Doçaria conventual

.DEFINIÇÃO ‡ Designa-se por doçaria conventual os doces confeccionados nos conventos. compostos por grandes quantidades de açúcar e gemas de ovos. caracterizados por serem. na sua maioria.

Terá sido neste período que o açúcar entrou na tradição gastronómica dos conventos. . O principal adoçante até esta altura era o mel.ORIGEM ‡ A origem da doçaria conventual em Portugal terá origem no século XV. sendo cultivada a cana de açúcar. Com a colonização da Ilha da Madeira. sendo o açúcar um ingrediente vulgar. o açúcar recebe uma atenção especial.

pudim. Salientese. e o convento de origem. barriga-defreira. trouxas de ovos. toucinho do céu. . arroz-doce.‡ A lista de doces conventuais é extensa e abrange todas as regiões de Portugal. Alguns exemplos: leite-creme. ovos moles. fios de ovos. aInda. que a confecção de um determinado doce pode variar consoante a região. rabanadas.

que demonstrava os princípios e as orientações profissionais ao longo dos seus 28 artigos. se apenas considerarmos que na metade do século passado existiam em Lisboa cerca de 30 conventos femininos. em 12 de novembro de 1575. A pastelaria foi desde sempre uma arte respeitada e regulamentada quando. foi publicado o "Regimento de Confeiteiros".‡ Os doces conventuais assumem uma importância fundamental na história da alimentação da capital portuguesa. . ‡ Os doces mudavam no tempo segundo o artesão e com base no período histórico no qual eram realizados.

.‡ Durante a época Barroca. mostrava-se elaborada em seu aspecto ou revelava-se um pormenor requintado. por exemplo. conforme o gosto estético dessa corrente artística. o doce representava um sinônimo de arte e toda a pastelaria.

.5 litro de leite.RECEITAS ‡ Arroz doce ‡ Cozinhar 500 gramas de arroz em 1. polvilhado com canela em pó. ‡ Depois. acrescentar 500 gramas de açúcar e seis gemas de ovos. já fervido e com baunilha. ‡ Aconselho a servir frio. ‡ Colocar no fogo novamente para cozinhar as gemas.

Derreter 500 gramas de açúcar na água e acrescentar suco de laranja diluído com água. Juntar 25 gramas de farinha de trigo e bater mais um pouco. . e assá-la no forno médio. Deixar a massa esfriar e cortar em fatias fininhas. Passar as fatias por essa mistura e deixar descansar por quatro horas. Untar uma forma para depois colocar a massa. Servir as fatias escorridas.‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Fatias do céu Bater cuidadosamente 24 gemas de ovos.

. ‡ Levar ao fogo brando e. colocar num tabuleiro. ‡ À parte. assim que estiverem prontas. ‡ Untar formas pequenas com manteiga e encher com as gemas de ovos.‡ Papos-de-Anjo Bater 12 gemas durante uma hora. derreter o açúcar com a água e colocar os doces por cima. Deixar descansar durante 24 horas antes de servir.

misturando com uma colher de pau no fogo brando durante cerca de 2 minutos. . depois que começar a ferver.‡ Ovos Moles ‡ Misturar numa panela pequena 250 gramas de açúcar com um pouco de água e levar ao fogo. ‡ Quando o açúcar estiver pronto. ‡ Polvilhar canela por cima depois de ter colocado os ovos moles nas tacinhas. ‡ Colocar 12 gemas num recipiente de alumínio. despejar fio a fio sobre as gemas.

. Levar ao fogo para engrossar ligeiramente. virando de um lado e de outro. Servir frio. passar o leite por uma peneira e misturar com 1 colher de sopa de farinha de trigo e 3 gemas. Bater cinco claras em neve. colocar a clara em neve no leite fervido. Levar à geladeira. Deixar ficar no leite quente durante alguns segundos e retirar as farófias escumadeira. Regar as farófias com esse creme e polvilhar canela em pó. Em seguida. Com uma colher. Juntar 5 colheres de sopa de açúcar e mexer.‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Farófias Ferver 7 copos de leite perfumado com canela.

Apagar o fogo e deixar o pudim esfriar completamente antes de abrir a panela. Servir frio.‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Pudim Flan Ferver um copo de leite. contar 8 minutos. Enquanto isso. bater bem 1 copo com ovos inteiros com 1 copo de açúcar. Acrescentar o leite fervido. . Depois que a panela começar a obter pressão. Caramelizar o fundo de uma forma de alumínio com tampa e peneirar a massa até obter uma mistura lisa. misturando muito bem. Colocar a forma fechada na panela de pressão com 1 copo de água no fundo.

. Amassar com a mão e estender a massa bem fina. Sobre a mesa. mexendo bem. Retirar do fogo e colocar 100 gramas de amêndoas (sem pele e moídas). deixar engrossar até desgrudar do fundo da panela.‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Pastéis de Santa Clara Levar ao fogo 250 gramas de açúcar com ½ copo de água. Assar em forno médio por cerca de 20 minutos. Fechar a massa com as mãos umedecidas. Voltar ao fogo e. misturar 250 gramas de farinha de trigo com 100 gramas de manteiga e 3 colheres de sopa de água (se precisar. sem parar de mexer. Retirar do forno e polvilhar com açúcar de confeiteiro. colocar um pouco mais). 9 gemas batidas ligeiramente. deixando ferver até formar uma calda espessa. Cortar a massa em rodelas e rechear com o creme de ovos. Deixar esfriar.

1 casca de limão e 1 pauzinho de canela. Colocar nas forminhas recheadas de massa folhada bem grossa um creme feito com 60 gramas de farinha. na fábrica fundada em 1837. A verdadeira receita é conhecida apenas pelos pasteleiros da mais famosa pastelaria de Lisboa. é quase um delito. ‡ ‡ . 6 gemas. natas (creme de leite) e baunilha. chamados Pastéis de Belém. Colocar no forno para assar durante 30 minutos a 200 graus. Não há nada a fazer. ½ litro de leite. que se encontra no interior do edifício numero 84 da Rua de Belém. 2 ½ copos de água. A base é preparada com massa folhada e o recheio é feito de leite. 250 gramas de açúcar.‡ Pastéis de Belém Ir a Lisboa e não comer os famosos doces aos quais todas as guias turísticas dedicam parágrafos inteiros cheios de elogios. não se pode evitar.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful