, a
interacção é feita com pessoas motivadas.
2010/2011
Escola Superior de Ciências Empresariais 5
Liderança e Motivação no Grupo

As duas teorias de acordo John R. Maher:

Teoria X:

• O homem médio não gosta do trabalho e evita-o, ele precisa de ser forçado,
controlado e dirigido;

• O homem prefere ser dirigido e tem pouca ambição, apenas procura


segurança.

Teoria Y:

• O dispêndio de esforço no trabalho é algo natural, mas o controlo externo e


a ameaça não são meios apropriados para se obter trabalho;

• O homem exerce autocontrolo e auto direcção se as suas necessidades forem

Liderança
O que é a liderança? Não existe uma definição geralmente aceite para a palavra
liderança (v. Bass, 1981, Capítulo 1).

A liderança sempre foi e, com toda a probabilidade, sempre será um factor


importante nos assuntos humanos. Mas, nos últimos tempos, tanto a necessidade de
liderança em cargos de gerência quanto a dificuldade de proporcionar liderança eficaz
nesses mesmos cargos aumentaram muito mais do que as pessoas em geral. (J. P.
Kotter, 1988)

No âmbito do projecto GLOBE (Global Leadership and Organizational


Effectiveness), a liderança é a “capacidade de um individuo para influenciar, motivar e
habilitar outros a contribuírem para a eficácia e sucesso das organizações de que são
membros (House et al., 1999, p. 184)

Deste modo a liderança pode ser definida como o processo de mover um grupo
ou grupos numa direcção através de meios não coercitivos, sendo que a liderança eficaz
pode ser considerada aquela que produz afluência a longo prazo para melhores proveitos
dos grupos a longo prazo.
2010/2011

Grupos
O que é um grupo? Um grupo é determinado como dois ou mais elementos,
que resulta de um conjunto de necessidades ou que se reúnem com a obtenção de um
Escola Superior de Ciências Empresariais 6
Liderança e Motivação no Grupo

determinado objectivo que pode ser de razões físicas, económicas, sócio – psicológicas
(segurança, sociais, estima, auto – realização).

Os grupos podem ser classificados de duas formas, sendo elas, grupos formais
ou grupos informais.

Os grupos informais são caracterizados pela ausência de hierarquia, como por


exemplo os grupos de amigos ou de interesse.

Os grupos formais são mais complexos em relação aos formais, estes


apresentam uma hierarquia bem definida de estatutos e funções, como por exemplo, a
família, a escola, a empresa ou a associação a que pertencemos.

A formação dos grupos informais não ocorrem de uma forma aleatória, tem
sempre um propósito, isto é, um objectivo, algo com o qual nos identificamos e
gostamos, já a formação dos grupos formais ocorrem de uma forma mais aleatória, visto
que num grupo de trabalho apenas se partilha do mesmo objectivo que é o trabalho,
sendo que posteriormente esse grupo pode nunca mais cruzar.

TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
Neste capítulo vou abordar as diferentes teorias da motivação, num âmbito de
exposição da teoria e se possível alguma exposição pessoal.

Teoria dos dois factores de F. Herzberg


Nesta teoria Herzberg afirmava que:

• A satisfação no cargo é a função do conteúdo ou actividades desafiadoras


e estimulantes do cargo, são os chamados “factores motivadores”;

• A insatisfação no cargo é função do ambiente, da supervisão, dos colegas


e do contexto geral do cargo, enriquecimento do cargo são os chamados
“factores higiénicos”
2010/2011

As necessidades dos trabalhadores dividem-se então em dois grupos, sendo


eles os factores higiénicos e os motivacionais.
Escola Superior de Ciências Empresariais 7
Liderança e Motivação no Grupo

No primeiro grupo, os factores motivacionais, é a necessidade de desenvolver


uma ocupação como fonte de crescimento pessoal, que se refere ao conteúdo do cargo, e
aos deveres relacionados com o cargo em si, estes factores produzem um efeito
prolongado de satisfação que com isso aumentam a produtividade para níveis máximos,
para Herzberg, motivação, representa sensações de realização e de reconhecimento
profissional.

No segundo grupo encontramos os factores higiénicos, funcionam como base


essencial para o primeiro e está associado a um tratamento justo, condições de trabalho
e as práticas administrativas, estes constituem os factores utilizados pelas empresas
tradicionais para motivar os seus colaboradores.

