Você está na página 1de 11

O QUE É O

CONHECIMENTO?
Origem etimológica (étimo = raíz)

CONHECER GNOSIOLOGIA

Cognoscere (grego) GNOSIS +


= LOGIA
(conhecimento) (estudo
Sujeito COGNOSCENTE de)
+
Objecto COGNOSCÍVEL Disciplina filosófica que estuda os
problemas relativos ao
conhecimento em geral.
CONHECIMENTO
DESCRIÇÃO INTERPRETAÇÃO
(objecto) (sujeito)

 Observação rigorosa do objecto  Tentativa de explicação após a


descrição
 Objectividade
 Perspectivas dos sujeitos que
 Aspectos essenciais
interpretam
 Isento de opiniões pessoais  Subjectividade

 Teorias variadas, diferentes,


discutíveis, plausíveis

FENOMENOLOGIA GNOSIOLOGIA/TEORIA
DO CONHECIMENTO
FENOMENOLOGIA DO ACTO DE
CONHECER

estudo do fenómeno: o acto de


conhecer
(tudo o que aparece à nossa consciência)

descrever a estrutura essencial do fenómeno do conhecimento


=
descrever o conhecimento em si mesmo
PROCESSO DE
CONHECER
OBJECTO
O que pode ser conhecido

SUJEITO
Sensações
Captação da informação pelo sistema sensorial (sentidos)

Percepções
Organização da informação sensorial em experiências
significativas, de acordo com a situação vivencial do sujeito

Cognição
Elaboração do conhecimento abstracto e racional
CONHECIMENTO
segundo PLATÃO, TEETETO
O Conhecimento NÃO É O Conhecimento É

1. O Conhecimento EPISTEME
sensorial

Cada indivíduo teria a sua versão, o que


seria a negação do próprio
conhecimento Crença verdadeira
justificada. Diz “o
2. Opinião (doxa) que é” e tem a
justificação
Ou “não diz o que é” ou “diz o que é”
mas não sabe porquê.
PROBLEMAS
GNOSIOLÓGICOS
Natureza ou essência Origem ou
fonte Possibilidade,
Saber se
conhecemos Determinar se valor e limites
Saber se
propriamente as conhecemos
coisas ou as suas podemos
com os sentidos, conhecer
representações. com a razão, ou alguma coisa, e
com ambos. em caso
afirmativo, até
REALISMO RACIONALISMO onde podemos
IDEALISMO EMPIRISMO conhecer.
FENOMENISMO APRIORISMO
DOGMATISMO
CEPTICISMO
CRITICISMO
MODELOS EXPLICATIVOS
DO CONHECIMENTO
Racionalismo Platão,
Descartes Empirismo J. Locke, David Hume
 Razão = única fonte de conhecimento válida  Experiência sensitiva = única fonte
de conhecimento
 Confiança na razão nega poder à
experiência
 Mente = tábua rasa quando nasce
 Conhecimento verdadeiro procede da razão (negação das ideias inatas)

 Logicamente necessário e universalmente  Todo o conhecimento vem da


válido experiência , não possuindo validade
universal nem necessidade lógica
 Juízos analíticos a priori (ideias inatas)

 Conceptual e dedutivo
 Juízos sintéticos a posteriori

 Modelo = conhecimento matemático  Modelo = ciências naturais

 Raciocínio indutivo
Limites
Racionalismo Empirismo

• Conduz a um DOGMATISMO • Conduz ao CEPTICISMO,


METAFÍSICO – doutrina que doutrina que defende a
admite a possibilidade de o impossibilidade para o espírito
homem alcançar a verdade, e a humano de alcançar a verdade
possibilidade e a validade do
conhecimento absoluto
• PROBABILISMO – o
conhecimento é baseado em
• Exclusivista ao reduzir o hábitos e não pode aspirar à
conhecimento à razão, certeza do conhecimento
ignorando o papel e a necessário e universal
importância dos sentidos
• Papel passivo do sujeito
• Papel passivo do sujeito
APRIORISMO KANTIANO
(ultrapassou a dicotomia empirismo/racionalismo)

SENSIBILIDADE ENTENDIMENTO
• Apreensão do objecto na • Pensa e organiza as intuições sensíveis
experiência sensível • Configura as sensações, organizando-as segundo
determinadas categorias a priori
• Gera as sensações = matéria do • As estruturas do sujeito, porque a priori, conferem ao
conhecimento (a posteriori) conhecimento o estatuto de necessidade e universalidade.

“SEM A SENSIBILIDADE NENHUM OBJECTO SERIA DADO; SEM O


ENTENDIMENTO NENHUM SERIA PENSADO” (KANT)

O conhecimento é a síntese entre intuições sensíveis (matéria a


posteriori) e conceitos (forma a priori)
Expressa o modo como a razão humana (forma) organiza as sensações
(matéria)
O conhecimento não é conhecimento das coisas em si, mas das coisas
“em nós”, segundo as nossas estruturas a priori
A originalidade de Kant – papel activo do sujeito no conhecimento