Você está na página 1de 5

GOVERNO DE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO


ESCOLA ESTADUAL NAIR PALÁCIO DE SOUZA
NOVA ANDRADINA - MS

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS


1.TÍTULO:”Projeto Óleo e água não se misturam”

2. COORDENADOR: Ediana Apª. Ciciliati Milhorança

3. ÁREA DE CONHECIMENTO : Ciências da Natureza, Matemática


e suas Tecnologias e Ciências Humanas e suas Tecnologias
4. DICIPLINAS: Ciências, Química e Biologia
7. TURNO: Matutino e
5. SERIE:, 1º, 2º e 3º ano do 6. TURMA: todas vespertino e noturno
ensino médio –curso técnico

8. COLABORADORES/ORGÃO ORIGEM – Alunos, Professora e


Coordenação Pedagógica.
9. INSTITUIÇÕES ENVOLVIDADAS: escola e comunidade

10. RESPONSÁVEL ORÇAMENTÁRIA FINANCEIRA:Alunos e comunidade

11. OBJETIVO GERAL: Procurar minimizar o impacto do descarte de óleo


comestível usado no meio ambiente e na saúde humana, além da oportunidade que os
alunos terão de mudar seus hábitos, de contribuir para a sustentabilidade do planeta,
gerando o mínimo de lixo possível e reaproveitando ao máximo os produtos antes de
descartá-los; e acreditar assim estar contribuindo com toda a sociedade e prestando um
serviço educativo que será acrescido ás demais reciclagens já existentes e
comprovadamente satisfatórias.

