P. 1
Manual Do Mdf

Manual Do Mdf

5.0

|Views: 2.472|Likes:
Publicado porBruno Vilas Boas
Manual sobre as propriedades do MDF.
Manual sobre as propriedades do MDF.

More info:

Published by: Bruno Vilas Boas on Dec 02, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/20/2013

pdf

text

original

MANUAL

M D F

DO

USUÁRIO

A

gora você vai conhecer MaDeFibra, a chapa de fibra de

média densidade da Duratex. Ela foi desenvolvida com a mais moderna tecnologia, segundo rigorosos padrões de qualidade. Resistente e prático, o MaDeFibra é amplamente utilizado pelo mercado, principalmente pela indústria moveleira. A seguir, você vai conhecer melhor as características do produto e como utilizá-lo para aproveitar todas as vantagens que ele oferece. A Duratex foi a primeira empresa da América Latina a conquistar o Green Label (selo verde), depois de uma complexa avaliação realizada pela empresa americana Scientific Certification Systems (SCS). O Green Label é uma certificação de produtos florestais concedida a empresas cujas florestas são adequadamente manejadas. As madeiras utilizadas como matéria-prima para o MaDeFibra são oriundas de reflorestamentos cujo manejo possibilita a manutenção do ecossistema, além da sustentabilidade dos recursos florestais e benefícios socioeconômicos.

DURATEX

1. DEFINIÇÃO DOS PRODUTOS

É a chapa de fibra de média densidade da Duratex, produzida com fibras de madeiras selecionadas de pinus. Essas fibras, aglutinadas com resina sintética termofixa, se consolidam sob ação conjunta de calor e pressão resultando numa chapa maciça, com superfícies lisas, próprias para a indústria de transformação.

MADEFIBRA
2. PROCESSO DE FABRICAÇÃO

Toras de pinus selecionadas

Descascador

Cavacos

Classificação e lavagem

Desfibrador

Formação

Préprensa

Prensa contínua

Corte da chapa master

Resfriamento

Climatização

Lixamento

Corte - medida padronizada

Embalagem

3. OFERTA
O MaDeFibra é oferecido com as faces sem revestimento (in natura); com uma ou duas faces com revestimento melamínico (BP) ou finish foil (FF). Em qualquer caso, a face ou as faces não revestidas deverão ser protegidas com pintura, revestimento com PVC, lâmina de madeira, etc., conforme mencionado neste manual. Essas opções no MaDeFibra (face sem revestimento) estão relacionadas à extraordinária capacidade do produto em ser usinado, rebaixado, trabalhado, possibilitando acabamentos diferentes em frontais de móveis e outros produtos mais elaborados.

4. INFORMAÇÕES GERAIS
O MaDeFibra é um produto desenvolvido especialmente para uso interior. O produto não deve ser exposto à ação da água nem em ambientes com umidade excessiva. Esse cuidado evitará alterações nas características dimensionais e físicas da chapa, ou mesmo algum processo de degradação.

O MaDeFibra sai da fábrica isento da presença de insetos, pois sua constituição forma uma barreira efetiva ao ataque da maioria de insetos furadores. Porém, sendo produto derivado da madeira, poderá ser atacado por eles, quando aplicado ou estocado com outros materiais já contaminados. Nesses casos, é conveniente o tratamento preventivo do local e dos outros materiais.

Três condições simultâneas favorecem o desenvolvimento de fungos na maioria dos materiais:

a) Presença de água de escorrimento, de condensação ou de solo. b) Presença de oxigênio. c) Temperatura favorável. Portanto, não os exponha a essas condições, que levarão ao aparecimento de fungos e posterior degradação do produto.

Evite colocar o MaDeFibra em contato com fontes geradoras de calor, como fogões, fornos, aquecedores ou outros lugares onde a temperatura exceda 50ºººªC, por tempo prolongado.

