P. 1
Hematologia Hemoterapia Manejo Residuos

Hematologia Hemoterapia Manejo Residuos

|Views: 85|Likes:
Publicado porsouzafcb

More info:

Published by: souzafcb on Nov 27, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/09/2013

pdf

text

original

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos
Série A. Normas e Manuais Técnicos

Brasília – DF 2011

© 2011 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada à fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra é da área técnica. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: http://www.saude.gov.br/bvs Série A. Normas e Manuais Técnicos Tiragem: 1. ed. – 2011 – 500 exemplares Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados Setor de Autarquias Federais – SAF/Sul, Trecho 02, Ed. Premium, Torre II, ala B, 2ª andar sala 202 CEP: 70.070‑600 – , Brasília – DF Telefones: (61) 3315‑6149 E‑mail: sangue@saude.gov.br Home Page: www.saude.gov.br Coordenação: Antônio Carlos Magnanelli José Carlos Gonçalves de Araújo Márcia Teixeira Gurgel do Amaral Organização Textual: Djalma Agripino de Melo Filho Normalização: Amanda Soares Moreira – Editora MS Capa, projeto gráfico e diagramação: Fabiano Bastos Impresso no Brasil / Printed in Brazil Ficha Catalográfica Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Hematologia e hemoterapia: guia de manejo de resíduos / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. 236 p. : il. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) ISBN 978‑85‑334‑1798‑4 1. Hematologia. 2. Hemoterapia. 3. Resíduos. I. Título. II. Série. CDU 616.15
Catalogação na fonte – Coordenação‑Geral de Documentação e Informação – Editora MS – OS 2011/0118

Títulos de indexação: Em inglês: Hematology and Hemotherapy:  Waste management guide Em espanhol: Hematología y Hemoterapia : Guía de gestión de resíduos

Sumário

Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Panorama das Ações da Gestão Ambiental (2003 – 2010) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 1 . Produçao de resíduos em ambientes e processos de trabalho de um hemocentro . . . . . . . . . . . . .23 1.1 Fluxo do Doador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 1.1.1. Recepção de Doadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 1.1.2. Sanitários Masculinos e Femininos de Doadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 1.1.3. Triagem Hematológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 1.1.4. Triagem Clínica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 1.1.5. Coleta de Sangue de Doadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 1.1.6. Aférese. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 1.1.7. Lanchonete de Doadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 1.1.8. Sala de Recuperação de Doadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 1.2. Fluxo Administração e Apoio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 1.2.1. Áreas Administrativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 1.2.2. Central de Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 1.2.3. Depósito de Material de Limpeza. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 1.2.4. Copa dos Funcionários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 1.2.5. Sanitários dos Funcionários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 1.2.6. Setor de Manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 1.2.7. Manutenção de Equipamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 1.3 Fluxo do Sangue . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 1.3.1 Laboratório de Imunohematologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 1.3.2 Laboratório de Sorologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 1.3.3 Processamento das Bolsas de Sangue . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 1.3.4 Laboratório de Controle de Qualidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

1.4 Fluxo do Paciente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 1.4.1. Recepção e Registro de Pacientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 1.4.2. Consultório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 1.4.3. Sanitários Masculinos e Femininos de Pacientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 1.4.4. Sala de Coleta de Amostras de Sangue de Pacientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 1.4.5. Análise de Compatibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 1.4.6. Sala de Transfusão / Posto de Enfermagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 1.4.7. Aférese terapêutica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 2 . Termos e Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .79 2.1 Termos e Definições – Glossário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 3 . Classificação dos Resíduos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 3.1 Classificação de Resíduos Sólidos – ABNT NBR 10.004:2004. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 3.1.1 Resíduos classe I – Perigosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 3.1.2 Resíduos classe II – Não Perigosos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 3.2 Transporte Terrestre de Resíduos – ABNT NBR 13.221:2005 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 3.3 Classificação para Transporte de Resíduos Perigosos – ANTT n° 420:2004 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 3.4 Classificação dos Resíduos de Serviços de Saúde – Anvisa 306/04 / Conama 358/05 . . . . . . . . . . 117 4 . Manejo de resíduos: orientações gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 4.1 Resíduos Biológicos (GRUPO A) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 4.1.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 4.1.2 Manejo de Resíduos Biológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 4.2 Resíduos Comuns (GRUPO D) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 4.2.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 4.2.2 Manejo de Resíduos Comuns . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136 4.3 Resíduos Perfurocortantes (GRUPO E) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 4.3.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 4.3.2 Manejo de Resíduos Perfurocortantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 4.4 Resíduos Químicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146 4.4.1 Classificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146 4.4.2 Manejo de Resíduos Químicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Frases R e S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Transporte Externo . . 187 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Frases R. . . . . . . . . .5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 5. . . . . . . . . . Segurança e manejo de produtos e resíduos A – Z . .2 Frases S . . . . . . . 227 Grupo de Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Manifesto de Transporte de Resíduos Químicos Perigosos . . . . . . . . . Referências . . 182 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235 . . . . . . 172 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157 5.1 Ficha de Emergência . . . . . . . . . . . . . .2 Manifesto de transporte de resíduos químicos não perigosos . Informações importantes no manejo de resíduos . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . 159 5. . . . . . . . . . . . . . . . . 159 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . 172 5. .

.

De cunho orientador. na perspectiva de identificar ferramen‑ tas de base socioambiental relacionadas ao desenvolvimento sustentável. o Guia objetiva auxiliar os profissionais dos serviços de hematologia e hemoterapia nos seus processos de trabalho e no correto manuseio e descarte de seus resídu‑ os.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Apresentação A Gestão dos Resíduos de Serviços de Saúde no país e sua implantação. Nesta gestão integrada. a utilização rotineira deste Guia torna o gerenciamento de resíduos um processo de extrema importância nas boas práticas em gestão ambiental. a fim de evitar os efeitos negativos à sociedade. a minimiza‑ ção da geração. à saúde ocupacional e ao meio ambiente. para disponibilizá‑lo à Rede de Hemocentros Públicos Nacional. desde a geração até a disposição final. elaborou o “Guia de Manejo de Resíduos de Serviços de Hematologia e Hemoterapia”. Com destaque aos seus fortes componentes descentralizadores e participativos. o reaproveitamento. A Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados. que deverão contemplar as mudanças de legislação. bem como a inserção de novas informações não contempladas nesta versão. deve‑se priorizar a não‑geração de resíduos. Esse material foi elaborado por um grupo de trabalho multidisciplinar. Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados /DAE /SAS/MS 7 . a reciclagem e a disposição final adequada dos mesmos. ao qual caberá realizar anualmente as atualizações. aos municípios e à sociedade. contribuindo para a melhoria na qualidade da saúde da população e na preservação adequada do meio ambiente. têm sido um constante desafio colocado aos serviços. composto por pro‑ fissionais especialistas nesta temática.

17 a 23/07/2006) 2003 2004 2005 2006 . Tecidos e Órgãos – GGSTO ANVISA Resolução de Diretoria Colegiada – RDC 33 ANVISA 25/02/2003 Revisão da RDC 33 e Resolução CONAMA 283 que se tranformaram na RDC 306/ 04 e CONAMA 358/05 Realização do I Curso de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Hemoterapia (Campinas.Linha do tempo Criação da Coordenação da Política Nacional de Sangue e Hemoderivados CPNSH / Ministério da Saúde Gerência. Geral de Sangue.

Realização do Curso de Tecnologias Limpas aplicadas aos Serviços de Hemoterapia Realização do Curso de Capacitação às Hemorredes RESIDUAL 2008 2007 2008 2009 2010 .net do Hematologia e Hemoterapia: Guia de Manejo de Resíduos e a Apresentação do Case: “Produção Mais Limpa em Hemocentros”. por meio do processo de autoclavação”.Panorama das Ações da Gestão Ambiental (2003 – 2010) Realização do evento Residual 2010 Planejamento e elaboração do Curso de Especialização em Gestão Ambiental com ênfase em Produção Limpa – UFBA Realização de Cinco Cursos Regionais em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemoterapia e Hematologia Elaboração do “Hematologia e Hemoterapia: Guia de Manejo de Resíduos” Processo iniciado de Implementação ações de acompanhamento da implantação dos PGRSS nos Hemocentros Regionais. Criação do Grupo de Assessoramento Técnico em Resíduos de Serviços de Serviços de Hemoterapia e Hematologia – GAT pela Portaria no 381.nucleoead. Hemonúcleos e UCT’S Publicação do livro “Autoclavação como forma eficaz de inativação de micro-organismo em bolsas de sangue descartadas. Disponibilização no sítio: ms. de 16 de fevereiro de 2007 Produção de Cartilha “Quanto Menos Lixo Melhor” Desenvolvimento de pesquisa para avaliar o processo de inativação de bolsas de sangue por calor úmido Construção de Abrigos Externos de Resíduos nos HCs (RDC 306/RDC 50). na II Jornada de Gestão Ambiental em Instituições de Saúde na ADH’2010 / Feira Fórum Hospitalar.

.

no âmbito da Coordenação Geral de Sangue e Hemoderi‑ vados. com as práticas de manejo de resíduos aplicadas nos Hemocen‑ tros. da necessidade de alinha‑ mento entre as diretrizes preconizadas para a preservação do meio ambiente e da saúde ocupacional. por meio da Área de Gerenciamento de Resíduos dos Serviços de Hemoterapia e Hematologia. Tecidos e Órgãos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Essa área surgiu.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos A Gestão Ambiental. 2 e 3). Estados com Hemocentros Coordenadores capacitados em GRSH Estados não capacitados 11 . que foram atualizadas. em 2004. sendo parte integrante do conjunto de competências designados à área de Gestão Financeira e Assessoria Técnica. entre 17 e 23 de julho de 2006. Figura 2 – Unidades Federadas segundo a situação de capacitação dos Hemocentros Coordenadores no Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Hemoterapia. Nesse sentido. dos Hemocentros Coordenadores. excetuando‑se os do Acre e de Alagoas. Brasil. Figura 1 – Alunos do I Curso de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Hemoterapia 2006 Com vistas a elaboração dos Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS. a área de Gerenciamento de Resíduos dos Serviços de Hemoterapia e Hematologia dessa instituição dava suporte à Hemorrede Pública Nacional na implantação dos Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS. a Coordena‑ ção da Política Nacional de Sangue e Hemoderivados. tem por missão assessorar tecnicamente a Rede de Hemocentros Públicos do País e a CGSH no desenvolvimento das ações inerentes a esta área. Participaram representantes de todos os Hemocentros Coordena‑ dores. de 25 de fevereiro de 2003 e da Resolução 283 do Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama. 2004 e 2005 Já sob a responsabilidade do Ministério da Saúde. foi realizado o I Curso de Gerencia‑ mento de Resíduos Sólidos de Serviços de Hemoterapia em Campinas (SP). que foram capacitados posteriormente (Figuras 1. em meados de 2003. Antes de ficar sob a responsabilidade do Ministério da Saúde. respectiva‑ mente. pela RDC 306/ 04 e Conama 358/05. aspectos dessa missão foram executados pela Gerência Geral de Sangue. 2006. assume o compromisso de participar da revisão da Resolução 33 de Diretoria Colegiada RDC – Anvisa.

net) 2007 e 2008 Como forma de ampliar as ações na área foi criado o Grupo de Assessoramento Técnico em Resíduos de Serviços de Hemoterapia e Hematologia – GAT pela Portaria no 381. visando minimizar as desigualda‑ des regionais. Esse grupo tem como finalidade elaborar propostas e pactuar ações na área. a saúde da população e a segurança dos trabalhadores em saúde. neste biênio. otimizando a aplicação de recursos. foi composto pelos seguintes membros: ► José Carlos Gonçalves de Araújo CPNSH / MS Edilene Maria Cavalcante Farias CPNSH / MS Luiz Carlos da Fonseca e Silva Anvisa ► ► 12 . O grupo. preservando o meio ambiente. de 16 de fevereiro de 2007.ministério da Saúde Figura 3 – Ferramenta de Educação a Distância EAD utilizada no I Curso de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Hemoterapia (http://ms.nucleoead.

Incentivar e melhorar o uso da Ferramenta Ensino a Distância ‑ EAD. em Belo Horizonte/MG. por meio de cooperação técnica com os Hemocentros do Amazonas e de Pernambuco. com apresentação de pôsteres e concurso de fotografia. Figura 4 – Cartilha e Cartaz sobre Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemoterapia. Capacitar em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde os estados de Alagoas e Acre. além de cartaz destinado à divul‑ gação desse instrumento (Figura 4) Capacitação em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde dos estados de Alagoas e do Acre. Viabilizar a participação de representantes da Hemorrede no RESIDUAL 2008 em setembro.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos ► Maria Gineusa de Medeiros e Souza UNICAMP Elvira Rosa Pereira Henrique Folda HEMEPAR / Região Sul Osmar de Almeida Marques HEMOMINAS / Região Sudeste Júlio César Santana da Silva HEMOSUL / Região Centro‑Oeste Julia Alves da Luz Souza HEMOBA/ Região Nordeste Maria Gorete Simões de Matos HEMOAM / Região Norte Produzir cartilha sobre Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemo‑ terapia. ► ► ► ► ► O referido Grupo estabeleceu as metas abaixo descritas para o período 2007‑2008: ► ► ► ► ► ► ► Ações Realizadas (2007‑2008) ► Produção de Cartilha “Quanto Menos Lixo Melhor” sobre Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemoterapia. ► 13 . Promover um Curso de Capacitação às Hemorredes com foco em Tecno‑ logias Limpas aplicadas aos Serviços de Hemoterapia. Fomentar a construção de abrigo externo de resíduos nos Hemocentros Coordenadores. Realizar pesquisa para validação do processo de autoclavação de bolsas de sangue descartadas.

2008. ainda não foram construídos o de Alagoas e o do Distrito Federal e o Hemocentro Coordenador do estado do Rio Grande do Sul encontra‑se com projeto aprovado. Vinte e quatro Hemocentros Coordenadores das Unidades Federadas foram contemplados com a construção desses abrigos. MINISTÉRIO DA SAÚDE Autoclavação como forma eficaz de inativação de micro-organismos em bolsas de sangue soropositivo ► Autoclavação como forma eficaz de inativação de micro-organismos em bolsas de sangue soropositivo ► Brasília – DF 2010 Figura 5 – Unidades Federadas segundo a situação de construção de Abrigos Externos de Resíduos nos Hemocentros Coordenadores. para capacitação da Hemor‑ rede. aguardando o início da sua construção. Realização do Curso de Tecnologias Limpas aplicadas aos Serviços de He‑ moterapia em Salvador (BA). em abril de 2008. visando racionalizar o uso dos recursos e minimizar a geração de resíduos (Figura 6). Hemocentros Coordenadores com abrigos construidos Hemocentros Coordenadores com abrigos em construção Hemocentros Coordenadores com abrigos não construidos 14 . No entanto. todos os Hemocentros Coordenadores foram capacitados com o objetivo de inserção do conceito de P+L (Práticas mais Limpas) nas rotinas dos Hemocentros. garantindo o descarte dos resíduos de ma‑ neira segura. Brasil. Construção de Abrigos Externos de Resíduos nos Hemocentros Coorde‑ nadores (RDC 306/RDC 50) . Como resultado desse processo.ministério da Saúde ► Desenvolvimento da pesquisa para avaliar o processo de inativação de bol‑ sas de sangue por calor úmido.

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Figura 6 – Alunos do Curso de Tecnologias Limpas aplicadas aos Serviços de Hemoterapia ► Participação da Hemorrede no RESIDUAL 2008 em Belo Horizonte (MG). entre 15 e 18 de setembro de 2008. Figura 7 – Participantes e ambiente do RESIDUAL 2008 15 . com apresentação de pôsteres e concurso de fotografia (Figura 7).

16 . Sirléia Ferreira da Silva Rosa – da Empresa de Gfarias – Moodle. Brasília (DF) e São Paulo (SP) entre junho e novembro de 2009 (Figuras 8. Luiz Carlos da Fonseca e Silva – Anvisa.ministério da Saúde 2009 Com eleições realizadas durante o evento Residual 2008. Sanitarista. 9 e 10). Maria Gineusa de Medeiros e Souza – Unicamp. Belém (PA). Luiz Antonio Bertussi Filho – Eng. Os docentes que ministraram aulas nesse curso foram: ► ► ► ► ► Lígia Maria França Cardoso – UFBA /Teclim. o Grupo de Assessoramento Técnico apre‑ sentou a composição abaixo para o biênio 2009 / 2010: ► ► ► ► ► ► ► ► ► José Carlos Gonçalves de Araújo – CGSH / MS Márcia Teixeira Gurgel do Amaral – CGSH / MS Luiz Carlos da Fonseca e Silva – Anvisa Maria Gineusa de Medeiros e Souza – UNICAMP Elvira Rosa Pereira Henrique Folda – HEMEPAR / Região Sul Andréa Vilela de Oliveira Santos – HEMOMINAS / Região Sudeste Júlio César Santana da Silva– HEMOSUL / Região Centro‑Oeste Dinaura Maralmado Cruz– HEMOMAR / Região Nordeste Maria Gorete Simões de Matos – HEMOAM / Região Norte Metas estabelecidas pelo GAT para 2009 ► Realizar cinco Cursos Regionais em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemoterapia e Hematologia Elaborar o Guia sobre Manejo e Descarte de Resíduos de Serviços de Hemoterapia e Hematologia Participação da Área da Gestão Ambiental nos eventos realizados pela CPNSH: – – – – Curso de Especialização em Hemoterapia – Palmas/TO Curso de Especialização em Gestão de Hemocentros – Recife/PE Pan‑Amazônico – Rio Branco/AC Hemo 2009 – Florianópolis/SC ► ► Ações Realizadas (2009) ► Realização de Cinco Cursos Regionais em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemote‑ rapia e Hematologia Estes cursos foram realizados em Florianópolis (SC). Natal (RN).

Márcia Amaral.nucleoead.net/ead. Gineusa de Souza.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos A Equipe Técnica foi formada por: Bianca Lima. Bianca Lima e Lígia Cardoso. disponível em: http://ms. tendo como resultado proposto a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS de suas unidades (Figura 11) Florianópolis – 06/2009 Belém – 07/2009 Natal – 08/2009 Figura 8 – Alunos e ambiente dos Cursos Regionais em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemoterapia e Hematologia Brasília – 09/2009 São Paulo – 11/2009 Figura 9 – Da esquerda para direita: Sirléia Rosa. No curso. os alunos acessam o conteúdo e os recursos de interação e de comunicação no ambiente virtual de aprendizagem. Luiz Antônio Bertussi. Luiz Carlos da Fonseca. José Carlos Araújo. 17 . José Carlos Araújo e Márcia Amaral com o apoio de Aline Nasser e Jussara Ferreira.

ministério da Saúde Figura 10 – Material didático utilizado nos Cursos Regionais em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemoterapia e Hematologia Figura 11 – Ambiente Virtual de Aprendizagem dos Cursos Regionais em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Hemoterapia e Hematologia ► Responsabilidade Socioambiental: Plantio de 588 mudas de árvores para a compensação das emissões de gases de efeito estufa (GEE) produzidos nos cinco cursos regionais (Figura 12) 18 .

Essa ferramenta é destinada aos profissionais da Hemorrede Nacional e pode ser acessada pelo Google ou no Ambiente Virtual de Aprendizagem – EaD / Internet: ► ► ► Descer até categoria de Cursos – Guia de Resíduos Clicar em Guia de Manejo de Resíduos – Hematologia e Hemoterapia Quando abrir a página.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Figura 12 – Plantio de árvores para redução de gases de efeito estufa ► A Área da Gestão Ambiental participou dos eventos realizados pela CPNSH.net/ead (não tem www) 19 . abaixo descritos: – Módulo de Gerenciamento de Resíduos / Biossegurança no Curso de Especialização em Hemoterapia – Palmas/TO – Módulo de Gerenciamento de Resíduos no Curso de Especialização em Gestão de Hemo‑ centros – Recife/PE – Módulo de Gerenciamento de Resíduos no Curso de Especialização em Gestão de Hemo‑ centros – Recife/PE – Apresentação do cenário nacional na área de gerenciamento de resíduos na Hemorrede pública no Congresso Pan‑Amazônico – Rio Branco/A – Apresentação de proposta de elaboração do Guia de Manejo de Resíduos no Hemo 2009 – Florianópolis ► Elaboração do “Hematologia e Hemoterapia: Guia sobre Manejo de Resíduos de Serviços” Este Guia tem o objetivo de informar de forma adequada o manejo e descarte de resíduos de serviços de Hemoterapia e Hematologia.nucleoead . clicar em: Acessar como visitante. http://ms .

ministério da Saúde O Grupo Técnico responsável pela elaboração do Guia foi constituído pelos especialistas: – José Carlos Gonçalves de Araújo – CGSH. – André Luiz Lopes Sinoti – Anvisa. – Léa Mara Tosi Soussumi – Hemocentro de Ribeirão Preto – Regina Célia da Costa Mesquita Micaroni – Unicamp. Tabela 1 – Situação da Hemorrede Nacional em Gerenciamento de Resíduos em Serviços de Hemoterapia Região Sul Sudeste Centro Oeste Norte Nordeste Brasil Estados 3 4 4 7 9 27 Nº de serviços uct/hn/hr/hc 45 81 45 67 53 291 Serviço capacitado 34 33 29 36 43 175 PGRSS elaborado 32 29 23 33 32 149 PGRSS implantado 23 31 3 8 6 71 Abrigos de resíduos adequados 23 31 3 7 8 72 Fonte: MS – Caderno de Informação. 2009 / EAD 2010 Metas estabelecidas pelo GAT para 2010 ► ► ► Realizar o evento RESIDUAL 2010 Realizar o Curso de Especialização em Gestão Ambiental com ênfase em Produção Limpa Implementar ações de acompanhamento da implantação dos PGRSS nos Hemocentros Regio‑ nais. – Cláudia Spegiorin Vicente – Hemocentro da Unicamp. – Márcia Teixeira Gurgel do Amaral – CGSH. – Thiago Trindade Daisson Santos – CGSH. ► Avanços nas ações de Gerenciamento de Resíduos em Serviços de Hemoterapia. Hemonúcleos e UCT’S 20 . – Antônio Carlos Magnanelli – Pró‑Sangue. A Tabela 1 mostra os progressos observados na Hemorrede em relação a estas ações.

Hemonúcleos e UCT’S – Elaboração de instrumento de avaliação para acompanhamento das visitas técnicas – Realização de visitas técnicas aos estados. Planejamento e elaboração do Curso de Especializa‑ ção em Gestão Ambiental com ênfase em Produção Limpa – UFBA Figura 13 – Ambiente onde se realizou o RESIDUAL 2010 ► Este curso está previsto para iniciar em em maio de 2011. visando o levantamento de dificuldades para implantação dos PGRS elaborados – Elaboração de Plano de Ação. entre 22 e 24 de setembro de 2010 abordando o tema central: Atitudes Sustentáveis no Gerenciamento de Resíduos para os profissionais da Hemorrede Pública Nacional. pelo representante do GAT na região. formação em nível superior (40 vagas). está previsto a: 21 . vocação para o exercício de atividades que envolvessem liderança e inserção de atitu‑ des e práticas ambientais. com o objetivo de ampliar a capacidade gerencial dos Hemocentros através da capacitação dos seus colaboradores. ► Processo iniciado de implementação das ações de acompanhamento da implantação dos PGRSS nos Hemocentros Regionais. O público‑alvo será formado de profissionais da Hemorrede Pública cujo perfil contemple: compro‑ misso ambiental. pertencendo. com a participação de 300 profissionais (Figura 13). em Belo Horizonte / MG. experiência na área de gestão ambiental na rede de hemocentros públicos. visando sistematizar dificuldades e soluções para a proble‑ mática apontada Nesse processo. visando a elaboração e im‑ plementação de modelos de gestão ambiental para o aumento da ecoeficiência das suas atividades. aos seus quadros funcionais.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos ► Publicações previstas: – “Hematologia e Hemoterapia: Guia sobre Manejo de Resíduos de Serviços” – Resultado da Pesquisa de Autoclavação de Bolsas de Sangue Ações Realizadas (2010) ► Realização do evento RESIDUAL 2010 no Centro Mi‑ neiro de Referência em Resíduo – CMRR. preferencialmente.

.

deve‑se ue o fluxo e o ambiente em q escolher e os eja identificar as entradas . des biente uos gerados. Produçao de resíduos em ambientes e processos de trabalho de um hemocentro derá Neste capítulo. encontra‑se a classifi os qu ca e resíduo por ordem alfabéti rte. Em cada am em resíd ord s resíduos gerados estão em duo o o resí lfabética. o leitor po s processo cer os fluxos. Ao identificar ações. a form e o qual se deseja obter in el após sobr onív consulta‑se o quadro disp ssos ição dos ambientes / proce a descr esse trabalho de cada fluxo. trabalho de um Hemocentr lmente de inicia Para consultá‑lo. N de cação adro.1. do desca cedimentos adequados para final. ambientes e conhe o típico. pro ção acondicionamento e disposi .

.

os ambientes de um Hemocentro típico podem ser agregados em redes que se configuram em quatro fluxos: Doador.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos O cenário de um Hemocentro típico é constituído por ambientes físicos onde são desenvolvidos pro‑ cessos de trabalho dirigidos ao cumprimento da finalidade desse serviço que é prestar assistência e apoio hemoterápico e/ou hematológico à rede de serviços de saúde e aos usuários do SUS. Nesse processo de trabalho são gerados resíduos que necessitam de descarte ou acondicionamento adequados. Considerando algumas especificidades. Figura 1 – Fluxograma dos Ambientes / Processos de Trabalho em Hemoterapia e Hematologia Saída Lanchonete Recuperação Sorologia Imunohematologia Coleta Recepção Triagem Hematológica Triagem Clínica Aférese Coleta Administração e Apoio Hemoglobinopatias Triagem Laboratorial Processamento Controle de Qualidade Compatibilidade Registro Consulta Coleta de Amostra Transfusão Saída Fluxo do Doador Fluxo Administrativo Fluxo do Sangue Fluxo do Paciente 25 . Paciente e Sangue (Figura 1). Administrativo.

ministério da Saúde 1.1 Fluxo do Doador Saída Lanchonete Recuperação Sorologia Imunohematologia Coleta Recepção Triagem Hematológica Triagem Clínica Aférese Coleta Administração e Apoio Hemoglobinopatias Triagem Laboratorial Processamento Controle de Qualidade Compatibilidade Registro Consulta Coleta de Amostra Transfusão Saída Fluxo do Doador Fluxo Administrativo Fluxo do Sangue Fluxo do Paciente 26 .

acon‑ dicionamento e disposição final adequados estão descritos no Quadro 1 1. o candidato poderá efetivar ou não a doação.1. ele estará apto e será submetido à coleta de sangue total.3. Recepção Ambiente destinado à recepção e/ou registro de candidatos à doação voluntária de sangue. emissão de fichas e arquivo de dados dos doadores atendidos na instituição. fita ribbon. Nesse momento. grampos de grampeador d Papel de impressora sem clipes ou grampos d 1. etiquetas autoadesivas.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Ambientes / Processos de Trabalho Vinculados ao Fluxo do Doador Recepção ► Banheiros ► Triagem Hematológica ► Triagem Clínica ► Coleta de Sangue ► Aférese ► Lanchonete ► Recuperação ► O Fluxo do Doador tem início com a chegada do doador à recepção de onde será encaminhado às triagens hematológica e clínica. 27 .1. Entrada ► ► ► ► Clipes Etiquetas autoadesivas Grampos de grampeador Impressos em geral ► ► Resíduos Gerados ► ► Clipes.1. o doador dispõe de banheiros. temperatura. a depender da avaliação realizada nas triagens.2. Sanitários Masculinos e Femininos de Doadores Ambiente dotado de bacia(s) sanitária(s) e lavatório(s) para uso dos doadores de sangue. Durante o Fluxo do Doador são produzidos resíduos cujos procedimentos para o descarte. Nesse local.1. sobras de etiquetas. à sala de recuperação. pressão arterial). são realizadas as atividades que fazem parte do processo de registro. será feita a coleta seletiva dos hemocomponentes. o peso e a estatura do candidato à doação. Triagem Hematológica Ambiente destinado à realização da triagem hematológica e/ou verificação de sinais vitais e antropo‑ métricos dos doadores. Em caso da presença dos requisitos necessários. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► Absorventes higiênicos Papel higiênico Papel‑toalha Absorventes higiênicos Papel higiênico d Papel‑toalha d d 1. Em caso de necessidade. Por meio de aférese. quando necessita. o doador geralmente se dirige à lanchonete ou. Após esse processo. Esse processo de atendimento pelo pessoal de enfermagem consiste na dosagem de hemoglobina ou micro‑hematócrito e na verificação dos sinais vitais (pulso.

Coleta de Sangue de Doadores Ambiente destinado à realização da coleta de sangue total por meio de punção venosa em bolsas plásticas sob sistema fechado. embalagens plásticas d Gazes e luvas com a presença de material biológico (sem sangue na forma livre) a4 Gazes. luvas e papel‑toalha sem a presença de material biológico d 1. Entrada ► ► ► ► ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► Bolsas plásticas para coleta de sangue Embalagens primárias e secundárias Esparadrapo Etiquetas autoadesivas Fita ribbon Formulários Gazes de algodão Luvas descartáveis Tubo de ensaio ► ► ► ► ► ► ► ► Agulhas e dispositivo para coleta de amostras com presença de material biológico e Bolsas plásticas para coleta de sangue com volume insuficiente para processamento a1 Embalagens secundárias: caixas de papelão e embalagens laminadas d Etiquetas autoadesivas.1.5. gazes com a4 e sem d material biológico Saco plástico. cubetas para dosagem de hemoglobina e microlancetas e Embalagens primárias e secundárias: caixas de papelão. Esse processo de atendimento é individualizado e privativo e consiste na avaliação dos dados obtidos na triagem hema‑ tológica e das condições de saúde do candidato à doação para verificar sua aptidão para a doação de sangue.1. Cubetas para dosagem de hemoglobina Embalagens primárias e secundárias gazes de algodão Luvas descartáveis Microlancetas ► ► ► ► Capilares para micro‑hematócrito. embalagem de plástico rígido para tubos de ensaio d Tubo de ensaio com amostra de sangue a1 28 . esparadrapo. Triagem Clínica Ambiente destinado à realização da entrevista clínica e orientação dos doadores. fita ribbon d Gazes com solução antisséptica para preparo da pele d Luvas descartáveis.ministério da Saúde Entrada ► ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► Capilares para micro‑hematócrito.4. Entrada ► Formulários de papel ► Resíduos Gerados ► Formulários de papel d 1.

1. Aférese Consiste em um processo de trabalho em que é feita a coleta seletiva de hemocomponentes. fita ribbon d Formulários e papéis d Gazes com solução antisséptica para preparo da pele d Luvas descartáveis. plasma e concentrado de hemácias com equipamentos de aférese. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► Alimentos Copos plásticos Latas de refrigerantes ► ► ► Copos descartáveis. como plaquetas. Entrada ► ► ► ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► Circuitos/kits para equipamentos de aférese Esparadrapo Etiquetas autoadesivas Fita ribbon Formulários Gazes Luvas descartáveis Tubo de ensaio e respectivas embalagens ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Agulhas e dispositivo para coleta de amostras com presença de material biológico e Circuitos/kits para equipamentos de aférese a4 Embalagens primárias e secundárias: caixas de papelão d E embalagem laminada não plastificada d Etiquetas autoadesivas.1. frascos plásticos vazios de sucos e outras bebidas d Embalagens longa vida d Embalagens secundárias (papelão e plástico) d ► ► Latas de refrigerante e embalagens metálicas (ex. Lanchonete de Doadores Ambiente destinado a prestar assistência nutricional aos doadores.7. gazes com a4 e sem d material biológico Saco plástico.6. embalagens plásticas de alimentos. embalagem de plástico rígido para tubos de ensaio d Tubo de ensaio com amostra de sangue a1 1. esparadrapo. resíduos de frutas ou lanches d 29 .HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 1.: marmitex) d Papel‑toalha.

algodão. Entrada ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► Esparadrapo.8. papel‑toalha com a4 e sem d presença de material biológico Materiais de assistência ventilatória: laringoscópio. sondas endotraqueais. luvas descartáveis. papel‑toalha Materiais de assistência ventilatória: laringoscópio. agulha. sondas endotraqueais. cânulas de Guedel. gazes de algodão. Constitui um local privativo destinado à assistência médica ao doador que apresente eventos adversos. luvas descartáveis. látex usado em oxigenioterapia e aspiração de secreções e umidificadores de oxigênio Medicamentos Seringa. ambu. agulha. escalpe Solução antisséptica ► ► ► ► Embalagens primárias de medicamentos: ampolas de vidro e blísteres d e Esparadrapo. algodão. escalpe com presença de material biológico e 30 .ministério da Saúde 1.1. látex usado em oxigenioterapia e aspiração de secreções e umidificadores de oxigênio com a4 e sem d presença de material biológico Seringa. gazes de algodão. cânulas de Guedel. ambu. Sala de Recuperação de Doadores Ambiente destinado à recuperação de doadores.

Caso o tratamento venha a ser realizado fora da unidade geradora. algodão com material biológico Aférese Coleta de sangue de doadores Aterro sanitário continua… 31 . O tratamento pode ser interno (na instituição geradora) ou externo (em local externo à unidade geradora do resíduo). descaracterização: Tratamento: autoclavação. o acondicionamento para transporte deve ser em recipiente rígido. Disposição final Bolsas plásticas para coleta de sangue com volume insuficiente para processamento Coleta de sangue de doadores Tubo de ensaio com amostra de sangue Aférese Coleta de sangue de doadores Após tratamento sem descaracterização: acondicionar em saco branco com símbolo de risco biológico e encaminhar para disposição em aterro sanitário Após tratamento com descaracterização: acondicionar em saco para resíduo comum e encaminhar para disposição em aterro sanitário Após tratamento sem descaracterização: acondicionar em saco branco com símbolo Recipientes impermeáveis com de risco biológico tampa que permitam o transporte e encaminhar para seguro do local de origem até o local disposição em aterro de tratamento interno ou externo. esparadrapo. as unidades de hemocomponentes devem ser tratadas antes da disposição final. Tratamento: De acordo com a RDC 306. acondicionamento e disposição final dos resíduos gerados no fluxo do doador Resíduos/Classificação Grupo A1 – resíduo biológico Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Saco plástico vermelho com símbolo de risco biológico. sanitário identificados com símbolo de risco Após tratamento com biológico.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Quadro 1 – Procedimentos para descarte. acondicionar em saco micro‑ondas ou incineração para resíduo comum e encaminhar para disposição em aterro sanitário Lixeira com tampa acionada por pedal com saco plástico branco leitoso com símbolo de risco biológico Lixeira com tampa acionada por pedal com saco plástico branco leitoso com símbolo de risco biológico Grupo A4 – resíduo biológico Circuitos/kits para equipamentos de Aférese aférese Luvas descartáveis. gazes.

papel‑toalha doadores Caixas de papelão e embalagens Triagem plásticas (Em caso de não utilização hematológica de programa de reciclagem) Caixas de papelão. fita ribbon. doadores formulários e papéis (Em caso de não utilização de programa de reciclagem) Clipes. embalagem de plástico Coleta de sangue de rígido para tubos de ensaio.ministério da Saúde … continuação Resíduos/Classificação Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Disposição final Grupo A4 – resíduo biológico Materiais de assistência ventilatória: laringoscópio. ambu.: doadores marmitex). Sala de recuperação látex usado em oxigenioterapia dos doadores e aspiração de secreções e umidificadores de oxigênio com presença de material biológico Grupo D resíduo comum não reciclável Sanitários masculinos Absorventes higiênicos. Recepção dos sobras de etiquetas. frascos plásticos vazios de sucos e outras bebidas. embalagens longa vida. doadores grampos de grampeador Copos descartáveis. papel e femininos de higiênico. caixas de papelão e plásticos (Em caso de não utilização de programa de reciclagem) Embalagens primárias de Sala de recuperação medicamentos: Blísteres dos doadores Aférese Etiquetas autoadesivas. embalagens plásticas de alimentos. cânulas de Guedel. sondas endotraqueais. embalagem laminada não plastificada. fita ribbon Coleta de sangue de doadores Formulários de papel (Em caso de não utilização de programa de Triagem clínica reciclagem) Saco plástico branco leitoso com símbolo de risco biológico Aterro sanitário Observar as orientações dos serviços locais de limpeza urbana e utilizar sacos impermeáveis contidos em Aterro sanitário recipientes identificados para resíduo comum continua… 32 . latas de refrigerante Lanchonete de e embalagens metálicas (ex. saco Aférese plástico. etiquetas autoadesivas.

Coleta de sangue de gazes.HematoloGia e Hemoterapia … continuação Guia de manejo de resíduos Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Disposição final Resíduos/Classificação Grupo D resíduo comum não reciclável Aférese Gazes com solução antisséptica Coleta de sangue de para preparo da pele doadores Aférese Luvas descartáveis. esparadrapo. Cooperativas ou empresas de Remover rótulos e descartar como reciclagem plástico reciclável Embalagens plásticas Embalagens primárias e secundárias: Caixas de papelão Remover rótulos e descartar como papel reciclável. frascos plásticos vazios de sucos e outras bebidas Lanchonete de doadores Embalagens longa vida Triagem hematológica Aférese Coleta de sangue de doadores Lanchonete de doadores Triagem hematológica Observar as orientações dos serviços locais de limpeza urbana e utilizar sacos impermeáveis contidos em Aterro sanitário recipientes identificados para resíduo comum Remover rótulos. sondas endotraqueais. ambu. lavar e descartar como plástico reciclável Lixeira para resíduos de embalagem Tetra Pak (As embalagens longa vida são constituídas de plástico. continua… 33 . Sala de recuperação látex usados em oxigenioterapia dos doadores e aspiração de secreções e umidificadores de oxigênio sem presença de material biológico Papel de impressora sem clipes ou Recepção dos grampos(Em caso de não utilização doadores de programa de reciclagem) Papel‑toalha. alumínio e papel). embalagens plásticas de alimentos. resíduos de frutas ou Lanchonete de lanches doadores Grupo D resíduo comum reciclável Copos descartáveis. algodão sem material doadores biológico Sala de recuperação dos doadores Materiais de assistência ventilatória: laringoscópio. cânulas de Guedel.

embalagem de Coleta de sangue de plástico rígido para tubos de ensaio doadores Grupo E – resíduo perfurocortante Cooperativas ou empresas de reciclagem Aférese Agulhas. seringas. cubetas para dosagem de hemoglobina e microlancetas Embalagens primárias de medicamentos: ampolas de vidro Triagem hematológica Sala de recuperação dos doadores 34 . Coletor rígido para materiais perfurocortantes identificado com símbolo de risco biológico Capilares para micro‑hematócrito. e os demais resíduos perfurocortantes Aterro sanitário não necessitam de tratamento (RDC 306).: marmitex): doadores Papel de impressora sem clipes ou Recepção dos grampos doadores Aférese Saco plástico. escalpes e Coleta de sangue de dispositivos para coleta de amostras doadores com presença de material biológico Sala de recuperação dos doadores Coletor rígido para materiais perfurocortantes identificado com símbolo de risco biológico.ministério da Saúde … continuação Resíduos/Classificação Grupo D resíduo comum reciclável Embalagens primárias e secundárias: Embalagem laminada não plastificada Embalagens secundárias: plásticos (da lanchonete) Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Remover rótulos e descartar como metal reciclável. inclusive as usadas na coleta laboratorial de amostra de paciente. Tratamento: as seringas e agulhas utilizadas em processos de assistência à saúde. Lixeira para resíduos de plástico Lixeira com saco plástico para resíduos recicláveis (papel) Lixeira para resíduos de metal Lixeira com saco plástico para resíduos recicláveis (papel) Remover rótulos e descartar como plástico reciclável Disposição final Aférese Coleta de sangue de doadores Lanchonete de doadores Aférese Formulários e papéis Triagem clínica Latas de refrigerante e embalagens Lanchonete de metálicas (ex.

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 1.2. Fluxo Administração e Apoio Saída Lanchonete Recuperação Sorologia Imunohematologia Coleta Recepção Triagem Hematológica Triagem Clínica Aférese Coleta Administração e Apoio Hemoglobinopatias Triagem Laboratorial Processamento Controle de Qualidade Compatibilidade Registro Consulta Coleta de Amostra Transfusão Saída Fluxo do Doador Fluxo Administrativo Fluxo do Sangue Fluxo do Paciente 35 .

2. Áreas Administrativas Ambiente destinado à realização de serviços administrativos. Diretoria. avental impermeável. luvas de látex. Central de Materiais Ambiente destinado às atividades de recepção. avental impermeável. escova‑crina. preparo. 1. óculos de proteção. descontaminação. embalagem de papel de grau cirúrgico. acondicionamento e disposição final adequados estão descritos no Quadro 2. As salas que compõem a área adminis‑ trativa são: Secretaria. fita adesiva de crepe. esponja de limpeza dupla face Solução de hipoclorito de sódio a 10% Solução degermante Toalha de papel e pano de limpeza Vidraria de laboratórios ► ► ► ► ► ► Compressas. sacos plásticos transparentes. expurgo. Entrada ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► Água oxigenada em 10V Álcool a 70º GL e 96º GL Compressas. Entrada ► ► ► ► Clips Etiquetas autoadesivas Grampos de grampeador Impressos e papéis em geral ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► Aparas de papel d Clips d Etiquetas autoadesivas d Grampos de grampeador Impressos em geral d d 1. gazes. Gerência. administração e manutenção. Recursos Humanos.ministério da Saúde Ambientes / Processos de Trabalho Vinculados ao Fluxo Administrativo e Apoio Áreas Administrativas ► Central de Materiais ► Depósito de Material de Limpeza ► Copa dos Funcionários ► Sanitário dos Funcionários ► Setor de Manutenção ► Manutenção de Equipamentos ► O Fluxo Administrativo envolve os ambientes / processos de trabalho vinculados ao planejamento. esteriliza‑ ção. papel de alumínio Palha de aço. escova‑crina. algodão Detergente neutro EPIs: gorro cirúrgico. luvas de borracha com a4 e sem d presença de material biológico Palha de aço. algodão d Embalagens primárias vazias: frascos vazios de reagentes de vidro ou plásticos d Embalagens secundárias: caixas de papelão embalagens plásticas d EPIs: gorro cirúrgico. luvas de látex. limpeza. guarda e distribuição dos materiais utilizados nas diversas unidades de um estabelecimento de saúde. gazes.2.1. esponja de limpeza dupla‑face d Toalha de papel e panos para limpeza com a4 e sem d presença de material biológico Vidrarias d 36 . bota ou calçado fechado Filme de embalagem.2. gestão. Durante o Fluxo Administrativo são produzidos resíduos cujos procedimentos para o descarte. luvas de borracha.

