Você está na página 1de 26

Biodegradação do

Petróleo

Aluna: Monique Vital de Lima


Disciplina: Rochas Geradoras
Definição
• A biodegradação é o processo natural de transformação de compostos orgânicos
em compostos simples. Ocorre no meio ambiente pela ação de seres vivos,
principalmente das bactérias, dos fungos e das algas;
• A maior parte do petróleo do mundo é total ou parcialmente biodegradado em
reservatórios e este processo pode levar milhões de anos para ocorrer (HEAD,
2003).
• Prever e medir a extensão da biodegradação é muito importante para avaliar a
possibilidade de desenvolvimento de um campo.
Composição Química do Petróleo
• Formado a partir do craqueamento térmico do querogênio, é uma mistura
complexa de hidrocarbonetos alifáticos, aromáticos e naftênicos, além de outros
compostos contendo enxofre, oxigênio, nitrogênio e metais, como níquel e
vanádio.
• Essa mistura possui uma predominância de hidrocarbonetos.
Composição Química do Petróleo
• Compostos importantes. São biomarcadores comumente analisados.
Como Ocorre a Biodegradação
• Ocorrem reações de oxirredução. As cadeias carbônicas são utilizados pelos
microrganismos como fonte de energia (doadores de elétrons), enquanto os
nutrientes (oxigênio molecular, nitratos, sulfatos ou íon férrico) são necessários como
receptores de elétrons para a atividade microbiana.
• Ao final do processo de biodegradação os compostos são transformados em
metabólitos, tais como ácidos orgânicos e/ou CO2 .
• Ocorre, normalmente, em reservatórios localizados em áreas em contato com águas
meteóricas. Essas águas meteóricas carregam certos micro-organismos aos
reservatórios juntamente com oxigênio e nutrientes (AZEVEDO, 2009)
Mecanismo esquemático do processo de biodegradação em um
reservatório de petróleo
• O petróleo pode sofrer processos de alteração resultantes de degradação aeróbica
(condições óxicas) ou anaeróbica (condições anóxidas) por micro-organismos nos
reservatórios. Existem também micro-organismos facultativos que adaptam seus
metabolismos em função do meio ambiente.
• Os anaeróbicos utilizam sais inorgânicos (nitratos, sulfatos, etc.) como receptores
finais de elétrons.
• De um modo geral, a biodegradação ocorre devido a presença de bactérias e
arqueias (ANGOLINI, 2014).
• A velocidade da degradação causada pelas bactérias aeróbicas é maior
(tempos geológicos diferentes), mas, seu efeito não alcança grandes
profundidades no reservatório, porque a água que transporta o oxigênio,
nem sempre encontra boa permeabilidade na rocha.
• Os processos de biodegradação com bactérias anaeróbicas, apesar de ser
mais lento, são os principais responsáveis pela degradação da maior parte do
petróleo no reservatório, por que eles têm mais zonas de oxidação.
• Esses dois micro-organismos complementam um ao outro sem sobreposição.
Os componentes do petróleo que são resistentes para os aeróbios podem ser
facilmente biodegradados pelos anaeróbios e vice e versa.
Condições Necessárias
• Presença de aceptores de elétrons (ex., oxigênio molecular, nitratos,
sulfatos, íons férricos) e nutrientes inorgânicos (ex., fósforo, traço de
metais);
• Rocha geradora deve ter porosidade e permeabilidade suficientes para
permitir a difusão de nutrientes e mobilidade de microrganismos;
• Temperatura do reservatório não deve ultrapassar 80 ºC;
• Salinidade da água de formação deve estar na faixa de 100-150 ‰
Mudanças na Composição Química do Petróleo
• A biodegradação é seletiva, ocorre inicialmente pela perda de compostos mais
leves (n-alcanos de baixa massa molecular) seguida de compostos de maior
massa molecular (aromáticos).
• Leva a uma diminuição do teor de hidrocarbonetos saturados e do grau API e a
um progressivo aumento do conteúdo de asfaltenos, aumentando a densidade,
do teor de alguns metais, do teor de enxofre, da acidez (formação de ácidos
carboxílicos e fenóis) e da viscosidade, aumenta o custo de produção e refino de
petróleo.
Via Metabólica de
Biodegradação aeróbia
de Hidrocarbonetos
Via Metabólica de
Biodegradação aeróbia
de Aromáticos
Biodegradação Anaeróbica
• O conhecimento das rotas de biodegradação para anaeróbios é limitado.
• Os compostos são sucessivamente oxidados, os produtos de cada etapa de
oxidação atuam como substratos nas etapas seguintes, até que a matéria orgânica
seja completamente degradada a biogás.
Escalas de Biodegradação PETERS e MOLDOWAN
Biomarcadores
• Os biomarcadores mais comumente analisados no petróleo pertencem às classes
dos terpanos tricíclicos, pentacíclicos (hopanos) e dos esteranos.
• Hopanos são desmetilados formando-se 25-nor-hopanos, são compostos
característicos de óleos biodegradados.
Um dos principais produtos gerados a partir da biodegradação dos terpanos
tricíclicos, hopanos e esteranos são seus correspondentes ácidos.
Análise da Biodegração Com a Cromatografia
Curva na linha base do cromatograma mais conhecida como mistura complexa de
compostos não-resolvidos (Unresolved Complex Mixture -UCM)
Elevação da linha de base devido à predominância de compostos de maior massa
molecular que não foram resolvidos cromatograficamente.
Foi observada uma nítida diminuição da abundância dos n-alquilciclohexanos com
o aumento da extensão da biodegradação.
CONCLUSÃO
• Em condições adequadas de temperatura (até 80 °C), nutrientes inorgânicos e
aceptores de elétrons, o petróleo em reservatórios é muitas vezes degradado
biologicamente, em escalas de tempo geológico, por microrganismos que
destroem hidrocarbonetos e outros componentes, produzindo novos compostos
que modificam as propriedades físicas do óleo transformando-o em “óleo
pesado“, diminuindo seu valor econômico. Como a maior parte do petróleo do
mundo é biodegradado, alternativas para a recuperação desses “óleos pesados”
estão sendo continuamente avaliadas.
REFERENCIAS
• Cruz, G.F., Marsaioli, A.J. PROCESSOS NATURAIS DE BIODEGRADAÇÃO DO
PETRÓLEO EM RESERVATÓRIOS.
• Azevedo, D.A. AVALIAÇÃO GEOQUÍMICA DE BIOMARCADORES OCLUÍDOS EM
ESTRUTURAS ASFALTÊNICAS
• Berg, M.M. CARACTERIZAÇÃO GEOQUÍMICA DE ÓLEOS DO BRASIL E DO
MÉXICO ATRAVÉS DE BIOMARCADORES MOLECULARES USUAIS E NÃO
USUAIS POR CROMATOGRAFIA GASOSA BIDIMENSIONAL ABRANGENTE
ACOPLADA POR ESPECTROMETRIA DE MASSAS POR TEMPO DE VOO
• NOTAS DE AULA