Você está na página 1de 6

ANÁLISE ABC

- Segundo esta metodologia de Gestão de Stock, os produtos deverão ser classificados nas
classes A / B e C, segundo a respectiva relevância financeira e quantitativa:

* 20% dos Itens contribuem para 80% da Facturação


* 30% dos Itens contribuem para 15% da Facturação
* 50% dos Itens contribuem para 5% da Facturação
- Produtos da classe A, deverão ser geridos com muito rigor, porque representam um
investimento avultado, é necessário determinar o Stock de segurança com grande previsão.
- Produtos da classe B, dado que representam níveis de investimento e quantidades medianas,
a sua gestão deverá reflectir isso mesmo, mais objectiva do que a aplicada nos produtos de
classe C, mas também não justificando o rigor e controlo utilizados para a classe A.
- Produtos da classe C, poderão ser geridos com muito mais flexibilidade, a empresa pode
utilizar stocks de segurança mais elevados, minimizando assim as possibilidades de ruptura.

CONSOLIDAÇÃO
Operação Logística que implica em agrupar várias encomendas pequenas de produtos, em
encomendas maiores, com objectivo de facilitar a movimentação e reduzir os custos de
armazenagem e transporte.

DESCONSOLIDAÇÃO
Operação inversa a consolidação, que implica em desagregar encomendas únicas para reenvio
das mesmas.

BAR CODE
Código de barras, utilizado para identificação automática de produtos, em pontos de venda ou
em processos de movimentação. Método de codificação de dados alfanuméricos para leitura
óptica rápida e precisa. São constituídos por uma sequência de barras e espaços alternados
impressos ou estampados em produtos, etiquetas ou outra forma de fixação, representando
informações codificadas que podem ser reconhecidas por leitores electrónicos, utilizados para
facilitar a entrada de dados em sistemas de processamentos de dados.

BENCHMARKING
Técnica que consiste em acompanhar o que as empresas lideres nos seus respectivos
segmentos estão a utilizar em termos de Processos, Técnicas e Métodos, e adaptar o modelo
para as operações da empresa, utilizando-o como referência ou padrão a ser copiado. Trata-se
de definir padrões internos de desempenho a partir da observação dos procedimentos
adoptados pelas empresas de classe mundial. È um processo de analise e comparação dos
processos dos negócios de uma empresa com os lideres naqueles processos em qualquer
parte do mundo, para obter informações que ajudarão a empresa a implementar acções para
melhorar o seu desempenho.

BILL OF MATERIAL (BOM)


Listagem de peças, submontagens e matérias primas para uma montagem especifica, com a
identificação da quantidade necessária de cada uma, ou seja BOM á definição da estrutura do
produto em termos de materiais e as ligações entre eles, que constitui a base para a definição
da actividade produtiva.
* BOM Simples – a estrutura de materiais chamada de simples é aquela que apresenta
apenas dois níveis, sendo o nível 1 composto, pelos materais que compõe o produto, e o nível
0, o próprio produto finalizado.
* BOM Padrão – É a BOM que apresenta vários níveis. Ela é utilizada quando há
necessidade de gestão e controle da produção de forma a criar itens intermédios que facilitarão
ou a armazenagem ou a montagem do produto final.

BREAK BULK
Expressão utilizada no transporte marítimo, que significa o transporte de carga geral, solta ou
fraccionada, não conteinerizada e sem homogeneidade.

COLORABOTIVE PLANNING, FORECASTING AND REPLNISHMENT (CPFR)


É um programa de colaboração entre os diferentes intervenientes da cadeia de abastecimento,
que estabelece uma coordenação entre a produção, planeamento, previsão de vendas e
reposição. O CPFR pretende ser uma alternativa valida ao Eficiente Consumer Response
(ECR), aproveitando os aspectos positivos deste, mas representando mais soluções no lado da
procura. Tendo ECR uma maior focalização no fornecedor, o CPFR vêm trazer uma maior
preocupação no cliente final, através da gestão conjunta de processos e da troca de
informação.

CROSS DOCKING
É uma operação logística de rápida movimentação de produtos acabados para expedição entre
fornecedores e clientes. Utilizado também pelos operadores logísticos, para garantir ganhos de
tempo nos processos logísticos. Trata-se de um sistema de distribuição em que as mercadorias
recebidas num centro de distribuição, não são armazenadas, mas sim preparadas para serem
enviadas aos pontos de destino final com outra viatura.
Esta operação necessita de grande exactidão quanto aos tempos de entrada e saída dos
produtos. Pode incluir actividades de recepção, desconsolidação, ou separação, e ainda em
alguns casos serviços de etiquetagem e reembalagem.

