Você está na página 1de 4

13.T- TÉCNICOS EM PRÓTESE DENTÁRIA:

LEI N o 6.710, DE 5 DE NOVEMBRO DE 1979

DOU DE 06/11/79.

Dispõe sobre a profissão de Técnico em Prótese Dentária e determina outras providências. O Presidente da República:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º O exercício da profissão de Técnico em Prótese Dentária, em todo o território nacional, fica sujeito ao disposto nesta Lei:

Art. 2º São exigências para o exercício da profissão de que trata o art. 1º:

I- habilitação profissional, a nível de 2º grau, no Curso de Prótese Dentária; II- inscrição no Conselho Regional de Odontologia, sob cuja jurisdição se encontrar o profissional a que se refere esta Lei. Parágrafo único. A exigência da habilitação profissional de que trata este artigo não se aplica aos que, até a data da publicação desta Lei, se encontravam legalmente autorizados ao exercício da profissão. Art. 3º Comprovado o atendimento às exigências referidas no art. 2º desta Lei, o Conselho Regional de Odontologia conferirá, mediante prove de quitação do imposto sindical, carteira de identidade profissional em nome do Técnico em Prótese Dentária. Art. 4º É vedado aos Técnicos em Prótese Dentária:

I- prestar, sob qualquer forma, assistência direta a clientes; II- manter, em sua oficina, equipamento e instrumental específico de consultório dentário; III- fazer propaganda de seus serviços ao público em geral; Parágrafo único. Os cargos criados por este artigo destinam-se a atender as exigências especializadas, desde que dirigidas aos cirurgiões-dentistas, e acompanhadas do nome da oficina, do seu responsável e do número de inscrição do Conselho Regional de Odontologia. Art. 5º Os Técnicos em Prótese Dentária pagarão ao Conselho de Odontologia uma anuidade correspondente a dois terços da prevista para os cirurgiões-dentistas. Art. 6º A fiscalização do exercício da profissão de Técnico em Prótese Dentária é da competência dos Conselhos Regionais de Odontologia. Art. 7º Incidirá sobre os laboratórios de prótese dentária a anuidade prevista pelo Conselho Regional de Odontologia. Art. 8º Às infrações da presente Lei aplica-se o disposto no art. 282, do Decreto-lei nº 2.848, da 7 de dezembro de 1940. Art. 9º Dentro do prazo de cento e oitenta dias o Poder Executivo regulamentará esta Lei. Art. 10 Esta Lei entrará em Vigor na data de sua publicação. Art. 11 Revogam-se as disposições em contrário. Brasília, 5 de novembro de 1979; 158º da Independência e 91º da República.

ORDEM DE SERVIÇO Nº INPS/SB-055.1, DE 6 DE NOVEMBRO DE 1978

Assunto: Aprova Manual de Serviço relacionado com a filiação, inscrição e incidência de contribuições dos beneficiários dos regimes de previdência social do SINPAS. Os Secretários de Benefícios do INPS e de Arrecadação e Fiscalização do IAPAS, no uso de suas atribuições, ouvido o GAEP/INPS e, CONSIDERANDO que, com a criação do SINPAS, foram unificados os sistemas e serviços de inscrição dos beneficiários da previdência social; CONSIDERANDO as necessidades de uniformização de procedimentos, através da consolidação das normas existentes; CONSIDERANDO, finalmente, a necessidade de que essa consolidação obedeça a critério que permita proceder-se, de futuro, às alterações de novas disposições legais ou regulamentares, mediante a substituição, apenas, dos capítulos atingidos, sem prejuízo da manutenção dos demais, RESOLVEM:

1- Aprovar as normas e procedimentos constantes do Manual anexo, que consolidam as disposições em vigor, relacionadas com a filiação, inscrição, caracterização e incidência de contribuições dos beneficiários dos regimes de previdência social vinculados ao SINPAS. 2- Determinar a aplicação deste Manual pelas linhas de benefícios e de arrecadação e fiscalização. 3- Atribuir à Coordenadoria de Inscrição de Beneficiários da Secretaria de Benefícios do INPS a atualização permanente deste Manual mediante aprovação conjunta das Secretarias de Benefícios do INPS e de Arrecadação e Fiscalização do IAPAS. 4- Ficam revogados os atos, normas, orientações, instruções, entendimentos, rotinas e outras decisões emanados de Secretarias do INPS originário e de órgãos congêneres do ex-FUNRURAL e do ex-IPASE, que tratam, no todo ou parcialmente, das matérias ora consolidadas. HÉLIO J. T. BESSA Secretário de Benefícios/INPS.

