ÍNDICE
OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 1. DEFINIÇÕES E SIMBOLOGIA 1.1 Unidades de medidas principais 1.2 Termos e critérios básicos adotados 1.3 Simbologia adotada em projetos de instalações internas 2. TIPOS DE INSTALAÇÕES INTERNAS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS 2.1 Informações gerais 2.2 Prédios novos e já construídos sem instalação interna 2.3 Prédios habilitados com instalação interna de gás canalizado 2.4 Instalações unifamiliar com prumada única 2.5 Instalações comerciais 3. MATERIAIS E ACESSÓRIOS 3.1 Tubos e conexões 3.2 Dispositivos de bloqueio 3.3 Medidores 3.4 Elementos de regulagem e segurança 3.5 Acessórios 3.6 Juntas de transição 3.7 Especificação de materiais e acessórios para instalações internas para gás natural 4. ASPECTOS CONSTRUTIVOS 4.1 Generalidades 4.2 Proteção 4.3 Localização 4.4 Instalação interna/ramal interno 4.5 Revestimento 4.6 Teste de estanqueidade 4.7 Purgação de instalações internas 4.8 Ponto de ligação de fogão a gás 5. LOCAL DE MEDIÇÃO DO GÁS 5.1 Generalidades 5.2 Ventilação 5.3 Medidores instalados em balcão de estabelecimentos comerciais 5.4 Medição coletiva em edifícios 5.5 Medição a distância 6. CONDIÇÕES DAS INSTALAÇÕES E DAS CONEXÕES DE APARELHOS A GÁS 6.1 Ventilação permanente (áreas mínimas) 6.2 Chaminés 7. DIMENSIONAMENTO DAS TUBULAÇÕES 7.1 Determinação do fator de Simultaneidade 7.2 Exemplos de dimensionamento de instalações internas 8. DOCUMENTAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 8.1 Considerações gerais 9. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 04 05 05 06 08 10 10 11 13 15 16 17 17 18 20 22 23 27 29 34 34 38 40 40 42 43 44 45 47 47 59 61 64 64 65 65 68 75 78 84 88 88 90

a instalação e a manutenção das instalações internas em objeto.5 kgf/cm2). c) As instalações projetadas para pressões de operação superiores a 150 kpa (1. Não são do âmbito deste Manual: a) As instalações de gases liquefeitos de petróleo (GLP). adequadas às peculiaridades de cada instalação. O projeto. são de exclusiva competência de profissionais qualificados. fixa as condições mínimas exigíveis para a elaboração de projeto e de execução das instalações internas destinadas ao uso do gás natural canalizado.Objetivo e campo de aplicação Este Manual de Instalações Prediais. em execução e sujeitas a reforma e reconstrução. executadas. com destinação residencial ou comercial. b) As edificações nas quais a utilização de gás combustível se destina a finalidades industriais que são objeto de Normas específicas. Este Manual se aplica a todas as edificações e construções em geral. da COPERGÁS. 04 .

1 Unidades de medidas principais Pressão Os trechos de instalações internas são classificados em função das pressões disponíveis nos mesmos. como unidade de medida. MJ MJ te kcal kWh 1 1 4. normalmente utilizadas.333 bar 1. A equivalência entre essas unidades.2778 1.6 -3 te 0. 1. referidas a 1 atmosfera.01325 kPa 100 Energia As unidades de energia.163 x 10-3 1 0. Definições e simbologia A seguir estão descritas as definições e as simbologias utilizadas no mercado de gás canalizado. o milímetro de coluna d'água (mmca). Para o trecho de baixa pressão.9 10 1 860 3 kWh 0. é a seguinte: Alta Pressão (AP): 400 kPa (4 kgf/cm2). normalmente utiliza-se. é a seguinte: Atm 1 Kgf/cm2 1.05 kgf/cm2) 400kPa (4 kgf/cm2). Média Pressão (MP): 5 kPa (0. A classificação nos trechos de instalação.186 10 -3 kcal 238.0333 mmca 10.2389 4.163 1.05 kgf/cm2).86 05 .1. Baixa Pressão (BP): 5 kPa (0. são as seguintes: Megajoule (MJ) Quilocaloria (kcal) Termia (te) Quilowatt hora (kWh) A tabela a seguir mostra a equivalência entre as unidades de energia mais utilizadas.186 x 10 3. por classe de pressão.

aprovar ou fiscalizar as instalações de gás. Autoridade Competente: Órgão. Fator de Simultaneidade (F): É a relação percentual entre a potência verificada na prática com que trabalha. e a soma da capacidade máxima de consumo desses mesmos aparelhos a gás. com os seus componentes. normalmente utilizadas. repartição pública ou privada. baseado em legislação específica local. 06 . servidos por um determinado trecho de tubulação.163 x 10-3 1. podendo ser utilizada independentemente das demais. Na ausência de legislação específica. kW kW kcal/h te/h 1 1.Potência As unidades de potência. um grupo de aparelhos a gás. Economia: É a propriedade servindo de habitação ou ocupação para qualquer finalidade.2 Termos e critérios básicos adotados Abrigo de Medidores: construção destinada à proteção de um ou mais medidores. para examinar. a autoridade competente é a própria entidade pública ou privada que projeta e/ou executa a instalação interna de gás.86 10-3 1 1.163 kcal/h 860 1 103 te/h 0. destinado a diminuir a influência da tiragem e do retrocesso sobre o funcionamento do queimador e da combustão. são as seguintes: Quilocaloria por hora (kcal/h) Termia por hora (te/h) Quilowatt (kW) A tabela a seguir mostra a equivalência entre as unidades de potência mais utilizadas. investida de autoridade pela legislação vigente. simultaneamente. Defletor: É um dispositivo situado no circuito de exaustão dos produtos da combustão de um aparelho a gás. pessoa jurídica ou física.

07 . reguladores.5 kgf/cm2). registros.Instalação Interna: Conjunto de tubulações. Número de WOBBE: É a relação entre o poder calorífero superior do gás. Instalação Predial: Conjunto de canalização.1). coletores e aparelhos de utilização. Na prumada estão incluídos somente os trechos verticais. Ramificação (Rede) Secundária: Trecho da instalação interna que opera na pressão máxima de 5 kPa (0. medidores.05 kgf/cm2) até os pontos de utilização do gás. destinados à condução e ao uso do gás canalizado. com os necessários complementos. registros. Medidor: Aparelho que permite medir o volume de gás consumido em um determinado período de tempo. Ramificação (Rede) Primária: Trecho da instalação interna que opera na pressão máxima de 150 kPa (1. Prumada: É o trecho da instalação interna que abastece aos andares. aparelhos de utilização de gás e seus acessórios. a partir da rede geral. destinado à condução e ao uso do gás combustível (Figura 7. expresso em kcal/m3. em relação ao ar. medidores. e a raiz quadrada da sua densidade. dos quais derivam as redes do andar. no interior de uma edificação.

2 antes da entrada na rede primária. O desbloqueio (rearme). com a finalidade de interromper o fluxo de gás.3 Simbologia adotada em projetos de instalações internas A simbologia utilizada nas instalações internas é a seguinte: Símbolo Denominação Diâmetro da tubulação Tubulação em aço inoxidável Tubulação em politileno (PEAD) Símbolo Denominação Tubulação em aço AC CU 25 Ac 25 Ac Tubulação em cobre Tubulação aparente 25 Ac Tubulação embutida Tubulação enterrada Tubulação em bainha Conjunto de tubulação 25 Ac Transição de material Modificação de material e diâmetro 25 Ac Transição de diâmetro 25 Ac Cotovelo 08 .05 kgf/cm ). sempre que a sua pressão exceder o valor pré-ajustado. quando o gás atinge o valor de uma pressão pré-fixada. antes da entrada na rede secundária. para no máximo 150 kPa (1. 1. Válvula de Bloqueio Automática (“Shut off”): Dispositivo instalado. mediante o acionamento manual.Regulador de Primeiro Estágio: Dispositivo destinado a reduzir a pressão do gás. deve ser feito manualmente.5 kgf/cm ). Válvula de Bloqueio Manual: Dispositivo instalado. abaixo de 5 kPa (0. através da liberação direta do gás para o exterior. com a finalidade de interromper o fluxo de gás. para um valor adequado ao funcionamento do 2 aparelho a gás. Válvula de Alívio: Dispositivo da instalação interna que permite reduzir a pressão interna da instalação. Regulador de Segundo Estágio: Dispositivo destinado a reduzir a pressão do gás.

em curz. de tubulações Passagem de alvenaria Flange cego Ponto de derivação em "T" de uma tubulação Junta de isolamento Regulador de pressão com Shut-off de alta e baixa Regulador de pressão com Shut-off de alta Regulador de pressão com Shut-off de alta e alívio incorporadas Válvula de Shut-off de baixa Regulador de Pressão Regulador de pressão com Shut-off de baixa Regulador de pressão com Shut-off de alte e baixa e alívio incorporadas Válvula de Shut-off de alta Válvula de alívio Válvula de esfera Válvula borboleta Válvula manual Medidor de gás Tubo flexível com dispositivo de segurança Exaustor Filtro Tubo flexível metálico Duto de exaustão de produtos da combustão Fogão 4 bocas com forno Fogão de 6 bocas com forno Forno convencional Fogão de mesa sem forno Aquecedor de acumulação Aquecedor de passagem Caldeira mista Caldeira de calefação Manômetro Estufa Limitador de vazão Outros equipamento a gás 09 .Símbolo Denominação Tê Símbolo Denominação Cruzeta Tampão Luva Raquete Ponto de derivação.

b) Para as redes primárias (MP): 150 kPa (1. durante os períodos de maior consumo. está estabelecida em 2 kPa (0.1.5 kgf/cm2). 2.05 kgf/cm2). deste Manual e na NBR 14570). Para o cálculo da demanda de gás natural de uma instalação interna. c) Para as redes secundárias (BP): 5.0 kgf/cm2. Uma sub-avaliação do fator de simultaneidade poderá resultar em deficiências no abastecimento de gás.02 kgf/cm2) (BP). O projetista deve verificar as condições prováveis de consumo nos equipamentos e possíveis expansões de utilizações para decidir qual o valor do fator de simultaneidade (encontrado no Item 7. são as seguintes: a) Para a rede externa (AP): 4. fornos. 10 .2 Vazões envolvidas: A vazão das instalações internas está relacionada diretamente com a potência dos aparelhos de utilização em cada uma de suas ramificações. Tipos de instalações internas residenciais e comerciais 2. ao contrário. Com gás natural. Antes de iniciar a apresentação das instalações internas e comerciais. a seguir.0 kPa (0. utiliza-se o fator de simultaneidade. as pressões máximas de operação admitidas para a condução do gás nas redes de distribuição e nas instalações internas. a pressão de operação para fogões. fogareiros e aquecedores de água a gás.2.1 Informações gerais. 2.1 Pressões envolvidas: De acordo com a NBR 14570 Instalações Internas para Uso Alternativo dos Gases GN e GLP .1. estão mostradas algumas premissas básicas. uma super-avaliação causará um encarecimento desnecessário das instalações internas. para todos os modelos domésticos.

2 Prédios novos e já construídos sem instalação interna de gás canalizado.2. Instalação Tipo 1: Edifício com redução de pressão secundária no térreo. Rede externa (AP) Rede secundária (BP) Limite de propriedade Copergás Cliente Rede externa Medidores individuais instalados pela Copergás 11 . prumadas e medições individuais.

redução de pressão primária no térreo. redução de pressão secundária e medições individuais nos pavimentos.Instalação Tipo 2: Edifício com prumada única. Com opção para medidores de rateio Rede externa (AP ) Rede primária (MP) Rede secundária (BP) Limite de propriedade Copergás Cliente Rede externa Medidor coletivo 12 .

