Você está na página 1de 6

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho

Exercícios físicos, auto-imagem


Humano e auto-estima em idosos asilados 69
ISSN 1415-8426

Artigo Original Tânia Bertoldo Benedetti1


Édio Luiz Petroski2
Lúcia Takase Gonçalves3

EXERCÍCIOS FÍSICOS, AUTO-IMAGEM E AUTO-ESTIMA EM IDOSOS


ASILADOS

EXERCISE ACTIVITY AND SELF-IMAGE/SELF-ESTEEM IN NURSING


HOME RESIDENTS

RESUMO

O estudo teve como objetivo verificar os efeitos da implementação de um programa de exercício


físicos sistemáticos sobre a auto-imagem e auto-estima em idosos institucionalizados. A amostra foi constitu-
ída por idosas da Sociedade Espirita Obreiros da Vida Eterna-SEOVE, em Florianópolis, SC, sendo dividida em
dois grupos: experimental (n=15) e controle (n=12). Foi aplicado um pré teste para ambos os grupos. A auto-
imagem e auto-estima foi determinada por meio da aplicação do questionário proposto por Steglich (1978). O
grupo experimental foi submetido a um programa de exercício físico durante cinco meses (70 sessões) com
três sessões semanais de 60 min. Após o programa foi aplicado o pós teste para ambos os grupos. Como
resultado verificou-se correlação positiva moderada (r=0,48) entre a diferença do pré e pós-teste da auto-
imagem e auto-estima no grupo experimental sobre o controle. Considerando o exposto, o programa de exer-
cício físico sistemático aplicado na instituição asilar, apresentou melhora significante na auto-estima do grupo
experimental, e na auto-imagem do grupo controle.

Palavras-chave: exercícios físicos, auto-imgem, auto-estima, idosos, asilos.

ABSTRACT
This study discusses the application, in istitutionalized aged people, of a program of systematic physical Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano
exercises and self-image/self-esteem. The elderly that participated in this study live at SEOVE (the nursing
home studied) in Florianópolis, Brazil. They were divided in two groups, an experimental (n = 15) and a control
(n = 12) one and a pre-test was then applied to them. The experimental group was submitted to a program of
physical exercise with the frequency of 3 sessions of 60 minutes each per week for a period of 5 months. At the
end of this period a post-test was applied to both groups. To evaluate the self-image/self-esteem the Steglich
(1978) questionnaire was used. Difference was observed in pre and post-test data for the experimental and
control groups self-image/self-esteem. Considering the exposed, the program of systematic physical exercise
applied to nursing home residents it present significant between the self-esteem in experimental groups and the
self-image control groups.

Key words: physical exercises, self-image, self-esteem, elderly, nursing home.

1
Profª Departamento de Educação Física - CDS/UFSC – NuCIDH. Dda PEN/UFSC
2
Prof. Dr. DEF/CDS/UFSC - NuCIDH
3
Profª Drª Departamento de Enfermagem CCS/UFSC
70 Benedetti et al.

1 - INTRODUÇÃO invalidez e ao profundo abatimento moral, sur-


gindo assim as doenças crônico-degenerativas
A auto-imagem é conceituada por associadas a outras patologias, que podem ser
Schilder (1981) como a representação e a figu- responsáveis pela perda progressiva de auto-
ração de nosso corpo formada em nossa men- nomia e consequentemente da imagem e esti-
te, ou seja, o modo pelo qual o corpo se apre- ma corporal (Born, 1996).
senta para nós, enquanto que a auto-estima É um desafio fazer com que os idosos
decorre da atitude positiva ou negativa que a durante sua existência aproveitem melhor o tem-
pessoa tem de si mesmo. Auto-estima é o que po que lhes resta de maneira saudável, inde-
a pessoa sente a respeito de si mesma pendente, com autonomia, sentindo-se bem e,
(Mosquera, 1976). dentro do possível, com melhor qualidade de
Para o ser humano, a imagem corpo- vida. Por isto, a proposta é incluir na rotina dos
ral desempenha um papel importante na cons- idosos da instituição asilar a prática sistemáti-
ciência de si. Schilder (1981) afirma que a ima- ca de exercícios físicos, como forma de contri-
gem corporal é tanto imagem mental quanto buir na sua imagem corporal e na sua auto-es-
percepção; se a percepção do corpo é positiva tima. Os exercícios físicos são fatores de res-
a auto-imagem será positiva, e se há satisfa- tauração da saúde que proporcionam maior
equilíbrio nesta etapa da vida.
ção com a imagem do seu corpo, a auto-estima
Portanto, este estudo teve como obje-
será melhor. A imagem do corpo pode ser mo-
tivo verificar os efeitos da implementação de um
dificada pela prática de atividades físicas como
programa de exercício físicos sistemáticos so-
a ginástica, dança entre outras que modificam
bre a auto-imagem e auto-estima de idosos
a postura corporal. Esta mudança na postura,
institucionalizados.
é modificado a cada momento que é realizado
um novo movimento, por isto os movimentos
físicos agem de forma positiva, pois utilizam PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
reflexos posturais que não estão intrínsecos em
nossa consciência. A dança e a ginástica se Este estudo caracterizou-se segundo
constituem como atividades físicas eficientes Campbell e Stanley (1970) como quase-experi-
para modificar a imagem corporal e diminuir a mental.
rigidez da forma física. A população foi constituída intencional-
Desenvolver a auto-imagem positiva é mente por idosas do asilo Sociedade Espírita
alimentar a certeza de ser capaz de levar uma dos Obreiros da Vida Eterna (SEOVE) porque
vida plena e realizada em nossa sociedade, esta instituição asilar atendeu os seguintes re-
sendo esta imagem estimulante, inquietante ou quisitos previamente estabelecidos:
decepcionante. - instituição com grande número de
Os autores Davis (1997), Fox (1997) e residentes idosas na Grande Florianópolis;
Hasse (2000) afirmam que com o processo de - instituição onde não há programa
envelhecimento há uma diminuição da auto- de exercícios físicos sistemáticos e nenhum
imagem e da auto-estima. O ser humano é de- outro trabalho de recreação;
pendente do seu corpo, das habilidades, rou- - instituição sem atividade programa-
pas, cabelos, bem como da integração e har- da de lazer, geralmente realizada por grupos
monia com relação ao “eu”. A atividade física de voluntários;
Volume 5 – Número 2 – p. 69 - 74 – 2003

se constitui em uma forma de envelhecer ativo, - instituição onde idosos internados


para que os idosos, mesmo asilados, possam possuem condições físicas de realizar exercíci-
ter autonomia e independência por mais tempo os físicos.
com melhor auto-estima. Na instituição estudada havia 38 mu-
Os idosos ao ingressarem nos asilos lheres residentes. Participaram da amostra 29
começam a apresentar limitações intelectuais idosas acima de 60 anos. Estas, apresentavam
e físicas que se tornam evidentes na realização condições de realizar o programa de exercícios
das atividades da vida diária, sendo que o ócio, físicos proposto, 15 constituíram o grupo expe-
a falta de terapia ocupacional, a indisposição rimental e 14 o grupo controle.
física e o desinteresse, colaboram ainda mais Para avaliar a auto-estima e a auto-ima-
para estas limitações, levando muitas vezes à gem das idosas foi aplicado o questionário de-
Exercícios físicos, auto-imagem e auto-estima em idosos asilados 71

