Você está na página 1de 60

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Noções Gerais da Ciência Jurídica Profª Karla Ulman
ESCOLA DA COSMOÉTICA Noções Gerais da Ciência Jurídica Profª Karla Ulman
ESCOLA DA COSMOÉTICA Noções Gerais da Ciência Jurídica Profª Karla Ulman

Noções Gerais da Ciência Jurídica Profª Karla Ulman

ESCOLA DA COSMOÉTICA Noções Gerais da Ciência Jurídica Profª Karla Ulman
ESCOLA DA COSMOÉTICA Noções Gerais da Ciência Jurídica Profª Karla Ulman
ESCOLA DA COSMOÉTICA Noções Gerais da Ciência Jurídica Profª Karla Ulman
ESCOLA DA COSMOÉTICA Ética é moral? O direito é lei? A moral é direito? O direito
ESCOLA DA COSMOÉTICA Ética é moral? O direito é lei? A moral é direito? O direito
ESCOLA DA COSMOÉTICA Ética é moral? O direito é lei? A moral é direito? O direito

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Ética é moral? O direito é lei? A moral é direito? O direito
ESCOLA DA COSMOÉTICA Ética é moral? O direito é lei? A moral é direito? O direito
Ética é moral?
Ética é moral?
O direito é lei?
O direito é
lei?
A moral é direito?
A moral é
direito?
O direito é justo?
O direito é
justo?
A lei é justa?
A lei é justa?
A justiça é ética?
A justiça é
ética?
ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 01. Direito Dogmático: apresenta os dogmas para abordagem normativa do Direito representado
ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 01. Direito Dogmático: apresenta os dogmas para abordagem normativa do Direito representado
ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 01. Direito Dogmático: apresenta os dogmas para abordagem normativa do Direito representado

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 01. Direito Dogmático: apresenta os dogmas para abordagem normativa do Direito representado

Contextualização:

ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 01. Direito Dogmático: apresenta os dogmas para abordagem normativa do Direito representado

01. Direito Dogmático: apresenta os

dogmas para abordagem normativa do

Direito representado por padrões de conduta que devem ser aceitos.

ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 02. Serão apresentadas: a-) as fontes do direito; b-) a construção lógica
ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 02. Serão apresentadas: a-) as fontes do direito; b-) a construção lógica
ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 02. Serão apresentadas: a-) as fontes do direito; b-) a construção lógica

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 02. Serão apresentadas: a-) as fontes do direito; b-) a construção lógica
ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 02. Serão apresentadas: a-) as fontes do direito; b-) a construção lógica

Contextualização:

02. Serão apresentadas:

a-) as fontes do direito;

b-) a construção lógica do sistema jurídico brasileiro;

c-) atribuição de direitos e deveres ao cidadão;

d-) correlação com o paradigma consciencial.

ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 03. Civil Law x Common Law: a-) Civil Law: do geral para
ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 03. Civil Law x Common Law: a-) Civil Law: do geral para
ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 03. Civil Law x Common Law: a-) Civil Law: do geral para

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 03. Civil Law x Common Law: a-) Civil Law: do geral para

Contextualização:

ESCOLA DA COSMOÉTICA Contextualização: 03. Civil Law x Common Law: a-) Civil Law: do geral para

03. Civil Law x Common Law:

a-) Civil Law: do geral para o particular,

tradição romanística, funciona a partir da lei,

jurisprudências reiteradas.

b-) Common Law: do particular para o geral, tradição anglo-saxão, funciona a partir do precedente, jurisprudência única.

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias
Constituição Federal
Emendas à Constituição
Lei Complementar
Lei Ordinária/Medidas Provisórias
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /

Decretos

Portarias/Instruções/Circulares

Contratos/Estatutos/Usos/Costumes/Jurisprudência

ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Ética é a ciência da moral dos homens na sociedade. 2.É designada pela
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Ética é a ciência da moral dos homens na sociedade. 2.É designada pela
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Ética é a ciência da moral dos homens na sociedade. 2.É designada pela

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Ética é a ciência da moral dos homens na sociedade. 2.É designada pela
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Ética é a ciência da moral dos homens na sociedade. 2.É designada pela

1.Ética é a ciência da moral dos homens na

sociedade.

2.É designada pela conjunto de regras

próprias de uma cultura.

3.Não é criadora de normas mas mostra às pessoas os valores e princípios que devem nortear a existência e influenciar a conduta.

ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. A Ética não é a moral e não cria a moral. 5.
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. A Ética não é a moral e não cria a moral. 5.
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. A Ética não é a moral e não cria a moral. 5.

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. A Ética não é a moral e não cria a moral. 5.
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. A Ética não é a moral e não cria a moral. 5.

4. A Ética não é a moral e não cria a moral.

5. Depara-se com uma experiência

histórico-social (práticas morais já em vigor) e procura determinar a essência da moral (origem, princípio, fatores objetivos e subjetivos). 6. A Ética é a moral da moral.

ESCOLA DA COSMOÉTICA VALORES 1. Há uma premissa lógica: todos temos valores pelos quais pautamos nossos
ESCOLA DA COSMOÉTICA VALORES 1. Há uma premissa lógica: todos temos valores pelos quais pautamos nossos
ESCOLA DA COSMOÉTICA VALORES 1. Há uma premissa lógica: todos temos valores pelos quais pautamos nossos

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA VALORES 1. Há uma premissa lógica: todos temos valores pelos quais pautamos nossos

VALORES

ESCOLA DA COSMOÉTICA VALORES 1. Há uma premissa lógica: todos temos valores pelos quais pautamos nossos
  • 1. Há uma premissa lógica: todos temos valores pelos quais pautamos nossos comportamentos.

  • 2. Pessoas diferentes possuem valores diferentes. Determinadas sociedades

(grupo de pessoas) também possuem

valores diferenciados.

ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. A cultura americana, por exemplo, valoriza a independência e a individualidade. A
ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. A cultura americana, por exemplo, valoriza a independência e a individualidade. A
ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. A cultura americana, por exemplo, valoriza a independência e a individualidade. A

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. A cultura americana, por exemplo, valoriza a independência e a individualidade. A
ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. A cultura americana, por exemplo, valoriza a independência e a individualidade. A

3. A cultura americana, por exemplo,

valoriza a independência e a

individualidade. A cultura japonesa enfatiza a cooperação e a integração.

4. Há valores globais/universais?

ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. VIDA É VALOR UNIVERSAL. 2. DIGNIDADE HUMANA É VALOR UNIVERSAL. 3. IGUALDADE
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. VIDA É VALOR UNIVERSAL. 2. DIGNIDADE HUMANA É VALOR UNIVERSAL. 3. IGUALDADE
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. VIDA É VALOR UNIVERSAL. 2. DIGNIDADE HUMANA É VALOR UNIVERSAL. 3. IGUALDADE

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. VIDA É VALOR UNIVERSAL. 2. DIGNIDADE HUMANA É VALOR UNIVERSAL. 3. IGUALDADE
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. VIDA É VALOR UNIVERSAL. 2. DIGNIDADE HUMANA É VALOR UNIVERSAL. 3. IGUALDADE
  • 1. VIDA É VALOR UNIVERSAL.

  • 2. DIGNIDADE HUMANA É VALOR UNIVERSAL.

  • 3. IGUALDADE É VALOR UNIVERSAL.

  • 4. LIBERDADE É VALOR UNIVERSAL.

  • 5. FRATERNIDADE É VALOR UNIVERSAL.

ESCOLA DA COSMOÉTICA DESARMONIA DE VALORES: 1. Guerras. 2. Conflitos. 3. Crises.
ESCOLA DA COSMOÉTICA DESARMONIA DE VALORES: 1. Guerras. 2. Conflitos. 3. Crises.
ESCOLA DA COSMOÉTICA DESARMONIA DE VALORES: 1. Guerras. 2. Conflitos. 3. Crises.

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA DESARMONIA DE VALORES: 1. Guerras. 2. Conflitos. 3. Crises.
ESCOLA DA COSMOÉTICA DESARMONIA DE VALORES: 1. Guerras. 2. Conflitos. 3. Crises.

DESARMONIA DE VALORES:

1. Guerras.

  • 2. Conflitos.

  • 3. Crises.

ESCOLA DA COSMOÉTICA BIOÉTICA 1. Prof. Albert Schweitzer (1875-1965), ganhador do Prêmio Nobel da Paz de
ESCOLA DA COSMOÉTICA BIOÉTICA 1. Prof. Albert Schweitzer (1875-1965), ganhador do Prêmio Nobel da Paz de
ESCOLA DA COSMOÉTICA BIOÉTICA 1. Prof. Albert Schweitzer (1875-1965), ganhador do Prêmio Nobel da Paz de

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA BIOÉTICA 1. Prof. Albert Schweitzer (1875-1965), ganhador do Prêmio Nobel da Paz de

BIOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA BIOÉTICA 1. Prof. Albert Schweitzer (1875-1965), ganhador do Prêmio Nobel da Paz de

1. Prof. Albert Schweitzer (1875-1965),

ganhador do Prêmio Nobel da Paz de

1952, músico, filósofo, teólogo, médico e missionário, foi um dos precursores da

Bioética.

ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Em 20 de outubro de 1952, proferiu uma conferência, na Academia FrancesaBioética , proposta em 1998 : " id="pdf-obj-14-2" src="pdf-obj-14-2.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Em 20 de outubro de 1952, proferiu uma conferência, na Academia FrancesaBioética , proposta em 1998 : " id="pdf-obj-14-4" src="pdf-obj-14-4.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Em 20 de outubro de 1952, proferiu uma conferência, na Academia FrancesaBioética , proposta em 1998 : " id="pdf-obj-14-6" src="pdf-obj-14-6.jpg">

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Em 20 de outubro de 1952, proferiu uma conferência, na Academia FrancesaBioética , proposta em 1998 : " id="pdf-obj-14-10" src="pdf-obj-14-10.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Em 20 de outubro de 1952, proferiu uma conferência, na Academia FrancesaBioética , proposta em 1998 : " id="pdf-obj-14-12" src="pdf-obj-14-12.jpg">
  • 2. Em 20 de outubro de 1952, proferiu

uma conferência, na Academia Francesa

de Ciências (Paris), sobre "O Problema da

Ética na Evolução do Pensamento".

  • 3. Lança uma idéia que, possivelmente

viria a influenciar Potter na formulação de

sua definição de Bioética, proposta em 1998 :

ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Uma ética que nos obrigue somente a preocupar-nos com os homens e
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Uma ética que nos obrigue somente a preocupar-nos com os homens e
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Uma ética que nos obrigue somente a preocupar-nos com os homens e

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Uma ética que nos obrigue somente a preocupar-nos com os homens e
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Uma ética que nos obrigue somente a preocupar-nos com os homens e

Uma ética que nos obrigue somente a preocupar-nos com os homens e a

sociedade não pode ter esta significação. Somente aquela que é universal e nos obriga a cuidar de todos os seres nos põe de verdade em contato com o Universo e a vontade

nele manifestada."

ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. <a href=Van Rensselaer Potter era Doutor em Bioquímica, pesquisador e professor na área de Oncologia nos EUA. 5. Preocupação com o problema ambiental e com a repercussão do PROGRESSO no mundo atual . " id="pdf-obj-16-2" src="pdf-obj-16-2.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. <a href=Van Rensselaer Potter era Doutor em Bioquímica, pesquisador e professor na área de Oncologia nos EUA. 5. Preocupação com o problema ambiental e com a repercussão do PROGRESSO no mundo atual . " id="pdf-obj-16-4" src="pdf-obj-16-4.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. <a href=Van Rensselaer Potter era Doutor em Bioquímica, pesquisador e professor na área de Oncologia nos EUA. 5. Preocupação com o problema ambiental e com a repercussão do PROGRESSO no mundo atual . " id="pdf-obj-16-6" src="pdf-obj-16-6.jpg">

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. <a href=Van Rensselaer Potter era Doutor em Bioquímica, pesquisador e professor na área de Oncologia nos EUA. 5. Preocupação com o problema ambiental e com a repercussão do PROGRESSO no mundo atual . " id="pdf-obj-16-10" src="pdf-obj-16-10.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. <a href=Van Rensselaer Potter era Doutor em Bioquímica, pesquisador e professor na área de Oncologia nos EUA. 5. Preocupação com o problema ambiental e com a repercussão do PROGRESSO no mundo atual . " id="pdf-obj-16-12" src="pdf-obj-16-12.jpg">

4. Van Rensselaer Potter era Doutor em Bioquímica, pesquisador e professor

na área de Oncologia nos EUA. 5. Preocupação com o problema ambiental e com a repercussão do PROGRESSO no mundo atual.

ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Nós temos uma grande necessidade de uma <a href=ética da terra , uma ética para a vida selvagem, uma ética de populações, uma ética do consumo, uma ética urbana, uma ética internacional, uma ética geriátrica e assim por diante ... Todas elas envolvem a bioética, ( ... ) ” " id="pdf-obj-17-2" src="pdf-obj-17-2.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Nós temos uma grande necessidade de uma <a href=ética da terra , uma ética para a vida selvagem, uma ética de populações, uma ética do consumo, uma ética urbana, uma ética internacional, uma ética geriátrica e assim por diante ... Todas elas envolvem a bioética, ( ... ) ” " id="pdf-obj-17-4" src="pdf-obj-17-4.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Nós temos uma grande necessidade de uma <a href=ética da terra , uma ética para a vida selvagem, uma ética de populações, uma ética do consumo, uma ética urbana, uma ética internacional, uma ética geriátrica e assim por diante ... Todas elas envolvem a bioética, ( ... ) ” " id="pdf-obj-17-6" src="pdf-obj-17-6.jpg">

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Nós temos uma grande necessidade de uma <a href=ética da terra , uma ética para a vida selvagem, uma ética de populações, uma ética do consumo, uma ética urbana, uma ética internacional, uma ética geriátrica e assim por diante ... Todas elas envolvem a bioética, ( ... ) ” " id="pdf-obj-17-10" src="pdf-obj-17-10.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Nós temos uma grande necessidade de uma <a href=ética da terra , uma ética para a vida selvagem, uma ética de populações, uma ética do consumo, uma ética urbana, uma ética internacional, uma ética geriátrica e assim por diante ... Todas elas envolvem a bioética, ( ... ) ” " id="pdf-obj-17-12" src="pdf-obj-17-12.jpg">

Nós temos uma grande necessidade

de uma ética da terra, uma ética para a

vida selvagem, uma ética de

populações, uma ética do consumo,

uma ética urbana, uma ética

internacional, uma ética geriátrica e

assim por diante

...

Todas elas

envolvem a bioética, (

...

)

ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Esta nova ética pode ser chamada de ética interdisciplinar, definindo interdisciplinaridade de
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Esta nova ética pode ser chamada de ética interdisciplinar, definindo interdisciplinaridade de
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Esta nova ética pode ser chamada de ética interdisciplinar, definindo interdisciplinaridade de

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Esta nova ética pode ser chamada de ética interdisciplinar, definindo interdisciplinaridade de
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ Esta nova ética pode ser chamada de ética interdisciplinar, definindo interdisciplinaridade de

Esta nova ética pode ser chamada de

ética interdisciplinar, definindo

interdisciplinaridade de uma maneira

especial para incluir tanto a ciência

como as humanidades, mas este termo

é rejeitado pois não é auto-evidente.

(Potter)

ESCOLA DA COSMOÉTICA 8. A nova idéia proposta por Potter evoluiu para a proposta de umaÉtica Global (Global Ethics ou Global Bioethics). 9. Ciência comprometida com o equilíbrio e a preservação da relação dos seres humanos com o ecossistema e a própria vida no planeta . " id="pdf-obj-19-2" src="pdf-obj-19-2.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 8. A nova idéia proposta por Potter evoluiu para a proposta de umaÉtica Global (Global Ethics ou Global Bioethics). 9. Ciência comprometida com o equilíbrio e a preservação da relação dos seres humanos com o ecossistema e a própria vida no planeta . " id="pdf-obj-19-4" src="pdf-obj-19-4.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 8. A nova idéia proposta por Potter evoluiu para a proposta de umaÉtica Global (Global Ethics ou Global Bioethics). 9. Ciência comprometida com o equilíbrio e a preservação da relação dos seres humanos com o ecossistema e a própria vida no planeta . " id="pdf-obj-19-6" src="pdf-obj-19-6.jpg">

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 8. A nova idéia proposta por Potter evoluiu para a proposta de umaÉtica Global (Global Ethics ou Global Bioethics). 9. Ciência comprometida com o equilíbrio e a preservação da relação dos seres humanos com o ecossistema e a própria vida no planeta . " id="pdf-obj-19-10" src="pdf-obj-19-10.jpg">
ESCOLA DA COSMOÉTICA 8. A nova idéia proposta por Potter evoluiu para a proposta de umaÉtica Global (Global Ethics ou Global Bioethics). 9. Ciência comprometida com o equilíbrio e a preservação da relação dos seres humanos com o ecossistema e a própria vida no planeta . " id="pdf-obj-19-12" src="pdf-obj-19-12.jpg">
  • 8. A nova idéia proposta por Potter evoluiu

para a proposta de uma Ética Global

(Global Ethics ou Global Bioethics).

  • 9. Ciência comprometida com o equilíbrio e a preservação da relação dos seres humanos com o ecossistema e a própria

vida no planeta.

ESCOLA DA COSMOÉTICA NOVOS SIGNIFICADOS (BIOÉTICA) 1.Ética biomédica. 2.Estudo da conduta humana no campo da ciência
ESCOLA DA COSMOÉTICA NOVOS SIGNIFICADOS (BIOÉTICA) 1.Ética biomédica. 2.Estudo da conduta humana no campo da ciência
ESCOLA DA COSMOÉTICA NOVOS SIGNIFICADOS (BIOÉTICA) 1.Ética biomédica. 2.Estudo da conduta humana no campo da ciência

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA NOVOS SIGNIFICADOS (BIOÉTICA) 1.Ética biomédica. 2.Estudo da conduta humana no campo da ciência
ESCOLA DA COSMOÉTICA NOVOS SIGNIFICADOS (BIOÉTICA) 1.Ética biomédica. 2.Estudo da conduta humana no campo da ciência

NOVOS SIGNIFICADOS (BIOÉTICA)

1.Ética biomédica.

2.Estudo da conduta humana no campo da

ciência da vida e saúde examinada à luz

de princípios e valores.

morais.(Encyclopedia of bioethics -1978)

ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. Principais temas: eutanásia, engenharia genética, métodos de reprodução humana assistida, clonagem de
ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. Principais temas: eutanásia, engenharia genética, métodos de reprodução humana assistida, clonagem de
ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. Principais temas: eutanásia, engenharia genética, métodos de reprodução humana assistida, clonagem de

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. Principais temas: eutanásia, engenharia genética, métodos de reprodução humana assistida, clonagem de
ESCOLA DA COSMOÉTICA 3. Principais temas: eutanásia, engenharia genética, métodos de reprodução humana assistida, clonagem de

3. Principais temas: eutanásia, engenharia

genética, métodos de reprodução humana

assistida, clonagem de seres humanos,

eleição do sexo do bebê, mudança de

sexo em caso de transexualidade,

transgenia, aborto.

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS ( Dicionário – Houaiss ): 1. O primeiro momento da existência de
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS ( Dicionário – Houaiss ): 1. O primeiro momento da existência de
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS ( Dicionário – Houaiss ): 1. O primeiro momento da existência de

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS ( Dicionário – Houaiss ): 1. O primeiro momento da existência de
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS ( Dicionário – Houaiss ): 1. O primeiro momento da existência de

PRINCÍPIOS (Dicionário Houaiss):

  • 1. O primeiro momento da existência de algo, ação ou processo.

  • 2. O que serve de base a alguma coisa, causa primeira, raiz, razão.

  • 3. Proposição elementar e fundamental que

serve de base a uma ordem de

conhecimento.

ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. O princípio norteia, dá a base, é a fundação onde se impantará
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. O princípio norteia, dá a base, é a fundação onde se impantará
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. O princípio norteia, dá a base, é a fundação onde se impantará

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. O princípio norteia, dá a base, é a fundação onde se impantará
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. O princípio norteia, dá a base, é a fundação onde se impantará

4. O princípio norteia, dá a base, é a

fundação onde se impantará o alicerce

representados pelos valores pessoais, de

uma sociedade.

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS (Definição - Aspecto Lógico): “ Princípios são verdades fundantes de um sistema
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS (Definição - Aspecto Lógico): “ Princípios são verdades fundantes de um sistema
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS (Definição - Aspecto Lógico): “ Princípios são verdades fundantes de um sistema

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS (Definição - Aspecto Lógico): “ Princípios são verdades fundantes de um sistema
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS (Definição - Aspecto Lógico): “ Princípios são verdades fundantes de um sistema

PRINCÍPIOS (Definição - Aspecto Lógico):

Princípios são verdades fundantes de um sistema de conhecimento, como tais admitidas,

por serem evidentes ou por terem sido comprovadas, mas também por motivos de ordem prática de caráter operacional, isto é,

como pressupostos exigidos pela necessidade da pesquisa e da praxis.” (Miguel Reale)

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO “ Enunciações normativas de valor genérico, que condicionam e
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO “ Enunciações normativas de valor genérico, que condicionam e
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO “ Enunciações normativas de valor genérico, que condicionam e

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO “ Enunciações normativas de valor genérico, que condicionam e
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO “ Enunciações normativas de valor genérico, que condicionam e

PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO

Enunciações normativas de valor

genérico, que condicionam e orientam a

compreensão do ordenamento jurídico,

quer para a sua aplicação e integração,

quer para a elaboração de novas

normas.”(Miguel Reale)

ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. Podem ser encontrados no ordenamento jurídico, em contextos doutrinários e até mesmo
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. Podem ser encontrados no ordenamento jurídico, em contextos doutrinários e até mesmo
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. Podem ser encontrados no ordenamento jurídico, em contextos doutrinários e até mesmo

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. Podem ser encontrados no ordenamento jurídico, em contextos doutrinários e até mesmo
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1. Podem ser encontrados no ordenamento jurídico, em contextos doutrinários e até mesmo

1. Podem ser encontrados no

ordenamento jurídico, em contextos

doutrinários e até mesmo na

jurisprudência firmada em nossos

Tribunais.

ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Origens(fontes): ética, sociológica, política, técnica, atividade jurisdicional, usos e costumes; 3. A
ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Origens(fontes): ética, sociológica, política, técnica, atividade jurisdicional, usos e costumes; 3. A
ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Origens(fontes): ética, sociológica, política, técnica, atividade jurisdicional, usos e costumes; 3. A

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Origens(fontes): ética, sociológica, política, técnica, atividade jurisdicional, usos e costumes; 3. A
ESCOLA DA COSMOÉTICA 2. Origens(fontes): ética, sociológica, política, técnica, atividade jurisdicional, usos e costumes; 3. A
  • 2. Origens(fontes): ética, sociológica,

política, técnica, atividade jurisdicional,

usos e costumes;

  • 3. A partir das fontes citadas os princípios

são formados e passam a fazer parte do

ordenamento jurídico vigente.

ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. Consequência: os princípios gerais do direito adquirem força coercitiva e tornam- se
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. Consequência: os princípios gerais do direito adquirem força coercitiva e tornam- se
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. Consequência: os princípios gerais do direito adquirem força coercitiva e tornam- se

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. Consequência: os princípios gerais do direito adquirem força coercitiva e tornam- se
ESCOLA DA COSMOÉTICA 4. Consequência: os princípios gerais do direito adquirem força coercitiva e tornam- se

4. Consequência: os princípios gerais do

direito adquirem força coercitiva e tornam-

se elementos componentes do Direito

Positivo.

ESCOLA DA COSMOÉTICA 5. Portanto, princípios gerais do direito não são preceitos de ordem moral, econômico
ESCOLA DA COSMOÉTICA 5. Portanto, princípios gerais do direito não são preceitos de ordem moral, econômico
ESCOLA DA COSMOÉTICA 5. Portanto, princípios gerais do direito não são preceitos de ordem moral, econômico

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 5. Portanto, princípios gerais do direito não são preceitos de ordem moral, econômico
ESCOLA DA COSMOÉTICA 5. Portanto, princípios gerais do direito não são preceitos de ordem moral, econômico

5. Portanto, princípios gerais do direito

não são preceitos de ordem moral,

econômico ou social. Os princípios para

serem gerais do Direito precisam estar

positivados.

ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias
Constituição Federal
Emendas à Constituição
Lei Complementar
Lei Ordinária/Medidas Provisórias
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /

Decretos

Portarias/Instruções/Circulares

Contratos/Estatutos/Usos/Costumes/Jurisprudência

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA PARQUE GÜELL
ESCOLA DA COSMOÉTICA PARQUE GÜELL
ESCOLA DA COSMOÉTICA PARQUE GÜELL

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA PARQUE GÜELL

PARQUE GÜELL

ESCOLA DA COSMOÉTICA PARQUE GÜELL
ESCOLA DA COSMOÉTICA PARQUE GÜELL
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /
Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias
Constituição Federal
Emendas à Constituição
Lei Complementar
Lei Ordinária/Medidas Provisórias
ESCOLA DA COSMOÉTICA Constituição Federal Emendas à Constituição Lei Complementar Lei Ordinária/Medidas Provisórias Decretos Portarias/Instruções /

Decretos

Portarias/Instruções/Circulares

Contratos/Estatutos/Usos/Costumes/Jurisprudência

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS FUNDAMENTAIS 1. Vida. 2. Igualdade. 3. Legalidade. 4. Isonomia entre homens
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS FUNDAMENTAIS 1. Vida. 2. Igualdade. 3. Legalidade. 4. Isonomia entre homens
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS FUNDAMENTAIS 1. Vida. 2. Igualdade. 3. Legalidade. 4. Isonomia entre homens

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS FUNDAMENTAIS 1. Vida. 2. Igualdade. 3. Legalidade. 4. Isonomia entre homens
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS FUNDAMENTAIS 1. Vida. 2. Igualdade. 3. Legalidade. 4. Isonomia entre homens

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS

FUNDAMENTAIS

1. Vida.

  • 2. Igualdade.

  • 3. Legalidade.

  • 4. Isonomia entre homens e mulheres.

  • 5. Vedação da tortura.

ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Como ficam os princípios morais não ordenados? 2.Pode um magistrado julgar baseando-se em
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Como ficam os princípios morais não ordenados? 2.Pode um magistrado julgar baseando-se em
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Como ficam os princípios morais não ordenados? 2.Pode um magistrado julgar baseando-se em

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Como ficam os princípios morais não ordenados? 2.Pode um magistrado julgar baseando-se em
ESCOLA DA COSMOÉTICA 1.Como ficam os princípios morais não ordenados? 2.Pode um magistrado julgar baseando-se em

1.Como ficam os princípios morais não

ordenados?

2.Pode um magistrado julgar baseando-se

em princípios ainda não positivados?

ESCOLA DA COSMOÉTICA FATOS Revista ISTOÉ no. 1.804 – 05/05/2004 Entrevista: David Diniz Dantas Título: A
ESCOLA DA COSMOÉTICA FATOS Revista ISTOÉ no. 1.804 – 05/05/2004 Entrevista: David Diniz Dantas Título: A
ESCOLA DA COSMOÉTICA FATOS Revista ISTOÉ no. 1.804 – 05/05/2004 Entrevista: David Diniz Dantas Título: A

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA FATOS Revista ISTOÉ no. 1.804 – 05/05/2004 Entrevista: David Diniz Dantas Título: A

FATOS

ESCOLA DA COSMOÉTICA FATOS Revista ISTOÉ no. 1.804 – 05/05/2004 Entrevista: David Diniz Dantas Título: A

Revista ISTOÉ no. 1.804 05/05/2004

Entrevista: David Diniz Dantas

Título: A HUMANIZAÇÃO DA JUSTIÇA

Subtítulo: Juiz Federal inova com decisões

baseadas nas condições sociais, e não

apenas no que diz o texto das leis:

“Só princípios não são suficientes.”

ESCOLA DA COSMOÉTICA “ CONSTRUTIVISMO ÉTICO – “A DECISÃO NÃO ESTÁ PRONTA NO TEXTO DA LEI,
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ CONSTRUTIVISMO ÉTICO – “A DECISÃO NÃO ESTÁ PRONTA NO TEXTO DA LEI,
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ CONSTRUTIVISMO ÉTICO – “A DECISÃO NÃO ESTÁ PRONTA NO TEXTO DA LEI,

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA “ CONSTRUTIVISMO ÉTICO – “A DECISÃO NÃO ESTÁ PRONTA NO TEXTO DA LEI,
ESCOLA DA COSMOÉTICA “ CONSTRUTIVISMO ÉTICO – “A DECISÃO NÃO ESTÁ PRONTA NO TEXTO DA LEI,

CONSTRUTIVISMO ÉTICO – “A

DECISÃO NÃO ESTÁ PRONTA NO

TEXTO DA LEI, EU VOU CONSTRUIR

ESSA DECISÃO. O TEXTO DA LEI É SÓ

MEU PONTO DE PARTIDA.”

David Diniz Dantas

ESCOLA DA COSMOÉTICA Podemos concluir: 1.Experiência jurídica deve pressupor o valor originário da pessoa(consciência) humana. 2.O
ESCOLA DA COSMOÉTICA Podemos concluir: 1.Experiência jurídica deve pressupor o valor originário da pessoa(consciência) humana. 2.O
ESCOLA DA COSMOÉTICA Podemos concluir: 1.Experiência jurídica deve pressupor o valor originário da pessoa(consciência) humana. 2.O

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Podemos concluir: 1.Experiência jurídica deve pressupor o valor originário da pessoa(consciência) humana. 2.O

Podemos concluir:

ESCOLA DA COSMOÉTICA Podemos concluir: 1.Experiência jurídica deve pressupor o valor originário da pessoa(consciência) humana. 2.O

1.Experiência jurídica deve pressupor o

valor originário da pessoa(consciência)

humana.

2.O Direito deve se humanizar e para isso o

conhecimento de princípios, a começar

pelo direito pátrio,é de grande relevância.

ESCOLA DA COSMOÉTICA DIREITO x HUMANIDADE Direito é sistema normas ordenadas de forma hierárquica, partindo-se do
ESCOLA DA COSMOÉTICA DIREITO x HUMANIDADE Direito é sistema normas ordenadas de forma hierárquica, partindo-se do
ESCOLA DA COSMOÉTICA DIREITO x HUMANIDADE Direito é sistema normas ordenadas de forma hierárquica, partindo-se do

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA DIREITO x HUMANIDADE Direito é sistema normas ordenadas de forma hierárquica, partindo-se do
ESCOLA DA COSMOÉTICA DIREITO x HUMANIDADE Direito é sistema normas ordenadas de forma hierárquica, partindo-se do

DIREITO x HUMANIDADE

Direito é sistema normas ordenadas de

forma hierárquica, partindo-se do

pressuposto que o legislador conseguiu

abarcar as reflexões éticas, a moral, as

condutas, princípios e valores em uma

deteminada época e contexto social.

ESCOLA DA COSMOÉTICA  O Direito é uma construção social que protege determinada sociedade ou seja
ESCOLA DA COSMOÉTICA  O Direito é uma construção social que protege determinada sociedade ou seja
ESCOLA DA COSMOÉTICA  O Direito é uma construção social que protege determinada sociedade ou seja

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA  O Direito é uma construção social que protege determinada sociedade ou seja
ESCOLA DA COSMOÉTICA  O Direito é uma construção social que protege determinada sociedade ou seja

O Direito é uma construção social que

protege determinada sociedade ou seja

um Estado com seu sistema de valores.

O Direito tal como construção social não

tem como função primeira proteger

homens e humanidade.

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE O Direito melhor representará direitos legítimos quando,de fato, for produzido em prol
ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE O Direito melhor representará direitos legítimos quando,de fato, for produzido em prol
ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE O Direito melhor representará direitos legítimos quando,de fato, for produzido em prol

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE O Direito melhor representará direitos legítimos quando,de fato, for produzido em prol

HUMANIDADE

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE O Direito melhor representará direitos legítimos quando,de fato, for produzido em prol

O Direito melhor representará direitos

legítimos quando,de fato, for produzido

em prol de um todo, de um coletivo maior,

da humanidade.

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE 1. Multiculturalismo. 2. Harmonia na diferença. 3. Diversidade na diferença.
ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE 1. Multiculturalismo. 2. Harmonia na diferença. 3. Diversidade na diferença.
ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE 1. Multiculturalismo. 2. Harmonia na diferença. 3. Diversidade na diferença.

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE 1. Multiculturalismo. 2. Harmonia na diferença. 3. Diversidade na diferença.

HUMANIDADE

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE 1. Multiculturalismo. 2. Harmonia na diferença. 3. Diversidade na diferença.

1. Multiculturalismo.

  • 2. Harmonia na diferença.

  • 3. Diversidade na diferença.

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE A noção de Direitos da Humanidade surgiu pela primeira vez por ocasião
ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE A noção de Direitos da Humanidade surgiu pela primeira vez por ocasião
ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE A noção de Direitos da Humanidade surgiu pela primeira vez por ocasião

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE A noção de Direitos da Humanidade surgiu pela primeira vez por ocasião

HUMANIDADE

ESCOLA DA COSMOÉTICA HUMANIDADE A noção de Direitos da Humanidade surgiu pela primeira vez por ocasião

A noção de Direitos da Humanidade

surgiu pela primeira vez por ocasião do

julgamento dos prisioneiros de guerra

após a segunda grande guerra: Tribunal

de Nuremberg.

ESCOLA DA COSMOÉTICA A proteção legal dos Direitos Humanos teve início com a abertura da ONU
ESCOLA DA COSMOÉTICA A proteção legal dos Direitos Humanos teve início com a abertura da ONU
ESCOLA DA COSMOÉTICA A proteção legal dos Direitos Humanos teve início com a abertura da ONU

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA A proteção legal dos Direitos Humanos teve início com a abertura da ONU
ESCOLA DA COSMOÉTICA A proteção legal dos Direitos Humanos teve início com a abertura da ONU

A proteção legal dos Direitos Humanos

teve início com a abertura da ONU

(Organização das Nações Unidas) em

26/06/1945.

ESCOLA DA COSMOÉTICA Organismos de proteção internacional: 1. ONU (Organização das Nações Unidas). 2. Corte Internacional
ESCOLA DA COSMOÉTICA Organismos de proteção internacional: 1. ONU (Organização das Nações Unidas). 2. Corte Internacional
ESCOLA DA COSMOÉTICA Organismos de proteção internacional: 1. ONU (Organização das Nações Unidas). 2. Corte Internacional

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Organismos de proteção internacional: 1. ONU (Organização das Nações Unidas). 2. Corte Internacional
ESCOLA DA COSMOÉTICA Organismos de proteção internacional: 1. ONU (Organização das Nações Unidas). 2. Corte Internacional

Organismos de proteção internacional:

  • 1. ONU (Organização das Nações Unidas).