2. Instalação Tipo 1: Edifício com redução de pressão secundária no térreo. Rede externa a construir (AP) Rede secundária existente (BP) Limite de propriedade Copergás Cliente Rede externa Medidores individuais instalados pela Copergás 13 .3 Prédios habitados com instalação interna de gás canalizado. prumadas e medições individuais.

redução de pressão secundária e medições individuais nos pavimentos. Com opção para medidores de rateio Rede externa a construir (AP) Rede primária (MP) Rede secundária (BP) Limite de propriedade Copergás Cliente Rede externa Medidor coletivo instalado pela Copergás 14 . redução de pressão primária no térreo.Instalação Tipo 2: Edifício com prumada única.

Copergás Cliente Medidor instalado pela Copergás Limite de propriedade Rede externa (AP) Rede externa Rede primária (BP) 15 .2. Instalação Tipo: Edificação com prumada única. redução de pressão e medição no térreo.4 Instalações unifamiliar com prumada única.

redução de pressão e medição no térreo. Copergás Cliente CRM Medidor instalado pela Copergás Limite de propriedade Rede externa (AP) Rede externa Rede primária (BP) 16 .2.5 Instalações comerciais Instalação Tipo: Estabelecimento comercial. com prumada única.

1 Tubo e conexões de cobre rígidos São utilizados tubos de cobre rígidos sem costura. 3.1 1. através de soldagem capilar ou brasagem capilar.1 Tubos e conexões A seguir estão descritas as principais características das tubulações utilizadas nas instalações Internas..1.79 0.4 1.2 1.2 1. com espessura mínima de parede de 0. A Tabela a seguir. 0. 17 .1 1..) 1/2 5/8 3/4 (mm) 12.9 2 TUBOS DE COBRE "DRYSEAL" .5 1..9 0.) 1/2 3/4 1 1 1/4 1 1/2 2 2 1/2 3 4 (mm) 15 22 28 35 42 54 66 79 104 ESPESSURA Classe A (mm) .5 Classe I (mm) 1 4 1.. TUBOS DE COBRE -NBR 13206 Diâmetro Nominal (pol.9 1. Os acoplamentos dos tubos são realizados utilizando-se conexões de cobre ou bronze. conforme NBR 13206.7 16 19 Espessura (mm) 0.3.8 mm. Materiais e acessórios 3.5 1..2 1.. mostra os diâmetros dos tubos de cobre.79 0.NBR 7541 Diâmetro Nominal (pol..4 1.79 As conexões utilizadas em conjunto com os tubos de cobre devem estar de acordo com a NBR 11720.5 1.

na posição fechada. atendendo as especificações contidas na ANSI B 16. conforme a NBR 5883. podem ser utilizados: • Tubos de condução de aço. atendendo as especificações contidas na NBR 5580.1.• Soldagem capilar: Este processo pode ser utilizado para acoplamento de tubulações embutidas ou aparentes.000 kPa (10. quando localizadas em trechos da instalação interna. em aço inox. A composição metálica para o enchimento será Sn Pb 50 X 50.9. Na vedação das tubulações por roscas e utilizadas em baixa pressão.2 kgf/cm2). 3. • Tubos de condução. É recomendado a utilização de válvulas de bloqueio do tipo esfera. • Brasagem capilar: Este processo pode ser usado para o acoplamento de tubulações embutidas ou aparentes. com ou sem costura. onde o metal de enchimento deve ter o ponto de fusão mínimo de 450 oC. atendendo as especificações contidas nas NBRs 6943 ou 6925. • Conexões de aço forjado. no mínimo classe média.2 Dispositivos de bloqueio As válvulas de bloqueio localizadas à montante dos medidores e que forem utilizadas nas instalações internas. As válvulas posicionadas nas instalações secundárias devem suportar a pressão máxima de operação de 150 kPa (1. esta pressão deverá ser de 1. preto ou galvanizado. deverão possuir dispositivos que possibilitem a colocação de lacres. Para as instalações primárias. preto ou galvanizado.2 Tubo e conexões de aço No que se refere a tubos e conexões de aço. bloqueando a passagem do gás. preto ou galvanizado. É proibido o uso de vedantes tipo zarcão ou à base de tintas ou fibras vegetais. no mínimo classe normal. operadas em média ou alta pressão.53 kgf/cm2). com ou sem costura. • Conexões de ferro maleável. devem ser utilizados vedantes pastosos ou fita pentatetrafluoretileno (tipo teflon). atendendo as especificações contidas na NBR 5590. 18 . 3.

Válvula de medidor angular macho-fêmea. com conexões por sobreposta. 2. de prumada coletiva.As válvulas de bloqueio. Válvula de medidor reta macho-fêmea. de acionamento manual. 1 2 Estes tipos de válvulas são utilizadas basicamente como válvula de edifício. 3 4 19 . 3. São utilizadas. com conexões por sobreposta. como registro de aparelho. Válvula fêmea-macho. também. 4. com conexões rosca gás fêmea e sobreposta. Válvula macho-macho. de consumidor. mais utilizadas em instalações internas são as seguintes: 1. com conexões por sobreposta. da economia ou como válvulas intermediárias da instalação.

registrando o mesmo em seu totalizador. e os de pistões rotativos. para permitir o bloqueio da passagem do gás. A COPERGÁS. 3. medidores do tipo volumétrico (de deslocamento positivo). o mecanismo de medição dos medidores do tipo volumétrico. ou seja. Os de diafragmas são os mais utilizados nos consumidores residencial e comercial. exclusivamente. o mecanismo de medição dos medidores do tipo volumétrico. também conhecidos como de paredes deformáveis. ao projetar uma instalação interna. no extremo da instalação interna. Quando houver consumo de gás.Estes tipos de válvulas são utilizados. das características de funcionamento dos aparelhos a gás que serão utilizados. Válvula macho-macho com suporte de fixação e conexões por sobreposta 5 Este tipo de válvula será utilizado normalmente como registro de aparelho. São medidores do tipo volumétrico os de diafragmas. registrando o mesmo em seu totalizador. na posição fechada. coletivo ou comercial. desloca-se de forma cíclica. Para a medição de volumes de gás em instalações individuais servindo a locais destinados ao uso doméstico. desloca-se de forma cíclica. definirá o tipo do medidor mais adequado a ser utilizado. medindo um volume constante de gás. em função das vazões máximas e mínimas previstas como também. medindo um volume constante de gás. 20 . 5. para conexões de medidores e devem possuir dispositivos que permitam a colocação de lacre. poderão ser utilizados medidores do tipo volumétrico (de deslocamento positivo).3 Medidores Os medidores de gás são equipamentos que registram o volume do gás consumido. Quando houver consumo de gás.

mostra as dimensões e as características mais relevantes dos medidores de diafragmas.6 G-2. estão mostradas as principais características de funcionamento dos medidores do tipo volumétrico. o que permitem seu emprego nas instalações internas de baixa pressão.0 G-1. normalmente 1:100.6 2.06 0.65 1 1. CARACTERÍSTICAS DOS MEDIDORES DE DIAFRAGMAS Classe do Medidor G-1. possuem uma ampla faixa de medição.4 0. Medidores de Diafragmas Esses tipos de medidores. mais utilizados para a medição de gás natural.4 0.16 0.5 4 6 10 16 25 40 65 100 160 Vazão Mínima (m3/h) 0.016 0.6 250 (1) G-160 Nota (1): Distâncias não estabelecidas em norma. A tabela a seguir.04 0. contemplando uma rangeabilidade de. e uma perda de carga reduzida.025 0.A seguir. nos segmentos residencial e comercial.25 0.5 G-4 G-6 G-10 G-16 G-25 G-40 G-65 G-100 Distância Entre Eixxos (mm) 100 100 150 150 150 (1) (1) (1) (1) (1) (1) Vazão Máxima (m3/h) 1.016 0. 21 .

600 Vazão Mínima (m3/h) 1.3 2 3 5 8 10 20 32 50 80 3. Esses reguladores devem ser equipados ou complementados com. a seguir mostrados. com fechamento rápido por motivo de sobrepressão e deve possuir dispositivo para rearme manual.Medidores de Pistões Rotativos Na tabela a seguir. dois dispositivos de segurança.000 1. 22 . pelo menos. Os reguladores de pressão de segundo estágio devem ser dimensionados para atender a pressão adotada prevista para os aparelhos de utilização de gás.4 Elementos de regulagem e segurança Os reguladores de pressão de primeiro estágio devem ter a descarga dos dispositivos de alívio de pressão em um ponto afastado. com uma distância mínima de três metros da fachada do edifício e em local amplamente ventilado. • Válvula de Bloqueio Automático (Válvula “Shutt-off”): Está válvula tem como objetivo o bloqueio automático da passagem do gás. correspondentes aos medidores do Tipo Rotativo. CARACTERÍSTICAS DOS MEDIDORES ROTATIVOS Classe do Medidor G-16 G-25 G-40 G-65 G-100 G-160 G-250 G-400 G-650 G-1000 Vazão Máxima (m3/h) 25 40 65 100 160 250 400 650 1. por eles servidos. são mostradas as vazões máximas e mínimas. independente ou incorporado ao próprio corpo do regulador.

23 . Os tubos flexíveis metálicos devem ser utilizados. 3. PRESSÃO NOMINAL DE SAÍDA AJUSTE DAS VÁLVULAS DE ALÍVIAO E "SHUTT-OFF" (% da pressão nominal de saída) (mmca) P <= 500 500 <P<= 3.• Válvula de Alívio: Essa válvula é utilizada para. Para a instalação de regulador que disponha desta válvula. a seguir. deverá ser de conexão rígida.5 Acessórios A seguir estão descritos alguns dos principais acessórios. Caso não seja ligada diretamente à válvula do aparelho.500 P > 3. provido de um revestimento. A tabela.5. utilizados nas instalações internas de gás canalizado.500 (kPaa) P <= 5 5 < P <= 35 P > 35 Alívio 170 140 125 "Shutt-off" 200 170 140 3. Um extremo da conexão flexível se liga diretamente ao aparelho de gás e a outra pode ser ligada diretamente ou não à válvula de conexão do aparelho. ainda. as condições de ventilação do local de instalação sejam adequadas ou. que lhe proporciona grande flexibilidade e com interligações roscadas em suas extremidades. o abrigo em que elas estejam instaladas seja equipado com tubo de ventilação que conduzam o gás excedente para o exterior da edificação. o trecho de condução.1 Tubos flexíveis metálicos (Mangueiras) A conexão flexível é formada por um tubo de metal espiralado (espirometálico) ou de aço inoxidável corrugado. mostra as pressões de ajuste das válvulas de alívio e “shutt-off”. em um caso de sobrepressão. não suficiente para o bloqueio através da válvula de bloqueio automático. compreendido entre ela e a interligação roscada do tubo flexível. conduzir o excedente de gás para o ambiente externo. conforme NBR 14177. é fundamental que.

cobre. O desenho da abraçadeira deverá ser feito de forma que. Estes elementos de fixação poderão ser. A ancoragem da abraçadeira poderá ser realizada diretamente na parede. ou então revestindo a tubulação.5. de acordo com a tipologia da instalação. etc. convenientemente. ou seja. classe 150. ranhuras concêntricas. na região de contato. sendo isoladas da mesma.5. simples ou múltiplos.). através de revestimento. Serão construídas com materiais de resistência comprovada (aço. devidamente protegidos contra a corrosão e não poderão estar em contato direto com a tubulação. aço galvanizado. simultaneamente. A seguir estão descritos alguns procedimentos para a fixação das abraçadeiras e dos suportes-guia. fixam ou suportam vários tubos. A fixação da abraçadeira na tubulação não poderá ser feita manualmente ou por pressão e sim através de ferramenta adequada que permita a montagem e desmontagem.2 Flanges Quando utilizado em tubos de aço carbono. haja contato da tubulação com a parede. (feixes de tubos provenientes do agrupamento de medidores) ou somente um único tubo.3 Elementos de fixação das tubulações As tubulações aparentes deverão ser fixadas adequadamente às paredes ou tetos. teto ou suporte. os flanges devem ser de aço forjado A105. através de elementos de fixação do tipo abraçadeira ou suportes-guia.5. 24 .3. em nenhum caso. 3. por chumbador ou através de parafusos com buchas de fixação. A ancoragem dos suportes-guia será realizada através do chumbamento na parede ou no teto. latão. face com ressalto. conforme especificação ANSI/ASME B 16. o desenho deverá garantir que não haja contato entre as tubulações. de preferência anel de elastômero ou material plástico. No caso de abraçadeiras múltiplas.

A Figura 3. mostra alguns elementos de fixação de tubulações. FIGURA 3.1: ELEMENTOS DE FIXAÇÃO DE TUBULAÇÕES Abraçadeira Múltipla Abraçadeira Simples Abraçadeira Múltipla Abraçadeira com parafuso Parafuso Anel de Elastômero Abraçadeira Múltipla 25 .Quando o tubo for de aço inoxidável.1. o elemento de fixação não poderá ser do tipo ferrítico. a seguir.

um registrador de pressão. sendo chamadas de “tomadas de pequeno calibre”.500 mmca). Neste tipo de tomada de pressão. Este acessório é rosqueado na tomada. Este obturador cônico possui um orifício longitudinal para conduzir o gás. cilíndrica). As tomadas de pressão para valores maiores que 150 mbar e até 4 bar. • Tomadas de pressão para P > 150 mbar ( 1. Este tipo de tomada de pressão permite que se acople a ela um tubo flexível de elastômetro ou de material plástico. atravessando toda a sua espessura e permitindo obter a leitura de pressão.3.500 mmca). com rosca gás macho 1/4”. que quando afrouxado com uma chave apropriada. etc. • Tomadas de pressão para P 150 mbar ( 1. é conectado um acessório especial. provido de uma agulha perfurada. realizando a vedação por compressão de metal contra metal entre o orifício e obturador. que se crava no elastômero. ao se rosquear este sobre o corpo do dispositivo. no lugar do tampão de fechamento. Existem dois tipos de tomadas de pressão para valores inferiores a 150 mbar: a soldada e a roscada.5. permite obter a leitura da pressão. e se conecta a um dispositivo de medição de pressão 26 . que serve para conectar um manômetro de coluna d'água. provido de um pequeno orifício permitindo contato com o gás e um obturador cônico roscado. que contém uma membrana de elastômero e um tampão de fechamento roscado (rosca de 1/8”. são constituídas por um corpo cilíndrico. conhecidas como tomadas Peterson. As tomadas de pressão para valores iguais ou inferiores a 150 mbar são constituídas por um dispositivo de corpo cilíndrico. quando acoplado a um manômetro.4 Tomadas de pressão O tipo de tomada de pressão que será utilizado nos diferentes trechos da instalação interna dependerá da pressão do trecho considerado ser igual ou inferior a 150 mbar.

perfurando o tubo. unidos por uma interligação fixa ou monobloco. com saída do tubo para o exterior. Para instalar as tomadas Peterson sobre tubos de cobre ou aço inoxidável. servindo para dar proteção mecânica ao tubo de cobre. registrador de pressão. As juntas deverão ser de modelo aprovado pela COPERGÁS e possuir um selo de conformidade. deverá ser soldada previamente. são constituídas por materiais distintos. que são utilizadas nas instalações internas. no ponto da instalação interna desejado. sendo o lado em polietileno o lado da parte enterrada e de aço o lado da parte aparente. que serve como proteção contra a umidade. As juntas de transição polietileno-cobre. fechada com um tampão de elastômero para evitar a entrada de água. utilizadas em instalações aparentes. deverá ser intercalado. antes de roscá-la. no ponto da instalação interna desejado. 27 . etc. 3. a parte da instalação que proporciona a transição entre o trecho enterrado de polietileno (PE) e o aparente. incorporam uma bainha de aço inoxidável na parte externa até uma altura de 2 metros. deve-se recolocar o tampão de fechamento. Para instalar as tomadas Peterson sobre tubos de aço.adequado (manômetro. uma derivação com saída para rosca fêmea de 1/4”.6 Juntas de transição Chama-se junta de transição (aço x PE).) Ao retirar o acessório. As juntas. de aço ou instalados em alvenaria. preenchida com resina de poliuretano. A interligação monobloco de polietileno-aço ou polietileno-cobre deverá estar protegida por uma bainha metálica. ou instalados em alvenaria. o acessório adequado para efetuar a conexão.

A COPERGÁS orientará sobre as características e dimensões das juntas de transição que deverão ser utilizadas. Tubo de aço ou cobre 500 Resina de Poliuretano Bainha metálica de proteção do enlance 400 Enlace monobloco PE-Aço ou PE-Cu 200 Tubo de PE Junta de transição polietileno-aço ou polietilenocobre (neste caso. Tampão elastômero Tubo de cobre Bainha de proteção do tubo (aço inoxidável) 2m Bainha metálica de proteção doenlace Resina de poliuretano 28 . haverá necessariamente uma bainha de aço inoxidável). podendo dar referências de Fornecedores que cumpram a norma aplicável. assegurando um projeto adequado e com qualidade. A Figura a seguir mostra esquema de bainha de proteção de aço inoxidável para juntas de transição normalizadas de polietileno-cobre.

Cobre Diâmetro do tubo de Diâmetro Nominal (mm) 25 32 50 Polietileno SDR 11 (mm) 32 40 63 Diâmetro do tubo de cobre (mm) 22 \(20 x 22) 42 (40 x 42) 54 (51 x 54) Diâmetro da Bainha do Tubo de proteção (aço inoxidável) (mm) (pol.3 2" 88.Aço Diâmetro Nominal (mm) 25 32 50 80 Diâmetro do tubo de Polietileno SDR .9 3" Dimensões das juntas de Polietileno .4 1 1/4" 60. Dimensões das juntas de Polietileno . 29 . com especificações de material de tubulação para instalações internas para gás natural. normalmente utilizadas em instalações internas.7 Especificação de materiais e acessórios para instalações internas para gás natural A seguir estão apresentadas tabelas.11 (mm) 32 40 63 90 Diâmetro do tubo de aço (mm) (pol.7 1" 42.Nas tabelas seguintes.) 33.) 33.3 2" 3.7 1" 42. são apresentados as dimensões das juntas de transição polietileno-aço e polietileno-cobre.4 1 1/4" 60.

ANSI B 16. ISO 7-1 Fita de Politetrafluoretileno (Teflon) 1/2" 1/2" 2" 6" FITA JUNTA --- 1/16" Papelão hidráulico.000 Sch 40 VES de AFU ASTM A216 Gr.Hexagonal VES . ASTM A106 Gr.5 AÇO CARBONO 1/2" 1/2" 3. A ou B SC ou CC. ASTM A-105. porcas ASTM A-194 CL-2H. com borracha NBR 11734. ASTM A-105. PTFE.11 AC ASTM A-234 Gr. ASTM A-105.Sem Costura AFU-Aço Fundido HEX . Série Pesada. ASTM A-193 Gr.000 RO AFO.10.9 1/2" 1/2" AÇO CARBONO 2" 6" AÇO CARBONO 2" 6" 150 PE AFO. ANSI B 36.Com Costura AFO . API6D RO PC AFO.Encaixe Solda CC . F6a. ANSI B 16.21 Tipo estojo. A ou B VES de AFO ASTM A105. B7.Ponta Lisa PC .Pescoço SC .Válvula Esfera 1 Para ambas classes 30 . HEX.ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAL DE TUBULAÇÃO PARA INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS NATURAL Pressão de Operação: até 4 kgf/cm Material da Tubulação: Aço Limite de Temperatura: -15° a 100°C DIÂMETRO MATERIAL DE 2 Classe: 150 RF Corrosão: Nula CLASSE OU EXT ATÉ ESPESSURA Sch 80 Sch 40 800 Ibs PL PC RO DISCRIMINAÇÃO 1/2" 1/2" AÇO CARBONO 2" 6" 1 AC API 5L Gr.Aço Forjado RO .Ponta Chanfrada ES .5 AÇO CARBONO ---- ---- ---- ---- Legenda: PL . FLG WCB. sede integral. esfera ASTM A 182 Gr. assento em bronze. interno ASTM A-351 CF8. dimensões ANSI B 16.Rosca (NPT ou BSP) FLG . ANSI B 16.ANSI B 16. PTFE PARAFUSO VEDAÇÃO UNIÕES FLANGES CONEXÕES VÁLVULA TUBO 1/2" 1/2" AÇO 2" 4" 150 3.Flange PE . WPB.

Válvula Esfera AFU-Aço Fundido RO . F6a.05 kgf/cm a 1. interno ASTM A-351 CF8.Aço Forjado 31 . PTFE PL 2 2 Classe: A ou I DISCRIMINAÇÃO TUBO COBRE 15mm 15mm 22mm 22mm ASTM C 12200 VÁLVULA 1/2" 1 1/2" AÇO 2" 4" VES DE AFU ASTM A216 Gr.Rosca (NPT ou BSP) ES . WCB FLG interno ASTM A 182 Gr. PTFE API6D RO ES Bronze/Latão Cobre Bronze Cobre/Bronze VEDAÇÃO UNIÕES CONEXÕES BRONZE/LATÃO COBRE BRONZE COBRE 1/2" 1 1/2" 15mm 104mm 1/2" 1" ES 15mm 104mm COBRE 1/2" 2" FITA --- Fita de Politetrafluoretileno (Teflon) Legenda: PL .Flange VES .ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAL DE TUBULAÇÃO PARA INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS NATURAL Pressão de Operação: de 0.Encaixe Solda AFO .Ponta Lisa FLG .5 kgf/cm Material da Tubulação: Cobre Corrosão: Nula DIÂMETRO MATERIAL DE CLASSE OU EXT ATÉ ESPESSURA Classe I Classe A 800 Ibs 150 RO VES de AFO ASTM A105.

FLG WCB.05 kgf/cm a 1. A ou B VES de AFO ASTM A105. ANSI B 16.Aço Forjado RO . ANSI B 16. API6D RO PC RO ASTM A-105. ANSI B 36.Com Costura AFO .Ponta Chanfrada ES . interno ASTM A-351 CF8. PTFE.ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAL DE TUBULAÇÃO PARA INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS NATURAL Pressão de Operação: de 0.5 kgf/cm Material da Tubulação: Aço Limite de Temperatura: -15° a 100°C DIÂMETRO MATERIAL DE 2 2 Classe: 150 RF Corrosão: Nula CLASSE OU EXT ATÉ ESPESSURA Sch 80 Sch 40 800 Ibs 150 PL PC RO DISCRIMINAÇÃO 1/2" 1 1/2" AÇO CARBONO 2" 6" 1 AC API 5L Gr.10.9 1/2" 1 1/2" AÇO CARBONO 2" 6" 3. sede integral.Hexagonal AFU-Aço Fundido 1 Para ambas classes 32 .000 RO 1/2" 1 1/2" 2" 6" FITA JUNTA --- 1/16" Papelão hidráulico.11 Fita de Politetrafluoretileno (Teflon) AÇO CARBONO 1/2" 1 1/2" 3. ANSI B 16.Encaixe Solda CC . PTFE VEDAÇÃO UNIÕES FLANGES CONEXÕES VÁLVULA TUBO 1/2" 1 1/2" AÇO 2" 4" VES de AFU ASTM A216 Gr. WPB. ANSI B 16.21 Legenda: PL .Flange SC .000 Sch 40 1/2" 1 1/2" AÇO CARBONO 2" 6" 150 ASTM A-105. RF PC ASTM A-105.5. A ou B SC ou CC.Ponta Lisa PC . ASTM A106 Gr.Rosca (NPT ou BSP) FLG . esfera ASTM A 182 Gr.11 A-234 Gr. com borracha NBR 11734. ANSI B 16.Sem Costura HEX . F6a.

