Você está na página 1de 46

REVISÃO PAS/UEM 2019

PROF JUH MONTENEGRO


Melodia é a voz principal do som, é aquilo que pode ser cantado.
Harmonia é uma sobreposição de notas que servem de base para a
melodia. Por exemplo, uma pessoa tocando violão e cantando está
fazendo harmonia com os acordes no violão e melodia com a voz.
Cada acorde é uma sobreposição de várias notas, como veremos
adiante em outros tópicos. Por isso que os acordes fazem parte da
harmonia.
 Ritmo é a marcação do tempo de uma música. Assim como o
relógio marca as horas, o ritmo nos diz como acompanhar a
música.
 
Parâmetros do som
◦ INTENSIDADE – É a propriedade que nos permite
distinguir sons fortes e sons fracos. É o grau de volume
sonoro. A intensidade do som depende da força empregada
para produzir as vibrações.
◦ DURAÇÃO – É a propriedade que nos permite distinguir
sons longos e sons curtos. Na música o som vai ter sua
duração definida de acordo com o tempo de emissão das
vibrações. 
◦ TIMBRE – É a propriedade do som que nos permite reconhecer sua
origem. O timbre diferencia, “personaliza” o som. Por meio do timbre
identificamos “o que” está produzindo o som. Por exemplo: quando
ouvimos uma pessoa falar, um celular tocando ou mesmo um gatinho
miando podemos saber qual fonte sonora produziu o som por causa do
timbre.
◦ ALTURA – É a propriedade do som que nos permite distinguir sons
graves (som mais “grossos”), médios e agudos (sons mais “finos”). A
velocidade da vibração dos objetos é que vai definir sua altura. As
vibrações lentas produzem sons graves e as vibrações rápidas
produzem sons agudos.
Samba
◦ O samba é um gênero musical, de onde deriva um tipo de 
dança, de raízes africanas surgido no Brasil e tido como o
ritmo nacional por excelência. Considerado uma das
principais manifestações culturais populares brasileiras, o
samba se transformou em símbolo de identidade nacional.
Dentre suas características originais, está uma forma onde
a dança é acompanhada por pequenas frases melódicas e
refrãos de criação anônima, alicerces do samba de roda
 nascido no Recôncavo Baiano[4] e levado, na segunda
metade do século XIX, para a cidade do Rio de Janeiro
 pelos negros que migraram da Bahia e se instalaram na
então capital do Império.
◦ o samba como gênero é uma expressão musical
urbana do Rio de Janeiro, onde de fato nasceu e
se desenvolveu entre o final do século XIX e as
primeiras décadas do século XX. Foi no Rio de
Janeiro que a dança praticada pelos escravos
baianos migrados entrou em contato e incorporou
outros gêneros musicais tocados na cidade (como
a polca, o maxixe, o lundu, o xote, entre outros),
adquirindo um caráter totalmente singular e
criando o samba carioca urbano e carnavalesco.
◦ Durante a década de 1910, foram gravadas algumas
composições sob a denominação de samba, mas estas
gravações não alcançaram grande repercussão. No
entanto, em 1917, foi gravado em disco "Pelo Telefone
", aquele que é considerado o primeiro samba. A
canção tem a autoria reivindicada por Ernesto dos
Santos, o Donga, com co-autoria atribuída a Mauro de
Almeida, um então conhecido cronista carnavalesco.
Na verdade, "Pelo Telefone"era uma criação coletiva
de músicos que participavam das festas da casa de tia
Ciata, mas acabou registrada por Donga e Almeida na 
Biblioteca Nacional.[7] "Pelo Telefone" foi a primeira
composição a alcançar sucesso com a marca de samba
e contribuiria para a divulgação e popularização do
gênero
◦ o samba começou a se espalhar pelo país,
inicialmente associado ao carnaval e
posteriormente adquirindo um lugar
próprio no mercado musical. Surgiram
muitos compositores como 
Heitor dos Prazeres, João da Baiana, 
Pixinguinha e Sinhô, mas os sambas
destes compositores eram amaxixados,
conhecidos como sambas-maxixe.
◦ Os contornos modernos do samba viriam somente no final da 
década de 1920, a partir das inovações de um grupo de
compositores dos blocos carnavalescos dos bairros do 
Estácio de Sá e Osvaldo Cruz, e dos morros da Mangueira, 
Salgueiro e São Carlos. Desde então, surgiriam grandes nomes
do samba, entre alguns como Ismael Silva, Cartola, Ari
Barroso,Noel Rosa, Ataulfo Alves, Wilson Batista, 
Geraldo Pereira, Zé Kéti, Ciro Monteiro, Nelson Cavaquinho, 
Elton Medeiros, Paulinho da Viola, Martinho da Vila, entre
muitos outros
◦ Derivadas do samba, outras formas musicais ganharam denominações
próprias, como osamba de gafieira, o samba enredo, o samba de breque, o 
samba-canção, o samba-rock, opartido alto, o pagode, entre outros. Em 2007,
o Iphan declarou o samba um Patrimônio Cultural do Brasil.[8][9] O samba,
além de ser o gênero musical mais popular no Brasil, é muito conhecido no
exterior e está associado - assim como o futebol e o carnaval - ao país. Esta
estória começou com o sucesso internacional de "Aquarela do Brasil", de 
Ary Barroso, seguiu com Carmen Miranda (apoiada pelo governo 
Getúlio Vargas e a política da boa vizinhança norte-americana), que levou o
samba para os Estados Unidos, passou ainda pelabossa nova, que inseriu
definitivamente o Brasil no cenário mundial da música.
◦ O samba moderno surgido a partir do início do século XX tem ritmo
basicamente 2/4 e andamento variado, com aproveitamento consciente das
possibilidades dos estribilhos cantados ao som de palmas e ritmo batucado, e
aos quais seriam acrescentados uma ou mais partes, ou estâncias, de versos
declamatórios.[3] Tradicionalmente, o samba é tocado por 
instrumentos de corda (cavaquinho e vários tipos de violão) e variados 
instrumentos de percussão, como o pandeiro, o surdo e o tamborim. Por
influência das orquestras norte-americanas em voga a partir da Segunda
Guerra Mundial, e pelo impacto cultural da música dos EUA no pós-guerra,
passaram a ser utilizados também instrumentos como trombones e trompetes
, e, por influência do choro, flauta e clarineta
Bossa Nova

