Você está na página 1de 28

Trajados a

rigor
A moda no século XIX
Início do século XIX
“Nenhuma pessoa, de qualquer sexo, poderá obrigar nenhum cidadão a vestir-se de uma maneira determinada, sob a pena de ser considerada e
tratada como suspeita e perseguida como perturbadora da ordem pública: cada um é livre para usar a roupa e adorno de seu sexo que deseje."

Trecho do Decreto do Governo Revolucionário, 1793, França

O trecho acima representa muito bem um dos ideais que faziam parte da Revolução Francesa.

Ela culminou na transformação radical da sociedade daquele


período. Após uma época de luxos e excessos, associar esta
ostentação ao visual e às roupas era agora indesejável.

Com isso vamos ter um período em que a França cederá seu posto de referência de moda para a
Inglaterra.
O início do século XIX será marcado por uma silhueta no mínimo curiosa e
com inspiração na Antiguidade Clássica, extremamente confortável e
totalmente contrastante com o que se vinha usando até então.
O visual feminino poderia ser assim definido:

Vestidos de musseline ou cambraia, muito fluidos (espécie de camisolas);

Cintura abaixo dos seios;

Penteados simples e naturais;

As retícules ou ridicules;

O xale, de caxemira;
Já o trajo masculino adquiriu as seguintes características:

• Alfaitaria tipo inglesa (xadrezes e casacas);

• Calças de casimira;

• Botas de montaria;

• Lenços volumosos no pescoço;

• Penteados simples e naturais.


1820-1840 - Romantismo
O período romântico no século XIX irá definir uma transformação gradual no visual anterior, a moda império.

Há a volta da influência francesa para os trajes femininos, enquanto que os ingleses continuam definindo as regras para o
masculino.

De modo geral a roupa feminina ganha as seguintes variações:

• Silhueta fluida, porém mais ornamentada;

• Diminuição do comprimento dos vestidos;


• Mangas bufantes, que se iniciam curtas e aumentam de volume depois (manga pernil);
• Penteados anelados;
• Maquilhagem discreta, quase natural, com rosáceas nas maçãs do rosto;
• Joiás como complemento dos decotes, sempre rebaixados e com ombros caídos;
• Cintura volta para o seu lugar, com uso do corpete;
• Chapéu boneca;
• Leques;
• Sapatos de salto baixo e ponta arredondada.
Moda masculina
O Dandy era de certa forma:

Austero e imponente, educado e sofisticado;

Roupas extremamente justas faziam parte do seu look: calça, camisa e colete;

Golas altas e engomadas;

A cartola;

A barba.
O Dandismo é muito importante para a moda, pois institui o conceito de "ter estilo".
Independente de aspectos relacionados com a nobreza ou com o status familiar, vai
ao encontro do apuro estético na escolha do que vestir e da forma como se comportar.
1840 – 1860
Após um período em que a imagem é suavizada e simplificada, temos novamente na história uma época de
excessos e grandes volumes. É o período Vitoriano, que tem este nome em função da rainha Vitória, monarca da
Inglaterra neste período.

O ideal feminino que passa a ser seguido é:


. Vestidos extremamente volumosos;
. O espartilho, agora mais ajustado à cintura, chegando
inclusivamente a deformá-la;
. As mangas extremamente justas e compridas,
enfatizando os ombros caídos;
. Cabelos cacheados;
. Xales e chapéu grandes decorados eram os
acessórios preferidos;
. Maquilhagem pálida com boca e olhos
extremamente marcados.
O vestuário masculino tornava-se
cada vez mais sóbrio:

Traje de alfaiataria clássica


(fraque, casaca, colete e calça);

Sapatos bicolores;

A cartola;
Barba grande e bigode ;

Bengala, guarda-chuva e lenço.


Meados do século XIX
A partir de 1870
• Somente no final do período vitoriano é que vamos ter uma diminuição do volume dos vestidos, que
passam a ser mais rectos na frente e mais volumosos atrás, com o uso das famosas anquinhas.
Evolução da
moda feminina
(século XIX)
1809 - Império 1830 – Romântico 1850 – Vitoriano 1895 – Belle Époque
Curiosidades
Charles Frederick Worth (1825- 1895) é
considerado o primeiro grande criador de
moda.
O uso do espartilho
Os chapéus
Os bailes
Jóias