Copa dos Funcionários Ambiente destinado à alimentação de funcionários e alunos. luvas de látex. Limpa‑vidros Mops Pá de lixo Palha de aço Rodos de borracha com cabo de alumínio Sacos de lixo branco e preto Toalha de papel e panos para limpeza Vassourinha (de piaçava para banheiros) ► ► ► ► Embalagens primárias vazias: frascos vazios de reagentes de vidro ou plásticos d Embalagens secundárias: caixas de papelão embalagens plásticas d EPIs: gorro cirúrgico. gorros. resíduos de frutas ou lanches d Copos. avental impermeável.2. dotada de tanque de lavagem. luvas de borracha) Esponja de limpeza dupla‑face. Depósito de Material de Limpeza Ambiente destinado à guarda de aparelhos. luvas de borracha com a4 e sem d presença de material biológico Palha de aço e esponja de limpeza dupla‑face d ► ► Toalha de papel e panos para limpeza com e sem d presença de material biológico Vidrarias d a4 1.3. embalagens plásticas de alimentos d Latinhas de refrigerantes d Embalagens vazias de vidro de sucos e outras bebidas vazias d Embalagens longa vida d Embalagens secundárias d Papel d 37 . botas de borracha.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 1.2. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados Alimentos Copos plásticos Latas de refrigerantes ► ► ► ► ► ► ► ► Papel toalha. Entrada ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Baldes Desinfetantes (álcool etílico a 70º GL. utensílios e material de limpeza.4. hipoclorito de sódio a 2%) Detergente neutro Enceradeiras EPIs (avental impermeável.

fita ribbon.ministério da Saúde 1. gorros. Entrada ► ► ► Absorventes higiênicos Papel higiênico Papel‑toalha ► Resíduos Gerados ► ► ► Absorventes higiênicos Papel higiênico d Papel‑toalha d d Quadro 2 – Procedimentos para descarte. algodão Central de Materiais Central de Materiais Embalagens secundárias: caixas de papelão e embalagens plásticas (Em Copa de Funcionários caso de não utilização de programa Depósito de Material de Limpeza de reciclagem) EPIs: avental impermeável.2. papel‑toalha funcionários Clips. Sanitários dos Funcionários Ambiente dotado de bacia(s) sanitária(s) e lavatório(s) para uso dos funcionários do Hemocentro.5. sobras de etiquetas. resíduos de frutas Copa de Funcionários ou lanches e panos para limpeza sem Depósito de Material presença de material biológico de Limpeza Aterro sanitário Observar as orientações dos serviços locais de limpeza urbana e utilizar sacos impermeáveis contidos Aterro sanitário em recipientes identificados para resíduo comum continua… 38 . Central de Materiais luvas de borracha sem presença de Depósito de Material material biológico: de Limpeza Central de Materiais Palha de aço. grampos de Salas administrativas grampeador Compressas. gazes. luvas de látex. acondicionamento e disposição final dos resíduos gerados no fluxo administrativo e apoio Resíduos/Classificação Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Lixeira com tampa acionada por pedal com saco plástico branco leitoso com símbolo de risco biológico Disposição final Grupo A4 – resíduo biológico EPIs: gorro cirúrgico. papel Sanitário dos higiênico. etiquetas audoadesivas. luvas de Central de Materiais borracha com presença de material Depósito de Material biológico de Limpeza Toalha de papel e panos para limpeza com presença de material biológico Grupo D – resíduo comum não reciclável Absorventes higiênicos. escova‑crina. avental impermeável. esponja Depósito de Material de limpeza dupla‑face de Limpeza Central de Materiais Toalha de papel.

HematoloGia e Hemoterapia
… continuação

Guia de manejo de resíduos
Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Disposição final

Resíduos/Classificação

Grupo D – resíduo comum reciclável (vidro, plástico e papel) Copos descartáveis, embalagens plásticas de alimentos, frascos Remover rótulos e descartar como plásticos vazios de sucos e outras papel reciclável Copa de Funcionários bebidas Lixeira para resíduos de papelão, Embalagens longa vida (tetrapack) plástico e alumínio Embalagens primárias vazias: frascos Central de Materiais Lavar 3 vezes com água corrente e vazios de reagentes de vidro ou Depósito de Material descartar como resíduos recicláveis (vidro ou plástico). plásticos de Limpeza Embalagens secundárias: caixas de Remover rótulos e descartar como papelão (Em caso de utilização de Central de Materiais papel reciclável programa de reciclagem) Copa de Funcionários Embalagens secundárias: Depósito de Material embalagens plásticas (Em caso Remover rótulos e descartar como de Limpeza de utilização de programa de plástico reciclável reciclagem) Latas de refrigerantes e embalagens Copa de Funcionários Lixeira para resíduos de metal metálicas (ex. marmitex) Lixeira com tampa acionada por Papel de impressora sem clips ou Salas administrativas pedal com saco plástico para grampos, aparas de papel resíduos recicláveis (papel) Central de Materiais Vidrarias Depósito de Material Descartar como vidro reciclável de Limpeza

Cooperativas ou empresas de reciclagem

Cooperativas ou empresas de reciclagem

1.2.6. Setor de Manutenção
Ambiente destinado às atividades de manutenção e reparos do parque tecnológico e da área física da instituição. Resíduos de Construção Civil (RCC): Resíduos da construção civil: são os provenientes de constru‑ ções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, comumente chamados de entulhos de obras, caliça ou metralha. Os resíduos da construção civil não poderão ser dispostos em aterros de resíduos domiciliares, em áreas de “bota fora”, em encostas, corpos d`água, lotes vagos e em áreas protegidas por Lei. Reutilização: processo de reaplicação de um resíduo, sem transformação do mesmo. Reciclagem: processo de reaproveitamento de um resíduo, após ter sido submetido à transformação. Beneficiamento: ato de submeter um resíduo às operações e/ou processos que tenham por objetivo dotá‑los de condições que permitam que sejam utilizados como matéria‑prima ou produto.

39

ministério da Saúde

Aterro de resíduos da construção civil: área onde serão empregadas técnicas de disposição de resídu‑ os da construção civil Classe “A” no solo, visando à preservação de materiais segregados de forma a possi‑ bilitar seu uso futuro e/ou futura utilização da área, utilizando princípios de engenharia para confiná‑los ao menor volume possível, sem causar danos à saúde pública e ao meio ambiente.

Entrada
► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ►

Resíduos Gerados
► ► ► ► ► ►

areia argamassa blocos cerâmicos colas concreto em geral fiação elétrica forros gesso madeiras e compensados metais pavimento asfáltico plásticos resinas rochas solos telhas tijolos tintas tubulações vidros

► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ►

areia argamassa blocos cerâmicos colas concreto em geral fiação elétrica forros gesso madeiras e compensados metais pavimento asfáltico plásticos resinas rochas solos telhas tijolos tintas tubulações vidros

Resíduos de construção civil (RCC). Não confundir a classificação da Resolução Conama 307/2002 – Resíduos da Construção Civil (Classe A, B, C e D) com da RDC 306/2004 da Anvisa (Grupos A, B, C, D, e E).

Procedimentos para descarte, acondicionamento e disposição final dos resíduos gerados: De acordo com a Conama 307 de 2002, os resíduos da construção civil são classificados da seguinte forma: Classe A – resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como: a) construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infra‑estrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem. b) construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos (tijolos, blo‑ cos, telhas, placas de revestimento etc.), argamassa e concreto. c) processo de fabricação e/ou demolição de peças pré‑moldadas em concreto (blocos, tubos, meios‑fios etc.) produzidas nos canteiros de obras. Disposição final: deverão ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados, ou encaminhados a áreas de aterro de resíduos da construção civil, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura;

40

HematoloGia e Hemoterapia

Guia de manejo de resíduos

Alvenaria, concreto, argamassas, solos, tijolos, produtos cerâmicos e produtos de cimento Classificação: Classe A Destinação: reutilização ou reciclagem com uso na forma de agregados. Disposição final: estações de reciclagem de entulhos ou aterros licenciados. Classe B – resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel/papelão, metais, vidros, madeiras e outros; Disposição final: deverão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura; Madeira Classificação: Classe B Destinação: reutilização, reciclagem. Disposição final: empresas que utilizam a madeira como energético ou matéria prima. Metais, fiação elétrica Classificação: Classe B Destinação: reutilização, reciclagem Disposição final: empresas de reciclagem de materiais metálicos; cooperativas e associações de catadores, depósitos de ferro‑velho, etc. Plásticos Classificação: Classe B Destinação: reutilização, reciclagem Disposição final: empresas de reciclagem de plásticos. Papel, papelão Classificação: Classe B Destinação: reutilização, reciclagem Disposição final: empresas de reciclagem de papel. Classe C – são os resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economi‑ camente viáveis que permitam a sua reciclagem/recuperação. Gesso e derivados Classificação: Classe C Acondicionamento, Armazenamento e Disposição final: deverão ser armazenados, transporta‑ dos e destinados em conformidade com as normas técnicas específicas Classe D – são os resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como: tintas, solventes, óleos e outros, ou aqueles contaminados oriundos de demolições, reformas e reparos de clínicas radio‑ lógicas, instalações industriais e outros.

41

ministério da Saúde

Tintas e solventes Classificação: Classe D Acondicionamento: na embalagem original Disposição final: empresas de coprocessamento, empresas de reciclagem de tintas e solventes, ou conforme NBR 10004:2004. Referência Bibliográfica Conama, Resolução Nº 307, de 05 de julho de 2002. Diretrizes e procedimentos para gestão dos resí‑ duos sólidos na construção civil. Brasília: MMA/Conama 2002.

1.2.7. Manutenção de Equipamentos
Segundo a diretiva 2002/95/CE da União Européia os Equipamentos Elétricos e Eletrônicos são aque‑ les cujo adequado funcionamento depende de correntes elétricas ou campos eletromagnéticos, bem como os equipamentos para geração, transferência e medição dessas correntes e campos, pertencentes às seguintes categorias: 1) Grandes eletrodomésticos; 2) Pequenos eletrodomésticos; 3) Equipamentos de informática e de telecomunicação; 4) Equipamentos de consumo; 5) Equipamentos de iluminação; 6) Ferramentas elétricas e eletrônicas (com exceção de ferramentas industriais fixas de grandes dimensões); 7) Brinquedos e equipamentos de esporte e lazer; 8) Aparelhos médicos (com exceção de todos os produtos implantados e infectados); 9) Instrumentos de monitoramento e controle; Distribuidores automáticos. Consideram‑se lixo tecnológico os aparelhos eletrodomésticos e os equipamentos e componentes eletroeletrônicos de uso doméstico, industrial, comercial ou no setor de serviços que apresentam as seguintes situações: a) Não funciona mais e não pode ser reparado; b) É reparável, mas o custo é alto em relação á compra de um novo; c) Faz parte de outro equipamento que não funciona mais ou d) Funciona, mas é tecnicamente obsoleto e foi substituído por um equipamento mais atual.

42

de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista. separação. em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama. do SNVS e do Suasa. com o objetivo de otimizar as diversas destinações dos materiais com ações que visam o aproveitamento de partes e/ou incorporação dos materiais que constituem o produto.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Existem várias destinações destes equipamentos após o esgotamento da vida útil. IV – óleos lubrificantes. podendo ser descar‑ tados como um tipo de resíduos urbano ou ter um segundo ciclo de uso como nos seguintes nos casos: ► ► ► Reparo Revenda – desmontagem para reutilização de componentes ou reciclagem de materiais. distribuidores e comerciantes de: I – agrotóxicos. Este processo envolve várias etapas como desmontagem. filtros de ar. seus resíduos e embalagens. importadores. beneficiamento. obsoletos filtros de ar fios elétricos lâmpadas óleos descartados 43 . assim como outros produtos cuja embalagem. V – lâmpadas fluorescentes. os fabricantes. seus resíduos e embalagens. III – pneus. através da reciclagem. constitua resíduo perigoso. VI – produtos eletroeletrônicos e seus componentes. de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos. A Lei 12305 que define a Política Nacional de Resíduos Sólidos orienta: “Art. mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor. observadas as regras de gerenciamento de resíduos perigosos previstas em lei ou regulamento. 33. ou em normas técnicas. Logística reversa – logística de retorno desses produtos. após o uso. fios elétricos) lâmpadas pilhas e baterias ► ► ► ► ► ► ► ► pilhas e baterias eletroeletrônicos equipamentos. São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa. II – pilhas e baterias. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► eletroeletrônicos equipamentos insumos de equipamentos (óleos minerais. até a disposição final adequada de materiais não absorvidos pelo mercado de reciclagem.

conforme Lei 12305. Óleos minerais Classificação: Grupos B – Químicos. Disposição final: encaminhadas para tratamento em empresas de reutilização (caso do mercúrio) e reciclagem (demais componentes da lâmpada) que realizam a recuperação do mercúrio contido na poeira de fósforo. 44 . protegido do sol e da chuva. Equipamentos quebrados ou obsoletos Classificação: comum reciclável Disposição final: devolução ao fabricante. Filtros de equipamentos Classificação. Caso não seja possível encaminhar para aterro tipo I Pilhas e baterias Classificação: Grupos B – Químicos Acondicionamento: em coletor exclusivo para esse resíduo Disposição final: encaminhados para empresas especializadas em tratamento desse resíduo ou devolução ao fabricante. Acondicionamento e Disposição final: de acordo com o contaminante. pode ser químico. acondicionamento e disposição final dos resíduos gerados: Lâmpada Classificação: resíduo químico Acondicionamento: na embalagem original. até o momento de encaminhamento para disposição final. manter em local seco. comum não reciclável ou infectante. no caso de algumas baterias.ministério da Saúde Procedimentos para descarte. RDC 306/2004 Acondicionamento: na embalagem de origem ou similar Disposição final: encaminhados para empresas de reutilização ou para tratamento térmico (inci‑ neração).

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 1.3 Fluxo do Sangue Saída Lanchonete Recuperação Sorologia Imunohematologia Coleta Recepção Triagem Hematológica Triagem Clínica Aférese Coleta Administração e Apoio Hemoglobinopatias Triagem Laboratorial Processamento Controle de Qualidade Compatibilidade Registro Consulta Coleta de Amostra Transfusão Saída Fluxo do Doador Fluxo Administrativo Fluxo do Sangue Fluxo do Paciente 45 .

Ponteiras. Caso sejam usados antissoros monoclonais. ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão d Embalagens plásticas d Embalagens primárias vazias após o uso dos kits: frascos vazios de reagentes de vidro ou plásticos d e Luvas. A tipagem reversa deve ser sempre realizada.B não é obrigatória. Hepatite B.B. gazes. Em paralelo. Reagentes. opcionalmente.1 Laboratório de Imunohematologia Ambiente destinado à realização dos exames imunohematológicos para qualificação do doador. A2 e O.3. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas com presença de material biológico a4 e Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de reagentes B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 46 . Tubos de ensaio com amostras de sangue total. Testes Confirmatórios) ► Processamento das Bolsas de Sangue ► Laboratório de Controle de Qualidade ► O Fluxo do Sangue envolve os ambientes / processos de trabalho onde o sangue do doador é processado e submetido a uma avaliação imunohematológica e sorológica. empregando‑se métodos que evidenciem a presença de anti‑ corpos clinicamente significativos. anti‑B e anti‑A. acon‑ dicionamento e disposição final adequados estão descritos no Quadro 3 1. Durante o Fluxo do Sangue são produzidos resíduos cujos procedimentos para o descarte. Hepatite C. NAT. máscaras. Nele são realizados testes nas amostras de sangue de doadores e/ou receptores para exames imunohematológicos. utilizando‑se para isto o soro‑controle de Rh do mesmo fabricante do soro anti‑D. b) Determinação do fator Rh (D) – O fator Rh (D) deve ser determinado colocando‑se os eritrócitos do paciente em contato com soro anti‑Rho (anti‑D). HIV. Área destinada à realização dos seguintes exames: a) Tipificação ABO – O grupo ABO deve ser determinado testando‑se os glóbulos vermelhos com reagentes anti‑A. HTLV. c) Provas para a detecção de anticorpos irregulares – Deve ser realizada nos doadores a pesquisa de anticorpos séricos irregulares. a utilização do soro anti‑A. Sífilis. Luvas descartáveis. deve ser sempre efetuado um controle da tipagem Rh. testando‑se o soro ou plasma com suspensão de glóbulos vermelhos conhecidos A1 e B e. Entrada ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► ► Compressas de gaze de algodão.ministério da Saúde Ambientes / Processos de Trabalho Vinculados ao Fluxo do Sangue Laboratório de Imunohematologia ► Laboratório de Sorologia (Chagas.

glicerina/EDTA. hidróxido de sódio. cromógeno B Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra. placas de Elisa a1 e Sobras de ácido sulfúrico ou hidróxido de sódio B Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de conservante: fenol. diluente do substrato e tampão de lavagem B Sobras de tris. máscaras. proclin 300.3. gazes.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 1. antígeno. tris. ácido sulfúrico Cromógeno (Tetrametilbenzidina – TMB) Luvas descartáveis Placas de Elisa Ponteira Tubos de ensaio com amostras de sangue total ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Efluentes dos equipamentos B Frascos de controles – antígenos a1 Frascos de fosfato. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas com presença de material biológico. peróxido de hidrogênio B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 47 . anticorpos clonais Conservantes: azida sódica ou ProClin 300 ou Fenol ou Agentes microbianos Tampões: Fosfato ou Tris ou Glicerina/EDTA Soluções trigger e de bloqueio: Peróxido de hidrogênio. peróxido de hidrogênio B Luvas. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Compressas de gaze de algodão Kits Controles: plasma humano. a) Chagas O teste Elisa para doença de Chagas é um teste imunoenzimático para detecção de anticor‑ pos anti‑Trypanosoma cruzi em soro ou plasma humano. glicerina/EDTA. azida sódica.2 Laboratório de Sorologia Ambiente destinado a realizar testes nas amostras de sangue de doadores para detecção de doenças transmissíveis pelo sangue conforme legislação vigente.

anticorpos clonais) Conservantes (Azida sódica ou ProClin 300 ou Fenol ou Agentes microbianos) Tampões (Fosfato ou Tris ou Glicerina/EDTA) Soluções trigger e de bloqueio (Peróxido de hidrogênio. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Compressas de gaze de algodão Kits: Controles (plasma humano. cromógeno B Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra. peróxido de hidrogênio B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 48 .ministério da Saúde b) Hepatite B Teste Elisa anti‑HBC: Teste imunoenzimático do tipo Elisa indireto que permite a detecção simultânea de anticorpos totais (IgG e IgM) dirigidos contra o antígeno do núcleo do vírus (nucleocapside) da hepa‑ tite B no soro ou plasma humano. gazes. antígeno. Hidróxido de sódio. placas de Elisa a1 e Sobras de ácido sulfúrico ou hidróxido de sódio B Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de conservante: fenol. diluente do substrato e tampão de lavagem B Sobras de tris. máscaras. peróxido de hidrogênio B Luvas. glicerina/EDTA. azida sódica. tris. Elisa para HBs Ag: Imunoensaio para a detecção quantitativa de antígeno de superfície da hepatite B (HBs Ag) em soro ou plasma humano. proclin 300. Ácido sulfúrico) Cromógeno (Tetrametilbenzidina – TMB) Luvas descartáveis Placas de Elisa Ponteiras Tubos de ensaio com amostras de sangue total ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Efluentes dos equipamentos B Frascos de controles – antígenos a1 Frascos de fosfato. glicerina/EDTA. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas com presença de material biológico.

peróxido de hidrogênio B Luvas. antígeno. cromógeno B Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas com presença de material biológico. azida sódica. Hidróxido de sódio. peróxido de hidrogênio B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 49 . tris.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos c) Hepatite C Elisa anti‑HBC: teste imunoenzimático qualitativo para detecção in vitro de anticorpos do vírus da hepatite C (VHC) no soro ou plasma humano. gazes. diluente do substrato e tampão de lavagem B Sobras de tris. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Compressas de gaze de algodão Kits: Controles (plasma humano. placas de Elisa a1 e Sobras de ácido sulfúrico ou hidróxido de sódio B Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de conservante: fenol. Ácido sulfúrico) Cromógeno (Tetrametilbenzidina – TMB) Luvas descartáveis Placas de Elisa Ponteiras Tubos de ensaio com amostras de sangue total ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Efluentes dos equipamentos B Embalagens primárias vazias após o uso dos kits d Frascos de controles – antígenos a1 Frascos de fosfato. glicerina/EDTA. proclin 300. máscaras. anticorpos clonais) Conservantes (Azida sódica ou ProClin 300 ou Fenol ou Agentes microbianos) Tampões (Fosfato ou Tris ou Glicerina/EDTA) Soluções trigger e de bloqueio (Peróxido de hidrogênio. glicerina/EDTA.

placas de Elisa a1 e Sobras de ácido sulfúrico ou hidróxido de sódio B Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de conservante: fenol. Hidróxido de sódio. proclin 300. Ácido sulfúrico) Cromógeno (Tetrametilbenzidina – TMB) Luvas descartáveis Placas de Elisa Ponteiras Tubos de ensaio com amostras de sangue total ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Efluentes dos equipamentos B Frascos de controles – antígenos a1 Frascos de fosfato. cromógeno B Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra. diluente do substrato e tampão de lavagem B Sobras de tris. glicerina/EDTA. azida sódica. peróxido de hidrogênio B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 50 .ministério da Saúde d) HIV Elisa anti‑HIV – Imunoensaio enzimático para a detecção qualitativa in vitro dos anticorpos contra o vírus da imunodeficiência humana tipo 1 e/ou tipo 2 (HIV‑1/HIV‑2) em soro ou plasma humano. máscaras. anticorpos clonais) Conservantes (Azida sódica ou ProClin 300 ou Fenol ou Agentes microbianos) Tampões (Fosfato ou Tris ou Glicerina/EDTA) Soluções trigger e de bloqueio (Peróxido de hidrogênio. tris. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Compressas de gaze de algodão Kits: Controles (plasma humano. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas com presença de material biológico. glicerina/EDTA. antígeno. peróxido de hidrogênio B Luvas. gazes.

Hidróxido de sódio. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Compressas de gaze de algodão Kits: Controles ( plasma humano. máscaras. placas de Elisa a1 e Sobras de ácido sulfúrico ou hidróxido de sódio B Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de conservante: fenol. proclin 300. tris.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos e) HTLV Elisa para HTLV: ensaio qualitativo. azida sódica. antígeno. peróxido de hidrogênio B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 51 . peróxido de hidrogênio B Luvas. cromógeno B Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra. glicerina/EDTA. glicerina/EDTA. ligado à enzima de imunoadsorção. destinado à detecção de an‑ ticorpos contra o vírus linfotrópico para linfócitos T humano tipos I e/ou II no soro ou plasma humanos. anticorpos clonais) Conservantes ( Azida sódica ou ProClin 300 ou Fenol ou Agentes microbianos) Tampões (Fosfato ou Tris ou Glicerina/EDTA) Soluções trigger e de bloqueio (Peróxido de hidrogênio. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas com presença de material biológico. diluente do substrato e tampão de lavagem B Sobras de tris. Ácido sulfúrico) Cromógeno (Tetrametilbenzidina – TMB) Luvas descartáveis Placas de Elisa Ponteiras Tubos de ensaio com amostras de sangue total ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Efluentes dos equipamentos B Frascos de controles – antígenos a1 Frascos de fosfato. gazes.

tampão AL. eram utilizados para a triagem da infecção pelo HIV e HCV em bolsas de sangue. os testes ELISA. o NAT é capaz de reduzir o período de janela imunológica. Já existem no mercado atualmente plataformas NAT capazes também de agregar a detecção de outros agentes infecciosos como o vírus da hepatite B – HBV e o Vírus do Nilo Ocidental (WNV – West Nile Virus). Entrada ► ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► Gaze de algodão Luvas descartáveis Placas com antígenos Ponteiras Reagentes Tubos de ensaio com amostras de sangue ► ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Efluentes dos equipamentos B Kit de extração: tampão AVE. ou seja. Até o surgimento dos testes NAT. gazes.ministério da Saúde f) NAT O Teste de Amplificação de Ácidos nucléicos (NAT) é uma tecnologia desenvolvida para a detecção do ácido nucléico do Vírus da Imunodeficiência Humana – HIV e do Vírus da Hepatite C – HCV. além de identificá‑los em bolsas doadas com níveis de anticorpos indetectáveis pelos testes tradicionais. máscaras. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Placa óptica d Placas com antígenos a1 Ponteiras plásticas com presença de material biológico a1 e Protease (contém subtilisina). indicativa da mesma. testes de detecção de anticorpos e/ou antígenos virais por método imunoenzimático. solvente de protease. tampão AW2. carrier RNA. Os novos testes estão sendo implantados com o propósito de identificar esses vírus precocemente aos testes sorológicos convencionais. Como grande vantagem sobre os testes tradicionais. o Perí‑ odo de tempo compreendido entre a infecção do indivíduo ao agente infeccioso e o aparecimento de positividade em exames laboratoriais. TopElute B Luvas. vírus este transmitido de forma rara por transfusão sanguínea. tampão AW1 B Sobras de amostra de sangue a1 Tubos com sobras de amostra de sangue a1 Fontes: – Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio‑Manguinhos/Fiocruz – FISPQ do Kit QIAamp One‑For‑All Nucleic Acid Handbook – Qiagen 52 . de cerca de 70 para 12 dias no caso do HCV e 22 para 11 dias no caso do HIV. em bolsas de sangue destinadas à transfusão.

Entrada ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► Kits: Controles (plasma humano. antígeno. bastões pipetadores e homogeneizadores com presença de material biológico a1 e Tubos com sobras de amostra de sangue a1 53 . papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas. máscaras.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos g) Sífilis Teste VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) para sífilis: A amostra em análise é colocada em contato com a suspensão antigênica em uma lâmina apropriada e submetida a um processo de rotação mecânica. gazes. gazes. máscaras. papel de forração de bancada com presença de material biológico a4 Frascos com suspensão antigênica e frascos dos controles contendo amostras de soro positivo e negativo a1 Luvas. As partículas de colesterol revestidas com cardiolipina e lecitina (antígeno cardiolipínico) irão flocular caso a amostra contenha reaginas (reação de VDRL). anticorpos clonais) Luvas descartáveis Placa escavada Ponteiras Suspensão Tubos de ensaio com amostras de sangue total ► ► ► ► ► Amostra de sangue a1 Caixas de papelão e embalagens plásticas d Cartões plásticos. luvas.

Ácido sulfúrico) Cromógeno (Tetrametilbenzidina – TMB) Luvas descartáveis Placas de Elisa Ponteiras Tubos de ensaio com amostras de sangue total ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Efluentes dos equipamentos B Frascos de controles – antígenos a1 Frascos de fosfato. gazes. glicerina/EDTA. anticorpos clonais) Conservantes (Azida sódica ou ProClin 300 ou Fenol ou Agentes microbianos) Tampões (Fosfato ou Tris ou Glicerina/EDTA) Soluções trigger e de bloqueio (Peróxido de hidrogênio. diluente do substrato e tampão de lavagem B Sobras de tris. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Compressas de gaze de algodão Kits: Controles (plasma humano. placas de Elisa a1 e Sobras de ácido sulfúrico ou hidróxido de sódio B Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de conservante: fenol. cromógeno B Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra. tris. peróxido de hidrogênio B Luvas. glicerina/EDTA.ministério da Saúde Teste imunoensaio para sífilis: imunoensaio para a detecção qualitativa de anticorpo contra o Trepo‑ nema pallidum em soro ou plasma humano. antígeno. Hidróxido de sódio. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas com presença de material biológico. proclin 300. máscaras. azida sódica. peróxido de hidrogênio B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 54 .

máscaras.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos h) Testes Confirmatórios FTA ABS para Sífilis: Teste para detecção de anticorpos anti‑Treponema pallidum no soro humano por imunofluorescência indireta. gazes. Entrada ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Controles: plasma humano: positivo e negativo Frasco com antiglobulina Glicerina tamponada Lâminas Luvas descartáveis Ponteiras Solução absorvente Solução: tampão fosfato‑salina (PBS). frasco de antiglobulina d Lâminas de imunofluorescência. diluente do substrato e tampão de lavagem B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 55 . ponteiras plásticas com presença de material biológico a1 e Luvas. Os anticorpos anti‑treponemas presentes no soro ligam‑se ao antígeno fixa‑ do na lâmina e são revelados por uma antiglobulina humana marcada com isotiocianato de fluoresceína. ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Frascos de controles. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra.

Entrada ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Controles: plasma humano positivo e negativo Frasco com antiglobulina Glicerina tamponada Lâminas Luvas descartáveis Ponteiras Solução absorvente Solução: tampão fosfato‑salina (PBS) ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Frascos de controles. gazes. frasco de antiglobulina Lâminas de imunofluorescência. observa‑se uma reação positiva. através de um microscópio de fluorescência. Posteriormente. diluente do substrato e tampão de lavagem B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 d 56 . adiciona‑se uma antiga‑ maglobulina humana marcada com isotiocianato de fluorescência e. se houver anticorpos presentes no soro. a antiglobulina marcada com fluoresceína adere‑se ao mesmo e. assim. O soro do paciente é colocado em contato com o substrato antigênico e. máscaras. com fluoresceína verde maçã brilhante. estes se ligam ao antígeno formando um complexo antígeno‑anticorpo. ponteiras plásticas com presença de material biológico a1 e Luvas.ministério da Saúde Imunofluorescência para Doença de Chagas: Técnica de imunofluorescência indireta para determi‑ nação de anticorpos anti‑Trypanosoma cruzi em soro humano e líquidos biológicos. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra. se o complexo antígeno‑anticorpo estiver presente.

considerando seu peso molecular. gazes. frasco de antiglobulina Lâminas de imunofluorescência. máscaras. reagem com a banda específica definindo a positividade da amostra. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de controles – antígenos a1 Sobras de diluentes da amostra. conforme seu peso molecular.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Western Blot para HIV: Esta técnica detecta bandas de proteínas específicas fixadas em papel de ni‑ trocelulose após separação por eletroforese (SDS‑Page). Entrada ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► Bandejas Controles: plasma humano (positivo e negativo) Fitas de nitrocelulose Frasco com antiglobulina Luvas descartáveis Ponteiras Solução substrato Solução: tampão fosfato‑salina (PBS). fitas de nitrocelulose a4 Caixas de papelão e embalagens plásticas d Frascos de controles. ► ► ► ► ► ► ► ► ► Bandejas de Western Blott. diluente do substrato e tampão de lavagem B Tubos com sobras de amostra de sangue a1 d 57 . ponteiras plásticas com presença de material biológico a1 e Luvas. Os anticorpos presentes nos infectados reconhecem essas proteínas que.

rotulados e direcionados para a sala de armazenamento/estoque e distribuição. liberados para uso) e hemoderivados.ministério da Saúde 1. Esse processo é desenvolvido nos seguintes ambientes: a) Sala de fracionamento: local onde se realiza o fracionamento dos hemocomponentes após o processo de centrifugação. c) Sala de armazenamento/estoque e distribuição: local destinado à estocagem dos hemocom‑ ponentes com sorologia não reagente (portanto. luvas contaminadas com sangue total ou hemocomponentes a4 Fita ribbon. Entrada ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► Bolsa plástica seca Bolsas de sangue total Caixa para descarte de bolsa Compressas de gaze de algodão (gazes) Equipos de soro Filtros para desleucotização de hemácias Filtros para desleucotização de plaquetas Fita ribbon Lâmina para conexão estéril Luvas de látex descartáveis Papel‑toalha Rolo de etiqueta Saco plástico duplo leitoso branco Soro fisiológico a 0. gazes. plaquetas.9% vazio com contaminação com material biológico a4 Frasco de soro fisiológico a 0. ocorre o processamento das bolsas de sangue total para obtenção dos hemocomponen‑ tes. papel de bancada. papel de etiquetas.9% de 1000ml ► ► ► ► ► ► ► ► ► Bolsas de sangue total e de hemocomponentes descartadas por não conformidade a1 Bolsas satélites vazias (não utilizadas) d Equipo para soro usado na lavagem de hemácias. como plasma.3.9% vazio sem contaminação sem material biológico d Frascos com hemoderivados vencidos a4 Lâmina para conexão estéril usada e Luvas. papel‑toalha d Frasco de soro fisiológico a 0. Os hemocomponentes com sorologia reagente são descartados. concentrado de hemácias e crio precipitado. avental descartável com a4 e sem d contaminação com material biológico 58 .3 Processamento das Bolsas de Sangue Nesta etapa. b) Sala de pré‑estoque (ou quarentena): local destinado à estocagem dos hemocomponentes que aguardam os resultados sorológicos. Os hemocomponentes com sorologia não reagente são liberados. filtros para desleucotização de hemácias e de plaquetas. Os hemocomponentes produzidos são direcionados para a sala de pré‑estoque.

seringas e agulhas. oxalato de amônio a 1%. papel de forração de bancada com a4 e sem d presença de material biológico Ponteiras plásticas. filtros de leucorredução e Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de kits e kits vencidos de Corante de Leishmam (solução de metanol e corante de Giemsa) e corante de Gram B Sobras de tampões de pH. câmara de Neubauer (quebradas).4 Laboratório de Controle de Qualidade Ambiente destinado à realização do controle de qualidade sistemático dos hemocomponentes pro‑ duzidos e/ou insumos adquiridos pelo estabelecimento de saúde. lâminas. cloreto de potássio. máscaras. água oxigenada 10V (peróxido de hidrogênio).3. capilares de microhematócrito. Entrada ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Água oxigenada Álcool a 70º GL Câmara de Neubauer Capilares de micro‑hematócrito Cloreto de cálcio Cloreto de potássio Compressas de gaze de algodão Corante de Leishman Cubetas para coagulômetro Filtros de leucorredução Flaconetes de plástico tipo Eppendorfs Frascos para hemocultura Lâminas de microscopia para coloração de Gram Luvas descartáveis Meios de cultura Oxalato de amônio Ponteiras Segmento de extensão da bolsa Seringas e agulhas Tampões do phmetro Tiras reativas para determinação de pH Tubo Falcon Violeta genciana ► ► ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Frascos de hemoculturas com cultura positiva ou negativa a1 Frascos vazios de reagentes de vidro ou plásticos d Luvas. violeta genciana. segmentos de extensão da bolsa. gazes.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 1. flaconetes de plástico tipo eppendorfs com amostras. tubos Falcon com amostras a1 59 . cloreto de cálcio B Tubos com sobras de amostra de sangue. tiras reativas para determinação de pH. Cubetas.

continua… 60 . desde órgãos de saneamento competente. Sífilis Testes confirmatórios) Recipientes impermeáveis com tampa que permitam o transporte seguro do local de origem até o local Laboratório de de tratamento interno. Qualidade Tratamento: autoclavação. Após tratamento com descaracterização: acondicionar em saco para resíduo comum e encaminhar para disposição final como resíduo comum. desde que autorizado pelos de esgotos. micro‑ondas ou incineração Hepatite B. HTLV. micro‑ondas ou incineração Após tratamento sem descaracterização: acondicionar em saco branco com símbolo de risco biológico para disposição em aterro sanitário.ministério da Saúde Quadro 3 – Procedimentos para descarte. acondicionamento e disposição final dos resíduos gerados no fluxo do sangue Resíduos /Classificação Grupo A1 – resíduo biológico Bolsas de sangue total e de hemocomponentes descartadas por não conformidade Frascos com suspensão antigênica e frascos dos controles contendo amostras de soro positivo e negativo Sobras de controles – antígenos Ambiente/Processo Processamento Descarte /Acondicionamento Disposição final Frascos de hemoculturas com cultura positiva ou negativa Recipiente rígido revestido internamente por saco plástico Laboratório branco leitoso com símbolo de risco Sífilis biológico. Hepatite C HIV. Tratamento: autoclavação. que autorizado pelos órgãos de saneamento competente. identificados Controle de com símbolo de risco biológico. Placas com antígenos Laboratório NAT As sobras de amostras de laboratório contendo sangue ou líquidos As sobras de amostras de laboratório corpóreos podem contendo sangue ou líquidos ser descartadas corpóreos podem ser descartadas diretamente no diretamente no sistema de coleta de sistema de coleta esgotos. Laboratórios (Chagas.

desde que autorizado pelos Laboratório de órgãos de saneamento competentes Controle de Caso não atendam às exigências Qualidade estabelecidas. Hepatite recipientes impermeáveis com C. NAT. HIV. tampa que permitam o transporte Sífilis e Testes seguro do local de origem até o local confirmatórios de tratamento interno ou externo. Descartar e acondicionar em Hepatite B. HTLV. desde que autorizado pelos de esgotos. micro‑ondas ou incineração. continua… 61 . identificados com símbolo de risco biológico. desde órgãos de saneamento competente.HematoloGia e Hemoterapia … continuação Guia de manejo de resíduos Ambiente/Processo Descarte /Acondicionamento Disposição final Resíduos /Classificação Grupo A1 – resíduo biológico Sobras de amostra de sangue As sobras de amostras de laboratório contendo sangue ou líquidos corpóreos podem ser descartadas diretamente no sistema de coleta e esgotos. Após tratamento com descaracterização: acondicionar em saco preto e encaminhar para disposição como resíduo comum. Após tratamento sem descaracterização: acondicionar em saco branco com símbolo de infectante para disposição em aterro sanitário licenciado. Sobras de reagentes Laboratório de Imunohematologia As sobras de amostras de laboratório contendo sangue ou líquidos As sobras de amostras de laboratório corpóreos podem contendo sangue ou líquidos ser descartadas corpóreos podem ser descartadas diretamente no diretamente no sistema de coleta de sistema de coleta esgotos. Tratamento: autoclavação. as seguintes Laboratório de recomendações deverão ser Imunohematologia seguidas: Laboratórios (Chagas. que autorizado pelos órgãos de saneamento competente.

identificado com simbologia de Hepatite B. HIV da ABNT). Grupo A4 – resíduo biológico Bandejas de Western Blott. descaracterização: Tratamento: autoclavação. Sífilis transporte seguro do local de origem Testes confirmatórios) até o local de tratamento interno ou externo. Após tratamento sem descaracterização: acondicionar em saco Recipientes impermeáveis com branco com símbolo tampa que permitam o transporte de infectante para seguro do local de origem até o local disposição em aterro de tratamento interno ou externo. flaconetes de plástico tipo eppendorfs com amostras. Tratamento: autoclavação. segmentos de extensão da bolsa. com tampa e provido de controle de fechamento e devidamente Laboratórios (Chagas. Após tratamento com descaracterização: acondicionar em saco preto e encaminhar para disposição como resíduo comum. identificado com símbolo de risco biológico.9% vazio com contaminação com material biológico Frascos de controles.ministério da Saúde … continuação Resíduos /Classificação Grupo A1 – resíduo biológico Ambiente/Processo Descarte /Acondicionamento Disposição final Tubos com sobras de amostra de sangue Recipiente rígido. NAT.500 C. de forma a garantir o HTLV. Tubos com sobras de amostra de sangue. continua… 62 . micro‑ondas ou incineração. resistente à punctura e ao vazamento. tubos Falcon com amostras Laboratório de Controle de Qualidade Laboratório de Imunohematologia Após tratamento sem descaracterização: acondicionar em saco branco com símbolo de infectante para disposição em aterro sanitário licenciado. acondicionar em saco micro‑ondas ou incineração preto e encaminhar para disposição como resíduo comum. identificados com símbolo de risco Após tratamento com biológico. fitas de nitrocelulose Frasco de soro fisiológico a 0. Hepatite substância infectante (NBR 7. sanitário licenciado. frasco de antiglobulina Frascos com Hemoderivados vencidos Frascos de hemoculturas com cultura negativa Laboratório (Testes confirmatórios) Processamento Laboratório (Testes confirmatórios) Processamento das Bolsas de Sangue Laboratório de Controle de Qualidade Lixeira com tampa acionada por pedal com saco plástico branco leitoso com símbolo de risco biológico.

HTLV. tiras reativas para determinação de pH. papel de forração de bancada com presença de material biológico Aterro sanitário Equipo para soro usado na lavagem de hemácias. NAT abundância abundância carrier RNA. Sífilis. cartões plásticos. gazes. Testes pedal com saco plástico branco confirmatórios) leitoso com símbolo de risco biológico. Hepatite B. Lixeira com tampa acionada por NAT. Laboratório Diretamente no esgoto com água em esgoto com água em tampão AW2. HIV. HIV HTLV. 63 . Hepatite C. gazes. solvente de protease. avental. Sífilis) Grupo B – resíduo químico Diretamente no Kit de extração: tampão AVE.HematoloGia e Hemoterapia … continuação Guia de manejo de resíduos Ambiente/Processo Descarte /Acondicionamento Disposição final Resíduos /Classificação Grupo A4 – resíduo biológico Luvas. máscaras. Hepatite Frascos de controles – antígenos C. TopElute continua… Laboratório de Controle de Qualidade Laboratório de Imunohematologia Processamento Laboratórios (Chagas. luvas contaminadas com sangue total ou hemocomponentes Laboratórios (Chagas. filtros para desleucotização de hemácias Processamento das bolsas de sangue e de plaquetas. Hepatite B.

irritantes para os olhos. azida sódica. Consultar Procedimentos em Segurança e Manejo de Produtos e Resíduos Sobras de ácido sulfúrico ou hidróxido de sódio Sobras de conservante: fenol. tampão AL. HTLV. continua… 64 . cromógeno Sobras de kits e kits vencidos: Corante de Leishmam (solução de metanol e corante de Giemsa) e corante de Gram Laboratórios (Hepatite B. Hepatite B. As sobras e as embalagens primárias deverão ser encaminhadas para tratamento (incineração).ministério da Saúde … continuação Resíduos /Classificação Grupo B – resíduo químico Ambiente/Processo Descarte /Acondicionamento Disposição final Protease (contém subtilisina). HIV. HIV HTLV. proclin 300. Hepatite C. Sífilis) Laboratório de Controle de Qualidade Consultar Procedimentos em Segurança e Manejo de Produtos e Resíduos Recolher em frasco de plástico com tampa e enviar para incineração. tampão AW1 Laboratório (NAT) Incineração Justificativa: Apresentam em sua constituição substâncias que são nocivas por ingestão. Podem químicos causar lesões oculares graves. Sífilis) Laboratórios (Chagas. Hepatite C. a pele e as vias de acordo com critérios para resíduos respiratórias.

HIV. Hepatite C. Hepatite B. de acordo com orientação da Resolução Conama 357. Sífilis. Laboratórios (Chagas. tratamento com hipoclorito de sódio. Laboratórios (Chagas. Sífilis) Laboratórios (Chagas. peróxido de hidrogênio: Sobras de ácido sulfúrico ou hidróxido de sódio Descartar diretamente no esgoto Observações: As concentrações finais de material biológico e de produtos químicos que compõem os reagentes no efluente dos equipamentos não representam riscos ao ambiente. tris. por exemplo. Art. O pH deve estar entre 6 e 9. água oxigenada 10V (peróxido de hidrogênio). violeta genciana. 25. diluente do substrato e tampão de lavagem: Sobras de tampões de pH.m seguida. Hepatite B. Sobras de tris. cloreto de cálcio. lavar 3 vezes com água corrente e descartar como resíduos Hepatite B. esse efluente não requer tratamento prévio ao descarte. de 17 de março de 2005. glicerina/EDTA. deve‑se neutralizar a solução do descarte se o pH estiver fora da faixa. cloreto de potássio. Sífilis) Laboratórios (Chagas) Tratamento interno: verificar procedimento em Segurança e Manejo de Produtos e Resíduos continua… Descartar na pia com água em abundância 65 . Hepatite Para o descarte do efluente no esgoto: C. C. Hepatite recicláveis (plástico ou vidro). item I. HIV. Portanto. HIV HTLV. NAT. Hepatite B. glicerina/ EDTA. HIV O efluente deve estar de acordo com as condições e os HTLV.HematoloGia e Hemoterapia … continuação Guia de manejo de resíduos Ambiente/Processo Descarte /Acondicionamento Disposição final Resíduos /Classificação Grupo B – resíduo químico Efluentes dos equipamentos Frascos de fosfato. Testes confirmatórios) Laboratório de Controle de Qualidade Laboratórios (Chagas. Deve haver antes verificação do pH: deve‑se utilizar um pHmetro ou fita indicadora de pH. peróxido de hidrogênio Sobras de diluentes da amostra. Sífilis) padrões de lançamentos de efluentes especificados na Resolução Conama 397. HTLV. Hepatite C. HTLV. como. de 3 de abril de 2008. oxalato de amônio a 1%.