Bossa Nova é um subgênero musical derivado do samba e com forte


influência do jazz estadunidense, surgido no final da década de 1950 no Rio de
Janeiro. De início, o termo era apenas relativo a um novo modo de cantar e
tocar samba naquela época, ou seja, a uma reformulação estética dentro do
moderno samba carioca urbano.
A história da Bossa Nova é a
história de uma geração.
Uma geração de jovens
artistas brasileiros que
acreditaram no futuro,  um
movimento musical iniciado
nas intimidades dos
apartamentos da Zona Sul e
que ultrapassou as
fronteiras do Brasil.
A expressão - que designa
genericamente novo jeito de
fazer alguma coisa - já era
utilizada nos meios de músicos
profissionais desde a década de
1940. A palavra "bossa" era
um termo da gíria carioca que,
no fim dos anos 50, significava
"jeito","maneira", "modo".
Quando alguém fazia algo de
modo diferente, original, de
maneira fácil e simples, dizia-
se que esse alguém tinha
E a expressão "Bossa Nova" surgiu em oposição a tudo o que um grupo de jovens
achava superado, velho, arcaico, antigo. Daí é que algo tinha de ser feito.
Diferentes harmonias, poesias mais simples, novos ritmos. A tristeza e melancolia
das letras, a repetição dos ritmos "abolerados" e dos "sambas-canção"; era tudo a
mesma coisa, não obstante os grandes cantores da época
Ritmo é batida, como do
relógio, do pulso, do coração. 
E Bossa Nova é batida
diferente do violão, poesia
diferente das letras, cantores
diferentes dos mestres. A Bossa
Nova não seria melhor nem
pior. Seria completamente
diferente de tudo, mais
intimista, mais refinada, mais
alegre, otimista.
A Bossa Nova incorpora diversos aspectos da linguagem do jazz,  especialmente do
be-bop (de concepção mais elaborada do que o jazz tradicional) e do cool jazz
(cujos intérpretes eram músicos que tinham conhecimento técnico apurado, e que
usavam um estilo contido e anticontrastante nas suas performances).
Fim do movimento, da bossa à MPB

Um dos maiores expoentes da bossa nova comporia um dos marcos do fim do movimento. Em 1965,
Vinícius de Moraes compôs, com Edu Lobo, Arrastão. A canção seria defendida por Elis Regina no I
Festival de Música Popular Brasileira(da extinta TV Excelsior), realizado no Guarujá naquele mesmo
ano. Era o fim da bossa nova e o início do que se rotularia MPB, gênero difuso que abarcaria
diversas tendências da música brasileira até o início da década de 1980 - época em que surgiu um
pop rock nacional renovado.
Rock And Roll

ou simplesmente Rock, é o estilo musical que surgiu nos Estados


Unidos em meados da década de 1950 e, por evolução e
assimilação de outros estilos, tornou-se a forma dominante de
música popular em todo o mundo.
Os elementos mais
característicos do estilo são as
bandas compostas de um ou
mais vocalistas, baixo e
guitarras elétricas muito
amplificadas, e bateria. Também
podem ser usados teclados
elétricos e eletrônicos,
sintetizadores e instrumentos de
sopro e percussão diversos.
Do ponto de vista musical, o Rock
surgiu da fusão da música Country,
inspirada nas baladas da
população branca e pobre do
Kentucky e de outras regiões rurais
do centro dos Estados Unidos, de
estilo épico e narrativo; e do
Rhythm and Blues, por sua vez
uma fusão dos primitivos cantos de
trabalho negros e do Jazz
instrumental urbano. Inicialmente
de música muito simples, era um
estilo de forte ritmo dançante.
Elvis Presley foi o primeiro
grande astro do Rock e da
emergente indústria fonográfica.
Apoiadas sobretudo no sucesso
do gênero, as gravadoras
americanas transformaram-se em
impérios financeiros e, em sua
intenção de tornar o rock atraente
a uma maior audiência,
promoveram transformações que
descaracterizaram a vitalidade
inicial do movimento.
No início da década de 1960, no
entanto, o Rock inglês explodiu
com uma carga de energia
equivalente à dos primeiros
músicos americanos do estilo e seu
sucesso logo conquistou o público
jovem americano. Destacaram-se
no período The Beatles, banda
inglesa cuja música foi influenciada
diretamente pelos primeiros
compositores do Rock.
Tipicamente agressiva era a postura dos Rolling Stones, a mais
duradoura das bandas da época, ainda em atividade na década
de 1990. A sonoridade das palavras voltou eventualmente a ser
mais importante que o sentido, na tentativa de descrever
experiências com o uso de alucinógenos.
Na América, Bob Dylan tornou-se conhecido com o Folk Rock, que unia
os ritmos do Rock às baladas tradicionais da música Country. Sua
música encerrava uma mensagem política em linguagem poética.
Progressivamente, as letras das
canções passaram a abordar os
mais variados assuntos, em tom
ora filosófico e contemplativo,
ora ácido e mordaz. A música
passou também por um processo
de maior elaboração e surgiram
os solistas de grande
virtuosismo, sobretudo
guitarristas, e arranjos com
longas partes instrumentais de
complexa orquestração. A
cantora Janis Joplin, o guitarrista
Jimi Hendrix e o cantor Jim
Morrison, do The Doors,
representam um período de fértil
experimentação musical do
estilo.
Dança
ELEMENTOS ESTRUTURAIS DA DANÇA 
A dança é uma linguagem artística. Seus signos são os movimentos. É uma "escrita hieroglífica", onde os
elementos possuem sua tradução significativa a partir das relações que estabelecem dentro do conjunto da cena.
Na dança temos o movimento do corpo como signo da linguagem. Os fundamentos essenciais da dança são:
• Movimento: Os movimentos básicos das partes do corpo (translações e rotações) e as combinações entre eles.
Podemos executá-los isoladamente, depois combiná-los sucessivamente e ainda simultaneamente e podemos
parar o movimento no instante de sua execução.
◦ Movimento potencial: É como chamamos as pausas do movimento, ou seja, quando as partes do corpo não
descrevem nenhuma trajetória no espaço.
◦ Movimento liberado: É quando ele se realiza no espaço. São os movimentos realizados com o corpo como um
todo no espaço.
◦ Famílias de movimentos: Os movimentos em dança concentram-se em grupos denominados famílias da dança
que são: transferências, locomoções, saltos, voltas, quedas e elevações.
• Espaço-Forma: Todo movimento corporal acontece no espaço, produzindo diferentes configurações, portanto
diferentes formas. Envolve a experiência de movimentos realizados em diferentes planos, direções, sentidos,
níveis, trajetórias e amplitudes, o que contribui para uma boa definição, precisão e clareza do movimento.
• Dinâmica: Refere-se ao estudo da força, do que impulsiona o movimento relacionando o indivíduo com seu
próprio corpo, com o outro e com o seu entorno, ampliando assim o leque de possibilidades expressivas e
criativas através do movimento. Quanto à força ou dinâmica um movimento pode ser fraco, médio ou forte.
• Tempo : São os referenciais temporais que estabelecem a ligação entre a dança e a música. Os referencias
principais deste fundamento são:
◦ O ritmo, que se caracteriza pela distribuição de elementos ao longo do tempo. Na música nós temos o som e
o silêncio como elementos básicos, na dança o movimento e a pausa.
◦ O andamento, que é como denominamos o referencial abordado quando queremos aplicar diferentes
velocidades a esse ritmo. Este referencial está totalmente relacionado com o andamento da teoria musical.
◦ Esses referenciais temporais são fundamentais no trabalho corporal, pois podem influenciar nas variações
da dinâmica a partir da aplicação de diferentes velocidades na execução de movimentos e na distribuição
rítmica variada na construção das combinações das partes do corpo.
Dança Contemporânea
◦ A dança contemporânea busca uma ruptura total com o balé, chegando às
vezes até mesmo a deixar de lado a estética: o que importa é a transmissão
de sentimentos, ideias, conceitos. Solos de improvisação são bastante
frequentes.
◦ A composição de uma trilha para um espetáculo de dança contemporânea
implica diversos outros fatores além da própria composição musical.
◦ A dança contemporânea não possui uma técnica única estabelecida, todos
os tipos de pessoas podem praticá-la.
Teatro Contemporâneo
A origem do teatro contemporâneo começou com os  fundamentos estéticos vivenciados no século XIX, entre público e artistas, e
que   foram desafiados e ampliados no século XX, expandindo-se em experiências e inovações teatrais. 