Evite a incidência direta e prolongada da luz do sol, para que a tonalidade do revestimento não se modifique, tornando-se amarelada. Além disso as chapas podem sofrer deformação por efeito da “perda de umidade”.

5. TRANSPORTE

Evite colocar objetos duros (metal, concreto, madeira) sobre as chapas ou deixá-las em contato com produtos que possam alterar suas características naturais (cimento, óleo, graxa, etc.).

O assoalho da carroceria do caminhão transportador deve estar limpo, seco, sem falhas (principalmente sobre os rodeiros) e isento de pregos e parafusos salientes ou tábuas sobrepostas. Os eventuais espaços livres devem ser vedados. Caminhões graneleiros devem ter a saída de grãos fechada para evitar a entrada de água de chuva durante o trajeto.

Durante o percurso em caminhão transportador com carroceria descoberta, proteja o produto contra chuva com uma lona impermeável. Para maior segurança, as pilhas devem ser travadas e suportadas por cabos de amarração. Os pontos em que as chapas sofrem a ação desses cabos devem ser protegidos por cantoneiras.

Evite transbordo das chapas, principalmente quando não houver condições de descarga mecanizadas (empilhadeiras). Ao descarregar ou movimentar as chapas, evite arrasto, atrito ou batidas, principalmente quando se tratar de produtos revestidos (FF ou BP).

I M P O R T A N T E A reposição ou substituição de mercadoria danificada por ocasião da
entrega (quando esta for de responsabilidade da Duratex) somente será efetuada se houver observação correspondente, com carimbo e assinatura, no CONHECIMENTO DE TRANSPORTE.

6. ARMAZENAGEM
Armazene o MaDeFibra sem revestimento, MaDeFibra BP ou MaDeFibra FF em local coberto, protegidos das intempéries e longe de fontes de umidade ou de calor intenso.

As chapas devem ser empilhadas horizontalmente, sobre base firme, nivelada e elevada do chão por meio de calços adequados. É recomendável que a distância máxima entre os calços seja de 50 cm.

Coloque um número adequado de calços, que deve ser aumentado para chapas de menor espessura. Cuidado: os calços devem ter sempre a mesma altura, com comprimento igual à largura das chapas.

Evite o empilhamento alternado de chapas com diferenças significativas de dimensões.

Lembre-se que a utilização de calços entre chapas, a cada metro de altura no máximo, permitirá a ventilação do material e conseqüente equilíbrio com o ambiente onde será utilizado.

Em locais muito quentes é aconselhável a colocação de uma chapa de descarte sobre a pilha, tanto no armazenamento quanto no deslocamento durante o processamento, para reduzir o efeito do calor que incide na face do material. Esse efeito provoca perdas de umidade maior na face exposta, com conseqüente desequilíbrio do painel, podendo gerar deformações na chapa. Evite os efeitos do tempo excessivo de estocagem (deformação, aumento/redução por ganho/perda de umidade), fazendo a rotatividade do estoque.

7. TRABALHABILIDADE
7.1 - CORTE
O MaDeFibra sem revestimento, MaDeFibra BP ou MaDeFibra FF podem ser cortados em serras esquadrejadeiras manuais, seccionadoras, perfiladeiras duplas, automáticas, etc. Em qualquer equipamento, utilize discos de serra calçados com metal duro (widea). Lembre-se que, para um corte de boa qualidade, alta produtividade e baixo custo, é necessária a combinação de três fatores: tipo de serra, velocidade de corte ou periférica e de avanço. Você pode utilizar serra de fita para obter peças circulares ou curvas.

Seccionadora

Serra esquadrejadeira manual

Serra de fita

7.1.1 - DISCO DE SERRA
~

= ângulo de ataque α= ângulo de saída β = ângulo de cunha ε= ângulo de inclinação tangencial

100 a 150º 100 a 150º 550º a 750º 100 a 150º

O número de dentes, o diâmetro do disco e o tipo de dente estão associados à qualidade de corte desejada e ao tipo de equipamento a ser utilizado. Cuidado nas reafiações para que não sejam alterados os ângulos característicos dos dentes do disco de serra, o que poderá comprometer a qualidade do corte.

7.1.2 - SERRA MANUAL
A esquadrejadeira manual, sem riscador, é recomendada para o MaDeFibra. Para o MaDeFibra BP e MaDeFibra FF, o uso de discos de serra com dentes do tipo reto-trapezoidal, diâmetro 250 mm e 72 dentes, ou diâmetro 300 mm e 96 dentes, produz corte de excelente qualidade. a) Posição da serra: Recomenda-se trabalhar com a serra numa altura (h) de 10 a 15 mm acima da chapa. Altura maior ou menor altera o ângulo de saída do dente da serra, com perda da qualidade de corte.
Dentes trapezoidal e reto

0,4 mm

b) Posicionamento do eixo da serra: O eixo da serra deve estar em perfeita perpendicularidade com o plano de corte, para evitar lascamentos e desvios na linha de corte.

7.1.3 - EQUIPAMENTOS DOTADOS DE RISCADOR
O MaDeFibra, sem qualquer revestimento, em geral é apenas pré-cortado no início do processo, não sendo então necessária uma qualidade de corte muito boa. Entretanto, após seu revestimento com lâminas de madeira, acabamento por pintura, etc., onde as duas faces estão acabadas, a qualidade de corte passa a ser fundamental. Para isso, o uso dos equipamentos dotados de riscador é muito importante. A qualidade de corte dos produtos MaDeFibra FF e MaDeFibra BP está, também, diretamente relacionada à utilização do riscador. Ele evita o Iascamento provocado na saída da serra principal.

Alguns cuidados devem ser observados em relação ao riscador: a) O eixo de corte do riscador deve ser ajustado em perfeito alinhamento com o eixo da serra principal, como mostrado a seguir.

b) A profundidade de corte do riscador deve ser a mínima possível, mas o suficiente para facilitar o corte principal, dando o acabamento na face inferior do material.

7.1.4- VELOCIDADE DE CORTE
A velocidade de corte, ou velocidade periférica, é a velocidade em m/s com que os dentes da serra percorrem o círculo e permitem o arrancamento dos cavacos. Ela é a função da rotação do eixo e do diâmetro da serra. Vp = 3,14 x D x M 60 onde Vp = Velocidade periférica (m/s) D = Diâmetro da serra (m) M = Rotação do eixo (rpm) Recomenda-se para o MaDeFibra, MaDeFibra FF e MaDeFibra BP faixa de velocidade de 30 a 35 m/s ou acima de 55 m/s. A tabela abaixo apresenta a relação entre o diâmetro da serra, a velocidade periférica e as rotações por minuto do eixo da máquina. m /s DIÂMETRO 250 300 350 400 2.290 2.680 1.910 1.630 1.430 2.230 1.910 1.670 30 35 40 45 50 55 60 70 80 90

ROTAÇÃO POR MINUTO 3.060 3.430 3.820 4.200 4.590 5.350 6.110 6.880 2.550 2.850 3.180 3.500 3.820 4.460 5.100 5.730 2.180 2.450 2.730 3.000 3.280 3.820 4.370 4.910 1.910 2.140 2.390 2.630 2.870 3.340 3.820 4.300
Faixa em que não se deve trabalhar Faixa recomendada para o MaDeFibra FF e MaDeFibra BP