MARINO DA SILVEIRA SOARES

Secretário-Substituto de Arrecadação e Fiscalização. ANEXO

Salários de Contribuição dos Trabalhadores Autônomos

Período: 10/60 a 08/73

Nota Explicativa:

Embora a RCD/DNPS-876/67, tenha entrada em vigor em 02/68, foi considerada regular a aplicação desse ato a partir de 03/68, em razão da ODS/SAF nº 299.6, de 20.02.60.

Assim, devem ser respeitados os recolhimentos efetuados com base na citada RCD, tanto a partir de 02/68 como o mês 03/68.

PROTÉTICO DENTÁRIO

 

Código

67.

Salário-Base:

a) 10/60 a 01/68 b) 02/68 a 08/73

1 SMR

até 2 anos de atividade de 2 a 15 anos de atividade + de 15 anos de atividade Vide letra c do Código 01 (um).

até 2 anos de atividade de 2 a 15 anos de atividade + de 15 anos
até 2 anos de atividade de 2 a 15 anos de atividade + de 15 anos

3 SMR

 

4 SMR

 

c) 09/73 em adiante:

5 SMR

Taxa:

1º/10/60 A 10/06/73 11/06/73 em diante

 

8%

16%

Fundamentação:

Leis nºs 3.807/60 e 5.890/73; RCD/DNPS nºs 734/65 e 876/67.

 

RESOLUÇÃO Nº CD/DNPS-876, DE 14 DE DEZEMBRO DE 1967

Proc. nº MTPS-135.151/67. Assunto: Estabelece critério geral da fixação de salário-base de contribuição dos trabalhadores autônomos e dá outras providências. Proponente: CONSELHO ATUARIAL. Proposto : CONSELHO-DIRETOR. Relator : Conselheiro EULER DE LIMA.

O Conselho-Diretor do Departamento Nacional da Previdência Social, por unanimidade,

CONSIDERANDO a conveniência de estabelecer-se um critério geral de fixação do salário-base de contribuição dos trabalhadores autônomos para a Previdência Social; CONSIDERANDO que a Resolução nº 342, de 13 de junho de 1967, em que o Conselho Atuarial apresenta proposta concreta nesse sentido, se reveste, por seus fundamentos, das cautelas necessárias para afastar naturais tendências de anti-seleção; CONSIDERANDO que a fixação dos salários-base em função de salários-mínimos regionais e a consulta direta às classes interessadas atendem às exigências do art. 77 da Lei Orgânica da Previdência Social, com a nova redação que lhe foi dada pelo art. 19 do Decreto-Lei nº 66, de 21 de novembro de

1966;

CONSIDERANDO que os órgãos de classe que responderam à consulta formulada pelo DNPS

concordaram, em sua maioria, com o sistema proposto, de enquadramento em função da profissão e do tempo de serviço; CONSIDERANDO que não está vedado o reexame da situação das entidades que, por não oferecerem elementos concretos que pudessem lastrear suas pretensões a uma posição diferente nas tabelas, não tiveram atendidas suas reivindicações; CONSIDERANDO que, não apenas as manifestações dos diversos interessados, mas também as sugestões do INPS constantes do Processo MTPS nº 155.327/67 foram objeto de profundos estudos do Conselho Atuarial que, a respeito, emitiu a Resolução nº 408, de 21 de novembro de 1967; CONSIDERANDO, finalmente, tudo o mais que dos autos consta, RESOLVE:

1- Fixar, segundo as tabelas abaixo, os salários-base de contribuição dos trabalhadores autônomos nelas mencionados:

I- Profissionais liberais

Classes Profissionais

Tempo de Atividade Profissional

Salário-Base (Em Salários-Mínimos Regionais)

Advogados

Assistentes Sociais

Atuários

Autores Teatrais

Até 2 (dois) anos

3 (três)

Bibliotecários

Compositores

Contabilistas

Economistas

Enfermeiros

Engenheiros

Escritores

De 2 (dois) a 15 (quinze) anos

4 (quatro)

Estatísticos

Farmacêuticos

Jornalistas

Médicos

Odontologistas

Parteiros

Com mais de 15 (quinze) anos

5 (cinco)

Professores

Protéticos

Químicos

Técnicos de Administração Veterinários

II-

Trabalhadores autônomos não liberais.

a)

Aeronautas Agentes de Propriedade Industrial Comissários e Consignatários Até 5 (cinco) anos 3 (três) Corretores (de imóveis, seguros, bolsas,

mercadorias, etc) Despachantes (em geral) Despachantes Aduaneiros De 5 (cinco) a 15 (quinze) anos 4 (quatro) Guias de Turismo Intérpretes Leiloeiros Representantes Comerciais Com mais de 15 (quinze) anos 5 (cinco) Tradutores Públicos

b)