No século XIX   o “Naturalismo” cênico dominava as convenções teatrais.

No início do século XX, novos movimentos e experimentações artísticos começaram a surgir em oposição as regras dominantes.
Desses experimentos se destacam o Expressionismo alemão, o Teatro Épico, o Teatro da Crueldade e o Teatro do absurdo.

A tendência é trabalhar a encenação interativa e a produção de textos coletivos. O diretor passa a ser mais valorizado que o
autor. 

No Brasil, o teatro contemporâneo iniciou com Nelson Rodrigues , cuja montagem de sua peça, “Vestido de Noiva”, é o marco
da modernidade do teatro brasileiro. Os personagens criados por Nelson Rodrigues, são um retrato fiel da psique humana.
Suas peças apresentam enredos com sofisticados jogos temporais e possibilitam encenações de grande ousadia, com diferentes
possibilidades de planos de ação dramática. Outros autores do panorama contemporâneo brasileiro são: Jorge de Andrade,
Plínio Marcos, Ariano Suassuna, Dias Gomes , entre outros.
◦ O Naturalismo considera a vida do homem
resultado de fatores externos (raça, ambiente
familiar, classe social etc.). Influenciado pelas
ciências experimentais, o escritor naturalista tenta
demonstrar que o comportamento humano está
sujeito a leis semelhantes às que regem os
fenômenos físicos. Se o Realismo pretende ser
objetivo e imitar a realidade, o Naturalismo deseja
fazer uma análise histórica, social e psicológica
dela – um estudo profundo a partir de uma ampla
documentação prévia. 
No teatro, o Naturalismo tem os mesmos objetivos que na ficção.
A montagem, a ação e os enredos são simples e verossímeis.
Tudo se concentra na luta desesperada, mas admirável, dos
personagens contra o próprio destino.

