P. 1
02 - Evolução Histórica do Direito Penal

02 - Evolução Histórica do Direito Penal

|Views: 62|Likes:
Publicado porThaís Bombassaro

More info:

Published by: Thaís Bombassaro on Aug 08, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/17/2012

pdf

text

original

DIREITO PENAL I

Faculdade Dinâmica - 3º Período Assunto: Introdução ao Direito Penal

Evolução Histórica do Direito Penal
I – No Mundo

Antiguidade I – Religião = Direito, Crime = Pecado Antiguidade II – Olho por Olho, Dente por Dente – Banimento – Vingança de Sangue Antiguidade III – Proporcionalidade da Pena Antiguidade IV – Final da Antiguidade – A partir da Idade Média (com participação da Igreja)

DIREITO PENAL I

Faculdade Dinâmica - 3º Período Assunto: Introdução ao Direito Penal

DIREITO PENAL I
Direito Romano

Faculdade Dinâmica - 3º Período Assunto: Introdução ao Direito Penal

• Passou por todas as fases anteriores até sua consolidação prática e científica

Distinguia entre crimina publicae (crimes contra o Império, a Religião, a Família e as Instituições Sociais – contra a Sociedade) e delicta privata (crimes envolvendo os indivíduos). A pena era vista como reação do Estado ao desrespeito à norma. Desenvolveu noções de dolo (animus) – a intenção como determinate da pena, ilicitude, culpabilidade, imputabilidade, agravantes/atenuantes, concurso de pessoas

• •

Direito Germânico Germânicos  queda do Império Romano. Criaram as bases do Commom Law. Vingança privada era forte. • Passou pelas fases da vingança privada, de sangue, e vingança pública. Distinguia também, em certa medida, entre crimes públicos e privados.

Posteriormente adotou formas de composição, utilizando-se de sanções pecuniárias que evitassem a vingança. A adoção do Talião só veio após a influência do Direito Romano e do Cristianismo. (não permite que o revide ultrapasse a medida da ofensa). Dava relevância à responsabilidade objetiva. (Hoje é utilizado contra o Estado – ex.: cidadão cair em um buraco e se machucar  o Estado é responsável pelo acidente.)

Direito Canônico Igreja. Regras da Igreja valiam tanto para o clero como para o povo. Era paralelo ao Direito Civil. Inquisição  tribunal penal.

DIREITO PENAL I

Faculdade Dinâmica - 3º Período Assunto: Introdução ao Direito Penal Originalmente de caráter disciplinar, passou a prever crimes após a influência da Igreja no Estado institucionalizado. Distinguia entre delicta eclesiástica (contra a Igreja, entre o clero), delicta mera secularia (só afetavam a vida terrena) e delicta mixta (afetavam tanto a vida terrena como a esfera religiosa – a relação de Deus consigo).

• Posteriormente, influi de forma importante para os modernos modelos prisionais, sobretudo nas noções de humanização e individualização da pena • S. T. de Aquino – a pena “resgata” a alma do criminoso.

DIREITO PENAL I

Faculdade Dinâmica - 3º Período Assunto: Introdução ao Direito Penal Período Humanitário – Sec. XVIII – influências do Iluminismo Até esse momento, as penas eram bastante degradantes. Livro: “Vigiar e Punir” – M. Focault • Cesare de Beccaria
o

“Dos Delitos e das Penas”, em 1764, marcou o início da Escola Clássica do Direito Penal. Com influência das teorias contratualistas do Estado, sustentou o crime enquanto patologia social.  o crime é o descumprimento do pacto, do contrato social. Negou também à pena o caráter de vingança estatal, reforçando o ponto de vista da função preventiva. Para tanto, sustentava a humanização das penas.

o

o

• John Howard
o

Preocupação com as precárias condições dos estabelecimentos prisionais. (Panótico  celas em volta de uma torre central). Classificava os destinatários condenados e devedores. do cárcere em processados,

o

o

Acentuava a fiscalização dos presídios por inspetores, o que influiu em muito no desenvolvimento do Direito Penitenciário.

• Jeremy Bentham
o

Distinguia entre prevenção geral e especial. Dava mais importância a esta última, embora reconhecesse seu caráter secundário. Pena = prevenção. Prevenção geral  contra a sociedade  exemplo a todos. Prevenção especial  contra o delinquente  enquanto preso, o sujeito não comete crimes.

o Importou-se com a arquitetura das prisões. Criou o modelo denominado “panótico”, pelo qual seria possível ao inspetor manter total vigilância de todas as celas do estabelecimento.

II – No Brasil

DIREITO PENAL I

Faculdade Dinâmica - 3º Período Assunto: Introdução ao Direito Penal

Escolas penais

DIREITO PENAL I

Faculdade Dinâmica - 3º Período Assunto: Introdução ao Direito Penal Chamam-se escolas penais os conjuntos de ideias vigentes em determinado período histórico, sobretudo a partir do período humanitário,

estudado acima.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->