Encaixe Solda RO . esfera em latão.05 kgf/cm Material da Tubulação: Cobre Corrosão: Nula DIÂMETRO MATERIAL DE CLASSE OU EXT ATÉ ESPESSURA Classe I Classe A PL Classe: A ou I 2 DISCRIMINAÇÃO TUBO COBRE 15mm 15mm 22mm 22mm ASTM C 12200 Idem VEDAÇÃO UNIÕES CONEXÕES VÁLVULA AÇO 1/2" 2" RO VES latão forjado.ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAL DE TUBULAÇÃO PARA INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS NATURAL Pressão de Operação: Rede secundária de até 0.Rosca (NPT ou BSP) VES . passagem plena BRONZE/LATÃO COBRE BRONZE COBRE 1/2" 1 1/2" 15mm 104mm RO ES Bronze/Latão Cobre 1/2" 1" ES Cobre/Bronze 15mm 104mm COBRE 1/2" 2" FITA --- Fita de Politetrafluoretileno (Teflon) Legenda: PL .Ponta Lisa ES .Válvula Esfera 33 .

1. Aspectos construtivos 4.4 A instalação interna de gás para cozinha/copa. 4.1 Generalidades A seguir estão descritas algumas generalidades importantes. • Incineradores. 34 . operação e manutenção da mesma.4.1.1. • Poços de elevadores. • Compartimentos destinados a dormitórios. • Forros e espaços confinados.1. 4. no que se refere à construção das instalações internas para utilização do gás natural. de edifícios de escritórios.3 A tubulação não pode ser considerada como elemento estrutural e nem ser assentada internamente a ele. deve ser executada somente quando esta provir de ventilação permanente.1. • Reservatório de água.2 A instalação interna de gás deve ser provida de válvulas de fechamento manual em cada ponto que se tornar conveniente para a segurança.5 As tubulações não podem passar em espaços confinados. conforme a NBR 13103. que possibilitem o acúmulo de gás em caso de vazamento.1 As tubulações depois de instaladas devem ser completamente estanques e estarem desobstruídas. 4. • Compartimentos de equipamentos elétricos. água pluvial. • Rebaixamento de tetos. Nota: A Figura 4. tais como: • Dutos de ar confinado.1. esgoto e chaminé. • Dutos de lixo. 4. 4. mostrada a seguir mostra um arranjo muito utilizado de passagem de tubulações de gás.

e • Devem ser executados de material incombustível e resistente à água. • Ter resistência mecânica adequada a possíveis esforços decorrentes das condições de uso. conforme mostrado na Figura 4.7 Todos os pontos da instalação interna que não se encontrarem em serviço. pode estar localizada em um ambiente provido de ventilação permanente. 4.2. devem ser plugados. os quais devem: • Ter no mínimo.1.5 for inevitável. Nota: Recomenda-se o uso mínimo de conexões nas tubulação localizadas no interior do tubo-luva.6 Nos casos em que a condição descrita no Item 4. • Estar convenientemente protegidos contra a corrosão. sendo que as duas devem ter saída da projeção horizontal da edificação.1. • Não apresentar vazamentos em toda a sua extensão. • Nos casos em que a extremidade inferior não for possível estar fora da projeção horizontal.4. entre a tubulação e a sua parede interna. 35 . 2 aberturas situadas nas suas extremidades. as tubulações devem estar envolvidas por dutos ou tubo-luva. • Apresentar distanciamento mínimo de 25 mm (1”).1.

1: “SHAFT” PARA TUBULAÇÕES DE GÁS Saída de ar (Terminal) Tubo embutido na alvenaria AR Shaft (material incombustível) AR Tubos de gás Tomadas de ar 36 .FIGURA 4.

5 Ar Ventilação inferior Duto de chapa 2.5 Ar 2.FIGURA 4.5 Forro de gesso DETALHE VISTA EM CORTE 37 .5 2.2: DETALHES DO TUBO LUVA Feixe de prumadas 1º Andar Ventilação superior (exterior) Forro Massa vedante Ventilação inferior (exterior) Térreo Duto de chapa Massa vedante Desvio horizontal Ventilação superior (exterior) 2.

as tubulações.3 mostra alguns exemplos dessa proteção.4. devem possuir proteção contra os mesmos. deve-se colocar entre eles um material isolante elétrico. 38 .2 Proteção A seguir estão descritos alguns aspectos importantes. 4. deve ser utilizado um tubo-luva ou bainha.2. 4.2.2. 4.2 As válvulas e os reguladores de pressão devem ser instalados de modo a permanecerem protegidos contra danos físicos. no que se refere à proteção das instalações internas.2. conservação e substituição a qualquer tempo.2. 4.4 É proibido a utilização da tubulação de gás para aterramento de equipamentos elétricos e para-raios.3 Na travessia de elementos estruturais. permitirem fácil acesso.2. 4.6 Quando o cruzamento de tubulações de gás com condutores elétricos for inevitável. a tubulação deve ser aterrada de acordo com a especificação da NBR 5419. A Figura 4. quando aparentes. 4.1 Em locais que possam ocorrer choques mecânicos.5 Quando necessário.

FIGURA 4.3: TIPOS DE PROTEÇÃO MECÂNICA Duto Secção Transversal Tubulação de gás Limitada a 0.5 cm) CRM Bainha de PVC Tubo de PE Placa de concreto Curvado a quente 39 .30 m Não há limitação para o número de tubos Duto construído no próprio local (e > 5 cm) Bainha de aço Duto metálico (e > 1.

4. devem ser instaladas a uma profundidade mínima de 0.5% e dreno para o escoamento. essa distância deverá ser de 0. bem como: a) Apresentar dimensões compatíveis. deve ser ventilada para o exterior da mesma.3 As canaletas utilizadas para confinar tubulações internas de gás devem ser destinadas exclusivamente para este fim. a tubulação de gás deve ficar acima das demais. estão apresentados alguns conceitos necessários para a implantação de instalações internas e ramais internos. 4. 4. caso contrário. c) Ter caimento longitudinal e transversal mínimo de 0.4.3. 4.1 As tubulações internas. de modo a não prejudicar o revestimento da tubulação. quando enterradas. 4.3 Em caso de superposição de tubulações. o fundo da vala deve estar plano e o reaterro deve ser feito.3.4. de modo a suportar o tráfego local.3 Localização As tubulações de gás aparentes devem: 4. para evitar o possível acúmulo de gás no seu interior e se utilizada na projeção da edificação. d) Ter a espessura das paredes e do tampo.4. conforme é mostrado na Figura 4.1 Apresentar distâncias mínimas de 0. 40 .60 metros.2 Quando as tubulações forem instaladas diretamente no solo. com o objetivo de evitar a transmissão dos esforços decorrentes das cargas.4 Instalação interna/ramal interno A seguir.50 metros.4. por ocasião de necessidade de manutenção nas mesmas. se o condutor for protegido por conduite. 4. às tubulações.30 metros entre elas e os condutores eletricidade. o suficiente para proporcionar acesso a elas.2 Ter um afastamento das demais tubulações.3. 4. b) Devem ter ventilação apropriada.

D U T G S E CE TR %% .0 273.0 115. EN T DIS TUBO A F CHAPA PARAFUSO B BASE DE CONCRETO C D E CA L NA A= ET DA DO NO PR OJ O ET CO M IM PR EN TO CANALETA DE CONCRETO (DIMENSÕES MÍNIMAS) (mm) ØTU B POL 2 3 4 6 8 10 A 60.0 B 90 120 145 200 250 310 C 190 220 245 300 350 420 D 20 20 25 30 40 50 E 25 25 30 35 50 70 F 140 200 250 360 480 590 41 .0 168.FIGURA 4.5 89.4: CANALETA PARA TUBULAÇÃO SUBTERRÂNEA E BO TU O IAS .5 220.

2 Na construção dos ramais internos. em uma das extremidades do tubo-luva. devem possibilitar a instalação de válvulas e outras conexões necessárias à ligação. deve ser obedecido o seguinte: a) Todo o ramal externo. que fica no passeio. no passeio. b) Próximos às cargas concentradas. deve-se providenciar a proteção necessária. como por exemplo. d) Os pontos de utilização de gás. com produtos de base asfáltica.5. com a finalidade de evitarse corrosão. para minimizar uma possível corrosão localizada. 4. destinados à ligação dos aparelhos a gás. não importando qual seja a pressão de distribuição da rede. conectando o abrigo do medidor/regulador ao local onde está instalada a válvula de bloqueio. 4.5. evitando-se. estão descritos a seguir. válvulas. construídas com 42 . b) O consumidor deve instalar um tubo-luva sob o piso e na divisa da propriedade. sempre que possível.4. Na outra extremidade do tubo-luva. 4.5 Revestimento Alguns cuidados que deve se ter coma as tubulações de gás.1 Deve-se efetuar uma análise cuidadosa a respeito da possibilidade de ocorrer corrosão nos elementos da tubulação. residencial e comercial.4. etc.4. tomando cuidado para que este não se obstrua.2 As tubulações em aço enterradas devem ser revestidas a frio. Caso se verifique a possibilidade de sua ocorrência. medidores. c) De modo a evitar contato direto com as tubulações. reduções e derivações. deve ser construído pela COPERGÁS. 4. epóxi ou fita de polietileno. convém que seja marcada com tinta a sua posição na calçada.1Os suportes para as tubulações devem estar localizados: a) De preferência nos trechos retos das tubulações. c) O consumidor deve deixar uma abertura de aproximadamente 40 cm X 40 cm X 40 cm de profundidade no interior da área do prédio. 4. até o interior do abrigo do regulador de 1o estágio. as curvas.5.3 Tubulações aparentes ou instaladas em canaletas.

Após a constatação da 43 . 4. deve ser refeito convenientemente. 4. ou quando alvo de conversão para a utilização de outro tipo de gás combustível deve ser obrigatoriamente submetida a teste de estanqueidade.tubos de aço não galvanizados.5. as válvulas instaladas em todos os pontos extremos devem ser fechadas e ter a extremidade não conectada a instalação. de acordo com a NBR 6493.4 A tubulação de gás combustível aparente deve receber uma pintura de acabamento na cor amarela. 4. antes de ser abastecida com gás combustível. Em caso de tubulação na fachada desde que não tenha interferência de outras instalações pintar o tubo na cor predominante da fachada. no local da medição do gás. 4. que foi comprometido durante a instalação.3 O teste de estanqueidade deve ser realizado com ar ou gás inerte.5. 4. devem manter a proteção anticorrosiva até 5 cm.6.6 Teste de estanqueidade A seguir estão descritos os principais itens do procedimento que deve ser executado durante a execução do teste de estanqueidade de instalações internas. 4.6. 4.6 As tubulações que afloram do piso ou parede. livre e em comunicação com a atmosfera. acima do ponto de afloramento. com tinta industrial adequada para esta finalidade.5 O revestimento das tubulações de aço. sendo proibido o emprego de água ou qualquer outro líquido.5. para evitar-se a corrosão do tipo aeração diferencial.6. a frio ou pintura anticorrosiva.1 Toda a instalação interna.2 Para as tubulações embutidas e subterrâneas. serão revestidas por produtos a base de antióxido. os testes de obstrução e estanqueidade devem ser realizados antes do revestimento das paredes ou recobrimento das valas.6.4 Para a execução do teste de estanqueidade. 4.

a purgação deve ser feita com gás inerte.10 Se existirem vazamentos e após repará-los. não se admitindo o despejo destes produtos para o seu interior.2 Todos os produtos de purgação devem ser obrigatoriamente canalizados para o exterior das edificações. que só podem ser retirados quando da sua interligação a aparelhos a gás. caps ou flanges cegos. válvulas de alívio ou de bloqueio. 4. logo após a pressão na tubulação atingir o valor de teste.6. (Ex: coluna d'água. as extremidades livres devem ser imediatamente fechadas com bujões. deve ser providenciado para que 44 .6. em local seguro.6 A pressão máxima de teste exigida é de 1.8 O manômetro a ser utilizado no teste de estanqueidade deve possuir sensibilidades adequadas para registrar quaisquer variações de pressão.5 vezes a pressão máxima de operação observando-se a pressão máxima de cada trecho da instalação interna. 4. de acordo com o procedimento anterior.5 Quando a instalação apresentar reguladores de pressão. 4.9 A fonte de pressão deve ser destacada da tubulação.000 mmca) e máxima de 100 kPa (1 kgf/cm2).7 O tempo mínimo de manutenção da tubulação na pressão de teste deve ser de 60 minutos.1 Trechos de tubulação com volume hidráulico total até 50 litros.7. 4. estes devem ser instalados após o teste de estanqueidade. 4. depois de estabilizada a pressão de teste.estanqueidade.6. O trecho de baixa pressão deverá ser testado com pressão mínima de 9. podem ser purgados diretamente com o gás combustível a ser utilizado.6. Além disso. mercúrio ou do tipo Bourbon). Acima deste volume. 4.7 Purgação de instalações internas 4. 4. 4.6.7. proceder a um novo teste de estanqueidade.8 kPa (1.6.

4.7.não exista qualquer fonte de ignição no ambiente onde se está realizando a purgação das instalações. 4. para reformas ou consertos. apresentada a seguir.5 O cilindro de gás inerte deve estar munido de regulador de pressão e manômetros apropriados ao controle da operação de purgação.3 A purgação de instalações internas deve ser realizada.7.5. com volume hidráulico superior a 50 litros seja retirada de operação. 4. durante esta operação. 45 .7. mostra o aspecto construtivo da conexão de um fogão a gás com a instalação interna. esta tubulação deve ser purgada com gás inerte.8 Ponto de ligação de fogão a gás A Figura 4. os lugares da purgação permaneçam desassistidos pelos técnicos responsáveis pela operação.4 Caso uma tubulação com gás combustível. não se admitindo que. introduzindo-se o gás de forma lenta e continuamente. 4.

FIGURA 4.5: PONTO DE LIGAÇÃO DE FOGÃO A GÁS (residencial)

72

15

20

Ponto 1 Ver Det. 01

10

Ponto 2 Ver Det. 02

15 (min.)

10 (min.)

50 (Secador ou Forno)

72 (Fogão)

1 - Ponto de Alimentação Ø 1/2 (rosca) 2 - Medidas adotadas = centímetros

DETALHE 1

DETALHE 2

Ligar
Flexível

Ligar
Flexível

Se o tubo flexível for instalado com a finalidade de afastamento do fogão, para permitir o acesso à parte traseiro do equipamento, o ponto de fornecimento de gás e o ponto da entrada do gás no fogão, deverão estar alinhados, a fim de evitar-se torção na operação de afastamento do mesmo.

46

5. Local de medição do gás
Neste item do Manual de Instalações Prediais, são mostrados alguns procedimentos mínimos de segurança e construção referentes ao local de medição do gás. 5.1 Generalidades A seguir estão apresentados alguns aspectos gerais sobre a localização do abrigo do medidor de gás. 5.1.1 O local de medição do gás não pode ser utilizado para qualquer outro fim a não ser aquele a que se destina. 5.1.2 No local da medição de gás, os equipamentos instalados (medidor, válvula, regulador, etc.), devem estar protegidos contra: a) Choque mecânico. b) Ação de substâncias corrosivas. c) Fontes produtoras de calor ou chama. d) Faíscas ou fontes de ignição elétrica. e) Outros agentes externos de efeitos danosos. 5.1.3 Todo o local de medição de gás deve estar provido de iluminação adequada para a execução dos serviços de manutenção e leitura dos medidores. O interruptor para acionamento de lâmpadas elétricas deverá ser instalado do lado de fora do abrigo e a luminária deverá ser a prova de explosão. 5.1.4 O local de medição de gás de uma economia isolada deve estar em condições de fácil acesso, pertencente à própria economia, situado no alinhamento da residência, com frente voltada para a rua. 5.1.5 O abrigo de medidores individuais pode ficar acima do abrigo dos medidores de água, desde que o ponto de entrada para o medidor esteja, no máximo, 1,5 m acima do piso. As figuras apresentadas a seguir mostram algumas sugestões para abrigos de medidores.

47

FIGURA 5.1 LOCALIZAÇÃO DE MEDIDORES Sobre Lages de piso com pavimentos ou não inferior.

B

COTAR

COTAR

COTAR

PILAR

PAREDE

3
AFASTAMENTO

3

3

3

3

PASSEIO

RECUO

A
ESPAÇO OU CANALETA COM NO MÍNIMO

SOLEIRA

40X40 DE SEÇÃO PARA PASSAGEM DO RAMAL GERAL

VISTA A-B

LAJE ARMADA

CANALETA MÍNIMO 40X40

COTAS EM CENTÍMETRO

48

FIGURA 5.2 LOCALIZAÇÃO DE MEDIDORES (caso especial) Ramal geral sobre Lajes de piso com pavimento ou vão inferior 5 70 20 5 5 ATERRO 40 CORTE A-A 80 70 70 40 PLANTA COTAS EM CENTÍMETROS 49 .

FIGURA 5.3 LOCALIZAÇÃO DE MEDIDORES (caso especial) Caixa de proteção sobre o hidrômetro A B GÁS 15 VÃO LIVRE PARA A PASSAGEM DO RAMAL DE GÁS HIDRÔMETRO CORTE AB PAREDE PLANTA COTAS EM CENTÍMETROS 50 .

FIGURA 5.680 kcal/min.4: ABRIGO DE MEDIDOR Para um medidor individual com detalhes das “medidas ao alto” para ligação Descarga máxima: 1. MEDIDA AO ALTO DO RAMAL 10 60 45 5 MEDIDA AO ALTO 40 20 INSTALAÇÃO INTERNA 10 5 60 VISTA 70 CORTE 60 10 45 5 20 40 60 10 5 VISTA CORTE 51 .

5: ABRIGO DE MEDIDOR Armário com caixas de proteção para “n” medidores individuais com detalhes das “medidas ao alto” para ligação "MEDIDAS AO ALTO" DA INSTALAÇÃO INTERNA 15 15 15 15 "MEDIDAS AO ALTO" DO RAMAL 10 40 10 5 60 70 20 10 5 10 5 60 10 60 70 70 PLANTA CORTE 52 10 .FIGURA 5.

FIGURA 5.ABRIGO DE MEDIDOR Armário com caixas de proteção para “n” medidores individuais com detalhes das “medidas ao alto”. "MEDIDAS AO ALTO" DA INSTALAÇÃO INTERNA 15 15 15 15 "MEDIDAS AO ALTO" DO RAMAL 10 40 10 5 60 70 20 10 5 10 5 60 10 60 70 70 CORTE PLANTA 53 10 .6 .

FIGURA 5.7 ABRIGO DE MEDIDORES NOS ANDARES a=125 c=155 b=540 60 h=145 CORTE AB 12 a=125 h=125 D=340 g=60 d=520 54 ATÉ 3 MEDIDORES SOBREPOSTO ALTURA MÁXIMA 2200 e=425 d=520 .

COBRE OU ALUMÍNIO ANODIZADO COM ESPESSURA MÍNIMA DE 1 MM g=70 b=100 g=70 g=120 e=400 d=540 ATÉ 3 MEDIDORES SOBREPOSTO ALTURA MÁXIMA 2200 g=120 h=450 CORTE AB g=120 c=100 Observações: . f=140 55 . . e.O valor indicado para dimensão h é fixo.FIGURA 5. . b.As conexões para ligação de cada medidor devem ter os eixos horizontais perfeitamente coincidentes. .Os desvios podem ser feitos por encurvamento dos tubos.Deverá ser prevista uma ventilação permanente através de duto vertical adjacente as caixas de proteção. . d.Os valores indicados para as dimensões a.Cotas em mm. c.8 ABRIGO DE MEDIDOR NOS ANDARES EXEMPLO DE CAIXA DE PROTEÇÃO COM FUNDO DE CHAPA DE AÇO GALVANIZADO. . são mínimos aceitáveis. f e g.

800kcal/min MEDIDAS AO ALTO INSTALAÇÃO INTERNA A 10 5 B 60 8 5 60 CORTE AB 18 21 25 21 21 18 10 60 10 5 20 55 10 PRATELEIRA PLANTA COTAS EM CENTÍMETROS 56 65 223 .9 ABRIGO DE MEDIDOR Para “n” medidores em paralelo com detalhes das “medidas ao alto” para ligação Descarga máxima: n x 2.FIGURA 5.

800 kcal/min MEDIDAS AO ALTO INSTALAÇÃO INTERNA A 5 B 60 10 5 60 10 CORTE AB 10 50 10 50 50 10 10 60 10 5 25 PRATELEIRA PLANTA 57 25 50 223 .FIGURA 5.10 ABRIGO DE MEDIDOR Para “n” medidores em paralelo com detalhes das “medidas ao alto” para ligação Descarga máxima: “n” x 2.

400 kcal/min MEDIDAS AO ALTO DO RAMAL MEDIDAS AO ALTO DA INSTALAÇÃO INTERNA A 10 5 30 41 30 30 B 155 10 120 PLANTA 10 CORTE AB COTAS EM CENTÍMETRO 58 80 .FIGURA 5.11 ABRIGO DE MEDIDOR Para “n” medidores em paralelo com detalhes das “medidas ao alto” para ligação Descarga máxima: “n” x 8.

25 m 0. em função do consumo ©. 5. com no mínimo de 200 cm2 de área útil. deve ser: © < 2. conforme Figura 5.5 m /h < © < 6. d) À distância entre ambos.2.2 Ventilação 5. b) Ventilação permanente com o exterior. b) A altura máxima em relação ao piso é de 1.1 Os abrigos localizados no interior das edificações.35 m e) Os pontos de entrada e saída para conexão ao medidor devem estar 0.5 metros. d) Quando o duto de ventilação dos abrigos de medidores for aparente.13. para a instalação do medidor deve atender o que se segue: a) Ambos devem estar alinhados na mesma altura em relação ao piso.5. devem ser providos de: a) Porta ventilada na parte inferior. a 10 cm2.0 m /h 3 3 3 0.5 m /h 2. mas não inferior ao diâmetro de 50 mm.7 metros. c) Duto de ventilação com área correspondente. no mínimo. distribuídos por entre os andares ou agrupados nos locais de entrada ou hall.2 Medidas e Tolerâncias À distância entre os pontos (entrada e saída do gás). deve ser de material incombustível e resistente a água. c) A altura mínima em relação ao piso é de 0.1 m distantes de qualquer obstáculo. por medidor previsto no respectivo abrigo. 59 .2.