12. INICIO:Março/09 13: TÉRMINO:Novembro/09


14. CLIENTELA E PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS: Alunos do matutino e
vespertino e noturno ,Professores e Coordenação Pedagógica.
15. APRESENTAÇÃO: O crescimento urbano desordenado traz o aparecimento de
problemas ambientais globais.
A alta produção de lixo, a disposição inadequada de produtos tóxicos à saúde humana e
e ao meio ambiente agrava a preocupação com a escassez de água potável em todo o
o planeta.
A questão do lixo está se tornando um dos problemas mais graves da atualidade.
A reciclagem é uma forma importante de gerenciamento de resíduos, pois transforma
o lixo em insumos, com diversas vantagens ambientais. Dentre elas a economia dos
recursos naturais e o bem estar da comunidade.
Dentre muitos produtos de difícil degradação no meio ambiente, estão as gorduras.
Tais como azeite, óleo, banha, e outros, não se dissolvem e nem se misturam à água,
formando uma camada densa na superfície que impede as trocas gasosas e a oxigenação
se tornando um problema para rios, lagos e aqüíferos. As gorduras
também interferem de maneira negativa no tratamento de esgotos,
sendo comum a obstrução de tubulações. O entupimento da rede força os esgotos
a infiltrarem no solo, contaminando o lençol freático, ou atingindo a superfície.
Para retirar o óleo e desentupir as tubulações, são empregados produtos químicos
altamente tóxicos, o que acaba criando uma cadeia perniciosa. Além de causar
danos irreparáveis ao meio ambiente, constitui uma prática ilegal punível por lei.
Os brasileiros consomem em torno de 3 bilhões de litros de óleo de cozinha por ano. O
óleo de cozinha usado é um poluente, podendo causar problemas ambientais sérios. Ao
ser jogado ralo abaixo, o óleo usado vai para a rede de esgotos e chega a rios, mares e
lagoas prejudicando o equilíbrio destes ecossistemas. sem falar no mal que o excesso
pode causar ao organismo, ele provoca o entupimento das tubulações nas redes de
esgoto, aumentando em até 45% os custos de tratamento. Um litro de óleo de cozinha
pode contaminar até um milhão de litros de água, que equivale ao consumo de um ser
humano por 14 anos. Sem contar que acaba chegando ao oceano e, em contato com a
água do mar, libera gás metano (21 vezes mais agressivo que o carbono), um dos
grandes vilões do aquecimento global. A simples atitude de não jogar o óleo de cozinha
usado direto no lixo ou no ralo da pia pode contribuir para diminuir o aquecimento
global; a decomposição do óleo de cozinha emite metano na atmosfera. O metano é um
dos principais gases que causam o efeito estufa, que contribui para o aquecimento da
terra a solução para este problema é a reciclagem do óleo vegetal e existem várias
maneiras de reaproveitar este produto sem dar prejuízos ao meio ambiente. A simples
atitude de não jogar o óleo de cozinha usado direto no lixo ou no ralo da pia pode
contribuir para diminuir o aquecimento global.
Este trabalho está relacionado ao desenvolvimento de produtos e metodologias para
preservação do meio ambiente e apresenta uma abordagem multidisciplinar.
16. JUSTIFICATIVA: A questão do lixo está se tornando um dos problemas mais graves
da atualidade.
O óleo de cozinha é altamente prejudicial ao meio ambiente e quando jogado na pia (rede de
esgoto) causa entupimentos, havendo a necessidade do uso de produtos químicos tóxicos
para a solução do problema. Muitos bares, restaurantes, hotéis e residências ainda têm
jogado o óleo utilizado na cozinha na rede de esgoto, desconhecendo os prejuízos que isso
causa.
Jogar o óleo na pia, em terrenos baldios ou no lixo acarreta três fins desastrosos a esse óleo:
- permanece retido no encanamento, causando entupimento das tubulações se não for
separado por uma estação de tratamento e saneamento básico;
- se não houver um sistema de tratamento de esgoto, acaba se espalhando na superfície dos
rios e das represas, causando danos à fauna aquática;
- fica no solo, impermeabilizando-o e contribuindo com enchentes, ou entra em
decomposição, soltando gás metano durante esse processo, causando mau cheiro, além de
agravar o efeito estufa.
A reciclagem é uma forma muito atrativa de gerenciamento de resíduos, pois transforma o
lixo em insumos, com diversas vantagens ambientais. Pode contribuir para a economia dos
recursos naturais, assim como para o bem estar da comunidade. Muitas residências jogam o
óleo de cozinha usado na rede de esgoto, o que causa o entupimento da mesma, bem como o
mau funcionamento das estações de tratamento. Para retirar o óleo e desentupir são
empregados produtos químicos altamente tóxicos, o que acaba criando uma cadeia
perniciosa. Além de causar danos irreparáveis ao meio ambiente constitui uma prática ilegal
punível por lei.
Este projeto baseia-se na reciclagem do óleo comestível usado nas frituras para a produção
de sabão caseiro em barras e sabão líquido, além de propor uma mudança de postura da
população ao descarte do óleo de cozinha e também para outras atitudes de preservação do
meio ambiente que passa por um processo de sensibilização e conscientização.
Não jogar óleo em fontes de água, na rede de esgoto ou no solo é uma questão de cidadania
e, portanto deve ser uma obrigação de todos.

17. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:


-Orientar os alunos e a comunidade para a prática ecológica da reciclagem do óleo comestível
usado;
- diminuir a ação altamente poluidora de descartar o óleo de fritura ou óleo sujo no ralo da
pia, ou no lixo comum.
-Promover a produção de sabão líquido e em barras para uso da unidade escolar.
-Arrecadar recursos para manutenção do laboratório de ciências
18. METODOLOGIA: Desenvolver uma pesquisa sobre o impacto ambiental causado pelo
destino inadequado do óleo usado envolvendo a disciplina de biologia e ciências.
-promover a coleta do óleo comestível usado nas residências dos alunos, para a fabricação de
sabão em barras e líquido envolvendo a disciplina de Química.
-Montar um mural com os dados apresentados pelos alunos no pátio da escola encerrando a
primeira etapa do projeto.
-Envolver os alunos na fabricação do sabão nas aulas práticas no laboratório de ciências, para
entenderem como ocorre o processo de saponificação.(nessa etapa será desenvolvida com os
professores de química).

19. AVALIAÇÃO: A avaliação será realizada constantemente, desde o início da pesquisa, a


organização e apresentação dos dados para o mural, até a fabricação do sabão.

20. CONCLUSÃO: Espera-se conscientizar alunos e comunidade a evitar o descarte do óleo


no lixo comum, e a possibilidade mais concreta para evitar seu desejo na natureza e
reaproveitá-lo fazendo sabão.
Esperarmos que esse projeto faça com que as pessoas sejam sensibilizadas em rede sobre os
impactos do seu consumo.