Testes confirmatórios Fita ribbon. Sífilis. Hepatite C. HTLV. Sífilis. Cooperativas ou empresas de reciclagem continua… 66 . Hepatite C. HTLV. HIV.ministério da Saúde … continuação Resíduos /Classificação Ambiente/Processo Descarte /Acondicionamento Disposição final Grupo D – resíduo comum não reciclável Bolsas vazias de concentrado de hemácias. avental. papel‑toalha: Frasco de soro fisiológico a 0. gazes. Hepatite B. Hepatite B. concentrado de Processamento plaquetas Laboratório de Controle de Qualidade Laboratório de Caixas de papelão e embalagens Imunohematologia plásticas (Em caso de não utilização Laboratórios de programa de reciclagem) (Chagas.9% Processamento vazio sem contaminação com material biológico e frascos com hemoderivados vencidos: (sem reciclagem) Laboratório de Controle de Qualidade Laboratório de Luvas. papel de etiquetas. Imunohematologia papel de forração de bancada sem Processamento presença de material biológico Laboratórios (Chagas. HIV. Testes confirmatórios) Laboratório Placa óptica NAT Grupo D – resíduo comum reciclável Laboratório de Embalagens primárias vazias após Controle de o uso dos kits frascos vazios de Qualidade reagentes de vidro ou plásticos Laboratório de Imunohematologia Observar orientações dos serviços locais de limpeza urbana e utilizar sacos impermeáveis contidos em recipientes identificados para resíduo Aterro sanitário comum Saco preto ou marrom para resíduo comum não reciclável Lavar 3 vezes com água corrente e descartar como resíduos recicláveis (vidro ou plástico). NAT. NAT. máscaras.

NAT. placas de Elisa.Sífilis) Coletor rígido para materiais perfurocortantes identificado com símbolo de risco biológico.HematoloGia e Hemoterapia … continuação Guia de manejo de resíduos Ambiente/Processo Laboratório de Controle de Qualidade Laboratório de Imunohematologia Laboratórios (Chagas. Hepatite C. HTLV. HTLV. Hepatite C. NAT. HTLV. HIV. Testes confirmatórios Resíduos /Classificação Grupo D – resíduo comum reciclável Descarte /Acondicionamento Disposição final Caixas de papelão Remover rótulos e descartar como papel reciclável Embalagens plásticas Remover rótulos e descartar como plástico reciclável. câmara de Neubauer (quebradas). HIV. Hepatite B. Sífilis. Testes confirmatórios Laboratório de Controle de Qualidade Laboratório de Imunohematologia Laboratórios (Chagas. 67 . Cooperativas ou empresas de reciclagem Frasco de soro fisiológico a 0. Cubetas. HIV. Hepatite B. bastões pipetadores e homogeneizadores Processamento Remover rótulos e descartar como plástico reciclável Remover rótulos. Tratamento: não necessita de tratamento Aterro sanitário. Hepatite B. Hepatite C. ponteiras plásticas com presença de material biológico Ponteiras plásticas. seringas e agulhas.9% vazio sem contaminação com material biológico Frascos com hemoderivados vencidos Grupo E – resíduo perfurocortante Lâmina para conexão estéril usada Lâminas de imunofluorescência. lâminas. NAT. lavar e descartar como reciclável (vidro) Processamento Laboratório (Testes confirmatórios) Laboratório de Controle de Qualidade Laboratório de Imunohematologia Laboratórios (Chagas. Sífilis. filtros de leucorredução Ponteiras plásticas com presença de material biológico. capilares de microhematócrito.

ministério da Saúde 1.4 Fluxo do Paciente Saída Lanchonete Recuperação Sorologia Imunohematologia Coleta Recepção Triagem Hematológica Triagem Clínica Aférese Coleta Administração e Apoio Hemoglobinopatias Triagem Laboratorial Processamento Controle de Qualidade Compatibilidade Registro Consulta Coleta de Amostra Transfusão Saída Fluxo do Doador Fluxo Administrativo Fluxo do Sangue Fluxo do Paciente 68 .

acon‑ dicionamento e disposição final adequados estão descritos no Quadro 4 1. emissão de fichas e arquivo de dados dos doadores atendidos na instituição. Impressos em geral.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Ambientes / Processos de Trabalho Vinculados ao Fluxo do Paciente Recepção e Registro de Pacientes ► Consultório ► Sanitários Masculinos e Femininos de Pacientes ► Sala de Coleta de Amostras de Sangue de Pacientes ► Análise de Compatibilidade ► Sala de Transfusão / Posto de Enfermagem ► Aférese terapêutica ► O Fluxo do Paciente envolve os ambientes / processos de trabalho onde o sangue e seus compo‑ nentes serão destinados ao receptor. Durante o Fluxo do Paciente são produzidos resíduos cujos procedimentos para o descarte.4.3. Recepção e Registro de Pacientes Ambiente destinado a recepcionar e/ou registrar pacientes onde são realizadas as atividades que fazem parte do processo de registro. Entrada ► ► ► ► Resíduos Gerados Clipes Etiquetas autoadesivas. grampos de grampeador d Papel de impressora com e sem clipes ou grampos d 1. Consultório Ambiente destinado ao atendimento individualizado e privativo de pacientes com doença hemato‑ lógica e/ou oncológica para avaliação das condições de saúde pelo médico. Entrada ► Resíduos Gerados ► Formulários de papel Formulários de papel d 1. etiquetas autoadesivas. sobras de etiquetas. Sanitários Masculinos e Femininos de Pacientes Ambiente dotado de bacia(s) sanitária(s) e lavatório(s) para uso dos pacientes. fita ribbon. ► ► ► ► ► Clipes. Entrada ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► Absorventes higiênicos Papel higiênico Papel‑toalha Absorventes higiênicos Papel higiênico d Papel‑toalha d d 69 .1.4.4. Grampos de grampeador.2.

► Determinação do fator Rh (D).B não é obrigatória. do fator Rh (D) e pesquisa de anticorpos irregulares no sangue do receptor: ► Tipagem ABO (direta e reversa): O grupo ABO deve ser determinado testando‑se os glóbulos vermelhos com reagentes anti‑A. clorexidine). 70 . Caso sejam usados antissoros monoclonais. álcool a 70%. fita ribbon d Gazes com soluções antisséptica para preparo da pele (sabão. a utilização do soro anti‑A. ► Retipagem Rh (D) em bolsas rotuladas como Rh (D) negativa – O fator Rh (D) deve ser deter‑ minado colocando‑se os eritrócitos da bolsa em contato com soro anti‑Rho (anti‑D). incluindo pesquisa de D fraco: O fator Rh (D) deve ser determi‑ nado colocando‑se os eritrócitos da bolsa em contato com soro anti‑Rho (anti‑D). embalagem de plástico rígido para tubos de ensaio d Tubo de ensaio com amostra de sangue a1 1.4. Sala de Coleta de Amostras de Sangue de Pacientes Ambiente destinado à realização da coleta de material dos pacientes. papel‑toalha d Luvas descartáveis.ministério da Saúde 1. anti‑B e anti‑A.4. a utilização do soro anti‑A. A tipagem reversa deve ser sempre realizada testando‑se o soro ou plasma com suspensão de glóbulos vermelhos conhecidos A1 e B e. anti‑B e anti‑A. Entrada ► ► ► ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► Embalagens primárias e secundárias Esparadrapo Etiquetas autoadesivas Fita ribbon Formulários Gazes de algodão Luvas descartáveis Tubos para coleta de sangue ► ► ► ► ► ► ► Agulhas. utilizando‑se os seguintes testes imunohematológicos: Para transfusão de hemocomponentes eritrocitários e granulócitos: a) Retipificação ABO e Rh da bolsa de sangue: ► Retipagem ABO direta e reversa – O grupo ABO deve ser determinado testando‑se os glóbulos vermelhos com reagentes anti‑A.B.4.B.B não é obrigatória. gazes com a4 e sem d material biológico Saco plástico. seringas e dispositivo para coleta de amostras com presença de material biológico e Embalagens secundárias: caixas de papelão e embalagens plásticas d Etiquetas autoadesivas. A tipagem reversa deve ser sempre realizada testando‑se o soro ou plasma com suspensão de glóbulos vermelhos conhecidos A 1 e B e.5. Análise de Compatibilidade Processo de trabalho desenvolvido em um setor destinado à realização das provas pré‑transfusionais para avaliar a compatibilidade transfusional. b) Determinação do grupo ABO. Caso sejam usados anti‑soros monoclonais. A2 e O. opcionalmente. opcionalmente. A2 e O. esparadrapo.

c) Realização de uma prova de compatibilidade entre as hemácias do doador e o soro do receptor (prova de compatibilidade maior). b) Determinação do fator Rh (D) e pesquisa de anticorpo irregular (PAI) no sangue do receptor. gazes. algodão. Entrada ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► ► Compressas de gaze de algodão Luvas descartáveis Ponteiras Reagentes Tubos de ensaio com amostras de sangue total ► ► ► ► ► ► Caixas de papelão e embalagens plásticas d Frascos vazios de reagentes de vidro ou plásticos d Luvas descartáveis. esparadrapo. ► Para transfusão de hemocomponentes plasmáticos e plaquetários: a) Tipagem ABO (direta e reversa) no sangue do receptor. papel de forração de bancada com a4 e sem d material biológico Ponteiras plásticas com presença de material biológico a1 e Sobras de amostra de sangue a1 Sobras de reagentes B Tubo de ensaio com amostra de sangue a1 71 . empregando‑se métodos que evidenciem a presença de anticorpos clinicamente significativos. máscaras.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Pesquisa de anticorpo irregular (PAI): Deve ser realizada pesquisa de anticorpos séricos irre‑ gulares.

além de fle‑ botomias terapêuticas. seringas descartáveis. Sala de Transfusão / Posto de Enfermagem Ambiente destinado à realização da infusão de hemocomponentes e hemoderivados. gazes. medicamentos vencidos B Tubos com amostra de sangue a1 72 . esparadrapo.4.ministério da Saúde 1. O posto de enfermagem se destina aos profissionais de enfermagem e/ou aos médicos para a execução de atividades técnico‑administrativas. equipos de soro.6. garrotes com presença de material biológico a4 Frascos de vidro d Frascos vazios de fator de coagulação d Frascos vazios de soro fisiológico sem presença de material biológico d Gazes com solução antisséptica para preparo da pele d Sobras de fator de coagulação ou fator de coagulação vencido B Sobras de medicamentos. Entrada ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► Agulhas hipodérmicas Bolsas de hemocomponentes Equipos para transfusão Esparadrapo Fator de coagulação liofilizado Garrotes Gazes de algodão Luvas de látex de procedimento Medicamentos Seringas Soro fisiológico Tubos de ensaio ► ► ► ► ► ► ► ► Agulhas hipodérmicas usadas e Ampolas de vidro B e Blísteres d Bolsa de sangue total (sangria terapêutica) Bolsas de hemocomponentes vazias a4 Equipos para transfusão. luvas.

gazes. embalagem de plástico rígido para tubos de ensaio d Formulários e papéis d Etiquetas autoadesivas. ► ► ► ► ► ► ► ► ► ► Agulhas.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 1. com retorno dos hemocomponentes remanescentes à corrente sanguínea do paciente. algodão com a4 e sem d material biológico Tubo de ensaio com amostra de sangue a1 73 . Aférese terapêutica Ambiente destinado à realização da aférese terapêutica que consiste na remoção de determinado componente sanguíneo com finalidade terapêutica. fita ribbon d Gazes com solução antisséptica para preparo da pele d Luvas descartáveis.7.4. seringas e dispositivo para coleta de amostras com presença de material biológico e Circuitos/kits para equipamentos de aférese a4 Embalagens primárias e secundárias d Caixas de papelão e embalagem laminada não plastificada d Saco plástico. Entrada ► Resíduos Gerados ► ► ► ► ► ► ► ► Circuitos/kits para equipamentos de aférese Esparadrapo Etiquetas autoadesivas Fita ribbon Formulários Gazes Luvas descartáveis Tubo de ensaio e respectivas embalagens. esparadrapo.

acondicionar em saco micro‑ondas ou incineração para resíduo comum e encaminhar para disposição em aterro sanitário continua… Tubo de ensaio com amostra de sangue Aférese terapêutica Análise de compatibilidade Sala de transfusão 74 .ministério da Saúde Quadro 4 – Procedimentos para descarte. micro‑ondas ou incineração Disposição final Bolsa de sangue total (sangria terapêutica) Sala de transfusão Sobras de amostra de sangue Análise de compatibilidade Análise de compatibilidade Sobras de reagentes Após tratamento sem descaracterização: acondicionar em saco branco com símbolo de infectante para disposição em aterro sanitário licenciado. identificados com símbolo de risco Após tratamento com biológico descaracterização: Tratamento: autoclavação. desde que autorizado pelos resíduo comum órgãos de saneamento competentes Após tratamento sem descaracterização: acondicionar em saco branco com símbolo Recipientes impermeáveis com de risco biológico tampa que permitam o transporte e encaminhar para seguro do local de origem até o local disposição em aterro de tratamento interno ou externo. Após tratamento com As sobras de amostras de laboratório descaracterização: contendo sangue ou líquidos acondicionar em saco corpóreos podem ser descartadas preto e encaminhar diretamente no sistema de coleta de para disposição como esgotos. sanitário. acondicionamento e disposição final dos resíduos gerados no fluxo do paciente Resíduos/Classificação Grupo A1 – resíduos biológicos Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Recipientes impermeáveis com tampa que permitam o transporte seguro do local de origem até o local de tratamento interno ou externo. identificados com símbolo de risco biológico Tratamento: autoclavação.

saco Análise de plástico. esparadrapo. etiquetas autoadesivas. papel de forração de bancada com material biológico Aférese terapêutica Análise de compatibilidade Sala de coleta de amostras de sangue de pacientes Bolsas de hemocomponentes vazias Sala de transfusão Circuitos/kits para equipamentos de Aférese terapêutica aférese Equipos para transfusão.HematoloGia e Hemoterapia … continuação Guia de manejo de resíduos Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Disposição final Resíduos/Classificação Grupo A4 resíduo biológico Luvas descartáveis. Recepção e registro sobras de etiquetas. algodão. de pacientes grampos de grampeador Embalagens primárias de Sala de transfusão medicamentos Blísteres Observar orientações dos serviços locais de limpeza urbana e utilizar sacos impermeáveis contidos em Aterro sanitário recipientes identificados para resíduo comum continua… 75 . máscaras. equipos de soro. fita ribbon. embalagem Aférese terapêutica laminada não plastificada. Grupo B – resíduo químico Sobras de medicamentos. embalagem de plástico compatibilidade rígido para tubos de ensaio. luvas. medicamentos vencidos Sala de transfusão Grupo D resíduo comum não reciclável Banheiros masculino Absorventes higiênicos. papel e feminino de higiênico. Sala de transfusão seringas descartáveis. garrotes com presença de material biológico Lixeira com tampa acionada por pedal com saco plástico branco leitoso com símbolo de risco biológico Aterro sanitário Sobras de fator de coagulação ou fator de coagulação vencido Sala de transfusão As sobras de fatores de coagulação diluídas e o fator de coagulação liofilizado vencido podem ser descartados diretamente na rede de esgoto por não apresentarem risco biológico Aterro sanitário ou Necessidade de incineração ou outro aterro classe I (a tratamento com licença ambiental depender do risco das cinzas da incineração). gazes. Sala de coleta de formulários e papéis (Em caso de amostras de sangue não utilização de programa de de pacientes reciclagem) Clipes. gazes. esparadrapo. papel‑toalha: pacientes Caixas de papelão.

ministério da Saúde … continuação Resíduos/Classificação Ambiente/Processo Descarte/Acondicionamento Disposição final Grupo D resíduo comum não reciclável Aférese terapêutica Sala de coleta de Etiquetas autoadesivas. Análise de esparadrapo. máscaras. Remover rótulos e descartar como papel reciclável Cooperativas ou empresas de reciclagem Lixeira com saco plástico para resíduos recicláveis – papel Lavar 3 vezes com água corrente e descartar como resíduos recicláveis (vidro ou plástico) continua… 76 . fita ribbon amostras de sangue de pacientes Frascos de vidro. algodão. compatibilidade papel de forração de bancada sem Sala de coleta de material biológico amostras de sangue de pacientes Papel de impressora sem clipes ou Recepção e registro grampos: (Em caso de não utilização de pacientes de programa de reciclagem) Grupo D resíduo comum reciclável Aférese terapêutica Análise de Embalagens primárias e compatibilidade secundárias: Embalagem laminada Sala de coleta de não plastificada amostras de sangue de pacientes Aférese terapêutica Análise de Embalagens primárias e compatibilidade secundárias: Sala de coleta de caixas de papelão amostras de sangue de pacientes Aférese terapêutica Formulários e papéis Consultório Frascos vazios de reagentes de vidro Análise de ou plásticos compatibilidade Observar orientações dos serviços locais de limpeza urbana e utilizar sacos impermeáveis contidos em Aterro sanitário recipientes identificados para resíduo comum Remover rótulos e descartar como metal reciclável. frascos vazios de fator de coagulação e frascos vazios de soro fisiológico sem presença Sala de transfusão de material biológico (Em caso de não utilização de programa de reciclagem) Aférese terapêutica Sala de coleta de Gazes com solução antisséptica amostras de sangue para preparo da pele de pacientes Sala de transfusão Aférese terapêutica Luvas descartáveis. gazes.

Tratamento: As seringas e agulhas utilizadas em processos de assistência à saúde. resíduo perfurocortante (quando quebrado) Remover rótulos e descartar como plástico reciclável Disposição final Frascos de vidro Sala de transfusão Cooperativas ou empresas de reciclagem Aférese terapêutica Saco plástico.HematoloGia e Hemoterapia … continuação Guia de manejo de resíduos Ambiente/Processo Recepção e registro de pacientes Sala de transfusão Sala de transfusão Resíduos/Classificação Grupo D resíduo comum reciclável Papel de impressora sem clipes ou grampos Frascos vazios de soro fisiológico sem presença de material biológico Frascos vazios de fator de coagulação Descarte/Acondicionamento Lixeira com saco plástico para resíduos recicláveis Recipiente para resíduo reciclável – plástico Remover rótulos. inclusive as usadas na coleta laboratorial de amostra de paciente. resíduo comum Embalagens primárias de Sala de transfusão medicamentos: ampolas de vidro Ponteiras plásticas com presença de Análise de material biológico compatibilidade 77 . e os demais resíduos perfurocortantes Aterro sanitário não necessitam de tratamento (RDC 306). lavar e descartar como reciclável (vidro) Lavar o frasco com água abundante. embalagem de Sala de coleta de plástico rígido para tubos de ensaio amostras de sangue de pacientes Grupo E – perfurocortante Aférese terapêutica Agulhas. seringas e dispositivo para Sala de coleta de amostras de sangue coleta de amostras com presença de pacientes de material biológico Sala de transfusão Coletor rígido para materiais perfurocortantes identificado com símbolo de risco biológico. remover rótulos e acondicionar em recipiente para resíduo reciclável – vidro ou enquadrar como Grupo E. Coletor rígido para materiais perfurocortantes ou enquadrar como Grupo D.

.

o leitor conhece s Nes sà os e as definições pertinente os. os term sídu ades de gerenciamento de re ativid .2. Termos e Definições rá te capítulo.

.

agente físico ou estado de deficiência que. produz uma alteração na estrutura ou função do indivíduo dela resultante. misturas. agente físico ou biológico cuja inalação. utilizando equipamento específico (máquina de aférese). ingestão ou absorção cutânea possa cau‑ sar o desenvolvimento de câncer ou aumentar sua freqüência. com retorno dos hemocomponentes rema‑ nescentes à corrente sanguínea. (NBR 10004:2004) Agente extintor Produto utilizado para extinção do fogo. com retorno dos hemocomponentes remanescentes à corrente sanguínea do paciente. (Anvisa – CP 53/2010) Aférese terapêutica Remoção de determinado hemocomponente sanguíneo. A capacidade dos recipientes de acondicionamento deve ser compatível com a geração diária de cada tipo de resíduo. (NBR 10004:2004) Agente teratogênico Qualquer substância. (RDC 306:2004) Agente carcinogênico Substâncias. (NBR 10004:2004) 81 . agentes físico ou biológico cuja inalação. organismo. (Anvisa – CP 53/2010) Agente biológico São agentes causadores de doenças como bactérias. O câncer é resultado de processo anormal. estando presente durante a vida embrionária ou fetal.1 Termos e Definições – Glossário A Acondicionamento Consiste no ato de embalar os resíduos segregados. príons. mistura. clamídias. (NBR 7501:2005) Agente mutagênico Qualquer substância. podendo ser iniciado por alteração mutacional. em sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura. micoplasmas. com finalidade terapêutica. riquétsias. parasitos.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 2. mistura. vírus. não controlado da diferenciação e proliferação celular. ingestão ou absorção cutânea pos‑ sa elevar as taxas espontâneas de danos ao material genético e ainda provocar ou aumentar a frequência de defeitos genéticos. linhagens celulares e outros organismos. (NBR 10004:2004) Agente ecotoxicológico Substâncias ou misturas que apresentam ou possam apresentar riscos para um ou vários compartimentos ambientais. fungos. (RDC 306:2004) Aférese Processo que consiste na obtenção de determinado hemocomponente sanguíneo de doador único.

bem como a determinação do nível de biossegurança a ser adotado para o desenvolvimento das atividades. a fim de implementar ações destinadas à prevenção. Análise de Risco É o processo de levantamento.0 a 2. à redução ou eliminação dos riscos. com teor de cloro ativo entre 2. carcinogênico.05:1985) Armazenamento externo Consiste na guarda dos recipientes de resíduos até a realização da etapa de coleta externa. de quaisquer substâncias ou resíduos. Pode ter ação como alvejante e de desinfetante de uso geral. a concentração e a classe de risco do agente biológico. a fim de implementar ações destinadas à prevenção.305 – PNRS. a possibilidade de escape no ambiente. o volume. 02/08/2010) Área restrita Área sujeita a regras especiais de controle e supervisão e na qual as condições de exposição podem ocasionar doses equivalentes superiores a 1/10 dos limites ocupacionais dos trabalhadores. regular ou irregular. em ambiente exclusivo com acesso facilitado para os veículos coletores. sendo obrigatória a conser‑ vação dos sacos em recipientes de acondicionamento. gerenciamento e comunicação aos profissionais sobre os ris‑ cos relacionados ao agente biológico que esta sendo manipulado. Não poderá ser feito armazenamento temporário com disposição direta dos sacos sobre o piso. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Alvejantes Qualquer substância com ação química. (NBR – 100004:2004) Água Sanitária Soluções aquosas à base de hipoclorito de sódio ou cálcio. teratogênico ou ecotoxicológico). durante o prazo de validade (máximo de 6 meses). a concentração dos agentes e o tipo de risco que oferecem. avaliação.5% p/p. ao controle. oxidante ou redutora.ministério da Saúde Agente tóxico Qualquer substância ou mistura cuja inalação ou absorção cutânea tenha sido cientificamente compro‑ vada como tendo efeito adverso (tóxico. avaliação. Para isso considera‑se o processo de trabalho. em local próximo aos pontos de geração. (Lei 12. o volume. (CNEN‑NE 6. químico ou bio‑ lógico. mutagênico. que exerce ação branqueadora. (RDC 306:2004) Armazenamento temporário Consiste na guarda temporária dos recipientes contendo os resíduos já acondicionados. Área contaminada Local onde há contaminação causada pela disposição. ao controle. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Análise de Risco Biológico É o processo de levantamento. visando agilizar a coleta dentro do estabelecimento e otimizar o deslocamento entre os pontos geradores e o ponto destinado à apresentação para coleta externa. à redução ou eliminação dos riscos e à determinação do nível de biossegurança a ser adotado para o desenvolvimento do traba‑ lho com contenção para agentes biológicos. cloreto de sódio ou cálcio e carbonato de sódio ou cálcio como estabilizante. Para essa análise considera‑se o agente físico. gerenciamento e comunicação aos profissionais sobre os riscos relacionados aos processos de trabalho. (RDC 306:2004) 82 . o processo de trabalho. O produto poderá conter apenas hidróxido de sódio ou cálcio.

e outros aspectos recomendados para a estrutura de um aterro. chorume ) e gases. minimizando os impactos ambientais e utilizando procedimentos específicos de engenharia para o con‑ finamento destes. objetivando‑se a redução ou a elimi‑ nação de riscos à saúde humana. por meio de confinamento em camadas cobertas com material inerte.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Artigo explosivo Produto que contém uma ou mais substâncias ou misturas explosivas (NBR 14725‑1:2009) Asfixiante Gás não tóxico que pode causar inconsciência ou morte pela redução da concentração de oxigênio ou pela total troca de oxigênio no ar. (NBR 14725‑1:2009) Aterro Controlado Local em que os resíduos são depositados no solo e são cobertos diariamente com uma camada de ma‑ terial inerte. (RDC 306:2004) Aterro Sanitário Técnica de disposição final de resíduos sólidos urbanos no solo. instalações e equipamentos utilizados para a manipulação de agentes biológicos patogênicos ou potencialmente patogênicos. sem causar danos ou riscos à saúde pública. (NBR 14725‑1:2009) Bioconcentração Resultado da absorção. ar. diretamente pela via oral ou pela cavidade nasal ou. de modo a evitar danos ou riscos à saúde e à segurança. Bioacumulação Resultado da absorção. pois não possui impermeabilização do solo. transformação e eliminação de uma substância por um organismo através de todas as vias de exposição. líquido ou sólido. indiretamente. água. segundo normas específicas. drenagem e tratamento de líquidos (águas pluviais. Este sistema de disposição de resíduos não evita os problemas de poluição do ambiente. minimizando os impactos ambientais. sistema de captação. ou seja. (NBR 14725‑1:2009) 83 . (RDC 306:2004) B Barreiras de Contenção Biológica Conjunto formado por procedimentos. transformação e eliminação de uma substância por um organismo devido à exposição através da água. animal e ambiental. Aterro de Resíduos Perigosos – Classe I Técnica de disposição final de resíduos químicos no solo. através da traqueia ou pelas vias respiratórias inferiores. (NBR 7501:2005) Aspiração Entrada de um produto químico. a partir do vômito. sedimento/solo e alimentação.

Não oferecem risco à saúde humana. C Cadáveres de animais São os animais mortos. (RDC 306:2004) Categoria de perigo Subdivisão de uma classe de perigo. controlar. capaz de induzir carcinogenicidade. da farmacocinética e da via de exposição. (Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) Cancinogenicidade Substâncias e preparações que. de Universidades e unidades de controle de zoonoses e outros similares. à saúde animal ou de impactos ambientais por estarem impedidos de disseminar agentes etiológicos de doenças. Biossegurança É a condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir. animal e vegetal e o ambiente. da anatomia e da fisiologia do organismo.ministério da Saúde Biodisponibilidade Indica em que extensão uma substância é absorvida por um organismo e distribuída em uma área deste. (RDC 306:2004) Cancerígeno Substâncias e preparações cuja inalação. (NBR 14725‑1:2009) Carros Coletores São os contenedores providos de rodas. (NBR 14725‑1:2009) NOTA: biodisponibilidade depende das propriedades físico‑químicas da substância. destinados à coleta e transporte interno de resíduos de serviços de saúde. Blindagem Material utilizado para diminuir a intensidade da radiação. (NBR 14725‑1:2009) 84 . reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana. ingestão ou penetração cutânea pode provocar cancro ou au‑ mentar a sua ocorrência. (NBR 14725‑1:2009) Carcaças de animais São produtos de retaliação de animais provenientes de estabelecimentos de tratamento de saúde animal. por inalação ingestão ou penetração cutânea podem provocar cancro ou aumentar a sua incidência. corpo sólido inerte ou radiação ionizante. Blindagem das Radiações Redução das radiações por interposição de um material absorvedor. centros de experimentação. (RDC 306:2004) Carcinogênico Substância química tóxica.

Classe de risco 4 (alto risco individual e para a comunidade) Inclui os agentes biológicos com grande poder de transmissibilidade por via respiratória ou de trans‑ missão desconhecida. (RDC 306:2004) Exemplo: Schistosoma mansoni. (RDC 306:2004). (NBR 14725‑1:2009) Classe de perigo Natureza do perigo físico. Representam risco se disseminados na comunidade e no meio ambiente. para as quais existem usualmente medidas de tratamento e/ou de prevenção.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos CCIH – Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Órgão de assessoria à autoridade máxima da instituição e de coordenação das ações de controle de infecção hospitalar. (RDC 306:2004) Exemplo: Lactobacillus sp. inflamável. Classe de risco 2 (moderado risco individual e limitado risco para a comunidade) Inclui os agentes biológicos que provocam infecções no homem ou nos animais. (RDC 306:2004) Exemplo: Bacillus anthracis. Causam doenças humanas e animais de alta gravidade. cujo potencial de propagação na comunidade e de disseminação no meio ambiente é limitado. potencialmente letais. e para os quais existem medidas terapêuticas e profiláticas eficazes. 85 . Até o momento não há nenhuma medida profilática ou terapêutica eficaz contra infecções ocasionadas por estes. com alta capa‑ cidade de disseminação na comunidade e no meio ambiente. à saúde ou ao meio ambiente. Classe de risco 3 (alto risco individual e moderado risco para a comunidade) Inclui os agentes biológicos que possuem capacidade de transmissão por via respiratória e que causam patologias humanas ou animais. (NBR 147251:2009) CL50 Concentração de produto químico no ar ou na água que provoque a morte de 50 % de um grupo de animais submetido a ensaio. (RDC 306:2004 ) CE50 Concentração efetiva da substância que causa 50% da resposta máxima. Exemplo: Vírus Ebola. toxicidade oral aguda Classe de risco 1 (baixo risco individual e para a coletividade) Inclui os agentes biológicos conhecidos por não causarem doenças em pessoas ou animais adultos sadios. podendo se propagar de pessoa a pessoa. Esta classe inclui principalmente os vírus. (NBR 14725‑1:2009) Exemplo: Carcinogênico. (NBR 147251:2009) CEr50 Concentração efetiva em termos de redução da taxa de crescimento.

Contenção Biológica Secundária São os meios usados para se proteger os profissionais e o ambiente da exposição aos agentes biológicos de risco. (Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) Compostagem Processo de decomposição biológica de fração orgânica biodegradável dos resíduos sólidos. (RDC 306:2004) Coleta seletiva Coleta de resíduos sólidos previamente segregados conforme sua constituição ou composição. (CNEN‑NE 6.305 – PNRS.ministério da Saúde Classificação dos Resíduos É o resultado da análise dos riscos e das características físicas. A contenção primária é atingida por meio de boas práticas. (RDC 306:2004) Contaminação Radioativa Presença indesejável de materiais radioativos em qualquer material. devendo estar de acordo com as orientações dos órgãos de limpeza urbana. utilizando‑se técnicas que garantam a preservação das condições de acon‑ dicionamento e a integridade dos trabalhadores. da população e do meio ambiente. em contacto com outras substâncias. biológicas dos resíduos com o objetivo de enquadrá‑lo nos grupos da RDC 306. desenvolvido em duas etapas distintas: uma de degradação ativa e outra de maturação. do uso de EPIs e de equipamentos de proteção coletiva apropriados. (RDC 306:2004) Condições de Lançamento Condições e padrões de emissão adotados para o controle de lançamentos de efluentes no corpo re‑ ceptor. (RDC 306:2004) 86 . 02/08/2010) Comburente Substâncias e preparações que. (NBR 14725‑1:2009) Corpo Receptor Corpo hídrico superficial que recebe o lançamento de um efluente. meio ou local. químicas. CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Coleta e transportes externos Consiste na remoção dos RSS do abrigo de resíduos (armazenamento externo) até a unidade de trata‑ mento ou disposição final.05:1985) Contenção Biológica Primária São os meios usados para se proteger os profissionais e o ambiente laboratorial da exposição aos agen‑ tes biológicos de risco. mediante a combinação de elementos relacionados à infra‑estrutura laboratorial Controle de Exposição Medidas preventivas para proteção humana à exposição de produto químico. efetuado por uma população diversificada de organismos em condições controladas de aerobiose e demais pa‑ râmetros. apresentam uma reação fortemente exotérmica. (Lei 12. nomeadamente com substâncias inflamáveis.

(NBR 14725‑1:2009) Criogênico Substância que se torna liquefeita quando refrigerada a temperaturas inferiores a 150°C. O objetivo da des‑ contaminação é tornar qualquer material seguro para sua reutilização ou descarte. Material‑teste que produz destruição de tecido da pele.05:1985) Descaracterizar / Descaracterização Processo físico. por ação química. é capaz de danificar ou até mesmo destruir metais. Descontaminação Consiste na utilização de processos que eliminam parcial ou totalmente os agentes. (NBR 14725‑1:2009) Deposição Colocação de rejeitos radioativos em local determinado pela CNEN. água e sais. (NBR 7501:2005) (2) Substâncias e preparações que podem destruir tecidos vivos por contacto. (NBR 7501:2005) 87 . causa severo dano quando em contato com tecidos vivos.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Corrosivo (1) Substância que. danifica ou mesmo destrói outra carga ou o próprio veículo. desinfecção e/ou esterilização. através de biodegradação ou outros processos. ou. em caso de vazamento. (NBR 14725‑1:2009) Corrosivo para metais Substância ou mistura que. (Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) Corrosivo cutâneo Corrosivo para a pele. Esse processo pode ser executado por meio de limpeza. chamada de necrose visível através da epiderme e dentro da derme em pelo menos um de três animais ensaiados após uma exposição de até 4 h de duração. químico ou mecânico de desfazer ou tirar as características de um resíduo. (NBR 7501:2005) D Dano Lesão física e/ou prejuízo à saúde. (NBR 14725‑1:2009) Degradação Decomposição de moléculas orgânicas em moléculas menores e finalmente em dióxido de carbono. ao meio ambiente ou à propriedade. (CNEN‑NE 6. (NBR 14725‑1:2009) Degradabilidade Capacidade de uma substância ou da mistura degradar‑se no meio ambiente. (CNEN‑NE 6. por ação química. sem disposição de removê‑los. podendo apresentar também outros riscos.05:1985) Descontaminação(1) Processo que consiste na remoção física dos contaminantes ou na alteração de sua natureza química para substâncias inócuas.

Removedores. Superfícies Metálicas. como por exemplo: Detergentes. Não apresentam efeito letal sobre mi‑ crorganismos. Plásticos. capazes de controlar os odores desagradáveis advindos do metabolismo microrgânico. Sabões. (Conama 358:2005) Dosímetro Dispositivo que mede a dose absorvida de radiação. em consonância com as exigências dos órgãos ambientais competentes. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Desinfetantes São formulações que têm na sua composição substâncias microbicidas e apresentam efeito letal para microrganismos não esporulados. Pneus. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Disposição final Consiste na disposição de resíduos no solo. (Lei 12.237/97. Polidores de Sapato. mas inibem o seu crescimento e multiplicação. do SNVS e do Suasa.305 – PNRS. Ceras. 02/08/2010) Disposição final de resíduos de serviços de saúde É a prática de dispor os resíduos sólidos no solo previamente preparado para recebê‑los. Para Lactários. (RDC 306:2004) Disposição final ambientalmente adequada Distribuição ordenada de rejeitos em aterros. a reciclagem. Para Indústrias Alimentícias.305 – PNRS. (RDC 306:2004) Destinação final ambientalmente adequada Destinação de resíduos que inclui a reutilização. (Lei 12. a recuperação e o apro‑ veitamento energético ou outras destinações admitidas pelos órgãos competentes do Sisnama. de acordo com critérios técnico‑construtivos e operacionais adequados.ministério da Saúde Desinfetante de água para consumo humano São substâncias ou produtos destinados à desinfecção de água para beber. entre elas a disposição final. São eles: Desodorizante Ambiental. 02/08/2010) Detergentes e seus congêneres São as substâncias que apresentam como finalidade a limpeza e conservação de superfícies inanimadas. Desincrustan‑ tes Ácidos e Alcalinos. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Destinação Final Processo decisório no manejo de resíduos que inclui as etapas de tratamento e disposição final. obedecendo a cri‑ térios técnicos de construção e operação. Hospitalares para superfícies fixas e Hospitalares para artigos semi‑críticos. São eles: De uso geral. Amaciante de Tecidos. Alvejantes. Antiferruginosos. Saponáceos e outros. 88 . Para aparelhos sanitários e outros. Vidros. a compostagem. e com licenciamento ambiental de acordo com a Resolução Conama nº. Para Piscinas. observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos ambientais adversos. Limpa Móveis. previamente preparado para recebê‑los. observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos ambientais adversos. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Desodorizante São formulações que têm na sua composição substâncias microbioestáticas.

(NBR 14725‑1:2009) NOTA O efeito sinérgico é maior do que o aditivo Embalagem externa Embalagem destinada a acondicionar embalagens internas. Embalagem simples Embalagem constituída de um único recipiente contentor e que não necessita de uma embalagem externa para ser transportada. O mesmo que embalagem interna. (NBR 14725‑1:2009) Efeito de potenciação Efeito que ocorre quando um agente tóxico tem seu efeito aumentado por agir simultaneamente com agente não tóxico. (NBR 14725‑1:2009). (NBR 14725‑1:2009) Embalagem interna Embalagem que contém diretamente o produto e está contida dentro de uma embalagem externa. (NBR 14725‑1:2009) Efeito sinérgico Efeito quantitativamente maior que a soma dos efeitos produzidos individualmente de dois ou mais agentes tóxicos. (NBR 14725‑1:2009) 89 . (RDC 211:2005). Embalagem Primária Envoltório ou recipiente que se encontra em contato direto com os produtos.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Droga Substância ou matéria‑prima que tenha a finalidade medicamentosa ou sanitária. (Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) Efeito aditivo Efeito quantitativamente igual à soma dos efeitos produzidos individualmente de dois ou mais agentes tóxicos. (NBR 14725‑1:2009). Embalagem final Embalagem de comercialização do produto. (RDC 211:2005). Embalagem Secundária É a embalagem destinada a conter a embalagem primária ou as embalagens primárias. O mesmo que emba‑ lagem secundária. (Lei 5991:1973) E Ecotóxico Resíduos que representam ou podem representar um risco imediato ou diferido para um ou vários sec‑ tores do ambiente. O mesmo que embalagem primária. O mesmo que embalagem externa.

promoção.ministério da Saúde Emergência Ocorrência caracterizada por um ou mais dos seguintes fatos: a) vazamentos. a perda de confinamento do(s) produto(s) transportado(s). com licença ambiental expedida pelo órgão competente. por exemplo. habilidade ou prática especial em determinado assunto. (RDC 306:2004) (Conama 358:2005) Estação de Transferência de RSS É uma unidade com instalações exclusivas. (NBR 7501:2005) Especialista Pessoa que tem conhecimento. acessórios. garantindo as características ori‑ ginais de acondicionamento. sem abrir ou transferir conteúdo de uma embalagem para a outra. flanges. recuperação e pesquisa na área da saúde ou que estejam a ela relacionadas. b) incêndio e princípios de incêndio. quedas que causem ou tornem iminentes as ocorrências das alíneas a). destinado a proteção contra riscos à segurança e à saúde no trabalho. abalroamentos. a perda de confinamento do(s) produto(s) transportado(s) (NBR 7501:2005) Envelope para transporte de produtos perigosos Envelope impresso que contém as instruções e as recomendações em caso de acidentes e indica os números de telefone para emergência. d) colisões. como. de qualquer modo. fissuras ou rupturas do vaso de transporte ou rupturas de embalagens ou proteção. EPI – Equipamento de proteção individual Dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador. e) eventos que venham a provocar as ocorrências citadas acima ou causem. (RDC 306:2004) Equipamento de proteção respiratória Equipamento que visa a proteção do usuário contra a inalação de ar contaminado ou de ar com defici‑ ência de oxigênio. (NBR 14725‑1:2009) Estabelecimento Denominação dada a qualquer edificação destinada à realização de atividades de prevenção. tubulações. para executar transferência de resíduos gerados nos serviços de saúde. b) e/ou c) desta seção. de qualquer modo. através de válvulas. (NBR 7501:2005) EPC – Equipamentos de proteção coletiva Equipamentos de uso coletivo utilizados para prevenir e/ou minimizar acidentes. (Anvisa – Conceitos Técnicos) 90 . (Conama 358:2005) Esterilizantes São formulações que têm na sua composição substâncias microbicidas e apresentam efeito letal para microrganismos esporulados e não esporulados. e) eventos que venham a provocar as ocorrências citadas acima ou causem. capotagem. c) explosões.

inflamáveis em contacto com o ar à pressão normal. através de reação quími‑ ca. ainda que não desprendam gases. (Directiva 2008/98/CE – Resíduosperigosos) Explosivos instáveis Explosivos termicamente instáveis e/ou muito sensíveis para manuseio. ou substâncias e preparações gasosas. nariz. (NBR 14725‑1:2009) Exposição Irradiação interna ou extrema de pessoas. seja capaz de produzir gás a temperatura. ou substâncias e preparações que. (NBR 7501:2005) (2) Substâncias e preparações que podem explodir sob o efeito de uma chama ou ser mais sensíveis ao choque e à fricção que o dinitrobenzeno.05:1985) Exposições cutâneas Contato com a pele (principalmetne nos casos de pele com dermatite ou feridas abertas). ou substâncias e preparações no estado sólido que se podem inflamar facilmente por breve contacto com uma fonte de inflamação e que continuam a arder ou a consumir‑se após a retirada da fonte de inflamação. Exposições percutâneas Lesões provocadas por instrumentos perfurantes e cortantes. libertam gases facilmente inflamáveis em quantidades perigosas. havendo liberação de energia acumulada. (CNEN‑NE 6. transporte e usos normais. com radiação ionizante. (Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) Ficha de emergência para o transporte de produtos perigosos Documento de apenas uma folha com os principais riscos do produto e as providências essenciais a serem tomadas em caso de acidente. (NBR 7501:2005) 91 . que provoca vibração e deslocamento do ar. «Inflamável»: substâncias e preparações líquidas cujo ponto de inflamação é igual ou superior a 21 °C e inferior ou igual a 55 °C. F Facilmente inflamáveis Substâncias e preparações no estado líquido cujo ponto de inflamação é inferior a 21 °C (incluindo os líquidos extremamente inflamáveis). Incluem‑se nesta definição as substâncias pirotécnicas. ou substâncias e preparações que podem aquecer até ao ponto de inflamação em contacto com o ar a uma temperatura normal. sem emprego de energia. (NBR 7501:2005) Explosão em massa Explosão praticamente instantânes da quase totalidade da quantidade. pressão e velocidade tais que podem causar danos à sua volta. Exposições em mucosas Quando há respingos na face envolvendo olho. (NBR 14725‑1:2009) Explosivo (1) Substância sólida ou líquida (ou mistura de substâncias) que. em contacto com a água ou o ar húmido. por si mesma. boca ou genitália.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Explosão Fenômeno físico ou químico que ocorre com grande velocidade de propagação.

intercessão e difusão. g) Manuseio e armazenamento do produto. h) Controle de exposição e proteção individual. c) Composição e informações sobre os ingredientes. b) Identificação de perigos. f ) Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos. As fibras do filtro são feitas de uma trama tridimensional. (NBR 7501:2005) Filtro químico Filtro destinado a reter gases e vapores específicos no ar. e) Medidas de combate a incêndios. que remove as partículas de ar que passam por ele por inércia. j) Estabilidade e reatividade. n) Informações sobre transporte. O filtro Hepa tem capacidade para filtrar partículas com eficiência igual ou maior que 99.ministério da Saúde Filtro Parte do equipamento de proteção respiratória destinada a purificar o ar inalado. (NBR 7501:2005) Filtro Hepa “high efficiency particulate air” ou filtro de alta eficiência Feito de tecido e fibra de vidro. d) Medidas de primeiros socorros. m) Considerações sobre tratamento e disposição. (NBR 7501:2005) FISPQ Abreviação para Ficha de Informação sobre Segurança de Produtos Químicos (em inglês: MSDS de Ma‑ terial Safety Data Sheet). Filtro mecânico Filtro destinado a reter as partículas em suspensão no ar.99%. i) Propriedades físicas e químicas. Trata‑se de padrão de documentação (ABNT NBR 14725:2009) com informações sobre os seguintes aspectos de um produto químico: a) Identificação do produto e da empresa. l) Informações ecológicas. o) Regulamentações. (NBR 7501:2005) Filtro combinado Conjunto formado por um filtro mecânico e químico. sustentada por lâminas de alumínio. k) Informações toxicológicas. p) Outras informações 92 .

