Você está na página 1de 123

PACOTE DE EXERCÍCIOS

MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO


ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Olá, seja bem vindo.

Este é o nosso módulo de Direito Administrativo, em exercícios, para o concurso de


Analista Processual do Ministério Público da União

É com imensa satisfação, com extrema responsabilidade, que aceitei o desafio de


compor, mais uma vez, a equipe do Ponto que se dedicará a ajudá-lo, nessa árdua
jornada, rumo ao seu sonho, a aprovação nesse concurso.

Como de costume, deixe-me fazer uma breve apresentação. Meu nome é Edson
Marques, sou Defensor Público Federal, atuando no Superior Tribunal de Justiça, sou
professor de Direito Administrativo e Constitucional em cursos preparatórios para
concursos, na pós-graduação e graduação em Brasília.

Minha vida de concurseiro se deu início em 1994, quando abandonei a graduação,


para fazer concursos públicos. Assim, de lá para cá, já ocupei os cargos de Técnico
de Finanças e Controle, Técnico Judiciário no STJ, Analista Judiciário – Judiciária –
no STF, Analista Judiciário no STJ, Procurador da Fazenda Nacional e Advogado da
União, além do que atualmente ocupo (Defensor Público).

Além disso, obtive aprovação em diversos concursos públicos (PFN, Delegado


Federal, Analista Processual do MPU, Advogado CEF, Técnico Judiciário do TST,
Oficial de Justiça no TRF 1ª Região e TJDFT, dentre outros).

Por isso, em razão dessa experiência de mais de 15 anos de concurso (acho que já
sou um ancião – risos), espero poder contribuir com o conhecimento adquirido e
com a vivência da metodologia das diversas bancas, a fim de que possamos ter um
bom aproveitamento e adequada preparação, com vistas à aprovação neste
certame.

Nosso cronograma, tomando como ponto de partida o edital anterior, em que pese
forte sinalização no sentido de que será o CESPE que realizará a prova, será
desmembrando da seguinte forma:

AULA 01 – Direito Administrativo: Conceito, fontes e princípios do Direito


Administrativo. Administração Pública: Estrutura Administrativa: conceito;
elementos; poderes; organização; órgãos públicos; Organização Administrativa
Brasileira: administração direta e indireta. Centralização e descentralização.

AULA 02 - agentes públicos. Atividades Administrativas: conceito, natureza, fins e

www.pontodosconcursos.com.br 1
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

princípios básicos; Poderes e deveres do administrador público; Uso e abuso do


poder. Poderes Administrativos: Poder vinculado, Poder discricionário, Poder
hierárquico, Poder disciplinar, Poder regulamentar e Poder de polícia.

AULA 03 - Atos administrativos: Conceito e requisitos; Atributos; Classificação;


Espécies; Anulação e revogação: efeitos.

AULA 04 - Licitações (Lei nº 8.666, de 21/6/1993 e suas alterações): Conceito,


princípios, objeto e finalidade; Obrigatoriedade, dispensa e inexigibilidade;
Modalidades; Procedimentos e fases; Revogação e anulação (fundamentos,
iniciativa e efeitos decorrentes); Comissão Permanente de Licitações
(constituição e responsabilidade); Contratos administrativos: conceito,
características e principais tipos: reajuste de preços: correção monetária:
reequilíbrio econômico e financeiro.

AULA 05 - Servidor Público - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis (Lei nº
8.112/1990 e suas alterações)

Chamo a atenção para o fato de que adotarei a sistemática que tem se saído
vencedora até agora, qual seja, de primeiro apresentar as questões selecionadas,
para que você tente resolvê-las, para então, no final, apresentar os Comentário de
cada questão.

Iremos adotar questões do CESPE e FCC, podendo ainda, acaso entenda


necessário, em face do tema, selecionar de outras bancas, sendo questões de
2010/2009/2008, podendo ainda ter outras mais antigas, a depender, como disse,
do tema, caso não se localize questão mais recente.

Ressalto, no entanto, que o papel fundamental será seu, de modo que é preciso
muita força de vontade, perseverança e querer vencer esse desafio, além de nos
mantermos concentrados no nosso objetivo principal. Por isso, vamos desligar a
televisão, e não nos preocupemos com a copa do Mundo, salvo é claro os jogos do
Brasil, porque também ninguém é de ferro. Mas, esqueçamos as novelas, pois no
final sempre há um casamento (risos).

A propósito, recomendo sempre ter em mãos uma boa coletânea da legislação


administrativa e a Constituição Federal para se conferir e reforçar os termos legais.

Pois bem. Vamos ao que interessa!

www.pontodosconcursos.com.br 2
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

– AULA 01 –

QUESTÕES SELECIONADAS

1. (ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – CESPE/2009) Pelo critério teleológico, o Direito


Administrativo é considerado como o conjunto de normas que regem as relações entre a
administração e os administrados. Tal critério leva em conta, necessariamente, o caráter
residual ou negativo do Direito Administrativo.

2. (ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – CESPE/2009) Na França, formou-se a denominada


Escola do Serviço Público, inspirada na jurisprudência do Conselho de Estado, segundo a
qual a competência dos tribunais administrativos passou a ser fixada em função da
execução de serviços públicos.

3. (PROCURADOR FEDERAL – AGU – CESPE/2006) Classificar um sistema de controle


jurisdicional da administração pública como sistema contencioso ou sistema de jurisdição
única não implica afirmar a exclusividade da jurisdição comum ou da especial, mas a
predominância de uma delas.

4. (PROCURADOR FEDERAL – AGU – CESPE/2006) No Brasil, sempre se afastou a idéia de


coexistência de uma justiça administrativa e de uma justiça praticada com exclusividade
pelo poder judiciário, razão pela qual é adotado, no país, o sistema contencioso.

5. (FISCAL DE RECEITA ESTADUAL – SEFAZ/AC – CESPE/2009) Com referência a conceitos,


fontes e princípios do direito administrativo, assinale a opção correta.
a) Os costumes são fontes do direito administrativo, não importando se são contra legem,
praeter legem ou secundum legem.
b) As expressões serviço público centralizado e serviço público descentralizado
equivalem a administração pública direta e administração pública indireta,
respectivamente.
c) Em uma sociedade democrática, a correta aplicação do princípio da supremacia do
interesse público pressupõe a prevalência do interesse da maioria da população.
d) A aplicação do princípio da segurança jurídica pode afastar o da mera legalidade.

6. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCU – CESPE/2009) A CF, as leis complementares e


ordinárias, os tratados internacionais e os regulamentos são exemplos de fontes do direito
administrativo.

www.pontodosconcursos.com.br 3
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

7. (TÉCNICO JUDICIÁRIO - TRF 5ª Região – FCC/2008) Os princípios informativos do Direito


Administrativo
(A) ficam restritos àqueles expressamente previstos na Constituição Federal.
(B) consistem no conjunto de proposições que embasa um sistema e lhe garante a
validade.
(C) ficam restritos àqueles expressamente previstos na Constituição Federal e nas
Constituições Estaduais.
(D) são normas previstas em regulamentos da Presidência da República sobre ética na
Administração Pública.
(E) são regras estabelecidas na legislação para as quais estão previstas sanções de
natureza administrativa.

8. (PERITO MÉDICO – INSS – CESPE/2010) O sistema administrativo ampara-se,


basicamente, nos princípios da supremacia do interesse público sobre o particular e da
indisponibilidade do interesse público pela administração.

9. (AUDITOR – TCE/AL – FCC/2008) “A Justiça Federal em Florianópolis recebeu 17


mandados de segurança contra a medida provisória (MP) da Presidência da República
publicada em 22 de janeiro, que proibiu a venda e a oferta de bebidas alcoólicas em
faixa de domínio de rodovia federal ou estabelecimento situado em local com acesso
direto à rodovia. Em dois processos, as empresas conseguiram a liminar que impede (...)
multa em caso de infração à MP; em quatro o pedido foi negado e nos demais ainda
não houve decisão.” (Fonte: www.jf.gov.br. Notícias, em 13.02.2008). Como fundamento
dessa medida provisória, o Poder Executivo federal pode evocar, dentre os princípios do
Direito Administrativo, o da
(A) indisponibilidade do interesse público.
(B) continuidade dos serviços públicos.
(C) supremacia do interesse público.
(D) especialidade.
(E) segurança nacional.

10.(PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) Os princípios que regem a atividade da


administração pública e que estão expressamente previstos na CF são os princípios da
legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade.

11.(PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) O princípio da legalidade no âmbito da


administração pública identifica-se com a formulação genérica, fundada em ideais
liberais, segundo a qual ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa
senão em virtude de lei.

www.pontodosconcursos.com.br 4
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

12.(ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/MT – CESPE/2010) A atuação administrativa


dos integrantes do setor público deve ser pautada pela existência de uma permissão
legal. Assim sendo, o princípio explicitado na CF hierarquicamente definido como mais
importante é o da legalidade, pois é um princípio norteador das ações públicas.

13.(ANALISTA ADMINISTRATIVO – ANAC – CESPE/2009) O princípio da razoabilidade impõe


à administração pública a adequação entre meios e fins, não permitindo a imposição de
obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas estritamente necessárias ao
atendimento do interesse público.

14.(ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/MT – CESPE/2010) O princípio da finalidade,


explicitado no art. 37 da CF, define que, se o gestor público praticar atos fora dos fins
expressa ou implicitamente contidos na regra de competência, praticará desvio de
finalidade. E se tal ato atentar contra os princípios da administração pública ao visar fim
proibido em lei ou demais normas, constituirá ato de improbidade administrativa.

15.(ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/MT – CESPE/2010) Entendendo que “Todos


são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza” (CF, art. 5, caput),
determinado órgão público, responsável pela fiscalização de tributos, estará
adequadamente respaldado pelo princípio da impessoalidade ao instituir fila única aos
atendimentos à comunidade, não dando diferenciação de atendimento aos
cadeirantes, gestantes, idosos etc.

16.(ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/MT – CESPE/2010) Se determinado ato


administrativo for analisado e categorizado como ilegal e imoral, haverá redundância
nessa categorização, pois, de acordo com os princípios constitucionais, todo ato imoral é
necessariamente um ato ilegal, sujeito ao controle do Poder Judiciário.

17.(ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCU – CESPE/2007) A probidade administrativa é


um aspecto da moralidade administrativa que recebeu da Constituição Federal brasileira
um tratamento próprio.

18.(PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) Os princípios da moralidade e da eficiência da


administração pública, por serem dotados de alta carga de abstração, carecem de
densidade normativa. Assim, tais princípios devem ser aplicados na estrita identificação
com o princípio da legalidade.

19.(ANALISTA JUDICIÁRIO – ADMINISTRATIVA – TRT 17ª REGIÃO – CESPE/2009) As


sociedades de economia mista e as empresas públicas que prestam serviços públicos
estão sujeitas ao princípio da publicidade tanto quanto os órgãos que compõem a

www.pontodosconcursos.com.br 5
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

administração direta, razão pela qual é vedado, nas suas campanhas publicitárias,
mencionar nomes e veicular símbolos ou imagens que possam caracterizar promoção
pessoal de autoridade ou servidor dessas entidades.

20.(ANALISTA ADMINISTRATIVO – ANAC – CESPE/2009) A inserção de nome, símbolo ou


imagem de autoridades ou servidores públicos em publicidade de atos, programas,
obras, serviços ou campanhas de órgãos públicos fere o princípio da impessoalidade da
administração pública.

21.(PROCURADOR DE CONTAS – TJ/RR – FCC/2008) “A publicidade dos atos, programas,


obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo,
informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou
imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos”. O
texto acima transcrito, do art. 37, §1º, da Constituição Federal é aplicação do princípio
da
(A) moralidade, pois determina que o conteúdo da informação publicitária não poderá
atentar contra a moral e os bons costumes.
(B) impessoalidade, pois desvincula a atuação da Administração de qualquer alusão
pessoal à figura de um agente político.
(C) publicidade, pois regula a veiculação da publicidade oficial e impede os abusos que
possam ser cometidos em seu exercício.
(D) eficiência, pois determina que haja o menor dispêndio possível relativo à publicidade
oficial.
(E) motivação, pois implica a realização de publicidade oficial que tenha estrita
correlação com serviços públicos prestados pela Administração.

22.(ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCU – CESPE/2007) A declaração de sigilo dos atos


administrativos, sob a invocação do argumento da segurança nacional, é privilégio
indevido para a prática de um ato administrativo, pois o princípio da publicidade
administrativa exige a transparência absoluta dos atos, para possibilitar o seu controle de
legalidade.

23.(PROCURADOR DE ESTADO – PGE/PB – CESPE/2008 – adaptada) O princípio da


eficiência, introduzido expressamente na Constituição Federal (CF) na denominada
Reforma Administrativa, traduz a idéia de uma administração gerencial:

24.(ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – CESPE/2009) Com base no princípio da eficiência e


em outros fundamentos constitucionais, o STF entende que viola a Constituição a
nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por
afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da

www.pontodosconcursos.com.br 6
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o


exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na
administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos estados,
do Distrito Federal e dos municípios, compreendido o ajuste mediante designações
recíprocas.

25.(PROMOTOR – MPE/AM - CESPE/2007) Explícita ou implicitamente, os princípios do


direito administrativo que informam a atividade da administração pública devem ser
extraídos da CF.

26.(PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) A lei que trata dos processos administrativos no


âmbito federal previu outros princípios norteadores da administração pública. Tal
previsão extrapolou o âmbito constitucional, o que gerou a inconstitucionalidade da
referida norma.

27.(PROCURADOR – PGE/AL – FCC/2008). O regime jurídico administrativo possui


peculiaridades, dentre as quais podem ser destacados alguns princípios fundamentais
que o tipificam. Em relação a estes, pode-se afirmar que o princípio da
(A) supremacia do interesse público informa as atividades da administração pública,
tendo evoluído para somente ser aplicado aos atos discricionários.
(B) supremacia do interesse público informa as atividades da administração pública e
pode ser aplicado para excepcionar o princípio da legalidade estrita, a fim de melhor
representar a tutela do interesse comum.
(C) legalidade estrita significa que a administração pública deve observar o conteúdo
das normas impostas exclusivamente por meio de leis formais.
(D) indisponibilidade do interesse público destina-se a restringir a edição de atos
discricionários, que só podem ser realizados com expressa autorização legislativa.
(E) indisponibilidade do interesse público destina-se a restringir a atuação da
administração pública, que deve agir nas hipóteses e limites constitucionais e legais.

28.(DEFENSOR PÚBLICO – DPE/SP – FCC/2008). Marque a afirmativa correta:


a) O princípio da moralidade só pode ser aferido pelos critérios pessoais do administrador.
b) São princípios explícitos da Administração Pública, entre outros, os da legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.
c) O princípio da razoabilidade ou proporcionalidade não é princípio consagrado sequer
implicitamente.
d) O princípio da publicidade obriga a presença do nome do administrador nos atos,
obras, serviços e campanhas do Poder Público.
e) O princípio da motivação não exige a indicação dos pressupostos de fato e de direito
que determinarem a decisão administrativa.

www.pontodosconcursos.com.br 7
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

29.(JUIZ FEDERAL – TRF 5ª REGIÃO – CESPE/2007) Acerca dos quatro setores da economia,
os quais repercutem na atuação da administração pública, julgue o item subseqüente. O
Estado compõe o primeiro setor, ao passo que o mercado configura o segundo setor.

30. (ANALISTA SUPERIOR – MPE/SE – FCC/2009) A Administração Direta é definida como


(A) corpo de órgãos, dotados de personalidade jurídica própria, vinculados ao Ministério
ou Secretaria em cuja área de competência estiver enquadrada sua principal atividade.
(B) conjunto de pessoas jurídicas de direito público subordinadas diretamente à chefia do
Poder Executivo.
(C) conjunto de serviços e órgãos integrados na estrutura administrativa da chefia do
Poder Executivo e respectivos Ministérios ou Secretarias.
(D) soma das autarquias, fundações públicas e empresas públicas subordinadas ao
governo de determinada esfera da Federação.
(E) nível superior da administração da União ou de um ente federado, integrada pela
chefia do Poder Executivo e respectivos auxiliares diretos.

31.(ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009)A descentralização política


ocorre quando os entes descentralizados exercem atribuições próprias que não
decorrem do ente central. Sendo os estados-membros da Federação tais entes e, no
Brasil, também os municípios, a descentralização política possui os mesmos entes da
descentralização administrativa.

32.(ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) A descentralização


territorial ou geográfica se verifica quando uma entidade local e geograficamente
delimitada, com personalidade jurídica de direito público, exerce a totalidade ou a maior
parte dos encargos públicos de interesse da coletividade, sujeitando-se a controle do
poder central. No Brasil, os estados e territórios podem ser categorizados como entes de
descentralização territorial.

33.(ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) O regime democrático,


cada vez mais, tem-se pautado na necessidade de um sistema institucional mais coeso e
centralizado, apesar de conter algumas aberturas a ações políticas oriundas dos
cidadãos e da opinião pública.

34.(ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) A descentralização por


serviço, técnica ou funcional ocorre quando a União, o estado ou os municípios criam,
por lei, uma pessoa de direito público ou privado e a ela atribuem a titularidade e a
execução de determinado serviço público. Caracteristicamente, essa pessoa legalmente
criada denomina-se autarquia. No entanto, é possível incluir, por exemplo, nessa

www.pontodosconcursos.com.br 8
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

categoria, as fundações governamentais, sociedades de economia mista e empresas


públicas, que exerçam serviços públicos.

35.(ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) A centralização político-


administrativa garante e protege a capacidade de tomar decisões, pois os resultados
são sentidos de forma mais imediata.

36. (TÉCNICO ADMINISTRATIVO – STF – CESPE/2008). A descentralização pode ser feita por
qualquer um dos níveis de Estado: União, DF, estados e municípios.

37. (TÉCNICO ADMINISTRATIVO – STF – CESPE/2008). A divisão de determinado tribunal em


departamentos visando otimizar o desempenho, para, posteriormente, redistribuir as
funções no âmbito dessa nova estrutura interna, é um exemplo de descentralização.

38.(ADVOGADO – SGA/AC – CESPE/2008). Considere que uma lei estadual do Acre


institua, com caráter de autarquia, o Instituto Academia de Polícia Civil, com o objetivo
de oferecer formação e aperfeiçoamento aos servidores ligados à polícia civil do Acre.
Nessa situação, a criação do instituto representaria um processo de descentralização
administrativa, visto que implicaria a criação de uma entidade da administração
estadual indireta.

39.(ANALISTA JUDICIÁRIO – ADMINISTRATIVA – TRE/GO – CESPE/2009) Assinale a opção


correta a respeito da organização da administração pública direta e indireta.
A A União, os estados, os municípios e o Distrito Federal são entidades políticas que
compõem a administração pública indireta.
B Por meio do processo de descentralização vertical da administração pública, são
criadas entidades com personalidade jurídica, às quais são transferidas atribuições
conferidas pela Constituição (CF) aos entes políticos.
C Na estrutura dos entes políticos, os órgãos estão estruturados a partir de critérios de
hierarquia. Contudo, há órgãos independentes, que não se subordinam a qualquer outro,
devendo, apenas, obediência às leis. É o caso da presidência da República, na estrutura
do Poder Executivo federal, e dos gabinetes dos governadores, na estrutura do Poder
Executivo estadual.
D De forma geral, as autarquias corporativas, como a OAB e os demais conselhos de
profissões regulamentadas, devem prestar contas ao Tribunal de Contas da União (TCU),
fazer licitações e realizar concursos públicos para suas contratações.

40.(TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRF 5ª REGIÃO – FCC/2008) Os órgãos públicos são


(A) centros de competência dotados de personalidade jurídica.
(B) os agentes públicos que desempenham as funções da Administração Pública.

www.pontodosconcursos.com.br 9
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

(C) centros de competência instituídos para o desempenho de funções estatais.


(D) unicamente os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.
(E) as pessoas, os sujeitos de direitos e obrigações, dentro da Administração Pública.

41.(TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRF 5ª REGIÃO – FCC/2008) Em conformidade com a doutrina


dominante e quanto à posição que ocupam na estrutura estatal, os órgãos públicos
classificam-se em
(A) singulares, colegiados superiores e inferiores.
(B) autônomos, superiores, inferiores e compostos.
(C) compostos, independentes, subalternos e singulares.
(D) compostos, colegiados, autônomos e superiores.
(E) independentes, autônomos, superiores e subalternos.

42.(OFICIAL DE JUSTIÇA – TJUPA – FCC/2009) Sobre os órgãos e os agentes públicos é


correto afirmar:
(A) Os órgãos públicos são centros de competência, dotados de personalidade jurídica,
instituídos para o desempenho de funções estatais, através de seus agentes, cuja
atuação é imputada à pessoa jurídica a que pertencem.
(B) Os órgãos integram a estrutura do Estado e das demais pessoas jurídicas como partes
integrantes dos mesmos e são dotados de vontade e capazes de exercer direitos e
contrair obrigações para a consecução de seus fins institucionais.
(C) A distribuição de funções entre os vários órgãos da mesma Administração denomina-
se descentralização.
(D) Os agentes públicos são pessoas físicas que executam função pública como
prepostos do Estado, não integrando os órgãos públicos.
(E) Os agentes políticos, dada a sua importância, não se incluem entre os agentes
públicos, não constituindo uma categoria destes.

43.(PROCURADOR DO BANCO CENTRAL – CESPE/2009) A respeito da organização da


administração pública, assinale a opção correta.
a) Por não possuírem personalidade jurídica, os órgãos não podem figurar no polo ativo
da ação do mandado de segurança.
b) Segundo a teoria da imputação, os atos lícitos praticados pelos seus agentes são
imputados à pessoa jurídica à qual eles pertencem, mas os atos ilícitos são imputados aos
agentes públicos.
c) Os órgãos públicos da administração direta, autárquica e fundacional são criados por
lei, não podendo ser extintos por meio de decreto do chefe do Poder Executivo.
d) A delegação de competência, no âmbito federal, somente é possível se assim
determinar expressamente a lei.

www.pontodosconcursos.com.br 10
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

e) Quando as atribuições de um órgão público são delegadas a outra pessoa jurídica,


com vistas a otimizar a prestação do serviço público, há desconcentração.

44.(TÉC. SUPERIOR PGE/RS FCC/2009) A criação de entidades da Administração indireta e


a transferência, a estas, de atividades e competências originalmente atribuídas a órgãos
da administração direta são decorrência de políticas administrativas tendentes à
(A) desconcentração.
(B) descentralização.
(C) privatização.
(D) regulamentação.
(E) subsidiariedade.

45.(PROCURADOR – PGE/PE – CESPE/2009) Quanto à atividade administrativa do Estado e


à administração pública direta e indireta, assinale a opção correta.
a) Segundo a doutrina, na descentralização por serviço, o poder público mantém a
titularidade do serviço e o ente descentralizado passa a deter apenas a sua execução.
b) A desconcentração consiste na distribuição de competência de uma para outra
pessoa física ou jurídica.
c) A fundação instituída pelo Estado com personalidade jurídica de direito privado se
sujeita inteiramente a esse ramo do direito.
d) As empresas públicas e as sociedades de economia mista são criadas e extintas
mediante autorização legal, têm personalidade jurídica de direito privado, possuem a
mesma forma de organização ou estruturação e, ambas, desempenham atividade de
natureza econômica.
e) A autarquia configura pessoa jurídica de direito público, criada por lei, com
capacidade de autoadministração, sujeita ao princípio da especialização, o qual a
impede de exercer atividades diversas daquelas para as quais foi constituída.

46.(ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/GO – CESPE/2009) Assinale a opção correta


no que concerne a descentralização e desconcentração.
A A descentralização é simples técnica administrativa, utilizada apenas no âmbito da
administração direta.
B Caso o TRE distribua competências no âmbito de sua própria estrutura, é correto afirmar
que ocorreu descentralização.
C A desconcentração pressupõe a existência de apenas uma pessoa jurídica.
D A outorga e a delegação são formas de efetivação da desconcentração.

47.(ASSESSOR JURIDÍCO - PREF. NATAL-RN – CESPE/2008). Assinale a opção correta acerca


da administração pública.

www.pontodosconcursos.com.br 11
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

a) Os ministérios e autarquias fazem parte da administração pública direta.


b) As empresas públicas têm natureza jurídica de pessoas jurídicas de direito público
interno.
c) A descentralização administrativa é o fenômeno no qual o Estado atua por meio de
entes que lhe são juridicamente distintos.
d) A desconcentração pressupõe a existência de, pelo menos, duas pessoas entre as
quais se repartem competências.

48.(PROCURADOR – AGU – CESPE/2007). No direito brasileiro, os órgãos são conceituados


como unidades de atuação integrantes da estrutura da administração direta e da
estrutura da administração indireta e possuem personalidade jurídica própria.

49.(PROCURADOR – AGU – CESPE/2007). As ações dos entes políticos -- como União,


estados, municípios e DF -- concretizam-se por intermédio de pessoas físicas, e, segundo a
teoria do órgão, os atos praticados por meio desses agentes públicos devem ser
imputados à pessoa jurídica de direito público a que pertencem.

50.(JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO – TJ/TO – CESPE/2007). Acerca da organização da


administração pública, assinale a opção correta.
a) A administração direta abrange todos os órgãos do Poder Executivo, excluindo-se os
órgãos dos Poderes Judiciário e Legislativo.
b) As autarquias profissionais de regime especial, como a Ordem dos Advogados do Brasil
e as agências reguladoras, submetem-se ao controle do Tribunal de Contas da União.
c) As empresas públicas e as sociedades de economia mista que exploram atividade
econômica em regime de monopólio submetem-se ao regime jurídico próprio das
empresas privadas.
d) Enquanto a administração pública extroversa é finalística, dado que ela é atribuída
especificamente a cada ente político, obedecendo a uma partilha constitucional de
competências, a administração pública introversa é instrumental, visto que é atribuída
genericamente a todos os entes, para que possam atingir aqueles objetivos.

51.(PROC. MUNICIPAL – PREF. NATAL – CESPE/2008). Com relação às autarquias, assinale a


opção correta.
a) A relação entre uma autarquia e o ente que a criou é de subordinação.
b) A criação de uma autarquia federal é feita por decreto do presidente da República.
c) O dirigente de autarquia não pode figurar como autoridade coatora em mandado de
segurança.
d) Uma autarquia municipal pode litigar em juízo contra o município que a criou.

www.pontodosconcursos.com.br 12
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

52.(PROCURADOR JUDICIÁRIO - PREF. RECIFE/PE – FCC/2008). Determinado Estado criou,


regularmente, uma autarquia para executar atividades típicas da Administração
estadual que melhor seriam exercidas de forma descentralizada. Em relação a esta
pessoa jurídica instituída, pode-se afirmar que se trata de pessoa jurídica
a) de direito público, com personalidade jurídica própria, embora sujeita ao poder de
autotutela do ente que a instituiu.
b) de direito público, não sujeita a controle do ente que a instituiu quando gerar receitas
próprias que lhe confiram auto-suficiência financeira.
c) sujeita ao regime jurídico de direito privado quando for auto-suficiente e ao regime
jurídico de direito público quando depender de verbas públicas, sem prejuízo, em ambos
os casos, da submissão à tutela do ente que a instituiu.
d) sujeita ao regime jurídico de direito público, criada por Decreto, integrante da
Administração Indireta e, portanto, sujeita a controle do ente que a instituiu.
e) de direito público, dotada das prerrogativas e restrições próprias do regime jurídico-
administrativo e sujeita ao poder de tutela do ente que a instituiu.

53.(DEFENSOR PÚBLICO – DPE/MA – FCC/2009) Considerando-se a autonomia inerente às


autarquias, admite-se, em relação a este ente
(A) controle, nos limites legais, a ser exercido pela pessoa política que instituiu a
autarquia.
(B) autotutela, que se traduz pela possibilidade de controle a ser exercido pela pessoa
política que instituiu a autarquia.
(C) fiscalização pelo Tribunal de Contas, nos moldes e limites a serem definidos na lei que
disciplina o controle da autarquia pela pessoa política que a instituiu.
(D) fiscalização a ser exercida pelo Tribunal de Contas, com auxílio da pessoa política
que instituiu a autarquia.
(E) revisão dos atos praticados pela autarquia para sua adequação aos fins que
justificaram sua instituição, a ser exercido pela pessoa política que a instituiu.

54.(ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – CESPE/2009) As agências reguladoras são autarquias


sob regime especial, as quais têm, regra geral, a função de regular e fiscalizar os assuntos
relativos às suas respectivas áreas de atuação. Não se confundem os conceitos de
agência reguladora e de agência executiva, caracterizando-se esta última como a
autarquia ou fundação que celebra contrato de gestão com o órgão da administração
direta a que se acha hierarquicamente subordinada, para melhoria da eficiência e
redução de custos.

55.(PROCURADOR MUNICIPAL - PREF. NATAL – CESPE/2008). Com relação às agências


reguladoras, assinale a opção correta.

www.pontodosconcursos.com.br 13
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

a) As agências reguladoras são órgãos da administração pública cuja finalidade é


fiscalizar e controlar determinada atividade.
b) A CF criou, por meio de norma inserida em seu texto, duas das atuais agências
reguladoras, quais sejam a ANATEL e a ANEEL.
c) O quadro de pessoal das agências reguladoras é vinculado ao regime celetista,
conforme expressa disposição legal.
d) Segundo jurisprudência do STF, a subordinação da nomeação dos dirigentes das
agências reguladoras à prévia aprovação do Poder Legislativo não implica violação à
separação e à independência dos poderes.

56.(JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO – TJ/RR – FCC/2008). A Lei federal no 9.472/97, em seu art.
9º, designa a Agência Nacional de Telecomunicações “autoridade administrativa
independente”. Tal designação, em termos da organização administrativa brasileira,
a) revela a criação de uma nova espécie típica de entidade integrante da
Administração Indireta, dita justamente "autoridade administrativa independente".
b) ressalta algumas características do regime especial dessa entidade, tais quais
independência administrativa, ausência de subordinação hierárquica, mandato fixo e
estabilidade de seus dirigentes, mas não afasta o seu enquadramento como autarquia.
c) refere-se ao fato de essa entidade não integrar a Administração Indireta.
d) refere-se ao fato de essa entidade não ser sujeita a normas decorrentes do exercício
do poder regulamentar pelo chefe do Poder Executivo.
e) implica a criação de uma nova espécie típica de entidade integrante da
Administração Indireta, dita "agência reguladora".

57.(ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009). O Estado tem criado


diversas agências reguladoras, a exemplo da Agência Nacional de Telecomunicações
(ANATEL), Agência Nacional de Petróleo (ANP) e da Agência Nacional de Energia
Elétrica (ANEEL), sob a forma de autarquias de regime especial. Segundo Hely Lopes
Meirelles, autarquia de regime especial é toda aquela a que a lei instituidora conferir
privilégios específicos e aumentar sua autonomia comparativamente com as autarquias
comuns, sem ferir os preceitos constitucionais pertinentes a essas entidades de
personalidade pública. O crescimento das agências reguladoras decorre da política
governamental de transferir ao setor privado a execução de serviços públicos,
competindo ao Estado o controle, a fiscalização e a regulamentação desses serviços.
Julgue os itens a seguir, a respeito das regras concernentes às agências reguladoras,
I - As agências serão dirigidas em regime de colegiado, por um conselho diretor ou
diretoria composta por conselheiros ou diretores, sendo um deles o seu presidente ou o
diretor-geral ou o diretor-presidente.
II - O presidente ou o diretor-geral ou o diretor-presidente e os demais membros do
conselho diretor ou da diretoria terão de ser brasileiros, de reputação ilibada, formação

www.pontodosconcursos.com.br 14
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

universitária e elevado conceito no campo de especialidade dos referidos cargos,


devendo ser escolhidos pelo presidente da República e por ele nomeados, após
aprovação pelo Senado Federal.
III - As agências reguladoras não possuem recursos próprios, dependendo de repasses
realizados pelo Estado. Os recursos decorrentes das taxas de fiscalização ou mesmo das
autorizações específicas relativas às suas atividades competem ao Estado.
Assinale a opção correta.
a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas os itens I e II estão certos.
d) Apenas os itens II e III estão certos.
e) Todos os itens estão certos.

58.(ANALISTA JUDICIÁRIO - JUDICIÁRIA - EXECUÇÃO DE MANDADOS – TJDFT – CESPE/2008).


As empresas públicas e as sociedades de economia mista federais submetem-se à
fiscalização do TCU, não obstante os seus servidores estarem sujeitos ao regime celetista.

59.(PROCURADOR DE ESTADO – PGE/ES – CESPE/2008). A única diferença entre sociedade


de economia mista e empresa pública é a composição do capital.

60.(ANALISTA JUDICIÁRIO - TRT/16ª REGIÃO – FCC/2009) São traços distintivos entre


empresa pública e sociedade de economia mista:
(A) forma jurídica; composição do capital e foro processual.
(B) foro processual; forma de criação e objeto.
(C) composição de capital; regime jurídico e forma de criação.
(D) objeto; forma jurídica e regime jurídico.
(E) regime jurídico; objeto e foro processual.

61.(PROCURADOR DE ESTADO – PGE/ES – CESPE/2008). As sociedades de economia mista


integram a administração, estão sujeitas à supervisão de uma secretaria e não podem
gozar de benefícios fiscais que não sejam extensivos ao setor privado.

62.(DELEGADO DE POLÍCIA – PC/PB – CESPE/2009). Acerca do regime jurídico dos órgãos


e das entidades que compõem a administração pública direta e indireta, assinale a
opção correta.
a) Caso uma empresa pública federal impetre mandado de segurança contra ato do juiz
de direito do estado da Paraíba, conforme entendimento do STJ, caberá ao respectivo
tribunal regional federal julgar o referido mandado de segurança.
b) Considere a seguinte situação hipotética. O município de João Pessoa pretende
receber o Imposto Sobre Serviços (ISS) da INFRAERO, empresa pública federal que presta

www.pontodosconcursos.com.br 15
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

serviço público aeroportuário em regime de monopólio, em face dos serviços prestados,


sobre os quais não incide ICMS.
Nessa situação, a pretensão do município deve ser atendida, já que a imunidade
recíproca não atinge as empresas públicas, mas apenas a administração direta da
União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, bem como as suas autarquias e
fundações públicas.
c) Os órgãos subalternos, conforme entendimento do STF, têm capacidade para a
propositura de mandado de segurança para a defesa de suas atribuições.
d) A OAB, conforme entendimento do STF, é uma autarquia pública em regime-especial
e se submete ao controle do TCU.
e) Os conselhos de profissões regulamentadas, como o CREA e o CRM, são pessoas
jurídicas de direito privado.

63.(DEFENSOR PÚBLICO – DPE/PA – FCC/2009) As chamadas “empresas estatais”


apresentam grande semelhança no regime jurídico que se lhes aplica. Para distingui-las é
correto afirmar que as:
a) empresas públicas são sempre constituídas sob a forma de sociedade anônima.
b) sociedades de economia mista admitem todas as formas societárias previstas em lei,
com exceção da sociedade anônima.
c) empresas públicas são sempre constituídas sob a forma de sociedade anônima de
capital fechado, não admitindo comercialização de ações em bolsa.
d) sociedades de economia mista são constituídas sob a forma de sociedade anônima,
sendo o capital constituído por recursos públicos e particulares.
e) empresas públicas têm o capital constituído por recursos provenientes da
Administração Direta, não admitindo a participação de outros entes, ainda que da
esfera pública.

64.(ANALISTA JUDICIÁRIO - JUDICIÁRIA – TST – CESPE/2008). Considere que, há sete anos,


Adriano é empregado da Caixa Econômica Federal (CAIXA), que é uma empresa
pública federal. Nessa situação hipotética, julgue o item a seguir. *** Por força
constitucional, o fato de a CAIXA ser uma empresa pública impede que Adriano possa
ser demitido sem justa causa.

65.(JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO – TJ/AL – CESPE/2008). Assinale a opção correta em


relação às entidades que compõem a administração indireta.
a) As empresas públicas necessitam, para sua instituição, de autorização legislativa e da
transcrição dos seus atos constitutivos no cartório competente.
b) As sociedades de economia mista são criadas e instituídas por lei.
c) É ilícita a transformação de uma autarquia em empresa pública.
d) A extinção de uma autarquia é feita por decreto do chefe do Poder Executivo.

www.pontodosconcursos.com.br 16
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

e) O ente federativo que cria uma entidade paraestatal é solidariamente responsável


pelas dívidas dessa nova empresa.

66.(PROCURADOR DO ESTADO DE ALAGOAS – CESPE/2009). Julgue os itens subsequentes,


relativos à administração direta e indireta.
I Se o estado de Alagoas, após os trâmites legais, transferir um bem público a uma
empresa pública quando de sua criação, esse bem passará a caracterizar-se como bem
privado.
II A criação de uma empresa pública se efetiva com a edição de uma lei específica.
III As empresas públicas são pessoas jurídicas de direito privado constituídas somente sob
a forma de sociedades anônimas para o exercício de atividade econômica ou,
eventualmente, a prestação de serviços públicos.
IV Caso o município de Maceió crie uma empresa pública para explorar atividade
econômica, o estado de Alagoas não poderá cobrar o ICMS incidente sobre os produtos
comercializados por essa empresa, uma vez que as empresas estatais gozam de regime
tributário privilegiado.
Assinale a opção correta.
a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas os itens I e IV estão certos.
c) Apenas os itens II e IV estão certos.
d) Apenas os itens I, III e IV estão certos.
e) Todos os itens estão certos.

67.(FISCAL DA RECEITA ESTADUAL – SGA–SEFAZ/AC – CESPE/2009). Assinale a opção


correta a respeito da administração pública.
a) A representação judicial dos órgãos públicos, já que não possuem personalidade
jurídica, deverá ser feita pelos respectivos procuradores do ente a que pertençam, salvo
na hipótese de defesa de suas competências e prerrogativas, em que esses órgãos
poderão ter órgão jurídico específico para atuar em seu favor.
b) A delegação de atribuições no âmbito da mesma pessoa jurídica a outros órgãos
recebe a denominação de descentralização.
c) As sociedades de economia mista, mesmo quando exploradoras de atividade
econômica, em um regime de mercado, se beneficiam da imunidade recíproca.
d) Uma ação judicial proposta contra uma empresa pública federal deverá ser julgada
pela justiça comum estadual.

68.(DEFENSOR PÚBLICO – DPE/SP – FCC/2009). Acerca da estruturação da Administração


Pública, das alternativas abaixo qual contém impropriedades conceituais?

www.pontodosconcursos.com.br 17
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

a) Sob a ótica da personalidade jurídica, além do Poder Executivo, a Defensoria Pública,


os Poderes Judiciário e Legislativo, o Ministério Público e os Tribunais de Contas podem ser
considerados integrantes da Administração Pública Direta.
b) Os serviços públicos são descentralizados por meio da administração indireta, também
podendo ocorrer mediante atuação dos chamados concessionários, permissionários e
autorizatários de serviços públicos.
c) Autarquias, fundações públicas, sociedades de economia mista e empresas públicas
carecem de lei específica para sua existência, passando a deter personalidade jurídica
própria, bem assim autonomia administrativa e gerencial, submetidas a mecanismos de
controle exercidos pela Administração Publica Direta.
d) É possível a existência de sócios ou acionistas privados nas sociedades de economia
mista, sendo inadmissível o ingresso de capital privado na composição patrimonial das
empresas públicas. Por outro lado, a imunidade recíproca prevista no Texto
Constitucional Federal é extensiva apenas às empresas públicas, em igualdade de
tratamento concedido às autarquias e fundações públicas.
e) As sociedades de economia mista e as empresas públicas são pessoas jurídicas de
direito privado, seus bens são submetidos ao regime jurídico dos bens particulares, seus
quadros funcionais são preenchidos por agentes públicos celetistas e não podem
submeter-se à chamada recuperação judicial, recuperação extrajudicial e à falência.

69.(AUDITOR – TCE/SP – FCC/2008) Os consórcios públicos constituídos por dois ou mais


municípios
(A) nunca integrarão a administração indireta de nenhum destes.
(B) integrarão a administração indireta de todos estes, seja qual for a forma adotada.
(C) integrarão a administração indireta de um destes, escolhido no respectivo protocolo
de intenções, seja qual for a forma adotada.
(D) integrarão a administração indireta de todos estes, se constituídos sob a forma de
associação pública.
(E) integrarão a administração direta ou indireta de todos estes, conforme disciplinado no
respectivo protocolo de intenções.

70.(PROCURADOR DE CONTAS – TJ/RR – FCC/2008) A União celebra, com dois Estados da


Federação, contrato de consórcio público sob a forma de associação pública. Após a
sua entrada em vigor, o consórcio
(A) integrará a Administração Indireta da União, apenas.
(B) integrará a Administração Indireta da União e de apenas um dos dois Estados
participantes.
(C) integrará a Administração Indireta dos entes federativos que assim o desejarem,
conforme disciplinado em contrato.
(D) integrará a Administração Indireta de todos os entes federativos participantes.

www.pontodosconcursos.com.br 18
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

(E) não integrará a Administração Indireta de nenhum dos entes federativos


participantes.

71.(PROCURADOR DO BANCO CENTRAL – BACEN – CESPE/2009). Acerca da


administração pública indireta, assinale a opção correta.
a) Não colide materialmente com a CF a determinação de que sejam previamente
aprovadas, pelo Poder Legislativo, as indicações dos presidentes das entidades da
administração pública indireta.
b) Devido à natureza privada das empresas públicas e sociedades de economia mista
exploradoras de atividade econômica, não há espaço para que essas entidades sejam
fiscalizadas pelo TCU.
c) Prevalece o entendimento de que as fundações públicas com personalidade jurídica
de direito público são verdadeiras autarquias, as quais devem ser criadas por lei e não
por ato infralegal.
d) As autarquias são caracterizadas pela sua subordinação hierárquica a determinada
pasta da administração pública direta. Dessa forma, contra a decisão proferida por elas
cabe recurso hierárquico próprio para o chefe da pasta.
e) O consórcio público, mesmo com personalidade jurídica de direito público, não passa
a integrar a administração indireta de todos os entes da Federação consorciados.

GABARITO
01 C 11 E 21 “B” 31 E 41 “E” 51 “D” 61 E 71 “C”
02 C 12 E 22 E 32 E 42 “B” 52 “E” 62 “A” 72
03 E 13 C 23 C 33 E 43 “C” 53 “A” 63 “D” 73
04 C 14 E 24 C 34 E 44 “B” 54 C 64 E 74
05 “D” 15 C 25 C 35 E 45 “E” 55 “D” 65 “A” 75
06 C 16 E 26 E 36 C 46 “C” 56 “B” 66 “A” 76
07 “B” 17 C 27 “E” 37 E 47 “C” 57 “C” 67 “A” 77
08 C 18 C 28 “B” 38 C 48 E 58 C 68 “D” 78
09 “C” 19 E 29 C 39 “B” 49 C 59 E 69 “D” 79
10 E 20 C 30 “C” 40 “C” 50 “D” 60 “A” 70 “D” 80

www.pontodosconcursos.com.br 19
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

QUESTÕES COMENTADAS

1. (ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – CESPE/2009) Pelo critério teleológico, o Direito


Administrativo é considerado como o conjunto de normas que regem as relações
entre a administração e os administrados. Tal critério leva em conta,
necessariamente, o caráter residual ou negativo do Direito Administrativo.

Comentário:

Esta questão é bastante peculiar na medida em que aborda a definição e


delimitação do Direito Administrativo.

Desse modo, para respondê-la precisamos ter a noção dos critérios definidores do
Direito Administrativo, os quais passam pela análise de elementos objetivos
(atividades), subjetivos (quem pratica a atividade) e formais (regime jurídico),
conforme os seguintes critérios ou escolas:

a) Escola do Serviço Público


b) Critério do Poder Executivo
c) Critério das relações Jurídicas
d) Critério Teleológico
e) Critério negativo ou residual
f) Critério distintivo entre atividade jurídica e social do Estado
g) Critério da Administração Pública

Para a Escola do serviço público, formada na França, tendo como expoentes


Duguit e Jéze, o Direito Administrativo estava baseado nas decisões ou
jurisprudência do Conselho de Estado Francês, órgão que exercia a jurisdição
administrativa.

Para a Escola ou Critério do Poder Executivo, o Direito Administrativo trata do Poder


Executivo. Significa dizer que seria o direito administrativo restrito a atuação do
Poder Executivo.

Segundo o critério das relações jurídicas o Direito Administrativo seria o conjunto de


normas que regem as relações entre a Administração e os administrados.

Para o Critério teleológico o Direito Administrativo é o sistema dos princípios jurídicos

www.pontodosconcursos.com.br 20
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

que regulam a atividade concreta do Estado para o cumprimento de seus fins, ou


seja, seria a realização de atividade do Estado no sentido de empreender ações de
utilidade pública.

Ao se adotar o Critério negativo ou residual, o Direito Administrativo teria por objeto


as atividades desenvolvidas para a consecução dos fins estatais, excluídas a
legislativa e a jurisdição, ou pelo menos essa última atividade, ou seja, tratar-se-ia
de definir o Direito Administrativo excluindo-se algumas das atividades realizadas
pelo Estado (legislativa, jurisdicional, de direito privado e patrimoniais).

Por outro lado, sob o Critério da distinção entre atividade jurídica e social do Estado,
o Direito Administrativo é o ramo do direito público interno que regula a atividade
jurídica não contenciosa do Estado (sentido objetivo) e a constituição dos órgãos e
meios de sua ação em geral (sentido subjetivo).

E, finalmente, sob o Critério da Administração Pública, o Direito Administrativo é o


conjunto de princípios que regem a Administração Pública.

Observe que a doutrina pátria não adota de forma uníssona, ou seja, no mesmo
sentido, um critério padrão para definir o Direito Administrativo, mas observam, de
certo modo, em conjugação, alguns dos citados critérios, levando em conta o
aspecto subjetivo, objetivo e formal, salientando inicialmente.

Para se ter uma idéia, o critério da Administração Pública foi o adotado por Hely
Lopes Meirelles para conceituar o Direito Administrativo, para quem, o Direito
Administrativo é o conjunto harmônico de princípios jurídicos que regem os órgãos,
os agentes e as atividades públicas tendentes a realizar concreta, direta e
imediatamente os fins desejados pelo Estado.

Diferentemente de Maria Sylvia Zanella Di Pietro, que buscou sintetizar os aspectos


objetivo, subjetivo e formal, definindo o Direito Administrativo como o ramo do
direito público que tem por objeto os órgãos, agentes e pessoas jurídicas
administrativas que integram a Administração Pública, a atividade jurídica não
contenciosa que exerce e os bens de que se utiliza para a consecução de seus fins,
de natureza pública.

Para concluir, podemos definir o Direito Administrativo como ramo do direito público
destinado a reger a organização administrativa do Estado e a realização de suas
atividades pela Administração Pública ou por quem por ela delegada, submetido a
regime de direito público, ainda que parcialmente e temporariamente.

www.pontodosconcursos.com.br 21
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Assim, ao se adotar o Critério negativo ou residual, o Direito Administrativo teria por


objeto as atividades desenvolvidas para a consecução dos fins estatais, excluídas a
legislativa e a jurisdição, ou pelo menos essa última atividade, ou seja, tratar-se-ia
de definir o Direito Administrativo seria definido excluindo-se algumas das atividades
realizadas pelo Estado (legislativa, jurisdicional, de direito privado e patrimoniais).

Por outro lado, para o Critério teleológico o Direito Administrativo é o sistema dos
princípios jurídicos que regulam a atividade concreta do Estado para o
cumprimento de seus fins, ou seja, seria a realização de atividade do Estado no
sentido de empreender ações de utilidade pública.

Portanto, a questão quer nos levar à confusão entre dois critérios distintos (negativo
ou residual e teleológico), adotando, ainda, como definição para o critério
teológico aquilo que seria aplicado para o critério das relações jurídicas, segundo o
qual o Direito Administrativo seria o conjunto de normas que regem as relações
entre a Administração e os administrados.

Gabarito: Certo.

2. (ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – CESPE/2009) Na França, formou-se a


denominada Escola do Serviço Público, inspirada na jurisprudência do Conselho de
Estado, segundo a qual a competência dos tribunais administrativos passou a ser
fixada em função da execução de serviços públicos.

Comentário:

Acabamos de ver que, para a Escola do serviço público (Escola Francesa) o Direito
Administrativo estava baseado nas decisões ou jurisprudência do Conselho de
Estado Francês, órgão que exercia a jurisdição administrativa.

Adotou-se na França o sistema de jurisdição dual, ou seja, a dualidade de


jurisdição, significando dizer que existia uma jurisdição especial para dirimir o
contencioso administrativo, onde era vedado aos Tribunais a apreciação dessas
questões.

No Brasil, ao contrário, adotou-se o sistema Inglês, ou seja, a unicidade de jurisdição.


Portanto, cabe ao poder judiciário é que, de forma definitiva, dizer o direito ao caso

www.pontodosconcursos.com.br 22
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

em litígio.

Assim, com base na escola do serviço público, o Direito Administrativo seria definido
como a realização dos serviços públicos, sendo que os atos decorrentes dos
serviços públicos somente poderiam ser apreciados pelos Tribunais Administrativos.

Gabarito: Certo.

3. (PROCURADOR FEDERAL – AGU – CESPE/2006) No Brasil, sempre se afastou a idéia


de coexistência de uma justiça administrativa e de uma justiça praticada com
exclusividade pelo poder judiciário, razão pela qual é adotado, no país, o sistema
contencioso.

Comentário:

A questão trata dos sistemas administrativos, ou seja, do regime adotado pelo


Estado para o controle de seus atos na realização da função administrativa.

Com efeito, temos dois sistemas administrativos ou de controle dos atos estatais,
sendo: sistema inglês e sistema francês.

O sistema inglês também é conhecido como sistema de jurisdição única, sistema


judiciário ou sistema de controle judicial. Neste sistema todos os litígios, sejam
administrativos ou particulares, são submetidos à apreciação de órgãos do Poder
Judiciário, que é o único que tem força para decidir de forma definitiva (coisa
julgada).

O sistema francês, também denominado de sistema de dualidade de jurisdição ou


de contencioso administrativo é aquele em que há duas jurisdições, uma
denominada comum e outra administrativa. Neste sistema, os atos da
administração pública somente podem ser apreciados pela jurisdição
administrativa. A jurisdição comum não detém competência para apreciar os atos
da administração.

O Brasil, desde a Carta Constitucional inaugural da República, 1891, até a atual


Constituição, vem adotando o sistema de jurisdição única, ou seja, os atos
praticados pela administração pública são passíveis de controle pelo Poder
Judiciário. Não sendo recepcionado, portando, o sistema do contencioso

www.pontodosconcursos.com.br 23
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

administrativo.

Assim, somente o Judiciário é que teria competência para apreciar em definitivo


qualquer lesão ao ameaça a direito, nos termos do princípio da inevitabilidade ou
inafastabilidade de jurisdição (art. 5º, inc. XXXV, CF/88).

No entanto, a Emenda Constitucional nº 7/77, estabeleceu a possibilidade da


criação de contencioso administrativo, conforme os artigos 111 e 203 da
Constituição de 1967/69, que, de fato, não chegou a ser instalado.

Referida Emenda, ademais, em seu art. 205, excluiu da apreciação do Poder


Judiciário as questões entre a União, os Estados, o Distrito Federal, os municípios e
respectivas autarquias, empresas públicas e sociedades de economia mista, ou
entre umas e outras, as quais ficariam a cargo da autoridade administrativa, na
forma da lei.

Assim, no tocante à assertiva de que no Brasil, sempre se afastou a idéia de


coexistência de uma justiça administrativa e de uma justiça praticada com
exclusividade pelo poder judiciário, razão pela qual é adotado, no país, o sistema
contencioso, é errônea.

Explica-se isso porque não estava afastada tal idéia no período imperial, retornando
tal pensamento pelo EC 7/77 porém, a questão é errada, especialmente pelo fato
de que o examinador, “com a maldade de sempre”, utiliza a expressão “sistema
contencioso”, que, na verdade, indica o sistema contencioso administrativo ou de
jurisdição dual, não utilizado no Brasil, já que adotamos, como dito, o sistema de
jurisdição única.

Gabarito: Errado.

4. (PROCURADOR FEDERAL – AGU – CESPE/2006) Classificar um sistema de controle


jurisdicional da administração pública como sistema contencioso ou sistema de
jurisdição única não implica afirmar a exclusividade da jurisdição comum ou da
especial, mas a predominância de uma delas.

Comentário:

Muito embora na França, berço do sistema do contencioso administrativo, tenha se

www.pontodosconcursos.com.br 24
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

pretendido afastar os atos da administração pública da apreciação da justiça


comum, modernamente tem se compreendido que não há exclusividade de
jurisdição.

Significa dizer, tal como no Brasil, que muito embora adote o sistema de jurisdição
única, é possível a existência de contencioso administrativo, a exemplo dos
processos administrativos fiscais, disciplinares. Todavia, esse contencioso não terá
força de definitiva, conforme estabelece o art. 5º, inc. XXXV, da CF/88 ao prescrever
que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a
direito.

Desse modo, a adoção de um ou outro sistema não significa a exclusividade, mas a


predominância, especialmente no que diz respeito à definitividade da decisão,
traduzindo-se na coisa julgada, ou seja, decisão que não caiba mais recurso.

Gabarito: Certo.

5. (FISCAL DE RECEITA ESTADUAL – SEFAZ/AC – CESPE/2009) Com referência a


conceitos, fontes e princípios do direito administrativo, assinale a opção correta.
a) Os costumes são fontes do direito administrativo, não importando se são contra
legem, praeter legem ou secundum legem.
b) As expressões serviço público centralizado e serviço público descentralizado
equivalem a administração pública direta e administração pública indireta,
respectivamente.
c) Em uma sociedade democrática, a correta aplicação do princípio da
supremacia do interesse público pressupõe a prevalência do interesse da maioria
da população.
d) A aplicação do princípio da segurança jurídica pode afastar o da mera
legalidade.

Comentário:

As fontes do Direito Administrativo são as suas bases fundamentais, ou seja, de onde


surge ou é concebido essa ramo do direito público. Assim, podem ser indicadas
como fontes a Lei, a Jurisprudência, a doutrina e os costumes.

www.pontodosconcursos.com.br 25
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Lei, nesse aspecto, deve ser entendida sob acepção ampla, ou seja, todo o
arcabouço normativo, englobando a Constituição, seus princípios expressos e
implícitos, suas regras, as Leis em sentido estrito, Medidas Provisórias e demais
espécies legislativas, assim como os regulamentos administrativos (Decretos,
Regulamentos etc), inclusive os tratados internacionais que tenham sido
incorporados ao ordenamento jurídico.

É importante destacar que no Brasil, por aderir à corrente positivista, a principal


fonte do direito é o ordenamento jurídico (Lei em sentido amplo).

A jurisprudência é proveniente de reiteração de julgamentos no mesmo sentido,


sobre fatos ou matérias assemelhadas, ou seja, são julgados dos Tribunais, em
especial, do Supremo Tribunal Federal e demais Tribunais Superiores que adotam, de
maneira repetida, reiterada, uma mesma decisão. É possível, ainda, que a
jurisprudência seja firmada pela Administração, denominada de jurisprudência
administrativa, em especial a dos Tribunais de Contas.

Doutrina é o trabalho realizado pelos estudiosos do Direito Administrativo, sobretudo


os juristas, que se empenham em pesquisar os contornos dessa ciência jurídica.
Deve-se entender, no entanto, que a doutrina não é vinculante, tratando-se de
fonte auxiliar na solução dos casos administrativos.

Os costumes é a reiteração de uma forma de atuar da Administração, ou seja, a


prática administrativa desempenhada cotidianamente em determinadas situações.
É preciso, no entanto, esclarecer que o costume não derroga a regra positivada e,
deve ser utilizado de forma supletiva, ou seja, diante da omissão legislativa e com
restrições, eis que não se pode criar deveres, tampouco obrigações para o
administrado por meio de costumes simplesmente, ou seja, o costume deve estar de
acordo com a Lei (secundum legem), não podendo ser contrário (contra legem) ou

www.pontodosconcursos.com.br 26
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

além da lei (praeter legem).

Alguns autores ainda colocam os princípios gerais do direito, como fonte a


preencher eventuais lacunas.

Assim:

Alternativa A: Errada. Os costumes só podem ser aplicados somente em


conformidade com o ordenamento jurídico, ou seja, somente se aplica quando for
secundum legem.

Alternativa B: Errada. Serviço público é atividade administrativa e corresponde,


conforme veremos, à Administração Pública sob o sentido objetivo, podendo ser
prestados por ente ou entidade administrativa (centralizado) ou por particulares,
delegatários (descentralizado), por exemplo. Já a expressão Administração direta e
indireta é vista sob a acepção objetiva e corresponde aos próprios entes
(administração direta ou centralizada) ou entidades criados pelo Estado
(administração indireta ou descentralizada) para realizar as funções administrativas.
Portanto, as expressões não se confundem.

Alternativa C: Errada. Nem sempre o interesse da maioria da população


corresponde ao interesse público. O interesse público dito primário é o interesse
coletivo, que pode, inclusive, ser no sentido de proteção de direitos de minorias, o
de proteção do direito individual em face do Estado. O interesse público secundário
corresponde ao interesse da Administração, na realização de suas necessidades
administrativas.

Alternativa D: Certo. De fato, conforme estabelece a própria Constituição, a lei não


prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada. Por isso,
pode-se afirmar que a aplicação do princípio da segurança jurídica pode afastar o
da mera legalidade.

Gabarito: “D”

6. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCU – CESPE/2009) A CF, as leis


complementares e ordinárias, os tratados internacionais e os regulamentos são
exemplos de fontes do direito administrativo.

www.pontodosconcursos.com.br 27
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Comentário:

Conforme verificamos, a CF, as leis, os tratados internacionais e os regulamentos


internos, são exemplos de fontes diretas do Direito Administrativo.

Gabarito: Certo.

7. (TÉCNICO JUDICIÁRIO - TRF 5ª REGIÃO – FCC/2008) Os princípios informativos do


Direito Administrativo
(A) ficam restritos àqueles expressamente previstos na Constituição Federal.
(B) consistem no conjunto de proposições que embasa um sistema e lhe garante a
validade.
(C) ficam restritos àqueles expressamente previstos na Constituição Federal e nas
Constituições Estaduais.
(D) são normas previstas em regulamentos da Presidência da República sobre ética
na Administração Pública.
(E) são regras estabelecidas na legislação para as quais estão previstas sanções de
natureza administrativa.

Comentário:

Como bem salienta o professor Diógenes Gasparini, os princípios constituem um


conjunto de proposições que alicerçam ou embasam um sistema e lhe garantem
validade, ou seja, como bem apontam Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino, os
princípios são as idéias centrais de um sistema, estabelecendo suas diretrizes e
conferindo a ele um sentido lógico, harmonioso e racional, o que possibilita uma
adequada compreensão de sua estrutura.

É importante sabermos que é a Constituição Federal que estabelece de forma


expressa ou implícita os princípios fundamentais que orientam a Administração
Pública.

Nesse sentido, estabelece a Constituição Federal, de forma expressa, os


denominados princípios básicos da Administração Pública, sendo: Legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, consoante o art. 37, caput,
que assim dispõe:

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos

www.pontodosconcursos.com.br 28
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios


obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada
pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

Entretanto, existem outros princípios implícitos, sendo importante destacar, dentre


eles, dois princípios basilares, sendo: o princípio da supremacia do interesse público
sobre o privado e da indisponibilidade do interesse público, considerados por parte
da doutrina como super-princípios na medida em que estabelecem as
prerrogativas e restrições no âmbito da Administração Pública.

O princípio da supremacia do interesse público traduz-se na idéia de que o


interesse público deve prevalecer sobre o interesse particular, de modo que, em
regra, quando houver um confronto entre o interesse público e o particular, deve-se
dar primazia ao interesse público.

Diz-se, em regra, tendo em vista que a Constituição estabeleceu uma série de


direitos e garantias individuais, que mesmo em confronto com o interesse público
devem ser respeitados e resguardados. Com efeito, é em razão desse princípio que
se funda as prerrogativas ou poderes especiais conferidos à administração pública.

O princípio da indisponibilidade do interesse público nos orienta no sentido de que


a Administração Pública não é proprietária, detentora do interesse público, ela
apenas o tutela, protege, ou seja, apenas representa a coletividade, de modo que
não pode dispor do que não lhe pertence, significa dizer que, de um modo geral,
não há possibilidade de a Administração Pública abdicar, dispor, abrir mão, daquilo
que se refere ao interesse público.

Por isso, em decorrência desse princípio surgem as sujeições da Administração


Pública a restrições especiais ou diferenciadas.

É importante observar, ademais, que o princípio da autotutela é uma decorrência


lógica desses dois princípios, segundo o qual a administração pública pode
controlar seus próprios atos, ou seja, pode anular os atos que contenham vício de
legalidade e revogar os inconvenientes e inoportunos, respeitados os direitos de
terceiros de boa-fé.

Podemos ainda citar os princípios da proporcionalidade/razoabilidade, da


continuidade, da motivação, dentre outros que orientarão a atividade
administrativa.

www.pontodosconcursos.com.br 29
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

De todo modo, necessário ainda dizer que a Lei nº 9.784/99, lei que regula o
processo administrativo no âmbito federal, positivou diversos princípios que estavam
implícitos no bojo da Constituição, estabelecendo o seguinte:

Art. 2º A Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos


princípios da legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade,
proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório,
segurança jurídica, interesse público e eficiência.
Parágrafo único. Nos processos administrativos serão observados,
entre outros, os critérios de:
I - atuação conforme a lei e o Direito;
II - atendimento a fins de interesse geral, vedada a renúncia total ou
parcial de poderes ou competências, salvo autorização em lei;
III - objetividade no atendimento do interesse público, vedada a
promoção pessoal de agentes ou autoridades;
IV - atuação segundo padrões éticos de probidade, decoro e boa-fé;
V - divulgação oficial dos atos administrativos, ressalvadas as hipóteses
de sigilo previstas na Constituição;
VI - adequação entre meios e fins, vedada a imposição de
obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas
estritamente necessárias ao atendimento do interesse público;
VII - indicação dos pressupostos de fato e de direito que determinarem
a decisão;
VIII – observância das formalidades essenciais à garantia dos direitos
dos administrados;
IX - adoção de formas simples, suficientes para propiciar adequado
grau de certeza, segurança e respeito aos direitos dos administrados;
X - garantia dos direitos à comunicação, à apresentação de
alegações finais, à produção de provas e à interposição de recursos,
nos processos de que possam resultar sanções e nas situações de
litígio;
XI - proibição de cobrança de despesas processuais, ressalvadas as
previstas em lei;
XII - impulsão, de ofício, do processo administrativo, sem prejuízo da
atuação dos interessados;
XIII - interpretação da norma administrativa da forma que melhor
garanta o atendimento do fim público a que se dirige, vedada
aplicação retroativa de nova interpretação.

www.pontodosconcursos.com.br 30
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Por isso, a Alternativa A: é errada, pois teremos princípios expressos e implícitos na


Constituição, além daqueles que estão expressos na Lei nº 9.784/99. O que também
torna errada a Alternativa C:.

A Alternativa D: é absurda, pois subverte o sentido dos princípios, pois são eles que
dão fundamento de suporte ao regime jurídico, de modo que não normas previstas
em regulamentos, pois ou estão na Constituição ou decorrem diretamente dela.

Assim, também a Alternativa E: é errada, além de os princípios não serem regras


(são vetores, orientares, fundamentos, alicerces do sistema), não estabelecem
sanção para seu descumprimento. Na verdade, dão origem a regras que se
descumpridas podem ensejar a sanção prevista.

Portanto, a alternativa correta é a “B”, ou seja, os princípios consistem no conjunto


de proposições que embasa um sistema e lhe garante a validade.

Gabarito: “B”

8. (PERITO MÉDICO – INSS – CESPE/2010) O sistema administrativo ampara-se,


basicamente, nos princípios da supremacia do interesse público sobre o particular e
da indisponibilidade do interesse público pela administração.

Comentário:

De acordo com o que fora destacado, além dos princípios consignados no art. 37,
caput, CF/88, o sistema administrativo está fundando em dois princípios especiais,
sendo: o princípio da supremacia do interesse público sobre o privado e da
indisponibilidade do interesse público, ou seja, um sistema que estabelece
prerrogativas, poderes especiais e de outro lado impões restrições, limitações
também especiais para a Administração.

Gabarito: Certo.

9. (AUDITOR – TCE/AL – FCC/2008) “A Justiça Federal em Florianópolis recebeu 17


mandados de segurança contra a medida provisória (MP) da Presidência da
República publicada em 22 de janeiro, que proibiu a venda e a oferta de bebidas
alcoólicas em faixa de domínio de rodovia federal ou estabelecimento situado em

www.pontodosconcursos.com.br 31
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

local com acesso direto à rodovia. Em dois processos, as empresas conseguiram a


liminar que impede (...) multa em caso de infração à MP; em quatro o pedido foi
negado e nos demais ainda não houve decisão.” (Fonte: www.jf.gov.br. Notícias,
em 13.02.2008) Como fundamento dessa medida provisória, o Poder Executivo
federal pode evocar, dentre os princípios do Direito Administrativo, o da
(A) indisponibilidade do interesse público.
(B) continuidade dos serviços públicos.
(C) supremacia do interesse público.
(D) especialidade.
(E) segurança nacional.

Comentário:

Então, como vimos, o princípio da supremacia do interesse público estabelece a


premissa de que o interesse público deve prevalecer sobre o interesse particular, de
modo que, em regra, quando houver um confronto entre o interesse público e o
particular, deve-se dar primazia a aquele em detrimento deste. Assim, as liberdades
particulares devem se render aos anseios coletivos.

O princípio da supremacia estabelece prerrogativas, poderes, para a


Administração Pública a fim de que atue com superioridade em relação às demais
pessoas, podendo impor obrigações aos particulares a fim de proteger o interesse
público, que na verdade se trata de um dever seu.

Por isso, é que a concessão de poderes ou prerrogativas traz consigo limitações,


responsabilidade, restrições (princípio da indisponibilidade), completando a
equação poderes x deveres.

Com isso, podemos perceber que toda vez que o Estado pretender estabelecer
limites à liberdade, visando a segurança coletiva, o bem estar geral, estaremos
diante da aplicação do princípio da supremacia na medida em que a vedação
para venda de bebidas alcoólicas em estrada e no sentido de evitar, reduzir, o
número de acidentes, preservando a vida e saúde das pessoas, ou seja, com o fim
de atender o interesse coletivo, em detrimento de alguns.

Gabarito: “C”.

www.pontodosconcursos.com.br 32
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

10. (PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) Os princípios que regem a atividade da


administração pública e que estão expressamente previstos na CF são os princípios
da legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade.

Comentário:

A Constituição Federal, como ressaltado, em seu artigo 37, caput, dispõe a


Administração Pública deverá observar os princípios da Legalidade,
Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência, dentre outros.

O princípio da legalidade é princípio norteador de toda a Administração Pública


que somente está autoriza a fazer ou deixar de fazer o que a lei permita ou autorize.
Que dizer que a atuação administrativa está determina em lei (ato vinculado) ou a
lei autoriza sua realização (ato discricionário).

Consoante magistral lição de José Afonso da Silva o princípio da legalidade é


“princípio basilar do Estado Democrático de Direito”, “porquanto é da essência do
seu conceito subordinar-se à Constituição e fundar-se na legalidade democrática.
Sujeitar-se ao império das Leis”.

Nesse sentido, a doutrina mais moderna tem denominado princípio da


jurisdicidade, ou seja, submissão ao ordenamento jurídico.

É necessário distinguirmos o princípio da legalidade da reserva legal. O princípio da


legalidade deve ser visto como respeito, submissão à lei, em sentido amplo. O
princípio da reserva legal traduz a idéia de necessidade de lei, no sentido formal,
para dispor, regulamentar, certas matérias.

Ademais, ínsito ao princípio da legalidade verifica-se o princípio da finalidade,


segundo o qual o administrador público deve observar em todos os seus atos ao fim
estabelecido pela lei, que se traduz essencialmente em satisfazer o interesse
público. Com efeito, acaso o administrador pratique o ato não cuidando da
finalidade pública incidirá em desvio de finalidade, modalidade de abuso de
poder.

O princípio da impessoalidade é visto sob duas vertentes, a primeira no sentido de


impedir que a Administração atue de forma discriminatória, ou seja, que favoreça
ou prejudique alguém por critérios pessoais, devendo atuar de forma isonômica
(princípio da isonomia). Noutra acepção estabelece que a Administração não

www.pontodosconcursos.com.br 33
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

buscará promoção pessoal, mas sim a consecução do interesse coletivo, de


maneira que é vedada a utilização de propagandas, publicidades, para promoção
pessoal, conforme estabelece o art. 37, §1º da CF/88, assim expresso:

§ 1º - A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas


dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de
orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou
imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou
servidores públicos.

É bom esclarecer que os atos realizados pela administração não são atos das
pessoas que ocupam determinados cargos, e sim do Estado. (§1º do art. 37)

Por isso, o agente que usa a máquina administrativa visando promoção pessoal
deverá sofrer as sanções legais na medida em que não atua em seu nome, mas em
nome da coletividade, isto é, em nome da Administração Pública representando o
interesse coletivo.

Para Hely Lopes Meirelles, o princípio da impessoalidade está relacionado ao


princípio da finalidade, pois a finalidade se traduz na busca da satisfação do
interesse público, interesse que se subdivide em primário (interesse coletivo) e
secundário (entendido como interesse da Administração).

Noutro sentido é a lição de Celso Antonio Bandeira de Mello, que liga a


impessoalidade ao princípio da isonomia, que determina tratamento igual a todos
perante a lei.

O princípio da moralidade está assentado na ética, moral, lealdade, ou seja, no


sentido de promover a probidade administrativa, a honestidade. Trata-se de
princípio abrangente, porém jamais se pode dizer inútil, visto servir de parâmetro
para coibir arbitrariedades e excessos, devendo ser tonalizado sob o aspecto
jurídico, de modo a caracterizar o conjunto de preceitos advindos da disciplina
administrativa no tocante à condução da coisa pública.

Nesse sentido, a Constituição, no seu art. 37, §4º, estabelece que os atos de
improbidade administrativa importarão em suspensão dos direitos políticos, perda
da função pública, indisponibilidade dos bens e ressarcimento ao erário, sem
prejuízo da ação penal cabível.

Como bem ensina Hely Lopes Meirelles é a atuação dentro dos padrões da ética,

www.pontodosconcursos.com.br 34
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

moral, honestidade, probidade.

Nesse sentido, como destacado, a Constituição deu especial atenção à


probidade, nos dizeres de José Afonso da Silva, a improbidade administrativa é uma
imoralidade qualificada.

O princípio da publicidade consiste na obrigação que tem a administração


pública, como atividade e ente público, de dar transparências aos seus atos, como
meio de assegurar a todos o conhecimento de suas realizações, a fim de fiscalizá-la
e exercer o controle sobre esses atos.

Todavia, a Constituição ressalva alguns atos que são protegidos pelo sigilo, eis que
necessários aos imperativos de segurança nacional ou que digam respeito aos
interesses privados. Aqueles são resguardos por sigilo especial, oponível contra
todos. A esses não se opõe o sigilo ao interessado, mas somente a terceiros.

A publicidade é realizada em jornal oficial ou em local onde se possa dar ampla


divulgação dos atos administrativos. Por vezes será necessário que a publicidade
seja realizada diretamente ao interessado (notificação).

Por fim, o principio da eficiência, erigido a princípio expresso a partir da EC 19/98,


traduz a idéia de resultado, busca pela excelência no exercício das atividades
administrativas. Para tanto, criou-se diversos mecanismos tal como as escolas de
governos, avaliações periódicas e políticas de desenvolvimento da administração.

Como bem destaca José Afonso da Silva, o princípio da eficiência “orienta a


atividade administrativa no sentido de conseguir os melhores resultados com os
meios escassos de que dispõe e a menor custo”, “consiste na organização racional
dos meios e recursos humanos, materiais e institucionais para a prestação de
serviços públicos de qualidade com razoável rapidez”. (art. 5º, LXXVIII)

Destaco que o princípio da eficiência estava implícito na Constituição, somente


vindo a ser positivado expressamente com a Emenda Constitucional nº 19/98. Assim,
observe que a assertiva traz a redação da Constituição Federal de 1988 antes da
EC 19/98.

Importante reforçar que, muito embora a Administração Pública sempre estivesse


pautada pelo princípio da eficiência, este somente integrou o rol dos princípios
expressos após a alteração promovida pela EC 19/98 (emenda de reforma
administrativa).

www.pontodosconcursos.com.br 35
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Gabarito: Errado.

11. (PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) O princípio da legalidade no âmbito da


administração pública identifica-se com a formulação genérica, fundada em ideais
liberais, segundo a qual ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma
coisa senão em virtude de lei.

Comentário:

Como destaquei, o princípio da legalidade administrativa traduz-se na idéia de que


a Administração Pública e, por via de conseqüência, o administrador público
somente podem fazer aquilo que a lei autoriza ou permita que faça, ou seja,
somente atua a administração pública quando há permissivo normativo a autorizar
sua atuação.

Por isso, a formulação genérica do princípio da legalidade no sentido de ninguém é


obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei é
aplicável aos particulares, visto que somente são obrigados a pautar-se de certo
modo se é quando existente lei que os obrigue.

Por outro lado, a Administração Pública somente pode atuar se houver lei que a
permita. Então, enquanto para o particular vige a liberdade, sendo restringida
somente quando lei obrigar, na Administração Pública há limitações, somente
atuando quando a lei permitir.

Gabarito: Errado.

12. (ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/MT – CESPE/2010) A atuação


administrativa dos integrantes do setor público deve ser pautada pela existência de
uma permissão legal. Assim sendo, o princípio explicitado na CF hierarquicamente
definido como mais importante é o da legalidade, pois é um princípio norteador das
ações públicas.

Comentário:

De fato, como vimos, temos o princípio da legalidade como norteador de toda a

www.pontodosconcursos.com.br 36
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

atividade administrativa, ou seja, o agente público somente atua quando houver


permissão legal.

No entanto, não se pode dizer que se trata de princípio hierarquicamente definido


com mais importante. É que, primeiro não há hierarquia entre as disposições
constitucionais, segundo que todos os princípios orientadores da Administração são
igualmente importantes, podendo um ato administrativo, por exemplo, ser legal,
mas ser imoral, ser legal, mas violar a eficiência.

Gabarito: Errado.

13. (ANALISTA ADMINISTRATIVO – ANAC – CESPE/2009) O princípio da razoabilidade


impõe à administração pública a adequação entre meios e fins, não permitindo a
imposição de obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas
estritamente necessárias ao atendimento do interesse público.

Comentário:

Os princípios da razoabilidade e proporcionalidade não estão expressos no texto


Constitucional, porém deve toda conduta administrativa ser pautada por eles, de
modo que haja adequação, coerência entre os meios e os fins.

Com efeito, a razoabilidade dá essa idéia de equilíbrio, de adequação da conduta


administrativa, não podendo haver imposição de obrigação, restrição ou sanção
em medida superior àquele que corresponda ao atendimento ao interesse público,
conforme dispõe o art. 2º, parágrafo único, inciso VI, da Lei nº 9.784/99:

VI – adequação entre meios e fins, vedada a imposição de


obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas
estritamente necessárias ao atendimento do interesse público.

Gabarito: Certo.

14. (ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/MT – CESPE/2010) O princípio da


finalidade, explicitado no art. 37 da CF, define que, se o gestor público praticar atos
fora dos fins expressa ou implicitamente contidos na regra de competência,
praticará desvio de finalidade. E se tal ato atentar contra os princípios da

www.pontodosconcursos.com.br 37
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

administração pública ao visar fim proibido em lei ou demais normas, constituirá ato
de improbidade administrativa.

Comentário:

Essa questão é pura maldade com o candidato, com o concursando. Veja que ela
é toda perfeita, toda certinha. Mas tomem cuidado! Veja que diz que o princípio
da finalidade, EXPLICITADO.

Ora, o princípio da finalidade não é princípio expresso na Constituição. Podemos


assumir o entendimento majoritário no sentido que ele decorre do princípio da
legalidade na medida em que a legalidade se orienta no sentido de se satisfazer o
interesse público.

Gabarito: Errado.

15. (ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/MT – CESPE/2010) Entendendo que


“Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza” (CF, art. 5,
caput), determinado órgão público, responsável pela fiscalização de tributos, estará
adequadamente respaldado pelo princípio da impessoalidade ao instituir fila única
aos atendimentos à comunidade, não dando diferenciação de atendimento aos
cadeirantes, gestantes, idosos etc.

Comentário:

O princípio da impessoalidade, na sua vertente isonomia, não permite dar


tratamento discriminatório ou privilegiar em razão de critérios subjetivos ou para
satisfação pessoal.

No entanto, se há situação de desigualdade, é medida adequada e atende ao


princípio da isonomia, dar diferença no tratamento para, enfim, diminuir a
diferença, ou seja, não atende a impessoalidade, a criação de fila única, de modo
a colocar todas as pessoas na mesma condição.

Gabarito: Errado.

www.pontodosconcursos.com.br 38
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

16. (ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/MT – CESPE/2010) Se determinado


ato administrativo for analisado e categorizado como ilegal e imoral, haverá
redundância nessa categorização, pois, de acordo com os princípios
constitucionais, todo ato imoral é necessariamente um ato ilegal, sujeito ao controle
do Poder Judiciário.

Comentário:

Pudemos verificar que a legalidade e a moralidade administrativa são dois


princípios distintos, ou seja, um ato pode ser legal, porém poderá ser imoral. No
entanto, conforme destacou a Profa. Di Pietro, há quem entenda que a moral
administrativa insere-se no conteúdo da legalidade.

Em que pese esse posicionamento, devemos observar que a moralidade por si só é


fundamento suficiente para anular ato administrativo, conforme extraímos do
entendimento do STF, assim expresso:

"Concurso para a Magistratura do Estado do Piauí. Critérios de


convocação para as provas orais. Alteração do edital no curso do
processo de seleção. Impossibilidade. Ordem denegada. O Conselho
Nacional de Justiça tem legitimidade para fiscalizar, inclusive de ofício,
os atos administrativos praticados por órgãos do Poder Judiciário (MS
26.163, Rel. Min. Cármen Lúcia, DJe 04-09-2008). Após a publicação do
edital e no curso do certame, só se admite a alteração das regras do
concurso se houver modificação na legislação que disciplina a
respectiva carreira. Precedentes. (RE 318.106, Rel. Min. Ellen Gracie, DJ
18-11-2005). No caso, a alteração das regras do concurso teria sido
motivada por suposta ambigüidade de norma do edital acerca de
critérios de classificação para a prova oral. Ficou evidenciado,
contudo, que o critério de escolha dos candidatos que deveriam ser
convocados para as provas orais do concurso para a magistratura do
Estado do Piauí já estava claramente delimitado quando da
publicação do Edital n. 1/2007. A pretensão de alteração das regras
do edital é medida que afronta o princípio da moralidade e da
impessoalidade, pois não se pode permitir que haja, no curso de
determinado processo de seleção, ainda que de forma velada,
escolha direcionada dos candidatos habilitados às provas orais,
especialmente quando já concluída a fase das provas escritas
subjetivas e divulgadas as notas provisórias de todos os candidatos.”

www.pontodosconcursos.com.br 39
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

(MS 27.165, Rel. Min. Joaquim Barbosa, julgamento em 18-12-08,


Plenário, DJE de 6-3-09)

No entanto, a Banca considerou como ilegal, todo ato imoral. Tal entendimento se
explica com fundamento na corrente que entende que a concretização da
imoralidade depende da positivação das condutas tidas por imorais, e dessa forma,
toda imoralidade, na verdade seria uma ilegalidade.

Gabarito: Certo.

Ps.: Ressalvo meu entendimento pessoal, no sentido de que a imoralidade pode ser
aferida sozinha e serve como elemento para invalidar o ato administrativo. Lembro-
me inclusive de, em certa ocasião, ter sustentado isso antes da existência da
Súmula 13 e da Res. 7-CNJ que versam sobre o nepotismo, quando aleguei que a
nomeação de parentes era ato que violava a moralidade e a impessoalidade,
muito embora não houvesse nenhuma norma vedando.

17. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCU – CESPE/2007) A probidade


administrativa é um aspecto da moralidade administrativa que recebeu da
Constituição Federal brasileira um tratamento próprio.

Comentário:

É possível percebermos que o princípio da moralidade administrativa estabelece


que deve o agente público atuar dentro dos padrões de moral administrativa, ou
seja, de moralidade especial que qualifica a moral comum, isto é, deve agir de
modo ético, com honestidade, com probidade e boa-fé no trato da coisa pública.

Assim, é de se observar que a probidade administrativa está inserida no âmbito da


moralidade administrativa. Todavia, o legislador constituinte entendeu por bem de,
expressamente, conferir tratamento próprio a referido tema, ante sua importância
para a atuação da administração pública e para o agente público.

Com efeito, o art. 37, §4º, da Constituição determina que os atos de improbidade
administrativa importarão a suspensão dos direitos políticos, a perda da função
pública, a indisponibilidade de bens e o ressarcimento ao erário, na forma e
gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.

www.pontodosconcursos.com.br 40
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Percebam, portanto, que houve tratamento constitucional próprio acerca da


probidade administrativa, de modo que estabeleceu a Constituição as seguintes
sanções para referidos atos: a) suspensão dos direitos políticos; b) perda da função
pública; c) indisponibilidades dos bens; e, d) ressarcimento ao erário.

O dispositivo constitucional foi regulamentado pela Lei nº 8.429/92, que estabeleceu


os atos considerados de improbidade administrativa, fixando três hipóteses, sendo: i)
atos de importam em enriquecimento ilícito; ii) atos que causem lesão ao erário; iii)
atos que atentem contra os princípios da administração pública.

Atente-se, no entanto, para dois posicionamentos importantes do Supremo Tribunal


Federal. O primeiro no sentido de que a Lei de Improbidade Administrativa (LIA – Lei
nº 8.429/92) não tem natureza criminal, ela estabelece regime de responsabilidade
político-adminstrativa para os agentes públicos. Outro, no sentido de que tal regime
não se aplica aos agentes políticos, eis que estão submetidos ao regime de crime
de responsabilidades, conforme Lei nº 1.079/50.

Gabarito: Certo.

18. (PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) Os princípios da moralidade e da


eficiência da administração pública, por serem dotados de alta carga de
abstração, carecem de densidade normativa. Assim, tais princípios devem ser
aplicados na estrita identificação com o princípio da legalidade.

Comentário:

De fato, os princípios da moralidade e da eficiência são dotados de considerável


carga de abstração, ou seja, não estão definidos de forma concreta. Todavia, eles
não carecem de densidade normativa, eis que gozam de aplicabilidade a fim de
balizar as condutas administrativas.

Nesse sentido, esclarece a Profa. Di Pietro que nem todos os autores aceitam a
existência desse princípio; alguns entendem que o conceito de moral administrativa
é vago e impreciso ou que acaba por ser absorvido pelo próprio princípio de
legalidade.

De qualquer modo, o Supremo Tribunal Federal entende que, muito embora o


princípio seja abstrato, condiciona a legitimidade e validade dos atos estatais.

www.pontodosconcursos.com.br 41
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Vejamos:

"Lei estadual que autoriza a inclusão, no edital de venda do Banco do


Estado do Maranhão S/A, da oferta do depósito das disponibilidades
de caixa do tesouro estadual (...) Alegação de ofensa ao princípio da
moralidade administrativa – Plausibilidade jurídica (...). O princípio da
moralidade administrativa – enquanto valor constitucional revestido
de caráter ético-jurídico – condiciona a legitimidade e a validade dos
atos estatais. A atividade estatal, qualquer que seja o domínio
institucional de sua incidência, está necessariamente subordinada à
observância de parâmetros ético-jurídicos que se refletem na
consagração constitucional do princípio da moralidade
administrativa. Esse postulado fundamental, que rege a atuação do
Poder Público, confere substância e dá expressão a uma pauta de
valores éticos sobre os quais se funda a ordem positiva do Estado."
(ADI 2.661-MC, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 5-6-02,
Plenário, DJ de 23-8-02)

Gabarito: Errado.

19. (ANALISTA JUDICIÁRIO – ADMINISTRATIVA – TRT 17ª REGIÃO – CESPE/2009) As


sociedades de economia mista e as empresas públicas que prestam serviços
públicos estão sujeitas ao princípio da publicidade tanto quanto os órgãos que
compõem a administração direta, razão pela qual é vedado, nas suas campanhas
publicitárias, mencionar nomes e veicular símbolos ou imagens que possam
caracterizar promoção pessoal de autoridade ou servidor dessas entidades.

Comentário:

Segundo o princípio da publicidade a Administração Pública deve dar ampla


divulgação de seus atos, ressalvadas as hipóteses de sigilo, com o objetivo de
informar, educar e orientar, conforme estabelece o art. 37, §1º, CF/88 ao determinar
que a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos
públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela
não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção
pessoal da autoridade ou servidores públicos.

Nesse sentido, tanto a administração pública direta, quanto à indireta, seja as

www.pontodosconcursos.com.br 42
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

sociedades de economia mista ou as empresas públicas, estarão submetidas aos


princípios constitucionais constantes do art. 37, caput, da CF/88, dentre eles o da
publicidade.

Observe que além de dizer respeito à publicidade, referido dispositivo também diz
respeito à impessoalidade, na medida em que se veda a publicidade, por meio de
propagandas, para fins de promoção pessoal.

§ 1º - A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas


dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de
orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou
imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou
servidores públicos.

Significa dizer que na 1ª parte temos o princípio da publicidade, e na 2ª parte do


dispositivo o princípio da impessoalidade.

"Publicidade de caráter autopromocional do Governador e de seus


correligionários, contendo nomes, símbolos e imagens, realizada às
custas do erário. Não observância do disposto na segunda parte do
preceito constitucional contido no art. 37, § 1º." (RE 217.025-AgR, Rel.
Min. Maurício Corrêa, julgamento em 18-4-00, 2ª Turma, DJ de 5-6-98)

"Publicidade de atos governamentais. Princípio da impessoalidade.


(...) O caput e o parágrafo 1º do artigo 37 da Constituição Federal
impedem que haja qualquer tipo de identificação entre a publicidade
e os titulares dos cargos alcançando os partidos políticos a que
pertençam. O rigor do dispositivo constitucional que assegura o
princípio da impessoalidade vincula a publicidade ao caráter
educativo, informativo ou de orientação social é incompatível com a
menção de nomes, símbolos ou imagens, aí incluídos slogans, que
caracterizem promoção pessoal ou de servidores públicos. A
possibilidade de vinculação do conteúdo da divulgação com o
partido político a que pertença o titular do cargo público mancha o
princípio da impessoalidade e desnatura o caráter educativo,
informativo ou de orientação que constam do comando posto pelo
constituinte dos oitenta." (RE 191.668, Rel. Min. Menezes Direito,
julgamento em 15-4-08, 1ª Turma, DJE de 30-5-08)

www.pontodosconcursos.com.br 43
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Gabarito: Certo.

20. (ANALISTA ADMINISTRATIVO – ANAC – CESPE/2009) A inserção de nome, símbolo


ou imagem de autoridades ou servidores públicos em publicidade de atos,
programas, obras, serviços ou campanhas de órgãos públicos fere o princípio da
impessoalidade da administração pública.

Comentário:

Então, como se pode perceber, o art. 37, §1º, CF/88 norteia o princípio da
publicidade, quando diz que este terá caráter educativo, orientador e informativo,
mas de igual forma, na parte final, dispõe que não poderá a propaganda e a
publicidade conter nomes ou símbolos que caracterizem promoção pessoal, sob
pena de violação ao princípio da impessoalidade.

Gabarito: Certo.

21. (PROCURADOR DE CONTAS – TJ/RR – FCC/2008) “A publicidade dos atos,


programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter
educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes,
símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou
servidores públicos”. O texto acima transcrito, do art. 37, §1o, da Constituição
Federal é aplicação do princípio da
(A) moralidade, pois determina que o conteúdo da informação publicitária não
poderá atentar contra a moral e os bons costumes.
(B) impessoalidade, pois desvincula a atuação da Administração de qualquer
alusão pessoal à figura de um agente político.
(C) publicidade, pois regula a veiculação da publicidade oficial e impede os
abusos que possam ser cometidos em seu exercício.
(D) eficiência, pois determina que haja o menor dispêndio possível relativo à
publicidade oficial.
(E) motivação, pois implica a realização de publicidade oficial que tenha estrita
correlação com serviços públicos prestados pela Administração.

