Você está na página 1de 65

COMUNICAÇÕES POR SATÉLITE –

PARÂMETROS E CARACTERÍSTICAS II
TEMAS DESTA AULA

1.Características dos sistemas de


telecomunicações por Satélite

2.Projeto e análise de enlaces por satélite


Comunicações por Satélite

Exercício 1
Quais os elemento básicos que constituem
um sistema de telecomunicações por
satélite?
Comunicações por Satélite
Solução do Exercício 1
Um sistema de telecomunicações por satélite consiste de,
basicamente, três seções:
• Um enlace de subida (up-link);
• Um transponder do satélite;
• Um enlace de descida (down-link).
Deve ser também considerada a interligação do sistema por satélite
com as demais redes de telecomunicações.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 1 (continuação)


Comunicações por Satélite

Exercício 2
Qual a constituição básica de uma estação
terrena transmissora (up-link) de satélite?
Comunicações por Satélite
Solução do Exercício 2
Uma típica estação terrestre transmissora (up-link) em sistema de
satélite é constituída pelos seguintes elementos:
• Modulador de frequência intermediária, FI;
• Conversor (up-converter) de micro ondas de FI para radio
frequência, RF;
• Amplificador de alta potência, HPA – High Power Amplifier;
• Filtro de saída passa faixa.
Comunicações por Satélite

Estação terrena transmissora (up-link) de sistema de


telecomunicações por satélite
Comunicações por Satélite

Exercício 3
Qual a constituição básica de uma estação
terrena receptora (down-link) de satélite?
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 3
Uma típica estação terrestre receptora (down-link) em sistema de
satélite é constituída pelos seguintes elementos:
• Filtro passa baixa;
• Amplificador de baixo ruído, LNA;
• Misturador de frequências;
• Oscilador local em 4 ou 12 GHz;
• Demodulador.
Comunicações por Satélite

Estação terrena receptora (down-link) de sistema de


telecomunicações por satélite
Comunicações por Satélite

Exercício 4
Qual a constituição básica de um transponder
de satélite de telecomunicações?
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 4
Um transponder típico de satélite é constituído por:
• Amplificador de baixo ruído
• Misturador de frequência;
• Oscilador local;
• Filtro passa faixa;
• Amplificador de potência.
Comunicações por Satélite

Transponder de satélite de telecomunicações


Comunicações por Satélite

Exercício 5
Quais as vantagens da operação de um satélite de
telecomunicações em órbita geo síncrona ou geo
estacionária?
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 5
Vantagens da órbita geo estacionária:
• O satélite permanece aparentemente fixo, para uma dada
estação terrena, dispensando mecanismos de
acompanhamento (tracking), complexos e de alto custo;
• Não requer comutação entre satélites, conforme orbitam,
mantendo a continuidade das comunicações;
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 5 (continuação)


Vantagens da órbita geo estacionária:
• Satélites em órbitas geo estacionárias de elevada altitude
apresentam uma área de recobrimento (foot-print) muito
maior que satélites de baixa órbita;
• Os efeitos do desvio Doppler são desprezíveis.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 5 (continuação)


Comunicações por Satélite

Exercício 6
Quais as desvantagens da órbita geo
estacionária em satélites de telecomunicações?
Comunicações por Satélite
Solução do Exercício 6
As desvantagens da operação em órbita geo estacionária
são:
• Devido à elevada altitude de operação (cerca de 36.000
km), os retardos de propagação são elevados, da ordem
de 500 ms a 600 ms, para uma comunicação de ida e
volta (round-trip delay);
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 6:
continuação
Retardo de propagação
(round-trip delay)
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 6: continuação


• Devido às maiores distâncias envolvidas, são necessários
amplificadores de baixo ruído (maior sensibilidade) e
maiores potências de transmissão;
• Requer-se elevada capacitação da mão de obra para
posicionamento e operação do satélite;
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 6: continuação


• Para manter-se o satélite em posição, à despeito das
forças opositoras, requer-se a utilização de foguetes
no corpo do satélite e combustível.
Comunicações por Satélite

Exercício 7
Como se classificam os satélites quanto à
estabilização?
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 7
Existem dois tipos básicos de satélites, quanto à
estabilização:
• De rotação (cylindrical spin-stabilized);
• Estabilização de três eixos(three axis stabilized).
Comunicações por Satélite
Solução do Exercício 7 (continuação)

Cylindrical spin-stabilized Three axis stabilized


Comunicações por Satélite

Exercício 8
Como é feita a estabilização dos satélites de
rotação e de três eixos?
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 8
a) Estabilização por rotação cilíndrica (cylindrical spin-stabilized): o
corpo do satélite tem forma cilíndrica e roda à uma taxa de cerca
de 30 rpm (rotações por minuto). As antenas são diretivas e,
portanto, são montadas em uma plataforma que compensa a
rotação do corpo do satélite e as mantém continuamente
apontadas para a superfície da terra. O corpo do satélite é
recoberto de placas solares.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 8 (continuação)


Cylindrical spin-stabilized

Painéis solares
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 8
b) Estabilização em três eixos (Three axis stabilized): o
satélite mantém-se estacionário, com as antenas fixas
apontando para à superfície da terra. Um conjunto de
giroscópios à bordo do satélite mantém a estabilização
em órbita nos três eixos, x, y e z.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 8 (continuação)


Uma vantagem da estabilização por três eixos é que não são
necessários os mecanismos de rotação e compensação da
rotação da solução “spin”, possibilitando um dispositivo mais
simples, mais leve para o lançamento e com um maior número
de painéis solares expansíveis, que giram para acompanhar a
máxima iluminação do Sol.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 8 (continuação)

Three axis stabilized


Comunicações por Satélite

Exercício 9
Quais os fatores limitantes da separação espacial
necessária para a operação simultânea de
diversos satélites em órbita geo estacionária?
Comunicações por Satélite
Solução do Exercício 9
Os fatores limitantes do número de satélites são:
a) A largura de feixe de 3 dB e dos lóbulos secundários do
diagrama de radiação, tanto da antena da estação terrena
quanto do satélite;
b) A potência e a frequência da portadora;
c) As técnicas de codificação e modulação utilizadas;
d) Os níveis aceitáveis de interferência.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 9
(continuação)
Comunicações por Satélite

Exercício 10
Quais as perdas de propagação por espaço
livre estimadas para as bandas C e Ku?
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 10
A Equação da Atenuação por Percurso em Espaço Livre, L0,dB, é:

𝑳𝟎,𝒅𝑩 = 𝟗𝟐, 𝟒 + 𝟐𝟎 × 𝒍𝒐𝒈𝟏𝟎 𝒇𝑮𝑯𝒛 × 𝒅𝒌𝒎

Onde:
fGHz: frequência de operação em GHz;
dkm: distância entre as antenas, em km.
Comunicações por Satélite
Solução do Exercício 10
Para uma distância Terra – satélite de 40.000 km e
frequência de operação em Banda C de 6 GHz:
• Atenuação para enlace terra-satélite em banda C:
L0,C,dB = 92,4 dB + 20 x log10(6 x 40.000) = 200 dB.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 10
Para uma distância Terra – satélite de 40.000 km e
frequência de operação em Banda Ku de 14 GHz:
• Atenuação para enlace terra-satélite em banda Ku:
L0,Ku,dB = 92,4 dB + 20 x log10(14 x 40.000) = 207 dB.
Lembre que este deverá ser sempre um valor negativo!
Comunicações por Satélite
Solução do Exercício 10 (continuação)7
Estes valores, 200 dB para Banda C e 207 dB para banda Ku,
servem apenas como referência, para um enlace com
40.000 km de distância no up-link.
Não estão sendo consideradas as atenuações adicionais
tais como: despolarização, atenuação por hidro meteoros e
cintilação.
Comunicações por Satélite

Exercício 11
O que é a interferência solar em enlaces
terra – satélite?
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 11
Em locais na região dos trópicos, em dois períodos do ano, em abril e
em setembro, ocorre o fenômeno do eclipse solar no satélite. Durante
um período de 5 a 6 dias, ao longo de até quinze minutos nesses dias,
o sol posiciona-se exatamente atrás do satélite para uma dada
estação terrena. Considerando-se que o Sol é uma fonte de ruído de
amplo espectro e elevada intensidade, as comunicações são
interrompidas no período citado.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 11
(continuação)
Comunicações por Satélite

Exercício 12
Uma antena com refletor parabólico e seção
circular com 4,0 metros de diâmetro e 60% de
eficiência é utilizada em um enlace em banda C.
Determine o Ganho, em dBi, dessa antena.
Considere o up-link e o down-link.
Comunicações por Satélite
Solução do Exercício 12
O ganho, G, de uma antena com refletor parabólico
e seção circular é dado por:

4×𝜋×𝐴×𝜌
𝐺= 2
𝜆
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 12 (continuação)


Onde:
G: ganho da antena. NÃO É EM dB!!!!!!!!!!!!!!!!!
A: área da seção reta do refletor. Para um refletor circular A = π x r2,
onde “r” é o raio do refletor.
ρ: eficiência do refletor (entre 55% a 65%, em antenas comerciais);
λ: comprimento de onda de operação = 0,3 / fGHz.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 12 (continuação)


O ganho de antena é geralmente expresso em
dBi por:

GdBi = 10 x log10(G)
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 12 (continuação)


a) Para banda C, up-link, em 6 GHz, eficiência de 60%:
GdBi = 10 x log10(4 x π x π x r2 x ρ/ λ2) = 10 x log10(4 x π x π x r2 x
ρ/ (0,3 / fGHz)2] = 10 x log10(4 x π x π x 22 x 0,6 / (0,3 / 6)2] =
= 10 x log10(37.900) = 45,8 dBi.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 12 (continuação)


b) Para banda C, down-link, em 4 GHz, eficiência de 60%:
GdBi = 10 x log10(4 x π x π x r2 x ρ/ λ2) = 10 x log10(4 x π x π x r2 x
ρ/ (0,3 / fGHz)2] = 10 x log10(4 x π x π x 22 x 0,6 / (0,3 / 4)2] =
= 10 x log10(16.844) = 42,3 dBi.
Comunicações por Satélite

• O ganho de uma antena com refletor parabólico e seção


circular com 4,0 metros de diâmetro, eficiência de 60%,
em 6 GHz é 45,8 dBi.
• O ganho de uma antena com refletor parabólico e seção
circular com 4,0 metros de diâmetro , eficiência de 60%,
em 4 GHz é 42,3 dBi.
• Uma redução de 3,5 dB no ganho em relação ao up-link.
Comunicações por Satélite

Exercício 13
Uma antena com refletor parabólico e seção
circular com 4,0 metros de diâmetro e 60% de
eficiência é utilizada em um enlace em banda Ku.
Determine o Ganho, em dBi, dessa antena.
Considere o up-link e o down-link.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 13
a) Para banda Ku, up-link, em 14 GHz, eficiência de 60%:
GdBi = 10 x log10(4 x π x π x r2 x ρ/ λ2) = 10 x log10(4 x π x π
x r2 x ρ/ (0,3 / fGHz)2] = 10 x log10(4 x π x π x 22 x 0,6 / (0,3
/ 14)2] = 10 x log10(206.340) = 53,1 dBi.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 13 (continuação)


b) Para banda Ku, down-link, em 12 GHz, eficiência de 60%:
GdBi = 10 x log10(4 x π x π x r2 x ρ/ λ2) = 10 x log10(4 x π x π x
r2 x ρ/ (0,3 / fGHz)2] = 10 x log10(4 x π x π x 22 x 0,6 / (0,3 /
12)2] = 10 x log10(151.597) = 51,8 dBi.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 13 (continuação)


O ganho de uma antena com refletor parabólico e seção circular com
4,0 metros de diâmetro, eficiência de 60%, em 14 GHz é 53,1 dBi.
O ganho de uma antena com refletor parabólico e seção circular com
4,0 metros de diâmetro, eficiência de 60%, em 12 GHz é 51,8 dBi.
Uma redução de 1,3 dB no ganho em relação ao up-link.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 13 (continuação)

Diâmetro = 4 metros, eficiência = 60%.

Ganho, dBi Up-link Down-link

Banda C 45,8 42,3

Banda Ku 53,1 51,8


Comunicações por Satélite

Exercício 14
Uma estação terrena opera em Banda Ku, antena transmissora com
refletor parabólico de seção circular com 4,0 metros de diâmetro,
eficiência de 60% e potência de saída do transmissor de 12 watts. As
perdas por dispositivos (guias, circuladores) é de 1,2 dB.
Considere apenas a perda por percurso no espaço livre, no up-link, e
a distância até o satélite de 40.000 km.
Comunicações por Satélite

Exercício 14 (continuação)
Determine:
a) A EIRP, em dBW e dBk, desta estação;
b) O sinal recebido pelo satélite, em dBm,
considerando-se que o ganho da antena
receptora no satélite é de 29 dBi.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 14
A Potência Efetivamente Irradiada em Relação à
Isotrópica de uma estação transmissora é dada por:

EIRPdBW = PtdBW + GtdBi + AtdB


Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 14 (continuação)


Onde:
EIRPdBW: potência efetivamente irradiada em relação à isotrópica,
em dBW;
PtdBW: potência de saída do transmissor, em dBW;
AtdB: somatório das atenuações por descasamento, guias de onda,
circuladores e outros dispositivos.
Comunicações por Satélite

Solução do Exercício 14 (continuação)


a) 12 W = 10 x log10(12) = 10,8 dBW
EIRPdBW = 10,8 dBW + 53,1 dBi – 1,2 dB = 62,7 dBW
EIRPdBk = 62,7 dBW – 30 dB = 32,7 dBk
A potência EIRP da estação terrena é de 62,7 dBW ou
32,7 dBk.
Comunicações por Satélite

b) PrdBm = EIRPdBW + GR,dBi + L0,dB + 30 dB =


= 62,7 dBW + 29 dBi – 207 dB + 30 dB = –85,3 dBm.
A potência recebida pelo satélite, nas condições
dadas, é de –85,3 dBm.
Este é um valor apenas de referência.
Comunicações por Satélite

No Youtube procure pelo autor


Manoel Navas os seguintes
assuntos:
• O decibel • Ruído térmico
• dBm e dBW • Temperatura de ruído
• Relação sinal ruído
• Sinal mínimo de recepção
Comunicações por Satélite

Referências
• INTELSAT – Earth Station Technology.
• TOMASI, Wayne. Advanced Electronic Communication Systems.
Prentice Hall.
• HAYKIN, Simon e MOHER, Michael. Introdução aos sistemas de
Comunicação. Bookman.
• Wikipedia.
Comunicações por Satélite

Referências
NAVAS, Manoel Gibson Maria Diniz, Medidas em
Telecomunicações e Eletrônica. Rio de Janeiro: Ed. SENAC Rio
de Janeiro, 2015.
Obrigado!