Você está na página 1de 6

Farmacotécnica

Farmacotécnica Cápsulas duras moles (softgel) gastroresistentes ou de liberação modificada

Cápsulas duras moles (softgel) gastroresistentes ou de liberação modificada

Farmacotécnica Cápsulas duras moles (softgel) gastroresistentes ou de liberação modificada
pós Segundo a Farmacopéia Brasileira II “Pós são preparações provenientes de drogas vegetais ou minerais, assim
pós
Segundo a Farmacopéia Brasileira II
“Pós são preparações provenientes de
drogas vegetais ou minerais, assim como
substancias químicas submetidas a um
grau de divisão suficiente para assegurar
homogeneidade e lhes facilitar a
administração ou extração de princípios
ativos”
   

Formas farmacêuticas sólidas

Pós

 

Cápsulas

pastilhas

Granulados

Comprimidos

Drágeas

 

Supositórios

óvulos

 
   

Principais vantagens

Possibilidade de rápida preparação

 

Mascaramento de gosto e odor Maior estabilidade do PA Facilidade de embalagem Facilidade de absorção

 

Baixo custo de acondicionamento e transporte

CLASSIFICAÇÃO Simples – derivados de uma única droga Compostos – mistura homogênea de 2 ou
CLASSIFICAÇÃO
Simples – derivados
de uma única droga
Compostos – mistura
homogênea de 2 ou
mais substancias
INCOMPATIBILIDADES
misturas eutéticas
misturas explosivas
misturas coradas
PREPARACAO
- dessecação
- pulverização
- tamização
   
 

ALTERAÇÕES

ACONDICIONAMETO

 

ar

Potes plásticos

 

Umidade

Vidro

luz

Envelopes

Calor

Papeis

recipiente

Flaconetes Saches

   

Auxiliares –colheres, sílica

cápsulas São formas farmacêuticas constituídas de um invólucro amiláceo ou gelatinoso, contendo um ou mais fármacos
cápsulas
São formas farmacêuticas constituídas de um
invólucro amiláceo ou gelatinoso, contendo um
ou mais fármacos
VANTAGENS
Mascaramento do odor e sabor
Possibilidade de ter um invólucro gastrintestinal
Boa apresentação
Fácil administração
Rapidez na execução
Possibilidade de obtenção de pequenas
quantidades
cápsulas São formas farmacêuticas constituídas de um invólucro amiláceo ou gelatinoso, contendo um ou mais fármacos
Classificação - cápsulas duras sistema de travamento
Classificação - cápsulas duras
sistema de
travamento
Formas de cápsulas moles de gelatina
Formas de cápsulas moles de gelatina
Processo de manipulação - sólidos Pesagem Balança semi-analítica Espátulas Papel manteiga Saco plástico Calculadora Papel higiênico
Processo de manipulação - sólidos
Pesagem
Balança semi-analítica
Espátulas
Papel manteiga
Saco plástico
Calculadora
Papel higiênico
Processo de pesagem Pesar os sais Precisa e cuidadosa Tarar a balança com papel manteiga Pesar
Processo de pesagem
Pesar os sais
Precisa e cuidadosa
Tarar a balança com papel manteiga
Pesar os sais um a um
Colocar em um saco plástico e
encaminhados para tamisação e
homogeneização
   

Exemplo :

     

Cálculos

Piridoxina

60mg

Considerar o fator de correção de cada sal

 
 

Cistina

....................

...........

100mg

 

Fluoxetina base PM 309,33

Vit B12 (1:100)

100mcg

Fluoxetina cloridrato PM 345,79

Biotina (1:10)

0,2mg

FC = PM sal/

FC= 1,12

 

........

25.000UI

PM base

   

100 caps Quais são os cálculos a serem feitos.?

   

A concentração do fármaco Diluição de escala

 
formulas Cimetidina------200mg Inositol----------100mg Alcachofra-------50mg 2- capsulas dobradas Hidroxido de aluminio ------300mg Hidroxido de magnesio ----300mg Simeticine
formulas
Cimetidina------200mg
Inositol----------100mg
Alcachofra-------50mg
2- capsulas dobradas
Hidroxido de aluminio ------300mg
Hidroxido de magnesio ----300mg
Simeticine 50%------------ 100mg
Metoclopramida -------------20mg
Cálculo do Tamanho da cápsulas 000 1,37 Capacidade média em mg 0,6g/ml – 1,2g/ml Tamanho da
Cálculo do Tamanho da cápsulas
000 1,37
Capacidade média em mg
0,6g/ml – 1,2g/ml
Tamanho da cápsula
Volume em ml
822
222 - 444mg ( 250mg) 0,37 3 180 0,30 – 360mg ( 200mg) – 1644mg (750mg)
222
- 444mg ( 250mg)
0,37
3
180
0,30
– 360mg ( 200mg)
– 1644mg (750mg)
00
0,95
– 1140mg (500mg)
570
0
408
0,68
– 816mg ( 400mg)
1
300
0,5
– 600mg ( 350mg)
2
4 0,21 126 – 252mg ( 150mg )
4 0,21
126 – 252mg ( 150mg )
Método volumétrico para enchimento de cápsulas (Novos procedimentos) Pesar os componentes do receituário Medir o volume
Método volumétrico para enchimento
de cápsulas
(Novos procedimentos)
Pesar os componentes do receituário
Medir o volume em proveta (10 – 1000ml)
Bater a proveta com cuidado,
assentamento do pó
Obtido o volume, utilizar o gráfico,
selecionar o número da cápsula.
Exemplo: Gráfico
x =25ml para 30 caps
25/ 30 =0,83
0,83 0,95-0,83 =0,116 faltará para cada cápsula
0,83
0,95-0,83 =0,116 faltará para cada
cápsula
Revestimento gastroresistente Situações que se deve utilizar o revestimento gastro: PA não deve ser digerido e
Revestimento gastroresistente
Situações que se deve utilizar o
revestimento gastro:
PA não deve ser digerido e nem
degradado pelo pH ácido do estomago Ex.
pantoprazol
Fármaco é irritante a mucosa gástrica Ex.
antiinflamatórios
Fármaco produz náuseas e vômitos Ex.
ac.nicotínico
Fármaco so devera produzir seu efeito no
duodeno Ex. pancreatina
   