senvolvido por Steglich (1978), que foi validado estima foi o teste “t” para amostras indepen-
para idosos. Utilizou-se um caderno de campo dentes e o coeficiente de associação de
que foram realizadas as anotações necessárias “Pearson”, entre o pré e pós-teste de ambos os
em ambos os grupos no decorrer da aplicação grupos.
do programa de exercícios físicos. Foi utilizado
o item “aspecto emocional” do questionário por-
RESULTADOS E DISCUSSÃO
que correspondia à área de interesse da pesqui-
sa. O “aspecto emocional” apresentava os se-
Os dados serão discutidos decorren-
guintes sub-itens: felicidade pessoal, bem-estar
tes da análise estatística do cruzamento entre
social e integridade moral. As respostas de cada
o pré e pós-teste de ambos os grupos.
questão apresentavam escores de 1 a 4 e para
Os grupos investigados possuíam ca-
avaliação foi utilizada a escala somatória do to-
racterísticas semelhantes. A média de idade no
tal de pontos proposta por Steglich (1978), quanto
grupo controle foi de 74,00 ± 12,27 anos. Havia
mais alta a pontuação, melhor era a auto-ima-
duas idosas com surdez, duas com cegueira,
gem e a auto-estima.
uma com hipertensão arterial, duas com psico-
O programa de exercício físico siste-
se compulsiva, uma com demência senil e uma
mático aplicado na instituição asilar foi realiza-
com diabetes mellitus. No grupo experimental
do três vezes por semana, durante 5 meses,
a média de idade foi de 74,73 ± 8,36 anos. Ha-
com um total de 70 sessões de 60 min, sendo
via duas idosas com problemas de epilepsia,
10 minutos de alongamento, 15 minutos de ca-
uma com aneurisma, uma com surdez, uma
minhada, 10 minutos de dança, 15 minutos de
com hipertensão arterial, uma com demência
trabalho de equilíbrio, força e flexibilidade e 10
senil, uma com diabetes mellitus e quatro com
minutos de relaxamento final.
pequenas seqüelas de acidente vascular cere-
Durante a realização do programa fo-
bral, como monoplegia de braço esquerdo e
ram desenvolvidos os elementos da aptidão fí-
dificuldade para andar.
sica: força, flexibilidade, equilíbrio e resistência.
A tabela 1 exibe a média e desvio pa-
O tratamento estatístico utilizado para
drão entre o pré e pós-teste no grupo experi-
a análise dos dados da auto-imagem e auto-
mental e controle.

Tabela 1 - Média e desvio padrão das medidas do pré e pós-teste de ambos os grupos de idosas do asilo
SEOVE submetidas ao programa de exercícios físicos.

Variáveis Grupo experimental Grupo controle


Pré-teste Pós-teste Pré-teste Pós-teste
X s X s X s X s
AI (pontos) 49,8 9,3 50,8 9 59,4 11,5 52,9 10,2 Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano
AE (pontos) 81,7 13,1 93,2 13,6 95,2 20,1 94,3 18

Legenda:
AI - Auto-Imagem
AE- Auto-Estima

Na tabela 2 será apresentado o teste “t” para amostras independentes entre os resultados
do pré-teste e do pós-teste, de ambos os grupos

Tabela 2 - Teste “t” entre as medidas do pré e pós-teste de ambos os grupos de idosas do asilo SEOVE
submetidas ao programa de exercícios físicos.
Variáveis Auto-Imagem Auto-Estima
t p t p
Experimental - 0,5 0,6 - 2,1 0,05*
Controle 4,8 0,001* 0,3 0,7

*p < 0,05
72 Benedetti et al.

Pode-se observar que houve diferen- nuaram igual ou até diminuíram. Este fato ocor-
ça significante na auto-estima do grupo experi- reu em ambos os grupos.
mental, e na auto-imagem do grupo controle. Também utilizou-se a análise estatísti-
Esses resultados mostram que a atividade físi- ca do coeficiente de associação de Pearson.
ca pode ter influenciado também as idosas do Este apresentou uma correlação linear de
grupo controle, que estavam presentes no lo- r=0,48 e o p=0,031 indicando uma correlação
cal e assistiam na maioria das vezes as aulas positiva moderada entre as diferenças da auto-
ministradas. Neste período, algumas idosas do imagem e auto-estima no grupo experimental e
grupo experimental adoeceram o que pode ter controle.
modificado a percepção em relação as ques- Os idosos do grupo experimental apre-
tões aplicadas. sentam melhora acentuada na auto-estima e
Algumas idosas tiveram pontuação auto-imagem em relação ao grupo controle, o
mais alta no teste aplicado, mas outras conti- que pode ser observado na figura 1.

12
1

8 1
1 1

1 1 1
4
Diferença de Auto-Imagem

0 1
2
1
1
2
-4 2
1 2

-8 2
2
2

-12 2

-16 1

-20
-30 -20 -10 0 10 20 30 40 50
Diferença de Auto-Estima

Legenda: 1 - grupo experimental


2 - grupo controle

Figura 1 - Correlação entre a diferença do pré e pós-teste na auto-imagem e auto-estima dos grupos
experimental e controle.

A correlação mostra que as idosas com Observou-se que desde o início do pro-
melhor auto-estima também apresentavam grama de exercícios físicos na instituição asi-
melhor auto-imagem tanto no grupo experimen- lar, houve modificações na imagem corporal das
idosas como a utilização de roupas coloridas,
Volume 5 – Número 2 – p. 69 - 74 – 2003

tal, quanto no grupo controle. Não se pode afir-


mar que a prática de exercícios físicos aplica- bijuterias variadas, unhas pintadas, mudança
dos na instituição durante os 5 meses, foi a cau- no corte do cabelo, uso de batom e perfumes.
sa da melhora na auto-imagem e auto-estima, Ao elogiá-las sobre estas modificações, ficavam
principalmente se tratando de idosas que vivem muito felizes. Houve modificações na aparên-
em asilo. Todos os dias diferentes fatos influ- cia física de algumas idosas que faziam parte
enciam profundamente suas vidas, como do grupo experimental e do grupo controle. A
morbidade ou morte de colegas, intrigas que presença de novas pessoas e atividades na ins-
tituição, pode ter influenciado essas mudanças.
são comuns nesse ambiente, mudança de di-
Diversos autores apresentam melhora
reção na instituição, visitas de familiares, entre
da auto-imagem e da auto-estima associado à
outros.
prática de atividades físicas.
Exercícios físicos, auto-imagem e auto-estima em idosos asilados 73

