Você está na página 1de 15

UNIDADE II

1. Defina diagrama de radiação


É uma função matemática ou representação gráfica das propriedades de radiação da antena em função das
coordenadas espaciais.

2. Em qual região costuma ser determinado o diagrama de radiação de uma antena?


Na região de campo distante.

3. Defina LMFP ou HPBW


É a Largura de Feixe de Meia Potência. Corresponde à separação angular entre pontos de meia potência (metade da
potência máxima).

4. Defina lóbulo de radiação


É uma porção do diagrama de radiação limitada por regiões de intensidade de radiação relativamente fraca.

Existem os tipos: principal e secundários (lateral e posterior).

5. Defina razão de lóbulo lateral


É a razão entre a densidade de potência do lóbulo sob análise e a do lóbulo principal.

6. O que é um radiador isotrópico?


É uma antena hipotética sem perdas que irradia igualmente em todas as direções.

7. O que é uma antena direcional?


É aquela capaz de radiar/receber ondas eletromagnéticas mais eficientemente em dadas direções do que em outra.

8. O que é uma antena omnidirecional?


É uma antena que possui diagrama não-direcional em um determinado plano e direcional em qualquer plano
ortogonal.

9. Cite e explique as regiões de campo


Campo próximo reativo: Região imediatamente ao redor da antena, onde predomina o campo reativo. O diagrama
nesta região é mais espalhado.

Campo próximo radiante: Região intermediária entre as outras duas, na qual predomina o campo radiante. Nesta
região, os lóbulos do diagrama começam a tomar forma.

Campo distante: Região na qual a distribuição angular dos campos independe da distância. Nela, diagrama já está
completamente formado e com os lóbulos bem definidos.

10. Qual é a quantidade usada para descrever potência associada a ondas eletromagnéticas?
Vetor Poynting Instantâneo.

11. Defina densidade de radiação


É a densidade de potência associada a campos eletromagnéticos na região de campo distante.

12. Defina diagrama de potência


É uma medida da densidade média de potência radiada pela antena em função da direção.

13. Defina densidade de radiação


É a potência radiada pela antena por unidade de ângulo sólido. É parâmetro de campo distante.

14. Defina largura de feixe


Em um diagrama de radiação, e a separação angular entre dois pontos idênticos em lados opostos do máximo.
15. Defina largura de feixe entre nulos
É a separação angular entre os primeiros nulos do diagrama.

16. Como a largura de feixe se relaciona com os lóbulos?


Quanto menor a largura de feixe, maior o nível de lóbulos laterais.

17. O que especifica o critério de resolução mais comum?


Que a capacidade de resolução de uma antena para distinguir entre duas fontes é igual à metade da largura de feixe
entre nulos – aproximadamente a largura de feixe de meia potência.

18. Defina diretividade, diretividade parcial e diretividade total


Diretividade: razão entre a intensidade de radiação (em uma dada direção) e a intensidade de radiação média.

Diretividade parcial: razão entre a parcela da intensidade de radiação correspondente a uma dada polarização e a
intensidade de radiação média.

Diretividade total: soma das diretividades parciais associadas a quaisquer duas polarizações ortogonais.

19. Defina ângulo sólido de feixe


É o ângulo sólido através do qual toda a potência da antena fluiria se sua intensidade de radiação fosse constante
(igual a Umax) para todos os ângulos dentro deste.

20. Compare a fórmula de Kraus com a de Tai & Pereira


A de Krauss é mais precisa para valores menores de n e a de Tai & Pereira para valores maiores de n.

21. Defina eficiência total de uma antena


É aquela que leva em consideração as perdas nos terminais de entrada e no interior da estrutura da antena.

22. Cite as causas das perdas em antenas


Reflexões (por descasamento de impedância entre a antena e a LT); perdas em condutores e dielétricos.

23. Defina eficiência de radiação


É aquela que relaciona o ganho à diretividade.

24. Defina ganho de uma antena


É aproximadamente relacionado à diretividade. Leva em consideração a eficiência e as propriedades direcionais da
antena.

É a razão entre a intensidade de radiação em uma dada direção e a intensidade que seria obtida se a potência aceita
fosse radiada isotropicamente.

