Você está na página 1de 47

ÓXIDO-REDUÇÃO

REAÇÕES REDOX : CONCEITO E


IMPORTÂNCIA
PILHAS E BATERIAS
POTENCIAL DE ELETRODO
CORROSÃO E PROTEÇÃO
ELETRÓLISE

1
POR QUE ESTUDAR AS
REAÇÕES DE OXI-REDUÇÃO ?

• - DESENVOLVIMENTO DE NOVAS BATERIAS

• -PREVENÇÃO À CORROSÃO

• -PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE
• (Cl2, F2, Al, Cu, NaOH, etc.)

• -REAÇÕES REDOX DE INTERESSE BIOLÓGICO

2
IMPORTÂNCIA
• ECONÔMICA

• AMBIENTAL

• SEGURANÇA

3
DESCARTE DE BATERIAS !

4
CORROSÃO DO CONCRETO

5
TERMINOLOGIA UTILIZADA NO
ESTUDO DAS REAÇÕES REDOX
• OXIDAÇÃO - perda de e- por uma espécie;
aumento do Nox
Fe Fe2+ + 2e
• REDUÇÃO - ganho de e- ; diminuição do Nox
Fe3+ + e Fe2+

AG.OXIDANTE – aceptor de e- ; quem sofre redução


AG.REDUTOR – doador de e- ; quem sofre oxidação
6
CÉLULAS GALVÂNICAS –
PRODUÇÃO DE ENERGIA!

K+ Cl-

ANODO /
CÁTODO/
OXIDAÇÃO
REDUÇÃO

7
Alta energia potencial
ANODO

Fluxo de elétrons
Baixa energia potencial
CATODO

8
9
10
OXIDAÇÃO–REDUÇÃO:
processos simultâneos

11
BATERIA DE BACTÉRIAS !

Membrana de
troca iônica
ânodo cátodo 12
Rhodoferax ferrireducens
aderido ao eletrodo de grafita

Fritz Scholz and Uwe Schröder


Nature Biotechnology, 21, 1151-1152 (2003) 13
PREPARANDO UMA PILHA EM CASA

14
PREPARANDO UMA BATERIA

15
POR QUE 1,10 Volts ?

• Cu2+(aq) + 2e Cu(s) (redução)


• Zn(s) Zn2+(aq) + 2e (oxidação)

• Zn(s) + Cu2(aq) Zn2+(aq) + Cu(s) Eº = 1,10V

Zn / Zn+2 // Cu+2 / Cu

16
POTENCIAL DE ELETRODO – Uma medida relativa e
arbitrária

Cu++(aq) + 2e Cu(s)
17
DETERMINANDO O POTENCIAL DE
ELETRODO DO ZINCO
ELETRODO
DE
REFERÊNCIA

18
POTENCIAIS PADRÕES A 25 ºC

FORÇA OXIDANTE
• F2(g) + 2e 2F-(aq) E = +2,87 V
• Au+(aq) + e Au(s) E = +1,69 V
• Cu++(aq) + 2e Cu(s) E = +0,34 V

• 2H+(aq) + 2e H2(g) E = 0,00 V

• Zn2+(aq) + 2e Zn(s) E = -0,76 V


• Al3+(aq) + 3e Al(s) E = -1,66 V
• Li+(aq) + e Li(aq) E = -3.05 V

FORÇA REDUTORA 19
20
VARIAÇÃO DA
VARIAÇÃO DA ENERGIA
ENERGIA LIVRELIVRE DE
DE
GIBBS (T,
GIBBS (T, P
P ctes)
ctes)

• ∆G = - n F E

• n = elétrons transf.na reação


• F = 96.500 C/mol
E = potencial

21
CRITÉRIO DE EQUILÍBRIO E
ESPONTANEIDADE

• ∆G > 0 transf. não espontânea

• ∆G = 0 equilíbrio

• ∆G < 0 transf. espontânea

22
EFEITO DA CONCENTRAÇÃO na fem da
PILHA – Equação de Nernst

• ∆G = ∆Gº + RT ln Q

• Sabendo-se que ∆G = - n F E
• e ∆Gº = - n F Eº

• E = Eº - 0,059/n log Q

23
CALCULANDO a Keq a partir de medidas
da fem

• NO EQUILÍBRIO, E = 0 e Q = Keq

• ln Keq = n F Eº / RT

24
Zn(s) + Cu2+ Zn2+ + Cu(s) Eº = 1,10 V

• E = 1,10 – 0,059/2 log [Zn2+] / [Cu2+]

• Qdo, [Zn2+] = 0,01M e [Cu2+] = 0,5M

• E = 1,05 V

25
PILHA DE CONCENTRAÇÃO

26
CORROSÃO DO FERRO

1 2
1- MEIO sem O2
2- MEIO com O2

27
CORROSÃO DO FERRO

28
PREVENINDO A CORROSÃO DO
FERRO

29
PROTEÇÃO CATÓDICA POR ANODO DE
SACRIFÍCIO

Zn Zn2+ + 2e

H2O +1/2 O2+ 2e


2OH-
H2O + NaCl +
Fenolftaleína
30
PILHA SECA

31
BATERIA ALCALINA

Cátodo: 2MnO2(s) + 2H2O(l) + 2e-


→ 2MnO(OH)(s) + 2OH-(aq)

Ânodo: Zn(s) + 2OH-(aq) →


Zn(OH)2(s) + 2e-

32
PILHAS RECARREGÁVEIS
Baterias de níquel-cádmio, níquel-hidreto metálico e íon lítio

Cátodo: 2NiO(OH)2(s) + 2H2O(l) + 2e- →


2Ni(OH)2(s) + 2OH-(aq)

Ânodo: Cd(s) + 2OH-(aq) → Cd(OH)2(s) + 2e-

APLICAÇÃO: telefones celulares,


computadores “notebooks” e gravadores
de vídeos
33
CÉLULAS DE
COMBUSTÍVEL
1,23 V

Exaustão Exaustão de
de H2 O2 e H2O

Entrada
Entrada
de H2 de O2
Cátodo
Ânodo Membrana
porosa

Cátodo: 4e- + O2(g) + 2H2O(l) → 4OH- (aq)

Ânodo: 2H2(g) + 4OH-(aq) → 4H2O(l) +4e-


34
2H2(g) + O2(g) → 2H2O
pilha
Pb + PbO2 + H2SO4 PbSO4 + H2O
eletrólise

35
Cátodo: PbO2(s) + HSO4-(aq) + 3H+(aq) + 2e- →
PbSO4(s) + 2H2O(l)

Ânodo: Pb(s) + HSO4-(aq) → PbSO4(s) + H+(aq) + 2e-

PbO2(s) + Pb(s) + 2HSO4-(aq) + 2H+(aq) →


PbSO4(s) + 2H2O(l)

E°cel = E°red (cátodo) – E°red (ânodo) =


(+1,685V) – (-0,356V) = +2,041V

36
ELETRÓLISE – UM PROCESSO NÃO
ESPONTÂNEO!

37
Obtenção de sódio metálico e gás cloro

38
ELETRÓLISE DA ÁGUA EM MEIO
DE Na2SO4

cátodo ânodo

Solução de Na2SO4 +
extrato repolho roxo

2H2O + 2e- 2OH- + 1 H2 H2O 2H+ + ½ O2 + 2e-


39
ORDEM DE PRIORIDADE DOS ÂNIONS NA DESCARGA NO
ÂNODO (+)

S2-, , I- , Br- , Cl- > F- , SO42-, NO3-

F- bastante eletronegativo, sustenta bem a carga


Os ânions oxigenados estabilizam bem a carga

Os cátions que têm baixo potencial de ionização,


perdem elétrons com facilidade (famílias IA e IIA),
numa eletrólise em solução aquosa perdem para o H+,
que descarrega preferencialmente.
Cu++, Ag+, descarregam preferencialmente ao H+. 40
ELETRÓLISES EM SOLUÇÃO AQUOSA

NaCl(aq)

NaCl → Na+ + Cl-


H2O ↔ H+ + OH-

ORDEM DE PRIORIDADE DE DESCARGA DOS ÂNIONS:


S-2, I-, Br-, Cl- > OH- > F-, SO4 -2, NO3-

No pólo – (cátodo) 2H+ + 2e- → H2↑


No pólo + (ânodo) 2Cl- → Cl2↑ + 2e- .

2NaCl + H2O → 2Na+ + 2OH- + H2↑ + Cl2↑

41
HCl aq

HCl → H+ + Cl-
H2O → H+ + OH-

No pólo – (cátodo) 2H+ + 2e- → H2↑


No pólo + (ânodo) 2Cl- → Cl2↑ + 2e- .
2HCl + H2O → H2↑ + Cl2↑

42
H2SO4 aq

H2SO4 → 2H+ + SO4-


H2O → H+ + OH-

No pólo – (cátodo) 2H+ + 2e- → H2↑


No pólo + (ânodo) 2OH- → 1/2O2↑ + H2O
H2O → H2↑ +
1/2O2↑

NaOH aq

NaOH → Na+ + OH-


HOH → H+ + OH-

No pólo – (cátodo) 2H+ + 2e- → H2↑


No pólo + (ânodo) 2OH- → 1/2O2 + H2O + 2 e-
H2O → H2↑ + 1/2O2↑
43
CuCl2 aq

CuCl2 → Cu++ + Cl-


H2O → H+ + OH-

No pólo – (cátodo) Cu+2 + 2e- → Cu


No pólo + (ânodo) 2Cl- → Cl2↑ + 2e- .
CuCl2 + H2O → Cu + Cl2↑

44
ELETRÓLISE – PRODUÇÃO DE
COBRE ELETROLÍTICO

45
Quando o ânodo é constituido pelo metal que se quer revestir a
peça, o processo eletrolítico ocorre com uma transferência do metal
deste eletrodo para a peça, através da solução eletrolítica.

Revestimento de uma peça com prata, utilizando ânodo de prata


(prateação ):

Ânodo: Ag ---> Ag + + e -
Cátodo: Ag + + e - ---> Ag

O metal do ânodo se oxida. O cátion formado vai para a solução, e o cátion


da solução se reduz no cátodo ficando aderido na forma metálica.

46
Quando o ânodo é um material inerte ocorre nele a
descarga da água da solução. O cátion da solução se
reduz no cátodo, ficando aderido a peça.

Revestimento de uma peça com cromo, utilizando ânodo inerte


( cromação ):

Ânodo: H2O ---> 2 H + + 1/2 O2 + 3 e -


Cátodo: Cr 3+ + 3 e - ---> Cr

Dependendo do metal que é revestido a peça ou objeto a galvanização


recebe nomes especiais: douração ( ouro ), cromação ( cromo ),
prateação ( prata ), niquelação ( níquel ) e outros.

OBS: eletrodo inerte: platina ou grafite

Retirado de "http://pt.wikipedia.org/wiki/Galvanoplastia

47