Carvalho (1996) expõe que a partici- em que o indivíduo modifica sua estrutura cor-
pação em grupos de ginástica traz sentimentos poral ele acrescenta a seu quadro pessoal no-
positivos em relação ao próprio corpo, níveis vas dimensões que alteram a percepção de si
mais altos de auto-estima e “competições sau- mesmo e do mundo a sua volta.
dáveis” gerada dentro do grupo. Steglhich (1978), que desenvolveu o
Fox (1997) corrobora com estes acha- instrumento de auto-imagem e auto-estima, ao
dos afirmando que a auto-estima tem sido de- estudar três grupos de idosos acima de 65 anos,
senvolvida positivamente com a intervenção de não aposentados, aposentados ativos e apo-
programas de exercícios físicos e esportes, ten- sentados inativos, concluiu que os aposenta-
do resultados inéditos na qualidade de vida e dos inativos possuem auto-imagem e auto-es-
bem-estar mental. O autor também coloca que tima significativamente mais baixas que os ido-
a auto-estima está correlacionada diretamente sos não aposentados e aposentados ativos,
à auto-imagem. sendo que entre esses não houve diferença sig-
Mazo (2003) realizou uma pesquisa nificativa na auto-imagem e auto-estima. O as-
sobre qualidade de vida e atividade física com pecto em que o autor encontrou maior diferen-
198 idosas participantes dos grupos de convi- ça foi no emocional, principalmente no item fe-
vência no município de Florianópolis. A autora licidade pessoal.
verificou que as idosas mais ativas possuíam Na instituição asilar foi pesquisado
melhor auto-imagem e auto-estima. apenas o item felicidade pessoal. Os idosos
Mc Auley (2000) et al. estudaram 174 possuem dificuldade física, mental e financeira
idosas participantes de um programa de exer- para manutenção de boa aparência física o que
cícios físicos durante seis meses e verificaram poderia melhorar a imagem corporal. Além do
que a atividade física influência positivamente sedentarismo, morte social, dificuldades físicas,
nos níveis de auto-estima. mentais e financeiras, freqüentemente os ido-
A atividade física, segundo Chogahara, sos apresentam quadros depressivos, diminu-
Cousins & Wankel (1998), possui influências indo a auto-estima.
sociais nos idosos e traz benefícios em relação O envelhecimento ativo deve ser con-
à família, amigos, bem estar, integração social seqüência de um envelhecimento saudável
e melhora na auto-estima. (Rodrigues, 2000). A busca do ser ativo melhora
Gaya (1985) ao pesquisar a auto-ima- o ser humano de forma global. Os movimentos
gem de cardiopatas praticantes e não pratican- corporais estão ligados ao esporte e ao exercí-
tes de exercícios físicos, utilizou o mesmo ins- cio, criando estratégias de auto-representação
trumento deste estudo em sua coleta de dados, com modificações constantes na aparência.
e verificou melhora significativa na auto-imagem Para que se possa resgatar a auto-
dos cardiopatas praticantes de exercícios físi- estima e recuperar a auto-imagem dos idosos
cos em relação aos não praticantes, resgatan- asilados é necessário retomar a cidadania, par- Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano
do a auto-imagem perdida pela doença. Eviden- ticipando de grupos de discussão, trabalho vo-
cia-se que o grupo de cardiopatas estudado pelo luntário, atividades físicas de maneira geral,
autor possui características semelhantes com fazendo se sentirem úteis para a sociedade e
o grupo de idosos asilados principalmente pela ocupando o seu tempo livre. No asilo, a partici-
presença de doenças que segundo Fox (1997), pação dos idosos em grupos fora da instituição
é um fator agravante muito importante para é inexistente, dificultando ainda mais o resgate
auto-imagem negativa. da auto-estima. Pequenas falas ou carinhos de
Em um estudo com idosos, Safons terceiros são muito importantes e gratificante
(2000) teve como objetivo verificar as contribui- para os idosos institucionalizados. A auto-esti-
ções da prática regular de atividade física para ma positiva indica bem-estar, saúde mental e
a melhoria da auto-imagem e auto-estima, os ajustamento emocional, implicando diretamen-
resultados mostraram que participar de um pro- te na satisfação com a vida.
grama regular de atividades físicas contribui de
forma significativa para a melhoria da auto-ima- CONSIDERAÇÕES FINAIS
gem e auto-estima dos idosos.
Mosquera (1976) destaca que a auto- Para os idosos, as condições ofereci-
imagem está sempre em mudança, na medida das no ambiente influenciam de forma positiva
74 Benedetti et al.