3 kPa.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Fonte Selada Fonte radioativa encerrada hermeticamente em uma cápsula. G Gás Fluidos sem forma.3 kPA. (NBR 14725‑1:2009) Fumaças Resultantes da combustão incompleta de materiais carbonáceos (fóssil. Consistem de gases. (NBR 7501:2005) 93 . torna‑se parcialmente líquido por causa de baixa tem‑ peratura. exceto se em solução. (RDC 306:2004) Fornecedor Parte responsável por tornar um produto químico perigoso disponível para o público‑alvo. de forma que possa produ‑ zir gotejamento. asfalto. (RDC 306:2004) Forma Livre É a saturação de um líquido em um resíduo que o absorva ou o contenha. (NBR 7501:2005) Gás comprimido Gás que. que permanecem no estado gasoso nas condições normais de pressão e tempera‑ tura. (NBR 7501:2005) Gás asfixiante Gás que dilui ou substitui o oxigênio normalmente existente na atmosfera. vazamento ou derramamento espontaneamente ou sob compressão mínima. é parcialmente líquido à temperatura de 20°C. madeira). quando acondicionado para transporte. quando acondicionado para transporte. (NBR 7501:2005) Gás liquefeito refrigerado Gás que. ou ligada totalmente a material inativo envolvente. (NBR 14725‑1:2009) Gás liquefeito Gás que. partículas sólidas e líquidas. quando acondicionado para transporte. (NBR 7501:2005) Gás em solução Gás comprimido que. é dissolvido num solvente. Substância que a 50°C tem uma pressão de vapor superior a 300 kPa ou é completamente gasosa à temperatura de 20°C e à pressão normal de 101. quando acondicionado sob pressão para transporte. de forma que não possa haver dispersão de substância radioativa em condições normais e severas de uso. vapores. (NBR 7501:2005) Gás inflamável Gás que se inflama com o ar a 20 °C e a uma pressão de referência de 101. é completamente gasoso à temperatura de 20°C. Fumos Partículas sólidas formadas quando um sólido é aquecido acima do ponto de ebulição e seu vapor con‑ densa ou sofre processo de oxidação.

ou que é supos‑ tamente tóxico ou corrosivo para pessoas por apresentar um valor de concentração letal (CL50) igual ou inferior a 5 000 mL/m3 (ppm). de forma a considerar as dimensões política. mais do que o ar. tra‑ tamento e destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e disposição final ambiental‑ mente adequada dos rejeitos. considerando sua composição. transbordo.2 e 6.2. nelas incluído o consumo. (Lei 12. 94 . os produtos perigosos de todas as classes. (NBR 14725‑1:2009) Gás tóxico Gás reconhecidamente tão tóxico ou corrosivo para pessoas. (NBR 7501:2005) Gerador Aquele que gera resíduos através de atividade ou processo industrial ou de serviços de saúde. que geram resíduos sólidos por meio de suas atividades. (Lei 12. (NBR 14725‑1:2009) Gás sob pressão Gás que se encontra em um recipiente a uma pressão não inferior a 280 kPa a 20 °C ou como líquidos refrigerados. direta ou indiretamente. a 20°C. com controle social e sob a premissa do desenvolvimento sustentável. finalidade e modo de uso. nas etapas de coleta. econômica.305 – PNRS. ou sejam oxidantes (gases que. e xceto as Classes 1. mais do que o ar. transporte.305 – PNRS. (NBR 7501:2005) Geradores de resíduos sólidos Geradores de resíduos sólidos: pessoas físicas ou jurídicas. 02/08/2010) Gestão integrada de resíduos sólidos Conjunto de ações voltadas para a busca de soluções para os resíduos sólidos. geralmente por fornecerem oxigênio. ou não se enquadrem em outra subclasse. foram c lassificados em três grupos. 2 e 7 e as Sub‑ classes 5. 02/08/2010) Gerenciamento de resíduos sólidos Conjunto de ações exercidas.305 – PNRS. para a combustão de outra matéria). (Lei 12. (NBR 7501:2005) Gás oxidante Gás que.ministério da Saúde Gás não‑inflamável e não‑tóxico Gases transportados a uma pressão não‑inferior a 280 kPa. Grupo de Embalagem II – risco médio. e Grupo de Embalagem III – baixo risco. cultural e social. exigidos na forma desta Lei. de direito público ou privado. causem ou contribuam. geralmente por fornecer oxigênio. causa ou contribui. de acordo com plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos ou com plano de gerenciamento de resíduos sólidos. ou como líquidos refrigerados e que sejam asfixiantes (gases que diluem ou substituem o oxigênio normalmente existente na atmosfera). (NBR 7501:2005) Grupo de Embalagem Para fins de embalagem. ambiental. que constitui risco à saúde. 02/08/2010) Grau de risco Nível de efeitos adversos que um dado produto pode ou não apresentar. para a combustão de outro material. conforme o grau de risco que apresentam: ► ► ►  Grupo de Embalagem I – alto risco.

estabilidade e especificidade. vírus.(NBR 7501:2005) Incompatibilidade química Risco potencial entre dois ou mais produtos de ocorrer explosão. (RDC 306:2004) I Identificação Consiste no conjunto de medidas que permite o reconhecimento dos resíduos contidos nos sacos e recipientes. (RDC 306:2004) in vitro Aquilo que é produzido ou realizado fora do organismo. submetidos a processo de industrialização e normatização que lhes conferem qualidade.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos H Hemoderivados Produtos farmacêuticos obtidos a partir do plasma humano. por exemplo. em uma placa de cultura ou em um tubo de ensaio. (NBR 7501:2005) Indicador biológico de exposição Parâmetro químico utilizado para identificação de exposição ocupacional que pode ocasionar risco de dano à saúde. em ambiente laboratorial. Inflamável Qualquer substância sólida. (NBR 14725‑1:2009) Infeccioso Substâncias e preparações que contêm microrganismos viáveis ou suas toxinas. Patógeno é um microorganismo (incluindo bactérias. assim como alterações de características físicas ou químicas originais de qualquer um dos produtos. vapores. formação de gases. em relação aos quais se sabe ou há boas razões para crer que causam doenças nos seres humanos ou noutros organismos vivos. fornecendo informações ao correto manejo dos RSS. parasitas. (NBR 14725‑1:2009) Incêndio Resultado de uma reação química que produz luz e calor. desprendimento de chamas ou calor. (NBR 7501:2005) 95 . fungos) ou micro‑organismo recombinante (híbridos ou mutantes) que possa ou esteja sob suspeita razoável de poder provocar doenças infecciosas em seres humanos ou em animais. gasosa ou em forma de vapor. líquida. (Directiva 2008/98/CE) Infectante Substância que contém patógeno ou esteja sob suspeita razoável de tal. misturas ou compostos ou misturas perigosas. (NBR 14725‑1:2009) Nota: A produção ou realização in vitro pode ser feita. que pode entrar em ignição com facilidade e queimar rapidamente. rickétsias. in vivo Aquilo que é produzido ou realizado no organismo vivo.

processam. utilizam. caso sejam divulgadas a um concorrenre. (NBR 14725‑1:2009) Inseticidas São produtos desinfestantes destinados à aplicação em domicílios e suas áreas comuns. podem resultar em prejuizo para a atividade do fornecedor. envase ou acondicionamento.05:1985) Insumos Farmacêuticos Qualquer produto químico. (NBR 14725‑1:2009) Ingrediente Constituinte de um produto químico ou de um resíduo químico. (NBR 7501:2005) L Lesão ocular grave Produção de dano ao tecido ocular ou redução séria da visão como conseqüência da aplicação de um produto na superfície anterior do olho. por contato imediato. podem provocar uma reacção inflamatória. no interior de instalações. manuseiam. prolongado ou repetido com a pele ou as mucosas. transportam ou armazenam fontes de radiação.ministério da Saúde Informações confidenciais Todas as informações que. (NBR 14725‑1:2009) Irritante a) Produto capaz de provocar irritação ocular ou cutânea. e que sejam totalmente reversíveis nos 21 dias seguintes à aplicação. que não seja totalmente reversível nos 21 dias seguintes à apli‑ cação. (Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) Isolamento Conjunto de ações destinadas a impedir a propagação de um acidente a outras regiões até daquela diretamente afetada pelo evento. (RDC 306:2004) Irritação cutânea Irritação cutânea Formação de lesão reversível da pele como conseqüência da aplicação de um produto durante um período de ensaio de até 4 h. seja na sua formulação. ou material (por exemplo: embalagem) utilizado no processo de fabricação de um medicamento. (NBR 14725‑1:2009) 96 . edifícios públicos ou coletivos e ambientes afins para controle de insetos e outros animais incômodos e nocivos à saúde.04 “Licenciamento de Instalações Nucleares” e os veículos transportadores de fontes de radiação. (CNEN‑NE 6. (NBR 14725‑1:2009) Irritação ocular Aparição de lesões oculares como conseqüência da aplicação de um produto na superfície anterior do olho. (NBR 14725‑1:2009) b) Substâncias e preparações não corrosivas que. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Instalação Radiativa Estabelecimento onde se produzem. excetuando‑se as Instalações Nucleares definidas na norma CNEN‑NE‑1.

ascítico e amniótico. em es‑ tado líquido.6°C.. em função de suas características perigosas). pericárdico. (NBR 14725‑1:2009) Limite de eliminação Valores estabelecidos na norma CNEN‑NE‑6. O mesmo que “limite de tolerância”. sob os aspectos de proteção radiológica. excluídas as substâncias que tenham sido classificadas de forma diferente. mistura de líquidos ou líquidos que contenham sólidos em solução ou suspensão (por exemplo: tintas. articular. (NBR 14725‑1:2009) Líquido combustível Todo líquido que possua ponto de fulgor igual ou superior a 70ºC (setenta graus centígrados) e inferior a 93. (RDC 306:2004) Limite de exposição ocupacional Concentração ou intensidade máxima ou mínima. para reaproveitamento. ou outra destinação final ambien‑ talmente adequada. durante a sua vida laboral . ou até 65. lacas etc.3ºC (noventa e três graus e três décimos de graus centígrados). que não causará dano à saúde do trabalhador. em ou abaixo dos quais um determinado fluxo de rejeito pode ser liberado pelas vias convencionais. (RDC 306:2004) Limite de concentração Valor de corte. Inclui também os líquidos oferecidos para transporte à temperatura igual ou superior a seu ponto de fulgor e substância transportada ou oferecida para transporte à temperatura elevada. (RDC 306:2004) Logistica reversa Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações. (RDC 306:2004) Licenciamento de Instalações Radiativas Atos administrativos pelos quais a CNEN aprova a viabilidade do local proposto para uma instalação radia‑ tiva e permite a sua construção e operação. (Lei 12. 02/08/2010) 97 . (NBR 7501:2005) Líquidos corpóreos Líquidos corpóreos: são representados pelos líquidos cefalorraquidiano. em ensaio de vaso aberto. vernizes. permitindo a sua construção e operação.305 – PNRS. que desprenda vapor inflamável à temperatura igual ou inferior à temperatura máxima de transporte. procedi‑ mentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial. em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos. após verificar a viabilidade técnica e o conceito de segurança do projeto.5°C. (NR – 20) Líquido inflamável Líquidos. que produzam vapor inflamável à temperatura de até 60. relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente. Valor de referência que determina a categoria de perigo de um determinado produto. após verificar a viabilidade técnica e o conceito de segurança do projeto. normalmente referido como ponto de fulgor. (RDC 306:2004) (Conama 358:2005) Local de geração Representa a unidade de trabalho onde é gerado o resíduo. pleural.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Licenciamento ambiental Atos administrativos pelos quais o órgão de meio ambiente aprova a viabilidade do local proposto para uma instalação de tratamento ou destinação final de resíduos. em ensaio de vaso fechado.05 “Gerência de Rejeitos Radioativos em Instalações Radioa‑ tivas” e expressos em termos de concentrações de atividade e/ou atividade total.

para fins de avaliação ou controle de materiais radioativos ou de exposições. incluindo as seguintes etapas: segregação.ministério da Saúde M Manejo O manejo dos RSS é entendido como a ação de gerenciar os resíduos em seus aspectos intra e ex‑ traestabelecimento. leveduras e protozoários). (RDC 306:2004) Metal pesado Qualquer composto de Antimônio. se liberadas no ambiente. as células humanas. Telúrio e Tálio. com finalidade profilática. armazenamento externo. transporte interno.05:1985) Muito tóxicas Substâncias e preparações que. (RDC 306:2004) (Conama 358:2005) Material Biológico Todo material que contenha informação genética e seja capaz de auto‑reprodução ou de ser reproduzido em um sistema biológico. príons e os organismos ainda não cultivados. as partes replicáveis destes organismos e células (bibliotecas genômicas. Cádmio. ingeridas ou absorvidas através da pele. curativa. Mercúrio. incluindo a forma metálica. tecnicamente obtido ou elaborado. Crômio (IV). através das condições condições ambientais naturais. (CNEN‑NE 6. fun‑ gos filamentosos. (NBR 14725‑1:2009) Monitoração Medição de atividade ou de outras grandezas relativas à radiação. desde a geração até a disposição final. Inclui os organismos cultiváveis e microorganismos (entre eles bactérias. animais e vegetais. acondicionamento. Estanho. moverem‑se para o lençol freá‑ tico ou serem carreadas para outros locais. Níquel. Selênio. podem causar a morte ou riscos de afecções agudas ou crónicas. Material Radiativo Material que contém substâncias emissoras de radiação ionizante. (CNEN‑NE 6. vírus e fragmentos de DNA clonado). (Lei 5. armazenamento temporário. (RDC 306:2004) Mistura Produto composto de duas ou mais substâncias que não reagem entre si.991:1973) Meia‑vida física Tempo que um radionuclídeo leva para ter a sua atividade inicial reduzida à metade. coleta e transporte externos. mesmo em muito pequena quantidade. (Directiva 92/32/CEE) 98 . (NBR 14725‑1:2009) Mobilidade no solo Capacidade de uma substância ou mistura. (RDC 306:2004) Materiais de assistência à saúde Materiais relacionados diretamente com o processo de assistência aos pacientes. plasmídeos. tratamento e disposição final. quando inaladas.05:1985) Medicamento Produto farmacêutico. paliativa ou para fins de diagnóstico. Chumbo. e para interpretação das medidas.

Nível de Biossegurança Grau de contenção necessário para permitir o trabalho com agentes biológicos de forma segura para os seres humanos. Nivel III de inativação Nível III de inativação microbiana. Exemplo: Xilol. pinturas com “spray”. ingestão ou penetração cutânea pode induzir defeitos genéticos hereditários ou aumentar a sua ocorrência. nos organismos ou em ambos. Névoas Gotículas suspensas no ar que se formam pela subdivisão da matéria líquida. (NBR 14725‑1:2009) b) Substâncias e preparações cuja inalação. névoas de óleo em processos de usinagem. (NBR 14725‑1:2009) Mutagenicidade Determinação da capacidade de agentes químicos para induzir alterações no material genético do núcleo das células. e inativação de esporos do bacilo stearothermophilus ou de esporos do bacilo subtilis com redução igual ou maior que 4Log10. parasitas e microbactérias com redução igual ou maior que 6Log10. Consiste na combinação de práticas e técnicas de laboratório. que são transmitidas durante a divisão celular. fungos. Nome químico Nome que descreve a estrutura atômica ou molecular da substância e é o nome oficial que segue as re‑ gras de nomenclatura da International Union of Pure And Applied Chemistry (IUPAC). xileno. (NBR 14725‑1:2009) Nome comum Nome técnico Nome livre para uso geral na identificação de uma substância química sem que seja necessário recorrer ao seu nome químico.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Mutação Alteração permanente na quantidade ou na estrutura do material genético de uma célula. (NBR 14725‑1:2009). (Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) Nome comercial Nome que identifica um produto sem que seja necessário associá‑lo ao seu nome químico. limitado. (NBR 14725‑1:2009) 99 . ingestão ou penetração cutânea pode representar um risco. os animais e o ambiente. para a saúde. (Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) N Neblinas Resultam da condensação de substâncias líquidas que se volatilizaram. (Conama 358:2005) Nocivo Substâncias e preparações cuja inalação. (NBR 14725‑1:2009) Mutagênico a) Agente que aumenta a frequência de mutação nos tecidos celulares. vírus lipofílicos e hidrofílicos. Ex. Inativação de bactérias vegetativas. equipamentos de segurança e instalações laboratoriais.

(RDC 306:2004) Periculosidade de um resíduo Característica apresentada por um resíduo que. Número ONU São números de quatro dígitos atribuído pelo Comitê de Peritos das Nações Unidas sobre o transporte de produtos perigosas. (NBR – 10004:2004) Perigo Fonte potencial de dano e característica intrínseca de um produto. embora não sendo necessariamente combustível. causar a combustão de outros materiais ou contribuir para isso. em geral por liberação de oxigê‑ nio. 100 . polímero. pode. Tais substâncias podem estar contidas em um artigo. (NBR 7501:2005) P Palavra de advertência Palavra usada na rotulagem de produto químico perigoso para indicar o nível relativo de severidade do perigo e/ou para alertar o público‑alvo para um potencial perigo do produto químico. representam ou podem representar um risco imediato ou diferido para um ou mais componentes do ambiente. Tem o objetivo de facilitar a identificação de substâncias perigosas. (NBR 7501:2005) Oxidante Substância que. Número EC Número índice de identificação de uma substância perigosa utilizado pela Comunidade Europeia.ministério da Saúde Número CAS O número CAS ou registro CAS de um composto químico. (NBR 14725‑1:2009) Perigosas para o ambiente Substâncias e preparações que. se penetrarem no ambiente. a) risco à saúde pública provocando mortalidade. químicas ou infecto‑contagiosas pode apresentar. quando o resíduo for gerenciado de forma inadequada. O Óculos de segurança Equipamento de proteção individual para os olhos. incidência de doenças ou acentuando seus índices. (NBR 14725‑1:2009) Patogenicidade Capacidade de um agente causar doença em indivíduos normais suscetíveis. uma divisão da Chemical American Society. b) riscos ao meio ambiente. seqüência biológica ou liga é um número de registro único no banco de dados do Chemical Abstracts Service. em função de suas propriedades físicas.

O peróxido orgânico é uma substância termicamente instável e pode sofrer uma decomposição exotérmica autoacelerável. tratamento e disposição final. infla‑ ma‑se dentro de 5 min após contato com o ar. contemplando os aspectos referentes à geração. reagir perigosamente com outras substâncias. através de biodegra‑ dação ou outros processos. (NBR 14725‑1:2009) Nota: Todo pictograma de perigo compreende um símbolo inserido num quadrado apoiado sobre um dos seus vértices. incluindo mistura e solução (líquida ou sólida) que. operação e modificação de Instalações Radiativas. 1º desta Resolução. (NBR 14725‑1:2009) Pessoa habilitada Indivíduo treinado para desenvolver as atividades previstas no transporte de produtos perigosos. coleta.305. queimar rapidamente. segregação. de 2 de agosto de 2010.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Peróxido orgânico Substância orgânica que contém a estrutura bivalente – O – O – e pode ser considerada como derivada do peróxido de hidrogênio. acondicionamento. que se aplica às atividades relacionadas com a localização.189. Pirofórica Substância. pode apresentar uma ou mais das seguintes pro‑ priedades: ser sujeito a decomposição explosiva. armazenamento. O pictograma de segurança não tem padrão definido. contemplando. 101 . construção. entre outros. saúde e meio ambiente e/ou à utilização relacionada a produtos químicos. Além disso. (RDC 306:2004) PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos A Lei 12. de 16 de dezembro de 1974. baseado nos princípios da não geração de resíduos e na minimização da geração de resíduos. incluídos os perigosos. objetivos e instrumentos. Plano de Gerenciamento de Resíduos Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde‑PGRSS Documento integrante do processo de licenciamento ambiental. instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos. pela Comissão Nacional de Energia Nuclear. que aponta e descreve as ações relativas ao seu manejo. ser sensível a choque ou atrito. (Conama 358:2005) Plano de Radioproteção Documento exigido para fins de Licenciamento de Instalações Radiativas. transporte. permanecendo detectável ao longo do tempo. o Programa de Gerência de Rejeitos Radioativos – PGRR. (Publicada no DOU de 3 de agosto de 2010). na qual um ou ambos os átomos de hidrogênio foi(ram) substituído(s) por radical(ais) orgânico(s). às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis. conforme competência atribuída pela Lei 6. mesmo em pequenas quantidades. bem como a proteção à saúde pública e ao meio ambiente. no âmbito dos serviços mencionados no art. (NBR 7501:2005) Persistência Capacidade de uma substância ou mistura em não se degradar no meio ambiente. (NBR 7501:2005) Pictograma Composição gráfica com a qual se pretende transmitir informação específica de perigo ou de segurança. reciclagem. (NBR 14725‑1:2009) Pertinente Informação importante com relação à segurança. causar danos aos olhos. dispondo sobre seus princípios. bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos.

junto com as instruções para seu uso. vapores ou gases perigosos. e para outros locais. suspensa ou capaz de se manter suspensa no ar. o ponto de ebulição varia com a altitude e a pressão. que não sejam ingeridos. tubulações sanitárias de águas servidas. controles. misturas. física ou terapêutica alguma. Ponto de inflamação ou fulgor Menor temperatura na qual uma substância libera vapores em quantidade suficiente para que a mistura de vapor e ar. incluindo qualquer aditivo necessário para garantir a estabilidade do produto e qualquer impureza re‑ sultante do processo utilizado.ministério da Saúde Poeiras Partículas sólidas de qualquer tamanho. No ponto de ebulição. colocados em contato entre si. materiais. de 23 de janeiro de 1996). apresentem alterações das características físicas ou químicas originais de qualquer deles. artigos e instrumentos. propague uma chama. padrões. injetados ou inoculados em seres humanos e que são utilizados unicamente para provar informação sobre amostras obtidas do organismo humano. Produto químico perigoso Produto químico classificado como perigoso para a segurança. Formam‑se pela desagregação mecânica de sólidos maiores. (RDC 306:2004) Produto químico Elemento químico e seus compostos no estado natural ou obtidos por qualquer processo de produção. mas excluindo qualquer solvente que possa ser separado sem afetar a estabilidade da substância ou alterar sua composição. calibradores. a pressão do vapor saturado de um líquido é igual à pressão atmosférica (760 mmHg) pelo que. (Portaria nº 8/MS/SVS. a partir do contato com uma fonte de ignição. (NBR 14725‑1:2009) Produtos biológicos (saneante) Produtos à base de microrganismos viáveis para o tratamento de sistemas sépticos. natureza ou origem. formação de compostos. gerando risco de provocar explosão. com a finalidade de degradar matéria orgânica e reduzir os odores. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Produtos quimicamente incompatíveis para fins de transporte Produtos que. (NBR 7501:2005) Preparações Misturas ou soluções compostas por duas ou mais substâncias. desprendimento de chama ou calor. Ponto de fusão É a temperatura na qual ocorre a mudança do estado sólido para o estado líquido. Ponto de ebulição Ou temperatura de ebulição é a temperatura em que uma substância passa do estado líquido ao estado gasoso. logo acima de sua superfície livre. quantitativa ou semiquanti‑ tativa de uma amostra biológica e que não estejam destinados a cumprir função anatômica. (NBR 7501:2005) 102 . (RDC 306:2004) (Conama358:2005) Produto para diagnóstico de uso in vitro Reagentes. conforme o critério de classificação adotado. a saúde e/ou o meio ambiente. que contribuem para realizar uma determinação qualitativa. Príon Estrutura protéica alterada relacionada como agente etiológico das diversas formas de Encefalite Espon‑ giforme.

tóxico ou corrosivo. no processo. citotoxi‑ cidade e teratogenicidade. substituição de materiais. (NBR 14725‑1:2009) Protetor facial Equipamento de proteção individual para proteção da face contra respingos de produtos químicos.05:1985) 103 . em contato com a água.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Programa de segurança. (RDC 306:2004) Redução de carga microbiana Aplicação de processo que visa a inativação microbiana das cargas biológicas contidas nos resíduos. (NBR 7501:2005) Reciclagem Processo de transformação dos resíduos que utiliza técnicas de beneficiamento para o reprocessamento. edifícios públicos ou coletivos e ambientes afins para controle de roedores. reage violentamente. (Conama 358:2005) Rejeito Radioativo Qualquer material resultante de atividades humanas. gerando extremo calor e explosão ou que produz rapidamente gás ou vapor inflamável. (NBR 14725‑1:2009) Q Quimioterápicos antineoplásicos Substâncias químicas que atuam a nível celular com potencial de produzirem genotoxicidade. (NBR 7501:2005) Público‑alvo Trabalhadores. mudança de tecnologia ou procedimento. ou obtenção de matéria prima para fabricação de novos produtos. administração interna do suprimento e aumento na eficiência dos equipamentos e dos processos. consumidores e profissionais do serviço de atendimento à emergência e transporte. saúde e meio ambiente Conjunto de ações voltadas à minimização dos riscos no local de trabalho para a segurança e proteção da saúde e do meio ambiente. (RDC 306:2004) (Conama 358:2005) Redução na fonte Atividade que reduza ou evite a geração de resíduos na origem. que contenha radionuclídeos em quantidades su‑ periores aos limites de isenção especificados na Norma CNEN‑NE‑6. e para o qual a reutilização é imprópria ou não prevista. (RDC 306:2004) R Raticidas São produtos desinfestantes destinados à aplicação em domicílios e suas áreas comuns. Reativo com água Substância que. alteração de insumos. (CNEN‑NE 6.02: “Licenciamento de Instalações Radioativas”. incluindo modificações no processo ou equipamentos. ou que altere propriedades que lhe atribuam riscos. mudanças na prática de gerencia‑ mento. no interior de instalações.

a cuja destinação final se procede. depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis. (Lei 12. a ser destinado. tais como utilização em ou‑ tro processo. doméstica. bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água. mistura ou material remanescente de atividades de origem industrial. 02/08/2010) Repelentes São produtos com ação repelente para insetos. nos estados sólido ou semissólido. agrícola e comercial. mistura ou material remanescente de atividades de origem industrial. se propõe proceder ou se está obrigado a proceder. (NBR 7501:2005) Resíduos sólidos Resíduos nos estados sólidos e semi‑sólidos. ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível. ou exijam para isso soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível. co‑processamento. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Resíduo Biológico Resíduos com a possível presença de agentes biológicos que.ministério da Saúde Rejeitos Resíduos sólidos que. que resultam de atividade de origem industrial. comercial. (NBR 14725‑1:2009) Resíduos Materiais resultantes de atividades da comunidade de origem: industrial. substância. Ficam incluídos nesta definição os lodos prove‑ nientes de sistemas de tratamento de água. tais como utilização em outro processo. objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade. doméstica. não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada. (RDC 306:204) Resíduo químico Substância. (NBR – 10004:2004) Resíduos sólidos (PNRS) Material. 02/08/2010) 104 . (Lei 12. exigindo ou não tratamento prévio à sua disposição final. reciclagem. para aplicação em superfícies inanimadas e para vola‑ tilização em ambientes com liberação lenta e contínua do (s) ingrediente (s) ativo (s) por aquecimento elétrico ou outra forma de energia ou espontaneamente. reprocessamento/recuperação. reciclagem. hospitalar. (RDC 306:2004) (Conama 358:2005) Resíduos perigosos Substância. destruição térmica e aterro. por suas características. de serviços e de varrição. serviços de saúde.305 – PNRS. coprocessamento. agrí‑ cola e comercial. a ser destinado conforme legislação ambiental vigente. comercial. reprocessamento/recuperação. aqueles gerados por equipamentos e instalações de controle de poluição. podem apresentar risco de infecção. agrícola. de serviços e de varrição. bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água. (NBR 7501:2005) RSS – Resíduos de Serviços de Saúde São todos aqueles resultantes de atividades exercidas nos serviços definidos no artigo 1o que. conforme legislação ambiental vigente. serviços de saúde. por suas características. agrícola.305 – PNRS. destruição térmica e aterro. necessitam de processos diferenciados em seu manejo. hospitalar.

desinfecção ou desinfestação domiciliar. (NBR 14725‑1:2009) Nota: a rotulagem pode ser aplicada em quaisquer tipos de embalagem unitária de produtos químicos ou sobre qualquer outro tipo de protetor de embalagem. Estabelecido no Anexo da Resolução nº 420/2004 da Agência Nacional de Transportes Terrestres. (Lei 12. Rótulo de risco Rótulo com a forma de um quadrado apoiado sobre um dos seus vértices (forma de um losango/dia‑ mante). compreendendo: detergentes e seus congêneres. pintado ou gravado a fogo. em lugares de uso comum e no tratamento de água. Deve ser impresso ou litografado. referentes à natureza. algicidas e fun‑ gicidas para piscinas. Rótulo Elemento que apresenta símbolos.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Reutilização Processo de aproveitamento dos resíduos sólidos sem sua transformação biológica. o seu estado físico e os riscos envolvidos. alvejantes. aos riscos e à identificação do produto. desodorizantes. pintura. (RDC 306:2004) Segurança Ausência de riscos inaceitáveis de danos. que apresenta símbolos. (NBR 7501:2005) S Saneantes Substâncias ou preparações destinadas à higienização. em am‑ bientes coletivos e/ou públicos. figuras e/ou expressões emolduradas. de acordo com as características físicas. ou carimbado de forma indelével. litografia. 02/08/2010) Risco Probabilidade de ocorrência de perigos que causem danos. transporte e descarte. gravação a fogo. aplicado sobre quaisquer tipos de embala‑ gem de produtos químicos.305 – PNRS. água sanitária. esterilizantes. emergência. se couber. decalque ou através de etiqueta. observadas as condições e os padrões estabelecidos pelos órgãos competentes do Sisnama e. aderido por pressão ou decalque. do SNVS e do Suasa. pressão. (NBR 14725‑1:2009) Rotulagem Identificação por impressão. ao manu‑ seio. jardinagem amadora. produtos biológicos. figuras e/ou expressões emolduradas. armazenamento. desinfetantes. (NBR 14725‑1:2009) 105 . químicas. repelentes. (Anvisa – Conceitos Técnicos) Segregação Consiste na separação dos resíduos no momento e local de sua geração. inseticidas. desinfetante de água para consumo humano. referentes à classe/subclasse do produto perigoso. física ou físico‑quí‑ mica. biológicas. (NBR 7501:2005) Rótulo de segurança Local onde constam a identificação do produto e as informações primárias de manuseio.

ao armaze‑ namento e ao transporte para identificação do produto. Simbologia Elemento que apresenta símbolos. de classificação e de rotulagem de produtos químicos. (NBR 14725‑1:2009) Solubilidade Habilidade ou tendência de uma substância misturar‑se uniformemente com outra. em gramas / L. Compreende símbolos de perigo. urina. rótulos de risco. ou em porcentagem de soluto/solvente. colostro. podendo promover a sua descaracterização.ministério da Saúde Sensibilizante Substâncias e preparações cuja inalação ou penetração cutânea pode causar uma reacção de hiper‑ sensibilização tal que uma exposição posterior à substância ou à preparação produza efeitos nefastos característicos. (NBR 14725‑1:2009) Sobras de amostras Restos de sangue. recomendação ou instrução. quando inalada. químicas ou biológicas dos resíduos. (NBR 14725‑1:2009) Símbolo Elemento gráfico com significado convencional. símbolos de manuseio. físico‑químicas. usado para exprimir graficamente um perigo. induz hiperssensibilidade das vias aéreas superiores. a segurança e a saúde do trabalhador. (RDC 306:2004) (Conama 358:2005) Sobre‑embalagem Meio utilizado para agrupar embalagens simples ou externas de produtos químicos perigosos compatí‑ veis para fins de facilitar o seu manuseio e transporte. visando a minimiza‑ ção do risco à saúde pública. a preservação da qualidade do meio ambiente. aviso. ao manuseio. que visa esta‑ belecer uma comum e consistente base de classificação e comunicação de perigos do produto químico perigoso. Pode‑se expressar em mols / L. processos e procedimentos que alteram as características físicas. de forma rápida e facilmente identificável. (NBR 14725‑1:2009) Sensibilizante respiratório Substância que. leite. (NBR 14725‑1:2009) Símbolo de perigo São pictogramas indicadores de perigo representados em forma quadrada. secreções nasal. vaginal ou peniana. É a quantidade máxima que uma substância pode dissolver‑se num líquido. rótulos especiais e painéis de segurança. lágrima. saliva. suor. utlizados em rótulos ou informações de produtos químicos. (RDC 306:2004) (Conama 358:2005) GHS – Sistema globalmente harmonizado Conjunto de regras. fezes. (Directiva 2008/98/CE – Resíduos) Sensibilizante à pele Substância que induz uma resposta alérgica em contato com a pele. (NBR 7501:2005). líquido espermático. possa causar fogo ou contribuir para tal. pêlo e unha que permanecem nos tubos de coleta após a retirada do material ne‑ cessário para a realização de investigação. impressos em preto fundo laranja. (NBR 14725‑1:2009) Sólido inflamável Substância sólida que seja facilmente combustível ou que. por atrito. (NBR 7501:2005) Sistema de tratamento de resíduos de serviços de saúde Conjunto de unidades. 106 . figuras e expressões referentes à natureza. entre outras.

por via oral ou dérmica. mas excluindo qualquer solvente que possa ser separado sem afetar a estabilidade da substância ou alterar sua composição. ou como conseqüência de uma exposição por inalação durante 4 h. ou a combinação destes. (NBR 7501:2005) T Telefone(s) de emergência Meio de comunicação para prestar informação(ões) sobre segurança. incluindo qualquer aditivo necessário para garantir a estabilidade do produto e qualquer impureza re‑ sultante do processo utilizado. podem causar a morte ou riscos de afecções agudas ou crônicas. lesões graves ou danos à saúde humana. ingestão ou penetração cutânea pode induzir malfor‑ mações congênitas não‑hereditárias ou aumentar a sua ocorrência. quando inaladas. luz. (NBR 14725‑1:2009) Toxicidade aquática crônica Propriedade de uma substância causar efeitos adversos a um organismo aquático. gás ou fu‑ maça. mesmo em pe‑ quena quantidade. (NBR 7501:2005) Substância tóxica Substância capaz de provocar a morte. como resultado de reações químicas exotérmicas auto‑sustentáveis e não‑detonantes. (NBR 14725‑1:2009) b) Substâncias e preparações cuja inalação. ou mistura de substâncias. (NBR 14725‑1:2009) Toxicidade aquática aguda Propriedade de uma substância causar efeitos adversos a um organismo aquático em um curto intervalo de exposição. como também no desenvolvimento de seus descendentes. ingeridas ou absorvidas através da pele.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Substância Elemento químico e seus compostos no estado natural ou obtidos por qualquer processo de produção. (Directiva 2008/98/CE) Toxicidade aguda Efeitos adversos que se manifestam após a administração de uma substância. em caso de emergência. inalada ou se entrar em contato com a pele. som. (NBR 14725‑1:2009) Substância pirotécnica Substância. saúde e meio ambiente relaciona‑ da(s) a produtos químicos. (NBR 14725‑1:2009) Tóxicas Substâncias e preparações que. (NBR 14725‑1:2009) 107 . concebida para produzir um efeito de calor. se ingerida. de uma única dose ou múltiplas doses num intervalo de 24 h. (Directiva 92/32/CEE) Toxicidade à reprodução a) Substância que reconhecidamente produza efeitos adversos na função sexual ou na fertilidade de machos e fêmeas adultos. durante exposições determinadas em relação ao ciclo de vida do organismo.

Transbordo Transferência de carga de uma unidade de transporte para outra. O termo inclui tanto os transportadores comerciais quanto os de carga própria. induzidos pelo aspecto e características do produto. técnica ou processo que modifique as características dos riscos ine‑ rentes aos resíduos. organização ou governo que efetua o transporte de produtos perigosos por qualquer modalidade de transporte. as condições de segurança para o transporte entre o estabelecimento gerador e o local do tratamento. tal como armazenagem. observadas nestes casos.ministério da Saúde Tóxico Substâncias e preparações (incluindo as substâncias e preparações muito tóxicas) cuja inalação. (NBR 14725‑1:2009) 108 . Os sistemas para tratamento de resíduos de serviços de saúde devem ser objeto de licenciamento ambiental. (NBR 14725‑1:2009) Usuário Parte que recebe um produto químico de um fornecedor para uso industrial ou profissional.(Directiva 2008/98/CE – Resíduos perigosos) Trabalho em Contenção Atividade com agentes biológicos patogênicos ou potencialmente patogênicos em condições que não permitam seu escape ou liberação para o ambiente. (NBR 7501:2005) Transportador Qualquer pessoa. reduzindo ou eliminando o risco de contaminação. (RDC 306:2004) U Uso indevido Uso de um produto ou processo sob condições ou para propósitos não indicados pelo fornecedor. (RDC 306:2004) Tratamento Consiste na aplicação de método. O tratamento pode ser aplicado no próprio estabelecimento gerador ou em outro estabelecimento. embalagem ou distribuição. agudo ou crónico para a saúde e inclusivamente causar a morte. mas que possam acontecer. de acidentes ocupacionais ou de dano ao meio ambiente. podendo ser realizada em pequena ou grande escala. combinado com ou resul‑ tante de comportamento humano previsível. ingestão ou penetração cutânea pode representar um risco grave. processamento. manuseio. 237/1997 e são passíveis de fiscalização e de controle pelos órgãos de vigilância sanitária e de meio ambiente. (NBR 7501:2005) Transporte Interno Consiste no traslado dos resíduos dos pontos de geração até local destinado ao armazenamento tempo‑ rário ou armazenamento externo com a finalidade de apresentação para a coleta. de acordo com a Resolução Conama nº. (NBR 7501:2005) Transporte de resíduos Toda movimentação de resíduos por qualquer modalidade de transporte.

podendo ser feita manualmente ou por meio de máquina. A terra é retirada com retro‑ escavadeira ou trator e deve ficar próxima das valas para. Esta técnica é chamada de Célula Especial de Resíduos de Serviços de Saúde e pode ser empregada em pequenos municípios. Os veículos de coleta depositam os resíduos sem compactação diretamente no interior da vala.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos V Vala séptica As valas sépticas são trincheiras escavadas para receber resíduos. 109 . ter lar‑ gura e profundidade proporcionais à quantidade de lixo a ser aterrada. ser usada na cobertura diária dos resíduos. (RDC 306:2004) Veículo utilizado para a coleta externa e transporte de resíduos com características que variam de acordo com o tipo do resíduo transportado. e no final do dia é efetuada sua cobertura com terra. Vapor Formas gasosas de substâncias normalmente sólidas ou líquidas nas condições normais de pressão e temperatura. posteriormente. definidas pela legislação para garantir a segurança do transporte . (NBR 7501:2005) Veículo coletor Veículo utilizado para a coleta externa e o transporte de resíduos de serviços de saúde. Devem ser impermeabilizadas.

.

Classificação dos Resíduos cerá este capítulo.004 ABNT NBR 13 .3. o leitor conhe os N resídu algumas classificações de ções: conforme as Resolu ABNT NBR 10 .221 ANT T 420 a 358 Anvisa 306 / Conam .

