Você está na página 1de 29

FASE DA TENSÃO

“Aí eu achava que o erro estava em mim, que eu sou errada, então eu
procurava fazer as vontades dele, fazia tudo que ele queria para viver em
paz.” (Carolina, 35 anos, doméstica).

FASE DA AGRESSÃO
“…Até que um dia ele me me atacou, me chutou.”
(Carolina, 35 anos, doméstica).

(Violência Doméstica Contra Mulher – Caminhos e Descaminhos, Histórias Vividas, Histórias Contadas - 2007)
FASE DA LUA DE MEL

“ Me cercava no meio da rua, dizia que estava arrependido, ajoelhou no


meio da rua.”
(Carolina, 35 anos, doméstica).

“Sempre que brigava ele prometia mudar.”


(Benedita, 42 anos, aposentada)
TIPOS DE VIOLÊNCIA
Estão previstos cinco tipos de violência doméstica e familiar contra a mulher na
Lei Maria da Penha: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial − Capítulo II,
art. 7º, incisos I, II, III, IV e V.

Essas formas de agressão são complexas, perversas, não ocorrem


isoladas umas das outras e têm graves consequências para a mulher.
Qualquer uma delas constitui ato de violação dos direitos humanos e
deve ser denunciada.
VIOLÊNCIA FÍSICA
Entendida como qualquer conduta que ofenda a
integridade ou saúde corporal.
• ESPANCAMENTO
• ATIRAR OBJETOS, SACUDIR E APERTAR OS BRAÇOS
• ESTRANGULAMENTO OU SUFOCAMENTO
• LESÕES COM OBJETOS CORTANTES OU PERFURANTES
• FERIMENTOS CAUSADOS POR QUEIMADURAS OU ARMAS DE FOGO
• TORTURA
VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA
É considerada qualquer conduta que: cause dano emocional e diminuição da autoestima;
prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento da mulher; ou vise degradar ou controlar
suas ações, comportamentos, crenças e decisões.
• AMEAÇAS
• CONSTRANGIMENTO
• HUMILHAÇÃO
• MANIPULAÇÃO
• ISOLAMENTO (PROIBIR DE ESTUDAR E VIAJAR OU DE FALAR COM AMIGOS E PARENTES)
• VIGILÂNCIA CONSTANTE
• PERSEGUIÇÃO CONTUMAZ
• INSULTOS
• CHANTAGEM
• EXPLORAÇÃO
• LIMITAÇÃO DO DIREITO DE IR E VIR
• RIDICULARIZAÇÃO
• TIRAR A LIBERDADE DE CRENÇA
• DISTORCER E OMITIR FATOS PARA DEIXAR A MULHER EM DÚVIDA SOBRE A SUA MEMÓRIA E SANIDADE
(GASLIGHTING)
VIOLÊNCIA SEXUAL
Trata-se de qualquer conduta que constranja a presenciar, a manter ou a participar de
relação sexual não desejada mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força.

• ESTUPRO
• OBRIGAR A MULHER A FAZER ATOS SEXUAIS QUE CAUSAM DESCONFORTO OU
REPULSA
• IMPEDIR O USO DE MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU FORÇAR A MULHER A
ABORTAR
• FORÇAR MATRIMÔNIO, GRAVIDEZ OU PROSTITUIÇÃO POR MEIO DE COAÇÃO,
CHANTAGEM, SUBORNO OU MANIPULAÇÃO
• LIMITAR OU ANULAR O EXERCÍCIO DOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS
DA MULHER
VIOLÊNCIA PATRIMONIAL
Entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou
total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e
direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades.

• CONTROLAR O DINHEIRO
• DEIXAR DE PAGAR PENSÃO ALIMENTÍCIA
• DESTRUIÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOAIS
• FURTO, EXTORSÃO OU DANO
• ESTELIONATO
• PRIVAR DE BENS, VALORES OU RECURSOS ECONÔMICOS
• CAUSAR DANOS PROPOSITAIS A OBJETOS DA MULHER OU DOS QUAIS ELA
GOSTE
VIOLÊNCIA MORAL
É considerada qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou
injúria.

• ACUSAR A MULHER DE TRAIÇÃO


• EMITIR JUÍZOS MORAIS SOBRE A CONDUTA
• FAZER CRÍTICAS MENTIROSAS
• EXPOR A VIDA ÍNTIMA
• REBAIXAR A MULHER POR MEIO DE XINGAMENTOS QUE INCIDEM SOBRE A SUA
ÍNDOLE
• DESVALORIZAR A VÍTIMA PELO SEU MODO DE SE VESTIR
Violência Doméstica no meio Cristão
Para começarmos a falar de violência contra a mulher no meio cristão,
partimos da informação que cerca de 40% das denúncias feitas nos
órgãos especializados é realizada por mulheres que se denominam
evangélicas.
Acreditamos que esse número deve ser muito maior, pois muitas se
omitem por medo e por vergonha da comunidade religiosa em que
vivem, e quando buscam ajuda de seus líderes muitas vezes escutam
que elas devem orar e que a mulher deve ser submissa ao seu marido .
Submissão é uma palavra que se não analisada de maneira coerente dentro
do contexto bíblico, pode muitas vezes causar estragos irreversíveis na vida
de muitas mulheres, como traumas psicológicos. Devemos entender que
essa palavra não cabe somente à mulher, mas para todos.
Vamos separar essa palavra, sub/missão, e poderemos a compreender
melhor. Cada um tem sua missão em um casamento, a da mulher é de
auxiliadora do marido, mas será que alguém pode auxiliar a quem te fere e
te machuca? Praticamente impossível.
O homem que realmente teme a Deus, ama, cuida, protege e respeita a sua
esposa e consequentemente terá ao seu lado alguém para auxiliá-lo a
alcançar um ministério forte.
Existem trechos da Bíblia que muitos usam para justiçar a submissão
feminina de maneira equivocada.  Basta vermos o que está escrito em
Efésios, capítulo 5 dos versículos de 21 ao 33.
Porém, infelizmente o que vemos comumente são muitos religiosos se
baseando, no que está escrito nos versículos de 22 ao 24:
22. Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor;
23. Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça
da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo.
24. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as
mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos.
Esquecem-se de meditar no versículo anterior que diz: Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus (
Efésios 5:21). 
25. Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela,
26. Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra,
27. Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e
irrepreensível.
28.Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua
mulher, ama-se a si mesmo.
29. Porque nunca ninguém odiou a sua própria carne; antes a alimenta e sustenta, como também o Senhor à
igreja;
30. Porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos.
31. Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne.
32. Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja.
33. Assim também vós, cada um em particular, ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher
reverencie o marido. (Efésios 5: 23-33)