Ajudantes de Despachantes Aduaneiros

Barbeiros e Cabeleireiros Até 5 (cinco) anos 2 (dois) Bombeiros Condutores Autônomos de Veículos De 5 (cinco) a 15 (quinze) anos 3 (três) Eletricistas Fotógrafos Pescadores Com mais de 15 (quinze) anos 4 (quatro) Técnicos de Laboratório Vendedores Ambulantes

c)

Carregadores de Bagagem (aeroportos, portos, estações rodoviárias e ferroviárias) Até 5 (cinco) anos 1,5 (um e meio) Guardadores de Automóveis De 5 (cinco) a 15 (quinze) anos 2 (dois) Lustradores de Calçados Com mais de 15 (quinze) anos 3 (três) Transportadores de Volumes

d)

Demais Categorias Profissionais não Incluídas Até 5 (cinco) anos 1 (um) nas Tabelas Anteriores De 5 (cinco) a 15 (quinze) anos 1,5 (um e meio)

2 (dois)

Com mais de 15 (quinze) anos

2- Estabelecer que qualquer pedido de alteração dos valores fixados, seja para mais ou para menos, em relação a qualquer classe profissional, só será considerado se for apresentado por órgão representativo da classe, devidamente acompanhado de estatísticas de rendimentos do trabalho, de autenticidade irrecusável, não sendo suficiente a simples declaração dos interessados. 3- A presente Resolução, aplicável à generalidade dos trabalhadores autônomos em todo o território nacional, entrará em vigor no primeiro dia do mês seguinte ao em que se completarem 30 (trinta) dias de sua publicação no Boletim de Serviço do INPS.

EULER DE LIMA

Conselheiro Relator

RENATO GOMES MACHADO

Presidente.

LEI Nº 1.314, DE 17 DE JANEIRO DE 1951.

Regulamenta o exercício profissional dos Cirurgiões Dentistas.

O Presidente da República,

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Dos Protéticos Art. 6º Os protéticos, cujo exercício profissional se acha regulamentado pela Portaria nº 25 baixada pelo Departamento Nacional de Saúde, em 1943, e, posteriormente pelo Decreto-lei nº 8 345, de 10 de dezembro de 1945, não podem anunciar seus trabalhos profissionais na imprensa leiga, só lhes sendo permitido fazê-lo junto aos cirurgiões-dentistas, através de publicações especializadas. Art. 7º Aos protéticos aplicar-se-á, no que for possível, o disposto no art. 6º desta lei. Art. 19. A presente lei entrará em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Rio de Janeiro 17 de Janeiro de 1951; 130º da Independência e 63º da República. EURICO G. DUTRA - Pedro Calmon - Guilherme da Silveira.

decreta:

DECRETO-LEI Nº 8.345, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1945

Dispõe sobre habilitação para exercício profissional.

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição,

DOU DE 13/12/45.

Art. 1º- Só é permitido o exercício das profissões de protéticos, massagistas, óticas práticos, práticos de farmácia, práticas de enfermagem, parteiras práticas e profissões similares, em todo o território nacional, a quem estiver devidamente habilitado e inscrito no Serviço Nacional de Fiscalização da Medicina e nos respectivos serviços sanitários, nos Estados. Parágrafo único- A inscrição de que trata o presente artigo é obrigatória para os protéticos, proprietários de oficinas isoladas ou que trabalhem em oficinas anexas a consultórios. Art. 2º- Para cumprimento das instruções necessárias à habilitação nas profissões de que trata o artigo anterior, expedidas pelo Diretor Geral do Departamento Nacional de Saúde, na conformidade do que dispõe o art. 6º do Regimento do Serviço Nacional de Fiscalização da Medicina, baixado pelo Decreto nº 9.810, de 1º de julho de 1942, a respectiva banca examinadora deverá ser designada pelo referido diretor geral, no Distrito Federal, e pelos diretores dos departamentos estaduais de saúde, nos Estados. § 1º- O Ministro da Educação e Saúde arbitrará as gratificações a serem concedidas, como honorários pelos serviços prestados, aos membros das bancas examinadoras e aos demais serventuários que tomarem parte nos trabalhos das provas de habilitação de que trata o presente decreto-lei. § 2º- Os candidatos à inscrição nas provas de habilitação sobre que versa o presente decreto-lei pagarão a taxa de Cr$ 300,00 (trezentos cruzeiros). Art. 3º- Este Decreto-lei entrará em vigor na data de sua publicação. Art. 4º- Revogam-se as disposições em contrário. Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 1945; 124º da Independência e 57º da República. JOSÉ LINHARES Raul Leitão da Cunha.