.

hospitalar. cor. não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água.1 Resíduos classe I – Perigosos Aqueles que apresentam periculosidade (característica apresentada por um resíduo que.1 Classificação de Resíduos Sólidos – ABNT NBR 10. dureza e sabor. b) Resíduos Classe II B – Inertes Quaisquer resíduos que.004:2004 A Norma classifica os resíduos sólidos1 quanto aos seus riscos potenciais ao meio ambiente e à saúde pública. e submetidos a um contato dinâmico e estático com água destilada ou deionizada. quando o resíduo for gerenciado de forma inadequada). Também são classificados como resíduos perigosos os que apresentem características de inflamabi‑ lidade. em função de suas propriedades físicas. reatividade. segundo a ABNT NBR 10007. provocando mortalidade. conforme anexo G da ABNT NBR 10004. aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição. turbidez. agrí‑ cola. químicas ou infecto‑contagiosas. ou exijam para isso soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível. incidência de doenças ou acentuando seus índices e/ou riscos ao meio am‑ biente. tais como: biodegrabilidade. excetuando‑se aspecto.1. Os resíduos classe II A podem ter propriedades. 3. toxicidade. doméstica. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água. comercial. conforme ABNT NBR 10006. Os resíduos são classificados em: ► Resíduos classe I – Perigosos ► Resíduos classe II – Não Perigosos – Resíduos classe II A – Não inertes – Resíduos classe II B – Inertes 3. podem apresentar risco à saúde pública. combustibilidade ou solubili‑ dade em água. ou constem dos anexos A ou B da NBR 10004:2004 da ABNT.1. Resíduos nos estados sólido e semi‑sólido. que resultam de atividades de origem industrial. bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água. 1 113 . para que possam ser gerenciados adequadamente. corrosividade. à temperatura ambien‑ te. de serviços e de varrição. patogenicidade. quando amostrados de forma representativa.2 Resíduos classe II – Não Perigosos a) Resíduos Classe II A – Não inertes Aqueles que não se enquadram nas classificações de resíduos Classe I ou de resíduos Classe II B.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 3.

mas se for classificado como resíduo perigoso. Figura 1 – Fluxograma para o transporte de Resíduos Perigosos Veri car se o produto que gerou o resíduo consta da listagem da Resolução 420 Sim Classi car de acordo com a listagem resíduos consta da Resolução 420 Não Resíduo Classe I de Acordo com a NBR 10004 ? Sim Classi car com o nº ONU Não Classi car como não perigoso para o transporte 114 . à Re‑ solução 420 da ANTT e às ABNT NBR 7500. considerando os respectivos riscos e critérios.ministério da Saúde 3. deve ser transportado como pertencente à classe 9 (Figura 1).2 Transporte Terrestre de Resíduos – ABNT NBR 13. 7501. O resíduo não se enquadrar em nenhum dos critérios estabelecidos pelas classes de risco de 1 a 9. de acordo com as exigências prescritas para a classe e subclasse apropriada. A classificação do resíduo deve atender ao Anexo da Resolução 420 da ANTT.221:2005 Todo transporte por meio terrestre de resíduos perigosos deve obedecer ao Decreto nº 96004. classe I pela NBR 10004. 7503 e 9735.

mas sem risco de explosão em massa. com risco de explosão em massa. ou ambos. A referência utilizada foi a preparada pelo Comitê de Peritos das Nações Unidas sobre o Transporte de Produtos Perigosos (publicações ST/SG/Ac. 115 . Essas classes e subclasses são: Classe 1: Explosivos Subclasse 1 . Algumas dessas classes são subdivididas em subclasses.1 – Substâncias e artigos com risco de explosão em massa. Subclasse 4 .2: Substâncias sujeitas à combustão espontânea. Classe 3: Líquidos inflamáveis Classe 4: Sólidos inflamáveis. substâncias que. em contato com água. emitem gases inflamáveis. 11 e 12). ANTT. Subclasse 4 . Classe 5: Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos Subclasse 5 .HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 3. da Agência Nacional de Transporte Terrestre. Subclasse 5 .3 Classificação para Transporte de Resíduos Perigosos – ANTT n° 420:2004 A classificação adotada para os produtos considerados perigosos para o transporte terrestre tem como referência a Resolução nº 420. Subclasse 1 .1 – Gases inflamáveis. Subclasse 1 .2 – Substâncias e artigos com risco de projeção. Subclasse 4 . substâncias auto‑reagentes e explosivos sólidos insensibilizados.3: Substâncias que. não‑tóxicos. Subclasse 1 .6 – Artigos extremamente insensíveis.1: Sólidos inflamáveis. substâncias sujeitas à combustão espontânea. 10/1/Ver. Subclasse 1 .3 – Gases tóxicos.4 – Substâncias e artigos que não apresentam risco significativo. Subclasse 2 .2: Peróxidos orgânicos.2 – Gases não‑inflamáveis. de 12 de fevereiro de 2004.1: Substâncias oxidantes. em contato com água. mas sem risco de explosão em massa. Subclasse 1 .3 – Substâncias e artigos com risco de fogo e com pequeno risco de explosão ou de projeção. emitem gases inflamáveis.5 – Substâncias muito insensíveis. sem risco de explosão em massa. As substâncias (incluindo misturas e soluções) e artigos sujeitos a Resolução 420 são classificados em nove classes de acordo com o risco ou o mais sério dos riscos que apresentam. Subclasse 2 . Classe 2: Gases Subclasse 2 .

incineração ou qualquer outro processo de disposição final. ou estão contaminados por um ou mais produtos sujeitos às disposições da Resolução nº 420 e suas Instru‑ ções Complementares. para efeitos de transporte.1: Substâncias tóxicas. mas que são transportados para fins de despejo. podem ser transportados como pertencentes à Classe 9. Subclasse 6 . soluções.2: Substâncias infectantes. são substâncias. 116 . Resíduos que não se enquadrem nos critérios aqui estabelecidos. Resíduos. misturas ou artigos que contêm. Classe 7: Material radioativo Classe 8: Substâncias corrosivas Classe 9: Substâncias e artigos perigosos diversos A ordem numérica das classes e subclasses não corresponde ao grau de risco. para os quais não seja prevista utilização direta.ministério da Saúde Classe 6: Substâncias tóxicas e substâncias infectantes Subclasse 6 .

peças anatômicas (membros) do ser humano. meios de cultu‑ ra e instrumentais utilizados para transferência. ► ► ► b) A2 ► c) A3 ► 117 . de 7 de dezembro de 2004. bem como suas forrações. resíduos de fabricação de produtos biológicos. inoculação ou mistura de culturas. microrganismos com relevância epide‑ miológica e risco de disseminação ou causador de doença emergente que se torne epidemio‑ logicamente importante ou cujo mecanismo de transmissão seja desconhecido. podem apresentar risco de infecção. vísceras e outros resíduos provenientes de animais submetidos a processos de experimentação com inoculação de microorganismos.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 3. com peso menor que 500 gramas ou estatura menor que 25 centímetros ou idade gestacional menor que 20 semanas. e a Resolução Conama 358. peças anatômicas. de 29 de abril de 2005. sobras de amostras de laboratório contendo sangue ou líquidos corpóreos. I – GRUPO A Resíduos com a possível presença de agentes biológicos que. com suspeita ou certeza de contaminação biológica por agentes classe de risco 4. carcaças. produto de fecundação sem sinais vitais. que não tenham valor científico ou legal e não tenha havido requisição pelo paciente ou familiares. resíduos resultantes da atenção à saúde de indivíduos ou animais. ou com prazo de validade vencido. Estas resoluções estão harmonizadas e compartilham da mesma classificação. bolsas transfusionais contendo sangue ou hemocomponentes rejeitadas por contaminação ou por má conservação. que foram submetidos ou não a estudo anáto‑ mo‑patológico ou confirmação diagnóstica. exceto os hemoderivados. e os cadáveres de animais suspeitos de serem portadores de microrganismos de relevância epidemiológica e com risco de disseminação. resíduos de laboratórios de manipulação genética. recipientes e ma‑ teriais resultantes do processo de assistência à saúde. por suas características de maior viru‑ lência ou concentração. a) A1 ► culturas e estoques de microrganismos. e aquelas oriundas de coleta incom‑ pleta. contendo sangue ou líquidos corpóreos na forma livre.4 Classificação dos Resíduos de Serviços de Saúde – Anvisa 306/04 / Conama 358/05 Classificação adotada para Resíduos de Serviços de Saúde que tem como referência a Resolução Anvisa 306. descarte de vacinas de microrganismos vivos ou atenuados.

corrosividade. fluidos orgânicos. que não contenha sangue ou líquidos corpóreos na forma livre. resíduos de tecido adiposo proveniente de lipoaspiração. com suspeita ou certeza de contami‑ nação com príons. efluentes de processadores de imagem (reveladores e fixadores). e bolsas transfusionais vazias ou com volume residual pós‑transfusão. desinfestantes. inflamáveis e reativos). peças anatômicas (órgãos e tecidos) e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou de estudos anátomopatológicos ou de confirmação diagnóstica. e demais produtos considerados perigosos. ou microrganis‑ mo causador de doença emergente que se torne epidemiologicamente importante ou cujo mecanismo de transmissão seja desconhecido ou com suspeita de contaminação com príons. ► ► ► ► 118 . filtros de ar e gases aspirados de área contaminada. endovenosas e dialisadores. corrosivos. dependendo de suas características de inflamabilidade. anti‑retrovirais. resíduos contendo metais pesados. carcaças. inclusive os recipientes contaminados por estes. sobras de amostras de laboratório e seus recipientes contendo fezes. lipoescultura ou outro procedimento de cirurgia plástica que gere este tipo de resíduo. conforme classificação da NBR 10.ministério da Saúde d) A4 ► ► kits de linhas arteriais. ► produtos hormonais e produtos antimicrobianos. recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde. vísceras e outros resíduos provenientes de animais não submetidos a processos de experimentação com inoculação de microorganismos. imunossupresso‑ res. quando descartados por serviços de saúde. membrana filtrante de equipamento médi‑ co‑hospitalar e de pesquisa. entre outros similares. digitálicos. drogarias e distribuidores de medicamentos ou apreendidos e os resíduos e insumos farmacêuticos dos medicamentos controlados pela Portaria MS 344/98 e suas atualizações. materiais perfurocortantes ou escarificantes e demais materiais resultantes da atenção à saúde de indivíduos ou animais. e nem apresentem relevância epidemiológica e risco de disseminação. desinfetantes. farmácias. imunomoduladores. órgãos. urina e secreções. peças anatômicas. tecidos. antineoplásicos.004 da ABNT (tóxi‑ cos. bem como suas forrações. prove‑ nientes de pacientes que não contenham e nem sejam suspeitos de conter agentes Classe de Risco 4. ► ► ► ► ► ► e) A5 ► II – GRUPO B: Resíduos contendo substâncias químicas que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente. citostáticos. reagen‑ tes para laboratório. reatividade e toxicidade. efluentes dos equipamentos automatizados utilizados em análises clínicas. quando descartados. resíduos de saneantes.

119 . ► papel de uso sanitário e fralda. lâminas e lamínulas. absorventes higiênicos. ► ► ► ► ► V – GRUPO E: ► Materiais perfurocortantes ou escarificantes. micropipetas. brocas. lancetas. IV – GRUPO D: Resíduos que não apresentem risco biológico. flores. limas endodônticas. laboratórios de análises clínicas e serviços de medicina nuclear e radioterapia que contenham radionuclídeos em quantidade superior aos limites de eliminação. tubos capilares. resto alimentar de refeitório. ampolas de vidro. espátulas. químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente. e todos os utensílios de vidro que‑ brados no laboratório (pipetas. ► enquadram‑se neste grupo quaisquer materiais resultantes de laboratórios de pesquisa e ensino na área de saúde. podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares. peças descartáveis de vestuário. tais como: lâminas de barbear.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos III – GRUPO C: Quaisquer materiais resultantes de atividades humanas que contenham radionuclídeos em quanti‑ dades superiores aos limites de eliminação especificados nas normas da Comissão Nacional de Energia Nuclear‑CNEN e para os quais a reutilização é imprópria ou não prevista. escalpes. sobras de alimentos e do preparo de alimentos. e resíduos de gesso provenientes de assistência à saúde. equipo de soro e outros similares não classificados como A1. agulhas. resíduos provenientes das áreas administrativas. pontas diamantadas. tubos de coleta sanguínea e placas de Petri) e outros similares. resíduos de varrição. material utilizado em anti‑sepsia e hemostasia de venóclises. podas e jardins. lâminas de bisturi. resto alimentar de paciente.

.

com . o leitor conh N manejo informações pertinentes ao uns. de resíduos biológicos. perfurocortantes e químicos .4. Manejo de resíduos: orientações gerais ecerá este capítulo.

.

bem como aquelas oriundas de coleta incompleta. D e E. resíduos de laboratórios de manipulação genética. os riscos de infecção podem ser maiores ou menores de acordo com as características de cada microrganismo e de cada resíduo. dispõe sobre o Regulamento Técnico para o Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) e classifica todos os resíduos nos grupos A. A3. por suas características. de 7 de dezembro de 2004. urina e secreções prove‑ nientes de pacientes que não contenham e nem sejam suspeitos de conter agentes de classe de risco 4. podem apresentar risco de infecção”. C. quando descartados. Bolsas transfusionais contendo sangue ou hemocomponentes rejeitadas por contaminação. B. entre outros similares. A4 e A5. recipientes e ma‑ teriais resultantes do processo de assistência à saúde. ► 123 . meios de cultura e instrumentais utilizados para transferência.1 Resíduos Biológicos (GRUPO A) 4. descarte de vacinas de microrganismos vivos ou atenuados. contendo sangue ou líquidos corpóreos na forma livre. Baseando‑se nesse conceito. ► Filtros de ar e gases aspirados de área contaminada. Nos serviços de Hemoterapia e Hematologia.1 Classificação De acordo com a classificação da RDC 306. resíduos de fabricação de produtos biológicos. o grupo A foi dividido em 5 subgrupos: A1. os resíduos gerados do grupo A são. ex‑ ceto os hemoderivados.1. ou microrganismo causador de doença emergente que se torne epidemiologicamente importante ou cujo meca‑ nismo de transmissão seja desconhecido ou esteja com suspeita de contaminação com príons. geralmente.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos A Resolução RDC nº 306. inoculação ou mistura de culturas. 4. os dos subgrupos A1 e A4. os resíduos do grupo A “são os resíduos com a possível presença de agentes biológicos que. Subgrupo A1: ► Culturas e estoques de micro‑organismos. e nem apresentem relevância epidemiológica e risco de disseminação. membrana filtrante de equipamento médico hospitalar e de pesquisa. Sobras de amostras de laboratório contendo sangue ou líquidos corpóreos. A2. por má conservação ou com prazo de validade vencido. endovenosas e dialisadores. ► Resíduos resultantes da atenção à saúde de indivíduos ou animais com suspeita ou certeza de contaminação biológica por agentes de classe de risco 4. Sobras de amostras de laboratório e seus recipientes contendo fezes. microrganismos com relevância epidemiológica e risco de disseminação ou causador de doença emergente que se torne epide‑ miologicamente importante ou cujo mecanismo de transmissão seja desconhecido. ► ► Subgrupo A4: ► Kits de linhas arteriais. Para garantir a segurança no manejo desses resíduos.

coleta e transporte externo.1. transporte interno. de acordo com o seguinte fluxo de atividades descrito na Figura 1. acon‑ dicionamento. vísceras e outros resíduos provenientes de animais não submetidos a processos de experimentação com inoculação de microrganismos. Peças anatômicas (órgãos e tecidos) e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou de estudos anátomo‑patológicos ou de confirmação diagnóstica. segregação. Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde que não contenham san‑ gue ou líquidos corpóreos na forma livre. Bolsas transfusionais vazias ou com volume residual pós‑transfusão. 124 . incluindo as etapas de classificação. Carcaças. bem como suas forrações. armazenamento externo.2 Manejo de Resíduos Biológicos Manejo: ação de gerenciar os resíduos em seus aspectos de dentro (intra) e de fora (extra) do estabe‑ lecimento. tratamento e disposição final. coleta interna. peças anatômicas. ► ► ► ► 4. lipoescultura ou outro procedimento de cirurgia plástica que gere este tipo de resíduo. desde a geração até a disposição final. armazenamento temporário.ministério da Saúde ► Resíduos de tecido adiposo proveniente de lipoaspiração.

de acordo com sua classificação. c) Acondicionamento – ato de embalar os resíduos em sacos ou recipientes adequados às caracte‑ rísticas do resíduo. Os recipientes devem ter uma capacidade de acondicionamento compatível com a quantidade de resíduos gerados entre os intervalos de coleta interna. a) Classificação – resultado da análise dos riscos e das características físicas.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Classi cação Segregação Coleta Interna Acondicionamento Armazenamento Temporário Transporte Interno Armazenamento Externo Tratamento Coleta e Transporte Externo Disposição Final Figura 1 – Fluxo de atividades do manejo de resíduos biológicos. cujo manejo adequado depende da classificação correta. de forma que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura. 125 . É a primeira e mais impor‑ tante etapa do gerenciamento de resíduos. A simbologia encontra‑se no Quadro 1. químicas e biológicas do resíduo com o objetivo de enquadrá‑lo nos requisitos da RDC 306. Os sacos e recipientes mostrados nas Figuras 4. b) Segregação – separação dos resíduos no momento e local de sua geração. 5 e 6 são os recomendados pela legislação vigente.

126 .ministério da Saúde Figura 2 – Saco para acondicionamento de RSS dos subgrupos A1 e A4: saco branco leitoso com símbolo de infectante e características descritas na NBR 9191/2000. A3 e A5: saco vermelho com símbolo de infectante. Figura 3 – Saco para acondicionamento de RSS dos subgrupos A1. Figura 4 – Modelos de lixeiras com tampas acionadas por pedal. da ABNT.

máscara e botas) e resíduo transportado em carro coletor fechado. Figura 5 – Coleta de RSS do grupo A. Os tipos de coleta são: ► Coleta em dois tempos (coleta 1 e coleta 2): feita com o objetivo de otimizar a coleta quando a distância entre o local de geração e o abrigo externo é grande. o armazenamento temporário é usado nas coletas feitas em dois tempos e destina‑se à guarda dos resíduos coletados na coleta 1. identificado com símbolo de infectante e exclusivo para resíduos infectantes. 127 . Deve ser feita em carros coletores fe‑ chados. podem Saco plástico branco leitoso com apresentar risco de símbolo de infectante e com infecção”. – Coleta 2: do local de armazenamento temporário até o abrigo externo. de acordo com a distân‑ cia entre os pontos de geração dos resíduos e o abrigo externo (Figura 5).HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Quadro 1 – Características dos recipientes para acondicionamento dos resíduos biológicos e sua respectiva simbologia. Funcionário com EPIs (avental longo impermeável. por suas infectante. Pode ser feita de duas maneiras. próximo aos pontos de geração. – Coleta 1: do ponto de geração até o local de armazenamento temporário*. da ABNT. em horários pré‑estabelecidos. luvas de borracha. características. características definidas na NBR 9191/2000. e) Armazenamento Temporário* – guarda dos resíduos em um local destinado ao armazenamento temporário. Subgrupos Descrição Recipientes para acondicionamento Simbologia A1 e A4 “Resíduos com a possível Recipiente de plástico (com tampa e presença de agentes pedal) identificado com o símbolo de biológicos que. d) Coleta Interna – retirada dos resíduos do local de geração. ► Coleta única: feita quando a distância entre o ponto de geração até o abrigo externo é pequena.

Neste caso. g) Armazenamento Externo – guarda dos recipientes de resíduos até a realização da coleta externa em ambiente exclusivo e com acesso facilitado para os veículos coletores (Figuras 6 e 7). 128 . com área exclusiva para resíduos radioativos.ministério da Saúde f ) Transporte Interno – traslado dos resíduos dos pontos de geração até o local destinado ao ar‑ mazenamento temporário e/ou ao local de armazenamento externo. Figura 6 – Exemplo de um abrigo de resíduos. químicos e infectantes.

h) Coleta e Transporte Externos – atividades de remoção dos RSS do local de armazenamento externo – abrigo externo de resíduos – até a unidade de tratamento externo ou a disposição final. devendo estar de acordo com as orientações dos órgãos de limpeza urbana. 129 . não compactador (Figura 8). utilizando‑se técnicas que garantam a preservação das condições de acondicionamento dos RSS e a integridade dos trabalhadores. O transporte dos RSS deve ser feito em caminhão fechado. da população e do meio ambiente.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Figura 7 – Exemplo de planta baixa de um abrigo de resíduos de serviços de saúde.

o que realmente esteriliza é o calor úmido. i) Tratamento dos Resíduos Biológicos Consiste na aplicação de método. reduzindo ou eliminando o risco de contaminação. Alguns aspectos são importantes para garantir a eficácia desse processo: – os resíduos devem estar distribuídos no interior do equipamento de maneira que permita a circulação e o contato do vapor com todo o conteúdo que está sendo processado. Existem diferentes tipos de tratamentos reconhecidos como adequados pela Anvisa. técnica ou processo que modifique as características inerentes aos resíduos. por tempo de ex‑ posição que varia de 5 a 30 minutos. A autoclave é um equipamento que combina temperatura (121º C a 132º C). 130 . ocasionando a morte dos micro‑organismos (Figura 9).ministério da Saúde Figura 8 – Exemplo de caminhão adequado para o transporte de resíduos biológicos. incluindo materiais espessos. que causa a termocoagulação e a desnaturação das pro‑ teínas citoplasmáticas. ► Autoclavação de Resíduos é um processo de tratamento feito em autoclaves. Na autoclave. vapor e pressão. – o processo deve ser validado e monitorado regularmente. pois garantem o tratamento eficaz desses resíduos. A soma desses três fatores favorece a penetração do calor nos materiais submetidos a esse processo. O tratamento pode ser aplicado no próprio estabelecimento gerador (tratamento interno) ou em outro estabelecimento (tratamento externo). de acidentes ocupacionais ou de dano ao meio ambiente.

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Vantagens: – sistema limpo. – pode ser realizado dentro da instituição. Desvantagens: – alto custo para implantação e controle ambiental. Vantagens: – pode ser usado para qualquer tipo de resíduo infectante. – não reduz peso e volume. não produz resíduos tóxicos ou contaminantes. – exige pessoal treinado. – requer pessoal qualificado. Desvantagens: – alto custo do equipamento. os resíduos são considerados resíduos comuns. – requer dispositivo acoplado ao equipamento que descaracterize os resíduos para que pos‑ sam ser classificados como resíduos comuns. – gera cinzas e gases. – riscos biológicos devido à necessidade de manipulação dos resíduos antes e após o tra‑ tamento. Figura 9 – Autoclave convencional. ► Incineração é um processo de tratamento de resíduos por oxidação térmica (combustão) no qual os materiais orgânicos presentes nos resíduos são completamente queimados e transformados em água (H2O) e gás carbônico (CO2) (Figura 10). 131 . – destrói microrganismos patogênicos e matéria orgânica. na própria fonte de geração. – após o tratamento. – redução importante do volume.

desinfetando‑os. – requer pessoal qualificado. os resíduos triturados e umidificados são lançados em uma segunda câmara. 132 . Em seguida. os resíduos são lançados em contêineres para a disposição final como resíduos comuns (Figura 11). Após essa fase. Vantagens: – redução do volume do resíduo de 60 a 90%. Desvantagens: – alto custo para implantação e controle ambiental. – não aceita materiais metálicos.ministério da Saúde Figura 10 – Incinerador ► Micro‑ondas é um processo de tratamento em que todos resíduos infectantes são inseridos em uma câmara de tratamento do equipamento onde são triturados e aquecidos a 130º. onde são submetidos a uma série de micro‑ondas. que aquecem os resíduos a uma temperatura entre 95 a 100º C por 30 minutos.

De acordo com a norma ABNT/ NBR 8419:1984. – flexibilidade de operação. sem causar danos à saúde pública e à sua segurança. j) Disposição Final – disposição de resíduos em local adequado para RSS. – necessidade de material de cobertura. No entanto. – recuperação de áreas degradadas. É importante ressaltar que o acondicionamento dos resíduos na fase inicial do manejo está diretamente relacionado com todas as etapas do manejo até a disposição final. – necessidade de grandes áreas. – dependência das condições climáticas. ► Aterro Sanitário – método de disposição do resíduo no solo sem que cause danos ao meio ambiente e não provoque moléstias ou perigos à saúde pública. se for ne‑ cessário” (Figuras 12 e 13). Vantagens: – baixo custo.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Figura 11 – Equipamento micro‑ondas. minimizando os impactos ambientais. cobrindo‑os com uma camada de terra na conclusão de cada jornada de trabalho ou a intervalos menores. Desvantagens: – longa imobilização do terreno. – não requer pessoal altamente qualificado. aterro sanitário de resíduos sólidos urbanos é a “técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo. Este método utiliza princípios de engenharia para confinar os resíduos sólidos à menor área possível e reduzi‑los ao menor volume permissível. como as valas sépticas. A legislação recomenda que os resíduos sejam dispostos em aterros sanitários. 133 . outras técnicas de disposição também podem ser usadas.

ministério da Saúde

Figura 12 – Corte da seção de um aterro sanitário.

Figura 13 – Sistemas de drenagem de chorume e gás metano gerados no aterro sanitário no processo de decomposição do lixo.

Vala Séptica – O uso de valas sépticas para aterramento de resíduos é uma das formas mais antigas de aterrar lixo. A técnica de aterramento dos resíduos de serviços de saúde nas valas sépticas consiste no uso de trincheiras (valas) de aproximadamente 3m de largura por 3m de profundidade de comprimento variável. O solo retirado para se fazer a trincheira deve ser arma‑ zenado para ser usado na cobertura do resíduo lançado nas valas. Assim, após o lançamento de resíduos na trincheira, estes são cobertos com terra (Figura 14).

134

HematoloGia e Hemoterapia

Guia de manejo de resíduos

Figura 14 – Vala séptica.

4.2 Resíduos Comuns (GRUPO D)
São os resíduos gerados nas instituições de saúde que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico e podem ser equiparados aos resíduos domiciliares. Classificam‑se em resíduos não recicláveis e resíduos recicláveis.

4.2.1 Classificação

Resíduos comuns não recicláveis – resíduos de materiais que não podem ser submetidos ao reuso ou à reciclagem. Podem ser orgânicos ou inorgânicos. Resíduos comuns não recicláveis orgânicos – representados principalmente pelos restos ali‑ mentares gerados nos refeitórios e nas copas de funcionários, bem pelos restos alimentares de pacientes.

135

ministério da Saúde

Resíduos comuns não recicláveis inorgânicos – representados por papel higiênico, absorventes higiênicos, fraldas, peças descartáveis de vestuário, material utilizado em antissepsia e hemostasia de venóclises, papel toalha, guardanapos usados, toco de cigarro, papel carbono, papéis metali‑ zados, fotografias, papéis plastificados, fitas e etiquetas adesivas, papel parafinado, papéis sujos de graxa, gordura e alimentos; ebonite (cabos de panelas e tomadas); embalagens de biscoito, de salgados (tipo elma chips, batatas), de macarrão; espelhos; vidros planos (janelas e box de banheiros); lâmpadas incandescentes e fluorescentes; cerâmica e porcelana; tubos e válvulas de TV; cristais; utensílios de vidro temperado, pirex e marinex; vidros de automóveis; esponjas de aço, resíduos de varrição, flores, podas de jardins. Resíduos comuns recicláveis – resíduos de materiais que podem ser submetidos ao reuso ou à reciclagem, como papeis, plásticos, vidros e metais. – Papel e papelão recicláveis: papéis, aparas de papel, jornal, copos, revistas, livros, papel vegetal, impressos em geral, envelopes, papel timbrado, embalagem longa vida, cartões, cartolinas, fotocópias, papel de fax, formulário de computador, cadernos, agendas, caixas de papelão. DICAS: Não amasse, não molhe, não rasgue o papel. Antes de descartá‑lo, reutilize‑o como rascunho. – Plásticos recicláveis: plásticos, embalagens de refrigerantes, de materiais de limpeza e de alimentos diversos, copos plásticos, canos, tubos, sacos plásticos, embalagens tetra‑pak (mistura de papel, plástico e metal), embalagens de biscoitos, embalagem de margarina e manteiga, embalagens plásticas com simbologia de reciclável (*). – Vidros recicláveis: vidros em geral, embalagens com símbolo de reciclável (*). – Metais recicláveis: latas de alumínio, sucatas de reformas, latas de folhas de flandres (latas de óleo, salsicha, goiabada, azeite, leite em pó, ervilha, Nescau, milho, etc.), tampinhas, arames, pregos, parafusos, objetos de cobre, alumínio, bronze, ferro, chumbo, zinco, em‑ balagens de marmitex, panelas, desodorante spray, clipes, grampos, embalagens com sim‑ bologia de reciclável (*).

4.2.2 Manejo de Resíduos Comuns
Manejo é a ação de gerenciar os resíduos em seus aspectos de dentro (intra) e de fora (extra) do es‑ tabelecimento, desde a geração até a disposição final, incluindo as etapas de classificação, segregação, acondicionamento, coleta interna, armazenamento temporário, transporte interno, armazenamento ex‑ terno, coleta e transporte externo, tratamento e disposição final, de acordo com o fluxo de atividades mostrado na Figura 15.

136

HematoloGia e Hemoterapia

Guia de manejo de resíduos

Classi cação

Segregação

Coleta Interna

Acondicionamento

Armazenamento Temporário Transporte Interno Armazenamento Externo Tratamento Coleta e Transporte Externo

Disposição Final
Figura 15 – Fluxo de atividades do manejo de resíduos comuns. a) Classificação é o resultado da análise dos riscos e das características físicas, químicas, biológicas do resíduo com o objetivo de enquadrá‑lo nos requisitos da RDC 306. É a primeira e mais impor‑ tante etapa do gerenciamento de resíduos, cujo manejo adequado depende da classificação correta. b) Segregação é a separação dos resíduos no momento e local de sua geração, de acordo com sua classificação.

Figura 16 – Sacos plásticos para acondicionamento de resíduos comuns.

137

138 . de forma que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e rup‑ tura (Quadro 2). Metal: saco plástico amarelo em recipiente de plástico com tampa acionada por pedal. Figura 17 – Modelo de lixeira com tampa acionada por pedal para resíduos comuns. Os sacos e recipientes mostrados nas Figuras 16 e 17 são os recomendados pela legislação vigente. Quadro 2 – Características dos recipientes para acondicionamento dos resíduos comuns.ministério da Saúde c) Acondicionamento é o ato de embalar os resíduos em sacos ou recipientes adequados às carac‑ terísticas do resíduo. Plástico: saco plástico vermelho em recipiente de plástico com tampa acionada por pedal. constantes de cada respectivo grupo. d) Identificação é o conjunto de medidas usadas para permitir o reconhecimento dos resíduos con‑ tidos nos sacos e recipientes. Vidro: saco plástico verde em recipiente de plástico com tampa acionada por pedal. Grupo D Descrição Não recicláveis Recicláveis Recipientes para acondicionamento Saco plástico preto em recipiente de plástico com tampa acionada por pedal. A capacidade dos recipientes de acondicionamento deve ser compatível com a quantidade de resíduos gerados entre os intervalos de coleta interna. bem como nos locais de armazenamento. como a cor do saco plástico e a simbologia. Papéis: saco plástico azul em recipiente de plástico com tampa acionada por pedal. fornecendo informações para o correto manejo dos RSS. recicláveis e não recicláveis.

139 . Os tipos de coleta são: ► Coleta em 2 tempos (coleta 1 e coleta 2): feita com o objetivo de otimizar a coleta quando a distância entre o local de geração e o abrigo externo é grande. f ) Transporte Interno é o traslado dos resíduos dos pontos de geração até o local destinado ao armazenamento temporário e/ou ao local de armazenamento externo. i) Coleta e Transporte Externos referem‑se à remoção dos resíduos do local de armazenamento externo – abrigo externo de resíduos – até a unidade de disposição final. da população e do meio ambiente. recicláveis e reciclados. A existência desses locais agiliza a coleta dentro do estabelecimento e otimiza o deslocamento entre esses pontos geradores e o local de armazenamento externo.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Alumínio Aço Vidro Longa vida reciclável 65% Plástico Lixo comum Reciclável (o valor % indica o conteúdo reciclado) Reciclado Figura 18 – Simbologia para identificação dos resíduos comuns. e) Coleta Interna é a retirada dos resíduos do local de geração. devendo estar de acordo com as orientações dos órgãos de limpeza urbana. utilizando‑se técnicas que garantam a preservação das condições de acondicionamento dos RSS e a integridade dos trabalhadores. – Coleta 1: do ponto de geração até o local de armazenamento temporário. g) Armazenamento Temporário é a guarda temporária dos recipientes com os resíduos retirados dos pontos de geração. O local destinado ao armazenamento temporário deve ser próximo aos pontos de geração. Deve ser feita em carros coletores fechados. ► Coleta única: feita quando a distância entre o ponto de geração até o abrigo externo é pequena. h) Armazenamento Externo é a guarda dos recipientes de resíduos até a realização da coleta exter‑ na em ambiente exclusivo e com acesso facilitado para os veículos coletores. O transporte dos resíduos comuns não recicláveis pode ser feito em caminhões compactadores (Figura 19). Pode ser feita de 2 maneiras. em horários pré‑estabelecidos.* – Coleta 2: do local de armazenamento temporário até o abrigo externo. de acordo com a distância entre os pontos de geração dos resíduos e o abrigo externo.

destrói micro‑organismos da matéria orgânica. redução importante do volume. Desvantagens: ► ► 140 . requer pessoal qualificado. alto custo para implantação e controle ambiental. Vantagens: ► ► ► ► pode ser usado para qualquer tipo de resíduo. gera cinzas e gases.ministério da Saúde Figura 19 – Exemplo de caminhão para o transporte de resíduos comuns j) Tratamento de Resíduo Comum Não Reciclável A incineração pode ser uma opção para o tratamento de resíduos comuns não recicláveis É um pro‑ cesso de tratamento por oxidação térmica (combustão). no qual as matérias orgânicas e inorgânicas presentes nos resíduos são completamente queimadas e transformadas em água (H2O) e gás carbônico (CO2) (Figuras 20 e 21).

k) Disposição Final – a legislação recomenda que os resíduos comuns sejam dispostos em aterros sanitários. Fonte: Lima. 141 . Figura 21 – Diagrama de um incinerador contínuo. 1991 .HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Figura 20 – Incinerador.

Assim. transporte interno. acondicionamento. placas de Petri. 142 . tubos capilares.3 Resíduos Perfurocortantes (GRUPO E) 4. todos os utensílios de vidro quebrado (pipetas. ampolas de vidro. lancetas. coleta interna. os resíduos perfurocortantes mais comuns são: ► Lâminas de barbear. armazenamento temporário. C ou D.ministério da Saúde 4. tubos de coleta sanguínea. coleta e transporte externo.3. Na classificação para segregação.1 Classificação Resíduos Perfurocortantes são os resíduos que por suas características físicas apresentam proprieda‑ des perfurantes e/ou cortantes. 4. B. tratamento e disposição final.3. micropipetas. lâminas de bisturi. deve ser considerada a contaminação presente na superfície desses resíduos. agulhas. Em um hemocentro. de acordo com o fluxo de atividades mostrado na Figura 22. eles podem ser classificados como resíduos do grupo A. armazenamento ex‑ terno (quando o contaminante assim o exigir). brocas. incluindo as etapas de classificação. espátulas.2 Manejo de Resíduos Perfurocortantes Manejo é a ação de gerenciar os resíduos em seus aspectos de dentro (intra) e de fora (extra) do es‑ tabelecimento. frascos de vidro em geral) e similares. segregação. lâminas e lamínulas. desde a geração até a disposição final. pontas diamantadas. escalpes. limas endodônticas.

b) Segregação é a separação dos resíduos no momento e local de sua geração. biológicas do resíduo com o objetivo de enquadrá‑lo nos requisitos da RDC 306. É a primeira e mais impor‑ tante etapa do gerenciamento de resíduos. c) Acondicionamento é o ato de embalar os resíduos em sacos ou recipientes adequados às ca‑ racterísticas do resíduo. a) Classificação é o resultado da análise dos riscos e das características físicas. O recipiente mos‑ trado na Figura 23 e o recomendado pela legislação vigente para resíduos perfurocortantes.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Classi cação Segregação Coleta Interna Acondicionamento Armazenamento Temporário Transporte Interno Armazenamento Externo Tratamento Coleta e Transporte Externo Disposição Final Figura 22 – Fluxo de atividades do manejo de resíduos perfurocortantes. 143 . de forma que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura (Quadro 3). químicas. de acordo com sua classificação. A capacidade dos recipientes de acondicionamento deve ser compatível com a quantidade de resíduos gerados entre os intervalos de coleta interna. cujo manejo adequado depende da classificação correta.

fornecendo informações para o correto manejo dos RSS. d) Identificação é o conjunto de medidas usadas para permitir o reconhecimento dos resíduos con‑ tidos nos sacos e recipientes. Perfurocortantes sem a presença de agentes biológicos. impermeável. por suas características. resistente à punctura. resistente à punctura. Caixa de papelão rígido ou recipiente de plástico rígido. resistente à punctura. bem como nos locais de armazenamento. por suas características. Recipientes para acondicionamento Simbologia E De acordo com a classe do resíduo e seu respectivo risco. impermeável. identificada com símbolo de infectante e as palavras “perfurocortante”. possam apresentar risco de contaminação química ao ambiente. identificada com o conteúdo da embalagem e a palavra “perfurocortante”.853/97. impermeável. identificada com símbolo de risco químico. Caixa de papelão rígido. como a cor do saco plástico e a simbologia. – 144 . Quadro 3 – Características dos recipientes para condicionamento dos resíduos dos grupos de RSS e sua respectiva simbologia: Grupo Descrição Perfurocortantes com a possível presença de agentes biológicos que. possam apresentar risco de infecção. Perfurocortantes com a possível presença de substâncias químicas que.ministério da Saúde Figura 23 – Coletor para resíduo perfurocortante feito em papelão rígido (1) e plástico rígido (2) com características descritas na NBR/ABNT 13. Caixa de papelão rígido ou recipiente de plástico rígido.

Pode ser feita de 2 maneiras. g) Armazenamento Temporário é a guarda temporária dos recipientes com os resíduos retirados dos pontos de geração. máscara e botas) e resíduo transportado em carro coletor fechado.* – Coleta 2: do local de armazenamento temporário até o abrigo externo. – Coleta 1: do ponto de geração até o local de armazenamento temporário. da população e do meio ambiente. 145 . Figuras 8 e 9 no Manejo dos Resíduos Biológicos). Figura 10 no Manejo dos Resíduos Biológicos). f ) Transporte Interno é o traslado dos resíduos dos pontos de geração até o local destinado ao armazenamento temporário e/ou ao local de armazenamento externo. A existência desses locais agiliza a coleta dentro do estabelecimento e otimiza o deslocamento entre esses pontos geradores e o local de armazenamento externo. Deve ser feita em carros coletores fechados. Funcionário com EPIs (avental longo impermeável. O transporte dos RSS deve ser feito em caminhão fechado. não compactador (Cf.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos e) Coleta Interna é a retirada dos resíduos do local de geração. em horários pré‑estabelecidos (Figura 24). h) Armazenamento Externo é a guarda dos recipientes de resíduos até a realização da coleta ex‑ terna em ambiente exclusivo e com acesso facilitado para os veículos coletores (Cf. devendo estar de acordo com as orientações dos órgãos de limpeza urbana. luvas de borracha. de acordo com a distância entre os pontos de geração dos resíduos e o abrigo externo. i) Coleta e Transporte Externos são as atividades de remoção dos RSS do local de armazenamento externo – abrigo externo de resíduos – até a unidade de tratamento externo ou a disposição final. identificado com símbolo de infectante e exclusivo para resíduos infectantes. Figura 24 – Coleta de resíduos perfurocortantes. utilizando‑se técnicas que garantam a preservação das condições de acondicionamento dos RSS e a integridade dos trabalhadores. Os tipos de coleta são: ► Coleta em 2 tempos (coleta 1 e coleta 2): feita com o objetivo de otimizar a coleta quando a distância entre o local de geração e o abrigo externo é grande. ► Coleta única: feita quando a distância entre o ponto de geração até o abrigo externo é pequena. O local destinado ao armazenamento temporário deve ser próximo aos pontos de geração.

imu‑ nossupressores. ► Produtos químicos perigosos: São substâncias ou misturas classificadas como perigosas para a segurança. É importante. ► ► ► ► ► ► ► 146 . do Conama. De acordo com a RDC 306/2004. 4. da Presidência da República. enquadram‑se como resíduos químicos perigosos: ► Produtos considerados perigosos e seus resíduos. a saúde e/ou o meio ambiente conforme critério de classificação adotado. segregação e identificação dos resíduos gerados. Reagentes para laboratórios classificados como perigosos. Efluentes de equipamentos automatizados. Figuras 11. baterias. que se tenham à disposição recipientes de tipo e tamanho adequados. corrosividade. Em função de suas características. ainda. e a Resolução 358/2005. reatividade ou toxicidade). como grupo D (resíduo comum). inclusive os recipientes contaminados por este. a saúde e/ou o meio ambiente conforme classificação adotada. Efluentes de processadores de imagem (reveladores e fixadores). ► Produtos químicos não perigosos: São substâncias ou misturas classificadas como não perigosas para a segurança.657/98. Resíduos de saneantes e desinfetantes. ou informações da Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico (FISPQ). Descarte de pilhas. micro‑ondas (Cf. cádmio. imuno‑moduladores e antirretrovirais. da ABNT. Outros: óleos lubrificantes.4 Resíduos Químicos Para que os resíduos químicos do laboratório sejam eliminados de forma adequada. digitálicos. da ANTT. da Anvisa. segundo a Anvisa e o Conama. níquel ou mercúrio. levando‑se em consideração a concentração do produto químico perigoso descartado e a Resolução Conama 357/05. conforme classificação da NBR10.1 Classificação a) Segundo a periculosidade: A classificação de periculosidade de um resíduo é determinada em função de suas propriedades físicas e/ou químicas (inflamabilidade. podem ser classificadas.ministério da Saúde j) Tratamento dos Resíduos: pode ser feito por autoclavação. antineoplásicos. Medicamentos classificados como perigosos: citostáticos. acumuladores de carga e lâmpadas contendo metais como chumbo. antimicrobianos. tintas. 12 e 13 no Manejo dos Resíduos Biológicos) k) Disposição Final pode ser realizada em Aterro Sanitário ou Vala Séptica (Cf.004/2004. incineração. do Decreto 2. Figuras 14. da Resolução 420/2004.4. são necessários corretos procedimentos de classificação. 15 e 16 no Manejo dos Resíduos Biológicos) 4.

ser caracterizados claramente com pictograma relativo ao perigo do produto químico presente. Podemos reutilizar frascos vazios de reagentes desde que an‑ teriormente lavados (cuidado necessário para se evitar acidentes devidos à incompatibilidade química). deve‑se utilizar material de amorteci‑ mento como vermiculita. é necessário possuir recipientes de tipo e tamanho adequados. exceto quando houver incompatibilidade com o resíduo. papel ou papelão. Cuidado para não misturar nem estocar produtos incompatíveis na mesma caixa para o descarte. alguns resíduos químicos podem ser misturados para o descarte. ► 4. b) Acondicionamento – Cada espécie de resíduo deve ser acondicionada em recipiente adequado às suas características. Para isso. com base nas classes. Atenção: ► ► ► Antes de misturar diferentes resíduos. Devem. consultar a tabela de incompatibilidade química. Os recipientes coletores devem ter alta vedação e devem ser confeccionados de material estável. ► Misturas ou contaminados. Desvantagens: ► Têm peso elevado. ► Recipientes para armazenagem/descarte de resíduos químicos: Vidros: Vantagens: ► São resistentes a ácidos e álcalis. Esses resíduos podem ser agrupados em três tipos: ► Identificados. ► São frágeis. Antes de descartar. Sempre consulte a tabela de incompatibilidade química.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos b) Segundo a origem do resíduo químico: Ativo: Resíduo gerado continuamente durante as atividades rotineiras do trabalho. Respeitando‑se a compatibilidade química. ► Passivo É todo resíduo ou produto indesejável que se encontra estocado e que não é mais utilizado.2 Manejo de Resíduos Químicos a) Segregação – A responsabilidade pela segregação do resíduo é de quem o gerou. ► Necessitam de proteção durante o transporte. desde que não sofram danos em contato com o resíduo. Para o descarte correto. verifique a possibilidade de reutilização ou doação. ainda. ► Têm baixo custo. ► Não identificados. 147 .4. Embalagens plásticas resistentes de polietileno de alta densidade (Pead) são indicadas.