Comentário:

Lembremos que o princípio da publicidade é o que dá transparência aos atos

www.pontodosconcursos.com.br 44
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

praticados pela Administração Pública e por seus agentes, significando a


obrigatoriedade de dar conhecimento dos atos da Administração no sentido de
informar, orientar e educar, tendo, finalmente, como finalidade o controle de
legalidade desses atos tanto pela própria Administração, quanto pelos
administrados.

Com efeito, muito embora a questão se refira ao ato de publicidade, o que se


pretende discutir é a utilização desse instrumento para lograr proveito pessoal, ou
seja, promover a imagem do próprio agente público.

Nesse sentido, é importante dizer que a impessoalidade significa que os atos


praticados pela Administração não são imputáveis a seus agentes, mas ao próprio
órgão ou entidade, sendo o agente apenas instrumento da manifestação da
vontade da Administração.

Por isso, a vedação de constar nomes, imagens que caracterizem promoção


pessoal, é a aplicação do princípio da impessoalidade, sendo, neste caso, a
alternativa “B” a correta.

Gabarito: “B”.

22. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCU – CESPE/2007) A declaração de sigilo


dos atos administrativos, sob a invocação do argumento da segurança nacional, é
privilégio indevido para a prática de um ato administrativo, pois o princípio da
publicidade administrativa exige a transparência absoluta dos atos, para possibilitar
o seu controle de legalidade.

Comentário:

Segundo o princípio da publicidade, expresso no art. 37, caput, da Constituição


Federal, a administração pública deve atuar com transparência e dar
conhecimento de seus atos por meio de órgão oficial, de maneira a conferir-lhes
validade e eficácia, para com isso possibilitar o controle de sua atuação.

A publicidade deve sempre primar pelo seu caráter educativo, informativo ou de


orientação social, conforme expresso no art. 37, §1º, vedando-se a vinculação de
nomes, símbolos ou imagens de modo a caracterizar promoção pessoal de
autoridades ou servidores públicos.

www.pontodosconcursos.com.br 45
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

No entanto, tal princípio não é absoluto, eis que há casos em que a administração
não deve dar publicidade aos atos praticados sob pena de violar a intimidade, a
honra do administrado, conforme fixa o art. 5º, inc. X, CF/1988.

De igual forma, também excepciona o princípio da publicidade, os atos


administrativos que estejam vinculados à segurança da sociedade e do Estado.

Nesse sentido, dispõe o art. 5º, inc. XXXIII, da Constituição Federal que todos têm
direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de
interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de
responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança
da sociedade e do Estado.

Gabarito: Errado.

23. (PROCURADOR DE ESTADO – PGE/PB – CESPE/2008) O princípio da eficiência,


introduzido expressamente na Constituição Federal (CF) na denominada Reforma
Administrativa, traduz a idéia de uma administração gerencial:

Comentário:

O princípio da eficiência, como dito, deu destaque para a busca de resultado,


traduzindo na idéia de administração gerencial, ou seja, aquela voltada para
resultados, atuando com presteza, perfeição e rendimento funcional.

Com efeito, a reforma administrativa implicou na fixação expressa do princípio da


eficiência, traduzindo-se na idéia de administração gerencial, a qual tem por
objetivo a busca de melhores resultados com o menor dispêndio de recursos.

Gabarito: Certo.

24. (ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – CESPE/2009) Com base no princípio da


eficiência e em outros fundamentos constitucionais, o STF entende que viola a
Constituição a nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta,
colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante
ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou

www.pontodosconcursos.com.br 46
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou,


ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em
qualquer dos poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios,
compreendido o ajuste mediante designações recíprocas.

Comentário:

O Supremo Tribunal Federal tem entendimento no sentido de que a nomeação de


cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o
terceiro grau, para cargos comissionados ou funções de confiança, ou, ainda, de
função gratificada, constitui-se em nepotismo, situação violadora dos princípios da
impessoalidade, moralidade e eficiência.

Ressalte-se, ademais, que a Suprema Corte entende que a vedação se estende ao


denominado nepotismo cruzado, ou seja, a nomeação de parentes de outra
autoridade para ocupar cargos comissionados ou funções de confiança a fim de
que esta venha nomear, de igual forma, parentes daquele na tentativa de fugir a
tal controle. Por exemplo, imaginemos um Ministro de um Tribunal Superior
nomeando como assessores filhos de um Deputado Federal. E, este, por sua vez,
tenha nomeado para cargo comissionado em seu gabinete, filhos do referido
Ministro.

Essa situação, configura-se o nepotismo cruzado, é também é vedada, de acordo


com o entendimento do Supremo Tribunal Federal.

Esse entendimento foi consagrado no julgamento proferido pelo Supremo Tribunal


Federal na ADC 12, da relatoria do Min. Carlos Brito, no qual se formulara pedido de
declaração de constitucionalidade da Resolução nº 7/2005, do Conselho Nacional
de Justiça, conforme veiculado no Informativo 516, assim sintetizado:

(...)
O Tribunal julgou procedente pedido formulado em ação declaratória
de constitucionalidade proposta pela Associação dos Magistrados do
Brasil - AMB para declarar a constitucionalidade da Resolução 7/2005,
do Conselho Nacional de Justiça – CNJ — que veda o exercício de
cargos, empregos e funções por parentes, cônjuges e companheiros
de magistrados e de servidores investidos em cargos de direção e
assessoramento, no âmbito do Poder Judiciário —, e emprestar
interpretação conforme a Constituição a fim de deduzir a função de

www.pontodosconcursos.com.br 47
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

chefia do substantivo “direção”, constante dos incisos II, III, IV e V do


art. 2º da aludida norma.
(...)
No mérito, entendeu-se que a Resolução 7/2005 está em sintonia com
os princípios constantes do art. 37, em especial os da impessoalidade,
da eficiência, da igualdade e da moralidade, que são dotados de
eficácia imediata, não havendo que se falar em ofensa à liberdade
de nomeação e exoneração dos cargos em comissão e funções de
confiança, visto que as restrições por ela impostas são as mesmas
previstas na CF, as quais, extraídas dos citados princípios, vedam a
prática do nepotismo.
(...)

A Resolução nº 07 do CNJ estabeleceu como sendo nepotismo as seguintes


práticas:

a) o exercício de cargo comissionado ou de função gratificada por cônjuge,


companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro
grau;

b) o exercício de cargos em comissão, ou de funções gratificadas, por cônjuges,


companheiros ou parentes em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro
grau, inclusive, de dois ou mais magistrados, ou de servidores investidos em cargos
de direção ou de assessoramento, em circunstâncias que caracterizem ajuste para
burlar a regra da vedação do nepotismo, mediante reciprocidade nas nomeações
ou designações (nepotismo cruzado);

c) o exercício de cargo em comissão ou de função gratificada por cônjuge,


companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro
grau, inclusive, de qualquer servidor investido em cargo de direção ou de
assessoramento;

d) a contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária


de excepcional interesse público, de cônjuge, companheiro ou parente em linha
reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, dos respectivos
membros ou juízes vinculados, bem como de qualquer servidor investido em cargo
de direção ou de assessoramento;

e) a contratação, em casos excepcionais de dispensa ou inexigibilidade de


licitação, de pessoa jurídica da qual sejam sócios cônjuge, companheiro ou

www.pontodosconcursos.com.br 48
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

parente em linha reta ou colateral até o terceiro grau, inclusive, dos respectivos
membros ou juízes vinculados, ou servidor investido em cargo de direção e de
assessoramento.

Esse tema certamente será objeto de exame do CESPE em outras provas de


concurso, sobretudo, pelo fato de a Resolução do CNJ excepcionar algumas
situações da referida vedação.

Assim, conforme a resolução do CNJ, fica excepcionada da regra da vedação ao


nepotismo as nomeações ou designações de servidores ocupantes de cargo de
provimento efetivo das carreiras judiciárias, admitidos por concurso público,
observada a compatibilidade do grau de escolaridade do cargo de origem, ou a
compatibilidade da atividade que lhe seja afeta e a complexidade inerente ao
cargo em comissão a ser exercido, além da qualificação profissional do servidor,
vedada, em qualquer caso, a nomeação ou designação para servir subordinado
ao magistrado ou servidor determinante da incompatibilidade.

No caso de contratação temporária, a vedação não se aplica quando a


contratação houver sido precedida de regular processo seletivo, em cumprimento
de preceito legal.

Por fim, devemos observar que, de acordo com o entendimento do Supremo


Tribunal Federal, essas vedações se aplicam não só ao Judiciário, mas ao Executivo
e Legislativo, conforme súmula vinculante nº 13, assim expressa:

SÚMULA VINCULANTE nº 13 - A nomeação de cônjuge, companheiro,


ou parente, em linha reta, colateral ou por afinidade, até o 3º grau,
inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa
jurídica, investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento,
para o exercício de cargo em comissão ou de confiança, ou, ainda,
de função gratificada na Administração Pública direta e indireta, em
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas,
viola a Constituição Federal

Por fim, é de se observar que referida vedação não se aplica para os chamados
cargos de natureza especial, preenchidos por agentes políticos, não estando,
portanto, submetidos à vedação estabelecida pelo STF acerca do nepotismo,
conforme entendimento veiculado no Informativo 516 ao julgar a ADC 12.

www.pontodosconcursos.com.br 49
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Assim, atendidos aos requisitos legais, pode, por exemplo, Governador nomear para
ocupar cargo de natureza política, ou seja, Secretário de Estado, seu parente.

Não poderá ser nomeado para cargo comissionado ou função de confiança,


entendendo o STF, no entanto, que essa vedação não se aplica aos cargos
ocupados por agentes políticos.

Gabarito: Certo.

25. (PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) Explícita ou implicitamente, os


princípios do direito administrativo que informam a atividade da administração
pública devem ser extraídos da CF.

Comentário:

Como verificamos, a Constituição Federal expressamente estabelece os princípios


da Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência.

No entanto, além desses princípios expressos, também se verifica princípios


implícitos, todos extraídos da Constituição Federal, ou seja, expressa ou
implicitamente os princípios que orientam a Administração Pública advêm da
Constituição Federal, tal como os princípios da razoabilidade, proporcionalidade,
finalidade, motivação etc.

Gabarito: Certo.

26. (PROMOTOR – MPE/AM – CESPE/2007) A lei que trata dos processos


administrativos no âmbito federal previu outros princípios norteadores da
administração pública. Tal previsão extrapolou o âmbito constitucional, o que gerou
a inconstitucionalidade da referida norma.

www.pontodosconcursos.com.br 50
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Comentário:

Consoante destacado, a Constituição consagrou uma série de princípios


administrativos expressos no art. 37, caput e incisos, além de outros implícitos. O que
é certo entendermos que é todos os princípios orientadores da Administração
advém da própria Constituição Federal.

Nesse sentido, a Lei nº 9.784/99, que regulamenta o processo administrativo no


âmbito federal, tornou expresso alguns desses princípios implícitos, além de repetir
os expressos, elencando os seguintes princípios: legalidade, finalidade, motivação,
razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório,
segurança jurídica, interesse público e eficiência.

Dessa forma, ao dispor acerca de outros princípios administrativos, que não


estavam expressos na CF/88, a Lei nº 9.784/99 não extrapolou as diretrizes
constitucionais, pois, de fato, apenas positivou alguns princípios implícitos e outros
decorrentes dos expressos.

Gabarito: Errado.

27. (PROCURADOR – PGE/AL – FCC/2008). O regime jurídico administrativo possui


peculiaridades, dentre as quais podem ser destacados alguns princípios
fundamentais que o tipificam. Em relação a estes, pode-se afirmar que o princípio
da
(A) supremacia do interesse público informa as atividades da administração
pública, tendo evoluído para somente ser aplicado aos atos discricionários.
(B) supremacia do interesse público informa as atividades da administração pública
e pode ser aplicado para excepcionar o princípio da legalidade estrita, a fim de
melhor representar a tutela do interesse comum.
(C) legalidade estrita significa que a administração pública deve observar o
conteúdo das normas impostas exclusivamente por meio de leis formais.
(D) indisponibilidade do interesse público destina-se a restringir a edição de atos
discricionários, que só podem ser realizados com expressa autorização legislativa.
(E) indisponibilidade do interesse público destina-se a restringir a atuação da
administração pública, que deve agir nas hipóteses e limites constitucionais e legais.

Comentário:

www.pontodosconcursos.com.br 51
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Vimos que o princípio da supremacia estabelece prerrogativas para a


Administração, ou seja, confere-lhe poderes para atuar visando atingir, satisfazer, o
interesse coletivo.

Essas prerrogativas é que conferem à Administração superioridade em relação ao


particular, por exemplo, impondo-lhe obrigações de forma unilateral, criando
cláusulas exorbitantes em contratos administrativos, conferindo presunção aos atos
da Administração etc.

De outro lado, conforme pudemos constatar também, junto com tais poderes,
decorrem limitações, restrições à atuação da Administração Pública, que acaba
tendo o dever e não o simples poder de agir para tutelar o interesse público.

Diante disso, verifiquemos cada item.

A Alternativa A: é errada, pois a supremacia do interesse público informa toda a


atividade da Administração Pública, somente não sendo aplicada quando a
Administração atuar submetida a regime jurídico de direito privado, tal como
estivermos diante da atuação das empresas públicas ou sociedade de economia
mista, por serem pessoas jurídicas de direito privado, submetidas ao regime comum,
como regra.

A alternativa “B” também está errada, pois o princípio da supremacia não


excepciona o princípio da legalidade estrita. Na verdade, como bem esclarece a
profa. Di Pietro, ele está presente no momento da elaboração da lei, como no
momento da sua execução, de modo que o exercício da função pública está
submisso ao traçado na Constituição e nas Leis.

No tocante a Alternativa C: vamos observar que a legalidade administrativa,


também chamada de estrita, estabelece o dever de observar a lei em sentido
amplo, ou seja, desde a Constituição até os atos infralegais, tal como portarias,
regulamentos, instruções normativas, e não apenas lei em sentido formal, ou seja, lei
ordinária, lei complementar ou outra espécie normativa.

A Alternativa D:, por força das explicações contidas na “A” e “B”, podemos concluir
que a indisponibilidade, por ser o contraponto da supremacia, aplica-se a qualquer
atuação da Administração, não só aos atos discricionários.

Assim, a alternativa correta é a “E”, pois a indisponibilidade do interesse público

www.pontodosconcursos.com.br 52
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

destina-se a restringir a atuação da administração pública, que deve agir nas


hipóteses e limites constitucionais e legais.

Gabarito: “E”.

28. (DEFENSOR PÚBLICO – DPE/SP – FCC/2008). Marque a afirmativa correta:


a) O princípio da moralidade só pode ser aferido pelos critérios pessoais do
administrador.
b) São princípios explícitos da Administração Pública, entre outros, os da legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.
c) O princípio da razoabilidade ou proporcionalidade não é princípio consagrado
sequer implicitamente.
d) O princípio da publicidade obriga a presença do nome do administrador nos
atos, obras, serviços e campanhas do Poder Público.
e) O princípio da motivação não exige a indicação dos pressupostos de fato e de
direito que determinarem a decisão administrativa.

Comentário:

E aí pessoal!? Essa agora ficou bem mais fácil, não acham? Então vamos direto às
alternativas.

Alternativa A: errada. Ora, o princípio da moralidade estabelece critérios gerais de


atuação dentro da ética, honestidade, decoro, probidade, segundo critérios
administrativos, e não puramente pessoais do administrador.;

Alternativa C: errada. Errada, pois os princípios da razoabilidade e


proporcionalidade, como já pudemos observar, são princípios implícitos na
Constituição Federal e decorrem diretamente do princípio da legalidade. Vale
lembrar, ademais, que a Lei nº 9.784/99 positivou esses princípios.

Alternativa D: errada. O princípio da publicidade, em sintonia com o princípio da


impessoalidade, veda a presença de nomes em atos, obras ou serviços da
Administração a fim de impedir a promoção pessoal. Deve-se ressaltar que a
publicidade tem o sentido de informar, orientar ou educar, além de ser instrumento
que possibilita o controle dos atos da Administração.

Alternativa E: errada. O princípio da motivação é o que exige a expressa indicação

www.pontodosconcursos.com.br 53
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

dos motivos da realização de atos da Administração, ou seja, a apresentação,


exposição, indicação dos motivos, isto é, dos fatos e fundamentos jurídicos que dão
suporte a prática do ato.

Assim, mais uma vez, são princípios explícitos da Administração Pública, entre outros,
os da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Portanto, a
correta é a alternativa “B”.

Gabarito: “B”

29. (JUIZ FEDERAL – TRF 5ª REGIÃO – CESPE/2007) Acerca dos quatro setores da
economia, os quais repercutem na atuação da administração pública, julgue o item
subseqüente. *** O Estado compõe o primeiro setor, ao passo que o mercado
configura o segundo setor.

Comentário:

A teoria da divisão da sociedade em setores utilizada pela economia é bem


aproveitada no âmbito do Direito Administrativo a fim de explicar o surgimento dos
entes políticos e entidades administrativas, assim como das atividades realizadas
pelo Estado, dentre outros temas.

Com efeito, podemos entender os setores da economia da seguinte forma:

a) o primeiro setor como sendo o setor público, ou seja, aquele em que se cuida
das questões ligadas ao Estado e seu relacionamento com os administrados, no
sentido de ser o Estado o provedor das necessidades coletivas, o que ensejaria a
prestação de serviços públicos.

b) o segundo setor como sendo o mercado, ou seja, aquele em que há relação


entre particulares, submetidas ao acordo de vontades, em que vige o princípio da
igualdade, ou seja, o âmbito de atuação da iniciativa privada em que se
estabelecem negócios jurídicos;

c) o terceiro setor, também denominado setor social, em que convivem o interesse


privado e o público para promoção do bem de todos, cujo desiderato é ajudar ou
auxiliar aqueles que estão em desigualdade social, cuidando, pois, de áreas
relacionadas aos idosos, crianças, deficientes, meio ambiente, saúde, educação

www.pontodosconcursos.com.br 54
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

etc. Estando presentes aqui as chamadas paraestatais, entidades sem fins lucrativos
que se vinculam com o Estado a fim de colaborar com sua atuação no âmbito
social.

d)Por fim, pode-se dizer ainda da existência de um quarto setor, o qual


compreenderia do atividade informal, exercida sem o controle e à margem dos
requisitos legais, denominado mercado informal. E já há aqueles que citam o quinto
setor, considerando-o neste os excluídos, os desprovidos de meios para a própria
subsistência.

Gabarito: Certo.

30. (ANALISTA SUPERIOR – MPE/SE – FCC/2009) A Administração Direta é definida


como
(A) corpo de órgãos, dotados de personalidade jurídica própria, vinculados ao
Ministério ou Secretaria em cuja área de competência estiver enquadrada sua
principal atividade.
(B) conjunto de pessoas jurídicas de direito público subordinadas diretamente à
chefia do Poder Executivo.
(C) conjunto de serviços e órgãos integrados na estrutura administrativa da chefia
do Poder Executivo e respectivos Ministérios ou Secretarias.
(D) soma das autarquias, fundações públicas e empresas públicas subordinadas ao
governo de determinada esfera da Federação.
(E) nível superior da administração da União ou de um ente federado, integrada
pela chefia do Poder Executivo e respectivos auxiliares diretos.

Comentário:

Pessoal, antes de analisarmos cada item, a fim de verificar qual deles atende ao
comando, devemos ter uma noção introdutória acerca da organização
administrativa, ou seja, da formação da Administração Direta, seus órgãos, e da
Administração Indireta.

Pois bem. Devemos considerar o Estado como sendo 1º setor, onde, como regra,
teremos a submissão ao regime de direito público (regime especial), a prevalência
do interesse público (supremacia do interesse público sobre o privado), e os bens
são públicos (protegidos). Por tudo isso, dizemos que se trata de setor público.

www.pontodosconcursos.com.br 55
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Assim, as pessoas que são criadas nesse setor são pessoas jurídicas de direito
público.

No 2º setor, o qual denominados de mercado, teremos interesses privados. Assim, os


bens são privados, o interesse é o privado, o regime é o comum. Por isso, as pessoas
constituídas nesse ambiente, são pessoas jurídicas de direito privado.

Essas pessoas são constituídas pela união de duas ou mais pessoas formando uma
sociedade, com a finalidade de obter lucro, ou por uma só pessoa que exerce uma
atividade com fins de lucro, empresa. (observe que para o Direito Empresarial,
empresa é a atividade realizada pelo empresário ou pela sociedade empresária)

Mais recentemente podemos constatar a preocupação com as questões ligadas


ao meio ambiente, ao futuro, aos desamparados ou aos excluídos, ou seja,
questões inerentes à solidariedade, ao campo ou setor social. Temos, por isso, o
terceiro setor ou setor social.

Nesse setor, constituem-se pessoas jurídicas, cujos interesses são filantrópicos, ou


seja, de ajudar, fomentar, auxiliar em diversas atividades, tal como saúde,
educação, desenvolvimento social, dentre outras áreas.

É importante percebermos que, nesse setor, temos pessoas que se unem para
ajudar ao próximo, sobretudo aqueles que estejam em situação de desigualdade,
mas também para tutelar interesses comuns.

A união de pessoas com esse objetivo comum constitui uma associação (ex.
associação de moradores de Bairro, Associações dos catadores de Lixo, Associação
dos Protetores da Mata-Atlântica, Associação Brasileira de Assistência às Famílias de
Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias – ABRACE, dentre outras) ou alguém,
como tal propósito, destaca bens/capital de seu patrimônio para constituir essa
pessoa, como é o caso das fundações (Ex. Fundação Bradesco, Fundação Ayrton
Senna, Fundação Xuxa, Fundação Roberto Marinho etc).

Atualmente, podemos ainda citar a existência de um contingente considerável de


pessoas que se relacionam, porém à margem do Estado, não se inserindo de forma
regular no mercado, tampouco com interesses filantrópicos, exercendo atividades
irregulares, por vezes até mesmo ilícitas, o que denominados de 4º setor ou de
economia informal, ou seja, é o ambulante, o camelô, dentre outras atividades que
abrigam desempregados, excluídos pelo regime formal de emprego.

www.pontodosconcursos.com.br 56
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Dessa forma, podemos dizer que a sociedade se divide em setores (1º setor o
Estado; 2º, Mercado; 3º, Social; 4º, Mercado Informal).

Com efeito, Estado (1º setor) é compreendido como uma entidade, ou seja, pessoa
jurídica, politicamente organizada, de modo a contemplar três elementos
essenciais, sendo povo, território e soberania ou governo. Há quem ainda inclua a
finalidade.

Essa definição parte dos estudos formulados por Montesquieu, para quem o Estado,
organização política, é concebido para bem promover os interesses coletivos e,
portanto, ser democrático.

Então, com base nesse entendimento, para consideramos o Estado como


democrático deve-se contemplar nele a existência da separação de poderes, ou
seja, não pode haver a concentração de funções ou atividades em um único
órgão, sob pena desse Estado se tornar absolutista.

Por isso, formulou Montesquieu a chamada tripartição de poderes estatais, tal como
observamos na nossa Constituição, ou seja, Executivo, Legislativo e Judiciário,
atribuindo cada função a órgãos distintos.

Esse processo, de separar poderes e com isso criar órgãos, independentes, para
exercer essas funções de Estado, leva o nome de desconcentração política de
funções.

Reforçando: O Estado é uma organização política, dotada de personalidade


jurídica de direito público, que, modernamente, congrega três funções ou poderes,
sendo o Legislativo, Judiciário e Executivo.

A função executiva também é denominada administrativa e, por isso, muitas vezes


se confunde o Poder Executivo com a Administração Pública, todavia essa
simplificação não é de todo correta na medida em que a Administração Pública se
encontra inserida nos três poderes. Veja o art. 37, caput, da Constituição Federal:

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos


Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:

Explico Isso.

www.pontodosconcursos.com.br 57
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

É que, muito embora haja essa divisão de funções (legislativa, executiva e


judiciária), sendo cada função exercida de forma primordial ou principal por um
órgão independente, ou seja, como função típica, é possível verificar que há
funções atípicas ou anômalas que também serão exercidas concomitantemente
pelos Poderes.

Observe que cada função é exercida por órgãos especiais (independentes)


definidos como Poder Executivo, Poder Judiciário e Poder Legislativo, significando
dizer que um não está subordinado aos outros, tendo suas limitações e prerrogativas
conferidas constitucionalmente.

Cada Poder, é preciso que saibam, exerce, além de sua função típica (finalística),
outras funções, de forma atípica ou anômala.

Por exemplo, ao Poder Executivo cabe o exercício da função típica administrativa,


que é de gerir a máquina estatal, realizar os serviços públicos e as políticas públicas,
dentre outras atividades, mas cabe, de forma atípica, o exercício das funções
legislativas (tal como a edição de Medidas Provisórias, regulamentos internos) e de
julgar (condução de processos administrativos etc).

Por outro lado, aos demais Poderes, isto é, ao Legislativo e ao Judiciário caberá o
exercício de forma atípica ou anômala das funções que seriam funções típicas de
outro poder.

Assim, além de legislar e fiscalizar os gastos públicos, ao Legislativo cabe realizar a


organização e funcionamento de suas atividades (função administrativa), bem
como julgar os parlamentares por falta de decoro ou, no âmbito do Senado, por
exemplo, julgar o Presidente por crime de responsabilidade (função de julgar).

De igual forma, ao Poder Judiciário, além de dizer o direito no caso concreto,


promovendo a pacificação social, resolvendo os conflitos de interesse (função
judiciária), também terá que gerir seus serviços, seus servidores, realizando
concursos, licitações etc (função administrativa) e elaborar seu regimento interno e
expedir resoluções administrativas (função legislativa).

Por isso, ante essa complexidade de atuações e as inúmeras atividades que devem
desempenhar o Estado, além de suas funções primordiais (poderes), é necessária
uma organizada estrutura administrativa a fim de promover seus objetivos, qual seja,
de atender os interesses coletivos.

www.pontodosconcursos.com.br 58
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Nesse sentido, e como já ressaltamos, foi estabelecida essa divisão de funções entre
os três órgãos ou poderes (desconcentração política).

Porém, é possível percebermos que esses órgãos estão na estrutura de um Ente


Político, que conforme a Constituição Federal, chama-se República Federativa do
Brasil.

Observe que, ao se transformado em uma federação, o Estado (República


Brasileira) deixou de ser um Estado Central, ou seja, aquele que não tem divisão
política interna de competências, para distribuir competências entre outros Entes
Políticos internos. (Forma de Estado: Federativa)

Assim, com o intuito de aproximar a realização das atividades Estatais ao povo, no


sentido de abandonar a centralização, já que, como ressaltei, inicialmente o Estado
era centralizado e isso dificultava o exercício de suas atividades, empreendeu-se
uma repartição de atribuições – competências políticas -, criando-se outros entes
políticos, o que se denomina de descentralização política.

Importante compreender que essa descentralização é realizada por força da


Constituição, conforme a criação dos Entes Federados, nos moldes do art. 18 da
CF/1988, sendo: a União, os Estados-membros, o Distrito Federal e os Municípios.

Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa


do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os
Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.

Então, vamos relembrar:

O Estado exerce três funções primordiais por órgãos criados para isso
(desconcentração política). Funções que integrarão as competências distribuídas
aos entes políticos internos que foram criados para tanto (descentralização política).

Com efeito, vamos perceber, então, que o exercício da função administrativa é


concebido para ser realizado pelo Estado ou seus entes políticos. Desse modo,
quando o Estado ou os Entes Políticos estão exercendo a função administração
serão chamados de Administração Pública.

Nesse sentido é que o Decreto-Lei 200/67, em que pese não se atentar para o
exercício de funções atípicas pelos demais poderes, estabeleceu o conceito de

www.pontodosconcursos.com.br 59
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Administração Pública Direta, vejamos:

Art. 4° A Administração Federal compreende:


I - A Administração Direta, que se constitui dos serviços integrados na
estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios.

Assim, verifica-se que o Estado, já desconcentrado politicamente, e ao proceder à


descentralização política (empreendida pela Constituição Federal) criou um
modelo político em que o Estado Central deu origem a outros Entes Políticos (União,
Estados, DF e Municípios), por isso o modelo de Estado Federado (Forma de Estado,
lembre-se).

A esse movimento de criação de outros entes políticos dentro do Estado central,


descentralizando-o, deu-se o nome Administração Pública Direta, visto que se
correlaciona o Estado (desmembrado politicamente em outras pessoas jurídicas) e
o exercício da própria função administrativa.

Portanto, a Administração Pública Direta compreende os próprios Entes Políticos, ou


seja, União, Estados-membros, DF e Municípios, todos com personalidade jurídica de
direito público à semelhança do Estado Central (República Federativa do Brasil).

Todavia, tais entes políticos (Administração Pública Direta) vão realizar suas funções
por meio de estruturas organizacionais internas, eis que serão distribuídas funções,
competências, ou atividades administrativas a repartições, departamentos, setores,
ou órgãos desses entes políticos a fim de que possam realizar suas atribuições.

Essa necessidade de organização interna da atividade administrativa, a fim de


melhor desempenhá-la, distribuindo-a através da criação de órgãos em uma
mesma estrutura interna é denominada desconcentração administrativa.