Se fizermos uma analogia entre estes dois factores de Herzberg e a pirâmide


das necessidades de Maslow, encontramos algumas semelhanças, visto que na base da
pirâmide temos as necessidades fisiológicas e de segurança que podem ser comparadas
aos factores higiénicos como algo básico para a motivação dos funcionários, sendo que
a seguir vem as necessidades sociais, status e auto – realização podendo estas ser
relacionadas com os factores motivacionais, aqueles que produzem um efeito mais
eficaz nos funcionários.

Teoria da equidade de Adams


O psicólogo behaviorista Jonh Stacy Adams, desenvolveu a teoria da equidade
sobre a motivação no trabalho, para isso utilizou uma interpretação de teorias simples
como a de Maslow, Herzberg, entre outros.

A teoria da equidade de Adams é fundamentada na comparação social no


trabalho, com base na percepção pessoal de cada um sobre a razoabilidade ou justiça no
contexto de trabalho, comparando os benefícios obtidos pelos funcionários em
comparação ao seu desempenho.

Nesta base de equidade podemos ser induzidos em erro ao querer definir como
igualdade, mas equidade é quando a gratificação recebida por um funcionário é em
2010/2011

função do seu mérito, essa gratificação não tem de ser especificamente monetária, mas
sim em reconhecimento por parte do superior, ou benefícios para o funcionário.
Escola Superior de Ciências Empresariais 8
Liderança e Motivação no Grupo

A percepção de equidade é sempre feita em função de algo, que pode ser tanto
com um colega de trabalho dentro da própria empresa como de outra similar, esta
equidade também se verifica em funções diferentes, que pode provocar a desmotivação,
isto é, o porteiro que efectua o seu trabalho exemplarmente e o operário fabril que
efectua o seu trabalho do mesmo modo, a equidade vem da remuneração versus o
trabalho produzido pelos dois em esforço físico podendo-se verificar uma iniquidade
aparente, embora não exista porque ambos efectuam exemplarmente a sua tarefa.

Portanto, a equidade de Adams, só pode ser mesurável eficazmente num cargo


semelhante, embora esteja sempre dependente da percepção de justiça relativamente á
condições extrínsecas.

Teoria das Expectativas de V. Vroom


A teoria das expectativas foi desenvolvida inicialmente pelo psicólogo Victor
Vroom em 1964, para este a motivação é o processo que gere a escolha de
comportamentos voluntários de cada individuo e das expectativas de alcançar esses
mesmos objectivos, contrariando as teorias das necessidades de Herzberg e Maslow,
uma vez que estes não têm em ponderação as diferenças individuais.

A teoria das expectativas consiste em três factores sendo eles a Valência,


Instrumentalidade e Expectativa em que o produto destes é igual á motivação, assim
sendo, todos os termos tem de ser maiores que zero, que implica que nenhum dos
factores pode ser nulo.

Assim sendo para Vroom existem três forças básicas que actuam dentro do
indivíduo e que influenciam o seu nível de desempenho (ver figura):

2010/2011
Escola Superior de Ciências Empresariais 9
Liderança e Motivação no Grupo

• Expectativa – é a possibilidade de uma determinada acção levar a um resultado


pretendido, para isso o individuo tem de exercer um esforço, esforço que
combinado com os meios e competências adequadas podem originar um bom
resultado, isto é, bem-sucedido (expectativa esforço – desempenho), assim como
a esse bom resultado está inerente uma recompensa (expectativa esforço-
resultado)

• Valência – é a associação que se faz entre a recompensa e o desempenho, neste


caso o valor da recompensa deve ter um valor justo e que satisfaça as
expectativas do individuo, como tal tem um carácter subjectivo, isto porque
quem dá a recompensa pode pensar que está a ser justo e quem a recebe pode
não pensar o mesmo.

• Instrumentalidade – é a noção de que um bom resultado tem uma recompensa,


verifica-se muito nos vendedores que ganham á comissão, assim como um bom
vendedor
O modelo sabe
dasque pode chegar a chefe de equipa, que além de ter uma
recompensa Resultado
monetária melhor ainda advém o prestigio inerente
expectativas ao cargo.
final
2010/2011

Dinheiro
Expectati
va Benefícios
Resultado
Intermédio fiscais
Actividades da Produtividad Apoio do
pessoa: e gerente
Elevada
Esforço Promoção
Capacidade
Aceitação do
grupo
Escola Superior de Ciências Empresariais 10
Liderança e Motivação no Grupo

2010/2011
Escola Superior de Ciências Empresariais 11
Liderança e Motivação no Grupo

LIDERANÇA

Tipos de liderança
Existem vários tipos de liderança, e são vários os autores que abordaram este
tema, embora se tenha destacado a de White e Lippitt (1939), que de acordo estes
autores existem fundamentalmente três tipos de liderança sendo elas: Autoritária,
Liberal e Democrática.