Poliestireno: Não é afetado por alguns álcoois como metanol e etanol. Dietilbenzeno. Porém.65 litros 3. É o recipiente mais utilizado para o descarte de resíduos. cetonas e hidrocarbo‑ netos aromáticos e clorados e ácidos. Usar EPIs adequados para o tipo de resíduo que está sendo manipulado. ésteres. Frascos vazios de reagentes podem ser reutilizados desde que anteriormente lavados (cuidado necessário para se evitar acidentes devidos à incompatibilidade química). Tolueno. Para evitar vazamentos e acidentes. Lembrar de consultar a tabela de incompatibilidade química (página 167).3 litros 13. Éter etílico. é frágil contra solventes orgânicos apolares. ► ► Tabela 1 – Relação entre capacidade do recipiente e o volume total permitido do resíduo Capacidade do recipiente 1 litro 5 litros 20 litros 50 litros Volume total permitido (2/3) 0. não deve ser utilizado para descarte de: Ácido nítrico.0 litros 33. preencher 2/3 da capacidade total dos recipientes. ácidos fortes e álcalis.ministério da Saúde Plásticos rígidos : (galões de 5L. O volume de resíduo nunca deverá ultrapassar ¾ da capacidade do recipiente (Tabela 1). Verificar em que tipo de recipiente o resíduo poderá ser acondicionado (plástico ou vidro).0 litros 148 . Resiste a óleos e graxas. Cuidados importantes (Quadros 8 e 9): ► ► ► ► ► ► Não misturar resíduos desconhecidos. exceto os hidrocarbonetos clorados. bombonas de 20 a 50L) Poliprolileno: Tem boa resistência a ácidos fortes e álcalis. Fenol/clorofórmio. Álcool benzílico. Solventes halogenados. Contudo. Cloreto de etila. Polietileno de alta densidade (Pead): Não é afetado pela maioria dos solventes. não é afetado pela maioria dos solventes em temperatura ambiente. Os vidros devem estar limpos e em perfeitas condições de vedação. De igual forma. Xileno.

mesmo vencido. Soluções e sólidos que contenham metais pesados: Mercúrio. Na2SO4. pesados (nestes recipientes deve‑se manter o pH entre 6 e 8).). pode ser reutilizado ou doado. metanol. continua… 149 .: Embora o fosfato (PO43‑) não tenha toxicidade pronunciada. bromofórmio. Obs. halogênios.) podem ser neutralizados com bicarbonato de sódio ou com hidróxido de sódio. considerando‑se que sua estrutura contém íon de cianeto.). MgSO4 e tampões de PO43‑ não contaminados com produtos químicos perigosos podem ser descartados diretamente na rede de esgoto. originais do fabricante. químicos em embalagens Descartar com a embalagem original. hexano. Soluções devem tóxicos. B – Solventes halogenados: Todos os solventes e as misturas contendo solventes halogenados (clorofórmio. CaCl2. acetona. respeitando‑se os limites estabelecidos pela Resolução Conama 357. seus sais e materiais (lâmpadas. sofrer tratamento. cádmio e inorgânicos com sais de metais manganês são tóxicos.). Solventes orgânicos e soluções orgânicas que contenham diclorometano. chumbo. seus sais e materiais (lâmpadas. que contenham estas substâncias deverão ser encaminhados para tratamento. e suas soluções. F – Compostos combustíveis Compostos tóxicos combustíveis: Sulfatos de alquila são cancerígenos. cálcio (Ca). hidrocarbonetos (pentano. Obs. ésteres e éteres (acetato de A – Solventes não halogenados: etila. Sais inorgânicos de metais alcalinos e alcalinos terrosos: Berílio (Be). e/ou pelas D – Soluções salinas sem metais legislações estaduais. KCl. magnésio (Mg). etc. etc. de 17 de março de 2005. baterias. pilhas) pesados.: Acetronitrila e soluções em que ela esteja presente deverão ser segregadas separadamente. xileno. Antes de descartar verifique se o produto. C – Resíduos sólidos de produtos Reagentes vencidos. etc). fumárico. estrôncio (Sr). pilhas) soluções. E – Soluções salinas e resíduos Soluções e sólidos que contenham metais pesados: Mercúrio. Solventes orgânicos e soluções Estes diferentes resíduos podem ser misturados (consulte a tabela de incompatibilidade de substâncias orgânicas que não química). Soluções aquosas de sais inorgânicos de metais alcalinos e alcalinos terrosos: NaCl. contenham halogênios. butanol. que contenham estas substâncias deverão ser encaminhados para tratamento. cádmio e G – Mercúrio e seus sais e suas manganês são tóxicos. tetracloreto de carbono. etc. H – Resíduos de sais metálicos Cada metal deve ser recolhido separadamente regeneráveis. fórmico. etc. Soluções aquosas de ácidos orgânicos: Ácidos orgânicos (ascórbico. devido ao seu potencial de eutroficação (aumento excessivo de nutrientes na água). e suas soluções. chumbo. Produtos de limpeza: Quando contenham substâncias contaminantes. seu descarte na pia deve ser encarado com muito cuidado. bário (Ba). I – Sólidos inorgânicos.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Quadro 4 – Classificação dos resíduos químicos para tratamento ou descarte Grupos Descrições dos resíduos Solventes como álcoois e cetonas (etanol. tolueno. baterias. éter etílico.

mesmo em pequenas concentrações. bicarbonatos e fosfatos (sódio. fosfórico. digitálicos. xileno. metais pesados. Segregação e acondicionamento Lavar as embalagens com água. etc. imunossupressores. clorofórmio. Obs. cálcio). IMPORTANTE: Os recipientes de coleta devem estar corretamente rotulados. nítrico. citostáticos. peróxidos. iodeto de potássio. como os de sódio e potássio. Reciclar ou descartar como resíduos comuns após a remoção do rótulo. fenol‑clorofórmio. metanol. ascarel.: brometo de etídeo. Frascos que continham ácidos como clorídrico. Lavar exaustivamente com Ácidos ou bases Frascos que continham hidróxidos água. Quadro 5 – Descarte das embalagens primárias e secundárias: Embalagens primárias (frascos vazios) Substâncias não perigosas Exemplos Frascos que continham cloretos. Outros medicamentos: Devem ser descaracterizados (retirados da embalagem.ministério da Saúde … continuação Grupos Descrições dos resíduos Medicamentos perigosos: Medicamentos hormonais e produtos antimicrobianos. Solventes orgânicos Lavar 3 vezes com porções de 20ml de etanol (recolher Reciclar ou descartar como o solvente em bombona resíduos comuns após a para descarte de solvente) remoção do rótulo. com a indicação clara de seu conteúdo. clorídrico. possam representar Substâncias perigosas risco. 150 . Enviar o material para tratamento (incineração). antineoplásicos. DAB. M – Medicamentos. cianeto. antirretrovirais. tolueno. medicamento perigoso. trizol.: Itens que não podem ser incinerados. CUIDADO: acético. vencidos ou se seus resíduos são considerados de risco potencial à saúde e ao meio ambiente. Frascos que continham éter. nítrico. e depois com água. imunomoduladores. Ex. triturados ou dissolvidos) e descartados como resíduos comuns. Ácido sulfúrico. Devem ser mantidos fechados para se evitar a evaporação em local bem ventilado. potássio. Descartar como resíduos químicos perigosos. fosfórico. devendo ser submetidos a tratamento (incineração) antes da disposição final. sulfato de cobre. fenol. inclusive com o pictograma de risco para o transporte. Descarte Reciclar ou descartar como resíduos comuns após a remoção do rótulo. carbonatos. hexano. sulfúrico. Frascos que continham substâncias que. Embalagens As embalagens secundárias não contaminadas por produtos químicos secundárias perigosos deverão ser descaracterizadas (rasgadas) e recicladas ou descartadas como resíduos comuns.

151 .HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos c) Identificação dos recipientes Apresenta‑se. uma sugestão do modelo de rótulo de identificação do resíduo que deverá ser preenchido pelo gerador antes de ser encaminhado para o abrigo de resíduo químico. mas que têm traços socioculturais comuns. Exemplo: Resíduo Químico Departamento: Data ou período: Soluções aquosas pH*= Responsável pelas informações: Pictograma de Perigo Resíduo gerado na análise de: Descrição dos componentes do resíduo (qualitativa) % de cada componente (aproximada) atenção: Utilize apenas ⅔ do volume do frasco d) Pictogramas de perigo: Um pictograma é um símbolo que representa um objeto ou conceito por meio de ilustrações. a seguir. Seu objetivo é transmitir informações essenciais a um grande número de pessoas de línguas diferentes.

ministério da Saúde Classe 1: Explosivos Classe 2: Gases Classe 3: Líquidos inflamáveis Classe 4: Sólidos inflamáveis Classe 5: Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos Substância oxidante e peróxido orgânico – 5.2 152 .

1 – Tóxico 6.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Classe 6: Substâncias tóxicas e substâncias infectantes 6.2 – Infectante Classe 7: Material radioativo Classe 8: Substâncias corrosivas Classe 9: Substâncias e artigos diversos 153 .

O abrigo deve possuir ainda sistema de combate a princípio de incêndio e materiais absorventes para o caso de derramamentos. g) Disposição final (tratamento e disposição final)* ► ► ► ► ► Tratamento interno. (Fonte: CETESB – P4. Aterros tipo I (industriais). O armazenamento deve ser organizado de acordo com os critérios de compatibilidade da NBR 12. reciclagem. descarte na rede coletora de esgoto com tratamento (ETE). No caso de possuir prateleiras. fechado e com proteção de telas nas aberturas. A porta deve ter sua abertura para fora e precisa dispor da identificação “Abrigo de Produtos Químicos Perigosos”. Lâmpadas e pontos de energia elétrica devem ser blindados. Obs. tratamento externo (ex. Recuperação. impermeável e de cor clara. reaproveitamento. aterro industrial) 154 . Tratamento externo. lavável. incineração) e disposição final (aterro sanitário. O piso deve ser antiderrapante.ministério da Saúde e) Abrigo de resíduos químicos O abrigo para armazenamento de resíduos químicos deve ser construído em alvenaria.262:2007 – Gerenciamento de resíduos químicos provenientes de estabelecimentos de serviços de saúde) f ) Transporte para tratamento ou destinação final Devem ser seguidas as recomendações da Resolução 420 da ANTT. Incineração. resistente. é aconselhável o uso de bandejas como sistema de contenção. O acabamento deve ser liso. reuso.: Sugerimos descrever descrer no PGRSS todos os procedimentos de tratamento interno (quando houver). cônico e deve possuir sistema de contenção para recolhimento no caso de vazamentos.235.

.

.

as Resis Pro gens entre Produtos e Embala Químicas o Transporte Externo. Informações importantes no manejo de resíduos nhecerá Neste capítulo. as Tabela Risco ímica entre de Incompatibilidade Qu tos de Produtos. a Ficha lém disso. o leitor co ses de informações sobre as Fra s e de Segurança.5. foram incluídas A festo de de Emergência e o Mani icos nsporte de Resíduos Quím Tra . os Equipamen tências teção Individual.

.

Perigo de explosão sob a ação do calor. Há ainda combinações entre as Frases R e combinações entre as Frases S. Risco de explosão por choque. Facilmente inflamável. precedidos pelas letras R ou S. por isso as frases serão apresentadas em português de Portugal. Favorece à inflamação de matérias combustíveis. fricção. As frases convencionadas que descrevem o risco específico (à saúde e/ou ao meio ambiente) de um produto químico perigoso ocasionado pela manipulação de substâncias químicas são chamadas Frases R. Forma compostos metálicos explosivos muito sensíveis. liberta gases extremamente inflamáveis.1. e por um traço oblíquo ( / ). Destaca‑se que as Directivas Europeias são traduzidas para os idiomas oficiais dos membros da EU. Todas as frases correspondem a traduções diferentes nas diversas línguas da Comunidade Europeia. Pode explodir quando misturado com matérias combustíveis.1 Frases R e S As Frases de Risco e de Segurança. também conhecidas como Frases R/S. fricção. Grande risco de explosão por choque. cada frase S é associada a um único código composto da letra S seguido de um número. 5. fogo ou outras fontes de ignição. consolidada e reeditada na Directiva 2001/59/CE. As Frases R e S devem estar presentes nos rótulos dos produtos químicos comercializados na Europa e podem ser utilizadas internacionalmente. 159 . Da mesma forma que as Frases R. R1 R2 R3 R4 R5 R6 R7 R8 R9 R10 R11 R12 R14 R15 R16 R17 Explosivo no estado seco. os números. As Frases R e S foram estabelecidas pela Comunidade Europeia (Safety Advice Concerning Substances and Preparations) nos anexos III e IV da Directiva 67/548/CEE (1967). Em contacto com a água. quando se trata de indicações distintas. quando se trata de uma indicação combinada. Para cada frase é associado um único código composto da letra R.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 5. Perigo de explosão com ou sem contacto com o ar. Nesses casos. Inflamável. Reage violentamente em contacto com a água. fogo ou outras fontes de ignição. são separados por hífen (‑). seguido de um número. Explosivo quando misturado com substâncias comburentes. Pode provocar incêndio. Espontaneamente inflamável ao ar. consistem em frases indica‑ doras de riscos específicos (Frases R) e frases de recomendações de prudência (Frases S). As Frases S indicam as precauções a tomar na utilização de substâncias químicas.1 Frases R Natureza dos riscos específicos atribuídos aos produtos químicos e às preparações perigosas. Extremamente inflamável.

Pode causar sensibilização por inalação. Provoca queimaduras graves. Tóxico em contacto com a pele. Pode tornar‑se facilmente inflamável durante o uso.ministério da Saúde R18 R19 R20 R21 R22 R23 R24 R25 R26 R27 R28 R29 R30 R31 R32 R33 R34 R35 R36 R37 R38 R39 R40 R41 R42 R43 R44 R45 R46 R48 R49 R50 R51 R52 R53 R54 R55 R56 R57 R58 Pode formar mistura vapor‑ar explosiva/inflamável durante a utilização. 160 . Tóxico para as abelhas. Tóxico para a flora. liberta gases tóxicos. liberta gases tóxicos. Pode causar alterações genéticas hereditárias. Tóxico por inalação. Tóxico para a fauna. Risco de graves lesões oculares. Irritante para a pele. Tóxico para os organismos do solo. Em contacto com a água. Nocivo para os organismos aquáticos. Tóxico por ingestão. Perigo de efeitos irreversíveis muito graves. Muito tóxico para organismos aquáticos. Nocivo por inalação. Pode causar sensibilização em contato com a pele. Pode causar cancro por inalação. Pode causar cancro. Pode causar efeitos nefastos a longo prazo no ambiente aquático. Irritante para os olhos. Muito tóxico por inalação. liberta gases muito tóxicos. Perigo de efeitos cumulativos. Nocivo em contacto com a pele. Muito tóxico em contacto com a pele. Risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada. Pode causar efeitos nefastos a longo prazo no ambiente. Em contacto com ácidos. Provoca queimaduras. Irritante para as vias respiratórias. Risco de explosão se aquecido em ambiente fechado. Tóxico para organismos aquáticos. Muito tóxico por ingestão. Nocivo por ingestão. Pode formar peróxidos explosivos. Em contacto com ácidos. Possibilidade de efeitos cancerígenos.

Irritante para os olhos. Possíveis riscos. Pode provocar sonolência e vertigens. Muito tóxico por inalação e em contacto com a pele. Possíveis riscos de comprometer a fertilidade. de efeitos indesejáveis na descendência. Nocivo por inalação. R39/27 Muito tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves em contacto com a pele. Tóxico por inalação e ingestão. Tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves em contacto com a pele e por ingestão. Nocivo: pode causar danos nos pulmões se ingerido. em contacto com a pele e por ingestão. Em contacto com a água. Pode provocar secura na pele ou fissuras. Tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por inalação. Nocivo por inalação e em contacto com a pele. Tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por inalação e ingestão. libertando gases extremamente inflamáveis. Pode causar danos nas crianças alimentadas com leite materno. liberta gases tóxicos e extremamente inflamáveis. em contato com a pele e por ingestão. Risco durante a gravidez com efeitos adversos na descendência. em contacto com a pele e por ingestão. Irritante para as vias respiratórias e pele. Tóxico por inalação. durante a gravidez. Combinação das frases R R14/15 R15/29 R20/21 R20/22 R20/21/22 R21/22 R23/24 R23/25 R23/24/25 R24/25 R26/27 R26/28 R26/27/28 R27/28 R36/37 R36/38 R36/37/38 R37/38 R39/23 R39/24 R39/25 R39/23/24 R39/23/25 R39/24/25 R39/23/24/25 Reage violentamente com a água. Tóxico por inalação e em contacto com a pele. Irritante para os olhos e pele. Tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por ingestão. Possibilidade de efeitos irreversíveis. Muito tóxico por inalação. Tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves em contacto com a pele. Tóxico em contacto com a pele e por ingestão. vias respiratórias e a pele. Nocivo em contacto com a pele e por ingestão. Irritante para os olhos e vias respiratórias. Muito tóxico por inalação e ingestão. Pode comprometer a fertilidade. por inalação dos vapores. Tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por inalação. Muito tóxico em contato com a pele e por ingestão. por exposição repetida. R39/26 Muito tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por inalação.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos R59 R60 R61 R62 R63 R64 R65 R66 R67 R68 Perigo para a camada de ozônio. Nocivo por inalação e ingestão. em contacto com a pele e por ingestão. Tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por inalação e em contacto com a pele. 161 .

162 . R39/26/28 Muito tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por inalação e ingestão. podendo causar efeitos nefastos a longo prazo no ambiente aquático. R51/53 Tóxico para organismos aquáticos. R48/21/22 Nocivo: risco de efeitos para a saúde em caso de exposição prolongada em contacto com a pele e por ingestão. podendo causar efeitos nefastos a longo prazo no ambiente aquático. R39/26/27 Muito tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por inalação e em contacto com a pele. R48/23/24/25 Tóxico: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada por inala‑ ção. R39/27/28 Muito tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves em contacto com a pele e por ingestão. R52/53 Nocivo para organismos aquáticos. R48/25 Tóxico: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada por ingestão. em contacto com a pele e por ingestão. R48/23/25 Tóxico: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada por inalação e ingestão. R48/23 Tóxico: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada por inalação.ministério da Saúde R39/28 Muito tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por ingestão. R48/24/25 Tóxico: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada em con‑ tacto com a pele e por ingestão. R48/20/21/22 Nocivo: risco de efeitos para a saúde em caso de exposição prolongada por inalação. R48/21 Nocivo: risco de efeitos para a saúde em caso de exposição prolongada em contacto com a pele. R48/22 Nocivo: risco de efeitos para a saúde em caso de exposição prolongada por ingestão. R48/23/24 Tóxico: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada por inala‑ ção e em contacto com a pele. R48/20/21 Nocivo: risco de efeitos para a saúde em caso de exposição prolongada por inalação e em contacto com a pele. R48/20 Nocivo: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada por inalação. R39/26/27/28 Muito tóxico: perigo de efeitos irreversíveis muito graves por inalação. em contacto com a pele e por ingestão. em contacto com a pele e por ingestão. R42/43 Pode causar sensibilização por inalação e em contacto com a pele. R48/24 Tóxico: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada em contacto com a pele. R50/53 Muito tóxico para organismos aquáticos. podendo causar efeitos nefastos a longo prazo no ambiente aquático. R48/20/22 Nocivo: risco de efeitos para a saúde em caso de exposição prolongada por inalação e ingestão.

Manter o recipiente num local bem ventilado. Manter fora de qualquer zona de habitação. S29 Não deitar os resíduos no esgoto. Manter sob. Abrir e manipular o recipiente com prudência. Não comer nem beber durante a utilização. Manter afastado de alimentos e bebidas.1.. Manter fora do alcance das crianças. Manter afastado de. Nocivo: possibilidade de efeitos irreversíveis por ingestão.. (líquido apropriado a especificar pelo produtor). Nocivo: possibilidade de efeitos irreversíveis por inalação. S27 Retirar imediatamente toda a roupa contaminada.. Nocivo: possibilidade de efeitos irreversíveis por inalação e ingestão. Manter o recipiente bem fechado. Não fumar durante a utilização. Nocivo: possibilidade de efeitos irreversíveis em contacto com a pele.. S1 S2 S3 S4 S5 S6 S7 S8 S9 S12 S13 S14 S15 S16 S17 S18 S20 S21 S22 S23 S24 S25 S26 Conservar fechado à chave. Evitar o contacto com os olhos. (matérias incompatíveis a especificar pelo produtor). S28 Após contacto com a pele. incluindo os dos animais. Não respirar os gases/vapores/fumos/aerossóis. Não respirar as poeiras. Nocivo: possibilidade de efeitos irreversíveis por inalação e em contacto com a pele. Conservar afastado do calor. lavar imediata e abundantemente com água e con‑ sultar um especialista. lavar imediata e abundantemente com. Manter o recipiente ao abrigo da umidade. em contacto com a pele e por ingestão... Conservar afastado de qualquer chama ou fonte de ignição – não fumar. Manter afastado de matérias combustíveis.. (gás inerte a especificar pelo produtor). Evitar o contacto com a pele. Guardar em lugar fresco.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos R68/20 R68/21 R68/22 R68/20/21 R68/20/22 R68/21/22 R68/20/21/22 Nocivo: possibilidade de efeitos irreversíveis por inalação.2 Frases S Conselhos de prudência relativos a substâncias e preparações perigosas.. Não fechar o recipiente hermeticamente. (produto adequado a indicar pelo fabricante). Manter sob. Nocivo: possibilidade de efeitos irreversíveis em contacto com a pele e por ingestão. 163 . Em caso de contacto com os olhos. 5.

remover a vítima da zona contaminada e mantê‑la em repouso. S36 Usar vestuário de proteção adequado. S52 Não usar sobre grandes superfícies em locais habitados. S46 Em caso de ingestão.. não respirar os fumos. usar equipamento adequado (denominações ade‑ quadas a especificar pelo fabricante).ºC (a especificar pelo fabricante). usar (meios de extinção a especificar pelo fabricante. Obter instruções específicas/fichas de segurança. S51 Usar unicamente em locais bem ventilados. S48 Manter úmido com. consultar imediatamente o médico e mostrar‑lhe a embalagem e o rótulo.. S39 Usar um equipamento protetor para a vista/face.. S59 Solicitar ao produtor/fornecedor informações relativas à sua recuperação/reciclagem. S38 Em caso de ventilação insuficiente.. S60 Este produto e seu recipiente devem ser eliminados como resíduos perigosos. acrescentar “Nunca utilizar água”). S61 Evitar a liberação para o ambiente. S47 Conservar a uma temperatura que não exceda. S56 Não despejar na rede de esgotos nem no meio aquático. Se a água aumentar os riscos. S49 Conservar unicamente no recipiente de origem. S42 Durante as fumigações/pulverizações. Utilizar para o efeito um local apropriado para o tratamento dos resíduos. S57 Utilizar um contentor adequado para evitar a contaminação do ambiente. S43 Em caso de incêndio. Consultar imediatamente um médico e mostrar‑lhe a embalagem ou o rótulo. S35 Não se desfazer deste produto e do seu recipiente sem tomar as precauções de segurança devidas. S62 Em caso de ingestão. S41 Em caso de incêndio e/ou explosão. lavar repetidamente a boca com água (apenas se a vítima estiver consciente). S63 Em caso de inalação acidental. S64 Em caso de ingestão. usar equipamento respiratório adequado. S37 Usar luvas adequadas.. (a especificar pelo fabricante).. S45 Em caso de acidente ou indisposição.. S40 Para limpar os solos e os objectos contaminados com este produto. (a especificar pelo fabricante).ministério da Saúde S30 Nunca adicionar água a este produto. utilizar. consultar imediatamente o médico (se possível. 164 . S53 Evitar a exposição – obter instruções específicas antes da utilização. (meio apropriado a especificar pelo fabricante). mostrar‑lhe o rótulo). não provocar o vômito. S50 Não misturar com.. S33 Evitar acumulação de cargas eletrostáticas.

S47/49 Conservar unicamente no recipiente de origem e a temperatura que não exceda. S37/39 Usar luvas e equipamento protetor para a vista/face adequados. S3/9/49 Conservar unicamente no recipiente de origem em lugar fresco e bem ventilado. beber ou fumar durante a utilização. não eliminar o produto e o seu recipiente sem tomar as precauções de segurança devidas. S36/37 Usar vestuário de proteção e luvas adequadas. eliminar este produto e o seu recipiente. S29/35 Não deitar os resíduos no esgoto. (matérias incompatíveis a especificar pelo pro‑ dutor). enviando‑os para local autorizado para o recolhimento de resíduos perigosos ou especiais... S7/9 Manter o recipiente bem fechado em local bem ventilado. S24/25 Evitar o contato com a pele e os olhos. (matérias incompatíveis a especificar pelo produtor). S3/7 Conservar em recipiente bem fechado em lugar fresco. (matérias incompatíveis a ser indicadas pelo produtor). S20/21 Não comer.ºC (a especificar pelo produtor)... S3/9/14 Conservar em lugar fresco e bem ventilado ao abrigo de. S7/8 Conservar o recipiente bem fechado e ao abrigo da umidade.... S29/56 Não deitar os resíduos no esgoto.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Combinação de Frases S S1/2 Guardar fechado à chave e fora do alcance das crianças. S3/9/14/49 Conservar num local fresco e bem ventilado e longe de. S36/39 Usar vestuário de proteção e equipamento protetor para a vista/face adequados... ºC (a especificar pelo produtor). 165 . S36/37/39 Usar vestuário de proteção. S3/14 Conservar em lugar fresco e longe de.. S7/47 Manter o recipiente bem fechado e conservar a uma temperatura que não exceda. luvas e equipamento protector para a vista/face adequados.

ministério da Saúde Figura 1 – Exemplo de Rótulo de Produto Químico com a localização das Frases R e Frases S. 166 .

3231 e 3232 C = Incompatível apenas para os produtos da subclasse 5. usp. o gerador deve informar o fato ao transportador por escrito. 3222. 3102. a in‑ compatibilidade entre ácidos e bases (classe 8). a toxicidade ina‑ latória (LC50) deve estar indicada na ficha de emergência do produto perigoso (ver 4. rótulo de se‑ gurança. ficha de segurança (FISPQ) e/ou qual‑ quer outro documento.1 com os seguintes números ONU: 3221. por exemplo. Notas 1 – Cianetos ou misturas de cianetos não devem ser transportados com ácidos.3.1 F C D 5.doc 167 . ficha de segu‑ rança (FISPQ) e/ou qualquer outro documento. podendo ser por meio de ficha de emergência. NBR 7503).1 5.3. da ABNT. C e D. deve ser consultada a legenda apresentada.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Tabela 1 – Incompatibilidade Química – Classe de Perigo Classe e subclasse 2 2 2 2 3 4 4 4 5. 2 – No caso da subclasse 2. Fontes: ABNT – NBR 14732/2009 http://qaonline. No caso das letras A. 3111 e 3112 D = Incompatível apenas para os produtos da subclasse 6. 3 – A incompatibilidade química é indicada pela letra X. rótulo de segurança. podendo ser por meio de ficha de emergência.2 com os seguintes números ONU: 3101.4 – c.3 que apresentem toxicidade por inalação LC50 < 1000 ppm B = Incompatível apenas para os produtos da subclasse 4.br:8180/FCKeditor/UserFiles/File/Eduardo/ tab_incomp_abnt.2 6 F 6 F 8 F 9 Legenda X = Incompatível A = Incompatível para produtos da subclasse 2. B. como. F = Em caso de incompatibilidade química entre estas classes/subclasses.1 do grupo de embalagem l E = Em caso de incompatibilidade química dentro de uma mesma classe ou subclasse de produtos perigosos.2 6 6 8 2 E F 2 F E F F B F F F C F F F F A F E A A ou B A A A A ou C F F A F F F A E B F F X C D F F F B B A ou B B B B B B B ou C B ou D B X B F F A F B E F F C D F X F F F A F B F E F C D F X F F F A X B F F E C D F X F C C A ou C C D F F D F F F F B F F F C F E F F F F A F X X X X X D F E F F F F F B F F F C F F F E A 2 F 3 B 4 B ou C B ou D C C C C C ou D C X C D D D C ou D E F D F F 4 F 4 5. o gerador deve informar o fato ao transportador por escrito.iqsc.

turpentine. ácido perclórico Ácido nítrico. etano. percloratos. metais finamente divididos. matérias orgânicas particuladas. butadieno. peróxido de hidrogênio.ministério da Saúde Tabela 2 – Incompatibilidade das principais substâncias Substâncias Acetileno Ácido acético Acetona Ácido crômico Ácido hidrociânico Ácido fluorídrico anidro. cânfora. sulfeto de hidrogênio Isolado de tudo continua… Cianetos Cloratos. bismuto e suas ligas. hipoclorito de sódio Amônia. prata. permanganatos. flúor. turpentine. glicerol. bromo. benzinas e outras frações do petróleo Ácidos e álcalis Sais de amônio. álcool. clorato de potássio Cobre metálico Dióxido de cloro Flúor 168 . outros gases de petróleo. peróxidos. permanganatos. cloro. fósforo. sulfeto de hidrogênio. mercúrio Ácido crômico. anilinas. ácido sulfúrico. ácido acético. alcoóis. benzeno. percloratos. cobre e outros metais Benzeno. cobre. ácido nítrico. butano. hidrogênio. azidas Amônia. álcalis Amônia (aquosa ou anidra) Ácido cianídrico. ácidos. acetileno. peróxido de hidrogênio Ácido acético. ácido crômico Prata e mercúrio Anidrido acético. hipoclorito de cálcio. ácido perclórico. metais em pó. naftaleno. hidróxido de amônio. butadienos. benzina de petróleo. líquidos e gases combustíveis. madeira Cloratos. pós‑metálicos Dicromatos. ácido nítrico. carbeto de sódio. acetileno. iodo. fluoreto de hidrogênio Ácido nítrico concentrado Ácido oxálico Ácido perclórico Ácido sulfúrico Alquil alumínio Amônia anidra Anidrido acético Anilina Azida sódica Bromo e cloro Carvão ativo Cloro Incompatíveis com Cloro. propano. outros líquidos inflamáveis Ácido nítrico. permanganatos e água Água Mercúrio. substâncias combustíveis Acetileno. metano. bromo. óxidos de cromo VI. tais como etilenoglicol. peróxido de hidrogênio Chumbo. etilenoglicol Misturas de ácidos sulfúrico e nítrico concentrados. hidrogênio. papel. ácido fluorídrico Compostos contendo hidroxil.

bromo. hidrogênio. flúor. líquidos inflamáveis. benzaldeído. sólidos e gases inflamáveis Ácidos Glicerina. líquidos inflamáveis. líquidos. compostos orgânicos em pó Nitrato de amônio e outros sais de amônio Água Ácido acético. hidrogênio Acetileno. ácido oxálico. etilenoglicol. hidróxido de amônio. cromo. peróxidos Substâncias Fósforo Halogênios (flúor. tetracloreto de carbono. outros hidrocarbonetos clorados Ácido nítrico fumegante. outros hidrocarbonetos clorados Ácidos. metanol. ácido sulfúrico Cobre. tolueno) Iodo Líquidos inflamáveis Mercúrio Metais alcalinos Nitrato de amônio Nitrato de sódio Óxido de cálcio Óxido de cromo VI Oxigênio Perclorato de potássio Permanganato de potássio Peróxido de hidrogênio Peróxido de sódio Prata e sais de prata Sódio Sulfeto de hidrogênio Acetileno. nitratos. acetatos de metila e etila. substâncias combustíveis Ácido acético. hidrogênio Ácido nítrico. óxido de cromo VI. ferro. peróxidos. etilenoglicol. compostos de amônio Dióxido de carbono. graxas. benzina de petróleo. cloro. enxofre. ácido tartárico. bromo e iodo) Hidrazida Hidrocarbonetos (butano. amônia Dióxido de carbono. ácido nítrico e outros oxidantes Ácido crômico. bromo. glicerina. furfural Acetileno. anidrido acético. cloro. pós‑metálicos. compostos oxigenados. naftaleno Óleos. nitrato de amônio. cloratos. tetracloreto de carbono. acetileno e hidrocarbonetos Peróxido de hidrogênio. flúor. permanganatos Amoníaco. acetonas. percloratos. etanol. ácido fulmínico. alcoóis. propano. cloro.HematoloGia e Hemoterapia … continuação Guia de manejo de resíduos Incompatíveis com Enxofre. gases oxidantes 169 . cloretos.

peróxidos. Não recomendada para os demais solventes. Recomendada para manipulação de material biológico. hidrocarbonetos. Recomendada para trabalhadores com alergia ao látex. Neoprene Tabela 4 – Embalagens de Plástico: Resistência Química Substâncias Ácidos concentrados Ácidos diluídos Bases Alcoóis Hidrocarbonetos alifáticos Hidrocarbonetos aromáticos Hidrocarbonetos halogenados Aldeídos Cetonas Ésteres Agentes oxidantes Óleos minerais Óleos minerais Policarbonato Baixa Boa Baixa Boa Baixa Baixa Baixa Regular Baixa Baixa Baixa Excelente Excelente Policarbonato de vinila (PVC) Boa Excelente Excelente Boa Excelente Baixa Baixa Baixa Baixa Baixa Boa Boa Boa Polietileno de alta densidade Boa Boa Excelente Excelente Boa Boa Regular Boa Boa Boa Regular Boa Boa Polietileno de baixa densidade Boa Boa Excelente Excelente Regular Regular Baixa Boa Boa Excelente Regular Regular Regular 170 . Não recomendada para solventes halogenados e aromáticos. Boa para uma grande variedade de solventes orgânicos e ácidos e bases. Boa para ácidos e bases diluídas. Boa para ácidos e bases. Não recomendada para solventes orgânicos e ácidos e bases fortes.ministério da Saúde Tabela 3 – EPI – Luvas: Resistência Química Tipo Borracha butílica Nitrila Látex Uso Boa para cetonas e ésteres. alcoóis e fenóis.

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Tabela 5 – Embalagens de Plástico: Resistência a Processos Processos Esterilização em autoclave Esterilização com gás Esterilização seca a quente Esterilização com raios gama Esterilização química Policarbonato Sim Sim Não Sim Sim Policarbonato de vinila (PVC) Não Sim Não Não Sim Polietileno de alta densidade Não Sim Não Sim Sim Polietileno de baixa densidade Não Sim Não Sim Sim Adaptado de: Propriedade de Materiais: Alguns Plásticos (MSPC – Informações Técnicas/Agosto de 2009) 171 .

NBR 7503 – Ficha de emergência e envelope para o transporte terrestre de produtos perigosos 172 . Ficha com tarja verde significa produto que não foi enquadrado na relação de produtos perigosos.503.ministério da Saúde 5. Ficha com tarja vermelha significa produto classificado como perigoso.2 Transporte Externo 5. Deve seguir as recomendações da ABNT NBR 7. os principais riscos do produto e as providências essenciais a tomar em caso de acidente durante o transporte.2.1 Ficha de Emergência A ficha de emergência de um resíduo químico é um documento obrigatório para solicitar a coleta do resíduo. As fichas têm formato e cores que não podem ser alterados. FICHA DE EMERGÊNCIA (modelo) Expedidor: Nome apropriado para o Embarque Razão Social: Endereço: Bairro/Município/Estado: Telefone: Aspecto: EPI de uso exclusivo para equipe de atendimento de emergência: RISCOS: Fogo: Saúde: Meio ambiente: EM CASO DE DOR Vazamento: Poluição: Envolvimento de pessoas: Informações ao médico: Observações: VERSO DA FICHA DE EMERGÊNCIA TELEFONES EM CASO DE EMERGÊNCIA BOMBEIROS POLÍCIA MILITAR DEFESA CIVIL ÓRGÃO AMBIENTAL POLÍCIA RODOVIÁRIO FEDERAL NO Risco: NO ONU: Classe: Subclasse: Grupo de Embalagem: ABNT. Nela devem constar os dados da Instituição.

deve‑se evitar o ponto de fulgor. 7. luva. Este telefone pode ser do expedidor/gerador. Devem ser mencionados os efeitos imediatos à exposição e/ou contato do produto com o corpo humano. Deve ser incluída a descrição do risco subsidiário do produto.1.3. pode ser usada a mesma ficha de emergência. do distribuidor ou de qualquer outra equipe contratada para atender emergências. Devem ser mencionadas as características intrínsecas do produto em incendiar‑se e/ou explodir. citando vias de absorção (inalação.004 4. narcose.) e o equipamento de proteção respiratória: tipo de máscara (peça semifacial etc.1. Informar Subclasse do Resíduo conforme ABNT NBR 10. 420/04 3.). lesões agudas e/ou crônicas.2.2. de modo a facilitar o atendimento à emergência 7. Devem ser mencionados. Mencionar Classe do Resíduo conforme ABNT NBR 10. além dos riscos que o produto possa oferecer quando submetido a condições externas envolvendo calor. Para diferentes produtos com o mesmo Nº ONU e de mesmo nº de risco. Neste campo não deve ser incluído o EPI do motorista quando sua ação se limitar a avaliar as avarias no equipamento de transporte. Deve conter o número do telefone (disponível 24 horas por dia) da equipe que possa fornecer infor‑ mações técnicas sobre o produto em caso de emergência.1. 6. tais como queimadura. 420/04 (Conforme item 4. carimbado. 420/04) 3.3 da Norma ABNT NBR 7503 de 30/12/2005: “Para cada produto classificado de acordo com a numeração ONU. Endereço do Gerador 1. fogo.2. roupa.2. ou seja. do importador. do fabricante. desde que sejam aplicáveis as mesmas informações de emergência” 3. Razão Social do Gerador 1. Informar o Código de Classificação do Resíduo de acordo com a ONU (ANTT Nº. Deve ser indicada a toxicidade inalatória (lc50) do produto da subclasse 2. Pode ser citado o limite de explosividade.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Instruções para preenchimento da ficha de emergência 1. No caso de risco de inflamabilidade. bota etc. Grupo de embalagem pode ser acrescentado neste campo podendo ser manuscrito legivelmente. Número de Risco conforme ANTT Nº. 5. única e exclusivamente. podendo‑se citar a cor e o odor. Bairro do Gerador / Município do Gerador / Estado do Gerador 2. do transportador. asfixia. mecânico ou combinado). impresso ou datilografado.004 3.4. se puder gerar fogo/explosão. capacete. faísca. embalagens e ações iniciais. irritação nas vias respiratórias e digestivas. contato ou ingestão). Nome do Resíduo conforme ANTT Nº.3 (gases tóxicos) 173 .1. quando existir incompatibilidades químicas não previstas na ABNT NBR 14. Essa área é destinada à descrição dos riscos que o produto apresenta em relação à saúde. devendo‑se citar a vestimenta apropriada (por exemplo. outras fontes de ignição e contato com outros produtos não compatíveis com o produto transportado.619 devem ser expressas neste campo. os equipamentos de proteção individual para quem vai atender a emergência. Deve ser preenchido com a descrição do estado físico do resíduo.3. tipo de filtro (químico. deve ser elaborada uma única ficha de emergência. Essa área é destinada à descrição dos riscos que o produto apresenta em relação ao fogo. veículo. não é permitida a utilização de uma ficha de emergência contendo vários produtos com o Nº ONU diferentes.

ministério da Saúde

7.3. Essa área é destinada à descrição dos riscos que o produto apresenta em relação ao meio ambiente. Devem ser relacionados os danos causados devido à possível alteração da qualidade do ar, da água e do solo, e se o produto é solúvel em água. Se aplicável, informar se os vapores são mais ou menos pesados que o ar e a reação com outros materiais 8.1. Em caso de vazamentos, devem ser mencionados os procedimentos a serem tomados tais como:

isolamento da área: indicar, caso necessário, a distância mínima de isolamento ou evacuação inicial; estancamento do vazamento do recipiente: indicar procedimentos e equipamentos/materiais a serem utilizados; contenção das porções vazadas: indicar formas de contenção; precaução (caso haja): devem ser tomadas na realização de transbordo e as possíveis restrições do manuseio do produto.

► ►

8.2. Essa área é destinada à descrição dos procedimentos a serem tomados em caso de fogo. Devem ser mencionadas as precauções quanto à possibilidade de explosão, os agentes extintores ou outros meios de extinção recomendados, os contra‑indicados e os meios de resfriamento 8.3. Devem ser mencionados os procedimentos em caso de poluição ambiental: citar, quando neces‑ sário, agentes neutralizantes para o risco do produto e proporção recomendada em relação à quantidade vazada 8.4. Devem ser mencionados os primeiros‑socorros a serem prestados no caso de ingestão, inalação e contato como os olhos e pele 8.5. Deve ser mencionado o correspondente tratamento ao paciente e, quando recomendado, os antí‑ dotos e contra‑indicações. Estas informações devem ser fornecidas por um serviço médico especializado 8.6. Neste campo deve ser incluída a frase: “As instruções ao motorista, em caso de emergência, en‑ contram‑se descritas exclusivamente no envelope para transporte”. O campo pode conter informações complementares quando houver necessidades específicas para o produto, tais como:

inclusão do nome do fabricante, com endereço e telefone, caso o fabricante do produto não seja o expedidor/gerador. Neste caso deve ser acrescentada a palavra Fabricante; se o expedidor não for o fabricante do produto e quiser utilizar a própria ficha de emergência do fabricante, neste campo devem ser colocados o nome, o endereço e o telefone do expedidor. Neste caso, deve conter também o número do telefone (disponível 24 h por dia) da equipe que possa fornecer informações técnicas sobre o produto em caso de emergência. Este telefone pode ser o do próprio expedidor, do transportador, do fabricante, do importador, do distribuidor ou de qualquer outra equipe contratada para atender emergências. Pode ser colocado o logotipo da empresa expedidora/geradora nesta área. Neste caso deve ser acrescentada a palavra Expedidor após a identificação da empresa; inclusão do nome do expedidor, nos casos de devolução de embalagens vazias e contamina‑ das acompanhada da nota fiscal de simples remessa. Neste caso deve ser acrescentada, após a identificação da empresa que está devolvendo as embalagens, a palavra Expedidor – devolução

174

HematoloGia e Hemoterapia

Guia de manejo de resíduos

de Embalagem;

neste campo deve ser escrito o grupo de embalagem, caso não conste no campo aspecto, po‑ dendo ser manuscrito legivelmente, carimbado, impresso ou datilografado.

Neste campo os dados podem ser impressos, datilografados, carimbados ou manuscritos em letra legível. Este campo só deve ser utilizado para uma única remessa de produto.

Envelope
                                        250≠15  

ESTE  ENVELOPE  CONTÉM  INFORAMÇÕES  IMPORTANTES.                                                                                                      Área  A   LEIA-­‐O  CUIDADOSAMENTE  ANTES  DE  INICIAR  A  SUA  VIAGEM.                                                                                      45      
EM  CASO  DE  EMERGÊNCIA  ESTACIONE,  SE  POSSÍVEL  EM  ÁREA  VAZIA,  AVISE  A  POLÍCIA  (190),  AOS     O                              BOMBEIROS  (193)  E  AO(S)  TELEFONE(S)  DE  EMERGÊNCIA  N  ____________________________  

    190≠15                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  Área  B                                                TRANSPORTADOR                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        15    Área  C      

Figura 1 – Dimensões mínimas das áreas A, B e C do envelope (frente)
                                        250≠15  

 

OUTRAS  PROVIDÊNCIAS  

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           190≠15                                              -­‐  Isolar  a  área,  afastando  os  curiosos;      -­‐  sinalizar  o  local  do  acidente;  

                               -­‐  eliminar  ou  manter  afastado  todas  as  fontes  de  ignição;                                  -­‐  entregar  a  (s)  ficha  (s)  de  emergência  aos  socorros  públicos,  assim  que                                          chegarem;                                  -­‐  avisar  imediatamente  ao  transportador,  ao  expedidor  do  produto,  ao  corpo                                        de  bombeiro  e  à  polícia.                                                          

175

   

ministério da Saúde
                                       

 

                                     TRANSPORTADOR                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        15    Área  C  

 

 

250≠15  

 

OUTRAS  PROVIDÊNCIAS  

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           190≠15                                              -­‐  Isolar  a  área,  afastando  os  curiosos;      -­‐  sinalizar  o  local  do  acidente;  

                               -­‐  eliminar  ou  manter  afastado  todas  as  fontes  de  ignição;                                  -­‐  entregar  a  (s)  ficha  (s)  de  emergência  aos  socorros  públicos,  assim  que                                          chegarem;                                  -­‐  avisar  imediatamente  ao  transportador,  ao  expedidor  do  produto,  ao  corpo                                        de  bombeiro  e  à  polícia.                                                          

Figura 2 – Área D do envelope (verso)

Instruções para preenchimento do envelope
Papel e impressão: ► O envelope deve ser confeccionado em papel produzido pelo processo Kraft ou similar, nas cores ouro (pardo), puro ou natural, com gramatura mínima de 80g/m2 e tamanho de (190 mm x 250 mm) ± 15 mm de tolerância.
► ►

Todas as linhas do envelope devem ser impressas na cor preta. O envelope pode ter bordas, desde que não ultrapassem as dimensões das áreas estabelecidas; esta exigência não se aplica à impressão da logomarca da empresa.

Modelo: ► É admitido somente o modelo de envelope conforme figuras 1 e 2, para impressão em gráfica ou impressora de computador.
► ►

As áreas A, B, C e D e suas dimensões estão estabelecidas nas figuras 1 e 2. O envelope deve conter a(s) ficha(s) de emergência do produto que está(ão) acondicionado(s) na unidade de transporte. O envelope deve ser usado para as fichas de emergência com tarja vermelha e pode ser usado para produto não classificado como perigoso (ficha com tarja verde). Se forem transportados no mesmo veículo produtos perigosos e não perigosos, e se houver a ficha verde, esta pode ser colocada no mesmo envelope.

176

HematoloGia e Hemoterapia

Guia de manejo de resíduos

Utilização das áreas, textos e preenchimento: O envelope deve ser composto por quatro áreas, con‑ forme figuras 1 e 2, com as utilizações descritas abaixo. A área “A” deve ser destinada para impressão dos seguintes textos:

Em letra legível, na cor preta, em letra maiúscula, negrito e corpo mínimo 16: ESTE ENVELOPE CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES . LEIA‑O CUIDADOSAMENTE ANTES DE INICIAR A SUA VIAGEM Em letra legível, na cor preta, em letra maiúscula, negrito e corpo mínimo 12: EM CASO DE EMER‑ GÊNCIA, ESTACIONE, SE POSSÍVEL, EM ÁREA VAZIA, AVISE A POLÍCIA (190), OS BOMBEIROS (193) E O (S) TELEFONE(S) DE EMERGÊNCIA Nº . O(s) telefone(s) para atendimento à emergência deve(m) ser do expedidor/gerador, transportador, do fabricante, do importador, do distribuidor ou de qualquer outra equipe contratada para atender emergências.

A área “B” deve ser destinada para a identificação do expedidor/gerador, devendo conter: ► O logotipo e/ou a razão social.
► ►

O(s) telefone(s) para contato com o(s) ponto(s) de apoio do expedidor/gerador. Podem ser incluídos nesta área os telefones dos órgãos de meio ambiente, da defesa civil (199) e da polícia Rodoviária Federal (191), bem como outros telefones complementares, tais como pró‑Química. Os dados desta área podem ser impressos, datilografados, carimbados ou etiquetados.

A área “C” deve ser destinada para identificação do transportador, devendo conter: ► O título: “TRANSPORTADOR”, em letra legível, na cor preta, em letra maiúscula, negrito e corpo mínimo 10.

O nome, o endereço e o telefone do transportador, podendo ser impressos, datilografados, ca‑ rimbados ou manuscritos legivelmente. No caso de redespacho, caso o transportador seja alterado, deve ser escrito ou impresso o título “REDESPACHO” (em letra maiúscula) na área “B”, próximo à área “C”. Quando ocorrer o redespacho, os dados devem ser os citados na alínea anterior, não cancelando o nome do transportador anterior. No caso de impressão deve atender ao definido na primeira alínea deste item. Esta área se destina à identificação do transportador que deve ser acionado no caso de emer‑ gência. Logo, não é necessário que o nome, o endereço e o telefone do transportador sejam os mesmos do CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo) ou CLA (Certificado de Licenciamento Anual). Em letra legível, na cor preta, em letra maiúscula, negrito e corpo mínimo 16: OUTRAS PROVI‑ DÊNCIAS

A área “D”, no verso do envelope, deve ser reservada para impressão dos seguintes textos:

177

: o modelo acima foi fornecido pela Prefeitura do Município de São Paulo http://ww2. em caso de emergência. se estas já constarem na ficha no item 8. devem constar as seguintes informações. carimbada ou manuscrita de forma legível. 3) eli‑ minar ou manter afastadas todas as fontes de ignição.gov. assim que chegarem. 2) sinalizar o local do acidente. em qualquer seqüência: 1) isolar a área afastando os curiosos. “avisar imediatamente ao(s) órgão(s) ou entidade(s) de trânsito”. ao corpo de bombeiros e à polícia.6. datilografada.ministério da Saúde ► Podem ser acrescentadas outras instruções consideradas desejáveis e necessárias ao motorista sobre os produtos transportados. 5) avisar imediatamente ao transportador. ► ► Obs.doc 178 . a(s) frase(s): “usar EPI” (Este EPI está citado na ABNT NBR 9735). Em letra legível. Não é obrigatória a inclusão destas instruções no envelope.prefeitura. ao expedidor/ gerador do produto. Pode(m) ser colocada(s) no verso do envelope de forma impressa. 4) entregar a(s) ficha(s) de emergência aos socorros públicos.sp.br/arquivos/secretarias/servicoseobras/limpurb/MTR_padrao. na cor preta e corpo mínimo 12.

__/08 1. Conselho de Classe: 2. 3.5.11. acondicionados. Acondicionamento 3.3.5.6. Gerador: 1.: 1.4. C.3. que não contenham substâncias perigosas MANIFESTO DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Nº.G. Razão Social: 1. Município: 1. sob todos os aspectos. Endereço: 1.: 1.7.9. Telefone: 1.C.2.2 Resíduo (nome comercial) 3. Responsável Técnico: 1. conforme regulamentação em vigor. Estado: 1. Descrição dos resíduos 3. embalados e rotulados segundo as normas vigentes e estão. I. Código do Gerador: 1. Resíduo (princípio ativo/grupo químico) 3. transbordo e transporte. descarregamento.10.1. em condições adequadas para suportar os riscos normais de carregamento. Quantidade Total 179 .4.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 5. ____________________________________________________ declara que os resíduos abaixo descritos estão devidamente classificados. Estado Físico 3.E.2.2 Manifesto de transporte de resíduos químicos não perigosos Modelo de manifesto de transporte de resíduos. Bairro: 1.8. grupo b.1.

Veículo Placa: 4.3. Bairro: 5.8.1.ministério da Saúde 4. Nome do Condutor: 5. Bairro: 4.1. Resíduo não Recebido: 7. 180 .3.1.5.4.2. não pertencem a nenhuma das classes de risco defindas na resolução 420/04 .2. Razão Social: 4. Telefone: 4. Transportador: 4. Nº. Estado: 4. Destinatário: 5.3.7. Telefone: 6. Estado: 5. Cadastro na Cetesb: 5. Instruções em caso de discrepância das indicações descritas deste manifesto: _______________________ ________________________________________________________________________________________ Obs: Resíduos não enquadrados na legislação em vigor sobre transporte de produtos perigosos. Data: 7. Assinatura: 6. Gerador: 6. Município: 5.6.Motivo do não Recebimento: _____________________________________________________________ 7. Nome Legível: 6.1. Endereço: 4.4. Razão Social: 5.6. Município: 4.2.5. Endereço: 5.2.7.

Preencher o código de gerador cadastrado na limpurb 1.4. Informar qual o procedimento a ser realizado em caso de não recebimento FICHA DE EMERGÊNCIA: DISPENSÁVEL .2. caixa de papelão (cp) ou caixa de perfurantes –cortantes( cpc) 3.6.7. Bairro do receptor 5.3. Bairro do gerador 1.2. Nome do responsável técnico para contato em caso de emergência 1.5. gel(g).sp.4.2.4. Informar a quantidade que estará sendo transportada e qual a unidade em massa (quilograma – kg) ou volume (litro – L) 4.2. Estado do transportador 4. aerossol (as) 3.7. Município do gerador 1.5. pó (p).C. Município do receptor 5. Estado do gerador 1.3.1.11. Telefone do transportador para contato em caso de emergência 4. CONFORME ITEM 4 .6 DA NBR 7503 Obs.3.doc 181 . Nome comercial 3.1. I. gerador 1. C.2 .6.6. Razão social do gerador 1.7.1.2. Município do transportador 4. Informar se a granel (g). bombonas (2).4.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Instruções para preenchimento do MTR 1.10. Assinatura de quem realiza a expedição do resíduo 6.5. em blister (bl). em frasco plástico (fp).1. Endereço do receptor 5. Razão social do gerador 3. Nome do motorista 5. Prefixo e placa do veículo de transporte 4. Razão social do receptor 5.1.1.: o modelo acima foi fornecido pela Prefeitura do Município de São Paulo http://ww2.8. líquido ( l). de cadastro do receptor na CETESB 5.3. em frasco de vidro (fv).2.9. Endereço do transportador 4. Bairro do transportador 4. Informar se sólido (s).br/arquivos/secretarias/servicoseobras/limpurb/MTR_padrao.5. Conselho de classe do responsável técnico 2. Nº. Estado do receptor 5. Nome legível de quem realiza a expedição do resíduo 6. pomada (pm).8. gerador 1. Telefone do gerador para contato em caso de emergência 1. Informar princípio ativo e o grupo a qual se destina. Endereço do gerador 1. Razão social do transportador 4. Descrever o motivo de não recebimento do resíduo 7.E. ex: dipirona: analgésico e antitérmico 3. Telefone do receptor para contato em caso de emergência 6.3.prefeitura.gov. em embalagem pressurizada (ep) e se em saco plástico (1).G. Data de entrega do resíduo 7.

Responsável Técnico: 1.10. o MTR é uma ‘nota fiscal de transporte’.5. Quantidade Total 3.3. Endereço: 1.6.1. descarregamento. seu receptor e a transportadora. Resíduo 3. embalados e rotulados segundo as normas vigentes e estão sob todos os aspectos em condições adequadas para suportar os riscos normais de carregamento.5. 3.2.9.G. Essencialmen‑ te.E.2. acondicionados.ministério da Saúde 5. que identifica o resíduo Classe I ou II. Gerador: 1. Telefone: 1.11. Conselho de Classe: 2. ____________________________________________________ declara que os resíduos abaixo descritos estão devidamente classificados. MANIFESTO DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS Nº. Classe 3. Município: 1.1. Descrição dos resíduos 3.3 Manifesto de Transporte de Resíduos Químicos Perigosos Talonário cuja emissão dever ser autorizada pelo Órgão Ambiental licenciador . ONU 3. C. conforme regulamentação em vigor. 001/09 1. Estado: 1. Código do Gerador: 1.8.2.4. Abaixo um modelo de MTR.6.7.: 1. UNID 182 . transbordo e transporte. É aconselhável consultar o Órgão Ambiental local para obter o modelo de MTR recomendado. Razão Social: 1. Estado Físico 3.7.3.: 1. que estiver sendo transportado. seu gerador. Acondicionamento 3.4.C. I. Bairro: 1.

7. Razão Social: 5. Bairro: 5.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 4. Data: 9. Estado: 5. Destinatário: 5. Telefone: 4.3. Município: 5.3. Veículo Placa: 4.8.5.4.1.2.Motivo do não Recebimento: _____________________________________________________________ 9. Descrições adicionais dos resíduos listados acima: VIDE FICHA DE EMERGÊNCIA 7. Nome do Condutor: 5. Razão Social: 4. Assinatura: 8. Gerador: 8.3.2. Resíduo não Recebido: 9.7. Nome Legível: 8.1. Cadastro na Cetesb: 5. Telefone: 6.1.5.2.1. Município: 4. do MTR anterior): VIDE FICHA DE EMERGÊNCIA 8.6. Nº. Bairro: 4. Endereço: 5.6. Instruções em caso de discrepância das indicações descritas deste manifesto: _______________________ ________________________________________________________________________________________ 183 . Estado: 4. Endereço: 4.2. Instruções especiais de manuseio e informações adicionais (em caso de não entrega do resíduo especificar o nº.4. TRANSPORTADOR: 4.

Bairro do transportador 4.2.6. C.2 da ANTT Nº.1.10. Classe do resíduo conforme ABNT NBR 10.4. Informar tipo de acondicionamento conforme tabela abaixo: Tabela 6 – Tipo de acondicionamento TIPOS DE ACONDICIONAMENTO Tambor de 200 l A granel Caçamba (contêiner) Tanque Tambores de outros tamanhos e bombonas Fardos Sacos Plásticos Outras Formas 3. Razão social do gerador 1. Preencher o código de gerador cadastrado no órgão Municipal 1.1. Telefone do gerador para contato em caso de emergência 1.6. Nome do resíduo conforme item 3. Telefone do transportador para contato em caso de emergência 4.9.3. Razão social do receptor CÓDIGO E01 E02 E03 E04 E05 E06 E07 E08 184 . LÍQUIDO (L). SÓLIDO PASTOSO (SP).1.8.5.4.C.7. Bairro do gerador 1. Nº. Nome do responsável técnico para contato em caso de emergência 1.5. Estado do transportador 4. gerador 1.E. Razão social do gerador 3. Endereço do transportador 4. Unidade em massa (quilograma – kg) ou volume (litro – L) 4.7.11.4. Município do transportador 4. Estado do gerador 1. Nome do motorista 5.7.2. Prefixo e placa do veículo de transporte 4. LODO (LA) OU PASTOSO (P) 3. Informar a quantidade que estará sendo transportada 3. Conselho de classe do responsável técnico 2.ministério da Saúde Instruções para preenchimento do MTR 1.6.5. I. Razão social do transportador 4.3. Município do gerador 1.1.3. gerador 1. 420/04 3.G. Endereço do gerador 1.8. ONU: informar o código de classificação do resíduo de acordo com a ONU (ANTT 420/04) 3.2.1. Informar se o resíduo é : SÓLIDO (S).004 3.

de cadastro do receptor no Órgão Ambiental 5. Telefone do receptor para contato em caso de emergência 8.7. Nome legível de quem realiza a expedição do resíduo 8. Estado do receptor 5.2.: o modelo acima foi fornecido pela Prefeitura do Município de São Paulo http://ww2.1.br/arquivos/secretarias/servicoseobras/limpurb/MTR_padrao. Data de entrega do resíduo 9.2.prefeitura.doc 185 . Município do receptor 5.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 5.6.4. Endereço do receptor 5. Descrever o motivo de não recebimento do resíduo 9.sp. Nº.3.gov. Informar qual o procedimento a ser realizado em caso de não recebimento Obs.5.3. Bairro do receptor 5.1.2. Assinatura de quem realiza a expedição do resíduo 8.

.

6. Segurança e manejo de produtos e resíduos A – Z

cerá este capítulo, o leitor conhe ejo N an rmações sobre o correto m am info dos resíduos que se encontr . abética organizados por ordem alf

HematoloGia e Hemoterapia

Guia de manejo de resíduos

A

Ácido Cítrico
ácido 2‑hidroxi‑1,2,3‑propanotricarboxílico

OH

O

OH O

O

OH
M = 192,1 g/mol

OH

Xi = Irritante Composição e Informações Ácido cítrico anidro nº CAS: 77‑92‑9 nº CE: 201‑069‑1 Identificação dos Perigos Irritante R41 Risco de lesões oculares graves (Classificação segundo a CE 67/548/CEE) Medidas de primeiros socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco. Em caso de parada respiratória aplicar imediatamente respiração artificial. Consultar um médico. Após contato com a pele: Tirar imediatamente a roupa contaminada. Lavar com muita água. Consultar um médico. Após contato com os olhos: Lavar cuidadosamente e abundantemente o local com água, mantendo as pálpebras abertas durante pelo menos 15 minutos. Consultar um olftalmologista. Ingestão: Enxaguar a boca com água. Consultar um médico. Medidas de combate a incêndios Combustível. Manter afastado do fogo. Em caso de incendio formam‑se gases inflamáveis. Meios adequados de extinção: água pulverizada, CO2, pó extintor, espuma.

189

ministério da Saúde

Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Precauções individuais: Usar equipamento de proteção individual (óculos de proteção, máscara, avental e luvas). Evitar a formação de poeiras. Assegurar ventilação adequada no local de trabalho. Precauções ambientais: Não permitir a entrada do produto no sistema de esgoto. Métodos de limpeza Sólido: Umedecer com água evitando a formação de poeiras, recolher o material com uma pá, transferir para recipiente plástico, com tampa para vedação e enviar para descarte. Líquido: Não permitir que o material seque. Absorver com areia seca, transferir para recipiente de plástico com tampa e enviar para tratamento. Em ambos os casos lavar a área contaminada com água. Manuseio e Armazenagem Manuseio: Evitar a formação de poeiras. Utilizar EPI. Medidas de proteção preventiva contra incêndio. Armazenagem: Armazenar a substância em local fresco. Guardar o recipiente hermeticamente fechado em lugar seco e ventilado. Não utilizar recipientes metálicos. Controle de proteção individual Proteção respiratória: no caso de manejos que produzam poeira, utilizar máscaras tipo N95 ou máscaras com filtro P2. Proteção das mãos: manusear com luvas. Proteção dos olhos: Protetor facial ou óculos de proteção. Outros equipamentos: avental. Medidas de higiene: Evitar o contato com a pele, olhos e vestuário. Lavar as mãos após manusear o produto. Não comer, beber ou fumar no local de trabalho. Propriedades físico químicas Forma: pó Cor: branco Odor: inodoro pH: ~ 1,7 em 100 g/L H2O, 20º C Ponto de ebulição: não aplicável Ponto de fusão: 153 ºC Densidade: 1,665 g/cm3 a18 ºC (OECD 109) Solubilidade em água: 59g/100 ml à 20º C (Chemical safety Information from Intergovernmental Organizations INCHEM: OECD‑SIDS:2001) Estabilidade e Reatividade Estabilidade química: Estável sob as condições recomendadas de armazenamento. Condições a serem evitadas: Forte aquecimento. Incompatibilidade: Oxidantes, agentes redutores, bases e nitratos.

190

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Informações toxicológicas DL50 (oral – ratos): 3. Soluções: Neutralizar com hidróxido de sódio 5% até o pH da mistura estar entre 6 a 8. Descartar na pia sob água corrente. com cuidado hidróxido de sódio a 5 %. S39 Usar um equipamento protector para os olhos e face. Descarte Sólidos: Preparar uma solução a 10 % e adicionar. Evitar a entrada do produto em águas residuais. Efeitos da exposição de curto prazo: A substância é irritante para olhos. REAÇÃO Fontes ChemIDPlus Advanced – USNLM European chemical Substances Information System (ESIS) International Chemical Safety Cards (ICSCs) – NIOSH International Program on Chemical Safety SDS – Merck S/A SDS – Sigma‑Aldrich Ltd SDS – Carlo Erba Reagents 191 . lavar imediata e abundantemente com água e consultar um especialista. até o pH estar entre 6 e 8. pele e trato respiratório. Efeitos da exposição de longo prazo ou exposição repetida: A substância pode provocar efeitos sobre os dentes. Descartar na pia sob água corrente. (International Program on chemical Safety) Informações ecológicas Efeito prejudicial devido à mudança de pH. Informações sobre transporte terrestre Não classificado como produto químico perigoso pela ANTT 420:2004. resultando em erosão. Outras informações Frases S S26 Em caso de contacto com os olhos.000 mg/kg (RETCS) (Chemical safety Information from Intergovernmental Organizations INCHEM: OECD‑SIDS:2001) Vias de Exposição: A substância pode ser absorvida pelo corpo por absorção ou ingestão. Irritante Pode ocasionar lesões oculares graves Provoca irritação cutânea.

Tirar a imediatamente a roupa contaminada. Após contato com os olhos: Lavar com cuidado e com água em abundância.  C. Procurar atendimento médico imediatamente. R35 XI: R36/38 192 . aos poucos.08 g/mol O C = corrosivo Composição e informações Ácido sulfúrico 90 a 98 % CAS: 7664‑93‑9 CE: 231‑639‑5 Identificação dos perigos Classificação R35 Provoca queimaduras graves R 36/38 Irritante para os olhos e pele Classificação segundo concentração (Conc) Conc > 15% p/v 5 % < Conc < 15% p/v (Classificação segundo Directiva 67/548/CEE) Medidas de primeiros socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco. Procure um oftalmologista imediatamente. Lavar a boca com água e. Não se deve apalpar ou friccionar as partes atingidas. Encaminhar a pessoa ao médico. Após contato com a pele: Lavar com água abundante (chuveiro de emergência).ministério da Saúde Ácido Sulfúrico óleo de vitríolo OH O S OH M = 98. Tratar a pele afetada com algodão embebido em polietilenoglicol 400. bastante água. Ingestão: Não induzir o vômito. Encaminhar imediatamente o acidentado a um médico. Em caso de parada respiratória aplicar respiração artificial. Não se deve tentar neutralizar o ácido. mantendo as pálpebras abertas durante pelo menos 15 minutos. Se possível mostrar o rótulo do produto ou esta ficha ao médico. se o acidentado estiver consciente faça‑o ingerir. Se necessário máscara de oxigênio.

Adicionar lentamente o ácido sobre a água com agitação constante. Proteção para os olhos: Protetor facial ou óculos de proteção. Evacuar o pessoal para áreas de segurança. Utilizar EPIs.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Medidas de combate a incêndios Não combustível.  Manuseio e armazenagem Manuseio: Trabalhar em cabine de segurança química. Evite respirar os vapores. depois água. Propriedades físicas e químicas Forma: líquido viscoso Cor: incolor Odor: inodoro pH: 0. oxidantes fortes e bases fortes. pó extintor. beber ou fumar no local de trabalho. Medidas de higiene: Evitar o contato com a pele. Absorver o material derramado com areia seca. Não comer.3 (em 49 g/L de água a 25 °C) Ponto de ebulição: 310‑335 °C (ácido sulfúrico 98% a 1013 hPa) Ponto de fusão: ~ 3 ºC (ácido sulfúrico 98%) Ponto de inflamação/fulgor: não aplicável Temperatura de ignição: não aplicável Densidade: 1. NÃO UTILIZAR ÁGUA. Assegurar ventilação adequada. transferir para recipiente de plástico com tampa e enviar para tratamento. bem ventilado e ao abrigo da luz. Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Precauções individuais: Usar equipamento de proteção individual. Deve‑se lavar a área contaminada com uma solução de hidróxido de sódio a 1%. rodo ou serragem. Manter a embalagem bem fechada. Controle de proteção individual (EPI) Proteção respiratória: Máscara facial com cartuchos tipo P2. Outros equipamentos: avental. As estantes para o estoque do produto devem ser resistentes a corrosão. névoas e gases formados. No preparo de soluções nunca adicio‑ nar água sobre o ácido. Armazenagem: Armazenar em local fresco. não se deve permitir que as mesmas escoem para o sistema de esgoto. Lavar as mãos após manusear o produto. areia. Meios adequados de extinção: CO2. redutoras.Não ficar na zona de perigo sem aparelho respiratório autônomo. Proteção para as mãos: luvas de nitrila. Trocar imediatamente a roupa con‑ taminada. Em caso de incêndio pode ocorrer a formação de gases perigosos (óxidos de enxofre). Precauções ambientais: Não permitir a entrada do produto no sistema de esgotos. Métodos de limpeza: Não utilizar panos. vassoura. Armazenar o ácido sulfúrico separado de substâncias combustíveis.835 (ácido sulfúrico 93‑100% a 20 °C) Solubilidade em água: miscível pKa = 1. olhos e vestuário. É aconselhável a utili‑ zação de bandejas de plástico como equipamento de contenção para eventuais derrames.92 (Chemical Safety Information from intergovernmental Organizations INCHEM – OECD SIDS) 193 .

Efeitos de exposição a curto prazo: Corrosivo. cloratos. Efeitos da exposição a longo prazo ou exposição repetida: Os pulmões podem ser afetados pela exposi‑ ção prolongada ou repetida aos aerossóis da substância. Informações toxicológicas LC50 (inalação. (IUCLID) Vias de exposição: a substância pode ser absorvida por inalação. (Exposição ocupacional á névoas do ácido). percloratos. ratos): 0. Perigoso para o fornecimento de água potável no caso de penetração em pequenas quantidades no solo ou em aquíferos. Pele: causa queimaduras severas ocasionando escaras. sais de zinco. Classificado pela IARC como grupo 1 = carcinogênico para humanos. agentes redutores.(International Agency for Research Câncer) Informações ecológicas Efeito prejudicial devido à mudança de pH. nitratos. no caso da formação de aerossóis e por inalação. picratos. (International Program on Chemical Safety – ICSC and OECD SIDS) Efeitos potenciais a saúde Inalação: lesões nas mucosas e trato respiratório superior. cianetos. Informações sobre transporte terrestre Número ONU: 1831 Número de Risco: X886 Classe de Risco: 8 Grupo de embalagem: I Pictograma para transporte:  8  (ANTT – Resolução 420:2004) 194 .ministério da Saúde Estabilidade e reatividade Estabilidade química: Estável sob as condições recomendadas de armazenamento. Condições a serem evitadas: Reage violentamente em contato com água. Incompatibilidade: ácido clorídrico. pele e trato respiratório É Corrosiva se ingerida.510 mg/m3/2 h. materiais combustíveis e substâncias orgânicas. oxidantes fortes. A inalação de aerossóis da substância pode causar edema pulmonar. Tóxico para organismos aquáticos. Olhos: causa queimaduras. alumínio e outros metais em pó formando gás hidrogênio. azidas. lesões na córnea. A substância é muito corrosiva para os olhos. água oxigenada. Ingestão: provoca queimaduras graves. per‑ manganatos.

Absorva o derramamento com uma mistura de carbonato de sódio.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Outras informações Frases S S26 Em caso de contato com os olhos. Na cabine de segurança química adicionar com cuidado e constante agitação o ácido. verta a parte líquida para o ralo e trate a parte sólida como resíduo comum. Adicione lentamente. Descartar a mistura na pia. Procedimentos para descarte Não enviar para incineração.4% p/v Fontes ChemIDPlus Advanced – USNLM European chemical Substances Information System (ESIS) International Chemical Safety Cards (ICSCs) – NIOSH International Program on Chemical Safety SDS – Merck S/A SDS – Sigma‑Aldrich Ltd SDS – Carlo Erba Reagents 195 . bentonita (areia de gato) e areia seca (1:1:1). S45 Em caso de acidente ou de indisposição. Descarte do concentrado e soluções: Usar EPI. Recolha o material em um balde de plástico e transporte para uma cabine de segurança química. Derramamentos do ácido concentrado: Usar sempre EPI. Descarte de soluções diluídas (até 1 mol/L): Podem ser neutralizadas com solução de hidróxido de sódio 4% até que o pH se encontre entre 6 e 8. Neutralizar a mistura com carbonato de sódio até que o pH se encontre entre 6 e 8. S30 Nunca adicionar água a este produto. Reações Observações Conversão: 1 mol/L equivale a uma solução à 5. Lave o local do derrame com água. Decante a mistura. Verifique o pH e caso necessário neutralizar com carbonato de sódio. em pequenas proporções e constante agitação o material absorvido em um balde contendo grande volume de água gelada (1:3). lavar imediata e abundantemente com água e consultar um especialista. consultar imediatamente o médico (se possível mostrar‑lhe o rótulo). que deve ser descartado em igual volume de água gelada.

R46 Pode causar alterações genéticas hereditárias. Em caso de parada respiratória. em contacto com a pele e por ingestão. Irritante: R36/38 Irritante para olhos e pele. aplicar imediatamente respiração artificial. Após contato com a pele: Tirar imediatamente a roupa contaminada. 196 . R45 Pode causa cancro. Nunca dê nada pela boca para uma pessoa inconsciente. R48/23/24/25 Tóxico: risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada por inalação. Em caso de acidente mostrar ao médico o rótulo do produto ou esta ficha.ministério da Saúde Acrilamida 2‑Propenamida CH2=CHCONH2 O H2N M = 71. Sensibilizante: R 43 Pode causar sensibilização em contato com a pele. Ingerir dois copos de água. Ingestão: Enxaguar a boca com água. mantendo as pálpe‑ bras abertas durante pelo menos 15 minutos.Chamar imediatamente um médico. aplicar máscara de oxigênio. Chamar imediatamente um médico. Nocivo: R20/21 Nocivo por inalação e em contato com a pele.08 g/mol CH2 + T = tóxico  Composição e Informações Acrilamida para análise nº CAS: 79‑06‑1 nº CE 201‑173‑7 Identificação dos Perigos Tóxico R25 Tóxico por ingestão. R62 Possíveis riscos de comprometer a fertilidade. Após contato com os olhos: Lavar cuidadosa e abundantemente o local com água. Lavar abundantemente com água. Se necessário. Consultar um médico. Consultar um oftalmologista. (Classificação segundo Directiva CE 67/548/CEE) Medidas de Primeiros Socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco.

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Medidas de Combate a incêndios Combustível. Absorver com areia seca. Propriedades físicas e químicas Forma: sólido (pó) Cor: branco Odor: inodoro pH: (em 50 g/L H2O.  Em ambos os casos lavar a área contaminada com água não permitindo que a mesma entre no sistema de esgoto.3 kPa Ponto de Fusão: 84. Precauções ambientais: Não permitir a entrada do produto no sistema de esgoto.  Líquido: Não permitir que o material seque. Armazenagem: Armazenar em lugar fresco e ao abrigo da luz . Transferir para recipiente de plástico (com tampa para vedação) e enviar para o descate. produto químico seco. dióxido de carbono ou espuma Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Precauções individuais: Usar equipamento de proteção individual. Controle da proteção individual (EPI) Proteção respiratória: Usar respirador com filtro para particulados do tipo N100 (EUA) ou P2 (EN 143) Proteção dos olhos: Protetor facial ou óculos de proteção. olhos e vestuário. 20 ºC) 5. Proteção das mãos: luvas de nitrila. Medidas de Higiene: Evitar o contato com a pele.5 ºC Ponto de inflamação: 138 ºC vaso fechado Temperatura de ignição: 424 ºC Solubilidade em água: 200g/L a 20 ºC (Chemical Safety Information from Intergovernmental Organizations INCHEM – PIM 652) 197 . Lavar as mãos após manusear o produto. Trocar imediatamente a roupa con‑ taminada.0 Ponto de Ebulição: 25°C a 3. ou vermiculite. Utilizar EPIs. Em caso de incêndio formam‑se gases inflamáveis e vapores perigosos. Manter bem fechado e em local ventilado. Manuseio e armazenagem Manuseio: Evitar a formação de poeiras e aerossóis. Métodos de limpeza Sólido: Recolher o material com uma pá evitando a formação de poeiras.0 – 6. Evitar a formação de poeiras. Outros equipamentos: avental. beber ou fumar no local de trabalho. Trabalhar em cabine de segurança. Perigo de explosão. carbonato de sódio. Assegurar ventilação adequada no local de trabalho. Não ficar na zona de perigo sem aparelho respiratório autônomo. Não comer. Meios adequados de extinção: água pulverizada. Transferir para recipiente de plástico com tampa e enviar para tratamento.

  Condições a serem evitadas: Em caso aquecimento podem formar‑se produtos perigosos (óxidos de carbono) e misturas explosivas com o ar. Causa irritação. peróxidos. a pele e o trato respiratório.ministério da Saúde Estabilidade e Reatividade Estabilidade química: Estável. oxidantes. metais. Não permita a entrada do produto em águas. Causa irritação nos olhos. Pode causar alterações genéticas hereditárias em humanos Pode causar perturbações no SNC (International Programme on Chemical Safety) Classificado pelo IARC com grupo 2 A = provável carcinogênico para os humanos (Internaional Agency for Research on Cancer) Informações ecológicas Substância perigosa para o ambiente.500 mg/m3 DL50 Dérmico – rato – 400 mg/kg (ChemIDplusAdvanced) Vias de exposição: A substância pode ser absorvida pelo organismo por inalação. Efeitos da exposição a curto prazo: A substância é irritante para os olhos. águas residuais e solo. Pode causar efeitos no sistema nervoso central (SNC). Efeitos da exposição a longo prazo ou exposição repetida: Pode causar danos no nervo periférico e causar danos genéticos hereditários em humanos. Tóxico se inalado Tóxico se ingerido Tóxico se absorvido através da pele.1 Grupo de Embalagem: III Pictograma para transporte: 6  (ANTT – Resolução 420:2004) 198 . pele e ingestão. (International Uniform Chemical Information Database –(IUCLID) Informações sobre transporte terrestre Número ONU: 2074 Número de Risco: 60 Classe/Subclasse de risco: 6. Informações toxicológicas Toxicidade aguda DL50 Oral – rato – 124 mg/kg CL50 Inalação – rato – 4 h – > 1. Incompatibilidade: ácidos. soluções de hidróxidos alcalinos.

Não enviar a embalagem primária para reciclagem. soluções de acrilamida e géis deverão ser encaminhados para tratamento térmico (in‑ cineração). S53 Evitar exposição. O incinerador químico deverá estar equipado com pós‑combustor e purificador de gases e estar certificado pelo órgão ambiental local. Fontes ChemIDPlus Advanced – USNLM European chemical Substances Information System (ESIS) International Chemical Safety Cards (ICSCs) – NIOSH International Program on Chemical Safety FISPQ – Merck S/A FISPQ – Sigma‑Aldrich Ltd 199 . recomenda‑se extremo cuidado com sua manipulação. Resíduos sólidos. Obter instruções específicas antes da utilização (Directivas 67/548/CEE) Procedimentos para o descarte Devido à toxicidade da acrilamida. Encaminhar o material para incineração.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Outras Informações Frases S S45 Em caso de acidente ou indisposição consultar imediatamente o médico e mostra a embalagem e o rótulo.

Consultar um médico.02 g/mol T+:muito tóxico N:perigoso para o ambiente  Composição e informações Azida de sódio para análise n° CAS: 26628‑22‑8 n° CE: 247‑852‑2 Identificação dos perigos Muito tóxico: R28: Muito tóxico por ingestão. podendo causar efeitos nefastos a longo prazo no ambiente aquático. induzir o acidentado ao vomito. se o cuidado médico não estiver disponível em uma hora. Consultar um oftalmologista. Medidas de Primeiros Socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco.ministério da Saúde Azida de Sódio Azoteto de sódio Azida NaN3 NN+ Na+ N- M = 65. Após contato com os olhos: Lavar cuidadosa e abundantemente com água. Após contato com a pele: Tirar imediatamente a roupa contaminada. Consultar um médico.  R32: Em contato com ácidos liberta gases muito tóxicos Perigoso para o meio ambiente: R50/53: Muito tóxico para os organismos aquáticos. Chamar imediatamente um médico. Fazer ingerir dois copos de água. 200 . Em casos excep‑ cionais. Em caso de parada respiratória aplicar imediatamente respiração artificial. Ingestão: Enxaguar a boca do acidentado com água. mas apenas se ele estiver acordado e consciente. Lavar abundantemente o local com água. mantendo as pálpebras abertas durante pelo menos 15 minutos.

Trocar imediatamente a roupa con‑ taminada. dióxido de carbono ou produto químico seco. Proteção das mãos: Luvas de nitrila. Utilizar EPI. Trabalhar em cabine de segurança. Líquido: Não permitir que o material seque. Informar as autoridades responsáveis em caso de infiltração em curso de água ou sistema de esgotos. olhos e vestuário. and Biologicals) 201 . Drugs. Não ficar na zona de perigo sem aparelho respiratório autônomo. Outros equipamentos: Avental Medidas de higiene: Evitar o contato com a pele.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Medidas de combate a incêndios Em caso de incêndio formam‑se gases inflamáveis e tóxicos (óxidos de nitrogênio).  Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Precauções individuais: Usar equipamento de proteção individual (óculos de proteção. Transferir para um recipiente de plástico. Não comer. Controle da proteção individual Proteção respiratória: em caso de manejos que produzam poeira utilizar máscaras com filtro P3.85 g/cm3 a 20 °C Solubilidade em água: 420 g/L a 17 °C (The Merck Index: An Encyclopedia of Chemicals. ou bentonita (areia de gato). mascara. e enviar tudo para o descarte. Transferir para recipiente de plástico com tampa e enviar para tratamento. Não utilizar embalagens de alumínio. Armazenagem: Manter bem fechado. com tampa para vedação. Proteção dos olhos: Protetor facial ou óculos de proteção. Lavar as mãos após manusear o produto. avental e luvas). em local seco e ventilado a +15 °C a +25 °C. Evitar a formação de poeiras. Absorver com areia seca. Precauções ambientais: Não permitir a entrada do produto no sistema de esgoto. carbonato de sódio. Propriedades Físicas e químicas Forma: sólido cristalino Cor: branco Odor: inodoro pH: Não disponível Ponto de ebulição: 300 °C Ponto de fusão: 275 °C Temperatura de ignição: não disponível Densidade: 1. Manuseio e armazenagem Manuseio: Evitar a formação de poeiras e aerossóis. Assegurar ventilação adequada no local de trabalho. Métodos de limpeza Sólido: Recolher o material com uma pá evitando a formação de poeiras. beber ou fumar no local de trabalho. Meios adequados de extinção: água pulverizada. Em ambos os casos lavar a área contaminada com água não permitindo que a mesma escoe para o sistema de esgoto.

cefaléias. faringe.ministério da Saúde Estabilidade e Reatividade Muito reativo Estabilidade química: Estável sob as condições recomendadas de armazenamento. esôfago e aparelho gastrointestinal. Informações Toxicológicas DL50 (cutânea. vertigens. Informações ecológicas Muito tóxico para organismos aquáticos.1 Grupo de embalagem: II Pictograma para transporte 6 (ANTT – Resolução 420:2004) 202 . nitratos. Informações sobre transporte terrestre Número ONU: 1687 Número de risco: 60 Classe/subclasse de risco: 6. Incompatibilidade: ácidos. metais pesados. náuseas. Efeitos sistêmicos: efeitos no SNC. Não permitir a entrada em águas. Em contato com ácidos libera gases tóxicos. Condições a serem evitadas: Possível reação violenta com nitratos. rato): 50 mg/Kg  (RETECS nº VY8050000 – CDC/NIOSH) Inalação: Pode causar irritação acentuada do aparelho respiratório. queda da pressão arterial. águas residuais ou no solo. dispnéia. falência cardiovascular. Pode causar danos ao ambiente aquático e a longo prazo. hidrocarbonetos haloge‑ nados. rato): 27mg/Kg DL50 (cutânea. Risco de explosão e/ou formação de gases tóxicos com água. vômitos. Olhos: Irritação dos olhos. taquicardia. Na2O/NaOH. sais metálicos. Efeito herbicida. Perigoso se for absorvido pela pele. óxido de nitrogênio. convulsões. desmaio. Pele: Ligeira irritação. Ingestão: Irritação das mucosas da boca. tosse. coelho): 20 mg/Kg  DL50 (oral. Produtos de decomposição: Em casos de incêndio ou forte aquecimento pode formar gases perigosos. hidrocarbonetos halogenados. metais pesados. ácido sulfúrico.

S45 Em caso de acidente ou de indisposição. Procedimentos para o descarte Descarte de derramamentos: Use óculos de proteção. Soluções e sólidos: Segregar no frasco original ou em frasco de plástico com tampa e encaminhar para tratamento térmico (incinerador). avental e luvas de borracha nitrílica. Encaminhe para aterro classe I ou para tratamento térmico (incineração). Fontes ChemIDPlus Advanced – USNLM European chemical Substances Information System (ESIS) International Chemical Safety Cards (ICSCs) – NIOSH International Program on Chemical Safety SDS – Merck S/A SDS – Sigma‑Aldrich Ltd SDS – Carlo Erba Reagents 203 . consultar imediatamente o médico (se possível mostrar‑lhe o rótulo). S60 Este produto e o seu recipiente devem ser eliminados como resíduos perigosos. Obter instruções específicas/fichas de segurança. S61 Evitar a libertação para o ambiente. Cuidadosamente descontaminar o local do vazamento com uma solução de nitrato de amônio cérico a 10%. betonita e areia.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Outras informações Frases S S28 Após contato com a pele. Recolha o material com uma pá de plástico em frasco de plástico com tampa. Cubra o material que foi derramado com uma mistura 1:1:1 de carbonato de cálcio ou sódio. Limpe com esponja e água. Escoe tudo pelo ralo. lavar imediata e abundantemente com água.

R20/21/22 C.11 g/mol Composição e informações Fenol para análise Nº CAS: 108‑95‑2 Nº CE: 203‑632‑7 Identificação dos perigos  Tóxico R23/24/25: Tóxico por inalação. Irritante R36/38: Irritante para os olhos e pele. em contato com a pele e por ingestão. Corrosiva R 34: Provoca queimaduras.  Classificação segundo Concentração (Conc) Conc > 10 % Conc de 3% a 10% Conc > 3% Conc < 3% T. 204 . R 68: Possibilidade de efeitos irreversíveis. Nocivo R48/20/21/22: Risco de efeitos graves para a saúde em caso de exposição prolongada por inalação. R23/24/25 R34 Xn. R 20/21/22: Nocivo por inalação. em contacto com a pele e por ingestão. Chamar imediatamente um médico. Em caso de parada respiratória aplicar imediatamente respiração artificial. em contacto com a pele e por ingestão. R36/38 (Classificação segundo Directiva CE 67/548/CEE) Medidas de primeiros socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco.ministério da Saúde F Fenol Ácido Fenílico Ácido carbólico Monohidroxibenzeno C6H5OH OH   + T = Tóxico M = 94. R34 Xi.

Em ambos os casos lavar a área contaminada com água. Transferir para um recipiente (com tampa para vedação) e enviar o material para descarte. Meios adequados de extinção: água pulverizada. mostrar ao médico o rótulo do produto ou esta ficha. pH: (em 50 g/L H20. Abrir e manusear os frascos do reagente com cuidado. dióxido de carbono ou espuma. Após contato com os olhos: Lavar cuidadosa e abundantemente o local com água. os olhos e o vestuário. Propriedades físicas e químicas Forma: Sólido. Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Precauções individuais: Usar equipamento de proteção individual adequado. Enxaguar a boca com água. vapores ou aerossóis. Assegurar ventilação adequada no local de trabalho. Pode ocorrer a formação de misturas explosivas com o ar. mantendo as pálpe‑ bras abertas durante pelo menos 15 minutos. Métodos de limpeza  Sólido: Recolher o material com uma pá. Absorver com areia seca. Odor: característico.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Após contato com a pele: Tirar imediatamente a roupa contaminada. Manter os frascos não em uso hermeticamente fechados. aerossóis e a liberação de vapores. Medidas de combate a incêndios Não ficar na zona de perigo sem aparelhos respiratórios autônomos. Em caso de incêndio formam‑se gases inflamáveis e vapores perigosos. Ingestão: Não induzir o vômito. Combustível. Outros equipamentos: avental Medidas de higiene: Evitar o contato com a pele. Transportar imediatamente o acidentado para um hospital. Transferir para um recipiente com tampa e enviar para tratamento. Utilizar EPI. evitando a formação de poeiras e aerossóis. Não comer. Consultar um oftalmologista. Manuseio e armazenagem Manuseio: Evitar a formação de poeiras. 20 °C ~ 5. não permitindo que a mesma entre no sistema de esgoto. Evitar a formação de poeiras. Lavar as mãos após manusear o produto. produto químico seco. Armazenagem: Armazenar o produto em lugar fresco e ao abrigo da luz. forma acicular ou massa de cristais brancos Cor: Incolor ou branco. Controle dos equipamentos de proteção individual (EPIs) Proteção respiratória: Máscara facial com cartuchos tipo P2. Liquido: Não permitir que o material seque. Trabalhar em cabine de segurança química. Manter em recipiente fechado e em local bem ventilado. Chamar imediatamente um médico Em caso de acidente. Trocar imediatamente a roupa contaminada. Precauções ambientais: Não permitir a entrada do produto no sistema de esgoto. Proteção para as mãos: luvas de viton ou de neoprene. beber ou fumar no local de trabalho. Proteção para os olhos: protetor facial ou óculos de proteção.0 Ponto de ebulição: 182 °C Ponto de inflamação: 80 °C vaso fechado  205 . Exposto ao ar pode apresentar cor rosa ou avermelhada. Lavar abundantemente o local com água.