CROSS FUNCTIONAL
É um conjunto de pessoas com competências funcionais diferentes, trabalhando para um
mesmo objectivo. Pode incluir pessoas das áreas de Finanças, Marketing, Operações e
Recursos Humanos. Normalmente estas equipas incluem funcionários de todos os níveis de
uma organização.

CONTINUOUS REPLENISHMENT PLANNING (CRP)


Reabastecimento continuo em parceiros comerciais, com informações relativas as vendas
reais, com abastecimento ajustado ao necessário, com a manutenção de níveis de stock
mínimos e com informações comparadas com a previsão da oferta, previamente acordada
entre os parceiros comerciais.

DELIVERY WINDOW
É uma janela horária, acordada entre o fornecedor e o cliente para a entrega das mercadorias
encomendadas.

DISTRIBUTION CENTRE
É o centro de distribuição, local onde chegam as mercadorias, para serem preparadas e
consolidadas, e de onde mais tarde são colocadas em rotas de distribuição para entrega nos
clientes finais.

DISTRIBUTION REQUIREMENTS PLANNING (DRP)


Planeamento dos recursos de distribuição é um software que planeía e distribuí os recursos a
serem utilizados na distribuição fisíca, calculando o ponto de reposição de stocks.
ECONOMIC ORDER QUANTITY
É a quantidade óptima de stock que minimiza o custo de exploração (compra, entrega e
armazenamento) de um produto.

ELECTRONIC DATA INTERCHANGE (EDI)


É um intercâmbio electrónico de dados (utilizando o mesmo padrão) entre uma empresa e os
seus parceiros comerciais de uma cadeia de abastecimento ou entre uma mesma empresa
mas com sectores separados geograficamente.

EUROPEAN ARTICLE NUMBERING (EAN)


É uma numeração de artigos europeia utilizando um código com barras de diferentes larguras e
uma série de treze digítos para identificação de produtos. Os três primeiros digítos identificam o
país de origem, os nove digítos seguintes identificam a empresa que o produz e o produto
fabricado, o último digíto é de autenticação do código numérico.

EFFICIENT CONSUMER RESPONSE (ECR)


Resposta eficiente ao cliente/consumidor é um software que permite a gestão automática de
stocks possibilitando a sua reposição automaticamente, através da utilização de códigos de
barras, scanner, EDI. A cadeia de abastecimento é pensada em conjunto por produtores e
distribuidores com o intuito de minimizar custos e maximizar a satisfação do
cliente/consumidor.

ELECTRONICS FUNDS TRANSFER (EFT)


Transferência electrónica de fundos é um sistema utilizado para realizar transferências
financeiras electronicamente, quer sejam pagamentos através de cartões, débitos directos,
pagamentos a funcionários, recebimentos.

EUROPLATFORMS
Associação Europeia de Plataformas Logísticas; plataforma logística é uma área onde se
efectuam operações ligadas á logística, ao transporte e á distribuição de mercadorias que
poderão ser de âmbito nacional ou internacional. Estes espaços são geridos por uma única
entidade e favorecem a inter modalidade de transportes.

FAST MOVING CONSUMER GOODS (FMCG)


São bens de consumo rápido, vendidos a baixo preço onde o lucro está na grande quantidade
vendida.

FULFILMENT
Atendimento no tempo e no prazo acordado entre o fornecedor e o cliente.

HANDLING SERVICES
Serviços feitos em terra de apoio a aviões, passageiros, bagagens, correio e carga. Estes
serviços poderão ser prestados pelos aeroportos ou por empresas externas. Em Portugal este
serviço é prestado pela Ground Force.

ENTERPRICE RESOUCE PLANNING (ERP)


Sistema de informação usado para integrar todos os dados e procedimentos de todos os
departamentos de uma empresa com o objectivo de armazenar todas as informações de
negócios.

HUB: |

Ponto central para colectar, separar e distribuir para uma determinada área ou região
específica. Os pontos que interligam os hubs são chamados de troncos.

INBOUND LOGISTICS: ( logística de entrada ) |

Corresponde ao conjunto de operações relativas ao fluxo de matérias e informações desde a


fonte das matérias primas até a entrada da fábrica, ou seja, é tudo aquilo que é fornecido para
a utilização, transformação ou consumo e que se constitui de recursos humanos, materiais,
financeiros e serviços administrativos ou gerências e de apoio, (insumo de uma empresa).
MS

INCOTERMS: |
São termos de vendas internacionais, utilizados para dividir os custos e a responsabilidade no
transporte entre a figura do comprador e do vendedor.
São no total 13 termos divididos em 4 grupos que se distinguem por aumentar gradativamente
a responsabilidade de uma das partes em detrimento da outra.

GRUPO E– Entrega no estabelecimento do vendedor/exportador


Pode ser utilizada em qualquer modalidade de transporte uma vez que logicamente será
irrelevante para este Termo. Nesta modalidade o comprador arca com todos os gastos de
transporte por sua própria conta e risco. Até mesmo o desembaraço e
GRUPO F – Transporte principal não pago pelo exportador
Os Termos deste Grupo se caracterizam pela responsabilidade do exportador até o momento
da entrega da mercadoria ao transportador internacional previamente indicado no contrato. Há
neste a existência de 3 (três) Termos representados pelas siglas FCA,

FCA (“Free Carrier Point”)


FAS (“Free Along Ship”
FOB (“Free On Board”)
GRUPO C – Transporte principal pago pelo exportador
Aqui passamos a ter a responsabilidade do Exportador em contratar o transportador, porém
não é ele quem assume os riscos de perda e dano. Havendo aqui a possibilidade de 4 (quatro)
possíveis Termos representados pela siglas: CFR, CIF, CPT e CIP.
CFR ou C&R (“Cost and Freight”)
CIF (“Cost, Insurance and Freight”)
CPT (“Carriage Paid of “)
CIP (“Carriage and Insurance Paid to”)

GRUPO D – Entrega no local de destino

Neste grupo a responsabilidade do exportador perdura até a entrega da mercadoria no local de


destino, estipulado pelo importador. Há neste 5 possíveis Termos: DAF, DES, DEQ, DDU e
DDP.

DAF (“Delivered at Frontier”)


DES (“Delivered Ex Ship”)
DEQ (“Delivered ex quay “)
DDU (“Delivered Duty Unpaid”)
DDP (“Delivered Duty Paid”)
INCOTMINCOTERMS:
TIME:

UB:

EAD TIME:
INTRABOUND: |

Logística interna.
INSOURCING: |

Conceito que surgiu em oposição ao outsourcing, representa a retenção de um certo serviço no


interior da organização, através da criação de um departamento para o efeito, com pessoal
interno a tempo inteiro, ou pode também significar o estabelecimento de uma unidade semi-
autónoma, que presta serviços aos restantes departamentos dentro da organização, em que os
preços e as condições são acordados entre aqueles que requisitam e a unidade prestadora do
serviço.

INVENTORY MANAGEMENT: |

Stocks, previsão de vendas, simulação, stock de segurança, siderurgia.


Organização de stock via previsão de vendas agregadas utilizando simulação.

International Air Transport Association ( IATA): |

Organização internacional de linhas aéreas, pró-ativa e neutra operando nos mais altos
padrões de qualidade profissional, a IATA atende a quatro grupos do sistema de transporte
aéreo mundial: o público em geral, governos, terceiros como agentes de viagem e carga ou
fornecedores de equipamentos e sistemas.L

JUST - IN - TIME: |
-JUST - IN – TIME
Método de administração da produção para produzir no momento da entrega, produzir semi-
acabados no instante da sua necessidade e receber matérias-primas no instante de sua
utilização. Ou seja, produzir os produtos acabados no instante em que eles devam ser
entregues, produzir os semi-elaborados no instante da utilização/montagem, abastecer-se de
matéria-prima no instante de sua utilização.

KANBAN: |
O fundamento básico desta técnica, está baseado em manter um fluxo contínuo dos produtos
que estão sendo manufacturados. O KAN BAN (etiqueta ou cartão), traz como grande inovação
o conceito de eliminar stocks, os materiais e componentes agregados ao produto chegam no
momento exacto de sua produção/execução (just in time).

KEI PERFORMANCE INDICATORS ( KPI ): |

São métricas financeiras e não financeiras usadas para reflectir os factores críticos de sucesso
da organização de modo a poder-se avaliar o estado de determinada actividade em dado ponto
e por aí determinar as acções a toma

LEAD TIME: |

É o tempo necessário para o produto completar toda a transformação (da matéria prima ao
produto acabado, através das diferentes fases). É utilizado para medir a eficiência do processo
produtivo, que compreende tempos como: tempo de preparação, de fila, de processamento, de
movimentação e transporte e tempo de recebimento e verificação.
L