Água na Indústria Farmacêutica, Cosmética e Saneantes

Potabilidade (Drinking Water)
• Conforme os padrões brasileiros de potabilidade definidos na Portaria do M. da Saúde nº. 518, de 25/03/2004; ou conforme National Drinking Water Regulations USA.
Ä Obtida da Rede Municipal ou de Poço : Qualidade monitorada e controlada na Fábrica.

Água Potável
Água para consumo humano cujos parâmetros microbiológicos, físicos, químicos e radioativos atendam ao padrão de potabilidade e não ofereçam risco à saúde
Art. 4 - I Portaria MS 518 de 25/03/2004

5 UT em 95% dos resultados sobre água filtrada.Água Potável • A água deve conter um teor mínimo de cloro residual livre de 0.2 ppm • Valores de turbidez inferiores a 0. Os dados mensais nunca poderão apresentar valores pontuais maior que 5.0 UT .

outros Herbicidadas detergentes e desinfetantes Esgoto sanitário Esgoto industrial Contaminação microbiológica .Impurezas na água bruta Produtos de petróleo monóxido de carbono produtos radioativos Arsênio Chumbo e metais pesados Pesticidas (organofosforados. organoclorados.

Rio Pomba .(vazamento da Cataguazes) .

Região) Fe. Si.Contaminantes da água bruta Caracteristicas Material suspenso Material orgânico Algas Colóides Microorganismos Sais dissolvidos Outros contaminantes Profundidade pouco pouco ausente pouco pouco Muito (conf. CnHnCl Superficial muito muito presente muito muito pouco Pesticidas e tensoativos . Mn .

Conceitos Base para projeto de purificação de água • Impurezas principais Dissolvidas (cátions e anions) Não dissolvidas Não iônicas Gases .

Impurezas dissolvidas • Sais dissolvidos • Coloração • matéria orgânica .

Impurezas dissolvidas • • • • • • • Catiônicas cálcio magnésio sódio potássio amônio manganês ferro • • • • • • • • Aniônicas Bicarbonatos carbonatos hidróxidos cloretos nitratos fosfatos sulfatos sílica .

.Não dissolvidas • • • • • • • Turbidez lama sílica coloidal outras subst. Pirogênicas) • • • • • • lodo ou limo material suspenso material orgânico óleo ferrugem (corrosão) etc... . Coloidais algas microorganismos Endotoxinas (subst.

Gases dissolvidos • • • • • • Oxigênio dióxido de carbono cloro sulfeto de hidrogênio metano amônia .

Contaminantes biológicos e Microorganismos • • • • Contaminantes totais (ufc/ml) Coliformes Pseudomonas Giárdia .

Contaminantes por classe • Contaminantes Físicos • Contaminantes Químicos • Contaminantes Biológicos .

ferro) . acido húmico. acido fulvico.Fisicos • • • • Sabor Odor Turbidez (material fino suspenso) Cor (Matéria orgânica.

Químicos • • • • • Orgânicos origem vegetal origem animal óleos e graxas solventes defensivos agrícola • • • • • Inorgânicos pH dureza sais dissolvidos (cátions e anions) cloro alcalinidade .

bacterias não fermentativas .Biofilme • Algas • Protozoários Cryptosporidium Giardia • Bactéria Pseudomonas Escherichia coli e coliformes Gram negativas.Biológicos Microorganismos .

Biológicos Formação do Biofilme • Bactérias livres “nadando” na água usam os polisacarídeos para colônias nas superfícies • Cria um sistema complexo que envolve micro colônias e bactérias .

Esquema de uma Estação de Tratamento de Água Cloração .

BP é que o processo deve ser validável . acumulação e distribuição de Água USP.O primeiro elemento a considerar no desenho de um sistema de geração.

Águas usadas na Indústria Farmacêutica. Cosmética e Saneantes Principios: • Como todo material de partida deve atender às BPF´s • Deve ser potável e cumprir com os requisitos para tal • Atenção para crescimento microbiano potencial • Sistemas devem ser adequadamente validados • No caso de parenterais a água não deve conter pirogênios ou endotoxinas • Requer especificações claras e testes periódicos .

Águas usadas na Indústria Farmacêutica. Cosmética e Assemelhadas • • • • • • água potável água abrandada água não compendial água purificada (AP) água purificada esteril água para injetáveis (API) .

Águas usadas na Indústria Farmacêutica. ela pode variar durante o tempo • Ocorrem variações sazonais • Algumas regiões tem qualidade de água pior • É preciso remover impurezas para prevenir contaminação química dos produtos • Controle microbiano para prevenir contaminação microbiológica dos produtos . Cosmética e Assemelhadas Porque purificar a água? • Apesar da água potável ser razoávelmente pura.

600.USP 29 •Farmacopéia Européia •Farmacopéia Japonesa •Farmacopéia Brasileira •RDC 210 de 2003 .Água para fins farmacêuticos Regulamentos Alguns regulamentos para AP e API (não limitados a estes) •21 CFR. 211.212. partes 58. 820 •Farmacopéia Americana .

Desenho do sistema Deve considerar: • Impacto nos produtos fabricados • Expectativa das Agências reguladoras • Requisitos compendiais • Tecnologias disponíveis .

pressões. . fluxos.Parâmetros críticos • Os parâmetros críticos do processos são aqueles que podem afetar a qualidade da água no passo do tratamento ou após este passo. • Exemplos: pH.

concentração de ozônio. intensidade de UV. . sistemas de circulação.Parâmetros críticos • Os parâmetros críticos devem ser definidos para decidir como monitorar • Os parâmetros microbiológicos não podem ser monitorados em tempo real e por isso são controlados indiretamente pelo controle de temperatura. etc.

) .Parâmetros críticos • No caso de águas compendiais as propriedades requeridas nas monografias oficias se tornam mandatórias • Incluem biocarga. TOC. etc. e instrumentos para medir os parâmetros especificados (condutividade.. endotoxinas.

registros de operação e manutenção . procedimentos de amostragem e testes.BPFc • Satisfazer as normas regulatórias é um requisito fundamental para isto deve ser usada metodologia apropriada para manter os registros das informações desde o projeto • Deve incluir: qualidade de instalação.

BPFc • A documentação dos instrumentos criticos deve ser valorizada • Boas práticas de Engenharia (GEP) • Desenhos e documentação revisada e atualizada • Controle de mudanças .

Drenagem freqüente ou sanitização .Anel de distribuição com fluxo continuo e sob pressão .Superfícies lisas que minimizem o acumulo de nutrientes .Temperaturas elevadas ou reduzidas .Fluxo continuo e turbulento .BPFc • Atenção especial aos aspectos microbiológicos • Algumas medidas que podem minimizar este problema: .

Processos unitários • • Pré-tratamento Filtração Bruta Adição de produtos químicos (Oxidação. Neutralização) Filtração média Filtração reativa Carvão ativado Filtração final (cartucho) UV • • • • • • • • • • Purificação Troca iônica Filtração por membranas Destilação Eletrodeionização UV .

.) .. soda.Pré-tratamento • Filtração Bruta Normalmente já ocorre na ETA para eliminar partículas entre 50 a 100 mesh (305 a 140 micra) • Adição de produtos químicos Ocorre em várias fases do processo (cloração. cal. etc. sulfitos e metabissulfitos.

Filtros bolsa usados para reter partículas que estão acima de 30 .Pré-tratamento • Filtração média Filtros multimeios (areia. seixo rolado).normalmente usadas para eliminar ferro “Scavengers” para orgânicos Abrandamento . zeólitos .40 micra • Filtração reativa “Green sand”.

Filtro Multimeios .

crescimento microbiano 2.Filtração Fundamental nos sistemas de água Várias alternativas (areia. cartuchos. canais preferenciais.Cuidados: bloqueio. sanitização. filtro granular. troca . membranas) 1. perda do meio filtrante. pressão.Controles: fluxo. mangas.

Conceitos Básicos Filtração .

• Filtração de Profundidade .

• Filtração em Dupla Camada ( Dual Media Filtration ) Fluxo de Alimentação 50% Livre Para Expansão Durante Retrolavagem Antracita Areia Verde de Manganês Seixos Fluxo de Saida .

• Filtração de Superficie ( Surface Filtration ) .

• Filtração Transversal ( Crossflow Filtration ) .

• Filtração por Membranas Com Fluxo Transversal Alimentação Concentrado Permeado .

• Filtração por Membranas Representação Esquemática Membrana Alimentação Permeado Concentrado .

.

001 micras Sais.1 a 10 micras Bacterias.Filtração • Classes de Filtração Micro Filtração 0.05 micras Organicos. Endotoxinas Nano Filtração 0.005 a 0. Ions Divalentes Osmose Reversa 0.005 micras Dureza.0001 a 0.0005 a 0. Ions Monovalentes Água . Solidos Finos Ultra Filtração 0.

Controles: verificação de eficácia de remoção . em suspensão • Ajuste de pH: eficiência dos sistemas 1.Pré-tratamento Aditivos químicos • Cloro e ozônio: controle microbiano • Sulfitos ou metabissulfitos: eliminação cloro livre • Agentes floculantes: remoção mat.Cuidados: garantia de remoção pelo processo nos passos seguintes 2.

filtros para reter partículas finas geradas .Pré-tratamento Limpadores de material orgânico ( scavengers) São resinas macro-reticulares de troca iônica capazes de remover • material orgânico • endotoxinas 1.Controles: verificação de eficácia de remoção por teste do eluido. geração de fragmentos (finos) 2.Cuidados: capacidade de remoção.

É utilizado sempre que se necessite eliminar a "dureza da água". dos cátions (Ca++) e magnésio (Mg++). .Pré-tratamento Abrandamento O Processo de abrandamento consiste em uma troca iônica. que tem características incrustante por sódio (Na+) de característica não incruste.

Abrandador 2 x Na Ca++ Mg Ca++ Mg++ + + + Mg++ Ca++ Ca++ Na Na Na Mg++ Ca++ Mg++ Mg++ Ca++ Mg++ 2 x Na+ Na Na Na .

K CO3-2 CO3H - R – resina catiônica de retirada dos cátions.Fé. Por isto. é melhor que seja feito um teste de dureza na água depois do abrandador para saber se a condutividade aumentada é em razão de deficiência no abrandador. .Mg.+ R -.Ca. principalmente de Cálcio e Magnésio. responsáveis pela dureza da água.Na+ ⇒ Na+ Na+ Na+ Na+ SO4NO3.Reação de Abrandamento Ca+ Mg+ K+ Fe+ ClSO4NO3+ CO3-2 CO3H-ClNa+ R.

eliminação de cloro ativo .Pré-tratamento • Carvão ativado Eliminação de cloro e adsorção de orgânicos • Filtração fina(cartucho) Retenção de particulas de 10 e 5 micra • UV Controle microbiano.

Cuidados: canais preferenciais. troca .Pré-tratamento Carvão Ativo • Adsorção de orgânicos de baixo PM e agentes oxidantes • Proteção de partes em aço inox. água quente). resinas e membranas • Possibilita crescimento microbiano • Não pode ser regenerado na instalação 1. endotoxinas 2.Controles: sanitização(vapor. capacidade de adsorção. bactérias.

Ultravioleta • • • • • • Pré tratamento Posicionamento vs objetivo Comprimento de onda vs objetivo Continua vs intermitente Dimensionamento Faça e não faça .

Filtro Carvão Ativo Ultravioleta .

todos os sais dissolvidos são teoricamente eliminados. .Purificação Troca Iônica Na troca iônica ou desmineralização da água.

Leito Misto SO42Na+ H+ Na+ K+ Na+ H HH K+ H H H H H H+ K+ K+ Na+ Na+ K+ OH OH K+ Na+ K+ CI CI CI - OH OH SO4220H- H H Na+ K+ SO42- CI - SO42- .Duplo Leito .Purificação Troca Iônica • OHSO42CI CI CI - Deionização .

Troca Iônica Configuração típica .

Troca Iônica • Principais Vantagens • Medio Custo de Operação • Baixo Custo de Capital • Boa para USP-28 (Purified Water) .

