APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS PARA A PRODUÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS: UM ESTUDO DE CASO.

Samuel Antonio Miranda de Sousa – Geógrafo; Mestre em Geografia. Hinna Samire dos Santos – Aluna do Curso Técnico em Meio Ambiente. Lucas Queiroz de Sousa – Aluno do Curso Técnico em Meio Ambiente. Michael Dyonns Andrade da Silva – Aluno do Curso Técnico em Meio Ambiente. Vitor do Nascimento Calixto – Aluno do Curso Técnico em Meio Ambiente. Yasmim Pereira – Aluna do Curso Técnico em Meio Ambiente. RESUMO Nas últimas décadas, a disposição final de lixo tornou-se um sério problema a ser enfrentado por todos os países, decorrente não só da escassez de terrenos disponíveis para aterros sanitários, como também pelo aumento substancial dos níveis per capita de resíduos sólidos gerados. Uma das alternativas para esse problema, é a transformação dos resíduos orgânicos em fertilizantes orgânicos, utilizando o processo de compostagem, que pode ser definido como a união de vários materiais orgânicos que, em processo de fermentação (que pode ser aeróbia ou anaeróbia) sob condições de umidade e temperatura controladas, produz um composto humificado, com características melhores que as dos materiais utilizados no processo. Nesse contexto, considerando-se a produção diária de lixo orgânico, o projeto teve como objetivo geral implementar o processo de compostagem na EEEP Júlia Giffoni, visando a produção de composto orgânico para a adubação da horta e jardim da escola. O processo utilizado foi a compostagem aeróbia, onde a decomposição é realizada por microorganismos que só vivem na presença de oxigênio, onde a temperatura pode chegar até 70ºC, e os odores emanados não são agressivos, sendo que nesse método, a decomposição é mais veloz, com uma mínima produção de chorume. Durante o experimento, verificou-se que a compostagem, além de ser um excelente instrumento para a promoção da educação ambiental, é também uma forma barata e prática de aproveitamento dos resíduos orgânicos, promovendo assim uma significativa redução desses resíduos na composição do lixo urbano. Palavras-chave: RESÍDUOS SÓLIDOS; COMPOSTAGEM; EDUCAÇÃO AMBIENTAL. INTRODUÇÃO A compostagem consiste em um conjunto de técnicas aplicadas para controlar a decomposição de materiais orgânicos, com a finalidade de obter, no menor tempo possível, um material estável, rico em húmus e nutrientes minerais; com atributos físicos, químicos e biológicos superiores àqueles encontrados nas matérias primas originárias (KIEHL, 1985). A compostagem pode assim ser definida como o processo de reciclagem da matéria orgânica que propicia um destino útil para os resíduos domésticos, evitando sua acumulação em aterros e melhorando a estrutura dos solos. Esse processo permite dar um destino aos resíduos orgânicos domésticos, como restos de comidas e resíduos do jardim. Nos países desenvolvidos ou em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, cerca de 60% do total dos resíduos sólidos urbanos consiste de materiais orgânicos biodegradáveis, passíveis facilmente de serem tratados (e adequadamente devolvidos ao meio ambiente) através da compostagem. Desse total de resíduos orgânicos, somente 1,5% é reciclado através da produção de compostos (OLIVEIRA et. al. 2005). Nas últimas décadas, a disposição final de lixo tornou-se um sério problema a ser enfrentado por todos os países, decorrente não só da escassez de terrenos disponíveis para

Esta modificação na composição global do lixo foi conseqüência. Uma das alternativas para a transformação dos resíduos orgânicos em fertilizantes orgânicos é a utilização do processo de compostagem. a uma elevação do grau de recuperação de materiais e sua reintrodução no processo produtivo (reciclagem). incentivar os alunos a reciclarem alguns dos materiais que são produzidos na cozinha e nos jardins da escola e produzir um fertilizante natural para ser utilizado nos jardins e hortas da escola. Outro problema associado com a disposição dos resíduos orgânicos nestes locais é a grande quantidade de chorume gerado. Fortaleza/CE apresenta-se como uma das capitais com os maiores índices de geração de resíduos sólidos do país e. 1992). a decomposição é mais veloz. para dispor adequadamente tais resíduos a cidade faz uso prioritário do Aterro Sanitário Metropolitano Oeste localizado no município de Caucaia (ASMOC) na Região Metropolitana de Fortaleza – RMF (SANTOS et. do processo de industrialização vivenciado na maioria das economias mundiais. em aspectos gerais. são os compostos orgânicos capazes de induzir mudanças benéficas no solo sob o ponto de vista agrícola (GLÓRIA. Esta quantidade de material orgânico. portanto. Nesse contexto está a EEEP Júlia Giffoni. forma um habitat natural para vetores de doenças como moscas. sendo que nesse método. que são recolhidos semanalmente e enviados ao aterro metropolitano. que pode ser definido como a união de vários materiais orgânicos que. conduzindo. realizando suas refeições (lanches e almoço) na escola. reduzir a quantidade de resíduos orgânicos que. em processo de fermentação (que pode ser aeróbia ou anaeróbia) sob condições de umidade e temperatura controladas. com características melhores que as dos materiais utilizados no processo. al. como também pelo aumento substancial dos níveis per capita de resíduos sólidos gerados. e os odores emanados não são agressivos. seria depositada em aterros sanitários. necessitam sofrer transformações para que adquiram condições compatíveis com aquilo que se convenciona chamar “matéria orgânica” e que. etc. onde os alunos permanecem na escola em tempo integral. irrigação. Consequentemente. quando disposta em lixões ou em aterros não controlados. principalmente. O processo utilizado foi a compostagem aeróbia. A temperatura pode chegar até 70ºC. A opção por priorizar reduções globais dos níveis de lixo requer permanente busca de alternativas tecnológicas. tem sido extremamente difícil precisar todas as mudanças bioquímicas que ocorrem durante o processo.aterros sanitários. onde a decomposição é realizada por microorganismos que só vivem na presença de oxigênio. A compostagem é um processo usualmente envolvido no tratamento de larga variedade de resíduos orgânicos. Os objetivos da compostagem não poderiam ser outro senão. Porém a degradação biológica pode ser descrita. 2010). Na atualidade. na sua essência. 2010). etc. com uma mínima produção de chorume. METODOLOGIA Os materiais orgânicos dos resíduos. al. o que produz uma média de 40kg/dia de resíduos orgânicos (cascas. segundo um paralelo feito entre a atividade . produz um composto humificado. na sua grande maioria. o qual frequentemente flui para mananciais de abastecimento humano. de uma forma ou de outra. para que sejam aperfeiçoadas as técnicas mais adequadas ao tratamento de resíduos sólidos. ratos cães. que é uma Escola de Educação Profissionalizante. animal. sementes e restos de alimentos). PEREIRA NETO (1996) cita que o interesse pela compostagem no Brasil tem crescido devido ao fato que o lixo urbano tem uma composição média de 60% de materiais orgânicos. o que gerou significativas alterações nos padrões de consumo dessas sociedades (SANTOS et.

onde serão analisados os seguintes parâmetros: Umidade. que é caracterizado pelo aumento da temperatura. 1989). vem a fase de crescimento. restos de alimentos e pó de café.microbiológica e a temperatura. estando a matéria orgânica humificada. Nitrogênio Total e Relação C/N. ervas. cascas de frutas e vegetais. e na fase de maturação. após 100 a 120 dias. No início da compostagem. até a temperatura mesofílica. Após essa fase. a temperatura baixará mais ainda. o que evita a produção de chorume. vem a fase de maturação. O esquema de monitoração consistiu na verificação da temperatura. que governa uma fase particular do processo (PEREIRA NETO. uma vez por semana. que trata das normas e padrões para a produção de compostos orgânicos.520 e equipado com um termopar feito em alumínio e medindo 1. A medição da temperatura também influencia na umidade. Os materiais triturados foram dispostos em camadas intercaladas com folhas secas. umidade e aeração. pH. Desses cestos. . na qual a temperatura aumenta até o máximo valor é a fase onde a destruição dos patogênicos é a mais efetiva. e consequente diminuição da ação microbiológica. podas de jardim. conforme estabelecido pela Resolução 01/2009 do Conselho Nacional de Meio Ambiente-CONAMA. Após a fase latente. que corresponde ao tempo necessário para os microorganismos se aclimatarem com o ambiente em que estão inseridos. O método visual consistia em constatar se a massa da composteira tinha um aspecto úmido ou seco. A composteira foi construída em uma área abrigada dos raios solares e bem arejada. amostras do material foram recolhidas e enviadas para análise no Laboratório de Análises Físicas e Químicas de Água e Efluentes Curso de Saneamento Ambiental do Instituto Federal do Ceará – Campus Sobral. promovendo assim uma aeração satisfatória. mantendo-se próxima ou igual a do ambiente. Foi construída uma composteira de alvenaria com as seguintes medidas: 2m de largura por 2m de comprimento e 1m de altura. onde a temperatura decresce até a fase mesofílica e permanecerá por tempo geralmente mais longo que o da fase anterior. Foi priorizado o recolhimento de componentes de origem vegetal. O material recolhido foi triturado para facilitar a decomposição. Após a disposição do material na composteira o mesmo foi umedecido diariamente. Ao final dos ciclos. nesse ponto atingiu-se a estabilização completa do composto. pois reduzem as possibilidades de atrair animais e vetores de doenças. primeiramente foi executada uma campanha de conscientização para a coleta seletiva dos resíduos em cestos destinados exclusivamente para a matéria orgânica. Carbono Orgânico. e se estava com mau cheiro. a massa foi revirada duas vezes por semana. A fase termofílica. Para a realização da compostagem na escola. com a estabilização completa do composto quando a matéria orgânica estará humificada. serão recolhidas folhas. a matéria orgânica passa pela fase latente. Para a medição da temperatura foi utilizado o termômetro digital Minnipa-APPA modelo MT . pois a queda da temperatura na fase ativa do processo indica uma baixa umidade. onde também foram adicionados continuamente novos materiais a composteira. No primeiro período. sementes. devido a ação microbiana.5 m de comprimento. para que possa haver a ação das bactérias aeróbicas. dificilmente em menor prazo. A umidade foi verificada pelo método visual e pela temperatura. Essas etapas foram executadas durante um período de 3 meses. cascas de ovos. finalmente.