12: DUTO PARA VENTILAÇÃO COLETIVA DE ABRIGOS SITUADOS NOS ANDARES VENTILAÇÃO SUPERIOR TIRAGEM EXTERIOR PORTA VERTILADA (100 CM 2 INFERIOR) VENTILAÇÃO INFERIOR TIRAGEM EXTERIOR A VENTILAÇÃO DO ABRIGO DOS MEDIDORES DE GÁS 100X50 450 350 250 300 Ø3” Ø4” Ø1” Ø1” VARIÁVEL VARIÁVEL 430 630 200 430 630 430 530 50 Ø1” Ø1” Ø1” Ø1” 430 530 500 350 250 50 A’ ABRIGO NOS ANDARES MEDIDAS EM MILÍMETROS CORTE A-A’ 60 .FIGURA 5.

14 e 5. 5.80 DUTO DE VENTILAÇÃO VENTILAÇÃO DA PORTA NA PARTE INFERIOR ÁREA LIVRE PLANTA ABRIGO NA PROJEÇÃO DO BALCÃO (ACESSO EXTERNO) DESENHO SEM ESCALA VALORES EM METROS 61 .13: MEDIDOR INSTALADO NO INTERIOR DE BALCÃO (Desenho A) TIRAGEM DO DUTO DE VENTILAÇÃO EXTERIOR 0. desde que obedeçam as condições de segurança estabelecidas neste Manual. pode-se consultar as Figuras 5.80 0.3 Medidores instalados em balcão de estabelecimentos comerciais a) Os medidores podem ser instalados no interior dos balcões dos estabelecimentos comerciais. FIGURA 5.13. b) Como orientação.15.5.

80 DUTO DE VENTILAÇÃO VENTILAÇÃO DA PORTA NA PARTE INFERIOR 0.80 ABRIGO NA PROJEÇÃO DO BALCÃO (ACESSO INTERNO) PLANTA DESENHO SEM ESCALA VALORES EM METROS 62 .FIGURA 5.14: MEDIDOR INSTALADO NO INTERIOR DE BALCÃO (Desenho B) TIRAGEM DO DUTO DE VENTILAÇÃO EXTERIOR ÁREA LIVRE 0.

FIGURA 5.80 VENTILAÇÃO DA PORTA NA PARTE INFERIOR PLANTA ABRIGO FORA DA PROJEÇÃO DO BALCÃO (ACESSO INTERNO) DESENHO SEM ESCALA VALORES EM METROS 63 DUTO DE VENTILAÇÃO .80 ÁREA LIVRE 0.15: MEDIDOR INSTALADO NO INTERIOR DE BALCÃO (Desenho C) TIRAGEM DO DUTO DE VENTILAÇÃO EXTERIOR 0.

4 Medição coletiva em edifícios a) Local de medição de gás coletiva de um conjunto de economias deve estar em área de servidão comum.5. com dispositivo para a leitura a distância. 5.5 Medição à distância Será permitida a adoção de sistema de medição do volume do gás a distância (medição remota). b) Quando da instalação de medição de gás coletiva. desde que observados: a) Os medidores são instalados de acordo com as normas de segurança estabelecidas neste Manual. 64 . b) A inexistência de interferências elétrica/eletrônicas que prejudiquem a leitura. deve-se providenciar para que na tubulação que deriva para os apartamentos se possibilite a instalação de medidor individual.

6. visando a segurança das instalações internas. conforme o caso. dentro do volume do edifício que tenham essas características. é necessário que esta ventilação seja feita para o exterior.2. o suprimento de ar para a combustão e a exaustão do ar viciado ou dos produtos da combustão. situados ou não. isto é.1 Ventilação permanente (áreas mínimas) Para efetuar a ventilação dos locais que contêm aparelhos a gás.6. para o ar livre ou para espaços. a seguir. As Figuras 6. Quando forem dirigidos produtos da combustão para um prisma de ventilação. a fim de permitir a entrada de ar do exterior para garantir a renovação do ar no mesmo. mostram alguns tipos de ventilações permanentes mínimas. é recomendável instalar um duto na parte inferior do referido prisma. Condições das instalações e das conexões de aparelhos a gás A seguir estão descritos assuntos referentes à ventilação permanente mínima e chaminés.1 e 6. ou seja. 65 .

1 TIPOS DE VENTILAÇÕES PERMANENTES MÍNIMAS 66 .FIGURA 6.

Todo rebaixo.Os ambientes onde estão instalados os aparelhos a gás.FIGURA 6. deverá possuir ventilação permanente para o exterior. por onde estiver passando o percurso horizontal da chaminé de alumínio. 67 . .2 TIPOS DE VENTILAÇÕES PERMANENTES MÍNIMAS Importante: . deverão ser permanentemente ventilados.

b) Os aquecedores tipo de passagem ou de acumulação.2 Chaminés O estudo das técnicas para proporcionar uma adequação de ambiente ideal é muito vasto.2. devem ser instalados na área de serviço. instalados em uma área de serviço. 68 . e) O diâmetro mínimo da chaminé individual não pode ser inferior ao diâmetro de saída do defletor do aparelho de utilização. Para que isso ocorra com segurança.60 metros.6. deve-se seguir os volumes mostrados na tabela a seguir. preferencialmente. através do menor percurso possível. 6. que antecede o primeiro desvio. d) O trecho vertical da chaminé.3 e 6. deve ter a altura mínima de 0. evitando-se extensões horizontais e curvas. c) A chaminé individual deve ser implantada de modo a conduzir a totalidade dos gases de exaustão para o exterior da edificação. a partir da entrada de ar do defletor até a geratriz inferior do primeiro desvio. a) O projeto e a execução são de responsabilidade de profissionais legalmente habilitados. frestas nas portas. indo desde uma simples ventilação por meio de janelas.1 Chaminé individual com tiragem natural A seguir estão descritos comentários e procedimentos necessários para a exaustão dos produtos da combustão de aparelhos a gás. As Figuras 6.4 mostram a instalação de chaminé individual em um aquecedor de passagem e um aquecedor de acumulação. respectivamente. até sistemas complexos automáticos acionados por controles elétricos.

FIGURA 6.3 DETALHES DA INSTALAÇÃO DE UM AQUECEDOR DE PASSAGEM DETALHE MOSTRANDO A PAREDE EM CORTE 69 .

FIGURA 6.4 DETALHES DA INSTALAÇÃO DE UM AQUECEDOR DE ACUMULAÇÃO DETALHE MOSTRANDO A PAREDE EM CORTE Ver detalhe 70 .

f) Os terminais de chaminé não devem ser instalados nas seguintes condições: • Abaixo de cumeeiras de telhados inclinados; • A menos de 0,25 m, em coberturas plana sem obstrução; • A menos de 0,25 m de uma linha imaginária entre os pontos mais alto e o mais baixo dos obstáculos; • A menos de 0,25 m de um parapeito ou borda de telhado, quando a chaminé subir externamente. g) É permitida a colocação do terminal nas faces das edificações, quando existir uma altura mínima de 0,80m, entre a saída do aparelho e a base do terminal da chaminé. h) O terminal da chaminé deve apresentar área livre igual a pelo menos duas vezes a área da seção da chaminé. i) Quando não for possível atender as disposições descritas anteriormente, poderá ser utilizada a exaustão mecânica. 6.2.2 Chaminé individual com exaustão forçada Para este tipo de chaminé, deve-se proceder, como descrito a seguir. a) O exaustor instalado na chaminé deverá ser a prova de explosão e calor. b) Na exaustão mecânica, deve ser instalado dispositivo que permita cortar o fornecimento de gás quando o exaustor não funcionar. 6.2.3 Chaminé coletiva com tiragem natural Para este tipo de chaminé, deve-se proceder, como descrito a seguir. a) Deve ser executada com materiais incombustíveis, resistentes a altas temperaturas e a corrosão.

71

b) Devem ser instaladas com juntas estanques e arrematadas uniformemente; c) A chaminé individual que deve ser conectada a uma coletiva, deve ter uma altura mínima de 2,0 m, podendo haver, no máximo, 2 chaminés individuais por pavimento. A Figura 6.5, a seguir, mostra um modelo de chaminé individual conectada a uma coletiva; d) Cada chaminé coletiva deve servir, no máximo, a 9 pavimentos; e) A ligação da chaminé individual a uma coletiva deverá ter inclinação igual ou maior do que 135o; f) O trecho não vertical da chaminé individual deverá apresentar inclinação mínima de 30o; g) Na parte inferior da chaminé coletiva deve existir uma abertura para ventilação, com área mínima de 100 cm2;

72

FIGURA 6.5 - EXEMPLO DE CHAMINÉ COLETIVA

73

000 SEÇÃO CIRCULAR Diâmetro Interno (cm) 8.5 14 15.h) O dimensionamento das chaminés coletivas deve atender a tabela. a seguir.316 até 5.2 kW (17.666 até 2. 2.083 até 2.0 cm2 por 1. POTÊNCIA MÁXIMA (Kcal/min) Altura menor do que 10 m até 250 até 416 até 500 até 666 até 833 até 1.2 kW (17.166 até 1.5 cm2 por 1.716 Altura entre 10 m e 20 m até 250 até 416 até 500 até 666 até 1.5 cm2 por 1.000 até 2.2 kcal/min).333 até 2.000 até 3.000 até 1.2 kcal/min).583 até 3.2 kW (17.550 até 4.000 até 1.083 até 2.750 até 2.333 até 1.5 10 11 12. 2.333 até 1.750 até 2.483 até 4. 74 .016 Altura maior do que 20 m até 250 até 416 até 666 até 1.000 até 3.2 kcal/min).333 até 1.583 até 3.5 17 18 20 22 24 26 Área (cm2) 57 79 95 123 154 189 226 255 314 380 452 531 SEÇÃO RETANGULAR Área (cm2) 63 87 105 135 169 208 249 280 345 418 497 584 Para potências maiores do que as indicadas na tabela devem-se aumentar a seção da chaminé de acordo com a seguinte relação: h 10 m 10 h 20 m h 20 m 3.000 até 1.

apresenta algumas definições importantes dos componentes de uma instalação interna. 75 . optando-se por outro procedimento de cálculo. que deve ser obtida através do fabricante do equipamento. Na falta dessa informação.7. Dimensionamento das tubulações Neste item mostra-se uma metodologia para executar o dimensionamento de instalações internas que utilizam gás natural. apresentada a seguir.1. pode-se utilizar a Tabela 7.2 mostra a correlação entre a potência computada e a potência adotada levando-se em consideração o fator de simultaneidade. A Figura 7. é importante definir o que significa potência computada e potência adotada.1. leva-se em consideração o fator de simultaneidade. utilizados nos segmentos residencial e comercial. Potência Computada: é a potência nominal dos aparelhos de utilização de gás. Em relação à potência dos parelhos a gás que será utilizada no dimensionamento das instalações internas. mostrada a seguir. o projeto deverá ser analisado e aprovado pela COPERGÁS. ou ainda. A Tabela 7. Para o cálculo da potência adotada. Potência Adotada: é a potência que efetivamente será utilizada no dimensionamento das instalações internas. que mostra a potência de vários aparelhos a gás. Utilizando a metodologia apresentada no Manual.

1 ESQUEMA DE DEFINIÇÕES DOS COMPONENTES DE INSTALAÇÃO Ramificação Secundária Ramificação Primária Ramificação Secundária Rede externa (4.02 kgf/cm ) 2 2 2 2 6 5 Com opção para medidores de rateio 3 4 Medidor Coletivo 7 1 2 Ramal interno Ramal interno Ramal externo Instalação Predial Instalação interna Legenda: 1) Rede Geral sob o passeio ou pista de rolamento. 6) Cabine de medidores individuais. 2) Registro de segurança e logradouro público.02 kgf/cm até 1. 5) Fachada do prédio.0 kgf/cm ) Rede (Ramificada) primária (0. 7) Caixa de medidor coletivo. 3) Limite de propriedade.5 kgf/cm ) Rede (Ramificada) secundária (0. 76 .FIGURAS 7. 4) Regulador de pressão.

000 7.000 Vazão de Gás Natural (Nm3/h) 0.8 9.000 35.89 0.3 3.33 0.8 18.38 0.22 5 0.000 8.5 17.000 6.500 9.8 POTÊNCIA (Kcal/h) 7.1 52.44 4. PCI=Poder Calorífico Inferior.000 5.4 10.3 7 4 5.5 8.63 2.7 10.1 26.000 9.5 44.55 50-75 lts 100-150 lts 200-300 lts 6 lts.1 .33 1.5 14 17. 77 .000 14./min 30 lts/min Nota: Vazão=potência (kcal/h) PCI do gás natural (9.78 0.55 1./min 10 lts.000 kcal/m3)./min 15 lts/min 25 lts./min 8 lts.000 11.67 0.POTÊNCIA NOMINAL DOS APARELHOS DE UTILIZAÇÃO APARELHOS TIPO (kW) Fogão 4 bocas Fogão 4 bocas Fogão 6 bocas Fogão 6 bocas Forno de parede Aquecedor acumulativo Aquecedor acumulativo Aquecedor acumulativo Aquecedor de passagem Aquecedor de passagem Aquecedor de passagem Aquecedor de passagem Aquecedor de passagem Aquecedor de passagem Secadora de roupa Aquecedor de ambiente Lareira com forno sem forno com forno sem forno 8.000 12.1 5.83 1 1.000 5.700 22.000 38.67 1 1.000 3.000 15.000 45.22 0.TABELA 7.

segundo NR 14570. 78 .1 Determinação do fator de Simultaneidade Como já foi definido anteriormente o fator de simultaneidade relaciona-se com a potência computada e com a potência adotada de acordo com a equação abaixo: Onde PA e a potência adotada. PC é a potência computada e F é o fator de simultaneidade. A determinação do fator de simultaneidade pode ser realizada através das equações expressas a seguir.7.

tem os respectivos diâmetros indicados na coluna a sua direita. nas Tabelas 7.2 e 7. em função da potência adotada.2: TUBOS DE AÇO Dimensionamento das Prumadas Ascendentes POTÊNCIA ADOTADA (kCAL/MIN) Até 350 de 350 a 704 de 705 a 1546 de 1547 a 2396 de 2397 a 4844 de 1845 a 7940 de 7950 a 14465 de 14466 a 30257 Nota: Aço Shedulle 40 BITOLA (pol. mostrada a seguir. Vale apenas ressaltar que. Já para instalações que possuem somente ramificações secundárias. 79 .4 a 7.3: TUBOS DE COBRE Dimensionamento das Prumadas Ascendentes POTÊNCIA ADOTADA (kCAL/MIN) Até 313 de 314 a 602 de 603 a 1054 de 1055 a 1700 de 1701 a 3211 BITOLA (pol.2. TABELA 7. nos valores apresentados nas tabelas já estão consideradas as perdas de cargas provenientes das tubulações. A seguir.3. conexões e válvulas. estão mostrados os valores dos diâmetros dos trechos das tubulações. Para instalações internas com ramificações primárias e secundárias.) 22 28 35 42 54 Para a utilização das Tabelas 7. b) Os trechos. admitiu-se uma perda de carga de 15 mmca. deve-se utilizar a Tabela 7.7. deve-se seguir as seguintes instruções: a) Determinar a potência adotada para os vários trechos da prumada ascendente.Para o dimensionamento das prumadas dos edifícios residenciais. admitiu-se uma perda de carga de 10 mmca.) 3/4" 1" 1 1/4" 1 1/2" 2" 2 1/2" 3" 4" TABELA 7. cujas potências adotadas para dimensionamento se enquadrem dentro dos limites estabelecidos na coluna a esquerda da tabela.

TABELA 7.4 Dimensionamento para Edificações com Ramificações Primárias e Secundárias TUBOS DE AÇO D L 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200 679 480 392 339 303 277 256 240 226 214 204 196 188 181 175 169 164 160 155 151 135 124 114 107 101 96 91 87 84 81 78 75 73 71 69 67 64 62 59 57 55 53 52 50 49 48 1541 1089 889 770 689 629 582 544 513 487 464 444 427 411 397 385 373 363 353 344 308 281 260 243 229 217 207 198 191 184 177 172 167 162 158 154 146 140 135 130 125 121 118 114 111 108 3096 2189 1787 1548 1384 1264 1170 1094 1032 979 933 893 858 827 799 774 750 729 710 692 619 565 523 489 461 437 417 399 384 370 357 346 335 326 317 309 295 282 271 261 252 244 237 230 224 218 1/2" 3/4" 1" 1 1/4" 1 1/2" 2" 2 1/2" 3" 4" consumo em Kcal/mim 6798 4807 3925 3399 3040 2775 2569 2403 2266 2149 2049 1962 1885 1817 1755 1699 1648 1602 1559 1520 1359 1241 1149 1074 1013 961 916 877 843 812 785 760 737 716 697 679 648 620 596 574 555 537 521 506 493 480 10535 7450 6082 5267 4711 4301 3982 3725 3511 3331 3176 3041 2922 2815 2720 2633 2555 2483 2417 2355 2107 1923 1780 1665 1570 1490 1420 1360 1306 1259 1216 1177 1142 1110 1080 1053 1004 961 924 890 860 832 808 785 764 745 21300 15062 12298 10650 9526 8696 8051 7531 7100 6735 6422 6149 5907 5692 5499 5325 5166 5020 4886 4763 4260 3889 3600 3367 3175 3012 2872 2749 2642 2545 2459 2381 2310 2245 2185 2130 2030 1944 1868 1800 1739 1683 1633 1587 1545 1506 34951 24714 20179 17475 15630 14268 13210 12357 11650 11052 10538 10089 9693 9341 9024 8737 8476 8238 8018 7815 6990 6381 5907 5526 5210 4942 4712 4512 4335 4177 4035 3907 3790 3684 3585 3495 3332 3190 3065 2953 2853 2763 2680 2605 2535 2471 63615 44982 36728 31807 28449 25970 24044 22491 21205 20116 19180 18364 17643 17001 16425 15903 15428 14994 14594 14224 12723 11614 10752 10058 9483 8996 8577 8212 7890 7603 7345 7112 6900 6705 6526 6361 6065 5807 5579 5376 5194 5029 4879 4741 4615 4498 33047 94078 76814 66523 59500 54316 50287 47039 44349 42073 40115 38407 36900 35558 34352 33261 32268 31359 30523 29750 26609 24291 22489 21036 19833 18815 17940 17176 16502 15902 15362 14875 14431 14024 13650 13304 12685 12145 11669 11244 10863 10518 10204 9916 9652 9407 80 .

5 Dimensionamento para Edificações com Ramificações Primárias e Secundárias TUBOS DE COBRE D L 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200 672 475 388 336 300 274 254 237 224 212 202 194 186 179 173 168 163 158 154 150 134 122 113 106 100 95 90 86 83 80 77 75 72 70 69 67 64 61 59 56 54 53 51 50 48 47 1755 1241 1013 877 785 716 663 620 585 555 529 506 486 469 453 438 425 413 402 392 351 320 296 277 261 248 236 226 217 209 202 196 190 185 180 175 167 160 154 148 143 138 134 130 127 124 15 22 28 35 42 54 consumo em Kcal/mim 3346 2366 1931 1673 1496 1366 1264 1183 1115 1058 1008 965 928 894 863 836 811 788 767 748 669 610 565 529 498 473 451 431 415 399 386 374 362 352 343 334 319 305 293 282 273 264 256 249 242 236 5888 4163 3399 2944 2633 2403 2225 2081 1962 1862 1775 1699 1633 1573 1520 1472 1428 1387 1350 1316 1177 1075 995 931 877 832 794 760 730 703 679 658 638 620 604 588 561 537 516 497 480 465 451 438 427 416 9640 6816 5565 4820 4311 3935 3643 3408 3213 3048 2906 2782 2673 2576 2489 2410 2338 2272 2211 2155 1928 1760 1629 1524 1437 1363 1299 1244 1195 1152 1113 1077 1045 1016 989 964 919 880 845 814 787 762 739 718 699 681 18880 13350 10900 9440 8443 7707 7136 6675 6293 5970 5692 5450 5236 5045 4874 4720 4579 4450 4331 4221 3776 3447 3191 2985 2814 2670 2545 2437 2341 2256 2180 2110 2047 1990 1937 1888 1800 1723 1655 1595 1541 1492 1448 1407 1369 1335 81 .TABELA 7.

6 Dimensionamento para Edificações Somente com Ramificações Secundárias TUBOS DE AÇO D L 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200 831 588 480 415 372 339 314 292 277 263 250 240 230 222 214 207 201 196 190 186 166 151 140 131 124 117 112 107 103 99 96 93 90 87 85 83 79 75 72 70 67 65 63 62 60 58 1887 1334 1089 943 844 770 713 667 629 596 569 544 523 504 487 471 457 444 433 422 377 344 319 298 281 266 254 243 234 225 217 211 204 198 193 188 179 172 165 159 154 149 144 140 136 133 3792 2681 2189 1896 1695 1548 1433 1340 1264 1199 1143 1094 1051 1013 979 948 919 893 869 847 758 692 640 599 565 536 511 489 470 453 437 423 411 399 389 379 361 346 332 320 309 299 290 282 275 268 1/2" 3/4" 1" 1 1/4" 1 1/2" 2" 2 1/2" 3" 4" consumo em Kcal/mim 8326 5887 4807 4163 3723 3399 3147 2943 2775 2633 2510 2403 2309 2225 2149 2081 2019 1962 1910 1861 1665 1520 1407 1316 1241 1177 1122 1074 1032 995 961 930 903 877 854 832 793 760 730 703 679 658 638 620 604 588 12903 9124 7450 6451 5770 5267 4877 4562 4301 4080 3890 3725 3578 3448 3331 3225 3129 3041 2960 2885 2580 2355 2181 2040 1923 1824 1739 1665 1600 1542 1490 1442 1399 1360 1323 1290 1230 1177 1131 1090 1053 1020 989 961 936 912 26088 18447 15062 13044 11667 10650 9860 9223 8693 8249 7865 7531 7235 6972 6735 6522 6327 6149 5985 5833 5217 4763 4409 4124 3889 3689 3517 3367 3235 3118 3012 2916 2829 2749 2676 2608 2487 2381 2288 2204 2130 2062 2000 1944 1892 1844 42806 30268 24714 21403 19143 17475 16179 15134 14268 13536 12906 12357 11872 11440 11052 10701 10382 10089 9820 9571 8561 7815 7235 6768 6381 6053 5772 5526 5309 5116 4942 4785 4642 4512 4391 4280 4081 3907 3754 3617 3495 3384 3283 3190 3105 3026 77912 55092 44982 38956 34843 31807 29448 27546 25970 24638 23491 22491 21609 20822 20116 19478 18896 18364 17874 17421 15582 14224 13169 12319 11614 11018 10505 10058 9663 9312 8996 8710 8450 8212 7993 7791 7428 7112 6833 6584 6361 6159 5975 5807 5652 5509 62949 15222 94078 81474 72873 66523 61588 57611 54316 51529 49130 47039 45193 43549 42073 40737 39520 38407 37383 36436 32589 29750 27543 25764 24291 23044 21972 21036 20211 19476 18815 18218 17674 17176 16718 16294 15536 14875 14291 13771 13304 12882 12497 12145 11821 11522 82 .TABELA 7.