25. Defina ganho relativo


É a razão entre o ganho de potência em uma dada direção e o ganho de potência de uma antena de referência na
sua direção de referência.

26. Defina ganho absoluto


É o ganho que, no seu cálculo, leva em consideração as perdas por descasamento.

27. Defina ganho parcial


É a razão entre a parcela da intensidade de radiação da antena em uma dada polarização em uma dada direção e a
intensidade de radiação que seria obtida se a potência aceita pela antena radiasse isotropicamente.

28. Defina ganho total


É a soma dos ganhos parciais para quaisquer duas polarizações ortogonais.
29. Defina eficiência de feixe
É a razão entre a potência transmitida/recebida dentro de um cone de ângulo  e a potência transmitida/recebida
pela antena.

30. O que ocorre se o ângulo escolhido for o de ocorrência do primeiro nulo?


A eficiência de feixe indicará a razão entre a potência contida no lóbulo principal e a potência total.

31. Defina largura de banda


É a faixa de frequências na qual o desempenho da antena atende a características especificadas.

32. Descreva os parâmetros associados à largura de banda de diagrama e largura de banda de impedância
Largura de banda de diagrama: ganho; nível de lóbulo secundário; largura de feixe; direção de feixe; polarização.

Largura de banda de impedância: impedância de entrada; eficiência de radiação.

33. Defina polarização de antena e polarização de onda


Polarização de antena: é a polarização da onda radiada pela antena (em uma dada direção).

Polarização de onda: é a curva traçada pela extremidade do vetor de campo elétrico instantâneo.

34. Explique polarização de onda radiada e de onda recebida


Polarização de onda radiada: é a polarização da onda plana usada para representar a onda radiada naquele ponto.

Polarização de onda recebida: é a polarização de uma onda plana incidente de uma dada direção, com uma
densidade de fluxo de potência, que resulta na máxima potência disponível nos terminais da antena.

35. Quais os tipos de polarização?


Linear, elíptica e circular.

36. Defina diagrama de polarização


É a distribuição espacial das polarizações de campo radiado pela antena. Sendo a distribuição tomada sobre a esfera
de radiação.

37. Defina co-polarização e polarização cruzada


Co-polarização: representa a polarização em que a antena deve receber.

Polarização cruzada: representa a polarização ortogonal àquela especificada.

Cada ponto da esfera de polarização pode ser decomposto em um par de polarizações ortogonais (a co-polarização e
a polarização cruzada).

38. Defina razão axial


É a razão entre os eixos maior e menor da elipse (em caso de polarização elíptica).

39. Descreva as condições para que haja polarização linear


Campo com somente uma componente ou

Duas componentes ortogonais defasadas temporalmente de n∙180°

40. Descreva as condições para que haja polarização circular


Campo com duas componentes lineares ortogonais,

com mesma magnitude e

defasagem temporal de nímpar∙90°


41. Descreva as condições para que haja polarização elíptica
Campo com duas componentes lineares ortogonais,

[1] com mesma magnitude e defasagem temporal diferente de nímpar∙90°

ou [2] com magnitudes diferentes e defasagem temporal diferente de 0° ou n∙180°

42. O que é descasamento de polarização?


É quando a antena não possui polarização idêntica à da onda que incide sobre ela.

43. Descreva eficiência de polarização


É a razão entre a potência recebida pela antena de uma dada onda plana com polarização arbitrária e a potência que
seria recebida pela mesma antena de uma onda plana (similar à anterior) se a polarização fosse ajustada de modo a
maximizar a potência recebida.

44. Para que serve o fator de perda de polarização?


Para considerar as perdas decorrentes de descasamento de polarização (perdas por polarização).

45. Como se relaciona a polarização de uma antena no modo de recepção e no modo de transmissão?
No mesmo plano de polarização, as elipses têm mesma razão axial, mesmo sentido de polarização e mesma
orientação.

Como a observação da onda é feita conforme o sentido de propagação, deve-se observar que:

Mesmo com as ondas tendo propriedades de polarização similares, o sentido parecerá oposto se as duas
forem vistas na mesma direção.

Os ângulos de inclinação serão o negativo um do outro (em relação a uma referência comum)

46. Defina impedância de entrada


É a impedância apresentada pela antena em seus terminais.