  • 2. Corte Internacional de Justiça da ONU.

  • 3. Organização Mundial da Saúde.

  • 4. Organização para a Educação,Ciência e Cultura (Unesco).

  • 5. Organização Internacional do Trabalho (OIT).

  • 6. Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

ESCOLA DA COSMOÉTICA Direitos humanos são heranças da comunidade internacional e seu conteúdo deveria ser regra
ESCOLA DA COSMOÉTICA Direitos humanos são heranças da comunidade internacional e seu conteúdo deveria ser regra
ESCOLA DA COSMOÉTICA Direitos humanos são heranças da comunidade internacional e seu conteúdo deveria ser regra

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA Direitos humanos são heranças da comunidade internacional e seu conteúdo deveria ser regra
ESCOLA DA COSMOÉTICA Direitos humanos são heranças da comunidade internacional e seu conteúdo deveria ser regra

Direitos humanos são heranças da comunidade

internacional e seu conteúdo deveria ser regra

para todos os Estados. A teoria geral dos Direitos Humanos objetiva

tutelar as pessoas per si e não os Estados.

O Direito (construção social tutela o Estado). E a tutela da Humanidade?

ESCOLA DA COSMOÉTICA A idéia da humanidade juridicamente apareceu como: 1. Noção de Direitos Humanos. 2.
ESCOLA DA COSMOÉTICA A idéia da humanidade juridicamente apareceu como: 1. Noção de Direitos Humanos. 2.
ESCOLA DA COSMOÉTICA A idéia da humanidade juridicamente apareceu como: 1. Noção de Direitos Humanos. 2.

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA A idéia da humanidade juridicamente apareceu como: 1. Noção de Direitos Humanos. 2.
ESCOLA DA COSMOÉTICA A idéia da humanidade juridicamente apareceu como: 1. Noção de Direitos Humanos. 2.

A idéia da humanidade juridicamente

apareceu como:

1. Noção de Direitos Humanos.

2. Crimes contra a Humanidade.

3. Patrimônio comum da Humanidade.

“ ...
“ ...

a Humanidade exige : um direito à vocação universal, universalizável mesmo quando não

imediatamente universal, isto é um direito supra-estatal, pelo menos em parte, pluralista,

evolutivo.”

ESCOLA DA COSMOÉTICA PARADIGMA CONSCIENCIAL 1. Cosmoética (Cosmoeticologia). 2. Moral Extrafísica. 3. Valores Extrafísicos (Intraconsciencialidade Parajurídica).
ESCOLA DA COSMOÉTICA PARADIGMA CONSCIENCIAL 1. Cosmoética (Cosmoeticologia). 2. Moral Extrafísica. 3. Valores Extrafísicos (Intraconsciencialidade Parajurídica).
ESCOLA DA COSMOÉTICA PARADIGMA CONSCIENCIAL 1. Cosmoética (Cosmoeticologia). 2. Moral Extrafísica. 3. Valores Extrafísicos (Intraconsciencialidade Parajurídica).

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA PARADIGMA CONSCIENCIAL 1. Cosmoética (Cosmoeticologia). 2. Moral Extrafísica. 3. Valores Extrafísicos (Intraconsciencialidade Parajurídica).
ESCOLA DA COSMOÉTICA PARADIGMA CONSCIENCIAL 1. Cosmoética (Cosmoeticologia). 2. Moral Extrafísica. 3. Valores Extrafísicos (Intraconsciencialidade Parajurídica).

PARADIGMA CONSCIENCIAL

  • 1. Cosmoética (Cosmoeticologia).

  • 2. Moral Extrafísica.

  • 3. Valores Extrafísicos

(Intraconsciencialidade Parajurídica).

  • 4. Leis Extrafísicas (Extraconciencialidade Parajurídica).

  • 5. Paradireito (Paradireitologia).

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRÓXIMA AULA: INTRODUÇÃO À PARADIREITOLOGIA PROFª CRISTINA ARAKAKI 08/04/2012
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRÓXIMA AULA: INTRODUÇÃO À PARADIREITOLOGIA PROFª CRISTINA ARAKAKI 08/04/2012
ESCOLA DA COSMOÉTICA PRÓXIMA AULA: INTRODUÇÃO À PARADIREITOLOGIA PROFª CRISTINA ARAKAKI 08/04/2012

ESCOLA DA COSMOÉTICA

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRÓXIMA AULA: INTRODUÇÃO À PARADIREITOLOGIA PROFª CRISTINA ARAKAKI 08/04/2012

PRÓXIMA AULA:

ESCOLA DA COSMOÉTICA PRÓXIMA AULA: INTRODUÇÃO À PARADIREITOLOGIA PROFª CRISTINA ARAKAKI 08/04/2012

INTRODUÇÃO À PARADIREITOLOGIA

PROFª CRISTINA ARAKAKI

08/04/2012