Purificação • Filtração por Membranas Com Fluxo Transversal Alimentação Concentrado Permeado .

Purificação • Superficie de Membranas • Membrana de 0.2µ • Magnificação 8000X .

Purificação • Superficie de Membranas • Membrana de Osmose Reversa • Aumento de 8000X .

OSMOSE Pressão Osmótica h Membrana Semipermeável Solução 2 Solução de Sais Mais Concentrada ( Agua do Mar ) Solução 1 Solução de Sais Menos Concentrada ( Agua Potável ) Fluxo de Água .

Pressão OSMOSE REVERSA Solução 2 Solução de Sais Mais Concentrada ( Agua do Mar ) Solução 1 Solução de Sais Menos Concentrada ( Agua Potable ) Fluxo de Água .

Osmose Reversa Representação Esquemática de uma Máquina de um Passo. com Arranjo Múltiplo Alimentação Permeado Concentrado .

Osmose Reversa Representação Esquemática de uma Máquina de Passo Duplo Alimentacion Permeado 1 Concentrado 1 Permeado 2 Concentrado 2 .

Equipo de Membranas Configuração Típica de uma Máquina Alimentação Pré-Filtro Membrana Permeado Bomba Válvula de Concentrado Concentrado .

Equipamento de Osmose Reversa .

.

.

Elementos de Membrana .

OSMOSE REVERSA SANITIZÁVEL / OPERÁVEL A FRIO (AMBIENTE) • Seção Hidráulica en PVC / Aço Inoxidável ou Totalmente em Aço Inoxidável • Elementos de Membrana USPG (USP grade) • Desenho Sanitario Full-Fit + Aço 316L • Fluxo Total .Evita Zonas Mortas • Operação e/ou Sanitização a Temperatura Ambiente (Máx 40-45 °C) .

OSMOSE REVERSA SANITIZÁVEL / OPERÁVEL A FRIO (AMBIENTE) • CIP a Frío (Ambiente) • Tanque de CIP en HDPE • Limpeza a Temperatura Ambiente • Sanitização a Temperatura Ambiente .

OSMOSE REVERSA SANITIZÁVEL / OPERÁVEL A FRIO (AMBIENTE) • Principais Vantagens • Baixo Custo de Operação • Baixo Custo de Capital • Ideal Para USP-29 (Purified Water) em Condições Ambientais Moderadas .

Equipo de Osmosis Reversa USP 29 .

OSMOSE REVERSA SANITIZÁVEL / OPERÁVEL A QUENTE • Seção Hidráulica Totalmente en Aço Inoxidavel • Elementos de Membrana Durasan® USPG: • Desenho Sanitario Full-Fit + Aço 316L • Materiais Adequados para Alta Temperatura • Operação ou Sanitização a 65-95 °C .

OSMOSE REVERSA SANITIZÁVEL / OPERÁVEL A QUENTE • CIP a Quente • Tanque do CIP em Aço Inoxidável 316 • Trocador de Calor Simples ou Duplo • Controle Automático (Gradual) de Temperatura • Permite Limpeza a Frío .

OSMOSE REVERSA SANITIZAVEL / OPERAVEL A QUENTE • Principais Vantagens • Custo de Operação Moderado • Ideal Para USP-29 (Purified Water) em Condicições Ambientais Dificeis • Adequada Para USP-29 (WFI) .

ou • Sanitizar por 240 min.SANITIZAÇÃO A QUENTE • A Sanitização depende da Temperatura e do Tempo. a 80-90 ºC. a 65 ºC 300 250 Time (min) 200 150 100 50 0 50 60 70 80 90 Temperature . por Exemplo: • Sanitizar por 60 min.

Equipamento USP em Aço Inoxidavel .

peracético ou formaldeido • • • • • • Osmose Reversa Fácil concepção sanitária Rendimento 70 % Sem regeneração química Menos propicio a microorganismos Degradação reduz eficácia Sanitização ac. peracético/ H2O2 .Comparação Di X RO • • • • • • Deionização Concepção sanitária? Rendimento próximo 100% Regeneração Química Leito propicio a microrganismos Degradação gera partículas Sanitização salmoura alcalina.

• Existem 3 diferentes tipos .Compressão de vapor ( 350 a 4500 L/h) .Destilação • Destiladores bem projetados purifica a água química e microbiologicamente com bastante eficiência.Simples efeito (4 a 400 L/H) .Múltiplos-efeitos (60 a 6500 L/h) .

Destilação • Os de simples efeito e de múltiplos-efeitos necessitam de retirada do cloro e água desmineralizada como pré tratamento (DI ou RO) • Os de compressão de vapor necessitam de eliminação de cloro e água abrandada • Em todos os casos voláteis como amônia tem que ser previamente eliminados • O teor de sílica máximo 5 mg/L .

.

Destilador

Destilador

Termocompressão .

Termocompressão .

Equipamento EDI (Eletrodeionização) • Uso em Industria Farmacéutica: • Polimento do Permeado de Osmose Reversa • Quando se Requer? • Água de Alimentação com Alto Teor de Sólidos Disssolvidos • Água de Alimentação com Grandes variações .

Eletrodeionização ( EDI ) Concentrate Ultrapure Product Recycle Cation Membrane Anion Membrane CATHODE Anion Membrane Ultrapure Product Concentrate Recycle Na+ ClNa+ H+ Cl - ANODE H+ ClOHCation Resin Na+ CI- OH- Na+ Anion Resin Na+ CI- Electrolyte Compartment (E Chamber) Feed Diluting Concentrating Compartment Compartment (D Chamber) Chamber) (C Feed Diluting Compartment (D Chamber) Concentrating Compartment (C Chamber) Electrolyte Compartment (E Chamber) MULTIPLE CELLS .

Equipamento de Eletrodeionização ( EDI ) .

Ultravioleta • • • • • Pós tratamento Posicionamento vs objetivo Comprimento de onda vs objetivo Dimensionamento Faça e não faça .

Ultra-filtração • • • • • • Pós tratamento Seleção do sistema e membranas Instalação Série vs paralelo Desinfecção e manutenção Faça e não faça .

Sistema típico para API (WFI) • Destilação • Osmose reversa+ de-ionização + ultra-filtração • Osmose reversa duplo passo. sanitização a quente .

Estocagem e distribuição • • • • • • Desenho do sistema Desenho dos tanques Alarmes Anel de circulação (loop) Pontos mortos Desinfecção e manutenção .

) • • • • • • Produção por demanda vs Produção contínua Estocagem a Quente vs estocagem a frio Ozônio Único ponto de uso vs anel de distribuição Manutenção Faça e não faça .Estocagem e distribuição (cont.

sanitizáveis) Bombas e selos Tubos e conexões Válvulas Drenabilidade .Estocagem e distribuição • • • • • • • Tanque vertical Trocador de calor casco tubo Vent filter (hidrofóbicos.

40 e 1.Estocagem e distribuição • Acabamentos com rugosidade de 0.38 micra RA (320 grit) • Eletropolimento é discutido • Modo geral sistemas permanentemente a quente podem ter polimento mais “frouxo” enquanto sistemas que operam a frio tem porosisdade entre 0.75 micra Ra (180 grit) • Muitos usam 0.0 microns Ra .

PVDF. Aço inox 304 L e 316 L • Para águas compendiais o uso de aço inox 316 L ou PVDF é o mais recomendado . PP. PVC.Estocagem e distribuição • Na distribuição podem ser usados vários materiais como ABS.

estocagem a quente.22 hidrofóbico • Filtro Vent aquecido se sanitização a quente • Se CO2 é problema se usa atmosfera de N2 passando o gás pelo Filtro Vent • Renovação (turnover) do tanque 1 a 5 vezes por hora • A renovação é menos importante quando se usa ozonio. estocagem a frio (4 a 10o C ) .Estocagem e distribuição • Filtro Vent de 0.

Estocagem e distribuição • Sistemas esterilizados por vapor ultrapuro devem ser totalmente drenaveis • Menos importante quando a sanitização é por outros meios em que não necessita esvaziar todo o sistema • Trechos mortos (dead legs) devem ser fortemente evitados .

Estocagem e distribuição Não devem existir “dead legs” D As setas de direção do fluxo nos tubos é muito importante. X <2D Valvula Sanitaria Percurso da água no dead leg . teremos um “dead leg” que é muito longo. Deadleg section Se D=25mm e distancia X for maior que 50mm.

A água será contaminada amedida que passar pela valvula Água estagnada interno valvula .Estocagem e distribuição 1. Valvulas de esfera são inaceitáveis 2. Bacterias podem crescer com a valvula fechada 3.

Estocagem e distribuição • Pressão positiva no sistema isto evita formação de vácuo nos pontos e impede entrada de elementos estranhos ao sistema • Velocidade no anel. a pratica comum é ter velocidade de retorno de 3 pés por segundo e um número de Reynolds turbulento .

Monitoração e etc. e não podem ser fontes de contaminação. .Água Purificada(AP) O processo da instalação deve ser consistente e tem que seguir as Boas Práticas de Fabricação com relação a Instalação. Todos os componentes do sistema devem permitir operação segura e reprodutivas de suas funções. Operação.

para a produção de Parenterais. alguns oftálmicos e produtos inalantes. Ä Na RDC 210 se refere a USP e PHARM.Água para Injeção(API) • Água de uso farmacêutico. . Deve cumprir com a especificações exigidas pela ANIVSA-MS. EUR.

Água para Injetáveis (API ) • Pirogênios: – Causam aumento da temperatura corporal ( Febre ) • Endotoxinas: – Complexos moleculares de auto peso molecular proveniente das membranas de bactérias Gram Negativas ( Liposacarídeos ) 31 .

Água para Injetáveis (API ) Endotoxinas • • • • • • Febre Coagulação Aglomeração Plaquetária Liberação de animas vasoativas Indução à produção de interferon Indução ao fator tumor-necrosante 32 .

Água para Injeção (API) • Pirogênios e Endotoxinas Prevenir Formação > 80º C Sanitização Remover Destilação Osmose reversa Calor Seco 33 .

Água para Injeção (API) Processos Aceitos • Osmose Reversa Duplo Passo • Osmose Reversa com ultrafiltração • Ultrafiltração • Destilação 34 .

. Porém os Térmicos são os preferidos. • Deve operar sobre programa contínuo de Monitoramento Microbiológico com Procedimento Escrito e Plano de Amostragem. • Métodos Térmicos e Químicos são aceitos. • O sistema tem que ser Sanitizado ou Esterilizado em intervalos pré estabelecidos.Controle Microbiológico na Operação • O Sistema de Água tem que ser validado.

Controle Microbiológico na Operação As condições de Sanitização e sua freqüência devem ser baseadas nos dados de validação e aprovadas pela Equipe de Validação. .

Métodos Auxiliares aceitos para Conservação e Sanitização • Água Purificada Quente • Vapor Limpo (Vapor Puro) • Luz Ultra-Violeta • Tecnologia de Filtração • Ozônio .

Características Necessárias à Instalação
EC / OMS Européia Org. Mundial de Saúde Comunidade

FDA - Food and Drug Administration

ISPE - International Society for
Pharmaceutical Engineering

Testes e especificações para PW e WFI - (1)
Ph. Eur. pH 5.0-7.0 Cl < 0.5 SO4 NH4 pass test < 0.2 JP 5.0-7.0 USP 5.0-7.0 pass test pass test < 0.05 pass test pass test Int. Ph. pass test pass test pass test pass test pass test pass test

Ca/Mg pass test Nitrates Nitrites < 0,2 -

Testes e especificações para PW e WFI - (2)
Ph. Eur. Conductivity (µS/cm) Oxidizable subs. Solids (ppm) TOC (ppm) Heavy metals CO2 pass test < 10 JP pass test < 10 < 0.5 USP < 1.3 < 0.5 pass test Int. Ph pass test nmt(*) 10 pass test

Suggested bacterial limits Sampling location Raw water Post multimedia filter softener Post Post activated carbon filter Feed to RO RO permeate Points of Use Fonte: WHO (CFU /mL) Action 500 500 500 500 500 100 100 Target   200 100 100 50 20 10 1 Alert 300 300 300 300 200 50 10 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful