Você está na página 1de 109

Limites

Convergentes
Três tipos:
oceano–oceano Philippines
oceano–continente Andes
continente–continenteHimalaya
Limites
Convergentes
• Nova crosta criada no MOR—antiga 
crosta destruida (reciclada) em zonas de 
subducção
• 2 tipos : subducção & colissão
• Importância Relativa da densidade :
Crosta continental ≈ 2.8 g/cm3
Crosta oceânica ≈ 3.2 g/cm3
asthenosfera ≈ 3.3 g/cm3
Oceano–Oceano
Arcos de Ihas : Cadeia de ilhas 
Arcos de Ihas 
vulcânicas
• Cinturão de alta sismicidade de 
terremotos rasos a profundos
• Alto fluxo de calor em arcos de 
vulcões andesiticos 
• Borderjados por uma trincheira 
submarine
Zonas de subducção
• Terremotos rasos e profundos, dispostos em
uma superfície

• Vulcanismo e plutonismo

• Destruição da crosta oceânica

• Formação da crosta continental – deformação


e metamorfismo
Duas placas se movem uma em direção a
outra :
2. Duas placas oceânicas
3. Uma placa continental plate e outra
oceânica
4. Duas placas continentais
• Quando duas placas colidem, a mais
densa DESCE (mergulha) em direção
ao manto
• Este processo é chamado SUBDUCÇÃO
• Como a placa mais densa mergula, são
criados focos de terremos rasos,
intermédiarios e profundos
• Este padrão de terremotos definem a
ZONA de BENIOFF ZONE
Convergência Oceano-oceano
• Quando uma placa oceânica colide com
outra placa oceânica, a mais ANTIGA
subducta
• O topo da placa subductante forma um
TRINCHEIRA no oceano profundo.
• Sedimentos da placa subductante é
jogado para for a para formar um
prisma acrecionário
• Água liberada da placa subductante causa a
fusão da astenosfera
• Este magma move-se para cima para formar
um ARCO DE ILHAS VULCÂNICO
• Parte do oceano entre o arco de ilha
vulcânico e o prisma acrescionário é
chamado de bacia de FOREARC (pós-arco)
• O oceano atrás do arco de ilhas é chamado de
bacia de retro-arco (BACKARC )
• Quando a placa oceânica colide com
uma placa continental, a placa
oceânica mais densa subducta
• Zone de Benioff zone, trincheira,
prisma acrescionário e vulcões são
formados devido a subducção.
• A jovem CINTURÃO DE
MONTANHAS se forma na placa
continental e
Fig. 19.33, page 479
• Duas placas continentais colidem
quando o oceano inteiro entra em
subducção.
• Placa Continental NÃO PODE
subductar
SEM subducção:
NÃO zona de Benioff
NÃO trincheira oceânica
NÃO prisma acrescionário
NÃO vulcões ativos
Fig. 19.29, page 477
• As placas continentais se juntam ao
longo de uma ZONA DE SUTURA
• A crosta continental torna-se
espessada e forma um CINTURÂO
DE MONTANHAS (example: The
Himalayas)
Zona de Subducção
Oceano–Oceano
Oceano–Continente
Arco Continental :
Arco Continental 
 • Cinturão Magmatico de vulcões 
ativos (andesitos a riolitos)
• Frequentemente acompanhado de 
compressão de crosta superior na 
construção de montanhas 
Bordejados por trincheira 
submarina
Zona de Subducção
Oceano-Continente
Limites convergentes: zonas de subducción
La zona de acoplamiento sísmico
Figure 6. Uplift measured across
central Vancouver Island
compared with predictions from
a simple elastic dislocation
model of a locked fault. Curves
for several fault geometries are
given; parameters are fault dip,
and widths of the locked zone
and a transition zone where
inter-seismic slip varies from
zero to the full plate rate
(derived from Hyndman and
Wang, 1995; curves from model
of Thatcher and Rundle, 1984).
Estructura térmica de las zonas de subducción
Zonas de
subducción “frias”
y “calientes”
Caracteres geoquímicos del volcanismo de subducción
Margenes accrecionales y no acrecionales
Adakitas y
fusión de la
placa
Geometría de la zona de subducción del
Pacifico occidental: Kamtchatka, Japón,
Izu-Bonin
Cuencas
trasarco:
Zona de
subducción Izu-
Bonin
Zona de
subducción Izu-
Bonin
Estructura de la zona de subducción del Pacifico
occidental: Tonga-Kermadec
Sismicidad de la zona de subducción
centroamericana
Sismicidad estructura térmica de la
zona de subducción en México
central
(Manea et al., 2004, Geophysical Journal
International)
Tomografía de ondas P en
Centroamérica
(Rogers, Karason & Van der Hilst,
2002, Geology)
Sismicidad de la zona
de subducción de la
placa Juan de Fuca
Continente–Continente
• Limites Continente–continente, 
convergência é acompanhada de :
• Dobramento (encurtamento 
“shortening” e espessamento 
“thickening”)
• falhamento transcorrente “Strike­slip 
faulting”
• Empurrões reversos “Underthrusting” 
(subducção intracontinental)
Continente–Continente
Colissão
Continente-Continente
Himalayas and Tibetan
Plateau
• Produto da colisão entre India 
e Asia.
• Colissão iniciou­se a 45 M yr., 
continua hoje.
• Antes da colisão, sudeste da 
Asia parecia como o Andes 
de hoje.
Estagios
na
colissão
da
India com
Asia
Limite Transformante
recobrimento de centros de expansão
Razões de movimento de placas

Maioria obtida de anomalias 
magnéticas no fundo oceânico
Espalhamento lento 3 cm/ano
Espalhamento lento   
Espalhamento rápido : 10 cm/ano
Espalhamento rápido 
Espalhamento muito rápido : 
Espalhamento muito rápido 
17cm/ano
Velocidade Relativa e Direção do
movimento da placa

Data from C. Demets, R.G> Gordon, D.F. Argus, and S. Sten, Model Nuvel-1, 1990
Assembleia de Rochas

e placas tectônicas
• Cada ambiente na placa tectônica 
porduz um distinto grupo de 
rochas. 
• Para estudar o registro de rochas 
na área, pode­se estudar a história 
tectônica de uma região.
Camadas de suite de ofiolitos
Precambrian Ophiolite Suite

Pillow basalt

M. St. Onge/Geological Survey of Canada


Terrenos Exóticos ou Microplacas
• Grandes blocos cuja forma contrasta com áreas
vizinhas
• Diferentes tipos de falhas, dobras, fosseis, tipo
de rochas, metamorfismo, magnatismo
• Devem representar fragmentos de continentes,
fundo oceânico, platôs oceânicos, arcos de ilhas
que se separaram e foram agrupados em um
novo lugar
Aproximação de Arco ou
Microcontinente
Colissão
Terreno e microplaca Accrescido
Terrenos de
Microplacas
adicionados ao
Oeste da America
nos últimos
200 Milhões de anos

After Hutchinson, 1992-1993


Mecanismos de forças

de placas tectonicas
• Pode ser a convecção do manto.
• Fricção na base da litosfera e 
transferência de energia da 
astenosfera para a litosfera.
• Convecção pode remover a 
astenosfera 4–6 vezes.
Outros fatores

• Empurrão da Trincheira
   Descida da Placa
• Abertura da cadeia
Three possible driving factors
Three
possible
mechanisms
for the
movement of
lithosphere
over the
asthenospher
e
Fig. 17.17
Reconstruções
Tectônicas
  A variedade de evidências traça o 
movimento dos continentes no decorrer do 
tempo :
• Paleomagnetismo
• Estruturas Deformacionais Ambientes 
de deposição 
• Fosseis
• Distribuição de vulcões
Assembleia of Pangaea

I.W.D. Dalziel, 1995


(Breakup) Quebra do Pangaea

200 million years ago

After Dietz & Holden, 1970


Breakup of Pangaea

140 million years ago

After Dietz & Holden, 1970


Breakup of Pangaea

65 million years ago

After Dietz & Holden, 1970


Breakup of Pangaea

Today

After Dietz & Holden, 1970


Examinando Furos de mar profundo

Texas A&M University


Questões sobre placas
tectônicas
• O que realmente sabemos sobre as 
células de convecção do manto?
• Por que existem alguns continentes 
completamente circundados por centos 
de espalhamento?
• Por que tectônica na crosta continental 
crust e oceânica são tão diferentes?
Cross Section of Western Canada
Fig. 20.25a
Formação
de
anomalias
Magnéticas

Fig. 20.10
Himalayas
and Tibetan
Modelos Plateau
• Underthrusting
• Encurtamento Distribuido
•Falhamento Strike­slip 
Ciclo de Wilson
Plate tectonics repeats itself: rifting, sea­
floor spreading, subduction, collision,
rifting, …
Plate tectonics (or something like it)
seems to have been active since the
beginning of Earth’s history.
After Hutchinson, 1992-1993

Fig. 20.22
Examples of Plate Boundaries
O-C O-O C-C O-O
convergent divergent divergent divergent

O-O O-O O-C


convergent divergent convergent

Fig. 20.8a,b
Sedimentos Vulcânicos e Não-
marinhos são depositados em rift
valleys

Fig. 20.17a
Resfriamento e subsidência da
margem do rift segue a
deposição de sedimentos

Fig. 20.17b
Desenvolvimento de plataforma de
Carbonatos

Fig. 20.17c
Margem Continental continua a crescer
suprida por erosão do continente

Fig. 20.17d
Limites Oceano–Continente
Opening
of the
Atlantic
by Plate
Motion

After Phillips & Forsyth, 1972


Fig. 20.13
Partes de um limite de placa
convergente Oceano–Oceano

Fig. 20.18
Partes de um limite Oceano–
Continente

Fig. 20.19
Subducção Continuada

Fig. 20.20a
Colissão
Continente–
Continente

Fig. 20.20b