Portanto, podemos entender que a desconcentração administrativa é a criação de


órgãos dentro da estrutura administrativa de um ente.

Pois bem.

O Estado inicialmente concentrado e centralizado reparte internamente suas


funções políticas entre órgãos independentes ou de poder, denominados Executivo,
Legislativo e Judiciário (desconcentração política), depois se reparte em diversos
entes políticos a fim de dividir, distribuir a titularidade de certas competências e o
exercício de suas atribuições, criando a União, os Estados-membros, o Distrito

www.pontodosconcursos.com.br 60
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Federal e os Municípios (descentralização política).

Assim, podemos perceber que tais entes exercerão as funções de Estado


(Executiva, Legislativa e/ou Judiciária). Porém, esses entes políticos no exercício da
função administrativa são denominados de Administração Pública Direta.

Observe que olhando até aqui, ou seja, olhando isoladamente cada ente político,
temos uma representação menor do próprio Estado, de modo que cada ente no
exercício da função administrativa, ou seja, atuando como Administração Pública o
faz de igual modo ao Estado central antes de ter empreendido a descentralização.

Por isso, até o presente momento, cada ente que compõe o Estado exerce de
forma centralizada a função administrativa. Por isso, a denominação de
Administração Pública Direta ou Centralizada, pois ainda não houve o
desmembramento dessa atividade por cada ente político no seu âmbito interno.

Significa dizer que a cada ente político foi distribuído uma gama de competências
administrativas pelo Ente Central, e que estes mesmos entes, diretamente, deverão
exercê-las. E, assim, vistos isoladamente são entes centralizados também.

Ocorre que são amplas as atividades administrativas a serem exercidas, de modo


que tais entes políticos, a fim de agirem organizadamente e obterem uma atuação
satisfatória, verificam a necessidade de distribuição interna dessas atividades, ou
seja, de criarem setores, de modo que cada um tenha funções específicas e, assim,
possa a engrenagem funcionar de forma coordenada.

Para tanto, a Administração Pública Direta ou centralizada cria órgãos, ou seja,


núcleos de atuação interna em que são distribuídas as diversas atribuições, o que se
denomina desconcentração administrativa, na medida em que há a repartição
interna da função administrativa num mesmo ente.

É importante lembrar que o órgão, departamento, setor, é uma parte do ente que o
criou, de maneira que não tem vida própria, ou seja, não se trata de uma pessoa
jurídica, não detém, portanto, personalidade jurídica.

É sabido, no entanto, que somente tal repartição interna não consegue atingir a
todos os interesses e serviços que o Estado deve realizar. Isso porque mesmo
organizado internamente continuamos a ter uma única pessoa a realizar o
complexo de atividades administrativas.

www.pontodosconcursos.com.br 61
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Por isso, tendo como parâmetro aquilo que havia sido empreendido pela própria
Constituição em dado momento (descentralização política), e considerando, pois,
a necessidade de melhor realizar as funções administrativas, concebe-se nova
descentralização, agora não mais sob a vertente política (constitucional), mas sob a
ótica administrativa.

Sabendo, pois, que a descentralização política deu surgimento aos entes políticos
(União, Estados, DF e Municípios), a descentralização administrativa dará surgimento
a entes ou entidades administrativas.

Com efeito, a descentralização administrativa dá origem às seguintes entidades:


Autarquias, Fundações Públicas, Empresas Públicas e Sociedade de Economia
Mista.

Lembre-se que a descentralização política deu surgimento a pessoas jurídicas


derivados do Estado. Assim, a descentralização administrativa dá surgimento a
pessoas jurídicas derivadas da Administração Pública.

Nesse caso, se a Administração Direta ou Centralizada são os próprios entes


políticos (Estado diretamente), por meio de seus órgãos, realizando a atividade
administrativa, então, quando não são esses entes, mas pessoas jurídicas criadas
por eles (entidades) a realizar tais funções, teremos com isso o Estado atuando de
forma indireta, o que denominamos, portanto, de Administração Pública Indireta.

A descentralização administrativa promove, assim, a criação de pessoas jurídicas


distintas das pessoas políticas, ou seja, a criação de entidades para realizar as
atividades administrativas pelo Estado, por isso Administração Pública Indireta.

A Administração Pública Indireta será, portanto, o conjunto de pessoas jurídicas


distintas do Estado e criadas por ele, a fim de realizar atividades que lhe são
atribuídas como próprias.
Então, temos:

www.pontodosconcursos.com.br 62
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Nesse sentido, o Decreto-Lei nº 200/67 assim dispõe:

Art. 4° A Administração Federal compreende:


I - A Administração Direta, que se constitui dos serviços integrados na
estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios.
II - A Administração Indireta, que compreende as seguintes categorias
de entidades, dotadas de personalidade jurídica própria:
a) Autarquias;
b) Empresas Públicas;
c) Sociedades de Economia Mista.
d) fundações públicas

Essa é a organização da Administração Pública, ou seja, é daí que surgem os entes


ou entidades que compõem a Administração Pública direta ou indireta.

Lembre-se: A desconcentração é a criação de órgãos. A descentralização é a


criação de pessoas jurídicas.

A propósito, entenda que os órgãos, em que pese terem sidos criados


originariamente no âmbito da Administração Pública direta, também existem no
âmbito da Administração Pública indireta. Significa dizer que a desconcentração
administrativa pode ocorrer na Administração direta ou indireta.

Lei nº 9.784/99
Art. 1º. §2º.
I - órgão - a unidade de atuação integrante da estrutura da
Administração direta e da estrutura da Administração indireta;

Por isso, a característica básica que diferencia um órgão e de uma entidade é que
os órgãos não possuem personalidade jurídica.

www.pontodosconcursos.com.br 63
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Então, vamos às alternativas:

Alternativa A: Errada. Os órgãos não possuem personalidade jurídica, eles integram


uma estrutura, ou seja, um ente ou entidade, estes é que possuem personalidade
jurídica.

Alternativa B: Errada. A Administração Pública Direta é compreendida como o


conjunto de órgãos que integra um ente político. Percebam ademais que quando
falamos em pessoas jurídicas, afastaremos a subordinação, ou seja, não há
subordinação de uma pessoa jurídica a um órgão da Administração Direta.

Alternativa D: Errada. Como ressaltei não há subordinação entre as entidades


administrativas aos órgãos da Direta. Ademais, esse conjunto de pessoas não estão
na estrutura da Administração Direta.

Alternativa E: Errada. A Administração Pública Direta compreende todos os níveis da


Administração Pública, ou seja, dos órgãos que compõem um ente federado, do
mais elevado ao mais simples na organização administrativa.

Alternativa C: Certa. Consoante dispõe o Dec.Lei 200/67, ou seja, a Administração


Pública Direta (Federal) seria o conjunto de serviços e órgãos integrados na
estrutura administrativa da chefia do Poder Executivo e respectivos Ministérios ou
Secretarias.

Lembre-se, todavia, que esse Decreto-Lei viu a administrativa apenas na atividade


típica, de modo que não podemos esquecer que também os órgãos que
compõem o Judiciário e o Legislativo exercem a atividade administrativa.

Gabarito: “C”

31. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) A


descentralização política ocorre quando os entes descentralizados exercem
atribuições próprias que não decorrem do ente central. Sendo os estados-membros
da Federação tais entes e, no Brasil, também os municípios, a descentralização
política possui os mesmos entes da descentralização administrativa.

Comentário:

www.pontodosconcursos.com.br 64
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

A descentralização política é a criação pelo Estado Central dos chamados entes


políticos, ou seja, os membros da federação. Assim, as atribuições de cada ente
político decorrem do próprio ente central, que reparte, no âmbito da federação, as
competências entre seus entes políticos.

Além desse erro, se estabelece que a descentralização política faz surgir os mesmos
entes que a descentralização administrativa. Ora, a descentralização política dá
surgimento a Administração Pública Direta (União, Estados, DF e Municípios),
enquanto que a descentralização administrativa dá surgimento à Administração
Pública Indireta (Autarquia, Fundação Pública, Empresa Pública e Sociedade de
Economia Mista).

Gabarito: Errada.

32. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) A


descentralização territorial ou geográfica se verifica quando uma entidade local e
geograficamente delimitada, com personalidade jurídica de direito público, exerce
a totalidade ou a maior parte dos encargos públicos de interesse da coletividade,
sujeitando-se a controle do poder central. No Brasil, os estados e territórios podem
ser categorizados como entes de descentralização territorial.

Comentário:

Essa é uma daquelas assertivas “bem bonitinha” que se não prestarmos atenção,
pronto! Escorregamos na armadilha.

A descentralização administrativa pode ser realizada de três formas: a territorial ou


geográfica; a técnica, funcional ou por serviço; e, a por colaboração.

A geográfica ou territorial é aquela em que há a criação de um ente, dentro de


certa localidade, ou território, com personalidade jurídica de direito público, eis que
se trata de uma Autarquia Política, com capacidade de auto-administração,
porém se sujeitando ao controle central. (Ex. Territórios)

Até então, tudo certinho. O erro consiste no fato de que no Brasil, somente os
territórios representam a descentralização territorial ou geográfica, já que os
estados surgem por descentralização política.

www.pontodosconcursos.com.br 65
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Gabarito: Errada.

33. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) O regime


democrático, cada vez mais, tem-se pautado na necessidade de um sistema
institucional mais coeso e centralizado, apesar de conter algumas aberturas a
ações políticas oriundas dos cidadãos e da opinião pública.

Comentário:

Essa questão não se refere a um tema puramente de direito administrativo, mas de


natureza político-administrativa.

Observe que a centralização é um modelo ultrapassado na medida em que


responde de forma lenta e burocrática aos anseios da coletividade. A
descentralização, por outro lado, opera uma especialização de atividades, de
modo que se pode conseguir respostas mais rápidas e satisfatórias.

Assim, no regime democrático, tem se buscando cada vez mais a descentralização


de atividades.

Gabarito: Errado.

34. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) A


descentralização por serviço, técnica ou funcional ocorre quando a União, o estado
ou os municípios criam, por lei, uma pessoa de direito público ou privado e a ela
atribuem a titularidade e a execução de determinado serviço público.
Caracteristicamente, essa pessoa legalmente criada denomina-se autarquia. No
entanto, é possível incluir, por exemplo, nessa categoria, as fundações
governamentais, sociedades de economia mista e empresas públicas, que
exerçam serviços públicos.

Comentário:

Muito embora a descentralização por serviço, técnica ou funcional ocorre quando


a União, o estado ou os municípios criam pessoas jurídicas e por força dela se atribui
a titularidade e a execução de determinado serviço público a entidades

www.pontodosconcursos.com.br 66
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

administrativas, devemos perceber que nem sempre é a Lei quem cria a entidade.

A Lei somente criará diretamente a pessoa quando se tratar de Autarquia, como


restou consignado. No entanto, quando se referir às Fundações, Empresas Públicas
e Sociedades de Economia Mista, a Lei autoriza a criação, que deverá ser
conduzida por ato da administração, ou seja, uma fundação governamental
precisa ter seu estatuto registrado no cartório de pessoas jurídicas para ser criada, a
fim de obter personalidade jurídica, e as estatais, levado seu contrato social a
registro na Junta Comercial.

Portanto, não é a lei quem criará todas essas entidades. Além disso, elas poderão
ser autarquias, fundações, sociedade de economia mista ou empresa pública, que,
nestes dois últimos casos, poderão prestar serviços públicos ou explorar atividade
econômica e, ainda, assim, integrarão a administração pública, ou seja, não só as
que exerçam serviços públicos integram a administração, mas as exploradoras de
atividade econômica também.

Gabarito: Errado.

35. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009) A centralização


político-administrativa garante e protege a capacidade de tomar decisões, pois os
resultados são sentidos de forma mais imediata.

Comentário:

Como já observamos, a centralização político-administrativa leva a lentidão, a


burocracia, a dificuldade de realização das atividades administrativas na medida
em que o Estado deve, sozinho, realizar todas as suas atividades.

Gabarito: Errado.

36. (TÉCNICO ADMINISTRATIVO – STF – CESPE/2008). A descentralização pode ser


feita por qualquer um dos níveis de Estado: União, DF, estados e municípios.

Comentário:

Percebam. A descentralização, conforme demonstrado, pode ocorrer de forma

www.pontodosconcursos.com.br 67
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

política (empreendida pela Constituição), ao se criar os entes políticos (União,


estados, DF e municípios). Poderá ocorrer também administrativamente, quando se
criará os entes ou entidades administrativas (Autarquia, Fundação Pública, Empresa
Pública e Sociedade de Economia Mista).

Então, podemos verificar que, quaisquer dos entes políticos, ou seja, dos entes que
compõem a Administração Pública Direta ou centralizada, poderá se descentralizar
administrativamente, de modo a ter sua própria Administração Pública Indireta.

Gabarito: Certo.

37. (TÉCNICO ADMINISTRATIVO – STF – CESPE/2008) A divisão de determinado


tribunal em departamentos visando otimizar o desempenho, para, posteriormente,
redistribuir as funções no âmbito dessa nova estrutura interna, é um exemplo de
descentralização.

Comentário:

Essa é uma questão rotineira e que algumas pessoas ainda insistem em errá-la. Mais
uma vez, devemos ter muita atenção para não confundir desconcentração e
descentralização. Eu brinco que é resultado de se conhecer as vogais, coisa lá do
pré-escolar, especialmente o “E” e “O”. (risos)

Vejamos:

Na descentralização ocorre a criação de pessoas jurídicas, distintas do Estado, para


realizar atividades que lhe são atribuídas como próprias, ou seja, é a transferência
da titularidade e exercício de uma atividade administrativa por uma pessoa jurídica
a outra.

Na desconcentração é a repartição de atividades, atribuições ou competências,


dentro de uma mesma estrutura organizacional administrativa, ou seja, dentro de
um mesmo ente ou entidade de maneira a criar órgãos, departamentos, setores
etc.

Então: DESC:
descOncentração – criação de Órgãos
descEntralização - criação de Entes, Entidades

www.pontodosconcursos.com.br 68
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Vê como é fácil. Então, não tenhamos mais dúvidas, e não vamos dar sopa para
essas questões mais simples.

Gabarito: Errado.

38. (ADVOGADO – SGA/AC – CESPE/2008). Considere que uma lei estadual do


Acre institua, com caráter de autarquia, o Instituto Academia de Polícia Civil, com o
objetivo de oferecer formação e aperfeiçoamento aos servidores ligados à polícia
civil do Acre. Nessa situação, a criação do instituto representaria um processo de
descentralização administrativa, visto que implicaria a criação de uma entidade da
administração estadual indireta.

Comentário:

Novamente a discussão acerca da descentralização. Sabemos, portanto, que a


criação de outras pessoas jurídicas, com a finalidade de exercer as atividades
administrativas em substituição ao Estado, é o fenômeno da descentralização
administrativa, que dá surgimento à Administração Pública Indireta, onde estão
localizados os entes ou entidades administrativas, dentre eles as autarquias.

Gabarito: Certo.

39. (ANALISTA JUDICIÁRIO – ADMINISTRATIVA – TRE/GO – CESPE/2009) Assinale a


opção correta a respeito da organização da administração pública direta e
indireta.
A A União, os estados, os municípios e o Distrito Federal são entidades políticas que
compõem a administração pública indireta.
B Por meio do processo de descentralização vertical da administração pública, são
criadas entidades com personalidade jurídica, às quais são transferidas atribuições
conferidas pela Constituição (CF) aos entes políticos.
C Na estrutura dos entes políticos, os órgãos estão estruturados a partir de critérios
de hierarquia. Contudo, há órgãos independentes, que não se subordinam a
qualquer outro, devendo, apenas, obediência às leis. É o caso da presidência da
República, na estrutura do Poder Executivo federal, e dos gabinetes dos
governadores, na estrutura do Poder Executivo estadual.

www.pontodosconcursos.com.br 69
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

D De forma geral, as autarquias corporativas, como a OAB e os demais conselhos


de profissões regulamentadas, devem prestar contas ao Tribunal de Contas da
União (TCU), fazer licitações e realizar concursos públicos para suas contratações.

Comentário:

Alternativa A: Errada. As pessoas políticas ou entes políticos (União, estados, DF e


municípios), como vimos, compreendem o Estado realizando diretamente a função
administrativa e, por isso, denominou-se de Administração Pública Direta.

Alternativa B: Certa. A descentralização política cria entes políticos todos dotados


de autonomia, ou seja, seja qualquer dependência ou vinculação, cada qual
respondendo por seus atos e nenhum podendo interferir na atuação do outro, salvo
situação excepcional que poderia levar a intervenção da União nos estados e DF
ou dos estados nos municípios.

Por isso, essa descentralização criaria pessoas de mesmo nível, sendo, pois,
descentralização horizontal.

A descentralização administrativa cria uma estrutura vinculada ao ente político, de


modo que teríamos uma vinculação da Administração Pública Direta com a
Indireta. Por isso, diz-se que a descentralização administrativa é verticalizada.

E, conforme ressaltado, na descentralização administrativa, ao se criar as entidades


administrativas, transferem-se competências administrativas do ente político ao
novo ente administrativo.

Alternativa C: Errada. A criação de órgãos, ou seja, fenômeno da desconcentração


observa a hierarquia administrativa. No entanto, há órgãos que estão na cúpula da
administração, exercendo atribuições advindas diretamente da Constituição e, por
isso, não estariam subordinados a nem outro, sendo, pois, independentes.

Todavia, tais órgãos estão subordinados aos ditames legais, ou seja, às leis de forma
geral, significando dizer ao ordenamento jurídico. Todavia, a Presidência e o
Governo Estadual é que são órgãos independentes, no entanto, o gabinete do
Governador é um órgão subordinado a este, por isso a questão é errada.

Alternativa D: Errada. As autarquias integram o conjunto de entes que pertencem à


Administração Pública Direta. Mas o que é uma autarquia?

www.pontodosconcursos.com.br 70
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Bem! As autarquias são pessoas jurídicas de direito público, criadas por lei, com
capacidade de auto-administração, e capital exclusivamente público, para o
desempenho de atividades típicas do Estado.

De forma bem simples, as autarquias representam, na verdade, uma parcela do


Estado a que se deu vida própria, para exercer suas atividades típicas.

Podemos, pois, dar as seguintes características: A criação é sempre por lei; são
dotadas de personalidade jurídica de direito público; gozam de autonomia
administrativa e financeira; especialização dos fins ou atividades; e, sujeição ao
controle ou tutela, que significa não está subordinada ao ente que a criou, mas
apenas vinculada aos fins para que foi criada (supervisão ministerial).

As autarquias são sempre criadas por lei, ou seja, somente a Lei pode criar uma
Autarquia. E é a lei que definirá sua estrutura, sua atividade, ou seja, seus contornos.

Significa que, a partir do início da vigência da lei criadora, tem a entidade seu
surgimento, sem qualquer necessidade de averbação de seus atos institucionais em
órgãos destinados a tanto, pois seu delineamento está todo contido na norma
criadora.

Desse modo, é bom ressaltar, para sua extinção, por observância do princípio da
simetria (paralelismo das formas), deverá ser também procedida por meio de lei.
Isto é, somente por lei é possível a extinção de uma Autarquia.

Assim, doutrinariamente costuma-se dividir as autarquias em institucionais e


territoriais.

As autarquias territoriais surgem por desmembramento geográfico do Estado,


criando-se um ente ao qual se outorga prerrogativas de ordem político-
administrativa, a exemplo dos territórios que são autarquias territoriais de natureza
política integrantes da União.

As autarquias institucionais são pessoas administrativas criadas por lei, com objetivo
específico, sem qualquer espécie de delegação política, pois recebem, por
outorga, a titularidade de uma atividade típica do Estado.

Por outro lado, é possível classificar, ainda, as autarquias quanto ao objeto, quando
teríamos as autarquias comuns, cuja disciplina jurídica não teria maior

www.pontodosconcursos.com.br 71
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

especificidade, ou seja, estariam submetidas ao denominado “regime comum” das


autarquias em geral, ou seja, gozam de autonomia administrativa e financeira,
prerrogativas à semelhança do Estado. Ex. Instituto Nacional do Seguro Social - INSS,
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente – IBAMA, Instituto de Colonização e Reforma
Agrária – INCRA, dentre outros.

Há, ademais, as autarquias em regime especial, que são autarquias dotadas de


maiores prerrogativas, tal qual maior independência administrativa, poder
normativo técnico e, ainda, gozando de mandato fixo para os seus dirigentes Ex:
Universidades (Lei no. 5.540/68), BACEN e as denominadas agências reguladoras
(ex.: Anatel, Ana, Aneel etc).

Caracteriza-se por três elementos: maior independência, investidura especial


(depende de nomeação pelo Presidente aprovação prévia do Senado Federal) e
mandato, com prazo fixo, conforme lei que cria a pessoa jurídica.

Podemos utilizar, ainda, classificação considerando a estrutura, quando teremos:

a) autarquias corporativas, ou seja, as autarquias que tem a prerrogativa de


fiscalizar e controlar o exercício de certas profissões. Ex.: CRECI, CRM, CREA, CRC, ou
seja, os conselhos profissionais.

Nesse aspecto, cabe destacar que o Supremo Tribunal Federal tem entendimento
de que a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) não integra a Administração
Pública, realizando, pois, serviço público de forma independente, e, por isso, não se
submete ao regime jurídico-administrativo, tampouco a controle Estatal de suas
finalidades ou mesmo do Tribunal de Contas da União, no tocante aos seus recursos
e gastos.

b) autarquias fundacionais: são autarquias criadas em razão de um destacamento


de patrimônio estatal, com o escopo de atuarem desempenhando atividades
ligadas ao desenvolvimento social, tal como saúde, educação ou em proteção aos
direitos e interesses de minorias. Ex. Fundação Universidade de Brasília (FUB),
Fundação Nacional do Índio (FUNAI) etc.

Portanto, verificamos que muito embora os conselhos de profissões sejam autarquias


corporativas, e, por isso, se submetem a controle do Tribunal de Contas da União,
além de terem o dever de licitar e realizar concursos públicos, a OAB estaria
excluída de tais obrigações na medida em que não integra a Administração
Pública, conforme entendimento do STF.

www.pontodosconcursos.com.br 72
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Gabarito: “B”.

40. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRF 5ª REGIÃO – FCC/2008) Os órgãos públicos são


(A) centros de competência dotados de personalidade jurídica.
(B) os agentes públicos que desempenham as funções da Administração Pública.
(C) centros de competência instituídos para o desempenho de funções estatais.
(D) unicamente os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.
(E) as pessoas, os sujeitos de direitos e obrigações, dentro da Administração Pública.

Comentário:

Essa é uma questão muito boa, que dá margem para avançarmos um pouco mais
nos meandros da Administração Pública Direta, ou seja, na organização
(desconcentração) de sua atividade com a criação de órgãos.

Nesse sentido, vale citar a Professora Maria Sylvia Zanella Di Pietro que define órgão
público como uma unidade que congrega atribuições exercidas pelos agentes
públicos que o integram com o objetivo de expressar a vontade do Estado.

Na clássica lição de Hely Lopes Meirelles, órgãos são centro de competências


instituídos para o desempenho de funções estatais, através de seus agentes, cuja
atuação é imputada à pessoa jurídica a que pertecem.

De qualquer modo, temos uma definição legal dada a órgão pública, conforme
art. 1º, §2º, inc. I, da Lei nº 9.784/99, que assim estabelece:

Art. 1º Esta Lei estabelece normas básicas sobre o processo


administrativo no âmbito da Administração Federal direta e indireta,
visando, em especial, à proteção dos direitos dos administrados e ao
melhor cumprimento dos fins da Administração.
........
§ 2º Para os fins desta Lei, consideram-se:
I - órgão - a unidade de atuação integrante da estrutura da
Administração direta e da estrutura da Administração indireta;

Como ressaltei, os órgãos têm por características não terem personalidade jurídica,
pois integram a estrutura de um ente ou entidade da Administração Pública direta

www.pontodosconcursos.com.br 73
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

ou indireta.

Assim, não se confundem com a pessoa jurídica (ente ou entidade), pois a


integram, tampouco com a pessoa física (agente público).

É importante destacar, no entanto, que os órgãos podem ter representação própria


para a defesa de suas prerrogativas institucionais, ou seja, podem ir a juízo em
defesa da garantia do exercício de suas atribuições, observe a seguinte
jurisprudência do STJ:

PROCESSO CIVIL E ADMINISTRATIVO – DEFESA JUDICIAL DE ÓRGÃO SEM


PERSONALIDADE JURÍDICA – PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DA CÂMARA
DE VEREADORES.
1. A regra geral é a de que só os entes personalizados, com
capacidade jurídica, têm capacidade de estar em juízo, na defesa
dos seus direitos.
2. Criação doutrinária acolhida pela jurisprudência no sentido de
admitir que órgãos sem personalidade jurídica possam em juízo
defender interesses e direitos próprios, excepcionalmente, para
manutenção, preservação, autonomia e independência das
atividades do órgão em face de outro Poder.
3. Hipótese em que a Câmara de Vereadores pretende não recolher
contribuição previdenciária dos salários pagos aos Vereadores, por
entender inconstitucional a cobrança.
4. Impertinência da situação excepcional, porque não configurada a
hipótese de defesa de interesses e prerrogativas funcionais.
5. Recurso especial improvido.
(REsp 649.824/RN, Rel. Ministra ELIANA CALMON, SEGUNDA TURMA,
julgado em 28/03/2006, DJ 30/05/2006 p. 136)

Com efeito, podemos verificar que são os órgãos que realizam as competências
administrativas. Todavia, dentro dessas estruturas é imprescindível o elemento
humano a fim de exercer a vontade da administração.

Por isso, necessário o estudo da relação entre o agente e o órgão, ou seja, a


relação que se concretiza em razão do exercício de atividades pelos agentes
públicos em decorrência das atribuições destinadas a determinados órgãos.

Três sãos as teorias que tentam explicar essa relação, sendo:

www.pontodosconcursos.com.br 74
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

a) teoria do mandato: Para esta teoria o agente público seria um mandatário da


pessoa jurídica, ou seja, receberia um mandato ou procuração para atuar em
nome da administração.

Sofreu críticas em razão de não se saber quem outorgou o mandato ao agente tal,
que outorgara mandato a outros e daí por diante. Isto é, quem passaria
procuração para que o agente pudesse atuar em nome do Estado? A essa
pergunta, obviamente não se encontrou resposta adequada.

Por isso, tal teoria foi refutada, de modo que não se aplica modernamente no
âmbito da Administração Pública.

b) teoria da representação: para esta o agente público era legalmente


representante do Estado, ou seja, o Estado teria como seu representante legal o
agente público.

É criticável, pois equipara o agente ao tutor ou curador, considerando o Estado


como incapaz. Assim, se o Estado é considerado incapaz, como ele próprio poderia
estabelecer tal representação? Por isso, também essa teoria não se sustentou.

c) teoria do órgão: é a aplicada no âmbito da Administração Pública, devendo ser


aquela observada nas respostas dos certames.

Explica a relação no sentido de que a pessoa jurídica manifesta a sua vontade por
meio dos órgãos, de tal modo que, quando os agentes que os compõem ao
exercerem suas atribuições, é como se o próprio Estado o fizesse, traduzindo-se
numa idéia de imputação.

Significa que o agente atua de acordo com as competências do órgão, realizando


a vontade do ente ou entidade que este integra, ou seja, o Estado atua por meio de
seus órgãos e, dentro destes, haverá agentes que realizarão as atribuições
destinadas à estrutura organizacional.

Como visto, é essa a teoria que explica a relação entre o Estado, o órgão e o
exercício das atividades administrativas pelos agentes, por isso também é
denominada teoria da imputação.

Nessa lógica, dentro dessa concepção de atribuir ou distribuir funções aos órgãos,
podemos classificá-los conforme o seguinte:

www.pontodosconcursos.com.br 75
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

ƒ Quanto à posição estatal:


o Independentes: são órgãos cuja criação tem origem na própria
Constituição e representam um dos Poderes estatais, não estando
sujeitos a qualquer subordinação hierárquica ou funcional, apenas
sofrendo o controle de um poder pelo outro. (Ex: Chefia do
Executivo, Tribunais, Congresso Nacional etc)

o Autônomos: são órgãos que gozam de autonomia administrativa,


financeira e técnica, localizados na cúpula da Administração,
abaixo e subordinados diretamente aos órgãos independentes,
participando das decisões governamentais no âmbito de suas
competências. (Ex: Ministérios, Secretarias de Estado).

o Superiores: são os órgãos que detêm o poder de direção, comando


e controle das atividades administrativas de sua competência,
porém estão sempre subordinados a controle hierarquia de uma
autoridade superior, não gozando, portanto, de autonomia. (Ex:
Departamentos, Gabinetes, Coordenadorias, Divisões etc)

o Subalternos: são os órgãos que estão subordinados a outros órgãos


de hierarquia maior, com função eminentemente de execução das
decisões tomadas administrativamente. (Ex: Seção de pessoal,
expediente, material, transporte, apoio técnico etc).

ƒ Quanto à estrutura:
o Simples: são órgãos constituídos por um só centro de comando, sem
subdivisões internas.

o Compostos: são órgãos que possuem, em sua estrutura interna,


outros órgãos que lhe estão subordinados hierarquicamente.

ƒ Quanto à atuação funcional:


o Singulares: são órgãos que atuam, exercem seu poder decisório, por
meio de um único agente. (Diretoria Geral etc)

o Colegiados: são órgãos que atuam e decidem pela manifestação


conjunta e majoritária de seus membros (Comissões Disciplinares,
Comissão de Licitação etc).

Então, conforme vimos, os órgãos não possuem personalidade jurídica própria. Isso

www.pontodosconcursos.com.br 76
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

porque órgão integra a estrutura de um Ente ou Entidade da Administração Pública.

Porém, como já ressaltado, em que pese os órgãos não terem personalidade


jurídica, alguns (órgãos independentes e autônomos) são dotados de capacidade
processual (capacidade judiciária) a fim de irem a juízo na defesa de suas
prerrogativas institucionais, tal como o TCU na defesa de sua prerrogativa de
fiscalizar as contas públicas, por exemplo.

Nesse sentido, além do STJ como já vimos, o Supremo Tribunal Federal (STF) entende
que órgãos simples ou a órgãos coletivos têm a capacidade ou “personalidade
judiciária” para impetrarem mandado de segurança para a defesa do exercício de
suas competências e do gozo de suas prerrogativas.

Assim, a alternativa correta é a “C”.

Gabarito: “C”

41. (TÉCNICO JUDICIÁRIO – TRF 5ª REGIÃO – FCC/2008) Em conformidade com a


doutrina dominante e quanto à posição que ocupam na estrutura estatal, os órgãos
públicos classificam-se em
(A) singulares, colegiados superiores e inferiores.
(B) autônomos, superiores, inferiores e compostos.
(C) compostos, independentes, subalternos e singulares.
(D) compostos, colegiados, autônomos e superiores.
(E) independentes, autônomos, superiores e subalternos.

Comentário:

E agora? Ficou fácil ou não? Então, conforme vimos, quanto à posição estatal, os
órgão são classificados em independente, autônomos, superiores e subalternos.

Os independentes são órgãos cuja criação tem origem na própria Constituição e


representam um dos Poderes estatais, não estando sujeitos a qualquer
subordinação hierárquica ou funcional, apenas sofrendo o controle de um poder
pelo outro. (Ex: Chefia do Executivo, Tribunais, Congresso Nacional etc)

Os autônomos são órgãos que gozam de autonomia administrativa, financeira e


técnica, localizados na cúpula da Administração, abaixo e subordinados

www.pontodosconcursos.com.br 77
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

diretamente aos órgãos independentes, participando das decisões governamentais


no âmbito de suas competências. (Ex: Ministérios, Secretarias de Estado).

Os superiores são os órgãos que detêm o poder de direção, comando e controle


das atividades administrativas de sua competência, porém estão sempre
subordinados a controle hierarquia de uma autoridade superior, não gozando,
portanto, de autonomia. (Ex: Departamentos, Gabinetes, Coordenadorias, Divisões
etc)

E, por fim, os subalternos são os órgãos que estão subordinados a outros órgãos de
hierarquia maior, com função eminentemente de execução das decisões tomadas
administrativamente. (Ex: Seção de pessoal, expediente, material, transporte, apoio
técnico etc).

Gabarito: “E”.

42. (OFICIAL DE JUSTIÇA – TJUPA – FCC/2009) Sobre os órgãos e os agentes


públicos é correto afirmar:
(A) Os órgãos públicos são centros de competência, dotados de personalidade
jurídica, instituídos para o desempenho de funções estatais, através de seus
agentes, cuja atuação é imputada à pessoa jurídica a que pertencem.
(B) Os órgãos integram a estrutura do Estado e das demais pessoas jurídicas como
partes integrantes dos mesmos e são dotados de vontade e capazes de exercer
direitos e contrair obrigações para a consecução de seus fins institucionais.
(C) A distribuição de funções entre os vários órgãos da mesma Administração
denomina-se descentralização.
(D) Os agentes públicos são pessoas físicas que executam função pública como
prepostos do Estado, não integrando os órgãos públicos.
(E) Os agentes políticos, dada a sua importância, não se incluem entre os agentes
públicos, não constituindo uma categoria destes.

Comentário:

Como ressaltado, a Lei nº 9.784/99 dá a definição legal de órgãos, de modo que


estabelece no art. 1º, §2º, inc. I, o seguinte :

I - órgão - a unidade de atuação integrante da estrutura da


Administração direta e da estrutura da Administração indireta;

www.pontodosconcursos.com.br 78
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Dessa maneira, como já bem sabemos, os órgãos não possuem personalidade


jurídica própria na medida em que integram a estrutura de um Ente ou Entidade da
Administração Pública.

No entanto, conforme jurisprudência do STJ e STF, em que pese os órgãos não terem
personalidade jurídica, alguns (órgãos independentes e autônomos) são dotados
de capacidade processual (capacidade judiciária) a fim de irem a juízo na defesa
de suas prerrogativas institucionais.

Nesse sentido, o STF tem o entendimento de órgãos têm capacidade ou


“personalidade judiciária” para impetrarem mandado de segurança para a defesa
do exercício de suas competências e do gozo de suas prerrogativas.
Vejamos então as alternativas:

“A” é errada, porque, como bem sabemos, órgãos não possuem personalidade
jurídica.

“C” é errada, porque a distribuições de funções entre vários órgãos da mesma


Administração (ou seja, mesmo ente ou entidade) é denominada
descOncentração. Lembre-se: Falou em Òrgãos (O – DESCO e não DESCE. Falou em
ente/entidade ou criação de pessoas - DESCEntralização)

“D” errada, vimos que o agente público atua realizando as funções, atribuições
conferidas aos órgãos as quais são imputadas ao próprio ente ou entidade, de
modo que ele não é preposto, representante ou mandatário do Estado-
administração, sendo apenas um dos elementos que compõem os órgãos públicos.
Aplica-se no âmbito do direito administrativo a teoria da imputação ou do órgão.

“E” errada, pois dentre os agentes públicos (gênero) teremos a espécie agente
político.

Assim, a alternativa “B” é a correta, ou seja, os órgãos integram a estrutura do


Estado e das demais pessoas jurídicas como partes integrantes dos mesmos e são
dotados de vontade e capazes de exercer direitos e contrair obrigações para a
consecução de seus fins institucionais, inclusive podendo ir a juízo em nome próprio
(capacidade judiciária) para defender seus fins institucionais.

Gabarito: “B”.

www.pontodosconcursos.com.br 79
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

43. (PROCURADOR – BANCO CENTRAL – CESPE/2009) A respeito da organização


da administração pública, assinale a opção correta.
a) Por não possuírem personalidade jurídica, os órgãos não podem figurar no polo
ativo da ação do mandado de segurança.
b) Segundo a teoria da imputação, os atos lícitos praticados pelos seus agentes são
imputados à pessoa jurídica à qual eles pertencem, mas os atos ilícitos são
imputados aos agentes públicos.
c) Os órgãos públicos da administração direta, autárquica e fundacional são
criados por lei, não podendo ser extintos por meio de decreto do chefe do Poder
Executivo.
d) A delegação de competência, no âmbito federal, somente é possível se assim
determinar expressamente a lei.
e) Quando as atribuições de um órgão público são delegadas a outra pessoa
jurídica, com vistas a otimizar a prestação do serviço público, há desconcentração.

Comentário:

Alternativa A: Errada. Ora, já vimos que órgão não possui personalidade jurídica, ou
seja, órgão não é pessoa. Se você ainda tem dúvida, vá ao espelho e olhe para si
mesmo, se veja como uma estrutura organizacional, ou seja, você é uma pessoa, e
internamente suas funções são distribuídas por vários órgãos, não é? (risos).

Claro que os entes ou entidades são pessoas fictícias, ou seja, criação do Direito,
por isso, pessoas jurídicas, mas assim como nós, essas pessoas podem ter órgãos
internamente.

De todo modo, em que pese não terem personalidade jurídica, o STF e STJ
entendem que possuem capacidade para ir a juízo em defesa de suas funções,
prerrogativas institucionais, ou seja, é a denominada personalidade judiciária. (não
é jurídica, lembre-se)

Alternativa B: Errada. Pela teoria da imputação ou do órgão, todos os atos


praticados pelos agentes são imputados a pessoa jurídica, ou seja, não importa se
lícitos ou ilícitos. Claro que se ilícito, o agente responderá interna e externamente,
ou seja, responsabilidade civil, administrativa e penal.

www.pontodosconcursos.com.br 80
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Alternativa C: Correta. É uma excelente alternativa. Vem complementar o que já


tratamos. Devemos lembrar o seguinte: a desconcentração política, criação dos
órgãos de poder, se deu por força da Constituição. Assim, se a desconcentração
política se dá por lei fundamental, somente por lei pode se dá a desconcentração
administrativa.

Significa dizer que somente por lei podem ser criados órgãos públicos. Com efeito,
aplica-se o princípio do paralelismo das formas, ou seja, simetria, se somente por lei
pode ser criado, somente por lei pode ser EXTINTO.

Nesse sentido, bem esclarece a Constituição, quando trata do decreto autônomo,


vejamos:

VI - dispor, mediante decreto, sobre:(Redação dada pela Emenda


Constitucional nº 32, de 2001)
a) organização e funcionamento da administração federal, quando
não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de
órgãos públicos; (Incluída pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)
b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos;(Incluída
pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)

Portanto, está correta, ou seja, os órgãos públicos da administração direta,


autárquica e fundacional são criados por lei, não podendo ser extintos por meio de
decreto do chefe do Poder Executivo.

Alternativa D: é errada, no âmbito federal, por força da Lei nº 9.784/99, a regra é a


possibilidade de delegação, ou seja, não se delega se a lei vedar. Nós veremos
quando tratarmos sobre atos administrativos.

Alternativa E: é errada. Percebeu? É esse o jogo das bancas, qualquer uma delas,
sempre quer trocar um instituto por outro. Então, você sabe bem que O é de órgãos
e DESCOncentração, e E é de Ente/Entidade e de DESCEntralização. Portanto,
quando atribuições de órgãos são transferidas para outra pessoa jurídica
(Pessoa=Entidade) ocorre a DESCENTRALIZAÇÃO.

Gabarito: “C”.

www.pontodosconcursos.com.br 81
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

44. (TÉCNICO SUPERIOR – PGE/RS – FCC/2009) A criação de entidades da


Administração indireta e a transferência, a estas, de atividades e competências
originalmente atribuídas a órgãos da administração direta são decorrência de
políticas administrativas tendentes à
(A) desconcentração.
(B) descentralização.
(C) privatização.
(D) regulamentação.
(E) subsidiariedade.

Comentário:

Então, conforme pudemos verificar, a criação de pessoas jurídicas, integrantes da


Administração indireta, transferindo-se a elas atribuições, competências que
estavam destinadas a órgãos da Administração direta, denomina-se
DESCENTRALIZAÇÃO.

Desconcentração é a criação de órgãos, com a distribuição interna de


competências entre eles, na mesma estrutura funcional, ou seja, no mesmo ente ou
entidade.

Denominamos de privatização a desestatização de algumas atividades antes


exercida pela Administração, que as transfere aos particulares.
Regulamentação é atividade que consiste em explicitar, explicar, detalhar a
aplicação de uma lei no âmbito administrativo.

Por fim, subsidiariedade significa que não há uma relação direta, ou seja, que se
algo ocorrer somente em nada podendo ou não tendo como aplicar o instituto
diretamente, se buscará outro para aplicar. No âmbito administrativo há aplicação
da subsidiariedade em vários campos, no campo legislativo quando uma norma diz
que se aplica outra de forma subsidiária, ou seja, caso ela não disponha sobre o
assunto, poderá ser complementada pela norma subsidiária, ou no campo da
responsabilidade entre os entes/entidades, no que se diz que somente o Estado-
administração direta se responsabilizaria por suas entidades, já que são pessoas
jurídicas autônomas, de forma subsidiária.

É importante aproveitarmos essa questão para aprofundarmos um pouco mais


sobre o tema, ou seja, acerca da descentralização administrativa.

www.pontodosconcursos.com.br 82
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Lembremos, assim, que a Administração Pública Indireta é uma forma de


descentralização administrativa em que a Administração Pública Direta transfere
(outorga) a titularidade e o exercício de atividade administrativa para outra pessoa
jurídica.

Dessa forma, teríamos no âmbito da Administração Pública Indireta, as seguintes


entidades: Autarquias, Fundações Públicas, Empresas Públicas e Sociedades de
Economia Mista.

Mas, como disse, essa é uma das formas de descentralização, significa dizer que
temos outras formas, tal como vimos na explicação inicial, ou seja, teremos:

• Descentralização territorial ou geográfica: traduz-se na criação de um ente,


dentro de certa localidade, ou território, com capacidade de auto-
administração. (Ex. Territórios)

• Descentralização por serviços, funcional ou técnica: Significa a transferência


(outorga) da titularidade e execução de certa atividade de uma pessoa
política para outra administrativa (administração indireta: Autarquias,
Fundações, Empresas Públicas ou Sociedade de Economia Mista).

• Descentralização por colaboração: dá-se a delegação da execução de


certa atividade, por meio de contrato ou ato administrativo. (delegatários,
concessionárias, permissionárias de serviço)

Vê-se, assim, que a descentralização administrativa, ou seja, a criação de pessoas


jurídicas para realizarem atividades que seriam próprias do Estado-administração,
não se restrigem a um processo dentro da própria Administração, ou seja, pode
envolver pessoas particulares, todavia, não seria tais particulares integrantes da
administração pública só o ponto de vista formal da Administração Pública.

Gabarito: “B”.

45. (PROCURADOR – PGE/PE – CESPE/2009) Quanto à atividade administrativa do


Estado e à administração pública direta e indireta, assinale a opção correta.
a) Segundo a doutrina, na descentralização por serviço, o poder público mantém a
titularidade do serviço e o ente descentralizado passa a deter apenas a sua
execução.

www.pontodosconcursos.com.br 83
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

b) A desconcentração consiste na distribuição de competência de uma para outra


pessoa física ou jurídica.
c) A fundação instituída pelo Estado com personalidade jurídica de direito privado
se sujeita inteiramente a esse ramo do direito.
d) As empresas públicas e as sociedades de economia mista são criadas e extintas
mediante autorização legal, têm personalidade jurídica de direito privado, possuem
a mesma forma de organização ou estruturação e, ambas, desempenham
atividade de natureza econômica.
e) A autarquia configura pessoa jurídica de direito público, criada por lei, com
capacidade de autoadministração, sujeita ao princípio da especialização, o qual a
impede de exercer atividades diversas daquelas para as quais foi constituída.

Comentário:

Alternativa A: Errada. É que a descentralização por serviço, funcional ou técnica


ocorre à outorga da atividade da Administração direta para entidade da
Administração indireta, ou seja, há a transferência da titularidade e do exercício da
atividade.

Na descentralização por colaboração é que se transfere somente o exercício da


atividade, permanecendo a titularidade com o poder público.

Alternativa B: Errada. Mais uma vez a tentativa de confundir os institutos da


desconcentração e descentralização. É a descentralização que consiste na
distribuição de competência de uma para outra pessoa física ou jurídica. (Física
porque pode haver a descentralização por colaboração para pessoa física, no
caso de delegação ou autorização de prestação de serviço público, tal como
ocorre na delegação do exercício de atividade cartorária pelo Poder Judiciário a
uma pessoa física, ou seja, ao Tabelião).

Alternativa C: Errada. Antes, porém, falemos um pouco sobre fundações públicas.

O Decreto-Lei 200/67, conforme art. 5º, inc. IV, define fundações, como entidade
dotada de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, criada em
virtude de autorização legislativa, para o desenvolvimento de atividades que não
exijam execução por órgãos ou entidades de direito público, com autonomia
administrativa, patrimônio próprio gerido pelos respectivos órgãos de direção, e
funcionamento custeado por recursos da União e de outras fontes. (Incluído pela Lei
nº 7.596, de 1987)

www.pontodosconcursos.com.br 84
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Portanto, Fundação é uma pessoa jurídica composta por um patrimônio


personalizado, destinado pelo seu fundador para uma finalidade específica.

Nesse sentido, a Constituição Federal em seu artigo 37, inc. XIX, assim dispõe:

Art. 37
XIX - somente por lei específica poderá ser criada autarquia e
autorizada a instituição de empresa pública, de sociedade de
economia mista e de fundação, cabendo à lei complementar, neste
último caso, definir as áreas de sua atuação; (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

Significa dizer que a criação de Fundações depende sempre de lei, ou seja, a lei
autorização a criação, cabendo a lei complementar definir a área de atuação.

Ressalte-se, ademais, que a criação se dá por meio de decreto executivo que


aprova o Estatuto, o qual deverá ser registrado em cartório de registro de pessoas
jurídicas.

De outro lado, devemos entender que as Fundações Públicas podem ter a natureza
de pessoa jurídica de direito público, caracterizando uma espécie de autarquia,
denominada autarquia fundacional, ou de direito privado, denominada, por alguns
de fundação governamental, e seguirá o regime das empresas públicas e
sociedades de economia mista.

Com efeito, disso podemos extrair que, as fundações públicas de direito público
estão submetidas a regime jurídico de direito público, o que caracteriza que seus
bens são públicos, o regime adotado para seu pessoal é o estatutário, pagando
suas dívidas por precatórios e, no caso das fundações públicas de direito público
federal estão sob a jurisdição da justiça federal.

De outro lado, as fundações públicas de direito privado, se submete ao regime


jurídico de direito privado, seus bens são considerados privados, seu agentes, como
regra, se submetem ao regime celetista. No entanto, nem tudo se reduz ao regime
privado, é que por ser entidade pública está submetida a algumas restrições
oriundas do princípio da indisponibilidade do interesse público, ou seja, oriundas do
regime jurídico-administrativo, tal como obrigatoriedade de licitar, realizar concurso
público, dentre outras.

www.pontodosconcursos.com.br 85
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Alternativa D: Errada. Aqui o erro reside num mero detalhe. Vejamos:

As empresas públicas e sociedades de economia mista são denominadas Estatais.


Cuidado com alguns livros antigos do Hely Lopes, ele as chamava de paraestatais.

As estatais têm características que as assemelham, mas têm outras que as distingue.

A empresa pública, conforme Decreto-Lei 200/67, é pessoa jurídica de direito


privado composta por capital exclusivamente público, criada para a prestação de
serviços públicos ou exploração de atividades econômicas sob qualquer
modalidade empresarial.

Nesse sentido, vale citar, além do referido art. 37, inc. XIX, o art. 173, §1º, inc. II, da
Constituição, que assim dispõe:

Art. 173. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a


exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será
permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional
ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei.
§ 1º A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública, da
sociedade de economia mista e de suas subsidiárias que explorem
atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou
de prestação de serviços, dispondo sobre: (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
I - sua função social e formas de fiscalização pelo Estado e pela
sociedade; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
II - a sujeição ao regime jurídico próprio das empresas privadas,
inclusive quanto aos direitos e obrigações civis, comerciais, trabalhistas
e tributários; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

De outro lado, a sociedade de economia mista é pessoa jurídica de direito privado,


criada para prestação de serviço público ou exploração de atividade econômica,
com capital misto e na forma de S/A.

Observem, assim, que quanto a criação dessas entidades, sempre depende de lei,
só que a Lei autoriza a instituição, dependendo para sua constituição do registro de
seus atos constitutivos no órgão competente (art. 37, XIX da CF). Assim, pelo
princípio da simetria haveria a necessidade também de lei autorizar a extinção da
estatal.

www.pontodosconcursos.com.br 86
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

No entanto, paira na doutrina controvérsia acerca da possibilidade de empresa


pública ou sociedade de economia mista falir. A Lei nº 6.404/76 (LSA) estabelecia
que a Sociedade de Economia Mista não poderia falir, esse era o entendimento
sustentado por parte da doutrina, outros sustentavam que poderia ante a norma do
art. 173, §1º, CF/88.

Outrossim, cumpre dizer que as estatais estão submetidas às disposições da Lei


8.666/93. Pode, contudo, quando exploradoras da atividade econômica, ter regime
especial por meio de estatuto próprio conforme o art.173, §1º, III, CF. Deve-se
ressaltar, no entanto, que o STF entendeu recentemente que estatal exploradora de
atividade econômica em regime concorrencial pode adotar procedimento
simplificado de licitação aprovado por decreto presencial (caso Petrobras)

Ademais, no tocante ao regime tributário, tendo em vista a disposição contida no


art. 173, §1º, inc. II, CF/88, em regra, as estatais não têm privilégios tributários, não
extensíveis à iniciativa privada. De todo modo, o Supremo Tribunal Federal vem
entendendo que se prestam serviços públicos, seriam imunes.

E, por fim, no tocante a responsabilidade civil, as estatais podem tanto explorar a


atividade econômica como prestar serviço público. Assim, quando prestadoras de
serviços públicos submetem-se ao regime de responsabilidade objetiva (art. 37, §6º,
CF/88), respondendo o Estado subsidiariamente pelos prejuízos causados. Quando
exploradoras de atividade econômica, o regime será o privado, portanto, em regra,
a responsabilidade é subjetiva, ou seja, depende da comprovação de dolo ou
culpa.

No tocante ao seu pessoal, por estarem submetidas ao regime de direito privado,


titularizam emprego, seguindo o regime da CLT, todavia, são considerados agentes
públicos (servidores públicos lato sensu), em razão de algumas regras: concurso
público, teto remuneratório, acumulação, remédios constitucionais, fins penais,
improbidade administrativa, dentre outros aspectos;

E, por fim, no tocante aos bens são passíveis de penhora, já que são considerados
bens privados, exceto se a empresa for prestadora de serviços públicos e o bem
estiver diretamente ligado a eles, de modo que por força do princípio da
continuidade o bem não poderá sofrer constrição.

Essas características assemelham as empresas públicas e as sociedades de


economia mista, no entanto, se distanciam no tocante a sua constituição, isso

www.pontodosconcursos.com.br 87
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

porque as empresas públicas são formadas por capital exclusivamente público,


enquanto as de economia mista não.

As empresas públicas podem assumir qualquer forma societária/empresarial, ou


seja, podem ser S/A, Limitada, Comandita. No entanto, as de economia mista só
podem assumir a forma de S/A.

Ademais, no caso federal, as empresas públicas são submetidas à Justiça Federal


(art. 109, inc. I, da CF/88), enquanto que as sociedades de economia mista terão
suas causas decididas na Justiça comum.

Por isso tudo, não se pode dizer que possuem a mesma forma de organização ou
estruturação.

Alternativa E: correta. As autarquias são pessoas jurídicas de direito público, criadas


por lei, com capacidade de auto-administração, ou seja, autonomia administrativa,
orçamentária e técnica, e capital exclusivamente público, para o desempenho de
atividades típicas do Estado.

Como já destacado, é possível identificar as seguintes características:

ƒ A criação é sempre por lei;


ƒ São dotadas de personalidade jurídica de direito público;
ƒ Gozam de autonomia administrativa, orçamentária e técnica;
ƒ São criadas para especialização dos fins ou atividades;
ƒ Sujeitam-se ao controle de tutela, que significa que não estão subordinadas
ao ente que as criou, mas apenas vinculada aos fins para os quais foi criada
(supervisão ministerial).

Devemos observar que dentre as autarquias em regime especial deve-se dar


destaque às denominadas agências reguladoras, ou seja, autarquias em regime
especial, que se caracterizam por três circunstâncias: Maior independência,
Investidura especial de seus dirigentes (depende de nomeação pelo Presidente
aprovação prévia do Senado Federal), Mandato com prazo fixo.

Significa dizer, portanto, que a autarquia é forma de atuação especializada da


Administração no exercício de certa atividade administrativa, de modo que não
poderá atuar fora de tais fins, sob pena de violação da finalidade para a qual fora
constituída.

www.pontodosconcursos.com.br 88
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Gabarito: “E”.

46. (ANALISTA JUDICIÁRIO – JUDICIÁRIA – TRE/GO – CESPE/2009) Assinale a opção


correta no que concerne a descentralização e desconcentração.
A A descentralização é simples técnica administrativa, utilizada apenas no âmbito
da administração direta.
B Caso o TRE distribua competências no âmbito de sua própria estrutura, é correto
afirmar que ocorreu descentralização.
C A desconcentração pressupõe a existência de apenas uma pessoa jurídica.
D A outorga e a delegação são formas de efetivação da desconcentração.

Comentário:

Alternativa A: Errado. Isto porque a descentralização pode ser política (horizontal)


ou administrativa (vertical).

Alternativa B: Errado. É que o Tribunal Regional Eleitoral é um órgão integrante do


Poder Judiciário da União e, no caso, quando distribui competências internas,
ocorre a desconcentração, pois será distribuídas competências para outros órgãos.

Alternativa D: Errado. A outorga e a delegação sãos institutos da descentralização.


Ocorre a outorga quando se transfere a titularidade e o exercício de uma atividade
estatal (descentralização técnica, funcional ou por serviço) e a delegação quando
se transfere apenas o exercício (descentralização por colaboração, a exemplo das
concessões e permissões de serviços públicos).

Alternativa C: Certo. Conforme ressaltamos, a desconcentração é um fenômeno


que ocorre internamente em uma mesma pessoa jurídica.

Gabarito: “C”.

47. (ASSESSOR JURIDÍCO - PREF. NATAL – CESPE/2008). Assinale a opção correta


acerca da administração pública.
a) Os ministérios e autarquias fazem parte da administração pública direta.
b) As empresas públicas têm natureza jurídica de pessoas jurídicas de direito público
interno.
c) A descentralização administrativa é o fenômeno no qual o Estado atua por meio

www.pontodosconcursos.com.br 89
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

de entes que lhe são juridicamente distintos.


d) A desconcentração pressupõe a existência de, pelo menos, duas pessoas entre
as quais se repartem competências.

Comentário:

Outra vez, as mesmas indagações. Perceberam como fica fácil. Basta termos
concentração e prestarmos atenção, que descobrimos os encantos de modo bem
simples.

Alternativa A: é errado uma vez que as Autarquias fazem parte da administração


pública indireta.

Alternativa B: é errado, pois uma empresa pública, por ter sido gerada tendo como
molde o 2º setor (ou seja, o mercado), somente poderá ter as características das
demais entidades ali localizadas, ou seja, é pessoa jurídica de direito privado.

Alternativa D: como vimos, ocorre na mesma pessoa, ou seja, é um fenômeno


interno de distribuição de competências. Portanto, está errado.

Alternativa C: Certa. Na descentralização, ocorre o fenômeno de criação de outras


pessoas, distintas do ente criador, que estarão atuando por ele, por isso,
administração pública indireta.

Gabarito: “C”.

48. (PROCURADOR – AGU – CESPE/2007). No direito brasileiro, os órgãos são


conceituados como unidades de atuação integrantes da estrutura da
administração direta e da estrutura da administração indireta e possuem
personalidade jurídica própria.

Comentário:

Os órgãos são partes integrantes do ente ou entidade que os criou, não possuindo,
portanto, personalidade jurídica.

É bom ressaltar, no entanto, que mesmo não possuindo personalidade jurídica,


alguns órgãos são dotados de capacidade processual a fim de ir a juízo na defesa

www.pontodosconcursos.com.br 90
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

de suas prerrogativas institucionais, tal como o TCU na defesa de sua prerrogativa


de fiscalizar as contas públicas.

Gabarito: Errado.

49. (PROCURADOR – AGU – CESPE/2007). As ações dos entes políticos -- como


União, estados, municípios e DF -- concretizam-se por intermédio de pessoas físicas,
e, segundo a teoria do órgão, os atos praticados por meio desses agentes públicos
devem ser imputados à pessoa jurídica de direito público a que pertencem.

Comentário:

Conforme a teoria do órgão, a pessoa jurídica manifesta a sua vontade por meio
dos órgãos, de tal modo que, quando os agentes que os compõem ao exercerem
suas atribuições, é como se o próprio Estado o fizesse, traduzindo-se numa idéia de
imputação.

Significa dizer que o Estado atua por meio de seus órgãos e, dentro destes, haverá
agentes que realizarão as atribuições destinadas à estrutura organizacional.

Como visto, é essa a teoria que explica a relação entre o Estado, o órgão e o
exercício das atividades administrativas pelo Agente.

Então, o que achou dessa questão. Muito boa, não é! Por isso é que é gostoso esse
Direito Administrativo, quanto mais estudamos, mais fácil fica. Diz aí, não é uma
coisa maravilhosa, especial, coisa de louco mesmo!!!! (risos)

Gabarito: Certo.

50. (JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO – TJ/TO – CESPE/2007). Acerca da organização da


administração pública, assinale a opção correta.
a) A administração direta abrange todos os órgãos do Poder Executivo, excluindo-
se os órgãos dos Poderes Judiciário e Legislativo.
b) As autarquias profissionais de regime especial, como a Ordem dos Advogados
do Brasil e as agências reguladoras, submetem-se ao controle do Tribunal de Contas
da União.
c) As empresas públicas e as sociedades de economia mista que exploram

www.pontodosconcursos.com.br 91
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

atividade econômica em regime de monopólio submetem-se ao regime jurídico


próprio das empresas privadas.
d) Enquanto a administração pública extroversa é finalística, dado que ela é
atribuída especificamente a cada ente político, obedecendo a uma partilha
constitucional de competências, a administração pública introversa é instrumental,
visto que é atribuída genericamente a todos os entes, para que possam atingir
aqueles objetivos.

Comentário:

Como já foi ressaltado, a Administração Pública é dividida em Direta (centralizada)


e Indireta (descentralizada).

A administração pública direta é o próprio Estado, descentralizado politicamente, a


realizar as atividades administrativas, por meio de seus diversos órgãos
(desconcentração administrativa). Órgãos que, como vimos, não são dotados de
personalidade jurídica.

A administração pública indireta é a atuação do Estado por outras pessoas


distintas, criando por ele a fim de realizar suas atividades (descentralização
administrativa).

No âmbito da administração pública indireta encontra-se as autarquias, as


fundações públicas, as empresas públicas e as sociedades de economia mista.

A opção “A” é errada.

Essa questão pretende lançá-lo a uma visão literal do Decreto-Lei nº 200/67 que
regula a organização da Administração Pública Federal, ao determinar que:

I – a Administração Direta, que se constitui dos serviços integrados na estrutura


administrativa da Presidência da República e dos Ministérios;

II – a Administração Indireta, que compreende as seguintes categorias de


entidades, dotadas de personalidade jurídica própria:
a) autarquias;
b) empresas públicas;
c) sociedades de economia mista;
d) fundações públicas.

www.pontodosconcursos.com.br 92
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Com efeito, nos termos da Constituição Federal, artigo 37, caput, temos que a
Administração Pública encontra-se inserida em quaisquer dos três poderes, seja do
Executivo, Legislativo ou Judiciário, conforme assim expresso: “a administração
pública de quaisquer dos Poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos
municípios...”.

Vimos que as funções típicas de um poder, não excluí o exercício de funções


atípicas, sendo que os órgãos do poder judiciário e legislativo, além de suas funções
típicas, exercem de forma atípica a função administrativa, sendo, pois, por essa
razão integrantes da administração pública direta da União.

Opção “B” errada.

Lembremos que a OAB – Ordem dos Advogados do Brasil - , conforme a ADI 3026,
da relatoria do Min. Eros Graus, não integra a Administração Pública, sendo um
serviço público independente, categoria ímpar no elenco das personalidades
jurídicas existentes no direito brasileiro.

Portanto, a OAB não está incluída na categoria na qual se inserem essas que se tem
referido como "autarquias especiais" para pretender-se afirmar equivocada
independência das hoje chamadas "agências". Assim, por não consubstanciar uma
entidade da Administração Indireta, a OAB não está sujeita a controle da
Administração, nem a qualquer das suas partes está vinculada.

Portanto, a OAB não integra a Administração Indireta, visto que não é autarquia em
regime especial, de modo que não se submete também ao controle do TCU e não
necessita realizar concurso para seus quadros funcionais.

Item “C” errado.

Como regra, as empresas públicas e as sociedades de economia mista,


denominadas de estatais, são pessoas jurídicas de direito privado.

Essas entidades estatais da Administração Indireta têm por características a


necessidade de lei que autorize a sua criação, de modo que a criação se dá
efetivamente com o registro de seus atos constitutivos na Junta Comercial, e pode
tanto exercer atividade econômica quanto serem prestadoras de serviços (art. 173,
§1º, CF/88).

www.pontodosconcursos.com.br 93
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Nesse sentido, de acordo com §1º, inciso II, do citado artigo constitucional, tais
entidades estão sujeitas ao regime jurídico próprio das empresas privadas, inclusive
quanto aos direitos e obrigações civis, comerciais, trabalhistas e tributários.

É verdade, no entanto, que as estatais submetidas ao regime de monopólio, gozam


de privilégios e, por isso mesmo, não estariam submetidas a regime jurídico próprio
das empresas privadas.

Entendimento semelhante é aplicado às prestadoras de serviços públicos, sejam


elas empresas públicas ou sociedades de economia mista, de modo que já
estabeleceu o STF, por exemplo, a imunidade tributária da ECT – empresa pública -,
bem como da Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia – sociedade de
economia mista.

Item “D” certo.

Este era um item um pouco mais difícil. É uma daquelas questões que o CESPE
resolve derrubar os candidatos por simples prazer em não permitir que o candidato
venha a acertar todas as questões.

Trata-se de classificação utilizada pelo Prof. Diogo de Figueiredo, para o qual a


administração pública introversa compreende a gestão de pessoal, de bens e de
serviços internos do entes públicos. E, por outro lado, a administração pública
extroversa seria aquela destinada a satisfazer os interesses coletivos.

Diante disso, na lição do Prof. enquanto a administração pública extroversa é


finalística, atribuída especialmente a cada ente político, obedecendo a uma
partilha constitucional, a administração pública introversa é instrumental, atribuída
genericamente a todos eles.

Significa dizer que a administração pública introversa é aquela destinada a cuidar


das necessidades internas da administração (atividade-meio) a fim de cumprir seus
fins que é atender ao interesse público (atividade-fim).

Gabarito: “D”

51. (PROC. MUNICIPAL – PREF. NATAL – CESPE/2008). Com relação às autarquias,


assinale a opção correta.

www.pontodosconcursos.com.br 94
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

a) A relação entre uma autarquia e o ente que a criou é de subordinação.


b) A criação de uma autarquia federal é feita por decreto do presidente da
República.
c) O dirigente de autarquia não pode figurar como autoridade coatora em
mandado de segurança.
d) Uma autarquia municipal pode litigar em juízo contra o município que a criou.

Comentário:

Item “A” errado.

Ficou consignado, dentre as características das autarquias, que ela se submete ao


controle de tutela pela administração direta, ou seja, controle de finalidade, de
modo que não está subordinada hierarquicamente a esta, mas apenas vinculada.

Item “B” errado.

As autarquias são únicas entidades da Administração Indireta que são criadas


diretamente por lei. As fundações, empresas públicas e sociedade de economia
mista, a lei autoriza a criação.

Item “C” errado.

As autarquias, como regra, gozam das mesmas características do ente que a criou.

Assim, gozam de imunidade tributária, suas dívidas prescrevem em cinco anos


(prescrição qüinqüenal), gozam de privilégios processuais (prazo em dobro para
recorrer e em quádruplo para contestar, intimação pessoal de seus procuradores,
dispensa de apresentação de procuração, pagamento de custas judiciais ao final e
pagamento de decisões judiciais por precatórios, salvo requisição de pequeno
valor).

Os atos das autarquias são considerados atos administrativos e, portanto, seus


dirigentes ao executá-los atuam como autoridade pública, de modo que tais atos
são passíveis de impugnação via mandado de segurança.

Item “D” certo.

Por serem pessoas jurídicas distintas, é possível uma lide envolvendo uma autarquia

www.pontodosconcursos.com.br 95
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

municipal, estadual ou federal e o ente que as criou, não havendo nenhum


impedimento nesse sentido.

Gabarito: “D”.

52. (PROCURADOR JUDICIÁRIO - PREF. RECIFE/PE – FCC/2008). Determinado


Estado criou, regularmente, uma autarquia para executar atividades típicas da
Administração estadual que melhor seriam exercidas de forma descentralizada. Em
relação a esta pessoa jurídica instituída, pode-se afirmar que se trata de pessoa
jurídica
a) de direito público, com personalidade jurídica própria, embora sujeita ao poder
de autotutela do ente que a instituiu.
b) de direito público, não sujeita a controle do ente que a instituiu quando gerar
receitas próprias que lhe confiram auto-suficiência financeira.
c) sujeita ao regime jurídico de direito privado quando for auto-suficiente e ao
regime jurídico de direito público quando depender de verbas públicas, sem
prejuízo, em ambos os casos, da submissão à tutela do ente que a instituiu.
d) sujeita ao regime jurídico de direito público, criada por Decreto, integrante da
Administração Indireta e, portanto, sujeita a controle do ente que a instituiu.
e) de direito público, dotada das prerrogativas e restrições próprias do regime
jurídico-administrativo e sujeita ao poder de tutela do ente que a instituiu.

Comentário:

E aí? Essa é muito fácil, não é? Depois de tudo que vimos, fica bem mais ameno.

Então, autarquia é uma pessoa jurídica de direito público, integrante da


Administração Pública Indireta, criada por lei, para exercer atividade típica de
estado, com especialização de seus fins.

Deve-se ressaltar, a propósito disso, que por serem as entidades integrantes da


Administração Pública indireta, pessoas jurídicas, todas gozam de autonomia, de
modo que não estão subordinadas à Administração Direta. Por isso, não se
submetem ao controle de autotutela.

Autotutela é controle sobre os seus próprios atos, significa dizer que o ente ou
entidade exerce o poder de controlar seus próprios atos, anulando os ilegais e
revogando os inoportunos e inconvenientes.

www.pontodosconcursos.com.br 96
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Todavia, por integrarem a Administração Pública, é possível o controle de tutela, ou


seja, controle finalístico, de resultado, de cumprimento de seus fins por parte da
Administração Direta.

Então, vamos aos itens:

“A” é errado, pois não há subordinação, por isso não está sujeita ao poder de
autotutela do ente que a instituiu.

“B” é errada, porque está sujeita a controle de tutela, como vimos.

“C” é errada, as autarquias, por serem pessoas jurídicas de direito público, estão
submetidas ao regime jurídico de direito público.

“D” é errada também, eis que são criadas por Lei, e não por decreto.

Portanto, a correta é a opção “E”, ou seja, as autarquias são pessoas jurídicas de


direito público, dotada das prerrogativas e restrições próprias do regime jurídico-
administrativo e sujeita ao poder de tutela do ente que a instituiu.

Gabarito: “E”

53. (DEFENSOR PÚBLICO – DPE/MA – FCC/2009) Considerando-se a autonomia


inerente às autarquias, admite-se, em relação a este ente
(A) controle, nos limites legais, a ser exercido pela pessoa política que instituiu a
autarquia.
(B) autotutela, que se traduz pela possibilidade de controle a ser exercido pela
pessoa política que instituiu a autarquia.
(C) fiscalização pelo Tribunal de Contas, nos moldes e limites a serem definidos na lei
que disciplina o controle da autarquia pela pessoa política que a instituiu.
(D) fiscalização a ser exercida pelo Tribunal de Contas, com auxílio da pessoa
política que instituiu a autarquia.
(E) revisão dos atos praticados pela autarquia para sua adequação aos fins que
justificaram sua instituição, a ser exercido pela pessoa política que a instituiu.

Comentário:

www.pontodosconcursos.com.br 97
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Essa questão é quase um completo das outras. Percebem que os institutos se


repetem. Pois é, na nossa prova também vai cair algo assim, ou bem parecido.

Vejamos:

A Alternativa A: é correta, pois como vimos é possível o controle, nos limites legais, a
ser exercido pela pessoa política que instituiu a autarquia, denominado controle de
tutela, finalístico ou de resultado.

A alternativa “B” é errada. Pois, como visto, a autotutela é controle que o ente ou
entidade faz sobre seus próprios atos. Já a totutela é que se traduz pela
possibilidade de controle a ser exercido pela pessoa política que instituiu a
autarquia.

A Alternativa C: é errada. A fiscalização realizada pelo TCU, controle externo, é


realizada nos moldes definidos pela Constituição (art. 70 e seguintes) e não pela Lei
que disciplina o controle da autarquia.

Alternativa D: é errada. É certo que o TCU realiza fiscalização e poderá ser auxiliado
por órgão de controle interno de cada poder. No entanto, o controle exercido pelo
ente político (controle de tutela) não é controle auxiliar do TCU, é controle oriundo
do princípio da finalidade.

Alternativa E: também está errada, isso porque a revisão pode ser no tocante ao
mérito (conveniência e oportunidade) ou legalidade. Nesse sentido, não cabe a
pessoa política que instituiu a autarquia realizar controle de mérito, só o faz sob o
prisma da finalidade, que é controle de legalidade.

Gabarito: “A”.

54. (ADVOGADO DA UNIÃO – AGU – CESPE/2009) As agências reguladoras são


autarquias sob regime especial, as quais têm, regra geral, a função de regular e
fiscalizar os assuntos relativos às suas respectivas áreas de atuação. Não se
confundem os conceitos de agência reguladora e de agência executiva,
caracterizando-se esta última como a autarquia ou fundação que celebra contrato
de gestão com o órgão da administração direta a que se acha hierarquicamente
subordinada, para melhoria da eficiência e redução de custos.

www.pontodosconcursos.com.br 98
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Comentário:

Vale lembrar que em decorrência da chamada “reforma administrativa”


empreendida pelo Governo Federal, surgiu no Estado brasileiro as denominadas
Agências, inspiradas no modelo Norte-Americano das agencies, procurando
estabelecer autarquias submetidas a regime especial.

No entanto, conforme crítica do Prof. Celso Bandeira, “a única particularidade


marcante do tal regime especial é a nomeação pelo Presidente da República, sob
aprovação do Senado, dos dirigentes da autarquia, com garantia, em prol destes,
de mandato a prazo certo” e, enfim, da adoção do nome de agência.

A denominação agência, no sentido de se estabelecer uma atividade reguladora


como sendo inovadora no ordenamento administrativo nacional, nada traz de
novo, a não ser, como eu havia dito, o próprio nome, visto que a existência de
autarquias com referida função já há muito existia na seara nacional, podendo
citar, por exemplo, o Banco Central, a CVM (Conselho de Valores Monetários), a
SUSEP (Superintendência de Seguros Privados).

Assim, nada há de inovador na atribuição de poderes regulador às denominadas


autarquias em regime especial (agências).

É o que alguns doutrinadores têm chamado de agencificação, no sentido da


proliferação das agências.

De tudo, no entanto, precisamos verificar que há duas hipóteses de agências: as


reguladoras e as executivas.

As agências reguladoras surgiram em decorrência do plano nacional de


desestatização (Lei nº 9.491/97), cujo escopo era por fim ao monopólio estatal de
alguns serviços definidos em certos setores e, principalmente, visando o princípio da
especialidade, com papel de disciplinar e fiscalizar atividades típicas do Estado,
cuja execução fora outorgada a particulares.

É importante para efeito de concurso saber que essas agências, caracterizam-se


por três elementos: maior independência, investidura especial (depende de
nomeação pelo Presidente aprovação prévia do Senado Federal) e mandato, com
prazo fixo, conforme lei que cria a pessoa jurídica.

As agências reguladoras são responsáveis pela regulamentação, controle e

www.pontodosconcursos.com.br 99
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

fiscalização de serviços públicos, atividades e bens transferidos ao setor privado e,


em suma, englobam as seguintes atividades:

a) serviços públicos propriamente ditos, tal como ANEEL (Lei nº 9.427/96), ANATEL
(Lei nº 9.472/97), ANTT e ANTAQ (Lei nº 10.233/2001);

b) atividade de fomento e fiscalização de atividade privada (Ancine – MP 2.281-


1/01 – Lei nº 10.454/02);

c) regulação e fiscalização de atividades econômicas (ANP, Lei nº 9.478/97);

d) atividades sociais - exercidas pelo Estado, mas facultadas também ao particular


– (ANVISA, Lei nº 9.782/99; ANS, Lei nº 9.961/00); e,

e) agência reguladora de uso de bens públicos, tal como a ANA, criada pela Lei nº
9.984/00.

As agências reguladoras têm as seguintes características:

a) Regime de pessoal: A Lei nº 9.986/00 estabelecia a possibilidade de contratação


por meio do regime celetista. Porém, o STF entendeu que não se compatibilizava o
regime de emprego com as atribuições desempenhas pelas agências reguladoras,
firmando, com isso, a necessidade de observar o regime estatutário.

Dessa forma, fora revogado o regime anterior pela Lei nº 10.871/04, a qual
estabeleceu o regime estatutário, prejudicando o julgamento final da ADI 2.130,
que havia suspendido a aplicação de regime privado aos agentes. Autorizou-se,
contudo, a contratação de pessoal técnico de caráter temporário pelo prazo
máximo de 36 meses.

b) Licitação: devem observar as normas da Lei nº 8.666/93. Podendo optar por


modalidades especificas como o pregão e a consulta, conforme consta da Lei nº
9.986/00.

As agências executivas, por outro lado, são autarquias ou fundações que por
iniciativa da Administração Direta (Presidente da República), recebem o status de
Agência Executiva, em razão da celebração de um contrato de gestão, que
objetiva uma maior eficiência e redução de custos (Decretos Federais nº 2.487 e
2.488, ambos de 1998).

www.pontodosconcursos.com.br 100
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Para receber tal qualificação é preciso ter plano estratégico de reestruturação e


desenvolvimento institucional em andamento e celebrar contrato de gestão com o
Ministério supervisor.

São, portanto, autarquias ou fundações qualificadas para melhor desempenho de


suas atividades que firmam contrato de gestão para maior autonomia administrativa
e orçamentária.

Gabarito: Certo.

55. (PROCURADOR MUNICIPAL - PREF. NATAL – CESPE/2008). Com relação às


agências reguladoras, assinale a opção correta.
a) As agências reguladoras são órgãos da administração pública cuja finalidade é
fiscalizar e controlar determinada atividade.
b) A CF criou, por meio de norma inserida em seu texto, duas das atuais agências
reguladoras, quais sejam a ANATEL e a ANEEL.
c) O quadro de pessoal das agências reguladoras é vinculado ao regime celetista,
conforme expressa disposição legal.
d) Segundo jurisprudência do STF, a subordinação da nomeação dos dirigentes das
agências reguladoras à prévia aprovação do Poder Legislativo não implica
violação à separação e à independência dos poderes.

Comentário:

Item “A” errado. Já sabemos que as agências reguladoras são autarquias em


regime especial.

Item “B” errado. Há previsão no âmbito constitucional da Anatel (art. 21, inc. XI,
CF/88) e da ANP (art. 177, §2º, inc. III, CF/88)

Item “C” errado. Devemos observar, novamente, que o regime de pessoal (Lei nº
9.986/00) que inicialmente fora configurado no sentido de possibilitar a utilização do
regime celetista, restou afastado cautelarmente pelo STF (ADI 2.130), que ficou
prejudicada em razão da revogação dessa lei pela Lei nº 10.871/04 que adotou o
regime estatutário.

Item “D” certo. A investidura dos dirigentes das agências reguladoras é tida por
especial na medida em que necessita de prévia aprovação do Senado Federal.

www.pontodosconcursos.com.br 101
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Essa subordinação, como ocorre em outras situações, tal como posse de Ministros
dos Tribunais Superiores, conforme a jurisprudência do STF, não viola a garantia de
separação e independência dos poderes, pelo contrário confere-lhe ares de
democrático na medida em que possibilita a fiscalização dos atos do poder
público.

Gabarito: “D”

56. (JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO – TJ/RR – FCC/2008). A Lei federal no 9.472/97, em


seu art. 9º, designa a Agência Nacional de Telecomunicações “autoridade
administrativa independente”. Tal designação, em termos da organização
administrativa brasileira,
a) revela a criação de uma nova espécie típica de entidade integrante da
Administração Indireta, dita justamente "autoridade administrativa independente".
b) ressalta algumas características do regime especial dessa entidade, tais quais
independência administrativa, ausência de subordinação hierárquica, mandato
fixo e estabilidade de seus dirigentes, mas não afasta o seu enquadramento como
autarquia.
c) refere-se ao fato de essa entidade não integrar a Administração Indireta.
d) refere-se ao fato de essa entidade não ser sujeita a normas decorrentes do
exercício do poder regulamentar pelo chefe do Poder Executivo.
e) implica a criação de uma nova espécie típica de entidade integrante da
Administração Indireta, dita "agência reguladora".

Comentário:

Como já dissemos, as autarquias em regime especial são autarquias dotadas de


maiores prerrogativas, tal qual maior “independência” administrativa, menor nível
de vinculação, poder normativo técnico e, ainda, de mandato fixo para os seus
dirigentes e investidura especial.

O regime especial tem por importantes características: maior autonomia (por


exemplo não há previsão de recurso hierárquico imprópria de suas decisões),
investidura especial (depende de nomeação pelo Presidente aprovação prévia do
Senado Federal) e mandato, com prazo fixo, conforme lei que cria a pessoa
jurídica.

www.pontodosconcursos.com.br 102
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Assim, lembre-se disso: Nem toda agência é reguladora, e nem toda autarquia em
regime especial é agência. Bem como nem toda agência integra a Administração
Pública (Ex: APEX-Brasil e da ABDI, pois são entidades do terceiro setor, ou seja,
serviço social autônomo, ou seja, são paraestatais).

Então, vamos às opções:

“A” e “E” estão erradas, pois como vimos não se trata de uma nova espécie de
entidade, trata-se de uma autarquia.

“B” está correta, pois têm, dentre outras características, submissão a regime
especial que estabelece independência administrativa (maior autonomia),
ausência de subordinação hierárquica, mandato fixo e estabilidade de seus
dirigentes, mas não afasta o seu enquadramento como autarquia.

“C” é errada, por ser autarquia integra a Administração Pública Indireta.

“D” é errada, como sabido todo e qualquer entidade administrativa está sujeita ao
poder regulamentar do Chefe do Executivo, muito embora essas entidades
disponham de poder normativo, mas que é exercido no âmbito de suas funções
para regulamentar atividade que regulam.

Gabarito: “B”.

57. (ANALISTA DE CONTROLE EXTERNO – TCE/AC – CESPE/2009). O Estado tem


criado diversas agências reguladoras, a exemplo da Agência Nacional de
Telecomunicações (ANATEL), Agência Nacional de Petróleo (ANP) e da Agência
Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), sob a forma de autarquias de regime especial.
Segundo Hely Lopes Meirelles, autarquia de regime especial é toda aquela a que a
lei instituidora conferir privilégios específicos e aumentar sua autonomia
comparativamente com as autarquias comuns, sem ferir os preceitos constitucionais
pertinentes a essas entidades de personalidade pública. O crescimento das
agências reguladoras decorre da política governamental de transferir ao setor
privado a execução de serviços públicos, competindo ao Estado o controle, a
fiscalização e a regulamentação desses serviços. Julgue os itens a seguir, a respeito
das regras concernentes às agências reguladoras,

www.pontodosconcursos.com.br 103
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

I - As agências serão dirigidas em regime de colegiado, por um conselho diretor ou


diretoria composta por conselheiros ou diretores, sendo um deles o seu presidente
ou o diretor-geral ou o diretor-presidente.
II - O presidente ou o diretor-geral ou o diretor-presidente e os demais membros do
conselho diretor ou da diretoria terão de ser brasileiros, de reputação ilibada,
formação universitária e elevado conceito no campo de especialidade dos
referidos cargos, devendo ser escolhidos pelo presidente da República e por ele
nomeados, após aprovação pelo Senado Federal.
III - As agências reguladoras não possuem recursos próprios, dependendo de
repasses realizados pelo Estado. Os recursos decorrentes das taxas de fiscalização
ou mesmo das autorizações específicas relativas às suas atividades competem ao
Estado.
Assinale a opção correta.
a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas o item II está certo.
c) Apenas os itens I e II estão certos.
d) Apenas os itens II e III estão certos.
e) Todos os itens estão certos.

Comentário:

Conforme estabelece o art. 4º da Lei nº 9.986/2000, as Agências serão dirigidas em


regime de colegiado, por um Conselho Diretor ou Diretoria composta por
Conselheiros, sendo um deles o seu Presidente ou o Diretor-Geral ou Diretor-
Presidente.

Tais agentes, conforme determina a própria Lei, no seu artigo 5º, deverão para
compor o colegiado, atender os seguintes requisitos: serem brasileiros (nato ou
naturalizado); possuírem reputação ilibada; terem formação universitária; e,
demonstrarem elevado conceito no campo de especialidade dos cargos para os
quais serão nomeados.

Além disso, como mencionado, a investidura é especial, ou seja, serão escolhidos


pelo Presidente e por ele nomeados após aprovação pelo Senado Federal,
consoante o art. 5º da Lei nº 9.986/2000.

No tocante aos seus recursos, não se deve olvidar mesmo de que partem do
orçamento do Estado, como de resto por qualquer ente ou entidade pública.
Todavia, além dos recursos orçamentários, as agências reguladoras recebem

www.pontodosconcursos.com.br 104
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

dotações independentes provenientes de taxas de regulação, além do que poderá


ser previsto na Lei de criação outras receitas que integrarão seu patrimônio, ou seja,
suas receitas e não a do Estado.

Assim, estão corretos os itens I e II, apenas.

Gabarito: “C”.

58. (ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - EXECUÇÃO DE MANDADOS –


TJDFT/2008). As empresas públicas e as sociedades de economia mista federais
submetem-se à fiscalização do TCU, não obstante os seus servidores estarem
sujeitos ao regime celetista.

Comentário:

Vimos que o regime de pessoal das estatais é o celetista, isso porque se submete ao
mesmo regime jurídico das empresas privadas.

Todavia, em que pese a submissão a tal regime, não exclui a atuação do TCU na
fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial, quanto à
legitimidade, legalidade, economicidade e aplicação das subvenções e renúncia
de receitas, nos termos do art. 70 e seguintes da Constituição Federal.

Gabarito: Certo.

59. (PROCURADOR DE ESTADO – PGE/ES – CESPE/2008). A única diferença entre


sociedade de economia mista e empresa pública é a composição do capital.

Comentário:

Além da composição do capital, visto que as empresas públicas são constituídas


com capital exclusivamente estatal, as sociedades de economia mista conta com
capital formado por participação majoritária do Estado e em menor participação
de particulares, é possível distingui-las no tocante à forma societária.

As sociedades de economia mista são sempre constituídas na forma de sociedade


anônima, ou seja, S/A, o que as distingues das empresas públicas, que podem

www.pontodosconcursos.com.br 105
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

assumir qualquer forma societária.

Gabarito: Errado.

60. (ANALISTA JUDICIÁRIO - TRT/16ª REGIÃO – FCC/2009) São traços distintivos


entre empresa pública e sociedade de economia mista:
(A) forma jurídica; composição do capital e foro processual.
(B) foro processual; forma de criação e objeto.
(C) composição de capital; regime jurídico e forma de criação.
(D) objeto; forma jurídica e regime jurídico.
(E) regime jurídico; objeto e foro processual.

Comentário:

Depois do que verificamos, portanto, poderemos distinguir a empresa pública e a


sociedade de economia mista pela forma jurídica, composição do capital e o foro
processual.

Lembrando a forma jurídica assumida pela empresa pública poderá ser qualquer
uma, ou seja, limitada, sociedade anônima, comandita simples, enquanto a
sociedade de economia mista só poderá ser constituída sob a forma de S/A.

A composição do capital da empresa pública é exclusivamente público, enquanto


a sociedade de economia mista é público (capital controlador) e privado.

Por fim, no tocante ao foro processual, as empresas públicas, federais, suas causas
serão submetidas à Justiça Federal e a sociedade de economia mista à Justiça
comum.

Gabarito: “A”.

61. (PROCURADOR DE ESTADO – PGE/ES – CESPE/2008). As sociedades de


economia mista integram a administração, estão sujeitas à supervisão de uma
secretaria e não podem gozar de benefícios fiscais que não sejam extensivos ao
setor privado.

Comentário:

www.pontodosconcursos.com.br 106
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Esse é o novo entendimento do Supremo Tribunal Federal. Gosto de ressaltar que é


preciso ter atenção aos posicionamentos do STF, isso porque o CESPE é fã número 1
da Corte Suprema.

Consignei, ainda há pouco que, em regra, as estatais, empresas públicas e


sociedades de economia mista, submetem-se ao regime jurídico das empresas
privadas, não podendo gozar de privilégios fiscais não extensíveis ao setor privado.

Todavia, entende o STF que empresas públicas e sociedades de economia mista


que prestem serviços públicos de natureza obrigatória pelo Estado gozam de
imunidade tributária, regime diferenciado de bens, pois não são passíveis de
penhora, além de pagamento de suas dívidas por meio de precatórios. (exemplo:
quanto à imunidade tributária AC 1851 – Companhia de Água e Esgoto de
Rondônia; ACO 1095 – ECT; RE 363412 – Infraero; e quanto à impenhorabilidade e
precatório – RE 230051).

É entendimento recente do STF no que diz respeito à imunidade tributária. Por isso,
devemos ficar atentos.

Gabarito: Errado.

62. (DELEGADO DE POLÍCIA – PC/PB – CESPE/2009). Acerca do regime jurídico dos


órgãos e das entidades que compõem a administração pública direta e indireta,
assinale a opção correta.
a) Caso uma empresa pública federal impetre mandado de segurança contra ato
do juiz de direito do estado da Paraíba, conforme entendimento do STJ, caberá ao
respectivo tribunal regional federal julgar o referido mandado de segurança.
b) Considere a seguinte situação hipotética. O município de João Pessoa pretende
receber o Imposto Sobre Serviços (ISS) da INFRAERO, empresa pública federal que
presta serviço público aeroportuário em regime de monopólio, em face dos serviços
prestados, sobre os quais não incide ICMS.
Nessa situação, a pretensão do município deve ser atendida, já que a imunidade
recíproca não atinge as empresas públicas, mas apenas a administração direta da
União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, bem como as suas
autarquias e fundações públicas.
c) Os órgãos subalternos, conforme entendimento do STF, têm capacidade para a
propositura de mandado de segurança para a defesa de suas atribuições.

www.pontodosconcursos.com.br 107
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

d) A OAB, conforme entendimento do STF, é uma autarquia pública em regime-


especial e se submete ao controle do TCU.
e) Os conselhos de profissões regulamentadas, como o CREA e o CRM, são pessoas
jurídicas de direito privado.

Comentário:

Essa questão é de pura análise jurisprudencial do STJ e STF. Como falei, devemos
estar sempre sintonizados nos julgados dessas Cortes.

Item “B” errado. Vimos que o entendimento do STF é no sentido de que as empresas
públicas e sociedades de economia mista que prestam serviços públicos também
gozam de imunidade tributária, nos termos do art. 150, inc. VI, al. “a”, da CF/88.

Nesse sentido, entendeu o STF que a INFRAERO, que é empresa pública, executa,
como atividade-fim, em regime de monopólio, serviços de infra-estrutura
aeroportuária constitucionalmente outorgados à União Federal, qualificando-se, em
razão de sua específica destinação institucional, como entidade delegatária dos
serviços públicos a que se refere o art. 21, inciso XII, alínea "c", da Lei Fundamental, o
que exclui essa empresa governamental, em matéria de impostos, por efeito da
imunidade tributária recíproca (CF, art. 150, VI, "a"), do poder de tributar dos entes
políticos em geral.

Item “C” errado. O STF tem entendimento no sentido de reconhecer a órgãos ou a


órgãos coletivos, a capacidade ou “personalidade judiciária” para impetrarem
mandado de segurança para a defesa do exercício de suas competências e do
gozo de suas prerrogativas.

Item “D” errado. Segundo o posicionamento do STF, a OAB não integra a


Administração Pública, exercendo serviço público de forma independente, não se
submetendo à fiscalização do TCU.

Item “E” errado. Segundo orientação do STF, os conselhos profissionais por serem
autarquias corporativas, são pessoas jurídicas de direito público.

Por fim, item “A” certo.

Posicionou-se o STJ no sentido de que é competente o Tribunal Regional Federal


para apreciar mandado de segurança impetrado por empresa pública federal

www.pontodosconcursos.com.br 108
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

contra ato de juiz de direito estadual, nos termos do art. 108, I, “c” c/c art. 109, I,
ambos da CF/88.

Vale transcrever a ementa do julgado:

CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA ENTRE JUÍZO ESTADUAL E


FEDERAL. MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRADO PELA CEF CONTRA
ATO DE JUIZ DE DIREITO. INCIDÊNCIA DO ART. 109, I, DA CARTA MAGNA
DE 1988. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL.
1. O art. 109, I, da Carta Magna de 1988, não faz qualquer distinção
entre os diversos tipos de procedimento, de tal sorte a contemplar o
mandado de segurança, bastando para a definição da competência
da Justiça Federal a presença dos entes lá enumerados (ratione
personae).
2. O inciso VIII do art. 109, da Lei Maior, por sua vez, dispõe que aos
juízes federais compete processar e julgar os mandados de segurança
e os habeas data contra ato de autoridade federal, excetuando os
casos de competência dos tribunais federais, no sentido da fixação de
competência hierárquica. Sob este enfoque, tem-se que o inciso VIII
tutela o grau de hierarquia dentre as diversas autoridades federais.
3. In casu, tratando-se de Precedente da Suprema Corte: RExt 176.881
- RS, Relator para acórdão Ministro ILMAR GALVÃO, Tribunal Pleno, DJ
de 06 de março de 1998 e CC 46.512 - RN. Ainda quanto a este
particular, a egrégia Primeira Seção deste STJ decidiu que: CONFLITO
DE COMPETÊNCIA - MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRADO POR
AUTARQUIA FEDERAL CONTRA ATO DE JUIZ ESTADUAL - ARTS. 108, I, "c", E
109, I, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL - COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL
REGIONAL FEDERAL - PRINCÍPIOS DA HIERARQUIA E SIMETRIA -
ORIENTAÇÃO DO PRETÓRIO EXCELSO.
1. O art. 109, I, da Constituição Federal, que estabelece regra de
competência ratione personae, atrai a competência para a Justiça
Federal inclusive nas hipóteses de mandado de segurança impetrado
pela União, entidade autárquica ou empresa pública federal contra
entidade pública local, consoante a previsão do enunciado da
Súmula 511/STF: "Compete à Justiça Federal, em ambas as instâncias,
processar e julgar as causas entre autarquias federais e entidades
públicas locais, inclusive mandado de segurança, ressalvada a ação
fiscal, nos termos da Constituição Federal de 1967, art. 119, § 3º".
2. Apesar da existência de respeitável corrente doutrinária e
jurisprudencial em sentido contrário, o Tribunal Pleno do Supremo

www.pontodosconcursos.com.br 109
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Tribunal Federal, quando do julgamento do RE 176.881/RS, Relator para


acórdão o Ministro Ilmar Galvão, publicado no DJ de 6.3.1998,
sufragou o entendimento de que o art. 109, I, da Constituição Federal,
aplica-se inclusive aos casos de mandado de segurança impetrado
por entidade federal contra ato de Juiz Estadual.
3. Além disso, firmou-se a orientação de que é imperiosa a análise do
mandamus, nesses casos, pelo Tribunal Regional Federal, e não por um
juiz federal. Isso porque, em razão do princípio da hierarquia, os
mandados de segurança impetrados contra atos praticados por juízes
federais, nos termos do art. 108, I, 'c', da Carta Magna, são
processados e julgados originariamente pelos Tribunais Regionais
Federais. Desse modo, em respeito ao princípio da simetria, as ações
mandamentais impetradas contra ato de Juiz Estadual também
devem ser processadas e julgadas originariamente pela Corte
Regional.
4. Evidencia-se, portanto, a competência da Justiça Federal para
processar e julgar o mandado de segurança em questão, nos termos
do art. 109, I, da Carta Magna. Registre-se, entretanto, que a
demanda deverá ser julgada pelo Tribunal Regional Federal, e não
pelo Juízo Federal Suscitante, com fundamento no art. 108, I, "c".
5. Conflito conhecido para declarar a competência do Tribunal
Regional Federal da 5ª Região. (CC 46.512 - RN, Relatora Ministra
DENISE ARRUDA, Primeira Seção, DJ de 05 de setembro de 2005) 4.
Ademais, in casu, aplica-se integralmente o disposto no art. 2º da Lei
1.533/51, verbis: Considerar-se-á federal a autoridade coatora se as
conseqüências de ordem patrimonial do ato contra o qual se requer o
mandado houverem de ser supostamente pela União Federal ou pelas
entidades autárquicas federais, porquanto à CEF foi determinado
restituisse verba retirada da conta de cliente de cuja responsabilidade
diz estar inume.
5. A jurisprudência da Corte, quanto à qualificação da autoridade
coatora, visa fixar a competência funcional de juízes ou tribunais, sem
olivar as regras de competência absoluta previstas na CF.
6. Competência da Justiça Federal. (CC 45.709/SP, Rel. Ministra ELIANA
CALMON, Rel. p/ Acórdão Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado
em 23/08/2006, DJ 18/09/2006 p. 247)

Gabarito: “A”.

www.pontodosconcursos.com.br 110
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

63. (DEFENSOR PÚBLICO – DPE/PA – FCC/2009) As chamadas “empresas estatais”


apresentam grande semelhança no regime jurídico que se lhes aplica. Para
distingui-las é correto afirmar que as:
a) empresas públicas são sempre constituídas sob a forma de sociedade anônima.
b) sociedades de economia mista admitem todas as formas societárias previstas em
lei, com exceção da sociedade anônima.
c) empresas públicas são sempre constituídas sob a forma de sociedade anônima
de capital fechado, não admitindo comercialização de ações em bolsa.
d) sociedades de economia mista são constituídas sob a forma de sociedade
anônima, sendo o capital constituído por recursos públicos e particulares.
e) empresas públicas têm o capital constituído por recursos provenientes da
Administração Direta, não admitindo a participação de outros entes, ainda que da
esfera pública.

Comentário:

Essa ficou moleza não é?

Alternativa A: é errada, pois as sociedades de economia mista é que são sempre


constituídas sob a forma de sociedade anônima. As empresas públicas podem
assumir qualquer forma societaária.

Alternativa “B” é errada, conforme a explicação acima.

Alternativa C: é errada, novamente se trataria de uma sociedade de economia


mista. Podemos ter de capital fechado ou aberto. As abertas admitem a
comercialização de ações em bolsa.

Alternativa D: é a correta, ou seja, conforme vimos, as sociedades de economia


mista são constituídas sob a forma de sociedade anônima, sendo o capital
constituído por recursos públicos e particulares.

Alternativa E: é errada, de modo que é possível sim empresa pública constituída por
mais de um ente político, tal como Itaipu que é uma empresa pública binacional.
Aqui no DF temos a Terracap que é constituída por capital do DF e da União, essa
em menor participação. O que importa é que a empresa pública o capital é
exclusivamente público.

www.pontodosconcursos.com.br 111
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Gabarito: “D”.

64. (ANALISTA JUDICIÁRIO - JUDICIÁRIA – TST – CESPE/2008). Considere que, há


sete anos, Adriano é empregado da Caixa Econômica Federal (CAIXA), que é uma
empresa pública federal. Nessa situação hipotética, julgue o item a seguir. *** Por
força constitucional, o fato de a CAIXA ser uma empresa pública impede que
Adriano possa ser demitido sem justa causa.

Comentário:

Devemos entender que sendo a Caixa Econômica Federal uma empresa pública,
submete-se ao mesmo regime jurídico das demais empresas privadas, nos termos do
citado art. 173, §1º, inc. II, da CF/88.

Nesse sentido, o STF já firmou entendimento no sentido de que não viola o disposto
no art. 37, caput e II, da Constituição Federal, a aplicação de normas de dispensa
trabalhista aos empregados de empresas públicas e sociedades de economia
mista.

Gabarito: Errado.

65. (JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO – TJ/AL – CESPE/2008). Assinale a opção correta


em relação às entidades que compõem a administração indireta.
a) As empresas públicas necessitam, para sua instituição, de autorização legislativa
e da transcrição dos seus atos constitutivos no cartório competente.
b) As sociedades de economia mista são criadas e instituídas por lei.
c) É ilícita a transformação de uma autarquia em empresa pública.
d) A extinção de uma autarquia é feita por decreto do chefe do Poder Executivo.
e) O ente federativo que cria uma entidade paraestatal é solidariamente
responsável pelas dívidas dessa nova empresa.

Comentário:

As empresas públicas são pessoas jurídicas de direito privado compostas por capital
exclusivamente público, criadas para a prestação de serviços públicos ou
exploração de atividades econômicas sob qualquer modalidade empresarial (art.
5º, Dec. Lei 200/67).

www.pontodosconcursos.com.br 112
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Trata-se de o Estado, na sua vertente administrativa, adentrar a realização de


atividades que não seriam tipicamente suas, mas que por força de imperativo de
segurança nacional ou por interesse social, tal como falta de iniciativa privada ou
concorrência, explora, visando satisfazer o interesse da coletividade.

As sociedades de economia mista são pessoas jurídicas de direito privado, criada


para prestação de serviço público ou exploração de atividade econômica, com
capital formado por participação majoritária do Estado e em menor participação
de particulares.

As sociedades de economia mista são sempre constituídas na forma de sociedade


anônima, ou seja, S/A, o que as distingues das empresas públicas, que podem
assumir qualquer forma societária.

As empresas públicas e as sociedades de economia mista são denominadas


ESTATAIS. Há, por isso, traços que as assemelham e outros que as distinguem, tal
como:

a) São autorizadas por lei, dependendo para sua constituição do registro de seus
atos constitutivos no órgão competente (art. 37, XIX da CF).

b) dever de licitar: Em regra, as estatais estão submetidas às disposições da Lei nº


8.666/93. Pode, contudo, quando exploradoras da atividade econômica, ter regime
especial por meio de estatuto próprio (art. 173, §1º, III, CF)

c) regime tributário não diferenciado: tendo em vista a disposição contida no art.


173, §1º, inc. II, CF/88, em regra, as estatais não têm privilégios tributários, não
extensíveis à iniciativa privada. De todo modo, o Supremo Tribunal Federal vem
entendendo que se prestam serviços públicos, seriam imunes, tal como os Correios e
Telegráfos.

d) Responsabilidade Civil: As estatais podem tanto explorar a atividade econômica


como prestar serviço público. Assim, quando prestadoras de serviços públicos
submetem-se ao regime de responsabilidade objetiva (art. 37, §6º, CF),
respondendo o Estado subsidiariamente pelos prejuízos causados. Quando
exploradoras de atividade econômica, o regime será o privado e, portanto, como
regra, a responsabilidade será subjetiva.

e) Regime de pessoal: por estarem submetidas ao regime de direito privado,

www.pontodosconcursos.com.br 113
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

titularizam emprego, seguindo o regime da CLT, todavia, são considerados agentes


públicos (servidores públicos lato sensu), em razão de algumas regras: concurso
público, teto remuneratório, acumulação, remédios constitucionais, fins penais,
improbidade administrativa, dentre outros aspectos;

f) regime dos bens: São penhoráveis, exceto se a empresa for prestadora de


serviços públicos e o bem estiver diretamente ligado a prestação do serviço
público, caso em que serão impenhoráveis.

Item “B” errado, eis que a lei autoriza a criação das estatais.

Item “C” é errado na medida em que a lei pode autorizar a transformação de uma
autarquia em empresa pública, devendo, para tanto, ser levado seu ato
constitutivo no cartório competente.

Item “D” errado. A criação é feita por lei. Dessa forma, somente por lei poderá ser
feita a extinção.

Item “E” errado.

As entidades paraestatais a propósito nem mesmo integram a Administração


Pública e são: Serviço Social Autônomo, Organizações Sociais e Organizações da
Sociedade Civil de Interesse Público.

Todavia, ainda que utilizássemos tal expressão na linha do pensamento de Hely


Lopes Meirelles, que entendia que as paraestatais eram as empresas públicas,
sociedades de economia mista e serviços sociais autônomos, todas elas são pessoas
jurídicas de direito privado, distintas do ente que as criou, de modo que este não
responde pelas dívidas contraídas por parte dessas entidades.

Gabarito: “A”.

66. (PROCURADOR DO ESTADO DE ALAGOAS – CESPE/2009). Julgue os itens


subsequentes, relativos à administração direta e indireta.
I Se o estado de Alagoas, após os trâmites legais, transferir um bem público a uma
empresa pública quando de sua criação, esse bem passará a caracterizar-se como
bem privado.

www.pontodosconcursos.com.br 114
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

II A criação de uma empresa pública se efetiva com a edição de uma lei


específica.
III As empresas públicas são pessoas jurídicas de direito privado constituídas somente
sob a forma de sociedades anônimas para o exercício de atividade econômica ou,
eventualmente, a prestação de serviços públicos.
IV Caso o município de Maceió crie uma empresa pública para explorar atividade
econômica, o estado de Alagoas não poderá cobrar o ICMS incidente sobre os
produtos comercializados por essa empresa, uma vez que as empresas estatais
gozam de regime tributário privilegiado.
Assinale a opção correta.
a) Apenas o item I está certo.
b) Apenas os itens I e IV estão certos.
c) Apenas os itens II e IV estão certos.
d) Apenas os itens I, III e IV estão certos.
e) Todos os itens estão certos.

Comentário:

Como vimos, as empresas públicas são pessoas jurídicas de direito privado, e, por
isso, seus bens são privados, o regime a que se submete, como regra, é privado.

Então, observemos:

Item “I” é certo, pois transferindo um bem público para integrar o patrimônio de
uma empresa pública, esse bem passa a ser um bem privado, já que a pessoa é
jurídica de direito privado.

Item “II” é errado, pois uma empresa pública não é criada por lei específica, esta
apenas autoriza a sua criação, que deverá ser feita por decreto executivo, que
aprova o contrato social, que deverá ser levado a registro na junta comercial
(cartório competente).

Item “III” é errado, empresa pública pode ser constituída sob qualquer forma
societária.

Item “IV” é errado na medida em que empresa pública, em especial que explore
atividade econômica, se submete ao mesmo regime jurídico das demais empresas
privadas, de modo que não poderá gozar de privilégios que não sejam extensíveis
àquelas. Assim, como regra, não haverá imunidade tributária.

www.pontodosconcursos.com.br 115
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Ressalto, no entanto, que o STF no tocante a ECT entendeu que ela goza de alguns
privilégios, tal como seus bens não podem ser penhorados, suas dívidas devem ser
pagas por meio de precatório, e ela goza de imunidade tributária, mas isso em
relação aos bens e serviços afetados a prestação do serviço público de correios.

Gabarito: “A”.

67. (FISCAL DA RECEITA ESTADUAL – SGA–SEFAZ/AC – CESPE/2009). Assinale a


opção correta a respeito da administração pública.
a) A representação judicial dos órgãos públicos, já que não possuem personalidade
jurídica, deverá ser feita pelos respectivos procuradores do ente a que pertençam,
salvo na hipótese de defesa de suas competências e prerrogativas, em que esses
órgãos poderão ter órgão jurídico específico para atuar em seu favor.
b) A delegação de atribuições no âmbito da mesma pessoa jurídica a outros
órgãos recebe a denominação de descentralização.
c) As sociedades de economia mista, mesmo quando exploradoras de atividade
econômica, em um regime de mercado, se beneficiam da imunidade recíproca.
d) Uma ação judicial proposta contra uma empresa pública federal deverá ser
julgada pela justiça comum estadual.

Comentário:

Essa questão é interessante sob o aspecto de observamos a jurisprudência do STJ e


STF, além do que nos dá a devida noção de que o CESPE adora jurisprudência,
enquanto a FCC mescla a literalidade de lei e alguns ensaios jurisprudenciais.

Bom, em todo caso, é preciso que tenhamos atenção às duas facetas, ou seja,
tanto aos aspectos legais, quanto aos entendimentos dos Tribunais, e, ainda,
lembremos dos ensinamentos doutrinários.

Para se ter uma idéia então, essa questão basicamente sintetiza tudo que dissemos
até agora. Veja.

Alternativa A: é correta. De fato, os órgãos, por não possuírem personalidade


jurídica, são representados judicialmente pelos procuradores do ente público.
Todavia, sabemos que poderá o órgão ir a juízo em nome próprio para defesa de

www.pontodosconcursos.com.br 116
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

suas prerrogativas ou atribuições institucionais, de modo que poderá ter órgão


jurídico específico para atuar em seu favor.

Alternativa “B” é errada, pois quando falamos em distribuição, repartição, ou até


mesmo em delegação, mas no âmbito da mesma pessoa jurídica a outros órgãos,
ou seja, entre órgãos do mesmo ser/ente, teremos a desconcentração.

Alternativa C: é errada. As sociedades de economia mista, assim como as empresas


públicas, como regra, não se beneficiam da imunidade recíproca, por força do que
dispõe o art. 173, §1º, inc. II, CF/88.

Alternativa D: é errada, porquanto a empresa pública federal tem suas causas


julgadas pela Justiça Federal, nos termos do que dispõe o art. 109, inc. I, da CF/88.

Gabarito: “A”

68. (DEFENSOR PÚBLICO – DPE/SP – FCC/2009). Acerca da estruturação da


Administração Pública, das alternativas abaixo qual contém impropriedades
conceituais?
a) Sob a ótica da personalidade jurídica, além do Poder Executivo, a Defensoria
Pública, os Poderes Judiciário e Legislativo, o Ministério Público e os Tribunais de
Contas podem ser considerados integrantes da Administração Pública Direta.
b) Os serviços públicos são descentralizados por meio da administração indireta,
também podendo ocorrer mediante atuação dos chamados concessionários,
permissionários e autorizatários de serviços públicos.
c) Autarquias, fundações públicas, sociedades de economia mista e empresas
públicas carecem de lei específica para sua existência, passando a deter
personalidade jurídica própria, bem assim autonomia administrativa e gerencial,
submetidas a mecanismos de controle exercidos pela Administração Publica Direta.
d) É possível a existência de sócios ou acionistas privados nas sociedades de
economia mista, sendo inadmissível o ingresso de capital privado na composição
patrimonial das empresas públicas. Por outro lado, a imunidade recíproca prevista
no Texto Constitucional Federal é extensiva apenas às empresas públicas, em
igualdade de tratamento concedido às autarquias e fundações públicas.
e) As sociedades de economia mista e as empresas públicas são pessoas jurídicas
de direito privado, seus bens são submetidos ao regime jurídico dos bens
particulares, seus quadros funcionais são preenchidos por agentes públicos

www.pontodosconcursos.com.br 117
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

celetistas e não podem submeter-se à chamada recuperação judicial,


recuperação extrajudicial e à falência.

Comentário:

Pois é, creio que evoluímos bastante, e que agora tudo fica mais tranqüilo de ser
resolvido. Assim, vamos analisar cada assertiva para ver como fica.

Alternativa A: é correta. É um pouco confusão quando se refere a expressão “sob a


ótica da personalidade jurídica”, que quer dizer na verdade sob a ótica do ente
político, ou seja, aquele que tem personalidade jurídica, pode-se dizer que o Poder
Executivo, a Defensoria Pública, os Poderes Judiciário e Legislativo, o Ministério
Público e os Tribunais de Contas são órgãos que podem ser considerados
integrantes da Administração Pública Direta.

Alternativa “B” é correta na medida em que a descentralização administrativa


pode ocorrer por outorga ou por delegação. A por outorga pode ser a
descentralização territorial e a técnica/funcional ou por serviço e a por delegação
ocorre por colaboração, que se dá por ato ou contrato.

Alternativa C: é correta, é que a Administração Pública Indireta necessitam,


carecem de lei específica para sua instituição, de modo que após criadas gozam
de personalidade jurídica própria, bem assim autonomia administrativa e gerencial,
mas como tudo no âmbito da Administração Pública são submetidas a mecanismos
de controle exercidos pela Administração Publica Direta.

Alternativa D: é errada, já que, em regra, a imunidade recíproca não se estende às


estatais, visto estarem submetidas a regime própria das empresas privadas.

Alternativa E: está correta. É isso mesmo, as sociedades de economia mista e as


empresas públicas são pessoas jurídicas de direito privado, seus bens são
submetidos ao regime jurídico dos bens particulares, seus quadros funcionais são
preenchidos por agentes públicos celetistas e não podem submeter-se à chamada
recuperação judicial, recuperação extrajudicial e à falência.

Gabarito: “D”.

www.pontodosconcursos.com.br 118
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

69. (AUDITOR – TCE/SP – FCC/2008) Os consórcios públicos constituídos por dois


ou mais municípios
(A) nunca integrarão a administração indireta de nenhum destes.
(B) integrarão a administração indireta de todos estes, seja qual for a forma
adotada.
(C) integrarão a administração indireta de um destes, escolhido no respectivo
protocolo de intenções, seja qual for a forma adotada.
(D) integrarão a administração indireta de todos estes, se constituídos sob a forma
de associação pública.
(E) integrarão a administração direta ou indireta de todos estes, conforme
disciplinado no respectivo protocolo de intenções.

Comentário:

A Lei nº 11.107/05 dispõe sobre normas gerais de contratação de consórcios


públicos, estabelecendo que o consórcio poderá ser constituído sob a forma de
associação pública ou de pessoa jurídica de direito privado.

Com efeito, a associação pública tem natureza de pessoa jurídica de direito


público seguindo o modelo estabelecido para as Autarquias, ou seja, a associação
pública é uma associação entre pessoas jurídicas. Sendo uma pessoa jurídica de
direito público quando essa associação for só de pessoas jurídicas de direito público
e privada, quando tiver participantes privados.

Nesse aspecto, determina a Lei, no artigo 6º, §1º que:

Art. 6º O consórcio público adquirirá personalidade jurídica:


I – de direito público, no caso de constituir associação pública,
mediante a vigência das leis de ratificação do protocolo de
intenções;
II – de direito privado, mediante o atendimento dos requisitos da
legislação civil.
§ 1º O consórcio público com personalidade jurídica de direito público
integra a administração indireta de todos os entes da Federação
consorciados.

Vê-se, portanto, que o consórcio, de direito público, integrará a Administração


Pública indireta de toso os entes a federação consorciados.

www.pontodosconcursos.com.br 119
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Assim, as alternativas “A” é errada porque o consórcio integra a Administração


indireta. E, por isso, a Alternativa E: é errada, já que não integra a Administração
Direta.

Alternativa “B” é errada, pois somente integra a Administração Indireta os


consórcios constituídos sob a modalidade de direito público

Alternativa C: é errada, eis que o consórcio de direito público integra a estrutura


administrativa de todos os entes participantes.

Alternativa D: está correta, como vimos, os consórcios públicos integrarão a


administração indireta de todos estes, se constituídos sob a forma de associação
pública.

Gabarito: “D”

70. (PROCURADOR DE CONTAS – TJ/RR – FCC/2008) A União celebra, com dois


Estados da Federação, contrato de consórcio público sob a forma de associação
pública. Após a sua entrada em vigor, o consórcio
(A) integrará a Administração Indireta da União, apenas.
(B) integrará a Administração Indireta da União e de apenas um dos dois Estados
participantes.
(C) integrará a Administração Indireta dos entes federativos que assim o desejarem,
conforme disciplinado em contrato.
(D) integrará a Administração Indireta de todos os entes federativos participantes.
(E) não integrará a Administração Indireta de nenhum dos entes federativos
participantes.

Comentário:

A questão mais uma vez vem tratando da aplicação do §1º do art. 6º, da Lei nº
11.107/2005, que assim dispõe:

Art. 6º O consórcio público adquirirá personalidade jurídica:


§ 1º O consórcio público com personalidade jurídica de direito público
integra a administração indireta de todos os entes da Federação
consorciados.

www.pontodosconcursos.com.br 120
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Portanto, a alternativa é a “D”.

Gabarito: “D”.

71. (PROCURADOR DO BANCO CENTRAL – BACEN – CESPE/2009). Acerca da


administração pública indireta, assinale a opção correta.
a) Não colide materialmente com a CF a determinação de que sejam previamente
aprovadas, pelo Poder Legislativo, as indicações dos presidentes das entidades da
administração pública indireta.
b) Devido à natureza privada das empresas públicas e sociedades de economia
mista exploradoras de atividade econômica, não há espaço para que essas
entidades sejam fiscalizadas pelo TCU.
c) Prevalece o entendimento de que as fundações públicas com personalidade
jurídica de direito público são verdadeiras autarquias, as quais devem ser criadas
por lei e não por ato infralegal.
d) As autarquias são caracterizadas pela sua subordinação hierárquica a
determinada pasta da administração pública direta. Dessa forma, contra a decisão
proferida por elas cabe recurso hierárquico próprio para o chefe da pasta.
e) O consórcio público, mesmo com personalidade jurídica de direito público, não
passa a integrar a administração indireta de todos os entes da Federação
consorciados.

Comentário:

Alternativa A: Errada. É entendimento do STF de que não colide materialmente com


a CF a determinação de que sejam previamente aprovadas, pelo Poder Legislativo,
as indicações dos presidentes das autarquias e fundações públicas, conforme
Informativo 339-STF. (ADI 1281):

À vista da cláusula final de abertura do art. 52, III, f da Constituição


Federal, consolidou-se a jurisprudência do STF no sentido da validade
de normas locais que subordinam a nomeação dos dirigentes de
autarquias ou fundações públicas à prévia aprovação da Assembléia
Legislativa. (ADI 2.225-MC, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento
em 29-6-00, DJ de 29-9-00). No mesmo sentido: ADI 1.949-MC, Rel. Min.
Sepúlveda Pertence, julgamento em 18-11-99, DJ de 25-11-05.

www.pontodosconcursos.com.br 121
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Todavia, no tocante às estatais, o entendimento do STF é outro, ou seja, não poderá


o Legislativo intervir no processo de escolha, conforme Info 500, assim expresso:

INFORMATIVO Nº 500
TÍTULO: ADI e Provimento de Diretoria de Empresas Estatais
PROCESSO: ADI - 1642
ARTIGO
O Tribunal julgou parcialmente procedente pedido formulado em
ação direta proposta pelo Governador do Estado de Minas Gerais
para dar interpretação conforme a Constituição Federal à alínea d do
inciso XXIII do art. 62 da Constituição estadual, com a redação dada
pela EC 26/97 (“Art. 62 - Compete privativamente à Assembléia
Legislativa: ... XXIII - aprovar, previamente, por voto secreto, após
argüição pública, a escolha: ... d) dos Presidentes das entidades da
administração pública indireta, dos Presidentes e Diretores do Sistema
Financeiro Estadual;”), para restringir sua aplicação às autarquias e
fundações públicas, excluídas as empresas estatais. Considerou-se
que, embora as sociedades de economia mista e as empresas
públicas prestadoras de serviço público não estejam alcançadas pelo
disposto no art. 173 e seus parágrafos, da CF, a intromissão do Poder
Legislativo no processo de provimento de suas diretorias afronta o
princípio da harmonia e interdependência entre os poderes. O Min.
Marco Aurélio julgou parcialmente procedente o pedido, em maior
extensão, para declarar a inconstitucionalidade da expressão “dos
Presidentes das entidades de administração pública indireta”, contida
na referida alínea, ao fundamento de que, por não estarem os
presidentes das autarquias e fundações públicas submetidos à
aprovação do Senado Federal (CF, art. 52, III), não se poderia placitar,
tendo em conta o princípio da simetria, essa mesma submissão à
Assembléia do Estado, consideradas a autarquia ou a fundação
pública estaduais. ADI 1642/MG, rel. Min. Eros Grau, 3.4.2008. (ADI-
1642)

Por isso, teríamos duas possibilidades:

a) Não se pode subordinar à aprovação do legislativo a


nomeação de dirigentes das Estatais;

b) Pode se subordinar à aprovação do Legislativo a


nomeação de dirigentes das Autarquias e Fundações Públicas

www.pontodosconcursos.com.br 122
PACOTE DE EXERCÍCIOS
MÓDULO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ANALISTA PROCESSUAL – MPU/2010
PROF. EDSON MARQUES

Alternativa B: Errada, pois todas as entidades administrativas, sejam de direito


público, seja de direito privado, se submetem a fiscalização do TCU.

Alternativa C: é correta. De fato, o entendimento doutrinário é no sentido de que as


fundações públicas com personalidade jurídica de direito público são verdadeiras
autarquias, as quais devem ser criadas por lei e não por ato infralegal.

Alternativa D: está errada. Não há subordinação entre a autarquias e órgãos da


União.

Alternativa E: é errada porque o consórcio integra a Administração Indireta de


todos os entes da Federação consorciados.

Gabarito: “C”

E isso aí meus amigos. Vamos forte, com muita dedicação que o momento é este.
Vambora, rumo à vitória.
Forte abraço e fiquem com Deus.
Prof. Edson Marques

www.pontodosconcursos.com.br 123