TABELA 7.7 Dimensionamento para Edificações Somente com Ramificações Secundárias TUBOS DE COBRE D L 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200 823 582 475 411 368 336 311 291 274 260 248 237 228 220 212 205 199 194 189 184 164 150 139 130 122 116 111 106 102 98 95 92 89 86 84 82 78 75 72 69 67 65 63 61 59 58 2150 1520 1241 1075 961 877 812 760 716 680 648 620 596 574 555 537 521 506 493 480 430 392 363 340 320 304 289 277 266 257 248 240 233 226 220 215 205 196 188 181 175 170 164 160 156 152 15 22 28 35 42 54 consumo em Kcal/mim 4098 2897 2366 2049 1832 1673 1548 1448 1366 1295 1235 1183 1136 1095 1058 1024 993 965 940 916 819 748 692 647 610 579 552 529 508 489 473 458 444 431 420 409 390 374 359 346 334 323 314 305 297 289 7211 5099 4163 3605 3225 2944 2725 2549 2403 2280 2174 2081 2000 1927 1862 1802 1749 1699 1654 1612 1442 1316 1219 1140 1075 1019 972 931 894 861 832 806 782 760 739 721 687 658 632 609 588 570 553 537 523 509 11806 8348 6816 5903 5280 4820 4462 4174 3935 3733 3559 3408 3274 3155 3048 2951 2963 2782 2708 2640 2361 2155 1995 1866 1760 1669 1592 1524 1464 1411 1363 1320 1280 1244 1211 1180 1125 1077 1035 997 964 933 905 880 856 834 23123 16350 13350 11561 10341 9440 8739 8175 7707 7312 6971 6675 6413 6179 5970 5780 5608 5450 5304 5170 4624 4221 3908 3656 3447 3270 3117 2985 2868 2763 2670 2585 2508 2437 2372 2312 2204 2110 2028 1954 1888 1828 1773 1723 1677 1635 83 .

f) Começando pelos trechos mais afastados do medidor. d) Determine a potência computada para cada aparelhos de utilização.Para a utilização das Tabelas 7. c) Localize na tabela apropriada. determine as potências adotadas no projeto para cada potência computada. determinada no item anterior.2. para cada aparelho de utilização previsto na instalação. os procedimentos para a execução do dimensionamento das instalações internas. nessa determinação. as colunas correspondentes aos consumos iguais ou imediatamente superiores aos dos trechos que se deseja dimensionar utilizando as potências adotadas determinadas no item “e”.7. e) Utilizando a Tabela 7.4 a 7. localize na linha escolhida no item c. aparelhos de utilização com potência inferior a 100 kcal/min.2 Exemplos de dimensionamento de instalações internas Para esclarecer. não sendo considerados. a seguir estão apresentados 3 exemplos de dimensionamento. b) Determine a distância em metros desde o medidor até o ponto mais afastado do medidor. deve-se seguir as seguintes instruções: a)Determine o consumo de gás em kcal/min. ainda mais. 84 .. No topo de cada coluna encontra-se o diâmetro que o trecho deverá ter. a linha horizontal correspondente ao comprimento igual ou imediatamente superior ao determinado no item anterior. 7.

B B-C F4 .C C-D F0 .0+5.0+7.0+5.MI Potências Computadas Adotadas 160 160 125 125 125+160=285 285 170 170 170+285=455 430 50 50 50+455=505 496 Bitola pol.B A2 .D D .5 Limites dos trechos A1 .5+8. 22 15 22 22 28 15 28 Potências Limites dos trechos Computadas Adotadas Bitola Rua:________________________________ Nº_____ Instalador _____________________ (Autor do projeto) 85 .Folhas de Cáluculo Modelo A Material dos Tubos: Cobre Colunas: Distância do ponto mais afastado= 1.0=27 Colunas: Distância do ponto mais afastado= 1.

7 +3.B F4 .D D-E PRUMADA E-G G .5+0.B B-C A1 .3+1.5+2.0+4.0+2.2+2.8 Limites dos trechos F0 .Folhas de Cáluculo Modelo A Material dos Tubos: Aço Colunas: Distância do ponto mais afastado= 1.MI Potências Computadas Adotadas 80 50 180 180 50+180=230 230 125 125 230+125=355 355 140 140 140+355=795 460 495 495 460 460 Bitola pol.C C-D A2 .0+6. 1/2 3/4 3/4 1/2 3/4 1/2 1" 1" 1" Potências Limites dos trechos Computadas Adotadas 0.5 Bitola Rua:________________________________ Nº_____ Instalador _____________________ (Autor do projeto) 86 .6=24 Colunas: Distância do ponto mais afastado= 0.

8+2.C 200 469 C-G 310+200=510 PRUMADA 810 H18 .0 FALSO Colunas: Distância do ponto mais afastado= Potências Limites dos trechos Computadas Adotadas 260 F6 .3+5.Exemplo 3 50 B Folhas de Cáluculo Modelo A Material dos Tubos: Cobre Colunas: Distância do ponto mais afastado= 1.H16 3610 H16 .B 50 310 B-C 260-50=310 200 A1 .D F6 .0+1.MG Rua:________________________________ Bitola pol.H0 510X2X2X18=18360 18360 3610 H0 .H17 510X2=1020 510X2X2=2040 1347 H17.E E-G 200 260 260+200=460 Bitola 22 22 28 15 28 50 50+460=510 200 260 430 50 469 Nº_____ Instalador _____________________ (Autor do projeto) 87 .E F0 . 22 15 22 22 28 35 42 54 54 Potências Limites dos trechos Computadas Adotadas A2 .0+4.B 260 50 F0 .D D.

que gerenciarão a obra. perante o órgão territorial competente. ou a pessoa autorizada deverá apresentar. 88 . Após a aprovação do mesmo. devendo ser construídas por uma Empresa Instaladora de Gás. cadastrada na COPERGÁS.1 Considerações gerais Na hora de projetar e construir e antes da entrada em operação de uma instalação interna de gás. redigido e assinado pelo competente técnico habilitado e visado pelo correspondente Órgão Oficial. mostrando para que tipo de serviços essas empresas e seus técnicos responsáveis poderão executar. devidamente assinado. todas as recomendações e instruções necessárias para o bom funcionamento. além de todas as descrições. O interessado. Esse cadastro será realizado por categoria. a COPERGÁS manterá em seus arquivos a cópia do projeto. o projeto específico da instalação interna de gás. DOCUMENTAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 8. No projeto técnico específico. manutenção e revisão da instalação projetada. assim como os seus técnicos responsáveis deverão ser cadastrados na COPERGÁS. A seguir estão mostradas algumas categorias que serão criadas. Todas as empresas. no qual tramitará o projeto. a) Projeto de Instalações Internas. d) Execução de Adequação de Ambientes. e) Execução de Reparos e Adequações nas Instalações Internas. g) Etc. f) Execução da Conversão de Aparelhos de Utilização para o Uso de Gás Natural. deve-se elaborar uma determinada documentação técnica que evidencie as características e condicionantes legais da mesma. cálculos e plantas necessárias para defini-lo e construí-lo. devolvendo ao técnico responsável o original. deverão constar. c) Execução de Instalações Internas. O original e uma cópia do projeto técnico detalhado deverá ser entregue a COPERGÁS para aprovação. b) Execução de Ramais Internos. As instalações internas devem ser projetadas por técnicos habilitados.8.

a seguir estão descritos outros documentos técnicos necessários. subscrito pelo técnico responsável que a efetuou e visado pela COPERGÁS. deverá constar expressamente que a instalação interna foi executada de acordo com o projeto técnico específico. 89 . Deverão ser apresentados um original e três cópias deste certificado de gerência e conclusão da obra que. Além do projeto técnico. depois de diligenciadas pelo órgão territorial. o proprietário da instalação interna e a COPERGÁS. far-se-ão constar os resultados dos testes e verificações de caráter geral ou parcial a que tenha dado lugar. se for o caso. Igualmente. acompanhado dos resultados dos testes e verificações. bem como. sob o controle e a responsabilidade do técnico habilitado. as variações de detalhe que o Diretor Técnico tiver realizado no projeto primitivo. apresente ao órgão territorial competente. ou a pessoa autorizada. reguladores e válvulas. • Certificado de calibração dos manômetros. Uma vez efetuada a instalação e realizados os testes e inspeções regulamentares. do certificado de gerência e conclusão da obra. • Folhas de dados dos medidores. e sempre antes de ser colocada em operação. caberá a uma Empresa Instaladora cadastrada na COPERGÁS.A execução da montagem. sendo seus destinatários. ficarão de posse do interessado. dos testes e verificações regulamentares destas instalações. • Relatório de conversão dos aparelhos a gás. que fazem parte do cadastro das instalações internas de gás natural. Gerente de Obra da instalação interna de gás. registrado no órgão territorial competente e que cumpre todos os requisitos exigidos na regulamentação em vigor. o técnico diplomado. um certificado de gerência e conclusão da obra. Neste certificado de gerência e conclusão da obra. será necessário que o interessado. e deve ser efetuado de acordo com o projeto específico da instalação. Esta execução será efetuada somente por Instaladores Autorizados.

com rosca NPT para tubulações. NBR 13206: Tubos de cobre leve. NBR 7541: Tubo de cobre sem costura para refrigeração e ar condicionado.br 90 . NBR 5580: Tubos de aço carbono para roscas Whitwoth gás para usos comuns de condução de fluídos. ANSI/ASME B 16.org. NBR 5883: Solda branca. tolerâncias e designação. NBR 14177: Tubo flexível metálico para instalações domésticas de gás combustível. NBR 12912: Rosca NPT para tubos dimensões. médio e pesado para a condução de água e outros fluídos. NBR 13127: Medidor de gás tipo diafragma para instalações residenciais especificação. Para maiores informações sobre as Normas relacionadas com a implantação de instalações internas de gás combustível.5: “Pipe flanges & flanged fittings”.9. ANSI/ASME B 16. ANSI/FCI. NBR 5590: Tubos de aço-carbono com requisitos de qualidade para condução de fluídos. que devem ser consultadas quando da implantação de instalações internas para gás natural.9: “Factory-made wrought steel butt welding fittings”. ANSI/ASME B 16. Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ Þ NBR 5419: Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas.abnt. NBR 13103: Adequação de ambientes residenciais para instalação de aparelhos que utilizam gás combustível. NBR 14570: Instalações internas para uso alternativo dos gases Gás Natural e GLP projeto e execução. NBR 6943: Conexões de ferro maleável para tubulações classe 10. cujo endereço eletrônico é o seguinte: Http://www. NBR 6925: Conexões de ferro fundido maleável de classe 150 e 300.3: “Malleable iron threaded fittings”. consultar o site da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 13128: Medidor de gás tipo diafragma para instalações residenciais método de ensaio.70. NBR 6493: Emprego de cores fundamentais para tubulações industriais. Referências normativas A seguir estão relacionadas as Normas Brasileiras (NBR's). NBR 11720: Conexões para unir tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar.2: “American national standard for control valve seat leakage. NBR NM-ISO 7-1: Rosca para tubos onde a junta de vedação sob pressão é feita pela rosca Parte 1: dimensões. NBR 12727: Medidor de gás tipo diafragma para instalações prediais dimensões.

Direitos Reservados: COPERGÁS .br .com.br Site: www.com. 4060 15º Andar Fone: (81) 3463.2020 E-mail: copergas@copergas.copergas. Domingos Ferreira.2000 / Fax: (81) 3463.Companhia Pernambucana de Gás Natural Av.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful