P. 1
ALERGIA A PICADA DE ABELHA

ALERGIA A PICADA DE ABELHA

|Views: 256|Likes:
Publicado porfranc3sca

More info:

Published by: franc3sca on Mar 24, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/29/2014

pdf

text

original

ALERGIA A PICADA DE INSETOS

A alergia é a reação exagerada do sistema imunológico contra substâncias que, teoricamente, não constituem uma ameaça ao organismo. Esta definição se adequa bem a alergia respiratória, onde os alergenos (as substancias que desencadeiam a reação) são constituintes inócuos da poeira ou de pólens de plantas. Na alergia a picada de insetos, da mesma forma, ocorrem reações exageradas a substancias presentes na saliva ou no veneno de insetos, mas da mesma forma a reação do sistema imunológico, por ser exagerada e não controlada, não protege o organismo dos efeitos das substâncias em questão, e acaba causando problema maior que a própria substância inoculada pelo inseto, podendo levar a consequências até graves, como a anafilaxia (a forma mais grave de reação alérgica generalizada, ou sistêmica). A alergia relacionada a picada de insetos pode se manifestar na forma de reação localizada ou até generalizada ao veneno de insetos picadores como a abelha, vespa, marimbondo, e também após picada de formigas, ou como a alergia a picada de insetos sugadores, principalmente os mosquitos, conhecida como prurigo estrófulo ou, simplesmente, estrófulo. O estrofulo é a forma mais comum de alergia a picada de insetos nas grandes cidades, seguida das reações a picadas de formigas e das reações as picadas de abelhas, marimbondos e vespas (estas mais frequentes em cidades menores e no interior). As crianças são particularmente vulneráveis, por estarem mais tempo expostas ao contato com estes insetos nos parques, play-groundse em outras áreas de lazer, até mesmo na creche ou na escola. Outro grupo de importância são os trabalhadores rurais, e principalmente os apicultores, pelo contato direto e diário com abelhas. O estrofulo geralmente se inicia durante o primeiro ano de vida, com lesões após picada de mosquito que evoluem com pequenos caroços, podendo haver bolhas pequenas que se rompem, e tendem a formar uma ferida (figura 1). A lesão é rodeada por um halo de vermelhidão, e é muito pruriginosa (coça muito). Frequentemente, por causa da coceira, a ferida pode aumentar e até infectar, evoluindo com secreção amarelada e posteriormente com uma cicatriz duradoura. Este é um problema particularmente preocupante nas pessoas de pele mais escura em geral, e nas meninas, que poderão ficar com cicatrizes para o resto da vida (figura 2). Eventualmente, também surgem lesões chamadas “satélite”, ou seja, ao redor de uma única picada do mosquito, podem surgir outras lesões sem necessidade de várias picadas. As áreas mais acometidas são as áreas naturalmente mais expostas aos mosquitos: a face, os braços e pernas. Uma parcela das crianças pequenas evoluem naturalmente para a redução das reações e a cura em meses, como se fossem naturalmente dessensibilizadas pelas repetidas picadas de mosquito. Muitas outras crianças permanecem tendo estas reações, e aí o problema passa a ser grande, pelos já descritos riscos de infecção secundária das lesões, e pela produção de cicatrizes em braços e pernas, com prejuízo estético e da qualidade de vida. Nestes casos, a imunoterapia (vacinas específicas para reduzir a intensidade das reações alérgicas) é altamente eficaz, induzindo aquela dessensibilização que não ocorreu naturalmente nos primeiros meses após o início do quadro.

tendem a ser mais graves que as anteriores. abelhas e marimbondos/vespas (figura 5) evoluem de forma variada. cortinados em berços e camas. até reações com placas vermelhas com coceira (a urticária – figura 3) a distância e até generalizada (em todo corpo). de acordo com a faixa etária. A imunoterapia literalmente salva vidas nos casos de reações graves a picada destes insetos. evoluindo sem deixar feridas e cicatrizes. e carregar consigo medicação (adrenalina) para auto-aplicação em casos de emergência (figura 4). vermelhidão e coceira. como evitar os locais onde sabidamente existem estes insetos. as pessoas que têm alergia a insetos deste tipo necessitam fazer o uso da imunoterapia. em geral. e repelentes para uso em ambientes e/ou na pele.Já as reações a picadas de formiga. podendo ser apenas uma reação local. alterações de outros órgãos/sistemas. sempre são necessários cuidados de proteção. dor. Por isso. onde ocorre. seja pela inchação da laringe com obstrução da entrada do ar (o chamado “edema de glote”). que é a única forma de reduzir a intensidade da reação do sistema imunológico quando entra em contato com as substâncias presentes no veneno destes insetos. usar roupas compridas e sem cores fortes (que atraem abelhas). O extremo de gravidade e de intendsidade dessa reação generalizada é a chamada anafilaxia. podem evoluir para reações generalizadas. além do surgimento de urticária em várias áreas da pele. com inchação. e as reações subsequentes. devem ter um cartão de identificação com estas informações. e uso de telas de proteção nas janelas. por alterações do trato digestivo. Estas reações. falta de ar. e continuam expostas ao risco de novas reações. após novas picadas. e até dor na barriga e diarréia. Para qualquer um dos tipos de alergia a insetos (mosquito-estrófulo ou abelhas/marimbondos/formigas-urticaria/anafilaxia). . mesmo as localizadas. como queda da pressão arterial pelo acometimento cardiovascular. evitar perfumes fortes e adoçicados (pelo mesmo motivo). seja pelo acometimento dos brônquios (como numa crise de asma). As pessoas que já tiveram reações generalizadas/graves.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->