Inicio a abordagem ao estudo do líder autoritário, que tem o seu ponto forte no
facto de fixar as suas directrizes sem a opinião do grupo, liderando de uma forma
isolada e apenas circunscreve as técnicas para a execução das tarefas, assim como a
quem cabe cada tarefe se ainda não estiver definido e também o colega ou grupo de
trabalho. É um líder que dá as instruções concretas, sem dar asas á criatividade dos
colaboradores. Este tipo de liderança tem algum tipo de consequências, acetam
principalmente no facto dos liderados não exprimirem a sua opinião, ficando apenas o
objectivo do lucro e dos resultados maximizados, deixando para trás as eventuais
amizades no grupo, em contrapartida o grupo só exerce o trabalho na presença do líder,
o que resulta numa falta de produção na ausência dele, pelo facto destes não terem
autonomia, resultante da grande tensão, agressividade e frustração no grupo.

O oposto ao líder anteriormente abordado é o líder liberal, tal qual o nome


indica, que também se pode denominar de laissez faire, em que não existe a imposição
de regras, consequentemente o grupo fica com a liberdade para poder tomar decisões
sem qualquer consentimento do líder, o trabalho é regulado pelo próprio grupo ou
colegas de trabalho sendo divididas as tarefas anarquicamente em função do gosto ou
2010/2011

disponibilidade de cada um, contudo este estilo de liderança faz com que alguns
elementos deixem o grupo isto porque esta ausência de liderança não dá resultados e
com isso não há evolução, é considerado o pior estilo de liderança isto porque sem
Escola Superior de Ciências Empresariais 12
Liderança e Motivação no Grupo

qualquer tipo de regras cada um define as suas regras, e reina o desrespeito e os


conflitos por resolver.

Por ultimo vamos abordar aquele que será o melhor estilo de liderança, o líder
democrático, torna-se evidente, visto que os sistema político dos países ocidentalizados
também é democrático, sendo considerado por esses países o melhor sistema até hoje,
este estilo de liderança assume o debate entre todos os elementos, todos os elementos
tem uma voz activa no problema e na solução desse problema, embora o papel do líder
seja fundamental para orientar a discussão para esta não se tornar anárquica.

Este líder assume também um papel de colaborador, pondo-se ao lados dos


outros colaboradores, elogiando e criticando quando necessário, assim como é objectivo
e limita-se apenas aos factos.

Num ambiente deste estilo de liderança é promovido o bom relacionamento, a


amizade no grupo, um dos factores muito importantes é autonomia que cada elemento
do grupo tem, daí advém grandes qualidades a nível interpessoal, assim como bons
resultados ao nível da produção.

Estes são os três tipos de liderança, não quer dizer que sejamos forçados a
seguir rigidamente um deles, embora haverá um que se adequará mais á nossa
personalidade ou então ao tipo de grupo que queremos liderar, contudo á algumas
situações em que se passa de um extremo para outro, e estou a falar de um líder liberal
que tenha a noção que tenha perdido o controlo da sua equipa pode-se tonar num líder
autoritário, ou mesmo um líder democrático ou liberal que numa altura de mais trabalho
adopte uma postura mais autoritária, mas não sendo um líder autoritário.

Podemos pensar que estes três níveis de liderança são uma barra que vai de um
ao três sendo que, o um, será o líder liberal o dois ficará para o líder democrático e por
ultimo o líder autoritário, pensando desta forma mesmo um líder democrático poderá
deslocar a barra para níveis mais liberais numa altura com menos trabalho ou para
2010/2011

níveis mais autoritários numa altura com mais trabalho, mas a barra pode-se deslocar
por outras razões, que podem ser uma nova equipa que não esteja a cumprir com os seus
deveres.
Escola Superior de Ciências Empresariais 13
Liderança e Motivação no Grupo

GRUPOS

Um grupo é caracterizado como sendo uma unidade social, um conjunto de


indivíduos mais ou menos estruturados unidos com objectivos, interesses e
características comuns que estabelecem relações entre si, interagindo.