Homogeneização/ Tamização

 

Tamis malha de aço inox nº 40 e 50

 
Homogeneização/ Tamização Tamis malha de aço inox nº 40 e 50 Gral de porcelana Pistilo Espátula

Gral de porcelana Pistilo

Gral de porcelana Pistilo
 

Espátula

Espátula
   

Procedimento

 

Agitar o saco plástico com os PA

Verte para o Gral

 

Transferir para tamis Efetuar a tamisação com pistilo

 

Transferir para gral com pistilo fazendo 10 movimentos horários e 10 anti-horário

Utilizar a espátula repetir 6 vezes

Transferir para saco plástico, agitar

 

Analisar visualmente

Anexa o saquinho com o pó da formulação com a ficha de produção e enviá-lós para encapsulação

Fazer assepsia do material utilizado Registrar o trabalho na ficha de produção, rubricando-a.

Tipos de encapsuladoras Semi-automática (manipulação) Encapsuladora automática 10.000 cápsulas (industrial)
Tipos de encapsuladoras
Semi-automática
(manipulação)
Encapsuladora
automática 10.000
cápsulas (industrial)
Semi-automática Capacidade de produção: 1500 a 11000 cápsulas/h FABRICANTES: Capsutec: www.capsutec.com.br Erli: www.erli.com.br Gehaka: www.gehaka.com.br
Semi-automática
Capacidade de produção:
1500 a 11000 cápsulas/h
FABRICANTES:
Capsutec:
www.capsutec.com.br
Erli: www.erli.com.br
Gehaka:
www.gehaka.com.br
Excipiente para formas farmacêuticas sólidas. Talco Caulim Lactose Amido Manitol Aerosil Dilucap – excipiente padrão para
Excipiente para formas farmacêuticas
sólidas.
Talco
Caulim
Lactose
Amido
Manitol
Aerosil
Dilucap – excipiente padrão para cápsulas
Estearato de magnésio -0,05%
Aerosil 1,0%
LSS 1,0%
talco farm. 30 %
amido qsp 100%
Exceções Os sais em microgranulos ou pellets (omeprazol, lanzoprazol) Serão pesados um a um ou através
Exceções
Os sais em microgranulos ou pellets
(omeprazol, lanzoprazol)
Serão pesados um a um ou através de um
equipamento próprio
Seguindo as BPM
Supositório e óvulo Segundo a farmacopéia Brasileira: “Supositórios são formas farmacêuticas de consistência firme,forma cônica ou
Supositório e óvulo
Segundo a farmacopéia Brasileira:
“Supositórios são formas farmacêuticas de
consistência firme,forma cônica ou ogival,
destinadas a aplicação retal, obtidas por
solidificação ou compressão, em moldes
de massa adequada, encerrando
substancias medicamentosas.”
Supositórios Ação local ou sistêmica Óvulos – aplicação vaginal ou uretral, possuem a forma ogival. Preparados
Supositórios
Ação local ou sistêmica
Óvulos – aplicação vaginal ou uretral,
possuem a forma ogival. Preparados da
mesma forma que os supositórios.
   

Excipientes

Devem ter sete características básicas:

 

1- inertes farmacologicamente

 

2- temperatura de fusão deve ser próxima a do corpo

3- Deve ter boa apresentação em relação a temperatura e ao oxigênio

4- Aspecto homogêneo

 

5- Viscosidade adequada 6- Não irritarem 7- Boa absorção de água

   

Excipientes mais utilizados

 

Lipossolúveis – devem fundir a

 

temperatura inferior a 37 graus, em 10 min.

Ex.: manteiga de cacau

Hidrossolúveis – mucosa – originam emulsões O A.

Hidrossolúveis – mucosa – originam emulsões O A.
 

Ex.: gelatina,estearato de sódio, PEG

300

...

Adjuvantes Agentes emulsificantes – LSS e estearato de sódio (emulsão O A) e lanolina A O
Adjuvantes
Agentes emulsificantes – LSS e estearato
de sódio (emulsão O A) e lanolina A O
Corretivos do ponto de fusão – ceras,
espermacetes e parafina – elevar.
Reduzir – glicerina, água e sorbitol.
Corretivo de cor – estético
Estabilizantes e conservantes
antioxidantes
Preparação Fusão e solidificação – os excipientes são fundidos, recebem em seguida o PA e são
Preparação
Fusão e solidificação – os excipientes são
fundidos, recebem em seguida o PA e são
colocados nos moldes.
Compressão – por meio de equipamentos
adequados, o PA é misturado ao veiculo e
faz-se a compressão.
Acondicionamento Embalados um a um em invólucro de papel impermeável, celofane e alumínio.
Acondicionamento
Embalados um a um em invólucro de
papel impermeável, celofane e alumínio.
   

Referência bibliográfica

 

FERREIRA,O.ANDERSON. Guia Prático de Farmácia Magistral.Juiz de Fora, 2000.

 

Farmacopeia Brasileira. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Comissão Permanente de Revisão da Farmacopéia Brasileira .

JUDITH E. THOMPSON. PRÁTICA FARMACÊUTICA NA MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS; Editora:ARTMED;

 

Edição:1;2006.