Faixa recomendada para o MaDeFibra FF e MaDeFibra BP

7.1.5 - VELOCIDADE DE AVANÇO
Também chamada de rendimento de corte é a velocidade com que o material avança em direção à serra durante o corte. A regulagem dessa velocidade determina a qualidade de acabamento do corte da chapa. Cada dente deve fazer o seu próprio corte por inteiro. O avanço lento demais faz com que o dente, ao invés de cortar, deslize sobre a chapa, provocando rapidamente a perda do fio e a queima do material. O avanço rápido demais ocasionará o esforço excessivo do motor e cortes imperfeitos com lascamentos na saída da serra. Essa é uma das variáveis que influem significativamente na qualidade de corte desejada e na durabilidade dos discos de serra. Pela fórmula a seguir poderá ser calculada essa velocidade e demais variáveis que se correlacionam com a mesma. A= e x rpm x Z onde A = avanço em m/min 1.000 rpm = rotação da máquina Z = n0~ de dentes da serra e = espessura do cavaco - mm OBS.: recomenda-se para “e” valores situados entre 0,06 e 0,3 mm, dependendo da qualidade de corte desejada. e

7.2 - DOBRAGEM (FoIding)

Processo bastante utilizado na indústria eletroeletrônica, especialmente na confecção de gabinete de TV e caixas de som. Consiste em executar um canal em forma de V em peças produzidas com MaDeFibra previamente cortadas e, de preferência, revestidas numa das faces com filme vinílico ou outro material flexível. O canal é executado na face sem revestimento, mediante uso de fresas com dentes de 900ªº ou, então, de duas serras dispostas contrariamente, a 450 (encontram-se no mercado equipamentos adequados a esse tipo de operação). Em seguida, aplica-se adesivo nos vincos e dobra-se a peça.

7.3 - USINAGEM
MaDeFibra apresenta excelente performance quando submetido a usinagens para obtenção de perfis emoldurados e trabalhos diretamente sobre a sua superfície. Assim pode-se obter peças fabricadas com uma única placa, sem emendas, encabeçamentos ou encaixes, tais como portas, frentes de gavetas, tampos, etc.

7.4 - FURAÇÃO
Não existe qualquer restrição ao tipo de equipamento ou broca a ser usado na furação do MaDeFibra, MaDeFibra FF e MaDeFibra BP. Assim, desde uma furadeira elétrica manual até uma automática, brocas comuns de aço rápido ou metal duro poderão ser utilizadas. Para as chapas revestidas, por se tratarem de produtos acabados, é recomendável em certos equipamentos o uso de calços e sapatas de pressão na saída da broca, para evitar lascamentos nas bordas dos furos.

7.5 - COLAGEM
Por ser um produto derivado da madeira, podemos utilizar os adesivos normalmente empregados para madeira natural: PVA (cola branca), contato (tipo Cascola*), ureiaformaldeído (tipo Cascamite*) e outros. Lembramos que esses adesivos são empregados para colagens no MaDeFibra natural (cru), como revestimentos, colagem de peças entre si e outras. Para revestimento do MaDeFibra com lâmina de madeira, Iaminado plástico ou outro revestimento, proceda a um lixamento grosseiro na superfície para provocar ranhuras e aumentar a capacidade de aderência. No caso do MaDeFibra FF e MaDeFibra BP que apresentem suas superfícies revestidas, sendo necessário fazer a colagem de algum detalhe, proceda da seguinte forma: - desgaste o revestimento da chapa para que o adesivo possa atingir o substrato; - lembre-se que pingos ou escorrimentos de cola na superfície acabada devem ser removidos imediatamente com um pano limpo; - no caso de PVA e ureiaformaldeído, use um pano umedecido com água; - no caso de cola de contato, use um pano umedecido com gasolina, aguarrás ou outro removedor de cola. Assim evitam-se manchas e adesões indesejadas entre as peças. Não utilize de maneira nenhuma produtos abrasivos, tais como saponáceos, esponja de aço, Scotch Brite* e outros.
*Marca do fabricante.

7.6 - TORNEAR
O MaDeFibra pode sofrer torneamento. Para essa operação devemos observar o diâmetro das peças a serem obtidas: • MENOR que as “espessuras” padrões das chapas - poderemos obter diretamente, torneando o material • MAIOR que as “espessuras” padrões das chapas - deveremos fazer blocos mediante colagem (cola de madeira à base de PVA ou U.F.),cuja quantidade de chapas estará ligada ao diâmetro da peça a ser obtida. A qualidade do torneamento será dada em função da ferramenta de desbaste, rotação do torno e lixamento.

7.7 - FIXAÇÃO COM PARAFUSOS
Para fixação de painéis em MaDeFibra, MaDeFibra FF e MaDeFibra BP utilizam-se parafusos especiais, tais quais para madeira aglomerada (tipo MITTOFIX). São parafusos de haste reta, rosca soberba e com maior espaçamento entre filetes, que asseguram a fixação adequada ao produto. Antes de colocar o parafuso, fazer pré-furação com diâmetro igual ao do corpo do parafuso. Preferencialmente fazer fixação nas faces. Quando feita nos topos, guardar uma distância mínima de 50 mm do canto.

CUIDADO. Não utilize parafuso cônico, que é próprio para madeira natural e que provocará rachadura no MaDeFibra.

7.8 - FIXAÇÃO COM CAVILHAS
A cavilha pode ser aplicada isoladamente ou em caso de necessidade de reforço na estrutura. Convém utilizá-la em conjunto com outros dispositivos de fixação. A cola aplicada à cavilha também funciona como reforço. Portanto as cavilhas inseridas nos topos das peças devem sempre receber cola. LEMBRE-SE que os furos devem estar limpos para receber as cavilhas, que, recomenda-se, sejam
Colar sempre no topo

estriadas. O diâmetro do furo para alojamento deve ser ligeiramente maior, permitindo a colocação manual. A profundidade da perfuração deve ser de 1 a 2 mm maior que o comprimento da cavilha. CUIDADO. Cavilhas colocadas com pressão podem causar danos no material (trincas), principalmente nos topos.

7.9 - JUNÇÕES
MaDeFibra, pelas suas características, permite qualquer tipo de junção, malhete, espiga, macho e fêmea, etc. Faça no entanto uma análise sobre os esforços que as peças sofrerão para determinar o tipo de junção; espessura da chapa a ser utilizada, etc.
Macho e fêmea Junta rebaixada Espiga

ATENÇÃO. No caso de espigas é aconselhável que sejam projetadas de maneira a remover a menor quantidade de material possível. Agindo assim o “talão” da espiga ficará com mais massa, proporcionando maior resistência à junção.

7.10 - OUTROS DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO
Já amplamente difundidos no mercado para uso na madeira aglomerada, estes dispositivos são recomendados também para uso no MaDeFibra.

Dispositivos cilíndricos

Dispositivos trapézios

Parafuso com porcas cilíndricas

7.11 - FIXAÇÃO COM PREGOS
Utilize pregos no MaDeFibra somente quando não houver outra alternativa de fixação. Observe a distância mínima de 25 mm do canto e pregue em forma de cunha, quando a operação for realizada no topo. O diâmetro do prego não deve ser superior a 2,2 mm. É recomendável o uso de pregos estriados, para aumentar a aderência à chapa. Não utilize pregos em chapa de espessura menor que 15 mm. Espace os pregos para evitar o efeito cunha e a delaminação.

7.12 - FIXAÇÃO COM GRAMPOS
Da mesma forma que os pregos, a utilização com grampos só deve ser feita quando não houver outra forma de fixação. É importante colocar o grampo de forma angular em relação à borda. Regule o ar do grampeador de tal forma que a penetração não seja excessiva, danificando a superfície e reduzindo a resistência da chapa.

Grampos com pontas divergentes fixam melhor no material.

7.13 - REVESTIMENTOS
Com suas superfícies lisas, MaDeFibra ou MaDeFibra BP 1 Face tornam-se excelentes substratos para qualquer tipo de revestimento: lâmina de madeira, laminado plástico de alta pressão, PVC, hot-stamping, etc. Recomenda-se para qualquer tipo de revestimento que a aplicação seja feita em ambas as faces, para obtenção de um painel balanceado, evitando empenamentos. No caso do revestimento com lâminas de madeira é desejável que o MaDeFibra seja calibrado antes da aplicação, evitando assim “comida de lixa” no processo de lixamento do painel, antes do envernizamento. RECOMENDÁVEL PARA LÂMINA DE MADEIRA EM PRENSA QUENTE Pressão: 3-6 kgf/m2 Tempo: 2-4 minutos Temperatura: 70 a 900C

7.14 - PINTURA
MaDeFibra pode ser facilmente acabado através de processo de pintura. Sem dúvida alguma, a facilidade que esse material oferece para essa operação o distingue dos demais painéis derivados de madeira, como o compensado ou o aglomerado.

7.14.1 - SUPERFíCIES
MaDeFibra não apresenta nenhuma dificuldade para ser acabado. As suas faces têm o mesmo, ou até melhor, comportamento que a madeira maciça e não necessitam de preparação prévia.

7.14.2 - BORDAS E ÁREAS USINADAS
As áreas usinadas, bordas, rebaixos e relevos devem receber atenção especial, pois as fibras ficam arrepiadas. Portanto, proceda da seguinte forma:

lixe previamente as regiões usinadas com lixa grana 220/280 aplique uma demão de fundo, deixe secar e lixe com lixa grana 320/360 proceda à limpeza do pó antes de iniciar a pintura

7.14.3 - ACABAMENTO
Inicie sempre pelos topos e partes usinadas, que deverão receber sempre uma demão a mais no fundo do que nas faces. Esse cuidado se faz necessário para que essas regiões tenham acabamento uniforme, como nas faces. Em geral as tintas e vernizes encontrados no mercado podem ser empregados no acabamento do MaDeFibra: • base d’água • catalisador ácido (SH) • poliéster • dois componentes (poliuretano) • lacas nitrocelulose CUIDADO. Determinados solventes utilizados em tintas são capazes de reagir com os componentes químicos que fazem parte da constituição do MaDeFibra, como a resina ureiaformaldeído e a parafina. Antes de proceder ao acabamento, faça um teste numa pequena peça de MaDeFibra. Caso necessário, utilize isolante para evitar reação com a tinta a ser usada. ATENÇÃO. 0 isolante não é um fundo, ele impermeabiliza as fibras.

7.14.4 - EQUIPAMENTOS
Em função do acabamento desejado e da tinta utilizada não existem restrições quanto aos equipamentos empregados para aplicações. • Pistola • Cortina • Rolo mecânico • Rolo manual • Pincel

7.14.5 - ACABAMENTOS ESPECIAIS

O MaDeFibra é perfeitamente indicado para acabamentos especiais, como o patinado, marmorizado e outros. Para isso basta ter conhecimento das técnicas específicas para sua obtenção. MADEFIBRA FF ENVERNIZÁVEL

O MaDeFibra FF usual não é um produto indicado para receber acabamentos posteriores. Sua superfície possui desmoldantes que não recebem bem envernizamentos. O produto envernizável foi desenvolvido especialmente para receber vernizes e/ou corantes em sua superfície, que modificarão brilho e/ou cor, personalizando o móvel. Para isso algumas orientações básicas se fazem necessárias: a) Escove as peças até o fosqueamento de sua superfície. Essa operação removerá a gordura das mãos deixada durante o manuseio, pó, partículas de poeira, etc. b) Vernizes com base poliuretânica ou poliéster apresentam melhores resultados. c) Para o uso desse produto, consulte o seu fornecedor de tintas ou a Assistência Técnica da Duratex.

7.15 - ACABAMENTO DE TOPOS
Utilize fitas de borda, como as de papel resinado e as melamínicas, pintura, envernizamento, lâminas de madeira, filme de PVC ou tiras de laminado plástico, disponíveis no mercado. Ou, ainda, encabeçamento de madeira, perfis metálicos e outros tipos compatíveis com o acabamento da peça. Seja qual for o revestimento ou acabamento das superfícies de MaDeFibra, é indispensável proteger os topos contra a ação da água e da umidade, inclusive as partes não visíveis.