Os elementos constituintes de um grupo têm geralmente motivações em


comum, interagindo com frequência, partilham também de normas e valores, tendo
estatutos e papéis a desempenhar, cooperam de forma a atingir um determinado
objectivo e reconhecem e são reconhecidos pelos outros como pertencentes ao grupo.

No interior do grupo desenvolvem-se múltiplas interacções e um mesmo


indivíduo pode pertencer a vários grupos em simultâneo.

Um grupo é muito mais do que a soma dos indivíduos que o compõem. No seio
deste, as pessoas desenvolvem a sua estrutura pessoal através da troca de ideias e do
diálogo.

O grupo pensa e age de modo diferente de qualquer um dos seus elementos


considerados individualmente. Cria-se uma consciência colectiva que não é igual à
soma das consciências individuais (Fachada, 1998).

Os grupos podem ser subdivididos em grupos primários ou secundários, ou em


grupos formais ou informais.

Os grupos resultam de um conjunto de necessidades relativas ao grupo em


questão, essas necessidades são de ordem variada, sendo que em primeiro vens as
necessidades de segurança, afeição, identidade, dependência, cooperação e estima, só
depois destas necessidades estarem satisfeitas é que vem os grupos de ordem social,
dominação, adaptação e necessidades económicas e catárticas.
2010/2011

Sendo o homem o ser social, isso implica que todos nós pertençamos a um
grupo, esse grupo inicial são os denominados os grupos primários que são constituídos
pela família ou turma de escola, estes grupos satisfazem grande parte das nossas
necessidades do grupo, seguidamente vem os grupos secundários que são constituídos
Escola Superior de Ciências Empresariais 14
Liderança e Motivação no Grupo

por elementos da empresa ou de um clube, e caracterizam-se por uma comunicação


indirecta como por exemplo telemóveis, computadores entre outros meios, também
temos de ter em consideração que existem grupos dentro de grupo, assim como vários
elementos podem pertencer a grupos adjacentes.

Por fim temos os grupos formar e informais, nos grupos informais é


caracterizado pela ausência de hierarquia, são por norma os grupos de amigos ou então
com quem fazemos desporto.

Já o grupo formal tem uma hierarquia bem definida e estruturada com regras e
regulamentos, a família escola ou empresa são bons exemplos de grupos formais, mas
temos de ter em atenção que dentro dos grupos formais existem também grupos
informais, isto é numa empresa existe um grupo com o qual costumamos ir almoçar ou
tomar café frequentemente formando assim um grupo informal nessas situações.

Podemos também falar de eficácia de grupo, estamos então perante um grupo


eficaz quando:

• Todos os elementos do grupo compreendem e aceitam os objectivos


propostos por este.

• O ambiente de trabalho deverá ser tranquilo e informal.

• No seio do grupo todos os elementos devem estar envolvidos, devem


contribuir para a discussão tal como existir uma troca de opiniões.

• Nenhuma pessoa deve dominar. E não se pretende de maneira nenhuma


um líder autoritário, dado que um bom líder é aquele que se adapta às diversas
situações.

• As discordâncias devem ser discutidas e resolvidas por consenso geral.

• O grupo deve ser capaz de rever o seu desempenho e tentar melhorá-lo


após a conclusão de qualquer tarefa.
2010/2011

Contudo um grupo que se esforce e mostre empenho e interesse apresenta uma


coesão mais forte e uma longevidade maior também, devido á forte motivação de
pertencer ao grupo, nestes casos o grupo já apresenta níveis de organização bastante
elevados, como por exemplo uma claque de futebol.
Escola Superior de Ciências Empresariais 15
Liderança e Motivação no Grupo

Liderança e Motivação dos grupos

“Só há uma forma de uma empresa ter progresso. Primeiro, é preciso


dar-lhe um rumo. Terceiro, é preciso motivar os empregados para que
eles ajudem a gestão a chegar lá. Portanto, na minha opinião só há um
segredo: os empregados, a motivação das pessoas.”

(Fernando Pinto, gestor da TAP, em entrevista


á revista Única, Expresso, 9/04/04)

Esta pequena citação do gestor da TAP, á revista do jornal expresso, exprime a


combinação entre um líder que sabe o que é importante para empresa assim como para
os seus funcionários, e sabe melhor ainda que sem a motivação dos funcionários nunca
obterá elevados níveis de rendimento, além de demonstrar ser um líder democrático,
aquele que assume a importância dos seus colaboradores para o sucesso da empresa
para o futuro, com isso a organização flexível de um grupo vai aumentar os níveis
intrínsecos de motivação do grupo, assim como saber reconhecer as causas do sucesso
ou do fracasso de uma tarefa, aumenta a motivação.