Também no teatro foi Zola que liderou o movimento, adaptando


seu próprio romance Teresa Raquin para o palco, em 1873.
August Strindberg e Gerhardt Hauptmann, na Alemanha, estão
entre os maiores dramaturgos europeus da escola naturalista. Do
primeiro, destacam-se O Pai (1887) e Senhorita Júlia (1888) e,
do segundo, Os Tecelões (1892), peça que retrata uma revolta
de operários
No Brasil
◦ Teatro 
As peças retratam a realidade do povo brasileiro, dando destaque para
os principais problemas sociais. Os personagens românticos dão
espaço para trabalhadores e pessoas simples. Machado de Assis
escreve Quase Ministro e José de Alencar destaca-se com O Demônio
Familiar. Luxo e Vaidade de Joaquim Manuel de Macedo também
merece destaque. Outros escritores e dramaturgos que podemos
destacar: Artur de Azevedo, Quintino Bocaiúva e França Júnior.
◦ Em vista disso, é possível dizer que, com o Teatro de Arena
de São Paulo, o capítulo naturalismo daquilo que se chamou
teatro moderno no Brasil teve a chance histórica de encontrar
o seu lugar social. Dizendo o mesmo de outra forma: o
Teatro de Arena é um dos raros casos de nossa experiência
cultural em que as ideias estavam no lugar. (O que não
significa que seus criadores tivessem consciência do que
faziam, assim como Antoine não tinha, ou só a tinha em
parte.)
Improvisação para o teatro
 A Experiência Criativa:
“Todas as pessoas são capazes de atuar no palco. Todas as
pessoas são capazes de improvisar. As pessoas que desejarem
são capazes de jogar e aprender a ter valor no palco”.
Experiência – Ambiente – Indivíduo – Talento

3 Níveis: Intelectual, Físico, Intuitivo (aqui e


agora) - Espontaneidade
Sete Aspectos da Espontaneidade

JOGOS APROVAÇÃO/DESAPROVAÇÃO PLATÉIA


Liberdade – Técnicas de Cultural – Paralisados criativamente – Sem platéia não há
maneira natural – Objetivo – Relação de igualdade – Não autoritarismo espetáculo – Sentido
Regras - Experiência FISCALIZAÇÃO
Física – ñ verbal

EXPRESSÃO DE GRUPO TRANSPOSIÇÃO DO PROCESSO DE


Trabalho em conjunto – (idéia/aplauso) APENDIZAGEM PARA A VIDA DIÁRIA
Forma natural – Harmonia Treinamento teatral não se pratica em casa, mas sim dentro
Ñ competitividade – Tensão artificial - das próprias sessões de trabalho, colocando as propostas
Ameaça – Separa para o aluno, sendo feito de maneira que ele absorva e
carregue dentro de si para sua vida diária.

FISCALIZAÇÃO
TÉCNICAS TEATRAIS Ñ verbal – Física – Liberdade de
“As técnicas teatrais estão expressão física – Comunicação
longe de ser sagradas” “O ator cria a realidade teatral
tornando-a física”
◦ Teatro do
OPRIMIDO/ENGAJADO
Teatro Épico
A dramaturgia de Bertolt Brecht (Dramaturgo, romancista, roteirista e poeta
alemão, revolucionou o idioma alemão e o teatro moderno, transformando o
drama antes subjugado pela influência de Goethe)  é oposta ao surrealismo e
ao Teatro Realista convencional, é um Teatro Épico, político e ligado ao
socialismo com características Anti-aristotélicas.
Épico é tudo aquilo que diz respeito à Epopéia: relato poético de aventuras
grandiosas de um ou vários heróis, inspiradas na história, na imaginação ou
em mitos e lendas.
O Épico de Brecht com intenções políticas trata de um herói surrado e
batido, que deve ser analisado com lógica e bom senso, com distanciamento
das emoções e, se necessário, contestado e criticado pelo espectador.