ou negativa. As instituições deveriam, propor- Fox, K. R. (1997).The Physical Self and Processes in
cionar e se preocupar em resguardar a interação Self-Esteem Development. In Kenneth R. Fox (Edi-
homem/ambiente aumentando assim, a capacida- tor). The Physical Self - From Motivation to Well-
Being. (pp. 111 - 139) E.U.A.: Human Kinetics. Cap 11.
de funcional e a capacidade emocional do idoso.
Gaya, A. C. A. (1985). Auto-imagem em adultos de
Com relação a auto-imagem e a auto- média idade, portadores ou não de cardiopatias
estima, pode-se afirmar que a proposta do pro- isquêmicas submetidos ou não a treinamento
grama de exercício físico aplicado na institui- físico sistemático. Dissertação de mestrado em
ção asilar estudada foi positiva. Embora, é difí- Educação- UFRGS, Porto Alegre, RS.
cil saber o quanto a atividade física influenciou Hasse, M. (2000). O corpo e o envelhecimento: ima-
o grupo, pois as atividades, os profissionais que gens, conceitos e representações. In: Faculdade de
ministram as aulas, entre tantos outros fatores Motricidade Humana. Envelhecer Melhor com a
que acompanham a operacionalização de um Actividade Física. (pp. 161 – 174). FMH. Lisboa.
Jordão Netto, A. (1997). Gerontologia Básica. São
programa de atividades físicas, modifica a es-
Paulo: Ed. Lemos.
trutura do ambiente em que os idosos estavam Mazo, Giovana Z. Atividade física e qualidade de vida
acostumados, e pode ser a principal causa na de mulheres idosas. Faculdade de Ciências de Des-
modificação da auto-imagem e auto-estima. portos e de Educação Física da Universidade do Por-
Verificou-se que é possível realizar um to. (Tese de doutorado) Porto - Portugal, 2003. 203 p.
trabalho físico mesmo com pessoas debilitadas, McAuley, E.; Blissmer, B.; Katula, J., Duncan, T.E. e
melhorando a sua imagem corporal. Mihalko, S.L. (2000). Physical activity, selfesteem,
A atividade física além de prevenir a and self-efficacy relationships in adults:a randomized
dependência é um estímulo para o bem estar controlled trial. Ann Behav Med. 22 (2),131-139.
Mosquera, J. J. M. (1976) Auto-imagem e auto-esti-
das idosas. Conseqüentemente, melhora a au-
ma: sentido para a vida humana. Porto Alegre:
tonomia e a independência, o que irá se refletir Estudos Leopoldenses.
em melhor auto-imagem e auto-estima. Mosquera, J. (1976). Auto-imagem e auto-estima: sen-
Portanto, são necessários investimen- tido para a vida humana. Estudos Leopoldenses,
tos para a contratação e formação de profissio- 37, 49 - 54.
nais de Educação Física preparados para atua- Papaléo Netto, M. & Borgonovi, N. (1996). Biologia e Te-
rem com idosos nas instituições asilares. orias do Envelhecimento. In M. Papaléo Netto (Org.).
Gerontologia. (pp. 44 - 59) São Paulo: Ed. Atheneu.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Rodrigues, N. C. (2000). Conversando com Nara
Costa Rodrigues sobre gerontologia social.
Born, T. (1996). Cuidado ao Idoso em Instituição. In M. Passo Fundo. UPF. Ed. 2ª.
Papaléo Netto (Org.). Gerontologia. (pp 403 - Safons, M. P. (2000). Contribuições da atividade físi-
414). São Paulo: Ed. Atheneu. ca, para a melhoria da auto-imagem e auto-esti-
Campbell, D. & Stanley, J. (1970). Delineamentos ma de idosos. Revista Digital Lecturas:
experimentais e quase-experimentais de pes- Educación Física y
quisa. São Paulo: EPU. Deportes. Buenos Aires, Año 5, N° 22, Junio 2000.
Carvalho, C.A. (1996).Tratamentos “Revolucionários”. Disponível em: http://www.efdeportes.com.
Boletim da SBGG -RJ. Ano 4 No 10, p.3. Scherrill, C. (1997). Disability, Identity, and Involvement
Chogahara, M.; Cousins, S. O.; Wankel, L. M. (1998). in Sport and Exercise. In Kenneth R. Fox (Editor).
Social Influence on Physical Activity in Older Adults: The Physical Self - From Motivation to Well-Being.
A Review. Journal of Aging and Physical Activity. (pp. 257 - 286) E.U.A.: Human Kinetics. Cap 10.
6(1) 1-17. Human Kinetics Publishers. Schilder, P. (1981). A Imagem do Corpo - As Energi-
Davis, C. (1997). Body Image, Exercise, and Eating as Construtivas da Psique. São Paulo:Martins
Behaviors. In Kenneth R. Fox (Editor). The Fontes Ltda.
Volume 5 – Número 2 – p. 69 - 74 – 2003

Physical Self - From Motivation to Well-Being. Steglich, L. A. (1978). Terceira Idade, Aposentado-
(pp. 143-174) E.U.A.: Human Kinetics. Cap 06. ria, Auto-Imagem e Auto- Estima. Dissertação
Debert, G. G. (1997). Asilos e Práticas Profissionais de Mestrado. UFRGS - Porto Alegre - RS.
para uma Velhice Adequada. Motus Corporis, Zani, R. (1998). Beleza & auto-estima. Rio de Janeiro:
4(2), 49-83. Rio de Janeiro. Revinter.

Endereço para correspondência: Recebido em 05/07/2003


Tânia Bertoldo Benedetti Revisado em 10/08/2003
Rua: Mediterrâneo, 204. Apto. 202. Aprovado em 07/10/2003
Córrego Grande – Florianópolis-SC
CEP: 88037-610
e-mail: trbbcds@yatech.net