. contribuindo assim para a manutenção do aterro sanitário metropolitano. pode-se trabalhar a questão da educação ambiental na escola. a proposta é que este composto também seja utilizado na horta da escola. Agradecemos ainda a Secretaria de Educação do Estado do Ceará – SEDUC pela concessão dos recursos financeiros para a participação no evento.RESULTADOS E DISCUSSÕES Ao final do processo da compostagem todo material orgânico (restos de alimentos de origem vegetal e folhas secas) tornou-se um composto estável e rico em nutrientes. No total. Uma parte desse material foi utilizado de forma experimental na recuperação do solo dos jardins da escola. conhecido como húmus (Figura 1). oficinas e momentos de sensibilização. promovendo assim uma significativa redução desses resíduos na composição do lixo urbano. é também uma forma barata e prática de aproveitamento dos resíduos orgânicos. Os resultados preliminares da fase experimental mostram que o composto é adequado para a recuperação do solo e como adubo vegetal. AGRADECIMENTOS A Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico – FUNCAP. Figura 1 – Composto Final Durante o período do experimento.8kg de composto final. aproximadamente 250kg de material orgânico foi reaproveitado. contribuindo assim para a produção de hortaliças e vegetais orgânicos. foram produzidos 151. através de palestras. e das análises de laboratório. Verificou-se ainda que através da técnica de compostagem. CONCLUSÕES Verifica-se que a compostagem. Após o resultado da fase experimental. mini-cursos. além de ser um excelente instrumento para a promoção da educação ambiental. pela concessão das bolsas de Iniciação Cientifica.

São Paulo.REFERÊNCIAS GLÓRIA. England. 1996. N.A. AQUINO. Circular Técnica 76. J. 1996 SANTOS. Anais. 1992 KIEHL. B. O. Embrapa. C.T.resol. cores. J. Cricular. S. IAPAC. CASTRO NETO. Campinas: Fundação Cargill. M. In: European Commission International Symposium. M. Composting: Experiences and Perspectives in Brazil. Fertilizantes orgânicos. Piracicaba. A. Anais. SANTOS. E. 1958 PEREIRA NETO. G. Estimativa de resíduos Sólidos Urbanos Coletados em Fortaleza e Destinados ao Aterro Sanitário de Caucaia (Ceará).09. T. Compostagem: opção para o manejo orgânico no solo. In: Reunião Brasileira de Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. 20. M. R. Uso agronômico de resíduos. 2005 PEIXOTO.com. E. M. Paraná. Disponível em <www. ZANELLA. T.br> Acesso em 30. Blackie Academic & Professional. Compostagem Caseira de Lixo Orgânico.2010 . G. ALVES. A. O. 1985 OLIVEIRA. 1992.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful