Você está na página 1de 2

O Modelo de Auto-Avaliação da BE

Metodologias de operacionalização
(conclusão)

Comentário crítico à presença das BE em relatórios de avaliação


externa da IGE

A. Para realização da tarefa pedida seleccionei dois relatórios,


respeitantes a zonas diferentes do país, ambos realizados este
ano:

- Agrupamento de Escolas de Vila Flor, realizado em Março de


2009

- Agrupamento de Escolas de Mafra, realizado em Março de 2009

B. Da leitura desses relatórios anotei as seguintes referências à BE:


no 1º relatório:
- como oferta educativa e diversificada são referidos os projectos
do PNL e BE, promovendo e estimulando as competências
socioculturais dos alunos, articulando os saberes da sala de de
aula com a realidade envolvente;
- como promotora do desenvolvimento cívico, estimulando a
participação e a responsabilização;
- abrangência do currículo e valorização dos saberes e da
aprendizagem através da dinâmica da BE;
- na gestão dos recursos humanos/ distribuição do serviço
docente ressalva para a organização e animação da BE.

No 2º relatório as referências são menores e distribuem-se


sobretudo pelos referências à organização dos recursos, espaços
e equipamentos e aos projectos de âmbito nacional como PNL e
RBE e à sua contribuição para o aumento do sucesso escolar dos
alunos.

C. Após a leitura e análise de alguns relatórios e destes em particular,


e com base nos elementos anteriormente apontados, constatei
que são poucas as referências às BEs, remetendo-se estas
sobretudo ao papel mais estruturante e funcional das mesmas.
Só pontualmente se faz alusão ao seu papel e importância na
articulação curricular.
Não há referências à articulação pedagógica com os outros
elementos e órgãos da escola, à envolvência com a comunidade
escolar e ao meio envolvente.
É pois evidente que o modelo de avaliação externa da IGE
aplicado nestes relatórios não está em consonância com a
realidade da BE, o seu novo papel e missão.
Teremos assim que procurar através da nossa acção, que agora
se pretende mais empreendedora e articuladora marcar o valor e
presença da BE nas escolas de forma a que venha no futuro a ser
alvo de uma maior atenção por parte de todosos envolvidos no
processo educativo.

Carla Brito, Dezembro 2009