O grupo que tem o reconhecimento por parte do líder é um grupo muito mais
motivado para exercer a mesma função.

Jornalista – “Ao gerir pessoas, houve algum acontecimento que tenha marcado a sua
carreira?”

F. Pinto – “Sim. Um dia repreendi o encarregado mais antigo dos mecânicos em frente
deles. Embora o encarregado me tivesse dado razão, sentiu-se humilhado perante os seus
subordinados. Dei conta disso, e antes que ele viesse falar comigo, no mesmo dia, reuni
todos os que tinham estado presentes e pedi desculpa ao mecânico e ao encarregado.”

(Fernando Pinto, gestor da TAP, em entrevista


á revista Única, Expresso, 9/04/04)
2010/2011

Embora haja autores que consideram que a crítica em público possa ser eficaz,
eu discordo dessa opinião em geral, a crítica deve ser feita em privado e um elogio em
público, sendo que os níveis de motivação no último caso sobem para níveis elevados,
sendo melhor que um bónus no final do mês, é a valorização do trabalho do funcionário,
Escola Superior de Ciências Empresariais 16
Liderança e Motivação no Grupo

no caso acima descrito, o líder deve saber as características que o seu colaborador tem
assim como qual o seu estatuto perante o grupo.

Assim sendo o procedimento inicial não foi o correcto, embora tenha corrigido
o erro e da forma adequada, isto porque um pedido de desculpas a sós não retiraria a
humilhação perante o grupo a que foi sujeito, por sua vez o pedido de desculpas perante
o grupo deu-lhe de volta o status perante os subordinados.

Alguns líderes consideram que mesmo numa repreensão deve-se começar


sempre com um elogio, de maneira a não englobar um erro pontual a todas as acções do
individuo assim como os erros do passado, todas estas pequenas situações fazem a
diferença entre ter uma equipa/grupo motivado ou desmotivado, sendo que os níveis de
motivação estando elevados a produtividade também é elevada.

2010/2011
Escola Superior de Ciências Empresariais 17
Liderança e Motivação no Grupo

CONCLUSÃO
“O homem é um animal social”, assim sendo este necessita de viver rodeados
de pessoas, assim sendo os grupos são fundamentais á sua existência, desde os grupos
formais aos grupos informais.

É neste contexto que a motivação é intrínseca ao ser humano, este tem de ser
motivado para responder com mais eficácia aos estímulos vindos do exterior, assim
sendo a motivação é algo que todos nós possuímos, portanto temos de considerar que as
acções do Homem estão ligadas aos motivos, ou seja, é o motivo que move o Homem á
acção.

Somos todos motivados e motiváveis, ou seja não há pessoas não motivadas ou


não motiváveis, é neste contexto que os líderes tem um papel fundamental, isto porque
além de terem de manter o níveis de motivação elevados, tem de conseguir transformar
pessoas desmotivadas em pessoas muito motivadas, isto pode parecer algo impossível,
mas não o é, o mais importante é o factor reconhecimento e da distinção ou seja a
mobilização da motivação por parte do líder.

O líder por sua vez tem de ser um modelo uma referencia, enquanto líder tem
de ser coerente e também observador, e saber dar o feedback positivo ou negativo
quando é necessário, isto pode-se tornar um esforço em algumas circunstâncias mas tem
de ser capaz de responsabilizar, envolver e dar espaço, porque efectivamente quem faz a
empresa mover são os funcionários e harmonia com o gestor/líder. 2010/2011
Escola Superior de Ciências Empresariais 18
Liderança e Motivação no Grupo

BIBLIOGRAFIA
ARMSTRONG, Michael: (2004). A Handbook of Human Resource
Management Practice. Kogan Page Limited.

Cunha, M. P., Rego, A., Cunha, R. C., Cabral-Cardoso, C. : (2004). Manual de


Comportamento Organizacional e Gestão. Lisboa: Edt RH.

Fachada, Odete. (1998). Psicologia das relações interpessoais. Lisboa: Edições


Rumo, lda.

Vala, J. & Monteiro, B. (2006). Psicologia Social. Lisboa: Fundação Caloustre


Gulbenkian.

2010/2011