ácidos fortes. a pele e o trato respiratório. alumínio. através de contato da substância com a pele ou por ingestão. Perigo de explosão na presença de nitratos. Ataca a borracha e diversos plásticos. Risco de absorção. Efeitos de longo prazo ou exposição repetida: O contato prolongado ou repetido com a pele pode causar dermatite. Classificado pelo IARC como grupo 3 = não classificado. A substância pode causar efeitos no sis‑ tema nervoso central. Efeitos da exposição a curto prazo: A substância e seu vapor são corrosivos para os olhos. distúrbios cardíacos. sais de ferro III. no coração e nos rins. Ingestão: lesões corrosivas na boca e no aparelho gastrointestinal. rato) 525‑714 mg/kg (IUCLID)  LD50 (oral. resultando em convulsões. além de alumínio.  (International Agency for Research on Câncer} Informações ecológicas A substância é tóxica para organismos aquáticos. hipoclorito de cálcio. rato) 317mg/kg (ChemIDPlusAdvanced) Vias de exposição: A substância pode ser absorvida pelo corpo por inalação de seu vapor. for‑ maldeído. rato) 316 mg/m3  LD50 (cutânea. cobre. A exposição pode resultar em morte.ministério da Saúde 85 ºC vaso aberto Ponto de infusão: 43 ºC Temperatura de ignição: 595 (DIM 51 794) Densidade: (20 ºC) 1. zinco. Olhos: queimaduras graves. Informações toxicológicas Toxicidade aguda  LC50 (inalação. tosse. insuficiência respiratória. solução) Número ONU: 2821 Número de Risco: 60 Classe de Risco: 6. (International Program on Chemical Safety Cards) Efeitos potenciais a saúde: Inalação: absorção. Informações sobre o transporte terrestre: (fenol. Incompatibilidade: Reage violentamente com oxidantes forte. dispnéia. A substância pode ter efeitos sobre o fígado e rins. Risco de perfuração do esôfago e estômago.1 Grupo de Embalagem III Pictograma de transporte 206 . A inalação de vapor pode causar edema pulmonar. queimaduras das mucosas. coma. Pele: queimaduras. nitritos e compostos peroxidados. como carcinogênico para os humanos. Condições a serem evitadas: forte aquecimento.06 g/cm3 Solubilidade em água: (20 ºC) 84 g/L (Chemical safety information from intergovernmental organization ICHEM – PIM 412) Estabilidade e reatividade Higroscópico. Risco de cegueira. até o momento.

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos 6 Outras informações Frases S S1/2 – Conservar bem trancado e manter fora do alcance das crianças. as sobras de kits deverão ser encaminhados para tratamento térmico (incineração) em incinerador certificado pelo orgão ambiental local. O produto vencido. Procedimentos para descarte Devido à toxidade do fenol recomendá‑se extremo cuidado com a sua manipulação. S36/37/39 – Usar luvas e vestuário de proteção adequados bem como protecção para os olhos/cara. S45 – Em caso de acidente ou indisposição consultar imediatamente um médico (se possível mostrar‑lhe o rótulo do produto. S28 – Em caso de contacto com a pele lavar imediata e abundantemente com .. Fontes ChemIDPlus Advanced – USNLM European chemical Substances Information System (ESIS) International Chemical Safety Cards (ICSCs) – NIOSH International Program on Chemical Safety SDS – Merck S/A SDS – Sigma‑Aldrich Ltd SDS – Carlo Erba Reagents 207 .. S26 – Em caso de contato com os olhos lavar imediata e abundantemente em água e chamar um médico. S24/25 – Evitar o contacto com os olhos e com a pele. material gerado pela coleta de derramamentos. (produto adequado a indicar pelo fabricante). sua embalagem primária. resíduos gerados na extração de DNA/RNA e..

Ingestão: Não induzir o vômito. Após contato com a pele: Tirar imediatamente a roupa contaminada. Não ficar na zona de perigo sem aparelho respiratório autônomo. pó extintor. espuma.Enxaguar a boca com água. Consultar um oftalmologista. Após contato com os olhos: Lavar cuidadosamente e abundantemente com água. 208 .Chamar imedia‑ tamente um médico.0 g/mol C = Corrosivo Composição e Informações Hidróxido de sódio para análise (lentilha) nº CAS: 1310‑73‑2 nº CE: 011‑002‑00‑6 Identificação dos perigos Corrosivo R35 – Provoca queimaduras graves. Meios adequados de extinção: água. Se possível mostrar o rótulo do produto ou esta ficha. Fazer o acidentado beber muita água. Consultar um médico. CO2. Consultar um médico.ministério da Saúde  H Hidróxido de sódio Soda Cáustica NaOH ‑ OH Na+ M = 40. Não se deve tentar neutralizar a base. mantendo as pálpebras abertas durante pelo menos 15 minutos. Em caso de parada respiratória aplicar imediatamente respiração artificial. Lavar abundantemente com água. Nunca dê nada pela boca para uma pessoa inconsciente. Medidas de Combate a incêndios Não combustível. (Classificação segundo Directiva CE 67/548/CEE) Medidas de Primeiros Socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco.

Ataca algumas formas de plástico. Lavar as mãos após manusear o produto. Proteção das mãos: luvas de borracha. Incompatibilidade: agentes oxidantes fortes. óculos) para limpar o local. evitando a formação de poeiras. Cor: branco Odor: inodoro Ponto de ebulição: 1390 ºC (sólido 100%) Ponto de Fusão: 318 ºC. Líquido: Não permitir que o material seque. Transferir o material para um recipiente de plástico. vidro. Manuseio e embalagem Manuseio: Evitar a formação de poeiras e aerossóis. Proteção dos olhos: Protetor facial ou óculos de proteção. com tampa para vedação e enviar para o descarte. Condições a serem evitadas: Reage violentamente com ácidos. (sólido 100%) Solubilidade em água: 109 g/100ml a 20 ºC (Chemical Safety Information from Intergovernmetal Organizations INCHEM – PIM G 012) Estabilidade e Reatividade Estabilidade química: Estável sob as condições recomendadas de armazenamento. materiais orgânicos. Absorver o líquido com areia seca. Não comer.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Proteções individuais: Usar equipamento de proteção individual.. Utilizar EPIs. Não utilizar recipientes de alumínio e de vidro. Produtos de decomposição: Durante incêndios produtos perigosos pode ser formados. beber ou fumar no local de trabalho. 209 . Corrosivo para metais como o zinco. Trocar imediatamente a roupa contaminada. os olhos e o vestu‑ ário. Armazenagem: Armazenar separado de ácidos fortes e metais. em local seco e ventilado. borracha ou revestimentos . Controle da proteção individual (EPI) Proteção respiratória: em caso de manejos que produzam poeira. utilizar mascaras com filtro P3. Propriedades físicas e químicas Forma : sólido deliquescente. alumínio. Precauções ambientais: Não permitir a entrada do produto no sistema de esgoto. sódio e óxidos de sódio. Evitar o contato com a pele. Trabalhar em local bem ventilado. Métodos de limpeza: No caso de derramamento usar EPI (roupa de proteção. Outros equipamentos: Avental. Assegurar ventilação adequada no local de trabalho. estanho e chumbo. Transferir o material para um recipiente de plástico com tampa e enviar tudo para tratamento Lavar a área contaminada com água não permitindo que a mesma escoe para o sistema de esgoto. Evitar a formação de poeiras. ácidos fortes. Sólido: Recolher o granulado com uma pá. Medidas de higiene: Trabalhar em Cabine de Segurança. luvas. Em contato com a água gera calor. Guardar em recipiente bem fechado. Armazenar em área que tem piso de concreto resistente a corrosão.

Informações sobre transporte terrestre Número ONU: 1823 Número de Risco: 80 Classe de Risco: 8 Grupo de Embalagem: 2 Pictograma para transporte: 8 (ANTT – Resolução 420:2004) Outras informações Frases S S26 Em caso de contato com os olhos. S45 Em caso de acidente ou de indisposição. (International Program on Chemical Safety) Informações ecológicas Substância perigosa para o meio ambiente. consultar imediatamente o médico (se possível mostrar‑lhe o rótulo).000 mg/Kg coelho 500mg/Kg Vias de Exposição: A substância pode ser absorvida pelo corpo. lavar imediata e abundantemente com água e consultar um especialista. É também corrosivo se ingerido. A inalação da substância pode causar edema pulmonar. A substância é muito corrosiva para os olhos. Efeito tóxico para peixes e plancton. a pele e o tra‑ to respiratório. no caso de formação de aerossóis e por ingestão. S37/39 Usar luvas e equipamento protetor para os olhos/face adequados. Não permitir a entrada do produto em águas. Efeitos da exposição de curto prazo: Corrosivo. por inalação.ministério da Saúde Informações toxicológicas DL50 Oral – ratos 2. 210 . águas residuais e solo. Efeitos da exposição de longo prazo ou exposição repetida: O contato prolongado com a pele pode causar dermatite.

Soluções diluídas: (até 2 mol/L): Neutralizar com ácido clorídrico 5% até o pH da solução estar entre 6 a 8. Soluções concentradas: Diluir até obter uma solução com aproximadamente 5% de hidróxido de só‑ dio. lentamente e agitando.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Procedimentos para o descarte Tratamento Usar óculos de proteção. Drugs. Descartar na pia sob água corrente. Descartar a mistura na pia sob água corrente. adicionar a ele . REAÇÃO Fontes ChemIDPlus Advanced – USNLM European chemical Substances Information System (ESIS) International Chemical Safety Cards (ICSCs) – NIOSH International Program on Chemical Safety SDS – Merck S/A SDS – Sigma‑Aldrich Ltd SDS – Carlo Erba Reagents The Merck Index: An Encyclopedia of Chemicals. uma grande quantidade de água gelada. Neutralizar a mistura com ácido clorídrico a 5% . 14 th Edition – 2006 211 . Descartar lentamente na pia sob água corrente. avental e luvas de borracha nitrílica. Utilizar papel indicador para garantir que o pH da solução situar‑se entre 6 e 8. Neutralizar com ácido clorídrico 5% até o pH da solução estar entre 6 a 8. and Biologicals. Sólidos ou pastas: Depositar num recipiente de plástico.

  Medidas de combate a incêndios Equipamento de proteção: Nenhuma medida especial é requerida. Após contato com os olhos: Lavar cuidadosamente e abundantemente com água. 212 .ministério da Saúde P Peróxido de Hidrogênio 3% PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO A 3% (10 volumes) água oxigenada a 3% (10 volumes) H2O2 HO OH M = 34.  Após contato com a pele: Lavar o local água e sabão neutro. Se algum sintoma persistir procurar auxílio médico. Meios adequados de extinção: Utilizar água pulverizada. mantendo as pálpebras abertas durante pelo menos 15 minutos. Consultar um oftalmologista.0 g/mol Xi = Irritante Composição e informações Peróxido de hidrogênio 3% Água 97% Identificação dos perigos Irritante R36 Irritante para os olhos (Classificação segundo CE 67/548/CEE) N° CAS: 7722‑84‑1 N° CE: 008‑003‑00‑9 N° CAS: 7732‑18‑5 N° CE: 231‑791‑2 Medidas de primeiros socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco. Ingestão: Enxaguar a boca com água. produto químico seco. dióxido de carbono ou espuma.

Medidas especiais não são necessárias. Lavar a área com água. Armazenagem: Guardar o recipiente hermeticamente fechado em lugar seco e bem ventilado. Informações toxicológicas Efeitos potenciais para a saúde: Inalação: Pode causar irritação no aparelho respiratório. Produtos de decomposição perigosa: nenhum produto conhecido. Incompatibilidade: metais em pó. (European chemical Substances Information System – ESIS) Classificado pelo IARC como grupo 3 = não carcinogênico para os humanos. Proteção dos olhos: Protetor facial ou óculos de proteção Proteção das mãos: Luvas Outros equipamentos: Avental Propriedades Físicas e Químicas Forma: líquido Cor: incolor Odor: inodoro pH: dados não disponíveis Ponto de fusão: dados não disponíveis Ponto de ebulição: dados não disponíveis Temperatura de ignição: dados não disponíveis Solubilidade: totalmente solúvel Densidade: 1. Controle de proteção individual Proteção respiratória: Não é necessária. (International Programme on Chemical Safety) 213 . Sensível à luz. Métodos de limpeza: Absorver com material poroso (areia seca ou toalha de papel). Olhos: Causa irritação nos olhos. Precauções ambientais: Evitar a entrada do produto no sistema de esgoto. Pele: Geralmente não é irritante para a pele. Ingestão : Pode ser perigoso se for ingerida.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Precauções individuais: Caso ocorra formação de vapor. Descartar como resíduo comum o material utilizaddo para absorver o derrame como resíduo co‑ mum.000 g/cm3 Estabilidade e Reatividade Estabilidade química: estável sob as condições recomendadas de armazenamento. Manuseio e armazenagem Manuseio: Evitar contato com a pele e olhos. ferro e sais de ferro. Condições que devem ser evitadas: dados não disponíveis. névoas ou aerossóis utilizar EPI.

Informações sobre o transporte terrestre Não classificado como produto perigoso pela ANTT – Resolução 420:2004. Solução: Deixar o produto exposto à luz durante pelo menos dois dias e descartar na rede de esgoto. Descartar tudo como resíduo comum.3037 x V Fontes ChemIDPlus Advanced – USNLM European chemical Substances Information System (ESIS) International Chemical Safety Cards (ICSCs) – NIOSH International Program on Chemical Safety SDS – Merck S/A SDS – Sigma‑Aldrich Ltd SDS – Carlo Erba Reagents 214 .ministério da Saúde Informações ecológicas Dados não disponíveis. Observações Definição de Volume de H2O2: 1ml de uma solução de água oxigenada 100 Volumes gera 100 ml de oxigênio (gás) Conversão % em Volume: % H2O2 = 0. Procedimentos para o descarte Derramamentos: Absorver o derrame com absorvente (toalha de papel).

(Classificação de acordo com o Regulamento nº 1907/2006/CE) Medidas de primeiros socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco. mantendo as pálpe‑ bras abertas durante pelo menos 15 minutos. Após contato com a pele: Tirar imediatamente a roupa contaminada. Meios adequados de extinção: Água pulverizada. Medidas de combate a incêndio Não ficar na zona de perigo sem aparelho respiratório autônomo. Procurar atendimento médico. Em caso de parada respiratória. R34 – Provoca queimaduras. aplicar respiração artificial. Encaminhar o acidentado a um médico. R43 – Pode causar sensibilização em contato com a pele. podendo causar efeitos nefastos em longo prazo no ambiente aquático. Se possível mostrar o rótulo do produto ao médico. Lavar o local com água abundante (chuveiro de emergência). Ingestão: Não induzir o vômito. Enxaguar a boca com água. produto químico seco. CO2. 215 .HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos ProClin 300 S N O ProClin 3 C4H5NO5.C4H4ClNO5 Cl CH3 S N O CH3 T = Tóxico N =Perigoso para o meio ambiente Composição e Informações Produto Mistura de: 5‑cloro‑2‑metil‑4‑isotiazolinona e 2‑metil‑4‑isotiazolinona (3:1) ~4% Carboxilato de Alquila ~ 5% Glicol modificado (“trade secret”) ~91% Nº CAS: 55965‑84‑9 Nº CE: _________ Identificação dos perigos Tóxico: R/23/24/25 – Tóxico por inalação em contato com a pele e por ingestão. Após contato com os olhos: Lavar o local com cuidado e com água em abundância. Procure um oftalmologista. R50/53 – Muito tóxico para organismos aquáticos.

Proteção para os olhos: óculos de proteção Proteção para as mãos: luvas de nitrila Outros equipamentos: avental Medidas de higiene: Lavar as mãos após manusear o produto.800 mg/kg (MDS Sigma‑Aldrich) Substância não classificada no anexo I da Directiva 67/548/ECC. Não identificada pela IARC como carcinogênica.ministério da Saúde Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Precauções individuais: Usar equipamento de proteção individual.  Informações ecológicas Tóxico para organismos aquáticos. mercaptanas. Limpar a área com água. coelho) 2. óxidos de enxofre. Armazenagem: Armazenar a solução em local fresco e bem ventilado. rato) 862 mg/kg DL50 (cutânea. 216 . as névoas e os gases formados. Evite respirar os vapores. transferir para um recipiente de plástico com tampa e enviar para tratamento. Assegurar ventilação adequada. Propriedades físicas e químicas Forma: Líquido Cor: amarelo claro pH: 4. 48921‑U) Estabilidade e Reatividade Estabilidade química: Estável sob as condições recomendadas de armazenamento. aminas. Incompatibilidade: Agentes oxidantes forte. agentes redutores. Precauções ambientais: Não permitir a entrada do produto no sistema de esgoto. Não permitir a entrada do produto em águas residuais ou no solo. Manuseio e armazenagem Manuseio: Utilizar EPI Evitar o contato com a pele e os olhos. Pode causar danos ao ambiente aquático em longo prazo. Absorver o material derramado com areia seca. Não comer beber ou fumar no local de trabalho. óxidos de nitrogênio (NOx). Produtos de decomposição: Em casos de incêndio pode formar óxidos de carbono.1 (em 100 g/L de água a 25 °C Ponto de ebulição: 189 °C Ponto de fusão: ‑ 40 °C Ponto de inflamação: 118 °C (vaso fechado) Densidade: 1.03 g/cm3 (MSD Sigma‑Aldrich art. Manter a embalagem bem fechada. Evacuar o pessoal para áreas de segurança. Informações toxicológicas Toxicidade aguda DL50 (oral. Controle de proteção individual Proteção respiratória: Não é necessária.

E. A Anvisa (informe técnico de 3/02/2006) limita a concentra‑ ção das isotiazolinonas em saneantes em 15 ppm ou 0. A concentração do conservante utilizada nos reagentes dos kits de sorologia é de 0. Lavar os frascos com água recolhendo o líquido no béquer em que foi descartado o conteúdo dos fracos. Procedimentos para descarte Os dados descritos são do produto ProClin 300. Ajustar o pH entre 4 a 5.5% ou 500 ppm. A solução é estável por uma semana. Procedimento: Preparar uma solução de bissulfito de sódio a 12 %. ácido orgânico N. S61 Evitar a sua liberação para o meio ambiente. Transferir o conteúdo dos frascos que contenham o conservante para um béquer. Adicionar o dobro da solução de bissulfito a 12%. Fontes ChemIDPlusAdvanced SDS Sigma‑Aldrich Ltd 217 .HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Informações sobre o transporte terrestre Número ONU: 3265 (líquido corrosivo.) Número de Risco: 88 Classe/subclasse de risco: 8 Grupo de embalagem: II Pictograma 8 Outras Informações Frases S S26 Em caso de contacto com os olhos lavar imediata e abundantemente com água e chamar  um médico.0015%. S45 Em caso de acidente ou indisposição consultar imediatamente um médico (se possível mostrar‑lhe o rótulo do produto). sobras de kits ou kits vencidos que tenham como conservante ProClin 300 devem ser tratadas antes do descarte. Ter em atenção às instruções específicas das fichas de dados de Segurança. Assim. S36/37/39 Usar luvas e vestuário de protecção adequados bem como protecção para os olhos e caras. Enviar para tratamento térmico (incineração) ou efetuar tratamento interno. aguardar no mínimo 30 minutos e descartar na pia com água em abundância.

Bolsas com prazo de validade vencido. Equipos de transfusão. Sobras de amostras de laboratório contendo sangue e/ou plasma.  Kits e Circuitos de equipamentos de aférese Membrana filtrante. que por suas características. Máscara.  Bolsas rejeitadas por contaminação. Bolsas rejeitadas por má conservação.  Grupo A4: Kits de linhas arteriais. podem apresentar risco de infecção. endovenosas e dialisadores. 218 .  Materiais contendo sangue na forma livre.4): (RDC 306:2004)  Bolsas transfusionais contendo sangue. (por exemplo: papel toalha). Grupo A1 (5. Plasma. Bandagem antisséptica. Gaze. Luvas descartáveis.  Materiais contaminados com material biológico que não contenham sangue/lasma na forma livre: Bolsas transfusionais vazia ou com volume residual pós‑transfusão. Algodão. Tubo de ensaio com sangue não coagulado (anticoagulado). Seringas sem agulha.ministério da Saúde R Resíduo Biológico Risco Biológico Composição e Informações  Resíduos com a presença de agentes biológicos. Hemocomponentes.  Sangue.  Protetores faciais descartáveis . Bolsas oriundas de coleta incompleta. Tubo de ensaio com sangue coagulado.  Tubo de ensaio com material biológico. Bolsas rejeitadas por não conformidade. Equipos de soro. Esparadrapo.

Comunicar o médico do trabalho e encaminhar imediatamente o acidentado para o serviço de saúde. Hepatite C – nenhuma medida específica disponível. caso sejam necessárias. Canhão com agulha.  (RDC 306. Hepatite B – gamaglobulina hiperimune (HBIG).HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Grupo E: Agulhas. Após contato com os olhos: Lavar cuidadosamente e abundantemente com água. Placas de petri. Após contato com mucosas (boca): lavar exaustivamente a boca com água. Microlancetas.: Medidas específicas após exposição no caso de acidentes com perfurocortantes: HIV – medicamentos antirretro virais. Tubos capilares. mantendo as pálpebras abertas. para que o profissional tome as medidas profiláticas. Tubos de vidro. 2ª ed.  Lancetas. de 7/12/2004 – Anvisa)  Identificação dos Perigos Infectante Classe de Risco 2: moderado risco individual e limitado risco para a comunidade. Ponteiras de plástico. Ampolas de vidro. Capilares. 219 . Seringas de vidro. Obs. Vidraria de laboratório quebrada. Microcubetas Laminas de bisturi. Escalpo. Classe de Risco 3: alto risco individual e moderado risco para a comunidade. Ponteiras de micropipetas. Medida de Primeiros Socorros Após contato com a pele: No caso de exposições percutâneas e cutâneas lavar exaustivamente o local exposto com água e sabão neutro ou solução anti‑séptica. (Classificação de Risco dos Agentes Biológicos. MS – 2010).  Laminas e lamínulas. Tubos de coleta.

E  Número de Risco: 606 Classe de Risco: 6. recolher tudo com uma pá e descartar os resíduos como se faz com os Grupo E. (Cartilha de Proteção Respiratória Contra Agentes Biológicos para Trabalhadores de Saúde.ministério da Saúde Medidas de controle para derramamentos e vazamentos: Utilizar EPI. Métodos de Limpeza: Absorver com material poroso (toalha de papel) e descartar o material utilizado para absorver o derrame como resíduo do Grupo A1.  Não recomendamos a utilização de cloro orgânico como absorvente.E. No caso da presença de material perfurocortante (agulha. Anvisa/Fundacen‑ tro/CB‑32:ABNT/HC Porto Alegre – 2008). Vedação precária no rosto. Controle de proteção individual: Proteção respiratória: Máscara cirúrgica – para proteção contra inalação de patógenos transmitidos por gotículas.2 – Substâncias Infectantes 220 .  3291 Resíduos Clínicos Inespecíficos N. Disponível em diversos formatos e tamanhos. Deve ser usada enquanto estiver em perfeitas condições de uso (limpa e com boa ventilação no rosto).E. com álcool 70%. utilizar luvas de nitrila.  3373 Espécimes para diagnóstico. N. Resíduos Médicos Regulamentados. vidro quebrado. No caso de alergia. Limpar com água e sabão neutro. Não é indicada para proteção contra aerossóis contendo agentes biológicos. Proteção para os olhos: Protetor facial ou óculos de proteção.  Peça semifacial filtrante (PFF2. “bico de pato”): Para proteção contra a inalação de patógenos trans‑ mitidos por aerossóis. Riscos de Transmissão:  Hepatite B  Hepatite C  HIV Informações sobre transporte terrestre: Número ONU: (dependendo do caso)  2814 Substância infectante. que afeta seres humanos. Outros equipamentos: Avental de algodão ou avental descartável. após a limpeza com água e sabão. por exemplo) absorver o derrame com material poroso. N95. Caso necessário desinfetar o local. Não é EPI. ou Resíduos Biomédicos N. Proteção para as mãos: Luvas de látex.

Devem ser substituídos quando atin‑ girem 2/3 de sua capacidade pelo menos a cada 24 horas e identificados com o símbolo de infectante. Ponteiras de pipetas automáticas são perfurocortantes. em equipamento compatível com Nível III de inativação microbiana e que desestruture as suas características físicas. à ruptura e ao vazamento. em recipientes rígidos. resistente à punctura. Antes da disposição final devem ser submetidos a tratamento interno ou externo utilizando‑se processo físico (autoclave. sendo proibido reencapá‑las ou retirá‑las manualmente. os resíduos podem ser descartados como os do Grupo D – resíduoscomuns. Sobras de amostras de laboratório contendo sangue ou plasma podem ser descartadas diretamente no sistema de esgoto desde que este seja encaminhado para uma Estação de Tratamento de Efluentes. 221 . à ruptura ou ao vazamento.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Grupo de Embalagem: II Pictograma para Transporte  6 Recomendamos que os resíduos gerados pelos serviços de hematologia/hemoterapia do Grupo A1(5.4). de modo a se tornarem irreconhecíveis antes da disposição final. com o símbolo de infectante. Grupo A4 Acondicionar em saco branco leitoso.  Procedimentos para descarte: Grupo A1(5. Enviar para aterro sanitário licenciado para disposição final de RSS. resisten‑ tes à punctura. Grupo E Devem ser descartados no local de geração. Grupo A4 ou Grupo E sejam identificados com o número ONU 3291 – Resíduos Biomédicos N. sem tratamento. sendo proibido des‑ cartá‑las em sacos de plásticos. O recipiente deve atender os parâmetros referenciados pela norma NBR 13853/97 da NBR e pela NBR 13853/87 da ABNT. Caso o tratamento venha a ser realizado fora da unidade geradora o acondicionamento para transporte deve ser em recipiente rígido. com tampa. Os recipientes devem ser identificados com o símbolo de infectante. Depois de tratados. incineração. Lembrar que as agulhas devem ser descartadas juntamente com a seringa.E. imediatamente após o uso.4) Os resíduos devem ser acondicionados em saco vermelho e substituídos quando atingirem 2/3 de sua capacidade ou pelo menos uma vez a cada 24 horas e identificados pelo símbolo de substância infec‑ tante. micro‑ondas) ou outros processos validados para a obtenção de redução ou eliminação da carga microbiana.

Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar MS – Processamento de Artigos e Superfícies em Esta‑ belecimento de Saúde. é proibido o encaminhamento dos resíduos de serviços de saúde para disposição final em aterros sem prévio tratamento. contudo o processo deve ser validado quanto ao tipo de ciclo e as condições de distribuição das bolsas dentro da autoclave. (Lei 12. Fontes Resolução Anvisa RDC 306/04 Resolução Conama 358/05 Classificação de Risco dos Agentes Biológicos. MS – 2010. pois o cloro não é adequado para desinfecção de matéria orgânica. Sabe‑se que a eficiência do “cloro” como desinfetante diminui à medida que a quantidade de matéria orgânica aumenta. A relação entre a quantidade do produto utilizado na descontaminação e a quantidade de matéria orgânica a ser descon‑ taminada não é conhecida.ministério da Saúde Observações: Uso do cloro A desinfecção com “cloro” não é recomendada para o tratamento de materiais contaminados com sangue ou para a limpeza de superfícies em que tenha ocorrido derramamento de sangue ou fluidos biológicos. 2ª ed. Tratamento interno: A inativação por calor com uso de autoclave atende às especificações da RDC 306. no Estado de São Paulo.300.1994  222 . Por exemplo. 2ªed. Disposição Final: É aconselhável consultar o orgão ambiental local sobre a disposição final dos resíduos do Grupo A4. de 16/03/2006)..

CO2. Consultar um oftalmologista Ingestão: Enxaguar a boca com água. Consultar um médico. Meios adequados de extinção: água pulverizada. mantendo as pálpebras abertas durante pelo menos 15 minutos. Consultar um médico. Após contato com a pele: Tirar a roupa contaminada.34 g/mol Xi = Irritante Composição e informações Reagente para análise Nº CAS: 54827‑17‑7 N° CE : 259‑367‑6 Identificação dos Perigos Irritante R 36/37/38 Irritante para os olhos. Medidas de combate a incêndios Combustível Em caso de incêndio formam‑se vapores tóxicos. Após contato com os olhos: Lavar cuidadosamente e abundantemente o local com água. pó extintor.3’5.5’‑tetramentilbenzidina   M = 240. Consultar um médico. vias respiratórias e pele. Lavar o local com água. 223 .HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos T Tetrametilbenzidina 3. (Classificação segundo a CE 67/548 CEE) Medidas de primeiros socorros Após inalação: Expor o acidentado ao ar fresco.

transferir para recipiente plástico. Condições que devem ser evitadas: Forte aquecimento. com tampa para vedação e enviar para descarte. Evitar a formação de poeiras. Proteção dos olhos: Protetor facial ou óculos de proteção. Guardar o recipiente hermeticamente fechado. Líquido: Não permitir que o material seque. Outros equipamentos: avental. Medidas de higiene: Evitar o contato com a pele. Propriedades físicas e químicas Forma: sólido Cor: fraco Odor: inodoro pH: dado não disponível Ponto de ebulição: 168 – 169 °C Ponto de fusão: 168 – 171 °C Densidade: dado não disponível Solubilidade em água: insolúvel Estabilidade e Reatividade Estabilidade química: Estável sob as condições recomendadas de armazenamento. Métodos de limpeza: Sólido: Umedecer com água evitando a formação de poeiras. beber ou fumar no local de trabalho. transferir para recipiente e descartar. avental e luvas). Incompatibilidade: metais. Absorver com papel toalha ou areia seca. Em ambos os casos lavar a área contaminada com água. Produtos de decomposição perigosos: Em caso de incêndios formação de óxidos de carbono e de óxidos de nitrogênio.ministério da Saúde Medidas de controle para derramamentos ou vazamentos Precauções individuais: Usar equipamento de proteção individual (óculos de proteção. 224 . ácidos fortes e agentes oxidantes fortes. Proteção das mãos: manusear com luvas. Utilizar EPIs. Assegurar ventilação adequada no local de trabalho. Evitar exposição à luz e umidade. Precauções ambientais: Não permitir a entrada do produto no sistema de esgoto. Controle de proteção individual Proteção respiratória: no caso de manejos que produzam poeira utilizar máscaras tipo N95 ou máscaras com filtro P2. Manuseio e armazenamento Manuseio: Evitar a formação de poeiras. máscara. Não comer. Armazenagem: Armazenar a substância em local fresco. Lavar as mãos após manusear o pro‑ duto. recolher o material com uma pá. olhos e vestuário.

lavar imediata e abundantemente com água e consultar um especialista. com água em abundância. Descarte O líquido dos frascos de sobras de kits e de kits vencidos que contenham o corante podem ser descar‑ tados diretamente na pia. Os frascos depois de lavados e descaracterizados podem ser enviados para reciclagem ou descartados como resíduo comum. Ingestão: pode ser perigoso se ingerido. Informações sobre o transporte terrestre Não classificado com produto perigoso pela ANTT 420:2004. Pele: causa irritação.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Informações toxicológicas Não estão disponíveis dados quantitativos quando a toxicidade do produto. Fontes ChemIDPlus Advanced – USNL European Chemical Substances Information System (ESIS) SDS Merck S/A SDS Sigma‑Aldrich Ltd SDS Carlo Erba Reagents 225 . Efeitos potenciais para a saúde: Inalação: irritação no trato respiratório superior. Informações ecológicas Não estão disponíveis dados quantitativos quanto aos efeitos ecológicos deste produto. Outras informações Frases S S26 Em caso de contacto com os olhos. Olhos: provoca irritação ocular grave.

.

Referências .7.

.

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Legislação e Normas Técnicas Legislação federal Lei nº 11 . Decreto nº 4.  Resolução nº 275 de 25/04/2005 – Estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduo.044/1988 e 98. o processamento. 7º e 19 dos Regulamenetos para os transportes rodoviário e ferroviário de produtos perigosos.elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais desaúde. dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento. da placentae da medula óssea. e dá outras providências. o armazenamento. de 14/06/2004 – Determina o Regulamento Técnico para os procedimentos hemoterápicos. de 02/08/2010 – Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos.973/1990.097 de 23/01/2002 – Altera a redação dos arts.305. Ministério do Trabalho e Emprego Norma Regulamentadora nº 5 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Norma Regulamentadora nº 6 – Equipamentos de Proteção Individual (EPI) Norma Regulamentadora nº 7 – Programa deControle Médico de Saúde Ocupacional Norma Regulamentadora nº 32 – Segurança eSaúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde 229 . Agência Nacional de Vigilância Sanitária RDC nº 50. RDC nº 153. obtidos do sangue venoso. do cordão umbilical. programação. a ser adotado na identificação de coletores e transportadores. de 05/01/2007 – Estabelece diretrizes básicas para o saneamento básico . Resolução nº 358 de 29/04/2005 – Tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências.e seus componentes. o transporte. de 21/02/2002 – Documento Técnico para planejamento. Lei nº 12. bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes. o controle de qualidade e o uso humano de sangue. a testagem.445. aprovados pelos Decretos nº 96. incluindo a coleta. RDC nº 306 de 07/12/2004 – Regulamento Técnico para o gerenciamento de serviços de saúde . Resolução nº 357 de 12/03/2005 – Classificação.

ABNTNBR 13221:2010 – Transporte terrestre de resíduos . Requisitos e métodos de ensaio. Incompatibilidade química . ABNT NBR 7503:2009 (versão corrigida 2) – Transporte terrestre de produtos perigosos– Ficha de emergência e envelope.ministério da Saúde Ministério dos Transportes Resolução nº 420 de 12/02/2004 – Regulamento do transporte terrestre de produtos perigosos Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT NBR 12235:1992 – Armazenamento de resíduos sólidos perigosos . ABNT NBR 14619:2009 – Transporte terrestre de produtos perigosos . ABNT NBR 9191:2008 – Sacos plásticos para acondicionamento de lixo . Requisitos de contrução e inspeção. movimentação e armazenamento de produtos. ABNT NBR 7501:2005 – Transporte terrestre de produtos perigosos – Terminiologia . ABNT NBR 14725:2009 (versões corrigidas 26/01 e 26/07 de 2010) – Produtos Químicos – Informações sobre segurança (FISPQ). Requisitos e métodos de ensaio. 230 . ABNTNBR 10004 :2004 – Resíduos sólidos .manuseio. Caracteristícas. Classificação ABNT NBR 7500:2009 (versão corrigida) – Identificação e transporte terrestre. ABNT NBR 14652:2001 – Coletor‑transportador rodoviário de resíduos de serviço de saúde . Resíduos do Grupo A. ABNT NBR 13853:1997 – Coletores para resíduos de serviços de saúde perfurantes e cortantes . dimensões e preenchimento.

Fundacentro. R.. H. BRASIL. Manual de segurança biológica em laboratórios. 3. v 43. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Complexo Industrial e Inovação em Saúde. C. A. 2007. 2005. J. Newslab. Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. 64‑5. LOUREIRO. FONSECA. São Carlos: RIMA. Government Ofce. Biossegurança aplicada a laboratórios e serviços de saúde. FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (MG). M. Hazardous laboratory chemicals disposal guide. Classificação de riscos dos agentes biológicos. Ministério da Saúde. A. São Paulo: UNESP. p. Biosafety in Microbiological and Biomedical Laboratories. Cultura Acadêmica. ed. 3. MANCINI FILHO. MASTROIENI. Brasília: Ministério da Saúde. 2009.. 1999. ARMOUR. 2004. ABNT – Comite Brasileiro de Equipamento de Proteção Industrial CB‑32. Brasília: Ministério da Saúde. M. FEAM. Programa de proteção respiratória e uso de respiradores: recomendações. 2006. P. BRASIL.M. 2000. Brasília. Ministério do Trabalho. ALBERGHINI. Manual para gerenciamento de resíduos perigosos. São Paulo: Ateneu. B. 2002. J. 2005. São Paulo: Editora Manole. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITÁRIA (Brasil). seleção e uso de respiradores. FUNDACENTRO. S.S. 2008. Florida: CRC. National Institute of Health. L. ed. CARVALHO. Boas práticas químicas em biossegurança. M. RESENDE. ed. Hospital das Clínicas de Porto Alegre. Tratamento de resíduos químicos: guia prático para a solução dos resíduos químicos. Rio de Janeiro: Interciência. HIRATA. SILVA da. C. O. Washington: U.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Literatura consultada AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Brasil). Manual de biossegurança. São Paulo: Fundacentro. 2002. 231 . Brasil: OMS. 2004. 2009. Center for Disease Control and Prevention.l]. [S. Cartilha de Proteção Respiratória contra agentes biológicos”. L.. L. Belo Horizonte: Fundação Estadual do Meio Ambiente. M. F. Descartes de resíduos no laboratório. Secretária de Ciência. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. 2. 2010.

alfa. ed.ministério da Saúde ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. 2009.org/echemportal/ Chemical safety – Univ . Geneva: United Nations.com/ Centers for Disease Control and Prevention – CDC http://www.illinois. GREENE.cdc.. acondicionamento e coleta de resíduos químicos. S. New Jersey: Wiley Publications.anvisa. NewYork.oecd. UNITED NATIONS.adaltis..net/ead/ ChemPortal – OECD http://webnet3.br Carlo Erba Reagenti http://www.abnt. E. Guia sobre la regulamentación relativa al transporte de sustancias infecciosas 2009‑2010. C. REINHARDT.carloerbareagenti. TEIXEIRA.pgm Anvisa http://www. P.br/ Adaltis http://www. Biossegurança: uma abordagem multidiciplinar. 2010. 2007. S. 3. RAPPARINI. A. identifcação. Wiley guide to chemical incompatibilities. Normas de procedimentos para segregação.com/en/gh100w. Links ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas http://www.org/ 232 . POHNISH. 3.org. Globally harmonized system of classifcation and labelling of chemicals (GHS).com AlfaAezar‑JohnsonMattey http://www. 2009.inchem.nucleoead. VALLE. rev.edu/css/guidesplans/safety/index. P.. ed. 1998. São Carlos: Unidade de Gestão de Resíduos. Manual de implementação: programa de prevenção de acidentes com materiais perfurantes e cortantes em serviços de saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswado Cruz. 2009.aspx Chemical Safety Information from Intergovernmental Organizations INCHEM http://www. Ginebra: OMS.gov.. São Paulo: Fundacentro.drs. R.gov/ CGSH – Ministério da Saúde http://ms.Illinois http://www. Nueva York. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS (São Paulo).

iarc.echa.gov/chemidplus/ Comissão de Resíduos UNIFESP http://www.unifesp.mma. de Tratamento Resíduos – Centro de Energia Nuclear da Agricultura USP http://www.nlm.br/residuos/index.gov/ European Chemicals Agency (ECHA) http://echa.br/lrq/ Lab .europa.iqm.usp.epa.asp 233 .asp European Commission Joint Research Center http://ecb.com/safety‑center/globally‑harmonized.br/ Laboratório de Resíduos RP http://www.br/ International Chemical Safety Cards – NIOSH http://www.cdc.edu/ Descarte/Tratamento – Unifal_MG http://www2.fr/ENG/Classification/index.usp.unicamp.sis.php Comissão Técnica Nacional de Biossegurança http://www.cetesb.htm Manual de Produtos Químicos – CETESB http://www.gov.ctnbio.ec.gov.ehs.br/conama/ Cornell http://www.cena.edu.gov.eu/esis/ GHS‑Sigma_Aldrich http://www.gov/niosh/ipcs/nicstart.europa.HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos ChemIDPlus Advanced NLM http://chem.europa.sigmaaldrich.html International Agency for Research on Cancer (IARC) http://monographs.php Instituto de Química da USP http://www2.eu/ Laboratório de Química ambiental – LQA UNICAMP http://lqa.br/Emergencia/produtos/produto_consulta.usp.unifal‑mg.br/riscosquimicos/?q=substancias EPA – US Environmental Protection Agency http://www.nih.iq.sp.br/ Conama http://www.pcarp.br/reitoria/residuos/index.html IUCLID http://iuclid.eu/home_en.cornell.jrc.

int/en 234 .inchem.br/ Ministério dos Transportes http://www.com.org/ Synt Brasil – FISPQ http://www.sigmaaldrich.html SIRI – MSDS Guide http://www.za/hazchem/saf_14.br/prevencao/ Sigma Aldrich http://www.gov/ UNIFAL – MG http://www2.com.html Projeto Riscobiológico http://riscobiologico.br/ Ministério do Meio Ambiente http://www.mte.unesp.html#Internet Organização Pan‑Americana da Saúde http://new.nih.com/msds/index.unifal‑mg.ilpi.qca.siri.saude.edu.transportes.htm Segurança Química –UNESP (IBILCE) http://www.org/ Safety Manual for Handling Hazardous Chemical Substances http://www4.htm TOXNET Toxicology Data Network http://toxnet.gov/ Poisons Information Monographs http://www.ac.who.br Ministério do Trabalho e Meio Ambiente http://www.br/riscosquimicos/ World Heath Organization http://www.ibilce.org/pages/pims.org/bra/ Occupational Safety & Health Administration (OSHA) http://www.br MSDS OnLine http://www.merck‑chemicals.br/fispq.gov.com/brazil.mma.labsynth.ministério da Saúde Merck http://www.br Ministério da Saúde http://www.paho.osha.tlabs.gov.nlm.gov.gov.

HematoloGia e Hemoterapia Guia de manejo de resíduos Grupo de Trabalho André Luiz Lopes Sinoti Mestre em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa E‑mail: andre.amaral@saude.com 235 .gov.sinoti@anvisa.br Regina Clélia da Costa Mesquita Micaroni Doutora em Química Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP E‑mail: remicaroni@reitoria.br Léa Mara Tosi Soussumi Mestre em Saúde na Comunidade Hemocentro de Ribeirão Preto / CRH/ HCFMRP/ USP E‑mail: lea@hemocentro.com.br Márcia Teixeira Gurgel do Amaral Mestre em Saúde Pública Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados / MS E‑mail: marcia.com Claudia Spegiorin Vicente Mestre em Qualidade Centro de Hematologia e Hemoterapia de Campinas / UNICAMP E‑mail: claudiav@unicamp.gov.unicamp.usp.br José Carlos Gonçalves de Araújo Especialista em Gestão Industrial Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados / MS E‑mail: jcga@terra.fmrp.br Antônio Carlos Magnanelli Especialista em Análises Clínicas e Toxicológicas Fundão Pró‑Sangue / Hemocentro de São Paulo E‑mail: acmagna@yahoo.br Thiago Trindade Daisson Santos Farmaceutico Clínico e Industrial Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados / MS E‑mail: thiagodaisson@gmail.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->