47. Defina potência espalhada (ou rerradiada)


É a potência entregue à resistência de radiação da antena.

48. Defina eficiência de abertura


É a razão entre a máxima área efetiva e a área física da antena.

49. Quais fatores influenciam na impedância de entrada?


Geometria; Métodos de excitação; Proximidade de objetos vizinhos.

50. Defina eficiência condutiva-dielétrica


É a razão entre a potência entregue à resistência de radiação e a potência entregue à resistência (total) da antena
nos terminais.

51. Defina comprimento efetivo


É uma quantidade usada para determinar a tensão induzida em seus terminais em circuito aberto, quando da
incidência de uma onda.

52. Defina comprimento vetorial efetivo ou altura efetiva


É uma grandeza de campo distante relacionada ao campo elétrico distante radiado pela antena para uma
determinada corrente de entrada em seus terminais.
53. Defina área/abertura efetiva
É a razão entre a potência disponível nos terminais de uma antena receptora e a densidade de fluxo de potência de
uma onda plana vinda na direção especificada e incidindo sobre a antena com polarização casada.

54. Defina área de espalhamento, área de perda e área de captura


Espalhamento: área equivalente que, quando multiplicada pela densidade de potência incidente, fornece a potência
espalhada.

Perda: área equivalente que, quando multiplicada pela densidade de potência incidente, fornece a potência
dissipada em calor pela resistência de perda da antena.

Captura: área equivalente que, quando multiplicada pela densidade de potência incidente, fornece a potência total
capturada.

55. Defina área efetiva parcial


É a razão entre a potência disponível nos terminais de uma antena receptora e a densidade de fluxo de potência de
uma onda plana que incide sobre a antena, a partir de uma direção especificada e com polarização descasada.

56. Defina fator de perda do espaço livre


É um fator utilizado para incluir as perdas devido ao espalhamento esférico da energia pela antena.

57. Defina seção reta de radar ou área de eco


É um parâmetro de campo distante empregado para caracterizar as propriedades de espalhamento de um alvo
radar.

É a área que intercepta uma quantidade de potência que, quando espalhada isotropicamente, produz no receptor
uma densidade de potência igual àquela espalhada pelo alvo.

58. Diferencie SRR monoestática/retroespalhada e biestática


Monoestática: quando o transmissor e o receptor têm a mesma localização.

Biestática: quando o transmissor e receptor não têm a mesma localização.

59. Quais os fatores de controle da SRR?


Controle de forma; Uso de materiais especiais.

60. Quais as regras de ouro para obter pequena SRR?


Arredondar quinas; Evitar superfícies planas e côncavas; Utilizar materiais especiais em pontos angulosos.

61. A SRR de um alvo é função de que?


Polarização da onda incidente; Ângulo de incidência e de observação; Geometria e propriedades elétricas do alvo;
Frequência de operação.

62. De que dependem os métodos de análise de SRR?


Forma; Tamanho; Composição material do alvo.

63. Defina espalhamento estrutural e espalhamento do modo da antena


Ambos são termos que expressam o campo espalhado por uma antena e podem ser obtidos experimentalmente
utilizando-se a carta de Smith.

Espalhamento estrutural: é um termo introduzido pelas correntes induzidas na superfície da antena pelo campo
incidente quando a antena está em casamento conjugado. Este termo independe da impedância de carga.

Espalhamento do modo da antena: é um termo que é função das características de radiação da antena. Seu
diagrama de espalhamento é o quadrado do diagrama de radiação da antena. O modo da antena depende da
potência absorvida na carga de uma antena sem perda e da potência radiada pela antena devido ao descasamento
de impedância da carga.

64. Defina emissividade


É a razão entre a radiação emitida por um corpo e a emitida por um corpo negro, estando ambos á mesma
temperatura. Trata-se de uma medida da capacidade de um material absorver/radiar energia.

65. De quais fatores depende a emissividade?


Frequência de operação; Polarização da energia emitida; Estrutura molecular do objeto.

66. Defina temperatura equivalente ou temperatura de iluminação


É representação da quantidade de energia radiada por um objeto em forma de temperatura equivalente (todo
objeto com temperatura acima de 0 K radia energia).

67. Defina temperatura das antenas


É a temperatura que aparece nos terminais de uma antena quando esta intercepta a temperatura de iluminação
emitida por diferentes fontes.
UNIDADE III
1. Como são classificadas as antenas loop?
Eletricamente pequenas (circunferência < λ/10); Eletricamente grandes (circunferência na ordem de λ).

2. Cite aplicações das antenas de quadro


Nas bandas HF, VHF e UHF;

São mais usadas no modo de recepção;

Alternativas às monopólos usadas em comunicações móveis.

3. Como aumentar a resistência de radiação ou a eficiência de radiação de uma antena de quadro?


Aumentar o número de espiras; Aumentar eletricamente o perímetro; Inserir núcleo de ferrita de alta
permeabilidade.

4. Diferencie a densidade de potência radial no campo próximo do dipolo infinitesimal e da antena de quadro
pequena
A do dipolo é capacitiva e da antena de quadro é indutiva.

5. O que determina a eficiência de radiação de uma antena?


A resistência de radiação e a resistência de perdas.

6. Por que a análise de antenas com múltiplas espiras costuma ser experimental?
Devido à complexidade da distribuição de corrente em uma antena de várias espiras, o que resulta na baixa
confiabilidade de aplicação de métodos analíticos.

7. De que depende a resistência total de uma antena de quadro circular com N espiras?
Quantidade de espiras; Raio das espiras; Raio do fio; Separação entre espiras; Impedância de superfície; Efeito de
proximidade; Efeito pelicular.

8. Por que é inserido um capacitor no circuito equivalente de uma antena de quadro pequena em modo de
transmissão?
Para que a antena ressoe e/ou para representar capacitâncias parasitas.
9. De que depende a tensão de circuito aberto em uma antena de quadro circular pequeno no modo de
recepção?
Comprimento vetorial efetivo; Campo elétrico incidente; Densidade de fluxo magnético incidente.

10. Por que a antena de quadro é evitada como transmissor?


Pois a sua resistência de perda é comparável à resistência de radiação.

11. Por que as antenas de quadro são pouco aplicáveis em transceptores portáteis?
Devido às altas resistências de radiação e reatância indutiva, que tornam difícil o casamento com as LTs.

12. Qual característica das antenas de quando favorece seu uso em comunicações móveis?
A imunidade ao ruído.

13. Por que se faz necessária a utilização de conjunto de antenas?


Para que seja alcançada uma melhor diretividade.

14. Como aumentar as dimensões da antena sem necessariamente aumentar elementos individuais?
Agrupando elementos radiantes (formando um conjunto).

15. O que determina o campo total de um conjunto?


A adição vetorial dos campos radiados por elementos individuais.
A multiplicação entre o campo de um elemento isolado posicionado na origem e o fator de conjunto.

16. O que fazer para obter diagramas bem direcionais?


Os campos do conjunto devem interferir construtivamente das direções desejadas e destrutivamente nas demais.

17. Quais os mecanismos de controle usados para dar forma ao diagrama total de radiação?
Configuração geométrica do conjunto;

Separação relativa entre os elementos individuais;

Amplitude de excitação dos elementos individuais;

Fase de excitação dos elementos individuais;

Diagrama relativo entre os elementos individuais.

18. De que depende o fator de conjunto?


Número de elementos; Disposição geométrica; Intensidade de excitação; Fase de excitação; Espaçamento.

19. Defina conjunto uniforme


É um conjunto de elementos idênticos de magnitude idêntica e defasagem progressiva.

20. Como calcular o fator de conjunto de um conjunto com elementos idênticos?


Multiplicando o fator de conjunto de fontes isotrópicas puntiformes pelo campo de um único elemento.

21. Como atender às exigências de otimização de projeto de conjuntos de antenas broadside?


Elemento isolado: escolha criteriosa do radiador.

Fator de conjunto: especificação adequada do espaçamento e da excitação dos radiadores.

22. Como obter o máximo fator de conjunto em um conjunto colinear uniforme na direção transversal do eixo
do conjunto?
É necessário que os elementos possuam mesma amplitude e fase de excitação.

