Educação Sexual

Acção de Formação para Agentes Educativos das Escolas Católicas
Outubro de 2010

Enquadramento conceptual, Objectivos e Estrutura Programática

na qual se justifica a consideração da multiplicidade de dimensões que estão na base de todo o comportamento humano. nos quais assentam as concepções de Pessoa.Francisco das Misericórdias. Enfermagem. em resposta à formalização subjacente ao disposto na Lei n.preocupação secundária -. . Embora as questões relacionadas com a transmissão da Vida e com os comportamentos de risco.”-da Política Institucional da ESESFM. tem como finalidade subsidiar a actividade docente. ordena-se no sentido total da existência humana” (Vidal. É para essa Pessoa que se orientam os esforços honestos. tomem. pois. uma Pessoa entendida na sua natureza bio-psico-social cultural e espiritual. preocupação primária -. Considera-se a educação sexual uma área temática de confluência dos interesses da educação e da saúde. “A sexualidade desempenha um papel decisivo no desenvolvimento da personalidade do Homem. não existe uma uniformidade sexual. A promoção desta formação ao nível de uma Instituição de Ensino Superior. É. encontra razão de ser na necessária reflexão científica e pedagógica. em parceria com o Movimento de Defesa da Vida. que nos fez pensar numa proposta pedagógica para os próprios agentes pedagógicos. no tempo corrente. 1991) Pensamos. Católica. É a tradução da concepção axiológica da Escola Superior de Enfermagem e das entidades parceiras “A Escola pauta-se por valores humanistas de matriz Cristã. não só para a Pessoa. uma razão fundamentada na extraordinária relevância da temática. a verdadeira noção de sexualidade só pode. e por iniciativa da Associação Portuguesa de Escolas Católicas (APEC). que o são porque visam favorecer 2 . A presente proposta de formação em educação sexual. uma relevância avassaladora. associada com uma dinâmica de aplicação prática. relativamente à qual possamos parametrizar todas as intervenções educativas. Ela não pode ser considerada uma força fechada em si mesma. Tal. como para o bem-estar social. De facto. ao nível do ensino básico e secundário.º 60/2009 de 6 de Agosto. numa Pessoa total. Formação e Cidadania. assenta numa concepção holística do Ser Humano. pois. só aconteceria se as variáveis em jogo fossem exclusivamente biológicas e sujeitas a uma relação de causa-efeito.ENQUADRAMENTO CONCEPTUAL A formação em educação sexual promovida pela Escola Superior de Enfermagem S. encontrarse e entender-se na abordagem da Pessoa concreta e total.

estes. Diferenciar as responsabilidades dos diferentes agentes educativos. o harmonioso desenvolvimento da criança e OBJECTIVOS A formação em educação sexual. os objectivos desta Acção de Formação: • • • • • • • • • Conhecer a importância do corpo enquanto núcleo estruturante da relação interpessoal. Bibliografia Vidal. assim. 1991. Ética da Sexualidade. O Plano do diálogo Pessoa a Pessoa São. Marciano. em quatro níveis de referência: A. Conhecer todos os métodos de controlo de natalidade. Identificar as Infecções sexualmente transmissíveis mais frequentes e sua epidemiologia. Planear uma intervenção pontual em matéria de educação sexual.subsidiariamente adolescente. 1991. ao nível sexual. Identificar os mecanismos bio-fisiológicos. visa contribuir para a capacitação do professor. O Plano da intervenção concreta para um grupo D. mais relevantes no tempo da adolescência. São Paulo : Loyola. O Plano da organização longitudinal das intervenções C. Conhecer diferentes modelos de educação sexual. 3 . Associar as alterações biológicas do corpo em crescimento aos comportamentos da criança e adolescente. Planear uma intervenção estratégica em matéria de educação sexual. O Plano da compreensão abrangente do fenómeno da sexualidade B.

4. Primeira sessão: A relação com o corpo e a relação com os outros. Segunda sessão: Adolescência. 5. Formadora: Dr. Imagem corporal e sexualidade.ª Fátima Perloiro. Formadores: Dr. O crescimento As alterações hormonais e comportamentais Condicionante sócio culturais Os lutos e os projectos Sociedade e adolescência. Características e problemáticas mais comuns 1. Responsabilidades e competências 1. Corpo e sexualidade – perspectiva pedagógica Data: 20 de Novembro de 2010. B. Pe. Educador Natural 2.MÓDULO I 25 HORAS – 1 Crédito Conteúdos Programáticos Edição de Lisboa A. O educador. 2. 4 . Vítor Feytor Pinto. Educador Informal Data prevista: 10 de Dezembro de 2010. 3.ª Isabel Leal Ruiz. Educador Formal 3.

Vítor Neto. Formadores: Enfª Mary Anne d´Avillez. Enf. D. Avaliação da acção. Os métodos de regulação dos nascimentos 2. Planificar o trabalho em Educação Sexual. Avaliação dos formandos. 3.ª Cristina Pereira.C. 2. Enf. Data prevista: 22 de Janeiro de 2010. Dr. 5 . Formadores: Enf. João Paulo Nunes. Anatomia e fisiologia dos aparelhos reprodutores Fisiologia do ciclo feminino Fisiologia da reprodução Reprodução artificial Planeamento Familiar e projecto de vida: 1. Infecções Sexualmente Transmissíveis Data prevista: 15 de Janeiro de 2010. Quarta sessão: Modelos de educação sexual: questões contemporâneas em educação sexual.ª Mary Anne d´Avillez. Terceira sessão: Corpo e sexualidade – perspectiva fisiológica: 1. Organização de uma sessão de Educação Sexual. 4.

será de 75 €. ou por cheque (à ordem de Escola Superior de Enfermagem S. A APEC reserva o direito de gerir as inscrições de forma a distribuí-las o mais equitativamente possível pelas escolas católicas interessadas. podendo.PARTICIPANTES As inscrições deverão ser enviadas por mail até ao dia 15 de Novembro. PEDAGÓGICA E LOGÍSTICA Carmelita Diniz João Paulo Nunes Jorge Cotovio 6 . a bibliografia adequada. no entanto. em condições adequadas. A acção de formação está dirigida a um grupo de 35 participantes.pt Jorge Cotovio Secretário-geral da APEC Telemóvel: 967016871 apecatolica@gmail. se possível. para cada participante. Em cada uma das quatro sessões será divulgada e distribuída. ser alargado o número dos destinatários. nº 56 (Junto ao Hospital de Santa Marta. APOIO ADMINISTRATIVO Graça Antunes Secretariado de Pós Graduações da ESESFM Telefone: 21 712 09 13 E-Mail: posgrad@esesfm. ou numerário. A opção de transferência Bancária para o NIB: 0007 00000025 7591746 23 implica que se coloque na ordem de transferência o nome do formando. Zona do Marquês do Pombal) Horário: 9:30 – 13.com COORDENAÇÃO CIENTÍFICA. sendo registadas por ordem de chegada. LOCAL E HORÁRIO Lisboa Rua de Santa Marta. Francisco das Misericórdias). 14:30 – 17:30 CUSTOS O custo. O pagamento deverá ser efectuado logo que o formando receba a confirmação da sua participação na Acção. O pagamento poderá ser efectuado por transferência Bancária.