Você está na página 1de 29

CRIAÇÃO DE UM GRUPO

INTERDISCIPLINAR
Medidas estratégicas e
reconhecimento de limitações
na formação e desenvolvimento
de um grupo e sua filosofia

Monografia de Conclusão do
Curso de Especialização em Envelhecimento e Saúde do Idoso
promovido pelo CIAPE:
Centro Interdisciplinar de Assistência e Pesquisa em Envelhecimento

JADER SANTOS ANDRADE


Junho de 2005
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO
JUSTIFICATIVA
OBJETIVOS
METODOLOGIA
RESULTADOS
DISCUSSÃO
CONCLUSÃO
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 RESULTADOS

♦ O convite
♦ A força que veio de fora
♦ Começando a construção do
trabalho grupal
♦ A primeira experiência
♦ O acaso. Acaso ?
♦ Lavras
♦ Iris
♦ Introspecção
♦ “Decisões no contexto da
terminalidade”
♦ Atividades didáticas
♦ Dinheiro a vista!
♦ Integração
♦ Estatuto do Idoso
♦ Definindo um rumo
♦ Vila Vicentina
♦ Reavaliação
INTRODUÇÃO
Em qualquer hipótese convém ter presente
que a interdisciplinaridade jamais será a
destruição do limite, desde que o limite não
se reduza à fronteira fechada, hostil às
relações de vizinhança. Ela deve ser a valorização
da linha divisória enquanto enlace, terra de parceria
e de cumplicidade produtivas. O que acontecerá
sempre que a interdisciplinaridade souber se deslocar
do território da concorrência para a terra da
complementaridade. Por isso o projeto da
interdisciplinaridade inclui todo um esforço
de desterritorialização. (Portella, 1995) 36
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Antiguidade

– Séc. XIX: positivismo/reducionismo


(fragmentação do saber)

– Séc. XX (final da década de 50)


(compreensão do movimento)
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Minayo/ Gomes 18 (Interdisciplinaridade na saúde
pública: um campo em construção, 1994)

• “necessidade imposta pelos complexos


problemas que são colocados para a ciência
e que não são respondidos por enfoque
unidisciplinar ou pela justaposição de várias
disciplinas” (Gusdorf)
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Minayo/ Gomes 18 (Interdisciplinaridade na saúde
pública: um campo em construção, 1994)

• “um processamento funcional, uma


tecnologia que poderia garantir a expansão
de práticas operatórias comprometidas com
a transformação do real em objetividade”
(Carneiro Leão)
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Minayo/ Gomes 18 (Interdisciplinaridade na saúde
pública: um campo em construção, 1994)

• “a filosofia estaria ampliando sua atividade


num labor cooperativo, fazendo a mediação
entre a filosofia e as ciências, entre a cultura
sofisticada dos especialistas nas ciências e
técnicas e o mundo vital” (Habermas)
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Conceito
• Disciplina: “um corpo específico de
conhecimento passível de ensinar-se, com
todo seu conteúdo técnico a ele
relacionado”.
• Delkeskamp, 1977 –( Woollcott 1 ): interação
entre duas ou mais diferentes disciplinas,
variando de uma simples comunicação de
idéias a uma integração mútua de conceitos,
metodologia, procedimentos, epistemologia,
terminologia e informações principalmente.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Conceito
• Mariano 6, 1989
– Como desenvolver nos membros de um
grupo habilidades para trabalhar
colaborativamente ?
– O que seria uma equipe interdisciplinar ?
– Que habilidades e que conhecimento
teórico facilitariam a interdisciplinaridade
?
– A interdisciplinaridade seria um desafio
às normas e valores de cada profissão ?
– Existiriam facilitadores institucionais e
barreiras à prática de
FRACASSO SUCESSO

Características
de Funcionalidade

 Compreensão da
definição de
interdisciplinaridade

Correta negociação entre


os integrantes
- papel claro
CAPACIDADE DE
COMPARTILHAR

AUTONOMIA

RELAÇÕES ENTRE
PROFISSIONAIS

NÍVEL DE COMPLEXIDADE DO
CUIDADO DE SAÚDE
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Relações entre profissionais
• paralela: coordenação verticalizada, papéis
definidos
• colaboração: nível alto de autonomia
• consultoria: multiprofissional (...
interdisciplinar)
• coordenação: administrador/líder  EQUIPE
• prática intedisciplinar: multiprofissional -
“saberes disciplinares”
• prática transdisciplinar: “saberes
individuais”
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Como acontece ?
• “agir comunicativo” (Habermas 31)
FALA AÇÃO

COMUNICAÇÃO CORREÇÃO DE
VALIDADE NORMAS
SINCERIDADE E AUTENTICIDADE
VERDADE DAS AFIRMATIVAS
Protocolo Comunicação
CONSENSO

TOMADA DE
DECISÕES

INTEGRAÇÃO
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Como acontece ?
• Entender a integração interdisciplinar
é “passar por um processo reflexivo
consciente, que envolve relações de
compromisso entre profissionais de
saúde em relação ao cliente idoso e
seus familiares, articulando uma
finalidade comum do atendimento à
saúde na área da gerontologia”33
.(Camacho)
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Desenvolvimento
• Identificação clara dos objetivos que
motivam a intervenção da equipe, no
tratamento do paciente;
• Definição do papel de cada membro;
• Cumprimento das tarefas designadas;
• Participação ótima no trabalho;
• Trabalho sempre cooperativo e dinâmico,
com a participação de todos os membros
do grupo, norteados por um propósito
comum.

PALMER, S; CONN, L; SIEBENS, AA et al. Psychosocial services in rehabilitation


medicine: an interdisciplinary approach. Arch Phys Med Rehabil,
Rehabil, 66(10):690-2,
1985.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Desenvolvimento
• Papel do líder
– Deverá sempre desenvolver uma meta
comum;
– Criar um ambiente aberto e seguro;
– Incluir todos que partilham de um ideal
comum e encorajar diversos pontos de
vista;
– Aprender a negociar acordos;
– Insistir na justiça e equidade na
aplicação de regras.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– O que há de comum entre os
integrantes ?
• Identificar a personalidade do paciente e
sua maneira de lidar com recursos que
têm;
• Identificar as habilidades do paciente e a
rede social que o apóia ;
• Adequar as informações que obtiver ao
todo, por definir suas próprias tarefas e por
assegurar que elas sejam levadas em
consideração.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Médico
• Esclarecer as limitações impostas pela
doença do paciente, suas conseqüências e
influências na perda de funções do sistema
envolvido, bem como nos outros sistemas
já afetados pelo envelhecimento;

• Promover “screening” de patologias


próprias da idade e determinar as
intervenções para prevenção secundária.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Enfermeira
• Instruir a equipe sobre medicação, hábitos
urinários e intestinais, higiene,
alimentação, integração social e sobre
outras rotinas, buscando um equilíbrio
entre o estado de saúde desejável e o que
se pode ter.

• No ambiente hospitalar, direcionar


determinados pacientes para avaliação
interdisciplinar em gerontologia.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Fisioterapeuta
• Atua melhorando o desempenho músculo-
esquelético.

– Terapeuta ocupacional
• Informa sobre visão, audição,
propriocepção, habilidade músculo-
esquelética e melhora a capacidade do
paciente em desempenhar atividades de
vida diária.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade

– Assistente social
• Estabelece o contato com a família,
verifica suas condições sócio-econômicas e
o ambiente doméstico.

– Psicólogo
• Avalia o estado mental e a capacidade de
entendimento e educação do paciente.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– Farmacêutico
• Analisa a interferência das drogas em uso
no estado de saúde do paciente.

– Nutricionista
• Indica a dieta necessária.

• Na dependência do número de
participantes da equipe outras
funções serão acrescidas.
INTRODUÇÃO
• Interdisciplinaridade
– O trabalho em si:
• Estabelecimento de metas de curto e longo
prazo, formalizando um plano de cuidados;

• Reavaliações, baseando-se no intercâmbio


que promovido entre si, no real estado de
saúde do paciente, no prognóstico médico,
focando intervenções para os problemas e
disfunções dos pacientes avaliados.
JUSTIFICATIVA
• A excelência da interdisciplinaridade !

• É importante ajudar a criar condições


para que o outro possa atingir um estado
de bem-estar global. Este objetivo é
impossível de ser atingido de forma
unidisciplinar ou multidisciplinar não
integrada, por que se vai continuar
tratando apenas doença e disfunção,
sem se fornecer suporte para um
indivíduo que não é apenas um
determinado órgão ou membro doente
ou disfuncional, mas um ser holístico.
OBJETIVOS
• Formação de subsídio para trabalho
grupal;

• Identificação de estratégias e
limitações no desenvolvimento do
trabalho e relacioná-las ao a
filosofia grupal.
METODOLOGIA
• Convite aos diversos profissionais;

• Fundamentação teórica
– Base de dados:
• BIREME – MedLine e LILACS
RESULTADOS
• O convite
• A força que veio de fora
• Começando a construção do trabalho grupal
• A primeira experiência
• O acaso. Acaso ?
• Lavras
• Iris
• Introspecção
• “Decisões no contexto da terminalidade”
• Atividades didáticas
• Dinheiro a vista!
• Integração
• Estatuto do Idoso
• Definindo um rumo
• Vila Vicentina
• Reavaliação