7.16 - TINGIMENTO
O MaDeFibra pode ser tingido, sendo recomendado utilizar sistemas que permitam aplicações conjuntas com produtos tapa-poros (seladores). Essa operação é necessária pois, por se tratar de fibras de madeira, pode ocorrer absorção diferenciada, o que ocasionará o aparecimento de manchas. Adequações finais de tonalidades são conseguidas empregando-se vernizes tingidos no acabamento final. Não são recomendados tingidores à base de água, pois poderão causar manchas, principalmente se aplicados diretamente sobre o painel. O uso de pistola de pintura proporciona melhores resultados. IMPORTANTE. Em qualquer caso, é sempre aconselhável seguir as recomendações dos fabricantes de tintas.

7.17 - DOBRADIÇAS

Devem ser utilizadas somente dobradiças que permitam fixação na superfície, como as de copo (ou caneca). CUIDADO. Não é recomendável o uso de dobradiças cuja fixação se dê no topo da chapa, como as de piano, comum, de chapa, etc.

8 - C Á L C U L O D A F L E C H A E M P R AT E L E I R A S
Os gráficos a seguir poderão ser úteis para dar indicação da flecha em prateleiras, quando submetidas a uma carga uniformemente distribuída. Por exemplo: prateleiras de estantes.

Para prateleiras de 300 mm de largura (b) e 600 mm entre apoios (L).

Para prateleiras de 300 mm de largura (b) e 1.000 mm entre apoios (L).

MaDeFibra - Módulo de Elasticidade (E) 12 mm = 25.500 kgf/cm2 15 mm = 22.500 kgf/cm2 18 mm = 22.500 kgf/cm2 25 mm = 21.500 kgf/cm2 35 mm = 19.500 kgf/cm2
Obs.: Dividir por 9,81 para transformar em N/mm2

Base para Cálculo 5.p. L3 x 9,81 f= 32. E. b. s3 f = flecha (mm) p = carga distribuída (kg) L = distância entre apoios (mm) s = espessura da chapa (mm) E = módulo de elasticidade (N /mm2) b = largura da prateleira (mm)

9 - LIMPEZA
Para limpar a superfície do MaDeFibra FF e MaDeFibra BP use uma flanela limpa e seca ou um pano umedecido com água ou detergente neutro, se necessário. Na remoção de manchas, utilize um pano umedecido com solução de álcool e água (partes iguais). Nunca use, porém, produtos abrasivos, como saponáceo, esponja de aço tipo Scotch Brite* e outros. Água, detergente, álcool, flanela Esponja abrasiva, lã de aço, saponáceo líquido, e saponáceo

10 - USOS E APLICAÇÕES
O MaDeFibra, pelas suas características de corte, usinabilidade e facilidade de pintura, constitui-se num produto adequado a indústrias de transformação, entre elas destacamos as principais:

Construção Civil

Indústria Moveleira

Brinquedos

Diversos

Displays

Comunicação Visual

Artes Plásticas

SÃO PAULO Av. Paulista, 1,938-01310-942 Tel.: (0xx11) 3179-7733 - São Paulo - SP Belo Horizonte Av. Augusto de Lima, 479 - sala 1.907-30190-001 - Tel.: (0xx31) 274-1911 - Belo Horizonte - MG Fortaleza Av. Santos Dumont, 3.060 - salas 609/611 - 60150-161 - Tel.: (0xx85) 261-4568 - Fortaleza - CE Curitiba Av. 7 de Setembro, 4.698 - 200º andar - sala 2.004 - 80240-000 - Tel.: (0xx41) 342-6605 - Curitiba - PR Gravataí Rua Dr. Maurício Cardoso, 148 - 94030-520 - Tel.: (0xx51) 484-8111 - Gravataí - RS

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->