Você está na página 1de 24

DELEGAÇÃO, CENTRALIZAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO

DELEGAÇÃO
É a transferência de determinado nível de autoridade de um chefe para seu subordinado,
criando o correspondente compromisso pela execução da tarefa delegada. Os elementos
básicos de delegação são:
a tarefa que foi transferida do chefe para o subordinado; e a obrigação (responsabil
idade ou compromisso) que o subordinado tem para com o chefe na 2 realização dessa t
arefa transferida.
DELEGAÇÃO
Considerações delegação: importantes sobre
a autoridade deve ser delegada até o ponto, e na medida necessária, para a realização do
s resultados esperados; a autoridade deve ser proporcional ao nível de responsabil
idade alocada no cargo e/ou função; a responsabilidade não pode ser delegada, pois nem
o chefe nem o subordinado podem livrarse, totalmente, de suas obrigações, designand
o outros para realizá-las; e a clareza na delegação é fundamental, com 3 designação precisa
entendida e aceita.
DELEGAÇÃO
Importância da delegação:
permite coordenar trabalhos mais complexos e de abrangência maior; permite maior p
rodutividade da equipe de trabalho, por meio de maior motivação, menor tempo de espe
ra para tomada de decisões, maior desenvolvimento da equipe e maior interação entre as
unidades organizacionais; permite amplitude de controle mais adequada; permite
melhor aproveitamento de recursos; exige melhor planejamento e programação de ativid
ades e proporciona condições para isso; e proporciona maior segurança para a empresa.
4
DELEGAÇÃO
Obstáculos para a delegação:
5
DELEGAÇÃO
Regras práticas para uma delegação efetiva:
selecionar o subordinado adequado; proporcionar um nível de autoridade compatível co
m as atividades exercidas pelo subordinado; explicar, com precisão e clareza, as a
tividades e os resultados esperados; criar condições adequadas de motivação; estabelecer
controles adequados, divulgados e aceitos; treinar e ajudar os subordinados em
suas atividades; evitar perda excessiva de poder, mas estar 6 disposto a abrir mão
de determinadas atividades que provoquem uma situação
DELEGAÇÃO
Regras práticas para uma delegação efetiva:
ter adequados canais de comunicação; ter disposição para aceitar erros dos outros; incre
mentar o nível de participação dos subordinados; perceber que os subordinados têm muito
a contribuir no processo decisório na área de sua especialização; desenvolver o processo
de planejamento para que a delegação possa ocorrer antes do fato e não depois do fato
consumado; desenvolver adequado nível de confiança nos 7 subordinados por meio de t
reinamento,
DELEGAÇÃO
Regras práticas para uma delegação efetiva:
criar condições para forçar os subordinados a tomar decisões, dando-lhes, ao mesmo tempo
, o apoio que se fizer necessário; não criticar, excessivamente, quando os subordina
dos cometem enganos; fazer com que os subordinados saibam o que tem de ser feito
e quais os resultados esperados, incluindo o nível de qualidade e o prazo de real
ização; prover incentivos adequados para que os subordinados se sintam dispostos a a
ceitar 8 maior delegação; e
DELEGAÇÃO
A delegação resulta das situações criadas pelo volume e pela complexidade das atividades
. À medida que o volume cresce, ocorre, assim, uma divisão de trabalho nos níveis estr
atégico, tático e operacional da empresa. A adição de especialista serve de via principa
l por meio da qual a empresa procura enfrentar a crescente complexidade das exigên
cias que lhe são feitas. No processo de delegação, deve ser
9
DELEGAÇÃO
É necessário fazer revisão e crítica contínuas dos deveres e tarefas atribuídos. Para tanto
deve-se:
testar as próprias tarefas e os objetivos que se quer alcançar; comparar as tarefas
com os objetivos estabelecidos; separar as que mais contribuem para os objetivos
, sendo que estas deve guardar para si; as demais transferir para os subordinado
s; e concentrar os esforços nas próprias tarefas.
10
DELEGAÇÃO
A falta de delegação pode acarretar:
para a empresa: o ritmo dos negócios é aquele imposto por seu proprietário. A administ
ração torna-se morosa e dependente; e a participação dos funcionários é baixa; para o empre
io: existe sobrecarga de trabalho que exige dele atuação nas mais diferentes áreas. Co
mumente sente-se só, julgando que não há equipe pessoa em quem possa confiar. Trabalha
ndo tenso, estará predisposto ao stress e as suas conseqüências negativas; e para os f
uncionários: baixos desenvolvimentos profissional e envolvimento com assuntos da e
mpresa. Se há falta de maior motivação e ocorre desejo de participação não 11 correspondido
os melhores funcio-nários não permanecem na empresa; e os que ficam
CENTRALIZAÇÃO
É a maior concentração do poder decisório na alta administração de uma empresa. Ocorre norm
lmente situações: na seguintes
para manter maior nível de integração das atividades da empresa; para manter uniformid
ade de decisões e ações; para melhor administrar as urgências; quando o executivo não quer
uma segunda pessoa que lhe faça sombra; quando a estrutura organizacional da empr
esa não possibilita a descentralização; e 12 para aumentar o nível de controle das
CENTRALIZAÇÃO
Vantagens:
menor número de níveis hierárquicos; melhor uso dos recursos humanos, materiais, equip
amentos e financeiros; melhor possibilidade de interação no processo de planejamento
, controle e avaliação; maior uniformidade em termos de processos técnicos e administr
ativos; decisões estratégicas mais rápidas; e maior segurança nas informações.
13
DESCENTRALIZAÇÃO
É a menor concentração do poder decisório na alta administração da empresa, sendo, portanto
mais distribuído por seus diversos níveis hierárquicos. Ocorre normalmente situações: na
seguintes
a carga de trabalho da alta administração está volumosa e/ou demasiadamente complexa;
a situação anterior provoca morosidade no processo decisório; pela maior ênfase que a em
presa quer dar à relação produto ou serviço versus mercado; para encorajar o processo de
cisório de seus executivos lotados na média e baixa administração; 14 e
DESCENTRALIZAÇÃO
Vantagens:
possibilidade de gerar maior especialização nas diferentes unidades organizacionais;
menor exigência de tempo nas informações e decisões; maior tempo à alta administração para
tras atividades; possibilidade de gerar efeito competitivo, o que pode aumentar
a produtividade; maior facilidade de definição de objetivos e metas para as unidades
organizacionais e as pessoas; possibilidade de maior desenvolvimento das pessoa
s nos aspectos administrativo e 15 decisório;
DESCENTRALIZAÇÃO
Vantagens:
possibilidade de maior participação; possibilidade de atendimento mais rápido às necessi
dades da empresa e das unidades organizacionais; melhor desenvolvimento da capac
itação administrativa e profissional; tomadas de decisão mais próximas da ocorrência dos f
atos; diminuição de conflitos entre os vários níveis hierárquicos da empresa; e tendência a
maior número de idéias inovadoras.
16
DESCENTRALIZAÇÃO
Desvantagens:
inabilidades de quaisquer pessoas em manter observação sobre as modificações das condições
ocais ou de uma operação complexa, provocando decisões sem visão do conjunto; sistemas i
nadequados no sentido de compreensão do desenvolvimento dos subordinados; possibil
idade de efeitos negativos na motivação; maior necessidade de controle e de coordenação;
risco de duplicar esforços para executar determinadas atividades; 17 maior dificu
ldade de normatização e de
DESCENTRALIZAÇÃO
Diferenças entre descentralização e delegação:
18
DESCENTRALIZAÇÃO
Princípios da descentralização:
a descentralização coloca a autoridade de decidir nos pontos mais próximos possível de o
corrência das ações; é provável que a descentralização obtenha resultados gerais melhores c
eguindo conhecimentos maiores e mais, diretamente, aplicáveis, bem como compreensão
mais oportuna ao tomar o maior número de decisões; a descentralização funciona se há deleg
ação real da autoridade sem a preocupação com seu relato minucioso ou, o que seria pior,
com sua verificação prévia; a descentralização exige a compreensão de que o principal pape
da assessoria ou dos serviços, é dar 19 assistência e apoio aos operadores de linha
DESCENTRALIZAÇÃO
Princípios da descentralização:
a descentralização requer a percepção de que o agregado de muitas decisões, individualment
e corretas, será melhor para a empresa e para o público do que decisões planejadas e c
ontroladas a partir do poder central; a descentralização só funcionará se a responsabili
dade, juntamente com a autoridade na tomada de decisão, for, verdadeiramente, acei
ta e exercida em todos os níveis; a descentralização só pode ser conseguida quando a alt
a administração perceber que a autoridade, genuinamente delegada aos escalões inferior
es não pode, de fato, ser retida por ela; 20
DESCENTRALIZAÇÃO
Princípios da descentralização:
a descentralização não se apóia na necessidade de se ter objetivos gerais, estrutura org
anizacional, relacio-namentos, estratégias e medidas conhecidas, entendidas e segu
idas, mas na percepção de que a definição das estratégias não significa, neces-sariamente,
niformidade de métodos de execução de tais estratégias em operações descentralizadas; e a d
scentralização requer estratégias pessoais apoiadas em medida de desempenho, padrões est
abelecidos, recompensas pelo bom desempenho e remoção de incapacidades por desempenh
o insuficiente.
21
DESCENTRALIZAÇÃO
22
DESCENTRALIZAÇÃO
Extensão da descentralização: centralização e
quanto maior o número de decisões a serem tomadas nos escalões mais baixos da hierarqu
ia, tanto maior o grau de descentralização; quanto mais importantes as decisões a sere
m tomadas nos escalões mais baixos da hierarquia, tanto maior o grau de descentral
ização nesse campo; há maior descentralização onde há maior número de funções afetadas por
tomadas em níveis mais baixos; quanto menos verificações se exigir nas decisões, maior é a
descentralização; 23 quanto menor o número de pessoas a serem