23. Como evitar surgimento de lóbulos laterais em conjuntos broadside?


O maior espaçamento entre os elementos deve ser inferior a um comprimento de onda.

24. Como evitar surgimento de lóbulos laterais em conjuntos end-fire (ou planos)?
O espaçamento entre elementos deve ser menor do que meio comprimento de onda.

25. O que torna os conjuntos planos mais versáteis?


O fato de terem variáveis adicionais para controlar o diagrama do conjunto.

26. Como obter o diagrama de um conjunto retangular?


Através do produto entre os fatores de conjunto nas direções X e Y.

27. Quais os componentes básicos/comuns de uma antena helicoidal?


Hélice; Plano de terra (normalmente com diâmetro igual a 3λ/4); Cabo coaxial.

28. Como variar as características de radiação de uma antena helicoidal?


Variando suas dimensões geométricas em relação ao comprimento de onda.

29. De que depende a impedância de entrada em uma antena helicoidal?


Do passo da hélice e das dimensões do fio condutor.

30. Quais os principais modos de operação de uma antena helicoidal?


Normal; Axial.
31. Como obter operação em modo normal (broadside)?
Com um comprimento da hélice muito menor do que λ. Assume-se uma corrente constante em amplitude e fase,
que só é possível devido às pequenas dimensões e caso a extremidade do fio seja adequadamente terminada (para
reduzir reflexões). Este modo possui largura de banda estreita e baixa eficiência.

32. Como obter modo de operação axial (end-fire)?


Com o espaçamento e diâmetro das espiras sendo grandes frações de λ. Este modo possui maior largura de banda .

33. Como obter diferentes polarizações em antenas helicoidais?


Variando a razão axial: se tender a 0, a polarização é linear horizontal (hélice se reduz a um quadro); se tender ao
infinito, a polarização é linear vertical (a antena se assemelha a um dipolo); para outros valores a polarização é
elíptica ou circular (se RA=1).

34. Como obter o campo total de uma antena helicoidal?


Multiplicando o campo de uma única espira pelo fator de conjunto.

35. Fale sobre as duas regiões da distribuição de corrente no modo axial.


Região 1: Próximo á região de alimentação; Corrente se atenua suavemente para um mínimo.

Região 2: Restante da hélice; Corrente com amplitude relativamente uniforme.

36. Comente sobre aspectos construtivos e operacionais da antena Yagi-Uda


Possui um elemento radiador alimentado (dipolo ou dipolo dobrado) e elementos parasitas (sendo um deles refletor
e os demais diretores). Sua operação é exclusivamente no modo end-fire (é diretiva). É monocanal (largura de banda
estreita). São dedicadas a recepção em 75 Ω e transmissão em 50 Ω.

37. Quais elementos radiadores são usados em antenas Yagi-Uda


Dipolo; Dipolo dobrado.

38. Quais os modos de polarização de uma Yagi-Uda ou de uma Log-periódica?


Vertical; Horizontal; Circular – com duas antenas ortogonais alimentadas com defasagem de 90° (alimentação em
quadratura de fase).

39. Como se chama a barra da Yagi-Uda (na qual o elemento radiante e os parasitas são fixados)?
Boom.

40. Cite as características construtivas operacionais da antena Log-periódica


Multicanal (faixa larga); Todos os elementos são alimentados diretamente; Os elementos individuais são dipolos com
espaçamento, diâmetro e comprimento variando em função logarítmica da frequência. São dedicadas a recepção em
75 Ω e transmissão em 50 Ω.

41. O que determina os limites da largura de banda de uma Log-periódica?


Limite inferior: tamanho da estrutura;

Limite superior: precisão da sintonia.

42. Quais os métodos de alimentação da antena Log-periódica?


Direta; Cruzada.

43. Quais as duas regiões que caracterizam a Log-periódica?


Regiões ativas e passivas.

44. Como se comportam os elementos da Log-periódica na região passiva?


Os mais curtos funcionam como diretores e os maiores como refletores.
45. O que determina a largura relativa da faixa de frequência de cada ciclo (em uma Log-periódica)?
A razão geométrica.

46. O que deve ser feito para que seja mantido um bom ganho na Log-periódica?
A razão geométrica deve ser mantida pequena.

47. Onde são usadas as antenas de abertura?


Possuem aplicações espaciais.

48. Por que a abertura das antenas pode ser coberta com material dielétrico?
Para protegê-las de condições ambientais extremas.

49. Por que é necessário buscar técnicas alternativas para determinação das características de radiação de
antenas de abertura?
Porque normalmente não se conhece a distribuição de corrente. Os métodos adotados costumam basear-se nos
campos ou estruturas na vizinhança da antena.

50. Explique o princípio da equivalência de campo (Huygens)


Diz que cada ponto em uma frente de onda funciona como uma nova fonte, produzindo ondas que se propagam
com a mesma frequência, velocidade e direção das ondas originais.

51. O que diz o teorema da unicidade?


Que uma área de uma região com perdas é especificada pelas fontes dentro da região mais os componentes
tangenciais do campo elétrico/magnético sobre o contorno.

52. O que ocorre se a abertura possui distribuição constante?


A máxima área efetiva é igual à área física.

53. Explique o princípio de Babinet


[Campo atrás de uma lâmina com uma abertura] + [Campo de uma estrutura complementar] = [Campo quando a
lâmina não está presente].

54. O que, no princípio de Babinet, consiste em um problema para a teoria de antenas?


A não consideração da polarização do campo. Booker incluiu este efeito.

55. Cite aplicações de antenas corneta


É usada como alimentador para refletores e lentes. Aplicações: comunicações; radioastronomia.

56. Por que as antenas corneta possuem aplicações variadas?


Devido a: Facilidade de construção; Facilidade de excitação; Alto ganho; Versatilidade; Atraente desempenho global.

57. Quais fatores influenciam no desempenho global de uma antena corneta?


Tipo; Direção; Quantidade de alargamento.

58. Como determinar um exato equivalente à corneta?


Conhecendo as componentes de campo elétrico e magnético tangenciais a uma superfície fechada. Uma
aproximação pode ser presumir que os campos fora da abertura são nulos.

59. Como obter os campos na abertura da corneta?


Tratando-a como um guia de onda radial.

60. Como melhorar a eficiência de abertura de uma corneta?


Utilizando uma corneta corrugada.
61. De que é constituída uma antena de microfita?
Patch radiante (plaqueta); Substrato dielétrico; Plano de terra.

62. Quais os métodos de análise e modelagem das antenas de microfita?


Linha de transmissão (substratos finos);

Onda completa; Cavidade; Técnicas de simulação (substratos espessos; técnicas mais precisas).

63. Como o substrato de uma antena de microfita pode influenciar seu desempenho?
Substratos mais espessos apresentam melhor eficiência e maior largura de banda. Substratos mais finos apresentam
mais perdas, menor eficiência e largura de banda mais estreita.

64. O que é necessário para aplicação de antenas de microfita em MMICs?


Pequenas dimensões e melhor acoplamento. Pode ser conseguido utilizando-se substratos mais finos com altas
constantes dielétricas.

65. Fale sobre as vantagens e desvantagens das antenas de microfita.


VANTAGENS [3PLAMB]

Pequeno peso e volume reduzido;

Pequena espessura;

Polarização linear ou circular;

Linhas de alimentação podem ser feitas de microfita;

perfil plano Adaptável à superfície;

aplicação em MMICs;

Baixo custo.

DESVANTAGENS [PPRB]

Perdas consideráveis;

Pequena largura de banda;

Radiações indesejáveis;

Baixa capacidade de potência.

66. Cite as técnicas de alimentação de antenas microfita


Sonda coaxial; Acoplamento por proximidade; Linha de microfita; Acoplamento por abertura. [SALA]

67. Explique o modelo da linha de transmissão utilizado na análise de antenas de microfita


Representa a antena como duas fendas separadas por uma linha de transmissão de baixa impedância.

68. No modelo da linha de transmissão, a quantidade de franjamento nas bordas do patch é função de que?
Dimensões do patch e espessura do substrato.

69. A linha de microfita é uma estrutura não homogênea tipicamente composta por dois dielétricos, quais
são?
O substrato e o ar.
70. Qual efeito é provocado pelo franjamento em antenas de microfita?
Faz a antena parecer eletricamente maior do que suas dimensões físicas.

71. Defina constante dielétrica efetiva


É a constante dielétrica de um material dielétrico uniforme tal que a linha de transmissão modelada para levar em
conta os efeitos do franjamento tenha as mesmas características elétricas da linha verdadeira.

72. Quais devem ser as especificações iniciais de um projeto de antena de microfita?


Frequência de ressonância; Espessura do substrato; Constante dielétrica do substrato. [FEC]

73. Quais são os modos de distribuição da tensão de ressonância no modelo da linha de transmissão?
Simétrica (par); Anti-simétrica (ímpar).

74. Como alterar a resistência de entrada de ressonância de uma antena de microfita?


Usando uma alimentação indentada. Esta alimentação também serve para casar a antena.

75. Explique o método da cavidade utilizado na análise de antenas de microfita


É mais preciso que o da LT. Trata a região do substrato como uma cavidade limitada por condutores elétricos em
cima e embaixo e por paredes magnéticas ao longo do perímetro do patch.

76. Como considerar as perdas no modelo de cavidade?


Introduzindo uma tangente efetiva de perdas.

77. Cite uma diferença importante entre as dimensões das antenas de patch retangular e circular
A retangular possui dois graus de liberdade, enquanto a circular possui somente um (o raio). Alterando o raio de
uma antena de patch circular, altera-se a sua frequência de ressonância.

78. Como aplicar o modelo da cavidade em microfita de patch circular?


Utilizando coordenadas cilíndricas e analisando de maneira similar à de patch retangular.

79. O que deve ser feito para que seja considerado o franjamento em antenas de patch circular?
O raio deve ser corrigido pela determinação de um raio efetivo.

80. Quais os procedimentos de projeto de uma antena de patch circular?


Determinar a Frequência de ressonância; Espessura do substrato; Constante dielétrica do substrato; Raio verdadeiro
do patch.

81. Quais as formas de alimentação de arranjos de microfita?


Coletiva; Série. [CS]

82. Cite os principais tipos de antenas refletoras


Plano; de Canto; de superfície Curva. [PCC]

83. Cite as principais aplicações de antenas refletoras


Radioastronomia; Comunicação de micro-ondas; Rastreamento de satélite.

84. Por que evitar cantos abruptos em navios e veículos militares?


Porque um refletor com ângulo interno 90°, se usado como alvo passivo, retorna o sinal exatamente na mesma
direção em que recebeu.

85. O que pode ser usado para controlar as propriedades de radiação de um refletor plano?
Polarização da fonte radiante e sua posição em relação à superfície refletora.
86. Como manter a eficiência em sistemas que usam refletores de canto?
À medida que a distância entre a aresta do refletor e o elemento de alimentação aumenta, o ângulo interno do
refletor deve diminuir (e vice-versa).

87. O que ocorre em refletores de lados infinitos quando o ângulo entre os planos diminui?
O ganho aumenta.

88. Quais elementos de alimentação costumam ser usados em refletores de canto?


Dipolo; Conjunto colinear de dipolos.

89. O que deve ser feito se o comprimento de onda é grande com relação às dimensões físicas toleráveis em
um refletor de canto?
Devem-se utilizar grades em vez de placas metálicas.

90. O que ocorre se o espaçamento entre o alimentador e a aresta varia?


Se diminui: A resistência de radiação diminui, tornando-se comparável à resistência de perdas e diminuindo a
eficiência do sistema.

Se aumenta: A antena perde diretividade.

91. Como obter uma maior largura de banda em refletores de canto?


Dipolos cilíndricos ou bicônicos.

92. Comente sobre o uso de sistemas de imagens para análise de refletores de canto
É determinado um sistema de imagens que constituem um conjunto e formam, na ausência do refletor, um sistema
equivalente com o mesmo campo do sistema original.

93. Como melhorar as características gerais de radiação de um refletor?


Aprimorando a configuração estrutural da superfície.

94. O que é a técnica de alimentação frontal usada em refletores parabólicos? Qual a desvantagem desta
técnica?
É quando o dispositivo de alimentação é posicionado no foco da parábola. Desvantagem: é necessário usar uma
linha de transmissão mais longa.

95. Explique a alimentação de Cassegrain usada em refletores parabólicos


É uma técnica de alimentação que evita a necessidade de posicionar o alimentador no foco da parábola. A técnica
faz uso de dois refletores: o primário (parábola) e o sub-refletor (hipérbole). O alimentador fica posicionado,
normalmente próximo ao vértice da parábola.

96. Quais são as duas principais configurações dos refletores parabólicos e quais os alimentadores comumente
associados a cada um?
Cilindro reto parabólico (dipolo filamentar, conjunto colinear, guia de onda fendido); Paraboloide (corneta).

97. Qual parâmetro deve ser conhecido para determinar as características de radiação de um refletor
parabólico?
Densidade de corrente induzida na superfície.

98. Quais as duas técnicas utilizadas para analisar as características de refletores?


Distribuição de Corrente; Distribuição de Abertura. [DC DA]

99. De que resultam os erros de fase em um sistema refletor parabólico?


Erros exorbitantes na forma do refletor;

Desvios das ondas de alimentação com relação à forma esférica;


Deslocamento do centro do alimentador com relação ao foco.

100. Cite as vantagens da alimentação de Cassegrain


Varredura/alargamento de feixe;

Distância focal maior que a distância física;

Liberdade de posicionamento do alimentador;

Redução de transbordamento/lóbulos secundários.

[VDRL]

101. Qual modo é mais conveniente para realizar-se medidas em antenas?


Modo de recepção.

102. Qual a condição ideal para medir as características de radiação de campo distante?
Submeter a antena a ondas planas de amplitude e fase uniformes.

103. Como obter uma situação de medição aproximadamente ideal?


Afastando bastante a antena de teste do transmissor.

104. Quais situações inconvenientes podem ser observadas em investigações experimentais?


Necessidade de grandes distâncias para obtenção da região de campo distante;

Impossibilidade de mover a antena para o local de medição;

Algumas antenas requerem longos tempos de medição;

Para medições externas o ambiente não é controlável;

Para medições internas o espaço destinado à acomodação da antena é limitado;

Técnicas de medição, normalmente, são caras.

105. Quais técnicas especiais podem minimizar as deficiências existentes em investigações experimentais?
Medidas internas; Previsão de campo distante a partir do campo próximo; Medições em escala de protótipo;
Equipamentos específicos/automatizados; Técnicas assistidas por computador.

106. Quais melhorias podem fornecer condições de medição mais precisas?


Câmaras anecoicas; Medições indiretas; Sistemas de teste automatizados.

107. Quais parâmetros melhor descrevem o desempenho de um sistema de antena?


Diagrama de radiação; Impedância; Ganho; Diretividade; Eficiência; Polarização; Distribuição de corrente.

[DIG DEP D]

108. Quais são as categorias de faixas de antenas e quais suas principais desvantagens?
Tipo externo (sem proteção de condições ambientais); Tipo interno (espaço limitado).

109. Quais os tipos básicos de regiões para antenas?


Reflexão; Espaço livre.

110. O que é a zona de silêncio?


É quando ocorre interferência construtiva na região da antena de teste.
111. Como obter um campo iluminado com pequena e simétrica amplitude cônica em testes ao ar livre?
Ajustando a altura da antena de transmissão e mantendo constante a altura da antena de recepção.

112. Como reduzir ou eliminar as contribuições do meio ambiente?


Redirecionando/absorvendo a energia refletida por obstáculos; Selecionando cuidadosamente a diretividade/nível
de lóbulos laterais da antena fonte; Usando técnicas de processamento de sinais; Limpando a visada direta.

[RSUL]

113. Defina e tipifique câmaras anecoicas


São câmaras revestidas internamente com material absorvedor de RF e usadas para simular o espaço livre. Principais
tipos: Cônica e Retangular.

114. O que são antenas de teste de faixa compacta?


São dispositivos de colimação usados para gerar ondas aproximadamente planas em distâncias curtas (10 ~ 20 m).

115. Qual a instrumentação necessária para realizar testes em antenas?


Fonte de antenas; sistema de Transmissão; sistema Receptor; sistema de Processamento de dados; sistema de
Posicionamento; sistema de Gravação. [PPG]